SlideShare uma empresa Scribd logo
Pedro Domacena
O IMPACTO AMBIENTAL DO PETRÓLEO NO BRASIL

         Quando ouvimos este termo, o que nos vem em mente de imediato são
imagens como:




                                  Vazamento da Chevron

         Por se tratar de um produto com alto risco de contaminação, o petróleo
provoca graves danos ao meio ambiente quando entra em contato com as águas de
oceanos e mares ou com a superfície do solo. Vários          acidentes ambientais
causados pelo vazamento do petróleo já ocorreram nas ultimas décadas. Quando
ocorre no oceano, as consequências ambientais são drásticas, pois afeta os
ecossistemas litorâneos, provocando grande quantidade de mortes entre peixes e,
outros     animais marítimos. Nem sempre as medidas de limpeza conseguem
minimizar o problema.
         Porem, a sociedade industrial chega ao século XXI e constata, perplexa, o
nível de degradação ambiental causado ao planeta. São sérios problemas
ambientais, provocados principalmente pela forma de produção humana, ou seja,
pela maneira com que as sociedades se relacionam com os recursos naturais.
         Os impactos ambientais são uma espécie de “choque” entre o modo de
produção humano e os recursos naturais, que rompem o equilíbrio ecológico,
causando sérios danos ao meio ambiente.
         A indústria de petróleo, em todas as    fases do processo produtivo, tem
potencial para causar impactos sobre o ambiente e a saúde das populações, em
especial sobre a saúde dos trabalhadores, em função dos riscos específicos no
ambiente profissional.
       São frequentes os acidentes de trabalho e de engenharia, tais como
explosões, vazamentos, disposição inadequada de resíduos e transporte de
produtos perigosos. Entre 1945 e 1991, o Brasil ocupou a segunda posição entre os
10 países com maior número de acidentes químicos.           Esses acidentes estão
associados à existência de vulnerabilidades sociais e institucionais nos contextos
local, regional e nacional.
       Os derivados do petróleo apresentam, em sua composição, substâncias
relativamente solúveis em água e consideradas cancerígenas. Esses compostos
podem contaminar tanto, fontes de água com o ar e, o solo. A contaminação do
ambiente pode levar a contaminação dos alimentos. Processo como absorção de
substâncias tóxicas pela plantas a partir de solos contaminados ou poluição
atmosférica pode levar ao acumulo em tecidos oleosos tanto de animais como de
plantas, permitindo a detecção desses hidrocarbonetos em carnes, queijos, grãos,
café, cereais e óleos vegetais. Se consumidos, podem provocar intoxicação química.
       Sua produção é apoiada          na busca e exploração de recursos naturais,
provocando uma serie de modificações no ambiente. A produção e consumo de
energia ocupam importantes espaços de discussão, públicos ou não, sendo um
tema muito relevante ao longo da trajetória política e econômica do mundo. Assim, é
natural que ocorram certas reações quando é mencionado que as reservas de
petróleo estão perto do seu fim, gerando especulações das cotações internacionais
do petróleo, aumentando a pressão sobre os custos de transportes e, energia,
causando efeitos cascata nos custos de alimentos produtos de limpeza,
eletrodomésticos, entre outros. [01]


       Mas, há um conjunto de fatores que envolvem este assunto que devem ser
considerados de grande importância para que o impacto causado seja o menor
possível, porque o impacto, - uma vez feito a exploração - sempre existe.
Entre eles:
Exploradores
Licenças
Orgãos regulamentadores
Orgãos de fiscalização
Infraestrutura
Meio biótico
Fauna
Flora
Meio socioeconômico
População
Turismo
Pesca




                                   Exploradores




        No Brasil, cabe a maior fatia do bolo à Petrobras que, amparada por lei, em
1953, no segundo Governo de Getúlio Vargas. A Lei 2.004 de 3 de outubro de 1953
também garantia ao Estado o monopólio da extração de petróleo do subsolo, que foi
incorporado como artigo da Constituição de 1967 (Carta Política de 1967) através da
Emenda nº 1, de 1969. O monopólio da União foi eliminado em 1995, com a EC
9/1995 que modificou o Art. 177 da Constituição Federal. [02]


        Atualmente existem muitas empresas de capital estrangeiro atuando na
exploração e produção de petróleo no Brasil já que a descoberta do presal exigirá
uma demanda enorme de mão de obra e, materiais, qualificados ou não. Baseado
nisto a Petrobras esta quase tão somente administrando o negócio e, não muito
bem. Não encontra mão de obra qualificada. As exploradoras querem explorar e,
não estão nem aí quanto as normas legislativas, daí as consequências em série de
desastres. [03]
Leis, órgãos de fiscalização




      As normas brasileiras para as atividades de petróleo despontam entre as mais
completas do mundo, mas o gigantismo da costa e a limitação da
fiscalização dificultam seu pleno cumprimento.
      A maioria das plataformas com declaração de conformidade vencida, segundo
a Marinha, está em processo de regularização, com perícias agendadas e em curso.
O documento atesta a segurança da navegação, bem como sua capacidade de
alojamento e prevenção de acidentes no meio aquaviário. As unidades com
certificado fora do prazo encontram-se nas bacias de Sergipe-Alagoas, Potiguar,
Campos e Santos, inclusive no pré-sal.
      A maioria das plataformas sem declarações de conformidade da Marinha é
operada pela Petrobras. Entre as maiores unidades citadas com documento vencido
está a plataforma Cidade São Vicente, a primeira a realizar testes de produção no
pré-sal de Santos, no campo de Tupi. A profundidade desta nova fronteira (de cinco
mil a sete mil metros) é alvo de alertas por parte de ambientalistas, que criticam o
fato de o governo não estabelecer normas específicas de operação no pré-sal. A
declaração provisória de conformidade da Marinha venceu em 25 de junho de 2011.
      A marinha destaca que nenhuma plataforma pode iniciar sua atividade "sem
ter antes obtido este documento". A empresa responsável pela embarcação
deve solicitar à Marinha a realização de uma perícia, para a obtenção da declaração
de conformidade. Quando a Marinha não observa nenhuma discrepância, após uma
ou mais inspeções, concede o documento permanente, válido por um ano. Mas
quando considera que ainda há pendências na embarcação, não impeditivas de
operação, emite uma declaração provisória, válida por 90 dias. A maioria
das plataformas opera no País com documento provisório.
      Na lista encontrada no site da Marinha, são citados casos com certificados
vencidos, plataformas com documentos vencendo até novembro e ainda as
unidades com perícias solicitadas, num universo de 199 plataformas. Destas,
73 possuem documentação permanente e 126, provisória.
      O diretor do Sindipetro-NF Marcos Breda avalia que a quantidade de
plataformas e itens inspecionados é infinitamente maior que o quadro de inspetores
e fiscais da Marinha e ANP. E lembra que a ausência de documentos por um
determinado período não é ilegal.
         A Petrobras explica que a Marinha do Brasil promove vistorias periódicas em
todas as unidades marítimas. "Quando a Marinha encontra pendências passíveis de
ajuste, que não comprometem a segurança das pessoas, nem a integridade
estrutural das instalações, emite um certificado provisório, que estabelece um prazo
para que as pendências sejam solucionadas".[04]
         Para entrar em atividades de explorações e produção (E&P) a empresa
exploradora deve apresentar várias documentações pela legislação do Brasil, entre
elas:


Tipos de licenças e prazo de validade
Tipo de licença       Mínimo                                  Máximo
Licença       Prévia O estabelecido pelo cronograma do Não superior a 5
(LP)                  projeto apresentado                     anos
Licença           de De acordo com o cronograma de Não superior a 6
Instalação (LI)       instalação da atividade                 anos
Licença           de 4 anos                                   10 anos
Operação (LO)


         Estes documentos podem ser renovados ou cancelados, conforme o caso,
analisado pelo órgão de fiscalização. [05]
         A identificação de impactos ambientais integrante de estudos ambientais
(Estudo de Impacto Ambiental - EIA e Relatório de Avaliação Ambiental - RAA) de
procedimentos de licenciamento ambiental são protocolados na Coordenação Geral
de Licenciamento de Petróleo e Gás (CGPEG/IBAMA), é possível conhecer os
impactos ambientais das atividades de exploração e produção de petróleo e gás
natural.
         A análise propõe reconhecer dois conceitos fundamentais para a delimitação
da exploração de petróleo e gás natural como impacto ambiental (LIMA-E-SILVA,
1999):
         a) Impacto ambiental: qualquer alteração no ambiente causada por atividades
antrópicas;
b) Recurso não renovável: qualquer recurso finito que, em escala de tempo
humana, uma vez consumido não possa ser renovado.
      A proposta de inserção do esgotamento dos reservatórios entre os impactos
ambientais das atividades de exploração e produção de petróleo e gás (E&P) parte
da análise dos impactos reconhecidos ao longo do caminho percorrido pelo
licenciamento ambiental, baseada na legislação ambiental, especificamente, nas
Leis Federais no 6.938/81 e na Lei 9.478/97 e na Resolução CONAMA 001/86, sob
o enfoque da sustentabilidade encerrado na Constituição Federal de 1988 (CF/88).
      Através das discussões busca-se trazer contribuição para:
      a) elaboração de instrumento intertemporal de planejamento das atividades
de exploração e produção de petróleo e gás natural;
      b) implementação de políticas públicas de incentivo ao uso de fontes
                                                    [06]
alternativas e de controle do consumo de energia.




                             ÁREAS DE EXPLORAÇÃO




      A área de bacias sedimentares no Brasil totaliza 6.436.200 km², dos quais
4.898.050 (76%) km² estão em terra e 1.538.150 (24%) km² em plataforma
continental. Da área de bacias sedimentares em terra, 4.513.450 km² (70%) são
interiores e 384 600 km² estão na costa. Da área de bacias situadas no mar, há
776.460 km² com menos de 400m de lâmina d'água e 761.690 km², mais de 400m
de lâmina d'água.
      As bacias sedimentares do Brasil datam do Paleozóico, do Mesozóico e
do Cenozóico As maiores são a Amazônica, a do Parnaíba – também chamada do
Meio-Norte -, a do Paraná ou Paranaica e a Central. As de menor extensão são a do
Recôncavo, Tucano (produtoras de petróleo), do Pantanal Mato-Grossense, do São
Francisco ou Sanfranciscana, e a Litorânea.
      As bacias do Pantanal Mato-Grossense, Litorânea, bem como alguns trechos
que margeiam os rios da bacia hidrográfica Amazônica, foram formadas no
Cenozóico. São do Mesozóico as bacias sedimentares Paranaica, Sanfranciscana e
a do Meio-Norte, sendo que a formação da Paranaica e da Sanfranciscana, as mais
antigas, já se inicia no Paleozóico.
Atualmente, nove das bacias sedimentares brasileiras (Campos, Espírito
Santo, Tucano, Recôncavo, Santos, Sergipe-Alagoas, Potiguar, Ceará e Solimões),
totalizando 1.645.330 km² (25,6% da área total), são produtoras de petróleo. [07]




      [08]                                                           [09]




                .PRINCIPAIS ACIDENTES NO BRASIL (1960 A 2012)




      O primeiro registro de um acidente no Brasil foi o navio Sinclair Petrolore em
06/12/1960, com vazamento estimado em 66.530 m³ de petróleo para o mar, após
ter explodido e afundado próximo da Ilha de Trindade (ES).
      Na década de 1970, foram registradas três ocorrências, devido à colisão de
navios com rocha submersa. No litoral paulista, foram os petroleiros Takimyia Maru
(1974) e Brazilian Marina (1978) no Canal de São Sebastião e no litoral carioca, o
petroleiro Tarik Ibn Zyiad (1975) na Baía da Guanabara. Estima-se que em cada um
destes episódios tenham vazado 6.000 toneladas.
     A ocorrência de maior repercussão nos meios de comunicação foi o
rompimento do oleoduto na Baia da Guanabara (jan/2000), entre a Refinaria Duque
de Caxias e o Terminal da Ilha d´Água, com vazamento de 1.300 m³ de óleo
combustível marítimo, causando a contaminação de praias, costões, manguezais,
unidades de conservação e patrimônio histórico. Houve mortandade de aves
aquáticas, crustáceos e impactos negativos às atividades da pesca, do extrativismo
e do turismo.
O acidente que causou, conjuntamente, grande impacto à vida humana e à
vida estuarina/marinha, foi a explosão seguida de incêndio do navio químico Vicuña,
no Porto de Paranaguá (PR), do qual se estima que vazaram 4.079 toneladas de
metanol e 285 toneladas de óleos (com predominância de óleo combustível marítimo
- MF 180). Dezenas de animais marinhos foram afetados ao longo de 170 km da
Baía de Paranaguá (crustáceos, golfinhos, tartarugas e aves aquáticas) incluindo
seis unidades de conservação. Houve prejuízo ao cais de atracação e ao terminal
onde o navio estava atracado, a pequenas embarcações, atividades portuárias,
pesca e ao turismo.           Com relação à exploração e produção de petróleo em
alto mar, um dos piores cenário foi a explosão seguida do naufrágio da Plataforma P
36 na Bacia de Campos (RJ), a 150 km da costa, em março de 2001, na qual
faleceram onze brigadistas. Vazaram 1.200 m³ de óleo diesel e 350 m³ de petróleo
para o oceano.
      Analisando o histórico dos principais incidentes envolvendo poluição por óleo
no Brasil, observa-se que os primeiros registros, entre 1960/1980, estão
relacionados com transporte marítimo e liberaram os maiores volumes (6.000 m³).
Nos anos seguintes, as ocorrências passaram a ocorrer em oleodutos, terminais e
refinarias de várias partes do país e com volumes menores. [10]
      No Campo de Frade, na bacia de Campos, dois acidentes aconteceram, em
08 de novembro de 2011, no poço 9-FR-50DP-RJS em que a Chevron só detectou o
problema sete dias depois, a uma profundidade de 1200 metros uma fenda de
aproximadamente 300 metros e, a 130 metros do poço, despejou mais de 380 mil
litros de petróleo no mar. O IBAMA multou a empresa em R$ 50 milhões (valor
máximo) por crime ambiental e, a ANP suspendeu as atividades da Chevron no
Campo de Frade e, em todo o território nacional. No dia 12 de março de 2012 foi
                                                                                 [11]
detectado um novo vazamento a 3 km do ponto onde houve o acidente original.
                                   [12]




                                                                          [13]
[14]




                                   MEIO BIÓTICO




      A costa brasileira abriga um mosaico de ecossistemas de alta relevância
ambiental. Ao longo do litoral brasileiro podem ser encontrados manguezais,
restingas, dunas, praias, ilhas, costões rochosos, baías, brejos, falésias, estuários,
recifes de corais e outros ambientes importantes do ponto de vista ecológico, todos
apresentando diferentes espécies animais e vegetais e outros. Isso se deve,
basicamente, às diferenças climáticas e geológicas da costa brasileira. Além do
mais, é na zona costeira que se localizam as maiores presenças residuais de Mata
Atlântica. Ali a vegetação possui uma biodiversidade superior no que diz respeito à
variedade de espécies vegetais. Também os manguezais, de expressiva ocorrência
na zona costeira, cumprem funções essenciais na reprodução biótica da vida
marinha. Enfim, os espaços litorâneos possuem riquezas significativas de recursos
naturais e ambientais, mas a intensidade de um processo de ocupação desordenado
vem colocando em risco todos os ecossistemas presentes na costa litorânea do
Brasil. [15]

                             [15]




                                [16]


Existem ONGs ambientais que atuam em várias partes do mundo, entre elas
podemos destacar:
                     Greenpeace – Fundado no Canadá, em 1971, iniciou
                     sua atuação de protesto contra a energia nuclear. A
                     repercussão foi positiva, e oito anos após a sua
                     criação, tornou-se uma ONG internacional. É uma das
                     Organizações Não Governamentais mais importantes
                     do mundo, seu trabalho ocorre em escala global. O
                     Greenpeace possui escritório em 29 países, entre
                     estes, no Brasil, e é financiado por doações de sócios
                     e pela venda de materiais.
WWF – Fundado em 1961, o WWF (sigla em inglês
                       para Fundo Mundial para a Natureza) tem como
                       principal foco de atuação, conter a degradação do
                       meio ambiente e promover o uso de recursos naturais
                       renováveis. Com sede na Suíça, o WWF atua em mais
                       de 100 países, incluindo o Brasil. [17]
                       WWF-Brasil, criado em 1996 e sediado em Brasília,
                       desenvolve projetos em todo o país e integra a Rede
                       WWF, a maior rede independente de conservação da
                       natureza, com atuação em mais de 100 países e o
                       apoio de cerca de 5 milhões de pessoas, incluindo
                       associados e voluntários. [18]




                               MEIO SOCIOECONÔMICO




       A chegada da indústria petroleira modificou o que antes era a forma de
subsistência e resistência dessas comunidades, fazendo com que os pescadores,
especialmente os mais jovens, sejam atraídos aos trabalhos da exploração de
petróleo, que não só os aprisiona no sentido da dependência da empresa para
conseguir sustento, mas distorce sua cultura, diminui o tempo e o espaço com suas
famílias, destruindo a identidade e diminuindo a diversidade ambiental, cultural e
biológica, do nosso planeta.
       Em geral, são relacionados à influência direta da exploração do petróleo e
alteração no pescado, seja pelo risco de acidentes e vazamentos, ou em relação à
área delimitada para a pesca junto às plataformas de petróleo, que corresponde,
segundo determinação legal, a um raio de 500m em torno da plataforma. Os
pescadores, proibidos de se aproximar, reclamam do deslocamento do pescado
para a área de exclusão para a pesca, que interfere no tradicional conhecimento da
rota desses animais, informação há muitas gerações utilizada por esse grupo social.
[19]
REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA



[01]
       http://www.google.com.br/#hl=pt-%20%C3%A9%20 petroleo&cp=24& gs
       _id=10u&xhr=t&q=qual+impacto+do+petroleo&pf=p&sclient=psy- ab&oq
       =qual+impacto+do+petroleo&aq=f&aqi=&aql=&gs_l=&pbx=1&bav=on.2,
       or.r_ gc.r_pw.r_ qf.,cf.osb&fp=4da98ba671adbf0&biw=1024&bih=583

[02]
       http://wiki.advfn.com/pt/Hist%C3%B3ria_da_ind%C3%BAstria_petrol%
       C3% ADfera

[03]
       http://exame.abril.com.br/revista-exame/edicoes/1019/noticias/pre-sal-o-maior-
       desafio-do-brasil?

[04]
       http://economia.ig.com.br/empresas/infraestrutura/plataformas-operam-com-
       documentacao-vencida-inclusive-no-presal/n1237759635079.html

[05]
       http://www.mma.gov.br/estruturas/sqa_pnla/_arquivos/cart_sebrae.pdf

[06]
       http://www.anppas.org.br/encontro4/cd/ARQUIVOS/GT4-177-40-
       20080508155356.pdf

[07]
       http://pt.wikipedia.org/wiki/Bacia_sedimentar

[08]
       http://www.prh29.ufes.br/downloads/Mat_Fund_Petr_I/Defini%C3%
       A7%C3%A3o _hist%C3%B3rico_reservat%C3%B3rio.pdf

[09]
       http://www.cecac.org.br/MATERIAS/PETROBRAS_ago06.htm

[10]
       http://www.cetesb.sp.gov.br/userfiles/file/emergencias-quimicas/-
       panoramageral/Principais-Acidentes-Brasil%20.pdf
[11]
       http://www.greenpeace.org/brasil/pt/Noticias/Petroleo-nada-transparente/

[12]
       http://roselypellegrino.wordpress.com/2011/11/17/derramamento-de-petrleo-
na-bacia-de-campos-pode-ser-dez-vezes-maior/

[13]
       http://blogdoqmesmo.blogspot.com.br/2011/11/chevron-vazamento-de-oleo-
na-bacia-de.html

[14]
       http://fotos.estadao.com.br/vazamentos-no-brasil-relembre-os-ultimos-
       vazamentos-de-petroleo-na-costa-do-brasil,galeria,4548,153057,,,0
       .htm?pPosicaoFoto=4#carousel

[15]
       http://www.ibama.gov.br/ecossistemas/costeiros.htm

[16]
       http://www.agencia.cnptia.embrapa.br/Agencia16/AG01/arvore/AG01_2_
       111200610412.html

[17]
       http://www.brasilescola.com/geografia/organizacao-nao-governamental-
ong.htm

[18]
       http://www.wwf.org.br/wwf_brasil/

[19]
       http://www.projetopolen.com.br/materiais/artigos/Impactos%20Ambienta
       is%20da%20Exploracao%20producao%20de%petroleo%20na%20bacia%20d
       e%20Campos.%20RJ..pdf
O IMPACTO AMBIENTAL DO PETRÓLEO NO BRASIL

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gestão de resíduos em sondas de perfuração
Gestão de resíduos em sondas de perfuraçãoGestão de resíduos em sondas de perfuração
Gestão de resíduos em sondas de perfuração
Tarcila Valentim
 
O Ouro Vestido de Negro - A Ameaça da Indústria Petrolífera em Portugal, de J...
O Ouro Vestido de Negro - A Ameaça da Indústria Petrolífera em Portugal, de J...O Ouro Vestido de Negro - A Ameaça da Indústria Petrolífera em Portugal, de J...
O Ouro Vestido de Negro - A Ameaça da Indústria Petrolífera em Portugal, de J...
Jorge Moreira
 
Fontes de energia-Gás Natural
Fontes de energia-Gás NaturalFontes de energia-Gás Natural
Fontes de energia-Gás Natural
joana_sil
 
Blog
BlogBlog
A petrobrás e a falácia de sua política de desenvolvimento sustentável
A petrobrás e a falácia de sua política de desenvolvimento sustentávelA petrobrás e a falácia de sua política de desenvolvimento sustentável
A petrobrás e a falácia de sua política de desenvolvimento sustentável
Fernando Alcoforado
 
Contaminações de águas subterrâneas
Contaminações de águas subterrâneasContaminações de águas subterrâneas
Contaminações de águas subterrâneas
Jupira Silva
 
Tratamento de resíduos
Tratamento de resíduosTratamento de resíduos
Tratamento de resíduos
Maria Paredes
 
Apresentação Lições de Mariana - Eliane Poveda
Apresentação Lições de Mariana -   Eliane PovedaApresentação Lições de Mariana -   Eliane Poveda
Apresentação Lições de Mariana - Eliane Poveda
paulooficinadotexto
 
Apresentação- Impactos da Mineração do Carvão
Apresentação- Impactos da Mineração do CarvãoApresentação- Impactos da Mineração do Carvão
Apresentação- Impactos da Mineração do Carvão
Ivan Cardoso Martineli
 
Petroleo aula ppt.
Petroleo   aula ppt.Petroleo   aula ppt.
Petroleo aula ppt.
JulianaGimenes
 
Livros petróleo
Livros petróleoLivros petróleo
Livros petróleo
Sunnah
 
Blog prado riscos versao 09-09-17
Blog prado riscos   versao 09-09-17Blog prado riscos   versao 09-09-17
Blog prado riscos versao 09-09-17
Rafaela Stockler
 
Como defender o meio ambiente dos impactos provocados pelos setores produtivo...
Como defender o meio ambiente dos impactos provocados pelos setores produtivo...Como defender o meio ambiente dos impactos provocados pelos setores produtivo...
Como defender o meio ambiente dos impactos provocados pelos setores produtivo...
Fernando Alcoforado
 
Siderurgia e meio-ambiente
Siderurgia e meio-ambienteSiderurgia e meio-ambiente
Siderurgia e meio-ambiente
Izaura Nogueira
 
Sim 2014 - Palestra Mineraçao do futuro (Vânia Lúcia)
Sim 2014 - Palestra Mineraçao do futuro (Vânia Lúcia)Sim 2014 - Palestra Mineraçao do futuro (Vânia Lúcia)
Sim 2014 - Palestra Mineraçao do futuro (Vânia Lúcia)
MetsoBrasil
 
A poluição dos mares e solos temas
A poluição dos mares e solos temas A poluição dos mares e solos temas
A poluição dos mares e solos temas
nanasimao
 
Livro gas natural
Livro gas naturalLivro gas natural
Livro gas natural
Irazer Lima
 
Aula 3
Aula 3Aula 3
Cubatão – da poluição ao exemplo de controle
Cubatão – da poluição ao exemplo de controleCubatão – da poluição ao exemplo de controle
Cubatão – da poluição ao exemplo de controle
Rafael Mossolim Moreira
 

Mais procurados (19)

Gestão de resíduos em sondas de perfuração
Gestão de resíduos em sondas de perfuraçãoGestão de resíduos em sondas de perfuração
Gestão de resíduos em sondas de perfuração
 
O Ouro Vestido de Negro - A Ameaça da Indústria Petrolífera em Portugal, de J...
O Ouro Vestido de Negro - A Ameaça da Indústria Petrolífera em Portugal, de J...O Ouro Vestido de Negro - A Ameaça da Indústria Petrolífera em Portugal, de J...
O Ouro Vestido de Negro - A Ameaça da Indústria Petrolífera em Portugal, de J...
 
Fontes de energia-Gás Natural
Fontes de energia-Gás NaturalFontes de energia-Gás Natural
Fontes de energia-Gás Natural
 
Blog
BlogBlog
Blog
 
A petrobrás e a falácia de sua política de desenvolvimento sustentável
A petrobrás e a falácia de sua política de desenvolvimento sustentávelA petrobrás e a falácia de sua política de desenvolvimento sustentável
A petrobrás e a falácia de sua política de desenvolvimento sustentável
 
Contaminações de águas subterrâneas
Contaminações de águas subterrâneasContaminações de águas subterrâneas
Contaminações de águas subterrâneas
 
Tratamento de resíduos
Tratamento de resíduosTratamento de resíduos
Tratamento de resíduos
 
Apresentação Lições de Mariana - Eliane Poveda
Apresentação Lições de Mariana -   Eliane PovedaApresentação Lições de Mariana -   Eliane Poveda
Apresentação Lições de Mariana - Eliane Poveda
 
Apresentação- Impactos da Mineração do Carvão
Apresentação- Impactos da Mineração do CarvãoApresentação- Impactos da Mineração do Carvão
Apresentação- Impactos da Mineração do Carvão
 
Petroleo aula ppt.
Petroleo   aula ppt.Petroleo   aula ppt.
Petroleo aula ppt.
 
Livros petróleo
Livros petróleoLivros petróleo
Livros petróleo
 
Blog prado riscos versao 09-09-17
Blog prado riscos   versao 09-09-17Blog prado riscos   versao 09-09-17
Blog prado riscos versao 09-09-17
 
Como defender o meio ambiente dos impactos provocados pelos setores produtivo...
Como defender o meio ambiente dos impactos provocados pelos setores produtivo...Como defender o meio ambiente dos impactos provocados pelos setores produtivo...
Como defender o meio ambiente dos impactos provocados pelos setores produtivo...
 
Siderurgia e meio-ambiente
Siderurgia e meio-ambienteSiderurgia e meio-ambiente
Siderurgia e meio-ambiente
 
Sim 2014 - Palestra Mineraçao do futuro (Vânia Lúcia)
Sim 2014 - Palestra Mineraçao do futuro (Vânia Lúcia)Sim 2014 - Palestra Mineraçao do futuro (Vânia Lúcia)
Sim 2014 - Palestra Mineraçao do futuro (Vânia Lúcia)
 
A poluição dos mares e solos temas
A poluição dos mares e solos temas A poluição dos mares e solos temas
A poluição dos mares e solos temas
 
Livro gas natural
Livro gas naturalLivro gas natural
Livro gas natural
 
Aula 3
Aula 3Aula 3
Aula 3
 
Cubatão – da poluição ao exemplo de controle
Cubatão – da poluição ao exemplo de controleCubatão – da poluição ao exemplo de controle
Cubatão – da poluição ao exemplo de controle
 

Destaque

Impacto Ambiental do Petróleo
Impacto Ambiental do PetróleoImpacto Ambiental do Petróleo
Impacto Ambiental do Petróleo
rodsonheringer
 
O Petróleo e o Meio Ambiente
O Petróleo e o Meio AmbienteO Petróleo e o Meio Ambiente
O IMPACTO AMBIENTAL DO PETRÓLEO NO BRASIL
O IMPACTO AMBIENTAL DO PETRÓLEO NO BRASILO IMPACTO AMBIENTAL DO PETRÓLEO NO BRASIL
O IMPACTO AMBIENTAL DO PETRÓLEO NO BRASIL
Pedro Domacena
 
Origem e extração do petróleo
Origem e extração do petróleoOrigem e extração do petróleo
Origem e extração do petróleo
Natech11
 
petroleo
petroleopetroleo
Minas e Jazidas
Minas e JazidasMinas e Jazidas
Minas e Jazidas
Míria Alves Cirqueira
 
Impacto Ambiental
Impacto AmbientalImpacto Ambiental
Impacto Ambiental
stopnetgames
 
Manguezal
ManguezalManguezal
Manguezal
profleofonseca
 
Produção do Papel e seus Impactos Ambientais
Produção do Papel e seus Impactos AmbientaisProdução do Papel e seus Impactos Ambientais
Produção do Papel e seus Impactos Ambientais
Marina Godoy
 
Petroleo
PetroleoPetroleo
Petroleo
Josimar Nunes
 
Mat exercicios resolvidos e comentados 006
Mat exercicios resolvidos e comentados  006Mat exercicios resolvidos e comentados  006
Mat exercicios resolvidos e comentados 006
trigono_metrico
 
1 produtos de limpeza e meio ambiente-astriel
1  produtos de limpeza e meio ambiente-astriel1  produtos de limpeza e meio ambiente-astriel
1 produtos de limpeza e meio ambiente-astriel
PrLinaldo Junior
 
Instalação de Usina Nuclear em Sergipe
Instalação de Usina Nuclear em SergipeInstalação de Usina Nuclear em Sergipe
Instalação de Usina Nuclear em Sergipe
Governo de Sergipe
 
Os impactos ambientais nos setores produtivos e nas cidades e como mitigá los 3
Os impactos ambientais nos setores produtivos e nas cidades e como mitigá los 3Os impactos ambientais nos setores produtivos e nas cidades e como mitigá los 3
Os impactos ambientais nos setores produtivos e nas cidades e como mitigá los 3
Fernando Alcoforado
 
PROGRAMA 5 S
PROGRAMA   5 SPROGRAMA   5 S
PROGRAMA 5 S
Pedro Domacena
 
Indústrias e meio ambiente novo
Indústrias e meio ambiente novoIndústrias e meio ambiente novo
Indústrias e meio ambiente novo
Atividades Diversas Cláudia
 
Acidentes industriais e as questões ambientais
Acidentes industriais e as questões ambientaisAcidentes industriais e as questões ambientais
Acidentes industriais e as questões ambientais
Universidade Federal Fluminense
 
O Impacto Ambiental do Plastico
O Impacto Ambiental do PlasticoO Impacto Ambiental do Plastico
O Impacto Ambiental do Plastico
mfcrrj
 
Bacia de Campos
Bacia de CamposBacia de Campos
Geologia do petroleo
Geologia do petroleoGeologia do petroleo
Geologia do petroleo
Ricardo Rocha
 

Destaque (20)

Impacto Ambiental do Petróleo
Impacto Ambiental do PetróleoImpacto Ambiental do Petróleo
Impacto Ambiental do Petróleo
 
O Petróleo e o Meio Ambiente
O Petróleo e o Meio AmbienteO Petróleo e o Meio Ambiente
O Petróleo e o Meio Ambiente
 
O IMPACTO AMBIENTAL DO PETRÓLEO NO BRASIL
O IMPACTO AMBIENTAL DO PETRÓLEO NO BRASILO IMPACTO AMBIENTAL DO PETRÓLEO NO BRASIL
O IMPACTO AMBIENTAL DO PETRÓLEO NO BRASIL
 
Origem e extração do petróleo
Origem e extração do petróleoOrigem e extração do petróleo
Origem e extração do petróleo
 
petroleo
petroleopetroleo
petroleo
 
Minas e Jazidas
Minas e JazidasMinas e Jazidas
Minas e Jazidas
 
Impacto Ambiental
Impacto AmbientalImpacto Ambiental
Impacto Ambiental
 
Manguezal
ManguezalManguezal
Manguezal
 
Produção do Papel e seus Impactos Ambientais
Produção do Papel e seus Impactos AmbientaisProdução do Papel e seus Impactos Ambientais
Produção do Papel e seus Impactos Ambientais
 
Petroleo
PetroleoPetroleo
Petroleo
 
Mat exercicios resolvidos e comentados 006
Mat exercicios resolvidos e comentados  006Mat exercicios resolvidos e comentados  006
Mat exercicios resolvidos e comentados 006
 
1 produtos de limpeza e meio ambiente-astriel
1  produtos de limpeza e meio ambiente-astriel1  produtos de limpeza e meio ambiente-astriel
1 produtos de limpeza e meio ambiente-astriel
 
Instalação de Usina Nuclear em Sergipe
Instalação de Usina Nuclear em SergipeInstalação de Usina Nuclear em Sergipe
Instalação de Usina Nuclear em Sergipe
 
Os impactos ambientais nos setores produtivos e nas cidades e como mitigá los 3
Os impactos ambientais nos setores produtivos e nas cidades e como mitigá los 3Os impactos ambientais nos setores produtivos e nas cidades e como mitigá los 3
Os impactos ambientais nos setores produtivos e nas cidades e como mitigá los 3
 
PROGRAMA 5 S
PROGRAMA   5 SPROGRAMA   5 S
PROGRAMA 5 S
 
Indústrias e meio ambiente novo
Indústrias e meio ambiente novoIndústrias e meio ambiente novo
Indústrias e meio ambiente novo
 
Acidentes industriais e as questões ambientais
Acidentes industriais e as questões ambientaisAcidentes industriais e as questões ambientais
Acidentes industriais e as questões ambientais
 
O Impacto Ambiental do Plastico
O Impacto Ambiental do PlasticoO Impacto Ambiental do Plastico
O Impacto Ambiental do Plastico
 
Bacia de Campos
Bacia de CamposBacia de Campos
Bacia de Campos
 
Geologia do petroleo
Geologia do petroleoGeologia do petroleo
Geologia do petroleo
 

Semelhante a O IMPACTO AMBIENTAL DO PETRÓLEO NO BRASIL

324 texto do artigo-1027-1-10-20171212
324 texto do artigo-1027-1-10-20171212324 texto do artigo-1027-1-10-20171212
324 texto do artigo-1027-1-10-20171212
Helena Bernardes Cortez
 
Atualidade meio ambiente
Atualidade meio ambienteAtualidade meio ambiente
Atualidade meio ambiente
Bruna Azevedo
 
Introdução ao SGA (Sistema de Gestão Ambiental)
Introdução ao SGA (Sistema de Gestão Ambiental)Introdução ao SGA (Sistema de Gestão Ambiental)
Introdução ao SGA (Sistema de Gestão Ambiental)
Roberto Emery-Trindade
 
aula 1.pptx
aula 1.pptxaula 1.pptx
aula 1.pptx
daniel936004
 
Exxon - SEAL - Peat Mod II
Exxon - SEAL - Peat Mod IIExxon - SEAL - Peat Mod II
Exxon - SEAL - Peat Mod II
Canoa de Tolda
 
Licenciamento ambiental das usinas termoelétricas
Licenciamento ambiental das usinas termoelétricasLicenciamento ambiental das usinas termoelétricas
Licenciamento ambiental das usinas termoelétricas
Jupira Silva
 
Licenciamento ambiental das usinas termoelétricas (2)
Licenciamento ambiental das usinas termoelétricas (2)Licenciamento ambiental das usinas termoelétricas (2)
Licenciamento ambiental das usinas termoelétricas (2)
Jupira Silva
 
Exxon - SEAL - Peat Mod I
Exxon - SEAL - Peat Mod IExxon - SEAL - Peat Mod I
Exxon - SEAL - Peat Mod I
Canoa de Tolda
 
R&D - PetroPUC SPE - Adriano Motta - 14Set2016 V02
R&D - PetroPUC SPE - Adriano Motta - 14Set2016 V02R&D - PetroPUC SPE - Adriano Motta - 14Set2016 V02
R&D - PetroPUC SPE - Adriano Motta - 14Set2016 V02
Adriano Motta
 
Cartilha areas contaminadas
Cartilha areas contaminadasCartilha areas contaminadas
Cartilha areas contaminadas
Maria Adelaide Vasconcelos
 
Geografia pga1
Geografia pga1Geografia pga1
Geografia pga1
takahico
 
Geografia pga1
Geografia pga1Geografia pga1
Geografia pga1
takahico
 
2012.09.01 áreas contaminadas final
2012.09.01 áreas contaminadas   final2012.09.01 áreas contaminadas   final
2012.09.01 áreas contaminadas final
Leopoldo Penteado Butkiewicz
 
Barragens-Comdema dá parecer negativo
Barragens-Comdema dá parecer negativoBarragens-Comdema dá parecer negativo
Barragens-Comdema dá parecer negativo
Laura Magalhães
 
Comdema parecer negativo-barragens
Comdema parecer negativo-barragensComdema parecer negativo-barragens
Comdema parecer negativo-barragens
Laura Magalhães
 
Parecer técnico do Comdema-Campinas Negativo à barragem de Pedreira
Parecer técnico do Comdema-Campinas Negativo à barragem de PedreiraParecer técnico do Comdema-Campinas Negativo à barragem de Pedreira
Parecer técnico do Comdema-Campinas Negativo à barragem de Pedreira
Campinas Que Queremos
 
Parecer barragens Comdema-negativo
Parecer barragens Comdema-negativoParecer barragens Comdema-negativo
Parecer barragens Comdema-negativo
Anita Rocha
 
Barragens Pedreira e Duas Pontes/parecer Comdema
Barragens Pedreira e Duas Pontes/parecer ComdemaBarragens Pedreira e Duas Pontes/parecer Comdema
Barragens Pedreira e Duas Pontes/parecer Comdema
resgate cambui ong
 
despacho do gaema sobre o incendio de alemoa
despacho do gaema sobre o incendio de alemoadespacho do gaema sobre o incendio de alemoa
despacho do gaema sobre o incendio de alemoa
wilso saggiori
 
Legislação mineral do calcário
Legislação mineral do calcárioLegislação mineral do calcário
Legislação mineral do calcário
Wendel Rodrigues
 

Semelhante a O IMPACTO AMBIENTAL DO PETRÓLEO NO BRASIL (20)

324 texto do artigo-1027-1-10-20171212
324 texto do artigo-1027-1-10-20171212324 texto do artigo-1027-1-10-20171212
324 texto do artigo-1027-1-10-20171212
 
Atualidade meio ambiente
Atualidade meio ambienteAtualidade meio ambiente
Atualidade meio ambiente
 
Introdução ao SGA (Sistema de Gestão Ambiental)
Introdução ao SGA (Sistema de Gestão Ambiental)Introdução ao SGA (Sistema de Gestão Ambiental)
Introdução ao SGA (Sistema de Gestão Ambiental)
 
aula 1.pptx
aula 1.pptxaula 1.pptx
aula 1.pptx
 
Exxon - SEAL - Peat Mod II
Exxon - SEAL - Peat Mod IIExxon - SEAL - Peat Mod II
Exxon - SEAL - Peat Mod II
 
Licenciamento ambiental das usinas termoelétricas
Licenciamento ambiental das usinas termoelétricasLicenciamento ambiental das usinas termoelétricas
Licenciamento ambiental das usinas termoelétricas
 
Licenciamento ambiental das usinas termoelétricas (2)
Licenciamento ambiental das usinas termoelétricas (2)Licenciamento ambiental das usinas termoelétricas (2)
Licenciamento ambiental das usinas termoelétricas (2)
 
Exxon - SEAL - Peat Mod I
Exxon - SEAL - Peat Mod IExxon - SEAL - Peat Mod I
Exxon - SEAL - Peat Mod I
 
R&D - PetroPUC SPE - Adriano Motta - 14Set2016 V02
R&D - PetroPUC SPE - Adriano Motta - 14Set2016 V02R&D - PetroPUC SPE - Adriano Motta - 14Set2016 V02
R&D - PetroPUC SPE - Adriano Motta - 14Set2016 V02
 
Cartilha areas contaminadas
Cartilha areas contaminadasCartilha areas contaminadas
Cartilha areas contaminadas
 
Geografia pga1
Geografia pga1Geografia pga1
Geografia pga1
 
Geografia pga1
Geografia pga1Geografia pga1
Geografia pga1
 
2012.09.01 áreas contaminadas final
2012.09.01 áreas contaminadas   final2012.09.01 áreas contaminadas   final
2012.09.01 áreas contaminadas final
 
Barragens-Comdema dá parecer negativo
Barragens-Comdema dá parecer negativoBarragens-Comdema dá parecer negativo
Barragens-Comdema dá parecer negativo
 
Comdema parecer negativo-barragens
Comdema parecer negativo-barragensComdema parecer negativo-barragens
Comdema parecer negativo-barragens
 
Parecer técnico do Comdema-Campinas Negativo à barragem de Pedreira
Parecer técnico do Comdema-Campinas Negativo à barragem de PedreiraParecer técnico do Comdema-Campinas Negativo à barragem de Pedreira
Parecer técnico do Comdema-Campinas Negativo à barragem de Pedreira
 
Parecer barragens Comdema-negativo
Parecer barragens Comdema-negativoParecer barragens Comdema-negativo
Parecer barragens Comdema-negativo
 
Barragens Pedreira e Duas Pontes/parecer Comdema
Barragens Pedreira e Duas Pontes/parecer ComdemaBarragens Pedreira e Duas Pontes/parecer Comdema
Barragens Pedreira e Duas Pontes/parecer Comdema
 
despacho do gaema sobre o incendio de alemoa
despacho do gaema sobre o incendio de alemoadespacho do gaema sobre o incendio de alemoa
despacho do gaema sobre o incendio de alemoa
 
Legislação mineral do calcário
Legislação mineral do calcárioLegislação mineral do calcário
Legislação mineral do calcário
 

Mais de Pedro Domacena

NR 6
NR 6NR 6
ESPAÇO CONFINADO
ESPAÇO CONFINADOESPAÇO CONFINADO
ESPAÇO CONFINADO
Pedro Domacena
 
ISO A MAIOR ORGANIZAÇÃO DO MUNDO EM DESENVOLVIMENTO DE NORMAS
ISO A MAIOR ORGANIZAÇÃO DO MUNDO EM DESENVOLVIMENTO DE NORMASISO A MAIOR ORGANIZAÇÃO DO MUNDO EM DESENVOLVIMENTO DE NORMAS
ISO A MAIOR ORGANIZAÇÃO DO MUNDO EM DESENVOLVIMENTO DE NORMAS
Pedro Domacena
 
A história do petróleo e a política mundial
A história do petróleo e a política mundialA história do petróleo e a política mundial
A história do petróleo e a política mundial
Pedro Domacena
 
Programa 5 s
Programa 5 sPrograma 5 s
Programa 5 s
Pedro Domacena
 
O QUE É PETRÓLEO
O QUE É PETRÓLEOO QUE É PETRÓLEO
O QUE É PETRÓLEO
Pedro Domacena
 

Mais de Pedro Domacena (6)

NR 6
NR 6NR 6
NR 6
 
ESPAÇO CONFINADO
ESPAÇO CONFINADOESPAÇO CONFINADO
ESPAÇO CONFINADO
 
ISO A MAIOR ORGANIZAÇÃO DO MUNDO EM DESENVOLVIMENTO DE NORMAS
ISO A MAIOR ORGANIZAÇÃO DO MUNDO EM DESENVOLVIMENTO DE NORMASISO A MAIOR ORGANIZAÇÃO DO MUNDO EM DESENVOLVIMENTO DE NORMAS
ISO A MAIOR ORGANIZAÇÃO DO MUNDO EM DESENVOLVIMENTO DE NORMAS
 
A história do petróleo e a política mundial
A história do petróleo e a política mundialA história do petróleo e a política mundial
A história do petróleo e a política mundial
 
Programa 5 s
Programa 5 sPrograma 5 s
Programa 5 s
 
O QUE É PETRÓLEO
O QUE É PETRÓLEOO QUE É PETRÓLEO
O QUE É PETRÓLEO
 

O IMPACTO AMBIENTAL DO PETRÓLEO NO BRASIL

  • 2. O IMPACTO AMBIENTAL DO PETRÓLEO NO BRASIL Quando ouvimos este termo, o que nos vem em mente de imediato são imagens como: Vazamento da Chevron Por se tratar de um produto com alto risco de contaminação, o petróleo provoca graves danos ao meio ambiente quando entra em contato com as águas de oceanos e mares ou com a superfície do solo. Vários acidentes ambientais causados pelo vazamento do petróleo já ocorreram nas ultimas décadas. Quando ocorre no oceano, as consequências ambientais são drásticas, pois afeta os ecossistemas litorâneos, provocando grande quantidade de mortes entre peixes e, outros animais marítimos. Nem sempre as medidas de limpeza conseguem minimizar o problema. Porem, a sociedade industrial chega ao século XXI e constata, perplexa, o nível de degradação ambiental causado ao planeta. São sérios problemas ambientais, provocados principalmente pela forma de produção humana, ou seja, pela maneira com que as sociedades se relacionam com os recursos naturais. Os impactos ambientais são uma espécie de “choque” entre o modo de produção humano e os recursos naturais, que rompem o equilíbrio ecológico, causando sérios danos ao meio ambiente. A indústria de petróleo, em todas as fases do processo produtivo, tem potencial para causar impactos sobre o ambiente e a saúde das populações, em
  • 3. especial sobre a saúde dos trabalhadores, em função dos riscos específicos no ambiente profissional. São frequentes os acidentes de trabalho e de engenharia, tais como explosões, vazamentos, disposição inadequada de resíduos e transporte de produtos perigosos. Entre 1945 e 1991, o Brasil ocupou a segunda posição entre os 10 países com maior número de acidentes químicos. Esses acidentes estão associados à existência de vulnerabilidades sociais e institucionais nos contextos local, regional e nacional. Os derivados do petróleo apresentam, em sua composição, substâncias relativamente solúveis em água e consideradas cancerígenas. Esses compostos podem contaminar tanto, fontes de água com o ar e, o solo. A contaminação do ambiente pode levar a contaminação dos alimentos. Processo como absorção de substâncias tóxicas pela plantas a partir de solos contaminados ou poluição atmosférica pode levar ao acumulo em tecidos oleosos tanto de animais como de plantas, permitindo a detecção desses hidrocarbonetos em carnes, queijos, grãos, café, cereais e óleos vegetais. Se consumidos, podem provocar intoxicação química. Sua produção é apoiada na busca e exploração de recursos naturais, provocando uma serie de modificações no ambiente. A produção e consumo de energia ocupam importantes espaços de discussão, públicos ou não, sendo um tema muito relevante ao longo da trajetória política e econômica do mundo. Assim, é natural que ocorram certas reações quando é mencionado que as reservas de petróleo estão perto do seu fim, gerando especulações das cotações internacionais do petróleo, aumentando a pressão sobre os custos de transportes e, energia, causando efeitos cascata nos custos de alimentos produtos de limpeza, eletrodomésticos, entre outros. [01] Mas, há um conjunto de fatores que envolvem este assunto que devem ser considerados de grande importância para que o impacto causado seja o menor possível, porque o impacto, - uma vez feito a exploração - sempre existe. Entre eles: Exploradores Licenças Orgãos regulamentadores Orgãos de fiscalização
  • 4. Infraestrutura Meio biótico Fauna Flora Meio socioeconômico População Turismo Pesca Exploradores No Brasil, cabe a maior fatia do bolo à Petrobras que, amparada por lei, em 1953, no segundo Governo de Getúlio Vargas. A Lei 2.004 de 3 de outubro de 1953 também garantia ao Estado o monopólio da extração de petróleo do subsolo, que foi incorporado como artigo da Constituição de 1967 (Carta Política de 1967) através da Emenda nº 1, de 1969. O monopólio da União foi eliminado em 1995, com a EC 9/1995 que modificou o Art. 177 da Constituição Federal. [02] Atualmente existem muitas empresas de capital estrangeiro atuando na exploração e produção de petróleo no Brasil já que a descoberta do presal exigirá uma demanda enorme de mão de obra e, materiais, qualificados ou não. Baseado nisto a Petrobras esta quase tão somente administrando o negócio e, não muito bem. Não encontra mão de obra qualificada. As exploradoras querem explorar e, não estão nem aí quanto as normas legislativas, daí as consequências em série de desastres. [03]
  • 5. Leis, órgãos de fiscalização As normas brasileiras para as atividades de petróleo despontam entre as mais completas do mundo, mas o gigantismo da costa e a limitação da fiscalização dificultam seu pleno cumprimento. A maioria das plataformas com declaração de conformidade vencida, segundo a Marinha, está em processo de regularização, com perícias agendadas e em curso. O documento atesta a segurança da navegação, bem como sua capacidade de alojamento e prevenção de acidentes no meio aquaviário. As unidades com certificado fora do prazo encontram-se nas bacias de Sergipe-Alagoas, Potiguar, Campos e Santos, inclusive no pré-sal. A maioria das plataformas sem declarações de conformidade da Marinha é operada pela Petrobras. Entre as maiores unidades citadas com documento vencido está a plataforma Cidade São Vicente, a primeira a realizar testes de produção no pré-sal de Santos, no campo de Tupi. A profundidade desta nova fronteira (de cinco mil a sete mil metros) é alvo de alertas por parte de ambientalistas, que criticam o fato de o governo não estabelecer normas específicas de operação no pré-sal. A declaração provisória de conformidade da Marinha venceu em 25 de junho de 2011. A marinha destaca que nenhuma plataforma pode iniciar sua atividade "sem ter antes obtido este documento". A empresa responsável pela embarcação deve solicitar à Marinha a realização de uma perícia, para a obtenção da declaração de conformidade. Quando a Marinha não observa nenhuma discrepância, após uma ou mais inspeções, concede o documento permanente, válido por um ano. Mas quando considera que ainda há pendências na embarcação, não impeditivas de operação, emite uma declaração provisória, válida por 90 dias. A maioria das plataformas opera no País com documento provisório. Na lista encontrada no site da Marinha, são citados casos com certificados vencidos, plataformas com documentos vencendo até novembro e ainda as unidades com perícias solicitadas, num universo de 199 plataformas. Destas, 73 possuem documentação permanente e 126, provisória. O diretor do Sindipetro-NF Marcos Breda avalia que a quantidade de plataformas e itens inspecionados é infinitamente maior que o quadro de inspetores
  • 6. e fiscais da Marinha e ANP. E lembra que a ausência de documentos por um determinado período não é ilegal. A Petrobras explica que a Marinha do Brasil promove vistorias periódicas em todas as unidades marítimas. "Quando a Marinha encontra pendências passíveis de ajuste, que não comprometem a segurança das pessoas, nem a integridade estrutural das instalações, emite um certificado provisório, que estabelece um prazo para que as pendências sejam solucionadas".[04] Para entrar em atividades de explorações e produção (E&P) a empresa exploradora deve apresentar várias documentações pela legislação do Brasil, entre elas: Tipos de licenças e prazo de validade Tipo de licença Mínimo Máximo Licença Prévia O estabelecido pelo cronograma do Não superior a 5 (LP) projeto apresentado anos Licença de De acordo com o cronograma de Não superior a 6 Instalação (LI) instalação da atividade anos Licença de 4 anos 10 anos Operação (LO) Estes documentos podem ser renovados ou cancelados, conforme o caso, analisado pelo órgão de fiscalização. [05] A identificação de impactos ambientais integrante de estudos ambientais (Estudo de Impacto Ambiental - EIA e Relatório de Avaliação Ambiental - RAA) de procedimentos de licenciamento ambiental são protocolados na Coordenação Geral de Licenciamento de Petróleo e Gás (CGPEG/IBAMA), é possível conhecer os impactos ambientais das atividades de exploração e produção de petróleo e gás natural. A análise propõe reconhecer dois conceitos fundamentais para a delimitação da exploração de petróleo e gás natural como impacto ambiental (LIMA-E-SILVA, 1999): a) Impacto ambiental: qualquer alteração no ambiente causada por atividades antrópicas;
  • 7. b) Recurso não renovável: qualquer recurso finito que, em escala de tempo humana, uma vez consumido não possa ser renovado. A proposta de inserção do esgotamento dos reservatórios entre os impactos ambientais das atividades de exploração e produção de petróleo e gás (E&P) parte da análise dos impactos reconhecidos ao longo do caminho percorrido pelo licenciamento ambiental, baseada na legislação ambiental, especificamente, nas Leis Federais no 6.938/81 e na Lei 9.478/97 e na Resolução CONAMA 001/86, sob o enfoque da sustentabilidade encerrado na Constituição Federal de 1988 (CF/88). Através das discussões busca-se trazer contribuição para: a) elaboração de instrumento intertemporal de planejamento das atividades de exploração e produção de petróleo e gás natural; b) implementação de políticas públicas de incentivo ao uso de fontes [06] alternativas e de controle do consumo de energia. ÁREAS DE EXPLORAÇÃO A área de bacias sedimentares no Brasil totaliza 6.436.200 km², dos quais 4.898.050 (76%) km² estão em terra e 1.538.150 (24%) km² em plataforma continental. Da área de bacias sedimentares em terra, 4.513.450 km² (70%) são interiores e 384 600 km² estão na costa. Da área de bacias situadas no mar, há 776.460 km² com menos de 400m de lâmina d'água e 761.690 km², mais de 400m de lâmina d'água. As bacias sedimentares do Brasil datam do Paleozóico, do Mesozóico e do Cenozóico As maiores são a Amazônica, a do Parnaíba – também chamada do Meio-Norte -, a do Paraná ou Paranaica e a Central. As de menor extensão são a do Recôncavo, Tucano (produtoras de petróleo), do Pantanal Mato-Grossense, do São Francisco ou Sanfranciscana, e a Litorânea. As bacias do Pantanal Mato-Grossense, Litorânea, bem como alguns trechos que margeiam os rios da bacia hidrográfica Amazônica, foram formadas no Cenozóico. São do Mesozóico as bacias sedimentares Paranaica, Sanfranciscana e a do Meio-Norte, sendo que a formação da Paranaica e da Sanfranciscana, as mais antigas, já se inicia no Paleozóico.
  • 8. Atualmente, nove das bacias sedimentares brasileiras (Campos, Espírito Santo, Tucano, Recôncavo, Santos, Sergipe-Alagoas, Potiguar, Ceará e Solimões), totalizando 1.645.330 km² (25,6% da área total), são produtoras de petróleo. [07] [08] [09] .PRINCIPAIS ACIDENTES NO BRASIL (1960 A 2012) O primeiro registro de um acidente no Brasil foi o navio Sinclair Petrolore em 06/12/1960, com vazamento estimado em 66.530 m³ de petróleo para o mar, após ter explodido e afundado próximo da Ilha de Trindade (ES). Na década de 1970, foram registradas três ocorrências, devido à colisão de navios com rocha submersa. No litoral paulista, foram os petroleiros Takimyia Maru (1974) e Brazilian Marina (1978) no Canal de São Sebastião e no litoral carioca, o petroleiro Tarik Ibn Zyiad (1975) na Baía da Guanabara. Estima-se que em cada um destes episódios tenham vazado 6.000 toneladas. A ocorrência de maior repercussão nos meios de comunicação foi o rompimento do oleoduto na Baia da Guanabara (jan/2000), entre a Refinaria Duque de Caxias e o Terminal da Ilha d´Água, com vazamento de 1.300 m³ de óleo combustível marítimo, causando a contaminação de praias, costões, manguezais, unidades de conservação e patrimônio histórico. Houve mortandade de aves aquáticas, crustáceos e impactos negativos às atividades da pesca, do extrativismo e do turismo.
  • 9. O acidente que causou, conjuntamente, grande impacto à vida humana e à vida estuarina/marinha, foi a explosão seguida de incêndio do navio químico Vicuña, no Porto de Paranaguá (PR), do qual se estima que vazaram 4.079 toneladas de metanol e 285 toneladas de óleos (com predominância de óleo combustível marítimo - MF 180). Dezenas de animais marinhos foram afetados ao longo de 170 km da Baía de Paranaguá (crustáceos, golfinhos, tartarugas e aves aquáticas) incluindo seis unidades de conservação. Houve prejuízo ao cais de atracação e ao terminal onde o navio estava atracado, a pequenas embarcações, atividades portuárias, pesca e ao turismo. Com relação à exploração e produção de petróleo em alto mar, um dos piores cenário foi a explosão seguida do naufrágio da Plataforma P 36 na Bacia de Campos (RJ), a 150 km da costa, em março de 2001, na qual faleceram onze brigadistas. Vazaram 1.200 m³ de óleo diesel e 350 m³ de petróleo para o oceano. Analisando o histórico dos principais incidentes envolvendo poluição por óleo no Brasil, observa-se que os primeiros registros, entre 1960/1980, estão relacionados com transporte marítimo e liberaram os maiores volumes (6.000 m³). Nos anos seguintes, as ocorrências passaram a ocorrer em oleodutos, terminais e refinarias de várias partes do país e com volumes menores. [10] No Campo de Frade, na bacia de Campos, dois acidentes aconteceram, em 08 de novembro de 2011, no poço 9-FR-50DP-RJS em que a Chevron só detectou o problema sete dias depois, a uma profundidade de 1200 metros uma fenda de aproximadamente 300 metros e, a 130 metros do poço, despejou mais de 380 mil litros de petróleo no mar. O IBAMA multou a empresa em R$ 50 milhões (valor máximo) por crime ambiental e, a ANP suspendeu as atividades da Chevron no Campo de Frade e, em todo o território nacional. No dia 12 de março de 2012 foi [11] detectado um novo vazamento a 3 km do ponto onde houve o acidente original. [12] [13]
  • 10. [14] MEIO BIÓTICO A costa brasileira abriga um mosaico de ecossistemas de alta relevância ambiental. Ao longo do litoral brasileiro podem ser encontrados manguezais, restingas, dunas, praias, ilhas, costões rochosos, baías, brejos, falésias, estuários, recifes de corais e outros ambientes importantes do ponto de vista ecológico, todos apresentando diferentes espécies animais e vegetais e outros. Isso se deve, basicamente, às diferenças climáticas e geológicas da costa brasileira. Além do mais, é na zona costeira que se localizam as maiores presenças residuais de Mata Atlântica. Ali a vegetação possui uma biodiversidade superior no que diz respeito à variedade de espécies vegetais. Também os manguezais, de expressiva ocorrência na zona costeira, cumprem funções essenciais na reprodução biótica da vida marinha. Enfim, os espaços litorâneos possuem riquezas significativas de recursos naturais e ambientais, mas a intensidade de um processo de ocupação desordenado
  • 11. vem colocando em risco todos os ecossistemas presentes na costa litorânea do Brasil. [15] [15] [16] Existem ONGs ambientais que atuam em várias partes do mundo, entre elas podemos destacar: Greenpeace – Fundado no Canadá, em 1971, iniciou sua atuação de protesto contra a energia nuclear. A repercussão foi positiva, e oito anos após a sua criação, tornou-se uma ONG internacional. É uma das Organizações Não Governamentais mais importantes do mundo, seu trabalho ocorre em escala global. O Greenpeace possui escritório em 29 países, entre estes, no Brasil, e é financiado por doações de sócios e pela venda de materiais.
  • 12. WWF – Fundado em 1961, o WWF (sigla em inglês para Fundo Mundial para a Natureza) tem como principal foco de atuação, conter a degradação do meio ambiente e promover o uso de recursos naturais renováveis. Com sede na Suíça, o WWF atua em mais de 100 países, incluindo o Brasil. [17] WWF-Brasil, criado em 1996 e sediado em Brasília, desenvolve projetos em todo o país e integra a Rede WWF, a maior rede independente de conservação da natureza, com atuação em mais de 100 países e o apoio de cerca de 5 milhões de pessoas, incluindo associados e voluntários. [18] MEIO SOCIOECONÔMICO A chegada da indústria petroleira modificou o que antes era a forma de subsistência e resistência dessas comunidades, fazendo com que os pescadores, especialmente os mais jovens, sejam atraídos aos trabalhos da exploração de petróleo, que não só os aprisiona no sentido da dependência da empresa para conseguir sustento, mas distorce sua cultura, diminui o tempo e o espaço com suas famílias, destruindo a identidade e diminuindo a diversidade ambiental, cultural e biológica, do nosso planeta. Em geral, são relacionados à influência direta da exploração do petróleo e alteração no pescado, seja pelo risco de acidentes e vazamentos, ou em relação à área delimitada para a pesca junto às plataformas de petróleo, que corresponde, segundo determinação legal, a um raio de 500m em torno da plataforma. Os pescadores, proibidos de se aproximar, reclamam do deslocamento do pescado para a área de exclusão para a pesca, que interfere no tradicional conhecimento da rota desses animais, informação há muitas gerações utilizada por esse grupo social. [19]
  • 13. REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA [01] http://www.google.com.br/#hl=pt-%20%C3%A9%20 petroleo&cp=24& gs _id=10u&xhr=t&q=qual+impacto+do+petroleo&pf=p&sclient=psy- ab&oq =qual+impacto+do+petroleo&aq=f&aqi=&aql=&gs_l=&pbx=1&bav=on.2, or.r_ gc.r_pw.r_ qf.,cf.osb&fp=4da98ba671adbf0&biw=1024&bih=583 [02] http://wiki.advfn.com/pt/Hist%C3%B3ria_da_ind%C3%BAstria_petrol% C3% ADfera [03] http://exame.abril.com.br/revista-exame/edicoes/1019/noticias/pre-sal-o-maior- desafio-do-brasil? [04] http://economia.ig.com.br/empresas/infraestrutura/plataformas-operam-com- documentacao-vencida-inclusive-no-presal/n1237759635079.html [05] http://www.mma.gov.br/estruturas/sqa_pnla/_arquivos/cart_sebrae.pdf [06] http://www.anppas.org.br/encontro4/cd/ARQUIVOS/GT4-177-40- 20080508155356.pdf [07] http://pt.wikipedia.org/wiki/Bacia_sedimentar [08] http://www.prh29.ufes.br/downloads/Mat_Fund_Petr_I/Defini%C3% A7%C3%A3o _hist%C3%B3rico_reservat%C3%B3rio.pdf [09] http://www.cecac.org.br/MATERIAS/PETROBRAS_ago06.htm [10] http://www.cetesb.sp.gov.br/userfiles/file/emergencias-quimicas/- panoramageral/Principais-Acidentes-Brasil%20.pdf
  • 14. [11] http://www.greenpeace.org/brasil/pt/Noticias/Petroleo-nada-transparente/ [12] http://roselypellegrino.wordpress.com/2011/11/17/derramamento-de-petrleo- na-bacia-de-campos-pode-ser-dez-vezes-maior/ [13] http://blogdoqmesmo.blogspot.com.br/2011/11/chevron-vazamento-de-oleo- na-bacia-de.html [14] http://fotos.estadao.com.br/vazamentos-no-brasil-relembre-os-ultimos- vazamentos-de-petroleo-na-costa-do-brasil,galeria,4548,153057,,,0 .htm?pPosicaoFoto=4#carousel [15] http://www.ibama.gov.br/ecossistemas/costeiros.htm [16] http://www.agencia.cnptia.embrapa.br/Agencia16/AG01/arvore/AG01_2_ 111200610412.html [17] http://www.brasilescola.com/geografia/organizacao-nao-governamental- ong.htm [18] http://www.wwf.org.br/wwf_brasil/ [19] http://www.projetopolen.com.br/materiais/artigos/Impactos%20Ambienta is%20da%20Exploracao%20producao%20de%petroleo%20na%20bacia%20d e%20Campos.%20RJ..pdf