Resumos sobre urbanização

6.325 visualizações

Publicada em

Publicada em: Turismo, Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.325
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
41
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Resumos sobre urbanização

  1. 1. URBANIZAÇÃO-RESUMOS HENRIQUE GOMES DE LIMA 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ CURSO: ESPECIALIZAÇÃO EM ENSINO DE GEOGRAFIA DISCIPLINA: URBANIZAÇÃO E PLANOS DIRETORES MUNICIPAIS PROFº SOLONILDO ALMEIDA DA SILVA ALUNO: HENRIQUE GOMES DE LIMA Resumo do texto “A terra como mercadoria” In: Moradia nas cidades brasileiras. De Arlete Moysés Rodrigues; Contexto, 1997. A terra em princípio não deveria constituir-se em um elemento gerador de lucro, pois não foi construída pelo trabalho humano. Contudo não somente no Brasil, mais nos demais países capitalistas a terra integra o conjunto de mercadorias deste modo de produção. É historicamente, um dos repositórios mais comuns e importantes da acumulação de riquezas. É uma mercadoria “sui generis”, não é produto do trabalho, não pode ser produzida, não se consome e tem seu preço constantemente elevado, e por mais velha que fique, nunca se deteriora. Consensualmente afirma-se que só o trabalho cria valor. Assim sendo. A terra é uma mercadoria sem valor, no sentido de que seu preço não é definido pelo o trabalho na sua produção, mas pelo estatuto jurídico da propriedade da terra. A terra é uma espécie de capital que esta sempre se valorizando. É na verdade, um falso capital, porque é um valor que se valoriza, mas a origem de sua valorização não é a atividade produtiva. Investi-se dinheiro em terra e espera-se sua valorização. Se valoriza sem trabalho, sem uso. Pauta-se nas regras do jogo capitalista, que se fundamenta na propriedade privada. O preço da terra no Brasil surge com a ascensão do capitalismo que procura impedir o acesso do trabalhador sem recursos à terra. Leis e pareceres aprovados legitima tal fato. Definem que a terra será vendida no mercado e que terá um preço só acessível a uma determinada classe. Com o processo de urbanização/industrialização esta questão se intensifica.
  2. 2. URBANIZAÇÃO-RESUMOS HENRIQUE GOMES DE LIMA 2 A valorização de terras é algo com características peculiares. No mercado de compra e venda, quando teoricamente se aumenta o volume de ofertas, diminui o preço. No caso dos terrenos, quando novos terrenos entram no mercado, por exemplo, na expansão do perímetro urbano, ou loteamentos de glebas, o preço da terra, no geral, aumenta e não diminui. O preço é definido diferencialmente pela localização. Essa diferenciação que decorre da produção social da cidade, permite aos proprietários se apropriarem de uma renda extra: a renda diferencial. Um dos agentes que ajuda a construir todo esse processo é o Estado, pois além de produzir, distribui e gere os equipamentos necessários à vida nas cidades. Quando assume a provisão de valores de uso, está canalizando através de impostos e taxas parte do trabalho global da sociedade e esse trabalho, possui uma distribuição heterogênea sobre o espaço urbano, acentuando a valorização diferencial de uma área para outra. É nesse momento que os chamados mecanismos da especulação imobiliária surgem e são praticados de várias formas. A mais comum refere-se ao interior de uma área loteada e diz respeito à retenção deliberada de lotes. Vende- se inicialmente os lotes de pior localização em relação aos equipamentos e serviços, para em seguida, à medida em que o loteamento for sendo ocupado, colocar-se os demais á venda. A simples ocupação de alguns já faz aumentar o preço dos demais lotes, valorizando o loteamento. É uma forma de ocupação programada, pois é comum lotes serem “guardados” em lugares estratégicos para a instalação de futuros equipamentos. Uma outra forma de atuação consiste em não fazer um novo loteamento vinho ao já existente, mas deixar-se uma área vazia entre os dois loteamentos. Isso pode ser melhor propiciado se as glebas fizerem parte de um monopólio. A resultante final desses e vários outros processos determinam o preço da habitação. Acrescenta-se a renda da terra absoluta e diferencial, os lucros dos investimentos da incorporação, da construção da casa, e os juros do capital financeiro/ o que atingirá um número extremamente elevado e inacessível para a maioria dos trabalhadores.
  3. 3. URBANIZAÇÃO-RESUMOS HENRIQUE GOMES DE LIMA 3 Resumo do texto “O uso do solo urbano”. In: A cidade. De: Ana Fani A. Carlos. Contexto, 2003. O modo de ocupação de determinado lugar da cidade se dá a partir da necessidade de realização de determinada ação, ou seja, de produzir, consumir, habitar ou viver. Nesse contexto as relações capitalistas determinam o modo de ocupação de determinado lugar na cidade. A materialização da ocupação pode ser desenvolvida a partir de vários pontos de vista. Do ponto de vista do produtor de mercadorias, a cidade materializa-se enquanto condição geral da produção e nesse sentido é o lócus da produção da mais-valia e da circulação; é o mercado e a atividades de apoio à produção. A cidade expressa então uma concentração. Do ponto de vista do morador, enquanto consumidor, a cidade é o meio de consumo coletivo para a reprodução da vida dos homens. É o lócus da habitação e todas as suas necessidades. Finalmente, o uso residencial será determinado pelo o papel que cada indivíduo ocupará no processo de produção geral da sociedade e conseqüentemente o seu lugar na distribuição da riqueza gerada. Assim, a diferenciação dos usos será a manifestação espacial da divisão técnica e social do trabalho, num determinado momento histórico. O uso do solo urbano será disputado pelos os vários segmentos da sociedade de forma diferenciada, gerando conflitos entre indivíduos e usos e esses conflitos são orientados pelo o mercado, mediador fundamental das relações que se estabelecem na sociedade capitalista. Para ter acesso a um pedaço de terra é necessário pagar por ele pelo o fato de que, na sociedade atual, o uso é produto das formas de apropriação e o preço é a expressão do seu valor. O valor do uso é o sustentáculo conceitual do tratamento geográfico dos problemas de uso do solo. Os fatores que determinarão a formação do preço vincula-se principalmente à inserção de determinada parcela no espaço urbano global, tendo como ponto de partida a localização do terreno, o acesso aos lugares ditos privilegiados, à infra-estrutura, à privacidade e
  4. 4. URBANIZAÇÃO-RESUMOS HENRIQUE GOMES DE LIMA 4 secundariamente aos fatores vinculados ao relevo; e finalmente, um fator importante: o processo de valorização espacial. De acordo com essa valorização, as classes de maior renda habitam as melhores áreas. A parcela de menor poder aquisitivo ocupa as áreas deterioradas e abandonadas pelos anteriores, ou ainda a periferia, não arborizada, mas onde os terrenos são mais baratos devido à ausência de infra-estrutura, a distância das zonas privilegiadas da cidade e a possibilidade de realizar uma construção do tipo em mutirão. E para aqueles que não têm nem essa possibilidade, o que sobra é a favela em cujos terrenos em sua maioria, não vigoram o direito de propriedade. Ao exército industrial de reserva que não consegue sequer viver de bicos e se apega ao comercio nos semáforos, e às esmolas, sobram os bancos públicos, as marquises ou o abrigo das pontes e viadutos. É o processo de reprodução do capital que vai indicar os modos de ocupação pela sociedade baseados nos mecanismos de apropriação privada, em que o uso do solo é o produto da condição geral do processo de produção da humanidade, que impõe uma determinada configuração ao espaço urbano.

×