• Compartilhar
  • Email
  • Incorporado
  • Curtir
  • Salvar
  • Conteúdo privado
Saúde na nova terra
 

Saúde na nova terra

on

  • 258 visualizações

 

Estatísticas

Visualizações

Visualizações totais
258
Visualizações no SlideShare
257
Visualizações incorporadas
1

Actions

Curtidas
0
Downloads
2
Comentários
0

1 Incorporado 1

http://teologiaescatologica.blogspot.com.br 1

Categorias

Carregar detalhes

Uploaded via as Adobe PDF

Direitos de uso

© Todos os direitos reservados

Report content

Sinalizado como impróprio Sinalizar como impróprio
Sinalizar como impróprio

Selecione a razão para sinalizar essa apresentação como imprópria.

Cancelar
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Sua mensagem vai aqui
    Processing...
Publicar comentário
Editar seu comentário

    Saúde na nova terra Saúde na nova terra Document Transcript

    • Saúde na Nova TerraSe na Nova Terra “não haverá luto, nem pranto, nem dor” (Ap 21:4), por que então asfolhas da árvore da vida serão “para a cura dos povos”? (Ap 22:2)Por Alberto R. TimmApocalipse 21:1 a 22:5 fala da restauração de todas as coisas ao seu estado de perfeição original, quando a mortee a doença não mais existirão (Ap 21:4). Libertos do pecado e de suas conseqüências, os justos terão plenoacesso à árvore da vida, da qual nossos primeiros pais foram banidos em decorrência de sua transgressão (verGn 3:22-24).Ao mencionar que as folhas dessa árvore serão “para a cura dos povos”, o texto não está falando da possibilidadede pessoas ainda ficarem doentes na Nova Terra e serem então curadas por essas folhas. A ênfase está nocontraste entre a presente condição de alienação da árvore da vida, caracterizada por doença, sofrimento e morte,e o futuro estado de acesso a essa árvore, quando os remidos estarão completamente curados de todas asconseqüências do pecado. Portanto, as folhas da árvore da vida serão, de acordo com Jamieson, Fausset eBrown, “a preventiva fonte de saúde, que protegerá os remidos da doença, ao invés de curá-los dela”.Fonte: Sinais dos Tempos, janeiro de 1998, p. 29 (usado com permissão)