SlideShare uma empresa Scribd logo
Texto-Bíblico: TIAGO 4: 13-17
TEMA: PROPÓSITOS
      Mais um ano se passou. O ano de 2011 ficará apenas na nossa memória. Foram
365 dias, o que equivale a 8.760 horas ou a 525.600 minutos O calendário de 2011 vai
para o lixo e vamos colocar na parede o calendário de 2012. Para este novo ano com
certeza todos nós temos algumas intenções ou propósitos para este novo ano. Você já tem
alguns planos e aspirações para este novo ano? Aliás, viver sem propósito nenhum é
angustiante. Os dias se passam vagarosamente como a areia que escorre pela ampulheta,
e nada de efetivo é experimentado no viver. Além disso, muitos propósitos irrelevantes
também são estabelecidos e poucos dias depois são abandonados.
      Jeremias apresentou a mensagem divina para o povo de Israel que deliberadamente
desobedecia ao Senhor e estabelecia os seus propósitos egoístas. “Mas isto lhes ordenei,
dizendo: Dai ouvidos à minha voz, e eu serei o vosso Deus, e vós sereis o meu povo; e
andai em todo o caminho que eu vos mandar, para que vos vá bem. Mas não ouviram,
nem inclinaram os seus ouvidos, mas andaram nos seus próprios conselhos, no propósito
do seu coração rebelde; e andaram para trás, e não para diante" (Jeremias 7:23-24 ACF).
O Senhor Deus, por intermédio do salmista, revela a rebeldia do povo de Israel: “O meu
povo não me quis escutar a voz, e Israel não me atendeu. Assim, deixei-o andar na
teimosia do seu coração; seguindo os seus próprios conselhos. Ah! Se o meu povo me
escutasse, se Israel andasse nos meus caminhos!” (Sl. 81: 11-13).
      Os nossos propósitos para o ano que se inicia podem estar cheios de sabedoria
ou de insensatez. Para isso é necessário aferir o que estamos planejando com a Palavra
de Deus, a bússola perfeita que nos orienta em todas as coisas. Como cristãos, o nosso
propósito maior deve ser viver de modo agradável diante do Senhor e para isso
precisamos estar sensíveis à voz de Deus por meio das Escrituras.
      A epístola de Tiago foi escrita para demonstrar que a fé no Senhor Jesus Cristo deve
ser aplicada a todas as experiências e relações dos discípulos cristãos. O que Tiago visa é
a fé em ação, daí sua ênfase marcante sobre o lugar das obras na vida cristã. A epístola é
repleta de ensinos práticos objetivando a edificação da igreja.
      A epístola de Tiago está permeada de instruções para um viver sábio. Logo no início
da epístola, Tiago recomenda aos leitores que clamem por sabedoria a Deus: “Se, porém,
algum de vós necessita de sabedoria, peça-a a Deus, que a todos dá liberalmente e nada
lhes impropera; e ser-lhe-á concedida” (Tg. 1:5). Tiago também descreve como é a
sabedoria que desce do alto, ou seja, a sabedoria que procede de Deus (Tg. 3:13-18):
“pura, pacífica, moderada, tratável, cheia de misericórdia e de bons frutos, sem
parcialidade, e sem hipocrisia.”
      Neste texto que acabamos de ler, Tiago nos faz refletir sobre os propósitos que
traçamos. Ele nos mostra que é necessário submeter cada um dos nossos propósitos à
Palavra de Deus. Somente agindo assim, daremos evidências de um viver pautado na
sabedoria bíblica. Então, eu gostaria de afirmar o seguinte:
                    O CRISTÃO SÁBIO SUBMETE SEUS PROPÓSITOS
                          À AUTORIDADE DA PALAVRA DE DEUS
      Será que os nossos propósitos para 2012 estão submissos à autoridade da Palavra
de Deus? Ou será que estamos traçando planos sem a menor evidência de temor a Deus?
Se nossas vidas não estão submissas à autoridade da Palavra de Deus é necessária uma
séria reflexão sobre o cristianismo que professamos. Uma vida sem o menor compromisso
com o que Deus requer de nós confirma que há problemas em nosso cristianismo.
 ? COMO O CRISTÃO SÁBIO SUBMETE SEUS PROPÓSITOS À AUTORIDADE DA PALAVRA DE
DEUS?
! O CRISTÃO SÁBIO SUBMETE SEUS PROPÓSITOS À AUTORIDADE DA PALAVRA DE DEUS
DE ALGUMAS MANEIRAS:
     Nesta noite veremos três maneiras pelas quais o cristão sábio submete seus
propósitos à autoridade da Palavra de Deus.
Z:/d EK      ^Z s/ K K D dZ/ /^DK s^
       O versículo 13 nos ensina que o objetivo final era o lucro. Ir para outra cidade e
permanecer lá por 1 ano tinha como propósito encher os bolsos. Os negociantes judeus
iriam aos centros comerciais da época (por exemplo: Antioquia, Alexandria, Damasco,
Corinto) e em cada uma dessas praças de comércio gastar tempo necessário para
acumular riquezas. Os negociantes buscavam lucros cada vez maiores movidos por
ganância e ambição materialista.
       O contexto imediato da passagem nos dá um grande auxílio na interpretação. Tiago
vinha escrevendo sobre os conflitos dos seus leitores nos versos 1 a 4, que eram
resultado de cobiça, inveja e desejos mesquinhos. Pedis e não recebeis, porque pedis
mal, para esbanjardes em vossos prazeres (Tg. 4:3). A palavra traduzida como “esbanjar”
significa: gastar de forma desenfreada, desperdiçar, dissipar, consumir rapidamente. E
no capítulo 5, Tiago aborda sobre as riquezas obtidas de forma fraudulenta.
       Materialismo é a excessiva busca por coisas materiais que sufoca a nossa
comunhão com Cristo. O MATERIALISMO PODE NOS DOMINAR A PONTO DE FAZER A
NOSSA FÉ NAUFRAGAR. Muitas pessoas abandonaram a fé porque se iludiram com as
riquezas deste mundo. Por isso Paulo faz um alerta na sua carta ao jovem Timóteo: “Ora,
os que querem ficar ricos caem em tentação, e cilada, e em muitas concupiscências
insensatas e perniciosas, as quais afogam os homens na ruína e perdição. Porque o amor
do dinheiro é raiz de todos os males; e alguns, nessa cobiça, se desviaram da fé e a si
mesmos se atormentaram com muitas dores” (2 Tm. 6: 9-10). O que Paulo queria dizer
quando escreveu a Timóteo: “o amor ao dinheiro é a raiz de todos os males” em 1 Tm.
6:10? O que ele quer nos ensinar é que não existe nenhum tipo de mal do qual a pessoa
que ama o dinheiro não seja capaz para consegui-lo ou não perdê-lo. Toda moderação é
eliminada – quem ama o dinheiro fará qualquer coisa por ele: trapaças, sonegação, roubo,
jogos de loteria, práticas ilícitas, contrabando, fraudes, corrupção, mentiras.
       Talvez você já cantarolou algumas vezes a música de final de ano: “Adeus ano velho,
feliz ano novo, que tudo se realize no ano que vai nascer: muito dinheiro no bolso, saúde
pra dar e vender.” Há uma forte ênfase nesta música na abundância de dinheiro/saúde,
mas para o cristão sábio a ênfase deve ser outra: mais santidade, devoção,
arrependimento, mais zelo, graça e abnegação.
       John Piper escreveu que “a raiz de todo mal é que nós somos pessoas do tipo que se
acomodam ao amor pelo dinheiro em vez de buscar o amor por Deus. Paulo não está
advertindo contra o desejo de ganhar dinheiro para suprir nossas necessidades ou as de
outros, mas contra o desejo de ter mais e mais dinheiro e contra promover o ego e o luxo
material que ele pode proporcionar.”
       O dinheiro tem poder – poder espiritual – para conquistar o coração do homem.
Segundo a Bíblia, o dinheiro tem caráter de divindade, pois ele inspira devoção. Vários
problemas morais surgem por causa desta devoção a Mamom. A devoção ao dinheiro é
um grande empecilho para que Ele seja de fato Senhor de nossas vidas (realçar a
ilustração do jovem rico em Mateus 19:21). É importante discernir bem quais são as
nossas reais necessidades na vida, para evitar extremos que podem arruinar nossa
devoção a Deus.
       Os seus propósitos para 2012 resumem-se em negociar muito e ganhar mais
dinheiro? Será conquistar mais bens e aumentar suas posses? Não ame ao dinheiro mais
do que a Deus: é um sério risco! Trabalhe honestamente sem enganos ou fraudes e cobre
o preço justo. A ganância é um poço sem fundo, e quem nele cai terá enormes
dificuldades para sair. O dinheiro é incapaz de satisfazer nossa necessidade fundamental
(Eclesiastes 5:10), pois somente o relacionamento com Cristo suprirá plenamente nosso
ser (João 14:14). “Com efeito, passa o homem como uma sombra; em vão se inquieta;
amontoa tesouros e não sabe quem os levará” (Sl. 39.6). Em Cristo Jesus podemos
confiar que todas as nossas necessidades serão supridas, sem nos submetermos ao jugo
da escravidão ao materialismo.
KE^/Z EK          hd//   WZ^hE K ,hD E                s^
      Tiago faz uma grave denúncia: os planos traçados no verso 13 foram feitos sem
levar em conta a vontade de Deus. Tudo foi arquitetado por pessoas presunçosas que
desprezavam o governo divino. A própria pergunta “que é a vossa vida?” é uma
reprimenda, porém a resposta é dura e inflexível. A vida, na melhor das hipóteses, vista à
luz da eternidade, é apenas como neblina que aparece por instante e logo se dissipa. É
como o vapor que sai de nossas bocas num dia frio. A vida é breve e imprevisível, mas as
pessoas cheias de presunção não refletem sobre isto. A palavra pretensão no versículo 6
contém a ideia de “uma certeza insolente e vazia, arrogância, que confia em seu próprio
poder e recursos, que despreza o governo divino”. É a soberba da vida em 1 Jo. 2:16.
      O salmista disse “acabam-se os nossos anos como um breve pensamento” (Sl. 90:9).
Já o cristão sábio considera atentamente a futilidade de toda e qualquer presunção
humana, e por isso mesmo submete seus desejos e planos ao Senhor.
      O humanismo é uma filosofia de vida que coloca o homem no centro do palco: o
homem torna-se o senhor da própria história. Em resumo, é a fé no homem com todo o
seu potencial interior, pois a interferência de Deus não existe. O humanismo exclui Deus
porque crê que os seres humanos são suficientes em si mesmos. Esta filosofia está muito
ligada com a ideia em moda atualmente: “eu quero, eu posso, eu consigo”. As propagandas
na televisão incentivam a independência e a autonomia humana, para realizar tudo sem
depender de ninguém. O humanista faz seus planos numa redoma de auto-suficiência. O
humanista é alguém dominado pela arrogância e por isso desconsidera a brevidade da
vida. Apesar de não saber o que vai acontecer amanhã, ele vive como se soubesse. Ou
seja, as pretensões humanas são carregadas de presunção.
      Muitos crentes traçam seus planos sem levar em conta a vontade de Deus. Ser um cristão-
humanista é uma contradição, POIS quem segue a Cristo não ignora a poderosa mão de Deus em
ação na história da sua vida. Tudo o que somos e o que fazemos é fruto da graça de Deus sobre
nós. A Bíblia diz quem sem Cristo nada podemos fazer (Jo. 15:5), ou seja, nossa ligação com a
videira é essencial para tudo que intentamos realizar. Nenhum fruto de valor eterno será
produzido se não estivermos desfrutando de comunhão com Cristo, a Videira que nos supre.
      Não sejas sábio aos teus próprios olhos (não presuma que tem todas as respostas); teme ao
Senhor e aparta-te do mal. (Pv. 3:7). É pura tolice pensar e agir como se soubéssemos mais que
Deus. É duas vezes tolo aquele que é sábio a seus próprios olhos (John Trapp). Abominável é ao
Senhor todo arrogante de coração (Pv. 16:5).
      Obviamente Tiago não está combatendo a questão do planejamento, mas
combatendo o planejamento sem levar Deus em conta. Precisamos ter alvos e planos,
mas sem presunção. A Bíblia não nos proíbe de fazer planos, pelo contrário somos
encorajados a isso. Mas enquanto planejamos, nunca podemos esquecer quem somos:
seres frágeis, limitados e dependentes. Os nossos planos devem ser submetidos sempre à
aprovação de Deus. É necessário termos a visão correta sobre Deus enquanto
planejamos: é Ele quem nos supre do fôlego da vida e nos capacita para realizarmos algo.
Em Provérbios 16:1 lemos que o coração do homem pode fazer planos, mas a resposta
certa dos lábios vem do Senhor” e em Provérbios 19:21 lemos o seguinte: Muitos
propósitos há no coração do homem, mas o desígnio do Senhor permanecerá. Planejar é
necessário, mas depender de Deus é fundamental.
      Tudo o que pensamos e tudo o que façamos deve estar em contínua submissão a
Deus, pois Ele tem tudo sob Seu controle. Ignorar esta verdade revela um coração
humanista e arrogante. A Bíblia nos apresenta um paradoxo: “O homem que vive mais
seguro é o que menos confiança tem em si mesmo.”
      Será que em nossas vidas não há algum vestígio de humanismo? Quantas vezes
consideramos a boa, agradável e perfeita vontade de Deus quando vamos tomar alguma
decisão? Quantas vezes recorremos a Deus em oração para que Ele nos oriente em
nossas vidas? Quantas vezes buscamos o ensino de Sua Palavra a fim de sermos
instruídos sobre como proceder? Se você agiu com presunção em 2011 e colheu amargas
decepções, é momento de reconsiderar a importância de depender de Deus nas decisões
que deverá tomar em 2012.
W/ EK KD //'E/          ^ /E^dZhO^ 1/ ^ s^
 W
      Tiago nos ensina que a essência da sabedoria é a prática, não o mero conhecimento
sobre o que fazer. John Gill no seu comentário sobre este versículo, afirma que esta
exortação refere-se à totalidade das instruções que Tiago abordou em sua epístola, e não
apenas com relação ao fato de considerar a vontade de Deus nos planos que fazemos. É
por isso que ele enfatizou em sua carta que a fé verdadeira é acompanhada de obras. Ou
seja, a fé que justifica o homem traz como resultado uma vida diferente. O mero
entendimento intelectual das verdades espirituais é inútil se não evidenciarmos na
prática atitudes que glorifiquem a Deus. Isto se torna bem claro em Tiago 1: 22-25:
“Tornai-vos, pois, praticantes da palavra e não somente ouvintes, enganando-vos a vós
mesmos. Porque, se alguém é ouvinte da palavra e não praticante, assemelha-se ao
homem que contempla, num espelho, o seu rosto natural; pois a si mesmo se contempla,
e se retira, e para logo se esquece de como era a sua aparência. Mas aquele que
considera, atentamente, na lei perfeita, lei da liberdade, e nela persevera, não sendo
ouvinte negligente, mas operoso praticante, esse será bem-aventurado no que realizar”.
      A Palavra de Deus é como um espelho. Ela mostra a verdade nua e crua a nosso
respeito, sem fazer nada para diminuir-lhe o impacto. Também explica quais atitudes
devemos tomar a partir daquilo que vemos. Por outro lado, nos iludimos quando nos
afastamos da Palavra e nos recusamos a agir com base no que lemos.
      John Stott escreveu: O conhecimento carrega consigo a solene responsabilidade de
se agir com base nele, traduzindo-o no comportamento apropriado e também Deus
nunca pretende que o conhecimento seja um fim em si mesmo, mas sempre o meio para
se chegar a um fim. A Bíblia não é apenas uma coletânea de informações. Em termos
espirituais, o que nós somos hoje é o resultado direto dos princípios bíblicos que aplicamos
ou deixamos de aplicar em nossas vidas.
      As instruções dadas por Cristo no Sermão do Monte e em todo o seu ministério
deviam ser empreendidas. Os discípulos eram individualmente responsáveis para aplicar
em suas vidas o que tinham aprendido do Mestre. No final do Sermão, Jesus alerta-os:
      Mateus 7: 26-27: “E todo aquele que ouve estas minhas palavras e não as pratica
      será comparado a um homem insensato (tolo, néscio, estulto) que edificou a sua casa
      sobre a areia; e caiu a chuva, transbordaram os rios, sopraram os ventos e deram
      com ímpeto contra aquela casa, e ela desabou, sendo grande a sua ruína.” Jesus nos
      diz com toda clareza que tipo de fundação resiste às dificuldades da vida. Um dia
      virá a tempestade. A grande tempestade, que testará nossas vidas. Quem ouviu e
      obedeceu ficará firme, quem apenas ouviu será arruinado.
      O conhecimento sobre o que devemos fazer aumenta a nossa responsabilidade
diante de Deus. Tornamo-nos mais responsáveis sempre que ouvimos um sermão ou
somos confrontados com a Palavra de Deus. Cada estudo bíblico, cada pregação, cada
desafio que ouvimos precisa de uma resposta. E muitas vezes o nosso silêncio e letargia é
a resposta. A pergunta é: o que colocamos em prática de tudo o que ouvimos neste ano
que passou? E os propósitos que temos para 2012 incluem a importante necessidade de
praticar o que já sabemos? Ou será que estamos construindo nossa casa sobre a areia,
acumulando conhecimento sem colocá-lo em ação? “Ora, se sabeis estas coisas, bem-
aventurados sois se as praticardes” (Jo. 13:17). A sabedoria do ponto vista bíblico não é o
mero conhecimento de fatos. A sabedoria “é a percepção da vontade de Deus e do modo
pelo qual ela deve ser aplicada na vida”. Já aprendemos sobre a criação de filhos,
relacionamento marido-mulher, serviço, dons, a necessidade de perdoar, compromisso.
      As palavras do Hino C.C. 301 nos mostram que o crer (a fé) está ligado ao observar
(práticas corretas): Crer e observar / Tudo quanto ordenar / O fiel obedece ao que Cristo
mandar. Lembre-se que a evidência do conhecimento de Deus é a obediência a Ele:
“Aquele que diz: Eu o conheço e não guarda (obedecer, praticar) os seus mandamentos é
mentiroso, e nele não está a verdade” (1 Jo. 2:4).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

35. O Profeta Joel
35. O Profeta Joel35. O Profeta Joel
35. O Profeta Joel
 
A lei e a Graça
A lei e a GraçaA lei e a Graça
A lei e a Graça
 
panorama-do-novo-testamento.ppt
panorama-do-novo-testamento.pptpanorama-do-novo-testamento.ppt
panorama-do-novo-testamento.ppt
 
Estudo Bíblico 1 Coríntios - Estudo 3 (power point)
Estudo Bíblico 1 Coríntios - Estudo 3 (power point)Estudo Bíblico 1 Coríntios - Estudo 3 (power point)
Estudo Bíblico 1 Coríntios - Estudo 3 (power point)
 
Lição 11 - A Importância da Bíblia como única regra de Fé
Lição 11 - A Importância da Bíblia como única regra de FéLição 11 - A Importância da Bíblia como única regra de Fé
Lição 11 - A Importância da Bíblia como única regra de Fé
 
7 selos do apocalipse
7 selos do apocalipse7 selos do apocalipse
7 selos do apocalipse
 
Doutrina da Criação
Doutrina da CriaçãoDoutrina da Criação
Doutrina da Criação
 
Panorama do AT - Levítico
Panorama do AT - LevíticoPanorama do AT - Levítico
Panorama do AT - Levítico
 
Teologia sistemática ii
Teologia sistemática iiTeologia sistemática ii
Teologia sistemática ii
 
Lição 9 - A Igreja e sua Organização
Lição 9 - A Igreja e sua OrganizaçãoLição 9 - A Igreja e sua Organização
Lição 9 - A Igreja e sua Organização
 
IBADEP BÁSICO PROFETAS MAIORES AULA 1 - PROFETA ISAÍAS.pptx
IBADEP BÁSICO PROFETAS MAIORES AULA 1 - PROFETA ISAÍAS.pptxIBADEP BÁSICO PROFETAS MAIORES AULA 1 - PROFETA ISAÍAS.pptx
IBADEP BÁSICO PROFETAS MAIORES AULA 1 - PROFETA ISAÍAS.pptx
 
Panorama do NT - Gálatas
Panorama do NT - GálatasPanorama do NT - Gálatas
Panorama do NT - Gálatas
 
Aula 01 o batismo nas águas
Aula 01   o batismo nas águasAula 01   o batismo nas águas
Aula 01 o batismo nas águas
 
Lição 07 - A ordenança do batismo em águas
Lição 07 - A ordenança do batismo em águasLição 07 - A ordenança do batismo em águas
Lição 07 - A ordenança do batismo em águas
 
Panorama do NT - Apocalipse
Panorama do NT - ApocalipsePanorama do NT - Apocalipse
Panorama do NT - Apocalipse
 
Panorama do AT - Daniel
Panorama do AT - DanielPanorama do AT - Daniel
Panorama do AT - Daniel
 
A santidade como objetivo diário do crente verdadeiro
A santidade como objetivo diário do crente verdadeiroA santidade como objetivo diário do crente verdadeiro
A santidade como objetivo diário do crente verdadeiro
 
Lição 5 - É necessário nascer de novo
Lição 5 - É necessário nascer de novoLição 5 - É necessário nascer de novo
Lição 5 - É necessário nascer de novo
 
Panorama do AT - Números
Panorama do AT - NúmerosPanorama do AT - Números
Panorama do AT - Números
 
OS NOMES DE DEUS
OS NOMES DE DEUSOS NOMES DE DEUS
OS NOMES DE DEUS
 

Destaque

A VERDADEIRA FÉ NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOAS - LIÇÃO 6 - 3°TRI.2014
A VERDADEIRA FÉ NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOAS - LIÇÃO 6 - 3°TRI.2014A VERDADEIRA FÉ NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOAS - LIÇÃO 6 - 3°TRI.2014
A VERDADEIRA FÉ NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOAS - LIÇÃO 6 - 3°TRI.2014
Pr. Andre Luiz
 
A atualidade dos últimos conselhos de Tiago
A atualidade dos últimos conselhos de TiagoA atualidade dos últimos conselhos de Tiago
A atualidade dos últimos conselhos de Tiago
Moisés Sampaio
 
A verdadeira fé não faz acepção de pessoas
A verdadeira fé não faz acepção de pessoasA verdadeira fé não faz acepção de pessoas
A verdadeira fé não faz acepção de pessoas
Moisés Sampaio
 
Na corte do egito - trazendo a arca
Na corte do egito - trazendo a arcaNa corte do egito - trazendo a arca
Na corte do egito - trazendo a arca
IMQ
 
20.tiago comentário esperança
20.tiago   comentário esperança20.tiago   comentário esperança
20.tiago comentário esperança
josimar silva
 
Tiago – fé que se mostra pelas obras
Tiago – fé que se mostra pelas obrasTiago – fé que se mostra pelas obras
Tiago – fé que se mostra pelas obras
Moisés Sampaio
 

Destaque (20)

Tiago: EBD Fábio Glaser
Tiago: EBD Fábio GlaserTiago: EBD Fábio Glaser
Tiago: EBD Fábio Glaser
 
A VERDADEIRA FÉ NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOAS - LIÇÃO 6 - 3°TRI.2014
A VERDADEIRA FÉ NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOAS - LIÇÃO 6 - 3°TRI.2014A VERDADEIRA FÉ NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOAS - LIÇÃO 6 - 3°TRI.2014
A VERDADEIRA FÉ NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOAS - LIÇÃO 6 - 3°TRI.2014
 
Resenha pr gesieloliveira_dolivro-quanto-vale-quem-voce-ama-silmar-coelho
Resenha pr gesieloliveira_dolivro-quanto-vale-quem-voce-ama-silmar-coelhoResenha pr gesieloliveira_dolivro-quanto-vale-quem-voce-ama-silmar-coelho
Resenha pr gesieloliveira_dolivro-quanto-vale-quem-voce-ama-silmar-coelho
 
Trabalho paisagismo livro verde - tiago m fortes
Trabalho paisagismo   livro verde - tiago m fortesTrabalho paisagismo   livro verde - tiago m fortes
Trabalho paisagismo livro verde - tiago m fortes
 
Estudo 1 a bíblia sagrada
Estudo 1   a bíblia sagradaEstudo 1   a bíblia sagrada
Estudo 1 a bíblia sagrada
 
Esboço da carta de tiago
Esboço da carta de tiagoEsboço da carta de tiago
Esboço da carta de tiago
 
Resumo do livro-Tiago João Kavetzki
Resumo do livro-Tiago João KavetzkiResumo do livro-Tiago João Kavetzki
Resumo do livro-Tiago João Kavetzki
 
A atualidade dos últimos conselhos de Tiago
A atualidade dos últimos conselhos de TiagoA atualidade dos últimos conselhos de Tiago
A atualidade dos últimos conselhos de Tiago
 
Livro de tiago 1.1 5.20
Livro de tiago 1.1 5.20Livro de tiago 1.1 5.20
Livro de tiago 1.1 5.20
 
LIÇÃO 13 – A ATUALIDADE DOS ÚLTIMOS CONSELHOS DE TIAGO
LIÇÃO 13 – A ATUALIDADE DOS ÚLTIMOS CONSELHOS DE TIAGOLIÇÃO 13 – A ATUALIDADE DOS ÚLTIMOS CONSELHOS DE TIAGO
LIÇÃO 13 – A ATUALIDADE DOS ÚLTIMOS CONSELHOS DE TIAGO
 
Carta de tiago
Carta de tiagoCarta de tiago
Carta de tiago
 
A verdadeira fé não faz acepção de pessoas
A verdadeira fé não faz acepção de pessoasA verdadeira fé não faz acepção de pessoas
A verdadeira fé não faz acepção de pessoas
 
Na corte do egito - trazendo a arca
Na corte do egito - trazendo a arcaNa corte do egito - trazendo a arca
Na corte do egito - trazendo a arca
 
A DOÇURA DO TEU FALAR
A DOÇURA DO TEU FALARA DOÇURA DO TEU FALAR
A DOÇURA DO TEU FALAR
 
20.tiago comentário esperança
20.tiago   comentário esperança20.tiago   comentário esperança
20.tiago comentário esperança
 
Livro de tiago
Livro de tiagoLivro de tiago
Livro de tiago
 
O Cristão e as Questões éticas da Atualidade
O Cristão e as Questões éticas da Atualidade O Cristão e as Questões éticas da Atualidade
O Cristão e as Questões éticas da Atualidade
 
A Epistola de Tiago
A Epistola de TiagoA Epistola de Tiago
A Epistola de Tiago
 
Planejamento para Competitividade Março 2017
Planejamento para Competitividade Março 2017Planejamento para Competitividade Março 2017
Planejamento para Competitividade Março 2017
 
Tiago – fé que se mostra pelas obras
Tiago – fé que se mostra pelas obrasTiago – fé que se mostra pelas obras
Tiago – fé que se mostra pelas obras
 

Semelhante a Sermão em Tiago 4.13-17

Lição 09 – a angústia das dívidas
Lição 09  –  a angústia das dívidasLição 09  –  a angústia das dívidas
Lição 09 – a angústia das dívidas
cledsondrumms
 
vida finançeira ffffffffffffffffffffffffffffffffffffffffff
vida finançeira ffffffffffffffffffffffffffffffffffffffffffvida finançeira ffffffffffffffffffffffffffffffffffffffffff
vida finançeira ffffffffffffffffffffffffffffffffffffffffff
lindalva da cruz
 
Seminario Biblia Dinheiro 01
Seminario Biblia Dinheiro 01Seminario Biblia Dinheiro 01
Seminario Biblia Dinheiro 01
Lemuel Silva
 

Semelhante a Sermão em Tiago 4.13-17 (20)

Jesus e o dinheiro - Lição 10 - 2ºTrimestre/2015
Jesus e o dinheiro - Lição 10 - 2ºTrimestre/2015Jesus e o dinheiro - Lição 10 - 2ºTrimestre/2015
Jesus e o dinheiro - Lição 10 - 2ºTrimestre/2015
 
Jovens-Lição 4: Diga não ao ritmo de vida deste mundo
Jovens-Lição 4: Diga não ao ritmo de vida deste mundoJovens-Lição 4: Diga não ao ritmo de vida deste mundo
Jovens-Lição 4: Diga não ao ritmo de vida deste mundo
 
Lição 10 - Ética Cristã e Vida Financeira
Lição 10 - Ética Cristã e Vida FinanceiraLição 10 - Ética Cristã e Vida Financeira
Lição 10 - Ética Cristã e Vida Financeira
 
Dinheiro: benção ou maldição?
Dinheiro: benção ou maldição?Dinheiro: benção ou maldição?
Dinheiro: benção ou maldição?
 
Você está podendo?
Você está podendo?Você está podendo?
Você está podendo?
 
Livro ebook-aos-pregadores-da-prosperidade
Livro ebook-aos-pregadores-da-prosperidadeLivro ebook-aos-pregadores-da-prosperidade
Livro ebook-aos-pregadores-da-prosperidade
 
Marcas De Uma Pessoa Madura
Marcas De Uma Pessoa MaduraMarcas De Uma Pessoa Madura
Marcas De Uma Pessoa Madura
 
Lição 09 – a angústia das dívidas
Lição 09  –  a angústia das dívidasLição 09  –  a angústia das dívidas
Lição 09 – a angústia das dívidas
 
Educação Financeira à- Luz da Bíblia
Educação Financeira à- Luz da BíbliaEducação Financeira à- Luz da Bíblia
Educação Financeira à- Luz da Bíblia
 
Vivendo a vontade de Deus para adolescentes - Cleide Silva
Vivendo a vontade de Deus para adolescentes - Cleide SilvaVivendo a vontade de Deus para adolescentes - Cleide Silva
Vivendo a vontade de Deus para adolescentes - Cleide Silva
 
vida finançeira ffffffffffffffffffffffffffffffffffffffffff
vida finançeira ffffffffffffffffffffffffffffffffffffffffffvida finançeira ffffffffffffffffffffffffffffffffffffffffff
vida finançeira ffffffffffffffffffffffffffffffffffffffffff
 
A verdadeira prosperidade do corpo e da alma
A verdadeira prosperidade do corpo e da almaA verdadeira prosperidade do corpo e da alma
A verdadeira prosperidade do corpo e da alma
 
TODOS OS ARTIGOS DE PADRE ASSIS
TODOS OS ARTIGOS DE PADRE ASSISTODOS OS ARTIGOS DE PADRE ASSIS
TODOS OS ARTIGOS DE PADRE ASSIS
 
Lição 10 - Ética Cristã e Vida Financeira
Lição 10 - Ética Cristã e Vida FinanceiraLição 10 - Ética Cristã e Vida Financeira
Lição 10 - Ética Cristã e Vida Financeira
 
A avareza
A avarezaA avareza
A avareza
 
Teologias
TeologiasTeologias
Teologias
 
Seminario Biblia Dinheiro 01
Seminario Biblia Dinheiro 01Seminario Biblia Dinheiro 01
Seminario Biblia Dinheiro 01
 
Lição 01 - O Relativismo Moral.
Lição 01 - O Relativismo Moral.Lição 01 - O Relativismo Moral.
Lição 01 - O Relativismo Moral.
 
Fingimento
FingimentoFingimento
Fingimento
 
ESTUDO 2 DA SEMANA DA FAMILIA DE 2023 IASD
ESTUDO 2 DA SEMANA DA FAMILIA DE 2023 IASDESTUDO 2 DA SEMANA DA FAMILIA DE 2023 IASD
ESTUDO 2 DA SEMANA DA FAMILIA DE 2023 IASD
 

Mais de marckmel (10)

Eficiencia
EficienciaEficiencia
Eficiencia
 
Resumo sermão do monte
Resumo sermão do monteResumo sermão do monte
Resumo sermão do monte
 
Indiferença
IndiferençaIndiferença
Indiferença
 
Comunhão com Deus
Comunhão com DeusComunhão com Deus
Comunhão com Deus
 
Homilia 1 pe 1. 3 5
Homilia 1 pe 1. 3 5Homilia 1 pe 1. 3 5
Homilia 1 pe 1. 3 5
 
Dinheiro, Sexo e Poder
Dinheiro, Sexo e PoderDinheiro, Sexo e Poder
Dinheiro, Sexo e Poder
 
O verdadeiro discípulo
O verdadeiro discípuloO verdadeiro discípulo
O verdadeiro discípulo
 
Esboço Sermão em Ageu 1
Esboço Sermão em Ageu 1Esboço Sermão em Ageu 1
Esboço Sermão em Ageu 1
 
Vicios - uma abordagem bíblica
Vicios - uma abordagem bíblicaVicios - uma abordagem bíblica
Vicios - uma abordagem bíblica
 
Sete chaves para um casamento bem sucedido
Sete chaves para um casamento bem sucedidoSete chaves para um casamento bem sucedido
Sete chaves para um casamento bem sucedido
 

Último

Último (8)

1- Chuvas de Graça - Hino da Harpa Cristã.ppt
1- Chuvas de Graça - Hino da Harpa Cristã.ppt1- Chuvas de Graça - Hino da Harpa Cristã.ppt
1- Chuvas de Graça - Hino da Harpa Cristã.ppt
 
João Calvino e o Cânticos dos Salmos: uma introdução ao pensamento de Calvino...
João Calvino e o Cânticos dos Salmos: uma introdução ao pensamento de Calvino...João Calvino e o Cânticos dos Salmos: uma introdução ao pensamento de Calvino...
João Calvino e o Cânticos dos Salmos: uma introdução ao pensamento de Calvino...
 
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
 
Oração De Santa Rita De Cássia
Oração De Santa Rita De CássiaOração De Santa Rita De Cássia
Oração De Santa Rita De Cássia
 
GUIA DE ESTUDO BIBLICO [Teologia sistemática e Vida Cristã]
GUIA DE ESTUDO BIBLICO [Teologia sistemática e Vida Cristã]GUIA DE ESTUDO BIBLICO [Teologia sistemática e Vida Cristã]
GUIA DE ESTUDO BIBLICO [Teologia sistemática e Vida Cristã]
 
JUIZO FINAL [ DOUTRINA DA ESCATOLOGIA E FIM DOS TEMPOS]
JUIZO FINAL [ DOUTRINA DA ESCATOLOGIA E FIM DOS TEMPOS]JUIZO FINAL [ DOUTRINA DA ESCATOLOGIA E FIM DOS TEMPOS]
JUIZO FINAL [ DOUTRINA DA ESCATOLOGIA E FIM DOS TEMPOS]
 
Lição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Lição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Lição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptx
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptxBíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptx
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptx
 

Sermão em Tiago 4.13-17

  • 1. Texto-Bíblico: TIAGO 4: 13-17 TEMA: PROPÓSITOS Mais um ano se passou. O ano de 2011 ficará apenas na nossa memória. Foram 365 dias, o que equivale a 8.760 horas ou a 525.600 minutos O calendário de 2011 vai para o lixo e vamos colocar na parede o calendário de 2012. Para este novo ano com certeza todos nós temos algumas intenções ou propósitos para este novo ano. Você já tem alguns planos e aspirações para este novo ano? Aliás, viver sem propósito nenhum é angustiante. Os dias se passam vagarosamente como a areia que escorre pela ampulheta, e nada de efetivo é experimentado no viver. Além disso, muitos propósitos irrelevantes também são estabelecidos e poucos dias depois são abandonados. Jeremias apresentou a mensagem divina para o povo de Israel que deliberadamente desobedecia ao Senhor e estabelecia os seus propósitos egoístas. “Mas isto lhes ordenei, dizendo: Dai ouvidos à minha voz, e eu serei o vosso Deus, e vós sereis o meu povo; e andai em todo o caminho que eu vos mandar, para que vos vá bem. Mas não ouviram, nem inclinaram os seus ouvidos, mas andaram nos seus próprios conselhos, no propósito do seu coração rebelde; e andaram para trás, e não para diante" (Jeremias 7:23-24 ACF). O Senhor Deus, por intermédio do salmista, revela a rebeldia do povo de Israel: “O meu povo não me quis escutar a voz, e Israel não me atendeu. Assim, deixei-o andar na teimosia do seu coração; seguindo os seus próprios conselhos. Ah! Se o meu povo me escutasse, se Israel andasse nos meus caminhos!” (Sl. 81: 11-13). Os nossos propósitos para o ano que se inicia podem estar cheios de sabedoria ou de insensatez. Para isso é necessário aferir o que estamos planejando com a Palavra de Deus, a bússola perfeita que nos orienta em todas as coisas. Como cristãos, o nosso propósito maior deve ser viver de modo agradável diante do Senhor e para isso precisamos estar sensíveis à voz de Deus por meio das Escrituras. A epístola de Tiago foi escrita para demonstrar que a fé no Senhor Jesus Cristo deve ser aplicada a todas as experiências e relações dos discípulos cristãos. O que Tiago visa é a fé em ação, daí sua ênfase marcante sobre o lugar das obras na vida cristã. A epístola é repleta de ensinos práticos objetivando a edificação da igreja. A epístola de Tiago está permeada de instruções para um viver sábio. Logo no início da epístola, Tiago recomenda aos leitores que clamem por sabedoria a Deus: “Se, porém, algum de vós necessita de sabedoria, peça-a a Deus, que a todos dá liberalmente e nada lhes impropera; e ser-lhe-á concedida” (Tg. 1:5). Tiago também descreve como é a sabedoria que desce do alto, ou seja, a sabedoria que procede de Deus (Tg. 3:13-18): “pura, pacífica, moderada, tratável, cheia de misericórdia e de bons frutos, sem parcialidade, e sem hipocrisia.” Neste texto que acabamos de ler, Tiago nos faz refletir sobre os propósitos que traçamos. Ele nos mostra que é necessário submeter cada um dos nossos propósitos à Palavra de Deus. Somente agindo assim, daremos evidências de um viver pautado na sabedoria bíblica. Então, eu gostaria de afirmar o seguinte: O CRISTÃO SÁBIO SUBMETE SEUS PROPÓSITOS À AUTORIDADE DA PALAVRA DE DEUS Será que os nossos propósitos para 2012 estão submissos à autoridade da Palavra de Deus? Ou será que estamos traçando planos sem a menor evidência de temor a Deus? Se nossas vidas não estão submissas à autoridade da Palavra de Deus é necessária uma séria reflexão sobre o cristianismo que professamos. Uma vida sem o menor compromisso com o que Deus requer de nós confirma que há problemas em nosso cristianismo. ? COMO O CRISTÃO SÁBIO SUBMETE SEUS PROPÓSITOS À AUTORIDADE DA PALAVRA DE DEUS? ! O CRISTÃO SÁBIO SUBMETE SEUS PROPÓSITOS À AUTORIDADE DA PALAVRA DE DEUS DE ALGUMAS MANEIRAS: Nesta noite veremos três maneiras pelas quais o cristão sábio submete seus propósitos à autoridade da Palavra de Deus.
  • 2. Z:/d EK ^Z s/ K K D dZ/ /^DK s^ O versículo 13 nos ensina que o objetivo final era o lucro. Ir para outra cidade e permanecer lá por 1 ano tinha como propósito encher os bolsos. Os negociantes judeus iriam aos centros comerciais da época (por exemplo: Antioquia, Alexandria, Damasco, Corinto) e em cada uma dessas praças de comércio gastar tempo necessário para acumular riquezas. Os negociantes buscavam lucros cada vez maiores movidos por ganância e ambição materialista. O contexto imediato da passagem nos dá um grande auxílio na interpretação. Tiago vinha escrevendo sobre os conflitos dos seus leitores nos versos 1 a 4, que eram resultado de cobiça, inveja e desejos mesquinhos. Pedis e não recebeis, porque pedis mal, para esbanjardes em vossos prazeres (Tg. 4:3). A palavra traduzida como “esbanjar” significa: gastar de forma desenfreada, desperdiçar, dissipar, consumir rapidamente. E no capítulo 5, Tiago aborda sobre as riquezas obtidas de forma fraudulenta. Materialismo é a excessiva busca por coisas materiais que sufoca a nossa comunhão com Cristo. O MATERIALISMO PODE NOS DOMINAR A PONTO DE FAZER A NOSSA FÉ NAUFRAGAR. Muitas pessoas abandonaram a fé porque se iludiram com as riquezas deste mundo. Por isso Paulo faz um alerta na sua carta ao jovem Timóteo: “Ora, os que querem ficar ricos caem em tentação, e cilada, e em muitas concupiscências insensatas e perniciosas, as quais afogam os homens na ruína e perdição. Porque o amor do dinheiro é raiz de todos os males; e alguns, nessa cobiça, se desviaram da fé e a si mesmos se atormentaram com muitas dores” (2 Tm. 6: 9-10). O que Paulo queria dizer quando escreveu a Timóteo: “o amor ao dinheiro é a raiz de todos os males” em 1 Tm. 6:10? O que ele quer nos ensinar é que não existe nenhum tipo de mal do qual a pessoa que ama o dinheiro não seja capaz para consegui-lo ou não perdê-lo. Toda moderação é eliminada – quem ama o dinheiro fará qualquer coisa por ele: trapaças, sonegação, roubo, jogos de loteria, práticas ilícitas, contrabando, fraudes, corrupção, mentiras. Talvez você já cantarolou algumas vezes a música de final de ano: “Adeus ano velho, feliz ano novo, que tudo se realize no ano que vai nascer: muito dinheiro no bolso, saúde pra dar e vender.” Há uma forte ênfase nesta música na abundância de dinheiro/saúde, mas para o cristão sábio a ênfase deve ser outra: mais santidade, devoção, arrependimento, mais zelo, graça e abnegação. John Piper escreveu que “a raiz de todo mal é que nós somos pessoas do tipo que se acomodam ao amor pelo dinheiro em vez de buscar o amor por Deus. Paulo não está advertindo contra o desejo de ganhar dinheiro para suprir nossas necessidades ou as de outros, mas contra o desejo de ter mais e mais dinheiro e contra promover o ego e o luxo material que ele pode proporcionar.” O dinheiro tem poder – poder espiritual – para conquistar o coração do homem. Segundo a Bíblia, o dinheiro tem caráter de divindade, pois ele inspira devoção. Vários problemas morais surgem por causa desta devoção a Mamom. A devoção ao dinheiro é um grande empecilho para que Ele seja de fato Senhor de nossas vidas (realçar a ilustração do jovem rico em Mateus 19:21). É importante discernir bem quais são as nossas reais necessidades na vida, para evitar extremos que podem arruinar nossa devoção a Deus. Os seus propósitos para 2012 resumem-se em negociar muito e ganhar mais dinheiro? Será conquistar mais bens e aumentar suas posses? Não ame ao dinheiro mais do que a Deus: é um sério risco! Trabalhe honestamente sem enganos ou fraudes e cobre o preço justo. A ganância é um poço sem fundo, e quem nele cai terá enormes dificuldades para sair. O dinheiro é incapaz de satisfazer nossa necessidade fundamental (Eclesiastes 5:10), pois somente o relacionamento com Cristo suprirá plenamente nosso ser (João 14:14). “Com efeito, passa o homem como uma sombra; em vão se inquieta; amontoa tesouros e não sabe quem os levará” (Sl. 39.6). Em Cristo Jesus podemos confiar que todas as nossas necessidades serão supridas, sem nos submetermos ao jugo da escravidão ao materialismo.
  • 3. KE^/Z EK hd// WZ^hE K ,hD E s^ Tiago faz uma grave denúncia: os planos traçados no verso 13 foram feitos sem levar em conta a vontade de Deus. Tudo foi arquitetado por pessoas presunçosas que desprezavam o governo divino. A própria pergunta “que é a vossa vida?” é uma reprimenda, porém a resposta é dura e inflexível. A vida, na melhor das hipóteses, vista à luz da eternidade, é apenas como neblina que aparece por instante e logo se dissipa. É como o vapor que sai de nossas bocas num dia frio. A vida é breve e imprevisível, mas as pessoas cheias de presunção não refletem sobre isto. A palavra pretensão no versículo 6 contém a ideia de “uma certeza insolente e vazia, arrogância, que confia em seu próprio poder e recursos, que despreza o governo divino”. É a soberba da vida em 1 Jo. 2:16. O salmista disse “acabam-se os nossos anos como um breve pensamento” (Sl. 90:9). Já o cristão sábio considera atentamente a futilidade de toda e qualquer presunção humana, e por isso mesmo submete seus desejos e planos ao Senhor. O humanismo é uma filosofia de vida que coloca o homem no centro do palco: o homem torna-se o senhor da própria história. Em resumo, é a fé no homem com todo o seu potencial interior, pois a interferência de Deus não existe. O humanismo exclui Deus porque crê que os seres humanos são suficientes em si mesmos. Esta filosofia está muito ligada com a ideia em moda atualmente: “eu quero, eu posso, eu consigo”. As propagandas na televisão incentivam a independência e a autonomia humana, para realizar tudo sem depender de ninguém. O humanista faz seus planos numa redoma de auto-suficiência. O humanista é alguém dominado pela arrogância e por isso desconsidera a brevidade da vida. Apesar de não saber o que vai acontecer amanhã, ele vive como se soubesse. Ou seja, as pretensões humanas são carregadas de presunção. Muitos crentes traçam seus planos sem levar em conta a vontade de Deus. Ser um cristão- humanista é uma contradição, POIS quem segue a Cristo não ignora a poderosa mão de Deus em ação na história da sua vida. Tudo o que somos e o que fazemos é fruto da graça de Deus sobre nós. A Bíblia diz quem sem Cristo nada podemos fazer (Jo. 15:5), ou seja, nossa ligação com a videira é essencial para tudo que intentamos realizar. Nenhum fruto de valor eterno será produzido se não estivermos desfrutando de comunhão com Cristo, a Videira que nos supre. Não sejas sábio aos teus próprios olhos (não presuma que tem todas as respostas); teme ao Senhor e aparta-te do mal. (Pv. 3:7). É pura tolice pensar e agir como se soubéssemos mais que Deus. É duas vezes tolo aquele que é sábio a seus próprios olhos (John Trapp). Abominável é ao Senhor todo arrogante de coração (Pv. 16:5). Obviamente Tiago não está combatendo a questão do planejamento, mas combatendo o planejamento sem levar Deus em conta. Precisamos ter alvos e planos, mas sem presunção. A Bíblia não nos proíbe de fazer planos, pelo contrário somos encorajados a isso. Mas enquanto planejamos, nunca podemos esquecer quem somos: seres frágeis, limitados e dependentes. Os nossos planos devem ser submetidos sempre à aprovação de Deus. É necessário termos a visão correta sobre Deus enquanto planejamos: é Ele quem nos supre do fôlego da vida e nos capacita para realizarmos algo. Em Provérbios 16:1 lemos que o coração do homem pode fazer planos, mas a resposta certa dos lábios vem do Senhor” e em Provérbios 19:21 lemos o seguinte: Muitos propósitos há no coração do homem, mas o desígnio do Senhor permanecerá. Planejar é necessário, mas depender de Deus é fundamental. Tudo o que pensamos e tudo o que façamos deve estar em contínua submissão a Deus, pois Ele tem tudo sob Seu controle. Ignorar esta verdade revela um coração humanista e arrogante. A Bíblia nos apresenta um paradoxo: “O homem que vive mais seguro é o que menos confiança tem em si mesmo.” Será que em nossas vidas não há algum vestígio de humanismo? Quantas vezes consideramos a boa, agradável e perfeita vontade de Deus quando vamos tomar alguma decisão? Quantas vezes recorremos a Deus em oração para que Ele nos oriente em nossas vidas? Quantas vezes buscamos o ensino de Sua Palavra a fim de sermos instruídos sobre como proceder? Se você agiu com presunção em 2011 e colheu amargas decepções, é momento de reconsiderar a importância de depender de Deus nas decisões que deverá tomar em 2012.
  • 4. W/ EK KD //'E/ ^ /E^dZhO^ 1/ ^ s^ W Tiago nos ensina que a essência da sabedoria é a prática, não o mero conhecimento sobre o que fazer. John Gill no seu comentário sobre este versículo, afirma que esta exortação refere-se à totalidade das instruções que Tiago abordou em sua epístola, e não apenas com relação ao fato de considerar a vontade de Deus nos planos que fazemos. É por isso que ele enfatizou em sua carta que a fé verdadeira é acompanhada de obras. Ou seja, a fé que justifica o homem traz como resultado uma vida diferente. O mero entendimento intelectual das verdades espirituais é inútil se não evidenciarmos na prática atitudes que glorifiquem a Deus. Isto se torna bem claro em Tiago 1: 22-25: “Tornai-vos, pois, praticantes da palavra e não somente ouvintes, enganando-vos a vós mesmos. Porque, se alguém é ouvinte da palavra e não praticante, assemelha-se ao homem que contempla, num espelho, o seu rosto natural; pois a si mesmo se contempla, e se retira, e para logo se esquece de como era a sua aparência. Mas aquele que considera, atentamente, na lei perfeita, lei da liberdade, e nela persevera, não sendo ouvinte negligente, mas operoso praticante, esse será bem-aventurado no que realizar”. A Palavra de Deus é como um espelho. Ela mostra a verdade nua e crua a nosso respeito, sem fazer nada para diminuir-lhe o impacto. Também explica quais atitudes devemos tomar a partir daquilo que vemos. Por outro lado, nos iludimos quando nos afastamos da Palavra e nos recusamos a agir com base no que lemos. John Stott escreveu: O conhecimento carrega consigo a solene responsabilidade de se agir com base nele, traduzindo-o no comportamento apropriado e também Deus nunca pretende que o conhecimento seja um fim em si mesmo, mas sempre o meio para se chegar a um fim. A Bíblia não é apenas uma coletânea de informações. Em termos espirituais, o que nós somos hoje é o resultado direto dos princípios bíblicos que aplicamos ou deixamos de aplicar em nossas vidas. As instruções dadas por Cristo no Sermão do Monte e em todo o seu ministério deviam ser empreendidas. Os discípulos eram individualmente responsáveis para aplicar em suas vidas o que tinham aprendido do Mestre. No final do Sermão, Jesus alerta-os: Mateus 7: 26-27: “E todo aquele que ouve estas minhas palavras e não as pratica será comparado a um homem insensato (tolo, néscio, estulto) que edificou a sua casa sobre a areia; e caiu a chuva, transbordaram os rios, sopraram os ventos e deram com ímpeto contra aquela casa, e ela desabou, sendo grande a sua ruína.” Jesus nos diz com toda clareza que tipo de fundação resiste às dificuldades da vida. Um dia virá a tempestade. A grande tempestade, que testará nossas vidas. Quem ouviu e obedeceu ficará firme, quem apenas ouviu será arruinado. O conhecimento sobre o que devemos fazer aumenta a nossa responsabilidade diante de Deus. Tornamo-nos mais responsáveis sempre que ouvimos um sermão ou somos confrontados com a Palavra de Deus. Cada estudo bíblico, cada pregação, cada desafio que ouvimos precisa de uma resposta. E muitas vezes o nosso silêncio e letargia é a resposta. A pergunta é: o que colocamos em prática de tudo o que ouvimos neste ano que passou? E os propósitos que temos para 2012 incluem a importante necessidade de praticar o que já sabemos? Ou será que estamos construindo nossa casa sobre a areia, acumulando conhecimento sem colocá-lo em ação? “Ora, se sabeis estas coisas, bem- aventurados sois se as praticardes” (Jo. 13:17). A sabedoria do ponto vista bíblico não é o mero conhecimento de fatos. A sabedoria “é a percepção da vontade de Deus e do modo pelo qual ela deve ser aplicada na vida”. Já aprendemos sobre a criação de filhos, relacionamento marido-mulher, serviço, dons, a necessidade de perdoar, compromisso. As palavras do Hino C.C. 301 nos mostram que o crer (a fé) está ligado ao observar (práticas corretas): Crer e observar / Tudo quanto ordenar / O fiel obedece ao que Cristo mandar. Lembre-se que a evidência do conhecimento de Deus é a obediência a Ele: “Aquele que diz: Eu o conheço e não guarda (obedecer, praticar) os seus mandamentos é mentiroso, e nele não está a verdade” (1 Jo. 2:4).