Modulo iv arquiteturainformacaousabilidade_thaiscampas

680 visualizações

Publicada em

Curso Básico de Arquitetura de Informação e Usabilidade.

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
680
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
22
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Modulo iv arquiteturainformacaousabilidade_thaiscampas

  1. 1. Thais Campas – A.I. Sr./ UX expert Arquitetura da Informação e Usabilidade Módulo IV "O arquiteto de informação é o indivíduo capaz de organizar padrões inerentes aos dados, tornado clara sua complexidade, e capaz de criar estruturas ou planejamento de informações que permitam aos outros encontrarem seus caminhos pessoais para o conhecimento." Richard WurmanThais CampasArquiteta de Informação e Designer de Interação SêniorConsultora em Usabilidade e Projetos Centrados no UsuárioUPA member 8922 – since 2004 – thcampas@gmail.com – 5511 9498-9803 *todos os direitos reservados
  2. 2. Thais Campas – A.I. Sr./ UX expertMódulo IVIV - Usabilidade na fase de Lançamento/Pós-lançamento do projeto4.1 – IntroduçãoOk. Missão cumprida. A equipe de desenvolvimento terminou o trabalho e o projeto foi lançado com todas as expectativas propiciadas pelasmetas de sucesso que vocês estabeleceram lá no planejamento. Lembram-se? Pois bem, agora é a prova dos nove. Muita água já rolou e é horade aferirmos se o rumo do barco foi mesmo correto.Há um ponto crítico ao qual devemos prestar uma atenção especial: é quando saímos do wireframe para o design e programação. Ajustes dedireção de arte e eventuais questões técnicas que não foram levantadas nos Requisitos do Sistema podem exigir correções inesperadas e afetarsensivelmente as metas do projeto.Portanto, chegamos ao ponto em que devemos fazer um balanço da fase de desenvolvimento e PRINCIPALMENTE, da documentação de A.I. esistemas. Fique atento: é necessário atualizar e conferir as datas de alteração das documentações.NORMA DE OURO: Não jogue nada fora. Não apague nada. Rascunhos reprovados, mapas e wireframes posteriormente alterados duas, três oumais vezes – nada, absolutamente nada, vai fora. O que não está escrito e documentado fatalmente se perderá, ou seja, é um elo perdido notempo. E acreditem: vocês precisarão resgatar dados importantes em algum momento específico do ciclo de vida do projeto. 99,99% dechance.O histórico de criação e produção é um tesouro em se tratando de usabilidade. E mais, um histórico bem documentado e arquivado permiteque vocês troquem membros ou a própria equipe que trabalha no projeto sem que as metas ou a identidade do projeto se percam ou mesmose “personalizem” de acordo com a mudança da equipe que o administra.Fazendo isso, vocês estão trabalhando com metas de usabilidade, com certeza. E é por isso que defendo desde o primeiro módulo que vocêsfaçam dos preceitos e das práticas de usabilidade uma filosofia de trabalho para todas as horas e necessidades.Portanto, providências a tomar logo após a homologação do projeto: A - Revejam toda a documentação, revisando datas e certificando-se da metodologia correta de arquivamento da mesma. Essa metodologia é livre, vocês podem criar ou utilizar uma que já conheçam. O importante é que seja eficaz, apontando fases, data s e motivação das alterações. Dica: criar um critério para nomear arquivos baseada em datas. B – Marquem PRINCIPALMENTE o histórico de modificações nos mapas de análise de tarefas e navegação. A cada nova modificação, documentem quem solicitou, quem executou, a razão e a data da solicitação, bem como as conseqüentes alterações nos wireframes. O Mapa de Navegação e o Mapa com a Análise de Tarefas são verdadeiros guias para os administradores e futuros gestores. Se vocês não arquivarem corretamente estes documentos, correm um risco sério de, numa futura reengenharia, serem obrigados a realizar um mapeamento reverso do projeto. Vocês vão gastar pelo menos 30% das horas totais previstas para reengenharia ou redesign na tarefa de recuperar o mapeamento. C - Terceira providência: redigir o MANUAL de ATUALIZAÇÃO do projeto para os usuários secundários, lembram-se deles? Descrevam neste documento a periodicidade, normas, procedimentos, contatos técnicos, enfim: tudo, absolutamente tudo que for necessário ao controle da identidade do projeto. Se vocês não observarem este aspecto, todas as metas de usabilidades irão por água abaixo. Sem identidade, sem meta de usabilidade. Ok?4.2 – Usabilidade na fase de lançamento/ pós-lançamento 4.2.1 - Acompanhamento e análise dos indicadores de desempenhoOrganizaram a documentação do projeto? Ok, prontos para fase 2!Quais os meus indicadores de desempenho das metas de usabilidade que estabeleci ao longo do meu planejamento? Essa é a primei ra questãoque devo saber responder. Levando em consideração que eu posso ter estabelecido variáveis muito particulares baseadas nas característicasessenciais de meus usuários primários e secundários e de acordo com a missão e objetivo principal do meu projeto, eu posso ap ontar paravocês “n” indicadores de desempenho que podem ser tanto quantitativos quanto qualitativos ou ainda ambos ao mesmo tempo.UPA member 8922 – since 2004 – thcampas@gmail.com – 5511 9498-9803 *todos os direitos reservados
  3. 3. Thais Campas – A.I. Sr./ UX expertMas não é só isso. Não basta definir variáveis, é preciso que elas sejam mensuráveis e de preferência haja uma ferramenta ou metodologia demensuração. Roteiro: O que estou mensurando, quando e como será mensurado? Bem lógico e apropriado, não?Então para fechar a explicação, vamos a um exemplo bem direto: indicativo de sucesso para um site de comércio eletrônico. Vou mensurarsemanalmente o número de compras finalizadas por usuários únicos no meu site. Do conjunto de compras não finalizadas, vou analisar a causa:abandono do processo, falha no sistema e etc. É possível faze-lo? Sim. Como? Através de um aplicativo instalado no servidor como oWebTrends, por exemplo.Vamos supor que eu tenha colocado como meta a finalização de 90% das cestas de compra a partir de certo ponto da tarefa. Se eu mensurar40% de compras fechadas dentre as compras iniciados vou necessariamente encontrar um problema de usabilidade? Sim e não. Pode indicarque o desempenho está abaixo do planejado? Sim, pode.O indicador “compra finalizada por usuário único” pode não ser suficiente para apontar um problema de usabilidade, mas pode levantar umasuspeita ou motivar um teste com usuários. O acompanhamento dos indicadores de desempenho de um site exige uma análise completa docontexto de todo o projeto, mas é uma arma poderosa para levantar a suspeite de algo pode estar errado com a meta de usabilidade.Junto com a análise de desempenho, façam análises heurísticas e periódicas e, sobretudo, estimulem o usuário a opinar. Utilize ferramentas derelacionamento como cadastros e newsletters no caso de sites, principalmente.Portanto, pessoal, mais um check-list para colar na geladeira: Quantifique suas metas de usabilidade para cada usuário. Se não o fez antes, faça agora. Certifique-se de que possui ferramentas para mensurar e acompanhar metas de usabilidade. O que vai mensurar, em que periodicidade e como. Cruze dados de análise de desempenho do projeto como um todo, com as metas de usabilidade. Cheque as suspeitas com testes heurísticos antes de partir para testes com usuários. Fique de olho nas falhas técnicas (problemas no sistema). Escreva uma documentação com normas e procedimentos de acompanhamento das metas e inclua no Manual de Atualização.Vocês podem ser extremamente detalhistas em seus acompanhamentos. Podem cruzar ações de marketing com efeitos na infra-estrutura dosite. Todo dado pode ser útil e levar a uma conclusão mais completa e precisa, SE e somente SE vocês estabelecerem MÉTODOS e CRITÉRIOS deanálise.Entendido? Fiquem atentos para não meramente especular sobre resultados, o que é bastante comum quando se trata de evocar estatísticasem nome de uma conclusão pretensamente científica. Só cruzem dados quando tiverem certeza do que estão fazendo.Bem, também devo enfatizar que as metas quantitativas, isto é, aquelas que podem ser expressas numericamente, devem ter uma basecontextual bem fundamentada. Como vocês chegaram a estes números ou índices? O que está embasando a formulação dessas metas doponto de vista qualitativo?Percebam que vocês fecham o ciclo de um “raciocínio de usabilidade”, ao criar um acompanhamento extremamente criterioso e que deve sersempre questionado à medida que o ciclo de vida do projeto evolui. Vocês estão finalmente criando uma estratégia de usabilidade completa. Ou seja: abrange todo o ciclo de vida do seu projeto.Pessoal, de que forma podemos organizar ou “tabelar” a evolução desses indicadores? Simples, podemos criar tabelas comparativas, gráficosmostrando a evolução das métricas, relatórios e até as famosas apresentações em power point (vocês podem apresentar a seus clientes, porexemplo).Aconselhamos que você faça dessa documentação um adendo importante do Manual de Atualização, pois, por sua vez, ele centraliza todos osprocedimentos relacionados à rotina do seu projeto.UPA member 8922 – since 2004 – thcampas@gmail.com – 5511 9498-9803 *todos os direitos reservados
  4. 4. Thais Campas – A.I. Sr./ UX expertLogo abaixo, mostraremos um roteiro básico de como organizar toda essa informação sobre indicadores de desempenho que vocês podemsofisticar ou adaptar de acordo com a necessidade. Reparem que vocês vão resgatar muita informação do planejamento. Vamos lá: 1. Descrição do Cenário de Uso (que você já elaborou no planejamento). 2. Aspectos críticos dos Requisitos de Sistemas que podem interferir na questão da usabilidade. 3. Descrição dos Usuários (primários e secundários - essa informação também está documentada no seu planejamento). 4. Descrição das tarefas fundamentais ou key features que cada usuário ou grupo de usuários primários e secundários deve executar atribuindo-se uma medida de desempenho (em geral estabelecemos um tempo ideal para a execução da mesma). 5. Método, ferramenta ou procedimento de aferição da métrica escolhida. 6. Quem é responsável pela avaliação dos indicadores de desempenho. 7. Periodicidade da avaliação. 8. Relatórios Conclusivos e tipo de documentação a ser arquivada – tabelas, gráficos, textos, o que vocês acharem produtivo.Última observação: interfaces HC e interfaces Sociais pressupõem heurísticas específicas e, principalmente, metas de usabilidade igualmenteespecíficas. Portanto, estabeleçam essa diferenciação em suas respectivas documentações. 4.2.2 – Mensuração do ROI (return on investiment)Lá vem ele: o tal do ROI, que em bom português significa nada mais nada menos que retorno sobre investimento. O ROI pode ser uma métrica,resultado de uma fórmula matemática com variáveis palpáveis e indicativas sobre o negócio. O pessoal acostumado com a linguagem denegócios e administração está bem familiarizado com o termo.Voltando ao nosso caso, a usabilidade pode influenciar essas variáveis ou até se tornar uma delas. Mas, em poucas palavras, o que vai serprovado mesmo é o quanto valeu a pena fazer o projeto acontecer e quão acertada foi a iniciativa de ter uma estratégia de usabilidade no seuplanejamento. Fez diferença? Valeu à pena? O projeto trouxe muito mais retorno em termos de resultados práticos e mensuráveis com uma estratégia de usabilidade? Como eu posso ou pude aferir isso (ao longo do projeto e no momento atual do ciclo de vida do meu projeto)?Uma forma bem comum de mostrar que a usabilidade traz resultados é mostrar o quanto ela pode corrigir rumos e prevenir decisõ es erradas.Isso é bem visível quando realizamos testes com usuários. Eles nos mostram, muitas vezes com sugestões espontâneas durante as entrevistascom os especialistas, o que pode ser melhorado ou até um novo ponto de vista sobre a interface testada, idéias e observações fora do escopoque ascendem uma luz no fim do túnel, por assim dizer.MAS... como simplesmente corrigir não é exatamente o que queremos mostrar como vantagem essencial ou ROI principal da estratégia deusabilidade bem implementada...Podemos e devemos afirmar que uma estratégia de usabilidade articulada, criativa, assertiva, pode revelar ou dar origem a grandes “sacadas”por parte dos desenvolvedores ou gestores do projeto. Ou seja, o fator usabilidade pode ser a grande virada dentro de um projeto inicialmentepobre em diferenciais inovadores (é o chamado ROI obtido pela identificação e implementação de diferenciais competitivos).Vamos aos exemplos para deixar essa questão clara como água cristalina da fonte? A seguir analisamos duas situações básicas – na primeira oROI é obtido através de uma ação corretiva desencadeada por um teste de usabilidade com usuários primários e, na segunda, o ROI é adescoberta de um valor que é agregado ao projeto. ROI - resultado corretivo: Site de comércio eletrônico com desempenho abaixo do esperado. Relatório de visitação do site não aponta suspeita de quedas de conexão ou falhas no sistema. Cenário aferido: usuários iniciam processo de compra, mas não o finalizam. O resultado do teste de usabilidade feito com usuários primários mostra que botões mal posicionados fazem com que a maioria deles “feche” o “sistema” de forma involuntária, sem que haja informação explícita sobre como retomar o processo. Feita a correção, o índice de “perdas” de processos de compra é reduzido em 90%. Logicamente, o resultado financeiro do site será bem melhor. Observem que se após uma simples correção, o faturamento crescer x reais, então eu tenho um ROI bem claro apontado como um crescimento no faturamento. Nesse caso um retorno sobre o investimento no teste de usabilidade e na correção feita.UPA member 8922 – since 2004 – thcampas@gmail.com – 5511 9498-9803 *todos os direitos reservados
  5. 5. Thais Campas – A.I. Sr./ UX expert Vamos supor, se todo o processo corretivo custou 14 mil reais, o site vendia 20 mil reais por mês e após as modificações passa a vender 40 mil, no primeiro mês, a consultoria de usabilidade já se pagou e ainda deu “lucro”. Dobrou o faturamento. Vejam que é um exemplo beeem simples, mas igualmente elucidativo. Muitas vezes, vocês vão encontrar situações mais complexas, com múltiplas variáveis problemáticas aliadas aos erros de projeto mais comuns: infra-estrutura tecnológica insuficiente ou inadequada e até certa miopia com relação a aspectos mercadológicos. Mas em termos práticos, é isso aí. ROI – diferencial competitivo: Protótipo de MP3 player a ser lançado no mercado. Vocês gostariam de saber se o design, a proposta de interface do software embutido agrada e exatamente como os usuários vão utilizá-lo: ligar o aparelho no som do carro, ligar no computador, baixar as músicas via computador ou usar como dispositivo pessoal. Vocês querem testar as situações de uso do aparelho e aferir algo mais sobre este contexto de uso. A decisão é fazer um teste monitorado com grupos de usuários, deixando os aparelhos com potenciais compradores durante um período maior de tempo, como se fosse um test drive. Os usuários vão relatar experiências utilizando o aparelho livremente porém em toda a sua potencialidade. Após a realização do teste e entrega dos relatórios, vocês descobrem que os usuários gostariam de utilizar o mesmo aparelho para gravar conversas, aulas e entrevistas e transferi-las para seus computadores pessoais. O novo recurso é então implementado com as devidas correções no planejamento estratégico e transforma o nosso MP3/ gravador em sucesso de vendas . Reparem que o produto ganhou um novo recurso e um novo apelo. A experiência com o teste de usabilidade revelou um nicho, uma oportunidade a ser explorada. Qual é o ROI neste caso? Qual é o ROI da descoberta de um novo nicho, algo que o usuário deseja e influirá definitivamente na escolha de um produto e consequentemente em sua competitividade? Claríssimo: um produto de sucesso que venderá muito mais e trará muito mais retorno financeiro. Se eu vendesse três mil aparelhos no primeiro mês sem o recurso de gravação de voz, com o recurso eu atendi um público maior, vendi 6 mil. O ROI, neste caso, corresponde ao incremento de 100% nas vendas do nosso tocador/gravador de MP3.Pois bem pessoal, os exemplos são simples, não? Mas para lá de eficazes em definir retorno sobre investimento. Nos dois casos, investir emusabilidade, testes, estratégias e tudo mais, determinou um ganho financeiro ou evitou uma perda.Porém... Há casos em que o ROI não é tão tangível e nem repercute financeiramente de maneira tão explícita. Vocês podem, com técnicas deusabilidade, melhorar a produtividade de uma intranet, utilizar testes com usuários ou análises heurísticas para selecionar outros fornecedoresna área de tecnologia da informação. O ROI aqui é qualitativo, ganho de qualidade, produtividade e satisfação.Não achamos que o ROI necessite de uma documentação e uma mensuração tão constante nas rotinas do projeto quanto o acompanhamentodos indicadores de desempenho. Mas é extremamente válido como histórico e como um argumento consistente e decisivo no momento emque seja preciso justificar, para gestores e clientes, a utilização de uma metodologia centrada na experiência do usuário, seja ela qual for. ROI:neste caso, usem e abusem dos dados que tiverem, sem contra-indicação. 4.2.3 – Emissão final da documentação de Arquitetura da Informação do Projeto (A.I.)Roteiro essencial deve preservar o histórico do projeto.O que deve conter a documentação final de A.I. de um projeto centrado na experiência do usuário?Toda a matriz do planejamento, que consiste em: Fase I: Estudo&Levantamento, Criação&Planejamento: 1. Brainstorming e Bechmarking com apresentação de Idéias e Benchmarks; 2. Compilação de pesquisas de mercado ou levantamentos estratégicos***; 3. Escopo do projeto, contendo sua definição e delimitações (sinopse); 4. Objetivo estratégico e motivação principal do processo de desenvolvimento; 5. Cenário de Uso;UPA member 8922 – since 2004 – thcampas@gmail.com – 5511 9498-9803 *todos os direitos reservados
  6. 6. Thais Campas – A.I. Sr./ UX expert 6. Descrição dos usuários primário, secundário e, se possível, terciário; 7. Contexto de uso do aplicativo que será desenvolvido (não existe usabilidade sem contexto de uso!!!!!!); 8. Funcionalidades essenciais ou Key Features (funcionalidades inerentes aos objetivos estratégicos do projeto), com textos descritivos e detalhados; 9. Requisitos do Sistema – descritivo técnico da infra-estrutura, plataformas e tecnologias necessárias para viabilizar o desenvolvimento, lançamento e funcionamento do projeto. 10. Descritivo das metas de usabilidade para usuários primários e secundários.*** aqui vale uma observação rápida sobre o Card Sorting: muitos procedimentos de CS acontecem nessa fase pois é uma metodologia queajuda a definir prioridades já que afeta a disposição das categorias de informação. Nesse caso, compilem os dados e os coloquem como umrelatório final, junto a “estudos e levantamentos”.Vocês devem estar imaginando: “mas isso faz parte do planejamento de marketing... Pesquisa de mercado? Isso é marketing”. Ë isso mesmopessoal, lembrem-se de que a documentação de A.I. é a documentação universal do projeto que integra as equipe que trabalham em umprojeto Web. A documentação de A.I. é, por assim dizer, o fiel da balança, uma documentação que precisa ser entendida por toda a equipeenvolvida: gestores, gerentes, designers, programadores... Enfim, todo mundo que trabalha no projeto, colaborando em algum momento.Confidencialidade em acordos e parcerias.Acordos de Confidencialidade: é muito importante falar deles pois estamos manipulando informações estratégicas, cujo conteúdo não deverájamais “vazar” para a concorrência ou para quem não interesse. Vocês devem tratar a documentação de A.I. como um documento sujeito aoscontratos de confidencialidade – os tão conhecidos Non Disclosure Agreement (s) ou NDA(s). Levem isso a sério e arquivem todos os NDA(s).Eles devem ser exigidos formalmente, inclusive, para usuários que participem de testes.Em geral, os brasileiros tratam este importante dispositivo legal de proteção intelectual com certa displicência, mas em países onde os direitosautorais e brigas por patentes levam empresas a acordos milionários, o NDA é indispensável ao início dos trabalhos.Formato dos documentos: vocês são livres para escolher o formato dos documentos, desde de que atendam o que foi pedido acima. Prefiramformatos universais, softwares específicos para criar planilhas e fluxogramas em geral geram arquivos com formatos não aceitos por qualquerPC que rode num sistema operacional mais comum. Pessoalmente, nunca fujo do MS Office.Análise de tarefas: na documentação final a análise de tarefas entra junto com mapas e wireframes.Protótipos e Testes com Protótipos: também entram na segunda parte da documentação.Versão 1.0, ; 1.1; 1.1.2 e etc.... Guardem “pastas” separadas atribuindo nomenclaturas do tipo: ProjetoH_versão1.0_30setembro2006. ProjetoH_versão2.0_31outubro2006.Isso – claro - se houver realmente versões e não simples modificações. Guardem também as atas de reuniões e elaborem documentos dehomologação (para quem não estiver familiarizado com o termo, homologar é o mesmo que aprovar).Pessoal, observe que eu não menciono cronogramas, ok? Isso faz parte do escopo da Gerência de Projetos - uma documentação e metodologiade projetos incluem o que estamos produzindo, mas não vamos abordar esse ponto, por não ser o objetivo do curso e, portanto, não perder ofoco.Cuidado com o excesso de documentação, não exagerem. Documentação Final de A.I. é uma compilação da matriz do planejamento, não umaenciclopédia! Tem gente que exagera e acaba se perdendo em descritivos sem nenhuma utilidade. Não caiam na armadilha da burrocraciacorporativa recorrente.UPA member 8922 – since 2004 – thcampas@gmail.com – 5511 9498-9803 *todos os direitos reservados
  7. 7. Thais Campas – A.I. Sr./ UX expert Fase II: Projeto&Protótipo: 1. Matriz de Conteúdo ou Matriz de Escopo; 2. Análise de Tarefas/ ***; Mapa de Navegação; 3. Wireframes; 4. Propostas de leiaute; 5. Protótipo funcional ou paper prototyping (protótipo de papel); 6. Relatório dos testes de usabilidade e análises heurísticas; 7. Validação das metas de usabilidade (descritivo consolidado).*** mais uma observação sobre o Card Sorting que pode entrar como uma metodologia de validação nesse estágio do Mapa de navegação.Acredito que esse item ficará mais claro com exemplos, mas é sempre bom relembrar.A Matriz de Escopo ou Conteúdo é mais comumente construída como uma tabela. Essa tabela deve conter a descrição de todos os links esublinks do site, ou no caso de uma aplicação, uma tabela com o nome das tarefas e sua descrição. Especificamente em web applications(softwares desenvolvidos em ambiente Web), a Matriz de conteúdo vai auxiliar na Análise de Tarefas, ajudando a roteirizar detalhadamente astarefas que o usuário executará.Recomendamos que a Matriz de Escopo ou Conteúdo contenham elementos que vocês considerem particularmente importantes para umdeterminado projeto. Vocês podem, por exemplo, documentar as horas de produção ou programação de cada funcionalidade. Podem detalharessas horas, indicando horas de design, horas de programação, de gerência de projetos e etc. Podem, também, indicar quem são osresponsáveis pelo conteúdo dos links descritos e com que periodicidade eles devem ser atualizados.Enfim, não existem modelos engessados de Matriz de Conteúdo, mas adaptações de acordo com cada situação. Analisem que tipo deinformação vocês podem vir a necessitar no futuro. Gestores e equipe de atualização mudam de tempos em tempos e a identidade do projetotem que permanecer, pois é justamente dela que partem as novas idéias e os novos rumos. Vamos mostrar alguns exemplos de Matriz deEscopo ou Conteúdo, para que vocês possam sentir o quanto este tipo de documentação pode ser ajustado às situações:EXEMPLO A:Na Matriz abaixo, foi apresentado todo o serviço e detalhamento dos serviços e consultorias envolvidos no projeto, além do tipo de recursosde sistema e interface que, neste caso, nosso portal vertical disponibilizará para seus usuários. Total de Horas de Funcionalidade Descrição Metodologias Envolvidas Recursos Tecnológicos produção do projeto Arquitetura da Informação; Página Principal com Tratamento de Imagens; Planejamento Editorial; chamada para notícias, Montagem HTML; Conceito Visual (Webdesign); cadastro para JavaScript; HOME Espaço para Ações 60 Newsletter, banner Recursos de Flash; Promocionais; interativos e busca de Programação Dinâmica com Revisão e Webwriting; arquivos e links no site. acesso a Banco de Dados Manual de Atualizaçao. Arquitetura da Informação; Link(s) estático(s) que Tratamento de Imagens; Planejamento Editorial; Links e Conteúdos partem da HOME com Montagem HTML; Conceito Visual (Webdesign); 20 Institucionais conteúdos em texto e JavaScript; Revisão e Webwriting; imagens sobre Missão, Recursos de Flash. Manual de Atualizaçao. Visão e Objetivos.UPA member 8922 – since 2004 – thcampas@gmail.com – 5511 9498-9803 *todos os direitos reservados
  8. 8. Thais Campas – A.I. Sr./ UX expert Tratamento de Imagens; Arquitetura da Informação; Link(s) Dinâmico(s) que Montagem HTML; Biblioteca de Planejamento Editorial; partem da Home para JavaScript; Arquivos para Conceito Visual (Webdesign); 60 download de arquivos de Recursos de Flash; Download Revisão e Webwriting; texto e imagem (fotos). Programação Dinâmica com Manual de Atualizaçao. acesso a Banco de Dados Link(s) Dinâmico(s) que partem da Home para indicação de sites, portais e fontes diversas na Arquitetura da Informação; Tratamento de Imagens; Internet sobre o assunto Planejamento Editorial; Montagem HTML; abordado no portal. Conceito Visual (Webdesign); JavaScript; Links Úteis Sugerimos que haja um Espaço para Ações 60 Recursos de Flash; uso estratégico, com Promocionais; Revisão e Programação Dinâmica com espaços promocionais Webwriting; acesso a Banco de Dados definidos que possam ser Manual de Atualizaçao. negociados em termos comercias, parcerias de conteúdo e comentários e cunho editorial. Link Dinâmico que pode partir da HOME ou permanecer nela localizada. A decisão de Arquitetura da Informação; seu posicionamento e Tratamento de Imagens; Planejamento Editorial; recursos agregados pode Montagem HTML; Conceito Visual (Webdesign); ser decidida a partir do JavaScript; Enquetes Espaço para Ações 40 grau de importância de Recursos de Flash; Promocionais; Revisão e seus relatórios. O link Programação Dinâmica com Webwriting; Relatórios; pode aceitar desde uma acesso a Banco de Dados Manual de Atualizaçao. pesquisa simples até um questionário completo, motivado por uma estratégia promocional.UPA member 8922 – since 2004 – thcampas@gmail.com – 5511 9498-9803 *todos os direitos reservados
  9. 9. Thais Campas – A.I. Sr./ UX expertEXEMPLO B: Na Matriz abaixo, foi feita uma apresentação diferente, por tarefas de desenvolvimento. Esse tipo de Matriz também éinteressante e se integra bem aos documentos de gerência de projeto. Este descreve horas de planejamento e desenvolvimento e fornece ovalor das horas em termos financeiros, supondo que o valor da hora de trabalho = 51 reais. Vejam como a documentação de A.I. é importanteaté como uma planilha de investimento. Reparem como a documentação de A.I. pode ser versátil! Valor (horas Etapa de Trabalho Descrição: Planejamento: Desenvolvimento: Total: trabalhadas): Página de entrada do site - deverá expor Home todas as opções de navegação para o usuário. 18 x 8 (R$51,00) R$ 918,00 Dados gerais sobre a Conteúdo Institucional Instituição. 24 x 8 (R$51,00) R$ 1.224,00 Comunicação centralizada, a Cadastro, Transações e cadastro, com e acesso Mailing a quaisquer transações com a Empresa. 180 x 50 (R$51,00) R$ 9.180,00 Acesso aos serviços e produtos do Empresa- preparação de toda a Produtos e Serviços estrutura tecnológica para prestar serviços online. 100 x 20 80 (R$51,00) R$5.100,00 Acesso a todos os conteúdos do Empresa, incluindo conteúdo da Conteúdo Editorial Revista da Empresa, seja qual for o formato ou a origem. Preparação para 100 x newsletter. 30 (R$51,00) R$5.100,00 Campo para busca Busca Avançada direta por palavra- chave ou grupo 140 x relacionado. 40 (R$51,00) R$ 7.140,00 Sistema de Sistema de Publicação e Administração do Site Administração com recursos de Colaboração. 220 x 70 (R$51,00) RS11.220,00 Padronização, *Manual de Atualização planejamento e documentação do projeto editorial e R$ 3.000,00UPA member 8922 – since 2004 – thcampas@gmail.com – 5511 9498-9803 *todos os direitos reservados
  10. 10. Thais Campas – A.I. Sr./ UX expert tecnológico. Senhas, serviços, parceiros e procedimentos. 782 x Total de horas 236 546 (R$51,00) R$ 42.015,00EXEMPLO C: Na Matriz abaixo, repare o detalhamento do conteúdo dos links que fornece várias orientações para a produção de um wireframe.Esta Matriz de escopo pode ser facilmente adaptada para um Manual de Atualização, informando, por exemplo, instruções para atualização doconteúdo de um portal de vendas, que deve ser constantemente alterado de acordo com promoções e campanhas sazonais. Funcionalidade Descrição Banners Atualização Depto/ Responsável Página Principal com espaço para produtos em promoção e novidades. Espaço para banner de fornecedores e Depto de Comunicação e Mkt Diária ou de acordo com campanha de promoção 01 banner grande horizontal Renata Abrantes HOME promoção de vendas e de vendas da loja. Deve Até 06 banners pequenos. rabrantes@empresa.com.br campanhas sazonais. também chamar para 011 3333-3333 (ramal 246) cadastramento e disponibilizar um espaço para mecanismo de buscas no site. Página que expõe as Depto de Vendas e Depto de categorias de produtos e Comunicação e Mkt. serviços. Pode conter espaço para chamadas e Murilo Alves Diária ou de acordo com Produtos e breves sinalizações para 01 banner grande horizontal. malves@empresa.com.br promoção de vendas e Serviços o usuário além da busca Até 02 banners pequenos 011 3333-3333 (ramal 192) campanhas sazonais. e banners, embora o espaço para propaganda Renata Abrantes seja menor que na rabrantes@empresa.com.br home.. 011 3333-3333 (ramal 246) Cadastro de usuários, em 3 etapas. Deve informar quais dados são indispensáveis e deixar Depto de Comunicação e Mkt clara a política de Renata Abrantes Cadastro privacidade da empresa. 01 banner grande horizontal. Quando necessário. rabrantes@empresa.com.br Não esquecer de 011 3333-3333 (ramal 246) perguntar sober o envio de emails com promoções da loja (opt in, opto ut)UPA member 8922 – since 2004 – thcampas@gmail.com – 5511 9498-9803 *todos os direitos reservados
  11. 11. Thais Campas – A.I. Sr./ UX expert Cesta de compras do usuário. Este link é estratégico e deve ser protegido por senha, a Depto de Vendas e Depto de ser enviada ao usuário no Comunicação e Mkt. momento do cadastramento. As Murilo Alves Verificação diária para compras devem ficar malves@empresa.com.br Minhas Compras 01 banner grande horizontal. atualizar avisos aos armazenadas, de modo 011 3333-3333 (ramal 192) cadastrados. que o usuário possa interrompê-las e finaliza- Renata Abrantes las depois. Isso é rabrantes@empresa.com.br particularmente 011 3333-3333 (ramal 246) importante no caso de problemas na conexão ou no sistema de compras do site. Deve conter todas as Depto de Vendas / Depto de informações de contato Comunicação e Mkt e Depto de da empresa, inclusive suporte telefones e suporte. Ë importante deixar ao Murilo Alves usuários opções de ajuda malves@empresa.com.br e de contatos com a 011 3333-3333 (ramal 192) 01 banner grande horizontal. Verificação diária para Fale Conosco empresa em caso de . atualizar avisos aos clientes. necessidade de suporte Renata Abrantes técnico à finalização da rabrantes@empresa.com.br compra. Neste link, 011 3333-3333 (ramal 246) também podemos disponibilizar dados de Catarina Cortez contato para serviços de ccortez@empresa.com.br pós-venda. 011 3333-3333 (ramal 240)Percebam como podemos criar Matrizes de Escopo específicas que atendem as nossas necessidades no ponto do ciclo de vida em qu e estamoscom relação ao projeto. A cada momento, vamos precisar discriminar variáveis diferentes: conteúdo entregue ou não; conteúdo i nterno ouconteúdo de fornecedor, link dinâmico ou estático, presença de banners ou não; administração por interface específica ou não, nomes econtatos dos responsáveis pela atualização, e por aí vai.Bom, vamos falar agora sobre Análise de Tarefa e Mapa de Navegação.Estes documentos estão sujeitos a várias alterações durante o ciclo de vida do projeto. Eles, em geral, são desenvolvidos inicialmente de formabem engessada, isto é, condicionam o usuário a um roteiro com opções bem mais limitadas. E é normal que seja assim. Primeiro engessamos,depois flexibilizamos a interface. Se há um excesso de flexibilização logo no início, vários problemas de usabilidade podem surgir ocasionadospela falta de controle na produção das interfaces. Então, não estranhem o fato de que essa documentação vai ser bastante alterada durante aolongo do projeto.Como emissão final, vocês devem guardar a documentação mais recente. É comum haver alterações após testes de usabilidade em protótipos eaté alterações em leiautes e wireframes sem que a documentação anterior, o mapa de navegação, tenha sido alterada. Não permitam que issoaconteça. Uma única alteração desencadeia a atualização de toda a documentação emitida anteriormente à interface ou wireframe modificado.Ok? Ficou claro?UPA member 8922 – since 2004 – thcampas@gmail.com – 5511 9498-9803 *todos os direitos reservados
  12. 12. Thais Campas – A.I. Sr./ UX expertEsse aspecto precisa estar bem entendido e assimilado. Caso contrário, quando procurarem o auxílio do planejamento de A.I ., vocês vão obterum resultado desastroso e ficarão perdidos sem saber se o mapa contem ou não as mudanças que o projeto sofreu até a emissão final dosdocumentos.O segredo aqui é documentar sempre, atualizar sempre. O que não se escreve e não se guarda, não existe.Bom, vamos lá. Dois exemplos, um de Mapa de Navegação e outro de Análise de tarefas:Exemplo 1 (Mapa de Navegação)Pessoal, este é um mapa bem simples de uma intranet corporativa. Este mapa deve fazer parte de uma documentação final de A.I. Atualizadocom a versão final, obviamente.UPA member 8922 – since 2004 – thcampas@gmail.com – 5511 9498-9803 *todos os direitos reservados
  13. 13. Thais Campas – A.I. Sr./ UX expertExemplo 2 (Análise de Tarefas)Esta é o esquema de Análise de Tarefas de uma aplicação. Veja a sinalização de cores como é importante, a tarefa é divida em 3 etapas,distribuídas ao longo de um processo de customização e personalização da interface de um sistema que controla a automação de umaresidência.As mesmas observações feitas para o Mapa de Navegação valem aqui. Com bastante rigor, pois aqui há a questão do suporte ao usuário. Seráabsolutamente necessário que a Análise de Tarefas esteja atualizada em seus mínimos detalhes ou não haverá condição de treinar uma equipede suporte. E muito menos, futuros testes de usabilidade. Os testes de usabilidade se utilizam de documentos como esse. Então , fiquematentos.Depois dos Mapas, temos os Wireframes. Os wireframes também precisam ser atualizados de acordo com o leiaute que foi homologado pelogestor do projeto ou cliente. Muitas vezes, são feitas mudanças no leiaute que não são repassadas para emissão final da documentação de A.I.Não permitam que isso aconteça.Nesse ponto, vale abordar o assunto: wireframe não é leiaute. É um projeto de interface. Portanto, não construam wireframes quecomprometam a liberdade da direção de arte. O arquiteto de informação deve trazer sugestões funcionais para os leiautes, mas deixar livre acriação da identidade visual.Vamos a um exemplo que mostra o wireframe e como ficou a proposta de leiaute.UPA member 8922 – since 2004 – thcampas@gmail.com – 5511 9498-9803 *todos os direitos reservados
  14. 14. Thais Campas – A.I. Sr./ UX expertWIREFRAME:UPA member 8922 – since 2004 – thcampas@gmail.com – 5511 9498-9803 *todos os direitos reservados
  15. 15. Thais Campas – A.I. Sr./ UX expertLEIAUTE:UPA member 8922 – since 2004 – thcampas@gmail.com – 5511 9498-9803 *todos os direitos reservados
  16. 16. Thais Campas – A.I. Sr./ UX expertReparem que existem diferenças entre o leiaute e o wireframe. Isso é bastante comum quando a direção de arte e o design começam aestabelecer soluções estéticas para a interface. Não se assustem, portanto, com alterações. Para que elas não afetem questões de usabilidade,é preciso um manter as metas iniciais sempre em discussão, como pontos fundamentais a serem seguidos.Documentem todos os leiautes apresentados, pode ser um arquivo de power point, e junte a eles um documento de homologação que pode seruma cartinha. Pode parecer exagero, mas é bom manter um documento de homologação, uma cartinha de “aceite” do responsável pelaaprovação das etapas de produção do projeto.O restante da documentação é composta pelos protótipos, se houver, e pelos relatórios dos testes e análises de usabilidade.Mantenha um documento com METAS de USABILIDADE DO PROJETO, tal como a cartinha de homologação. Afinal, se as empresas documentamMissão, Visão e tudo mais, porque não documentar metas de usabilidade... Fica aqui a sugestão.Fase III: Manual de Atualização: 1. Projeto Editorial, se for o caso; 2. Análise de Tarefas/ Mapa de Navegação finais; 3. Informações sobre atualização – periodicidade, tipo de conteúdo e gestores/colaboradores; 4. Informações e manuais técnicos de sistemas de atualização e toda infra-estrutura envolvida; 5. Manual de Marca; 6. Regras para utilização de espaço publicitário; 7. Regras de suporte ao usuário; 8. Normas de atualização; 9. Normas de Usabilidade; 10. Informações sobre senhas e usernames. 11. Relatórios periódicos de visitação.Bom, pessoal. Vocês são livres para elaborar o Manual de Atualização no formato que acharem mais confortável e racional para consulta.Podem imprimir ou mantê-lo em formato eletrônico. Podem ainda, manter um diretório com vários documentos, sem reunir tudo em ummesmo documento. Enfim, é preciso estar atento às características e necessidades de cada projeto.O Manual de Atualização é particularmente interessante e essencial aos projetos centrados na experiência do usuário porque nesses projetoshá uma padronização imposta pelas metas de usabilidade e pela importância da fase de planejamento.Mais uma vez, devemos ressaltar o quanto é importante manter a identidade do projeto, não permitindo que a troca de equipes durante oprocesso, afete de maneira inesperada os resultados de usabilidade. Quando se perde o controle, fica muito difícil manter o compromisso comqualquer tipo de meta.E perde-se, portanto, todo o esforço feito em direção a um resultado consistente. Na queremos aqui fechar as portas para as oportunidades epara a renovação. Muitas vezes, uma variável externa e fora do controle da equipe afeta fundamentalmente os rumos de um projeto, as vezes,bastante tempo após o lançamento do mesmo. Já citamos aqui a presença do usuário terciário, aquele que aparece de surpresa e acaba porreivindicar um “espaço” para si.Este tipo de usuário pode até, em alguns casos, substituir o usuário primário. Recomendamos, então que se façam novas avaliaç ões deusabilidade para aferir oportunidades que possam estar sendo perdidas junto a um público até então “desconhecido”.UPA member 8922 – since 2004 – thcampas@gmail.com – 5511 9498-9803 *todos os direitos reservados
  17. 17. Thais Campas – A.I. Sr./ UX expertRecapitulando o roteiro da documentação final de A.I. Fase I: Estudo&Levantamento, Criação&Planejamento: Brainstorming e Bechmarking com apresentação de Idéias e Benchmarks; Compilação de pesquisas de mercado ou levantamentos estratégicos; Escopo do projeto, contendo sua definição e delimitações (sinopse); Objetivo estratégico e motivação principal do processo de desenvolvimento; Cenário de Uso; Descrição dos usuários primário, secundário e, se possível, terciário; Contexto de uso do aplicativo que será desenvolvido (não existe usabilidade sem contexto de uso!!!!!!); Funcionalidades essenciais ou Key Features (funcionalidades inerentes aos objetivos estratégicos do projeto), com textos descritivos e detalhados; Requisitos do Sistema – descritivo técnico da infra-estrutura, plataformas e tecnologias necessárias para viabilizar o desenvolvimento, lançamento e funcionamento do projeto. Descritivo das metas de usabilidade para usuários primários e secundários. Fase II: Projeto&Protótipo: Matriz de Conteúdo ou Matriz de Escopo; Análise de Tarefas/ Mapa de Navegação; Wireframes; Propostas de leiaute; Protótipo funcional ou paper prototyping (protótipo de papel); Relatório dos testes de usabilidade e análises heurítsticas; Validação das metas de usabilidade (descritivo consolidado). Fase III: Manual de Atualização: Projeto Editorial, se for o caso; Análise de Tarefas/ Mapa de Navegação finais; Informações sobre atualização – periodicidade, tipo de conteúdo e gestores/colaboradores; Informações e manuais técnicos de sistemas de atualização e toda infra-estrutura envolvida; Manual de Marca; Regras para utilização de espaço publicitário; Regras de suporte ao usuário; Normas de atualização; Normas de Usabilidade; Informações sobre senhas e usernames. Relatórios periódicos de visitação.Para o “formato” dessa documentação, algumas dicas:Documentação de Projeto tem que ser universal. Acessível e compreensível por todos os envolvidos. Dessa forma: Escolham formatos de gravação e salvamento de arquivos universais, e que de preferência estejam integrados ao pacote padrão do Office da MS. Gravem imagens em gif* ou jpeg* – elas podem ser abertas no Internet Explorer, ou qualquer outro navegador, mesmo em máquinas que operem com outros sistemas operacionais que não o Windows. Básico, mas muita gente se esquece disso, causando atrasos e confusões na emissão da documentação, geração de muitos arquivos com nomes diferentes e que não “carregam” em todas os computadores.UPA member 8922 – since 2004 – thcampas@gmail.com – 5511 9498-9803 *todos os direitos reservados
  18. 18. Thais Campas – A.I. Sr./ UX expert Para produzir documentação, evitem softwares complicados que exijam aprendizado específico. Existem programas para montar Mapas de Navegação, alternativas para o Viso (MS) e há até quem prefira usar o Corel Draw e Photoshop para montar wireframes. PADRONIZEM. Não queremos aqui fazer apologia da Microsoft e suas ferramentas, nem de nenhuma outra empresa como Adobe ou Macromedia. Mas, é aquela história: o designer usa uma ferramenta, o programador usa outra e o gerente de projetos uma terceira. A bagunça é inevitável. Embora não pareça, há um retrabalho considerável causado por esse tipo de desorganização. Definam um roteiro para a documentação já no início do projeto, como vai ser o processo de arquivamento e troca entre a equipe e como vão ser “nomeados” os arquivos: “wire_HOME_Projetox_versao1.ppt “ Vocês podem inserir a data, por exemplo, “wire_HOME_ProjetoX_versao1_06maio06.ppt”. E por aí vai. Local no servidor, nome das pastas, senhas de acesso aos arquivos e etc. Lembrem-se que as normas de usabilidade em um projeto centrado na experiência do usuário leva em consideração o usuário secundário que são vocês, pessoal! Se não estiverem presentes em todo o ciclo de vida do projeto, pelo menos no desenvolvimento vocês vão atuar. Pensem nisso. Considerem-se como usuários secundários no tempo em que estiverem trabalhando no mesmo. Ok? Outra coisa importantíssima: a emissão final da documentação de A.I. não acontece no final do planejamento e sim um pouco antes do lançamento ou um pouco depois. Isso porque é preciso documentar alterações de leiaute e alterações no sistema que podem ter ocorrido durante o desenvolvimento. Tudo, tudo devidamente registrado como já disse antes.O que não está escrito e documentado não existe. 4.2.4 – Validação de Objetivos e Metas do ProjetoPreparem-se, após o lançamento, para a validação das metas iniciais de usabilidade. Aquelas metas que vocês estabeleceram lá na fase d eplanejamento com contexto, cenário e etc. O que vai ser importante a partir de agora – e que vocês não poderiam mensurar adequadamenteantes - é uma nova variável de usabilidade: a freqüência de uso.E o que seria isso, exatamente? Trata-se da freqüência ou periodicidade com que o usuário lida ou interage com a interface/ sistema queacabamos de lançar. A freqüência de uso pode determinar ou apontar desde inadequações até problemas de usabilidade e acessibi lidade quepermaneciam ocultos aos testes com protótipos, por exemplo.Vou dar algumas razões para que isso aconteça. A primeira delas refere-se ao processo de aprendizagem e criação de rotinas na mente dousuário. Uma vez que o usuário domine os recursos de um sistema, ele o “estressará”. Ou seja, se no início, uma interface eng essada erarazoavelmente confortável, a freqüência de uso vai exigir uma flexibilização da interface, vai exigir “atalhos”, tendendo a se tornar menos lógicae mais intuitiva. Interessante, não?E por que isso acontece? Acontece porque existe um sistema mental de associações que se traduz na forma como a mente humana opera etrabalha a informação para criar um repertório de conhecimento, que por sua vez possui uma sintaxe muito específica e pessoal. É o chamado“modelo mental”.Trocando em miúdos, cada ser humano possui um processo de linguagem interno que gera uma espécie de pré-conhecimento. Esse pré-conhecimento vai atuar sobre a forma como cada usuário interage, absorve e armazena novas informações, atuando nos processos deaprendizagem. Reparem que é um processo de retro-alimentação.Se vocês ainda têm dúvida, vamos dar um exemplo definitivo: observem o desenvolvimento de uma criança. Por que as crianças aprendemrápido, pessoal? Por que, no caso do aprendizado de novos idiomas, quanto mais velho mais difícil? Por que as pessoas idosas são teimosas?Por que, conforme a idade avança, maior é a resistência ao novo ou as novidades?Porque o repertório mental ou a chamada “experiência de vida” atua filtrando vigorosamente e pré-rotulando toda o estímulo considerado“inédito”, “estranho” ou simplesmente “desconhecido”.Pessoal, o repertório e o pré-conhecimento são tão fortes na mente humana que chegam a “moldar” a percepção da realidade do indivíduo.Por isso, a periodicidade da exposição do usuário ao processo de interação é tão importante e só vai poder entrar como variável agora, depoisdo lançamento, quando o nosso projeto passará a fazer parte do repertório ou pré-conhecimento dos nossos usuários.UPA member 8922 – since 2004 – thcampas@gmail.com – 5511 9498-9803 *todos os direitos reservados
  19. 19. Thais Campas – A.I. Sr./ UX expertEntão, será o momento de validação das nossas metas e objetivos. Se vocês optarem por realizar testes de usa bilidade neste momento (logoapós o lançamento) recomendamos que façam testes levando em consideração a freqüência de uso.Outra coisa muito importante: testem as funcionalidades das Interfaces Sociais e da IHCs, separando-as metodologicamente. Se houver apossibilidade de estabelecer metas e objetivos diferenciados para ambas, melhor ainda. Na hora de validá-las podemos estabelecer testesdiferentes com metodologias diferentes. Ou até, escolher se vamos testar ambas ou apenas uma.Fica aqui sugestão de executar testes de monitoração durante períodos mais longos, ou seja, eleger usuários “beta testers” baseados em perfisque atendam o planejamento inicial e fazer com relatem suas experiências metodicamente. Se for um pouco antes do lançamento, porém,executem os testes em laboratório já com a interface e sistemas prontos.Até aqui, já teorizamos bastante e introduzimos o conceito de freqüência de uso, como uma variável importante para a usabilidade NESTEponto do ciclo de vida do projeto. No próximo tópico, vamos discriminar que testes ou análises podem ser utilizados para a fase de Controle daSolução onde já há uma razoável decorrência de prazo após o lançamento do projeto.4.2 – Usabilidade na fase de Controle da SoluçãoReparem, pessoal, quantas variáveis nós já introduzimos até aqui. A última delas, a freqüência de uso. Nesse momento do Ciclo de Vida doProjeto teremos a “prova dos nove”, quando o usuário vai estabelecer uma relação rotineira ou não com a interface/sistema quedesenvolvemos e lançamos. Até aqui, tudo se resumia a uma proposta de experiência centrada no usuário que construímos com basesmetodológicas bem seguras: descrevemos grupos de usuários, cenário e contexto de uso. Estabelecemos os requisitos do sistema e realizamostestes e prototipação. Tudo muito bem construído e estabelecido como objetivos e metas. Ok. Só que agora, temos o fator tempo.Vamos falar então especificamente sobre a validação disso tudo. Hora da onça beber água. 4.2.1 - Testes de ValidaçãoOs testes de validação de metas de usabilidade vão ocorrer por dois motivos e essas metas em podem ser qualitativas ou quantitativas.Lembrem-se da definição de IS e IHC, ok? Também é necessário que vocês estabeleçam rotinas de verificação de resultados que são esperadospelos gestores do projeto. Na maior parte das vezes, o resultado do negócio é determinante para que se busque algum tipo de análise ou testeque por sua forneça dados concretos e comprobatórios do sucesso ou fracasso das metas de usabilidade.Assim sendo, a realização de um teste pode ser motivada pela detecção de um problema que em geral é aferido após um resultado financeiroou estratégico medíocre, vendas fracas, visitação aquém do esperado e etc. Neste caso, nunca proponham ou preparem um teste sem queexistam resultados que o justifiquem.Nunca contrate um teste sem encomendar antes uma análise de usabilidade que deve levar em conta o seu planejamento inicial. Uma simplesou nem tão simples assim, análise de usabilidade feita por especialistas pode ser mais adequada e tão ou mais eficaz para explicar a falta documprimento de metas e objetivos. Sempre levem em consideração: Planejamento Inicial x Realidade Atual.Outra motivação para testes na fase de controle é a detecção de oportunidades e a exploração de novos nichos que podem redirecionar oprojeto. Também é baseada em resultados consistentes. Vamos testar o que? Por quê? Temos mais visitas do que esperávamos, há um novoconcorrente no mercado e desejamos nos diferenciar na busca pela preferência e pela hoje tão controvertida fidelidade do usuário. Ou ainda:queremos saber como a introdução de um recurso tecnológico inovador vai impactar no nosso projeto, neste momento.Certo? Queremos ressaltar, nessa fase de controle, a importância da Análise antes que se aplique um Teste. Um teste mal aplicado, comrelatórios que não respondem a uma dúvida concreta pode facilmente desmoralizar metodologias de usabilidade perante um gestor que estevedistante do processo de desenvolvimento, com resultados desconectados ao problema e pífios em termos de apontar novas ações,oportunidades ou correções. E pior, podem mascar problemas que não tem origem na concepção da interface.O uso da infra-estrutura, erros e bugs do sistema são variáveis a serem seriamente consideradas. Uma análise correta da situação pode indicaro rumo da investigação. Pensem nisso.UPA member 8922 – since 2004 – thcampas@gmail.com – 5511 9498-9803 *todos os direitos reservados
  20. 20. Thais Campas – A.I. Sr./ UX expertVamos agora montar uma seqüência básica de planejamento para testes de controle e validação.Roteirinho básico: Analisar resultados (qualitativos ou quantitativos); Realizar análise de acordo com o planejamento inicial; Defina quais usuários vai analisar/testar (primários ou secundários); Defina quais interfaces vai analisar/testar (IS ou IHC); Realizar Análises de Usabilidade se for o caso, cruzando dados com o planejamento inicial; Agregar a variável “freqüência de uso” aos testes; Agregar variáveis tecnológicas aos testes; Elaborar relatórios; Propor soluções; Implementar soluções; Monitorar resultados após implementação das soluções; Revalidação de novas metas se for o caso, após a implementação das soluções.Testes de Usabilidade a serem aplicados na fase de controle da solução: CS fechado; Testes em laboratório, tarefas monitoradas com roteiro e tempo de observação bem definidos; Teste com usuários beta testers; Testes em laboratório com benchmarks ou cases concorrentes para definir preferências de usuários; Testes com usuários para mensurar o impacto da inserção de novos recursos tecnológicos – pode ser feito através de promoções online, onde o usuário baixa um aplicativo, por exemplo, e o testa gratuitamente emitindo sua opinião sobre mesmo; Pesquisas de opinião;Algumas sugestões ou orientações de quando aplicá-los: CS fechado: o Reclamação de usuários (conteúdos difíceis de achar ou acessar); o Análise de Usabilidade aponta problemas com taxonomia dos links; o Identificação de categorias de usuários terciários; o Implementação de flexibilização da navegação ou da execução de tarefas; o Reengenharia/ redesign/ reestruturação de conteúdo ou tarefas; o No caso de projetos editoriais: aquisição de novos colaboradores ou integração a outras publicações online; o Integração do legado (integração de dados e informações mais antigas aos sistemas novos que agora estarão disponíveis em versão online). Testes em laboratório, tarefas monitoradas com roteiro e tempo de observação bem definidos: o Resultados abaixo do esperado, vendas baixas (interrupção do processo de compra online, baixa visitação no site); o Reclamação direta e formal de usuários quanto à usabilidade; o Implementação de novos recursos em aplicações já existentes; o Reengenharia/ redesign/ reestruturação de conteúdo ou tarefas. Teste com usuários beta testers: o Implementação de novos recursos; o Implementação ou integração com outros aplicativos ou serviços; o Testar novos recursos tecnológicos; o Excelente método para testar interfaces sociais e novos produtos.UPA member 8922 – since 2004 – thcampas@gmail.com – 5511 9498-9803 *todos os direitos reservados
  21. 21. Thais Campas – A.I. Sr./ UX expert Testes em laboratório com benchmarks ou cases concorrentes para definir preferências de usuários: o Pesquisar a concorrência; o Identificar nichos que a concorrência não preencheu; o Identificar perda de espaço, preferência e visitação; o Pesquisar a implementação de novos recursos tecnológicos na concorrência. Testes com usuários para mensurar o impacto da inserção de novos recursos tecnológicos – pode ser feito através de promoções online, onde o usuário baixa um aplicativo, por exemplo, e o testa gratuitamente emitindo sua opinião sobre mesmo: o O famoso: “faça o download da versão beta. Basta se cadastrar.” Pesquisas de opinião: o Assemelha-se a uma pesquisa de mercado. Não chega a ser um teste, mas está longe de ser uma análise. Este vai mais à fundo na questão da qualificação e identificação do usuário. Utilizado para validar usuários primários e terciários.Há muitas outras aplicações desses testes e situações que podemos citar, mas estas são principais motivações para a realização de testes comusuários.Para exemplificar bem o que seria um estudo de usabilidade após o lançamento e durante uma fase de controle, vamos citar uma circunstânciabem interessante e extremamente comum nos dias de hoje: a da reengenharia de conteúdo para grandes portais, sejam eles verticais(segmentados) ou horizontais (UOL, IG, Terra e etc).Reparem como hoje é bem mais difícil encontrar um conteúdo na net. Ou filtrar as informações relevantes e confiáveis. Ao mes mo tempo asinterfaces sociais dos grandes portais amadurecem e proliferaram na forma de blogs, fotoblogs, videoblogs... Ou seja, a IS estimulou a produçãode conteúdo por parte dos usuários e a informação circulante em meio digital multiplicou-se exponencialmente.Ao mesmo tempo, as IS expõem vulnerabilidades relativas às questões críticas de privacidade e segurança. Complicado, não? Tudo isso gerauma demanda para testes e análises de usabilidade em nível bem mais profundo, pois os gestores querem respostas para perguntas curtas,porém complexas que envolvem análise comportamental do usuário, estudo de modelos mentais e por aí vai.Por isso, recomendamos a vocês que não sigam receitas prontas de testes. Nem toda mulher pode vestir o manequim da Angelina Jolie. Nemtodo homem pode vestir as roupas do Brad Pitt.Em termos de mídia, mercado, consumo e etc, nunca o INDIVÍDUO foi uma variável tão importante e relevante quanto agora, na Era daInformação.Num passado bem recente (anos 90) era suficiente segmentar, hoje é preciso segmentar, customizar e personalizar. Portanto, entramosdefinitivamente na Era da Usabilidade, a Era da Persona.UPA member 8922 – since 2004 – thcampas@gmail.com – 5511 9498-9803 *todos os direitos reservados
  22. 22. Thais Campas – A.I. Sr./ UX expert4.3 – Usabilidade na fase de Evolução do ProjetoBom pessoal, aqui a usabilidade entra como um fator de pesquisa criativa, de respaldo à inovação. É o momento da célebre frase: “O desafio datecnologia é entregar o que promete”. Se antes nós validávamos nosso planejamento, é novamente hora de enfrentar o “papel em branco”. Éhora de um novo briefing, de inovar e diferenciar-se da concorrência. Afinal o que seria do iPod e do Google se ambos não evoluíssem!? E doWindows, então?Vamos nos focar, assim, no que mais eu posso oferecer aos meus usuários. Como a usabilidade pode nos ajudar a tomar decisões e definirnovas metas que influenciam significativamente nos retornos financeiros e na proteção ao investimento inicial que foi feito no projeto, lá atrás,quando comecei a rascunhá-lo?Em muitos casos, já vamos encontrar benchmarks de sucesso. Portanto, é a hora da engenharia reversa em iniciativas de sucesso, ou seja, dedestrinchar as interfaces que agradam ao usuário. Isso é feito reconstruindo-se a documentação de A.I. a partir da interface real que já está emuso. No caso de um site, a reconstrução, por exemplo, do seu Mapa de Navegação.É também o momento de estudar as grandes tendências do mercado de tecnologia da informação e comunicação. E é, principalmente, omomento de atentar para a utilização especifica que os usuários já deram às interfaces e recursos disponíveis na maioria das aplicações,dispositivos e interfaces. Fazendo isso, vamos encontrar quais os conceitos que irão nortear e influenciar definitivamente no avançotecnológico e no amadurecimento do uso das interfaces. Estamos, então, em busca de macro-tendências.Vamos aos exemplos bem atuais:Mobilidade – a mobilidade é uma necessidade básica do ser humano. Imagine carregar suas informações pessoais e profissionais consigo eainda utilizar a mesma interface para comunicar-se? É o caso dos celulares com diversos recursos. E que agora ainda agregam oentretenimento, como fotos, vídeo e música? Sem fio, levinho e acessível financeiramente, e ainda vem com serviço agregado da operadoraque pode ser escolhida de acordo com preferências e capacidade de pagamento. Tudo isso pessoal, se resume a um conceito: mobilidade.Globalização da informação – o Orkut e o Youtube que o digam. Tudo resultado da evolução das interfaces sociais. A internet não temfronteiras e o mundo virou uma grande biblioteca que precisa ser organizada. O Google já se candidatou. Alguém mais se habilita? Além disso,as funções de mídia e comunicação pessoal estão se fundindo. Um resultado prático disso no mundo dos negócios é a recente batalha entreoperadoras de telefonia celular e emissoras de TV, no Brasil: quem é o dono da receita publicitária sobre o conteúdo informativo e deentretenimento transmitido para os aparelhinhos multimídia?Mídia Pessoal – Aqui entra a necessidade de armazenar a informação que hoje trafega na Web com a maior facilidade e a informação que éproduzida pelo próprio usuário. A convergência das mídias para o protocolo IP faz com que dispositivos pessoais possam exibir conteúdos queantes eram apreciados coletivamente, como no caso da televisão.Conclusão: vocês deverão identificar macro-tendências que os possibilitem analisar variáveis de usabilidade à luz desses grandes conceitos. 4.3.1 – Evolução da Matriz de AtualizaçãoAqui não há muito para se estender. Todo o feedback de um projeto deve ser utilizado como matéria-prima para inovar. A atualização doconteúdo e dos serviços de um site jamais pode ser feita ao sabor dos ventos. Vale uma dica de ouro. A principal variável que irá atuar é ousuário terciário. Lembram-se? O chamado “fator surpresa”. Sua identificação pode determinar aspectos de inovação bem interessantes.Outra norma corrente é que a Matriz de Atualização tem que ser revista a cada seis meses, é preciso que haja uma evolução do projetoeditorial, mesmo quando falamos de lojas online. Uma boa pista é mensurar a visitação e as entradas nos links que estão expostos na páginaprincipal, a chamada home.Pode também acontecer de aferirmos a formação de comunidades que se constituíram em torno da nossa proposta. Quanto mais vocês secomunicarem com seus usuários, mais elementos terão para fundamentar e justificar mudanças.UPA member 8922 – since 2004 – thcampas@gmail.com – 5511 9498-9803 *todos os direitos reservados
  23. 23. Thais Campas – A.I. Sr./ UX expertNovamente, um check-list básico para que vocês se comuniquem com seus usuários e identifiquem quando e quais mudanças devemimplementar: Mantenham monitoração do acesso ao site, links preferidos e horários de acesso; Atualização do cadastro de usuários anual; Newsletter periódica; Implemente mídias alternativas como podcasting e recursos como RSS; Respeitem políticas de privacidade; Mantenham uma equipe profissional para conteúdos informativos e estratégicos; Mantenham uma grade periódica de atualização do conteúdo do site; Renovação diária da Home; Mantenham uma padronização, fidelidade ao projeto editorial sem, no entanto, ficar resistente às inovações e aos novos fornecedores de conteúdo; Atualizem o Manual de Atualização a cada mudança; Ofereçam conteúdos personalizados e atendem às necessidades dos usuários terciários que forem identificados; Incrementem interfaces sociais que favoreçam a formação de comunidades; Criem regras para a entrada de novos conteúdos e links, principalmente em grandes portais e não se esqueçam de documentá-las no Manual de Atualização; Monitorem as ações da concorrência.Cuidados especiais com os seguintes aspectos: Conteúdos que nada tem a ver com os objetivos editoriais e/ou estratégicos do site – não agreguem nada simplesmente por agregar; Não deixem que o usuário terciário tome conta da atenção de vocês, a ponto de se colocar como usuário primário acima dos objetivos do planejamento inicial – a menos, claro, que isso seja uma decisão refletida e bem embasada com a estipulação de novas metas; Evitem que grandes portais inicialmente voltados a usuários externos de uma corporação acabem se tornando grandes extranets de grandes corporações que gerenciam internamente seu conteúdo.UPA member 8922 – since 2004 – thcampas@gmail.com – 5511 9498-9803 *todos os direitos reservados
  24. 24. Thais Campas – A.I. Sr./ UX expert 4.3.2 – Mensuração periódica de ROIO ROI deve ser mantido tal como foi descrito no início deste módulo. Entendam que retorno sobre o investimento é o que se ganha além doque investido, após o payback do investimento, o que vier é lucro. Então, se investimos em estratégias de usabilidade para promover ainovação ou incremento da estratégia existente, qual o retorno? O retorno é todo o lucro após o payback.E assim sempre: Mantenham ferramentas de controle, relatórios de visitação, número de vendas, de cadastros e etc; Mantenham a observação das macro-tendências, como uma rotina periódica; Cruzem as macro-tendências com resultados do negócio e análises de usabilidade já feitas para o projeto em questão.Para dar mais uma dica, falamos bastante de conceitos, de tecnologias inovadoras, mas muitos de vocês vão perguntar como chegar a estasconclusões.Sejam observadores contumazes das tendências de consumo no que tange aos produtos e serviços que envolvem tecnologia. Novos hábitos,novos hits e manias da rede são material farto para apontar tendências e nichos reveladores. Mas, atenção, não os observem simplesmentecomo gadgets criando legiões de nerds fanáticos. Observem as alterações de comportamento, a evolução das interfaces: quem morre, quemfica estagnado e quem fica, quem vence.Vamos lá, leiam bastante, exaustivamente, canais que falem sobre tecnologia, com artigos e publicação de pesquisas. Por favor, nada de dizeramém para tudo. Tem que haver um componente crítico, certo? Fiquem atentos para não serem vítimas de releases em forma de matériainformativa. Também devem prestar atenção quando o canal se mostra tendencioso, sempre defendendo este ou aquele player de TI,fanatizando-se por determinadas plataformas e por aí vai.O mundo da tecnologia é cheio de fã clubes. É preciso ter muito cuidado para não se deixar contaminar o fanatizar pelas techs e cyber tribospor aí. A listinha abaixo é para ser consultada periodicamente. Aos muito antenados, peço desculpas, mas a relação é bem básica mesmo. www.tiinside.com.br; www.webinsider; http://tecnologia.uol.com.br/: http://tecnologia.terra.com.br/ http://idgnow.uol.com.br/ http://pcworld.uol.com.br/ http://computerworld.uol.com.br/ http://cio.uol.com.br/ Bom, a lista é mínima, pessoal. Básico do básico, mas para quem está boiando, vindo de outras áreas como design, marketing e outras, pode ser uma boa fonte de informação. Leiam, leiam, leiam. Pesquisem, pesquisem e pesquisem.UPA member 8922 – since 2004 – thcampas@gmail.com – 5511 9498-9803 *todos os direitos reservados
  25. 25. Thais Campas – A.I. Sr./ UX expert 4.3.3 – Revisão Periódica das MetasPois é, pessoal, chegamos ao último item do nosso curso. Como último item a ser discutido, temos a revisão periódica de metas. Nossoconselho é rever metas a cada ano.Em se tratando de tecnologia, a “validade” do planejamento estratégico é bem mais curta. E vocês terão que cruzar macro-tendências comvariáveis como modelo mental e freqüência de uso. Ë realmente desafiante.Bom, quando efetivamente devemos revisar nossas metas de usabilidade? Quando temos uma mudança de foco e a descoberta de um nicho importante de usuários. Quando promovemos algum tipo de reengenharia ou redesign da interface; Quando introduzimos um novo serviço ou recurso; Quando alteramos nosso plano de negócio ou metas de negócio; Quando erros de usabilidade comprometeram criticamente a imagem de um site, portal ou loja online. Quando a concorrência afeta de maneira crucial o planejamento estratégico do negócio. Quando há a necessidade de re-investimento no projeto; Quando a correção do erro afetará investimentos já agendados e programados.Vale o mesmo que já dissemos antes: mantenha o monitoramento. Sem recursos de monitoramento, vocês não serão capazes de mensurarmetas e muito menos de revê-las.UPA member 8922 – since 2004 – thcampas@gmail.com – 5511 9498-9803 *todos os direitos reservados
  26. 26. Thais Campas – A.I. Sr./ UX expertCONCLUSÃOUsabilidade como o grande fator humano da inovação.Bom, gente, missão cumprida. Cabe agora a vocês aplicarem tudo o que aprenderam e atuar criativamente em suas respectivas carreiras. Nãonecessariamente como “profissionais de usabilidade”, mas como profissionais de tecnologia, comunicação e mídia online capazes de criarestratégias centradas no usuário, com grande sucesso de metas e a partir de uma variável realmente humana.Nunca tive como objetivo neste primeiro curso ensinar a aplicar testes, mas ajudar vocês a criar um raciocínio focado na experiência do usuário.Que vocês como criadores tenham uma visão crítica sobre suas criações. Que vocês trabalhem com um planejamento consistente em pé deigualdade e integrado com as metodologias de planejamento de negócio.Tenham em mente que:A usabilidade tem que ser um fator de inovação e de criatividade, não o contrário.A usabilidade tem que ser vista como um aspecto fundamental para o sucesso de um empreendimento online tal e qual o planejame nto donegócio em si.A usabilidade tem que ser vista como um componente rotineiro da metodologia de projetos online e desenvolvimento de produtos detecnologia, não como um luxo acessível somente aos grandes projetos.Usabilidade não pode ser vista simplesmente como correção do erro. Usabilidade é o tiro certeiro.E, para fechar, uma última mensagem da Tia Thais para seus queridos alunos:Nunca, mas nunca mesmo, se esqueçam de que a tecnologia existe somente em função do ser humano. De suas necessidades, desejos eparticularidades. Ok?Leiam, estudem e evoluam. Este curso é apenas o primeiro passo.Beijocas e boa sorte a todos!Thais Campas PassosArquiteta de Informação Sênior e especialista em usabilidadeMembro do Grupo Fundador a UPA Brasil e membro da UPA Internacional desde 2004.UPA member 8922 – since 2004 – thcampas@gmail.com – 5511 9498-9803 *todos os direitos reservados
  27. 27. Thais Campas – A.I. Sr./ UX expertPERGUNTAS - MÓDULO IV (teste seus conhecimentos!)1- Assinale a alternativa verdadeira: 1. Implementar metodologias de usabilidade desde o início do projeto evita o retrabalho, a perda de foco e processos de reengenharia que acontecem mais cedo do que seria necessário, principalmente em projetos que não partem da experiência do usuário. 2. Não é necessário arquivar todo o histórico de modificações e correções do projeto dentro da documentação de A.I. Bastam apena s os primeiros documentos elaborados e os últimos. 3. Não é necessário ter metas de usabilidade logo no lançamento do projeto. 4. Não é preciso diferenciar metas de usabilidade para interfaces IS e para IHC. 5. O Manual de Atualização do site não faz parte da documentação final de A.I., sendo considerado um documento a parte. 6. A matriz de escopo apresentada na documentação final tem que ser rigorosamente a mesma do início do projeto. 7. A análise de tarefas e sua respectiva documentação são desnecessárias para futuros testes de usabilidade.2- Assinale a alternativa falsa: 1. Existem diferenças fundamentais entre o wireframe e os esboços de leiaute, feitos pelos designers. Por isso é tão importante fazer as devidas atualizações no wireframe se houver alterações significativas no leiaute que irá para a montagem final. 2. Manuais técnicos de sistemas de atualização podem ficar de fora do Manual de Atualização. 3. Em matéria de A.I. e gestão de projetos, o que não se documenta se perde ao longo do tempo, ou ainda melhor: o que não está escrito não existe. 4. O Manual de Atualização deve conter as normas de usabilidade do projeto, além da análise de tarefas além do mapa de navegação em sua versão final. 5. A partir do lançamento do projeto, entra uma nova variável de usabilidade em todo o processo: a freqüência de uso. 6. Modelo mental pode ser entendido como um pré-conhecimento que opera através de uma sintaxe específica, e que faz com que as pessoas organizem suas idéias de forma intuitiva, mostrando uma organização de pensamentos muito particular quando navegam na Internet. Fato que pode ser muito bem percebido durante testes de usabilidade com usuários. 7. Testes de usabilidade na fase de controle da solução devem necessariamente levar em conta as variáveis de freqüência de uso.3- Fazem parte do roteiro de básico de testes de controle e validação, exceto: 1. Definição de Usuários primários e terciários. 2. Definição de interfaces IS e IHC a serem testadas. 3. Agregar a variável “freqüência de uso” aos testes de usabilidade. 4. Cruzar dados e metas com o planejamento inicial. 5. Monitorar resultados após eventuais correções. 6. Revalidar metas após eventuais correções ou mudança de estratégia.UPA member 8922 – since 2004 – thcampas@gmail.com – 5511 9498-9803 *todos os direitos reservados
  28. 28. Thais Campas – A.I. Sr./ UX expert4- Nos casos relacionados abaixo, devemos aplicar CS fechado, exceto: 1. Redundância taxonômica normalmente aferida pela queixa dos usuários. 2. Reengenharia ou reestruturação do conteúdo. 3. Integração de conteúdo legado. 4. Identificação de usuários terciários importantes e/ou estratégicos. 5. Estudo para mudanças de cor no leiaute do site. 6. Aquisição de novos parceiros de conteúdo e novos colaboradores. 7. Conteúdos difíceis de achar ou acessar, normalmente uma reclamação de usuários.5- Assinale a frase em que há uma relação equivocada entre causa e efeito. 1. As interfaces sociais proliferam na internet e estimulam uma grande produção de conteúdo por parte dos usuários, tornando mui to mais difícil, nos dias de hoje encontrar e separar o conteúdo confiável da mera exposição de idéias e do puro entretenimento. 2. A proliferação das interfaces sociais é um grande estímulo para que os gestores de projetos online invistam em estratégias de usabilidade, pois assim podem obter uma análise comportamental do usuário bem mais profunda. 3. Mobilidade, globalização e mídia pessoal são tendências fundamentais para entender os fatores humanos na Internet, por isso é imprescindível agregá-los em testes e estudos de usabilidade, influenciando as conclusões dessas análises. 4. O ROI de uma estratégia de usabilidade nunca pode ser mensurado numericamente, porque a usabilidade gera retornos, mas a maioria deles ainda é absolutamente intangível. 5. A usabilidade pode ser uma grande aliada dos processos de inovação, pois prova que os fatores humanos que afetam os projetos online podem ser monitorados através de testes e estudos que analisam o comportamento do usuário. 6. Devemos rever nossas metas e padrões de usabilidade periodicamente, pois a concorrência pode afetar de maneira crucial nossa estratégia inicial, identificando oportunidades de oferecer serviços online bem melhores que os nossos, a partir da simples identificação da insatisfação dos nossos usuários. 7. O desafio da tecnologia é entregar o que promete, por isso na fase de evolução do projeto devemos ter em mente aquilo que podemos ou não efetivamente oferecer aos usuários.UPA member 8922 – since 2004 – thcampas@gmail.com – 5511 9498-9803 *todos os direitos reservados

×