SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 50
Baixar para ler offline
Professora Nieta
Capitalismo Comercial
Fins do século XV até o século XVIII.
Expansão marítima das monarquias
nacionais da Europa Ocidental ( Portugal e
Espanha ) x Hegemonia italiana no
comércio do Oriente, via Mediterrâneo.
Expansão de mercados
Ásia: comércio centrado na compra de
mercadorias valorizadas na Europa.
África: escravização dos africanos, vendidos
como mercadorias.
América: comércio de metais preciosos e produtos
agrícolas. Sistema de “plantation”.
Grande acúmulo de capitais no fluxo comercial.
“Acumulação primitiva do capital”.
Mercantilismo
Presença do Estado no comando do
processo econômico.
 Comércio sendo a atividade mais
importante: Pacto Colonial.
 Balança comercial favorável.
Capitalismo Industrial
 Revolução Industrial
Fisiocracia ( França )
Livre mercado: não intervenção do Estado na
ordem econômica. Livre iniciativa e livre
concorrência.
“Laissez – faire, laissez-passez, le monde va de lui
même” ( “Estado policial-coletor”).
Valorização das atividades naturais ( “Toda a
riqueza vem da natureza”.)
Liberalismo Econômico
(Inglaterra )
Livre- concorrência e livre-mercado.
Lei da oferta e da procura.
Divisão do trabalho.
Riqueza da nação: trabalho.
Princípios da Escola Liberal Clássica
Desenvolveu-se, de início, na Inglaterra, nos
séculos XVIII e XIX, e continuou pelo século
XX.
Existe, na vida econômica, uma ordem natural.
Ela se estabelece na sociedade de forma
espontânea desde que os homens sejam livres
para agir e defender seus interesses.
A ordem natural é a mais favorável para a
prosperidade dos homens e das nações; está acima
de qualquer intervenção que o Estado possa
realizar na vida econômica.
 Não há antagonismo, mas harmonia entre os
interesses individuais e os interesses geral da
sociedade. A harmonia constitui a própria essência
da ordem natural.
Capitalismo Monopolista ou
Financeiro
Internacionalização do investimentos: expansão
imperialista ( Conferência de Berlim – 1885 ).
Cartelização da economia.
Sene, Eustáquio e
Moreira, João Carlos 
"Geografia -Espaço
geográfico e
globalização" -
pág. 14 - Ed. Scipione -
2000
CONTEXTOCONTEXTO
CAPITALISTA DE PRODUÇÃOCAPITALISTA DE PRODUÇÃO
Da Revolução Industrial até a 1a
Guerra Mundial –
organização da produção apoiada em indústrias de
base (siderurgia, indústrias químicas, de máquinas e
de equipamentos).
Revolução nos métodos de produção: a teoria do
Taylorismo aplicada ao Fordismo.
Taylorismo = sistema de organização científica do trabalho,
através do controle de tempo e dos movimentos dos
trabalhadores com o objetivo de aumentar a produtividade.
Intensificação da divisão do trabalho e aprofundamento da
divisão entre a concepção e a execução de qualquer artigo
industrial – Trabalho Intelectual X Trabalho Manual.
Companhia Siderúrgica NacionalCompanhia Siderúrgica Nacional
Desfile dos primeiros modelos de carro Ford,
fabricados em série.
Extraído do site de Jim Mason
* Contexto capitalista de
produção
  CONTEXTOCONTEXTO
CAPITALISTA DE PRODUÇÃOCAPITALISTA DE PRODUÇÃO
Fordismo: visão abrangente da economia e não somente as
mudanças organizacionais do trabalho nas fábricas – Produção
em massa – consumo em massa – produtos mais baratos e
salários mais altos.
Crise de 29: aumento da produção em ritmo superior ao aumento
da capacidade de consumo + especulação financeira,
provocada pela enorme valorização das ações de muitas empresas
no período da euforia econômica, pós 1a
Guerra Mundial.
Política keynesiana: interferência do Estado na economia com o
objetivo de evitar crises, através do controle de câmbio para
estimular as exportações e da baixa das taxas de juros para
facilitar os investimentos produtivos.
CONTEXTOCONTEXTO
CAPITALISTA DE PRODUÇÃOCAPITALISTA DE PRODUÇÃO
(Política do “New Deal”)
Keynesianismo
(Política do “Laissez – faire”)
Liberalismo
X
Influência noInfluência no
BrasilBrasil
Governo de Juscelino Kubtschek
(1956/1961): Plano de Metas
Petrobrás
Governo de Getúlio Vargas: (1930/1945) e
(1950 /1954) CSN (1942)
Incorporação da classe trabalhadora ao mercado
consumidor. Países da Europa Ocidental: “Welfare
State” (Estado do Bem-Estar Social”).
Modelo fordista – keynesiano: crescimento contínuo
das economias capitalista pós-guerra, principalmente
nos países desenvolvidos.
Influência noInfluência no
BrasilBrasil
Sene, Eustáquio e Moreira, João Carlos 
"Geografia -Espaço geográfico e globalização" -
pág. 21 - Ed. Scipione - 2000
* Crescimento econômico
D é c a d aD é c a d a
d ed e
7 07 0
Crise do modeloCrise do modelo
fordista-keynesiano:fordista-keynesiano:
Produtividade insuficiente para atender
pressão dos sindicatos por aumento
salarial.
Elevação dos
custos sociais.
Inflação e déficit
público
Crise do
petróleo
Revolução técnico-
científica
Sene, Eustáquio e
Moreira, João Carlos 
"Geografia para o Ensino
Médio" -
pág. 293 - Ed. Scipione
- 2002
Ronald Reagan
(1981/88)
Neoliberalismo eNeoliberalismo e
ToyotismoToyotismo
(Flexibilização)(Flexibilização)
Margaret Thatcher
(1979/90)
RevoluçãoRevolução
TecnocientíficaTecnocientífica
Década de 70: Estados Unidos, Europa
Ocidental e Japão.
Destaque das empresas no desenvolvimento
econômico e tecnológico – Alta competitividade –
Investimentos Imateriais – P&D (Pesquisa e
Desenvolvimento): informática, robótica,
telecomunicações e biotecnologia. “Economia do
saber”.
Magnoli, Demétrio e Araujo, Regina -
"Projeto de Ensino de Geografia" -
Pág. 109 - Ed. Moderna - 2000
A General Motors, a maiorA General Motors, a maior
indústria automobilística doindústria automobilística do
mundo, conhecida por produzirmundo, conhecida por produzir
automóveis e caminhões, mais aautomóveis e caminhões, mais a
sua subsidiária Hughes Space andsua subsidiária Hughes Space and
Communication, produz satélites eCommunication, produz satélites e
outros equipamentos deoutros equipamentos de
comunicações de uso militar paracomunicações de uso militar para
o departamento de defesa doso departamento de defesa dos
EUA. Na ilustração, satéliteEUA. Na ilustração, satélite
utilizado para emissão de sinais deutilizado para emissão de sinais de
televisão por assinatura.televisão por assinatura.
Sene, Eustáquio e Moreira, João Carlos 
"Geografia para o Ensino Médio" -
págs. 278 e 280 - Ed. Scipione - 2002
Para o desenvolvimento de um
simples aparelho de barbear,
lançado em 2000, uma multinacional
norte americana investiu um bilhão
de dólares no projeto, fabricação e
estratégia de marketing. O projeto
levou seis anos para ficar pronto,
e foi desenvolvido por 500
engenheiros. Foram registrados 35
patentes nos EUA, desde a lâmina de
carbono até a tarja azul no alto do
cartucho, que, ao ficar branca, indica
a necessidade de troca (foto de
2001).
Sene, Eustáquio e Moreira, João Carlos 
"Geografia para o Ensino Médio" -
págs. 278 e 280 - Ed. Scipione - 2002
Revolução InformacionalRevolução Informacional
dodo
Espaço GeográficoEspaço Geográfico
O meio técnico-científico-informacionalO meio técnico-científico-informacional
Meio natural (até séc. XVIII)
Meio técnico (eclosão da Rev. Industrial)
Meio técnico-científico – informacional (3a
Rev. Industrial – economias pós-industriais).
Revolução InformacionalRevolução Informacional
do Espaço Geográficodo Espaço Geográfico
•Antenas parabólicas e de telefonia
celular, cabos de fibra óptica, redes de
computadores.
•Alimentos transgênicos e animais clonados.
•Fábricas robotizadas, prédios comerciais e residenciais
inteligentes, bolsas de valores eletrônicas.
Meio técnico-científico-informacional
funciona como um sistema: cidade e campo
através da incorporação da agricultura,
indústria e serviços. Base da globalização:
aceleração dos fluxos da economia
informacional e crescente interdependência
dos vários lugares do mundo.
Desenvolvimento daDesenvolvimento da
economia informacional eeconomia informacional e
da globalização e a novada globalização e a nova
DIT, segundo ManuelDIT, segundo Manuel
Castells, sociólogoCastells, sociólogo
espanhol:espanhol:
•Produtores de alto valor com base no
trabalho informacional.
•Produtores de grande volume baseado
no trabalho de mais baixo custo.
• Produtores de matérias-primas.
•Produtores redundantes, reduzidos ao
trabalho desvalorizado.
JOSÉ ALAN DIAS (Folha de São Paulo)JOSÉ ALAN DIAS (Folha de São Paulo)
No lançamento de campanha mundial a, favor do "comércio justo", a ONG
(Organização Não Governamental) britânica Oxfam divulgou um documento em
que relaciona os custos para os países pobres das restrições comerciais adotadas
pelas nações ricas.
De cada US$ 1 dólar oferecido em ajudas as nações ricas aos paises em
desenvolvimento, outros US$ 2 são “roubados” por essas mesmas nações,
segundo a ONG, ao imporem restrições de acessos a seus mercados, via
protecionismo e uso de subsídios. Essas restrições comerciais custam aos países
pobres e em desenvolvimento US$100bilhóes ao ano.
- “... em sua retórica, os países ricos insistem no compromisso de redução da
pobreza, mas esses mesmos países usam uma política comercial que não é mais
que um roubo contra os pobres", diz o relatório, de 320 páginas.
Região mais miserável do planeta, a África subsaariana perde US$ 2 bilhões.
Outros países, como a Índia e China, US$ 3 bilhões cada. Na América Latina, as
perdas somam US$ 30 bilhões. As estimativas da Oxfam e da Cepal apontam
perda de US$ 3 bilhões a US$ 4 bilhões para o Brasil.
Fundada em 1942, para ajudar vítimas na Segunda Guerra, a ONG, hoje dedicada
ao combate à pobreza, mantém escritórios em 15 paises, incluído o Brasil e
trabalha com orçamento anual de cerca de US$I50 milhões.
-Segundo o documento, elaborado a partir de estatísticas de OMC (Organização
Mundial do Comércio), FMI (Fundo Monetário Internacional) e Banco Mundial,
de.cada US$1 gerado pelas exportações no mundo, os países pobres e /ou
desenvolvimento respondem por US$ 0,03. A Oxfam sustenta que, se o Terceiro
mundo aumentasse em 5% sua participação nas exportações mundiais 128
milhões de pessoas na América Latina, África e Ásia da sairiam da linha de
pobreza - significativa colocar mais US$ 350 bilhões nas economias dessas
regiões.
Ontem, a ONG promoveu o lançamento em 18 países da campanha "Comércio
com Justiça", em favor de modificações nas práticas de comércio mundial.
A partir de um modelo em que são considerados dez parâmetros de políticas
comerciais (entre elas, tarifas médias em 'setores em que os países mais pobres
são competitivos, como agricultura e têxteis), a ONG classificou os quatro
mercados mais protecionistas do mundo.Pela ordem, são união Européia, EUA,
Canadá e Japão.
A Oxfam se posicionou contra a política de "abertura forçada" dos mercados dos
países pobres, que seriam praticadas com o estímulo do FMI e do Banco Mundial.
Folha de São Paulo
22/03/2002
Tecnopólos e oTecnopólos e o
Capitalismo da TerceiraCapitalismo da Terceira
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Pontos de interconexão dos fluxos mundiais do
conhecimento e informações interligados por uma
densa rede de telecomunicações e computadores.
Centros irradiadores das inovações tecnológicas.
Sene, Eustáquio e Moreira, João Carlos -
“Geografia para o Ensino Médio” -
Pág. 312 - Ed. Scipione - 2002
Sene, Eustáquio e Moreira, João Carlos -
“Geografia para o Ensino Médio” -
Pág. 315 - Ed. Scipione - 2002
Magnoli, Demétrio e
Araujo, Regina -
“Projeto de Ensino de
Geografia” -
Pág. 220 - Ed.
Moderna - 2000
TECNOPÓLOS BRASILEIROSTECNOPÓLOS BRASILEIROS
•Final da década de 90 com a abertura
da economia  grande fluxo de
investimentos estrangeiros no país:
empresas de telecomunicações e de
informática.
CAMPINAS (S.P.)CAMPINAS (S.P.)
•Universidade de Campinas (UNICAMP), Pontifícia
Universidade Católica de Campinas (Puccamp) e a
Fundação Centro Tecnológico para a Informática (CTI) 
Nortel, IBM, Motorola, Compaq.
SÃO JOSÉ DOS CAMPOSSÃO JOSÉ DOS CAMPOS
(S.P.)(S.P.)
•Centro Tecnológico da Aeronáutica (CTA) e o Instituto
Tecnológico da Aeronáutica (ITA), ligados ao Ministério da
Aeronáutica  Embraer (criada em 1960 e privatizada em
1990). Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe),
do Ministério de Ciência e Tecnologia e o programa de
produção e lançamento de satélites: CBERS1 (Satélite
Sino-Brasileiro de Recursos Terrestres).
CIDADES GLOBAISCIDADES GLOBAIS
• Referências definidoras: poder econômico e
infra-estrutura  capacidade de polarização dos
fluxos das redes mundiais.
• Inventário da GaWC (Globalização and World
Cities Study and Networks): 55 cidades globais
com 3 níveis (alfa, beta e gama), de acordo com
seu poder de polarização na economia global.
Pontuação máxima: 12 pontos (Nova Iorque,
Tóquio, Londres e Paris). São Paulo (pontuação 8).
Sene, Eustáquio e
Moreira, João Carlos -
“Geografia para o
Ensino Médio” -
Pág. 103 - Ed. Scipione -
2002
Sene, Eustáquio e
Moreira, João Carlos -
“Geografia para o
Ensino Médio” -
Pág. 307 - Ed. Scipione
- 2002
Sene, Eustáquio e
Moreira, João Carlos -
“Geografia para o
Ensino Médio” -
Pág. 307 - Ed. Scipione
- 2002
Sene, Eustáquio e Moreira, João Carlos -
“Geografia para o Ensino Médio” -
Pág. 309 - Ed. Scipione - 2002
A revolução tecnológica, o espaço geográfico e o
mundo do trabalho, insere-se no contexto da “era da
informação”. Assim, uma das mais importantes fontes de poder
que os Estados Unidos detêm é o controle da produção e
difusão das informações, já que a maioria das informações
geradas no mundo é controlada por esse país, e o inglês é a
língua dominante no planeta. São norte-americanas algumas
das principais agências de notícias (observe o mapa da próxima
página) e redes de televisão, assim como também os principais
sistemas de satélites de informação e de levantamento de
dados.
A Associat Press (AP), sediada em Nova York, é a maior agencia de notícias do mundo.
Sene, Eustáquio e Moreira, João Carlos -
“Geografia para o Ensino Médio” -
Pág. 251 - Ed. Scipione - 2002
BIBLIOGRAFIA: 
-Araújo, Regina e Demétrio Magnoli - "Projeto de Ensino de
Geografia" - Ed. Moderna - São Paulo
-Míriam e Míriam – “Geografia – Globalização Econômica”
- Coleção Nova Geração – Ed. Nova Geração –1999 –São
Paulo.
-Sene e Moreira - "Geografia para o Ensino Médio e Geografia
Geral e do Brasil"
- Ed. Scipione - São Paulo
-Sene, Eustáquio de e João Carlos Moreira- “Geografia-
Espaço geográfico e globalização”- Ed. Scipione-1999 –
São Paulo.
-Material selecionado e desenvolvido por Nieta Coelho

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Industrialização+brasileira 1
Industrialização+brasileira 1Industrialização+brasileira 1
Industrialização+brasileira 1
eunamahcado
 
Crise do socialismo
Crise do socialismoCrise do socialismo
Crise do socialismo
Elton Zanoni
 
Revolução industrial 3
Revolução industrial 3Revolução industrial 3
Revolução industrial 3
Tamara Silva
 
Revolução francesa 8º
Revolução francesa 8ºRevolução francesa 8º
Revolução francesa 8º
Vagner Roberto
 

Mais procurados (20)

Favelização
FavelizaçãoFavelização
Favelização
 
Região Sudeste do Brasil
Região Sudeste do BrasilRegião Sudeste do Brasil
Região Sudeste do Brasil
 
Bandeirantes e expansão
Bandeirantes e expansãoBandeirantes e expansão
Bandeirantes e expansão
 
Espaço urbano no mundo contemporaneo
Espaço urbano no mundo contemporaneoEspaço urbano no mundo contemporaneo
Espaço urbano no mundo contemporaneo
 
Urbanização
UrbanizaçãoUrbanização
Urbanização
 
Industrialização+brasileira 1
Industrialização+brasileira 1Industrialização+brasileira 1
Industrialização+brasileira 1
 
Crise do socialismo
Crise do socialismoCrise do socialismo
Crise do socialismo
 
Formação do território brasileiro!
Formação do território brasileiro!Formação do território brasileiro!
Formação do território brasileiro!
 
Revolução industrial 3
Revolução industrial 3Revolução industrial 3
Revolução industrial 3
 
A evolução do capitalismo e suas crises
A evolução do capitalismo e suas crisesA evolução do capitalismo e suas crises
A evolução do capitalismo e suas crises
 
Neocolonialismo na Ásia
Neocolonialismo na ÁsiaNeocolonialismo na Ásia
Neocolonialismo na Ásia
 
O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASIL
O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASILO PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASIL
O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASIL
 
Revolução francesa 8º
Revolução francesa 8ºRevolução francesa 8º
Revolução francesa 8º
 
Aulas 02 e 03 - Blocos econômicos
Aulas 02 e 03 - Blocos econômicosAulas 02 e 03 - Blocos econômicos
Aulas 02 e 03 - Blocos econômicos
 
Segunda revolucao industrial
Segunda revolucao industrialSegunda revolucao industrial
Segunda revolucao industrial
 
Oriente Médio
Oriente MédioOriente Médio
Oriente Médio
 
Globalização Geografia.pptx
Globalização Geografia.pptxGlobalização Geografia.pptx
Globalização Geografia.pptx
 
CRISE DE 1929
CRISE DE 1929CRISE DE 1929
CRISE DE 1929
 
A formação do mundo capitalista
A formação do mundo capitalistaA formação do mundo capitalista
A formação do mundo capitalista
 
Agricultura brasileira
Agricultura brasileiraAgricultura brasileira
Agricultura brasileira
 

Destaque

O processo de desenvolvimento do capitalismo
O processo de desenvolvimento do capitalismoO processo de desenvolvimento do capitalismo
O processo de desenvolvimento do capitalismo
Lilian Damares
 
O Surgimento Do Capitalismo Comercial
O Surgimento Do Capitalismo ComercialO Surgimento Do Capitalismo Comercial
O Surgimento Do Capitalismo Comercial
Giselly Afonso
 
www.CentroApoio.com -História - Crise No Sistema Feudal -Vídeo Aula
www.CentroApoio.com -História - Crise No Sistema Feudal -Vídeo Aulawww.CentroApoio.com -História - Crise No Sistema Feudal -Vídeo Aula
www.CentroApoio.com -História - Crise No Sistema Feudal -Vídeo Aula
Vídeo Aulas Apoio
 
Planejamento prof. roberto
Planejamento prof. robertoPlanejamento prof. roberto
Planejamento prof. roberto
robertobraz
 
A história do brasil em quadrinhos
A história do brasil em quadrinhosA história do brasil em quadrinhos
A história do brasil em quadrinhos
L Fernando F Pinto
 

Destaque (20)

Capitalismo e a Organização espacial
Capitalismo e a Organização espacialCapitalismo e a Organização espacial
Capitalismo e a Organização espacial
 
O processo de desenvolvimento do capitalismo
O processo de desenvolvimento do capitalismoO processo de desenvolvimento do capitalismo
O processo de desenvolvimento do capitalismo
 
Capitalismo e sua evolução
Capitalismo e sua evoluçãoCapitalismo e sua evolução
Capitalismo e sua evolução
 
O Surgimento Do Capitalismo Comercial
O Surgimento Do Capitalismo ComercialO Surgimento Do Capitalismo Comercial
O Surgimento Do Capitalismo Comercial
 
Capitalismo
CapitalismoCapitalismo
Capitalismo
 
01 Economia Introdução
01 Economia Introdução01 Economia Introdução
01 Economia Introdução
 
Expansao maritima-europeia-mdp-ii-cap8
Expansao maritima-europeia-mdp-ii-cap8Expansao maritima-europeia-mdp-ii-cap8
Expansao maritima-europeia-mdp-ii-cap8
 
O capitalismo no século xix e xx
O capitalismo no século xix e xxO capitalismo no século xix e xx
O capitalismo no século xix e xx
 
Capitalismo
Capitalismo Capitalismo
Capitalismo
 
www.CentroApoio.com -História - Crise No Sistema Feudal -Vídeo Aula
www.CentroApoio.com -História - Crise No Sistema Feudal -Vídeo Aulawww.CentroApoio.com -História - Crise No Sistema Feudal -Vídeo Aula
www.CentroApoio.com -História - Crise No Sistema Feudal -Vídeo Aula
 
Processo de desenvolvimento do capitalismo
Processo de desenvolvimento do capitalismoProcesso de desenvolvimento do capitalismo
Processo de desenvolvimento do capitalismo
 
Planejamento prof. roberto
Planejamento prof. robertoPlanejamento prof. roberto
Planejamento prof. roberto
 
As Grandes Navegações
As Grandes NavegaçõesAs Grandes Navegações
As Grandes Navegações
 
Agricultura Brasileira
Agricultura BrasileiraAgricultura Brasileira
Agricultura Brasileira
 
A história do brasil em quadrinhos
A história do brasil em quadrinhosA história do brasil em quadrinhos
A história do brasil em quadrinhos
 
Slide terceiro ano geral
Slide terceiro ano geralSlide terceiro ano geral
Slide terceiro ano geral
 
Geografia
GeografiaGeografia
Geografia
 
Capitalismo comercial
Capitalismo comercialCapitalismo comercial
Capitalismo comercial
 
Capitalismo comercial
Capitalismo comercialCapitalismo comercial
Capitalismo comercial
 
Capitalismo e Imperialismo
Capitalismo e ImperialismoCapitalismo e Imperialismo
Capitalismo e Imperialismo
 

Semelhante a Proc formacao capitalismo

Capitalismo e socialismo_
Capitalismo e socialismo_Capitalismo e socialismo_
Capitalismo e socialismo_
Lucas pk'
 
01 capitalismo%20e%20 socialismo%20
01 capitalismo%20e%20 socialismo%2001 capitalismo%20e%20 socialismo%20
01 capitalismo%20e%20 socialismo%20
AVP90
 
01 capitalismo%20e%20 socialismo%20
01 capitalismo%20e%20 socialismo%2001 capitalismo%20e%20 socialismo%20
01 capitalismo%20e%20 socialismo%20
AVP90
 
Revisão capítulos 1 e 2
Revisão capítulos 1 e 2Revisão capítulos 1 e 2
Revisão capítulos 1 e 2
edudeoliv
 
A NOVA ORDEM MUNDIAL
A NOVA ORDEM MUNDIALA NOVA ORDEM MUNDIAL
A NOVA ORDEM MUNDIAL
Isabel Aguiar
 
Revisão de geo
Revisão de geoRevisão de geo
Revisão de geo
edudeoliv
 

Semelhante a Proc formacao capitalismo (20)

www.AulasDeGeografiaApoio.com - Geografia - Globalização
 www.AulasDeGeografiaApoio.com  -  Geografia - Globalização www.AulasDeGeografiaApoio.com  -  Geografia - Globalização
www.AulasDeGeografiaApoio.com - Geografia - Globalização
 
www.aulasapoio.com.br - Geografia - Globalização
www.aulasapoio.com.br  - Geografia - Globalizaçãowww.aulasapoio.com.br  - Geografia - Globalização
www.aulasapoio.com.br - Geografia - Globalização
 
www.aulaparticularonline.net.br - Geografia - Globalização
www.aulaparticularonline.net.br - Geografia - Globalizaçãowww.aulaparticularonline.net.br - Geografia - Globalização
www.aulaparticularonline.net.br - Geografia - Globalização
 
www.TutoresDePlantao.Com.Br - Geografia - Globalização
www.TutoresDePlantao.Com.Br - Geografia - Globalizaçãowww.TutoresDePlantao.Com.Br - Geografia - Globalização
www.TutoresDePlantao.Com.Br - Geografia - Globalização
 
Atividade 2 - 9º ano gabaritada
Atividade 2 - 9º ano gabaritadaAtividade 2 - 9º ano gabaritada
Atividade 2 - 9º ano gabaritada
 
Aula 7 [1-2022] - Onde habitar?
Aula 7 [1-2022] - Onde habitar?Aula 7 [1-2022] - Onde habitar?
Aula 7 [1-2022] - Onde habitar?
 
Capitalismo e socialismo_
Capitalismo e socialismo_Capitalismo e socialismo_
Capitalismo e socialismo_
 
Capitalismo e Socialismo - Geografia
Capitalismo e Socialismo - GeografiaCapitalismo e Socialismo - Geografia
Capitalismo e Socialismo - Geografia
 
C30 slides
C30 slidesC30 slides
C30 slides
 
01 capitalismo%20e%20 socialismo%20
01 capitalismo%20e%20 socialismo%2001 capitalismo%20e%20 socialismo%20
01 capitalismo%20e%20 socialismo%20
 
01 capitalismo%20e%20 socialismo%20
01 capitalismo%20e%20 socialismo%2001 capitalismo%20e%20 socialismo%20
01 capitalismo%20e%20 socialismo%20
 
Revisão capítulos 1 e 2
Revisão capítulos 1 e 2Revisão capítulos 1 e 2
Revisão capítulos 1 e 2
 
GLOBALIZAÇÃO - Geografia
GLOBALIZAÇÃO - GeografiaGLOBALIZAÇÃO - Geografia
GLOBALIZAÇÃO - Geografia
 
Globalização
Globalização   Globalização
Globalização
 
A NOVA ORDEM MUNDIAL
A NOVA ORDEM MUNDIALA NOVA ORDEM MUNDIAL
A NOVA ORDEM MUNDIAL
 
Capitalismo comercial
Capitalismo comercialCapitalismo comercial
Capitalismo comercial
 
Apresentação1 revisão provão 2 ano
Apresentação1 revisão provão 2 anoApresentação1 revisão provão 2 ano
Apresentação1 revisão provão 2 ano
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Geografia - Globalização
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Geografia - Globalizaçãowww.AulasEnsinoMedio.com.br - Geografia - Globalização
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Geografia - Globalização
 
1ª LISTA DE REVISÃO GEOGRAFIA CADU
1ª LISTA DE REVISÃO GEOGRAFIA CADU1ª LISTA DE REVISÃO GEOGRAFIA CADU
1ª LISTA DE REVISÃO GEOGRAFIA CADU
 
Revisão de geo
Revisão de geoRevisão de geo
Revisão de geo
 

Mais de Filipe Carvalho

Santos, milton. a cidade como centro de região definições e métodos de aval...
Santos, milton. a cidade como centro de região   definições e métodos de aval...Santos, milton. a cidade como centro de região   definições e métodos de aval...
Santos, milton. a cidade como centro de região definições e métodos de aval...
Filipe Carvalho
 
Santos, milton & becker, bertha k. (org) território, territórios - ensaios ...
Santos, milton & becker, bertha k. (org)   território, territórios - ensaios ...Santos, milton & becker, bertha k. (org)   território, territórios - ensaios ...
Santos, milton & becker, bertha k. (org) território, territórios - ensaios ...
Filipe Carvalho
 
Redes ribeiro (2000) ufg
Redes ribeiro (2000) ufgRedes ribeiro (2000) ufg
Redes ribeiro (2000) ufg
Filipe Carvalho
 
Por outras geo carto-grafias - profa. dra. valéria cazetta
Por outras geo carto-grafias -  profa. dra. valéria cazettaPor outras geo carto-grafias -  profa. dra. valéria cazetta
Por outras geo carto-grafias - profa. dra. valéria cazetta
Filipe Carvalho
 
Haesbaert, dos múltiplos territórios á multiterritorialidade
Haesbaert, dos múltiplos territórios á multiterritorialidadeHaesbaert, dos múltiplos territórios á multiterritorialidade
Haesbaert, dos múltiplos territórios á multiterritorialidade
Filipe Carvalho
 
Geografia natureza e sociedade
Geografia natureza e sociedadeGeografia natureza e sociedade
Geografia natureza e sociedade
Filipe Carvalho
 
Geografia e política iná de castro
Geografia e política   iná de castroGeografia e política   iná de castro
Geografia e política iná de castro
Filipe Carvalho
 
Geografia da fome josué de castro
Geografia da fome   josué de castroGeografia da fome   josué de castro
Geografia da fome josué de castro
Filipe Carvalho
 

Mais de Filipe Carvalho (20)

Vainer, carlos. mega eventos mega-negócios mega-protestos
Vainer, carlos. mega eventos mega-negócios mega-protestosVainer, carlos. mega eventos mega-negócios mega-protestos
Vainer, carlos. mega eventos mega-negócios mega-protestos
 
Maricato, e. metrópole na periferia do capitalismo
Maricato, e. metrópole na periferia do capitalismoMaricato, e. metrópole na periferia do capitalismo
Maricato, e. metrópole na periferia do capitalismo
 
Maricato, e. erradicar o analfabetismo urbanístico
Maricato, e. erradicar o analfabetismo urbanísticoMaricato, e. erradicar o analfabetismo urbanístico
Maricato, e. erradicar o analfabetismo urbanístico
 
Ferreira, j. e maricato, e. operação consorciada
Ferreira, j. e maricato, e. operação consorciadaFerreira, j. e maricato, e. operação consorciada
Ferreira, j. e maricato, e. operação consorciada
 
Santos, milton. a cidade como centro de região definições e métodos de aval...
Santos, milton. a cidade como centro de região   definições e métodos de aval...Santos, milton. a cidade como centro de região   definições e métodos de aval...
Santos, milton. a cidade como centro de região definições e métodos de aval...
 
Santos, milton & becker, bertha k. (org) território, territórios - ensaios ...
Santos, milton & becker, bertha k. (org)   território, territórios - ensaios ...Santos, milton & becker, bertha k. (org)   território, territórios - ensaios ...
Santos, milton & becker, bertha k. (org) território, territórios - ensaios ...
 
Ruy moreira geografia teoria e crítca
Ruy moreira   geografia teoria e crítcaRuy moreira   geografia teoria e crítca
Ruy moreira geografia teoria e crítca
 
Redes ribeiro (2000) ufg
Redes ribeiro (2000) ufgRedes ribeiro (2000) ufg
Redes ribeiro (2000) ufg
 
Por outras geo carto-grafias - profa. dra. valéria cazetta
Por outras geo carto-grafias -  profa. dra. valéria cazettaPor outras geo carto-grafias -  profa. dra. valéria cazetta
Por outras geo carto-grafias - profa. dra. valéria cazetta
 
O espaco urbano corrêa, roberto
O espaco urbano corrêa, robertoO espaco urbano corrêa, roberto
O espaco urbano corrêa, roberto
 
O direito a cidade henry lefevre
O direito a cidade   henry lefevreO direito a cidade   henry lefevre
O direito a cidade henry lefevre
 
La blache perspectivas
La blache   perspectivasLa blache   perspectivas
La blache perspectivas
 
Italo calvino as cidades invisíveis
Italo calvino   as cidades invisíveisItalo calvino   as cidades invisíveis
Italo calvino as cidades invisíveis
 
Haesbaert, rogério a nova des ordem mundial
Haesbaert, rogério a nova des ordem mundialHaesbaert, rogério a nova des ordem mundial
Haesbaert, rogério a nova des ordem mundial
 
Haesbaert, dos múltiplos territórios á multiterritorialidade
Haesbaert, dos múltiplos territórios á multiterritorialidadeHaesbaert, dos múltiplos territórios á multiterritorialidade
Haesbaert, dos múltiplos territórios á multiterritorialidade
 
Geopolitica da amazonia bertha becker
Geopolitica da amazonia   bertha beckerGeopolitica da amazonia   bertha becker
Geopolitica da amazonia bertha becker
 
Geografia, pequena história crítica
Geografia, pequena história críticaGeografia, pequena história crítica
Geografia, pequena história crítica
 
Geografia natureza e sociedade
Geografia natureza e sociedadeGeografia natureza e sociedade
Geografia natureza e sociedade
 
Geografia e política iná de castro
Geografia e política   iná de castroGeografia e política   iná de castro
Geografia e política iná de castro
 
Geografia da fome josué de castro
Geografia da fome   josué de castroGeografia da fome   josué de castro
Geografia da fome josué de castro
 

Proc formacao capitalismo

  • 3. Fins do século XV até o século XVIII. Expansão marítima das monarquias nacionais da Europa Ocidental ( Portugal e Espanha ) x Hegemonia italiana no comércio do Oriente, via Mediterrâneo.
  • 4. Expansão de mercados Ásia: comércio centrado na compra de mercadorias valorizadas na Europa. África: escravização dos africanos, vendidos como mercadorias. América: comércio de metais preciosos e produtos agrícolas. Sistema de “plantation”. Grande acúmulo de capitais no fluxo comercial. “Acumulação primitiva do capital”.
  • 5. Mercantilismo Presença do Estado no comando do processo econômico.  Comércio sendo a atividade mais importante: Pacto Colonial.  Balança comercial favorável.
  • 7. Fisiocracia ( França ) Livre mercado: não intervenção do Estado na ordem econômica. Livre iniciativa e livre concorrência. “Laissez – faire, laissez-passez, le monde va de lui même” ( “Estado policial-coletor”). Valorização das atividades naturais ( “Toda a riqueza vem da natureza”.)
  • 8. Liberalismo Econômico (Inglaterra ) Livre- concorrência e livre-mercado. Lei da oferta e da procura. Divisão do trabalho. Riqueza da nação: trabalho.
  • 9. Princípios da Escola Liberal Clássica Desenvolveu-se, de início, na Inglaterra, nos séculos XVIII e XIX, e continuou pelo século XX. Existe, na vida econômica, uma ordem natural. Ela se estabelece na sociedade de forma espontânea desde que os homens sejam livres para agir e defender seus interesses.
  • 10. A ordem natural é a mais favorável para a prosperidade dos homens e das nações; está acima de qualquer intervenção que o Estado possa realizar na vida econômica.  Não há antagonismo, mas harmonia entre os interesses individuais e os interesses geral da sociedade. A harmonia constitui a própria essência da ordem natural.
  • 11. Capitalismo Monopolista ou Financeiro Internacionalização do investimentos: expansão imperialista ( Conferência de Berlim – 1885 ). Cartelização da economia.
  • 12. Sene, Eustáquio e Moreira, João Carlos  "Geografia -Espaço geográfico e globalização" - pág. 14 - Ed. Scipione - 2000
  • 13. CONTEXTOCONTEXTO CAPITALISTA DE PRODUÇÃOCAPITALISTA DE PRODUÇÃO Da Revolução Industrial até a 1a Guerra Mundial – organização da produção apoiada em indústrias de base (siderurgia, indústrias químicas, de máquinas e de equipamentos). Revolução nos métodos de produção: a teoria do Taylorismo aplicada ao Fordismo. Taylorismo = sistema de organização científica do trabalho, através do controle de tempo e dos movimentos dos trabalhadores com o objetivo de aumentar a produtividade. Intensificação da divisão do trabalho e aprofundamento da divisão entre a concepção e a execução de qualquer artigo industrial – Trabalho Intelectual X Trabalho Manual.
  • 14. Companhia Siderúrgica NacionalCompanhia Siderúrgica Nacional Desfile dos primeiros modelos de carro Ford, fabricados em série. Extraído do site de Jim Mason * Contexto capitalista de produção
  • 15.   CONTEXTOCONTEXTO CAPITALISTA DE PRODUÇÃOCAPITALISTA DE PRODUÇÃO Fordismo: visão abrangente da economia e não somente as mudanças organizacionais do trabalho nas fábricas – Produção em massa – consumo em massa – produtos mais baratos e salários mais altos. Crise de 29: aumento da produção em ritmo superior ao aumento da capacidade de consumo + especulação financeira, provocada pela enorme valorização das ações de muitas empresas no período da euforia econômica, pós 1a Guerra Mundial. Política keynesiana: interferência do Estado na economia com o objetivo de evitar crises, através do controle de câmbio para estimular as exportações e da baixa das taxas de juros para facilitar os investimentos produtivos.
  • 16. CONTEXTOCONTEXTO CAPITALISTA DE PRODUÇÃOCAPITALISTA DE PRODUÇÃO (Política do “New Deal”) Keynesianismo (Política do “Laissez – faire”) Liberalismo X
  • 17. Influência noInfluência no BrasilBrasil Governo de Juscelino Kubtschek (1956/1961): Plano de Metas Petrobrás Governo de Getúlio Vargas: (1930/1945) e (1950 /1954) CSN (1942)
  • 18. Incorporação da classe trabalhadora ao mercado consumidor. Países da Europa Ocidental: “Welfare State” (Estado do Bem-Estar Social”). Modelo fordista – keynesiano: crescimento contínuo das economias capitalista pós-guerra, principalmente nos países desenvolvidos. Influência noInfluência no BrasilBrasil
  • 19. Sene, Eustáquio e Moreira, João Carlos  "Geografia -Espaço geográfico e globalização" - pág. 21 - Ed. Scipione - 2000 * Crescimento econômico
  • 20. D é c a d aD é c a d a d ed e 7 07 0
  • 21. Crise do modeloCrise do modelo fordista-keynesiano:fordista-keynesiano: Produtividade insuficiente para atender pressão dos sindicatos por aumento salarial. Elevação dos custos sociais. Inflação e déficit público Crise do petróleo Revolução técnico- científica Sene, Eustáquio e Moreira, João Carlos  "Geografia para o Ensino Médio" - pág. 293 - Ed. Scipione - 2002
  • 22. Ronald Reagan (1981/88) Neoliberalismo eNeoliberalismo e ToyotismoToyotismo (Flexibilização)(Flexibilização) Margaret Thatcher (1979/90)
  • 23.
  • 24. RevoluçãoRevolução TecnocientíficaTecnocientífica Década de 70: Estados Unidos, Europa Ocidental e Japão. Destaque das empresas no desenvolvimento econômico e tecnológico – Alta competitividade – Investimentos Imateriais – P&D (Pesquisa e Desenvolvimento): informática, robótica, telecomunicações e biotecnologia. “Economia do saber”.
  • 25. Magnoli, Demétrio e Araujo, Regina - "Projeto de Ensino de Geografia" - Pág. 109 - Ed. Moderna - 2000
  • 26. A General Motors, a maiorA General Motors, a maior indústria automobilística doindústria automobilística do mundo, conhecida por produzirmundo, conhecida por produzir automóveis e caminhões, mais aautomóveis e caminhões, mais a sua subsidiária Hughes Space andsua subsidiária Hughes Space and Communication, produz satélites eCommunication, produz satélites e outros equipamentos deoutros equipamentos de comunicações de uso militar paracomunicações de uso militar para o departamento de defesa doso departamento de defesa dos EUA. Na ilustração, satéliteEUA. Na ilustração, satélite utilizado para emissão de sinais deutilizado para emissão de sinais de televisão por assinatura.televisão por assinatura. Sene, Eustáquio e Moreira, João Carlos  "Geografia para o Ensino Médio" - págs. 278 e 280 - Ed. Scipione - 2002
  • 27. Para o desenvolvimento de um simples aparelho de barbear, lançado em 2000, uma multinacional norte americana investiu um bilhão de dólares no projeto, fabricação e estratégia de marketing. O projeto levou seis anos para ficar pronto, e foi desenvolvido por 500 engenheiros. Foram registrados 35 patentes nos EUA, desde a lâmina de carbono até a tarja azul no alto do cartucho, que, ao ficar branca, indica a necessidade de troca (foto de 2001). Sene, Eustáquio e Moreira, João Carlos  "Geografia para o Ensino Médio" - págs. 278 e 280 - Ed. Scipione - 2002
  • 28. Revolução InformacionalRevolução Informacional dodo Espaço GeográficoEspaço Geográfico O meio técnico-científico-informacionalO meio técnico-científico-informacional Meio natural (até séc. XVIII) Meio técnico (eclosão da Rev. Industrial) Meio técnico-científico – informacional (3a Rev. Industrial – economias pós-industriais).
  • 29. Revolução InformacionalRevolução Informacional do Espaço Geográficodo Espaço Geográfico •Antenas parabólicas e de telefonia celular, cabos de fibra óptica, redes de computadores. •Alimentos transgênicos e animais clonados. •Fábricas robotizadas, prédios comerciais e residenciais inteligentes, bolsas de valores eletrônicas.
  • 30. Meio técnico-científico-informacional funciona como um sistema: cidade e campo através da incorporação da agricultura, indústria e serviços. Base da globalização: aceleração dos fluxos da economia informacional e crescente interdependência dos vários lugares do mundo.
  • 31. Desenvolvimento daDesenvolvimento da economia informacional eeconomia informacional e da globalização e a novada globalização e a nova DIT, segundo ManuelDIT, segundo Manuel Castells, sociólogoCastells, sociólogo espanhol:espanhol:
  • 32. •Produtores de alto valor com base no trabalho informacional. •Produtores de grande volume baseado no trabalho de mais baixo custo. • Produtores de matérias-primas. •Produtores redundantes, reduzidos ao trabalho desvalorizado.
  • 33. JOSÉ ALAN DIAS (Folha de São Paulo)JOSÉ ALAN DIAS (Folha de São Paulo) No lançamento de campanha mundial a, favor do "comércio justo", a ONG (Organização Não Governamental) britânica Oxfam divulgou um documento em que relaciona os custos para os países pobres das restrições comerciais adotadas pelas nações ricas. De cada US$ 1 dólar oferecido em ajudas as nações ricas aos paises em desenvolvimento, outros US$ 2 são “roubados” por essas mesmas nações, segundo a ONG, ao imporem restrições de acessos a seus mercados, via protecionismo e uso de subsídios. Essas restrições comerciais custam aos países pobres e em desenvolvimento US$100bilhóes ao ano. - “... em sua retórica, os países ricos insistem no compromisso de redução da pobreza, mas esses mesmos países usam uma política comercial que não é mais que um roubo contra os pobres", diz o relatório, de 320 páginas. Região mais miserável do planeta, a África subsaariana perde US$ 2 bilhões. Outros países, como a Índia e China, US$ 3 bilhões cada. Na América Latina, as perdas somam US$ 30 bilhões. As estimativas da Oxfam e da Cepal apontam perda de US$ 3 bilhões a US$ 4 bilhões para o Brasil. Fundada em 1942, para ajudar vítimas na Segunda Guerra, a ONG, hoje dedicada ao combate à pobreza, mantém escritórios em 15 paises, incluído o Brasil e trabalha com orçamento anual de cerca de US$I50 milhões.
  • 34. -Segundo o documento, elaborado a partir de estatísticas de OMC (Organização Mundial do Comércio), FMI (Fundo Monetário Internacional) e Banco Mundial, de.cada US$1 gerado pelas exportações no mundo, os países pobres e /ou desenvolvimento respondem por US$ 0,03. A Oxfam sustenta que, se o Terceiro mundo aumentasse em 5% sua participação nas exportações mundiais 128 milhões de pessoas na América Latina, África e Ásia da sairiam da linha de pobreza - significativa colocar mais US$ 350 bilhões nas economias dessas regiões. Ontem, a ONG promoveu o lançamento em 18 países da campanha "Comércio com Justiça", em favor de modificações nas práticas de comércio mundial. A partir de um modelo em que são considerados dez parâmetros de políticas comerciais (entre elas, tarifas médias em 'setores em que os países mais pobres são competitivos, como agricultura e têxteis), a ONG classificou os quatro mercados mais protecionistas do mundo.Pela ordem, são união Européia, EUA, Canadá e Japão. A Oxfam se posicionou contra a política de "abertura forçada" dos mercados dos países pobres, que seriam praticadas com o estímulo do FMI e do Banco Mundial.
  • 35. Folha de São Paulo 22/03/2002
  • 36. Tecnopólos e oTecnopólos e o Capitalismo da TerceiraCapitalismo da Terceira Revolução IndustrialRevolução Industrial Pontos de interconexão dos fluxos mundiais do conhecimento e informações interligados por uma densa rede de telecomunicações e computadores. Centros irradiadores das inovações tecnológicas.
  • 37. Sene, Eustáquio e Moreira, João Carlos - “Geografia para o Ensino Médio” - Pág. 312 - Ed. Scipione - 2002
  • 38. Sene, Eustáquio e Moreira, João Carlos - “Geografia para o Ensino Médio” - Pág. 315 - Ed. Scipione - 2002
  • 39. Magnoli, Demétrio e Araujo, Regina - “Projeto de Ensino de Geografia” - Pág. 220 - Ed. Moderna - 2000
  • 40. TECNOPÓLOS BRASILEIROSTECNOPÓLOS BRASILEIROS •Final da década de 90 com a abertura da economia  grande fluxo de investimentos estrangeiros no país: empresas de telecomunicações e de informática.
  • 41. CAMPINAS (S.P.)CAMPINAS (S.P.) •Universidade de Campinas (UNICAMP), Pontifícia Universidade Católica de Campinas (Puccamp) e a Fundação Centro Tecnológico para a Informática (CTI)  Nortel, IBM, Motorola, Compaq. SÃO JOSÉ DOS CAMPOSSÃO JOSÉ DOS CAMPOS (S.P.)(S.P.) •Centro Tecnológico da Aeronáutica (CTA) e o Instituto Tecnológico da Aeronáutica (ITA), ligados ao Ministério da Aeronáutica  Embraer (criada em 1960 e privatizada em 1990). Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), do Ministério de Ciência e Tecnologia e o programa de produção e lançamento de satélites: CBERS1 (Satélite Sino-Brasileiro de Recursos Terrestres).
  • 42. CIDADES GLOBAISCIDADES GLOBAIS • Referências definidoras: poder econômico e infra-estrutura  capacidade de polarização dos fluxos das redes mundiais. • Inventário da GaWC (Globalização and World Cities Study and Networks): 55 cidades globais com 3 níveis (alfa, beta e gama), de acordo com seu poder de polarização na economia global. Pontuação máxima: 12 pontos (Nova Iorque, Tóquio, Londres e Paris). São Paulo (pontuação 8).
  • 43. Sene, Eustáquio e Moreira, João Carlos - “Geografia para o Ensino Médio” - Pág. 103 - Ed. Scipione - 2002
  • 44. Sene, Eustáquio e Moreira, João Carlos - “Geografia para o Ensino Médio” - Pág. 307 - Ed. Scipione - 2002
  • 45. Sene, Eustáquio e Moreira, João Carlos - “Geografia para o Ensino Médio” - Pág. 307 - Ed. Scipione - 2002
  • 46. Sene, Eustáquio e Moreira, João Carlos - “Geografia para o Ensino Médio” - Pág. 309 - Ed. Scipione - 2002
  • 47. A revolução tecnológica, o espaço geográfico e o mundo do trabalho, insere-se no contexto da “era da informação”. Assim, uma das mais importantes fontes de poder que os Estados Unidos detêm é o controle da produção e difusão das informações, já que a maioria das informações geradas no mundo é controlada por esse país, e o inglês é a língua dominante no planeta. São norte-americanas algumas das principais agências de notícias (observe o mapa da próxima página) e redes de televisão, assim como também os principais sistemas de satélites de informação e de levantamento de dados.
  • 48. A Associat Press (AP), sediada em Nova York, é a maior agencia de notícias do mundo. Sene, Eustáquio e Moreira, João Carlos - “Geografia para o Ensino Médio” - Pág. 251 - Ed. Scipione - 2002
  • 49.
  • 50. BIBLIOGRAFIA:  -Araújo, Regina e Demétrio Magnoli - "Projeto de Ensino de Geografia" - Ed. Moderna - São Paulo -Míriam e Míriam – “Geografia – Globalização Econômica” - Coleção Nova Geração – Ed. Nova Geração –1999 –São Paulo. -Sene e Moreira - "Geografia para o Ensino Médio e Geografia Geral e do Brasil" - Ed. Scipione - São Paulo -Sene, Eustáquio de e João Carlos Moreira- “Geografia- Espaço geográfico e globalização”- Ed. Scipione-1999 – São Paulo. -Material selecionado e desenvolvido por Nieta Coelho