O Educador-Novembro

248 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
248
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O Educador-Novembro

  1. 1. O Educador Casa da Criança e do Adolescente Cristina CavanisAno 01 - Edição 07 - Novembro- 2011 Distribuição Gratuita NovembroAdolescente Cidadão
  2. 2. O Educador QUEM SOU EU? Editorial Mais um ano está por terminar e muitos foram os assuntos tratados nesteinformativo: datas comemorativaspertinentes ao mês de referencia,atividades da instituição,entretenimento entre outros temasestão sempre em pauta. A matéria de Nomecapa desta edição do Educador trata Flávia Cristina Vieira Silvade um tema muito interessante e Idadepolêmico: a ética. Sempre 11 anosprocuramos valer deste informativo Profissãopara tratar assuntos relevantes Estudantepossibilitando ao leitor uma reflexão Comidacritica a cerca do cotidiano, da Torta de frangosociedade e do mundo no qual Timeestamos inseridos. Esperamos mais Flamengouma vez superar suas expectativas, Frasec a r o l e i t o r ! “Quem com ferro fere, com ferroPriscila Dias - Secretária Cristina será ferido”.”Cavanis Sonho Médica ou advogada Editorial-Quem sou eu?....................................................................................02 Agenda - Aconteceu...................................................................03índice Gude - Gude...................................................................................................04 Homenagem ao Educador.............................................................................05 Capa-Resgate da Infância................................................................06 Educação...................................................................................................07 Atualidade e Cultura...................................................................................08-09 Comunidade-Expediente, Passa Tempo, Sou Cavanis...............................10-12 Atendimento de Segunda a Sábado de 3:00 às 20:00 hs. Domingos e feriados PANIFICADORA & CONFEITARIA 7:00 às 12:00 hs. Wilson / Sandra Fone: (34) 3222-3269 Av. Dos Titos, 713 - B. Jardim Aurora - Uberlândia - MG2
  3. 3. O Educador AgendaANIVERSARIANTES-Novembro Conselheiro Tutelar - 18Andressa Valença - 01 O Conselho Tutelar é um órgão permanente e comLuan Peter - 06 autonomia, composto por cinco membros eleitosLucas Bhred - 06 pela comunidade local, para um mandato de trêsPedro Henrique - 09 anos. Sua criação foi prevista no Estatuto da CriançaMaria Luiza - 11 e do Adolescente (ECA). Seu objetivo é fazer valer,Bruno Vilano - 16 na prática, os princípios estabelecidos pelo ECA,Arthur Soares - 18 zelando pelo seu cumprimento .Eles atendemJhonathan Malveira - 20 crianças, adolescentes e suas famílias; requisitam eLucas Lenyn - 23 garantem a prestação de serviços públicos;Thainá Carneiro - 27 representam a autoridade judiciária e fiscalizam os **************************** órgãos governamentais e não-governamentais. EmACONTECEU*Missa do funcionários suma, atendem à criança e ao adolescente sempre*Dia do educador que seus direitos forem ameaçados ou violados - as*Dia das Crianças atribuições oficiais do Conselho Tutelar estão*Festa Casa do Comércio e EJC na previstas no artigo 133 do ECA.com. Rainha da Paz *************************************Doação de leite Poema Consciência Negra - 20*Passeio no Clube Sou a alma que ontem nasceu no mundo.*Doação de salgados - Eliane Sou filha da África,*Aquisição de armários para a Dos olhos de pérolas,cozinha Do sorriso de marfim,*Doação de pães - Vicentina Dos sons dos atabaques em noite de luar,*Concurso de desenhos - Real Da roda de capoeira,Motor Peças Do jongo ao maculelê.*Almoço musical Sou da raça que irradia perfume de alegria.*Dia das bruxas Sou semente da história humana,**************************** De vida apesar de tanta dor.PREMIAÇÃO Dos canaviais e senzalas,Concurso de desenhos “Feliz Das mãos calejadas, exploradas e injustiçadas.Aniversário”, Real Motor Peças Podem tirar a minha vida,premiou Tífany com uma bicicleta e Menos o direito de sonhar,Ana Jara Neres com um Aparelho de De ter esperança...som. De lutar por dignidade e respeito, Nem que seja em grito mudo, Clamando por igualdade e justiça, E de acreditar num amanhã melhor. Sarah Janaína Leibovitch 3
  4. 4. O Educador Educação “Gude-Gude” É fascinante a criança que gosta de brincar de bolinha de gude. Temalgo mais desconfortável do que ficar numa posição de cócoras durante muitotempo? Pois algumas, ao esquecerem-se do tempo, permanecem nesta posiçãoexternalizando uma tranquilidade invejável. Ainda, num sistema capitalistapelo qual somos treinados a sermos consumidores que aderem a qualquernovidade aparente descartando o que tínhamos o mais rápido e aderindo onovo, elas, as crianças, por sua vez, fazem de simples buracosmatematicamente medidos no chão batido juntamente com bolinhas, algumasdesenterradas no próprio lugar que residem, numa aventura que exigeconcentração, raciocínio, inter-relação, disputa, etc. Mas qual seria o magnetismo de tal brincadeira? O que ela possui deatraente? Deparamos aqui justamente com o contrário. Não é a brincadeira ou obrinquedo possuidores de suas regras e encantos, mas a própria criança queextrapola seus próprios limites pessoais e limites impostos externamente;capaz de retirar de dentro dela possibilidades que incansavelmentemanifestaremos: “como é bom ser criança”, que diante do outro se diminui; quesente o cheiro, a temperatura e se faz amigo da terra; onde quer que vá recolhede dentro de si a magia, o lúdico e externaliza em cores vivas o que adultosinsistem em obscurecerem, de um lado, o próprio mundo, e de outro, suacriança interior, deixando-a constantemente num buraco, como na brincadeira,sem permitir seu constante movimento e sua plena contribuição no mundo. Frei Márcio OFM Cap- Graduando em filosofia4
  5. 5. O Educador Cidadania Mídia e Subjetivação No período histórico espetacular, estético fetichista, em queestamos vivendo as relações humanas de alteridade e altruísmo estãofortemente marcadas pela plasticidade efêmera das pessoas cada vez maisautocentradas, que buscam perenemente o gozo pessoal, único eexclusivo influenciadas em grande parte pela mídia. O sujeito e suas relações com o espaço, com o mundo e com otempo atualmente são marcadas por modificações fundamentais, comdestaque a velocidade da informação e o avanço tecnológico. Acomunicação desempenha um papel central no movimento deglobalização, dela fazendo parte à disseminação da informação em redesde forma cada vez mais eficiente e eficaz. A mídia, com atuação destacada na comunicação nos dias dehoje, influência a vida política e social e as possibilidades de interferênciano processo de simbolização da cultura. Longe de considerar a mídiacomo a grande causadora de muitos dos males da humanidade e que, porisso, deve ser eliminada, defende-se a posição de que não só é impossívelcomo até desnecessária sua eliminação. Se a mídia, por um lado,desempenha inúmeras funções, entre as quais educativa, social, deutilidade pública, entretenimento, informação, por outro lado, ela acabanavegando por outras vias, que determina fortemente a seu critério aprodução de sentido e a disseminação dos imaginários cultural e social,elementos fundamentais na construção da opinião pública. Ahomogeneização e a cultura de massa, conceitos que podem ser consideradosultrapassados, sob a alegação de que o espectador tem pleno direito e inúmerasopções para uma escolha que o desobrigaria a submeter-se à manipulação daprodução midiática, atuam no vasto mercado de imagens que a mídia oferece, pelavia da fascinação e identificação, marcando a produção de subjetividades, como asque denominam sujeito de imagem. 5
  6. 6. O Educador Cidadania O sujeito, na tentativa neurótica de chegar ao sucesso, ancorada pela perspectiva do olhar do outro, atento e adestrado, usa-se das parafernálias tecnológicas para criar um estereótipo caiado, vazio e estridente, a fim de se fazer capturar e ser aprovado pelo olhar, que a partir da performance desempenhada no palco midiático determinará a possibilidade de sucesso ou a condenação ao fracasso do anonimato. É uma constante, neste mundo pós moderno, em que a velocidade da informação tudo modifica, com altivez ditatorial o permanecer em voga, pois se não há novidade, seja lá o que for, será substituído, suplantado por outro, por algo novo, que seja interessante e chame a atenção. A atenção é um das virtudes humanas que passou a custar caro, paga-se por ela um alto preço. Também caiu por terra, não há mais a perspectiva de internalizar as normas e descobrir de e dizer de si, o que diz e julga é o externo, o outro. O espetáculo, é o auge do clímax, a catarses expurgada e saboreada até a última gota, é proibido perder, pois o que vale é o aqui e agora, que tem começo e fim, presente perpétuo. Na linguagem espetacular a imagem é alimentada e nutrida, pelo sistema e sua ideologia psicológica que ultrapassa o sujeito e o torna objeto de si mesmo, o herói torna-se vilão, o vilão é aclamado. Na visão abolicionista do signo da diferença cria-se o fundamentalismo hiper individual, justificado pela ética utilitarista. Nesta relação predatória o outro é objeto de gozo, prazer e realização pessoal a qualquer preço, relação sem nome, sem endereço apenas mediada pelo valor comercial que compra o desejo. Esfuma-se a utopia, alonga-se o presente, e nega-se o passado como pressuposto não pertinente ao prazer, o que de fato importa é o presente alongado o essencial torna-se relativo, os valores tornam-se mutáveis, instrumentalizados pelo sistema pernicioso que iludibria, e deixamo-nos enganar numa relação de cumplicidade, numa compilação fatídica da história. Edvaldo Sant`Ana Lourenço6
  7. 7. O Educador Capa A Pescaria mais Importante da Minha Vida A problemática acerca da ética é constante e muito antiga, com essa história de JamesP. Lenfestey do livro “Histórias para Aquecer o Coração dos Pais”, queremos refletir sobrenossos fundamentos éticos. A temporada de pesca só começaria no dia seguinte, mas Carlos e o pai saíram no fimda tarde para pegar peixes cuja pesca era liberada. Quando o caniço vergou, soube que havia algo enorme do outro lado da linha. O paiolhava com admiração enquanto o garoto habilmente arrastava o peixe ao longo do cais. Era o maior que já tinha visto, mas era um dos peixes cuja pesca só era permitida natemporada. O garoto e o pai olharam para o peixe e para o relógio. Eram dez da noite – faltavamduas horas para a abertura da temporada. O pai olhou para o peixe, depois para o menino. - Você tem de devolvê-lo, filho – ele disse. - Mas, papai! – reclamou o menino. - Vai aparecer outro peixe – disse o pai. - Não tão grande como este – choramingou o filho. O menino olhou à volta do lago. Não havia outros pescadores ou barcos visíveis aoluar. Olhou novamente para o pai. Mesmo sem ninguém por perto, o garoto sabia, pela clareza da voz do pai, que adecisão não era negociável. Devagar tirou o anzol da boca do enorme peixe e o devolveu àágua escura. Isso aconteceu há trinta e quatro anos. Hoje, Carlos é um arquiteto de sucesso emNova York. O chalé de seu pai ainda está lá, na ilha do meio do lago, e ele leva seus filhos efilhas para pescar no mesmo cais. E ele estava certo. Nunca mais conseguiu pescar um peixe tão maravilhoso como odaquela noite, há tanto tempo. Mas ele sempre vê o mesmo peixe – repetidamente – todas asvezes que se depara com uma questão de ética. Porque, como seu pai lhe ensinou, a ética é simplesmente uma questão de certo eerrado. Apenas a prática da ética é que é difícil. A decisão de fazer a coisa certa está vívida emnossas lembranças. É uma história que contaremos com orgulho a filhos e netos. Somente as informações não são suficientes para ensinar e transmitir valores eatitudes, a escola ensina mas a construção de valores e atitudes cabe também a família. Afamília deve ser local de diálogo, de aprendizagem e convívio, deve ser um lugar onde osvalores são pensados, refletidos e não meramente impostos como frutos do hábito. O exemplodos pais é um componente essencial na formação dos filhos, pois, a conscientização vemseguida da ação. São nossos fundamentos éticos que determinam nossas prioridades, e delasnascem nossas ações. Devemos ensinar nossosfilhos a devolver quantas vezes for preciso o peixea água porque crescerão e se tornarão cidadãos defato. Silene Moreira – Coordenadora Pedagógica 7
  8. 8. O Educador Atualidade Dia de Finados - 02 Proclamação da República - 15 Morte/Vida Morte quem és? Onde estás? O que queres? Não venha, venhas me encontrar. No final da década de 1880, a monarquia brasileira estava numa situação de crise, pois Morte sorriso sombrio representava uma forma de governo que não correspondia mais às mudanças sociais em De um rosto amorfo processo. Fazia-se necessário a implantação Que espalha pânico de uma nova forma de governo, que fosse capaz de fazer o país progredir e avançar nas Medo, ansiedade a muitos questões políticas, econômicas e sociais. A crise do sistema monárquico brasileiro Morte doce olhar pode ser explicada através de algumas questões. Que logra a vida e ceifa-a - Interferência de D.Pedro II nos assuntos religiosos, provocando um Para que? descontentamento na Igreja Católica. Para trazer plenitude? - Críticas feitas por integrantes do Exército Brasileiro, que não aprovavam a corrupção existente na corte. Além disso, os militares Morte dor agonizante estavam descontentes com a proibição, imposta pela Monarquia, pela qual os oficiais Que esperança passiva trás do Exército não podiam se manifestar na A todos os logrados imprensa sem uma prévia autorização do Ministro da Guerra. E presenteados com a morte No dia 15 de novembro de 1889, o MarechalSerá sorte? Ou falta dela? Não! Deodoro da Fonseca, com o apoio dos Um simples fato da existência republicanos, demitiu o Conselho de Ministros e seu presidente. Na noite deste Que acomete a todos. mesmo dia, o marechal assinou o manifesto proclamando a República no Brasil e instalando um governo provisório. Edvaldo Sant`AnaLourenço João Vitor Valença da silva santos 9
  9. 9. O Educador Atualidade Hallowem Mas como surgiu a abóboras iluminadas Os Estados Unidos é o país mais que são tão presentes nessas festas?Comoconhecido por comemorar o Halloween. Lá parte da celebração do Samhain, os Celtasessa data se destaca do resto das festividades traziam para casa uma brasa da fogueiraque acontecem no decorrer do ano. comunitária no final da noite. ElesHalloween, sempre acontece um dia antes da carregavam essas brasas em nabos ocos,“festa de todos os santos” e, por isso, tem seu fazendo uma lanterna que lembra as abóborasnome inspirado na expressão "All hallows iluminadas de hoje. E como surgiu aeve", que significa a “véspera de todos os expressão “Gostosura ou Travessura”? Asantos”. Mas, apesar de o Halloween ter brincadeira é originária de um costumeficado conhecido como uma festa europeu do século IX, chamado de "souling"tradicional norte-americana, não foi lá que (almejar). No dia 2 de novembro, Dia deela teve origem, mas sim na sociedade Todas as Almas, os cristãos iam de vila emCelta(antigo povo que habitava as Ilhas vila pedindo "soul cakes" (bolos de alma),Britânicas). Eles acreditavam que o mundo que eram feitos de pequenos quadrados deseria ameaçado na véspera do evento pela pão com groselha. Para cada bolo queação de terríveis demônios e fantasmas. ganhasse, a pessoa deveria fazer uma oraçãoDessa forma, o “halloween” nasce como por um parente morto do doador. Acreditava-uma preocupação simbólica onde a festa se que as almas permaneciam no limbo porcercada por figuras estranhas e bizarras teria um certo tempo após sua morte e que aso objetivo de afastar a influência dos maus orações ajudavam-na a ir para o céu.espíritos que ameaçariam suas colheitas. A Nelina Luzia - Educadora Cavanismaioria das tradições do Halloween tem suaorigem no Samhain (sou-em), o antigo AnoNovo Celta. Samhain, que significa "final doverão", ocorria no final de outubro, quando oclima começava a esfriar. Em suma, oSamhain era um rito referente a todas ascoisas importantes que aconteciam duranteessa mudança de estação.8
  10. 10. O EducadorRefresco de alface com erva - cidreira Passa Tempo ColorindoIngredientes Ria se puder1 xícara (chá) Três homens estavam discutindo qual era ade alface profissão mais antiga do mundo: O marceneiro disse: - Quem vocês acham que fez a Arca de3 xícaras (chá) Noé? O jardineiro rebateu: - E quem vocêsde água acham que regou o Jardim do Éden?1 xícara (chá) de erva - cidreira Finalmente, o eletricista falou: - Quando Deusfresca disse "Faça-se a luz!", quem vocês acham que passou a fiação?4 unidades de limão ************************************2 copos americano de gelo O psiquiatra pergunta pra loira: - Costuma1 xícara (chá) de açúcar escutar vozes sem saber quem está falando ou de onde vêm? - Sim... costumo! - E· de Preparo Modo quando isso acontece? - Quando atendo o telefone!Lave bem a alface e reserve. Com a *********************************água e a erva -cidreira, faça um chá O ladrão decidiu assaltar o hospício. Chegandobem forte e deixe esfriar. Reserve. lá, ele gritou para o louco: - Pare! O louco respondeu: - Ímpare! E o ladrão: - Mas eu estou teEsprema os limões e coloque no roubando! E o louco: - Ah, então não brinco mais.liquidificador com chá, a alface, ogelo e o açúcar. Coe e sirva gelado. Tia Margarida 10
  11. 11. O Educador ComunidadeMuito obrigado a senhoraElizane pela doação de umpiamo FRITZ DOBBERT à Casa daCriança e do adolescenteCristina Cavanis.*****************************Obrigado aos freis CapuchinhosMárcio, Hilário e Robsom pelaapresentação musical. Sejamsempre bem vindos.*****************************Obrigado a todas as pessoasque colaboram com nossacasa, para que o trabalho possacontinuar a ser desenvolvido.Nossa Gratidão!************************************** Siga-nos Venha festejar conosco e ajude- http://www.radiocavanis.blogspot.com nos a continuar o trabalho dos ir mãos Antonio e Marcos Cavanis. http://www.educadoracavanis.blogspot.com Terá diversão e alegria para toda família! uberlandia@cavanis.org.br Participe você também! Expediente - O Educador Direção Geral: Cristina Cavanis Publicação da Casa da Criança Correção Ortográfica: Priscila Diase do Adolescente Cristina Cavanis Diagramação e coordenação:Rua Iraque, 222, Cep - 38410-282 Edvaldo Sant`Ana Lourenço Fone - (034) 3255 - 5008 Divulgação: Cristina Cavanis CNPJ - 75637256/0016-90 Impressão: Gráfica Imprime Uberlândia - MG Tiragem: 200 exemplares Diretor Executivo: Pe. João Pedro Atendimento ao Leitor: Pinheiro uberlandia@cavanis.org.br11
  12. 12. O Educador Sou Cavanis...e você? Venha fazer parte desta família! Comércio Casa Verde Fone: (34) 3237-3402 email: comerciocasaverde@hotmail.com Av. Iraque, 243 - B. Laranjeiras - Uberlândia - MG12

×