SlideShare uma empresa Scribd logo
Engenharia de Produção – 3º Semestre
Ciências do Ambiente
Prof. Ronaldo Bastos Francini
Componentes do Grupo:
Jessica Reis
Mariana Lourenço
Thalita Sales
Impacto Ambiental noImpacto Ambiental no
Transporte Marítimo de PetróleoTransporte Marítimo de Petróleo
e Derivadose Derivados
Engenharia de Produção – 3º Semestre
Ciências do Ambiente
Prof. Ronaldo Bastos Francini
Breve histórico sobre vazamentos de óleoBreve histórico sobre vazamentos de óleo
no mar no mundono mar no mundo
 Encalhe do navio petroleiro Torrey
Canyon na Inglaterra, em 1967.
 Área atingida: Costa francesa e
inglesa.
 Ocasionou a morte de centenas
de aves além de prejuízos à
pesca e ao turismo.
Engenharia de Produção – 3º Semestre
Ciências do Ambiente
Prof. Ronaldo Bastos Francini
Breve histórico sobre vazamentos de óleoBreve histórico sobre vazamentos de óleo
no mar no mundono mar no mundo
 Naufrágio do petroleiro Amoco
Cadiz, na França, em 1978.
 Área atingida: Costa francesa.
 230.000 toneladas de oléo
vazadas.
Engenharia de Produção – 3º Semestre
Ciências do Ambiente
Prof. Ronaldo Bastos Francini
Breve histórico sobre vazamentos de óleoBreve histórico sobre vazamentos de óleo
no mar no mundono mar no mundo
Ano Navio Região Vol vazado (ton)
1 1979 Atlantic Empress ~ Tobago 287.000
2 1991 ABT Summer ~ Angola 260.000
3 1983 Castillo de Belver ~ Africa do Sul 252.000
4 1978 Amoco Cadiz ~ França 223.000
5 1991 Haven ~ Italia 144.000
6 1988 Odyssey ~ Canada 132.000
7 1967 Torrey Canyon ~ Reino Unido 119.000
8 1972 Sea Star ~ Golfo de Oman 115.000
9 1980 Irenes Serenade ~ Grécia 100.000
10 1976 Urquiola ~ Espanha 100.000
Fonte: ITOPF in CETESB, 2009. Adaptado.
Dez maiores vazamentos de óleo no mundo envolvendo navios.
Engenharia de Produção – 3º Semestre
Ciências do Ambiente
Prof. Ronaldo Bastos Francini
Impacto ambiental X volume de óleoImpacto ambiental X volume de óleo
vazadovazado
 Apesar do grande volume de óleo
liberado, a grande maioria dos
acidentes apresentados na tabela
anterior é praticamente desconhecido,
porque muitos ocorreram em alto mar,
distantes da zona costeira, sem trazer
impactos diretos à fauna como
mortandade de aves e mamíferos ou
prejuízos à pesca e ao turismo.
Engenharia de Produção – 3º Semestre
Ciências do Ambiente
Prof. Ronaldo Bastos Francini
Impacto ambiental X volume de óleoImpacto ambiental X volume de óleo
vazadovazado
 É importante frisar que a extensão do
dano ambiental causado por estas
ocorrências nem sempre é
proporcional apenas ao volume
vazado, porque está também na
dependência da causa do incidente,
da dimensão do volume liberado, do
tipo de produto envolvido, da sua
respectiva toxicidade, da magnitude
de áreas afetadas e da sensibilidade
ecológica e socioeconômica destes
ambientes.
Engenharia de Produção – 3º Semestre
Ciências do Ambiente
Prof. Ronaldo Bastos Francini
Impacto ambiental X volume de óleoImpacto ambiental X volume de óleo
vazadovazado
 Encalhe do petroleiro Exxon Valdez
no Alasca (1989).
 Considerado um dos piores eventos
que causaram impacto ao meio
ambiente, por ter ocorrido em área
abrigada e sensível, com importantes
recursos biológicos e atividades de
importância socioeconômica.
Engenharia de Produção – 3º Semestre
Ciências do Ambiente
Prof. Ronaldo Bastos Francini
Acidentes ocorridos na costaAcidentes ocorridos na costa
brasileirabrasileira
 Navio químico Vicuña após
explosão no Porto de
Paranaguá (PR), em 2004
(1000 m³ metanol e 5.000 m³
óleo vazados).
 Navio Cargueiro Smyrni
avariado no tanque de óleo
combustível no Porto de Santos
(SP), em 1998 (40 m³
vazados).
Engenharia de Produção – 3º Semestre
Ciências do Ambiente
Prof. Ronaldo Bastos Francini
Acidentes ocorridos na costaAcidentes ocorridos na costa
brasileirabrasileiraPrincipais vazamentos de óleo no litoral brasileiro (1960 -2006)
Fonte/Causa Data Local / áreas atingidas Vol. vazado
N/T Sinclair Petrolore /
desconhecida dez/60 Costa brasileira / desconhecido 66.530 m³
N/T Takamyia Maru / acidente
de navegação ago/74 São Sebastião (SP) / praias e costões 6.000 m³
N/T Tarik Ibn Zyiad / acidente
de navegação mar/75 Baía de Guanabara (RJ) / praias e costões 6.000 m³
N/T Brazilian Marina / acidente
de navegação jan/78 São Sebastião (SP) / praias e costões 6.000 m³
N/T Marina / acidente de
navegação mar/85 São Sebastião (SP) / praias e costões 2.000 m³
N/T Theomana / não apurada set/91 Bacia de Campos (RJ) / mar aberto 2.150 m³
N/M Smyrni / acidente de
navegação jul/98 Santos (SP) / mangue, praias e costões 40 m³
N/T Maruim / fissura no casco ago/98
São Sebastião (SP) / praias, costões e
marisma 15 m³
Campo de Produção nov/99 Carmópolis (SE) / mar e pesca Não estimada
Plataforma P 36 mar/01 Bacia de Campos (RJ) / mar aberto 1.500 m³
Plataforma P 7 abr/01 Bacia de Campos (RJ) / mar aberto 124 m³
Navio Vicuña / explosão nov/04
Baía de Paranaguá (PR) / mangue,marisma,
praia,costão
1000m³ de metanol e
5.000 m³ de óleo
Engenharia de Produção – 3º Semestre
Ciências do Ambiente
Prof. Ronaldo Bastos Francini
Órgãos Relacionados ao MeioÓrgãos Relacionados ao Meio
AmbienteAmbiente IMO - International Maritime Organization
 ITOPF - International Tanker Owners Polution Federation
 FEEMA - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente
 IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos
Naturais Renováveis
 CONAMA - Conselho Nacional para o Meio Ambiente
 CETESB - Companhia de Tecnologia de Saneamento
Ambiental
Engenharia de Produção – 3º Semestre
Ciências do Ambiente
Prof. Ronaldo Bastos Francini
Gerenciamento AmbientalGerenciamento Ambiental
 Planejamento, identificação e avaliação dos riscos;
 Implementação de controles e operações preventivas;
 Plano de Emergência e Contingência;
 Limpeza e recuperação de área impactada;
Engenharia de Produção – 3º Semestre
Ciências do Ambiente
Prof. Ronaldo Bastos Francini
Planos de contingência para vazamentos dePlanos de contingência para vazamentos de
óleo no maróleo no mar
 Apesar dos significativos avanços
tecnológicos nas atividades de exploração,
armazenamento e transporte de petróleo e
de seus derivados, existe a possibilidade de
um acidente acontecer e de gerar poluição
ambiental. As conseqüências podem (e
devem) ser reduzidas e, para tanto, o Plano
de Contingência é uma ferramenta
fundamental.
Engenharia de Produção – 3º Semestre
Ciências do Ambiente
Prof. Ronaldo Bastos Francini
Planos de contingência para vazamentos dePlanos de contingência para vazamentos de
óleo no maróleo no mar
Abrangência Nível Responsávelpelaoperaçãoderesposta
PlanoLocaldeContingência–PLC 1 Empresa/instituição
PlanoRegionaldeContingência–PRC 2 Empresa/instituiçãoeAgênciasGovernamentais
PlanoNacionaldeContingência–PNC 3 GovernoFederal
 O Plano de Contingência (PC) define a estrutura organizacional, os
procedimentos e os recursos disponíveis para resposta a eventos de poluição
por óleo no mar, nos diversos níveis operacionais ou de ações requeridas seja
ela local, regional ou nacional.
Engenharia de Produção – 3º Semestre
Ciências do Ambiente
Prof. Ronaldo Bastos Francini
Limpeza de ambientes costeirosLimpeza de ambientes costeiros
 Método: Utilização de
Absorventes.
 Aplicação de produtos com propriedades
oleofílicas, orgânicos (turfa, palha de pinho),
sintéticos ou minerais. Podem se apresentar
na forma granulada ou envolvidos em tecidos
porosos formando "salsichões" ou "almofadas",
sendo aplicados diretamente sobre o óleo.
 O uso de absorventes é um método bastante
útil, do ponto de vista ecológico, pois causa
prejuízos mínimos ao ambiente. Aplicação de turfa vegetal em
limpeza de praia
Engenharia de Produção – 3º Semestre
Ciências do Ambiente
Prof. Ronaldo Bastos Francini
Limpeza de ambientes costeirosLimpeza de ambientes costeiros
 Método: Remoção manual.
 Retirada manual do óleo do ambiente com
utensílios como rodos, pás, latas, baldes,
carrinhos de mão e tambores. Propicia o
acesso e limpeza de locais restritos como
fendas, poças de marés, e conjunções de
rochas, bem como áreas mais extensas como
praias de areia.
 É um método de limpeza mais trabalhoso, no
entanto causa menos danos ao ambiente. Tem
comprovada eficiência em ambientes como
praias e costões rochosos.
Limpeza manual de praias
Limpeza manual de costões
rochosos
Engenharia de Produção – 3º Semestre
Ciências do Ambiente
Prof. Ronaldo Bastos Francini
Limpeza de ambientes costeirosLimpeza de ambientes costeiros
 Método: Limpeza natural
 Mecanismo natural de limpeza e remoção do
óleo como ondas, correntes, marés, ventos,
chuvas, biodegradação, volatilização,
solubilização, dispersão, entre outros, atuando
no ambiente atingido pelo óleo, com eficiência
variável, de acordo com as características
físicas do ambiente e do próprio óleo.
Limpeza natural
 Este procedimento é normalmente priorizado em muitos casos uma vez que
não causa danos adicionais à comunidade, no entanto, normalmente, conjuga-
se a este procedimento outros métodos de limpeza.
Engenharia de Produção – 3º Semestre
Ciências do Ambiente
Prof. Ronaldo Bastos Francini
Limpeza de ambientes costeirosLimpeza de ambientes costeiros
 Método: Bombeamento a
vácuo
 O óleo é aspirado com utilização de
caminhões-vácuo ou bombas-vácuo
sendo que nesse caso o óleo é
transferido para recipientes como
tambores, "bags", etc.
Bombeamento a vácuo
Engenharia de Produção – 3º Semestre
Ciências do Ambiente
Prof. Ronaldo Bastos Francini
Limpeza de ambientes costeirosLimpeza de ambientes costeiros
 Método: Dispersantes
químicos
 Agentes químicos que dispersam o óleo
na coluna d’água favorecendo sua
degradação natural. Técnica que pode
evitar a chegada do óleo em locais de
maior relevância ecológica/econômica.
Sua aplicação está associada à
anuência do órgão ambiental
competente e deve se basear em
legislação vigente especifica (resolução
CONAMA n° 269 de 14/09/2000). Aplicação de dispersantes (Operação
TEBAR V - S. Sebastião – SP)
Engenharia de Produção – 3º Semestre
Ciências do Ambiente
Prof. Ronaldo Bastos Francini
Limpeza de ambientes costeirosLimpeza de ambientes costeiros
 Abaixo as técnicas indicadas pela CETESB para serem aplicadas nos
diferentes ambientes costeiros.
Técnica Praia
Costão
rochoso
Manguezal / Marisma
Recife
de
coral
Substratos
marinhos
Águas abertas
águas
adjacentes
bosque costeiras oceânicas
Bombeamento à vacuo • • • • • •
Recolhimento manual • • • - • - • •
Absorventes • • • • •
Limpeza natural • • • • • • • •
Barreiras, esteiras,
skimmers • • • •
Lavagem com água
corrente - • - - - - - -
Corte controlado de
vegetação • •
Dispersantes - - - - - - • •
• • - Aplicável apenas em marismas
Engenharia de Produção – 3º Semestre
Ciências do Ambiente
Prof. Ronaldo Bastos Francini
Referências BibliográficasReferências Bibliográficas
http://www.mma.gov.br
http://www.cetesb.sp.gov.br
www.itopf.com
http://www.valdezscience.com
www.petrobras.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Artigo lixo marinho
Artigo   lixo marinhoArtigo   lixo marinho
Artigo lixo marinho
Rafael Augusto Gregorini
 
Impactos na exploração do présal SANTOS
Impactos na exploração do présal SANTOSImpactos na exploração do présal SANTOS
Impactos na exploração do présal SANTOS
Tales Oliver
 
Diretrizes Ambientais para as Bacias Terrestres
Diretrizes Ambientais para as Bacias TerrestresDiretrizes Ambientais para as Bacias Terrestres
Diretrizes Ambientais para as Bacias Terrestres
ANP - Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis
 
Diretrizes ambientais - Bacias Marítimas
Diretrizes ambientais - Bacias MarítimasDiretrizes ambientais - Bacias Marítimas
Informativo insp 24.docx
Informativo insp   24.docxInformativo insp   24.docx
Informativo insp 24.docx
Douglas Siqueira
 
Vazamento de óleo na bacia de campos caso chevron
Vazamento de óleo na bacia de campos   caso chevronVazamento de óleo na bacia de campos   caso chevron
Vazamento de óleo na bacia de campos caso chevron
Aluizio Assessoria
 
Geo 2 OcupaçãO AntróPica E Problemas De Ordenamento Zonas Costeiras
Geo 2   OcupaçãO AntróPica E Problemas De Ordenamento   Zonas CosteirasGeo 2   OcupaçãO AntróPica E Problemas De Ordenamento   Zonas Costeiras
Geo 2 OcupaçãO AntróPica E Problemas De Ordenamento Zonas Costeiras
Nuno Correia
 
Poluição Ambiental - Tema Garimpo
Poluição Ambiental - Tema GarimpoPoluição Ambiental - Tema Garimpo
Poluição Ambiental - Tema Garimpo
Lukas Lima
 

Mais procurados (8)

Artigo lixo marinho
Artigo   lixo marinhoArtigo   lixo marinho
Artigo lixo marinho
 
Impactos na exploração do présal SANTOS
Impactos na exploração do présal SANTOSImpactos na exploração do présal SANTOS
Impactos na exploração do présal SANTOS
 
Diretrizes Ambientais para as Bacias Terrestres
Diretrizes Ambientais para as Bacias TerrestresDiretrizes Ambientais para as Bacias Terrestres
Diretrizes Ambientais para as Bacias Terrestres
 
Diretrizes ambientais - Bacias Marítimas
Diretrizes ambientais - Bacias MarítimasDiretrizes ambientais - Bacias Marítimas
Diretrizes ambientais - Bacias Marítimas
 
Informativo insp 24.docx
Informativo insp   24.docxInformativo insp   24.docx
Informativo insp 24.docx
 
Vazamento de óleo na bacia de campos caso chevron
Vazamento de óleo na bacia de campos   caso chevronVazamento de óleo na bacia de campos   caso chevron
Vazamento de óleo na bacia de campos caso chevron
 
Geo 2 OcupaçãO AntróPica E Problemas De Ordenamento Zonas Costeiras
Geo 2   OcupaçãO AntróPica E Problemas De Ordenamento   Zonas CosteirasGeo 2   OcupaçãO AntróPica E Problemas De Ordenamento   Zonas Costeiras
Geo 2 OcupaçãO AntróPica E Problemas De Ordenamento Zonas Costeiras
 
Poluição Ambiental - Tema Garimpo
Poluição Ambiental - Tema GarimpoPoluição Ambiental - Tema Garimpo
Poluição Ambiental - Tema Garimpo
 

Semelhante a Transporte maritimo de petroleo e derivados e impacto ambiental

Acidentes ambientais marítimos - Plataforma P-36
Acidentes ambientais marítimos - Plataforma P-36Acidentes ambientais marítimos - Plataforma P-36
Acidentes ambientais marítimos - Plataforma P-36
João Filho
 
Desenvolvimento sustentável e transportes marítimos
Desenvolvimento sustentável e transportes marítimos Desenvolvimento sustentável e transportes marítimos
Desenvolvimento sustentável e transportes marítimos
Católica UNISANTOS
 
Oceanos
OceanosOceanos
Oceanos
Mayjö .
 
2º trabalho elias
2º trabalho elias2º trabalho elias
2º trabalho elias
Alberto Sodré
 
Acua pura no lamego
Acua pura no lamegoAcua pura no lamego
Acua pura no lamego
Ana Sousa
 
CiêNcias 8º
CiêNcias 8ºCiêNcias 8º
CiêNcias 8º
JoeldeBarros
 
O IMPACTO AMBIENTAL DO PETRÓLEO NO BRASIL
O IMPACTO AMBIENTAL DO PETRÓLEO NO BRASILO IMPACTO AMBIENTAL DO PETRÓLEO NO BRASIL
O IMPACTO AMBIENTAL DO PETRÓLEO NO BRASIL
Pedro Domacena
 
O IMPACTO AMBIENTAL DO PETRÓLEO NO BRASIL
O IMPACTO AMBIENTAL DO PETRÓLEO NO BRASILO IMPACTO AMBIENTAL DO PETRÓLEO NO BRASIL
O IMPACTO AMBIENTAL DO PETRÓLEO NO BRASIL
Pedro Domacena
 
Petróleo e gás
Petróleo e gásPetróleo e gás
A gestão do espaço marítimo
A gestão do espaço marítimoA gestão do espaço marítimo
A gestão do espaço marítimo
Oxana Marian
 
Ambiente
AmbienteAmbiente
Orientações básicas aterro sanitário
Orientações básicas aterro sanitárioOrientações básicas aterro sanitário
Orientações básicas aterro sanitário
Keyla Christianne
 
Derramamento de petróleo 2 a
Derramamento de petróleo 2 aDerramamento de petróleo 2 a
Derramamento de petróleo 2 a
Maria Teresa Iannaco Grego
 
Blog
BlogBlog
VIVER COM A EROSÃO COSTEIRA NA EUROPA
VIVER COM A EROSÃO  COSTEIRA  NA EUROPAVIVER COM A EROSÃO  COSTEIRA  NA EUROPA
VIVER COM A EROSÃO COSTEIRA NA EUROPA
Cláudio Carneiro
 
Poluição
PoluiçãoPoluição
Poluição
adelinacgomes
 
Oceanos e mares ameaçados
Oceanos e mares ameaçadosOceanos e mares ameaçados
Oceanos e mares ameaçados
Hugo Rodrigues
 
Oceanos e mares ameaçados pp
Oceanos e mares ameaçados ppOceanos e mares ameaçados pp
Oceanos e mares ameaçados pp
Hugo Rodrigues
 
T.I.G - Gestão Ambiental
T.I.G - Gestão AmbientalT.I.G - Gestão Ambiental
T.I.G - Gestão Ambiental
João Silva
 
Oceanos andreia 9º2
Oceanos andreia 9º2Oceanos andreia 9º2
Oceanos andreia 9º2
Mayjö .
 

Semelhante a Transporte maritimo de petroleo e derivados e impacto ambiental (20)

Acidentes ambientais marítimos - Plataforma P-36
Acidentes ambientais marítimos - Plataforma P-36Acidentes ambientais marítimos - Plataforma P-36
Acidentes ambientais marítimos - Plataforma P-36
 
Desenvolvimento sustentável e transportes marítimos
Desenvolvimento sustentável e transportes marítimos Desenvolvimento sustentável e transportes marítimos
Desenvolvimento sustentável e transportes marítimos
 
Oceanos
OceanosOceanos
Oceanos
 
2º trabalho elias
2º trabalho elias2º trabalho elias
2º trabalho elias
 
Acua pura no lamego
Acua pura no lamegoAcua pura no lamego
Acua pura no lamego
 
CiêNcias 8º
CiêNcias 8ºCiêNcias 8º
CiêNcias 8º
 
O IMPACTO AMBIENTAL DO PETRÓLEO NO BRASIL
O IMPACTO AMBIENTAL DO PETRÓLEO NO BRASILO IMPACTO AMBIENTAL DO PETRÓLEO NO BRASIL
O IMPACTO AMBIENTAL DO PETRÓLEO NO BRASIL
 
O IMPACTO AMBIENTAL DO PETRÓLEO NO BRASIL
O IMPACTO AMBIENTAL DO PETRÓLEO NO BRASILO IMPACTO AMBIENTAL DO PETRÓLEO NO BRASIL
O IMPACTO AMBIENTAL DO PETRÓLEO NO BRASIL
 
Petróleo e gás
Petróleo e gásPetróleo e gás
Petróleo e gás
 
A gestão do espaço marítimo
A gestão do espaço marítimoA gestão do espaço marítimo
A gestão do espaço marítimo
 
Ambiente
AmbienteAmbiente
Ambiente
 
Orientações básicas aterro sanitário
Orientações básicas aterro sanitárioOrientações básicas aterro sanitário
Orientações básicas aterro sanitário
 
Derramamento de petróleo 2 a
Derramamento de petróleo 2 aDerramamento de petróleo 2 a
Derramamento de petróleo 2 a
 
Blog
BlogBlog
Blog
 
VIVER COM A EROSÃO COSTEIRA NA EUROPA
VIVER COM A EROSÃO  COSTEIRA  NA EUROPAVIVER COM A EROSÃO  COSTEIRA  NA EUROPA
VIVER COM A EROSÃO COSTEIRA NA EUROPA
 
Poluição
PoluiçãoPoluição
Poluição
 
Oceanos e mares ameaçados
Oceanos e mares ameaçadosOceanos e mares ameaçados
Oceanos e mares ameaçados
 
Oceanos e mares ameaçados pp
Oceanos e mares ameaçados ppOceanos e mares ameaçados pp
Oceanos e mares ameaçados pp
 
T.I.G - Gestão Ambiental
T.I.G - Gestão AmbientalT.I.G - Gestão Ambiental
T.I.G - Gestão Ambiental
 
Oceanos andreia 9º2
Oceanos andreia 9º2Oceanos andreia 9º2
Oceanos andreia 9º2
 

Último

AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
Consultoria Acadêmica
 
AE03 - SISTEMAS DISTRIBUIDOS E REDES UNICESUMAR 52/2024
AE03 - SISTEMAS DISTRIBUIDOS E REDES UNICESUMAR 52/2024AE03 - SISTEMAS DISTRIBUIDOS E REDES UNICESUMAR 52/2024
AE03 - SISTEMAS DISTRIBUIDOS E REDES UNICESUMAR 52/2024
Consultoria Acadêmica
 
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
Consultoria Acadêmica
 
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptxWorkshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
marcosmpereira
 
Análise preliminar motorista-APR-motorista.doc
Análise preliminar motorista-APR-motorista.docAnálise preliminar motorista-APR-motorista.doc
Análise preliminar motorista-APR-motorista.doc
cristiano docarmo
 
Estruturas de Madeiras: Dimensionamento e formas de classificação
Estruturas de Madeiras: Dimensionamento e formas de classificaçãoEstruturas de Madeiras: Dimensionamento e formas de classificação
Estruturas de Madeiras: Dimensionamento e formas de classificação
caduelaia
 
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitosApostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
Sandro Marques Solidario
 
Introdução ao GNSS Sistema Global de Posicionamento
Introdução ao GNSS Sistema Global de PosicionamentoIntrodução ao GNSS Sistema Global de Posicionamento
Introdução ao GNSS Sistema Global de Posicionamento
GeraldoGouveia2
 
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docxSFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
bentosst
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
Consultoria Acadêmica
 
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdfDimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
RodrigoQuintilianode1
 

Último (11)

AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
 
AE03 - SISTEMAS DISTRIBUIDOS E REDES UNICESUMAR 52/2024
AE03 - SISTEMAS DISTRIBUIDOS E REDES UNICESUMAR 52/2024AE03 - SISTEMAS DISTRIBUIDOS E REDES UNICESUMAR 52/2024
AE03 - SISTEMAS DISTRIBUIDOS E REDES UNICESUMAR 52/2024
 
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
 
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptxWorkshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
 
Análise preliminar motorista-APR-motorista.doc
Análise preliminar motorista-APR-motorista.docAnálise preliminar motorista-APR-motorista.doc
Análise preliminar motorista-APR-motorista.doc
 
Estruturas de Madeiras: Dimensionamento e formas de classificação
Estruturas de Madeiras: Dimensionamento e formas de classificaçãoEstruturas de Madeiras: Dimensionamento e formas de classificação
Estruturas de Madeiras: Dimensionamento e formas de classificação
 
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitosApostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
 
Introdução ao GNSS Sistema Global de Posicionamento
Introdução ao GNSS Sistema Global de PosicionamentoIntrodução ao GNSS Sistema Global de Posicionamento
Introdução ao GNSS Sistema Global de Posicionamento
 
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docxSFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
 
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdfDimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
 

Transporte maritimo de petroleo e derivados e impacto ambiental

  • 1. Engenharia de Produção – 3º Semestre Ciências do Ambiente Prof. Ronaldo Bastos Francini Componentes do Grupo: Jessica Reis Mariana Lourenço Thalita Sales Impacto Ambiental noImpacto Ambiental no Transporte Marítimo de PetróleoTransporte Marítimo de Petróleo e Derivadose Derivados
  • 2. Engenharia de Produção – 3º Semestre Ciências do Ambiente Prof. Ronaldo Bastos Francini Breve histórico sobre vazamentos de óleoBreve histórico sobre vazamentos de óleo no mar no mundono mar no mundo  Encalhe do navio petroleiro Torrey Canyon na Inglaterra, em 1967.  Área atingida: Costa francesa e inglesa.  Ocasionou a morte de centenas de aves além de prejuízos à pesca e ao turismo.
  • 3. Engenharia de Produção – 3º Semestre Ciências do Ambiente Prof. Ronaldo Bastos Francini Breve histórico sobre vazamentos de óleoBreve histórico sobre vazamentos de óleo no mar no mundono mar no mundo  Naufrágio do petroleiro Amoco Cadiz, na França, em 1978.  Área atingida: Costa francesa.  230.000 toneladas de oléo vazadas.
  • 4. Engenharia de Produção – 3º Semestre Ciências do Ambiente Prof. Ronaldo Bastos Francini Breve histórico sobre vazamentos de óleoBreve histórico sobre vazamentos de óleo no mar no mundono mar no mundo Ano Navio Região Vol vazado (ton) 1 1979 Atlantic Empress ~ Tobago 287.000 2 1991 ABT Summer ~ Angola 260.000 3 1983 Castillo de Belver ~ Africa do Sul 252.000 4 1978 Amoco Cadiz ~ França 223.000 5 1991 Haven ~ Italia 144.000 6 1988 Odyssey ~ Canada 132.000 7 1967 Torrey Canyon ~ Reino Unido 119.000 8 1972 Sea Star ~ Golfo de Oman 115.000 9 1980 Irenes Serenade ~ Grécia 100.000 10 1976 Urquiola ~ Espanha 100.000 Fonte: ITOPF in CETESB, 2009. Adaptado. Dez maiores vazamentos de óleo no mundo envolvendo navios.
  • 5. Engenharia de Produção – 3º Semestre Ciências do Ambiente Prof. Ronaldo Bastos Francini Impacto ambiental X volume de óleoImpacto ambiental X volume de óleo vazadovazado  Apesar do grande volume de óleo liberado, a grande maioria dos acidentes apresentados na tabela anterior é praticamente desconhecido, porque muitos ocorreram em alto mar, distantes da zona costeira, sem trazer impactos diretos à fauna como mortandade de aves e mamíferos ou prejuízos à pesca e ao turismo.
  • 6. Engenharia de Produção – 3º Semestre Ciências do Ambiente Prof. Ronaldo Bastos Francini Impacto ambiental X volume de óleoImpacto ambiental X volume de óleo vazadovazado  É importante frisar que a extensão do dano ambiental causado por estas ocorrências nem sempre é proporcional apenas ao volume vazado, porque está também na dependência da causa do incidente, da dimensão do volume liberado, do tipo de produto envolvido, da sua respectiva toxicidade, da magnitude de áreas afetadas e da sensibilidade ecológica e socioeconômica destes ambientes.
  • 7. Engenharia de Produção – 3º Semestre Ciências do Ambiente Prof. Ronaldo Bastos Francini Impacto ambiental X volume de óleoImpacto ambiental X volume de óleo vazadovazado  Encalhe do petroleiro Exxon Valdez no Alasca (1989).  Considerado um dos piores eventos que causaram impacto ao meio ambiente, por ter ocorrido em área abrigada e sensível, com importantes recursos biológicos e atividades de importância socioeconômica.
  • 8. Engenharia de Produção – 3º Semestre Ciências do Ambiente Prof. Ronaldo Bastos Francini Acidentes ocorridos na costaAcidentes ocorridos na costa brasileirabrasileira  Navio químico Vicuña após explosão no Porto de Paranaguá (PR), em 2004 (1000 m³ metanol e 5.000 m³ óleo vazados).  Navio Cargueiro Smyrni avariado no tanque de óleo combustível no Porto de Santos (SP), em 1998 (40 m³ vazados).
  • 9. Engenharia de Produção – 3º Semestre Ciências do Ambiente Prof. Ronaldo Bastos Francini Acidentes ocorridos na costaAcidentes ocorridos na costa brasileirabrasileiraPrincipais vazamentos de óleo no litoral brasileiro (1960 -2006) Fonte/Causa Data Local / áreas atingidas Vol. vazado N/T Sinclair Petrolore / desconhecida dez/60 Costa brasileira / desconhecido 66.530 m³ N/T Takamyia Maru / acidente de navegação ago/74 São Sebastião (SP) / praias e costões 6.000 m³ N/T Tarik Ibn Zyiad / acidente de navegação mar/75 Baía de Guanabara (RJ) / praias e costões 6.000 m³ N/T Brazilian Marina / acidente de navegação jan/78 São Sebastião (SP) / praias e costões 6.000 m³ N/T Marina / acidente de navegação mar/85 São Sebastião (SP) / praias e costões 2.000 m³ N/T Theomana / não apurada set/91 Bacia de Campos (RJ) / mar aberto 2.150 m³ N/M Smyrni / acidente de navegação jul/98 Santos (SP) / mangue, praias e costões 40 m³ N/T Maruim / fissura no casco ago/98 São Sebastião (SP) / praias, costões e marisma 15 m³ Campo de Produção nov/99 Carmópolis (SE) / mar e pesca Não estimada Plataforma P 36 mar/01 Bacia de Campos (RJ) / mar aberto 1.500 m³ Plataforma P 7 abr/01 Bacia de Campos (RJ) / mar aberto 124 m³ Navio Vicuña / explosão nov/04 Baía de Paranaguá (PR) / mangue,marisma, praia,costão 1000m³ de metanol e 5.000 m³ de óleo
  • 10. Engenharia de Produção – 3º Semestre Ciências do Ambiente Prof. Ronaldo Bastos Francini Órgãos Relacionados ao MeioÓrgãos Relacionados ao Meio AmbienteAmbiente IMO - International Maritime Organization  ITOPF - International Tanker Owners Polution Federation  FEEMA - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente  IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis  CONAMA - Conselho Nacional para o Meio Ambiente  CETESB - Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental
  • 11. Engenharia de Produção – 3º Semestre Ciências do Ambiente Prof. Ronaldo Bastos Francini Gerenciamento AmbientalGerenciamento Ambiental  Planejamento, identificação e avaliação dos riscos;  Implementação de controles e operações preventivas;  Plano de Emergência e Contingência;  Limpeza e recuperação de área impactada;
  • 12. Engenharia de Produção – 3º Semestre Ciências do Ambiente Prof. Ronaldo Bastos Francini Planos de contingência para vazamentos dePlanos de contingência para vazamentos de óleo no maróleo no mar  Apesar dos significativos avanços tecnológicos nas atividades de exploração, armazenamento e transporte de petróleo e de seus derivados, existe a possibilidade de um acidente acontecer e de gerar poluição ambiental. As conseqüências podem (e devem) ser reduzidas e, para tanto, o Plano de Contingência é uma ferramenta fundamental.
  • 13. Engenharia de Produção – 3º Semestre Ciências do Ambiente Prof. Ronaldo Bastos Francini Planos de contingência para vazamentos dePlanos de contingência para vazamentos de óleo no maróleo no mar Abrangência Nível Responsávelpelaoperaçãoderesposta PlanoLocaldeContingência–PLC 1 Empresa/instituição PlanoRegionaldeContingência–PRC 2 Empresa/instituiçãoeAgênciasGovernamentais PlanoNacionaldeContingência–PNC 3 GovernoFederal  O Plano de Contingência (PC) define a estrutura organizacional, os procedimentos e os recursos disponíveis para resposta a eventos de poluição por óleo no mar, nos diversos níveis operacionais ou de ações requeridas seja ela local, regional ou nacional.
  • 14. Engenharia de Produção – 3º Semestre Ciências do Ambiente Prof. Ronaldo Bastos Francini Limpeza de ambientes costeirosLimpeza de ambientes costeiros  Método: Utilização de Absorventes.  Aplicação de produtos com propriedades oleofílicas, orgânicos (turfa, palha de pinho), sintéticos ou minerais. Podem se apresentar na forma granulada ou envolvidos em tecidos porosos formando "salsichões" ou "almofadas", sendo aplicados diretamente sobre o óleo.  O uso de absorventes é um método bastante útil, do ponto de vista ecológico, pois causa prejuízos mínimos ao ambiente. Aplicação de turfa vegetal em limpeza de praia
  • 15. Engenharia de Produção – 3º Semestre Ciências do Ambiente Prof. Ronaldo Bastos Francini Limpeza de ambientes costeirosLimpeza de ambientes costeiros  Método: Remoção manual.  Retirada manual do óleo do ambiente com utensílios como rodos, pás, latas, baldes, carrinhos de mão e tambores. Propicia o acesso e limpeza de locais restritos como fendas, poças de marés, e conjunções de rochas, bem como áreas mais extensas como praias de areia.  É um método de limpeza mais trabalhoso, no entanto causa menos danos ao ambiente. Tem comprovada eficiência em ambientes como praias e costões rochosos. Limpeza manual de praias Limpeza manual de costões rochosos
  • 16. Engenharia de Produção – 3º Semestre Ciências do Ambiente Prof. Ronaldo Bastos Francini Limpeza de ambientes costeirosLimpeza de ambientes costeiros  Método: Limpeza natural  Mecanismo natural de limpeza e remoção do óleo como ondas, correntes, marés, ventos, chuvas, biodegradação, volatilização, solubilização, dispersão, entre outros, atuando no ambiente atingido pelo óleo, com eficiência variável, de acordo com as características físicas do ambiente e do próprio óleo. Limpeza natural  Este procedimento é normalmente priorizado em muitos casos uma vez que não causa danos adicionais à comunidade, no entanto, normalmente, conjuga- se a este procedimento outros métodos de limpeza.
  • 17. Engenharia de Produção – 3º Semestre Ciências do Ambiente Prof. Ronaldo Bastos Francini Limpeza de ambientes costeirosLimpeza de ambientes costeiros  Método: Bombeamento a vácuo  O óleo é aspirado com utilização de caminhões-vácuo ou bombas-vácuo sendo que nesse caso o óleo é transferido para recipientes como tambores, "bags", etc. Bombeamento a vácuo
  • 18. Engenharia de Produção – 3º Semestre Ciências do Ambiente Prof. Ronaldo Bastos Francini Limpeza de ambientes costeirosLimpeza de ambientes costeiros  Método: Dispersantes químicos  Agentes químicos que dispersam o óleo na coluna d’água favorecendo sua degradação natural. Técnica que pode evitar a chegada do óleo em locais de maior relevância ecológica/econômica. Sua aplicação está associada à anuência do órgão ambiental competente e deve se basear em legislação vigente especifica (resolução CONAMA n° 269 de 14/09/2000). Aplicação de dispersantes (Operação TEBAR V - S. Sebastião – SP)
  • 19. Engenharia de Produção – 3º Semestre Ciências do Ambiente Prof. Ronaldo Bastos Francini Limpeza de ambientes costeirosLimpeza de ambientes costeiros  Abaixo as técnicas indicadas pela CETESB para serem aplicadas nos diferentes ambientes costeiros. Técnica Praia Costão rochoso Manguezal / Marisma Recife de coral Substratos marinhos Águas abertas águas adjacentes bosque costeiras oceânicas Bombeamento à vacuo • • • • • • Recolhimento manual • • • - • - • • Absorventes • • • • • Limpeza natural • • • • • • • • Barreiras, esteiras, skimmers • • • • Lavagem com água corrente - • - - - - - - Corte controlado de vegetação • • Dispersantes - - - - - - • • • • - Aplicável apenas em marismas
  • 20. Engenharia de Produção – 3º Semestre Ciências do Ambiente Prof. Ronaldo Bastos Francini Referências BibliográficasReferências Bibliográficas http://www.mma.gov.br http://www.cetesb.sp.gov.br www.itopf.com http://www.valdezscience.com www.petrobras.com.br