Português, 10º Ano Prof. António Alves
	
  
Conto de autor – Teste de Avaliação Formativa
1.	
  Procede	
  à	
  leitura	
 ...
 
2.	
  Classifica	
  o	
  narrador	
  quanto	
  à	
  sua	
  presença	
  ou	
  participação	
  na	
  ação	
  narrada.	
  	...
 
13.	
  Indica	
  o	
  tempo	
  e	
  o	
  modo	
  das	
  formas	
  verbais	
  abaixo	
  apresentadas.	
  	
  
a)	
  "Tinh...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Conto autor teste aval.formativa1 (blog10 13-14)

383 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
383
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
13
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Conto autor teste aval.formativa1 (blog10 13-14)

  1. 1. Português, 10º Ano Prof. António Alves   Conto de autor – Teste de Avaliação Formativa 1.  Procede  à  leitura  cuidada  e  atenta  do  texto.               5           10           15           20           25           30         Tinham  subido  juntos  uma  encosta  íngreme  e  pedregosa.  Fora  o  momento  mais  belo,  de   mãos  nas  mãos,  descobrindo,  subindo,  apesar  de  tudo,  subindo.  Mas,  pouco  a  pouco  -­‐  a  encosta   era  demasiado  íngreme  -­‐,  o  fôlego  faltava.  Muito  antes  do  cume,  já  desciam  sem  dar  por  isso.  Em   breve,  fingindo  que  não  davam  por  isso.  Cada  um  escapava-­‐se  por  aqui  e  por  ali,  agarrado  ao   primeiro  arbusto,  quando  não,  de  gatas,  à  vegetação  rasteira,  evitando  a  queda  a  todo  o  custo,  e   transformando,  cada  vez  mais,  esse  evitar  da  queda  no  objectivo  exclusivo  do  que  só  no  nome   continuava   a   ser   uma   escalada.   Até   a   Mariana   ..   Tinha-­‐lhe   agradado   tanto   no   princípio,   a   Mariana...   A   testa   alta,   o   nariz   quase   recto,   os   olhos   transparentes,   os   dentes   muito   certos   brilhando  no  sorriso  discreto  que,  de  onde  em  onde,  iluminava  a  sua  expressão  habitualmente   séria,  inteligente,  convicta...  Raramente  desconhecia  uma  obra  ou  um  facto  de  que  se  falasse.   Dizia   que   sim   com   a   cabeça   ou   insinuava,   com   um   simples   mover   dos   lábios,   qualquer   discordância  que  não  valia  a  pena  discutir  na  altura.     Os  conhecimentos  e  a  experiência  de  Mariana,  aquela  capacidade  de  julgar  e  de  impor  o   seu   juízo,   espontaneamente,   quase   sem   palavras,   junta   a   tanta   beleza   e   frescura   juvenil,   deslumbravam-­‐no.   Depois   viera   a   história   do   baile   da   escola   e   a   admiração   sumira-­‐se.   Num   grupinho  de  amigos  mais  chegados,  que  só  suportavam  o  baile  por  ser  um  processo  cómodo  e   rendoso  de  angariar  fundos,  ouvira-­‐a  dizer  sobre  um  caso  passado  com  dois  outros  amigos  que   não   estavam   presentes:   "Não   foi   bem   assim,   eu   estava   lá...   "   E   isso   passara-­‐se   -­‐   ele   tinha   a   certeza   -­‐   num   dia   em   que   ela   saíra   de   Lisboa.   Logo   a   seguir,   discutia-­‐se   um   livro   e   ouviu-­‐a   proferir,  com  certa  sobranceria,  um  juízo  definitivo  que  calou  toda  a  gente.  E  tratava-­‐se  dum   livro  de  que  ele  próprio  lhe  falara  horas  antes,  depois  de  ela  confessar  que  não  conhecia  o  autor.   Por  acaso,  naturalmente...  Toda  aquela  superioridade  que  o  fascinava  se  reduzia  afinal  a  uma   habilidade  prodigiosa  para  mentir.  Sentira-­‐se  logrado,  desinteressara-­‐se,  deixara  de  ver  motivo   para  continuar  a  opor-­‐se  ao  cerco  sentimental  que  o  Júlio  lhe  fazia.  Talvez  estivessem  muito  bem   um  para  o  outro.  Júlio  daria,  aliás,  um  bom  marido,  que  era  o  que  ela,  no  fim  de  contas,  merecia.   A  solicitude  de  que  Cercava  todos,  a  tendência  para  apagar-­‐se,  a  mediocridade  sem  remédio,   mas  não  por  de  mais  evidente,  haviam  de  garantir-­‐lhe,  mais  tarde  ou  mais  cedo,  aquilo  a  que  se   chama  uma  boa  situação.  E  todos  esses  predicados  conviriam  muito  bem  a  uma  rapariga  como   Mariana,  que  o  dominaria  sem  dificuldade,  com  aquele  arzinho  de  quem  nasceu  para  ajudar  os   outros.   Com   o   Eurico,   Mariana   correria   o   risco   de   vir   a   revelar   os   seus   limites.   Eurico   era   inteligente.  Levaria  algum  tempo,  mas  acabaria  por  conhecê-­‐la  toda,  dissecá-­‐la,  esvaziá-­‐la.  Seria   um  fracasso.  Com  Júlio,  não.  Nunca  ele  chegaria  a  compreendê-­‐la,  nem  lhe  daria  ocasião  para   desconfiar   de   si   mesma.   Casamento   estável,   alguns   filhos,   recordações   comuns   da   mocidade.   Felicidade,  enfim.     DIONÍSIO,  Mário,  1977.  "Entre  Cafés  e  Pensamentos",     in  O  Dia  Cinzento  e  Outros  Contos.  Mem  Martins;  Europa-­‐América        
  2. 2.   2.  Classifica  o  narrador  quanto  à  sua  presença  ou  participação  na  ação  narrada.     2.1.  Transcreve  duas  expressões  que  comprovem  a  tua  afirmação.     3.  Enumera  as  personagens  intervenientes  na  ação.     4.   Caracteriza   o   mais   completamente   possível   Mariana,   apresentando   palavras   e/ou   expressões   que   confirmem  as  tuas  afirmações.         4.1.  Menciona  os  processos  de  caracterização  de  que  te  serviste  na  resposta  à  questão  anterior,   justificando  devidamente  a  tua  resposta.     5.  Comenta  a  expressividade  do  uso  das  reticências  no  primeiro  parágrafo  do  texto.     6.  Explica  por  palavras  tuas  a  frase  "Toda  aquela  superioridade  que  o  fascinava  se  reduzia  afinal  a  uma   habilidade  prodigiosa  para  mentir."  (ll.  22-­‐23).     7. Após  a  descoberta  do  verdadeiro  âmago  de  Mariana,  o  narrador  considera  a  hipótese  de  uma  relação   feliz  com  outra  personagem.     7.1.  Identifica  essa  personagem.     7.2.  Explica  o  que  o  levava  a  crer  que  essa  relação  seria  possível.     8. O   narrador   equaciona   ainda   a   hipótese   de   Mariana   estabelecer   uma   relação   amorosa   com   outra   personagem.     8.1.  Menciona-­‐a.     8.2.  Compara-­‐a  com  Júlio.     9. Explica  o  que,  na  perspectiva  do  narrador,  garantia  o  sucesso  de  uma  eventual  relação  entre  Mariana  e   Júlio.     10.  Atribui  um  título  ao  texto,  apresentando  as  razões  da  tua  escolha.     11.  Faz  corresponder  a  cada  nome  apresentado  os  adjetivos  equivalentes.   a.  “chuva”     b.  "mãos"       c.  "nariz"       d.  "cabeça"     e.  "experiência”     f.  "habilidade"     4. Relê  as  seguintes  expressões:     a)"a  encosta  era  demasiado  íngreme"(I.  3)     b) "Tinha-­‐lhe  agradado  tanto  no  princípio"  (l.  7)     c) "Raramente  desconhecia  uma  obra"  (l.  10)     d) "Casamento  estável"  (I.  33)       12.1.  Reescreve  a  expressão  a.  substituindo  a  palavra  sublinhada  por  um  sinónimo.     12.2.  Reescreve  a  expressão  b.  substituindo  a  palavra  sublinhada  por  um  antónimo.     12.3.  Reescreve  a  expressão  c.  substituindo  a  palavra  sublinhada  por  um  hipónimo.   12.4.  Reescreve  a  expressão  d.  substituindo  a  palavra  sublinhada  pelo  respectivo  hiperónimo.      
  3. 3.   13.  Indica  o  tempo  e  o  modo  das  formas  verbais  abaixo  apresentadas.     a)  "Tinham  subido"  (I.  1)    b)  "Fora"  (I.  1)       c)  "era"  (I.  3).     d)  "angariar"  (I.  17)     e)    "estivessem"  (I.  24)       f)  "conviriam"  (I.  28)     14.  Relê  os  excertos  seguintes.     a)  "de  mãos  nas  mãos,  descobrindo"(I.  2);     b)  "Em  breve,  fingindo  que  não  davam  por  isso"  (I.  4);     c)  "os  dentes  muito  certos  brilhando  no  sorriso  discreto"  (l.9);     d)  "a  admiração  sumira-­‐se"  (ll.15);     e)  "depois  de  elo  confessar  que  não  conhecia  o  autor"  (l.21);     f)  "E  todos  esses  predicados  conviriam  muito  bem  a  uma  rapariga  como  Mariana"  (ll.28-­‐29);     g)  "acabaria  por  conhecê-­‐la  toda,  dissecá-­‐la,  esvaziá-­‐la"  (ll.31)     14.1.  Completa  o  quadro  seguinte  a  partir  dos  verbos  sublinhados  em  cada  alínea,  de  acordo  com  o   exemplo:  "apesar  de  tudo,  subindo"(I.  2)       Verbo   Nome   Adjetivo   Ex.   subir   subida   subido   a.         b.         c.         d.         e.         f.         g.           15.  Estabelece  as  correspondências  entre  as  frases  complexas  da  coluna  A  e  a  classificação  das  orações   que  as  constituem  da  coluna  B.             A             B   a)   "Raramente   desconhecia   uma   obra   ou   um   facto  de  que  sefalasse."  (l.10)       1.  Oração  subordinante,  oração  subordinada   adjectiva   relativa   explicativa   e   oração   subordinada   adverbial   final   não   finita   infinitiva   b)  "Depois  viera  o  história  do  baile  da  escola  e   a  admiração  sumira-­‐se."  (l.15)       2.   Oração  coordenada  e  oração  coordenada   copulativa   c)  "Toda  aquela  superioridade  que  o  fascinava   se  reduzia  afinal  a  uma  habilidade  prodigiosa   para  mentir."  (ll.22-­‐23)     3.   Oração   subordinante   e   oração   subordinada   adverbial   final   não   finita   infinitiva   d)   "Nunca   ele   (   ..   .)   lhe   daria   ocasião   para   desconfiar  de  si  mesma."  (ll.32-­‐33)     4.   Oração   subordinante   e   oração   subordinada  adiect.va  relativa  explicativa.     16.  Transcreve  todos  os  nomes  próprios  presentes  no  último  parágrafo.       Retirado  de  Expressões  -­‐  Português,  10º  Ano,  Porto  Editora  (com  alterações)  

×