Os pingos da chuva caiam lentamente sobre uma janela suja, não demorou muito
para que meus olhos rolassem desesperadamente...
graça? Não seria mais fácil avisar antes mandando um e-mail ou uma carta? Eu
iria recusar claro.
Durante todos esses meus ...
Dou um grito alto, jogo um vaso que esta a mesa ao lado no chão e nada. Aquela
coisa horrenda não pode me ver ou ouvir tam...
consigo ver suas pernas, seus braços e ouvir a sua voz. Estou ficando louca. Bati
várias vezes minha cabeça na arvore tent...
Essa menina tinha o mesmo nome que o meu, eu também me chamara Leticia.
Coincidência, deduzi.
- Co... Como você sabe o meu...
aqui vai acontecer de verdade, não exatamente assim. Se você não optar por se
libertar dos seus medos, dessa sua desconfia...
Acordei, estava me sentindo tonta e confusa, olhei em volta e dessa vez eu sabia
onde eu estava. O quarto dele não mudara ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

O Fado - Amanda A.

127 visualizações

Publicada em

Escrito por Amanda Coelho.

Publicada em: Turismo
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
127
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O Fado - Amanda A.

  1. 1. Os pingos da chuva caiam lentamente sobre uma janela suja, não demorou muito para que meus olhos rolassem desesperadamente pela casa onde eu estava. Essa não era a minha casa, e aquela menina sentada no chão debruçada sobre seus joelhos eu jamais vira. Ainda com as lágrimas escorrendo pelo rosto e os pingos da chuva lá fora ecoando em meus ouvidos me coloquei de pé e comecei a gritar perguntando para aquela menina onde nós estávamos, mas a menina não demonstrou nenhuma reação. Ela seria surda? Ou estaria chocada assim como eu? Tentei me aproximar com passos curtos e silenciosos, agachei-me diante dela e perguntei se ela podia me ouvir e sem receber nenhuma resposta coloquei minhas mãos sobre seus ombros para sacudi-la quando de repente minhas mãos desapareceram. Tentei sacudi-la de novo, mas minhas mãos sumiam quando entravam em contato com a sua pele. Eu sabia que naquele momento estava prestes a entrar em desespero, levantei rapidamente e comecei a correr em busca de alguma resposta, fui em direção a porta e a abri com a certeza de que aquilo era um sonho e lá fora eu estaria de volta á minha vida, mas algo me fez parar imediatamente. Meu corpo se congelou e todos os meus músculos se enrijeceram, diante de mim havia uma enorme floresta. Cheia de arvores, flores e madeiras espalhadas pela terra e era como se aquele lugar não tivesse um fim, era só a casa, a floresta e eu. Com sacrifício, sai correndo em busca de um fim ou alguém que pudesse me ajudar, mas se passaram horas e eu já estava exausta de tanto correr e gritar, e para meu desespero, não encontrei ninguém e nenhuma saída. Fui me arrastando por aquele chão e me segurando nos troncos das árvores, enfim achei a pequena casa onde começou tudo. Será que aquela menina ainda estaria lá? E por que eu não consegui toca-la? Eu tentaria evitar pensamentos que vinham em minha cabeça, mas depois de ler tantos livros eu não posso ignorar a ideia de que eu estava vivendo um sonho e de que aquilo poderia ser um sinal. Mas se tudo isso é um sonho, quem é aquela menina que agora está sentada em uma cadeira e continua não notando minha presença? Minha cabeça doía, havia muitas perguntas a se fazer e tudo que eu queria era poder voltar para minha casa, dormir em paz e esquecer tudo isso. Mas outro lado de mim necessita ficar aqui e descobrir todas essas coisas, eu sinto essa vontade. Por enquanto, imagino que posso estar invadindo o sonho dessa menina e assistindo tudo o que acontece nele. Mas que diabos alguém me manda para uma casa no meio de uma floresta para ficar assistindo o sonho de uma menina sem
  2. 2. graça? Não seria mais fácil avisar antes mandando um e-mail ou uma carta? Eu iria recusar claro. Durante todos esses meus dezesseis anos me pego pensando se os sonhos são apenas pensamentos que produzimos diante de algo que vivemos ou vamos viver sendo então, coisa da nossa cabeça ou se há alguém por trás disso tudo, Deus quem sabe. Acredito em Deus e sei que ele tem um grande poder, mas ficar sacaneando as pessoas dessa maneira fazendo-as se iludirem com momentos felizes que sonham todas as noites ou então, as fazerem ficar com medo, não é muito o estilo Dele. Creio que Deus tem coisas mais importantes para fazer e se estou aqui agora à culpa é dessa minha cabeça maluca e criativa. Metade disso tudo é culpa dos livros que leio, de tanto imaginar as cenas e me envolver com as histórias sonho diariamente com eles. Agora só preciso me lembrar em que livro relata uma jovem menina presa no sonho de alguém em meio a uma floresta gigante. Ok, não há nenhum livro assim. Preciso me concentrar e então, me sento na poltrona da frente onde esta aquela menina. Ela não é perfeita de beleza, mas têm traços simples, um corpo bonito, cabelos lisos e que caem em seus ombros, olhos verdes que demonstram muita intensidade e por fim, está usando um vestido preto de tecido leve, pois o vento que passa pela janela consegue levanta-lo. Agora, olhando diretamente para essa menina posso ver semelhanças e consigo sentir algo bom em relação a ela. A única diferença é que ela aparenta ter vinte e cinco anos de idade, ainda muito jovem. Olhando para essa menina eu desejo ser igual a ela daqui a alguns anos, foi um pensamento que passou em minha cabeça rapidamente. Sei que ela não consegue me ver, ouvir e nem sentir a minha presença, por isso me aproximo mais da poltrona onde ela está e a olho fixamente em seus olhos, ela transmite muitos sentimentos pelo olhar, me faz ter certo conforto e ao mesmo tempo, me deixa confusa. Poucos minutos depois a menina cai sobre a poltrona e mergulha em um sono profundo, é o que também vou fazer e quem sabe dormindo consigo sair daqui. Ainda sonolenta acordo desesperadamente com um barulho, é um grito. Essa é a primeira vez que escuto a voz daquela menina, e preciso tampar meus ouvidos. Quando me dei conta, arregalei meus olhos e pude vê-la de joelhos no sofá implorando para um.... Oh meu Deus. É um monstro. E agora ele está em cima daquela menina, baba escorrendo da sua boca e a menina chorando descontroladamente.
  3. 3. Dou um grito alto, jogo um vaso que esta a mesa ao lado no chão e nada. Aquela coisa horrenda não pode me ver ou ouvir também. Me sinto aliviada por não estar em perigo, mas temo pela vida daquela menina, ela implora para aquele monstro: - Seu monstro nojento, saia daqui agora. Foi você que me trouxe pra cá? Me leve de volta, eu te imploro, não faça nenhum mal contra mim, por favor. – A menina dizia aos berros. Ele era nojento, tinha dentes enormes e nem o diabo na minha imaginação era tão feio quanto ele. Com uma rapidez enorme a menina pegou alguma coisa que estava no alcance das suas mãos, bateu contra a cabeça dele e vendo que ele caíra no chão, correu em direção à porta. Eu a segui logo atrás, tentando gritar em seu ouvido para ver se podia ouvir alguma coisa, mas nada. Ela corria pela floresta desesperada e então, decidiu se esconder atrás de uma grande árvore. Eu não queria estar aqui, pelo menos não assim sem poder ajuda-la, aquele monstro agora está saindo da casa e sabe onde ela esta escondida, é o fim dela. Me afasto daquela arvore e o que posso fazer é ficar parada chorando e lamentando por tudo. O monstro continua se aproximando da arvore com passos lentos e firmes, a menina agora se encolhera e está murmurando algo baixinho, deve estar rezando. Agora ele já está a um metro de distância, pronto pra dar o bote e eu fecho meus olhos, não queria ver aquilo. Ouço um grito forte e abro os olhos, a menina agora está ajoelhada, imóvel e surpreendida. Não é pra menos. Na sua frente, um rapaz de tênis e calça jeans, vendo assim não da para ter certeza se é um homem ou uma mulher, mas a sua mão estendida eram fortes como a de um homem e sua voz, firme: - Deixe-me ajuda-la, por favor. Você está sofrendo, triste e sem vida. Quero vê-la feliz e por isso estou aqui. – disse com uma voz firme, porem, rouca aquele homem. A menina não respondera, estava em estado de choque assim como eu. Como um monstro viera se transformar em um homem em questão de segundos e eu não vi nada? Maldita hora que fechei meus olhos. Isso era impossível, essas coisas só existem em livros e bem, tecnicamente eu estou em um sonho, mas para mim isso tudo é vivo demais. Mas porque eu não consigo ver o seu rosto? Limpo meus olhos na minha camiseta e os piscos tentando enxerga-lo de novo, mas continua o mesmo. Eu só
  4. 4. consigo ver suas pernas, seus braços e ouvir a sua voz. Estou ficando louca. Bati várias vezes minha cabeça na arvore tentando fazer com que tudo voltasse ao normal, mas nada mudara. A menina, ainda de joelhos, tenta falar alguma coisa, mas as palavras não conseguem sair da sua boca. E com as mãos ainda estendidas, aquele homem diz: - Por favor, senhorita, facilite as coisas para mim. Eu vim te buscar e você precisa vir comigo, você só tem a mim para sair desse lugar, deve me ceder sua confiança. Eu não irei lhe fazer mal algum, você deveria saber disso. – Ele transmitia calma em sua voz. - Oh...Oh meu Deus. Isso é um sonho, você não é real. Como você fez aquilo? Você... você é um monstro e por que eu não consigo ver o seu rosto? Se afaste de mim, vai embora, por favor. – A menina dizia tremula, ainda ajoelhada. - Você não pode me mandar ir embora, você foi quem me chamou aqui e você precisa de mim. Durante toda a sua vida eu sei que esperou pela minha chegada e por esse momento. Você não pode ver o meu rosto, pois ainda não é a hora certa de saber quem eu sou. Mas sei que vai gostar, modéstia parte eu sou bonito. – Sua voz agora descontraíra - Você está brincando comigo? Ou melhor, por que não me mata de uma vez? É isso que você queria fazer comigo agora pouco, vá em frente. Eu não te chamei aqui, aliais, eu nem sei o porque eu estou aqui seu idiota. Eu quero ir pra minha casa, e quem quer se esteja fazendo essa brincadeira comigo vai pagar muito caro, ouviu bem? Muito caro! – A menina ficou de pé. O homem deu uma risada. - Você está rindo de que? – ela perguntou - Da maneira como você fala, da maneira como você não acredita no que está acontecendo, logo você uma mulher que sempre adorou ler, sonhar e ter a mente aberta para todos os pensamentos. E você fica incrivelmente linda nervosa, sempre adorei te ver assim. A menina ficara com vergonha e ao mesmo tempo, mais confusa. - Também fica linda quando está com vergonha, mas não fique. Não quero me demorar muito aqui, está ficando frio e eu preciso te levar daqui. Colabore Leticia, por favor. Meus olhos se arregalaram: Leticia.
  5. 5. Essa menina tinha o mesmo nome que o meu, eu também me chamara Leticia. Coincidência, deduzi. - Co... Como você sabe o meu nome? Eu não vou a lugar nenhum com você, nenhum entendeu bem? Saia daqui agora. – Leticia saiu correndo em direção ao nada. Enquanto ela corria desesperadamente, aquele homem ia atrás dela feito uma moto em alta velocidade e não demorou muito para alcança-la. Pegou-a nos braços, colocou-a em cima dos seus ombros e continuou correndo. - Me solta agora seu maluco, você deveria estar em um hospício. Eu vou chamar a policia, seu canalha. Me coloca no chão agora. – Leticia batia nas costas do homem e esperneava, mas ele era forte. Pude ver os dois se afastando em questão de segundos e ficando fora do meu alcance de visão. Não fiz questão de segui-los, algo dentro de mim dizia que ele era um bom homem e bem, eu não conseguiria interferir em nada. - Enquanto caminhamos, ou melhor, corremos de volta para minha casa, quero que ouça tudo que vou lhe dizer Leticia. Fiquei assustada. A voz daquele homem agora invadira minha cabeça, eu poço escuta-lo com perfeição, embora ele estivesse longe. Não sei como isso era possível. - Leticia, durante todos esses anos você está à procura de algo para ser feliz. Você sonha, imagina historias, procura vivenciar coisas diferentes, é bastante curiosa, é invadida por um turbilhão de sentimentos, adora conversar e no final do dia sempre acha que deveria ter mudado algo. Veja bem, você é maravilhosa, mas você não é feliz. Você não se permite muitas coisas e tem medo da reação de todas as pessoas, de quase tudo a sua volta. Poucos sabem, mas você convive com esse medo diariamente, apesar de se fazer de forte. Esse medo é o que te impede de viver tranquilamente, você acha que todas as pessoas vão te machucar e então, sente a necessidade de se afastar ou então, acaba fazendo com que as pessoas se afastem de você. Eu sou uma delas. Você acha que eu acredito que você diz tudo, mas na verdade não diz nem um por cento do que sente e está vivendo. Eu consigo enxergar isso em você, Leticia. Estou aqui para te dizer que se você continuar fazendo escolhas erradas, ou seja, andando neste mesmo caminho, você poderá passar por diversos problemas até enfim tentar viver a sua definição de felicidade. Creio que seja mais fácil optar por ser feliz imediatamente, já que você pode escolher entre o caminho curto e o longo. O que você viu aqui hoje não é um sonho, bem, você está sonhando sim, mas tudo isso
  6. 6. aqui vai acontecer de verdade, não exatamente assim. Se você não optar por se libertar dos seus medos, dessa sua desconfiança e continuar desprezando quem realmente você é você terá de enfrentar vários monstros em sua vida. Coisas realmente ruins, problemas dolorosos que sei que não irá suportar e irá se machucar muito. Você teria de enfrentar todos esses problemas para então, poder chegar até a mim. Eu sou o fim de tudo, eu sou o seu fim. Eu sou a pessoa que você procura todos os dias, mas infelizmente não consegue fazer com que eu chegue até você. Você me conhece, você me sente, está comigo a todo o momento e mesmo assim, ainda não nos encontramos do jeito que sempre quisemos. Eu te amo, Leticia. Eu poderia não interferir em sua vida, mexer com a sua cabeça, isso se você fosse realmente feliz, pois o que eu quero é a sua felicidade e se você fosse feliz sem mim eu jamais iria interferir em sua vida. Mas você não está bem, e o que eu mais desejo é vê-la bem imediatamente, e você só ficará bem ao meu lado. Entretanto, para que tudo saia do jeito que eu planejei anjo, você precisa confiar em mim e deixar todos os porquês e as outras pessoas que você acha que fariam tudo por você, mas na verdade não fariam nada, de lado. Agora sou eu e você. Estou arriscando tudo por você, Leticia. Sou seu Fado, e os fados geralmente são aqueles responsáveis pelo destino de todas as pessoas nesse mundo, porém, por mais que o destino de tal pessoa seja horrível eu nunca posso interferir. Se o destino da pessoa é se matar ou matar outras pessoas, infelizmente eu não posso interferir se não eu serei castigado pelo meu Deus e não viverei mais a eternidade que eu sempre quis viver. Eu estive com você todos esses anos, sei de tudo da sua vida e no primeiro momento em que lhe encontrei, senti meu coração disparar. Há milhares de destinos piores do que o seu que eu poderia interferir para mudar Leticia, mas eu escolhi você, pois eu me apaixonei. Peço desculpas por todo esse tempo não lhe contar quem realmente sou, mas você não iria acreditar mesmo. Agora, vendo o seu sofrimento e o rumo que sua vida poderia tomar e ainda, sem mim, decidi abrir mão de tudo. Abri mão de toda minha eternidade, de todos meus privilégios como imortal, de todos os meus dons e poderes, para ficar ao seu lado e poder mudar seu destino. Eu não sei o que irá acontecer comigo, se irei morrer ou viver como um humano, mas quero que saiba que fiz tudo isso por você anjo, e você me fez uma pessoa melhor com seu jeito jovem, alegre, apaixonante e inteligente. Eu sou o fim dos seus Monstros e você não precisará mais fugir deles como hoje. Aliais, aquela menina correndo pela floresta era você daqui a oito anos, e eu só quis encontrar um jeito de te contar tudo isso de uma forma que você iria acreditar. E você acreditou, por que Deus não me permitiria estar agora em uma cama macia e aconchegante ao lado de um jovem linda, se ela não tivesse certeza das suas decisões e seu amor por mim. Meus olhos abriram lentamente e eu desmaiei.
  7. 7. Acordei, estava me sentindo tonta e confusa, olhei em volta e dessa vez eu sabia onde eu estava. O quarto dele não mudara nada deis do mês passado quando estive aqui ouvindo musica e dançando suavemente. Me recordei de tudo que escutara dele, de todas as suas palavras sussurradas em meu ouvido e lagrimas percorreram os meus olhos. Eu nunca me sentira assim, querendo encher aquele homem de perguntas, pedir para que ele me explicasse tudo novamente, mas em vez disso eu me joguei em seus braços e eu o beijei. O medo fora embora, e mesmo estando ali com um ser totalmente novo e estranho nos meus braços não duvidei por um só segundo de que meus dias seriam melhores com ele. - Eu sempre soube que você era perigoso, mas jamais imaginei que teria o controle da minha vida em suas mãos, Sr. Fado. Agora, cavalheiro, é a minha vez de tirar os monstros do seu caminho, a humanidade é muito perigosa. Portanto, aqui eu sou o seu fim.

×