Sociologia 2-ano-completa

643 visualizações

Publicada em

sociologia

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
643
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
13
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sociologia 2-ano-completa

  1. 1. 1 SOCIOLOGIA Fonte:http://psicosandraa.blogspot.com/2010/09/que-es-la-sociologia.html acesso em 28/02/2012,às 16:36h. 2º ANO-3º MÓDULO PROFª FERNANDA MAIA 1º SEMESTRE/2012
  2. 2. 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...........................................................................................................05 UNIDADE I CUTURA E IDENTIDADE.......................................................................06 Capítulo I Grupos sociais........................................................................................07 1.1 Agrupamentos sociais..........................................................................................07 1.2 Tipos de grupos sociais.....................................................................................07 Capítulo II Construção de identidades...................................................................09 2.1 Identidade.............................................................................................................09 2.2 Indivíduo e o mundo que o cerca.........................................................................10 2.3 Identidade na sociedade......................................................................................11 2.4 Cultura..................................................................................................................13 2.5 Divisões na cultura...............................................................................................14 2.6 Diversidade cultural..............................................................................................19 Capítulo III Marcadores sociais: gênero/raça........................................................21 3.1Gênero e Raça......................................................................................................21 3.2 Histórico dos gêneros...........................................................................................22 3.3Componentes culturais que influenciam no comportamento dos gêneros.......................................................................................................................23 3.4Raça......................................................................................................................28 3.5Racismo.................................................................................................................34
  3. 3. 3 Capítulo IV Marcadores sociais:etnia,sexualidade,geração e classe/Identidades nacionais,regionais e etnicorraciais.......................................................................37 4.1 Etnia.....................................................................................................................38 4.2 Sexualidade..........................................................................................................39 4.3 Geração................................................................................................................40 4.4Classe....................................................................................................................42 4.5Identidades nacionais-nacionalismo......................................................................43 4.6Identidades regionais-regionalismo.......................................................................44 4.7Identidades etnicorraciais......................................................................................45 UNIDADE II PRECONCEITO E DISCRIMINAÇÃO...................................................47 Capítulo I Estereótipos e estigmatização...............................................................48 1.1 O que é estereótipo?............................................................................................48 1.2 Consequencias dos estereótipos em âmbito social.............................................49 1.3 O que é estigma?.................................................................................................50 1.4 Trajetória da estigmatização................................................................................50 Capítulo II Discriminação e preconceito................................................................52 2.1O que é discriminação?.........................................................................................52 2.2Tipos de discriminação..........................................................................................52 2.3Reflexos da discriminação.....................................................................................56 2.4 O que é preconceito?...........................................................................................57 2.5 Tipos de preconceito............................................................................................58
  4. 4. 4 Capítulo III Multiculturalismo..................................................................................60 3.1 O que é multiculturalismo?...................................................................................60 3.2Compreensão do multiculturalismo.......................................................................62 Capítulo IV Políticas de reconhecimento...............................................................66 4.1 Como nos reconhecemos na sociedade?............................................................66 4.2 Políticas de ação afirmativa..................................................................................67 4.3 Política de reconhecimento no Brasil...................................................................69 CONSIDERAÇÕES FINAIS.......................................................................................71 REFERENCIAS..........................................................................................................72
  5. 5. 5 SOCIOLOGIA 2º ANO-3º MÓDULO/ PROF.ªFERNANDA MAIA INTRODUÇÃO A presente apostila tem como objetivo propiciar aos alunos a compreensão dos fenômenos sociais através de conceitos e técnicas. A partir do estudo da Sociologia é possível identificar as diversidades, as estruturas sociais e os elementos que compõem o panorama social.Sua composição é voltada para a construção da aprendizagem a partir da apresentação de conteúdos e contextualizações. A Sociologia, como espaço de realização das Ciências sociais pode oferecer ao aluno, além de informações próprias do campo dessas ciências, resultados dessas pesquisas as mais diversas, que acabam modificando as concepções de mundo, a economia, a sociedade e o outro, isto é, o diferente- de outra cultura, “tribo”, país, etc.(PCN- PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS) A Sociologia através de seus métodos possibilita ao indivíduo identificar e compreender os processos e as transformações da sociedade, podendo manter ou alterar estruturas estabelecidas,tornando-se parte ativa dos processos sociais.
  6. 6. 6 UNIDADE I CULTURA E IDENTIDADE Capítulo I Grupos sociais. Capítulo II Construção de identidades. Capítulo III Marcadores sociais:gênero/raça Capítulo IV Marcadores sociais:etnia,sexualidade,geração e classe/Identidades nacionais,regionais e etnicorraciais.
  7. 7. 7 Capítulo I Grupos sociais 1.1 Agrupamentos sociais O convívio social é fundamental para a sobrevivência dos indivíduos na sociedade. A espécie humana sempre formou agrupamentos, como as famílias. A integração social é um fator importante na classificação dos tipos de agrupamentos sociais. No aspecto sociológico, grupo social é composto por indivíduos que interagem entre si na sociedade. 1.2 Tipos de grupos sociais Grupos primários Os grupos primários são considerados fundamentais para a existência humana. A intimidade e o tamanho pequeno são as características dos grupos primários. São os grupos iniciais que iniciam o processo de socialização na vida de um indivíduo. Geralmente os grupos primários dividem os mesmos valores. Ex: família, vizinhança, etc. Grupos secundários Os grupos secundários se caracterizam pelo aspecto momentâneo e são impessoais.O principal objetivo dos grupos secundários corresponde a satisfação dos interesses dos indivíduos.Nos grupos secundários as relações não são intensas.Geralmente esses grupos são formados por um grande número de pessoas. Ex:colegas de trabalho,clube ,etc.
  8. 8. 8 Grupos de referências São os grupos em que o indivíduo estabelece uma forma de comparação.Essa comparação pode ter um caráter negativo ou positivo que poderá influenciar em seu comportamento. Função normativa: comportamento apropriado; Função comparativa: indica um modelo a ser copiado; Função de espectador: julga o comportamento dos indivíduos Categorias sociais ou agregados sociais Indivíduos que estão na mesma condição social ou que dividem as mesmas características, mas que não integram um grupo.As relações estabelecidas não são diretas.
  9. 9. 9 Capítulo II Construção de identidades 2.1 Identidade Quem sou eu? Fonte:http://blogdoeducadorsocial.blogspot.com em 10/03/2011 acesso 27/02/2012,às13:40 h. Na letra da música Língua, de Caetano Veloso,o cantor e compositor baiano,faz um paralelo entre as diferenças existentes e através de metáforas alcança o conceito de identidade. Quando o autor institui a relação entre a sua língua, a forma mais significativa para a efetivação da comunicação e consequentemente se integra ao contexto social, com todas as suas variantes, ele encontra elementos de pertencimento que o faz conhecer-se, ou seja, ele a partir daí consegue ir de encontro à sua identidade. Frase da letra da música Língua, de Caetano Veloso. “A língua é minha pátria.”
  10. 10. 10 2.2 Indivíduo e o mundo que o cerca Vejamos: Sociólogos clássicos Émile Durkheim A sociedade é entendida como algo externo ao indivíduo e que a ele se impõe. Max Weber A compreensão da sociedade se dá a partir das unidades que a integram, através de seus indivíduos com suas aspirações e necessidades. Afinal, como podemos definir identidade? Primeiramente precisamos compreender que embora haja diferença entre o indivíduo e a sociedade em que vivem, eles são interdependentes. Como podemos entender essa relação? A relação existente entre o indivíduo e a sociedade é mediada através dos signos,ou seja,as representações. O conceito de identidade pode ser associado ao reconhecimento, seja do próprio corpo ou mesmo de nossas características interiores. Quando ocorre esse reconhecimento, atribuímos um novo conceito, o de pertencimento. Quando o indivíduo se integra a algo externo,esse algo para ele passa a ser identificado,e a partir dessa identificação,encontra a sua identidade.
  11. 11. 11 2.3 Identidade na sociedade Bonecos para simbolizar a identidade na sociedade Fonte:http://estou-sem.blogspot.com/2010/06/arte-com-bonecas-transparentes-de.html em 07/06/2010 acesso 27/02/2012,às 13:30 h. A atuação do indivíduo na sociedade pode ser representada a partir de 02(dois) conceitos: Status social e Papel social. Status social O status social atua nas relações de direitos e deveres em âmbito social. Mas, como podemos entender a funcionalidade do status social?
  12. 12. 12 O status social é a posição social em que o indivíduo ocupa na sociedade.Em âmbito social,um indivíduo ocupará a quantidade de status de acordo com os grupos que integra. Dentro do status social, podemos distribuí-lo em atribuído ou adquirido. Status atribuído-ocorre de modo involuntário.Ex. irmão caçula. Status adquirido-ocorre em virtude de seus esforços e competências. Ex.Médico. Papel social Está relacionado ao status social em que o indivíduo ocupa na sociedade. No papel social,o indivíduo desempenha as funções essenciais ao status que ocupa. O ser humano encontrará a sua volta papéis sociais estruturados (...).Assim a criança irá paulatinamente aprendendo a ser filho, irmão, neto, vizinho, sobrinho, amigo. À medida que cresce passará a interagir em grupos maiores, de forma mais esporádica e impessoal. (COSTA, 2011) Status social e papel social são indissociáveis em âmbito social. Afinal, um não existe sem o outro.
  13. 13. 13 2.4 Cultura Fonte:http://rafaelpecanha.blogspot.com/2011/03/os-dilemas-da-cultura.html em 26/03/2011 acesso 27/02/2012,às 13:40. Entendendo o que é cultura Podemos dizer de forma simplista que cultura corresponde a qualquer acréscimo do indivíduo à natureza, ou de maneira mais complexa,denominar cultura a partir das relações estabelecidas pelos indivíduos,suas expressões e reflexões sobre o mundo,através da transmissão e assimilação de hábitos e costumes. Cultura pode ser também o conjunto de práticas,crenças e símbolos estabelecidos pelos indivíduos para a vivência em âmbito social. O termo cultura além de estar relacionado aos costumes de uma civilização ou de um povo em determinada época,também está atrelada as manifestações culturais e a sensibilidade:
  14. 14. 14 Cultura é esse conjunto complexo que engloba conhecimentos, crenças, arte, direito, moral, costumes e todas as outras aptidões e hábitos que o homem adquire enquanto membro de uma sociedade. (TYLOR, apud MATTOS 2006) Outra denominação pode ser atribuída a ela, cultura organizacional, que se refere às regras, ideias e técnicas de estruturação. A relação entre cultura e progresso intelectual da humanidade passou a ser mencionada no século XVIII, por isso em nosso cotidiano é comum atribuir a falta de conhecimento de uma pessoa à falta de cultura.Assim,como é visível a atribuição de cultura a uma pessoa que possui um nível elevado de desenvolvimento intelectual,dizendo que ela é culta e inculto seria o indivíduo que não possui instrução.O termo cultura é frequentemente ligado à educação. 2.5 Divisões na cultura Cultura material:tecnologias desenvolvidas por uma sociedade para proporcionar o processo de vivência social. Cultura não material:são os valores morais,simbólicos e as normas transmitidas através do tempo. Atualmente, os meios de comunicação surgem como transmissores de cultura. A grande questão a ser discutida é a maneira como ocorre essa transmissão. Será que a quantidade excessiva de conteúdos favorece uma cultura abrangente e enriquecedora ou mesmo se somos capazes de transmitir os conteúdos assimilados passando pelo crivo do bom senso? Contextualizando Vejamos as charges abaixo
  15. 15. 15 Charge 01 Fonte:http://maringa.odiario.com/blogs/odiarionaescola em 21/12/ 2011 acesso 27/02/2012,às 14:20h. Responda: 1-Em sua opinião, qual seria o papel das novas tecnologias na cultura ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________
  16. 16. 16 Charge 02 Fonte:http://mpegorer-culturaevaloresorganizaci.blogspot.com/2010/11/o-que-e-cultura.html em 16/11/2010 acesso 27/02/2012,às 14:35 h. Responda: 1-Qual é significado de cultura para as personagens da charge? ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________
  17. 17. 17 Texto: Selva de pedra Patrícia Pereira Pense rápido: quando se fala em índio,qual é a imagem que vem à mente?Pele pintada, cocar na cabeça e ocas como moradia na aldeia. Mas o tempo passa e a história muda para todos,inclusive para os povos indígenas.Hoje,mais da metade dos índios brasileiros moram nos centros urbanos e levam uma vida comum.Só em São Paulo,são 11 mil.Usam a Internet,cursam faculdade,falam português,mas nem por isso perderam a identidade.O que não mudou ainda foi o olhar do branco: “ Índio urbano”,de calça jeans e camiseta,é encarado como alguém que abandonou a cultura e deixou de ser índio. Ao lado dos que moram na própria cidade estão aqueles que vivem em aldeias próximas aos centros urbanos.Esses sim,espremidos pelo crescimento dos bairros,perdem cada vez mais território e lutam para preservar seu espaço e sua cultura.Todos sofrem preconceito racial. (...) Um fator novo vem alterar essa questão territorial de cidade versus aldeia: a Internet. Segundo Massimo Di Felice, sociólogo formado pela Universidade de Roma e professor da Escola de Comunicações e Artes (ECA) da Universidade de São Paulo (USP), onde coordena o Cepop/Atopos, o advento da tecnologia digital possibilita uma nova forma de sociabilidade que vai além do sentido de lugar. “A rede é uma forma de comunicação que pela primeira vez supera a distinção entre o emissor e o receptor. Você pode ao mesmo tempo emitir e receber mensagens, se comunicar um número infinito de pessoas. É a comunicação de todos para todos. Nesse contexto, o lugar geográfico do qual você acessa a Internet não tem nenhum valor. A rede não tem centro nem periferia e também não tem centro urbano e a aldeia perde espaço”, afirma. O sociólogo explica que quando se pensa a sociedade contemporânea digital,é preciso ter em mente um novo tipo de sociedade,que não é a simples continuação da anterior,industrial e de massa.E a questão indígena,como também a situação do jovem de periferia,acaba sendo afetada de uma forma qualitativa. “A questão indígena de hoje não é a mesma de 15 ou 20 anos atrás”, diz Felice. Patrícia Pereira, “Selva de pedra”, em Revista Sociologia, Ciência e Vida, Ed. Escala. Nº 03,Ano I-2007
  18. 18. 18 Para refletir... Novos tempos Fonte:http://g1.globo.com/Noticias/Brasil/0,,MUL1350755-5598,00.html em 25/10/2009 acesso 27/02/2012,às 14:40 h. Responda: 1-O advento da tecnologia representa uma interação entre indivíduos de diferentes lugares,sendo uma característica do mundo globalizado.Essa integração pode representar a perda de identidade? ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________
  19. 19. 19 O desenvolvimento e a trajetória dos povos não são da mesma maneira, cada cultura possui suas características, destacando que existem diferenças quanto a sua composição e estruturação, respeitando as peculiaridades temporais, geográficas, humanas e tecnológicas. Por que ocorre a diversidade cultural? A diversidade ocorre em função da constituição de elementos diferenciados vigentes em cada cultura.Essa estruturação heterogênea promove a diversidade cultural. Diversidade dentro de uma sociedade Subcultura Corresponde aos hábitos diferenciados desenvolvidos por um determinado grupo social em relação aos demais, através da apresentação de suas próprias normas,valores e estilos dentro da sociedade.É importante ressaltar que mesmo estabelecendo aspectos culturais próprios,tais como:símbolos,valores e até linguagem,qualquer subcultura divide aspectos oriundos da cultura dominante. Ex:um judeu pode praticar os rituais pertinentes ao seu credo,vestir-se conforme a tradição de seu povo,não trabalhar aos sábados,apresentando-se aos demais integrantes da sociedade hábitos não convencionais.No entanto,também cabe a ele o cumprimento das normas vigentes da sociedade em que vive e em relação aos costumes mais amplos da mesma. Contracultura A contracultura é identificada a partir de comportamentos contrários à cultura dominante,causando conflitos com as normas e os valores vigentes de uma sociedade.
  20. 20. 20 O conceito referente à contracultura foi expandido a partir da década de 1960 por movimentos juvenis que expressavam sua intolerância diante dos padrões instituídos e a própria tradição. Muitas vezes a contracultura é associada a grupos marginalizados. Ex:hippies,punks,skinheads,etc. Cultura também traduz a identidade de um povo.
  21. 21. 21 Capítulo III Marcadores sociais:gênero e raça Fonte: http://gruposociedadediversidade.blogspot.com/2011/09/leia-artigo-publicado-na-revista.html em 04/09/2011 acesso 27/02/2012,às 14:45 h. No Brasil,o panorama histórico nos mostra que somente a partir da década de 1960,que avanços significativos ocorreram e proporcionaram uma maior integração do gênero feminino no contexto social. Anteriormente, a mulher tinha sua condição limitada em relação ao homem. A legislação brasileira atribuía ao homem a condição de chefe da sociedade conjugal. Atualmente, a relação tornou-se burocraticamente mais igual, pois a lei afirma que homens e mulheres são iguais. Porém, o fato de estar estabelecida a igualdade, não impede que no contexto social a mulher sofra discriminações. A mulher é discutida por meio de um sujeito que não é o que a representa, mas sim outro sujeito: o sujeito masculino. (TIBURI 2002).
  22. 22. 22 3.1 Histórico dos gêneros Fonte: http://www.istoe.com.br/reportagens/18388_A+VERDADEIRA+MULHER+DAS+CAVERNAS em 23/03/2009 acesso 27/02/2012,às 14:55 h. Na chamada era das cavernas, o desempenho das funções foi definido da seguinte forma, o homem destinava-se à caça e a mulher ocupava-se do desempenho das funções domésticas tais como, o cuidado dos filhos. Enquanto os homens adquiriram força corporal para competir com outros homens, as mulheres desenvolveram a linguagem para obter vantagens sociais pela argumentação e persuasão. (GEARY apud COSTA 2011)
  23. 23. 23 Com o passar do tempo, podemos visualizar que estruturas foram mantidas muitas vezes de forma institucionalizada ou mesmo em traços culturais. A diferença pode ser caracterizada a partir da condição financeira a que está ligada ou mesmo a sua etnia. O preconceito e a discriminação são apresentados por meios variados. Embora, o senso comum, o conhecimento baseado em crenças, costumes e tradições, atribua sensibilidade às mulheres em relação à agressividade masculina, na década de 1930,um estudo da antropóloga norte-americana Margareth Mead (1901-1978), afirmava que experiências apontam para uma influência reduzida do determinismo natural em relação ao comportamento dos indivíduos. Esse estudo é apenas um exemplo do que podemos conceituar como diferenças entre os gêneros. Dentre muitos estudos realizados ao longo da história, é possível identificar as diferenças entre os gêneros ligadas mais ao aspecto cultural. As referências transmitidas e posteriormente assimiladas interferem mais na vida e nos costumes de um indivíduo do que o determinismo natural 3.2 Componentes culturais que influenciam no comportamento dos gêneros Linguagem- importante mecanismo de comunicação. Na língua portuguesa a palavra homem e o pronome masculino ele são utilizados para designar homens e mulheres. Crenças ou valores- quando se fala em valores e crenças, logo pensamos em como a sociedade é estruturada. No caso das sociedades ocidentais, certos estigmas seguem enraizados na composição social, tais como, a associação da mulher à sensibilidade e ao homem a força. Normas - muitas vezes as normas promovem a determinação da diferença entre os gêneros,limitando comportamentos quando entra no âmbito das leis. Ex:o voto feminino só foi instaurado a partir de 1932.
  24. 24. 24 Contextualizando Para refletir... Em 1976 Chico Buarque de Hollanda compôs a letra da música “Mulheres de Atenas”. Vejamos a seguir um trecho da letra: “Elas não têm gosto ou vontade, Nem defeito, nem qualidade; Têm medo apenas. Não tem sonhos, só tem presságios. O seu homem, mares, naufrágios... Lindas sirenas, morenas.” A letra da música faz uma paralelo entre as mulheres atenienses da Antiguidade e as mulheres da década de 1970,década em que foi composta.É preciso compreender o contexto social e político vigente para refletir sobre a letra da música. Mesmo com os efeitos das manifestações culturais,sociais e políticas do período da composição,torna-se visível a ligação entre as duas realidades. A questão a ser analisada é o comportamento existente em Atenas,que pode ter várias vertentes e o processo de mudança existente na sociedade atual.Será que um conformismo habitava as mulheres atenienses?Será o medo do novo?Ou o contexto somente apresenta a sua existência?As respostas são variadas e complexas. O panorama histórico do período da formulação da letra da música nos remete a transição da mulher do aspecto doméstico para a inserção no mercado de trabalho,através da entrada nas Universidades,a ascensão do feminismo e a descoberta do anticoncepcional.
  25. 25. 25 Representação das mulheres atenienses Fonte:http://omaravilhosomundodaleitura.blogspot.com/2010/08/mulheres-de-atenas.html em 26/08/2010 acesso 27/02/2012,às 15:05h As artes representam uma forma de interação com os indivíduos. Como vimos acima através de uma letra de música,podemos citar um seriado de televisão que influenciou muito nas questões sociais a serem discutidas. Contextualizando O seriado “Malu mulher”, exibido pela Rede Globo no final da década de 1970, retratou a transição da mulher na sociedade, rompendo paradigmas e abordando
  26. 26. 26 temas como divórcio e o mercado de trabalho. Até hoje, o seriado é referência quando se pensa na transformação da mulher no Brasil. Para refletir... Artistas brasileiras Fonte:http://emocoesrc.blogspot.com/2010/09/roberto-carlos-em-capitulos-malu-mulher.html em 11/09/2010 acesso 27/02/2012,às 15:10h. Responda 1-Em sua opinião, a mídia influencia através de sua programação para o processo de transformação da sociedade? ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________
  27. 27. 27 Fonte:http://prof-marcosalexandre.blogspot.com/2011/03/charge-dia-internacional-da-mulher.html em 08/03/2011 acesso 27/02/2012,às 15:15h. Responda 1-O que a Charge quer dizer? ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ 2-Você acredita em igualdade de gêneros no Brasil? ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________
  28. 28. 28 3.3 Raça Fonte:http://wwwumminutoemilcontos.blogspot.com/2010/10/os-10-mandamentos-da-raca.html em 04/10/2010 acesso 27/02/2012,às 16h. Etmologicamente, o termo advém do latim ratio, que tem como significado a sorte ou a categoria. A primeira conceituação do termo raça foi atrelada à classificação de espécies animais e vegetais.
  29. 29. 29 Cronologia Idade Média(século V ao XV) No contexto da Idade Média,o termo raça é definido através de descendência, características físicas comuns. Idade Moderna(Final do século XV ao XVIII) Durante os séculos XVI e XVII,o conceito de raça era definido a partir das relações existentes entre as classes sociais,na Europa.Foi durante esse período que a frase sangue “puro” tomou dimensões. As questões que envolvem essa denominação, estão fixadas nas relações estabelecidas,como uma forma de justificação de dominação.Nesse aspecto,as diferenças morfobiológicas não são determinantes. Entendendo... O conceito de raça pura,ou a pretensão de ter ou pertencer a uma determinada raça considerada pura,teve sua influência na Botânica e na Zoologia. Descobertas Até o século XV,marco das descobertas,o conceito de humanidade,ou seja,do reconhecimento do indivíduo como humano,se restringia aos limites europeus.Mas,uma grande questão passou a ser pensada.Quem são os seres recém-descobertos?São humanos?Podem ser assemelhados ou comparados aos europeus?Como podemos defini-los?
  30. 30. 30 Explicação sobre os seres recém-descobertos Relação:europeus X nativos Fonte:http://minhaespecifica-historia.blogspot.com/2011/08/conquista-da-america-pelos-europeus.html 16/08/2011 acesso 27/02/2012,às 16:05h. Século XV O período que marca as descobertas está fixado nos moldes religiosos, onde todas as explicações possuem uma conotação teológica, já que o momento histórico é influenciado pela Igreja Católica, e esta mantém o monopólio da razão, e posteriormente se torna a detentora da explicação para o fato ocorrido. O século XVII proporcionará uma explicação teológica a cerca das descobertas e de todos os elementos envolvidos, entre eles os seres que habitavam as novas terras.
  31. 31. 31 Iluminismo Fonte:http://historiajaragua.blogspot.com/2011/07/iluminismo-texto-base-2o-ano.html 31/07/2011 acesso 27/02/2012,às 16:15h. O século XVIII é caracterizado pelo movimento que tinha como objetivo racionalização, e por meio da razão e no poder que ela estabelece resolver as questões vigentes da sociedade. O Iluminismo,influenciou o modo de vida europeu contribuindo para a intelectualidade de países como França e Inglaterra. Conceito de raça no século XVIII Com a influência do Iluminismo, a ciência passou a ser um elemento importante nas formas de obtenção de conhecimento, propiciando ao século XIX,grande
  32. 32. 32 impulso para as novas descobertas.Com isso,o caráter teológico perdeu força e uma nova conceituação de raça é estabelecida. A cor da pele tornou-se um critério básico na diferença das raças.E nesse contexto,os recém-descobertos,são enquadrados em uma raça diferente,o conceitos de raças são considerados. Obs.:O Iluminismo tem papel fundamental no surgimento da Sociologia. Século XIX CHARLES DARWIN(1809-1882) Fonte:http://g1.globo.com/pop-arte/noticia/2010/08/site-divulga-testamentos-de-marx-dickens-e- darwin.html em 11/08/2010 acesso 27/02/2012,às 17h.
  33. 33. 33 Com a abertura recebida do século XVIII através da influência iluminista,o século XIX é palco de descobertas significativas tais como,a Teoria da Evolução das Espécies,de Charles Darwin,que revolucionou o debater sobre a origem e a evolução dos seres humanos. Em relação ao conceito de raça,além da cor da pele,os formatos de nariz,lábios e crânio também foram considerados. Século XX Marcadores genéticos Avanços científicos oriundos da Genética Humana, identificaram que no sangue havia componentes químicos para a efetivação da divisão da humanidade em raças. Portanto, a partir da junção de vários critérios para a determinação do conceito de raça originou-se as várias raças ou sub raças. No entanto, muitos estudiosos e pesquisadores, acreditam que não existem raças, mas algo insuficiente para explicar a diversidade existente entre os indivíduos. Para refletir... Em todas as épocas e em todos lugares, presenciamos pensamentos e atitudes equivocadas diante de um fato,e muitas vezes esses posicionamentos podem tomar proporções desenfreadas causando prejuízos físicos e materiais. Um dos casos mais famosos do século XX ocorreu durante a ascensão do nazismo na Alemanha e do fascismo na Itália na década de 1930 e perdurou durante a Segunda Guerra Mundial.
  34. 34. 34 Nesse contexto, judeus, ciganos, comunistas, homossexuais, entre outros, foram perseguidos sob a alegação de não pertencerem a chamada raça ariana,considerada a raça pura. Contextualizando Fonte:http://www.filmesparadownloads.com/a-lista-de-schindler-dublado em 05/11/2011 acesso 27/02/2012,às 17:05h. O filme de 1993 relata a história real de Oskar Schindler, um comerciante alemão que perde a sua fortuna na tentativa de salvar o maior número de judeus possível. Schindler comprou mais de mil judeus. 3.4 Racismo O conceito de racismo foi criado no inicio do século XX,no ano de 1920,período pós Primeira Guerra Mundial.
  35. 35. 35 A conceituação de racismo advém dos conceitos referentes às raças humanas e as diferenças visualizadas. O racismo pode ser relacionado ao caráter ideológico, ou seja,na crença de que existe uma hierarquia de denominação de raças. Como age um racista? A concepção do racista tem um aspecto sociológico, pois considera que o “outro”, o diferente, é inferior. Afinal, ele conceitua os traços culturais como determinantes. Dentro dessa perspectiva, os aspectos físicos não são os únicos a serem considerados. Década de 1970- um diferencial do racismo. Uma grande mudança ocorre na década de 1970. O racismo que antes era atribuído a questão biológica transfere-se também para outras maneiras de atuação em âmbito social. No Brasil, o racismo atinge mulheres, homossexuais, nordestinos, pobres, etc. Para refletir... Fonte:http://pablocarranza.com.br em 20/11/2010 acesso 27/02/2012 às 17:10 h.
  36. 36. 36 Responda 1-Defina o Racismo? ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ 2-Podemos identificar atitudes racistas com frequencia em nossa sociedade? ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________
  37. 37. 37 CAPÍTULO IV Marcadores sociais:etnia,sexualidade,geração e classe/Identidades nacionais,regionais e etnicorraciais. 4.1 Etnia Como podemos definir etnia? É comum a associação do termo etnia ao termo raça.Muitos estudiosos adotaram a medida de substituição.Será que a substituição da palavra raça para a palavra etnia também diminui o racismo? Qual a diferença entre etnia e raça? A etnia está fixada nos traços culturais,ou seja,na língua ou mesmo na religião professada.A raça baseia-se no aspecto físico,tais como a cor da pele ou mesmo traços fisionômicos. Um grupo étnico pode ser caracterizado a partir de uma herança cultural em comum. Para refletir... Guerra da Bósnia Conflito armado ocorrido (1992-1995),na região da Bósnia e Herzegovina,nos Bálcãs europeus.A limpeza étnica é uma característica dessa guerra,onde a expulsão e morte de grupos étnicos ocorreram,além a reutilização de campos de concentração da Segunda Guerra Mundial.
  38. 38. 38 A Guerra da Bósnia Data:21 de novembro de 1995 – Termina a Guerra da Bósnia 21/11/2010 - 00h01min | Enviado por: Alice Melo Fonte:http://www.jblog.com.br/media/149/20101120-bosnia.jpg 21/11/201 acesso em 27/02/2012, às17:20 h “Três semanas após terem sido iniciadas as negociações de paz, os presidentes da Bósnia, Croácia e Sérvia chegaram finalmente a um acordo para por fim a quatro anos do conflito mais drástico do pós Segunda Guerra. O plano de paz elaborado nos Estados Unidos, e que seria assinado no mês seguinte em Paris, tinha como principais pontos a unificação de Sarajevo e a realização de eleições democráticas na Bósnia, destruída pelo violento conflito bélico.” “O povo da Bósnia terá finalmente uma chance de sair dos horrores da guerra para a promessa de paz. Os presidentes da Bósnia, Croácia e Sérvia fizeram uma histórica e heróica escolha. Consideraram a vontade de seu povo”, declarou o estadista norte-americano, Bill Clinton, mediador das negociações.”
  39. 39. 39 4.2 Sexualidade fonte:http://sexualidadeaaz.blogspot.com em 22/01/2012 acesso em 27/02/2012 às 17:25h. A sexualidade é algo que está ligado ao indivíduo desde o nascimento.Durante muitos séculos a temática foi atrelada ao pecado e ao mal.Atualmente,é possível relacionar a sexualidade com o cotidiano humano através de um debate. Orientação sexual Trechos do PCN (PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS) com a abordagem Orientação sexual como um tema transversal.
  40. 40. 40 “A sexualidade,assim como a inteligência será construída a partir das possibilidades individuais e de sua interação com o meio e a cultura” “A sexualidade é primeiramente abordada no espaço privado, pelas relações familiares. Assim,de forma explícita ou implícita,são transmitidos os valores que cada família adota como seus e espera que as crianças assumam” “Cabe à Escola abordar os diversos pontos de vistas, valores e crenças existentes na sociedade para auxiliar o aluno a construir um ponto de auto- referência por meio da reflexão.” “A Escola deve informar,problematizar e debater os diferentes tabus, preconceitos, crenças e atitudes existentes na sociedade,buscando não a isenção total,o que é impossível,mas um maior distanciamento das opiniões e aspectos pessoais dos professores para empreender essa tarefa” “O professor (e as demais pessoas), mesmo sem perceber transmite valores com relação à sexualidade no seu trabalho cotidiano, na forma de responder ou não as questões mais simples trazidas pelos alunos” 4.3 Geração Muitas vezes associamos o termo geração somente aos indivíduos nascidos em uma mesma época,mas o termo também pode ser designado para retratar um movimento.Sendo assim, os integrantes desse movimento não precisam nascer numa mesma época.
  41. 41. 41 Contextualizando Revista Isto É Reportagem:Conflito de gerações: Empresas enfrentam o desafio de conciliar o conservadorismo de executivos veteranos com a ousadia de jovens talentos. Pegue a geração que cresceu no pós-guerra e que teve a formação atrelada pela hierarquia e pelo desconhecimento do significado do verbo questionar. Depois, junte um grupo de profissionais nascidos entre as décadas de 60 e 80 que, por sua vez, via na contestação a melhor forma de se manifestar. A seguir, acrescente os jovens dos anos 80, criados sob a ótica do videogame - eles valorizam a agilidade e a habilidade para superar fases e alcançar o prêmio final, seja ele qual for. Misture tudo isso e leve para dentro de uma empresa. Você certamente terá um conflito de ideias e visões de mundo que pode afetar o funcionamento de uma corporação. "Se antes o modelo organizacional era baseado na rigidez hierárquica, hoje os jovens têm mais dificuldade de reconhecer uma liderança e isso pode ser prejudicial para todos", diz Gilberto Guimarães,
  42. 42. 42 diretor-geral da BPI do Brasil, consultoria francesa especializada em gestão de carreiras. "Os jovens têm muita pressa para crescer e, como num jogo de videogame, às vezes só falta perguntar qual é o monstro que precisam matar para serem promovidos", afirma Maíra Habimorad, diretora de desenvolvimento da consultoria Companhia de Talentos. Fonte: http://www.istoedinheiro.com.br/noticias/335_CONFLITO+DE+GERACOES Nº edição: 633 | Especial | 25.NOV.09 - 10:00 | Atualizado em 16.01 - 11:51 acesso em 27/02/2012,às 17:35h. 4.4 Classe As classes sociais são elementos que integram a composição das sociedades industriais. Entendendo... Ao mencionarmos as classes sociais,devemos entender como elas se estruturam em âmbito social. A diferenciação de indivíduos formando hierarquia de posições ou camadas é denominada de Estratificação social. Tipos fundamentais de estratificação social Estratificação econômica Esse tipo de estratificação,é gerada pela desigualdade na distribuição de renda. Estratificação política Corresponde a diversidade política existente,caracterizada pelos prestígios destinados a cada posição ocupada em âmbito político.
  43. 43. 43 Estratificação profissional Relaciona-se a hierarquia que ocorre em âmbito profissional.Assim,como na estratificação política,cada posição ocupada corresponde a um tipo de prestígio. 4.5 Identidades nacionais - nacionalismo A identidade nacional advém da identidade cultural, ou seja, a identificação de um indivíduo com os valores instituídos na sociedade. A identidade cultural corresponde ao acumulo de valores existentes na cultura vigente de uma determinada sociedade, com suas diversidades e particularidades: As culturas nacionais foram soberanas por quase cinco séculos, estabelecendo fronteiras rígidas às formas de viver, comportar-se e sentir dos povos no mundo, impondo-se sobre as populações para além das diferenças étnicas, religiosas e mesmo lingüísticas. (COSTA, 2010) O nacionalismo está associado às identificações com as características que compõem uma nação. Refere-se a um sentimento de caráter ideológico. Torna-se inviável o sentimento de nação sem uma identidade nacional: A formação de impérios coloniais expandiu as culturas metropolitanas pelos territórios colonizados, provocando o enfraquecimento das culturas nativas. Toda essa hegemonia levou ao fortalecimento dos nacionalismos e de suas formas de identidade cultural, tornando-os sentimento predominante sobre outros sentimentos de pertencimento. (COSTA, 2010)
  44. 44. 44 4.6 Identidades regionais-regionalismo Manifestação cultural Fonte:http://ledjabrittes.blogspot.com/2010/12/cultura-brasileira.html em 07/12/2010 acesso em 27/02/2012,às 18h. Identidades regionais No Brasil a definição de identidade regional torna-se diferenciada devido à presença de muitos imigrantes, que ao longo do tempo transmitiram ao povo costumes e também assimilaram elementos de nossa composição cultural. Regionalismo São características próprias de cada região, tais como a língua e os costumes.
  45. 45. 45 4.7 Identidades etnicorraciais As questões que envolvem as identidades etnicorraciais estão revestidas de políticas que durante muito tempo tentaram de maneira equivocada transparecer certa homogeneidade quanto à composição étnica das populações. No Brasil, podemos citar que as próprias instituições sejam políticas ou culturais, chegando ao campo educacional reproduziram através de suas ações os valores da cultura dominante. Mito da Democracia Racial. O livro Casa Grande e Senzala (1933), de Gilberto Freyre, marca o início do século XX acerca do conceito da miscigenação.Segundo Freyre,devido a colonização portuguesa ser inclinada as diferenças ela tornou-se apta a miscigenação.Gilberto Freyre foi criticado como autor do mito da “Democracia racial”. LIVRO: CASA GRANDE E SENZALA Fonte:http://ju-avessodosponteiros.blogspot.com/2012/01/casa-grande-senzala.html em 11/01/2012 acesso em 27/02/2012 às 18:30h. Para refletir...
  46. 46. 46 Democracia e escravidão? Mesmo com nossa trajetória histórica atrelada a miscigenação,a escravidão vigorou até o final do século XIX,sendo justificada até mesmo em caráter religioso.Então surge a questão:se existe uma democracia racial,então o preconceito é inexistente? Diante dessa concepção democrática quanto a miscigenação do povo,continuamos a identificar atitudes e pensamentos racistas.É comum ouvirmos comentários pejorativos acerca da tonalidade de pele ou mesmo comentários afirmando que convivemos muito bem com a diversidade.Então,podemos dizer que durante muito tempo,no Brasil,o racismo se manteve de forma velada?Ou o racismo não passa de um mito em nossa sociedade?Existe a chamada “Democracia racial” brasileira?Freyre estava correto? Durante muito tempo discutir a temática do racismo tornou-se insuficiente, pois o mito de “Democracia racial”, impediu que debates fossem iniciados.Além do mito mencionado,associado a ele identificamos um sincretismo cultural e religioso muito presente,o que de certa forma impediu um debate em âmbito nacional: Em países onde houve domínio colonial e escravidão, os sincretismos são observáveis em diversas instancias da cultura, não só na religião como na língua, nos mitos e nas lendas. (COSTA, 2010)
  47. 47. 47 UNIDADE II PRECONCEITO E DISCRIMINAÇÃO Capítulo I Estereótipo e estigmatização. Capítulo II Discriminação e preconceito Capítulo III Multiculturalismo Capítulo IV Políticas de reconhecimento
  48. 48. 48 Capítulo I Estereótipos e estigmatização Iniciamos essa unidade de ensino com as temáticas de preconceito e discriminação com suas implicações em âmbito social, tais como julgamento, crenças,valores,entre outros, por meio de estereótipos e estigmatização. Fonte:http://www.grupoescolar.com/pesquisa/estereotipos-e-estigmatizacao.html 29/06/2011acesso em 27/03/2012,às 18:40 h. 1.1 O que é estereótipo? Corresponde a descrições atribuídas ao indivíduo que integra um determinado grupo social. Em muitas vezes,essa descrição pode tornar-se preconceituosa. Podemos citar como exemplo o caso dos árabes que são considerados em nossa sociedade bons negociantes, assim como os judeus. Embora exista esse estereótipo, não se pode considerar essa potencialidade de negociação a todos os árabes e judeus.
  49. 49. 49 1.2 Consequencias dos estereótipos em âmbito social A atitude que envolve o estereótipo pode causar danos significativos para a vítima.É comum identificarmos os estereótipos,mas muitas vezes não nos damos conta dos prejuízos que eles provocam. Atualmente no Brasil,a sociedade passa por uma reflexão acerca do comportamento vigente,um bom exemplo é o posicionamento dado aos casos vinculados ao âmbito educacional,como o Bullying,que durante muito tempo foi ignorado tanto por agentes envolvidos no processo educacional como pela própria sociedade. Os estereótipos não possuem regras,mas podem ser identificados com muita frequência.Ocorre desde brincadeiras inicialmente “inocentes”para uma conotação pejorativa. É preciso combater todo e qualquer tipo de associação e denominação aos indivíduos, visando primeiramente compreender que embora seja parte integrante de uma cultura ou possua traços de uma raça, cada indivíduo independente de sua composição cultural carrega consigo valores e também sua própria consciência que o impulsionará para determinadas atitudes. Contextualizando Para refletir... A imagem do Brasil no exterior ficou associada a vários estereótipos, um dos mais famosos, ganhou as telas do cinema proporcionando visibilidade ao Brasil, através da imagem de um personagem criado por Walt Disney, na década de 1940, um papagaio, o Zé Carioca,conhecido no mundo por suas malandragens e assim propagou a imagem estereotipada não só do Rio de Janeiro, mas do Brasil no mundo associado à malandragem.
  50. 50. 50 Muitas vezes essa malandragem ganha um teor pejorativo, estabelecendo visões estereotipadas de nossa sociedade. Zé Carioca Fonte:http://www.canaldaimprensa.com.br/canalant/59edicao/animais4.htm em 18/05/2006 acesso em 27/02/2012,às 18:45 h. 1.3 O que é estigma? Geralmente a definição de estigma é associada ao estereótipo.Fazendo uma reflexão acerca da temática,identificamos formas variadas quanto a sua definição. 1.4 Trajetória da Estigmatização Antiguidade Clássica Fonte:http://preenem.blogspot.com/2011/04/antiguidade-classica-grecia.html em 26/01/2012 acesso em 27/02/2012,às 18:50h.
  51. 51. 51 Na Grécia Antiga,o estigma era associado a pessoa como uma marca,que em virtude dessa caracterização deveria ser excluída do convívio social,tais como os escravos e criminosos. Cristianismo A princípio o Cristianismo pregava que os estigmas eram referências vindas do sobrenatural,sendo assim as diferenças físicas eram associadas a metáforas. Contextualizando FILME:STIGMATA(1999) http://www.sinopsedofilme.com/trilha.php?id=2795&titulo=stigmata acesso em 27/02/2012 às 19h. O filme Stigmata(1999),levantou uma discussão na perspectiva religiosa sobre os estigmas. No caso relatado no filme, a personagem central da trama é incrédula, e fazendo uma análise sobre os estigmatas, ou seja,as pessoas que receberam tais sinais,é justamente a sua proximidade com o sobrenatural,o credo,que provoca os estigmas.O filme proporciona um debate sobre os chamados “escolhidos”.
  52. 52. 52 Capítulo II Discriminação e preconceito Fonte:http://palei10639.pbworks.com/w/page/13786861/Trocando%20ideias 19/01/2012 acesso em 27/02/2012,às 19:10h. 2.1 O que é discriminação? A discriminação pode ser individual,mas também pode ser de caráter institucional.Isso ocorre quando são efetivadas ações que obedecem aos padrões estabelecidos,através de posturas discriminatórias. 2.2 Tipos de discriminação Gênero ou sexismo: Em virtude de um contexto histórico que proporcionou a visibilidade das funções masculinas em relação às femininas, identificamos que mesmo sendo
  53. 53. 53 ilegais atos e pensamentos machistas permeiam a sociedade e se alojam também no imaginário das pessoas. Essa disparidade se deu em consequencia de alguns fatores,tais como a agricultura e as guerras que impulsionaram aos homens o poder.Outra característica a ser ressaltada corresponde a era industrial,onde convencionou-se a associar o sexo feminino ao caráter doméstico e o sexo masculino ao caráter físico,o que favoreceu sua atuação nas relações sociais,pois se a mulher corresponde a esfera doméstica ao homem cabe a esfera do público. Para refletir... MULHER ISLÂMICA ANO 2009 Fonte:http://mulheresislamicas.blogspot.com 14/01/2009 acesso em 27/02/2012,às 19:20h. Xenofobia Atualmente, a xenofobia passou a ser uma temática constante,principalmente em países europeus.
  54. 54. 54 O que é xenofobia? Em âmbito social,podemos caracterizar a xenofobia a partir do preconceito destinado a determinados grupos.Esse preconceito pode ser evidenciado em relação a grupos raciais ou minorias. A Europa surge como um continente marcado de atitudes xenofóbicas, onde o preconceito muitas vezes tem a pretensão de tornar-se justificado. Notícias Brigitte Bardot é condenada por incitar ódio racial AE-AP - Agencia Estado Um tribunal parisiense condenou hoje a atriz Brigitte Bardot por incitar a discriminação e o ódio racial, por causa de um artigo em que afirmava que os muçulmanos estão destruindo a França. A corte impôs à estrela cinematográfica e ativista dos direitos dos animais uma multa de R$ 38 mil. A queixa foi apresentada no ano passado pelo grupo francês anti-racismo conhecido como MRAP. A acusação se referia a uma carta enviada por Brigitte ao então ministro de Interior e atual presidente da França, Nicolas Sarkozy. Suas declarações apareceram em uma publicação trimestral da fundação da atriz. Na carta a Sarkozy, ela diz que a França está "cansada dessa população que está nos destruindo, destruindo ao nosso país ao impor seus atos". A atriz se referia à festividade muçulmana de Aid el-Kebir, na qual ovelhas são mortas. As leis do país proíbem o incitamento ao ódio e à discriminação contra grupos religiosos ou raciais. Brigitte, de 73 anos, já havia sido condenada em outras quatro ocasiões por incitar ódio racial. Fonte:http://www.estadao.com.br/noticias/arteelazer,brigitte-bardot-e-condenada-por-incitar-odio- racial,183282,0.htm em 03/06/2008 acesso em 27/02/2012,às 19:35h.
  55. 55. 55 Sexualidade- homofobia A homossexualidade é existente em todas as sociedades desde os tempos mais remotos até os dias atuais.Mesmo sendo algo presente,atitudes discriminatórias são comuns em relação a opção ou orientação sexual de um indivíduo. Durante muitas décadas,a orientação sexual diferenciada,ou fora dos padrões estabelecidos foram alvos constantes de indivíduos e grupos.Em muitos casos,indivíduos homossexuais sofreram com a intolerância. No Brasil,qualquer ato discriminatório deve ser punido,pois homofobia é crime. Para entender... Podemos citar o caso do Município do Rio de Janeiro que através da Lei Nº 2475/1996, determina sanções às práticas discriminatórias em relação à orientação sexual dos indivíduos. Intolerância religiosa SÍMBOLOS RELIGIOSOS Fonte:http://revavds.blogspot.com/2011/08/mapa-completo-das-religioes-no-brasil.html em24/08/2011 acesso em 27/02/2012,às 19:40h.
  56. 56. 56 A questão da intolerância religiosa não é um assunto novo,em todos os períodos históricos verificamos a intolerância em relação ao diferente,seja pela sua cor,sua opção sexual e até quanto a escolha de seu credo.É quase inacreditável pensar que países que foram colonizados ou receberam grandes migrações,como o Brasil,possa ser palco de atitudes de intolerância religiosa.Em função da colonização e das migrações,o sincretismo torna-se presente em nossa cultura: Sincretismo foi o conceito utilizado inicialmente para o estudo dos fenômenos religiosos, quando uma divindade ou uma crença de uma religião passa a ser adotada pelos devotos de outra fé. Esse fenômeno é particularmente observável no colonialismo, quando os povos conquistados se vêem obrigados a abdicar de sua religião por imposição dos colonizadores. (COSTA, 2011) A intolerância religiosa assume formas que podem ser associadas aos estereótipos criados pelas sociedades. Em países europeus e nos Estados Unidos também é possível identificar atos discriminatórios quanto à escolha ou adesão religiosa de determinados indivíduos e grupos. No Brasil a Intolerância religiosa é crime segundo a Lei Nº 11.635/2007. 2.3 Reflexos da discriminação Mediante as reflexões que as sociedades fazem em relação aos processos discriminatórios, ainda identificamos indivíduos vítimas de tais atitudes. É quase inadmissível em meio a toda evolução na história da humanidade atitudes de discriminação.
  57. 57. 57 O panorama que se estabelece em meio à discriminação põe em dúvida a capacidade de o indivíduo conviver com a diversidade existente. Preconceito? Fonte:http://idewlpreconceito.blogspot.com/2011/05/charge-preconceito.html em 20/05/2011 acesso em 27/02/2012,às 19:43h. 1.1 O que é Preconceito? O preconceito está relacionado às ideias predeterminadas que são oriundas dos estereótipos a respeito de vários grupos ou indivíduos.
  58. 58. 58 No preconceito é comum encontrarmos características de crenças, etnias e valores que são determinantes para a sua efetivação: É uma atitude que predispõe uma pessoa a pensar,perceber,sentir e agir de maneira favorável ou desfavorável em relação aos integrantes de um grupo social. (GIL,2011) 2.2 Tipos de preconceito Preconceito racial No preconceito racial,aão vinculadas as atitudes de teor negativo em relação aos indivíduos que através de sua raça ou composição étnica são reconhecidos e atributos são destinados a ele. Preconceito de marca O preconceito de marca ocorre através do fenótipo ou traços fisionômicos e culturais de um indivíduo. Preconceito de origem O preconceito de origem acontece a partir do momento em que se identifica a descendência de um indivíduo,independente de seus traços fisionômicos. Qual a diferença entre preconceito de marca e o preconceito de origem? O preconceito de marca se estabelece a partir da aparência do indivíduo,através de seu fenótipo ou traços fisionômicos que evidenciam a sua
  59. 59. 59 descendência.No preconceito de origem,independente de sua aparência,o conhecimento de sua descendência torna-se suficiente para a sua efetivação. Para refletir... Notícia Criada há 20 anos, a lei que criminaliza racismo é ignorada, dizem especialistas. Mariana Oliveira Do G1, em São Paulo Apesar de vigorar a 20 anos, a Lei 7.716/1989, conhecida como Lei Caó, que classifica o racismo como crime inafiançável, punível com prisão de até cinco anos e multa, é pouco aplicada, afirmaram especialistas consultados pelo G1. Notícias O tema preconceito racial voltou à tona nesta semana após o caso de um vigia, que disse ter apanhado dos seguranças do estacionamento de um supermercado, em Osasco, na Grande São Paulo, depois de ter sido confundido com um ladrão. O segurança achou que o técnico em eletrônica Januário Alves de Santana queria roubar um carro Eco Sport, que era do próprio Januário. Fonte: http://g1.globo.com/Noticias/Brasil em 23/08/09 - 07h43 - Atualizado em 24/08/09 - 11h19 acesso em 27/02/2012,às 19:45h.
  60. 60. 60 CAPÍTULO III MULTICULTURALISMO Multiculturalismo Fonte:http://culturahomosapiens.blogspot.com/2010/09/o-multiculturalismo-pode-ser-definido.html em 16/01/2012 Para começar... 3.1O que é multiculturalismo?
  61. 61. 61 Podemos definir multiculturalismo como um movimento ou corrente que prioriza a diversidade cultural e étnica presentes em uma sociedade. No multiculturalismo a pluralidade presente torna-se elemento fundamental de interação social. Entendendo... O multiculturalismo surge a partir da resistência cultural de segmentos da sociedade que valorizam suas formas diferenciadas de vida. Esse processo de resistência não ocorre somente em âmbito cultural, mas é possível visualizar em outros aspectos da sociedade: O multiculturalismo é, portanto, a relação dialética entre o poder homogeneizador da cultura dominante e a resistência cultural de segmentos sociais que preservam diferentes formas de interpretar o mundo e de nele agir. Essa reação dialética não diz respeito apenas às oposições entre as culturas de classe, entre cultura erudita e popular, entre ideologia burguesa e proletária, mas também a conflitos que envolvem minorias étnicas, religiosas, raciais e de gênero. (COSTA, 2011) O multiculturalismo caracteriza as sociedades onde houve colonização ou dominação,países como Brasil,Cuba ou Estados Unidos,são exemplos de como a fusão de culturas propiciou o multiculturalismo: O multiculturalismo é o jogo das diferenças, cujas regras são definidas nas lutas sociais por atores que, por uma razão ou outra, experimentam o gosto amargo da discriminação e do preconceito no interior das sociedades em que vivem. (GONÇALVES; SILVA, 2001)
  62. 62. 62 3.2 A Compreensão do multiculturalismo O multiculturalismo presente nas sociedades que foram colonizadas ou dominadas, responde ao monoculturalismo que se estabeleceu principalmente no que diz respeito à cultura européia, onde os países colonizadores tinham certa aspiração em sobrepor a sua cultura em relação à outra. A alegação era de transmitir “cultura” as sociedades consideradas por eles como atrasadas. Importante No século XVIII o termo civilização teve uma conotação associada à evolução, ou seja, uma sociedade considerada civilizada também era vista como evoluída. Um pouco de história... No século XIX, com o desenvolvimento da Teoria da Evolução das Espécies pelo naturalista inglês Charles Darwin(1809-1882),houve uma tentativa de justificativa para o preconceito.O uso da ciência na hierarquia das raças. Definições: Monoculturalismo: Busca a homogeneidade e a universalização através da cultura dominante. As características pessoais e históricas de alguns segmentos da sociedade não são privilegiadas. Etnocentrismo: tentativa de centralização da própria cultura que considera superior as demais.
  63. 63. 63 Contextualização Multiculturalismo X Escola Filme:Entre os Muros da Escola Fonte:http://professorsd6.blogspot.com/2011/01/filme-entre-os-muros-da-escola.html em 02/01/2011 acesso em 27/02/2012,às 19:50h. Texto Entre os Muros da Escola Autor:Thiago Sardenberg Filmes sobre escola formam um gênero a parte no cinema. “Sociedade dos poetas mortos”, “Ao mestre com carinho”, “Mr Holland – Adorável Professor”, “Mentes perigosas”, “Mudança de hábito 2”, entre outros, mitificam a figura do
  64. 64. 64 professor, tornando este um herói idealizado que, com sua sabedoria inabalável, transforma a vida de todos ao seu redor. Por mais que muitas vezes alguns filmes se apóiem na premissa do “baseado em fatos reais”, trata-se de uma realidade romantizada que simplifica as complexidades do tema em prol de uma mensagem edificante. Estas referências só fazem ampliar o impacto que sofremos ao assistir “Entre os muros da escola”, filme que rompe radicalmente com tudo aquilo que esperamos do gênero. No lugar do professor herói, temos o ser humano com todas as suas falhas e incertezas. Neste contexto, ficam evidentes as relações de poder que se constituem na sala de aula, sem que para isto o filme eleja vilões e mocinhos ou tome partido por um lado do conflito. Indo na mão contrária da hiper-dramatização característica do gênero, o filme opta por um realismo quase documental. A câmera está sempre na mão e não há trilha-sonora incidental, resultando num registro bastante frontal do universo escolar. Assim como ocorria nos filmes do neo-realismo italiano*, o filme utiliza-se de não atores interpretando personagens muito próximos de sua realidade. Embora esteja se construindo uma ficção, até mesmo seus nomes da vida real são mantidos. Esta estratégia se aplica não apenas aos alunos, mas também a François, o professor protagonista, ninguém menos que o autor do livro no qual o filme se baseia. Ao interpretar diferentes versões de si mesmos, formam um universo ficcional que se potencializa neste choque com a linguagem documental. Muito mais que problematizar a fronteira entre realidade e representação, o filme se interessa em experiências pessoais para construir a ficção. Não é por acaso que, em nenhum momento, o filme apresente a vivência daqueles personagens além dos muros na escola. Somente interessa quem eles são dentro daquele contexto, que papel se exerce neste jogo de relações. A sala de aula se apresenta como um microcosmo dos dilemas sociais franceses, com sua multiculturalidade e os conflitos que resultam na xenofobia. A partir desse quadro, é fácil estabelecer um paralelo com a realidade das escolas públicas brasileiras e o eterno conflito entre alunos que buscam afirmar sua identidade e professores que não sabem como lidar com os diferentes mundos em choque.
  65. 65. 65 É por não apontar soluções fáceis que “Entre os muros da escola” se torna obrigatório a todos aqueles interessados na complexidade do processo educacional. * Neo-realismo foi um movimento cinematográfico surgido na Itália ao final da Segunda Guerra Mundial que se caracterizou por utilizar elementos da realidade na construção ficcional (locações reais, não atores, etc), promovendo com isso uma análise social muito próxima da linguagem documental. Fonte: http://teatroescolasesc.wordpress.com/2011/10/06/entre-os-muros-da-escola em 06/10/2010 acesso em 27/02/2012,às 19:55h.
  66. 66. 66 Capítulo IV Políticas de reconhecimento 4.1 Como nos reconhecemos na sociedade? Na ótica de Charles Taylor(1993) sobre o Multiculturalismo e a Política de Reconhecimento,a identidade de um indivíduo é formada através do reconhecimento de outras pessoas,ou seja,para que o indivíduo se reconheça é preciso que ele encontre a sua identidade. O INDIVÍDUO E O OLHAR DO OUTRO Fonte:http://sagaz.wordpress.com/2009/02/05/a-insustentavel-necessidade-de-existir em 05/02/2009 acesso em 27/02/2012,às 20h. Partindo da premissa que a nossa constituição de identidade surge por meio de terceiros,é preciso avaliar se esse reconhecimento é adequado. As sociedades contemporâneas são marcadas por conceitos equivocados e atitudes inadequadas.Muitas vezes verificamos que alguns grupos por não obterem um reconhecimento positivo ou mesmo não receberem nenhum tipo de “avaliação” e assim ficarem à margem do contexto social,podem sofrer consequencias que
  67. 67. 67 passam a interferir em seu comportamento na sociedade,tais como a perda da auto- estima,sentimentos de impotência,entre outros: O exercício dialógico propicia a formação e reconhecimento das identidades individuais e coletivas e pode ser tanto no plano íntimo através da relação do indivíduo com outros significantes,como no plano social,ou seja,na esfera pública através da política de reconhecimento igualitário que gera identidades de grupo.(TAYLOR apud MATTOS,1993) 4.2 Políticas de ação afirmativa O que são? São medidas com a finalidade de promover grupos excluídos dentro do processo social. Como vimos anteriormente, a questão racial no Brasil é uma temática que envolve inúmeros fatores,tais como identidade que pressupõe o reconhecimento do indivíduo como ser integrante e também a racismo que embora vigente muitas vezes é apresentado de forma velada. Dentro desse contexto, temos o termo Democracia racial, que pautado na mentalidade de que no Brasil em virtude da miscigenação existia uma convivência democrática de raças, criou um distanciamento que impediu durante anos discussões sobre a temática de raça,repelindo assim possíveis medidas de políticas de “ação afirmativa”. Sendo assim, o Brasil tornou-se atrasado no que diz respeito ao multiculturalismo. O “não” reconhecimento da pluralidade cultural impossibilita a articulação para a construção da identidade de um povo, pois na tentativa de tornar o diferenciado uniforme, características singulares acabam passando pelo sincretismo cultural.
  68. 68. 68 Para refletir... Vejamos a Charge abaixo: Fonte:http://umasreflexoes.blogspot.com em 01/09/2011 acesso em 27/02/2012 às 20:05h. Responda: 1-De acordo a Charge, como a nossa sociedade reconhece os seus cidadãos? ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ 2-Como você se reconhece na sociedade? ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________
  69. 69. 69 4.3Política de reconhecimento no Brasil Trecho de Artigo A política do reconhecimento dos "remanescentes das comunidades dos quilombos" Miriam de Fátima Chagas Procuradoria da República, Ministério Público Federal - Brasil A política de reconhecimento dos "remanescentes das comunidades dos quilombos", expressa na Constituição Brasileira de 1988, introduz um relevante debate para aqueles que se interessam por uma reflexão crítica sobre os limites e as possibilidades de interlocução entre o conhecimento jurídico e o conhecimento antropológico no contexto em que ambos estão voltados à defesa dos grupos sociais que contam com garantias constitucionais. Nesse contexto, o desafio que se apresenta à prática antropológica fundamenta-se em produzir uma problematização das próprias categorias jurídicas que foram concebidas com um caráter genérico. Esse é o caso da categoria jurídica "remanescentes das comunidades dos quilombos", que no texto constitucional é referida através da seguinte redação: Art 68. Aos remanescentes das comunidades de quilombos que estejam ocupando suas terras é reconhecida a propriedade definitiva, devendo o Estado emitir-lhes os títulos respectivos. O exercício de pensar a aplicação desta categoria a casos concretos produziu um campo de debates que colocou lado a lado diferentes áreas de saber, movimentos, atores sociais na tarefa de tentar participar da definição do conteúdo semântico que estaria sendo atribuído a essa categoria. As discussões têm envolvido tanto o meio jurídico e antropológico quanto os próprios grupos, que seriam o público beneficiário da aplicação desse dispositivo.
  70. 70. 70 Uma das análises que tem pautado algumas dessas discussões, promovidas pelos juristas, é aquela centrada na ascensão crescente que os direitos culturais ou mesmo étnicos vem assumindo nos textos legais, especificamente os constitucionais. Fonte:file:///C:/Documents%20and%20Settings/hpuser.YOUR-A50F3714C2/Meus%20documentos/2012- Apostilas%20e%20material/Pol%C3%ADticas%20de%20reconhecimento.htm em 21/01/2012 acesso em 27/02/2012,às 20:15h.
  71. 71. 71 CONSIDERAÇÕES FINAIS Compreender o funcionamento e as estruturas que integram a sociedade é fundamental para a construção da cidadania. Conhecer os aspectos que envolvem a nossa realidade e interferem no decorrer da sociedade é uma tarefa complexa, mas com base nos estudos propostos iniciamos assim a busca para um melhor entendimento dos processos sociais. A partir do conhecimento da complexidade e das disparidades existentes em nossa sociedade, torna-se possível realizar uma leitura sobre a sociedade atual, com base no processo histórico da mesma. Todo estudo comporta anseios e assimilações.Através da diversidade que engloba toda sociedade podemos observar como ocorrem os fatos e seus fatores contribuintes.
  72. 72. 72 REFERENCIAS CHAUI,Marilena.CONVITE À FILOSOFIA-Ed Ática.São Paulo.2011 COSTA,Cristina.QUESTÕES DA ATUALIDADE.Ed Moderna.São Paulo.2010 FREYRE,Gilberto.CASA GRANDE E SENZALA.Ed.Global.São Paulo.1995 GIL,Antonio Carlos.SOCIOLOGIA GERAL.Ed.Atlas.São Paulo.2011 MATTOS,Patrícia.A SOCIOLOGIA POLÍTICA DO RECONHECIMENTO.São Paulo.Annablum.2006 PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS PARA O ENSINO MÉDIO.2006 Artigo:Multiculturalismo e educação: do protesto de rua a propostas e políticas. Autores: Luiz Alberto Oliveira Gonçalves; Petronilha Beatriz Gonçalves e Silva Fonte: http://www.scielo.org/php/index.php acesso em 27/02/2012,às 20h. Sites-ilustrações. http://blogdoeducadorsocial.blogspot.com em 10/03/2011 acesso 27/02/2012,às13:40 h. http://estou-sem.blogspot.com/2010/06/arte-com-bonecas-transparentes-de.html em 07/06/2010 acesso 27/02/2012,às 13:30 h. http://rafaelpecanha.blogspot.com/2011/03/os-dilemas-da-cultura.html em 26/03/2011 acesso 27/02/2012,às 13:40 h. http://maringa.odiario.com/blogs/odiarionaescola em 21/12/ 2011 acesso 27/02/2012,às 14:20h. http://mpegorer-culturaevaloresorganizaci.blogspot.com/2010/11/o-que-e-cultura.html em 16/11/2010 acesso 27/02/2012,às 14:35 h. http://g1.globo.com/Noticias/Brasil/0,,MUL1350755-5598,00.html em 25/10/2009 acesso 27/02/2012,às 14:40 h. http://gruposociedadediversidade.blogspot.com/2011/09/leia-artigo-publicado-na-revista.html em 04/09/2011 acesso 27/02/2012,às 14:45 h.
  73. 73. 73 http://www.istoe.com.br/reportagens/18388_A+VERDADEIRA+MULHER+DAS+CAVERNAS em 23/03/2009 acesso 27/02/2012,às 14:55 h. http://omaravilhosomundodaleitura.blogspot.com/2010/08/mulheres-de-atenas.html em 26/08/2010 acesso 27/02/2012,às 15:05h. http://emocoesrc.blogspot.com/2010/09/roberto-carlos-em-capitulos-malu-mulher.html em 11/09/2010 acesso 27/02/2012,às 15:10h. http://prof-marcosalexandre.blogspot.com/2011/03/charge-dia-internacional-da-mulher.html em 08/03/2011 acesso 27/02/2012,às 15:15h. http://wwwumminutoemilcontos.blogspot.com/2010/10/os-10-mandamentos-da-raca.html em 04/10/2010 acesso 27/02/2012,às 16h. http://historiajaragua.blogspot.com/2011/07/iluminismo-texto-base-2o-ano.html 31/07/2011 acesso 27/02/2012,às 16:15h. http://g1.globo.com/pop-arte/noticia/2010/08/site-divulga-testamentos-de-marx-dickens-e- darwin.html em 11/08/2010 acesso 27/02/2012,às 17h. http://www.filmesparadownloads.com/a-lista-de-schindler-dublado em 05/11/2011 acesso 27/02/2012,às 17:05h. http://pablocarranza.com.br em 20/11/2010 acesso 27/02/2012 às 17:10 h. http://www.jblog.com.br/media/149/20101120-bosnia.jpg 21/11/201 acesso em 27/02/2012, às17:20 h. http://sexualidadeaaz.blogspot.com em 22/01/2012 acesso em 27/02/2012 às 17:25h. http://www.istoedinheiro.com.br/noticias/335_CONFLITO+DE+GERACOES Nº edição: 633 | Especial | 25.NOV.09 - 10:00 | Atualizado em 16.01 - 11:51 acesso em 27/02/2012,às 17:35h. http://ledjabrittes.blogspot.com/2010/12/cultura-brasileira.html em 07/12/2010 acesso em 27/02/2012,às 18h. http://ju-avessodosponteiros.blogspot.com/2012/01/casa-grande-senzala.html em 11/01/2012 acesso em 27/02/2012 às 18:30h. http://www.grupoescolar.com/pesquisa/estereotipos-e-estigmatizacao.html 29/06/2011acesso em 27/03/2012,às 18:40 h. http://www.canaldaimprensa.com.br/canalant/59edicao/animais4.htm em 18/05/2006 acesso em 27/02/2012,às 18:45 h. http://www.sinopsedofilme.com/trilha.php?id=2795&titulo=stigmata acesso em 27/02/2012 às 19h.
  74. 74. 74 http://palei10639.pbworks.com/w/page/13786861/Trocando%20ideias 19/01/2012 acesso em 27/02/2012,às 19:10h. http://mulheresislamicas.blogspot.com 14/01/2009 acesso em 27/02/2012,às 19:20h. http://www.estadao.com.br/noticias/arteelazer,brigitte-bardot-e-condenada-por-incitar-odio- racial,183282,0.htm em 03/06/2008 acesso em 27/02/2012,às 19:35h. http://revavds.blogspot.com/2011/08/mapa-completo-das-religioes-no-brasil.html em24/08/2011 acesso em 27/02/2012,às 19:40h. http://idewlpreconceito.blogspot.com/2011/05/charge-preconceito.html em 20/05/2011 acesso em 27/02/2012,às 19:43h. http://g1.globo.com/Noticias/Brasil em 23/08/09 - 07h43 - Atualizado em 24/08/09 - 11h19 acesso em 27/02/2012,às 19:45h. http://professorsd6.blogspot.com/2011/01/filme-entre-os-muros-da-escola.html em 02/01/2011 acesso em 27/02/2012,às 19:50h. http://teatroescolasesc.wordpress.com/2011/10/06/entre-os-muros-da-escola em 06/10/2010 acesso em 27/02/2012,às 19:55h. http://sagaz.wordpress.com/2009/02/05/a-insustentavel-necessidade-de-existir em 05/02/2009 acesso em 27/02/2012,às 20h. http://umasreflexoes.blogspot.com em 01/09/2011 acesso em 27/02/2012 às 20:05h. file:///C:/Documents%20and%20Settings/hpuser.YOUR-A50F3714C2/Meus%20documentos/2012- Apostilas%20e%20material/Pol%C3%ADticas%20de%20reconhecimento.htm em 21/01/2012 acesso em 27/02/2012,às 20:15h. http://psicosandraa.blogspot.com/2010/09/que-es-la-sociologia.html acesso em 28/02/2012,às 16:36h.
  75. 75. 75
  76. 76. 76
  77. 77. 77

×