Serviços de Descoberta [Artigo - SNBU 2014]

190 visualizações

Publicada em

Os serviços de descoberta são sistemas de busca, com a função de integrar conteúdos informacionais de variadas fontes de dados, sejam elas remotas, como aquelas disponíveis em plataformas de editores ou agregadores, ou fontes locais como os sistemas de gerenciamento de bibliotecas, bibliotecas digitais, repositórios institucionais, dentre outras. Todos esses conteúdos são pesquisáveis e recuperados por uma interface de acesso única. O presente texto tem como intuito apresentar um panorama sobre os serviços de descoberta e seu uso no Brasil. Ademais, sugere uma proposta analítica para seleção de serviços de descoberta, baseada em um questionário que compreende os recursos desejáveis do sistema. Espera-se que com o conteúdo ora apresentado possa-se ampliar o conhecimento sobre a ferramenta e auxiliar os bibliotecários na seleção de tal serviço.

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
190
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Serviços de Descoberta [Artigo - SNBU 2014]

  1. 1. 1 XVIII Seminário Nacional de Bibliotecas Universitárias SNBU 2014 SERVIÇOS DE DESCOBERTA Anderson Santana
  2. 2. 2 RESUMO Os serviços de descoberta são sistemas de busca, com a função de integrar conteúdos informacionais de variadas fontes de dados, sejam elas remotas, como aquelas disponíveis em plataformas de editores ou agregadores, ou fontes locais como os sistemas de gerenciamento de bibliotecas, bibliotecas digitais, repositórios institucionais, dentre outras. Todos esses conteúdos são pesquisáveis e recuperados por uma interface de acesso única. O presente texto tem como intuito apresentar um panorama sobre os serviços de descoberta e seu uso no Brasil. Ademais, sugere uma proposta analítica para seleção de serviços de descoberta, baseada em um questionário que compreende os recursos desejáveis do sistema. Espera-se que com o conteúdo ora apresentado possa-se ampliar o conhecimento sobre a ferramenta e auxiliar os bibliotecários na seleção de tal serviço. Palavras-Chave:Serviços de Descoberta; Ferramentas de Busca; Catálogos; OPACs; Tecnologia da Informação. ABSTRACT The discoveryservices are search systems, withthefunctionofintegratinginformationcontentsofvarious data sources, remotes, such as thoseavailablefrompublishersoraggregatorsplatforms, or local sourcessuch as integratedlibrary systems, digital libraries, institutionalrepositories, amongothers. Allthesecontents are searchableandretrievedby a single access interface. Thispaperhasthepurposetopresentan overview oftheservicesdiscoveryand its use in Brazil. Furthermore, suggesting a analyticalproposal for selectingdiscoveryservices,basedon a questionnairecomprisingthedesirablefeaturesofthe system. It isexpectedthatthecontentpresentedhereinmaybebroadeningourunderstandingofthe tool andtoassistlibrarians in selectingsuchservice. Keywords:Discovery Services; Search Engines; Catalogues; OPACs; Information Technology.
  3. 3. 3 1 Introdução O processo de busca por informações geralmente foi cercado por uma aura utópica. Os sistemas almejados deveriam ser capazes de prever os próximos passos do pesquisador e lhe fornecer a maior quantidade possível de informações validadas. A evolução dos sistemas de busca foi, sobremaneira, a mola propulsora do crescimentoexponencial da ciênciadesde a década de 1940. (BAETA-YATES e RIBEIRO- NETO, 1999 e BUSH, 1945). Com o fim da segunda-guerra, todo o conhecimento adquirido precisava ser registrado e posteriormente recuperado; portanto a necessidade de sistemas de busca mais sofisticados era uma necessidade premente. O desenvolvimento dos catálogos de bibliotecas (Online Public Access Catalogues – OPACs), passando de um simples índice a ferramenta de descoberta de conteúdos tanto físicos como digitais, foram fundamentais para agilizar as pesquisas e a produção de conhecimento novo. O presente trabalho tem como objetivo apresentar o novo nível dos sistemas de busca de informações, os serviços de descoberta em escala web (web-scalediscoveryservices) e propor um instrumento de avaliação para as instituições que desejam adquirir tal solução, com base na verificação de critérios que se adequem à sua necessidade. Para tanto, realizou-se um levantamento dos serviços e sistemas disponíveis para comercialização no Brasil e com base na literatura existente, desenvolveram-se parâmetros para seleção. O serviço de descoberta no Brasil é relativamente novo. A primeira instalação de uma solução como essa se deu no ano de 2011, porém a quantidade de instituições utilizando tal serviço no mundo naquela época superava as trêsmil(BREEDING, 2012a). Atualmente o total de instalações das quatro principais empresas do mercado, superam as nove mil e quatrocentas (BREEDING, 2014a). Dessa forma, espera-se que com este trabalho possa-se ampliar o conhecimento sobre a ferramenta e auxiliar os bibliotecários na seleçãode tal serviço.
  4. 4. 4 2Serviços de Descoberta O uso dos catálogos bibliográficos remontamos primeiros registros formais do conhecimento humano e, portanto, cabe destacar alguns pontos temporais de sua evolução:  250a.C. – Biblioteca de Alexandria – as Pinakes(conjuntos de rolos com informações bibliográficas das obras existentes na biblioteca) são consideradas o primeiro catálogo de biblioteca, tendo como acesso principal o assunto (DRAKE, 2003);  1572 – Biblioteca de Jeremias Martius – primeiro catálogo impresso de biblioteca (NORMAN, 2014);  1895 a 1934 – Mundaneum – biblioteca criada por Paul Otlete Henri de la Fontaine com o objetivo de catalogar todo o conhecimento humano, por meio do Repertório Bibliográfico Universal, que chegou a possuir mais de 15 milhões de fichas catalográficas (RAYWARD, 1975);  1945 – Memex – apesar de nunca ter sido desenvolvido formalmente, o Memex, uma criação do pesquisador e ex-diretor do Escritório de Desenvolvimento e Pesquisa Científica do governo americano, Vannevar Bush, seria uma máquina que interagia com diversas fontes de informação por meio do hipertexto. Seus conceitos serviram de base para a criação da Web (BUSH, 1945 e DALAKOV, [20??]);  1960 – Desenvolvimento dos primeiros catálogos online, porém na metade da década de 1970 dá-se início ao desenvolvimento em larga escala dos OPACs. Em 1983 surge o Sistema Integrado de Bibliotecas (Integrated Library System – ILS) mais popular, o Dynix Library Management System (BALBY, 2002 e BREEDING, 2005);  1996 – Google – entra no ar, como um projeto de pesquisa, a primeira versão daquela que se tornaria a ferramenta de busca de informações mais utilizada no mundo e que modificou todos os modelos anteriormente existentes de padrões de buscas (GOOGLE, 2014);  2009 – Summon – primeiro serviço de descoberta em escala web, permitindo a busca nos catálogos locais e bases de dados externas simultaneamente (BREEDING, 2013).
  5. 5. 5 Os serviços de descoberta têm por conceito proporcionar o acesso a todos os aspectos das coleções de bibliotecas, não apenas os que são geridos no catálogo tradicional da biblioteca, que é limitado ao conteúdo gerenciado pelo sistema integrado de bibliotecas e tem o papel de ajudar os usuários a descobrirem o conteúdo da biblioteca em todos os formatos, independentemente de ele residir dentro da biblioteca física ou entre as suas coleções de conteúdo eletrônico, abrangendo ambos os materiais de propriedade local e aqueles acessados remotamente por meio de assinaturas (BREEDING, 2012b). Serviços de descoberta em escala web (web-scalediscovery system) são capazes de indexar uma variedade de conteúdo, seja hospedado localmente ou remotamente. Esse conteúdo pode incluir registros de biblioteca (oriundos do ILS), coleções digitais, repositório institucional e conteúdo de bancos de dados desenvolvidos localmente e hospedados. Além disso, eles pré-indexam remotamente o conteúdo, seja comprado ou licenciado pela biblioteca. Este último conjunto de conteúdo – de centenas de milhões de itens – pode incluir e-books, dezenas de milhares de periódicos em texto completo de editores ou agregadores, conteúdos de bases dados referenciais, e materiais depositados em repositórios de acesso aberto. Os serviços de descoberta são serviços flexíveis que proporcionam a rápida e perfeita descoberta, entrega e classificação de relevância em um enorme repositório de conteúdo (VAUGHAN, 2012). Suas características gerais possuem: recursos de ordenação baseada em relevância dos resultados de busca, facetas para restringir os resultados de acordo com categorias específicas, como autores, intervalos de datas e tipos de materiais. Estes mecanismos podem incluir a identificação de localização e status de um item físico, com a opção de reservá-lo; possibilidade de vinculação direta com a versão eletrônica para visualização ou download de artigos, capítulos de livros, e-books ou outros itens textuais disponíveis eletronicamente. Possuem ainda recursos sociais como inclusão de comentários, resenhas, avaliação, ou interação dinâmica com outros usuários (BREEDING, 2014b). Dessa forma, os usuários do sistema têm acesso a um conteúdo muito mais vasto do que aquele disponível no catálogo da biblioteca, ampliando exponencialmente o alcance da sua busca, com a vantagem de tudo isso ser descoberto a partir de um único ponto de acesso. Tal sistema minimiza o tempo empreendido nos levantamentos bibliográficos pelos pesquisadores, que no modelo antigo de busca, demandariam o acesso em pelo menos uma
  6. 6. 6 dezena de bases de dados. Para que o sistema funcione de forma eficaz os fornecedores comerciais de serviços de descoberta criam acordos com os editores e agregadores de conteúdos para indexação dos metadados e textos completos, com isso eles geram um “megaíndice” tornando a busca mais rápida e sem a necessidade do cliente ter que catalogar e indexar localmente tal conteúdo. Ao cliente basta entrar na área administrativa do serviço e ativar os conteúdos assinados. Para os conteúdos disponíveis localmente na instituição, como portais de revistas, bibliotecas digitais e repositórios institucionais, os sistemas permitem a indexação em nível privado, ou seja, tal conteúdo ficará disponível somente para os usuários daquela instituição. Os resultados do uso dos serviços de descoberta pelas bibliotecas têm sido positivos, de acordo com O’Hara (2012) foi possível verificar, com base em estatísticas de uso,um crescimento no uso de periódicos eletrônicos em torno de 43% e Yeo (2012) comenta que 68,% de seus usuários estão satisfeitos com o sistema de descoberta.Assim, podemos considerar que os serviços de descoberta têm sido bem aceitos e demonstrado seu papel fundamental de descobridor de conteúdos. No entanto, poucas bibliotecas brasileiras têm aderido a esse novo capítulo da busca de informações e poucos trabalhos têm sido publicados relatando seu uso. A primeira implantação de um sistema de descoberta foi realizada em 2011 pela (1) Universidade Estadual Paulista (UNESP) – sistema: Primo.Em 2012 foram lançados os serviços da (2) Universidade de São Paulo (USP) – sistema: Primo;(3) Portal de Periódicos Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) – sistema: Primo;(4) Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS) – sistema: Primo;(5) Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio) – sistema: Summon;(6) Universidade Católica de Brasília (UCB) – sistema: Summon;(7) Universidade de Brasília (UnB) – sistema: Summon;(8) Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) – sistema: Summon; Petrobrás – sistema: Summon. Em 2013 e 2014 foram implantados também na (9)LaureateInternationalUniversitiesBrazil (constituído por 10 universidades – sistema: EDS); Universidade de Fortaleza (UNIFOR) – sistema: Summon) e (10) Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ – sistema: EDS). A obtenção desses dados são difíceis, pois não existe um controle dos usuários brasileiros. Todavia, já está em andamento, como parte desta pesquisa, a criação de um relatório
  7. 7. 7 de uso de tecnologias de biblioteca no Brasil, nos moldes do relatório anual apresentado por BREEDING (2014c). 3Proposta analítica para seleção de serviços de descoberta O mercado brasileiro possui quatro serviços de descoberta disponíveis:  Ebsco Discovery Service (EDS) – desenvolvido pela EbscoInformation Services, empresa com foco no fornecimento de conteúdos informacionais. O EDS foi lançado oficialmente no ano de 2010 e possui a maior base de clientes no mundo, com mais de 5.600 instalações;  Primo/Primo Central (ExLibrisGroup) – o ExLibrisGroup é um dos principais desenvolvedores de soluções para bibliotecas. O sistema Primo foi lançado em 2006 e não possuía um índice central, sendo este lançado 2010 com o nome de Primo Central. Possui mais de 1.400 clientes e cabe ressaltar que é o único dos quatro serviços que permite a instalação local do seu sistema (todos os demais são serviços em nuvem).  Summon (Proquest) – desenvolvido pela Proquest, que assim como a Ebsco, tem seu foco no fornecimento de conteúdos informacionais. A primeira versão do Summon foi lançada no ano de 2009 e possui mais de 670 clientes.  WorldCat Discovery (OCLC) – a OCLC é um órgão não governamental e sem fins lucrativos, lançou seu serviços de descoberta em 2009 e possui a segunda maior base de clientes do mundo, com mais de 1.700 (BREEDING, 2014a e VAUGHAN, 2011). Para uma análise de uso desses serviços, foram verificados quais deles eram utilizados pelas 10 principais universidades mundiais de acordo com o TimesHigherEducationRanking1. Entre as 10 universidades, o sistema Primo está presente em quatro, Summon e Worldcat Discovery em duas cada um, e o EDS em uma. Uma universidade não utiliza a descoberta e outra utiliza uma opção de software livre. Um caso interessante é Princeton que utiliza dois sistemas, o Primo e o Summon. 1 Disponível em: http://www.timeshighereducation.co.uk/world-university-rankings/
  8. 8. 8 Tabela 1 – Universidades e Serviços de Descoberta utilizados UNIVERSIDADE DESCOBERTA CaliforniaInstituteof Technology Nenhum Universityof Oxford Primo Harvard University Primo Stanford University WorldCat Discovery MIT EDS Princeton University Primo / Summon Universityof Cambridge Summon UniversityofCalifornia, Berkeley WorldCat Discovery Universityof Chicago VUFind Imperial College London Primo Fonte: Top 10 – Times HigherEducation Ranking e páginas web das Bibliotecas Gráfico 1: Serviços de descoberta utilizados pelas 10 mais importantes universidades do mundo Fonte: Top 10 – Times HigherEducation Ranking e páginas web das Bibliotecas Para o estabelecimento de uma proposta analítica para seleção de serviços de descoberta, foram utilizados os estudos propostos por Vaughan (2011) e Santana e Ferreira (2012). Cabe ressaltar que o presente trabalho é parte de um estudo mais abrangente que visa 1 4 2 2 2 0 0,5 1 1,5 2 2,5 3 3,5 4 4,5 EDS Primo Summon WorldCat Discovery Outro/Nenhum
  9. 9. 9 analisar três pontos acerca dos serviços de descoberta no Brasil: (1) Levantamento de informações dos serviços disponíveis para parametrização comparativa; (2) Satisfação do cliente por meio de entrevista com as instituições brasileiras que utilizam os serviços de descoberta; (3) Satisfação do usuário final por meio de entrevista com usuários finais das universidades que utilizam os serviços de descoberta. Portanto o que apresentamos neste trabalho é o parâmetro utilizado na primeira fase desse estudo, a qual utilizou o questionário “Mapeamento de Sistemas de Descoberta (Web- Scale Discovery Systems)” (APÊNDICE A). Tal questionário permitirá à biblioteca analisar e selecionar o serviço que melhor se adeque às suas necessidades. Todavia, a biblioteca precisará realizar previamente uma análise de suas necessidades, conteúdos a serem indexados e custo-benefício. Deve ter em mente também que o custo com um serviço de descoberta é constante, ou seja, para ser utilizado ele deverá ser pago anualmente. 4Considerações Finais Os serviços de descoberta estão começando a se tornar uma realidade no Brasil e as quatro opções existentes possuem funcionalidades interessantes e bastante similares, no entanto as bibliotecas que possuem grande quantidade de fontes de informação locais, necessitam analisar os serviços com mais cuidado e algumas perguntas precisam ser respondidas antes de iniciar um processo de seleção: Eu conheço meu usuário?; Meu usuário precisa da descoberta?;Eu sei onde meu usuário busca informações?; O desenvolvedor do meu ILS vai permitir sua integração à Descoberta?Que nível de integração do meu ILS com a Descoberta eu vou querer?; Minha Universidade permitirá que meus dados bibliográficos sejam incorporados em uma nuvem comercial?; Que autonomia eu quero ter com a gestão e ingestão dos meus dados na Descoberta? Estas perguntas são fundamentais, porém há uma que merece mais atenção e análise: você possui assinaturas de bases de dados e de revistas eletrônicas além daquelas já existentes no Portal de Periódicos CAPES? Isso é importante, pois a CAPES já possui um serviço de descoberta disponível para todo o Brasil. Se a biblioteca não tiver nada além do Portal CAPES não se justifica a assinatura de um serviço de descoberta. Porém se a instituição possuir assinaturas, bases de dados locais, bibliotecas digitais dentre outras, a contratação de
  10. 10. 10 tal serviço está mais do que justificada. Grandes instituições ao iniciarem um processo de seleção de descoberta o fazem durante meses, dedicando uma boa parcela de horas diárias de suas equipes bibliotecárias e de tecnologia a estudarem e a compararem os serviços disponíveis. Esperamos que as próximas fases deste estudo possam auxiliar ainda mais a classe bibliotecária no conhecimento dos serviços disponíveis e na decisão de seleção do serviço. 4Referências BAETA-YATES, R.; RIBEIRO-NETO, B.Moderninformationretrieval.Boston :Addison-Wesley LongmanPublishingCo, 1999. 544p. BALBY, C. N. Estudos de uso de catálogos on-line (OPACs): revisão metodológica e aplicação da técnica de análise de log de transações a um OPAC de biblioteca universitária brasileira. 2002. 137 f. Tese (Doutorado em Ciências da Comunicação) – Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2002. BREEDING, M. The chroniclesofDynix. SmartLibraries Newsletter. jun, 2005. Disponível em: <http://www.librarytechnology.org/ltg-displaytext.pl?RC=11896>. Acesso em:05agosto 2014. ______. Automation marketplace 2012: agentsofchange. 29 de março, 2012a. Disponível em: <http://www.thedigitalshift.com/2012/03/ils/automation-marketplace-2012-agents-of-change>. Acesso em:05agosto 2014. ______. The stateoftheart in librarydiscovery2010. Computers in Library. jan/fev, p.31-34, 2012b. Disponível em: <http://www.librarytechnology.org/ltg-displaytext.pl?RC=14574>. Acesso em:05 agosto 2014. ______. Discovery services for libraries. Monterey, Ca: Internet Librarian 2013, 2013. 72 slides, color. Disponível em: <http://www.librarytechnology.org/ltg-displaytext.pl?RC=18518>. Acesso em: 05 agosto 2014. ______. Library Systems Report 2014. American Libraries Magazine, abr., 2014a. Disponível em: <http://www.americanlibrariesmagazine.org/article/library-systems-report-2014>. Acesso em: 05 agosto 2014. ______. Major discoveryproducts. Library Technology Guides. 2014b. Disponível em: <http://www.librarytechnology.org/discovery.pl>. Acesso em: 05 agosto 2014. ______. Library Technology IndustryReports. Library Technology Guides, 2014c. Disponível em:<http://librarytechnology.org/industryreports/>. Acesso em: 05 agosto 2014.
  11. 11. 11 BUSH, V. As wemaythink.The Atlantic, jul.1945. Disponível em: <http://www.theatlantic.com/magazine/archive/1945/07/as-we-may-think/303881>. Acesso em: 05agosto 2014. DALAKOV, G.. The MEMEX ofVannevar Bush. In: ______. Historyofcomputers [20??]. Disponível em: <http://history-computer.com/Internet/Dreamers/Bush.html>. Acesso em: 05 agosto 2014. DRAKE, M. A. (ed). Encyclopediaoflibraryandinformationscience. 2. ed.. New York :CRC Press, 2003. v.1. GOOGLE. Ourhistory in depth.2014. Disponível em: <http://www.google.com/about/company/history/>. Acesso em: 05 agosto 2014. NORMAN, J. Possiblythefirstprinted catalogue ofanylibrary (1572). In: ______. HistoryofInformation.com. Jeremy Norman &Co., Inc. 2014. Disponível em: <http://www.historyofinformation.com>. Acesso em: 05 agosto 2014. O’HARA, L. Collectionusagepre- andpost- SummonimplementationattheUniversityofManitobaLibraries. EvidenceBased Library andInformationPractice, v. 7, n. 4, p. 25-34, 2012. Disponível em: <http://ejournals.library.ualberta.ca/index.php/EBLIP/article/view/12166>. Acesso em: 05 agosto 2014. RAYWARD, W. B. The universeofinformation :theworkof Paul Otlet for documentationandinternationalorganisation. Moscow :VINITI for theInternationalFederation for Documentation, 1975. 395p. Disponível em: <http://hdl.handle.net/2142/651>.Acesso em: 05 agosto 2014. SANTANA, A.; FERREIRA, S. M. S. P. Web scalediscovery systems: howtoassessthebestsolution. In: IFLA WORLD LIBRARY AND INFORMATION CONGRESS, 78., 2012, Helsinque/Finlândia. Posters. Helsinque/Finlândia: IFLA, 2012. Disponível em: <http://www.producao.usp.br/handle/BDPI/43808>. Acesso em:05 agosto 2014. VAUGHAN, J. Web scalediscoveryservices. Library Technology Report, v. 47, n. 1, jan. 2011. ______. Investigationsinto Library Web-Scale Discovery Services. Information Technology andLibraries, mar., p. 32-82, 2012. Disponível em: <http://ejournals.bc.edu/ojs/index.php/ital/article/view/1916>. Acesso em: 05 agosto 2014. YEO P. P. Impactof a new discoveryserviceat Li Ka Shing Library. Singapore Journalof Library &Information Management, v. 41, p. 36-50, 2012. Disponível em: <http://www.las.org.sg/sjlim/SJLIM2012YeoDiscovery.pdf>. Acesso em: 05 agosto 2014.
  12. 12. 12 APÊNDICE A Mapeamento de Sistemas de Descoberta (Web-Scale Discovery Systems) 1. Modelo de instalação/contratação: Instalação Local; Software As A Service (S.A.A.S.); ou Outro. 1.1. Se o modelo de contratação inclui instalação Local, o sistema pode ser implantado em uma plataforma em Software Livre? Qual? 1.2. Se o modelo de contratação inclui S.A.A.S., há limitações na quantidade de fontes de dados a serem indexadas? 1.3. Possui suporte a Consórcios? Obs.: O item um tem como intuito estabelecer o modelo de implantação do serviço pela empresa. Dos quatro serviços existentes somente o Primo possui mais de um modelo: Local, instalado em servidores do cliente; Direct, instalado em servidores da ExLibris, porém com gestão total pelo cliente; e Total Care, instalado em servidores da ExLibris, cuja gestão também é a cargo deles. Nos demais serviços, a instalação e a gestão da ferramenta ficam a cargo das empresas. A quantidade de fontes indexadas é importante no caso de grandes universidades que possuam muitas bibliotecas digitais. 2. Permite normalização dos dados antes e após a importação? Obs.: Esta pergunta se refere à possibilidade de realização de ajustes em massa dos metadados importados das fontes de dados locais do cliente, como por exemplo, inserção de campos de notas que não existem nos metadados originais. 3. Permite alterar o ranking dos resultados? Obs.: Diz respeito à possibilidade de modificar o sistema de rankeamento do sistema, fazendo, por exemplo, com que itens locais (catálogo local, artigos do repositório institucional etc.) apareçam nas primeiras posições dos resultados de busca. Possibilitando assim que o usuário final possa descobrir itens existentes em sua biblioteca e documentos científicos gerados pela própria instituição.
  13. 13. 13 4. Permite agendamento diário do harvesting das fontes de dados? É possível executar o harvesting a qualquer momento? Obs.: Refere-se ao nível de controle do sistema por parte do cliente. Há sistemas que permitem total gestão de importação de dados pelo cliente, permitindo a realização desta a qualquer hora. Há outros que são estanques e o padrão pode ser diário ou semanal. 5. Permite integração com o Sistema Integrado de Bibliotecas (ILS em inglês Integrated Library System) da instituição? 5.1. A integração com o ILS é em tempo real (OPAC via Sistema)? 5.2. Com quais ILS's o sistema permite integração e em que nível? Obs.: Esta é uma questão fundamental para as bibliotecas, pois muitas instituições utilizam a descoberta como sua única camada de busca e gestão da conta do usuário na biblioteca, aposentando, assim, o OPAC. Portanto é imprescindível para a Biblioteca planejar o que ela deseja da sua descoberta e se o seu ILS é suportado pelo sistema. 6. Possui suporte a serviços de recomendação? Obs.: Serviços de recomendação são bastante úteis ao se realizar buscas em lojas comerciais eletrônicas e alguns dos sistemas de descoberta possuem tais serviços, ampliando ainda mais os resultados das buscas, relacionando artigos a um item de interesse. 7. Permite customização total da interface? 7.1. A interface do sistema para o usuário final possui versão em português? Quais outras línguas estão contempladas? Obs.: A customização está relacionada à possibilidade de tornar a interface da descoberta mais próxima do layout padrão da instituição. Alguns serviços permitem uma customização total, outras somente a troca do logotipo. Além disso, as línguas suportadas na interface permitirão ampliar o uso dela por usuários estrangeiros. 8. O sistema permite que a busca seja feita em português e traduz os termos buscados para outras línguas, permitindo assim que resultados em outros idiomas sejam
  14. 14. 14 recuperados? Obs.: Diz respeito à possibilidade de realização de buscas semânticas. Em geral esta funcionalidade está relacionada ao uso de vocabulários controlados e/ou ontologias multilíngues, adicionadas ao sistema da descoberta. 9. Utiliza facetas de filtragem de resultados? É possível escolher o lado da tela no qual elas aparecem? Qualquer campo de metadados pode se tornar uma faceta? Obs.: Questão fundamental que está relacionada à capacidade de customização dos filtros de busca. Se o cliente possui muitas bibliotecas digitais em sua instituição, talvez seja necessária a criação de facetas baseadas em metadados específicos e o sistema deverá possibilitar isso. 10. Possui ferramenta de sugestão de termos digitados errados do tipo "Você quis dizer XXX"? Obs.: Ferramenta de auxílio ao usuário, pois permite ele digitar um termo errado e lhe ser sugerido a sua versão correta. 11. Permite o uso de tags e resenhas nos itens recuperados? Obs.: Alguns sistemas de descoberta permitem o uso de tags e resenhas por usuários cadastrados. Sua aplicação pode ter variadas funções, uma delas seria para criar listas de bibliografias básicas dos cursos da instituição. 12. Possui opção de salvar uma busca, salvar itens em uma pasta particular e criar alertas? Obs.: Estas funcionalidades estão presentes na maioria das bases de dados e auxiliam bastante os pesquisadores, portanto os sistemas devem prever tal necessidade por parte do usuário. 13. Possui princípios de ferberização (FunctionalRequirements for Bibliographic Records – FRBR)? Obs.: Os usos dos princípios do FRBR se tornam mais funcionais ainda quando se potencializa a capacidade da busca. A organização dos resultados de buscas por variações de
  15. 15. 15 uma obra facilitam sobremaneira a pesquisa bibliográfica. 14. Permite a ativação e desativação de deduplicação de registros? Obs.: A deduplicação, ou a eliminação de duplicatas, é fundamental para instituições com muitas bibliotecas e muitos catalogadores. A duplicação de conteúdos nesse caso é inevitável. Assim, os sistemas de descoberta podem auxiliar a organização dos itens, eliminando as duplicatas e mesclando os dados, transformando os itens iguais em um único. 15. Permite refinar os resultados de busca em diferentes facetas ao mesmo tempo, sem a necessidade de entrar uma por uma? Obs.: Ao se realizar uma busca o usuário pode receber um número bastante expressivo de resultados e o uso de facetas de refinamento permite a ele chegar aos seus itens de interesse, no entanto, ter que clicar em uma faceta por vez pode tornar a busca mais demorada, portanto as opções de seleção múltipla de facetas para posterior aplicação agilizam esse processo. 16. Possui acesso à área particular para os usuários do sistema (login)? Obs.: Esta funcionalidade independe da integração com o ILS. Este item diz respeito a acesso a uma área particular do usuário na descoberta. 17. Qual a quantidade de itens no Índice Central? Qual o percentual de itens em Acesso Aberto? Obs.: Esta questão está relacionada à abrangência do índice central da descoberta. Quanto maior o volume de conteúdo mais garantia de cobertura dos itens assinados/licenciados pela biblioteca se tem. O percentual de conteúdos em acesso aberto é importante, pois permite que a biblioteca tenha acesso a conteúdos que demandariam buscas variadas para serem localizados. Ademais, permite-se analisar com isso, a necessidade de continuidade de algumas assinaturas pela biblioteca, dado o uso de conteúdos similares livres. 18. Permite restringir a busca a somente itens em Acesso Aberto? Obs.: Apesar de estar relacionada ao item anterior esta pergunta tem uma função mais
  16. 16. 16 objetiva, ou seja, permitir a busca somente em itens que sejam reconhecidamente de acesso aberto. Tal requisito não existe em nenhum dos sistemas de descoberta disponíveis. 19. Quanto ao suporte, a empresa tem equipe em território brasileiro? Em caso negativo, possui equipe de suporte que fale português? Obs.: Em todas as quatro soluções existentes no Brasil, o suporte avançado se encontra fora do país. As primeiras linhas de atendimento em sua maioria são de profissionais de suporte geral. Portanto, é fundamental que a biblioteca cobre isso do fornecedor do serviço, ou possua um profissional na sua equipe com boa fluência na língua inglesa. 20. Qual a quantidade de clientes do sistema? Obs.: Importante saber a quantidade tanto em nível nacional, bem como internacional de clientes, para avaliar se haverá outras pessoas para compartilhar dúvidas e ideias ou não. 21. Quais os principais diferenciais do sistema em comparação aos concorrentes? Obs.: Item fundamental para comparar os diferenciais entre um serviço e outro, além de perceber como a empresa se coloca em relação aos concorrentes. 22. Comentários adicionais.

×