Jairo
A Primeira Aventura
Por Jairo Comunicação Visual
Apresentação do projeto
 Jairo A Primeira Aventura é um livrinho com gravuras desenhadas a mão e
coloridas no computador ...
Nosso tema
 Nós decidimos aderir à temática de preservação e
meio ambiente, porém de uma forma diferente.
 Muito se é fa...
Nosso objetivo
 Com a história quisemos mostrar que preservar a natureza não é apenas
combater grandes queimadas e desmat...
Justificativa
 Entre 4 e 6 anos de idade é quando a criança começa a formar seu caráter.
Assim sendo, nada melhor que apr...
Pesquisas realizadas
 A história do papel
 A impressão
 A história da tipografia
 A cor nas artes gráficas
A história do papel
 Antes do papel o homem usava diversas formas para desenhar, escrever nas
pedras e paredes das cavern...
Composição
 A maior parte dos papéis são feitos a partir de duas espécies de árvores
cultivadas em larga escala: o pinhei...
Exemplos de papéis para artes gráficas
 1.Papel Offset : Gramaturas: 90 g/m²; 120 g/m². Produzido para ser impresso
em la...
A impressão
 A impressão é o processo de reproduzir textos e imagens em algum objeto. A
Impressão atualmente é feita tipi...
 Rotogravura: Este tipo de impressão também pode ser chamado de baixo
relevo, já que a imagem fica em baixo relevo em rel...
A história da tipografia
 Antes da tão famosa invenção de Gutenberg, os livros precisavam ser escritos
manualmente. Desta...
 Mais pra frente outros tipos de fontes foram sendo desenvolvidos, com base
em caligrafias mais rústicas e no material ut...
Fontes tipográficas
 Tipografia: Do grego typos = forma e graphein =escrita. Fonte tipográfica (tipo
ou fonte) é um conju...
A cor nas artes gráficas
 É fato que as cores desempenham um papel essencial em produções gráficas.
O princípio é simples...
 Em materiais impressos, as cores devem possuir relação da cor com o tema
abordado e a seguir a ordem de leitura desejada...
 O sistema de cores Pantone é baseado em um conjunto de tintas que são
misturados para criar cores sólidas, que são então...
Pesquisa feita? Agora é
mão na massa!
Nosso logo se transforma em
personagem
 Resolvemos transformar o mascote e também logotipo da Jairo Comunicação
Visual, o...
O patrocínio
 A casa de ração Vieira Rações e Empório apoiou nossa causa e concordou em
ser nosso patrocinador neste proj...
Ideias não são filhos:
A gente desapega
 Nossas ideias iniciais apresentavam o Jairo
como um super-herói, com parceiros e...
Storyline – Jairo: Primeira Aventura
 História começa com uma festa de aniversário. Tito é presenteado com um
periquito (...
Você sabia?
 Uma curiosidade: Mas afinal, quem é o Tito?
Se o Jairo é a personificação do nosso logo, com Tito não poderi...
Quanto à tipografia
 Escolhemos a fonte “A little Sunshine” para gerar empatia com as crianças.
 É uma fonte descontraíd...
Quanto às cores
 Nosso Jairo já é verde desde que era apenas o logo da nossa agência. O
fizemos assim para representar vi...
Quanto às ilustrações
 Optamos por desenhos mais simples, feitos a mão pelo nosso ilustrador Sávio
e apenas coloridos dig...
Quanto ao acabamento
 Escolhemos o papel couchê pois, além do baixo custo, possui uma reprodução
de cores mais precisa. S...
O Boneco
 Após apresentar o boneco, foi chamada a atenção para alguns detalhes
gramaticais, de contraste e também quanto ...
Enquanto isso...
A sacolinha
 Tivemos a ideia de entregar o livrinho e o brinde em uma sacolinha.
 Brinde? Mas que brinde? Vamos pro próx...
A lixeirinha
 Como nossa ideia central é conscientizar as crianças a respeito de como é
importante não jogar lixo em qual...
Gráfica ou Copiadora
 Infelizmente não conseguimos patrocínio o suficiente para uma tiragem maior
de livrinhos. Sendo ass...
CICTED
 Nosso projeto foi aprovado para participar do CICTED 2015. Lá tivemos a
oportunidade de apresentar para outras pe...
Por último, mas não menos importante:
O custo
 Sacolinhas: R$12,00
 Lixeirinhas: R$2,00 o metro de TNT (a costura e esta...
Tudo pronto
 Senhoras e senhores, agora sim estamos com tudo pronto!
 #PartiuEscola
Considerações finais
Nós que agradecemos...
Aprendemos muito enquanto dávamos vida a este projeto. É de extrema
importânci...
Grupo:
 Aline Villela
 Daniel Gumarães
 Raquel Rodrigues
 Renan Ávila
 Sávio Rodrigues
Disciplina:
 Produção Gráfica...
Um grande abraço!
#SomosTodosJairo
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

1.jairo primeira aventura

176 visualizações

Publicada em

Trabalho educacional

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
176
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

1.jairo primeira aventura

  1. 1. Jairo A Primeira Aventura Por Jairo Comunicação Visual
  2. 2. Apresentação do projeto  Jairo A Primeira Aventura é um livrinho com gravuras desenhadas a mão e coloridas no computador mas de forma bem diferente do convencional, abusando de tonalidades mesmo usando formas simples.  É voltada para o público infantil de 4 a 6 anos em idade de alfabetização.
  3. 3. Nosso tema  Nós decidimos aderir à temática de preservação e meio ambiente, porém de uma forma diferente.  Muito se é falado para as crianças a respeito de desmatamento de grandes florestas, animais em extinção, etc.  Bom, nós preferimos abordar o tema natureza nos aproximando ao máximo do ambiente em que a criança se encontra, ou seja, grandes centros com praças e parques.
  4. 4. Nosso objetivo  Com a história quisemos mostrar que preservar a natureza não é apenas combater grandes queimadas e desmatamentos. Pequenos detalhes como não jogar lixo em uma pracinha perto de casa ou da escola já é fazer a diferença.
  5. 5. Justificativa  Entre 4 e 6 anos de idade é quando a criança começa a formar seu caráter. Assim sendo, nada melhor que apresentar a elas de forma simples mas objetiva que natureza não é apenas o que se aprende sobre as grandes florestas e lugares afastados. A natureza começa em pracinhas que elas costumam brincar com os amigos, e preserva-la é de extrema importância, pois algo que elas pensam que nunca as vai afetar pode sim causar consequências, e é justamente disso que se trata a história.
  6. 6. Pesquisas realizadas  A história do papel  A impressão  A história da tipografia  A cor nas artes gráficas
  7. 7. A história do papel  Antes do papel o homem usava diversas formas para desenhar, escrever nas pedras e paredes das cavernas. Muito tempo depois na índia começaram a ser usadas folhas de palmeiras. Os astecas por sua vez, escreviam sobre matemática e astronomia em cascas de árvores. Por volta de 3000ª.c. os egípcios inventaram o papiro, principal antecessor do papel, como conhecemos, porém bem mais sensível. A palavra papel vem do latim papyrus, que faz referência ao papiro, uma planta originária do Egito.  Os pergaminhos eram feitos de couro curtido de bovinos, bem mais resistentes. Feito através de uma mistura umedecida de casca de amoreira, cânhamo, restos de roupas, e outros produtos que contivesse fonte de fibras vegetais. O papel foi inventado na China 105 anos depois de Cristo (d.C.), por T’sai Lun.  Em 1960 o papel começou a ser um negócio mundial, tanto que neste ano os americanos construíram a primeira fábrica de papel.
  8. 8. Composição  A maior parte dos papéis são feitos a partir de duas espécies de árvores cultivadas em larga escala: o pinheiro (Pinus sp.) e o eucalipto (Eucalyptus sp), ambas originárias da Europa e da Austrália. Após serem descascadas e picadas são cozidas para produzir a celulose.  A celulose é um dos principais constituintes da plantas e um polímero formado de pequenas moléculas de carboidratos, a glicose.  Para produzir 1 tonelada de papel são necessários, em média, 24 árvores. Características  Gramatura: Acima de 180g/m²- cartolina ( cartões comerciais, fichas, pastas, cartuchos, etc); Acima de 225g/m²- cartão e papelão (capas de livros, caixas, etc).  Colagem: O papel pode ser colado semicolado ou sem cola. O objetivo da colkagem é evitar que a tinta se expanda sobre o papel e que as fibras absorvam água.  Coloração: Existem duas formas de adicionar pigmnento ao papel: colorido na massa ou pintado.
  9. 9. Exemplos de papéis para artes gráficas  1.Papel Offset : Gramaturas: 90 g/m²; 120 g/m². Produzido para ser impresso em larga escala e com custo baixo, tem um acabamento liso e lembra o papel sulfite, mas com qualidade superior. É indicado para papel timbrado e bloco de notas.  2.Papel Reciclato: Gramaturas: 90 g/m²; 120 g/m². É o papel offset reciclado, que também sofre alteração para o papel “sulfite reciclado”. Tem um aspecto diferente dos demais tipos de papéis e dá mais resistência a eles. É produzido de material 100% descartado e sustentável.  3.Papel Couché: Gramaturas: 115 g/m²; 150 g/m²; 170 g/m²; 230 g/m²; 250 g/m²; 300 g/m². A técnica usada nos papéis couché utiliza um revestimento que deixa o papel mais liso e uniforme para receber a tinta, apresentando um melhor comportamento de cores.  4. Papel fotográfico: O papel fotográfico é um tipo papel com base couchê, mas com um revestimento a mais, feito de polietileno. Apresenta características que permitem a impressão de fotografias e imagens em geral com ótima qualidade.  5. Papel revista: O papel revista apresenta grande resistência que permite impressão rápida, uma característica exigida pela indústria gráfica para a produção em larga escala. É bastante utilizado na produção gráfica de revistas ou outros tipos de publicações de vida curta.
  10. 10. A impressão  A impressão é o processo de reproduzir textos e imagens em algum objeto. A Impressão atualmente é feita tipicamente com tinta no papel usando uma prensa de impressão. Também pode ser feita em metais, plásticos, tecidos e materiais compósitos. No papel, é muitas vezes realizada como um processo industrial. Tipos e características:  Digital: Ela não possui nenhuma sensação tátil (é completamente chapada), o que é bom pois pode-se pintar o papel, trabalhar com cores e acabamentos chapados, além de ser um de impressão mais rápida.  Serigrafia: O processo de serigrafia é feito a partir de uma tela que é feita exclusivamente com as informações a serem impressas (uma espécie de carimbo), que quando prensada cria um alto relevo, um efeito tátil com um bom acabamento.  Flexografia: Na impressão por flexografia, o resultado vai se assemelhar à letras carimbadas (ou seja, uma parte mais clara na borda seguida por uma parte mais borrada ou forte). Ela é feita com chapa em relevo, feita em uma borracha conhecida como clichê.
  11. 11.  Rotogravura: Este tipo de impressão também pode ser chamado de baixo relevo, já que a imagem fica em baixo relevo em relação à superfície. Sua matriz é constituída por um cilindro de cobre gravado e cromado. É indicado para impressão de grandes tiragens em alta velocidade, principalmente para tipos de papéis que não possuem um alto padrão de qualidade.  Offset: É um tipo de impressão rápida e econômica. O sistema offset permite o uso de várias cores, retículas uniformes ou variáveis, o que faz com que as cópias sejam de alta qualidade. As máquinas offset podem ser planas ou rotativas, sendo que as primeiras servem para maiores tiragens e as planas para tiragens um pouco menores. É indicado para impressões que devem ser rápidas e com um número consideravelmente grande de cópias.
  12. 12. A história da tipografia  Antes da tão famosa invenção de Gutenberg, os livros precisavam ser escritos manualmente. Desta forma, cada cópia demorava para ser finalizada e era muito cara.  Contudo os chineses foram os primeiros a criar um sistema de tipografia, muito antes do Gutemberg. O inventor foi Pi Shêng e os tipos eram feitos em argila cozida, madeira e até bronze e eram dispostos numa tábua, a huóban (tábua viva).  Então, tempos depois, Gurenberg criou os primeiros moldes de letras em couro preto, considerados primeiros modelos tipográficos, com linhas verticais grossas e as horizontais um pouco mais finas. O problema era que juntas elas ficavam muito densas e o resultado não era tão legível na impressão. Esta era a primeira versão da hoje conhecida como Times New Roman. Mas a primeira versão oficial da Roman foi criada no séc. 15 pelo Frances Nicolas Jenson. As formas desta versão eram baseadas em linhas retas e retangulares.  Mais tarde, a próxima grande invenção foi o Itálico, inclinando a versão para dar ênfase em frases ou palavras. Nesta mesma época foram criadas a virgula (,) e ponto e vírgula (;) para melhor organização nos textos.
  13. 13.  Mais pra frente outros tipos de fontes foram sendo desenvolvidos, com base em caligrafias mais rústicas e no material utilizado como chapa (as vezes era utilizado madeira ou cobre).  As principais fontes que marcaram a transição foram Old Stylen (criada por Caslon), Transitional (criada por Baskerville) e Modern (criada por Didot e Bodoni), ambas serifadas.  Mais tarde foram surgindo tipologias que abriam mão da serifa, que no começo não eram tão populares, mas com a Revolução Industrial e o avanço da publicidade, estas fontes começaram a ganhar popularidade e versões mais altas e/ou largas e chamativas para serem utilizadas em Cartazes e Outdoors.  Com o tempo foi-se desenvolvendo uma distinção para fontes que seriam utilizadas em títulos para com as do corpo do texto.  Formas simples e complexas de fontes foram sendo desenvolvidas desde então, e com isso os estudos que proporcionavam uma noção de qual tipo de fonte é melhor ou pior para cada tema ou situação.  A melhor parte é que esta história ainda não acabou. A cada dia novas fontes são criadas, principalmente graças ao avanço da tecnologia.
  14. 14. Fontes tipográficas  Tipografia: Do grego typos = forma e graphein =escrita. Fonte tipográfica (tipo ou fonte) é um conjunto ou coleção de caracteres tipográficos que apresentam o mesmo formato, as mesmas características, pode-se também ter o mesmo tamanho (corpo). Dito que fonte Garamond, fonte Arial, fonte Baskerville, ou fonte negrita, fonte itálica. A utilização do anglicismo fonte com o sentido de tipo se difundiu desde a década de 80 por usuários de computadores anglicizados e por programas Microsoft adaptados para o português, a partir do termo inglês font (do latim fundita, do verbo fundere), fundir. Embora o processador de texto Microsoft Word e NÃO SÓ na versão portuguesa de Portugal use a expressão "tipo de letra" (é o mais correto em Português) em vez de fonte, as duas nomenclaturas são aceitas e corretas, sendo o termo fonte, em particular, muito mais usado e difundido no Português do Brasil. Família tipográfica  A família tipográfica, é descrita como um conjunto de variações de determinada fonte (negrito, itálico, versalete, etc.). Com as mesmas características estilísticas fundamentais, são apresentadas com variações de espessura, largura, altura e outros detalhes. Algumas destas variações são mais freqüentes nas famílias tipográficas e recebem nomes que se tornaram conhecidos pelo público em geral, tais como bold (negrito), light (claro), regular, itálico, versalete, dentre outros.
  15. 15. A cor nas artes gráficas  É fato que as cores desempenham um papel essencial em produções gráficas. O princípio é simples. Uma pessoa enxerga uma cor devido a três fatores: - O observador (a visão humana); - A iluminação; - O objeto;  Quanto ao primeiro fator, é obvio que sem a visão humana não haveria percepção. Sem a iluminação, o olho humano não capta a cor. Por fim o objeto contém materiais corantes compostos por grupos cromóforos que são grupamentos químicos que afetam a absorção/reflexão de luz, originando cores.  Assim sendo, não importa a cor do objeto, o que permite que a cor seja obtida pelo observador são os grupos cromóforos que cada cor tem. É por isso que temos cores diferentes e infinitas variações.  As cores possuem uma linguagem própria. Elas podem transmitir informações através de várias associações psicológicas, fisiológicas e sinestésicas. Quando o observador associa a cor á memórias e sentimentos, sensações, etc. O branco por exemplo é uma cor que passa a sensação de calma, paz e pureza.
  16. 16.  Em materiais impressos, as cores devem possuir relação da cor com o tema abordado e a seguir a ordem de leitura desejada naquela página. A relação com tema ajuda a construir melhor a mensagem no cérebro de quem está observando a peça, já que completa um conjunto de informações e age no subconsciente das pessoas (manipulando/criando sentimentos). Quanto à ordem de leitura, a cor pode conduzir o leitor na escolha de qual espaço deverá ser lido primeiro, qual imagem será o foco da peça, etc. Escalas de cores  CORES ESCALA CMYK • A Policromia é o processo que permite simular muitas cores impressas, usando somente 4 cores básicas: CMYK – ciano (azul), magenta yellow (amarelo) e kay (preto). CMYK é utilizado para impressão em cores com tinta, com o objetivo de ocultar algumas cores, quando o fundo é branco, para diminuir a luminosidade e ressaltar a combinação das quatro cores. Funciona também através de impressoras e fotocopiadoras para reproduzir uma grande parte das cores do espectro visível.  Enquanto o CMYK é a cor-pigmento, o sistema RGB (cuja sigla de cores aditivas são formado pelas iniciais das cores em inglês Red, Green e Blue ,vermelho, verde e azul) é definido como a cor-luz, sendo utilizado nos objetos que emitem luz (como na televisão, monitores de computador, as câmeras digitais, scanner, entre outros.
  17. 17.  O sistema de cores Pantone é baseado em um conjunto de tintas que são misturados para criar cores sólidas, que são então utilizadas para imprimir seus materiais. Estas cores cair em um intervalo pré-especificado, encontrado em vários livros de amostras produzidas pela empresa Pantone. As cores são misturados antes de imprimir, em vez de ser criado visualmente fora de pequenos pontos na página, eles são muito mais precisas e consistentes para impressão. Cores Pantone podem ser "rastreados" - um processo em que menos pontos de cor são usados por polegada, o que faz com que a cor pareça mais leve. Assim, mais cores parecem estar sendo usadas em um projeto, sem aumentar os custos de impressão ou número de cores. Cores Pantone são freqüentemente usados em logotipos ou pacotes de papelaria (cartões de visita, papéis timbrados e envelopes), para permitir que essas peças a serem impressas em uma impressora usando uma, duas ou três cores.
  18. 18. Pesquisa feita? Agora é mão na massa!
  19. 19. Nosso logo se transforma em personagem  Resolvemos transformar o mascote e também logotipo da Jairo Comunicação Visual, o Jairo, em personagem.  Como optamos por fazer os desenhos a mão e apenas colorir digitalmente, foram feitos vários rascunhos até chegarmos no Jairo da história:
  20. 20. O patrocínio  A casa de ração Vieira Rações e Empório apoiou nossa causa e concordou em ser nosso patrocinador neste projeto.  Deixaremos com eles um livrinho e uma nova identidade visual.
  21. 21. Ideias não são filhos: A gente desapega  Nossas ideias iniciais apresentavam o Jairo como um super-herói, com parceiros e tudo mais.  Contudo, levando em consideração o tempo e complexidade da história, optamos por uma história mais simples que fosse direto ao ponto.  Também pensamos em falar a respeito de cuidados com os animais, mas depois de algumas conversas optamos por focar no tema em que estamos.
  22. 22. Storyline – Jairo: Primeira Aventura  História começa com uma festa de aniversário. Tito é presenteado com um periquito (Jairo). O menino começa a cuidar do bichinho. Um dia acaba esquecendo a gaiola aberta e o Jairo escapa para uma pracinha. Lá, começa a ciscar em meio ao lixo e acha um chiclete no chão. Ele acaba ficando com o bico grudado. Felizmente sua aflição dura pouco e seu dono chega para o resgatar. Ele pensa sobre como isso pode também acontecer com outros animeis e volta com Jairo para limpar a pracinha.
  23. 23. Você sabia?  Uma curiosidade: Mas afinal, quem é o Tito? Se o Jairo é a personificação do nosso logo, com Tito não poderia ser diferente. Tito baseado nos criadores da parte visual da marca Jairo Comunicação Visual, Renan Ávila e Sávio Rodrigues. Uma homenagem mais do que justa!
  24. 24. Quanto à tipografia  Escolhemos a fonte “A little Sunshine” para gerar empatia com as crianças.  É uma fonte descontraída e extrovertida, ao mesmo tempo em que possui fácil leitura, o que é bom, considerando que nosso público são crianças em idade de alfabetização.
  25. 25. Quanto às cores  Nosso Jairo já é verde desde que era apenas o logo da nossa agência. O fizemos assim para representar vitalidade e liberdade.  Considerando o tema escolhido, usamos e abusamos de tons de azul e verde para remeter à natureza, vida e harmonia.
  26. 26. Quanto às ilustrações  Optamos por desenhos mais simples, feitos a mão pelo nosso ilustrador Sávio e apenas coloridos digitalmente para juntamente com a história prender a atenção das crianças e fazer com que elas se identifiquem.
  27. 27. Quanto ao acabamento  Escolhemos o papel couchê pois, além do baixo custo, possui uma reprodução de cores mais precisa. Sua superfície brilhante reproduz fotografias e processa imagens com cores mais vibrantes e precisas.  Optamos pelo grampeamento à cavalo pela facilidade e praticidade.  Nossas medidas são as de um A5 (210x148 mm) pela praticidade e facilidade na hora da impressão. Formatos menores dificultariam a leitura, principalmente se tratando de crianças, e maiores seriam mais caros. Sem contar que este formado se encaixa perfeitamente nas sacolinhas.
  28. 28. O Boneco  Após apresentar o boneco, foi chamada a atenção para alguns detalhes gramaticais, de contraste e também quanto a enumeração das paginas (obrigatório).  Tudo foi acertado e mais alguns últimos tratos foram acrescentados antes da impressão.  Também modificamos singelamente o final da história para melhorar o efeito de sentido.
  29. 29. Enquanto isso...
  30. 30. A sacolinha  Tivemos a ideia de entregar o livrinho e o brinde em uma sacolinha.  Brinde? Mas que brinde? Vamos pro próximo slide.
  31. 31. A lixeirinha  Como nossa ideia central é conscientizar as crianças a respeito de como é importante não jogar lixo em qualquer lugar, resolvemos entregar como brinde uma lixeirinha de carro. Ela vai dentro da sacolinha juntamente com o livrinho.  Nesta lixeirinha está estampado apenas o contorno do logotipo da nossa agência. A proposta é que a criança mesma pinte o Jairo das cores e da forma que ela quiser, para depois colocar no carro.
  32. 32. Gráfica ou Copiadora  Infelizmente não conseguimos patrocínio o suficiente para uma tiragem maior de livrinhos. Sendo assim, optamos por fazer apenas 15 em uma copiadora local por R$11,00 cada livrinho.
  33. 33. CICTED  Nosso projeto foi aprovado para participar do CICTED 2015. Lá tivemos a oportunidade de apresentar para outras pessoas como estávamos desenvolvendo este projeto, qual sua relevância, etc.  Foi uma ótima experiência!
  34. 34. Por último, mas não menos importante: O custo  Sacolinhas: R$12,00  Lixeirinhas: R$2,00 o metro de TNT (a costura e estampa foram feitos manualmente)  Livrinhos: R$165,00  Painel científico para o CICTED: R$35,00  TOTAL: R$214,00
  35. 35. Tudo pronto  Senhoras e senhores, agora sim estamos com tudo pronto!  #PartiuEscola
  36. 36. Considerações finais Nós que agradecemos... Aprendemos muito enquanto dávamos vida a este projeto. É de extrema importância para nós estudantes poder aprender na prática a lidar com as mais diversas situações durante a realização de um projeto como este. Durante todo o processo tivemos nossos altos e baixos, correrias e descanso, sobe escada, desce escada. Aconteceu de tudo, até salto quebrado da atendente. Mas foi tudo um grande aprendizado que a agência Jairo com certeza vai levar para a vida toda.
  37. 37. Grupo:  Aline Villela  Daniel Gumarães  Raquel Rodrigues  Renan Ávila  Sávio Rodrigues Disciplina:  Produção Gráfica Também conhecidos como: Professores:  Liliane Amaral  Reuel Lopes Quarto semestre PP UNITAU Mat.
  38. 38. Um grande abraço! #SomosTodosJairo

×