Ano -unidades 5-

2.490 visualizações

Publicada em

0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.490
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
179
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ano -unidades 5-

  1. 1. O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NAO TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NAO TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NAO TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULASALA DE AULASALA DE AULASALA DE AULA UNIDADE 5UNIDADE 5UNIDADE 5UNIDADE 5 –––– ANO 2 E 3ANO 2 E 3ANO 2 E 3ANO 2 E 3 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA SALA DE AULASALA DE AULASALA DE AULASALA DE AULA UNIDADE 5UNIDADE 5UNIDADE 5UNIDADE 5 –––– ANO 2 E 3ANO 2 E 3ANO 2 E 3ANO 2 E 3 S L I D E S E L AB O R AD O S P E L A F O R M AD O R A M AG D A R . D ’ P E R E I R A E P E L A S U P E RV I S O R A AN D R É I A D E VAL L E R E C H
  2. 2. Aspectos destacados... aaaa importânciaimportânciaimportânciaimportância dadadada leituraleituraleituraleitura eeee dadadada produçãoproduçãoproduçãoprodução dededede textostextostextostextos no 2º ano do ensino fundamental; trabalho com textostextostextostextos dededede diferentesdiferentesdiferentesdiferentes gênerosgênerosgênerosgêneros; situações em que as crianças tenham que lerererer eeee produzirproduzirproduzirproduzir textostextostextostextos para atender a diferentes propósitos, além de refletirrefletirrefletirrefletir situações em que as crianças tenham que lerererer eeee produzirproduzirproduzirproduzir textostextostextostextos para atender a diferentes propósitos, além de refletirrefletirrefletirrefletir sobre as finalidades, formas composicionais e recursos estilísticos característicos dos gêneros trabalhados; ensinoensinoensinoensino dededede leituraleituraleituraleitura eeee produçãoproduçãoproduçãoprodução dededede textostextostextostextos dededede variadosvariadosvariadosvariados gênerosgênerosgênerosgêneros nasnasnasnas salassalassalassalas dededede aulaaulaaulaaula....
  3. 3. Para compreendermos as relações entre tipos textuais e gêneros... “Em uma perspectiva sociointeracionista, os eixos centrais do ensino da língua materna são a compreensãocompreensãocompreensãocompreensão eeee aaaa produçãoproduçãoproduçãoprodução dededede textostextostextostextos. Nessas atividades, convergem de forma indissociável fatoresfatoresfatoresfatores linguísticos,linguísticos,linguísticos,linguísticos, sociaissociaissociaissociais eeee culturaisculturaisculturaisculturais. Nelas, os interlocutores são participantes de um processo de interaçãointeraçãointeraçãointeração, e, para isso, precisam ter domíniodomíniodomíniodomínio dadadada mesmamesmamesmamesma Nelas, os interlocutores são participantes de um processo de interaçãointeraçãointeraçãointeração, e, para isso, precisam ter domíniodomíniodomíniodomínio dadadada mesmamesmamesmamesma língualíngualíngualíngua e compartilharem as situações e as formas como os discursos se organizam, considerando seus propósitos de usos e os diversos contextos sociais e culturais em que estão inseridos.” (SANTOS, MENDONÇA E CAVALCANTE, 2006).
  4. 4. A língua se configura como uma forma de ação social, situada num contexto histórico, representando algo do mundo real. O textotextotextotexto, portanto, nãonãonãonão é uma construçãoconstruçãoconstruçãoconstrução fixafixafixafixa eeee abstrataabstrataabstrataabstrata, mas, sim, palco de negociações e produçõesabstrataabstrataabstrataabstrata, mas, sim, palco de negociações e produções de múltiplos sentidos. OsOsOsOs textostextostextostextos sãosãosãosão produzidosproduzidosproduzidosproduzidos emememem situaçõessituaçõessituaçõessituações marcadasmarcadasmarcadasmarcadas pelapelapelapela culturaculturaculturacultura e assumem formas e estilos próprios, também historicamente marcados.
  5. 5. DiferentesDiferentesDiferentesDiferentes textostextostextostextos assemelhamassemelhamassemelhamassemelham sesesese, como diz Bakhtin (1997), porque se configuram segundo características dos gêneros textuais que estão disponíveis nas interações sociais. Desse modo, pode se dizer que a comunicaçãocomunicaçãocomunicaçãocomunicação verbalverbalverbalverbal sósósósó éééé possívelpossívelpossívelpossível porporporpor meiomeiomeiomeio dededede algumalgumalgumalgumcomunicaçãocomunicaçãocomunicaçãocomunicação verbalverbalverbalverbal sósósósó éééé possívelpossívelpossívelpossível porporporpor meiomeiomeiomeio dededede algumalgumalgumalgum gênerogênerogênerogênero quequequeque sesesese materializamaterializamaterializamaterializa emememem textostextostextostextos que assumem formas variadas para atender a propósitos diversos.
  6. 6. Conceituando gêneros textuais e tipos textuais... Os TIPOSTIPOSTIPOSTIPOS TEXTUAISTEXTUAISTEXTUAISTEXTUAIS são sequências teoricamente definidas pela naturezanaturezanaturezanatureza linguísticalinguísticalinguísticalinguística dadadada suasuasuasua composiçãocomposiçãocomposiçãocomposição: narração,narração,narração,narração, exposição,exposição,exposição,exposição, argumentação,argumentação,argumentação,argumentação, descrição,descrição,descrição,descrição, injunçãoinjunçãoinjunçãoinjunção.... Não são textos com funções sociais definidas. São categorias teóricas determinadas pela organização dos elementoselementoselementoselementos lexicaislexicaislexicaislexicais, sintáticossintáticossintáticossintáticos e relações lógicas presentes nos conteúdoslexicaislexicaislexicaislexicais, sintáticossintáticossintáticossintáticos e relações lógicas presentes nos conteúdos a serem faladosfaladosfaladosfalados ouououou escritosescritosescritosescritos, distinguindo se capacidades de linguagem requeridas para a produção de diferentes gêneros textuais. (MARCUSCHI, 2005; MENDONÇA 2005; SANTOS, MENDONÇA E CAVALCANTE, 2006).
  7. 7. Os GÊNEROSGÊNEROSGÊNEROSGÊNEROS TEXTUAISTEXTUAISTEXTUAISTEXTUAIS, segundo Schneuwly e Dolz (2004), são instrumentos culturais disponíveisdisponíveisdisponíveisdisponíveis nasnasnasnas interaçõesinteraçõesinteraçõesinterações sociaissociaissociaissociais.... São historicamentehistoricamentehistoricamentehistoricamente mutáveismutáveismutáveismutáveis e, consequentemente, relativamente estáveis. EmergemEmergemEmergemEmergem emememem diferentesdiferentesdiferentesdiferentes domíniosdomíniosdomíniosdomínios discursivosdiscursivosdiscursivosdiscursivos e se concretizamconcretizamconcretizamconcretizamemememem diferentesdiferentesdiferentesdiferentes domíniosdomíniosdomíniosdomínios discursivosdiscursivosdiscursivosdiscursivos e se concretizamconcretizamconcretizamconcretizam em textos, que são singulares para que a interação entre falantes aconteça.
  8. 8. Cada sociedadesociedadesociedadesociedade traz consigo um legadolegadolegadolegado dededede gênerosgênerosgênerosgêneros, por meio dos quais são partilhados conhecimentosconhecimentosconhecimentosconhecimentos comunscomunscomunscomuns. Em consequência das mudanças sociais, osososos gênerosgênerosgênerosgêneros sesesese alteramalteramalteramalteram, desaparecem, se transformam em outros gêneros. Desse modo, novos gêneros textuais vão se constituindo, em um processo permanente, em função de gêneros. Desse modo, novos gêneros textuais vão se constituindo, em um processo permanente, em função de novas atividades sociais.
  9. 9. No trabalho em sala de aula com os gênerosgênerosgênerosgêneros duasduasduasduas dimensõesdimensõesdimensõesdimensões sesesese articulamarticulamarticulamarticulam.... A primeiraprimeiraprimeiraprimeira se refere aos aspectosaspectosaspectosaspectos socioculturaissocioculturaissocioculturaissocioculturais relacionados a sua condição de funcionamento na sociedade e a segundasegundasegundasegunda se relaciona aos aspectosaspectosaspectosaspectos linguísticoslinguísticoslinguísticoslinguísticos que se voltam para a compreensão do que o texto informa ou comunica.ou comunica. Para Schneuwly e Dolz (2004), o ensino da leitura e da escrita na escola pode ser sistematizado de forma que o aluno possa refletir, apropriarrefletir, apropriarrefletir, apropriarrefletir, apropriar se e usar diversosse e usar diversosse e usar diversosse e usar diversos gêneros textuais.gêneros textuais.gêneros textuais.gêneros textuais.
  10. 10. As experiências prévias de interaçõesexperiências prévias de interaçõesexperiências prévias de interaçõesexperiências prévias de interações permitem aos participantes da situação de comunicação específica chegar a um grupo de gêneros que possivelmente podem ser utilizados nas situações de interação. Koch e Elias (2009) destacam que os gênerosgênerosgênerosgêneros textuaistextuaistextuaistextuais são diversosdiversosdiversosdiversos e sofrem variaçõesvariaçõesvariaçõesvariações na sua constituição em função dos seus usos.sua constituição em função dos seus usos. Explicando essa dinâmica de ampliação dos gêneros, as autoras apresentam como exemplos o eeee mailmailmailmail eeee oooo blogblogblogblog, que como recursos recentes decorrentes do progresso tecnológico, são respectivamente transmutaçõestransmutaçõestransmutaçõestransmutações dasdasdasdas cartascartascartascartas eeee dosdosdosdos diáriosdiáriosdiáriosdiários.
  11. 11. Conforme sintetizam Mendonça e Leal (2005), com uma proposta de aprendizagem em espiral, umumumum mesmomesmomesmomesmo gênerogênerogênerogênero podepodepodepode serserserser trabalhadotrabalhadotrabalhadotrabalhado emememem anosanosanosanos escolaresescolaresescolaresescolares diversosdiversosdiversosdiversos ouououou atéatéatéaté nananana mesmamesmamesmamesma série,série,série,série, comcomcomcom variaçõesvariaçõesvariaçõesvariações eeee aprofundamentoaprofundamentoaprofundamentoaprofundamento diversosdiversosdiversosdiversos.... Para as autoras, a organização do trabalho com os gêneros textuais em cada ano escolar depende dos objetivos pedagógicos propostos e das habilidades e competências que se pretende explorar.
  12. 12. Assim, para um trabalho com o mesmo tema no primeiro ouprimeiro ouprimeiro ouprimeiro ou terceiro ano do Ensino Fundamentalterceiro ano do Ensino Fundamentalterceiro ano do Ensino Fundamentalterceiro ano do Ensino Fundamental, poderíamos ter a leitura eleitura eleitura eleitura e produção dos mesmos gêneros textuaisprodução dos mesmos gêneros textuaisprodução dos mesmos gêneros textuaisprodução dos mesmos gêneros textuais, mas a atuaçãoatuaçãoatuaçãoatuação do educador deve levar em conta os níveis de aprofundamentoníveis de aprofundamentoníveis de aprofundamentoníveis de aprofundamento requeridos em cada ano do ciclo da alfabetização. Portanto, o grande desafio para o ensino relativo ao componente curricular Língua Portuguesa écurricular Língua Portuguesa é trabalhar com essa diversidadetrabalhar com essa diversidadetrabalhar com essa diversidadetrabalhar com essa diversidade textual na sala de aula, explorando de forma aprofundada o que é peculiar a um gênero textual específico, tendo em vista situações de uso também diversas.
  13. 13. Cuidados ao organizar o trabalho com textos: 1.1.1.1. EscolherEscolherEscolherEscolher osososos textostextostextostextos aaaa seremseremseremserem lidoslidoslidoslidos, considerando se nãonãonãonão apenas osososos gênerosgênerosgênerosgêneros aaaa quequequeque pertencempertencempertencempertencem, mas, sobretudo, o seu conteúdo (o que é dito), em relação aos temastemastemastemas trabalhadostrabalhadostrabalhadostrabalhados. O objetivo é que as crianças aprendam a ler e escrever, mas também aprendam por meio dadadada leituraleituraleituraleitura eeee dadadada escritaescritaescritaescrita. 2. Propor situações de leituraleituraleituraleitura eeee2. Propor situações de leituraleituraleituraleitura eeee produçãoproduçãoproduçãoprodução dededede textostextostextostextos com finalidadesfinalidadesfinalidadesfinalidades clarasclarasclarasclaras eeee diversificadasdiversificadasdiversificadasdiversificadas, enfocando os processos de interação e não apenas as reflexões sobre aspectos formais.
  14. 14. 3. Escolher os gêneros a serem trabalhos com base em critérios claros, considerando se, sobretudo, os conhecimentos e habilidades a serem ensinados; relações entre os gêneros escolhidos e os temas/conteúdos a serem tratados. 4. Abordar os gêneros considerando não apenas aspectos composicionais e estilísticos, mas, sobretudo, os aspectoscomposicionais e estilísticos, mas, sobretudo, os aspectos sociodiscursivos (processos de interação, como as finalidades, tipos de destinatários, suportes textuais, espaços de circulação...)
  15. 15. Dessa maneira, Brandão (2006, p. 60 – 61) atribui ao docentedocentedocentedocente “a tarefa de propor a leitura de textos interessantes, que tenham significado para seu grupo de alunos, assim como proporcionar um bom trabalho de exploração e compreensão desses textos”.
  16. 16. Lerner (2007), destaca dois aspectos inerentes à leituraleituraleituraleitura na escola. Ao mesmo tempo em que ela é objetoobjetoobjetoobjeto dededede ensinoensinoensinoensino, também se transforma em objetoobjetoobjetoobjeto dededede aprendizagemaprendizagemaprendizagemaprendizagem, sendo necessário que tenha sentido do ponto de vista do aluno, ou seja, que cumpra uma função voltada para a realização de um propósito por ele conhecido e valorizado.
  17. 17. Como destaca Goulart (2007), “todos somos responsáveis pelo trabalho com linguagem, seja na primeira série/ano escolar ou nas últimas séries/anos do Ensino Fundamental.” (p. 92).
  18. 18. Assim, como as atividades relativas ao componente curricular LínguaLínguaLínguaLíngua PortuguesaPortuguesaPortuguesaPortuguesa, envolvendo momentos de conversaconversaconversaconversa, exposiçõesexposiçõesexposiçõesexposições orais,orais,orais,orais, leituraleituraleituraleitura eeee escritaescritaescritaescrita dededede textos,textos,textos,textos, análiseanáliseanáliseanálise dededede imagens,imagens,imagens,imagens, quadros,quadros,quadros,quadros, gráficos,gráficos,gráficos,gráficos, problemasproblemasproblemasproblemas e outras atividades possibilitam o estudo de conteúdospossibilitam o estudo de conteúdos das diversas áreas de conhecimentos, a gradação também pode ser garantida no trabalho com textos mais complexos, como a elaboração de resumos, esquemas e resenhas.
  19. 19. OS GÊNEROS TEXTUAIS EM FOCO: PENSANDO NA SELEÇÃO E NA PROGRESSÃO DOS ALUNOSPROGRESSÃO DOS ALUNOS
  20. 20. Para realizar esse trabalho progressivo com os gêneros, o professorprofessorprofessorprofessor precisa conhecer bem quais habilidades oshabilidades oshabilidades oshabilidades os seus alunos já possuemseus alunos já possuemseus alunos já possuemseus alunos já possuem e estabelecer quais são aquelas almejadasalmejadasalmejadasalmejadas (perfil de entrada e perfil de saída esperado para aquele ano). Então, diagnosticar sempre deve ser sua primeira ação.sua primeira ação.
  21. 21. Um segundo aspecto deve ser levado em consideração: a escola precisa garantirescola precisa garantirescola precisa garantirescola precisa garantir, sim, a exploração da diversidadediversidadediversidadediversidade de gêneros textuaisde gêneros textuaisde gêneros textuaisde gêneros textuais, pois cada gênero pode proporcionar diferentes formas de mobilização das capacidades de linguagem e, logo, diferentes aprendizagens.diferentes aprendizagens.diferentes aprendizagens.diferentes aprendizagens.linguagem e, logo, diferentes aprendizagens.diferentes aprendizagens.diferentes aprendizagens.diferentes aprendizagens.
  22. 22. Dolz e Schneuwly (2004) propõem que, ao longo de um ano letivo, o professor escolha como objeto de ensino gênerosgênerosgênerosgêneros com características composicionais, sociodiscursivas e linguísticassociodiscursivas e linguísticassociodiscursivas e linguísticassociodiscursivas e linguísticas relativamente diferentesdiferentesdiferentesdiferentessociodiscursivas e linguísticassociodiscursivas e linguísticassociodiscursivas e linguísticassociodiscursivas e linguísticas relativamente diferentesdiferentesdiferentesdiferentes entre si, pois, assim, estará contribuindo para que seus alunos realizem diferentes operações de linguagem e se apropriem de diversas práticas de letramento.
  23. 23. Pensando nesta progressãoprogressãoprogressãoprogressão e nas semelhanças e diferençassemelhanças e diferençassemelhanças e diferençassemelhanças e diferenças entre os gênerosgênerosgênerosgêneros, conseguimos agrupá los em onze grupos. Defendemos aqui, que, em todas as etapas de escolaridade, sejam realizados estudos sistemáticos, por meio de diferentes formas de organização do trabalho pedagógico (projetos didáticos, sequências didáticas, entre meio de diferentes formas de organização do trabalho pedagógico (projetos didáticos, sequências didáticas, entre outras) de gêneros pertencentes a estes onze agrupamentos. São eles:
  24. 24. 1) Textos literários ficcionais1) Textos literários ficcionais1) Textos literários ficcionais1) Textos literários ficcionais São textos voltados para a narrativa de fatos e episódios do mundo imaginário (não real). Entre estes, podemos destacar: contos, lendas, fábulas,contos, lendas, fábulas,contos, lendas, fábulas,contos, lendas, fábulas, crônicas, obras teatrais, novelas ecrônicas, obras teatrais, novelas ecrônicas, obras teatrais, novelas ecrônicas, obras teatrais, novelas e causoscausoscausoscausos.
  25. 25. 2)2)2)2) Textos do patrimônio oral, poemas e letras de músicasTextos do patrimônio oral, poemas e letras de músicasTextos do patrimônio oral, poemas e letras de músicasTextos do patrimônio oral, poemas e letras de músicas Os textos do patrimônio oral, logo que são produzidos têm autoria, mas, depois, sem um registro escrito, tornam se anônimos, passando a ser patrimônio das comunidades. São exemplos: as travalínguas, parlendas, quadrinhas,as travalínguas, parlendas, quadrinhas,as travalínguas, parlendas, quadrinhas,as travalínguas, parlendas, quadrinhas, adivinhas, provérbios. Também fazem parte do segundoadivinhas, provérbios. Também fazem parte do segundoadivinhas, provérbios. Também fazem parte do segundoadivinhas, provérbios. Também fazem parte do segundo agrupamento os poemas e as letras de músicas.agrupamento os poemas e as letras de músicas.agrupamento os poemas e as letras de músicas.agrupamento os poemas e as letras de músicas.agrupamento os poemas e as letras de músicas.agrupamento os poemas e as letras de músicas.agrupamento os poemas e as letras de músicas.agrupamento os poemas e as letras de músicas. Aquarela Toquinho Numa folha qualquer Eu desenho um sol amarelo E com cinco ou seis retas É fácil fazer um castelo...
  26. 26. 3) Textos com a finalidade de registrar e analisar as3) Textos com a finalidade de registrar e analisar as3) Textos com a finalidade de registrar e analisar as3) Textos com a finalidade de registrar e analisar as ações humanas individuais e coletivas e contribuirações humanas individuais e coletivas e contribuirações humanas individuais e coletivas e contribuirações humanas individuais e coletivas e contribuir para que as experiências sejam guardadas na memóriapara que as experiências sejam guardadas na memóriapara que as experiências sejam guardadas na memóriapara que as experiências sejam guardadas na memória das pessoas:das pessoas:das pessoas:das pessoas: as biografias, testemunhos orais e escritos, obras historiográficas e noticiários.obras historiográficas e noticiários.
  27. 27. 4) Textos com a finalidade de construir e fazer circular4) Textos com a finalidade de construir e fazer circular4) Textos com a finalidade de construir e fazer circular4) Textos com a finalidade de construir e fazer circular entre as pessoas o conhecimento escolar/científicoentre as pessoas o conhecimento escolar/científicoentre as pessoas o conhecimento escolar/científicoentre as pessoas o conhecimento escolar/científico. São textos mais expositivos, que socializam informações, por exemplo, as notas de enciclopédia, os verbetes de dicionário, os seminários orais, os textos didáticos, os relatos de experiências científicas e os textos de divulgação científica.experiências científicas e os textos de divulgação científica.
  28. 28. 5) Textos com a finalidade de debater temas que suscitam5) Textos com a finalidade de debater temas que suscitam5) Textos com a finalidade de debater temas que suscitam5) Textos com a finalidade de debater temas que suscitam pontos de vista diferentes, buscando o convencimento dopontos de vista diferentes, buscando o convencimento dopontos de vista diferentes, buscando o convencimento dopontos de vista diferentes, buscando o convencimento do outro.outro.outro.outro. Com base nos textos do agrupamento 5 os sujeitos exercitam suas capacidades argumentativas. Cartas de reclamação, cartas de leitores, artigos de opinião, editoriais, debates regrados e reportagens são exemplos de textos com tais finalidades.
  29. 29. 6) Textos com a finalidade de divulgar6) Textos com a finalidade de divulgar6) Textos com a finalidade de divulgar6) Textos com a finalidade de divulgar produtos e/ou serviçosprodutos e/ou serviçosprodutos e/ou serviçosprodutos e/ou serviços e promover campanhas educativase promover campanhas educativase promover campanhas educativase promover campanhas educativas no setor da publicidade.no setor da publicidade.no setor da publicidade.no setor da publicidade. Também aqui a persuasão está presente, mas com a finalidade de fazer o outro adquirir produtos e/ou serviços ou mudar determinados comportamentos. São exemplos: cartazes educativos, anúncios publicitários, placas e faixas.cartazes educativos, anúncios publicitários, placas e faixas.
  30. 30. 7) Textos com a finalidade de orientar e prescrever formas7) Textos com a finalidade de orientar e prescrever formas7) Textos com a finalidade de orientar e prescrever formas7) Textos com a finalidade de orientar e prescrever formas de realizar atividades diversas ou formas de agir emde realizar atividades diversas ou formas de agir emde realizar atividades diversas ou formas de agir emde realizar atividades diversas ou formas de agir em determinados eventos.determinados eventos.determinados eventos.determinados eventos. Fazem parte do grupo sete os chamados textos instrucionais, tais como, as receitas, os manuais de uso de eletrodomésticos, as instruções de jogos, as instruções de montagem e os tais como, as receitas, os manuais de uso de eletrodomésticos, as instruções de jogos, as instruções de montagem e os regulamentos.
  31. 31. 8) Textos com a finalidade de orientar a organização do8) Textos com a finalidade de orientar a organização do8) Textos com a finalidade de orientar a organização do8) Textos com a finalidade de orientar a organização do tempo e do espaço nas atividades individuais e coletivastempo e do espaço nas atividades individuais e coletivastempo e do espaço nas atividades individuais e coletivastempo e do espaço nas atividades individuais e coletivas necessárias à vida em sociedade.necessárias à vida em sociedade.necessárias à vida em sociedade.necessárias à vida em sociedade. São eles: as agendas, os cronogramas, os calendários, os quadros de horários, as folhinhas e os mapas.
  32. 32. 9) Textos com a finalidade de9) Textos com a finalidade de9) Textos com a finalidade de9) Textos com a finalidade de mediar as ações institucionais.mediar as ações institucionais.mediar as ações institucionais.mediar as ações institucionais. São textos que fazem parte, principalmente, dos espaços de trabalho: os requerimentos, os formulários, os ofícios, os currículos e os avisos.currículos e os avisos.
  33. 33. 10) Textos epistolares utilizados para as mais diversas10) Textos epistolares utilizados para as mais diversas10) Textos epistolares utilizados para as mais diversas10) Textos epistolares utilizados para as mais diversas finalidades.finalidades.finalidades.finalidades. As cartas pessoais, os bilhetes, os e mails, os telegramas medeiam as relações entre as pessoas, em diferentes tipos de situações de interação.
  34. 34. 11) Textos não verbais11) Textos não verbais11) Textos não verbais11) Textos não verbais Os textos que não veiculam a linguagem verbal, escrita, tendo, portanto, foco na linguagem não verbal tais como, as histórias em quadrinhos só com imagens, as charges, pinturas, esculturas e algumas placas de trânsito compõem tal agrupamento.

×