SlideShare uma empresa Scribd logo
Customização: Dalton Martins – WebLab – 2009 Baseado num trabalho da WWF
UMA APROXIMAÇÃO À IDÉIA DE REDE
REDES EM TODO LUGAR Malhas rodoviária e ferroviária Sistema de energia elétrica Sistemas de água e esgoto Postos de saúde Cadeias de lojas, franquias Redes de computadores Internet
A NATUREZA SE ORGANIZA EM REDE Onde quer que encontremos sistemas vivos  –  organismos, partes de organismos ou comunidades de organismos  – podemos observar que  seus componentes estão arranjados à maneira de rede.  Sempre que olhamos para a vida, olhamos para redes. (...)  O padrão da vida, poderíamos dizer,  é um padrão de rede capaz   de auto-organização . Fritjof Capra (A Teia da Vida)‏
R   E   D   E   S  N   A  N   A   T   U   R   E   Z   A I   M   A   G   E   N   S
Os dendritos do neurônio Os dendritos se ramificam como galhos de uma árvore e servem como o principal aparato para receber sinais de outras células nervosas. Eles funcionam como "antenas" do neurônio e são cobertos por milhares de sinapses. Uma célula nervosa pode ter muitos dendritos que se ramificam muitas vezes, sua superfície é irregular e coberta com espinhas dendríticas que é o local onde as conexões sinápticas são feitas.  (Silvia Helena Cardoso)‏
Imagens de redes na natureza As diversas formas reticulares do neurônio Neurônios de homem, coelho e gato
Contágio de Vírus
As redes neurais
Evolução Micróbios
Rede de proteínas numa célula
REDES NA VIDA SOCIAL I   M   A   G   E   N   S
O desenho de uma “rede intertextual” Diagrama que mostra os relacionamentos entre textos diversos, a partir de referências intertextuais
Relacionamentos entre Adolescentes
Amigos numa Escola
A GRANDE REDE DE COMPUTADORES I   M   A   G   E   N   S
Um mapa da Internet
Um mapa da Internet
Twitter
Comentários num Blog
Um desenho da rede peer-to-peer Gnutella
Um mapa da Internet
O QUE É REDE?
A  SOCIEDADE-REDE Redes são instrumentos apropriados para a economia capitalista baseada na  inovação, globalização e concentração descentralizada;  para o trabalho, trabalhadores e empresas voltadas para a flexibilidade e a adaptabilidade; para uma  cultura de desconstrução e reconstrução contínuas ; para uma política destinada ao processamento instantâneo de novos valores e humores públicos; e para uma organização social que vise a suplantação do espaço e a invalidação do tempo. Manuel Castells (A Sociedade em Rede)
Uma  articulação entre diversas unidades  que, por meio de certas ligações, trocam elementos entre si, fortalecendo-se reciprocamente, e que  podem se multiplicar em novas unidades , as quais, por sua vez, fortalecem todo o conjunto na medida em que são fortalecidas por ele, permitindo-lhe expandir-se em novas unidades. Euclides Mance O QUE É REDE
É uma  relação moral de confiança : uma rede é um grupo  de agentes individuais que têm em comum normas ou valores além daqueles necessários às transações habituais de mercado.   Francis Fukuyama O QUE É REDE
NOÇÕES SOBRE  A MORFOLOGIA DA REDE
UMA PRIMEIRA IDÉIA: APENAS PONTOS?
UMA PRIMEIRA IDÉIA: PONTOS E LINHAS!
LINHAS É QUE FAZEM UMA REDE
ENTENDENDO A FORMA DA REDE A primeira e mais óbvia propriedade de qualquer rede  é a sua  não-linearidade  – ela se estende em todas as direções.  Desse modo, as relações num padrão de rede são  relações não-lineares.   Fritjof Capra (A Teia da Vida)‏
A capacidade de  operar sem hierarquia  é uma das mais  importantes propriedades distintivas da rede. REDE = NÃO-HIERARQUIA
ENTENDENDO A FORMA DA REDE  A CONECTIVIDADE O fenômeno de produção das conexões –  a conectividade  – é que constitui a dinâmica de rede. A rede se exerce por meio da  realização contínua das conexões , existindo apenas na medida em que houver ligações (sendo) estabelecidas.
A CONECTIVIDADE Ponto fora  da rede
Um par de pontos Muitas linhas ENTENDENDO A FORMA DA REDE  A CONECTIVIDADE
ENTENDENDO A FORMA DA REDE DENSIDADE 14 linhas
37 linhas ENTENDENDO A FORMA DA REDE DENSIDADE
91 linhas ENTENDENDO A FORMA DA REDE DENSIDADE
(c) 91 (b) 37 (a) 14 ENTENDENDO A FORMA DA REDE DENSIDADE
A lição trazida pela densidade é de que quanto maior for o número de conexões, mais compacta, integrada, coesa e orgânica será a rede. ENTENDENDO A FORMA DA REDE DENSIDADE
A rede nunca é a mesma dois instantes seguidos, nem pára de  crescer ou de se espraiar.  A  conectividade é a razão do movimento permanente da rede.  Conexões produzem conexões, e novos pontos conectados incorporam ao sistema as conexões que carregam. ENTENDENDO A FORMA DA REDE DENSIDADE
Cada ponto, ao estabelecer uma conexão,  amplia os limites da rede.  Ao fazê-lo, permite o estabelecimento de novas conexões com outros pontos, que, com suas próprias conexões, vão empurrando os limites da rede para mais longe à medida que o processo transcorre. ENTENDENDO A FORMA DA REDE DENSIDADE
ENTENDENDO A FORMA DA REDE   MULTIDIMENSIONALIDADE Uma rede pode ter  muitos níveis, camadas, círculos, dimensões.  Redes podem ter centro, portanto também ter periferias.  As redes se interpenetram e se combinam.
 
Rede da escola Rede de vizinhança Grupo de jovens
ENTENDENDO A FORMA DA REDE TRANSITIVIDADE Estabelecendo uma ponte:  uma única conexão entre dois pontos liga, automaticamente, redes inteiras. Um nó da rede é via de passagem para outro nó.  As conexões de um ponto servem como conexões de segundo grau ao ponto imediatamente anterior.
ENTENDENDO A FORMA DA REDE TRANSITIVIDADE
A extensão característica de caminho é o  número médio de conexões  necessárias entre um ponto e outro ponto qualquer da rede. Tal noção se refere à existência do caminho mais curto entre um ponto e qualquer outro no âmbito da rede. ENTENDENDO A FORMA DA REDE EXTENSÃO CARACTERÍSTICA DE CAMINHO
A prima Colega Aluno A
ENTENDENDO A FORMA DA REDE  MULTIPLICIDADE DE CAMINHOS Uma das vantagens da rede é a  existência de múltiplos caminhos .  A multiplicidade de caminhos no âmbito da rede é a garantia da liberdade de estabelecer conexões.
A prima Colega Aluno A Amiga da irmã Irmã
ENTENDENDO A FORMA DA REDE   HORIZONTE CRÍTICO A maior parte da rede estará sempre para além do  horizonte de visão.  Quanto mais conectado for um ponto – isto é, quanto mais conexões diretas ele tiver – e mais rede à sua volta ele puder enxergar, mais extensa será a rede oculta por trás do horizonte.
A rede invisível Aluno A A parte visível da rede
A rede de uma pessoa   é  sempre maior do que ela imagina e sempre menor do que poderia ser.
ENTENDENDO A FORMA DA REDE PONTOS HIPERCONECTORES As múltiplas conexões de um ponto  hiperconector  servem de atalho para os demais pontos que compõem a rede.
 
Alguns  poucos indivíduos  conectados podem conectar comunidades inteiras com o mundo exterior. Assim como os pontos-de-mil-linhas fazem nos sistemas-rede, indivíduos hiperconectores podem servir de catalisadores da mudança no âmbito das comunidades. ENTENDENDO A FORMA DA REDE PONTOS HIPERCONECTORES
O ACIONAMENTO DA REDE De modo geral, as pessoas só vêem a rede quando precisam dela.  A  rede aparece quando é acionada. Acionar a rede significa colocar em ação deliberada as  comunidades das quais o indivíduo faz parte.  Acionar a rede é colocar comunidades em ação.
Web 2.0 - hein?
Web 2.0 - hein?
Alguns Vídeos http://www.youtube.com/watch?v=NJsacDCsiPg http://www.youtube.com/watch?v=jpEnFwiqdx8
Novas formas de aprendizagem - conectivismo
Novas formas de aprendizagem http://daltonmartins.blogspot.com/2009/03/conectivismo.html http://www.youtube.com/watch?v=dGCJ46vyR9o
O que estamos fazendo? www.redehumanizasus.net http://rede.acessasp.sp.gov.br/ Programa Acessa Escola

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Redes Sociais e Web 2.0 no SESC

NETWEAVING 2009
NETWEAVING 2009NETWEAVING 2009
NETWEAVING 2009
Luiz de Campos Jr.
 
Iniciação A Redes: Conceitos Essenciais e Principais Ideias
Iniciação A Redes: Conceitos Essenciais e Principais IdeiasIniciação A Redes: Conceitos Essenciais e Principais Ideias
Iniciação A Redes: Conceitos Essenciais e Principais Ideias
Instituto Brasileiro de Pesquisa e Análise de Dados
 
CD - Aula 02
CD - Aula 02CD - Aula 02
Grupo 15 apres final 22 05-2010
Grupo 15   apres final 22 05-2010Grupo 15   apres final 22 05-2010
Grupo 15 apres final 22 05-2010
Cesayres
 
Grupo 15 apres final 22 05-2010
Grupo 15   apres final 22 05-2010Grupo 15   apres final 22 05-2010
Grupo 15 apres final 22 05-2010
Cesayres
 
Conceitos fundamentais sobre Análise de Redes
Conceitos fundamentais sobre Análise de RedesConceitos fundamentais sobre Análise de Redes
Conceitos fundamentais sobre Análise de Redes
Lucas Reis
 
Fluzz pilulas 9
Fluzz pilulas 9Fluzz pilulas 9
Fluzz pilulas 9
augustodefranco .
 
Ciência de redes em uma era conectada
Ciência de redes em uma era conectadaCiência de redes em uma era conectada
Ciência de redes em uma era conectada
nextfiocruz
 
Netweaving Augusto De Franco
Netweaving Augusto De FrancoNetweaving Augusto De Franco
Netweaving Augusto De Franco
Nicolas Martin
 
Organizações virtuais final_05_11_11
Organizações virtuais final_05_11_11Organizações virtuais final_05_11_11
Organizações virtuais final_05_11_11
Renan Scarcelli
 
123
123123
Redes e Conectivismo
Redes e ConectivismoRedes e Conectivismo
Redes e Conectivismo
Thiago Petra
 
Apresentação no TEDxSP
Apresentação no TEDxSPApresentação no TEDxSP
Apresentação no TEDxSP
augustodefranco .
 
Texto 1 Gfal%5 B48727%5 D
Texto 1 Gfal%5 B48727%5 DTexto 1 Gfal%5 B48727%5 D
Texto 1 Gfal%5 B48727%5 D
Erick Caniso
 
Redes sociais livro Santaella
Redes sociais livro SantaellaRedes sociais livro Santaella
Redes sociais livro Santaella
Rosemary Santos
 
Redes sociais livro santaella
Redes sociais livro santaellaRedes sociais livro santaella
Redes sociais livro santaella
Rosemary Santos
 
Redes Complexas (2009)
Redes Complexas (2009)Redes Complexas (2009)
Redes Complexas (2009)
Rafael Dahis
 
A Revolução das Redes - por Eduardo Mace
A Revolução das Redes - por Eduardo MaceA Revolução das Redes - por Eduardo Mace
A Revolução das Redes - por Eduardo Mace
SCALE
 
Apresentação analise de redes e sistemas dinamicos - fisl 12
Apresentação analise de redes e sistemas dinamicos - fisl 12Apresentação analise de redes e sistemas dinamicos - fisl 12
Apresentação analise de redes e sistemas dinamicos - fisl 12
Dalton Martins
 
Modulo1 1
Modulo1 1Modulo1 1

Semelhante a Redes Sociais e Web 2.0 no SESC (20)

NETWEAVING 2009
NETWEAVING 2009NETWEAVING 2009
NETWEAVING 2009
 
Iniciação A Redes: Conceitos Essenciais e Principais Ideias
Iniciação A Redes: Conceitos Essenciais e Principais IdeiasIniciação A Redes: Conceitos Essenciais e Principais Ideias
Iniciação A Redes: Conceitos Essenciais e Principais Ideias
 
CD - Aula 02
CD - Aula 02CD - Aula 02
CD - Aula 02
 
Grupo 15 apres final 22 05-2010
Grupo 15   apres final 22 05-2010Grupo 15   apres final 22 05-2010
Grupo 15 apres final 22 05-2010
 
Grupo 15 apres final 22 05-2010
Grupo 15   apres final 22 05-2010Grupo 15   apres final 22 05-2010
Grupo 15 apres final 22 05-2010
 
Conceitos fundamentais sobre Análise de Redes
Conceitos fundamentais sobre Análise de RedesConceitos fundamentais sobre Análise de Redes
Conceitos fundamentais sobre Análise de Redes
 
Fluzz pilulas 9
Fluzz pilulas 9Fluzz pilulas 9
Fluzz pilulas 9
 
Ciência de redes em uma era conectada
Ciência de redes em uma era conectadaCiência de redes em uma era conectada
Ciência de redes em uma era conectada
 
Netweaving Augusto De Franco
Netweaving Augusto De FrancoNetweaving Augusto De Franco
Netweaving Augusto De Franco
 
Organizações virtuais final_05_11_11
Organizações virtuais final_05_11_11Organizações virtuais final_05_11_11
Organizações virtuais final_05_11_11
 
123
123123
123
 
Redes e Conectivismo
Redes e ConectivismoRedes e Conectivismo
Redes e Conectivismo
 
Apresentação no TEDxSP
Apresentação no TEDxSPApresentação no TEDxSP
Apresentação no TEDxSP
 
Texto 1 Gfal%5 B48727%5 D
Texto 1 Gfal%5 B48727%5 DTexto 1 Gfal%5 B48727%5 D
Texto 1 Gfal%5 B48727%5 D
 
Redes sociais livro Santaella
Redes sociais livro SantaellaRedes sociais livro Santaella
Redes sociais livro Santaella
 
Redes sociais livro santaella
Redes sociais livro santaellaRedes sociais livro santaella
Redes sociais livro santaella
 
Redes Complexas (2009)
Redes Complexas (2009)Redes Complexas (2009)
Redes Complexas (2009)
 
A Revolução das Redes - por Eduardo Mace
A Revolução das Redes - por Eduardo MaceA Revolução das Redes - por Eduardo Mace
A Revolução das Redes - por Eduardo Mace
 
Apresentação analise de redes e sistemas dinamicos - fisl 12
Apresentação analise de redes e sistemas dinamicos - fisl 12Apresentação analise de redes e sistemas dinamicos - fisl 12
Apresentação analise de redes e sistemas dinamicos - fisl 12
 
Modulo1 1
Modulo1 1Modulo1 1
Modulo1 1
 

Mais de Dalton Martins

Computação cognitiva e políticas culturais
Computação cognitiva e políticas culturaisComputação cognitiva e políticas culturais
Computação cognitiva e políticas culturais
Dalton Martins
 
Humanidades digitais e ciência de dados: novos métodos, perspectivas e desaf...
Humanidades digitais e ciência de dados: novos métodos, perspectivas e desaf...Humanidades digitais e ciência de dados: novos métodos, perspectivas e desaf...
Humanidades digitais e ciência de dados: novos métodos, perspectivas e desaf...
Dalton Martins
 
Cultura digital, museus e acervos em rede
Cultura digital, museus e acervos em redeCultura digital, museus e acervos em rede
Cultura digital, museus e acervos em rede
Dalton Martins
 
Digitalização da cultura brasileira - as motivações do projeto Tainacan
Digitalização da cultura brasileira - as motivações do projeto TainacanDigitalização da cultura brasileira - as motivações do projeto Tainacan
Digitalização da cultura brasileira - as motivações do projeto Tainacan
Dalton Martins
 
Processos colaborativos de produção de ontologias - I Fórum Nacional de Sist...
Processos colaborativos de produção de ontologias  - I Fórum Nacional de Sist...Processos colaborativos de produção de ontologias  - I Fórum Nacional de Sist...
Processos colaborativos de produção de ontologias - I Fórum Nacional de Sist...
Dalton Martins
 
Do documento às ontologias: uma visão sobre sistemas de organização do conhec...
Do documento às ontologias: uma visão sobre sistemas de organização do conhec...Do documento às ontologias: uma visão sobre sistemas de organização do conhec...
Do documento às ontologias: uma visão sobre sistemas de organização do conhec...
Dalton Martins
 
Análise de Redes Sociais para educação à distância na plataforma ELGG para o ...
Análise de Redes Sociais para educação à distância na plataforma ELGG para o ...Análise de Redes Sociais para educação à distância na plataforma ELGG para o ...
Análise de Redes Sociais para educação à distância na plataforma ELGG para o ...
Dalton Martins
 
Criança, mídia e consumo na formação de professores
Criança, mídia e consumo na formação de professoresCriança, mídia e consumo na formação de professores
Criança, mídia e consumo na formação de professores
Dalton Martins
 
Jornalismo de Dados - Fontes de Informação para produção de Mapas Informacion...
Jornalismo de Dados - Fontes de Informação para produção de Mapas Informacion...Jornalismo de Dados - Fontes de Informação para produção de Mapas Informacion...
Jornalismo de Dados - Fontes de Informação para produção de Mapas Informacion...
Dalton Martins
 
In search of a model of human dynamics analysis applied to social sciences
In search of a model of human dynamics analysis applied to social sciencesIn search of a model of human dynamics analysis applied to social sciences
In search of a model of human dynamics analysis applied to social sciences
Dalton Martins
 
Novos caminhos da inclusão digital: experiências do projeto +Telecentros
Novos caminhos da inclusão digital: experiências do projeto +TelecentrosNovos caminhos da inclusão digital: experiências do projeto +Telecentros
Novos caminhos da inclusão digital: experiências do projeto +Telecentros
Dalton Martins
 
Aula 01 introdução e conceitos básicos sobre gestão
Aula 01   introdução e conceitos básicos sobre gestãoAula 01   introdução e conceitos básicos sobre gestão
Aula 01 introdução e conceitos básicos sobre gestão
Dalton Martins
 
Apresentação Semana de Humanização da Saúde: uma visão quantitativa
Apresentação Semana de Humanização da Saúde: uma visão quantitativaApresentação Semana de Humanização da Saúde: uma visão quantitativa
Apresentação Semana de Humanização da Saúde: uma visão quantitativa
Dalton Martins
 
Design da Informação - Aula 04 - Imagens que informam - design, legendas e di...
Design da Informação - Aula 04 - Imagens que informam - design, legendas e di...Design da Informação - Aula 04 - Imagens que informam - design, legendas e di...
Design da Informação - Aula 04 - Imagens que informam - design, legendas e di...
Dalton Martins
 
Design da Informação - Aula 03 - Princípios do design de informação
Design da Informação - Aula 03 - Princípios do design de informaçãoDesign da Informação - Aula 03 - Princípios do design de informação
Design da Informação - Aula 03 - Princípios do design de informação
Dalton Martins
 
Aula 04 - Tópicos em Gestão da Informação Medidas de posição relativa
Aula 04 - Tópicos em Gestão da Informação Medidas de posição relativaAula 04 - Tópicos em Gestão da Informação Medidas de posição relativa
Aula 04 - Tópicos em Gestão da Informação Medidas de posição relativa
Dalton Martins
 
Aula 02 - Design da Informação - História e princípios do design de informação
Aula 02 - Design da Informação - História e princípios do design de informaçãoAula 02 - Design da Informação - História e princípios do design de informação
Aula 02 - Design da Informação - História e princípios do design de informação
Dalton Martins
 
Aula 03 - Identificando e tratando padrões
Aula 03 - Identificando e tratando padrõesAula 03 - Identificando e tratando padrões
Aula 03 - Identificando e tratando padrões
Dalton Martins
 
Aula 02 - Estatística da vida cotidiana
Aula 02 - Estatística da vida cotidianaAula 02 - Estatística da vida cotidiana
Aula 02 - Estatística da vida cotidiana
Dalton Martins
 
Tópicos em Gestão da Informação II - Aula 01 - Desafios atuais da Gestão da I...
Tópicos em Gestão da Informação II - Aula 01 - Desafios atuais da Gestão da I...Tópicos em Gestão da Informação II - Aula 01 - Desafios atuais da Gestão da I...
Tópicos em Gestão da Informação II - Aula 01 - Desafios atuais da Gestão da I...
Dalton Martins
 

Mais de Dalton Martins (20)

Computação cognitiva e políticas culturais
Computação cognitiva e políticas culturaisComputação cognitiva e políticas culturais
Computação cognitiva e políticas culturais
 
Humanidades digitais e ciência de dados: novos métodos, perspectivas e desaf...
Humanidades digitais e ciência de dados: novos métodos, perspectivas e desaf...Humanidades digitais e ciência de dados: novos métodos, perspectivas e desaf...
Humanidades digitais e ciência de dados: novos métodos, perspectivas e desaf...
 
Cultura digital, museus e acervos em rede
Cultura digital, museus e acervos em redeCultura digital, museus e acervos em rede
Cultura digital, museus e acervos em rede
 
Digitalização da cultura brasileira - as motivações do projeto Tainacan
Digitalização da cultura brasileira - as motivações do projeto TainacanDigitalização da cultura brasileira - as motivações do projeto Tainacan
Digitalização da cultura brasileira - as motivações do projeto Tainacan
 
Processos colaborativos de produção de ontologias - I Fórum Nacional de Sist...
Processos colaborativos de produção de ontologias  - I Fórum Nacional de Sist...Processos colaborativos de produção de ontologias  - I Fórum Nacional de Sist...
Processos colaborativos de produção de ontologias - I Fórum Nacional de Sist...
 
Do documento às ontologias: uma visão sobre sistemas de organização do conhec...
Do documento às ontologias: uma visão sobre sistemas de organização do conhec...Do documento às ontologias: uma visão sobre sistemas de organização do conhec...
Do documento às ontologias: uma visão sobre sistemas de organização do conhec...
 
Análise de Redes Sociais para educação à distância na plataforma ELGG para o ...
Análise de Redes Sociais para educação à distância na plataforma ELGG para o ...Análise de Redes Sociais para educação à distância na plataforma ELGG para o ...
Análise de Redes Sociais para educação à distância na plataforma ELGG para o ...
 
Criança, mídia e consumo na formação de professores
Criança, mídia e consumo na formação de professoresCriança, mídia e consumo na formação de professores
Criança, mídia e consumo na formação de professores
 
Jornalismo de Dados - Fontes de Informação para produção de Mapas Informacion...
Jornalismo de Dados - Fontes de Informação para produção de Mapas Informacion...Jornalismo de Dados - Fontes de Informação para produção de Mapas Informacion...
Jornalismo de Dados - Fontes de Informação para produção de Mapas Informacion...
 
In search of a model of human dynamics analysis applied to social sciences
In search of a model of human dynamics analysis applied to social sciencesIn search of a model of human dynamics analysis applied to social sciences
In search of a model of human dynamics analysis applied to social sciences
 
Novos caminhos da inclusão digital: experiências do projeto +Telecentros
Novos caminhos da inclusão digital: experiências do projeto +TelecentrosNovos caminhos da inclusão digital: experiências do projeto +Telecentros
Novos caminhos da inclusão digital: experiências do projeto +Telecentros
 
Aula 01 introdução e conceitos básicos sobre gestão
Aula 01   introdução e conceitos básicos sobre gestãoAula 01   introdução e conceitos básicos sobre gestão
Aula 01 introdução e conceitos básicos sobre gestão
 
Apresentação Semana de Humanização da Saúde: uma visão quantitativa
Apresentação Semana de Humanização da Saúde: uma visão quantitativaApresentação Semana de Humanização da Saúde: uma visão quantitativa
Apresentação Semana de Humanização da Saúde: uma visão quantitativa
 
Design da Informação - Aula 04 - Imagens que informam - design, legendas e di...
Design da Informação - Aula 04 - Imagens que informam - design, legendas e di...Design da Informação - Aula 04 - Imagens que informam - design, legendas e di...
Design da Informação - Aula 04 - Imagens que informam - design, legendas e di...
 
Design da Informação - Aula 03 - Princípios do design de informação
Design da Informação - Aula 03 - Princípios do design de informaçãoDesign da Informação - Aula 03 - Princípios do design de informação
Design da Informação - Aula 03 - Princípios do design de informação
 
Aula 04 - Tópicos em Gestão da Informação Medidas de posição relativa
Aula 04 - Tópicos em Gestão da Informação Medidas de posição relativaAula 04 - Tópicos em Gestão da Informação Medidas de posição relativa
Aula 04 - Tópicos em Gestão da Informação Medidas de posição relativa
 
Aula 02 - Design da Informação - História e princípios do design de informação
Aula 02 - Design da Informação - História e princípios do design de informaçãoAula 02 - Design da Informação - História e princípios do design de informação
Aula 02 - Design da Informação - História e princípios do design de informação
 
Aula 03 - Identificando e tratando padrões
Aula 03 - Identificando e tratando padrõesAula 03 - Identificando e tratando padrões
Aula 03 - Identificando e tratando padrões
 
Aula 02 - Estatística da vida cotidiana
Aula 02 - Estatística da vida cotidianaAula 02 - Estatística da vida cotidiana
Aula 02 - Estatística da vida cotidiana
 
Tópicos em Gestão da Informação II - Aula 01 - Desafios atuais da Gestão da I...
Tópicos em Gestão da Informação II - Aula 01 - Desafios atuais da Gestão da I...Tópicos em Gestão da Informação II - Aula 01 - Desafios atuais da Gestão da I...
Tópicos em Gestão da Informação II - Aula 01 - Desafios atuais da Gestão da I...
 

Último

ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebuliçãoExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
ExpoGestão
 
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWSSubindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Ismael Ash
 
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docxse38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
ronaldos10
 
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoudFerramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
Ismael Ash
 
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
Faga1939
 
Segurança da Informação - Onde estou e para onde eu vou.pptx
Segurança da Informação - Onde estou e para onde eu vou.pptxSegurança da Informação - Onde estou e para onde eu vou.pptx
Segurança da Informação - Onde estou e para onde eu vou.pptx
Divina Vitorino
 
Eletiva_O-mundo-conectado-Ensino-Médio.docx.pdf
Eletiva_O-mundo-conectado-Ensino-Médio.docx.pdfEletiva_O-mundo-conectado-Ensino-Médio.docx.pdf
Eletiva_O-mundo-conectado-Ensino-Médio.docx.pdf
barbosajucy47
 

Último (7)

ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebuliçãoExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
 
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWSSubindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
 
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docxse38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
 
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoudFerramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
 
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
 
Segurança da Informação - Onde estou e para onde eu vou.pptx
Segurança da Informação - Onde estou e para onde eu vou.pptxSegurança da Informação - Onde estou e para onde eu vou.pptx
Segurança da Informação - Onde estou e para onde eu vou.pptx
 
Eletiva_O-mundo-conectado-Ensino-Médio.docx.pdf
Eletiva_O-mundo-conectado-Ensino-Médio.docx.pdfEletiva_O-mundo-conectado-Ensino-Médio.docx.pdf
Eletiva_O-mundo-conectado-Ensino-Médio.docx.pdf
 

Redes Sociais e Web 2.0 no SESC

  • 1. Customização: Dalton Martins – WebLab – 2009 Baseado num trabalho da WWF
  • 2. UMA APROXIMAÇÃO À IDÉIA DE REDE
  • 3. REDES EM TODO LUGAR Malhas rodoviária e ferroviária Sistema de energia elétrica Sistemas de água e esgoto Postos de saúde Cadeias de lojas, franquias Redes de computadores Internet
  • 4. A NATUREZA SE ORGANIZA EM REDE Onde quer que encontremos sistemas vivos – organismos, partes de organismos ou comunidades de organismos – podemos observar que seus componentes estão arranjados à maneira de rede. Sempre que olhamos para a vida, olhamos para redes. (...) O padrão da vida, poderíamos dizer, é um padrão de rede capaz de auto-organização . Fritjof Capra (A Teia da Vida)‏
  • 5. R E D E S N A N A T U R E Z A I M A G E N S
  • 6. Os dendritos do neurônio Os dendritos se ramificam como galhos de uma árvore e servem como o principal aparato para receber sinais de outras células nervosas. Eles funcionam como "antenas" do neurônio e são cobertos por milhares de sinapses. Uma célula nervosa pode ter muitos dendritos que se ramificam muitas vezes, sua superfície é irregular e coberta com espinhas dendríticas que é o local onde as conexões sinápticas são feitas. (Silvia Helena Cardoso)‏
  • 7. Imagens de redes na natureza As diversas formas reticulares do neurônio Neurônios de homem, coelho e gato
  • 11. Rede de proteínas numa célula
  • 12. REDES NA VIDA SOCIAL I M A G E N S
  • 13. O desenho de uma “rede intertextual” Diagrama que mostra os relacionamentos entre textos diversos, a partir de referências intertextuais
  • 16. A GRANDE REDE DE COMPUTADORES I M A G E N S
  • 17. Um mapa da Internet
  • 18. Um mapa da Internet
  • 21. Um desenho da rede peer-to-peer Gnutella
  • 22. Um mapa da Internet
  • 23. O QUE É REDE?
  • 24. A SOCIEDADE-REDE Redes são instrumentos apropriados para a economia capitalista baseada na inovação, globalização e concentração descentralizada; para o trabalho, trabalhadores e empresas voltadas para a flexibilidade e a adaptabilidade; para uma cultura de desconstrução e reconstrução contínuas ; para uma política destinada ao processamento instantâneo de novos valores e humores públicos; e para uma organização social que vise a suplantação do espaço e a invalidação do tempo. Manuel Castells (A Sociedade em Rede)
  • 25. Uma articulação entre diversas unidades que, por meio de certas ligações, trocam elementos entre si, fortalecendo-se reciprocamente, e que podem se multiplicar em novas unidades , as quais, por sua vez, fortalecem todo o conjunto na medida em que são fortalecidas por ele, permitindo-lhe expandir-se em novas unidades. Euclides Mance O QUE É REDE
  • 26. É uma relação moral de confiança : uma rede é um grupo de agentes individuais que têm em comum normas ou valores além daqueles necessários às transações habituais de mercado. Francis Fukuyama O QUE É REDE
  • 27. NOÇÕES SOBRE A MORFOLOGIA DA REDE
  • 28. UMA PRIMEIRA IDÉIA: APENAS PONTOS?
  • 29. UMA PRIMEIRA IDÉIA: PONTOS E LINHAS!
  • 30. LINHAS É QUE FAZEM UMA REDE
  • 31. ENTENDENDO A FORMA DA REDE A primeira e mais óbvia propriedade de qualquer rede é a sua não-linearidade – ela se estende em todas as direções. Desse modo, as relações num padrão de rede são relações não-lineares. Fritjof Capra (A Teia da Vida)‏
  • 32. A capacidade de operar sem hierarquia é uma das mais importantes propriedades distintivas da rede. REDE = NÃO-HIERARQUIA
  • 33. ENTENDENDO A FORMA DA REDE A CONECTIVIDADE O fenômeno de produção das conexões – a conectividade – é que constitui a dinâmica de rede. A rede se exerce por meio da realização contínua das conexões , existindo apenas na medida em que houver ligações (sendo) estabelecidas.
  • 34. A CONECTIVIDADE Ponto fora da rede
  • 35. Um par de pontos Muitas linhas ENTENDENDO A FORMA DA REDE A CONECTIVIDADE
  • 36. ENTENDENDO A FORMA DA REDE DENSIDADE 14 linhas
  • 37. 37 linhas ENTENDENDO A FORMA DA REDE DENSIDADE
  • 38. 91 linhas ENTENDENDO A FORMA DA REDE DENSIDADE
  • 39. (c) 91 (b) 37 (a) 14 ENTENDENDO A FORMA DA REDE DENSIDADE
  • 40. A lição trazida pela densidade é de que quanto maior for o número de conexões, mais compacta, integrada, coesa e orgânica será a rede. ENTENDENDO A FORMA DA REDE DENSIDADE
  • 41. A rede nunca é a mesma dois instantes seguidos, nem pára de crescer ou de se espraiar. A conectividade é a razão do movimento permanente da rede. Conexões produzem conexões, e novos pontos conectados incorporam ao sistema as conexões que carregam. ENTENDENDO A FORMA DA REDE DENSIDADE
  • 42. Cada ponto, ao estabelecer uma conexão, amplia os limites da rede. Ao fazê-lo, permite o estabelecimento de novas conexões com outros pontos, que, com suas próprias conexões, vão empurrando os limites da rede para mais longe à medida que o processo transcorre. ENTENDENDO A FORMA DA REDE DENSIDADE
  • 43. ENTENDENDO A FORMA DA REDE MULTIDIMENSIONALIDADE Uma rede pode ter muitos níveis, camadas, círculos, dimensões. Redes podem ter centro, portanto também ter periferias. As redes se interpenetram e se combinam.
  • 44.  
  • 45. Rede da escola Rede de vizinhança Grupo de jovens
  • 46. ENTENDENDO A FORMA DA REDE TRANSITIVIDADE Estabelecendo uma ponte: uma única conexão entre dois pontos liga, automaticamente, redes inteiras. Um nó da rede é via de passagem para outro nó. As conexões de um ponto servem como conexões de segundo grau ao ponto imediatamente anterior.
  • 47. ENTENDENDO A FORMA DA REDE TRANSITIVIDADE
  • 48. A extensão característica de caminho é o número médio de conexões necessárias entre um ponto e outro ponto qualquer da rede. Tal noção se refere à existência do caminho mais curto entre um ponto e qualquer outro no âmbito da rede. ENTENDENDO A FORMA DA REDE EXTENSÃO CARACTERÍSTICA DE CAMINHO
  • 49. A prima Colega Aluno A
  • 50. ENTENDENDO A FORMA DA REDE MULTIPLICIDADE DE CAMINHOS Uma das vantagens da rede é a existência de múltiplos caminhos . A multiplicidade de caminhos no âmbito da rede é a garantia da liberdade de estabelecer conexões.
  • 51. A prima Colega Aluno A Amiga da irmã Irmã
  • 52. ENTENDENDO A FORMA DA REDE HORIZONTE CRÍTICO A maior parte da rede estará sempre para além do horizonte de visão. Quanto mais conectado for um ponto – isto é, quanto mais conexões diretas ele tiver – e mais rede à sua volta ele puder enxergar, mais extensa será a rede oculta por trás do horizonte.
  • 53. A rede invisível Aluno A A parte visível da rede
  • 54. A rede de uma pessoa é sempre maior do que ela imagina e sempre menor do que poderia ser.
  • 55. ENTENDENDO A FORMA DA REDE PONTOS HIPERCONECTORES As múltiplas conexões de um ponto hiperconector servem de atalho para os demais pontos que compõem a rede.
  • 56.  
  • 57. Alguns poucos indivíduos conectados podem conectar comunidades inteiras com o mundo exterior. Assim como os pontos-de-mil-linhas fazem nos sistemas-rede, indivíduos hiperconectores podem servir de catalisadores da mudança no âmbito das comunidades. ENTENDENDO A FORMA DA REDE PONTOS HIPERCONECTORES
  • 58. O ACIONAMENTO DA REDE De modo geral, as pessoas só vêem a rede quando precisam dela. A rede aparece quando é acionada. Acionar a rede significa colocar em ação deliberada as comunidades das quais o indivíduo faz parte. Acionar a rede é colocar comunidades em ação.
  • 59. Web 2.0 - hein?
  • 60. Web 2.0 - hein?
  • 61. Alguns Vídeos http://www.youtube.com/watch?v=NJsacDCsiPg http://www.youtube.com/watch?v=jpEnFwiqdx8
  • 62. Novas formas de aprendizagem - conectivismo
  • 63. Novas formas de aprendizagem http://daltonmartins.blogspot.com/2009/03/conectivismo.html http://www.youtube.com/watch?v=dGCJ46vyR9o
  • 64. O que estamos fazendo? www.redehumanizasus.net http://rede.acessasp.sp.gov.br/ Programa Acessa Escola