SlideShare uma empresa Scribd logo
E
n
c
o
n
t
r
o
C
u
l
t
u
r
a
l
À PROCURA DE UM PORTO DESAPARECIDO
Aqui começou a espera dos
participantes
http://aaacarmelitas.blogspot.com
Com este trabalho pretende-se dar a conhecer por palavras e imagens
aos antigos alunos do seminário da Ordem do Carmo em Portugal
alguns traços de um Porto já Desaparecido.
Desde já a AAACARMELITAS agradece à Drª Isabel Andrade, guia
do evento integrado na Festa da Baixa organizada pelo Instituto
Nacional de Cultura. Pede-se também desculpa à Drª Isabel caso a
narrativa que vamos encetar não corresponda à sua mensagem, o que
justificamos não só pelo barulho do trânsito, mas também por
deficiências do autor desta narrativa.
Procurou-se elucidar o trabalho não só com fotografias batidas no
momento, mas também com imagens e algumas ideias extraídas da
Internet
O início do passeio à procura de UM PORTO
DESAPARECIDO estava marcado para a porta
do café Guarany, às 9,30 h. Começou às 9,40 h
com 19 participantes.
As primeiras e longas palavras da guia aconteceram
à porta do café, mas de difícil escuta por força do
trânsito
O Café Guarany é um café e restaurante sito na Avenida dos
Aliados, em plena Baixa do Porto.
Integrado num surto de abertura de cafés na cidade na década de 1930,
em 29 de Janeiro de 1933 foi inaugurado, projecto do arquitecto
Rogério Azevedo com decoração do escultor Henrique Moreira.
Espaço de convívio, tertúlias e cultura desde a sua fundação, em 2003
foi totalmente restaurado, buscando um compromisso entre a tradição e
a qualidade de serviço. Uma das paredes passou a ostentar pinturas de
Graça Morais. A sua decoração relembra os índios guarany da América
Meridional (daí o seu nome)e a sua evocação tropical é alusiva ao
Brasil do séc. XX como primeiro produtor de café. Foi o primeiro café a
ter ar condicionado no Porto.
Guarany
TOPONÍMIA -Anteriormente, a atual Praça da
Liberdade designou-se por Casal ou Lugar de Paio de
Novais e Sítio ou Fonte da Arca (durante o século XV);
Lugar ou Praça da Natividade (depois de 1682, devido à
fonte lá construída nesse ano); Quinta, Campo ou Sítio das
Hortas (até 1711); Praça Nova das Hortas (depois de
1711); Praça da Constituição (1820); Praça de D. Pedro IV
(1833) e, ainda que por poucos dias, Praça da República
(13 de Outubro de 1910). A designação presente — Praça
da Liberdade — foi adotada em 27 de Outubro de
1910. O nome é uma alusão ao sistema republicano de
governo.
HISTÓRIA - Propriedade do Cabido da Sé do Porto, esta área, localizada
no exterior das Muralhas Fernandinas que cercavam a cidade — entre a
Porta de Carros e a de Santo Elói —, teve projetos de criação de uma praça
pública em 1691 e em 1709 que não se chegaram a concretizar.
Em 1718, novo projeto foi lançado, tendo o Cabido da Sé cedido os terrenos
necessários à abertura da praça. Novas ruas foram então também rasgadas,
entre as quais a Rua do Laranjal das Hortas (hoje desaparecida) e a Rua da
Cruz (atual Rua da Fábrica).
Da concretização deste projeto resultaria a Praça Nova, limitada a norte
por dois palacetes onde, entre 1819 e 1915, funcionaram os Paços do
Concelho; a oriente pelo Convento dos Congregados; a sul por um troço da
Muralha Fernandina, destruído em 1788 para dar lugar ao Convento de
Santo Elói — só terminado no século XIX, sendo posteriormente sido
chamado Palácio das Cardosas . O lado poente, só mais tarde edificado.
A instalação do edifício da câmara municipal no local em 1819, a inauguração da
Ponte de D. Luís em 1887, a extensão da via férrea até ao local em 1896, com a
construção da Estação de S. Bento, foram fatores decisivos para tornar a, então
chamada, Praça de D. Pedro IV, no centro político, económico e social da cidade
do Porto. Em meados do século XIX, a Praça era já o "ponto predileto de reunião
dos homens graves da política e do jornalismo, da alta mercância tripeira e dos
brasileiros” Aqui predominavam os botequins — "Guichard", "Porto Clube",
"Camacho", "Suíço", "Europa", "Antiga Cascata", "Internacional", etc. —
progressivamente desaparecidos para dar lugar a entidades bancárias, companhias
seguradoras e escritórios.
Em 1916 foi demolido o edifício que serviu de Paços do Concelho, a norte da Praça
da Liberdade, bem como diversos arruamentos vizinhos — ruas do Laranjal, de
D. Pedro, etc. —, iniciando-se as obras de construção da ampla Avenida dos
Aliados, ao cimo da qual foram construídos os modernos Paços do Concelho do
Porto amplo edifício em granito e mármore, projeto de 1920 do arquiteto Correia
da Silva. A Praça da Liberdade ficou, assim, ligada à nova Avenida dos Aliados e
à Praça General Humberto Delgado, num conjunto urbano de grande
monumentalidade e de particular interesse histórico e artístico
Câmara Municipal
demolida (A Norte)
Poente: Actual Banco
de Portugal,
Pastelaria Ateneia e
outras lojas
comerciais, onde antes
eram hortas do bispo
Nascente: Situava-
se o Convento dos
Congregados, onde
actualmente se
encontra a CGD, a
Casa da Sorte e o Mc
Donald´s, antigo
café Imperial
A Sul ficava o Convento de Santo Elói, actual Hotel de
Luxo, e onde esteve também um banco
Este é o lado nascente da Praça, cujo
casario constituiu o Convento dos
Congregados, mas na época da imagem era
já habitação e comércio. Vê-se a ainda
actual Igreja dos Congregados
Neste quadro a óleo vê-se ao fundo o edifício camarário e no centro
a estátua de D. Pedro IV, hoje deslocada mais para sul. Repare-se
que tinha gradeamento e, durante muito tempo, foi guardada
permanentemente por um militar. (Se calhar hoje também se
justificava, porque é muitas vezes vandalizada)
desapareceram da zona a forca, a
Capela dos Reis Magos (na figura
ao lado) que se situava junto à
Câmara. (tem a particularidade de
ter sido desmontada pedra a
pedra e comprada por um
brasileiro que a edificou em
Pocariça – Cantanhede com a
mesma configuração).Desapareceu
também a Igreja da Natividade
(onde está a CGD, antes BNU), a
Fonte da Natividade, também
conhecida por Fonte da Arca,
embelezada com carrancas.
Desapareceu ainda a Capela de S.
Crispim (Hoje na Rua Santos
Pousada), O Convento dos Lóios,
o Convento da Ave Maria (Hoje
Estação de S. Bento), o Convento
 No tempo de D. Miguel, a forca situada na praça foi muitas vezes
usada e, diz-se que os frades de Santo António dos Congregados
presenciavam os enforcamentos das janelas do convento com grande
alegria comendo bolos e bebendo vinho do Porto;
 A Praça foi o primeiro local público da cidade a ser pavimentado;
 Circulavam por aqui eléctricos; O comércio era florescente,
respirava-se modernidade no início do século XX, pelo que ao local se
chamou também PASMATÓRIO, face à estupefacção dos visitantes
perante tanta novidade.
 Num raio de 300 metros desapareceram, pelo menos, cinco
Conventos, na sequência da extinção das Ordens Religiosas em 1834
(Lóios, Congregados, Santo Elói, Ave Maria e Carmelitas
Esta porta era a entrada principal para o Convento dos Congregados, do qual, os
frades mauzinhos, de acordo com a guia, festejavam os enforcamentos. Foi
Noviciado. Situa-se na Travessa dos Congregados, artéria sem saída mas onde
existem vários restaurantes. Dá acesso a um bloco de escritórios.
Na zona coberta pelo passeio, existiram numerosos botequins e
cafés, os primeiros de grande expressão até meados do século XIX e
os segundos a partir da segunda metade;
Desapareceram o Botequim do Sr. Frutuoso, O Botequim das
Hortas, o Botequim da Neve (Servia sorvetes e era o preferido pelos
libertinos da época) e o Guichard. Sobre este escreveu Firmino
Pereira “aí se reuniam habitualmente os literatos, os poetas e os
românticos que vinham das agitações do Cerco (do Porto) e da
Patuleia e que entre um cálice de licor e uma fumaça de charuto,
decidiam os destinos da arte e da política”. Aí os poetas suspiravam,
mas também batiam… e levavam. À noite compunham poemas,
combinavam raptos e conjuras.
Cafés importantes na zona entretanto desaparecidos da actual Praça da
Liberdade e que foram instalados a partir da 2ª metade do séc XIX:
 O Lusitano, mais tarde o Suíço;
 O Portuense
 O Camacho;
 O Lisbonense;
 O Ventura;
 O Central;
 O Imperial (hoje McDonald´s)
“À volta da bebida negra como o inferno, doce como o pecado, quente como o
amor” como dizia Vicky Baun, sempre se juntaram artistas, políticos e
escritores em tertúlias determinantes da formação de correntes políticas,
artísticas e literárias.
Esta imagem representa uma das paredes do café Brasil, situado
a Norte da Estação de S. Bento, que ostenta o seu desenho
original. Existe desde 1859 e, ao tempo, tinha duas mesas
exclusivas para jogar dominó. Numa delas, a dos Cardeais,
sentavam-se Guilherme Braga e Paulo Falcão. Na outra, a dos
Indígenas, sentavam-se Arnaldo Leite, Sampaio Bruno e
Estação de São Bento uma das 14 estações mais bonitas do
mundo de acordo com a imprensa especializada. Ocupa o espaço
resultante da demolição do Convento de S. Bento da Ave Maria
Imagem do Convento de S.
Bento da Ave Maria, que viria a
dar lugar à actual estação
ferroviária de S. Bento
Cortejo no ano de 1894 no Largo
de São Bento (actual Praça de
Almeida Garrett), com antigo
Mosteiro de São Bento de Avé
Maria à direita e igreja dos
congregados ao fundo e ainda
existente
No início do século XVI, o rei D. Manuel I, mandou construir à custa de sua
fazenda, o Mosteiro da Ave Maria ou da Encarnação das monjas de São Bento,
dentro dos muros da cidade, no local chamado das Hortas do Bispo ou da
Cividade.
Desejando o rei que os Mosteiros das Religiosas se transferissem dos montes
para as cidades, neste foram recolhidas as monjas dos Mosteiros de Rio Tinto,
Vila Cova, Tarouquela e Tuias, no dia 6 de Janeiro de 1535. No século XVI
recebeu algumas freiras de um extinto mosteiro em Macieira de Sarnes.
Vários testemunhos referem-se ao Real Convento como uma maravilha em
decoração e magnificência, deduzindo-se ter predominado inicialmente o estilo
manuelino. Com a afirmação do Liberalismo no início do século XIX, este
regime, depois de extintas as ordens religiosas, confiscou os seus bens por
decretos de 1832 e 1834, determinando que estes passassem para o Estado após
a morte da última religiosa.
No caso do Mosteiro da Avé Maria, esta terá falecido em 1892, ficando as
instalações devolutas. Contam-se várias histórias de que, em certas noites,
ainda é possível ouvir as rezas da monja a ecoar pelos corredores das alas da
estação!
A demolição dos claustros inicia-se cerca de 1894 e a da igreja entre
Outubro de 1900 e Outubro de 1901. As ossadas das monjas foram
recolhidas numa catacumba mandada construir no cemitério do Prado do
Repouso pela Câmara Municipal do Porto, em 1894.
Muito do seu espólio perdeu-se por altura da demolição, incluindo uma
grande variedade de azulejos-tapete, alguns dos quais foram recolhidos. O
que resta do espólio pode apreciar-se no Museu do Seminário do Porto
(talha), na Igreja de São João das Caldas em Vizela (retábulo-mor da
igreja), Paço de S. Cipriano em Guimarães (azulejos do claustro), no Museu
Nacional de Arte Antiga em Lisboa (báculo da Abadessa) e no Mosteiro de
Singeverga em Roriz (cibório com pedras finas).
"Começou Gonçalo a frequentar conventos, e a palestrar com frades. O guardião dos franciscanos
era um sábio; os oratorianos eram-no todos; a erudição do padre Teodoro de Almeida ficara largo
tempo disseminada nos espíritos dos congregados. Por estas casas, e pela beneditina das freiras e
dos monges, é que o transfigurado matava o tempo, e armazenava farmacopeia religiosa para, no
inverno da vida, se medicar em enfermidades geradas nos desvarios da primavera. Com freiras era
menos assíduo, mas muito estimado e desejado. Denominavam-no as místicas beneditinas «o
fidalgo do milagre». Vinha a ser o milagre a mudança que faz o tempo e a desgraça do homem, que
em si mesmo abrange mais milagres que todos os sabidos e contados nos crédulos mosteiros daquela
época.
Naquele redil do Senhor tinha o patriarca S. Bento mui formosas filhas ao começo deste século.
Vinham elas algumas vezes à grade cumprimentar «o fidalgo do milagre», ouvi-lo discorrer em
coisas do Céu e da Terra, ditas com tanta unção e graça que nenhuma noviça ou freira nova as
ouviu, que se não sentisse mais conformada com a religião. E, tanto era assim, que já soltava a
intriga suas rasteiras serpes por entre as florinhas daqueles inocentes afectos. Se o fidalgo
chamava umas religiosas e esquecia outras, glosava-se o sucesso com estranhos inventos, mas
perdoáveis todos como desvios de espíritos frívolos dentro dos limites da candura monástica.
Recebia Gonçalo amiudados presentes de S. Bento, gulosinas fabricadas ou enfeitadas
por mãos de anjos.
[...]
Deixou de ir a S. Bento «o fidalgo do milagre». As senhoras escreviam-lhe a miúdo, ou
mandavam os capelães cumprimentá-lo. Em uma das cartas de saudação, assinavam-
se cinco freiras exemplaríssimas. Foi Maria das Dores quem, ausente o marido, abriu,
por acinte, a carta. Leu-a; e escreveu debaixo das assinaturas:
«Não sejam tolas. Vão rezar. Tenham juízo. E, se não têm que fazer, façam camisas
para os pobres, que é isso que faziam as antigas congregações de monjas beneditinas.»
E devolveu a carta.
As santas senhoras, quando tal viram, choraram muitas lágrimas; mas não me consta
que fizessem camisas aos pobres, cousa que me parece desnecessária à salvação."
In Estrelas funestas. Lisboa : Parceria A. M. Pereira, 1979. p. 78-79 e 81.
No século XVII havia locais onde se recolhiam mulheres orfãs, viúvas,
mulheres casadas com maridos ausentes e prostitutas, uns eram conventos,
outros casas de recolhimentos femininos . Havia quatro conventos (Corpus
Christi, Santa Clara, S. Bento da Avé Maria e Madre Deus de Monchique)
e apenas dois recolhimentos – o Recolhimento do Anjo e o de Nossa
Senhora do Patrocínio, destinados a diferentes tipos de mulheres.
O Convento da Ave Maria era selectivo e só mulheres com alguma condição
ali entravam, sobretudo nobres. Muitas pessoas ali quiseram recolher
familiares, mas por falta de estatuto social não eram aceites. Em vários
romances é relatada essa condição, por exemplo na Consolação, de Camilo.
No convento da Ave Maria organizavam-se muitos eventos e festas sociais
que permitiram a muitas mulheres ali internadas encontrar marido.
A algumas festas chamavam de Rapiocas (daí o termo Rapioqueiro)
O passeio incluiu a visita a alguns estabelecimentos que foram
ourivesarias de luxo e locais onde se situaram outras lojas de
luxo, grandes armazéns, fábricas e teatros.
Como é sabido a indústria da joalharia e ourivesaria está hoje
localizada na zona de Gondomar. Contudo, inicialmente era no
Porto que existia, onde a par dos estabelecimentos comerciais se
fazia a manufactura, fosse nas traseiras dos estabelecimentos ou
nos andares superiores.
Com o tempo a fabricação passou para Gondomar ficando o
Porto cidade apenas com o comércio.
Esta fotografia e as duas seguintes são de uma pastelaria actual situada a Sul da
Estação de S.Bento e que foi sede da célebre ourivesaria Cunha. O Evaristo é actual
à Procura de um porto desaparecio   (ad)
à Procura de um porto desaparecio   (ad)
O grupo admirando um dos tectos da pastelaria
à Procura de um porto desaparecio   (ad)
Outro estabelecimento, este sito um pouco mais abaixo, na Rua das Flores, que foi
ourivesaria a maior do Porto (Aliança) e hoje vende produtos regionais
à Procura de um porto desaparecio   (ad)
Tectos da extinta Ourivesaria Reis, que
se situava na esquina da actual Rua 31
de Janeiro (Antiga Santo António), com
a actual Rua de Santa Catarina. Hoje
vende sapatos, mas tem uma decoração
soberba. Vendia baixela desenhada por
Rafael Pinheiro.No diapositivo seguinte
está a fachada
à Procura de um porto desaparecio   (ad)
Origem do nome e História
Durante muito tempo foi chamada Rua de Santo António. Homenageia a revolta
republicana de 31 de Janeiro de 1891, desencadeada como reacção ao Ultimato
Britânico de 1890.
Construída em 1784, pretendia estabelecer uma comunicação cómoda entre o bairro de
Santo Ildefonso e o bairro do Bonjardim (na zona baixa da actual Praça de Almeida
Garrett). Antes da abertura a ligação fazia-se pela actual Rua da Madeira (porque durante
muito tempo esteve ali depositada a madeira resultante da destruição de uma construção por ali existente) que, por
aquele tempo, se denominava Calçada da Teresa.
Grande parte da rua foi construída sobre estacaria e arcos em pedra, para vencer o
enorme declive entre as extremidades da rua e também para dar passagem à "mina do
Bolhão" que por aí corria para alimentar as monjas do Convento da Ave Maria. Trata-
se de uma rua meticulosamente planeada, com os alçados dos seus prédios projectados
pelo arquitecto Teodoro de Sousa Maldonado, entre 1787 e 1793.
Foi aberta em 1805 com o nome R. Nova de Santo António. Stº António, devido
a Stº António dos Congregados; Nova, porque já havia outra R. de Stº António, na
.Conjuntamente com a R. dos Clérigos e a Praça de D. Pedro, depois, da Liberdade, a R. de Santo
António/31 de Janeiro—apesar da forte inclinação --, ganhou foros de excelência. Era a artéria
onde imperavam os luveiros, as alfaiatarias e os cabeleireiros da moda. Onde havia a Casa de
Banhos, o Teatro Circo e o Teatro Baquet, este mandado construir pelo alfaiate espanhol António
Pereira Baquet em 1859 e que, 29 anos depois, foi consumido por um violento incêndio. Sobre as
suas ruínas ergueram-se os Armazéns Hermínios que, segundo as crónicas da época, eram os
maiores e mais elegantes da cidade.
Em meados do séc. XIX havia no Porto sete estabelecimentos que vendiam luvas, quando estas
constituíam um adereço quase obrigatório do vestuário. Estavam todos nessa rua. A avaliar pelos
nomes dos proprietários, cinco dessas lojas pertenciam a franceses, um espanhol, Vicent e uma
portuguesa, Maria Martins.
Um dos mais célebres estabelecimentos que funcionaram nesta rua foi a Casa Prud'homme uma
"mercearia fina" pertencente, claro, a um cidadão francês. Neste estabelecimento vendiam-se os
melhores queijos do país de origem do dono, bem como os mais apreciados champanhes. Era
frequentado pela melhor sociedade portuense daquele tempo, como o presidente da câmara Oliveira
Monteiro, o médico Ricardo Jorge, ou o escritor Camilo Castelo Branco.
Chamou-se aos comerciantes da rua os “ratos da Grã Via”.
Rua 31 de Janeiro em
várias épocas
A Igreja de Santo Ildefonso está no
topo da Rua de Santo António.
Foi reconstruída a partir de 1730, por se
encontrar em ruínas a primeira igreja, e ficou
concluída em 1739, sendo dedicada a Santo
Ildefonso de Toledo.
A fachada é composta por duas torres sineiras
com dentilhões nas cornijas, rematadas em
cada face por esferas e frontões de fantasia.
Por cima do entablamento ergue-se o nicho do
padroeiro. Guarnecem as paredes azulejos de
Jorge Colaço (1932), com cenas da vida do
Santo e alegorias da Eucaristia.
A nave é de tipo poligonal em estilo proto-
barroco, com tecto em madeira e estuques
ornamentais repetidos nas paredes. Os altares
laterais são obras neo-clássicas e os colaterais
são de talha rococó. O retábulo em talha
barroca é rococó da segunda metade do séc.
XVIII.
A Igreja de Santo Ildefonso está no
topo da Rua de Santo António.
Foi reconstruída a partir de 1730, por se
encontrar em ruínas a primeira igreja, e ficou
concluída em 1739, sendo dedicada a Santo
Ildefonso de Toledo.
A fachada é composta por duas torres sineiras
com dentilhões nas cornijas, rematadas em
cada face por esferas e frontões de fantasia.
Por cima do entablamento ergue-se o nicho do
padroeiro. Guarnecem as paredes azulejos de
Jorge Colaço (1932), com cenas da vida do
Santo e alegorias da Eucaristia.
A nave é de tipo poligonal em estilo proto-
barroco, com tecto em madeira e estuques
ornamentais repetidos nas paredes. Os altares
laterais são obras neo-clássicas e os colaterais
são de talha rococó. O retábulo em talha
barroca é rococó da segunda metade do séc.
XVIII.
1. Sanefa do Altar exposto na Sacristia;
2. Fonte na Sacristia;
3. Cruz na Sacristia;
4. Raspador de Sapatos. A lama era
muita e, então, à porta das igrejas eram
colocados artefactos deste género. Na
Igreja de Santo Ildefonso existem 2,
um de cada lado da porta principal
1
4
2 3
Origem do nome e História
Diz a tradição que, no séc. X, este local foi palco de uma sangrenta batalha entre os
sarracenos de Almançor e os habitantes do Porto, que acabariam por sair derrotados,
originando o arrasamento da cidade.
No ângulo sudoeste da atual praça ficava situada a Porta do Cimo de Vila da Muralha
Fernandina, junto da qual ficava a Capela de Nossa Senhora da Batalha. No séc. XIII, a
zona sofreu grandes transformações, sendo demolida a muralha.
No lado oriental podemos ver uma palacete brasonado mandado construir nos fins do séc.
XVIII. Na altura do Cerco do Porto os proprietários pró-miguelistas abandonaram o palacete,
o que fez com que o governo liberal lá se instalasse, usando-o para várias instituições públicas
e hospital de sangue. Este palácio foi Estação central dos Correios, Telégrafos e Telefones ao
longo de grande parte do séc. XX, em 2009 o edifício foi vendido ao grupo hoteleiro Hotel
Dona Inês que aí prevê instalar um hotel de charme.
A praça é, desde 1866, dominada pelo monumento a D. Pedro V, da autoria de Reixeira
Lopes, pai Na praça está também localizado o Teatro Nacional de S. João, restaurado na
totalidade sob a orientação do nosso associado e dirigente José Cachetas e o Cine-Teatro
Batalha, ao lado do qual esteve o Cinema Águia D Ouro, hoje Hotel B&B
1 – Palacete que foi sede dos correios; 2 – Hotéis; 3 – Cinema Batalha: 4 – Teatro
Nacional de S. João
1
4
2
3
Denominado originalmente como Real Teatro de São João, a sua
primitiva edificação foi erguida em 1794, com projecto do arquitecto italiano
Vicente Mazzoneschi. Foi inaugurado em 1798.
A estrutura interior do original era semelhante à do Teatro de São Carlos, e
a sua composição próxima dos teatros de tipo italiano que, na época, se
tinham estabelecido como regra de sucesso.
Em 1908 um violento incêndio destruiu completamente o edifício.
Sem se conformar com a perda, logo uma comissão se constituiu para a sua
reconstrução, que teve início em1911, com projecto de Marques da Silva. Foi
inaugurado em 1920.
O atual edifício, de aspecto robusto mas sem estilo definido, é composto por
uma imponente frontaria guarnecida por quatro colunas jónicas, entre as
quais se abrem três janelas de arco pleno e outras tantas portas
.
A capela de Nossa Senhora da Batalha que foi demolida, em 1924. para "desafogo da
fachada do Teatro de S. João" era já no entanto posterior a uma outra, bastante mais
antiga, sob a mesma invocação, num local extramuros, da parte de fora, portanto, da
muralha fernandina, mas que pertencia à freguesia de Santo Ildefonso. Nessa capela foi
colocada a imagem de Nossa Senhora da Batalha que antes havia estado numa edícula sobre
a porta da muralha fernandina de Cima de Vila.
Em 1686 já se falava "…da fabrica da capella de Nossa senhora da Batalha, Nossa senhora
dos Remédios e S. José…"No lugar desta antiga ermida é que terá sido construída aquela
que foi demolida em 1924 e que pertencia ao Município portuense
A imagem da padroeira foi recolhida na Catedral em cujo museu está exposta ao público.
A capela de Nossa Senhora da Batalha que foi demolida, em 1924. para "desafogo da
fachada do Teatro de S. João" era já no entanto posterior a uma outra, bastante mais
antiga, sob a mesma invocação, num local extramuros, da parte de fora, portanto, da
muralha fernandina, mas que pertencia à freguesia de Santo Ildefonso. Nessa capela foi
colocada a imagem de Nossa Senhora da Batalha que antes havia estado numa edícula sobre
a porta da muralha fernandina de Cima de Vila.
Em 1686 já se falava "…da fabrica da capella de Nossa senhora da Batalha, Nossa senhora
dos Remédios e S. José…"No lugar desta antiga ermida é que terá sido construída aquela
que foi demolida em 1924 e que pertencia ao Município portuense
A imagem da padroeira foi recolhida na Catedral em cujo museu está exposta ao público.
O que foi o cinema Águia d Ouro é hoje um
hotel
CINEMA BATALHA
Neste local esteve uma fábrica com decoração árabe e a partir
de 1908, funcionou como sala de projecção de cinema Salão
High Life. Em 1947 foi transformada, pelo arquitecto Artur
Andrade, no Cinema Batalha.
Depois de seis anos fechado, voltou a abrir ao público em
2006, por arrendamento ao Comércio Vivo a uma parceria da
Câmara do Porto e Associação de Comerciantes com diversas
valências bar, restaurante, sala de espectáculos e Sala Bebé.
O Comércio Vivo foi criado para gerir os 5 milhões de euros
pagos ao grupo Amorim para compensar os comerciantes pela
inclusão de um shopping no Plano de Pormenor das Antas.
Em 31 de Dezembro de 2010, o Gabinete Comércio Vivo
entregou as chaves aos proprietários, no último dia do contrato
de gestão.
A precisar de uma intervenção, o espaço está fechado e sem
destino.
Aquando da abertura da rua, em 1903 a ideia original era construir uma cobertura
envidraçada, à semelhanças de idênticas galerias parisienses como Les Halles e outras,
daí o nome escolhido.
O quarteirão em que se integra, conjuntamente com a Rua Cândido dos Reis, a Rua das
Carmelitas e a Rua da Fábrica, pertenceu ao convento das Carmelitas. Os prédios que
ladeiam a Rua da Galeria de Paris são elegantes e de boa traça.
Ao longo da segunda metade do séc. XX, os armazéns de tecidos foram ocupando
grande parte dos edifícios da rua. É aí que se situam os populares Armazéns Marques
Soares e, do outro lado, está a Fernandes, Mattos & C.ª, casa de tecidos fundada em
1886.
De local triste e pouco habitado , tornou-se, em pouco tempo, naquilo que é muitas
vezes referido como um dos centros da movida portuense, fenómeno semelhante ao
Bairro Alto. Tudo começou em 2007, com a abertura de um bar numa antiga livraria.
O calendário variado de eventos que desenvolveu, com destaque para os concertos de
jazz, desencadeou o surgimento de outros espaços em todo o quarteirão, tornando este
num local da moda da noite do Porto, especialmente aos fins de semana.
Arte Nova no nº 28 da Rua e
A Rua em toda a sua extensão
Arte Nova na Rua Cândido dos Reis e a Rua em
toda a sua extensão
Arte Nova na Rua Cândido dos Reis e a Rua em
toda a sua extensão
à Procura de um porto desaparecio   (ad)
Pormenor da antiga Rua das Carmelitas à esquerda. Sabe-se, pela leitura de um relatório camarário, que a
Câmara do Porto solicitara, no ano de 1838, autorização à rainha D. Maria I para proceder ao seu alinhamento.
Isto significa que a artéria sofreu algumas alterações.
À época em que foi solicitado o referido alinhamento, a rua era bastante mais estreita do que é actualmente,
subia em curva por entre duas altas paredes, uma das quais delimitava a cerca do Convento. Anteriormente
talvez se tenha chamado do Calvário Velho, nome deste local e onde foi construído o Convento. Mas em 1839,
chamou-se Rua do Anjo, mas voltou a Carmelitas, não se sabe quando. À direita imagem de uma espécie de Feira
da Ladra, conhecida como Mercado dos Ferros Velhos que ali se realizava. Presume-se que a sua origem vem do
séc. XVII, pois há referencias a Ladra num documento da época. Quer dizer recepção e venda, velharias, etc. e
tal. Como hoje.
É o Palácio dos Condes de Vizela que ocupa o espaço do convento. A
autorização para a fundação do Convento de S. José e Santa Teresa de
Religiosas Carmelitas Descalças, pedida por Frei Pedro de Jesus, Geral dos
Carmelitas Descalços, foi concedida por D. Pedro I em 1701 e obteve a bênção
do bispo D. José de Santa Maria. As obras de construção levaram cerca de
duas décadas até ficarem concluídas.
Após a extinção do convento, em 1833, as suas instalações acolheram a
Escola Normal, a Direcção das Obras Públicas, os Correios e Telégrafos, o
Teatro Variedades, entre outros serviços, e nos terrenos da sua cerca tiveram
lugar uma série de diversões (exibições de animais ferozes, espectáculos de
variedades e circo), para além de peças de teatro popular. E até um Mercado
de Ferro Velho.
E por aqui acabou o passeio
em busca de um Porto
Desaparecido. Apenas de uma
pequena mas significativa
parte.
De tarde assisti a um concerto
de música sacra na Igreja da
Misericórdia, no nº 5 da Rua
das Flores, onde o Quarteto
Millenius Musicum
interpretou música sacra de
vários autores portugueses e
estrangeiros (Juan Cabanilles,
Atcadelt, Mozart, Gounod e
outros). Excelente! O concerto…
E por aqui acabou o passeio
em busca de um Porto
Desaparecido. Apenas de uma
pequena mas significativa
parte.
De tarde assisti a um concerto
de música sacra na Igreja da
Misericórdia, no nº 5 da Rua
das Flores, onde o Quarteto
Millenius Musicum
interpretou música sacra de
vários autores portugueses e
estrangeiros (Juan Cabanilles,
Atcadelt, Mozart, Gounod e
outros). Excelente! O concerto…
http://aaacarmelitas.blogspot.com
Obrigado
AAACARMELITAS/2012
Musica: Sentir Português
Interpretação de António Chainho

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

História da cidade e dos monumentos portuenses igreja sra do porto Professo...
História da cidade e dos monumentos portuenses   igreja sra do porto Professo...História da cidade e dos monumentos portuenses   igreja sra do porto Professo...
História da cidade e dos monumentos portuenses igreja sra do porto Professo...
Universidade Sénior Contemporânea do Porto
 
Zona sul 2
Zona sul 2Zona sul 2
Palácio de Westminster - A noite de Guy Fawkes - Artur Filipe dos Santos
Palácio de Westminster - A noite de Guy Fawkes - Artur Filipe dos Santos Palácio de Westminster - A noite de Guy Fawkes - Artur Filipe dos Santos
Palácio de Westminster - A noite de Guy Fawkes - Artur Filipe dos Santos
Artur Filipe dos Santos
 
Porto%20 há%20cem%20anos 10[2]
Porto%20 há%20cem%20anos 10[2]Porto%20 há%20cem%20anos 10[2]
Porto%20 há%20cem%20anos 10[2]
António Luís Catarino
 
História do porto jardins do porto - jardim de joão chagas
História do porto   jardins do porto - jardim de joão chagasHistória do porto   jardins do porto - jardim de joão chagas
História do porto jardins do porto - jardim de joão chagas
Artur Filipe dos Santos
 
História do Porto - Jardins e Praças do Porto : JARDIM DE JOÃO CHAGAS - Artur...
História do Porto - Jardins e Praças do Porto: JARDIM DE JOÃO CHAGAS - Artur...História do Porto - Jardins e Praças do Porto: JARDIM DE JOÃO CHAGAS - Artur...
História do Porto - Jardins e Praças do Porto : JARDIM DE JOÃO CHAGAS - Artur...
Universidade Sénior Contemporânea do Porto
 
Passeio pelo Largo de São Sebastião
Passeio pelo Largo de São SebastiãoPasseio pelo Largo de São Sebastião
Passeio pelo Largo de São Sebastião
Evany Nascimento
 
Coutos e terras de degredo no Algarve
Coutos e terras de degredo no AlgarveCoutos e terras de degredo no Algarve
Coutos e terras de degredo no Algarve
José Mesquita
 
História da cidade e dos monumentos portuenses palacio dos terenas quinta d...
História da cidade e dos monumentos portuenses   palacio dos terenas quinta d...História da cidade e dos monumentos portuenses   palacio dos terenas quinta d...
História da cidade e dos monumentos portuenses palacio dos terenas quinta d...
Universidade Sénior Contemporânea do Porto
 
Bahia brasil
Bahia brasilBahia brasil
Bahia brasil
Beatris Lopes
 
Salvador, Bahia
Salvador, BahiaSalvador, Bahia
Salvador, Bahia
Oracy Filho
 
Bahia
Bahia Bahia
Bahia
Irene Aguiar
 
Tragédia do vapor "Porto" - Artur Filipe dos Santos - História do Porto
Tragédia do vapor "Porto" - Artur Filipe dos Santos - História do PortoTragédia do vapor "Porto" - Artur Filipe dos Santos - História do Porto
Tragédia do vapor "Porto" - Artur Filipe dos Santos - História do Porto
Artur Filipe dos Santos
 
Museu Antonino de Faro e o turismo no Algarve
Museu Antonino de Faro e o turismo no AlgarveMuseu Antonino de Faro e o turismo no Algarve
Museu Antonino de Faro e o turismo no Algarve
José Mesquita
 
Pps delz@ tom vinicius
Pps delz@ tom viniciusPps delz@ tom vinicius
Pps delz@ tom vinicius
MENSAGENSDOROY
 
Pps delz@-salvador cravo-e_canela-p
Pps delz@-salvador cravo-e_canela-pPps delz@-salvador cravo-e_canela-p
Pps delz@-salvador cravo-e_canela-p
Radiotwittidade Madeinbahia
 
Brasil rio de janeiro
Brasil rio de janeiroBrasil rio de janeiro
Brasil rio de janeiro
joflay
 
Pps delz@ tom vinicius
Pps delz@ tom viniciusPps delz@ tom vinicius
Pps delz@ tom vinicius
afrodite2007
 
21272 modulos exposicao nucleo 01
21272 modulos exposicao nucleo 0121272 modulos exposicao nucleo 01
21272 modulos exposicao nucleo 01
AiCEi
 

Mais procurados (19)

História da cidade e dos monumentos portuenses igreja sra do porto Professo...
História da cidade e dos monumentos portuenses   igreja sra do porto Professo...História da cidade e dos monumentos portuenses   igreja sra do porto Professo...
História da cidade e dos monumentos portuenses igreja sra do porto Professo...
 
Zona sul 2
Zona sul 2Zona sul 2
Zona sul 2
 
Palácio de Westminster - A noite de Guy Fawkes - Artur Filipe dos Santos
Palácio de Westminster - A noite de Guy Fawkes - Artur Filipe dos Santos Palácio de Westminster - A noite de Guy Fawkes - Artur Filipe dos Santos
Palácio de Westminster - A noite de Guy Fawkes - Artur Filipe dos Santos
 
Porto%20 há%20cem%20anos 10[2]
Porto%20 há%20cem%20anos 10[2]Porto%20 há%20cem%20anos 10[2]
Porto%20 há%20cem%20anos 10[2]
 
História do porto jardins do porto - jardim de joão chagas
História do porto   jardins do porto - jardim de joão chagasHistória do porto   jardins do porto - jardim de joão chagas
História do porto jardins do porto - jardim de joão chagas
 
História do Porto - Jardins e Praças do Porto : JARDIM DE JOÃO CHAGAS - Artur...
História do Porto - Jardins e Praças do Porto: JARDIM DE JOÃO CHAGAS - Artur...História do Porto - Jardins e Praças do Porto: JARDIM DE JOÃO CHAGAS - Artur...
História do Porto - Jardins e Praças do Porto : JARDIM DE JOÃO CHAGAS - Artur...
 
Passeio pelo Largo de São Sebastião
Passeio pelo Largo de São SebastiãoPasseio pelo Largo de São Sebastião
Passeio pelo Largo de São Sebastião
 
Coutos e terras de degredo no Algarve
Coutos e terras de degredo no AlgarveCoutos e terras de degredo no Algarve
Coutos e terras de degredo no Algarve
 
História da cidade e dos monumentos portuenses palacio dos terenas quinta d...
História da cidade e dos monumentos portuenses   palacio dos terenas quinta d...História da cidade e dos monumentos portuenses   palacio dos terenas quinta d...
História da cidade e dos monumentos portuenses palacio dos terenas quinta d...
 
Bahia brasil
Bahia brasilBahia brasil
Bahia brasil
 
Salvador, Bahia
Salvador, BahiaSalvador, Bahia
Salvador, Bahia
 
Bahia
Bahia Bahia
Bahia
 
Tragédia do vapor "Porto" - Artur Filipe dos Santos - História do Porto
Tragédia do vapor "Porto" - Artur Filipe dos Santos - História do PortoTragédia do vapor "Porto" - Artur Filipe dos Santos - História do Porto
Tragédia do vapor "Porto" - Artur Filipe dos Santos - História do Porto
 
Museu Antonino de Faro e o turismo no Algarve
Museu Antonino de Faro e o turismo no AlgarveMuseu Antonino de Faro e o turismo no Algarve
Museu Antonino de Faro e o turismo no Algarve
 
Pps delz@ tom vinicius
Pps delz@ tom viniciusPps delz@ tom vinicius
Pps delz@ tom vinicius
 
Pps delz@-salvador cravo-e_canela-p
Pps delz@-salvador cravo-e_canela-pPps delz@-salvador cravo-e_canela-p
Pps delz@-salvador cravo-e_canela-p
 
Brasil rio de janeiro
Brasil rio de janeiroBrasil rio de janeiro
Brasil rio de janeiro
 
Pps delz@ tom vinicius
Pps delz@ tom viniciusPps delz@ tom vinicius
Pps delz@ tom vinicius
 
21272 modulos exposicao nucleo 01
21272 modulos exposicao nucleo 0121272 modulos exposicao nucleo 01
21272 modulos exposicao nucleo 01
 

Semelhante a à Procura de um porto desaparecio (ad)

Porto ontem e hoje bach
Porto ontem e hoje   bachPorto ontem e hoje   bach
Porto ontem e hoje bach
Paula Andrade
 
Centro velho de São Paulo
Centro velho de São PauloCentro velho de São Paulo
Centro velho de São Paulo
Bruno Dinardi
 
Praça xv
Praça xvPraça xv
Metrô 2
Metrô 2Metrô 2
Artur Filipe dos Santos - História da cidade e dos monumentos portuenses ca...
Artur Filipe dos Santos - História da cidade e dos monumentos portuenses   ca...Artur Filipe dos Santos - História da cidade e dos monumentos portuenses   ca...
Artur Filipe dos Santos - História da cidade e dos monumentos portuenses ca...
Artur Filipe dos Santos
 
História da cidade e dos monumentos portuenses capelas do porto Professor D...
História da cidade e dos monumentos portuenses   capelas do porto Professor D...História da cidade e dos monumentos portuenses   capelas do porto Professor D...
História da cidade e dos monumentos portuenses capelas do porto Professor D...
Universidade Sénior Contemporânea do Porto
 
Centro cultural do rio de janei
Centro cultural do rio de janei Centro cultural do rio de janei
Centro cultural do rio de janei
luciafarialima
 
Artur Filipe dos Santos - História do porto - escadas do codeçal e rua escura...
Artur Filipe dos Santos - História do porto - escadas do codeçal e rua escura...Artur Filipe dos Santos - História do porto - escadas do codeçal e rua escura...
Artur Filipe dos Santos - História do porto - escadas do codeçal e rua escura...
Artur Filipe dos Santos
 
Centro Cultural do Rio de Janeiro
Centro Cultural do Rio de JaneiroCentro Cultural do Rio de Janeiro
Centro Cultural do Rio de Janeiro
Luiz Carlos Dias
 
Centro Cultural do Rio de Janeiro - Brasil
Centro Cultural do Rio de Janeiro - BrasilCentro Cultural do Rio de Janeiro - Brasil
Centro Cultural do Rio de Janeiro - Brasil
M Teresinha Oliveira
 
História do Porto - Jardim João Chagas - Professor Doutor Artur Filipe dos Sa...
História do Porto - Jardim João Chagas - Professor Doutor Artur Filipe dos Sa...História do Porto - Jardim João Chagas - Professor Doutor Artur Filipe dos Sa...
História do Porto - Jardim João Chagas - Professor Doutor Artur Filipe dos Sa...
Artur Filipe dos Santos
 
História do porto jardins do porto - jardim de joão chagas
História do porto   jardins do porto - jardim de joão chagasHistória do porto   jardins do porto - jardim de joão chagas
História do porto jardins do porto - jardim de joão chagas
Artur Filipe dos Santos
 
S-T-C-6
S-T-C-6S-T-C-6
S-T-C-6
Sousa1973
 
Vassouras - Rio de Janeiro - Brasil
Vassouras - Rio de Janeiro - BrasilVassouras - Rio de Janeiro - Brasil
Vassouras - Rio de Janeiro - Brasil
Fatinha
 
Vivendo em São Paulo
Vivendo em São PauloVivendo em São Paulo
Vivendo em São Paulo
Yasmin Rópa
 
Centro cultural do ri
Centro cultural do ri Centro cultural do ri
Centro cultural do ri
Ariana Martins
 
Av. Presidente Vargas - O antes, o durante e o depois
Av. Presidente Vargas - O antes, o durante e o depoisAv. Presidente Vargas - O antes, o durante e o depois
Av. Presidente Vargas - O antes, o durante e o depois
Luiz Dias
 
Av. Presidente Vargas - O antes, o durante e o depois
Av. Presidente Vargas - O antes, o durante e o depoisAv. Presidente Vargas - O antes, o durante e o depois
Av. Presidente Vargas - O antes, o durante e o depois
Luiz Carlos Dias
 
Praça 8 de Maio - Coimbra
Praça 8 de Maio - CoimbraPraça 8 de Maio - Coimbra
Praça 8 de Maio - Coimbra
Câmara Municipal de Coimbra
 
Artur Filipe dos Santos - A Capela dos Reis Magos ou dos Gaiteiros
Artur Filipe dos Santos - A Capela dos Reis Magos ou dos GaiteirosArtur Filipe dos Santos - A Capela dos Reis Magos ou dos Gaiteiros
Artur Filipe dos Santos - A Capela dos Reis Magos ou dos Gaiteiros
Artur Filipe dos Santos
 

Semelhante a à Procura de um porto desaparecio (ad) (20)

Porto ontem e hoje bach
Porto ontem e hoje   bachPorto ontem e hoje   bach
Porto ontem e hoje bach
 
Centro velho de São Paulo
Centro velho de São PauloCentro velho de São Paulo
Centro velho de São Paulo
 
Praça xv
Praça xvPraça xv
Praça xv
 
Metrô 2
Metrô 2Metrô 2
Metrô 2
 
Artur Filipe dos Santos - História da cidade e dos monumentos portuenses ca...
Artur Filipe dos Santos - História da cidade e dos monumentos portuenses   ca...Artur Filipe dos Santos - História da cidade e dos monumentos portuenses   ca...
Artur Filipe dos Santos - História da cidade e dos monumentos portuenses ca...
 
História da cidade e dos monumentos portuenses capelas do porto Professor D...
História da cidade e dos monumentos portuenses   capelas do porto Professor D...História da cidade e dos monumentos portuenses   capelas do porto Professor D...
História da cidade e dos monumentos portuenses capelas do porto Professor D...
 
Centro cultural do rio de janei
Centro cultural do rio de janei Centro cultural do rio de janei
Centro cultural do rio de janei
 
Artur Filipe dos Santos - História do porto - escadas do codeçal e rua escura...
Artur Filipe dos Santos - História do porto - escadas do codeçal e rua escura...Artur Filipe dos Santos - História do porto - escadas do codeçal e rua escura...
Artur Filipe dos Santos - História do porto - escadas do codeçal e rua escura...
 
Centro Cultural do Rio de Janeiro
Centro Cultural do Rio de JaneiroCentro Cultural do Rio de Janeiro
Centro Cultural do Rio de Janeiro
 
Centro Cultural do Rio de Janeiro - Brasil
Centro Cultural do Rio de Janeiro - BrasilCentro Cultural do Rio de Janeiro - Brasil
Centro Cultural do Rio de Janeiro - Brasil
 
História do Porto - Jardim João Chagas - Professor Doutor Artur Filipe dos Sa...
História do Porto - Jardim João Chagas - Professor Doutor Artur Filipe dos Sa...História do Porto - Jardim João Chagas - Professor Doutor Artur Filipe dos Sa...
História do Porto - Jardim João Chagas - Professor Doutor Artur Filipe dos Sa...
 
História do porto jardins do porto - jardim de joão chagas
História do porto   jardins do porto - jardim de joão chagasHistória do porto   jardins do porto - jardim de joão chagas
História do porto jardins do porto - jardim de joão chagas
 
S-T-C-6
S-T-C-6S-T-C-6
S-T-C-6
 
Vassouras - Rio de Janeiro - Brasil
Vassouras - Rio de Janeiro - BrasilVassouras - Rio de Janeiro - Brasil
Vassouras - Rio de Janeiro - Brasil
 
Vivendo em São Paulo
Vivendo em São PauloVivendo em São Paulo
Vivendo em São Paulo
 
Centro cultural do ri
Centro cultural do ri Centro cultural do ri
Centro cultural do ri
 
Av. Presidente Vargas - O antes, o durante e o depois
Av. Presidente Vargas - O antes, o durante e o depoisAv. Presidente Vargas - O antes, o durante e o depois
Av. Presidente Vargas - O antes, o durante e o depois
 
Av. Presidente Vargas - O antes, o durante e o depois
Av. Presidente Vargas - O antes, o durante e o depoisAv. Presidente Vargas - O antes, o durante e o depois
Av. Presidente Vargas - O antes, o durante e o depois
 
Praça 8 de Maio - Coimbra
Praça 8 de Maio - CoimbraPraça 8 de Maio - Coimbra
Praça 8 de Maio - Coimbra
 
Artur Filipe dos Santos - A Capela dos Reis Magos ou dos Gaiteiros
Artur Filipe dos Santos - A Capela dos Reis Magos ou dos GaiteirosArtur Filipe dos Santos - A Capela dos Reis Magos ou dos Gaiteiros
Artur Filipe dos Santos - A Capela dos Reis Magos ou dos Gaiteiros
 

Mais de jmpcard

Agora
AgoraAgora
Agora
jmpcard
 
O bem-volta-para-voce
O bem-volta-para-voceO bem-volta-para-voce
O bem-volta-para-voce
jmpcard
 
A felicidade anda_por_ai
A felicidade anda_por_aiA felicidade anda_por_ai
A felicidade anda_por_ai
jmpcard
 
Ano novo. . um novo começo
Ano novo. . um novo começoAno novo. . um novo começo
Ano novo. . um novo começo
jmpcard
 
A arte de estar com o outro
A arte de estar com o outroA arte de estar com o outro
A arte de estar com o outro
jmpcard
 
Como arvores
Como arvoresComo arvores
Como arvores
jmpcard
 
Pinturas e reflexoes
Pinturas e reflexoesPinturas e reflexoes
Pinturas e reflexoes
jmpcard
 
Tocando em frente
Tocando em frenteTocando em frente
Tocando em frente
jmpcard
 
Viva o agora
Viva o agoraViva o agora
Viva o agora
jmpcard
 
Para viver melhor
Para viver melhorPara viver melhor
Para viver melhor
jmpcard
 
Fragmentos
FragmentosFragmentos
Fragmentos
jmpcard
 
08 goteira
08 goteira08 goteira
08 goteira
jmpcard
 
Um olhar diferente parte 14 (c.m)
Um olhar diferente parte 14 (c.m)Um olhar diferente parte 14 (c.m)
Um olhar diferente parte 14 (c.m)
jmpcard
 
Janelas de lisboa e antónio gedeão
Janelas de lisboa e antónio gedeãoJanelas de lisboa e antónio gedeão
Janelas de lisboa e antónio gedeão
jmpcard
 
Veiculos estranhos
Veiculos estranhosVeiculos estranhos
Veiculos estranhos
jmpcard
 
Italia
Italia Italia
Italia
jmpcard
 
Fotos a Preto e Branco
Fotos a Preto e BrancoFotos a Preto e Branco
Fotos a Preto e Branco
jmpcard
 
Mic jane perkins - kidobott tárgyakból
Mic jane perkins - kidobott tárgyakbólMic jane perkins - kidobott tárgyakból
Mic jane perkins - kidobott tárgyakból
jmpcard
 
Pelas portas do coracao
Pelas portas do coracaoPelas portas do coracao
Pelas portas do coracao
jmpcard
 
07 fruta
07 fruta07 fruta
07 fruta
jmpcard
 

Mais de jmpcard (20)

Agora
AgoraAgora
Agora
 
O bem-volta-para-voce
O bem-volta-para-voceO bem-volta-para-voce
O bem-volta-para-voce
 
A felicidade anda_por_ai
A felicidade anda_por_aiA felicidade anda_por_ai
A felicidade anda_por_ai
 
Ano novo. . um novo começo
Ano novo. . um novo começoAno novo. . um novo começo
Ano novo. . um novo começo
 
A arte de estar com o outro
A arte de estar com o outroA arte de estar com o outro
A arte de estar com o outro
 
Como arvores
Como arvoresComo arvores
Como arvores
 
Pinturas e reflexoes
Pinturas e reflexoesPinturas e reflexoes
Pinturas e reflexoes
 
Tocando em frente
Tocando em frenteTocando em frente
Tocando em frente
 
Viva o agora
Viva o agoraViva o agora
Viva o agora
 
Para viver melhor
Para viver melhorPara viver melhor
Para viver melhor
 
Fragmentos
FragmentosFragmentos
Fragmentos
 
08 goteira
08 goteira08 goteira
08 goteira
 
Um olhar diferente parte 14 (c.m)
Um olhar diferente parte 14 (c.m)Um olhar diferente parte 14 (c.m)
Um olhar diferente parte 14 (c.m)
 
Janelas de lisboa e antónio gedeão
Janelas de lisboa e antónio gedeãoJanelas de lisboa e antónio gedeão
Janelas de lisboa e antónio gedeão
 
Veiculos estranhos
Veiculos estranhosVeiculos estranhos
Veiculos estranhos
 
Italia
Italia Italia
Italia
 
Fotos a Preto e Branco
Fotos a Preto e BrancoFotos a Preto e Branco
Fotos a Preto e Branco
 
Mic jane perkins - kidobott tárgyakból
Mic jane perkins - kidobott tárgyakbólMic jane perkins - kidobott tárgyakból
Mic jane perkins - kidobott tárgyakból
 
Pelas portas do coracao
Pelas portas do coracaoPelas portas do coracao
Pelas portas do coracao
 
07 fruta
07 fruta07 fruta
07 fruta
 

à Procura de um porto desaparecio (ad)

  • 1. E n c o n t r o C u l t u r a l À PROCURA DE UM PORTO DESAPARECIDO Aqui começou a espera dos participantes http://aaacarmelitas.blogspot.com
  • 2. Com este trabalho pretende-se dar a conhecer por palavras e imagens aos antigos alunos do seminário da Ordem do Carmo em Portugal alguns traços de um Porto já Desaparecido. Desde já a AAACARMELITAS agradece à Drª Isabel Andrade, guia do evento integrado na Festa da Baixa organizada pelo Instituto Nacional de Cultura. Pede-se também desculpa à Drª Isabel caso a narrativa que vamos encetar não corresponda à sua mensagem, o que justificamos não só pelo barulho do trânsito, mas também por deficiências do autor desta narrativa. Procurou-se elucidar o trabalho não só com fotografias batidas no momento, mas também com imagens e algumas ideias extraídas da Internet
  • 3. O início do passeio à procura de UM PORTO DESAPARECIDO estava marcado para a porta do café Guarany, às 9,30 h. Começou às 9,40 h com 19 participantes. As primeiras e longas palavras da guia aconteceram à porta do café, mas de difícil escuta por força do trânsito
  • 4. O Café Guarany é um café e restaurante sito na Avenida dos Aliados, em plena Baixa do Porto. Integrado num surto de abertura de cafés na cidade na década de 1930, em 29 de Janeiro de 1933 foi inaugurado, projecto do arquitecto Rogério Azevedo com decoração do escultor Henrique Moreira. Espaço de convívio, tertúlias e cultura desde a sua fundação, em 2003 foi totalmente restaurado, buscando um compromisso entre a tradição e a qualidade de serviço. Uma das paredes passou a ostentar pinturas de Graça Morais. A sua decoração relembra os índios guarany da América Meridional (daí o seu nome)e a sua evocação tropical é alusiva ao Brasil do séc. XX como primeiro produtor de café. Foi o primeiro café a ter ar condicionado no Porto.
  • 6. TOPONÍMIA -Anteriormente, a atual Praça da Liberdade designou-se por Casal ou Lugar de Paio de Novais e Sítio ou Fonte da Arca (durante o século XV); Lugar ou Praça da Natividade (depois de 1682, devido à fonte lá construída nesse ano); Quinta, Campo ou Sítio das Hortas (até 1711); Praça Nova das Hortas (depois de 1711); Praça da Constituição (1820); Praça de D. Pedro IV (1833) e, ainda que por poucos dias, Praça da República (13 de Outubro de 1910). A designação presente — Praça da Liberdade — foi adotada em 27 de Outubro de 1910. O nome é uma alusão ao sistema republicano de governo.
  • 7. HISTÓRIA - Propriedade do Cabido da Sé do Porto, esta área, localizada no exterior das Muralhas Fernandinas que cercavam a cidade — entre a Porta de Carros e a de Santo Elói —, teve projetos de criação de uma praça pública em 1691 e em 1709 que não se chegaram a concretizar. Em 1718, novo projeto foi lançado, tendo o Cabido da Sé cedido os terrenos necessários à abertura da praça. Novas ruas foram então também rasgadas, entre as quais a Rua do Laranjal das Hortas (hoje desaparecida) e a Rua da Cruz (atual Rua da Fábrica). Da concretização deste projeto resultaria a Praça Nova, limitada a norte por dois palacetes onde, entre 1819 e 1915, funcionaram os Paços do Concelho; a oriente pelo Convento dos Congregados; a sul por um troço da Muralha Fernandina, destruído em 1788 para dar lugar ao Convento de Santo Elói — só terminado no século XIX, sendo posteriormente sido chamado Palácio das Cardosas . O lado poente, só mais tarde edificado.
  • 8. A instalação do edifício da câmara municipal no local em 1819, a inauguração da Ponte de D. Luís em 1887, a extensão da via férrea até ao local em 1896, com a construção da Estação de S. Bento, foram fatores decisivos para tornar a, então chamada, Praça de D. Pedro IV, no centro político, económico e social da cidade do Porto. Em meados do século XIX, a Praça era já o "ponto predileto de reunião dos homens graves da política e do jornalismo, da alta mercância tripeira e dos brasileiros” Aqui predominavam os botequins — "Guichard", "Porto Clube", "Camacho", "Suíço", "Europa", "Antiga Cascata", "Internacional", etc. — progressivamente desaparecidos para dar lugar a entidades bancárias, companhias seguradoras e escritórios. Em 1916 foi demolido o edifício que serviu de Paços do Concelho, a norte da Praça da Liberdade, bem como diversos arruamentos vizinhos — ruas do Laranjal, de D. Pedro, etc. —, iniciando-se as obras de construção da ampla Avenida dos Aliados, ao cimo da qual foram construídos os modernos Paços do Concelho do Porto amplo edifício em granito e mármore, projeto de 1920 do arquiteto Correia da Silva. A Praça da Liberdade ficou, assim, ligada à nova Avenida dos Aliados e à Praça General Humberto Delgado, num conjunto urbano de grande monumentalidade e de particular interesse histórico e artístico
  • 9. Câmara Municipal demolida (A Norte) Poente: Actual Banco de Portugal, Pastelaria Ateneia e outras lojas comerciais, onde antes eram hortas do bispo Nascente: Situava- se o Convento dos Congregados, onde actualmente se encontra a CGD, a Casa da Sorte e o Mc Donald´s, antigo café Imperial A Sul ficava o Convento de Santo Elói, actual Hotel de Luxo, e onde esteve também um banco
  • 10. Este é o lado nascente da Praça, cujo casario constituiu o Convento dos Congregados, mas na época da imagem era já habitação e comércio. Vê-se a ainda actual Igreja dos Congregados
  • 11. Neste quadro a óleo vê-se ao fundo o edifício camarário e no centro a estátua de D. Pedro IV, hoje deslocada mais para sul. Repare-se que tinha gradeamento e, durante muito tempo, foi guardada permanentemente por um militar. (Se calhar hoje também se justificava, porque é muitas vezes vandalizada)
  • 12. desapareceram da zona a forca, a Capela dos Reis Magos (na figura ao lado) que se situava junto à Câmara. (tem a particularidade de ter sido desmontada pedra a pedra e comprada por um brasileiro que a edificou em Pocariça – Cantanhede com a mesma configuração).Desapareceu também a Igreja da Natividade (onde está a CGD, antes BNU), a Fonte da Natividade, também conhecida por Fonte da Arca, embelezada com carrancas. Desapareceu ainda a Capela de S. Crispim (Hoje na Rua Santos Pousada), O Convento dos Lóios, o Convento da Ave Maria (Hoje Estação de S. Bento), o Convento
  • 13.  No tempo de D. Miguel, a forca situada na praça foi muitas vezes usada e, diz-se que os frades de Santo António dos Congregados presenciavam os enforcamentos das janelas do convento com grande alegria comendo bolos e bebendo vinho do Porto;  A Praça foi o primeiro local público da cidade a ser pavimentado;  Circulavam por aqui eléctricos; O comércio era florescente, respirava-se modernidade no início do século XX, pelo que ao local se chamou também PASMATÓRIO, face à estupefacção dos visitantes perante tanta novidade.  Num raio de 300 metros desapareceram, pelo menos, cinco Conventos, na sequência da extinção das Ordens Religiosas em 1834 (Lóios, Congregados, Santo Elói, Ave Maria e Carmelitas
  • 14. Esta porta era a entrada principal para o Convento dos Congregados, do qual, os frades mauzinhos, de acordo com a guia, festejavam os enforcamentos. Foi Noviciado. Situa-se na Travessa dos Congregados, artéria sem saída mas onde existem vários restaurantes. Dá acesso a um bloco de escritórios.
  • 15. Na zona coberta pelo passeio, existiram numerosos botequins e cafés, os primeiros de grande expressão até meados do século XIX e os segundos a partir da segunda metade; Desapareceram o Botequim do Sr. Frutuoso, O Botequim das Hortas, o Botequim da Neve (Servia sorvetes e era o preferido pelos libertinos da época) e o Guichard. Sobre este escreveu Firmino Pereira “aí se reuniam habitualmente os literatos, os poetas e os românticos que vinham das agitações do Cerco (do Porto) e da Patuleia e que entre um cálice de licor e uma fumaça de charuto, decidiam os destinos da arte e da política”. Aí os poetas suspiravam, mas também batiam… e levavam. À noite compunham poemas, combinavam raptos e conjuras.
  • 16. Cafés importantes na zona entretanto desaparecidos da actual Praça da Liberdade e que foram instalados a partir da 2ª metade do séc XIX:  O Lusitano, mais tarde o Suíço;  O Portuense  O Camacho;  O Lisbonense;  O Ventura;  O Central;  O Imperial (hoje McDonald´s) “À volta da bebida negra como o inferno, doce como o pecado, quente como o amor” como dizia Vicky Baun, sempre se juntaram artistas, políticos e escritores em tertúlias determinantes da formação de correntes políticas, artísticas e literárias.
  • 17. Esta imagem representa uma das paredes do café Brasil, situado a Norte da Estação de S. Bento, que ostenta o seu desenho original. Existe desde 1859 e, ao tempo, tinha duas mesas exclusivas para jogar dominó. Numa delas, a dos Cardeais, sentavam-se Guilherme Braga e Paulo Falcão. Na outra, a dos Indígenas, sentavam-se Arnaldo Leite, Sampaio Bruno e
  • 18. Estação de São Bento uma das 14 estações mais bonitas do mundo de acordo com a imprensa especializada. Ocupa o espaço resultante da demolição do Convento de S. Bento da Ave Maria
  • 19. Imagem do Convento de S. Bento da Ave Maria, que viria a dar lugar à actual estação ferroviária de S. Bento Cortejo no ano de 1894 no Largo de São Bento (actual Praça de Almeida Garrett), com antigo Mosteiro de São Bento de Avé Maria à direita e igreja dos congregados ao fundo e ainda existente
  • 20. No início do século XVI, o rei D. Manuel I, mandou construir à custa de sua fazenda, o Mosteiro da Ave Maria ou da Encarnação das monjas de São Bento, dentro dos muros da cidade, no local chamado das Hortas do Bispo ou da Cividade. Desejando o rei que os Mosteiros das Religiosas se transferissem dos montes para as cidades, neste foram recolhidas as monjas dos Mosteiros de Rio Tinto, Vila Cova, Tarouquela e Tuias, no dia 6 de Janeiro de 1535. No século XVI recebeu algumas freiras de um extinto mosteiro em Macieira de Sarnes. Vários testemunhos referem-se ao Real Convento como uma maravilha em decoração e magnificência, deduzindo-se ter predominado inicialmente o estilo manuelino. Com a afirmação do Liberalismo no início do século XIX, este regime, depois de extintas as ordens religiosas, confiscou os seus bens por decretos de 1832 e 1834, determinando que estes passassem para o Estado após a morte da última religiosa.
  • 21. No caso do Mosteiro da Avé Maria, esta terá falecido em 1892, ficando as instalações devolutas. Contam-se várias histórias de que, em certas noites, ainda é possível ouvir as rezas da monja a ecoar pelos corredores das alas da estação! A demolição dos claustros inicia-se cerca de 1894 e a da igreja entre Outubro de 1900 e Outubro de 1901. As ossadas das monjas foram recolhidas numa catacumba mandada construir no cemitério do Prado do Repouso pela Câmara Municipal do Porto, em 1894. Muito do seu espólio perdeu-se por altura da demolição, incluindo uma grande variedade de azulejos-tapete, alguns dos quais foram recolhidos. O que resta do espólio pode apreciar-se no Museu do Seminário do Porto (talha), na Igreja de São João das Caldas em Vizela (retábulo-mor da igreja), Paço de S. Cipriano em Guimarães (azulejos do claustro), no Museu Nacional de Arte Antiga em Lisboa (báculo da Abadessa) e no Mosteiro de Singeverga em Roriz (cibório com pedras finas).
  • 22. "Começou Gonçalo a frequentar conventos, e a palestrar com frades. O guardião dos franciscanos era um sábio; os oratorianos eram-no todos; a erudição do padre Teodoro de Almeida ficara largo tempo disseminada nos espíritos dos congregados. Por estas casas, e pela beneditina das freiras e dos monges, é que o transfigurado matava o tempo, e armazenava farmacopeia religiosa para, no inverno da vida, se medicar em enfermidades geradas nos desvarios da primavera. Com freiras era menos assíduo, mas muito estimado e desejado. Denominavam-no as místicas beneditinas «o fidalgo do milagre». Vinha a ser o milagre a mudança que faz o tempo e a desgraça do homem, que em si mesmo abrange mais milagres que todos os sabidos e contados nos crédulos mosteiros daquela época. Naquele redil do Senhor tinha o patriarca S. Bento mui formosas filhas ao começo deste século. Vinham elas algumas vezes à grade cumprimentar «o fidalgo do milagre», ouvi-lo discorrer em coisas do Céu e da Terra, ditas com tanta unção e graça que nenhuma noviça ou freira nova as ouviu, que se não sentisse mais conformada com a religião. E, tanto era assim, que já soltava a intriga suas rasteiras serpes por entre as florinhas daqueles inocentes afectos. Se o fidalgo chamava umas religiosas e esquecia outras, glosava-se o sucesso com estranhos inventos, mas perdoáveis todos como desvios de espíritos frívolos dentro dos limites da candura monástica.
  • 23. Recebia Gonçalo amiudados presentes de S. Bento, gulosinas fabricadas ou enfeitadas por mãos de anjos. [...] Deixou de ir a S. Bento «o fidalgo do milagre». As senhoras escreviam-lhe a miúdo, ou mandavam os capelães cumprimentá-lo. Em uma das cartas de saudação, assinavam- se cinco freiras exemplaríssimas. Foi Maria das Dores quem, ausente o marido, abriu, por acinte, a carta. Leu-a; e escreveu debaixo das assinaturas: «Não sejam tolas. Vão rezar. Tenham juízo. E, se não têm que fazer, façam camisas para os pobres, que é isso que faziam as antigas congregações de monjas beneditinas.» E devolveu a carta. As santas senhoras, quando tal viram, choraram muitas lágrimas; mas não me consta que fizessem camisas aos pobres, cousa que me parece desnecessária à salvação." In Estrelas funestas. Lisboa : Parceria A. M. Pereira, 1979. p. 78-79 e 81.
  • 24. No século XVII havia locais onde se recolhiam mulheres orfãs, viúvas, mulheres casadas com maridos ausentes e prostitutas, uns eram conventos, outros casas de recolhimentos femininos . Havia quatro conventos (Corpus Christi, Santa Clara, S. Bento da Avé Maria e Madre Deus de Monchique) e apenas dois recolhimentos – o Recolhimento do Anjo e o de Nossa Senhora do Patrocínio, destinados a diferentes tipos de mulheres. O Convento da Ave Maria era selectivo e só mulheres com alguma condição ali entravam, sobretudo nobres. Muitas pessoas ali quiseram recolher familiares, mas por falta de estatuto social não eram aceites. Em vários romances é relatada essa condição, por exemplo na Consolação, de Camilo. No convento da Ave Maria organizavam-se muitos eventos e festas sociais que permitiram a muitas mulheres ali internadas encontrar marido. A algumas festas chamavam de Rapiocas (daí o termo Rapioqueiro)
  • 25. O passeio incluiu a visita a alguns estabelecimentos que foram ourivesarias de luxo e locais onde se situaram outras lojas de luxo, grandes armazéns, fábricas e teatros. Como é sabido a indústria da joalharia e ourivesaria está hoje localizada na zona de Gondomar. Contudo, inicialmente era no Porto que existia, onde a par dos estabelecimentos comerciais se fazia a manufactura, fosse nas traseiras dos estabelecimentos ou nos andares superiores. Com o tempo a fabricação passou para Gondomar ficando o Porto cidade apenas com o comércio.
  • 26. Esta fotografia e as duas seguintes são de uma pastelaria actual situada a Sul da Estação de S.Bento e que foi sede da célebre ourivesaria Cunha. O Evaristo é actual
  • 29. O grupo admirando um dos tectos da pastelaria
  • 31. Outro estabelecimento, este sito um pouco mais abaixo, na Rua das Flores, que foi ourivesaria a maior do Porto (Aliança) e hoje vende produtos regionais
  • 33. Tectos da extinta Ourivesaria Reis, que se situava na esquina da actual Rua 31 de Janeiro (Antiga Santo António), com a actual Rua de Santa Catarina. Hoje vende sapatos, mas tem uma decoração soberba. Vendia baixela desenhada por Rafael Pinheiro.No diapositivo seguinte está a fachada
  • 35. Origem do nome e História Durante muito tempo foi chamada Rua de Santo António. Homenageia a revolta republicana de 31 de Janeiro de 1891, desencadeada como reacção ao Ultimato Britânico de 1890. Construída em 1784, pretendia estabelecer uma comunicação cómoda entre o bairro de Santo Ildefonso e o bairro do Bonjardim (na zona baixa da actual Praça de Almeida Garrett). Antes da abertura a ligação fazia-se pela actual Rua da Madeira (porque durante muito tempo esteve ali depositada a madeira resultante da destruição de uma construção por ali existente) que, por aquele tempo, se denominava Calçada da Teresa. Grande parte da rua foi construída sobre estacaria e arcos em pedra, para vencer o enorme declive entre as extremidades da rua e também para dar passagem à "mina do Bolhão" que por aí corria para alimentar as monjas do Convento da Ave Maria. Trata- se de uma rua meticulosamente planeada, com os alçados dos seus prédios projectados pelo arquitecto Teodoro de Sousa Maldonado, entre 1787 e 1793. Foi aberta em 1805 com o nome R. Nova de Santo António. Stº António, devido a Stº António dos Congregados; Nova, porque já havia outra R. de Stº António, na
  • 36. .Conjuntamente com a R. dos Clérigos e a Praça de D. Pedro, depois, da Liberdade, a R. de Santo António/31 de Janeiro—apesar da forte inclinação --, ganhou foros de excelência. Era a artéria onde imperavam os luveiros, as alfaiatarias e os cabeleireiros da moda. Onde havia a Casa de Banhos, o Teatro Circo e o Teatro Baquet, este mandado construir pelo alfaiate espanhol António Pereira Baquet em 1859 e que, 29 anos depois, foi consumido por um violento incêndio. Sobre as suas ruínas ergueram-se os Armazéns Hermínios que, segundo as crónicas da época, eram os maiores e mais elegantes da cidade. Em meados do séc. XIX havia no Porto sete estabelecimentos que vendiam luvas, quando estas constituíam um adereço quase obrigatório do vestuário. Estavam todos nessa rua. A avaliar pelos nomes dos proprietários, cinco dessas lojas pertenciam a franceses, um espanhol, Vicent e uma portuguesa, Maria Martins. Um dos mais célebres estabelecimentos que funcionaram nesta rua foi a Casa Prud'homme uma "mercearia fina" pertencente, claro, a um cidadão francês. Neste estabelecimento vendiam-se os melhores queijos do país de origem do dono, bem como os mais apreciados champanhes. Era frequentado pela melhor sociedade portuense daquele tempo, como o presidente da câmara Oliveira Monteiro, o médico Ricardo Jorge, ou o escritor Camilo Castelo Branco. Chamou-se aos comerciantes da rua os “ratos da Grã Via”.
  • 37. Rua 31 de Janeiro em várias épocas
  • 38. A Igreja de Santo Ildefonso está no topo da Rua de Santo António. Foi reconstruída a partir de 1730, por se encontrar em ruínas a primeira igreja, e ficou concluída em 1739, sendo dedicada a Santo Ildefonso de Toledo. A fachada é composta por duas torres sineiras com dentilhões nas cornijas, rematadas em cada face por esferas e frontões de fantasia. Por cima do entablamento ergue-se o nicho do padroeiro. Guarnecem as paredes azulejos de Jorge Colaço (1932), com cenas da vida do Santo e alegorias da Eucaristia. A nave é de tipo poligonal em estilo proto- barroco, com tecto em madeira e estuques ornamentais repetidos nas paredes. Os altares laterais são obras neo-clássicas e os colaterais são de talha rococó. O retábulo em talha barroca é rococó da segunda metade do séc. XVIII. A Igreja de Santo Ildefonso está no topo da Rua de Santo António. Foi reconstruída a partir de 1730, por se encontrar em ruínas a primeira igreja, e ficou concluída em 1739, sendo dedicada a Santo Ildefonso de Toledo. A fachada é composta por duas torres sineiras com dentilhões nas cornijas, rematadas em cada face por esferas e frontões de fantasia. Por cima do entablamento ergue-se o nicho do padroeiro. Guarnecem as paredes azulejos de Jorge Colaço (1932), com cenas da vida do Santo e alegorias da Eucaristia. A nave é de tipo poligonal em estilo proto- barroco, com tecto em madeira e estuques ornamentais repetidos nas paredes. Os altares laterais são obras neo-clássicas e os colaterais são de talha rococó. O retábulo em talha barroca é rococó da segunda metade do séc. XVIII.
  • 39. 1. Sanefa do Altar exposto na Sacristia; 2. Fonte na Sacristia; 3. Cruz na Sacristia; 4. Raspador de Sapatos. A lama era muita e, então, à porta das igrejas eram colocados artefactos deste género. Na Igreja de Santo Ildefonso existem 2, um de cada lado da porta principal 1 4 2 3
  • 40. Origem do nome e História Diz a tradição que, no séc. X, este local foi palco de uma sangrenta batalha entre os sarracenos de Almançor e os habitantes do Porto, que acabariam por sair derrotados, originando o arrasamento da cidade. No ângulo sudoeste da atual praça ficava situada a Porta do Cimo de Vila da Muralha Fernandina, junto da qual ficava a Capela de Nossa Senhora da Batalha. No séc. XIII, a zona sofreu grandes transformações, sendo demolida a muralha. No lado oriental podemos ver uma palacete brasonado mandado construir nos fins do séc. XVIII. Na altura do Cerco do Porto os proprietários pró-miguelistas abandonaram o palacete, o que fez com que o governo liberal lá se instalasse, usando-o para várias instituições públicas e hospital de sangue. Este palácio foi Estação central dos Correios, Telégrafos e Telefones ao longo de grande parte do séc. XX, em 2009 o edifício foi vendido ao grupo hoteleiro Hotel Dona Inês que aí prevê instalar um hotel de charme. A praça é, desde 1866, dominada pelo monumento a D. Pedro V, da autoria de Reixeira Lopes, pai Na praça está também localizado o Teatro Nacional de S. João, restaurado na totalidade sob a orientação do nosso associado e dirigente José Cachetas e o Cine-Teatro Batalha, ao lado do qual esteve o Cinema Águia D Ouro, hoje Hotel B&B
  • 41. 1 – Palacete que foi sede dos correios; 2 – Hotéis; 3 – Cinema Batalha: 4 – Teatro Nacional de S. João 1 4 2 3
  • 42. Denominado originalmente como Real Teatro de São João, a sua primitiva edificação foi erguida em 1794, com projecto do arquitecto italiano Vicente Mazzoneschi. Foi inaugurado em 1798. A estrutura interior do original era semelhante à do Teatro de São Carlos, e a sua composição próxima dos teatros de tipo italiano que, na época, se tinham estabelecido como regra de sucesso. Em 1908 um violento incêndio destruiu completamente o edifício. Sem se conformar com a perda, logo uma comissão se constituiu para a sua reconstrução, que teve início em1911, com projecto de Marques da Silva. Foi inaugurado em 1920. O atual edifício, de aspecto robusto mas sem estilo definido, é composto por uma imponente frontaria guarnecida por quatro colunas jónicas, entre as quais se abrem três janelas de arco pleno e outras tantas portas .
  • 43. A capela de Nossa Senhora da Batalha que foi demolida, em 1924. para "desafogo da fachada do Teatro de S. João" era já no entanto posterior a uma outra, bastante mais antiga, sob a mesma invocação, num local extramuros, da parte de fora, portanto, da muralha fernandina, mas que pertencia à freguesia de Santo Ildefonso. Nessa capela foi colocada a imagem de Nossa Senhora da Batalha que antes havia estado numa edícula sobre a porta da muralha fernandina de Cima de Vila. Em 1686 já se falava "…da fabrica da capella de Nossa senhora da Batalha, Nossa senhora dos Remédios e S. José…"No lugar desta antiga ermida é que terá sido construída aquela que foi demolida em 1924 e que pertencia ao Município portuense A imagem da padroeira foi recolhida na Catedral em cujo museu está exposta ao público. A capela de Nossa Senhora da Batalha que foi demolida, em 1924. para "desafogo da fachada do Teatro de S. João" era já no entanto posterior a uma outra, bastante mais antiga, sob a mesma invocação, num local extramuros, da parte de fora, portanto, da muralha fernandina, mas que pertencia à freguesia de Santo Ildefonso. Nessa capela foi colocada a imagem de Nossa Senhora da Batalha que antes havia estado numa edícula sobre a porta da muralha fernandina de Cima de Vila. Em 1686 já se falava "…da fabrica da capella de Nossa senhora da Batalha, Nossa senhora dos Remédios e S. José…"No lugar desta antiga ermida é que terá sido construída aquela que foi demolida em 1924 e que pertencia ao Município portuense A imagem da padroeira foi recolhida na Catedral em cujo museu está exposta ao público.
  • 44. O que foi o cinema Águia d Ouro é hoje um hotel
  • 45. CINEMA BATALHA Neste local esteve uma fábrica com decoração árabe e a partir de 1908, funcionou como sala de projecção de cinema Salão High Life. Em 1947 foi transformada, pelo arquitecto Artur Andrade, no Cinema Batalha. Depois de seis anos fechado, voltou a abrir ao público em 2006, por arrendamento ao Comércio Vivo a uma parceria da Câmara do Porto e Associação de Comerciantes com diversas valências bar, restaurante, sala de espectáculos e Sala Bebé. O Comércio Vivo foi criado para gerir os 5 milhões de euros pagos ao grupo Amorim para compensar os comerciantes pela inclusão de um shopping no Plano de Pormenor das Antas. Em 31 de Dezembro de 2010, o Gabinete Comércio Vivo entregou as chaves aos proprietários, no último dia do contrato de gestão. A precisar de uma intervenção, o espaço está fechado e sem destino.
  • 46. Aquando da abertura da rua, em 1903 a ideia original era construir uma cobertura envidraçada, à semelhanças de idênticas galerias parisienses como Les Halles e outras, daí o nome escolhido. O quarteirão em que se integra, conjuntamente com a Rua Cândido dos Reis, a Rua das Carmelitas e a Rua da Fábrica, pertenceu ao convento das Carmelitas. Os prédios que ladeiam a Rua da Galeria de Paris são elegantes e de boa traça. Ao longo da segunda metade do séc. XX, os armazéns de tecidos foram ocupando grande parte dos edifícios da rua. É aí que se situam os populares Armazéns Marques Soares e, do outro lado, está a Fernandes, Mattos & C.ª, casa de tecidos fundada em 1886. De local triste e pouco habitado , tornou-se, em pouco tempo, naquilo que é muitas vezes referido como um dos centros da movida portuense, fenómeno semelhante ao Bairro Alto. Tudo começou em 2007, com a abertura de um bar numa antiga livraria. O calendário variado de eventos que desenvolveu, com destaque para os concertos de jazz, desencadeou o surgimento de outros espaços em todo o quarteirão, tornando este num local da moda da noite do Porto, especialmente aos fins de semana.
  • 47. Arte Nova no nº 28 da Rua e A Rua em toda a sua extensão
  • 48. Arte Nova na Rua Cândido dos Reis e a Rua em toda a sua extensão Arte Nova na Rua Cândido dos Reis e a Rua em toda a sua extensão
  • 50. Pormenor da antiga Rua das Carmelitas à esquerda. Sabe-se, pela leitura de um relatório camarário, que a Câmara do Porto solicitara, no ano de 1838, autorização à rainha D. Maria I para proceder ao seu alinhamento. Isto significa que a artéria sofreu algumas alterações. À época em que foi solicitado o referido alinhamento, a rua era bastante mais estreita do que é actualmente, subia em curva por entre duas altas paredes, uma das quais delimitava a cerca do Convento. Anteriormente talvez se tenha chamado do Calvário Velho, nome deste local e onde foi construído o Convento. Mas em 1839, chamou-se Rua do Anjo, mas voltou a Carmelitas, não se sabe quando. À direita imagem de uma espécie de Feira da Ladra, conhecida como Mercado dos Ferros Velhos que ali se realizava. Presume-se que a sua origem vem do séc. XVII, pois há referencias a Ladra num documento da época. Quer dizer recepção e venda, velharias, etc. e tal. Como hoje.
  • 51. É o Palácio dos Condes de Vizela que ocupa o espaço do convento. A autorização para a fundação do Convento de S. José e Santa Teresa de Religiosas Carmelitas Descalças, pedida por Frei Pedro de Jesus, Geral dos Carmelitas Descalços, foi concedida por D. Pedro I em 1701 e obteve a bênção do bispo D. José de Santa Maria. As obras de construção levaram cerca de duas décadas até ficarem concluídas. Após a extinção do convento, em 1833, as suas instalações acolheram a Escola Normal, a Direcção das Obras Públicas, os Correios e Telégrafos, o Teatro Variedades, entre outros serviços, e nos terrenos da sua cerca tiveram lugar uma série de diversões (exibições de animais ferozes, espectáculos de variedades e circo), para além de peças de teatro popular. E até um Mercado de Ferro Velho.
  • 52. E por aqui acabou o passeio em busca de um Porto Desaparecido. Apenas de uma pequena mas significativa parte. De tarde assisti a um concerto de música sacra na Igreja da Misericórdia, no nº 5 da Rua das Flores, onde o Quarteto Millenius Musicum interpretou música sacra de vários autores portugueses e estrangeiros (Juan Cabanilles, Atcadelt, Mozart, Gounod e outros). Excelente! O concerto… E por aqui acabou o passeio em busca de um Porto Desaparecido. Apenas de uma pequena mas significativa parte. De tarde assisti a um concerto de música sacra na Igreja da Misericórdia, no nº 5 da Rua das Flores, onde o Quarteto Millenius Musicum interpretou música sacra de vários autores portugueses e estrangeiros (Juan Cabanilles, Atcadelt, Mozart, Gounod e outros). Excelente! O concerto…