FOCO DE RECURSOS HUMANOS NOS NEGÓCIOS DA EMPRESA Valter Borlina [email_address] [email_address] LinkedIn:  Valter  Borlina...
CASE DE QUALIDADE DE VIDA
MAPEAMENTO DA SITUAÇÃO ATUAL 1ª Etapa <ul><li>Benefício Saúde: </li></ul><ul><li>Taxa de sinistralidade elevada </li></ul>...
Benefício Saúde – Custeio e Sinistralidade R$ MAPEAMENTO DA SITUAÇÃO ATUAL 1ª Etapa Case de Qualidade de Vida 2004 2002 2003
<ul><li>Custo de Internações decorrentes de problemas que não tiveram uma gestão focada na qualidade de vida no passado: <...
MAPEAMENTO DO PERFIL DO RISCO 2ª Etapa <ul><li>Benefício Saúde: </li></ul><ul><li>Troca da Administradora  </li></ul><ul><...
Benefício Saúde – Custeio e Sinistralidade R$ MAPEAMENTO DO PERFIL DO RISCO 2ª Etapa Case de Qualidade de Vida Julho/ 2005...
INVESTIMENTO E RECUPERAÇÃO 3ª Etapa <ul><li>Boa Alimentação: </li></ul><ul><li>Refeitório da Fabrica atendendo em torno de...
INVESTIMENTO E RECUPERAÇÃO 3ª Etapa <ul><li>Educação: </li></ul><ul><li>Auxílio Creche atendendo em torno de 63 crianças/m...
INVESTIMENTO E RECUPERAÇÃO 3ª Etapa <ul><li>Educação: </li></ul><ul><li>Treinamento e Desenvolvimento: Visando o desenvolv...
INVESTIMENTO E RECUPERAÇÃO 3ª Etapa <ul><li>Educação: </li></ul><ul><li>Programa de Excelência Operacional: Tem como objet...
INVESTIMENTO E RECUPERAÇÃO 3ª Etapa <ul><li>Recreação: </li></ul><ul><li>Aluguel de Quadra de Futebol para que todos os fu...
INVESTIMENTO E RECUPERAÇÃO 3ª Etapa <ul><li>Celebrações: </li></ul><ul><li>Festa de Final de Ano: promoção todo final de a...
INVESTIMENTO E RECUPERAÇÃO 3ª Etapa <ul><li>Outras Iniciativas: </li></ul><ul><li>Programa Jubileu: reconhecimento a dedic...
INVESTIMENTO E RECUPERAÇÃO 3ª Etapa <ul><li>Transporte: </li></ul><ul><li>Aluguel de Kombis e Vans: A empresa entende que ...
INVESTIMENTO E RECUPERAÇÃO 3ª Etapa <ul><li>Saúde: </li></ul><ul><li>Como parte do programa de Qualidade de Vida a empresa...
R$ NOVO MAPEAMENTO 4ª Etapa 2007 Case de Qualidade de Vida 2005 2006 2007
NOVO MAPEAMENTO 4ª Etapa 2007 Case de Qualidade de Vida <ul><li>Pesquisa Institucional </li></ul><ul><li>Auditoria Social ...
Case de Qualidade de Vida NOVO MAPEAMENTO 4ª Etapa 2007 1) Pesquisa institucional   Universo: a organização (estrutura, ge...
Case de Qualidade de Vida NOVO MAPEAMENTO 4ª Etapa 2007 2)  Auditoria social  Universo: público de interesse  Objetivo: pe...
Case de Qualidade de Vida NOVO MAPEAMENTO 4ª Etapa 2007 3)  Auditoria de Opinião Universo: público de interesse e sistemas...
Case de Qualidade de Vida NOVO MAPEAMENTO 4ª Etapa 2007 4) Fatores de sucesso: Envolvimento com o programa em todos os nív...
Case de Qualidade de Vida NOVO MAPEAMENTO 4ª Etapa 2007 <ul><li>Caso contrário... </li></ul><ul><ul><li>Reputação afetada ...
PERSPECTIVAS FUTURAS DE RECURSOS HUMANOS
ORGANIZAÇÃO PÓS-BUROCRÁTICA REAGIR : ADAPTAR-SE ÀS MUDANÇAS AMBIENTAIS AJUSTAR : OBSERVA AS MUDANÇAS E AJUSTA SUAS AÇÕES /...
Diagnóstico Organizacional ORGANIZAÇÃO DESENVOLVIMENTISTA   CRÍTICA CONSCIENTE FLEXIBILIDADE CRIAÇÃO / INOVAÇÃO : PROVOCA ...
Perfil Gerencial no Século XXI O NAVEGADOR O NAVEGADOR EXPRESSA A EVOLUÇÃO QUE TIVEMOS DO NAVEGADOR DAS CARAVELAS AO ASTRO...
Perfil Gerencial no Século XXI <ul><li>O NAVEGADOR :  SUAS CARACTERÍSTICAS SÃO: </li></ul><ul><li>NÃO PERDE O NORTE </li><...
Perfil Gerencial no Século XXI O ALPINISTA O ALPINISTA FOI ESCOLHIDO PARA REPRESENTAR ESSAS CARACTERÍSTICAS POR SER UM ESP...
Perfil Gerencial no Século XXI <ul><li>O ALPINISTA :  SUAS CARACTERÍSTICAS SÃO: </li></ul><ul><li>SEU PROJETO COMEÇA A PAR...
Perfil Gerencial no Século XXI O VIAJANTE É UM DOS PERFIS MAIS COMPLEXOS. EXISTEM GERENTES QUE, POR SUA FORMAÇÃO SÓCIO-PRO...
Perfil Gerencial no Século XXI <ul><li>O VIAJANTE :   SUAS CARACTERÍSTICAS SÃO: </li></ul><ul><li>APRENDE EM CADA VIAGEM <...
Perfil Gerencial no Século XXI O MALABARISTA A ORGANIZAÇÃO CLÁSSICA, RACIONAL, CARTESIANA, SEMPRE CRITICOU AQUELES QUE FAZ...
Perfil Gerencial no Século XXI O MALABARISTA UM PERFIL DE MALABARISTA PRESSUPÕE MUITA FLEXIBILIDADE E AGILIDADE. HOJE É FU...
Perfil Gerencial no Século XXI <ul><li>O MALABARISTA :  SUAS CARACTERÍSTICAS SÃO: </li></ul><ul><li>CONSEGUE MANTER OS 12 ...
Perfil Gerencial no Século XXI O EMPREENDEDOR ESTA TEM SIDO UMA EXIGÊNCIA CRÍTICA PARA O GERENTE, REVELANDO SEU CONHECIMEN...
Perfil Gerencial no Século XXI O EMPREENDEDOR   OUTRO CONJUNTO DE CARACTERÍSTICAS QUE SE AGLUTINARAM NO PERFIL EMPREENDEDO...
Perfil Gerencial no Século XXI <ul><li>O EMPREENDEDOR :  SUAS CARACTERÍSTICAS SÃO: </li></ul><ul><li>TEM CLARA NOÇÃO DOS R...
De Comando e Controle a Coordenação e Reforço Coordenação – foco nas atividades que devem ser desenvolvidas e nas relações...
Autonomia Responsável Forma de organização na qual é dada aos profissionais, grau de autoridade correspondente às suas res...
O Paradoxo dos Padrões No futuro, uma das principais responsabilidades de gerentes senior, deverá ser a definição das regr...
O Imperativo da Velocidade Velocidade passou a ser elemento de crescente importância na estratégia de unidades de negócios...
“ Swarm engineering”  – Técnica que designa e aloca grandes equipes de engenheiros para desenvolverem projetos no modelo d...
Em Busca da Empresa Saudável São responsabilidade dos executivos senior: Definição clara dos papeis na estrutura organizac...
CELEBRE! CADA NOVO DIA
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Foco De Rh No Resultado Da Empresa Parte 3

976 visualizações

Publicada em

An HR presentation done for HR Sr members in São Paulo - Aug, 2009 - Part 3

Publicada em: Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
976
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
17
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Foco De Rh No Resultado Da Empresa Parte 3

  1. 1. FOCO DE RECURSOS HUMANOS NOS NEGÓCIOS DA EMPRESA Valter Borlina [email_address] [email_address] LinkedIn: Valter Borlina 11.8245.5596 Agosto/2009 Parte 3
  2. 2. CASE DE QUALIDADE DE VIDA
  3. 3. MAPEAMENTO DA SITUAÇÃO ATUAL 1ª Etapa <ul><li>Benefício Saúde: </li></ul><ul><li>Taxa de sinistralidade elevada </li></ul><ul><li>Não existia relatórios de ocorrências da sinistralidade </li></ul><ul><li>Falta de acompanhamento dos casos críticos </li></ul><ul><li>Não participação dos processos negociais de reajuste </li></ul><ul><li>Uso em sua maioria pelos Titulares (Reflexo do Clima Organizacional) </li></ul><ul><li>Alto impacto Financeiro ($) </li></ul><ul><li>Maiores contas (Internações e exames laboratoriais) </li></ul><ul><li>Altos índices de absenteísmo e Turnover (MOD) </li></ul>Case de Qualidade de Vida
  4. 4. Benefício Saúde – Custeio e Sinistralidade R$ MAPEAMENTO DA SITUAÇÃO ATUAL 1ª Etapa Case de Qualidade de Vida 2004 2002 2003
  5. 5. <ul><li>Custo de Internações decorrentes de problemas que não tiveram uma gestão focada na qualidade de vida no passado: </li></ul><ul><li>Educação </li></ul><ul><li>Orientação </li></ul><ul><li>Monitoramento </li></ul><ul><li>Mudança de hábitos. </li></ul>Benefício Saúde – Rateio de Custos MAPEAMENTO DA SITUAÇÃO ATUAL 1ª Etapa Case de Qualidade de Vida
  6. 6. MAPEAMENTO DO PERFIL DO RISCO 2ª Etapa <ul><li>Benefício Saúde: </li></ul><ul><li>Troca da Administradora </li></ul><ul><li>Elaboração de relatórios detalhados de ocorrências da sinistralidade </li></ul><ul><li>Atuação direta da área médica no acompanhamento dos casos críticos </li></ul><ul><li>Início participação dos processos negociais de reajuste </li></ul><ul><li>Início de Palestras </li></ul><ul><li>Aplicação de testes de Glicemia, IMC e Pressão Arterial </li></ul><ul><li>Monitoramento e controle da patologia com aplicação de questionário para detalhamento da doença </li></ul>Case de Qualidade de Vida
  7. 7. Benefício Saúde – Custeio e Sinistralidade R$ MAPEAMENTO DO PERFIL DO RISCO 2ª Etapa Case de Qualidade de Vida Julho/ 2005 Julho/ 2004
  8. 8. INVESTIMENTO E RECUPERAÇÃO 3ª Etapa <ul><li>Boa Alimentação: </li></ul><ul><li>Refeitório da Fabrica atendendo em torno de 600 funcionários, servindo em torno de 252.272 refeições por ano incluindo desjejuns, almoços e lanches e totalizando um investimento de R$ 943.564,32/ano </li></ul><ul><li>Distribuição de vales refeição a 242 funcionários alem de manutenção da copa no escritório oferecendo café, chá, água e bolachas durante todo horário do expediente com investimento anual em torno de R$ 842.896,77 </li></ul><ul><li>Cestas Básicas subsidiadas e distribuídas a 696 funcionários, totalizando um investimento de R$ 354.432,00/ano </li></ul><ul><li>Investimento total no ano de 2006 de R$ 2.140.893,09 em programas de alimentação para atender cerca de 800 funcionários </li></ul>Case de Qualidade de Vida
  9. 9. INVESTIMENTO E RECUPERAÇÃO 3ª Etapa <ul><li>Educação: </li></ul><ul><li>Auxílio Creche atendendo em torno de 63 crianças/mês, com uma ajuda de R$ 325,00 por criança/mês, para auxílio no pagamento de creches, berçários, babás, etc. Durante 24 meses após o retorno da mãe de licença maternidade, com investimento na ordem de R$325.136,00/ano </li></ul><ul><li>Auxílio filho excepcional atendendo 6 filhos de funcionários, com uma ajuda de R$ 585,00 por criança/mês, para auxílio no pagamento de creches, berçários, babás, etc. com investimento anual de cerca de R$42.120,00 </li></ul><ul><li>Auxílio na compra de material escolar feito através de uma vale concedido em janeiro de cada ano a todos os funcionários que possuem filhos na faixa de 6-14 anos de idade, atendendo a 355 crianças com investimento da ordem de R$22.056,15 </li></ul>Case de Qualidade de Vida
  10. 10. INVESTIMENTO E RECUPERAÇÃO 3ª Etapa <ul><li>Educação: </li></ul><ul><li>Treinamento e Desenvolvimento: Visando o desenvolvimento profissional, uma melhor qualidade de vida e melhoria na empregabilidade dos funcionários com investimento em 2006 do valor de R$ 735.625,34 em treinamentos internos e externos para os funcionários. O que significou 14.783 horas/homem de treinamento e envolveu cerca de 2836 pessoas. Alguns exemplos nesta área são os programas de aulas de Português e Matemática e o programa de Inclusão digital oferecidos aos funcionários que trabalhavam na fábrica </li></ul>Case de Qualidade de Vida
  11. 11. INVESTIMENTO E RECUPERAÇÃO 3ª Etapa <ul><li>Educação: </li></ul><ul><li>Programa de Excelência Operacional: Tem como objetivos: a máxima eficiência da produção; a evolução das pessoas incrementando suas habilidades e técnicas; comprometimento, participação e motivação dos funcionários. O programa consiste na criação de times de trabalho que com a utilização de ferramentas de qualidade e produtividade, conseguem alcançar objetivos e resultados estipulados, fortalecendo o conceito de trabalho em equipe, liderança e relacionamento humano. O programa iniciou em 2002 com 09 times e fechou 2007 com 18 times formados por funcionários de varias áreas. Trabalho voluntário e tem cerca de 92% dos funcionários da fabrica envolvidos e no dia da apresentação dos resultados ocorria uma comemoração com todos os funcionários. O investimento em 2006 foi de R$ 58.000,00 </li></ul>Case de Qualidade de Vida
  12. 12. INVESTIMENTO E RECUPERAÇÃO 3ª Etapa <ul><li>Recreação: </li></ul><ul><li>Aluguel de Quadra de Futebol para que todos os funcionários pudessem utilizar. A mesma é alugada por 2 vezes por semana (ás 5ªfeiras a noite e aos domingos). Investimento total/ano de cerca de R$ 16.800,00 </li></ul><ul><li>Celebrações: </li></ul><ul><li>Cesta de Natal: distribuição anual em dezembro de cestas de natal aos funcionários. Cerca de 850 cestas implicando em um Investimento de R$ 101.150,00 </li></ul><ul><li>Brinquedos de Natal: distribuição anual em dezembro de vales brinquedos a todos os filhos de funcionários na faixa etária de 0-14 anos. Cerca de 625 crianças recebendo este vale implicando em um Investimento de R$ 39.375,00 </li></ul>Case de Qualidade de Vida
  13. 13. INVESTIMENTO E RECUPERAÇÃO 3ª Etapa <ul><li>Celebrações: </li></ul><ul><li>Festa de Final de Ano: promoção todo final de ano de festa de confraternização para todos os funcionários alugando um espaço, providênciado transporte gratuito aos funcionários, distribuição de brindes, providênciado alimentação e contratado um intérprete para que os funcionários com deficiência auditiva pudessem participar integralmente do evento. No final do ano de 2006 o Investimento deste evento foi de R$ 80.000,00 </li></ul><ul><li>Outras Iniciativas: </li></ul><ul><li>Plano de Previdência Privadaa a todos os funcionários: 2 tipos de planos um no qual a empresa paga 2,53% sobre o salário a todos os funcionários da empresa. O outro plano é opcional e o funcionário pode contribuir com o percentual que quiser e a empresa contribui com metade desta porcentagem, com o limite máximo de até 2% do salário. O Investimento total no ano de 2006 foi de R$ 1.017.987,11 </li></ul>Case de Qualidade de Vida
  14. 14. INVESTIMENTO E RECUPERAÇÃO 3ª Etapa <ul><li>Outras Iniciativas: </li></ul><ul><li>Programa Jubileu: reconhecimento a dedicação dos funcionários oferecendo Prêmios e Brindes por tempo de casa (múltiplos de 5 anos). No ano de 2006, o valor investido neste programa foi de R$ 62.169,93 e 280 funcionários foram contemplados </li></ul><ul><li>Empréstimo Consignado: convênio oferecendo empréstimos aos funcionários com baixas taxas de juros e desconto em folha de pagamento. Deste julho/2005 até setembro/2006, foram concedidos empréstimos no valor de R$ 918.200,00 com 442 solicitações </li></ul>Case de Qualidade de Vida
  15. 15. INVESTIMENTO E RECUPERAÇÃO 3ª Etapa <ul><li>Transporte: </li></ul><ul><li>Aluguel de Kombis e Vans: A empresa entende que por estar situada em uma cidade como São Paulo, onde os problemas de segurança são graves e com intuito de garantir a segurança de seus funcionários, implantou o programa que atende á 133 funcionários da fábrica que trabalham nos 3º e 4ª turnos efetuando transporte entre residência e fábrica </li></ul><ul><li>Vale Transporte: Subsídio concedido a todos os funcionários na compra de Vales Transporte </li></ul><ul><li>. Outros programas na área de transporte. Um destes programas é a concessão de carros a toda Força de Vendas com intuito de facilitar e focar o trabalho da mesma </li></ul><ul><li>O valor total investido em 2006 nos programas de transporte foi de R$ 3.894.662,50 </li></ul>Case de Qualidade de Vida
  16. 16. INVESTIMENTO E RECUPERAÇÃO 3ª Etapa <ul><li>Saúde: </li></ul><ul><li>Como parte do programa de Qualidade de Vida a empresa durante o ano de 2006 promoveu varias campanhas e ações preventivas na área de Saúde. Estas campanhas foram oferecidas a todos os funcionários da companhia </li></ul><ul><li>Proteção Auditiva e Acuidade Visual </li></ul><ul><li>Orientação sobre DST / AIDS </li></ul><ul><li>Vacinação contra Gripe </li></ul><ul><li>Dia Mundial sem Tabaco </li></ul><ul><li>Vacinação Anti-Rábica </li></ul><ul><li>Glicemia e Colesterol </li></ul><ul><li>Check up Bi- annual aos Executivos </li></ul><ul><li>Vacinação - Meningite C </li></ul><ul><li>Programa Ginástica Laborial </li></ul>Case de Qualidade de Vida
  17. 17. R$ NOVO MAPEAMENTO 4ª Etapa 2007 Case de Qualidade de Vida 2005 2006 2007
  18. 18. NOVO MAPEAMENTO 4ª Etapa 2007 Case de Qualidade de Vida <ul><li>Pesquisa Institucional </li></ul><ul><li>Auditoria Social </li></ul><ul><li>Diagnóstico </li></ul><ul><li>Programa Qualidade de Vida </li></ul><ul><li>  Projeto Saúde </li></ul><ul><li>Projeto Cultura </li></ul><ul><li>Projeto Ergonomia </li></ul><ul><li>Projeto Esporte </li></ul><ul><li>Projeto Recreação </li></ul><ul><li>Auditoria de Opinião </li></ul>
  19. 19. Case de Qualidade de Vida NOVO MAPEAMENTO 4ª Etapa 2007 1) Pesquisa institucional Universo: a organização (estrutura, gestão, comunicação RH) Objetivo: construir um diagnóstico corporativo para alicerçar o planejamento Técnica: questionário e entrevista em profundidade Vantagem: entender a filosofia atual da empresa
  20. 20. Case de Qualidade de Vida NOVO MAPEAMENTO 4ª Etapa 2007 2) Auditoria social Universo: público de interesse Objetivo: pesquisar, examinar e avaliar o perfil sócio-cultural do público de interesse, para mapear seu comportamento fora do trabalho como lazer, entretenimento, esporte e saúde. Técnica: a) questionário (quantitativo) b) grupo focal (qualitativo) - grupos de discussões debatem e aprofundam os tópicos identificados, através de questionário/pré-roteiro. Vantagem: os colaboradores sentem-se parte do processo
  21. 21. Case de Qualidade de Vida NOVO MAPEAMENTO 4ª Etapa 2007 3) Auditoria de Opinião Universo: público de interesse e sistemas de comunicação Objetivo: é mais pontual, pois visa ouvir o parecer de públicos representativos sobre a eficácia da Campanha criada e examinar as ferramentas usadas. Técnica: questionário, entrevista aberta, grupo focal, análise de produtos de comunicação Vantagem: devolutiva aos colaboradores 
  22. 22. Case de Qualidade de Vida NOVO MAPEAMENTO 4ª Etapa 2007 4) Fatores de sucesso: Envolvimento com o programa em todos os níveis Exemplo e Comprometimento das Lideranças Proposta de eventos motivadores, mobilizadores e empolgantes Calendário de eventos difundido, viável e conciliado com outras atividades da empresa Campanha eficiente de mobilização Participação
  23. 23. Case de Qualidade de Vida NOVO MAPEAMENTO 4ª Etapa 2007 <ul><li>Caso contrário... </li></ul><ul><ul><li>Reputação afetada </li></ul></ul><ul><ul><li>Projetos futuros em risco </li></ul></ul><ul><ul><li>Credibilidade abalada </li></ul></ul><ul><ul><li>Desmotivação </li></ul></ul><ul><ul><li>Imagem ruim perante os funcionários </li></ul></ul><ul><ul><li>Desperdício de recursos </li></ul></ul>
  24. 24. PERSPECTIVAS FUTURAS DE RECURSOS HUMANOS
  25. 25. ORGANIZAÇÃO PÓS-BUROCRÁTICA REAGIR : ADAPTAR-SE ÀS MUDANÇAS AMBIENTAIS AJUSTAR : OBSERVA AS MUDANÇAS E AJUSTA SUAS AÇÕES / COMPORTAMENTOS ÀS MUDANÇAS EXPLORAR FORÇAS POSITIVAS FAVORÁVEIS ORGANIZAÇÃO CONSCIENTE DA NECESSIDADE DE MUDAR : AS PESSOAS SABEM QUE A ORGANIZAÇÃO PRECISA MUDAR, MAS NÃO TÊM UMA CLARA NOÇÃO DO COMO, DO QUÊ E DO QUANDO Diagnóstico Organizacional
  26. 26. Diagnóstico Organizacional ORGANIZAÇÃO DESENVOLVIMENTISTA CRÍTICA CONSCIENTE FLEXIBILIDADE CRIAÇÃO / INOVAÇÃO : PROVOCA MUDANÇAS NO AMBIENTE PROATIVIDADE SENSO DE OPORTUNIDADE ORGANIZAÇÃO ABERTA ÀS MUDANÇAS HÁ FLEXIBILIDADE E ABERTURA PARA A MUDANÇA, VISTA COMO UM PROCESSO NATURAL DE AJUSTAMENTO ÀS CONDIÇÕES DO MERCADO E COMO UMA FORMA DE APERFEIÇOAMENTO CONSTANTE E BUSCA DE EFICÁCIA E QUALIDADE DOS RESULTADOS
  27. 27. Perfil Gerencial no Século XXI O NAVEGADOR O NAVEGADOR EXPRESSA A EVOLUÇÃO QUE TIVEMOS DO NAVEGADOR DAS CARAVELAS AO ASTRONAUTA, EM MAIS DE 500 ANOS DE HISTÓRIA. A METÁFORA INDICA A PERCEPÇÃO DA NECESSIDADE DE ATUALIZAÇÃO TECNOLÓGICA DO NAVEGADOR, EM FUNÇÃO DA COMPLEXIDADE DAS VIAGENS E A CLARA EVIDÊNCIA DE QUE É PRECISO DOMINAR OS INSTRUMENTOS DE NAVEGAÇÃO DISPONÍVEIS. HARVARD BUSINESS SCHOOL
  28. 28. Perfil Gerencial no Século XXI <ul><li>O NAVEGADOR : SUAS CARACTERÍSTICAS SÃO: </li></ul><ul><li>NÃO PERDE O NORTE </li></ul><ul><li>EVOLUI DA “OBSERVAÇÃO DAS ESTRELAS AO DESAFIO DAS VIAGENS ENTRE AS ESTRELAS” </li></ul><ul><li>SABE ESPECIFICAR E USAR OS INSTRUMENTOS </li></ul><ul><li>AVALIA E DEFINE ROTAS ALTERNATIVAS </li></ul><ul><li>DEFINE QUANDO É MELHOR PARAR OU NAVEGAR </li></ul><ul><li>COMUNICA COM CLAREZA SUA POSIÇÃO </li></ul>HARVARD BUSINESS SCHOOL
  29. 29. Perfil Gerencial no Século XXI O ALPINISTA O ALPINISTA FOI ESCOLHIDO PARA REPRESENTAR ESSAS CARACTERÍSTICAS POR SER UM ESPORTISTA QUE, POR COLOCAR SUA VIDA EM RISCO A CADA EMPREITADA, TRABALHA COM ALTO GRAU DE EFICIÊNCIA E EFICÁCIA, SEMPRE ESTIMULADO PELA VISÃO DA CONQUISTA QUE LHE IMPULSIONA E QUE O FAZ, APÓS A FAÇANHA REALIZADA, SONHAR DE NOVO E ARQUITETAR SUA PRÓXIMA ESCALADA. HARVARD BUSINESS SCHOOL
  30. 30. Perfil Gerencial no Século XXI <ul><li>O ALPINISTA : SUAS CARACTERÍSTICAS SÃO: </li></ul><ul><li>SEU PROJETO COMEÇA A PARTIR DE UMA VISÃO </li></ul><ul><li>DEFINE CLARAMENTE MISSÃO E OBJETIVOS </li></ul><ul><li>PLANEJA COM DETALHES SUA ESCALADA </li></ul><ul><li>AVALIA RISCOS, ALTERNATIVAS, CONDIÇÕES AMBIENTAIS E CLIMÁTICAS </li></ul><ul><li>PLANEJA RECURSOS, INSTRUMENTOS, EQUIPE </li></ul><ul><li>TOMA DECISÕES CONSCIENTES </li></ul><ul><li>TRABALHA COM EFICÁCIA AS RELAÇÕES DE CUSTO / BENEFÍCIO </li></ul><ul><li>TEM SEMPRE EM MENTE O OBJETIVO FINAL, SEM PERDER DE VISTA AS FASES INTERMEDIÁRIAS </li></ul><ul><li>TRABALHA EM EQUIPE, PARA A EQUIPE, COM A EQUIPE </li></ul>HARVARD BUSINESS SCHOOL
  31. 31. Perfil Gerencial no Século XXI O VIAJANTE É UM DOS PERFIS MAIS COMPLEXOS. EXISTEM GERENTES QUE, POR SUA FORMAÇÃO SÓCIO-PROFISSIONAL, SÃO VERDADEIROS ERMITÕES QUE VIVEM ISOLADOS EM SEUS RESTRITOS “UNIVERSOS”. A COMPETITIVADE GLOBAL, A NECESSIDADE DE UMA POLIVALÊNCIA CULTURAL, OBRIGA HOJE TODOS OS GERENTES A ESTAREM ABERTOS A NOVAS CULTURAS, NOVOS HÁBITOS, NOVOS COSTUMES, OU SEJA, OBRIGA-OS ABRIR-SE PARA O MUNDO. HARVARD BUSINESS SCHOOL
  32. 32. Perfil Gerencial no Século XXI <ul><li>O VIAJANTE : SUAS CARACTERÍSTICAS SÃO: </li></ul><ul><li>APRENDE EM CADA VIAGEM </li></ul><ul><li>INTERESSA-SE POR ESTUDAR E ENTENDER OUTRAS CULTURAS, IDIOMAS E HISTÓRIAS </li></ul><ul><li>APROVEITA CADA VIAGEM COMO UM APRENDIZADO </li></ul>HARVARD BUSINESS SCHOOL
  33. 33. Perfil Gerencial no Século XXI O MALABARISTA A ORGANIZAÇÃO CLÁSSICA, RACIONAL, CARTESIANA, SEMPRE CRITICOU AQUELES QUE FAZIAM VÁRIAS COISAS AO MESMO TEMPO. FALTA DE FOCO, FALTA DE SENTIDO DE PRIORIDADE, DESORGANIZAÇÃO E OUTRAS CRÍTICAS ERAM CONSTANTES PARA OS QUE DESENVOLVIAM UMA SOMATÓRIA DE ATIVIDADES SIMULTÂNEAS. HOJE, A ORGANIZAÇÃO HORIZONTAL E A DIMINUIÇÃO DE NÍVEIS HIERÁRQUICOS EXIGE QUE O GERENTE TENHA UM PERFIL DE MALABARISTA. HARVARD BUSINESS SCHOOL
  34. 34. Perfil Gerencial no Século XXI O MALABARISTA UM PERFIL DE MALABARISTA PRESSUPÕE MUITA FLEXIBILIDADE E AGILIDADE. HOJE É FUNDAMENTAL A COMPETÊNCIA DE MANTER “12 PRATINHOS” RODANDO AO MESMO TEMPO, CORRENDO QUANDO UM PRECISA DE CUIDADOS PRIORITÁRIOS PARA SE MANTER EM EQUILÍBRIO, SEM TIRAR OS OLHOS DOS OUTROS. HARVARD BUSINESS SCHOOL
  35. 35. Perfil Gerencial no Século XXI <ul><li>O MALABARISTA : SUAS CARACTERÍSTICAS SÃO: </li></ul><ul><li>CONSEGUE MANTER OS 12 PRATINHOS RODANDO </li></ul><ul><li>TEM A PROPRIEDADE DE TRABALHAR COM ATIVIDADES SIMULTÂNEAS, SEM PERDER A NOÇÃO DE PRIORIDADE </li></ul><ul><li>É FLEXÍVEL </li></ul><ul><li>É ÁGIL </li></ul><ul><li>ESTÁ EM CONSTANTE APRIMORAMENTO </li></ul>HARVARD BUSINESS SCHOOL
  36. 36. Perfil Gerencial no Século XXI O EMPREENDEDOR ESTA TEM SIDO UMA EXIGÊNCIA CRÍTICA PARA O GERENTE, REVELANDO SEU CONHECIMENTO DA ORGANIZAÇÃO COMO UM TODO E NÃO APENAS DE FUNÇÕES / ÁREAS ISOLADAS. É CLARA A NECESSIDADE DA VISÃO DE CONJUNTO, CARACTERÍSTICA DAS MODERNAS ESTRUTURAS ORGANIZADAS POR PROCESSOS VOLTADOS À SATISFAÇÃO DO USUÁRIO DOS SERVIÇOS / PRODUTOS. HARVARD BUSINESS SCHOOL
  37. 37. Perfil Gerencial no Século XXI O EMPREENDEDOR OUTRO CONJUNTO DE CARACTERÍSTICAS QUE SE AGLUTINARAM NO PERFIL EMPREENDEDOR É AQUELE RELACIONADO À COMPETÊNCIA EM GERIR, MOTIVAR, UNIR E TRABALHAR COM PESSOAS. SÃO AS PESSOAS QUE FORMAM O CAPITAL INTELECTUAL, RECURSO QUE MAIS REQUER ATENÇÃO HOJE NAS ORGANIZAÇÕES. HARVARD BUSINESS SCHOOL
  38. 38. Perfil Gerencial no Século XXI <ul><li>O EMPREENDEDOR : SUAS CARACTERÍSTICAS SÃO: </li></ul><ul><li>TEM CLARA NOÇÃO DOS RISCOS </li></ul><ul><li>É UM AGLUTINADOR DE PESSOAS </li></ul><ul><li>USA A INTUIÇÃO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO </li></ul><ul><li>TEM PROFUNDO INTERESSE PELO SER HUMANO </li></ul><ul><li>É PERSISTENTE E PERSPICAZ </li></ul><ul><li>TRABALHA E DECIDE COM VARIÁVEIS NÃO CONTROLÁVEIS </li></ul><ul><li>TRANSITA BEM EM AMBIENTES PLURALISTAS E MULTICULTURAIS </li></ul>HARVARD BUSINESS SCHOOL
  39. 39. De Comando e Controle a Coordenação e Reforço Coordenação – foco nas atividades que devem ser desenvolvidas e nas relações entre elas. Reforço – foco nas pessoas que desenvolvem as atividades – o que esperam, no que são hábeis, como podem ajudar-se mutuamente. Comando e Controle -“Consequence Management” - Uma forma elegante de “stick-and –carrot”. Sem um nível mínimo de proficiência em comando e controle, uma empresa tem poucas chances de ter um desempenho adequado no seu todo. Cultura Ágil e Nova Estrutura Mental
  40. 40. Autonomia Responsável Forma de organização na qual é dada aos profissionais, grau de autoridade correspondente às suas responsabilidades, fazendo-os responsáveis pelo resultado de suas ações. O mais alto grau de autonomia profissional, é o reconhecimento da interdependência. Centralização versus Descentralização Do gestor desta primeira década do século 21 é requerida a habilidade de mover-se com desenvoltura, em ambos os sentidos em resposta a distintas situações. Cultura Ágil e Nova Estrutura Mental
  41. 41. O Paradoxo dos Padrões No futuro, uma das principais responsabilidades de gerentes senior, deverá ser a definição das regras do jogo – os padrões com os quais o resto da organização deve trabalhar. Padrões rígidos em áreas selecionadas de um sistema, podem propiciar níveis substanciais de flexibilidade e descentralização em outras partes do sistema. Cultura Ágil e Nova Estrutura Mental
  42. 42. O Imperativo da Velocidade Velocidade passou a ser elemento de crescente importância na estratégia de unidades de negócios, velocidade do fluxo de materiais, e da informação. “ Six Sigma” – Ferramentas que assistem na redução / eliminação da variância nos processos. “ Lean enterprise” – Moderno conceito que envolve programas de expansão dos principios de manufatura enxuta, para além do chão de fabrica. Entre eles, melhorias de processos internos (O2C), gestão da cadeia de suprimentos, gestão da demanda Cultura Ágil e Nova Estrutura Mental
  43. 43. “ Swarm engineering” – Técnica que designa e aloca grandes equipes de engenheiros para desenvolverem projetos no modelo de passos concomitantes, em oposição ao modelo tradicional de engenharia seqüencial. A resultante é a redução dramática do ciclo de desenvolvimento do produto / serviço, e a melhoria significativa da confiabilidade da entrega. “ Lean manufacturing” – Abordagem estruturada que permite a redução do fluxo de materiais na planta fabril, eliminação de perdas, e de atividades não geradoras de valor, propiciando ainda que qualidade seja produzida na fonte de produção. “ Demand management” – Foco na identificação e compreensão do padrão de necessidades dos clientes, ao invés da reatividade a pedidos. Cultura Ágil e Nova Estrutura Mental
  44. 44. Em Busca da Empresa Saudável São responsabilidade dos executivos senior: Definição clara dos papeis na estrutura organizacional, alinhados às necessidades dos negócios – ACCOUNTABILITY. Articulação de uma visão desafiadora do futuro – DIRECTION Criação de um ambiente que encoraje transparência, confiança, e aceitação de desafios - CULTURE Cultura Ágil e Nova Estrutura Mental
  45. 45. CELEBRE! CADA NOVO DIA

×