Slaide eitnico racial

860 visualizações

Publicada em

aula

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
860
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
26
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Slaide eitnico racial

  1. 1.  ETNIA: Mistura de raças caracterizada pela mesma cultura (termo criado para evitar neste caso a palavra raça). RAÇA: 1. Conjunto dos ascendentes e descendentes de uma mesma família ou de um mesmo povo. 2. Estirpe, geração, origem.
  2. 2. MESMO NO INÍCIO DO SÉCULO XIX O BRASIL ENXERGA A E ESCRAVIDÃO COMO UM PROBLEMA. O FOCO AQUI É APONTAR ASPRINCIPAIS ABORDAGENS DEBATIDAS NO PARLAMENTO BRASILEIRO.EmancipacionistasAbolicionistasImigrantistas
  3. 3.  Em primeiro momento, os emancipacionistas voltaram-se para os próprios habitantes pobres do país, fossem elesescravos ou livres, e procuraram arrancá-los de suas vidas vistascomo abjetas, inúteis e isoladas, para integrá-los no seu projetode uma sociedade unida, harmoniosa e progressiva. Em meadosda década de 1870 e sobretudo no inicio dos anos 80, osabolicionistas retomaram muitas destas propostasemancipacionistas, embora passassem a defender um prazofatal para o fim da escravidão
  4. 4. Já em segundo momento, que podemos localizar a partirdos anos 1850, ganhando força principalmente nos anos 1870, osemancipacionistas aderem às soluções imigrantistas e começam abuscar no exterior o povo ideal para formar a futura nacionalidadebrasileira. A força de atração destas propostas imigrantistas foitão grande que em fins do século a antiga preocupação comdestino dos ex-escravos e pobres livres foi praticamentesobrepujada pelo grande debate em torno do imigrante ideal oudo tipo racial mais adequado para purificar “a raça brasílica” eengendrar por fim uma identidade nacional. AZEVEDO, Celia Maria Marinho de. Onda Negra, Medo Branco, o negro no imaginário das elites século XIX. São Paulo: Annablume, 2004
  5. 5. Proporção de negros na população aumentou e de brancos diminuiu entre 1993 e 2007 Segundo o estudo Retrato das Desigualdades de Gênero eRaça, divulgado hoje (16) pelo Instituto de Pesquisa EconômicaAplicada (Ipea), a proporção de negros cresceu de 45,1% para49,8%, enquanto a de brancos caiu de 54,2% para 49,4%. Conforme o estudo, entre os homens, desde 2005 apopulação negra é maioria (51,1%), enquanto os brancosrespondem por 48,1%. No caso da mulheres, ocorre o contrário.As brancas representam 50,6% da população feminina, enquantoas negras respondem por 48,5%.
  6. 6. O Ipea estima que a população negraserá maior ainda em 2010. Isso vai ocorrerporque campanhas de valorização têmlevado as pessoas a se auto-denominaremnegras ou pardas. A taxa de fecundidade dasmulheres negras também influencia.
  7. 7. PESQUISA DO IPEA APONTA QUE BRASILEIROS MAIS POBRES SÃO NEGROS O Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) noticiaque nos últimos dez anos, a distância social dos negros em relaçãoaos brancos aumentou. Entre os 10% mais pobres do país, 65%são negros; entre os 10% mais ricos, 86% são brancos.
  8. 8. PARTICIPAÇÃO DO NEGRO NO MERCADO DE TRABALHO CRESCE, MAS RENDA AINDA É INFERIOR À DO BRANCO A participação dos negros no mercado de trabalho brasileiro aumentoudesde a segunda metade da década de 90. No entanto, as condições de trabalhoe de renda ainda continuam muito aquém das registradas pela população branca. De acordo com o Relatório Anual das Desigualdades Raciais no Brasil2007-2008, elaborado pelo Instituto de Economia da Universidade Federal do Riode Janeiro (UFRJ), 20,6 milhões de pessoas ingressaram no mercado de trabalhode 1995 a 2006. Desse número, apenas 7,7 milhões eram brancos. O restante,12,6 milhões de pessoas, eram pardas e negras.
  9. 9. No entanto, ao observar o rendimento mensal real do trabalho,a desigualdade de raça e a de gênero prevalecem. O vencimento médiodos homens brancos em todo país equivalia, em 2006, a R$1.164,00,valor 53% maior do que a remuneração obtida pelas mulheres brancas,que era de R$ 744,71. O rendimento dos homens brancos era ainda 98,5%superior ao dos homens negros e pardos, que era de R$ 586,26. Era ainda200% superior ao rendimento das mulheres negras. Os brancos correspondem a 71,7% dos empregadores. Os negros continuam ocupando os postos menos privilegiados.Entre os trabalhadores sem carteira, 55,4 são negros. Eles também sãomaioria no serviço doméstico: 59,1%. Na agricultura, 60,3% dos trabalhadores são negros. Naconstrução civil, os negros correspondem a 57,9 da mão-de-obra.
  10. 10. Existem hoje no Brasil 4,5 milhões de negros desempregados. Équase um milhão a mais do que os brancos, 3,7 milhões. Os negros ocupados correspondem a 60,4% dos que ganham atéum salário mínimo e somente 21,7% dos que ganham mais de 10 saláriosmínimos. A população parda no Brasil é a que passa mais tempo no trabalho,em média 41 horas semanais. Na sequência, estão os negros, que trabalhamem média 40,1 horas por semana. (Fonte: dados colhidos entre 1988 e 2007pela Pesquisa Nacional de Amostras por Domicílios (PNAD), produzida peloIBGE).
  11. 11. Segundo o Ipea, a carga horária média semanal dostrabalhadores brasileiros caiu 10,7%, de 44,1 para 39,4 horas. Deacordo com números de 2007, os brasileiros de cor branca trabalhamem média 39,7 horas semanais, enquanto os de cor amarela passam38,5 horas por semana no trabalho. A carga horária das mulheres é 17,6% menor que a doshomens. Atualmente, mulheres trabalham 35,1 horas semanais,enquanto os homens passam em média 42,6 horas em serviço. Em1988, as mulheres trabalhavam cerca de 39,5 horas e os homens, 47,4horas. Negro ganhará igual ao branco só daqui a mais três décadas(IPEA – 2008).
  12. 12. Dados importantes: O grupo que mais sofre discriminação – racismo e sexismo – é o demulheres negras. Elas demoram mais para conseguir trabalho, têm menosescolaridade e menos acesso a cuidados para a saúde, trabalham mais tempo etêm a pior remuneração. O acesso à saúde também é diferenciado. Enquanto 44,5% dasmulheres negras nunca haviam realizado exame clínico de mamas em 2004, ototal de brancas sem o exame era de 27%. E 20% da população negra nuncafizeram consultas odontológicas, contra 12% da população branca. O Brasil, tendo por referência os negros, ocuparia a 105ª posição noranking de IDH entre países. Considerando só os brancos, ocuparia a 44ª.
  13. 13. Em relação à exclusão digital, 92,4% da população negra nãotinham acesso a um computador em 2004, contra 76,9% da populaçãobranca. O percentual de negros que não tinha acesso à internet era de 94,7%e o de brancos, de 82,2%. (Fonte: IPEA) No maior Estado e município da Federação, São Paulo, que agrega omaior contingente de negros do país, 30% de sua população -eleitorestambém-, não existe sequer um negro no primeiro e segundo escalão degoverno. Não há um desembargador negro entre os quase 400. Não há umprocurador de Justiça, um delegado classe especial ou um coronel da PolíciaMilitar negro. (Fonte:Universidade da Cidadania Zumbi dos Palmares)
  14. 14. O Instituto Ethos informa que, nas 500 maiores empresas do país quepraticam responsabilidade social, os negros representam só 3,5% dos cargos dedireção -e não é diferente nas estatais e nas multinacionais. Em 1976, 5% da população branca tinham diploma de educação superioraos 30 anos. Os negros da mesma faixa etária só atingiram o mesmo percentualem 2006.
  15. 15. Educação
  16. 16. Dados do Censo de 2000:- A escolaridade média de um jovem negro com 25anos de idade gira em torno de 6,1 anos de estudo;- Um jovem branco da mesma idade tem cerca de8,4 anos de estudo;- Essa é a diferença mesma vivida pelos pais dessesjovens, e também pelos seus avós.
  17. 17. -Em 1999, 89% dos jovens brancos entre 18 e 25anos não haviam ingressado na universidade;- Entre os jovens negros, 98% deles não haviamingressado na universidade;
  18. 18. - Segundo o IPEA, em 1976, 5% da população branca tinhadiploma de educação superior aos 30 anos. Os negros damesma faixa etária só atingiram o mesmo percentual em2006;- De acordo com a PNAD, em 2007, 9% dos jovens brasileirostêm acesso ao Ensino Superior. 13,4% dos brancos, e 4% dosnegros e pardos;- Dos jovens de 21 anos, apenas 8,4% dos negros e pardosestavam no ensino superior em 2007; entre a populaçãobranca, a taxa era de 24,4%.
  19. 19. - A taxa de analfabetismo entre os jovensbrancos com mais de 15 anos, em 1999, é de8,3%, enquanto para os negros é de 19,8%;- Os analfabetos funcionais, com menos dequatro anos de estudo somavam 26,4% dosbrancos, e 46,9% dos negros;
  20. 20. -De acordo com uma pesquisa realizada pela psicóloga FúlviaRosemberg, da Fundação Carlos Chagas, em 2001, o índice derepetência é maior entre os negros desde a pré-escola;- Para a psicóloga, uma das causas é a de que a criança negra éconsiderada, de antemão, o candidato mais provável àrepetência por todo o aparato educacional – do professor aodiretor;- Para David Santos, fundador do curso pré-vestibular paranegros e carentes Educafro, o negro tem dificuldade em aprenderaquilo com que não se identifica.
  21. 21. Condições materiais de bem-estar: habitação e consumo de bens duráveis
  22. 22. - O Censo de 2000 indica um aumento das diferenças entre brancos e negros, sobretudo nos indicadores:• Acesso à coleta de lixo;• Escoamento sanitário;• Acesso à energia elétrica; e• Abastecimento de água.
  23. 23. - Em 1999, famílias negras: • 52% dos domicílios com escoamento sanitário inadequado; • 30,3% sem acesso à coleta de lixo (15,2% dos brancos); • 26% com abastecimento de água inadequado. Esses dados são piores do que os observados entre a população branca em 1992.
  24. 24.  Em relação à posse de bens duráveis, indicador do padrão de consumo, percebeu-se uma evolução entre os anos de 1992 e 1999; A velocidade da melhoria é maior entre os domicílios brancos do que entre os negros; Nota-se uma convergência no padrão de consumo somente na posse de fogão e rádio. A proporção de domicílios habitados por negros que não possuíam freezer, máquina de lavar e telefone era, respectivamente, 90%, 83% e 70%, enquanto dos brancos era de 73%, 56%, 54%.
  25. 25. PRECONCEITO RACIAL NO BRASIL A cabeça do brasileiro / Alberto Carlos Almeida Pesquisa Social BrasileiraApresentação de um cartão com oito fotos de pessoas diferentes, formando uma escala de cores. Nos dois extremos, um branco e um preto, e entre eles seis fotos intermediárias
  26. 26. PERGUNTAS1.Gostaria que o (a) senhor (a) dissesse qual deles parece ter mais estudo?2.Qual desses parece ser o que mais dá jeitinho?3. Na sua opinião, qual dessas pessoas parece ser um advogado?4.E qual parece ser um professor de escola de ensino médio?5.E qual parece ser um motorista de táxi?6.Qual dessas pessoas parece ser um porteiro?7.E qual parece ser um lixeiro, varredor de rua?8.Qual dessas pessoas parece ser um carregador?9.E um engraxate ?10.Qual dessas pessoas parece ter menos chance, menos oportunidades na vida?11.Qual delas parece ser mais preguiçosa?12.Qual delas parece ser um criminoso?13.E qual parece ser o mais pobre?14.E qual parece ser um malandro?15.E qual parece ser a pessoas mais honesta?16.E qual parece ter modos mais educados?17.E qual parece ser mais inteligente?
  27. 27. + INT. + + MODOS + + DÁ TEM + FOTO HON. EST. EDUC. PRE. CRIM + MA - POB JEI OPO. 1 27 17 31 29 8 4 19 9 3 2 2 15 13 18 15 27 4 13 6 4 3 3(N) 6 10 3 6 8 8 7 4 8 13 4 11 8 13 11 14 14 17 19 4 2 5 8 10 7 7 8 13 12 10 9 15 6 2 4 1 2 15 16 9 12 14 20 7 13 16 10 14 5 8 6 9 12 13 8 9 10 6 8 4 8 8 14 36 22 NENHUM 1 2 1 1 5 14 1 9 4 4 DELESNÃO É POSSÍVEL RESPONDER 9 10 9 9 8 11 8 8 7 8
  28. 28. FOTO AD. PROF. MOT. PORT LIX. / CARREG. ENG. DE TÁXI . VAR. 1 25 16 5 3 2 2 2 2 23 20 9 5 3 6 4 3 (N) 6 14 19 16 12 8 12 4 15 12 8 7 4 12 4 5 11 11 15 19 14 7 12 6 2 6 26 18 19 25 10 7 7 9 7 13 11 13 17 8 3 5 5 12 21 16 20 NENHUM 2 1 1 1 7 3 10 DELESNÃO É POSSÍVEL RESPONDER 6 6 7 7 8 7 8
  29. 29. ALGUMAS CONSIDERAÇÕES Considerando-se as oito pessoas das fotos, 49% da população brasileiraacreditam que os dois mais brancos são os que têm mais estudo, 42% que são osmais inteligentes e 44% que são eles que têm modos mais educados. Ser criminoso é, para a população brasileira, algo mais associado apardos do que a pretos. Ser malandro, ter menos oportunidade e ser mais pobre são associadosigualmente a pardos e pretos.
  30. 30. O preconceito pôde ser identificado na avaliação dos resultados para asprofissões. Nas duas ocupações de maior prestígio os dois brancos nãonordestinos foram os que apresentaram os maiores percentuais de menções. Ouseja, profissão de prestígio elevado é associada a brancos. À medida que esseprestígio diminui, pardos e pretos vão sendo mais mencionados. Outro resultado importante diz respeito ao “não-preconceito”, que podeser depreendido das respostas “nenhum deles” e “não é possível responderolhando as fotos”. Considerando-se os quatro atributos positivos e os seisnegativos , em média 4% da população afirmam que nenhuma das pessoas dasfotos pode ser classificada em tais atributos e 9 % consideram que não épossível fazer tal classificação por meio das fotos.
  31. 31. A COR NÃO MUDA COM O CONTEXTO SOCIAL O tratamento dispensado a um negro muda quando muda o contextosocial? Subindo alguns degraus na escala social, consegue o negro escapar aopreconceito? A percepção que se tem da cor de alguém pode variar segundo o statusatribuído a sua profissão? CONCLUSÃO: o contexto não muda a forma como os brasileiros vêema cor das pessoas. Uma pessoa será branca, independentemente de profissão,classe social, relações pessoais, ou qualquer outro elemento contextual.
  32. 32. RACISMO: É SEMPRE NOTÍCIA... HOMEM NEGRO É ESPANCADO, SUSPEITO DE ROUBAR O PRÓPRIO CARRO
  33. 33. MICROSOFT PEDE DESCULPAS APÓS TROCAR CABEÇA DE NEGRO EM FOTO
  34. 34. SOLANO TRINDADE (1908 – 1974)Canta AméricaNão o canto de mentira e falsidadeque a ilusão arianacantou para o mundona conquista do ouronem o canto da supremacia dos derramadores de sanguedas utópicas novas ordensde napoleônicas conquistasmas o canto da liberdade dos povose do direito do trabalhador...
  35. 35. Gravata ColoridaQuando eu tiver bastante pãopara meus filhospara minha amadapros meus amigose pros meus vizinhosquando eu tiverlivros para lerentão eu comprareiuma gravata coloridalargabonitae darei um laço perfeitoe ficarei mostrandoa minha gravata coloridaa todos os que gostamde gente engravatada...
  36. 36. “ Não faremos lutas de raças, porémensinaremos aos irmãos negros que não há raçasuperior nem inferior, e o que o faz distinguir unsdos outros é o desenvolvimento cultural. Sãoanseios legítimos a que ninguém de boa fépoderá recusar cooperação.”
  37. 37. Estatuto da Igualdade RacialSENADO FEDERALSenador PAULO PAIMPT/RSDispõe sobre a instituição do Estatutoda Igualdade Racial, em defesa dos quesofrem preconceito ou discriminação emfunção de sua etnia, raça e/ou cor.
  38. 38. 1. Dos Direitos Fundamentais2. Do Direito à Saúde3. Do Direito à Educação, à Cultura, ao Esporte e ao Lazer4. Do Direito à Liberdade de Consciência e de Crença e ao Livre Exercício dos Cultos Religiosos5. Do Fundo de Promoção da Igualdade Racial6. Da Questão da Terra7. Do Mercado de Trabalho8. Do Sistema de Cotas9. Dos Meios de Comunicação10.Das Ouvidorias Permanentes nas Casas Legislativas11.Do Acesso à Justiça
  39. 39. Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI No 10.639, DE 9 DE JANEIRO DE 2003.Mensagem de veto Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, queestabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículooficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática "História e Cultura Afro-Brasileira", e dá outras providências.O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decretae eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1o A Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, passa a vigorar acrescidados seguintes arts. 26-A, 79-A e 79-B:
  40. 40. "Art. 26-A. Nos estabelecimentos de ensino fundamental e médio, oficiais eparticulares, torna-se obrigatório o ensino sobre História e Cultura Afro-Brasileira.§ 1o O conteúdo programático a que se refere o caput deste artigo incluirá oestudo da História da África e dos Africanos, a luta dos negros no Brasil, acultura negra brasileira e o negro na formação da sociedade nacional,resgatando a contribuição do povo negro nas áreas social, econômica epolítica pertinentes à História do Brasil.§ 2o Os conteúdos referentes à História e Cultura Afro-Brasileira serãoministrados no âmbito de todo o currículo escolar, em especial nas áreas deEducação Artística e de Literatura e História Brasileiras.§ 3o (VETADO)"
  41. 41. "Art. 79-A. (VETADO)""Art. 79-B. O calendário escolar incluirá o dia 20 de novembro como ‘DiaNacional da Consciência Negra’." Art. 2o Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação. Brasília, 9 de janeiro de 2003; 182o da Independência e 115o da República.LUIZ INÁCIO LULA DA SILVACristovam Ricardo Cavalcanti BuarqueEste texto não substitui o publicado no D.O.U. de 10.1.2003
  42. 42. Categorias de Classe por Mulheres Mulheres Mulheres não Brancasgrupos raciais total brancas (%) (%) 1992 2005 1992 2005 1992 2005Empregador 1,5 2,5 81,1 75,8 18,9 24,2Especialista autônomo 0,4 0,9 87,2 85,1 12,8 14,9Conta-própria 15,7 15,5 51,6 49,9 48,4 50,1Gerente 0,7 2,2 80,2 74,3 19,8 25,7Especialista 2,3 4,2 82,6 76,8 17,4 23,2Empregado qualificado 3,1 8,6 75,7 62,1 24,3 37,9Supervisor 1,2 0,7 76,5 67,0 23,5 33,0Empregado 35,5 32,1 60,6 56,0 39,4 44,0Não remunerado 13,6 9,0 55,1 47,5 44,9 52,5Autoconsumo 10,0 7,3 48,5 40,1 51,5 59,9Empregado doméstico 16,2 16,9 42,9 40,4 57,1 59,6TOTAL 100,0 100,0 56,0 53,1 44,0 46,9

×