SlideShare uma empresa Scribd logo
VIDRARIAS E OUTROS EQUIPAMENTOS DE LABORATÓRIO:



      ALMOFARIZ COM                    BURETA COM TORNEIRA DE
      PISTILO                          VIDRO OU TEFLON


      Usado na trituração e            Aparelho utilizado em análises
      pulverização de sólidos em       volumétricas não tão precisas.
      pequena escala.                  Apresenta tubo de parede uniforme
                                       para assegurar a tolerância
                                       estipulada com exatidão e gravação
   BALÃO DE FUNDO CHATO                permanente em linhas bem
                                       delineadas afim de facilitar a leitura
                                       de volume escoado.
   Utilizado como recipiente para
   conter líquidos ou soluções, ou
   mesmo, fazer reações com
   desprendimento de gases. Pode
   ser aquecido sobre o tripé com
   tela de amianto.
                                           CADINHO

  BALÃO DE FUNDO
  REDONDO                                  Peça geralmente de porcelana
                                           cuja utilidade é aquecer
  Utilizado principalmente em              substâncias a seco, podendo
  sistemas de refluxo e evaporação         fundi-las, e com grande
  a vácuo, acoplado a um                   intensidade de calor (acima de
  rotaevaporador.                          500°C), por isto pode ser levado
                                           diretamente ao bico de bunsen.
                                           Pode ser feito de ferro, chumbo,
                                           platina e porcelana.
BALÃO VOLUMÉTRICO



Possui volume definido e é
utilizado para o preparo de soluções
com precisão em laboratório                   CÁPSULA DE
                                              PORCELANA


   BECKER                                     Peça de porcelana usada para
                                              evaporar líquidos das
                                              soluções e na secagem de
   É de uso geral em laboratório.             substâncias. Podem ser
   Serve para fazer reações entre             utilizadas em estufas desde
   soluções, dissolver substâncias            que se respeite o limite de no
   sólidas, efetuar reações de                máx. 500°C
   precipitação e aquecer líquidos.
   Pode ser aquecido sobre a tela
   de amianto.
CONDENSADOR


Utilizado na destilação, tem como       FUNIL DE SEPARAÇÃO
finalidade condensar vapores
gerados pelo aquecimento de
líquidos. Os mais comuns são os de      Utilizado na separação de líquidos
Liebig, como o da figura ao lado,       não miscíveis e na extração
mas há também o de bolas e              líquido/líquido.
serpentina.


     DESSECADOR

                                           KITASSATO
     Usado para guardar
     substâncias em atmosfera com
     baixo índice de umidade.              Utilizado em conjunto com o
                                           funil de Büchner em filtrações a
                                           vácuo.


   ERLENMEYER                         PIPETA GRADUADA


   Utilizado em titulações,
   aquecimento de líquidos e para
   dissolver substâncias e proceder   Utilizada para medir pequenos
   reações entre soluções. Seu        volumes. Mede volumes variáveis.
   diferencial em relação ao béquer   Não pode ser aquecida e não
   é que este permite agitação        apresenta precisão na medida.
   manual, devido ao seu
   afunilamento, sem que haja risco
   de perda do material agitado.
                                      PIPETA VOLUMÉTRICA



       FUNIL DE BUCHNER               Usada para medir e transferir volume
                                      de líquidos, não podendo ser
                                      aquecida, pois possui grande precisão
                                      de medida. Medem um único volume,
       Utilizado em filtrações a      o que caracteriza sua precisão.
       vácuo. Pode ser usado com
       a função de filtro em
       conjunto com o Kitassato.
PROVETA OU CILINDRO
                                               BICO DE BUNSEN
GRADUADO


Serve para medir e transferir                  É a fonte de aquecimento mais
volumes variáveis de líquidos em               utilizada em laboratório. Mas
grandes quantidades se necessário.             contemporaneamente tem sido
Pode ser encontrada em volumes de              substituído pelas mantas e
25 até 1000mL. Não pode ser                    chapas de aquecimento. Deve-
aquecida.                                      se evitar seu uso quando
                                               utilizamos substâncias
                                               inflamáveis dentro do
TUBO DE ENSAIO                                 recipiente que se quer aquecer.


                                                    ESTANTE PARA
Empregado para fazer reações em                     TUBO DE ENSAIO
pequena escala, principalmente em
testes de reação em geral. Pode ser
aquecido com movimentos
                                                    É usada para suporte dos
circulares e com cuidado
                                                    tubos de ensaio.
diretamente sob a chama do bico de
bunsen.                                    GARRA DE CONDENSADOR


             VIDRO DE
             RELÓGIO


             Peça de Vidro de         Usada para prender o condensador à
             forma côncava, é         haste do suporte ou outras peças como
             usada em análises e      balões, erlenmeyers etc.
             evaporações em
             pequena escala, além
             de auxiliar na
             pesagem de                                PINÇA DE
             substâncias não                           MADEIRA
             voláteis e não
             higroscópicas. Não
             pode ser aquecida                         Usada para prender o
             diretamente.                              tubo de ensaio durante
                                                       o aquecimento.




             ANEL OU                               PINÇA METÁLICA
             ARGOLA                                (TENAZ)


             Usado como suporte                    Usada para manipular
             do funil na filtração.                objetos aquecidos.
Utilizadas para
PISSETA OU FRASCO
                                                           transferência de sólidos,
LAVADOR
                                                           são encontradas em aço
                                                           inox, porcelana, níquel,
Usada para lavagens de                                     osso e pp.
materiais ou recipientes através
de jatos de água, álcool ou        GARRA DUPLA
outros solventes.



 SUPORTE UNIVERSAL


 Utilizado em operações como:      Utilizada para fixar buretas durante a utilização
 Filtração, Suporte para
 Condensador, Bureta, Sistemas     TROMPA DE VÁCUO
 de Destilação etc. Serve
 também para sustentar peças
 em geral.


  TELA DE AMIANTO


  Suporte para as peças a serem    Dispositivos de vidro ou metal que se adaptam à
  aquecidas. A função do           torneira de água, cujo fluxo arrasta o ar
  amianto é distribuir             produzindo "vácuo" no interior do recipiente ao
  uniformemente o calor            qual estão ligados. Elas possuem um único
  recebido pelo bico de bunsen.    sentido de passagem de água, por isso deve-se
  Atualmente está sendo            cuidar para a indicação no aparelho da posição
  proibida sua comercialização,    que ficará para baixo (seta indicativa).
  por ser o amianto                Atualmente, estão sendo substituídas pelas
  cancerígeno.                     bombas de vácuo que são muito mais eficazes.

                                   ESTUFA
     TRIPÉ


     Sustentáculo para efetuar
     aquecimentos de soluções
     em vidrarias diversas de
     laboratório. É utilizado em
     conjunto com a tela de
     amianto.



      ESPÁTULAS E
      COLHERES                     Com controle de temperatura através de
                                   termostato é utilizada para secagem de material;
                                   costuma alcançar até 300°C.
ZONAS DO BICO DE BUNSEN

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Material e função 2011 2012
Material e função 2011 2012Material e função 2011 2012
Material e função 2011 2012
sandradomingues29
 
Equipamentos de laboratorio
Equipamentos de laboratorioEquipamentos de laboratorio
Equipamentos de laboratorio
Camila Silva Fernandes
 
Lista de materiais de química
Lista de materiais de químicaLista de materiais de química
Lista de materiais de química
Nai Mariano
 
Introdução ao laboratório de química
Introdução ao laboratório de químicaIntrodução ao laboratório de química
Introdução ao laboratório de química
curtindoaquimica
 
Métodos térmoanalíticos de análise (TG, DTG, DTA, DSC)
Métodos térmoanalíticos de análise (TG, DTG, DTA, DSC)Métodos térmoanalíticos de análise (TG, DTG, DTA, DSC)
Métodos térmoanalíticos de análise (TG, DTG, DTA, DSC)
Luis Henrique Bembo Filho
 
Composio centecsimal
Composio centecsimalComposio centecsimal
Composio centecsimal
Ernane Nogueira Nunes
 
Métodos de separação de misturas
Métodos de separação de misturasMétodos de separação de misturas
Métodos de separação de misturas
Karol Maia
 
Aula 05 Espectrofotometria Uv Vis
Aula 05   Espectrofotometria Uv VisAula 05   Espectrofotometria Uv Vis
Aula 05 Espectrofotometria Uv Vis
Bruno Cortez
 
Equipamentos utilizados em laboratório de química
Equipamentos utilizados em laboratório de químicaEquipamentos utilizados em laboratório de química
Equipamentos utilizados em laboratório de química
Poliano123
 
Materiais de laboratório.ppt
Materiais de laboratório.pptMateriais de laboratório.ppt
Materiais de laboratório.ppt
AuriciaFariasBezerra1
 
Aula 3 c. centesimal
Aula 3  c. centesimalAula 3  c. centesimal
Aula 3 c. centesimal
Lilian Keila Alves
 
Aula 01 embalagens para Alimentos
Aula 01 embalagens para AlimentosAula 01 embalagens para Alimentos
Aula 01 embalagens para Alimentos
LORRANE BRANDÃO
 
Análises de Elementos Anormais e Sedimentos
Análises de Elementos Anormais e SedimentosAnálises de Elementos Anormais e Sedimentos
Análises de Elementos Anormais e Sedimentos
Mario Gandra
 
Operações unitárias
Operações unitárias Operações unitárias
Operações unitárias
Maria Teixiera
 
Aula 4 meios de cultura
Aula 4   meios de culturaAula 4   meios de cultura
Aula 4 meios de cultura
Jamana Barros de Melo
 
Cristalização
CristalizaçãoCristalização
Cristalização
Silvânia Mendes Moreschi
 
Aula prática reações qualitativa par aminoácidos e proteínas
Aula prática   reações qualitativa par aminoácidos e proteínasAula prática   reações qualitativa par aminoácidos e proteínas
Aula prática reações qualitativa par aminoácidos e proteínas
Mauro Perez
 
Biorreatores
BiorreatoresBiorreatores
Biorreatores
Kevyn Lotas
 
Química - Destilação
Química - DestilaçãoQuímica - Destilação
Química - Destilação
EEB Francisco Mazzola
 
Microrganismos e Fermentação
Microrganismos e FermentaçãoMicrorganismos e Fermentação
Microrganismos e Fermentação
Isabel Lopes
 

Mais procurados (20)

Material e função 2011 2012
Material e função 2011 2012Material e função 2011 2012
Material e função 2011 2012
 
Equipamentos de laboratorio
Equipamentos de laboratorioEquipamentos de laboratorio
Equipamentos de laboratorio
 
Lista de materiais de química
Lista de materiais de químicaLista de materiais de química
Lista de materiais de química
 
Introdução ao laboratório de química
Introdução ao laboratório de químicaIntrodução ao laboratório de química
Introdução ao laboratório de química
 
Métodos térmoanalíticos de análise (TG, DTG, DTA, DSC)
Métodos térmoanalíticos de análise (TG, DTG, DTA, DSC)Métodos térmoanalíticos de análise (TG, DTG, DTA, DSC)
Métodos térmoanalíticos de análise (TG, DTG, DTA, DSC)
 
Composio centecsimal
Composio centecsimalComposio centecsimal
Composio centecsimal
 
Métodos de separação de misturas
Métodos de separação de misturasMétodos de separação de misturas
Métodos de separação de misturas
 
Aula 05 Espectrofotometria Uv Vis
Aula 05   Espectrofotometria Uv VisAula 05   Espectrofotometria Uv Vis
Aula 05 Espectrofotometria Uv Vis
 
Equipamentos utilizados em laboratório de química
Equipamentos utilizados em laboratório de químicaEquipamentos utilizados em laboratório de química
Equipamentos utilizados em laboratório de química
 
Materiais de laboratório.ppt
Materiais de laboratório.pptMateriais de laboratório.ppt
Materiais de laboratório.ppt
 
Aula 3 c. centesimal
Aula 3  c. centesimalAula 3  c. centesimal
Aula 3 c. centesimal
 
Aula 01 embalagens para Alimentos
Aula 01 embalagens para AlimentosAula 01 embalagens para Alimentos
Aula 01 embalagens para Alimentos
 
Análises de Elementos Anormais e Sedimentos
Análises de Elementos Anormais e SedimentosAnálises de Elementos Anormais e Sedimentos
Análises de Elementos Anormais e Sedimentos
 
Operações unitárias
Operações unitárias Operações unitárias
Operações unitárias
 
Aula 4 meios de cultura
Aula 4   meios de culturaAula 4   meios de cultura
Aula 4 meios de cultura
 
Cristalização
CristalizaçãoCristalização
Cristalização
 
Aula prática reações qualitativa par aminoácidos e proteínas
Aula prática   reações qualitativa par aminoácidos e proteínasAula prática   reações qualitativa par aminoácidos e proteínas
Aula prática reações qualitativa par aminoácidos e proteínas
 
Biorreatores
BiorreatoresBiorreatores
Biorreatores
 
Química - Destilação
Química - DestilaçãoQuímica - Destilação
Química - Destilação
 
Microrganismos e Fermentação
Microrganismos e FermentaçãoMicrorganismos e Fermentação
Microrganismos e Fermentação
 

Destaque

Vidraria e equipamentos básicos laboratório de química
Vidraria e equipamentos básicos   laboratório de químicaVidraria e equipamentos básicos   laboratório de química
Vidraria e equipamentos básicos laboratório de química
Mariana Pinheiro
 
Material laboratorio
Material laboratorioMaterial laboratorio
Material laboratorio
Jose Sepulcre Guilabert
 
Material básico de laboratorio
Material básico de laboratorioMaterial básico de laboratorio
Material básico de laboratorio
Damián Gómez Sarmiento
 
Apostila laboratório final
Apostila laboratório finalApostila laboratório final
Apostila laboratório final
Sarah Santos
 
Apostila quimica experimental parfor 2011
Apostila quimica experimental parfor 2011Apostila quimica experimental parfor 2011
Apostila quimica experimental parfor 2011
ProfessorHelioQueiroz
 
Procedimento ii desenhar os materias que se encontram numerados e expostos na...
Procedimento ii desenhar os materias que se encontram numerados e expostos na...Procedimento ii desenhar os materias que se encontram numerados e expostos na...
Procedimento ii desenhar os materias que se encontram numerados e expostos na...
Edgley Xavier
 
Químicas geral experimental__2013 (1)
Químicas geral experimental__2013 (1)Químicas geral experimental__2013 (1)
Químicas geral experimental__2013 (1)
marcusramos007
 
Quimica experimental -_aula02
Quimica experimental -_aula02Quimica experimental -_aula02
Quimica experimental -_aula02
Tayara Crystina
 
Vidrarias(l)
Vidrarias(l)Vidrarias(l)
Vidrarias(l)
Fabiano Araujo
 
Materiais e equipamentos de laboratório de quimica
Materiais e equipamentos de laboratório de quimicaMateriais e equipamentos de laboratório de quimica
Materiais e equipamentos de laboratório de quimica
Mayara Silva
 
Aparelhos usados em laboratório
Aparelhos usados em laboratórioAparelhos usados em laboratório
Aparelhos usados em laboratório
Neusa Fialho
 
Vidraria.
Vidraria.Vidraria.
Vidraria.
heitormonteiro
 
AULA DE QUIMICA GERAL EXPERIMENTAL 1 parte 1
AULA DE QUIMICA GERAL EXPERIMENTAL 1 parte 1AULA DE QUIMICA GERAL EXPERIMENTAL 1 parte 1
AULA DE QUIMICA GERAL EXPERIMENTAL 1 parte 1
ProfessorHelioQueiroz
 
Precisão e Exatidão de Vidrarias
Precisão e Exatidão de VidrariasPrecisão e Exatidão de Vidrarias
Precisão e Exatidão de Vidrarias
weberab
 
Fundamentos da patologia
Fundamentos da patologiaFundamentos da patologia
Fundamentos da patologia
Rodrigo Motta
 
Laboratorio farmaceutico materiales e instrumentos
Laboratorio farmaceutico  materiales e instrumentosLaboratorio farmaceutico  materiales e instrumentos
Laboratorio farmaceutico materiales e instrumentos
Laura Traslaviña
 

Destaque (16)

Vidraria e equipamentos básicos laboratório de química
Vidraria e equipamentos básicos   laboratório de químicaVidraria e equipamentos básicos   laboratório de química
Vidraria e equipamentos básicos laboratório de química
 
Material laboratorio
Material laboratorioMaterial laboratorio
Material laboratorio
 
Material básico de laboratorio
Material básico de laboratorioMaterial básico de laboratorio
Material básico de laboratorio
 
Apostila laboratório final
Apostila laboratório finalApostila laboratório final
Apostila laboratório final
 
Apostila quimica experimental parfor 2011
Apostila quimica experimental parfor 2011Apostila quimica experimental parfor 2011
Apostila quimica experimental parfor 2011
 
Procedimento ii desenhar os materias que se encontram numerados e expostos na...
Procedimento ii desenhar os materias que se encontram numerados e expostos na...Procedimento ii desenhar os materias que se encontram numerados e expostos na...
Procedimento ii desenhar os materias que se encontram numerados e expostos na...
 
Químicas geral experimental__2013 (1)
Químicas geral experimental__2013 (1)Químicas geral experimental__2013 (1)
Químicas geral experimental__2013 (1)
 
Quimica experimental -_aula02
Quimica experimental -_aula02Quimica experimental -_aula02
Quimica experimental -_aula02
 
Vidrarias(l)
Vidrarias(l)Vidrarias(l)
Vidrarias(l)
 
Materiais e equipamentos de laboratório de quimica
Materiais e equipamentos de laboratório de quimicaMateriais e equipamentos de laboratório de quimica
Materiais e equipamentos de laboratório de quimica
 
Aparelhos usados em laboratório
Aparelhos usados em laboratórioAparelhos usados em laboratório
Aparelhos usados em laboratório
 
Vidraria.
Vidraria.Vidraria.
Vidraria.
 
AULA DE QUIMICA GERAL EXPERIMENTAL 1 parte 1
AULA DE QUIMICA GERAL EXPERIMENTAL 1 parte 1AULA DE QUIMICA GERAL EXPERIMENTAL 1 parte 1
AULA DE QUIMICA GERAL EXPERIMENTAL 1 parte 1
 
Precisão e Exatidão de Vidrarias
Precisão e Exatidão de VidrariasPrecisão e Exatidão de Vidrarias
Precisão e Exatidão de Vidrarias
 
Fundamentos da patologia
Fundamentos da patologiaFundamentos da patologia
Fundamentos da patologia
 
Laboratorio farmaceutico materiales e instrumentos
Laboratorio farmaceutico  materiales e instrumentosLaboratorio farmaceutico  materiales e instrumentos
Laboratorio farmaceutico materiales e instrumentos
 

Semelhante a Vidrarias

0_Aula_Vidraria_UEMA_2023.pptIIIIIIIIIIIII
0_Aula_Vidraria_UEMA_2023.pptIIIIIIIIIIIII0_Aula_Vidraria_UEMA_2023.pptIIIIIIIIIIIII
0_Aula_Vidraria_UEMA_2023.pptIIIIIIIIIIIII
MarcioNascimento873348
 
1_material_laborat.ppt
1_material_laborat.ppt1_material_laborat.ppt
1_material_laborat.ppt
AnaSofiaNeves8
 
Substâncias e suas transformações
Substâncias e suas transformaçõesSubstâncias e suas transformações
Substâncias e suas transformações
Claysson Xavier
 
aulademateriaisdelaboratrio-100223155939-phpapp01.ppt
aulademateriaisdelaboratrio-100223155939-phpapp01.pptaulademateriaisdelaboratrio-100223155939-phpapp01.ppt
aulademateriaisdelaboratrio-100223155939-phpapp01.ppt
AssisTeixeira2
 
2ª AULA - MATERIAIS DE LABORATÓRIO (17 FEV).ppt
2ª AULA - MATERIAIS DE LABORATÓRIO (17 FEV).ppt2ª AULA - MATERIAIS DE LABORATÓRIO (17 FEV).ppt
2ª AULA - MATERIAIS DE LABORATÓRIO (17 FEV).ppt
Elifabio Sobreira Pereira
 
Material de laboratório
Material de laboratórioMaterial de laboratório
Material de laboratório
FlavianaRibeiro
 
Manual de utilizador
Manual de utilizadorManual de utilizador
Manual de utilizador
andrepaiva7a
 
Material de laboratório docx
Material de laboratório docxMaterial de laboratório docx
Material de laboratório docx
moitix
 
Vidrarias e equipamentos de laboratório.pptx
Vidrarias e equipamentos de laboratório.pptxVidrarias e equipamentos de laboratório.pptx
Vidrarias e equipamentos de laboratório.pptx
rickriordan
 
Vidrarias.ppt
Vidrarias.pptVidrarias.ppt
Vidrarias.ppt
RicardoRickPuttini
 
Substâncias e Suas Transformações.ppt
Substâncias e Suas Transformações.pptSubstâncias e Suas Transformações.ppt
Substâncias e Suas Transformações.ppt
Claysson Xavier
 
Vidrarias e Equipamentos de Laboratório de Citologia EEVMF 3º e 2º anos 2016
Vidrarias e Equipamentos de Laboratório de Citologia EEVMF 3º e 2º anos 2016Vidrarias e Equipamentos de Laboratório de Citologia EEVMF 3º e 2º anos 2016
Vidrarias e Equipamentos de Laboratório de Citologia EEVMF 3º e 2º anos 2016
José Antonio Paniagua
 
Aula 1 parte 2
Aula 1 parte 2Aula 1 parte 2
Aula 1 parte 2
Andrea Marli Dos Santos
 
Vidrarias de laboratório
Vidrarias de laboratórioVidrarias de laboratório
Vidrarias de laboratório
evelizebarbosa
 
Laboratório de química virtual
Laboratório de química virtualLaboratório de química virtual
Laboratório de química virtual
Giovana Valverde
 
Apostila de análise orgânica e análise qualitativa
Apostila de análise orgânica e análise qualitativaApostila de análise orgânica e análise qualitativa
Apostila de análise orgânica e análise qualitativa
♥Mischelle Santos
 
Vidrarias
VidrariasVidrarias
material_laboratorio.pptx
material_laboratorio.pptxmaterial_laboratorio.pptx
material_laboratorio.pptx
MariaFloradeSousaBri
 
Material laboratorio
Material laboratorioMaterial laboratorio
Material laboratorio
Maria Joao Ramalho
 
Analise de agua
Analise de aguaAnalise de agua
Analise de agua
Douglas Alves
 

Semelhante a Vidrarias (20)

0_Aula_Vidraria_UEMA_2023.pptIIIIIIIIIIIII
0_Aula_Vidraria_UEMA_2023.pptIIIIIIIIIIIII0_Aula_Vidraria_UEMA_2023.pptIIIIIIIIIIIII
0_Aula_Vidraria_UEMA_2023.pptIIIIIIIIIIIII
 
1_material_laborat.ppt
1_material_laborat.ppt1_material_laborat.ppt
1_material_laborat.ppt
 
Substâncias e suas transformações
Substâncias e suas transformaçõesSubstâncias e suas transformações
Substâncias e suas transformações
 
aulademateriaisdelaboratrio-100223155939-phpapp01.ppt
aulademateriaisdelaboratrio-100223155939-phpapp01.pptaulademateriaisdelaboratrio-100223155939-phpapp01.ppt
aulademateriaisdelaboratrio-100223155939-phpapp01.ppt
 
2ª AULA - MATERIAIS DE LABORATÓRIO (17 FEV).ppt
2ª AULA - MATERIAIS DE LABORATÓRIO (17 FEV).ppt2ª AULA - MATERIAIS DE LABORATÓRIO (17 FEV).ppt
2ª AULA - MATERIAIS DE LABORATÓRIO (17 FEV).ppt
 
Material de laboratório
Material de laboratórioMaterial de laboratório
Material de laboratório
 
Manual de utilizador
Manual de utilizadorManual de utilizador
Manual de utilizador
 
Material de laboratório docx
Material de laboratório docxMaterial de laboratório docx
Material de laboratório docx
 
Vidrarias e equipamentos de laboratório.pptx
Vidrarias e equipamentos de laboratório.pptxVidrarias e equipamentos de laboratório.pptx
Vidrarias e equipamentos de laboratório.pptx
 
Vidrarias.ppt
Vidrarias.pptVidrarias.ppt
Vidrarias.ppt
 
Substâncias e Suas Transformações.ppt
Substâncias e Suas Transformações.pptSubstâncias e Suas Transformações.ppt
Substâncias e Suas Transformações.ppt
 
Vidrarias e Equipamentos de Laboratório de Citologia EEVMF 3º e 2º anos 2016
Vidrarias e Equipamentos de Laboratório de Citologia EEVMF 3º e 2º anos 2016Vidrarias e Equipamentos de Laboratório de Citologia EEVMF 3º e 2º anos 2016
Vidrarias e Equipamentos de Laboratório de Citologia EEVMF 3º e 2º anos 2016
 
Aula 1 parte 2
Aula 1 parte 2Aula 1 parte 2
Aula 1 parte 2
 
Vidrarias de laboratório
Vidrarias de laboratórioVidrarias de laboratório
Vidrarias de laboratório
 
Laboratório de química virtual
Laboratório de química virtualLaboratório de química virtual
Laboratório de química virtual
 
Apostila de análise orgânica e análise qualitativa
Apostila de análise orgânica e análise qualitativaApostila de análise orgânica e análise qualitativa
Apostila de análise orgânica e análise qualitativa
 
Vidrarias
VidrariasVidrarias
Vidrarias
 
material_laboratorio.pptx
material_laboratorio.pptxmaterial_laboratorio.pptx
material_laboratorio.pptx
 
Material laboratorio
Material laboratorioMaterial laboratorio
Material laboratorio
 
Analise de agua
Analise de aguaAnalise de agua
Analise de agua
 

Último

Gestão de dados: sua importância e benefícios
Gestão de dados: sua importância e benefíciosGestão de dados: sua importância e benefícios
Gestão de dados: sua importância e benefícios
Rafael Santos
 
PRATICANDO O SCRUM Scrum team, product owner
PRATICANDO O SCRUM Scrum team, product ownerPRATICANDO O SCRUM Scrum team, product owner
PRATICANDO O SCRUM Scrum team, product owner
anpproferick
 
Teoria de redes de computadores redes .doc
Teoria de redes de computadores redes .docTeoria de redes de computadores redes .doc
Teoria de redes de computadores redes .doc
anpproferick
 
Ferramentas e Técnicas para aplicar no seu dia a dia numa Transformação Digital!
Ferramentas e Técnicas para aplicar no seu dia a dia numa Transformação Digital!Ferramentas e Técnicas para aplicar no seu dia a dia numa Transformação Digital!
Ferramentas e Técnicas para aplicar no seu dia a dia numa Transformação Digital!
Annelise Gripp
 
Como fui de 0 a lead na gringa em 3 anos.pptx
Como fui de 0 a lead na gringa em 3 anos.pptxComo fui de 0 a lead na gringa em 3 anos.pptx
Como fui de 0 a lead na gringa em 3 anos.pptx
tnrlucas
 
Por que escolhi o Flutter - Campus Party Piauí.pdf
Por que escolhi o Flutter - Campus Party Piauí.pdfPor que escolhi o Flutter - Campus Party Piauí.pdf
Por que escolhi o Flutter - Campus Party Piauí.pdf
Ian Oliveira
 
Orientações para utilizar Drone no espaço Brasil
Orientações para utilizar Drone no espaço BrasilOrientações para utilizar Drone no espaço Brasil
Orientações para utilizar Drone no espaço Brasil
EliakimArajo2
 

Último (7)

Gestão de dados: sua importância e benefícios
Gestão de dados: sua importância e benefíciosGestão de dados: sua importância e benefícios
Gestão de dados: sua importância e benefícios
 
PRATICANDO O SCRUM Scrum team, product owner
PRATICANDO O SCRUM Scrum team, product ownerPRATICANDO O SCRUM Scrum team, product owner
PRATICANDO O SCRUM Scrum team, product owner
 
Teoria de redes de computadores redes .doc
Teoria de redes de computadores redes .docTeoria de redes de computadores redes .doc
Teoria de redes de computadores redes .doc
 
Ferramentas e Técnicas para aplicar no seu dia a dia numa Transformação Digital!
Ferramentas e Técnicas para aplicar no seu dia a dia numa Transformação Digital!Ferramentas e Técnicas para aplicar no seu dia a dia numa Transformação Digital!
Ferramentas e Técnicas para aplicar no seu dia a dia numa Transformação Digital!
 
Como fui de 0 a lead na gringa em 3 anos.pptx
Como fui de 0 a lead na gringa em 3 anos.pptxComo fui de 0 a lead na gringa em 3 anos.pptx
Como fui de 0 a lead na gringa em 3 anos.pptx
 
Por que escolhi o Flutter - Campus Party Piauí.pdf
Por que escolhi o Flutter - Campus Party Piauí.pdfPor que escolhi o Flutter - Campus Party Piauí.pdf
Por que escolhi o Flutter - Campus Party Piauí.pdf
 
Orientações para utilizar Drone no espaço Brasil
Orientações para utilizar Drone no espaço BrasilOrientações para utilizar Drone no espaço Brasil
Orientações para utilizar Drone no espaço Brasil
 

Vidrarias

  • 1. VIDRARIAS E OUTROS EQUIPAMENTOS DE LABORATÓRIO: ALMOFARIZ COM BURETA COM TORNEIRA DE PISTILO VIDRO OU TEFLON Usado na trituração e Aparelho utilizado em análises pulverização de sólidos em volumétricas não tão precisas. pequena escala. Apresenta tubo de parede uniforme para assegurar a tolerância estipulada com exatidão e gravação BALÃO DE FUNDO CHATO permanente em linhas bem delineadas afim de facilitar a leitura de volume escoado. Utilizado como recipiente para conter líquidos ou soluções, ou mesmo, fazer reações com desprendimento de gases. Pode ser aquecido sobre o tripé com tela de amianto. CADINHO BALÃO DE FUNDO REDONDO Peça geralmente de porcelana cuja utilidade é aquecer Utilizado principalmente em substâncias a seco, podendo sistemas de refluxo e evaporação fundi-las, e com grande a vácuo, acoplado a um intensidade de calor (acima de rotaevaporador. 500°C), por isto pode ser levado diretamente ao bico de bunsen. Pode ser feito de ferro, chumbo, platina e porcelana. BALÃO VOLUMÉTRICO Possui volume definido e é utilizado para o preparo de soluções com precisão em laboratório CÁPSULA DE PORCELANA BECKER Peça de porcelana usada para evaporar líquidos das soluções e na secagem de É de uso geral em laboratório. substâncias. Podem ser Serve para fazer reações entre utilizadas em estufas desde soluções, dissolver substâncias que se respeite o limite de no sólidas, efetuar reações de máx. 500°C precipitação e aquecer líquidos. Pode ser aquecido sobre a tela de amianto.
  • 2. CONDENSADOR Utilizado na destilação, tem como FUNIL DE SEPARAÇÃO finalidade condensar vapores gerados pelo aquecimento de líquidos. Os mais comuns são os de Utilizado na separação de líquidos Liebig, como o da figura ao lado, não miscíveis e na extração mas há também o de bolas e líquido/líquido. serpentina. DESSECADOR KITASSATO Usado para guardar substâncias em atmosfera com baixo índice de umidade. Utilizado em conjunto com o funil de Büchner em filtrações a vácuo. ERLENMEYER PIPETA GRADUADA Utilizado em titulações, aquecimento de líquidos e para dissolver substâncias e proceder Utilizada para medir pequenos reações entre soluções. Seu volumes. Mede volumes variáveis. diferencial em relação ao béquer Não pode ser aquecida e não é que este permite agitação apresenta precisão na medida. manual, devido ao seu afunilamento, sem que haja risco de perda do material agitado. PIPETA VOLUMÉTRICA FUNIL DE BUCHNER Usada para medir e transferir volume de líquidos, não podendo ser aquecida, pois possui grande precisão de medida. Medem um único volume, Utilizado em filtrações a o que caracteriza sua precisão. vácuo. Pode ser usado com a função de filtro em conjunto com o Kitassato.
  • 3. PROVETA OU CILINDRO BICO DE BUNSEN GRADUADO Serve para medir e transferir É a fonte de aquecimento mais volumes variáveis de líquidos em utilizada em laboratório. Mas grandes quantidades se necessário. contemporaneamente tem sido Pode ser encontrada em volumes de substituído pelas mantas e 25 até 1000mL. Não pode ser chapas de aquecimento. Deve- aquecida. se evitar seu uso quando utilizamos substâncias inflamáveis dentro do TUBO DE ENSAIO recipiente que se quer aquecer. ESTANTE PARA Empregado para fazer reações em TUBO DE ENSAIO pequena escala, principalmente em testes de reação em geral. Pode ser aquecido com movimentos É usada para suporte dos circulares e com cuidado tubos de ensaio. diretamente sob a chama do bico de bunsen. GARRA DE CONDENSADOR VIDRO DE RELÓGIO Peça de Vidro de Usada para prender o condensador à forma côncava, é haste do suporte ou outras peças como usada em análises e balões, erlenmeyers etc. evaporações em pequena escala, além de auxiliar na pesagem de PINÇA DE substâncias não MADEIRA voláteis e não higroscópicas. Não pode ser aquecida Usada para prender o diretamente. tubo de ensaio durante o aquecimento. ANEL OU PINÇA METÁLICA ARGOLA (TENAZ) Usado como suporte Usada para manipular do funil na filtração. objetos aquecidos.
  • 4. Utilizadas para PISSETA OU FRASCO transferência de sólidos, LAVADOR são encontradas em aço inox, porcelana, níquel, Usada para lavagens de osso e pp. materiais ou recipientes através de jatos de água, álcool ou GARRA DUPLA outros solventes. SUPORTE UNIVERSAL Utilizado em operações como: Utilizada para fixar buretas durante a utilização Filtração, Suporte para Condensador, Bureta, Sistemas TROMPA DE VÁCUO de Destilação etc. Serve também para sustentar peças em geral. TELA DE AMIANTO Suporte para as peças a serem Dispositivos de vidro ou metal que se adaptam à aquecidas. A função do torneira de água, cujo fluxo arrasta o ar amianto é distribuir produzindo "vácuo" no interior do recipiente ao uniformemente o calor qual estão ligados. Elas possuem um único recebido pelo bico de bunsen. sentido de passagem de água, por isso deve-se Atualmente está sendo cuidar para a indicação no aparelho da posição proibida sua comercialização, que ficará para baixo (seta indicativa). por ser o amianto Atualmente, estão sendo substituídas pelas cancerígeno. bombas de vácuo que são muito mais eficazes. ESTUFA TRIPÉ Sustentáculo para efetuar aquecimentos de soluções em vidrarias diversas de laboratório. É utilizado em conjunto com a tela de amianto. ESPÁTULAS E COLHERES Com controle de temperatura através de termostato é utilizada para secagem de material; costuma alcançar até 300°C.
  • 5. ZONAS DO BICO DE BUNSEN