Comissionamento de Subestacoes

7.685 visualizações

Publicada em

Palestra ministrada no CINASUBE - SET - 2012

0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
7.685
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
578
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Comissionamento de Subestacoes

  1. 1. Marcelo Rodrigues SoaresComissionamento e Start-up de Subestações
  2. 2. Sumário:Comissionamento?Normas ou Procedimentos?Quais são as necessidades básicas?Pessoas: o “Site Manager”.Ensaio específico de comissionamento – relé diferencial.Energização de Subestações: mais planejamento, mais segurança commenos trabalho.É o final? E o Treinamento e o manual de Operação? ...pessoas de novo...
  3. 3. Comissionamento:É o processo de assegurar que os sistema e componentesde uma instalação industrial estejam projetados,instalados, testados, operados e mantidos de acordo comas necessidades e requisitos operacionais do cliente.
  4. 4. Porquê ele é necessário? Projeto básico é deficiente (“Turn-key”); Versões do projeto de detalhamento não chegam à obra; O projetista “não comparece” na obra; O executante não é o responsável pela „entrega‟ da obra; As soluções são dadas somente no Comissionamento.
  5. 5. Criação de normas e procedimentos: Critérios Construtivos de Subestações; Filosofias de Proteção e Intertravamentos; Orientação Técnica para o “Site Manager”; “Norma” de Comissionamento de Subestações; Procedimentos de Energização em SE s; Checklist – Comissionamento e Energização; Critérios para Confecção de Manual Operativo.
  6. 6. Critérios Construtivos de Subestações Projeto Civil, Eletromecânico e Elétrico (incluso seletividade) Procedimentos relativos ao canteiro de obras; (NR18) Drenagem, caixa separadora água/óleo; Canaletas, galvanização a quente dos eletrodutos; Montagem dos equipamentos / lista de materiais.
  7. 7. Filosofias de Proteção e Intertravamentos “Filosofias padrão”; (por equipamento) Filosofias do painel de proteção e relés digitais; Orientações Técnicas na execução do Estudo de CC e Seletividade. Condições especiais para Autoprodutor; Condições especiais para paralelismo de linha AT; Condições especiais para atendimento da concessionária local. FAT
  8. 8. Conjunto de manobra para circuito de corrente contínua no painel de serviços auxiliares
  9. 9. Orientação Técnica para o “Site Manager” Critérios de Acompanhamento; (pré-análise obra) Avaliação das condições de segurança da obra; Cronograma da Obra e seu acompanhamento Fases da Obra: 1 - civil;2 - eletromecânica;3 - montagem elétrica;4 - comissionamento;5 - relatórios / proced. de energização
  10. 10. INSTALAÇÃO DE CABOS ISOLADOS MT:Arranjo corretoRST – RST – RSTIncorretoRRR – SSS – TTTEXEMPLO: ARRANJO DE TRÊS CABOS POR FASE EM DUTO
  11. 11. Norma de Comissionamento de Subestações Conhecer as filosofias de proteção e intertravamento; “Pré-comissionamento:” Documentos Lista de desenhos; (Unifilares, lista de cabos, etc.) Projetos: Ex.: Malha de Aterramentos, SPDA, Seletividade. “Parametrização dos relés digitais” Comissionamento da Infraestrutura; Malha de aterramento
  12. 12. Norma de Comissionamento de Subestações Comissionamentos dos equipamentos da SE:Ensaios comuns; Conferência da fiação, resistência isolamento, torqueamento;. Identificação, enrolamentos TCs não utilizados, termostatos; Calafetação da tubulação, efetuar cópia das alterações efetuadas. Ensaios Específicos por equipamento: Retificador – operacionalidade e atuação dos alarmes (fuga à terra,baixa tensão CC, operação da UDQ, etc.; Cabos MT – Hi-pot (CA) Operação comutador sob carga, operação densímetro do DisjuntorAT, atuação do „trip-capacitivo‟.
  13. 13. Norma de Comissionamento de Subestações Sistema de medição: carga imposta e queda detensão. (padrão cliente livre) Seccionador AT: Ajuste dos contatos “adiantados”; Sistema de Proteção: Software de parametrização atualizado; Execução de lógica de programação; “Cópia” dos parâmetros de proteção originados no estudo deCC e Seletividade
  14. 14. Comissionamento: ensaio especial de CC em campo:Transformador de potência e relés de proteção diferenciais Desligamentos intempestivos ocorrem depois daenergização e em operação; (produção) Relés diferenciais são de comissionamentodifícil, devido ao arranjo dos TC s de proteçãonos lados AT / MT; Muitas variáveis “em jogo”.
  15. 15. 3θ≈~440Vca /200kVA
  16. 16. Leitura “on line” do relé diferencial RET 615.
  17. 17. Leitura “on line” do relé diferencial RET 615.
  18. 18. Finalização: Checklist – Comissionamento Execução de Checklist  (anexo da Norma); Execução de relatório de serviços; Emissão do “Termo de Conclusão decomissionamento e liberação da energização”. Backup do software (Sistema supervisório e relés de proteção)
  19. 19. Procedimentos de Energização em SE s Procedimento, contendo pelo menos: Premissas de energização:Migração de classe de tensão? (A4A2)Verificação da seqüência de fase da instalação existente; Planejamento da migração com a distribuidora local; “Liberação Comercial” da migração e os termos acordados; Programação com o “CO” da manobra para energização daSE; Programação da equipe de medição da distribuidora; ...23 itens...
  20. 20. Procedimentos de Energização em SE sFASE 01: Checklist dos preparativos de energização no dia programado: ...16 itens...FASE 02: Liberação do “CO”, abertura de OS; Bloqueio do religamento da LT; Energização da “entrada”; Energização do transformador; Energização dos cubículos MT; Energização do TSA e PSA;
  21. 21. Procedimentos de Energização em SE sFASE 03: Testes das linhas; Teste da TAL Teste do paralelismo momentâneo (ANEL)FASE 04: Posta em carga; Verificação da regulação Verificação dos relés de proteção (em especial ANSI 87 - “Iop e Irt” ) Repetir transferência em ANEL Finalização da OS, liberação de produção (termo de liberação) Programação da análise de óleo do Transformador de Potência (24h) Lista de pendências finais.
  22. 22. Critérios para Confecção de Manual OperativoO Manual e o Treinamento deve estar pronto erealizado “ANTES” da energização. O manual deve atender também os requisitos do acordooperativo da distribuidora local; Identificação dos equipamentos, incluindo os „tags‟informados pela distribuidora; Descrição dos intertravamentos; Sistema de Proteção e sistema Supervisório; Descrição (e explicação) dos alarmes existentes. Manutenção e Segurança;
  23. 23. Marcelo Rodrigues Soaresmarcelo.rosoares@gmail.comhttp://www.passopadrao.com.brOBRIGADO

×