SlideShare uma empresa Scribd logo
Capítulo 13- Ecossistemas
Denomina-se bioma um ecossistema que abrange uma vasta superfície da Terra. Os biomas podem ser compostos de vários ecossistemas de estrutura semelhante.
 
 
 
 
 
 
Equatorial e Tropical Úmido Florestas Tropicais e Equatoriais  ( Rain Forest )
Tropical Semi-Úmido Cerrado  (Jacarandá-do-Cerrado) Savana  (Baobá)
Árido e Semí-Árido Deserto e Oásis Caatinga
Mediterrâneo Veg. Mediterrânea  (Maquis e Garrigue)
Temperado Oceânico Floresta Temperada Caducifolia
Temperado Continental Pradarias Estepes
Temperado Frio Floresta de Coníferas
Polar Tundra
(p. 197)
Formação do solo:  decomposição  e  desagregação  das rochas.   Processo que causa:  intemperismo. São necessários milhões de anos para formação dos solos.
Horizontes do solo: O - orgânico   A -  mineral, rico em húmus B  – concentração de minerais principalmente e pouco material orgânico C   – rocha em processo de intemperismo R  – rocha matriz
 
Eluviais   formados no próprio local Aluviais   formados por sedimentos transportados de outros locais pelo vento, água. Solos claros  (menos material orgânico) não são muito férteis; Solos avermelhados ou amarelados  são ricos em ferro (macro nutriente) Solos escuros  apresentam grande quantidade de material orgânico
Zonais  – principal elemento que atua na formação é o clima. Solos maduros(horizontes definidos); Exemplo: Podzol (clima temperado) e latossolo (clima tropical) Interzonal  – o relevo ou a rocha matriz é que determinam a formação. Exemplo: hidromórfico. Azonais  – são solos recentes, jovens, com horizontes pouco desenvolvidos. Exemplo: litossolo.
Se refere a proporção de partículas de diferentes tamanhos Partículas maiores. Exemplo: areia (retém pouca água) Partículas menores. Exemplo: argila (retém muita água) Silte: tamanho intermediário A textura determina a capacidade de infiltração da água- ideal: textura equilibrada.
O que pode acelerar a erosão:
 
Para evitar o desgaste/erosão dos solos é recomendável: rotação de culturas associação de culturas evitar as queimadas utilização adequada de fertilizantes e adubos químicos e etc
sulcos no terreno originados pela força das águas
Em áreas de clima árido e semi árido a evaporação da água provoca uma graduada concentração de sais determinando assim uma salinização intensa, o que torna o solo infértil. É necessário evitar o desmatamento.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Florestas pluviais
Florestas pluviaisFlorestas pluviais
Florestas pluviais
Guilherme Drumond
 
6º ano unidade 6 (temas 3 e 4).ppt
6º ano unidade 6 (temas 3 e 4).ppt6º ano unidade 6 (temas 3 e 4).ppt
6º ano unidade 6 (temas 3 e 4).ppt
Christie Freitas
 
Cerrado
CerradoCerrado
Biogeografia
BiogeografiaBiogeografia
Solos do Amazonas
Solos do AmazonasSolos do Amazonas
Solos do Amazonas
Portal do Vestibulando
 
DESERTOS E PRADARIAS
DESERTOS E PRADARIASDESERTOS E PRADARIAS
DESERTOS E PRADARIAS
Conceição Fontolan
 
Distribuicao dos organismos na biosfera
Distribuicao dos organismos na biosferaDistribuicao dos organismos na biosfera
Distribuicao dos organismos na biosfera
ANA LUCIA FARIAS
 
Aula6 biomas
Aula6 biomasAula6 biomas
Aula6 biomas
Carolina Lisboa
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
Paulo Vitor
 
Restinga - Rio Grande do Norte
Restinga - Rio Grande do NorteRestinga - Rio Grande do Norte
Restinga - Rio Grande do Norte
Élica Dias
 
1224596735 habitats terrestres
1224596735 habitats terrestres1224596735 habitats terrestres
1224596735 habitats terrestres
Pelo Siro
 
Manejo e conservação dos solos
Manejo e conservação dos solosManejo e conservação dos solos
Manejo e conservação dos solos
Jadson Belem de Moura
 
Vegetação e hidrografia
Vegetação e hidrografiaVegetação e hidrografia
Vegetação e hidrografia
Luís Fernando Schilling
 
As formaçoes vegetais pelo mundo
As formaçoes vegetais pelo mundoAs formaçoes vegetais pelo mundo
As formaçoes vegetais pelo mundo
Professor
 
6 biomas do brasil
6 biomas do brasil6 biomas do brasil
6 biomas do brasil
evertonpessoa
 
Paisagens naturais brasileiras_e_expressãµes_culturais_regionais[1]
Paisagens naturais brasileiras_e_expressãµes_culturais_regionais[1]Paisagens naturais brasileiras_e_expressãµes_culturais_regionais[1]
Paisagens naturais brasileiras_e_expressãµes_culturais_regionais[1]
Nery Costa
 
Dominios morfoclimaticos superhumanas
Dominios morfoclimaticos superhumanasDominios morfoclimaticos superhumanas
Dominios morfoclimaticos superhumanas
Ademir Aquino
 
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHASVEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
Conceição Fontolan
 
Geografia Física Do Brasil E Mundial Parte 2
Geografia Física Do Brasil E Mundial   Parte 2Geografia Física Do Brasil E Mundial   Parte 2
Geografia Física Do Brasil E Mundial Parte 2
ProfMario De Mori
 
Degradação do solo
Degradação do soloDegradação do solo
Degradação do solo
Ivan Araujo
 

Mais procurados (20)

Florestas pluviais
Florestas pluviaisFlorestas pluviais
Florestas pluviais
 
6º ano unidade 6 (temas 3 e 4).ppt
6º ano unidade 6 (temas 3 e 4).ppt6º ano unidade 6 (temas 3 e 4).ppt
6º ano unidade 6 (temas 3 e 4).ppt
 
Cerrado
CerradoCerrado
Cerrado
 
Biogeografia
BiogeografiaBiogeografia
Biogeografia
 
Solos do Amazonas
Solos do AmazonasSolos do Amazonas
Solos do Amazonas
 
DESERTOS E PRADARIAS
DESERTOS E PRADARIASDESERTOS E PRADARIAS
DESERTOS E PRADARIAS
 
Distribuicao dos organismos na biosfera
Distribuicao dos organismos na biosferaDistribuicao dos organismos na biosfera
Distribuicao dos organismos na biosfera
 
Aula6 biomas
Aula6 biomasAula6 biomas
Aula6 biomas
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
 
Restinga - Rio Grande do Norte
Restinga - Rio Grande do NorteRestinga - Rio Grande do Norte
Restinga - Rio Grande do Norte
 
1224596735 habitats terrestres
1224596735 habitats terrestres1224596735 habitats terrestres
1224596735 habitats terrestres
 
Manejo e conservação dos solos
Manejo e conservação dos solosManejo e conservação dos solos
Manejo e conservação dos solos
 
Vegetação e hidrografia
Vegetação e hidrografiaVegetação e hidrografia
Vegetação e hidrografia
 
As formaçoes vegetais pelo mundo
As formaçoes vegetais pelo mundoAs formaçoes vegetais pelo mundo
As formaçoes vegetais pelo mundo
 
6 biomas do brasil
6 biomas do brasil6 biomas do brasil
6 biomas do brasil
 
Paisagens naturais brasileiras_e_expressãµes_culturais_regionais[1]
Paisagens naturais brasileiras_e_expressãµes_culturais_regionais[1]Paisagens naturais brasileiras_e_expressãµes_culturais_regionais[1]
Paisagens naturais brasileiras_e_expressãµes_culturais_regionais[1]
 
Dominios morfoclimaticos superhumanas
Dominios morfoclimaticos superhumanasDominios morfoclimaticos superhumanas
Dominios morfoclimaticos superhumanas
 
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHASVEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
 
Geografia Física Do Brasil E Mundial Parte 2
Geografia Física Do Brasil E Mundial   Parte 2Geografia Física Do Brasil E Mundial   Parte 2
Geografia Física Do Brasil E Mundial Parte 2
 
Degradação do solo
Degradação do soloDegradação do solo
Degradação do solo
 

Destaque

Vegetação mundial
Vegetação mundialVegetação mundial
Vegetação mundial
dela28
 
Vegetação Brasileira
Vegetação BrasileiraVegetação Brasileira
Vegetação Brasileira
Cleber Reis
 
Tipos de vegetação
Tipos de vegetaçãoTipos de vegetação
Tipos de vegetação
vanzanmichelly
 
Sistemas de Vegetacao
Sistemas de VegetacaoSistemas de Vegetacao
Sistemas de Vegetacao
Antonio Pessoa
 
Aula 51 (áfrica clima e vegetação)
Aula 51 (áfrica  clima e vegetação)Aula 51 (áfrica  clima e vegetação)
Aula 51 (áfrica clima e vegetação)
Colegio Objetivo Penha
 
Vegetação p. ibérica trabalho rodrigo
Vegetação p. ibérica   trabalho rodrigoVegetação p. ibérica   trabalho rodrigo
Vegetação p. ibérica trabalho rodrigo
sofiasimao
 
Novas narrativas no semiárido brasileiro apres.antonio barbo sa - asa-brasil
Novas narrativas no semiárido brasileiro   apres.antonio barbo sa - asa-brasilNovas narrativas no semiárido brasileiro   apres.antonio barbo sa - asa-brasil
Novas narrativas no semiárido brasileiro apres.antonio barbo sa - asa-brasil
Projeto Redesan
 
Geografi- clima e vegetação
Geografi- clima e vegetaçãoGeografi- clima e vegetação
Geografi- clima e vegetação
Jaicinha
 
África – clima e vegetação
África – clima e vegetaçãoÁfrica – clima e vegetação
África – clima e vegetação
Gerson Francisco de Moraes
 
Plano Safra do Semiárido 2013/2014 tem investimentos para região do Nordeste
Plano Safra do Semiárido 2013/2014 tem investimentos para região do NordestePlano Safra do Semiárido 2013/2014 tem investimentos para região do Nordeste
Plano Safra do Semiárido 2013/2014 tem investimentos para região do Nordeste
Palácio do Planalto
 
Geografia da Europa - Geografia Física - Vegetação
Geografia da Europa - Geografia Física - VegetaçãoGeografia da Europa - Geografia Física - Vegetação
Geografia da Europa - Geografia Física - Vegetação
Carlos Ribeiro Medeiros
 
Alternativas tecnológicas para convivência com a seca no Semiárido
Alternativas tecnológicas para convivência com a seca no SemiáridoAlternativas tecnológicas para convivência com a seca no Semiárido
Alternativas tecnológicas para convivência com a seca no Semiárido
Palácio do Planalto
 
Vegetação
VegetaçãoVegetação
Vegetação
Letícia Santos
 
Vegetacao
VegetacaoVegetacao
Vegetacao
profleofonseca
 
O espaço natural brasileiro - Clima
O espaço natural brasileiro - ClimaO espaço natural brasileiro - Clima
Escala geografica x cartografica aula 3
Escala geografica x cartografica   aula 3Escala geografica x cartografica   aula 3
Escala geografica x cartografica aula 3
Luciano Pessanha
 
Tipos De Clima
Tipos De ClimaTipos De Clima
Tipos De Clima
João Morais
 
Powerpoint Solo
Powerpoint   SoloPowerpoint   Solo
Powerpoint Solo
Rosa Pereira
 

Destaque (18)

Vegetação mundial
Vegetação mundialVegetação mundial
Vegetação mundial
 
Vegetação Brasileira
Vegetação BrasileiraVegetação Brasileira
Vegetação Brasileira
 
Tipos de vegetação
Tipos de vegetaçãoTipos de vegetação
Tipos de vegetação
 
Sistemas de Vegetacao
Sistemas de VegetacaoSistemas de Vegetacao
Sistemas de Vegetacao
 
Aula 51 (áfrica clima e vegetação)
Aula 51 (áfrica  clima e vegetação)Aula 51 (áfrica  clima e vegetação)
Aula 51 (áfrica clima e vegetação)
 
Vegetação p. ibérica trabalho rodrigo
Vegetação p. ibérica   trabalho rodrigoVegetação p. ibérica   trabalho rodrigo
Vegetação p. ibérica trabalho rodrigo
 
Novas narrativas no semiárido brasileiro apres.antonio barbo sa - asa-brasil
Novas narrativas no semiárido brasileiro   apres.antonio barbo sa - asa-brasilNovas narrativas no semiárido brasileiro   apres.antonio barbo sa - asa-brasil
Novas narrativas no semiárido brasileiro apres.antonio barbo sa - asa-brasil
 
Geografi- clima e vegetação
Geografi- clima e vegetaçãoGeografi- clima e vegetação
Geografi- clima e vegetação
 
África – clima e vegetação
África – clima e vegetaçãoÁfrica – clima e vegetação
África – clima e vegetação
 
Plano Safra do Semiárido 2013/2014 tem investimentos para região do Nordeste
Plano Safra do Semiárido 2013/2014 tem investimentos para região do NordestePlano Safra do Semiárido 2013/2014 tem investimentos para região do Nordeste
Plano Safra do Semiárido 2013/2014 tem investimentos para região do Nordeste
 
Geografia da Europa - Geografia Física - Vegetação
Geografia da Europa - Geografia Física - VegetaçãoGeografia da Europa - Geografia Física - Vegetação
Geografia da Europa - Geografia Física - Vegetação
 
Alternativas tecnológicas para convivência com a seca no Semiárido
Alternativas tecnológicas para convivência com a seca no SemiáridoAlternativas tecnológicas para convivência com a seca no Semiárido
Alternativas tecnológicas para convivência com a seca no Semiárido
 
Vegetação
VegetaçãoVegetação
Vegetação
 
Vegetacao
VegetacaoVegetacao
Vegetacao
 
O espaço natural brasileiro - Clima
O espaço natural brasileiro - ClimaO espaço natural brasileiro - Clima
O espaço natural brasileiro - Clima
 
Escala geografica x cartografica aula 3
Escala geografica x cartografica   aula 3Escala geografica x cartografica   aula 3
Escala geografica x cartografica aula 3
 
Tipos De Clima
Tipos De ClimaTipos De Clima
Tipos De Clima
 
Powerpoint Solo
Powerpoint   SoloPowerpoint   Solo
Powerpoint Solo
 

Semelhante a ppt geografia 2010 - vegetacao e solo

GÊNESE DO SOLO
GÊNESE DO SOLO GÊNESE DO SOLO
GÊNESE DO SOLO
AnaClaudiaHonorio
 
Solos E Ocupação Rural No Mundo
Solos E Ocupação Rural No MundoSolos E Ocupação Rural No Mundo
Solos E Ocupação Rural No Mundo
ProfMario De Mori
 
Solos
SolosSolos
Pedologia
PedologiaPedologia
Solos
SolosSolos
Formação dos solos.docx
Formação dos solos.docxFormação dos solos.docx
Formação dos solos.docx
LUISDONIZETIDASILVA
 
Pedologia
PedologiaPedologia
Biomas
BiomasBiomas
Biomas
URCA
 
O uso dos solos 7 ano
O uso dos solos 7 anoO uso dos solos 7 ano
O uso dos solos 7 ano
Professor
 
Classificação geral dos solos e solos do brasil
Classificação geral dos solos e solos do brasilClassificação geral dos solos e solos do brasil
Classificação geral dos solos e solos do brasil
Thamires Bragança
 
Solo
SoloSolo
6 - Solos.pptx
6 - Solos.pptx6 - Solos.pptx
6 - Solos.pptx
Pedro681200
 
Infosolo
InfosoloInfosolo
Solos: origem, evolução, degradação e conservação
Solos: origem, evolução, degradação e conservaçãoSolos: origem, evolução, degradação e conservação
Solos: origem, evolução, degradação e conservação
Rodrigo Pavesi
 
química da litosfera. Poluição ambientalpptx
química da litosfera. Poluição ambientalpptxquímica da litosfera. Poluição ambientalpptx
química da litosfera. Poluição ambientalpptx
crislania1
 
Classificaogeraldossolosesolosdobrasil 120821200540-phpapp02
Classificaogeraldossolosesolosdobrasil 120821200540-phpapp02Classificaogeraldossolosesolosdobrasil 120821200540-phpapp02
Classificaogeraldossolosesolosdobrasil 120821200540-phpapp02
Bárbara Ruth
 
Aula 5-quimica da-litosfera_1a
Aula 5-quimica da-litosfera_1aAula 5-quimica da-litosfera_1a
Aula 5-quimica da-litosfera_1a
Cezar Manzini
 
Brozura solos bie
Brozura solos bieBrozura solos bie
Brozura solos bie
Lóide Chivinda
 
Solo
SoloSolo
Aula 1 solos
Aula 1 solosAula 1 solos
Aula 1 solos
Giovanna Ortiz
 

Semelhante a ppt geografia 2010 - vegetacao e solo (20)

GÊNESE DO SOLO
GÊNESE DO SOLO GÊNESE DO SOLO
GÊNESE DO SOLO
 
Solos E Ocupação Rural No Mundo
Solos E Ocupação Rural No MundoSolos E Ocupação Rural No Mundo
Solos E Ocupação Rural No Mundo
 
Solos
SolosSolos
Solos
 
Pedologia
PedologiaPedologia
Pedologia
 
Solos
SolosSolos
Solos
 
Formação dos solos.docx
Formação dos solos.docxFormação dos solos.docx
Formação dos solos.docx
 
Pedologia
PedologiaPedologia
Pedologia
 
Biomas
BiomasBiomas
Biomas
 
O uso dos solos 7 ano
O uso dos solos 7 anoO uso dos solos 7 ano
O uso dos solos 7 ano
 
Classificação geral dos solos e solos do brasil
Classificação geral dos solos e solos do brasilClassificação geral dos solos e solos do brasil
Classificação geral dos solos e solos do brasil
 
Solo
SoloSolo
Solo
 
6 - Solos.pptx
6 - Solos.pptx6 - Solos.pptx
6 - Solos.pptx
 
Infosolo
InfosoloInfosolo
Infosolo
 
Solos: origem, evolução, degradação e conservação
Solos: origem, evolução, degradação e conservaçãoSolos: origem, evolução, degradação e conservação
Solos: origem, evolução, degradação e conservação
 
química da litosfera. Poluição ambientalpptx
química da litosfera. Poluição ambientalpptxquímica da litosfera. Poluição ambientalpptx
química da litosfera. Poluição ambientalpptx
 
Classificaogeraldossolosesolosdobrasil 120821200540-phpapp02
Classificaogeraldossolosesolosdobrasil 120821200540-phpapp02Classificaogeraldossolosesolosdobrasil 120821200540-phpapp02
Classificaogeraldossolosesolosdobrasil 120821200540-phpapp02
 
Aula 5-quimica da-litosfera_1a
Aula 5-quimica da-litosfera_1aAula 5-quimica da-litosfera_1a
Aula 5-quimica da-litosfera_1a
 
Brozura solos bie
Brozura solos bieBrozura solos bie
Brozura solos bie
 
Solo
SoloSolo
Solo
 
Aula 1 solos
Aula 1 solosAula 1 solos
Aula 1 solos
 

Último

Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 

Último (20)

Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 

ppt geografia 2010 - vegetacao e solo

  • 2. Denomina-se bioma um ecossistema que abrange uma vasta superfície da Terra. Os biomas podem ser compostos de vários ecossistemas de estrutura semelhante.
  • 3.  
  • 4.  
  • 5.  
  • 6.  
  • 7.  
  • 8.  
  • 9. Equatorial e Tropical Úmido Florestas Tropicais e Equatoriais ( Rain Forest )
  • 10. Tropical Semi-Úmido Cerrado (Jacarandá-do-Cerrado) Savana (Baobá)
  • 11. Árido e Semí-Árido Deserto e Oásis Caatinga
  • 12. Mediterrâneo Veg. Mediterrânea (Maquis e Garrigue)
  • 13. Temperado Oceânico Floresta Temperada Caducifolia
  • 15. Temperado Frio Floresta de Coníferas
  • 18. Formação do solo: decomposição e desagregação das rochas.   Processo que causa: intemperismo. São necessários milhões de anos para formação dos solos.
  • 19. Horizontes do solo: O - orgânico   A - mineral, rico em húmus B – concentração de minerais principalmente e pouco material orgânico C – rocha em processo de intemperismo R – rocha matriz
  • 20.  
  • 21. Eluviais formados no próprio local Aluviais formados por sedimentos transportados de outros locais pelo vento, água. Solos claros (menos material orgânico) não são muito férteis; Solos avermelhados ou amarelados são ricos em ferro (macro nutriente) Solos escuros apresentam grande quantidade de material orgânico
  • 22. Zonais – principal elemento que atua na formação é o clima. Solos maduros(horizontes definidos); Exemplo: Podzol (clima temperado) e latossolo (clima tropical) Interzonal – o relevo ou a rocha matriz é que determinam a formação. Exemplo: hidromórfico. Azonais – são solos recentes, jovens, com horizontes pouco desenvolvidos. Exemplo: litossolo.
  • 23. Se refere a proporção de partículas de diferentes tamanhos Partículas maiores. Exemplo: areia (retém pouca água) Partículas menores. Exemplo: argila (retém muita água) Silte: tamanho intermediário A textura determina a capacidade de infiltração da água- ideal: textura equilibrada.
  • 24. O que pode acelerar a erosão:
  • 25.  
  • 26. Para evitar o desgaste/erosão dos solos é recomendável: rotação de culturas associação de culturas evitar as queimadas utilização adequada de fertilizantes e adubos químicos e etc
  • 27. sulcos no terreno originados pela força das águas
  • 28. Em áreas de clima árido e semi árido a evaporação da água provoca uma graduada concentração de sais determinando assim uma salinização intensa, o que torna o solo infértil. É necessário evitar o desmatamento.