Freeman e Rosemberg

1.490 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
1 comentário
1 gostou
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.490
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
45
Comentários
1
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Freeman e Rosemberg

  1. 1. AULA 2 PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESIGN MESTRADO ACADÊMICO 2009 A INSTITUCIONALIZAÇÃO DA INOVAÇÃO 1900 – 1990 INFRAESTRUTUTRA TECNOLÓGICA E COMPETITIVIDADE INTERNACIONAL Ana Carolina Vilela Alexandre Garcia
  2. 2. DINÂMICA DA APRESENTAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESIGN MESTRADO ACADÊMICO 2009 PARTE I – APRESENTAÇÃO DOS TEXTOS PARTE II – DISCUSSÃO TURMA
  3. 3. TRAJETÓRIAS DA INOVAÇÃO A mudança tecnológica nos EUA no século XX . Mowery e Rosenberg. PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESIGN MESTRADO ACADÊMICO 2009 A INSTITUCIONALIZAÇÃO DA INOVAÇÃO 1900 – 1990
  4. 4. origens <ul><li>Final século XIX, início século XX; </li></ul><ul><li>Reestruturação das empresas industriais americanas; </li></ul><ul><li>Influência alemã; </li></ul><ul><li>Laboratórios internos às empresas. </li></ul>
  5. 5. <ul><li>POLÍTICA ANTITRUSTE </li></ul><ul><li>Inúmeras fusões; </li></ul><ul><li>Oposição do Departamento de Justiça Americano; </li></ul><ul><li>Alternativas novas para o crescimento corporativo; </li></ul><ul><li>Investimentos em pesquisa industrial ; </li></ul><ul><li>Diversificação para outras áreas + busca de novas tecnologias de fontes externas. </li></ul>origens
  6. 6. <ul><li>FORTALECIMENTO DAS PATENTES </li></ul><ul><li>Direitos de propriedade intelectual fortalecidos; </li></ul><ul><li>Divisão de patentes: mudanças = direitos de propriedade intelectual mais fortes e mais claros ; </li></ul><ul><li>Pressão competitiva: patentes eram cruciais ; </li></ul><ul><li>Incentivo à pesquisa interna. </li></ul>origens
  7. 7. pesquisaXuniversidades <ul><li>Atividades de pesquisa = profissão; </li></ul><ul><li>Financiamento do Estado, aumentou o vínculo formal e informal entre a pesquisa industrial e a universitária; </li></ul><ul><li>Desenvolvimento e comercialização de novas tecnologias e produtos; </li></ul><ul><li>Oportunidades comerciais [currículo e pesquisa]; </li></ul>1900 - 1940
  8. 8. <ul><li>Bolsas de pós-graduação [ sugestões de pesquisa ]; </li></ul><ul><li>Exemplo desse vínculo: MIT - Massachusetts Institute of Technology. </li></ul><ul><li>Cientistas e engenheiros treinados; </li></ul><ul><li>Importante acervo de mão-de-obra e qualidade. </li></ul>pesquisaXuniversidades 1900 - 1940
  9. 9. governo PRÉ-GUERRA <ul><li>Limitado [esforços 1ª guerra]; </li></ul><ul><li>Militares determinam as prioridades; </li></ul><ul><li>Surgimento NACA; </li></ul><ul><li>Foco na aviação [desenvolvimento da aeronáutica] . </li></ul>
  10. 10. governo PRÉ-GUERRA <ul><li>Em 1940 </li></ul><ul><li>Despesas totais em pesquisa, desenvolvimento e infra-estrutura de P&D = US$ 74,1 milhões ; </li></ul><ul><li>Agricultura e Defesa = 75% dos gastos federais em P&D. </li></ul><ul><li>Anos 30 </li></ul><ul><li>Gastos federais em P&D 12% a 20% dos gastos totais em P&D; </li></ul><ul><li>2/3 do valor total financiado pela indústria . </li></ul>
  11. 11. <ul><li>SEGUNDA GUERRA </li></ul><ul><li>Cenário dos gastos federais em P&D = fortes mudanças; </li></ul><ul><li>P&D que não tinham relação com a defesa = financiamentos diminuídos consideravelmente; </li></ul><ul><li>Gastos federais em P&D: </li></ul><ul><li>passou de US$ 83,2 milhões em 1940 </li></ul><ul><li>para US$ 1.313,6 milhões em 1945 ; </li></ul><ul><li>Departamento de defesa: </li></ul><ul><li>passou de US$ 29,6 milhões </li></ul><ul><li>para US$ 423,6 milhões . </li></ul>governo
  12. 12. <ul><li>SEGUNDA GUERRA </li></ul><ul><li>Legado importante em P&D; </li></ul><ul><li>Projeto Manhattan = complexo de pesquisa e produção de armas; </li></ul><ul><li>OSDR (Escritório de Pesquisa e Desenvolvimento científico): contratos de pesquisa com empresas privadas e universidades; </li></ul><ul><li>MIT beneficiou-se com US$ 116 milhões; </li></ul><ul><li>Western Electric com US$ 17 milhões. </li></ul>governo
  13. 13. <ul><li>SEGUNDA GUERRA - IMPACTO </li></ul><ul><li>Diferença na organização da P&D da primeira e da segunda guerra; </li></ul><ul><li>Capacidade de pesquisa mais avançadas [universidade + setor privado]; </li></ul><ul><li>OSDR = importante agente; </li></ul><ul><li>Sistema de P&D dependente fortemente do financiamento federal para pesquisa e desenvolvimento. </li></ul>governo
  14. 14. <ul><li>SEGUNDA GUERRA - IMPACTO </li></ul><ul><li>Em 1940, recursos do governo da P&D federal destinavam-se a apoiar pesquisas realizadas no setor público; </li></ul><ul><li>No pós-guerra, pesquisas por parte de organizações não-governamentais; </li></ul><ul><li>Gerou enorme complexo de pesquisa básica ; </li></ul><ul><li>Surgimento de novas indústrias de alta tecnologia no pós-guerra. </li></ul>governo
  15. 15. PÓS-GUERRA - Investimento nacional total em P&D - Tamanho do orçamento federal para P&D governo <ul><li>$ EUA em P&D > soma $ Alemanha Ocidental, França, Reino Unido e Japão; </li></ul><ul><li>1969 </li></ul><ul><li>EUA = US$ 25, 6 bilhões </li></ul><ul><li>Soma dos outros = US$ 11,3 bilhões. </li></ul><ul><li>Apenas em 1970 a soma desses quatro países passou a exceder o total dos EUA. </li></ul>
  16. 16. PÓS-GUERRA governo <ul><li>Relatório de Bush: pesquisa básica como fonte fundamental de crescimento econômico ; </li></ul><ul><li>Sugestão:agência federal única; </li></ul><ul><li>Criação de várias agências específicas [apoio a pesquisa básica e aplicada]. </li></ul>
  17. 17. <ul><li>PESQUISA UNIVERSITÁRIA </li></ul><ul><li>Financiamento = crescimento da pesquisa acadêmica; </li></ul><ul><li>Entre 1935, 1936, o valor estimado é de US$ 500 milhões, </li></ul><ul><li>Em 1960 = US$ 2,4 bilhões </li></ul><ul><li>Em 1995 = US$ 16,8 bilhões </li></ul><ul><li>Universidades americanas = centros mundiais de pesquisa científica </li></ul><ul><li>Estoque de pessoal científico e compra de equipamentos, materiais e de instalações </li></ul><ul><li>Compra de grande computadores centrais </li></ul><ul><li>para o curso de ciência da computação, </li></ul><ul><li>nova disciplina nas universidades. </li></ul>mudanças
  18. 18. PESQUISA UNIVERSITÁRIA mudanças <ul><li>Apoio federal aos estudantes; </li></ul><ul><li>Compromisso das universidades com a pesquisa; </li></ul><ul><li>Início dos anos 1980 = o apoio federal e das indústrias; </li></ul><ul><li>Centros médicos universitários [combinação pesquisa científica com a prática clínica não-usual; </li></ul><ul><li>Conexão ciência e inovação num grau notável, grande contribuição para inovações [dispositivos médicos, produtos farmacêuticos]. </li></ul>
  19. 19. <ul><li>PESQUISA </li></ul><ul><li>P&D dominada pelas empresas no pós-guerra; </li></ul><ul><li>Crescimento contínuo dos empregos em pesquisa industrial: </li></ul><ul><li>1946: menos de 50 mil </li></ul><ul><li>1962: aprox. 300 mil cientistas e engenheiros </li></ul><ul><li>1970: 376 mil </li></ul><ul><li>1996: quase 800 mil </li></ul>indústria
  20. 20. <ul><li>PESQUISA </li></ul><ul><li>Influência da lei antitruste na pesquisa e inovação industrial; </li></ul><ul><li>De 1938 a 1970 – política muito mais dura, revisão da lei; </li></ul><ul><li>Dificuldade na aquisição de empresas; </li></ul><ul><li>Impõe descobertas internas de novos produtos. </li></ul>indústria
  21. 21. indústria PESQUISA <ul><li>Caso da Du Pont – desempenho inovador afetado; </li></ul><ul><li>Busca de empresas de setores não-relacionados – tendo pouca ou nenhuma conexão tecnológica de produtos e processos [conglomerados]; </li></ul><ul><li>Desenvolvimento das tecnologias enfraquecido . </li></ul>
  22. 22. retomando Relacionado a duas transformações estruturais: 1. Aparecimento de grandes empresas corporativas no início do século XX; 2. Mudanças provocadas nesse sistema pela segunda guerra mundial e suas sequelas. SISTEMA AMERICANO DE P&D
  23. 23. retomando <ul><li>Similar a outras economias (Alemanha, França e Reino Unido); </li></ul><ul><li>Indústria patrocinadora e realizadora de P&D; </li></ul><ul><li>Governo: financiamento modesto. </li></ul>Pré 1900
  24. 24. retomando <ul><li>Diferença dos demais em três pontos: </li></ul><ul><li>Pequenas novas empresas importantes na comercialização de novas tecnologias; </li></ul><ul><li>Financiamento da P&D; </li></ul><ul><li>Política antitruste dos EUA – rápida difusão da propriedade intelectual </li></ul><ul><li>Apoio federal = aumento da oferta de novos desenvolvimentos com potencial comercial. </li></ul>Pós-guerra
  25. 25. PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESIGN TECHNOLOGICAL INFRASTRUCTURE AND INTERNATIONAL COMPETITIVENESS C.Freeman
  26. 27. <ul><li>Estudos </li></ul><ul><li>da OECD: </li></ul>1 International specialisation and international competitiveness -Performance do comércio -Evolução dos fatores que impactam na performance TECN
  27. 28. <ul><li>Posner (1961): </li></ul><ul><li>“ ...firmas que introduzem novos produtos podem aproveitar os benefícios do monopólio...” </li></ul><ul><li>“ technology gap” e “theories of foreing trade”; </li></ul><ul><li>“ imitation lag” x “ demand lag” (MECANISMOS) </li></ul>2 International trade theories and technology
  28. 29. <ul><li>Hufbauer: relação entre performance no mercado e liderança em inovação (Ex: liderança EUA e Alemanha na ind. Química) </li></ul><ul><li>PREÇO? </li></ul><ul><li>Estudos da Economic and Social Research </li></ul><ul><li>(anos 1960) </li></ul><ul><li>“ relação entre inovação e desempenho no mercado” </li></ul><ul><li>(escala, localização, qualidade, P&D, patentes, pesquisa governo, sistema educacional e relação entre firmas) </li></ul>2 International trade theories and technology
  29. 30. <ul><li>Vernon e Keesing (Harvard): </li></ul><ul><li>“ relação estatística entre vendas dos EUA para o mundo e a industrias intensivas em P&D” </li></ul><ul><li>General Test of Technological Gap Trade Theory (Soete) </li></ul><ul><li>Performance exportações (22 países) x inovações(40 set.): </li></ul><ul><li>“ papel da tecnologia na maioria dos setores” </li></ul>2 International trade theories and technology Difícil de medir...
  30. 31. <ul><li>(1960´s) Harry Johnson: “capital humano” </li></ul><ul><li>Montrel Conference of the International Economics Association: </li></ul><ul><li>“ importância da educação, treinamento técnico, P&D” </li></ul><ul><li>Posner and Steer: </li></ul><ul><li>“ Historicamente não há dúvidas de que fatores (que não o preço) se mostram com papel importante...” </li></ul>2 International trade theories and technology DESIGN, SERV.TÉCN, REPUTAÇÃO, MERCADO...
  31. 32. <ul><li>“ ...as mudanças a longo prazo no mundo das cotas de exportação entre os países produtores dominantes não são ... explicáveis nos termos da tradicional teoria de competição por preços ...” </li></ul>3 Technological leadership and trade performance
  32. 33. <ul><li>“ ...estudos demonstram que as empresas (e os países onde estão instaladas) tendem a se saírem bem no seu desempenho comercial se elas tiverem mais sucesso do que suas competidoras, em desenvolver produtos novos e melhorar os antigos...” </li></ul>3 Technological leadership and trade performance
  33. 34. <ul><li>“ ... alcançar e sobrepor lideres tecnológicos já estabelecidos pode apresentar problemas impressionantes para os imitadores e para os aspirantes a liderança, já que eles se concentrar num alvo móvel ” </li></ul>3 Technological leadership and trade performance
  34. 35. <ul><li>“ ... muito do trabalho empírico sobre a tecnologia e a competição internacional levam a problemas como fortes barreiras a R & D , grandes obstruções para obter as habilidades necessárias, economias de escala dinâmicas muito significativas, alto custo para as patentes, licenças e know-how” </li></ul>3 Technological leadership and trade performance
  35. 36. <ul><li>“ ... fica claro que se pode aprender algo também das tentativas bem sucedidas (e mal sucedidas) dos Países Recém Industrializados em penetrarem no círculo dos países industriais dominantes...” </li></ul>3 Technological leadership and trade performance ALÉM DE: AMEMANHÃ, EUA E JAPÃO
  36. 37. <ul><li>“ ... é absurdo pensar que podemos deduzir as linhas de contorno dos nossos fenômenos a partir do nosso material estatístico apenas ...” </li></ul>3 Technological leadership and trade performance Schumpeter:
  37. 38. <ul><li>“ ... que mudanças no sistema científico-tecnológico de um país podem ajudar a explicar sua ascensão para a liderança tecnológica durante um período considerável e seu crescimento correspondente na liderança do mercado mundial?” </li></ul>3 Technological leadership and trade performance “ Tais mudanças foram resultado de políticas nacionais deliberadas, criadas para melhorar o desempenho competitivo?” “ Há qualquer indicação para o tipo de políticas que podem vir a ser mais eficazes para a próxima onda de novas tecnologias ?”
  38. 39. <ul><li>“ ... que inovações permitem e estimulam uma sociedade em especial a introduzir novas tecnologias específicas e a alcançar a liderança tecnológica e econômica?” </li></ul>3 Technological leadership and trade performance
  39. 40. <ul><li>1. Conjugar </li></ul><ul><li>2. Criar </li></ul><ul><li>3. Agrupar </li></ul><ul><li>4. Compreender / Englobar </li></ul><ul><li>5. Enfrentar </li></ul>4 Some basic characteristics of technical innovation
  40. 41. <ul><ul><li>4.1 Conjugação </li></ul></ul><ul><ul><li>(dos mercados, da produção e da tecnologia em vias de mudança) </li></ul></ul>4 Some basic characteristics of technical innovation <ul><ul><li>Schumpeter: “ a inovação é geralmente definida como a realização comercial ou como a introdução de um novo produto, processo ou sistema na economia” . </li></ul></ul><ul><ul><li>Não é o mesmo de INVENÇÃO : </li></ul></ul>
  41. 42. <ul><ul><li>4.1 Conjugação </li></ul></ul>4 Some basic characteristics of technical innovation <ul><ul><li>- Gerenciamento da Inovação </li></ul></ul><ul><ul><li>“ ... combinar novas possibilidades científicas e técnicas com as necessidades dos potenciais usuários das inovações...” </li></ul></ul><ul><ul><li>“ ...o processo de ‘ conjugação ’ entre a tecnologia e o mercado tende a se tornar cada vez mais difícil por causa da crescente complexidade de ambos...” </li></ul></ul>
  42. 43. <ul><ul><li>4.2 Criação </li></ul></ul><ul><ul><li>(de novos produtos, processos, sistemas e indústrias) </li></ul></ul>4 Some basic characteristics of technical innovation <ul><ul><li>IMPORTANTE.... </li></ul></ul><ul><ul><li>MAS.... </li></ul></ul>
  43. 44. <ul><ul><li>4.2 Criação </li></ul></ul>4 Some basic characteristics of technical innovation <ul><ul><li>“ ...quando estamos considerando sistemas de inovação nacionais então, eles não são peças centrais do sucesso inovador...” </li></ul></ul><ul><ul><li>“ ... nestes tipos empreendedores / de engenharia da criatividade, a síntese e a aplicação criativa das informações provenientes de uma variedade de fontes diferentes (incluindo as artes e as ciências) são críticas ...” </li></ul></ul>
  44. 45. <ul><ul><li>4.3 Agrupamento </li></ul></ul><ul><ul><li>(de grupos com inovações relacionadas) </li></ul></ul>4 Some basic characteristics of technical innovation <ul><ul><li>Schumpeter: “...as inovações , como os problemas, não vêm sozinhas , mas em bandos...” </li></ul></ul><ul><li>Nelson e Winter: “... não há razão para se acreditar que as poderosas trajetórias de uma era , em geral, são as poderosas da próxima era . Por exemplo, parece evidente que no século vinte duas trajetórias naturais, muito usadas, se abriram, e que não estavam disponíveis anteriormente: a exploração do entendimento da eletricidade e a criação e melhoria resultantes dos componentes elétricos ...” </li></ul>
  45. 47. <ul><ul><li>4.3 Agrupamento </li></ul></ul>4 Some basic characteristics of technical innovation <ul><ul><li>“ ... a capacidade de se explorar uma trajetória natural ou um novo sistema tecnológico de maneira rápida e eficaz, relaciona-se intensivamente a vários tipos de investimento de infra-estrutura , especialmente educação , bem como aos modelos de interação entre as próprias empresas industriais e seus próprios planos para a educação e o treinamento...” </li></ul></ul>
  46. 48. <ul><ul><li>4.4 Compreender </li></ul></ul><ul><ul><li>/ Englobar </li></ul></ul><ul><ul><li>(novas habilidades, </li></ul></ul><ul><ul><li>novas tecnologias, novos mercados) </li></ul></ul>4 Some basic characteristics of technical innovation <ul><ul><li>“ ... dependem de sistemas de monitoramento , de sistemas de informação e de sistemas de educação, bem como da ‘abertura’ de uma sociedade e do movimento de pessoas e de idéias ...” </li></ul></ul>
  47. 49. <ul><ul><li>4.5 Enfrentar </li></ul></ul>4 Some basic characteristics of technical innovation
  48. 50. <ul><ul><li>4.5 Enfrentar </li></ul></ul>4 Some basic characteristics of technical innovation Fonte: Cooper, Edgett e Kleinschmidt (2001)
  49. 52. <ul><li>List: “ A Grã-bretanha não foi apenas o lar da revolução industrial mas também de uma economia política clássica que ela recomendava aos seus competidores e imitadores de plantão como uma prescrição universal e garantida de sucesso ” </li></ul>5 Friedrich List, Laissez-Faire and Mental Capital
  50. 53. <ul><li>List: “ Os estrangeiros tendiam a relacionar o sucesso britânico mais devido a sua tecnologia , a suas instituições e ao seu investimento na produção do que a quaisquer vantagens comparativas naturais ou a qualquer isenção especial”. </li></ul><ul><li>“ Laissez-faire, laissez-passez’ , uma expressão que soa tão agradável para enganadores e bandidos quanto para os comerciantes, e por isso é um tanto duvidosa enquanto uma máxima”. </li></ul><ul><li>Adam Smith : “Condeno a idéia de direcionar capital para novas empresas “artificialmente”” </li></ul>5 Friedrich List, Laissez-Faire and Mental Capital
  51. 54. <ul><li>List : “ Adam Smith...se esqueceu que ele mesmo inclui (na sua definição de capital) as habilidades mentais e físicas dos produtores sob este termo... </li></ul><ul><li>... ele sustenta, erroneamente , que as receitas de uma nação dependem exclusivamente da soma de seu capital material ... </li></ul><ul><li>...sua própria obra contem milhares de provas de que estas receitas são fortemente condicionadas à soma de suas forças mentais e físicas , e ao grau no qual elas são aperfeiçoadas... </li></ul><ul><li>... ele esqueceu que a habilidade de toda uma nação em aumentar a soma de seu capital material consiste principalmente na possibilidade de converter forças naturais novas em capital material , em instrumentos valiosos e que produzam renda... </li></ul>5 Friedrich List, Laissez-Faire and Mental Capital
  52. 55. <ul><li>List: “ Adam Smith... não levou em consideração que com a política de favorecer a produção nativa , uma massa de capital estrangeiro , mental e material, é atraída para o país... </li></ul><ul><li>...ele sustenta, falsamente , que estes produtores se originaram através do curso natural das coisas e por conta própria ... </li></ul><ul><li>...ele ilustrou seu argumento, fundado numa expressão ambígua que está conseqüente e fundamentalmente errada , com um exemplo fundamentalmente errado , tentando provar isso porque seria idiota produzir vinho na Escócia através de meios artificiais, assim, seria idiota estabelecer produtores via métodos artificiais... </li></ul>5 Friedrich List, Laissez-Faire and Mental Capital
  53. 56. <ul><li>List: “Adam Smith... reduz o processo de formação de capital da nação a uma operação de investimento privado ... </li></ul><ul><li>o aumento do capital material nacional depende do aumento do capital mental nacional, e vice-versa”. </li></ul>5 Friedrich List, Laissez-Faire and Mental Capital
  54. 57. <ul><li>Friedrich List: </li></ul><ul><li>I - Importância ao “ capital mental ” </li></ul><ul><li>II - Importância para a integração entre “capital mental” e “capital material” </li></ul><ul><li>III - Importância para a busca de tecnologia , atração de investimentos e pessoas capacitadas em outras nações </li></ul>5 Friedrich List, Laissez-Faire and Mental Capital
  55. 58. <ul><li>IV - Importância para as habilidades da força de trabalho </li></ul><ul><li>V - Importância do setor industrial para o desenv.econ. </li></ul><ul><li>VI - Importância da visão histórica para as políticas econ. </li></ul><ul><li>VII - Importância da indústria para a segurança nacional </li></ul><ul><li>VIII - Defesa da “ política intervencionista ” na economia </li></ul>5 Friedrich List, Laissez-Faire and Mental Capital
  56. 59. 6 The case of Germany
  57. 60. 7 The case of Japan
  58. 61. discussão <ul><li>Importância da parceria Indústria X Universidade </li></ul><ul><li>Papel do governo </li></ul><ul><li>Brasil </li></ul><ul><li>Qual é a atual onda tecnológica? </li></ul><ul><li>Adam Smith X Friedrich List </li></ul><ul><li>Capital Humano </li></ul><ul><li>Gestão da Inovação </li></ul>QUESTÕES

×