Descoberta
 OPAC – Online Public Access Catalog
 Catálogos Online
› Padrão MARC – Anos 1960
 Dynix Library Management System
› Ano...
 1ª. GERAÇÃO
› Pontos de Acesso: somente autor ou título / Forma de Busca: busca por índice
(browse/percorrer lista)
 2ª...
 Descoberta em Escala Web (exponencialidade da
busca)
 Compreende as funcionalidades dos OPACS e mais:
› Indexação de co...
Serve para ajudar os usuários a descobrir o
conteúdo disponibilizado por meio da
biblioteca em todos os formatos,
independ...
 EBSCO – Ebsco Discovery Service: Lançado
em 2010, tem atualmente 5.612 clientes (não
possui dados de anos anteriores)
 ...
UNIVERSIDADE SISTEMA
California Institute of
Technology
Nenhum
University of Oxford Primo
Harvard University Primo
Stanfor...
 EDS: Laureate International Universities
Brazil (Anhembi Morumbi, Uniritter
dentre outras), Petrobrás, UERJ
 Primo: USP...
 Há conteúdos adicionais ao Portal de
Periódicos CAPES assinados pela instituição?
 A instituição possui bibliotecas dig...
 A CAPES optou por utilizar o Metalib+
(Primo Central Index)
 Para clientes do serviço Primo é
possível realizar a integ...
 Modelo de negócio
 Normalização de
dados
 Ranking de
Resultados
 Integração de ILS
 Customização de UI
 Tags e rese...
 NISO - Open Discovery Initiative –
25.outubro.2011
 Orbis Cascade Alliance – Alliance Board letter
to EBSCO and Ex Libr...
VAUGHAN, Jason. Web
scale discovery services.
Library Technology Report,
v. 47, n. 1, jan. 2011.
Gestão
 Diminuição do uso dos acervos impressos
 Aumento do uso dos acervos eletrônicos
 Maior oferta de conteúdos eletrônicos...
 Web-Scale Management Services
 Software as a Service (S.a.a.S.) –
gerenciamento da plataforma deixa de ser
responsabili...
 Ampliação das funcionalidades com o uso de
APIs
 BI para geração de análises (relatórios e
dashboards)
 Interoperabili...
 URL: oclc.org/worldshare.en.html
 Lançamento: 2011
 Desenvolvedor: OCLC
 Licença: Proprietária
 Bibliotecas: ~200
 ...
 URL: discoveralma.com
 Lançamento: 2013
 Desenvolvedor: Ex Libris
 Licença: Proprietária
 Bibliotecas: +200
 Destaq...
 URL: www.iii.com/products/sierra
 Lançamento: 2012
 Desenvolvedor: Inovative Interfaces Inc.
 Licença: Proprietária
...
 URL: www.proquest.com/products-
services/intota.html
 Lançamento: 2015
 Desenvolvedor: Proquest
 Licença: Proprietári...
 URL: www.kuali.org/ole
 Lançamento: 2014 (2º. Sem.)
 Desenvolvedor: Kuali Foundation
 Licença: Open Source
 Destaque...
 A legalidade dos dados das
universidades em nuvens terceirizadas
 Custo anual da assinatura/contratação
 O mercado nac...
Blog: Thoughts from Carl Grant
Post: Impressions of the new library
service platforms. 22.out.2012.
Repositórios e
Portais de Revistas
 Necessidade de gestão da produção intelectual e
dos periódicos produzidos pela instituição
 Há atualmente registrados n...
Repositórios Revistas
 URL: www.dspace.org
 Lançamento: 2002
 Desenvolvedor: MIT e HP Labs
 Licença: Open Source
 Usuários registrados: ~1....
 URL: www.fedora.info
 Lançamento: 2003
 Desenvolvedor: DuraSpace
 Licença: Open Source
 Usuários registrados: ~330
...
 URL: pkp.sfu.ca/ojs
 Lançamento: 2001
 Desenvolvedor: Public Knowledge Project
(Simon Fraser University Library)
 Lic...
 URL: scholarone.com
 Desenvolvedor: Thomson Reuters
 Licença: Proprietária
 Usuários: ~500 (editoras e sociedades)
 ...
Preservação Digital
e Dark Archives
 A preservação digital combina políticas, estratégias e
ações para garantir a reprodução precisa de conteúdos
autenticado...
 Backup não é Preservação Digital
 Preservação Digital vai além da
verificação de integridade do objeto
 Ela deve compr...
 Solução tanto para conteúdos da
instituição quanto para aqueles
adquiridos/licenciados de editores
 Poucas instituições...
ANDERSON DE SANTANA
Facebook.com/andesantana
andesantana
anderson.santana@sibi.usp.br/algalord@usp.br
Tecnologias para bibliotecas
Tecnologias para bibliotecas
Tecnologias para bibliotecas
Tecnologias para bibliotecas
Tecnologias para bibliotecas
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Tecnologias para bibliotecas

889 visualizações

Publicada em

Apresentação realizada no II Encontro das Bibliotecas
da UNIFESP no dia 31 de julho de 2014.

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
889
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
26
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Tecnologias para bibliotecas

  1. 1. Descoberta
  2. 2.  OPAC – Online Public Access Catalog  Catálogos Online › Padrão MARC – Anos 1960  Dynix Library Management System › Anos 1980 › Popularização dos Sistemas de Gerenciamento de Bibliotecas http://en.wikipedia.org/wiki/Online_public_access_catalog
  3. 3.  1ª. GERAÇÃO › Pontos de Acesso: somente autor ou título / Forma de Busca: busca por índice (browse/percorrer lista)  2ª. GERAÇÃO › Pontos de Acesso: qualquer palavra ou símbolo existente no registro bibliográfico / Forma de Busca: busca por índices (ampliada), uso de operadores booleanos para combinação, limitação por campos numéricos (igual, maior, menor etc.), proximidade, truncamento, filtragem por códigos e uso de hiperlinks  3ª. GERAÇÃO › Todas as funcionalidades da 2ª. Geração / acesso por dentro dos OPACs às bases de dados comerciais (primeiramente em CD-ROM e sem texto completo; modernamente via Internet e com texto completo) / enriquecimento do registro bibliográfico / arquivos digitais contendo Sumários, Resenhas e Sinopses, bem como imagens das capas / estrutura sintética avançada de bancos de dados relacionais  4ª. GERAÇÃO › Todas as funcionalidades da 3ª. Geração e mais / Resultados contextualizados por meio de facetas de refinamento / Rankeamento por relevância / Web 2.0 (uso de tags e inserção de resenhas pelo usuário) *BALBY, C. N. Estudos de uso de catálogos on-line (OPACs): revisão metodológica e aplicação da técnica de análise de log de transações a um OPAC de biblioteca universitária brasileira. 2002. 137 f. Tese (Doutorado em Ciências da Comunicação) – Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2002.
  4. 4.  Descoberta em Escala Web (exponencialidade da busca)  Compreende as funcionalidades dos OPACS e mais: › Indexação de conteúdos internos e externos à instituição; › Integração com outros sistemas da mesma natureza; › Uso de índices centrais que indexam os conteúdos da grande maioria dos periódicos e bases de dados; › Manipulação dos dados oriundos das mais diversas fontes; › Interface unificada para pesquisa; › Indexação de conteúdos em Acesso Aberto; › dentre outras...
  5. 5. Serve para ajudar os usuários a descobrir o conteúdo disponibilizado por meio da biblioteca em todos os formatos, independentemente se ele reside dentro da biblioteca física ou entre as suas coleções de conteúdo eletrônico, abrangendo ambos os materiais de propriedade local e aqueles acessados remotamente por meio de assinaturas. Breeding, Marshall. The State of the Art in Library Discovery 2010. Computers in Libraries, v. 30, n. 1, p. 31-35, jan./feb ,2010. Disponível em: <http://www.librarytechnology.org/ltg- displaytext.pl?RC=14574>.
  6. 6.  EBSCO – Ebsco Discovery Service: Lançado em 2010, tem atualmente 5.612 clientes (não possui dados de anos anteriores)  Ex Libris – Primo: Lançado em 2006 e em 2010 o Primo Central Index, tem atualmente 1.407 clientes (em 2013: 1.151)  OCLC – WorldCat Discovery: Lançado em 2007, tem atualmente 1.717 clientes (em 2013: 1.683)  Proquest – Summon: Lançado em 2009, tem atualmente 673 clientes (em 2013: 504) Fonte: http://www.americanlibrariesmagazine.org/article/library-systems-report-2014
  7. 7. UNIVERSIDADE SISTEMA California Institute of Technology Nenhum University of Oxford Primo Harvard University Primo Stanford University WorldCat Discovery MIT EDS Princeton University Primo / Summon University of Cambridge Summon University of California, Berkeley WorldCat Discovery University of Chicago VUFind Imperial College London Primo
  8. 8.  EDS: Laureate International Universities Brazil (Anhembi Morumbi, Uniritter dentre outras), Petrobrás, UERJ  Primo: USP, Unesp, PUC-RS, CAPES  Summon: Unicamp, PUC-Rio, Univ. Católica de Brasília, UNB, UNIFOR
  9. 9.  Há conteúdos adicionais ao Portal de Periódicos CAPES assinados pela instituição?  A instituição possui bibliotecas digitais?  Há orçamento anual garantido para contratação do serviço?  Seu usuário precisa de um serviço de descoberta?  O ILS permite integração com a descoberta? Em que nível?  Que nível de autonomia você quer ter com a gestão e ingestão de dados?
  10. 10.  A CAPES optou por utilizar o Metalib+ (Primo Central Index)  Para clientes do serviço Primo é possível realizar a integração de conteúdos  Para os demais serviços a ativação é manual, item a item
  11. 11.  Modelo de negócio  Normalização de dados  Ranking de Resultados  Integração de ILS  Customização de UI  Tags e resenhas  Deduplicação  Ferberização  Quantidade de itens no Índice Central  Acesso Aberto  Suporte  Diferenciais
  12. 12.  NISO - Open Discovery Initiative – 25.outubro.2011  Orbis Cascade Alliance – Alliance Board letter to EBSCO and Ex Libris – 2.maio.2013  ProQuest and Ex Libris Cooperate to Improve Research Workflows – 25.janeiro.2014  Liblicense Model License Agreement & Commentary – 7.abril.2014  EBSCO Announces New Open Policy on Metadata Sharing – 18.abril.2014  Ex Libris Response to the EBSCO Policy for Metadata Sharing & Collaboration – 21.abril.2014
  13. 13. VAUGHAN, Jason. Web scale discovery services. Library Technology Report, v. 47, n. 1, jan. 2011.
  14. 14. Gestão
  15. 15.  Diminuição do uso dos acervos impressos  Aumento do uso dos acervos eletrônicos  Maior oferta de conteúdos eletrônicos  Uso do orçamento das bibliotecas para aquisição/licenciamento de conteúdos eletrônicos tem sido cada vez maior em relação ao impresso  Dificuldade para avaliar o “uso real” das coleções impressas – custo por uso  Morosidade e inconsistência no processamento técnico das coleções  Atualização constante da infraestrutura de TI  Profissional(is) de TI dedicado(s) ao ILS da Biblioteca  Interoperabilidade  Relatórios
  16. 16.  Web-Scale Management Services  Software as a Service (S.a.a.S.) – gerenciamento da plataforma deixa de ser responsabilidade da biblioteca  Todos os dados ficam em uma nuvem terceirizada  Base de conhecimento bibliográfica única – Catálogo coletivo universal  Integração com Índices Centrais dos Serviços de Descoberta  O OPAC agora é a Descoberta  Integração com Resolvedores de Links
  17. 17.  Ampliação das funcionalidades com o uso de APIs  BI para geração de análises (relatórios e dashboards)  Interoperabilidade com os mais diversos padrões de metadados (MARC, DC, ONIX, MODS)  Desenvolvido a partir dos fluxos reais de trabalho das bibliotecas  Gestão de recursos eletrônicos  Integração com diversos modelos de aquisição/licenciamento (Patron Driven Acquisition, Demand-Driven Acquisition, Pay Per View)
  18. 18.  URL: oclc.org/worldshare.en.html  Lançamento: 2011  Desenvolvedor: OCLC  Licença: Proprietária  Bibliotecas: ~200  Destaques: › Maior rede colaborativa do mundo › Custo mais baixo
  19. 19.  URL: discoveralma.com  Lançamento: 2013  Desenvolvedor: Ex Libris  Licença: Proprietária  Bibliotecas: +200  Destaques: › Modelo de implantação › Grupo de usuários bastante ativos › BI
  20. 20.  URL: www.iii.com/products/sierra  Lançamento: 2012  Desenvolvedor: Inovative Interfaces Inc.  Licença: Proprietária  Bibliotecas: ~250  Destaques: › Chancela da III › Utilização de API’s Open Source
  21. 21.  URL: www.proquest.com/products- services/intota.html  Lançamento: 2015  Desenvolvedor: Proquest  Licença: Proprietária  Bibliotecas: ~6 (parceiros de desenvolvimento)  Destaques: › Criado a partir do fluxo da aquisição › Intota Assessment em produção
  22. 22.  URL: www.kuali.org/ole  Lançamento: 2014 (2º. Sem.)  Desenvolvedor: Kuali Foundation  Licença: Open Source  Destaques: › Chancela da Andrew W. Mellon Foundation › Solução completa para Universidades › Grande base de desenvolvedores
  23. 23.  A legalidade dos dados das universidades em nuvens terceirizadas  Custo anual da assinatura/contratação  O mercado nacional › Pergamum › Sophia  Falta de um mapa da tecnologia de bibliotecas
  24. 24. Blog: Thoughts from Carl Grant Post: Impressions of the new library service platforms. 22.out.2012.
  25. 25. Repositórios e Portais de Revistas
  26. 26.  Necessidade de gestão da produção intelectual e dos periódicos produzidos pela instituição  Há atualmente registrados no Repository66.org 3.045 repositórios institucionais e no DOAJ (Directory of Open Access Journals) 9.921 periódicos  Os sistemas mais utilizados para gestão desses produtos/serviços são Open Source  De acordo com o Ranking Webometrics, dos 10 principais repositórios da América Latina o Brasil possui 5, sendo que 2 destes estão entre os 100 melhores do mundo  As universidades brasileiras têm se destacado devido ao seu importante trabalho com as revistas em acesso aberto
  27. 27. Repositórios Revistas
  28. 28.  URL: www.dspace.org  Lançamento: 2002  Desenvolvedor: MIT e HP Labs  Licença: Open Source  Usuários registrados: ~1.250  Destaques: › Maior base de usuários no mundo › Comunidade de desenvolvimento › Sistema simples de configurar
  29. 29.  URL: www.fedora.info  Lançamento: 2003  Desenvolvedor: DuraSpace  Licença: Open Source  Usuários registrados: ~330  Destaques: › Sistema complexo e seguro › Suporta grandes quantidades de registros
  30. 30.  URL: pkp.sfu.ca/ojs  Lançamento: 2001  Desenvolvedor: Public Knowledge Project (Simon Fraser University Library)  Licença: Open Source  Instalações: ~2.475  Destaques: › Mais de 7.000 periódicos › Comunidade de desenvolvimento bastante ativa › Integração com novas ferramentas de métricas
  31. 31.  URL: scholarone.com  Desenvolvedor: Thomson Reuters  Licença: Proprietária  Usuários: ~500 (editoras e sociedades)  Destaques: › Suíte de aplicativos (revistas, livros, congressos etc) › Utilizada pelas maiores editoras do mundo › SciELO adotou como plataforma de gestão das publicações
  32. 32. Preservação Digital e Dark Archives
  33. 33.  A preservação digital combina políticas, estratégias e ações para garantir a reprodução precisa de conteúdos autenticados ao longo do tempo, independentemente dos desafios de falha de mídia e mudanças tecnológicas. A preservação digital aplica-se tanto conteúdo nascido digitalmente quanto o reformatado (Fonte: www.ala.org/alcts/resources/preserv/defdigpres0408)  Dark Archives são os repositórios para depósito de itens eletrônicos com vistas à sua preservação, integridade e sustentabilidade. Os conteúdos nele depositados têm seu acesso restrito e se tornam acessíveis somente em casos de problemas de acesso à versão pública de um objeto
  34. 34.  Backup não é Preservação Digital  Preservação Digital vai além da verificação de integridade do objeto  Ela deve compreender todo o fluxo da criação, gestão e acesso do objeto
  35. 35.  Solução tanto para conteúdos da instituição quanto para aqueles adquiridos/licenciados de editores  Poucas instituições brasileiras utilizando  Rede Brasileira de Serviços de Preservação Digital – CARINIANA (IBICT)
  36. 36. ANDERSON DE SANTANA Facebook.com/andesantana andesantana anderson.santana@sibi.usp.br/algalord@usp.br

×