Ken robinson

99 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
99
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
21
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ken robinson

  1. 1. Ken Robinson A escola mata a criatividade? Todos temos algum tipo de talento. Alguns descobrem-no muito cedo e sabem que isso é o que querem gastar na sua vida. Outros acham que é por acaso, quando já estão envolvidos em algo mais ou são mais velhos. E muitos outros, infelizmente, não o descobrem nunca. O trabalho de Ken Robinson tem como objetivo incentivar as pessoas a encontrar os seus talentos e a ser mais feliz. Ricard Huguet disse numa conferência que algo deve falhar no sistema de ensino para que as crianças comecem a escola querendo ser astronautas e o terminem a querer ser funcionários. Alguma coisa assim deve ter pensado Ken Robinson ao levantar a questão agora famosa no título de uma de suas palestras no TED Talks, "as escolas matam a criatividade?" As crianças são curiosas, inquietas, originais e muito criativas. Sem medo de cometer erros, e apesar de errar não significar ser criativo, é verdade que, se não corre o risco de cometer erros, nunca será nada original.. Mas nas escolas (e locais de trabalho), o erro é estigmatizado. Há uma obsessão com a resposta correta e só devido à maior obsessão com a homogeneidade, a avaliação e os testes padronizados. Claro que tem de se ensinar o pensamento lógico-racional e corrigir erros, mas põe-se ênfase excessiva nisso e esquece-se o potenciar de outras habilidades. As crianças estão zumbindo com ideias. O que nos faz pensar que não somos mais criativos? Há características comuns a todos os sistemas de ensino, e a principal delas é a hierarquia de matérias como a matemática e as línguas na cabeça. Faz-se uma distinção entre as disciplinas úteis e as que não são - para que estudo a arte , se nunca viverei da pintura? - Isso ocorre porque os sistemas de ensino foram projetados no século XIX, com uma razão muito clara: para atender às necessidades da Revolução Industrial. A escola, na verdade, não é muito diferente de uma linha de fábrica ou montagem. Esse paradigma de produção já é passado, mas a educação continua presa a ele na mesma. Os empregadores alegam um perfil que não é o que é forjada durante a escolaridade. Quanto mais complexo o mundo se torna, mais precisamos ser criativos para atender aos seus desafios, mas a educação não produz pessoas flexíveis, criativas e auto-confiantes de que as empresas precisam desesperadamente. O problema subjacente a esta ideia é a concepção errada e reducionista da inteligência e da capacidade humana, o que deixa de fora aqueles que aprendem de forma diferente ou têm outras habilidades. Hoje sabemos que a inteligência e a criatividade são processos. Todos nascemos com ambos os recursos, a questão é desenvolvê-los. Robinson acredita que há uma relação direta entre criatividade e inteligência: "A forma mais elevada de inteligência é
  2. 2. pensar criativamente." "Você pode ser criativo em tudo o que envolve o uso de inteligência." Parafraseando Gardner, o autor observa que não se trata apenas de vários tipos de inteligência, mas de cada pessoa os usar de forma diferente. Assim, uma das suas principais linhas de pesquisa é o estudo da criatividade e como e por que as organizações tendem a reprimi-la. Para Robinson, descobrir os nossos talentos, o que gostamos de fazer e que é bom, é a chave para a felicidade e desenvolvimento pessoal. Isso ele chama de "elemento" título de um de seus trabalhos mais aclamados. Este livro contém muitas histórias de pessoas que como ele encontraram a sua vocação, o que o torna um elemento agradável e um texto inspirado. Portanto, se a escola enfatiza apenas alguns deles, aqueles que têm outras habilidades vão chegar à conclusão de que o seu talento é inútil. Para citar um exemplo, vamos discutir Gillian Lynne, menina inquieta e nervosa que não prestava atenção ou não entregava o trabalho de casa. Os professores pediram aos seus pais para a levarem a um especialista. Eles pensaram que tinha alguns déficits de aprendizagem. (Se isto tivesse acontecido hoje, ela provavelmente teria sido diagnosticado com TDAH e medicada. Felizmente, na década de 30 não tinha sido inventado este deficit). Enquanto o especialista falou a sós com os pais, Gillian ficou numa sala com o rádio ligado. Ao ouvir uma canção, a menina começou a mover-se segundo o ritmo. Quando o psicólogo observou o comportamento chegou à conclusão de que nada estava errado em Gillian. Era simplesmente uma dançarina. É recomendado que os pais a encaminhem para uma escola de dança. Eles assim fizeram, e foi maravilhoso. Ela destacou-se na dança e até melhorou na escola. Fez-se coreógrafa e tornou-se conhecida em todo o mundo de hoje como a autora de Cats e O Fantasma da Ópera. Robinson propõe a seguinte definição de criatividade: "o processo de ter ideias originais que têm valor" .Se é um processo , como funciona? Primeiro tem de se produzir novas ideias, imaginar diferentes possibilidades, considerar as opções e alternativas. Ou seja, as atividades de pesquisa. Então tem que se desenvolver essas ideias que está julgando, avaliando, quais são as mais eficazes ou parecem ter mais qualidade. O momento da avaliação requer julgamento, a reflexão e o pensamento crítico. A avaliação pode ser individual ou partilhada, imediata ou a longo prazo. Estes processos não envolvem uma ordem previsível, mas interagem uns com os outros. Embora, em geral, o trabalho criativo seja um delicado equilíbrio entre produzir ideias, avaliá-las e refiná-las. Outros elementos necessários para a criatividade são a memória e o contato com os outros: "A criatividade é obtida não apenas a partir dos nossos recursos pessoais, mas também do mundo mais amplo e das ideias e valores dos outros ."
  3. 3. 1. Todos temos potencial criativo 2. A Inovação é filha da imaginação . 3. Todos podemos aprender a ser mais criativos 4.A criatividade melhora com a diversidade. 5. À criatividade encanta a colaboração. 6. Criatividade exige tempo. 7. Culturas criativas são flexíveis. 8. As culturas criativas são inquietas . 9. As Culturas criativas precisam de espaços criativos. A criatividade tornou-se uma necessidade tão urgente que urge que a mudança educacional a anime e a incentive. "Para avançar, precisamos ter uma ideia completamente nova de inteligência, da capacidade e natureza da criatividade." "Para crescer precisamos de condições adequadas nas nossas escolas, empresas e comunidades , bem como em nossas vidas pessoais. Se as condições forem as adequadas as pessoas crescem em sinergia com as pessoas ao seu redor e os ambientes que as enformam (...) Alguns desenvolvimentos para o nosso desenvolvimento estão dentro de nós. Incluem a necessidade de desenvolver as nossas capacidades e as nossas paixões naturais únicas. Encontrá-las e incentivá-las é a maneira mais segura de garantir o nosso crescimento e a realização como indivíduos. "

×