Feliz Ano Novo
• Narrador-protagonista                                     Visão parcial da                                     realidade...
• Assassinos são quase sempre perversos e frios, ricos oupobres;
Feliz Ano Novo• Narrador-protagonista com visão parcial;• O narrador possui formação escolar;• Ressentimento social contra...
• Não existe remorso ou culpa;“Voltei para o quarto, empurrei a gordinha para o chão,arrumei a colcha de cetim da cama com...
Corações Solitários• Narrador-protagonista                                   Homens com pseudônimos• Essência X Aparência ...
• Pretensões Literárias do narrador – Dr. Nathanael Lessa               Miss Corações Solitários,    Ivan Lessa, cronista ...
Passeio Noturno I e II • Narrador-protagonista                             É rico                           “(...) mas ao ...
• Final do conto – “Vou dormir, boa noite para todos,respondi, amanhã vou ter um dia terrível na companhia.”• Sua sociopat...
Abril, no Rio, em 1970• Narrador protagonista           Ambiciona um dia ser da                                  seleção b...
• Solidão do indivíduo nas grande cidades       Opressão pelo isolamento           Ligações sentimentais                  ...
Botando pra Quebrar• Narrador-protagonista           Ex-presidiário que não                                  consegue empr...
• A violência no final é justificada pelo ressentimento sociale pelo acúmulo de desgraças do personagem:“Foi entrando gent...
Nau Catrineta                                       Sua tia o acorda• Narrador-protagonista                declamando “Nau...
Dia dos Namorados                 Por ter sido feito pelo Mandrake                                         Relato do que a...
• Mandrake                       Resolve a extorsão e outros                                 problemas da lei, mas não    ...
74 degraus                           Inclusive no pensamento                                     Multiplicidade de pontos ...
Intestino Grosso• Narração em 1ª pessoa por um repórter;• Estrutura: entrevista realizada com um escritor.• “Profissão de ...
Histórias pornográficas             X        Contos de fadas “É uma história indecente, desonesta, vergonhosa, obscena, de...
“Há pessoas que aceitam a pornografia em toda parte, até, ou principalmente, na sua vida particular, menos na arte, acredi...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Feliz ano novo

699 visualizações

Publicada em

Aula de Literatura do PVA - Profa. Elisa

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
699
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
23
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
10
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Feliz ano novo

  1. 1. Feliz Ano Novo
  2. 2. • Narrador-protagonista Visão parcial da realidade em que está inseridoAcusações contra a obra do Rubem Justificativas falsas eFonseca: falta de profundidade irracionais para ospsicológica seus atos brutais• Quanto mais desigual uma sociedade é, mais repressão ecódigos linguísticos restritivos ela terá; Cada personagem se Clivagem expressa de acordo com a sua classe social
  3. 3. • Assassinos são quase sempre perversos e frios, ricos oupobres;
  4. 4. Feliz Ano Novo• Narrador-protagonista com visão parcial;• O narrador possui formação escolar;• Ressentimento social contra os ricos;“Filha da puta. As bebidas, as comidas, as jóias, o dinheiro,tudo aquilo para eles era migalha. Tinham muito mais nobanco. Para eles nós não passávamos de três moscas noaçucareiro.”• Sem investigação interior dos personagens;• Amoralismo dos bandidos;“Tinha um anel que não saía. Com nojo, molhei de saliva odedo da velha, mas mesmo assim o anel não saía. Fiquei putoe dei uma dentada, arrancando o dedo dela. Enfiei tudodentro de uma fronha.”
  5. 5. • Não existe remorso ou culpa;“Voltei para o quarto, empurrei a gordinha para o chão,arrumei a colcha de cetim da cama com cuidado, elaficou lisinha, brilhando. Tirei as calças e caguei em cimada colcha.Foi um alívio, muito legal. Depois limpei o cuna colcha, botei as calças e desci.”• Urgência em atender os prazeres imediatos;“O fumo acabou. A cachaça também. Começou a chover.Lá se foi a tua farofa, disse Pereba. Que casa? Você tem alguma em vista? Não, mas tá cheio de casa de rico por aí. A gentepuxa um carro e sai procurando.”• Sociedade patriarcal X Sociedade do consumo; Em declínio Em ascensão
  6. 6. Corações Solitários• Narrador-protagonista Homens com pseudônimos• Essência X Aparência femininos Narrador homenageia escritores consagrados Cartas são inventadas Feito para mulher da classe C, mas lido por homens da classe B Pedro Redgrave, homossexual, na verdade é o editor Peçanha• Homossexualismo reprimido de Peçanha“E soltou um suspiro que cortaria o coração de qualqueroutro que não fosse um ex-repórter de polícia.”
  7. 7. • Pretensões Literárias do narrador – Dr. Nathanael Lessa Miss Corações Solitários, Ivan Lessa, cronista de Nathanael West atual da BBC Brazil e do extinto Pasquim ParódiaFotonovela Clarice Simone Clarice Lispector Simone de Beauvoir, feminista e esposa de J. P. SartrePlágio de Sófoclese Tchékhov
  8. 8. Passeio Noturno I e II • Narrador-protagonista É rico “(...) mas ao ver os pára-choques salientes do meu carro, o reforço especial duplo de aço cromado, senti o coração bater apressado de euforia.” • Outros contos X Passeio NoturnoRessentimento Social Conflitos interiores “Você não pára de trabalhar, aposto que os teus sócios não trabalham nem a metade e ganham a mesma coisa, (...)”
  9. 9. • Final do conto – “Vou dormir, boa noite para todos,respondi, amanhã vou ter um dia terrível na companhia.”• Sua sociopatia é motivada pela atitude de indiferença daesposa e dos filhos“Meu filho me pediu dinheiro quando estávamos nocafezinho, minha filha me pediu dinheiro na hora do licor.Minha mulher nada pediu, nós tínhamos conta bancáriaconjunta.”• Metáfora da opressão das classes superiores pelasinferiores
  10. 10. Abril, no Rio, em 1970• Narrador protagonista Ambiciona um dia ser da seleção brasileira de futebol Apego a superstição Braguinha: cuspe “limpe, cristalino, transparente” É incapaz de se adaptar aos novos tempos (ascensão social) Outros contos Abril, no Rio, em 1970 Resultado da opressão Refúgio na ou sociopatia = violência interioridade
  11. 11. • Solidão do indivíduo nas grande cidades Opressão pelo isolamento Ligações sentimentais efêmeras Sem família • O valor do futebol Sonho financeiros, popularidade, mulheres bonitasascensão decepção Jovens de camadas inferiores
  12. 12. Botando pra Quebrar• Narrador-protagonista Ex-presidiário que não consegue emprego• Concisão na descrição depersonagens e cenários O protagonista nada faz Sua mulher lhe abandona e troca por outro“(...) e me deu vontade de Medo de ser presoquebrar a cara daquela filha da novamenteputa, mas ela tava certa e eudisse, você tá certa, e elaperguntou se eu não ia bater “Comecei a procurarnela e eu disse que não (...)” emprego, já topando o que desse e viesse, menos complicação com os homens, mas não tava fácil.”
  13. 13. • A violência no final é justificada pelo ressentimento sociale pelo acúmulo de desgraças do personagem:“Foi entrando gente, aquilo era uma mina, o mundo estavacheio de otários que engoliam qualquer porcaria desde queo preço fosse caro. Mas aquele caras para ter toda aquelagrana tinham que estar passando alguém para trás, vai verera aqui o otário fodido, às suas ordens, obrigado.”Única forma de resolver Desespero doo conflito: violência personagem Violência “justificada” “Aí eu me lembrei do dono da pela ordem do patrão casa, eu ia pra rua mesmo, puta merda, eu estava cansado de ser sacaneado (...)”
  14. 14. Nau Catrineta Sua tia o acorda• Narrador-protagonista declamando “Nau Catrineta”(aniversário de 20 anos) Relato frio da iniciação para ser o chefe da Lenda dos marinheiros família “quase antropofágicos” (violência privada)• Família de costumes estranhos e aristocráticos• Metáfora da opressão Família com pretensões aristocráticas (se alimenta com carne de uma mulher jovem) Classes dominantes oprimindo as inferiores
  15. 15. Dia dos Namorados Por ter sido feito pelo Mandrake Relato do que acontece • Conto em 1ª e 3ª Pessoa com J.J. Santos e Viveca Narração de Mandrake • Estrutura narrativa policial + realidade brasileira Detetive resolvendo a Extorsão, travestimento, questão imoralidade, etc. • Mandrake X Sherlock HomesMétodo da porrada (ações Método da deduçãoviolentas, herança danarrativa policial deRaymond Chandler)
  16. 16. • Mandrake Resolve a extorsão e outros problemas da lei, mas não tem culpa em ficar com o dinheiro e o carro de J.J SantosApesar de ser bruto eignorante, tem noções demoralidade e da realidadePor isso tem repulsa aos “Ela tinha todos os dentes.ricos e fica com o dinheiro do Abriu a boca e vi duasbanqueiro fileiras, em cima e embaixo. Coisas de rico.”
  17. 17. 74 degraus Inclusive no pensamento Multiplicidade de pontos de • Foco narrativo múltiplo vista • Estrutura em in media res • Dividido em 74 parágrafos Virginia Woolf, Júlio Cortázar, etc. 74 Degraus • Temática Sexual se faz presente para possibilidade de relação amorosa entre Tereza e Elisa Ideia de Ascensão do conto Noite na Violência Prazer perverso das Taverna, mulheres, que culmina Álvares de nos assassinatosDuplo Homicídio Azevedo
  18. 18. Intestino Grosso• Narração em 1ª pessoa por um repórter;• Estrutura: entrevista realizada com um escritor.• “Profissão de Fé” de Rubem Fonseca A importância da pornografia: “Uma sábia organização social deveria impedir que fossem reprimidos esses comunicativos caminhos de alívio vicário e de redução de tensão. As alternativas para a pornografia são a doença mental, a violência, a bomba.” “Ambas as palavras, puta e pariu, derivam do palavrão-chave, que é foder. É evidente que, no caso, as palavras estão tendo um efeito catártico, de alívio de tensões e pressões. (...) Nesses casos o uso de palavras proibidas é uma forma de contestação anti-repressiva.”
  19. 19. Histórias pornográficas X Contos de fadas “É uma história indecente, desonesta, vergonhosa, obscena, despudorada, suja e sórdida. No entanto está impressa em todas ou quase todas as principais línguas do universo e é tradicionalmente transmitida de pais para filhos como uma história edificante. Essas crianças, ladras, assassinas, com seus pais criminosos, não deviam poder entrar dentro da casa da gente, nem mesmo escondidas dentro de um livro. Essa é uma verdadeira história de sacanagem, no significado popular de sujeita que a palavra tem.” Reação do público diante da pornografia e do palavrão“Os seus livros são bem vendidos. Há tanta gente assiminteressada nesses marginais da sociedade? Uma amiga minha,outro dia, dizia não se interessar por histórias de pessoas que nãotêm sapatos.”“É um romance que tem flores, beleza, nobreza e dinheiro.Reconheça que isto é algo que todos almejamos obter.”
  20. 20. “Há pessoas que aceitam a pornografia em toda parte, até, ou principalmente, na sua vida particular, menos na arte, acreditando, como Horácio, que a arte deve ser dulce et utile. Ao atribuir à arte uma função moralizante, ou, no mínimo, entretenedora, essa gente acaba justificando o poder coativo da censura, exercido sob alegações de segurança ou bem-estar público.” Trecho referente à censura da ditadura militar Crítica à superficialidade da crítica literária da época“Os caras que editavam os livros, os suplementos literários, osjornais de letras. Eles queriam os negrinhos do pastoreio, osguaranis, os sertões da vida. Eu morava num edifício deapartamento via anúncio coloridos em gás néon e ouvia barulhode motores de automóveis.”

×