SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 13
Baixar para ler offline
SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO
BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO
ANA PAULA ALVES DE ANDRADE

PRODUÇÃO TEXTUAL INTERDISCIPLINAR INDIVIDUAL
FINANÇAS EMPRESARIAIS

Barra de São Francisco
2013
ANA PAULA ALVES DE ANDRADE

PRODUÇÃO TEXTUAL INTERDISCIPLINAR INDIVIDUAL
FINANÇAS EMPRESARIAIS

Trabalho de Portfólio - Atividade Interdisciplinar Individual apresentado à Universidade Norte do Paraná UNOPAR, como requisito parcial para a obtenção de
média bimestral nas disciplinas de: Administração
Financeira e Orçamentária, Mercado de Capitais, Direto
Tributário.
Orientador:
Fabio Proença
Karen Manganotti
Vânia da Silva
Janaína Vargas

Barra de São Francisco
2013
SUMÁRIO
1

INTRODUÇÃO ...................................................................................................... 3

2

DESENVOLVIMENTO .......................................................................................... 4

2.1.1

Qual a importância do Fluxo de Caixa? ......................................................... 5

2.1.2

O que é custo de oportunidades? Exemplifique. ............................................ 5

2.1.3

Toda empresa deve possuir orçamentos empresariais? Mas afinal o que são

estes orçamentos empresariais? Cite exemplos. ........................................................ 5
2.1.4

O que venha ser payback Descontado? ........................................................ 6

2.1.5

Quais as diferenças existentes entre impostos, contribuições e taxas?......... 6

2.1.6

Conceitue Competência tributária: ................................................................. 7

2.1.7

Qual o conceito de Mercado capitais: ............................................................ 8

3

RELATÓRIO DE CONSULTORIA: ....................................................................... 9

4

REGIOLIZANDO ................................................................................................. 10

5

CONCLUSÃO ..................................................................................................... 11

REFERÊNCIAS ........................................................... Error! Bookmark not defined.
3

1 INTRODUÇÃO
Neste trabalho iremos ajudar a empresa Meta Soluções com a finalidade de
mostrar como análises sobre as informações da administração financeira e do
profissional de finanças empresariais.
As finanças estão direcionadas ao gerenciamento de uma organização, levando à
análise de dados financeiros e tendo como objetivo a elevação da organização,
através da tomada de decisões eficaz, as decisões financeiras de uma empresa
inseridas em economia em desenvolvimento requerem uma reflexão mais critica de
seus aspectos conflitantes, exigindo uma adaptação á realidade dos negócios.
O profissional de finanças tem um papel importantíssimo dentro das organizações,
suas principais características e principais objetivos para o melhor desenvolvimento
e crescimento empresarial.
Uma empresa pode como meta produzir com qualidade, ou oferecer um ótimo
atendimento, e ter uma maior participação no mercado, isto torna a empresa
competitiva, mais não garante sua lucratividade e é pensando em lucro que se vê a
necessidade de um eficiente planejamento financeiro, que de um suporte para
decisões de toda estrutura de capital da empresa, tanto para o presente como
futuro. Assim este artigo objetiva mostrar como o orçamento pode dar este suporte,
e como as particularidades dessas empresas podem interferir no desenvolvimento
do orçamento.
4

2 DESENVOLVIMENTO
2.1 FLUXO DE CAIXA DA EMPRESA META SOLUÇÕES
De acordo com PARSLOE & WRIGHT (2001, p. 28-29),
Uma empresa para sobreviver, e ainda mais para crescer precisa
prever cuidadosamente o uso de seu caixa, quanto é necessário,
quando, e para quê, em função da importância de se saber o
mais cedo possível, se alguma previsão de caixa não está sendo
cumprida.

As empresas para realizar fluxo de caixa deverão ter controle de contas a receber e
a pagar devidamente atualizados e os prazos tanto de pagamento como de
recebimento adotados por ela.
FLUXO DE CAIXA - META SOLUÇÕES
SETEMBRO OUTUBRO NOVEMBRO DEZEMBRO JANEIRO

FEVEREIRO

SALDO ANTERIOR

1.970,00

451,00

285,00

905,74

998,77

548,80

FATURAMENTO A VISTA

5.904,00

6.268,80

6.498,90

7.389,00

6.434,10

5.244,00

FATURAMENTO 30 DIAS

9.643,20

10.239,04

10.614,87

12.068,70

10.509,03

8.565,20

FATURAMENTO 60 DIAS

4.132,80

4.388,16

4.549,23

5.172,30

4.503,87

3.670,80

SUB TOTAL FATURADO

19.680,00

20.896,00

21.663,00

24.630,00

21.447,00

17.480,00

TOTAL FATURADO A VISTA + ANTERIOR

7.874,00

6.719,80

6.783,90

8.294,74

7.432,87

5.792,80

RECEBIMENTO DUPLICATA CARTEIRA

4.750,00

10.533,20

14.371,84

15.003,03

16.617,93

15.681,33

-

-

-

-

-

6.000,00

12.624,00

17.253,00

21.155,74

23.297,77

24.050,80

27.474,13

COMPRAS

3.250,00

5.963,00

6.790,00

7.965,00

1.580,00

1.688,00

FOLHA DE PAGAMENTO

2.470,00

2.320,00

3.980,00

4.650,00

3.986,00

2.390,00

ALUGUÉIS

1.450,00

1.450,00

1.450,00

1.750,00

1.750,00

1.750,00

810,00

650,00

905,00

1.683,00

850,00

932,00

SETOR ADMINISTRATIVO

1.590,00

1.800,00

2.380,00

2.677,00

1.780,00

1.034,13

RETIRADA PRÓ-LABORE

2.200,00

2.200,00

2.200,00

3.200,00

3.200,00

3.200,00

-

2.123,00

2.089,00

-

-

-

403,00

462,00

456,00

374,00

356,00

480,00

COMPRA DE MÁQUINA

-

-

-

-

10.000,00

15.000,00

DESPESAS FINANCEIRAS

-

-

-

-

-

300,00

12.173,00

16.968,00

20.250,00

22.299,00

23.502,00

26.774,13

451,00

285,00

905,74

998,77

548,80

700,00

EMPRÉSTIMO BANCÁRIOS
TOTAL DAS ENTRADAS
SAÍDAS

COMISSÕES E PUBLICIDADE

ENCARGOS FINANCEIROS
IMPOSTOS DEVIDOS

TOTAL DA SAÍDAS
SALDO
5

2.2 ESCLARECIMENTOS NECESSÁRIOS AO ADMINISTRADOR

2.1.1 Qual a importância do Fluxo de Caixa?
O fluxo de caixa é o instrumento que permite ao administrador financeiro:
planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar os recursos financeiros de sua
empresa para um determinado período Esse controle é útil tanto quando a empresa
está crescendo e aumentando suas atividades quanto no momento em que
apresenta prejuízo, tornando mais fácil a visualização de problemas que estão
levando a esse prejuízo, independente do porte: micro, pequena, média ou grande
empresa.
2.1.2 O que é custo de oportunidades? Exemplifique.
É um termo usado em economia para indicar o custo de algo em termos de
uma oportunidade renunciada, ou seja, o custo, até mesmo social, causado pela
renúncia do ente econômico, bem como os benefícios que poderiam ser obtidos a
partir desta oportunidade renunciada ou, ainda, a mais alta renda gerada em alguma
aplicação alternativa, exemplificando:
O custo de oportunidade representa o valor associado à melhor alternativa
não escolhida. Ao se tomar determinada escolha, deixa-se de lado as demais
possibilidades, pois são excludentes, (escolher uma é recusar outras). À alternativa
escolhida, associa-se como "custo de oportunidade" o maior benefício não obtido
das possibilidades não escolhidas, isto é, "a escolha de determinada opção impede
o usufruto dos benefícios que as outras opções poderiam proporcionar".
2.1.3 Toda empresa deve possuir orçamentos empresariais? Mas afinal o que são
estes orçamentos empresariais? Cite exemplos.
Orçamento empresarial: É identificado como componentes do planejamento
financeiro com a utilização de um sistema orçamentário, entendido como um plano
abrangendo todo o conjunto das operações anuais de uma empresa através da
formalização do desempenho dessas funções administrativas gerais, exemplos:
6

Orçamento Estático: Objetivo: É focada nos resultados de um único plano, uma
única atividade, uma vez que ele é elaborado ele não muda, fica estático, parado,
permanece sem alterações desde seu princípio. Esse tipo de orçamento não se
ajusta a mudanças.
Orçamento Flexível: Origem: Inicialmente na década de 70, na Alemanha por Kilger
e Plaut (GPK), englobando dois princípios básicos: controle e cálculo de custo por
produto e a diversificação entre custos fixos e variáveis.
Orçamento Ajustado: Objetivo: Seu objetivo é a organização obter uma saída, uma
alternativa conforme o planejamento da quantidade da fabricação e vendas ou de
outras variáveis. O orçamento fica modificado a partir do orçamento inicial.
Orçamento de mão de Obra: O orçamento de mão-de-obra direta possibilita o
fornecimento de dados para o planejamento da quantidade necessária de mão-deobra direta, determinando o número de empregados exigidos bem como a estimativa
do custo unitário de cada produto, no orçamento de mão de obra deve-se mensurar
a necessidade de horas de trabalho para suprir da produção.
2.1.4 O que venha ser payback Descontado?
É o período de tempo necessário para recuperar o investimento, avaliando-se
os fluxos de caixa descontados, ou seja, considerando-se o valor do dinheiro no
tempo. E também melhores técnicas para se avaliar as decisões de investimentos.
Comparam o valor presente dos futuros fluxos de caixa com o montante inicial
investido. Pode ser realizada por meio de 02 métodos: VPL (Valor Presente Líquido)
e TIR (Taxa Interna de Retorno).
2.1.5 Quais as diferenças existentes entre impostos, contribuições e taxas?
Imposto: Não há uma destinação específica para os recursos obtidos por meio do
recolhimento dos impostos. Em geral, é utilizado para o financiamento de serviços
universais, como educação e segurança. Eles podem incidir sobre: o patrimônio
(como o IPTU e o IPVA), renda (Imposto de Renda) e consumo, como o IPI que é
7

cobrado dos produtores e o ICMS que é pago pelo consumidor.

Taxa: Diferentemente do que ocorre com os impostos, as taxas, são uma espécie de
tributo vinculado a uma prestação de serviço estatal.
De sorte que se deve interpretar que a Taxa deverá ser cobrada de forma que onere
quem efetivamente faz uso do serviço ou o tem à sua disposição, desde que seja
possível quantificar, seja por estimativa ou por outra medida, o seu uso potencial ou
real.Esse tributo está vinculado (contraprestação) a um serviço público específico
prestado ao contribuinte e prestado pelo poder público, como a taxa de lixo urbano
ou a taxa para a confecção do passaporte.

Contribuições: Divididos em dois grupos, a especial é cobrada quando se destina a
um determinado grupo de atividade. Ex: INSS, PIS ou contribuição de melhorias,
quando ocorre em beneficio ao contribuinte. Ex: Asfaltamento da rua.
De Melhoria: Estão as contribuições cobradas em uma situação que representa
algum Projeto/obra de melhoria, um benefício ao contribuinte, como uma obra
pública que valorizou seu imóvel.
Especiais: São cobradas quando há uma destinação específica para um
determinado grupo, como o INSS, PIS (Programa de Integração Social) e Pasep
(Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público), que são direcionados a
um fundo dos trabalhadores do setor privado e público.

2.1.6 Conceitue Competência tributária:
A competência tributária é a atribuição dada pela Constituição Federal aos
entes políticos do Estado (União, governos estaduais, Municípios e Distrito Federal)
da prerrogativa de instituir os tributos.
A competência tributária é indelegável, irrenunciável e intransferível. Se um dos
entes políticos não exercer a sua faculdade para instituir os tributos, nenhum outro
ente poderá tomar o seu lugar. Não se pode confundir Competência com
8

Capacidade. Capacidade tributária ativa é justamente o exercício da competência.
Podemos dizer que competência é atributo e capacidade é o exercício da
competência
É privativa; incaducável; de exercício facultativo; inampliável; irrenunciável;
indelegável. Se um dos entes políticos não exercer a sua faculdade para instituir os
tributos, nenhum outro ente poderá tomar o seu lugar. Não se pode confundir
Competência com Capacidade. Capacidade tributária ativa é justamente o exercício
da competência. Podemos dizer que competência é atributo e capacidade é o
exercício da competência.
2.1.7 Qual o conceito de Mercado capitais:
É um sistema de distribuição de valores mobiliários que proporciona liquidez
aos títulos de emissão de empresas e viabiliza o processo de capitalização. São
constituídas pelas bolsas de valores, sociedades corretoras e outras instituições
financeiras

autorizadas.

Os

principais

títulos

negociados

(título

mobiliário)

representam o capital social das empresas, e as ações ou ainda empréstimos
tomados pelas empresas, no mercado, representado por debêntures que são
conversíveis em ações, bônus de subscrição e outros papéis comerciais. Esta
constituição permite a circulação de capital e custeia o desenvolvimento econômico.
No mercado de capitais ainda podem ser negociados os direitos e recibos de
subscrição de valores mobiliários, certificados de depósitos de ações e outros
derivativos autorizados à negociação. Seu objetivo é canalizar as poupanças
(recursos financeiros) da sociedade para o comércio, a indústria e outras atividades
econômicas. Distingue-se do mercado monetário que movimenta recursos a curto
prazo, embora tenham muitas instituições em comum.Nos países capitalistas mais
desenvolvidos os mercados de capitais são mais fortes e dinâmicos. A fraqueza
desse mercado nos países em desenvolvimento dificulta a formação de poupança,
sendo um sério obstáculo ao desenvolvimento, obrigando esses países a recorrerem
ao mercado de capitais internacionais.
9

3 RELATÓRIO DE CONSULTORIA:
Nosso parecer ao administrador conforme analise dos dados nos fornecido
alguns dados financeiros levantados, nos deparamos com uma situação positiva,
mas sem um capital de giro.
Esta empresa necessita de valores para não ficar com o fluxo de caixa tão
apertado, para isto é necessário que busque recursos fora como empréstimo
bancários ou que as elevem suas vendas a vista.
Destacamos que a exigência do mercado de trabalho e das organizações em
relação a projetos inovadores é diária. Conhecer a realidade do seu negócio,
possuindo dados precisos, prever o retorno dos investimentos são passos básico
para quem pretende trilhar o caminho do sucesso.
10

4 REGIONALIZANDO:
A empresa analisada é a Eletromoveis Carnielli, com sede na Av: Jones dos
Santos Neves, 176, Centro em Barra de São Francisco–ES.
No inicio de suas atividades a empresa não realizava análise de viabilidade
econômica financeira dos projetos que realizava, por isto em vários momentos teve
sue fluxo de caixa comprometido, precisando de tomar recursos dos sócios, e não
faziam orçamentos de produtos comprando assim produtos com valores mais caros
e não sendo competitivo no mercado de atuação.
Hoje a empresa conta com um projeto de realização dessas análises para
iniciar uma melhoria nos processos e nos investimentos que irá realizar a longo
prazo, depois deste processo e analise o administrador teve como fazer
investimentos realizados normalmente são de fundos do lucro real liquido da
empresa. Quando a empresa deseja fazer um investimento maior, como um
investimento realizado na compra de um estoque de moveis e eletrodoméstico.
11

5 CONCLUSÃO
O dia a dia de uma empresa organizada é bastante complexo. A prática de
gerenciamento administrativo requer por parte dos mesmos uma responsabilidade,
para acompanhar as diversas mudanças sofridas a todo o momento nas leis e
práticas administrativas.
Portanto o gestor mais do que ninguém deve ficar bastante atento ao controle
financeiro da empresa para fazer bem as exigências impostas, evitando assim que a
mesma fique exposta aos riscos de um resultado inesperado, prejudicando a
empresa no todo.
O orçamento empresarial é uma ferramenta de gestão extremamente importante
pois determina de forma consistente os valores em termos quantitativos. Para a
empresa o orçamento também determina o nível de compra necessária em relação
ao que se estima vender colaborando para um numero satisfatório de estoques.
Para o gestor proporciona maior garantia e segurança nos resultados, e permite que
sejam feitas comparações quando há variação no valor orçado ao realizado.
Juntamente com o Fluxo de caixa são poderosos instrumento de gestão que indicam
o melhor caminho e as melhores oportunidades para gerar receitas, controlar
despesas e ampliar os lucros de uma empresa, projetando o equilíbrio dos recursos.
Orçamento não é apenas esse instrumento de controle é uma análise do passado e
um cálculo cuidadoso das operações futuras, que permite minimizar os riscos e
calculá-los antecipadamente.
Os planejamentos que envolvem cálculos de previsões, definições de cenários para
futuro e para mercado, ainda são ignorados pela grande maioria das empresas.
Trabalhar com o futuro são cálculos que empresários vêem como incertezas, e
acabam não fazendo uso de um orçamento. As empresas que desenvolvem
orçamentos,estão consciente da importância, precisão e eficiência de um orçamento,
e que o planejamento orçamentário constitui num trabalho de equipe que envolve
todas as áreas, e estas devem estar a par das metas e objetivos, e dos resultados
benéficos que o orçamento poderá trazer a uma organização, se este for tratado
com o profissionalismo necessário.
12

8 REFERÊNCIAS
ATKINSON, A. et. al. Contabilidade gerencial. 2.ed. São Paulo: Atlas, 2000.
BAZOLI, Thiago Nunes, Administração e orçamento empresarial. São Paulo:
Pearson Prentice Hall, 2013
FREZATTI, Fábio. Orçamento empresarial: planejamento e controle gerencial. 2.ed.
São Paulo: Atlas, 2000.
MOREIRA, José Carlos. Orçamento empresarial: manual de elaboração. 5ª.ed. São
Paulo: Atlas S.A., 2002.
PADOVEZE, Clóvis Luiz. Contabilidade gerencial: uma enfoque em sistema de
informação contábil. 3. Ed São Paulo: Atlas, 2000
PARSLOE, E.; WRIGHT, R. O orçamento. São Paulo: Nobel, 2001.
ROHLOFF, Débora Bohrer. Matematica Financeira. São Paulo: Pearson Education
do Brasil, 2009.
SANTOS, Joenice Leandro Diniz dos. Administração Financeira. São Paulo: Pearson
Prentice Hall, 2010.
SPAGOLLA, Vânia Senegalia Morete. Direito Tributário. São Paulo: Pearson
Education do Brasil, 2010.
SANVICENTE, A. Z.; SANTOS, C.C. Orçamento na administração de empresas:
planejamento e controle. 2.ed. São Paulo: Atlas, 1983.
SANTOS, Joenice Leandro Diniz dos, Administração e orçamento empresarial. São
Paulo: Pearson Prentice Hall, 2013.
SCHUBERT, Pedro. Orçamento empresarial integrado. Rio de Janeiro: LTC – Livros
técnicos e científicos, 1985.
WERNKE, Rodney. Apostila de orçamento empresarial. 2003.
ZDANOWICZ, J.E. Fluxo de caixa: decisão de planejamento controle. Porto Alegre:
D.C. Luzzatto, 1995
http://www.portaldecontabilidade.com.br acessado em 04/10/2013 às 20:00hs

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

1345215057352 (1)
1345215057352 (1)1345215057352 (1)
1345215057352 (1)olhosdemel
 
Demonstracoes financeiras como instrumento de gestão análise financeira para ...
Demonstracoes financeiras como instrumento de gestão análise financeira para ...Demonstracoes financeiras como instrumento de gestão análise financeira para ...
Demonstracoes financeiras como instrumento de gestão análise financeira para ...Universidade Pedagogica
 
Controladoria e Prestação de contas
Controladoria e Prestação de contasControladoria e Prestação de contas
Controladoria e Prestação de contasMichel Freller
 
Análise do sistema de controle interno. caso da empresa fipag inhambane.
Análise do sistema de controle interno. caso da empresa fipag inhambane.Análise do sistema de controle interno. caso da empresa fipag inhambane.
Análise do sistema de controle interno. caso da empresa fipag inhambane.Universidade Pedagogica
 
Trabalho individual gestão industrial 5º semestre
Trabalho individual gestão industrial 5º semestreTrabalho individual gestão industrial 5º semestre
Trabalho individual gestão industrial 5º semestreÉderson Sierota
 
Pré TCC contabilidade de Custos
Pré TCC contabilidade de CustosPré TCC contabilidade de Custos
Pré TCC contabilidade de Custossandy leah
 
Controladoria nas organizaçõesO surgimento da contraoladoria nas organizações
Controladoria nas organizaçõesO surgimento da contraoladoria nas organizaçõesControladoria nas organizaçõesO surgimento da contraoladoria nas organizações
Controladoria nas organizaçõesO surgimento da contraoladoria nas organizaçõesSandro José Silva
 
Controladoria estratégica e orçamentaria
Controladoria estratégica e orçamentariaControladoria estratégica e orçamentaria
Controladoria estratégica e orçamentariaAlexandre Pereira
 
Disciplina controladoria parte_i
Disciplina controladoria parte_iDisciplina controladoria parte_i
Disciplina controladoria parte_iMarceloJLemos
 
Trabalho de controladoria.
Trabalho de controladoria.Trabalho de controladoria.
Trabalho de controladoria.Ju_moura
 
Apostila de controladoria (1)
Apostila de controladoria (1)Apostila de controladoria (1)
Apostila de controladoria (1)090774
 
Auditoria Contínua na Prevenção e Deteção de Fraude
Auditoria Contínua na Prevenção e Deteção de FraudeAuditoria Contínua na Prevenção e Deteção de Fraude
Auditoria Contínua na Prevenção e Deteção de FraudeLuis Fonseca
 
Apostila de controladoria
Apostila de controladoriaApostila de controladoria
Apostila de controladoriaNerinhoo Nery
 
Apostila analise de custos v 300
Apostila analise de custos v 300Apostila analise de custos v 300
Apostila analise de custos v 300Cesar Ventura
 

Mais procurados (20)

1345215057352 (1)
1345215057352 (1)1345215057352 (1)
1345215057352 (1)
 
Demonstracoes financeiras como instrumento de gestão análise financeira para ...
Demonstracoes financeiras como instrumento de gestão análise financeira para ...Demonstracoes financeiras como instrumento de gestão análise financeira para ...
Demonstracoes financeiras como instrumento de gestão análise financeira para ...
 
Controladoria e Prestação de contas
Controladoria e Prestação de contasControladoria e Prestação de contas
Controladoria e Prestação de contas
 
Análise do sistema de controle interno. caso da empresa fipag inhambane.
Análise do sistema de controle interno. caso da empresa fipag inhambane.Análise do sistema de controle interno. caso da empresa fipag inhambane.
Análise do sistema de controle interno. caso da empresa fipag inhambane.
 
controladoria
controladoriacontroladoria
controladoria
 
Contabilidade gerencial
Contabilidade gerencialContabilidade gerencial
Contabilidade gerencial
 
Contabiliade gerencial
Contabiliade gerencialContabiliade gerencial
Contabiliade gerencial
 
Trabalho individual gestão industrial 5º semestre
Trabalho individual gestão industrial 5º semestreTrabalho individual gestão industrial 5º semestre
Trabalho individual gestão industrial 5º semestre
 
Pré TCC contabilidade de Custos
Pré TCC contabilidade de CustosPré TCC contabilidade de Custos
Pré TCC contabilidade de Custos
 
Controladoria nas organizaçõesO surgimento da contraoladoria nas organizações
Controladoria nas organizaçõesO surgimento da contraoladoria nas organizaçõesControladoria nas organizaçõesO surgimento da contraoladoria nas organizações
Controladoria nas organizaçõesO surgimento da contraoladoria nas organizações
 
Controladoria estratégica e orçamentaria
Controladoria estratégica e orçamentariaControladoria estratégica e orçamentaria
Controladoria estratégica e orçamentaria
 
Controladoria: a ferramenta amiga dos Empreendedores
Controladoria: a ferramenta amiga dos EmpreendedoresControladoria: a ferramenta amiga dos Empreendedores
Controladoria: a ferramenta amiga dos Empreendedores
 
Disciplina controladoria parte_i
Disciplina controladoria parte_iDisciplina controladoria parte_i
Disciplina controladoria parte_i
 
Orçamento base zero
Orçamento base zeroOrçamento base zero
Orçamento base zero
 
Trabalho de controladoria.
Trabalho de controladoria.Trabalho de controladoria.
Trabalho de controladoria.
 
Apostila de controladoria (1)
Apostila de controladoria (1)Apostila de controladoria (1)
Apostila de controladoria (1)
 
Obz
ObzObz
Obz
 
Auditoria Contínua na Prevenção e Deteção de Fraude
Auditoria Contínua na Prevenção e Deteção de FraudeAuditoria Contínua na Prevenção e Deteção de Fraude
Auditoria Contínua na Prevenção e Deteção de Fraude
 
Apostila de controladoria
Apostila de controladoriaApostila de controladoria
Apostila de controladoria
 
Apostila analise de custos v 300
Apostila analise de custos v 300Apostila analise de custos v 300
Apostila analise de custos v 300
 

Destaque

Analise e controle de custos
Analise e controle de custosAnalise e controle de custos
Analise e controle de custosEdno Santos
 
TDR - Plano de Manejo - Parque das Andorinhas
TDR - Plano de Manejo - Parque das AndorinhasTDR - Plano de Manejo - Parque das Andorinhas
TDR - Plano de Manejo - Parque das AndorinhasCBH Rio das Velhas
 
Aplicação dos métodos de custeio variável, por absorção e pleno no segmento d...
Aplicação dos métodos de custeio variável, por absorção e pleno no segmento d...Aplicação dos métodos de custeio variável, por absorção e pleno no segmento d...
Aplicação dos métodos de custeio variável, por absorção e pleno no segmento d...FCV - Faculdade Cidade Verde
 
Curso de Administração Financeira e Orçamentária para IBGE 2016
Curso de Administração Financeira e Orçamentária para IBGE 2016Curso de Administração Financeira e Orçamentária para IBGE 2016
Curso de Administração Financeira e Orçamentária para IBGE 2016Estratégia Concursos
 
Administração Financeira e Orçamentária Alfacastelo Moises Bagagi
Administração Financeira e Orçamentária Alfacastelo Moises BagagiAdministração Financeira e Orçamentária Alfacastelo Moises Bagagi
Administração Financeira e Orçamentária Alfacastelo Moises BagagiMoises Bagagi
 
ATUAÇÃO ADMINISTRADOR
ATUAÇÃO ADMINISTRADORATUAÇÃO ADMINISTRADOR
ATUAÇÃO ADMINISTRADORKarlla Costa
 

Destaque (7)

Analise de custos
Analise de custosAnalise de custos
Analise de custos
 
Analise e controle de custos
Analise e controle de custosAnalise e controle de custos
Analise e controle de custos
 
TDR - Plano de Manejo - Parque das Andorinhas
TDR - Plano de Manejo - Parque das AndorinhasTDR - Plano de Manejo - Parque das Andorinhas
TDR - Plano de Manejo - Parque das Andorinhas
 
Aplicação dos métodos de custeio variável, por absorção e pleno no segmento d...
Aplicação dos métodos de custeio variável, por absorção e pleno no segmento d...Aplicação dos métodos de custeio variável, por absorção e pleno no segmento d...
Aplicação dos métodos de custeio variável, por absorção e pleno no segmento d...
 
Curso de Administração Financeira e Orçamentária para IBGE 2016
Curso de Administração Financeira e Orçamentária para IBGE 2016Curso de Administração Financeira e Orçamentária para IBGE 2016
Curso de Administração Financeira e Orçamentária para IBGE 2016
 
Administração Financeira e Orçamentária Alfacastelo Moises Bagagi
Administração Financeira e Orçamentária Alfacastelo Moises BagagiAdministração Financeira e Orçamentária Alfacastelo Moises Bagagi
Administração Financeira e Orçamentária Alfacastelo Moises Bagagi
 
ATUAÇÃO ADMINISTRADOR
ATUAÇÃO ADMINISTRADORATUAÇÃO ADMINISTRADOR
ATUAÇÃO ADMINISTRADOR
 

Semelhante a Trabalho

PRÊMIO REVELAÇÃO EM FINANÇAS IBEF
PRÊMIO REVELAÇÃO EM FINANÇAS IBEFPRÊMIO REVELAÇÃO EM FINANÇAS IBEF
PRÊMIO REVELAÇÃO EM FINANÇAS IBEFVito Dambrosio
 
Analise de investimentos. (1)
Analise de investimentos. (1)Analise de investimentos. (1)
Analise de investimentos. (1)Josy Freitas
 
Apresentação Projeto Quinta ENSAIO VF.pdf
Apresentação Projeto Quinta ENSAIO VF.pdfApresentação Projeto Quinta ENSAIO VF.pdf
Apresentação Projeto Quinta ENSAIO VF.pdfTiagoBritoDias
 
Guia prático de Gestão Financeira para Pequenos Negocios
Guia prático de Gestão Financeira para Pequenos NegociosGuia prático de Gestão Financeira para Pequenos Negocios
Guia prático de Gestão Financeira para Pequenos Negocioscomunicacao6
 
Orçamento Operacional
Orçamento OperacionalOrçamento Operacional
Orçamento OperacionalEdivan Barreto
 
Portifolio finanças empresariais
Portifolio finanças empresariaisPortifolio finanças empresariais
Portifolio finanças empresariaisLeandro Souza
 

Semelhante a Trabalho (13)

PRÊMIO REVELAÇÃO EM FINANÇAS IBEF
PRÊMIO REVELAÇÃO EM FINANÇAS IBEFPRÊMIO REVELAÇÃO EM FINANÇAS IBEF
PRÊMIO REVELAÇÃO EM FINANÇAS IBEF
 
Curso de planejamento financeiro
Curso de planejamento financeiroCurso de planejamento financeiro
Curso de planejamento financeiro
 
Analise de investimentos. (1)
Analise de investimentos. (1)Analise de investimentos. (1)
Analise de investimentos. (1)
 
Apresentação Projeto Quinta ENSAIO VF.pdf
Apresentação Projeto Quinta ENSAIO VF.pdfApresentação Projeto Quinta ENSAIO VF.pdf
Apresentação Projeto Quinta ENSAIO VF.pdf
 
Atps administração financeira.doc
Atps administração financeira.docAtps administração financeira.doc
Atps administração financeira.doc
 
Guia prático de Gestão Financeira para Pequenos Negocios
Guia prático de Gestão Financeira para Pequenos NegociosGuia prático de Gestão Financeira para Pequenos Negocios
Guia prático de Gestão Financeira para Pequenos Negocios
 
A Importância do Planejamento Financeiro para Micro e Pequenas Empresas.
A Importância do Planejamento Financeiro para Micro e Pequenas Empresas.A Importância do Planejamento Financeiro para Micro e Pequenas Empresas.
A Importância do Planejamento Financeiro para Micro e Pequenas Empresas.
 
Organização empresarial
Organização empresarialOrganização empresarial
Organização empresarial
 
Apresentação seminario 4
Apresentação seminario 4Apresentação seminario 4
Apresentação seminario 4
 
Contabilidade Custos.pdf
Contabilidade Custos.pdfContabilidade Custos.pdf
Contabilidade Custos.pdf
 
Orçamento Operacional
Orçamento OperacionalOrçamento Operacional
Orçamento Operacional
 
Portifolio finanças empresariais
Portifolio finanças empresariaisPortifolio finanças empresariais
Portifolio finanças empresariais
 
Avaliação projetos investimento_Fernando Bueno
Avaliação projetos investimento_Fernando BuenoAvaliação projetos investimento_Fernando Bueno
Avaliação projetos investimento_Fernando Bueno
 

Trabalho

  • 1. SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO ANA PAULA ALVES DE ANDRADE PRODUÇÃO TEXTUAL INTERDISCIPLINAR INDIVIDUAL FINANÇAS EMPRESARIAIS Barra de São Francisco 2013
  • 2. ANA PAULA ALVES DE ANDRADE PRODUÇÃO TEXTUAL INTERDISCIPLINAR INDIVIDUAL FINANÇAS EMPRESARIAIS Trabalho de Portfólio - Atividade Interdisciplinar Individual apresentado à Universidade Norte do Paraná UNOPAR, como requisito parcial para a obtenção de média bimestral nas disciplinas de: Administração Financeira e Orçamentária, Mercado de Capitais, Direto Tributário. Orientador: Fabio Proença Karen Manganotti Vânia da Silva Janaína Vargas Barra de São Francisco 2013
  • 3. SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO ...................................................................................................... 3 2 DESENVOLVIMENTO .......................................................................................... 4 2.1.1 Qual a importância do Fluxo de Caixa? ......................................................... 5 2.1.2 O que é custo de oportunidades? Exemplifique. ............................................ 5 2.1.3 Toda empresa deve possuir orçamentos empresariais? Mas afinal o que são estes orçamentos empresariais? Cite exemplos. ........................................................ 5 2.1.4 O que venha ser payback Descontado? ........................................................ 6 2.1.5 Quais as diferenças existentes entre impostos, contribuições e taxas?......... 6 2.1.6 Conceitue Competência tributária: ................................................................. 7 2.1.7 Qual o conceito de Mercado capitais: ............................................................ 8 3 RELATÓRIO DE CONSULTORIA: ....................................................................... 9 4 REGIOLIZANDO ................................................................................................. 10 5 CONCLUSÃO ..................................................................................................... 11 REFERÊNCIAS ........................................................... Error! Bookmark not defined.
  • 4. 3 1 INTRODUÇÃO Neste trabalho iremos ajudar a empresa Meta Soluções com a finalidade de mostrar como análises sobre as informações da administração financeira e do profissional de finanças empresariais. As finanças estão direcionadas ao gerenciamento de uma organização, levando à análise de dados financeiros e tendo como objetivo a elevação da organização, através da tomada de decisões eficaz, as decisões financeiras de uma empresa inseridas em economia em desenvolvimento requerem uma reflexão mais critica de seus aspectos conflitantes, exigindo uma adaptação á realidade dos negócios. O profissional de finanças tem um papel importantíssimo dentro das organizações, suas principais características e principais objetivos para o melhor desenvolvimento e crescimento empresarial. Uma empresa pode como meta produzir com qualidade, ou oferecer um ótimo atendimento, e ter uma maior participação no mercado, isto torna a empresa competitiva, mais não garante sua lucratividade e é pensando em lucro que se vê a necessidade de um eficiente planejamento financeiro, que de um suporte para decisões de toda estrutura de capital da empresa, tanto para o presente como futuro. Assim este artigo objetiva mostrar como o orçamento pode dar este suporte, e como as particularidades dessas empresas podem interferir no desenvolvimento do orçamento.
  • 5. 4 2 DESENVOLVIMENTO 2.1 FLUXO DE CAIXA DA EMPRESA META SOLUÇÕES De acordo com PARSLOE & WRIGHT (2001, p. 28-29), Uma empresa para sobreviver, e ainda mais para crescer precisa prever cuidadosamente o uso de seu caixa, quanto é necessário, quando, e para quê, em função da importância de se saber o mais cedo possível, se alguma previsão de caixa não está sendo cumprida. As empresas para realizar fluxo de caixa deverão ter controle de contas a receber e a pagar devidamente atualizados e os prazos tanto de pagamento como de recebimento adotados por ela. FLUXO DE CAIXA - META SOLUÇÕES SETEMBRO OUTUBRO NOVEMBRO DEZEMBRO JANEIRO FEVEREIRO SALDO ANTERIOR 1.970,00 451,00 285,00 905,74 998,77 548,80 FATURAMENTO A VISTA 5.904,00 6.268,80 6.498,90 7.389,00 6.434,10 5.244,00 FATURAMENTO 30 DIAS 9.643,20 10.239,04 10.614,87 12.068,70 10.509,03 8.565,20 FATURAMENTO 60 DIAS 4.132,80 4.388,16 4.549,23 5.172,30 4.503,87 3.670,80 SUB TOTAL FATURADO 19.680,00 20.896,00 21.663,00 24.630,00 21.447,00 17.480,00 TOTAL FATURADO A VISTA + ANTERIOR 7.874,00 6.719,80 6.783,90 8.294,74 7.432,87 5.792,80 RECEBIMENTO DUPLICATA CARTEIRA 4.750,00 10.533,20 14.371,84 15.003,03 16.617,93 15.681,33 - - - - - 6.000,00 12.624,00 17.253,00 21.155,74 23.297,77 24.050,80 27.474,13 COMPRAS 3.250,00 5.963,00 6.790,00 7.965,00 1.580,00 1.688,00 FOLHA DE PAGAMENTO 2.470,00 2.320,00 3.980,00 4.650,00 3.986,00 2.390,00 ALUGUÉIS 1.450,00 1.450,00 1.450,00 1.750,00 1.750,00 1.750,00 810,00 650,00 905,00 1.683,00 850,00 932,00 SETOR ADMINISTRATIVO 1.590,00 1.800,00 2.380,00 2.677,00 1.780,00 1.034,13 RETIRADA PRÓ-LABORE 2.200,00 2.200,00 2.200,00 3.200,00 3.200,00 3.200,00 - 2.123,00 2.089,00 - - - 403,00 462,00 456,00 374,00 356,00 480,00 COMPRA DE MÁQUINA - - - - 10.000,00 15.000,00 DESPESAS FINANCEIRAS - - - - - 300,00 12.173,00 16.968,00 20.250,00 22.299,00 23.502,00 26.774,13 451,00 285,00 905,74 998,77 548,80 700,00 EMPRÉSTIMO BANCÁRIOS TOTAL DAS ENTRADAS SAÍDAS COMISSÕES E PUBLICIDADE ENCARGOS FINANCEIROS IMPOSTOS DEVIDOS TOTAL DA SAÍDAS SALDO
  • 6. 5 2.2 ESCLARECIMENTOS NECESSÁRIOS AO ADMINISTRADOR 2.1.1 Qual a importância do Fluxo de Caixa? O fluxo de caixa é o instrumento que permite ao administrador financeiro: planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar os recursos financeiros de sua empresa para um determinado período Esse controle é útil tanto quando a empresa está crescendo e aumentando suas atividades quanto no momento em que apresenta prejuízo, tornando mais fácil a visualização de problemas que estão levando a esse prejuízo, independente do porte: micro, pequena, média ou grande empresa. 2.1.2 O que é custo de oportunidades? Exemplifique. É um termo usado em economia para indicar o custo de algo em termos de uma oportunidade renunciada, ou seja, o custo, até mesmo social, causado pela renúncia do ente econômico, bem como os benefícios que poderiam ser obtidos a partir desta oportunidade renunciada ou, ainda, a mais alta renda gerada em alguma aplicação alternativa, exemplificando: O custo de oportunidade representa o valor associado à melhor alternativa não escolhida. Ao se tomar determinada escolha, deixa-se de lado as demais possibilidades, pois são excludentes, (escolher uma é recusar outras). À alternativa escolhida, associa-se como "custo de oportunidade" o maior benefício não obtido das possibilidades não escolhidas, isto é, "a escolha de determinada opção impede o usufruto dos benefícios que as outras opções poderiam proporcionar". 2.1.3 Toda empresa deve possuir orçamentos empresariais? Mas afinal o que são estes orçamentos empresariais? Cite exemplos. Orçamento empresarial: É identificado como componentes do planejamento financeiro com a utilização de um sistema orçamentário, entendido como um plano abrangendo todo o conjunto das operações anuais de uma empresa através da formalização do desempenho dessas funções administrativas gerais, exemplos:
  • 7. 6 Orçamento Estático: Objetivo: É focada nos resultados de um único plano, uma única atividade, uma vez que ele é elaborado ele não muda, fica estático, parado, permanece sem alterações desde seu princípio. Esse tipo de orçamento não se ajusta a mudanças. Orçamento Flexível: Origem: Inicialmente na década de 70, na Alemanha por Kilger e Plaut (GPK), englobando dois princípios básicos: controle e cálculo de custo por produto e a diversificação entre custos fixos e variáveis. Orçamento Ajustado: Objetivo: Seu objetivo é a organização obter uma saída, uma alternativa conforme o planejamento da quantidade da fabricação e vendas ou de outras variáveis. O orçamento fica modificado a partir do orçamento inicial. Orçamento de mão de Obra: O orçamento de mão-de-obra direta possibilita o fornecimento de dados para o planejamento da quantidade necessária de mão-deobra direta, determinando o número de empregados exigidos bem como a estimativa do custo unitário de cada produto, no orçamento de mão de obra deve-se mensurar a necessidade de horas de trabalho para suprir da produção. 2.1.4 O que venha ser payback Descontado? É o período de tempo necessário para recuperar o investimento, avaliando-se os fluxos de caixa descontados, ou seja, considerando-se o valor do dinheiro no tempo. E também melhores técnicas para se avaliar as decisões de investimentos. Comparam o valor presente dos futuros fluxos de caixa com o montante inicial investido. Pode ser realizada por meio de 02 métodos: VPL (Valor Presente Líquido) e TIR (Taxa Interna de Retorno). 2.1.5 Quais as diferenças existentes entre impostos, contribuições e taxas? Imposto: Não há uma destinação específica para os recursos obtidos por meio do recolhimento dos impostos. Em geral, é utilizado para o financiamento de serviços universais, como educação e segurança. Eles podem incidir sobre: o patrimônio (como o IPTU e o IPVA), renda (Imposto de Renda) e consumo, como o IPI que é
  • 8. 7 cobrado dos produtores e o ICMS que é pago pelo consumidor. Taxa: Diferentemente do que ocorre com os impostos, as taxas, são uma espécie de tributo vinculado a uma prestação de serviço estatal. De sorte que se deve interpretar que a Taxa deverá ser cobrada de forma que onere quem efetivamente faz uso do serviço ou o tem à sua disposição, desde que seja possível quantificar, seja por estimativa ou por outra medida, o seu uso potencial ou real.Esse tributo está vinculado (contraprestação) a um serviço público específico prestado ao contribuinte e prestado pelo poder público, como a taxa de lixo urbano ou a taxa para a confecção do passaporte. Contribuições: Divididos em dois grupos, a especial é cobrada quando se destina a um determinado grupo de atividade. Ex: INSS, PIS ou contribuição de melhorias, quando ocorre em beneficio ao contribuinte. Ex: Asfaltamento da rua. De Melhoria: Estão as contribuições cobradas em uma situação que representa algum Projeto/obra de melhoria, um benefício ao contribuinte, como uma obra pública que valorizou seu imóvel. Especiais: São cobradas quando há uma destinação específica para um determinado grupo, como o INSS, PIS (Programa de Integração Social) e Pasep (Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público), que são direcionados a um fundo dos trabalhadores do setor privado e público. 2.1.6 Conceitue Competência tributária: A competência tributária é a atribuição dada pela Constituição Federal aos entes políticos do Estado (União, governos estaduais, Municípios e Distrito Federal) da prerrogativa de instituir os tributos. A competência tributária é indelegável, irrenunciável e intransferível. Se um dos entes políticos não exercer a sua faculdade para instituir os tributos, nenhum outro ente poderá tomar o seu lugar. Não se pode confundir Competência com
  • 9. 8 Capacidade. Capacidade tributária ativa é justamente o exercício da competência. Podemos dizer que competência é atributo e capacidade é o exercício da competência É privativa; incaducável; de exercício facultativo; inampliável; irrenunciável; indelegável. Se um dos entes políticos não exercer a sua faculdade para instituir os tributos, nenhum outro ente poderá tomar o seu lugar. Não se pode confundir Competência com Capacidade. Capacidade tributária ativa é justamente o exercício da competência. Podemos dizer que competência é atributo e capacidade é o exercício da competência. 2.1.7 Qual o conceito de Mercado capitais: É um sistema de distribuição de valores mobiliários que proporciona liquidez aos títulos de emissão de empresas e viabiliza o processo de capitalização. São constituídas pelas bolsas de valores, sociedades corretoras e outras instituições financeiras autorizadas. Os principais títulos negociados (título mobiliário) representam o capital social das empresas, e as ações ou ainda empréstimos tomados pelas empresas, no mercado, representado por debêntures que são conversíveis em ações, bônus de subscrição e outros papéis comerciais. Esta constituição permite a circulação de capital e custeia o desenvolvimento econômico. No mercado de capitais ainda podem ser negociados os direitos e recibos de subscrição de valores mobiliários, certificados de depósitos de ações e outros derivativos autorizados à negociação. Seu objetivo é canalizar as poupanças (recursos financeiros) da sociedade para o comércio, a indústria e outras atividades econômicas. Distingue-se do mercado monetário que movimenta recursos a curto prazo, embora tenham muitas instituições em comum.Nos países capitalistas mais desenvolvidos os mercados de capitais são mais fortes e dinâmicos. A fraqueza desse mercado nos países em desenvolvimento dificulta a formação de poupança, sendo um sério obstáculo ao desenvolvimento, obrigando esses países a recorrerem ao mercado de capitais internacionais.
  • 10. 9 3 RELATÓRIO DE CONSULTORIA: Nosso parecer ao administrador conforme analise dos dados nos fornecido alguns dados financeiros levantados, nos deparamos com uma situação positiva, mas sem um capital de giro. Esta empresa necessita de valores para não ficar com o fluxo de caixa tão apertado, para isto é necessário que busque recursos fora como empréstimo bancários ou que as elevem suas vendas a vista. Destacamos que a exigência do mercado de trabalho e das organizações em relação a projetos inovadores é diária. Conhecer a realidade do seu negócio, possuindo dados precisos, prever o retorno dos investimentos são passos básico para quem pretende trilhar o caminho do sucesso.
  • 11. 10 4 REGIONALIZANDO: A empresa analisada é a Eletromoveis Carnielli, com sede na Av: Jones dos Santos Neves, 176, Centro em Barra de São Francisco–ES. No inicio de suas atividades a empresa não realizava análise de viabilidade econômica financeira dos projetos que realizava, por isto em vários momentos teve sue fluxo de caixa comprometido, precisando de tomar recursos dos sócios, e não faziam orçamentos de produtos comprando assim produtos com valores mais caros e não sendo competitivo no mercado de atuação. Hoje a empresa conta com um projeto de realização dessas análises para iniciar uma melhoria nos processos e nos investimentos que irá realizar a longo prazo, depois deste processo e analise o administrador teve como fazer investimentos realizados normalmente são de fundos do lucro real liquido da empresa. Quando a empresa deseja fazer um investimento maior, como um investimento realizado na compra de um estoque de moveis e eletrodoméstico.
  • 12. 11 5 CONCLUSÃO O dia a dia de uma empresa organizada é bastante complexo. A prática de gerenciamento administrativo requer por parte dos mesmos uma responsabilidade, para acompanhar as diversas mudanças sofridas a todo o momento nas leis e práticas administrativas. Portanto o gestor mais do que ninguém deve ficar bastante atento ao controle financeiro da empresa para fazer bem as exigências impostas, evitando assim que a mesma fique exposta aos riscos de um resultado inesperado, prejudicando a empresa no todo. O orçamento empresarial é uma ferramenta de gestão extremamente importante pois determina de forma consistente os valores em termos quantitativos. Para a empresa o orçamento também determina o nível de compra necessária em relação ao que se estima vender colaborando para um numero satisfatório de estoques. Para o gestor proporciona maior garantia e segurança nos resultados, e permite que sejam feitas comparações quando há variação no valor orçado ao realizado. Juntamente com o Fluxo de caixa são poderosos instrumento de gestão que indicam o melhor caminho e as melhores oportunidades para gerar receitas, controlar despesas e ampliar os lucros de uma empresa, projetando o equilíbrio dos recursos. Orçamento não é apenas esse instrumento de controle é uma análise do passado e um cálculo cuidadoso das operações futuras, que permite minimizar os riscos e calculá-los antecipadamente. Os planejamentos que envolvem cálculos de previsões, definições de cenários para futuro e para mercado, ainda são ignorados pela grande maioria das empresas. Trabalhar com o futuro são cálculos que empresários vêem como incertezas, e acabam não fazendo uso de um orçamento. As empresas que desenvolvem orçamentos,estão consciente da importância, precisão e eficiência de um orçamento, e que o planejamento orçamentário constitui num trabalho de equipe que envolve todas as áreas, e estas devem estar a par das metas e objetivos, e dos resultados benéficos que o orçamento poderá trazer a uma organização, se este for tratado com o profissionalismo necessário.
  • 13. 12 8 REFERÊNCIAS ATKINSON, A. et. al. Contabilidade gerencial. 2.ed. São Paulo: Atlas, 2000. BAZOLI, Thiago Nunes, Administração e orçamento empresarial. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2013 FREZATTI, Fábio. Orçamento empresarial: planejamento e controle gerencial. 2.ed. São Paulo: Atlas, 2000. MOREIRA, José Carlos. Orçamento empresarial: manual de elaboração. 5ª.ed. São Paulo: Atlas S.A., 2002. PADOVEZE, Clóvis Luiz. Contabilidade gerencial: uma enfoque em sistema de informação contábil. 3. Ed São Paulo: Atlas, 2000 PARSLOE, E.; WRIGHT, R. O orçamento. São Paulo: Nobel, 2001. ROHLOFF, Débora Bohrer. Matematica Financeira. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2009. SANTOS, Joenice Leandro Diniz dos. Administração Financeira. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2010. SPAGOLLA, Vânia Senegalia Morete. Direito Tributário. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2010. SANVICENTE, A. Z.; SANTOS, C.C. Orçamento na administração de empresas: planejamento e controle. 2.ed. São Paulo: Atlas, 1983. SANTOS, Joenice Leandro Diniz dos, Administração e orçamento empresarial. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2013. SCHUBERT, Pedro. Orçamento empresarial integrado. Rio de Janeiro: LTC – Livros técnicos e científicos, 1985. WERNKE, Rodney. Apostila de orçamento empresarial. 2003. ZDANOWICZ, J.E. Fluxo de caixa: decisão de planejamento controle. Porto Alegre: D.C. Luzzatto, 1995 http://www.portaldecontabilidade.com.br acessado em 04/10/2013 às 20:00hs