SlideShare uma empresa Scribd logo
Foto: Marcelo Coelho
Plano de Trânsito e
Procedimento de RAC 02 de
Ferrosos
Módulo I
Orientações Emergenciais
Havendo Emergência
>> Seguir a rota de fuga<<
Plano Trânsito RAC 2 Ferrosos MOD 1.pptx
Foto: Marcelo Coelho
Aplicação
Este documento se aplica a todos os empregados Vale e Terceiros que
trabalham nas unidades da Vice Presidência de Ferrosos no Brasil.
VPS
Foto: Marcelo Coelho
Conceitos importantes
Foto: Marcelo Coelho
Fadiga: Estado de exaustão física ou mental
reversível que reduz a habilidade da pessoa
de desempenhar o trabalho de forma segura
e eficiente.
Sonolência: Estado intermédio entre o sono e a
atividade plena dos sentidos, caracterizada por um
sono imperfeito, causado pelo cansaço físico ou
por ingestão de drogas (lícitas ou ilícitas)
Foto: Marcelo Coelho
Veículos automotores leves: Todo veículo a
motor de propulsão que circule por seus próprios
meios, e que serve normalmente para o transporte
viário de pessoas e coisas, ou para a tração viária
de veículos utilizados para o transporte de pessoas
e coisas.
Incluem: automóveis, veículos utilitários esportivos,
pick-ups, minivans, vans, micro-ônibus, ônibus.
Foto: Marcelo Coelho
Equipamentos Móveis: Equipamentos
propulsionados por motor e utilizados para
movimentar, transportar, escavar, mover ou
empurrar materiais.
Equipamentos móveis de grande porte:
Equipamentos com tara igual ou superior a 45
toneladas
Foto: Marcelo Coelho
Batedor / Carro Guia: veículo automotor (exceto
ônibus e micro-ônibus) e/ou caminhão rodoviário,
conduzido / operado por condutor credenciado e/ou
responsável pelo acompanhamento e sinalização da
movimentação de equipamentos / veículos, durante a
locomoção em condições especiais, veículos e
equipamentos lentos e/ou conduzido por profissionais
não conhecedores da área onde irão acessar.
Equipamentos móveis de superfície:
Motonivelador, escrêiper, retroescavadeira,
escavadeira, pá carregadeira, trator, empilhadeira
de garfo, manipulador de pneus, caminhão fora de
estrada, outros caminhões, perfuratriz, mini
carregadeira - lista não exaustiva.
Papéis e responsabilidades
Foto: Marcelo Coelho
Líder de cada localidade/ site (supervisor, gerente
ou diretor)
 Garantir a implementação deste PRO em suas áreas de atuação e
o treinamento dos empregados próprios e terceiros;
 Garantir a divulgação do mapa de via da unidade;
Foto: Marcelo Coelho
Líder de cada operação / projeto (supervisor,
gerente ou diretor)
 Realizar acompanhamento dos indicadores de detecção de sonolência e
telemetria (rastreador) implementando as ações indicadas para cada tipo de
desvio conforme Anexo 3.
 Autorizar formalmente via forms empregados autorizados a conduzir veículos em
sua área, inclusive deliberando sobre quais empregados estão autorizados a
levar veículos para suas residências;
 Realizar fiscalização quanto ao atendimento deste PRO em campo e realizar a
tratativa necessária quando da ocorrência de desvios.
Foto: Marcelo Coelho
Condutor/ motorista
 Cumprir todos os itens deste Procedimento/RAC 02 e CTB;
 Relatar falhas no veículo, vias e em quaisquer um dos sistemas
(rastreador/detector de sonolência) embarcados ao líder imediato;
 Procurar o líder ou equipe de Segurança do Trabalho em caso de
dúvidas quanto ao atendimento em algum dos itens;
Foto: Marcelo Coelho
Equipe de segurança do trabalho
 Ministrar treinamento relativos a este procedimento em sua área de
atuação;
 Esclarecer dúvidas dos usuários e lideres quanto a este procedimento;
 Realizar fiscalização quanto ao atendimento deste PGS em campo;
 Garantir a realização da mobilização dos veículos aplicando o check de
primeiro uso procedimento nos sites da unidade
Requisitos para vias operacionais e
regras de circulação.
Foto: Marcelo Coelho
Regras gerais
A condução veicular e as vias operacionais devem
seguir todas as premissas estabelecidas conforme
CTB - Código de Trânsito Brasileiro, Requisitos
para Atividades Críticas de nº 2 e outras
legislações aplicáveis (plano de trânsito da
localidade, em especial os de minas).
Foto: Marcelo Coelho
Regras gerais
Todas as unidades operacionais de Ferrosos devem
elaborar um mapa de vias, por equipe multidisciplinar,
contendo no mínimo:
a. Identificações dos principais riscos e medidas de
controle das vias; e
b. Contato de emergência em caso de acidentes.
Empresa: Complexo / Site: Estado: Minas Gerais
Trajeto:
PONTOS CRÍTICOS MAPEADOS MEDIDAS DE CONTROLE
Trecho entre o Km 123 até o Km 152
mapeado como crítico pela PRF.
Redução de velocidade da via
para 80 Km/h com inserção de
cerca eletrônica.
Passagem de nível localizada no Km
221
Respeitar a sinalização e Inserir
cerca de eletrônica
Declive acentuado no Km 325
Reduzir a velocidade, respeitar a
sinalização e descer com o
veículo engrenado.
Trecho com alto índice de acidente já
mapeado pelo SESMT no Km 434
Redução de velocidade da via
para 60 Km/h com inserção de
cerca eletrônica.
N/A N/A
N/A N/A
N/A N/A
N/A N/A
N/A N/A
N/A N/A
Gerência
19 de Julho de 2022 - Revisão 1.0
ORIENTAÇÕES
Data de elaboração e revisão
Elaboradores: Matrícula
ITENS A SEREM VERIFICADOS
Aclives/declives acentuados a partir de 7% de
inclinação e >=5 Km de extensão – Interno Vale;
Regiões ao entorno das rodoviárias e baldeios –
Interno Vale;
Estreitamento de via (passagem única) - Interno
Vale;
Trechos com interferência com máquinas e
equipamentos de mina – Interno Vale;
Pontos críticos “hot zone”, mapeados pela polícia
rodoviária federal - Externo a Vale;
Passagens de nível – Interno e externo Vale;
Trechos críticos mapeados pela segurança do
trabalho VALE da localidade devido elevado índice
de acidentes – Interno ou externo Vale;
Limites de velocidade - Interno Vale;
Inicio e fim da rota
Complexo Paraopeba Sul / Mina Fábrica
Vale
Distâncias de segurança e áreas restritas (zonas
de exclusão)- exclusivo da mina - Interno Vale
Estação Ferrovia de Engenheiro Bandeira até a Portaria da Mina de Fábrica
Em caso de ACIDENTES,
ligar no telefone
(XX) XXXX-XXXX
ou XXX.
GUIA PARA CONFECÇÃO DO MAPA DE VIAS
1.Inserir o Mapa do Trecho ou Localidade que estará sendo analisado de preferência
utilizando o Google Earth, para geração de imagens;
2. Levante os pontos críticos (conforme guia ao lado e plano de trânsito) e insira os
ícones em cada ponto no mapa/trecho;
3. Inserir na coluna ao lado quais as medidas de controle para cada ponto crítico
mapeado (se necessário incluir mais linhas);
4. Se necessário trace uma rota alternativa, em outra aba da planilha, para em caso de
emergência, realizando o mesmo mapeamento acima.
Faça o check list de pré uso do
veículo a cada troca de motorista.
Em caso de sinais de sonolência
não conduzir.
Foto: Marcelo Coelho
Regras gerais
Os pontos críticos das vias
operacionais também devem
estar mapeados com cercas
eletrônicas, em sistema de
telemetria/ rastreador, com
emissão de alerta (bip
contínuo) ao condutor
conforme critérios:
a)Aclives/declives acentuados a partir de 7% de inclinação
– Interno Vale;
a)Regiões ao entorno das rodoviárias/ baldeios –
Interno Vale;
a)Estreitamento de via (passagem única) – Interno
Vale;
a)Trechos com interferência com máquinas e
equipamentos de mina – Interno Vale;
Pontos críticos “hot zone”, mapeados
Passagens de nível – Interno e externo Vale
Trechos críticos mapeados pela segurança do trabalho
VALE
Foto: Marcelo Coelho
Regras gerais
O condutor/ motorista deve portar e apresentar
quando solicitado o passaporte para dirigir veículos
automotores, com as datas dos treinamentos e ASO. A
emissão desse passaporte é de responsabilidade da
gerência, contratadas ou áreas específicas definidas. NA
EMITIDOPOR:
Passaporte S&S
A uto rização para A tividades C rí ticas
D A D OS D O EM PR EGA D O
M at rí cula: xxxxxxxx
D iret oria: XXXXXXXXXXX
Ger.Exec: XXXXXXXXXX
N ome: xxxxxxxxxxxxxxxx
R A C V A LID A D E R A C V A LID A D E
RAC 01: N.A RAC 06.2: NA
RAC 02: xx/xx/xx RAC 07: NA
RAC 03: N.A RAC 08: NA
V A LID A D E
RAC 04: N.A RAC 09: NA
RAC 05: N.A RAC 10: NA
XXXXXXXXX
Função:
XXXXXXXXXXXXX
Em caso de EM ER GÊN C IA ligue para
R amal Interno : 193
C elular: 0800 2850 193
SA Ú D E V A LID A D E
Exames médicos (ASO) XX.XX.XXXX
RAC 06.1: N.A RAC 11: NA
OU TR OS TR EIN A M EN TOS
Foto: Marcelo Coelho
Regras gerais –
observação
O condutor/ motorista, além de registrar no check list, deve
seu superior imediato quaisquer anomalias/não conformidade,
avarias, colisões e acidentes ocorridos com o veículo.
Os deslocamentos para aeroporto/residência/posto de trabalho
em viagens/hotéis serão permitidos através de:
* Táxi e veículos por aplicativos;
* Veículos de balcão (conforme requisito RAC 2.6.3)
Nos deslocamentos entre sites/unidades operacionais não é permitida
veículos de balcão ou taxi, sendo mandatório o uso de veículos
distâncias menores que 50 km.
É PROÍBIDO uso de veículo de BALCÃO temporário como carro reserva
a veículos dedicados,
Foto: Marcelo Coelho
Regras gerais – fornecedores
O acesso de veículos/ equipamentos de fornecedores de materiais,
reboques e clientes (arrematantes, compradores de sucata e etc.)
que realizarão operações dentro da Vale devem atender
plenamente os requisitos legais.
Devendo ser submetido ao
processo de vistoria e
liberação de acesso conforme
regra local
Foto: Marcelo Coelho
Regras gerais – pneu remold
É proibida a utilização de
pneus recauchutados ou
remold
Exceto para ônibus,
micro-ônibus e outros
caminhões que deverão
deverão seguir a
Resolução do
CONTRAN 445 que
proíbe a utilização de
pneus reformado
Foto: Marcelo Coelho
Regras gerais
Todos os veículos/ equipamentos mobilizados que
acessam as unidades Vale devem possuir o logotipo
da empresa afixado nas portas dianteiras, o logotipo
deve ter dimensões mínimas de 30cm de comprimento
por 10cm de altura.
Foto: Marcelo Coelho
Regras gerais
DIPS – Dispositivo Indicador de Porca Solta utilizado nos pneus de veículos
e equipamentos, obrigatório para ônibus, micro-ônibus, vans, caminhonetes
com capacidade de carga acima de 650Kg e outros caminhões.
Regras gerais para vias
Foto: Marcelo Coelho
Regras gerais para vias
a)Nos locais com risco de quedas de veículos e equipamento móveis,
meios de proteção adequados, seja por leiras ou outros dispositivos
a)Deve ser implementado plano de gestão da manutenção das
trânsito, sistema de iluminação e sinalização. A unidade deverá
responsável para atendimento a esse item.
a)Qualquer modificação nas vias ou fluxo de trânsito na unidade
submetidas ao Comitê de Trânsito
a)Toda mudança no trânsito deve maximizar a segregação de
de outros objetos, incluindo pedestres, edificações, calçadas,
Foto: Marcelo Coelho
Regras gerais para vias
As vias devem possuir:
a) Duas vezes (2X) maior que a largura do maior
veículo utilizado em pistas simples;
b) Três vezes (3X) maior que a largura do maior
veículo utilizado em pistas duplas.
Em cruzamentos e entradas de bancos, as leiras devem ser rebaixadas em sua altura,
limitando-se ao comprimento máximo de 5 metros, ou seja, reduzir sua altura padrão pela
metade com relação ao nível da pista para facilitar a visualização de veículos e
equipamentos móveis.
Foto: Marcelo Coelho
Regras gerais para vias
a)Os acessos às áreas livres, controladas e restritas devem ser
com as placas de sinalização de cada área e portal nas cores definidas
do PRO.
a)Os recursos e sinalização a serem utilizados devem obedecer aos
estabelecido pela legislação de trânsito e aos procedimentos
a)Todas as redes elétricas e hidráulicas devem ser devidamente
limite de altura
a)O bloqueio das vias deverá ser precedido de planejamento e definição
necessários para a boa sinalização do mesmo
Foto: Marcelo Coelho
Regras gerais para vias
Inserir aqui seu Mapa de
Vias da sua unidade/Mina
Regras gerais para pessoas
Foto: Marcelo Coelho
Regras gerais para
pessoas Os empregados (Vale e terceiros) devem ir ou vir ao
trabalho priorizando o transporte fornecido pela
empresa.
Para conduzir veículos, o condutor não pode estar sob a influência
de substâncias que causem dependência química ou medicação que
possa prejudicar a habilidade para dirigir. Deve comunicar à área de
saúde de sua área/ empresa, quando fizer uso de medicamentos que
causem distúrbios do sistema nervoso central.
Foto: Marcelo Coelho
Regras gerais para
pessoas
a)Nunca se deve sair do veículo ou equipamento móvel em
a)Condução em longos períodos, fazer pausa de 15 minutos a
local adequado (não podendo apenas estacionar o veículo e fazer
do veículo).
a)O condutor deve assegurar-se de que todos os ocupantes do
de segurança, antes de iniciar a partida.
Regras gerais para procedimentos
Foto: Marcelo Coelho
Regras gerais para procedimentos
A documentação do condutor/ motorista
deve estar disponível, legível e válida para
fins de consulta e fiscalização em meio
físico ou digital válido legalmente.
Atividades de troca de pneus, carga
auxiliar de bateria (chupeta) e
desatolamento nos veículos leves, micro
ônibus e vans dentro dos sites é permitido
mediante o atendimento dos critérios da
Foto: Marcelo Coelho
Regras gerais para procedimentos
Para troca de pneus, carga auxiliar de bateria (chupeta)
e desatolamento de Ônibus devem ser realizadas por
equipe especializada local.
Foto: Marcelo Coelho
Regras gerais para procedimentos
Os assentos de veículos leves só devem ser utilizados
quando possuírem encosto de cabeça e cinto de 3
pontos. Os ônibus, micro ônibus e vans devem possuir
encosto de cabeça e cinto de 3 pontos para o motorista
e passageiro da primeira fileira de bancos (linha de
bancos do condutor), demais ocupantes encosto de
cabeça e cinto de 2 pontos devidamente afivelados.
Foto: Marcelo Coelho
Regras gerais para procedimentos
É proibido durante a
condução veicular e
equipamentos móveis:
a)Fumar, comer, beber
a)utilizar TV/DVD
a)som com fone de ouvido
manusear telefone celular
recurso viva voz
rádio de comunicação portáteis
Foto: Marcelo Coelho
Regras gerais para
procedimentos
O condutor deve comunicar ao seu superior imediato
quaisquer anomalias, danos, avarias, colisões e
acidentes ocorrido com o veículo e condutor.
Qualquer ocorrência com veículos que afete as
condições de tráfego na área interna das Unidades
deverá ser comunicada à Gerência de Segurança
Empresarial que cuidará das providências para
controle do trânsito local
Nos deslocamentos deve-se priorizar viagens utilizando recursos ferroviário
e/ou aéreo. Na impossibilidade, viagens com veículos automotores deverão
ser realizadas prioritariamente entre o período de 06h e 18hs. Para viagens
intermunicipais com deslocamento superior a 50km das 19:00 às 05:00h, é
obrigatório a autorização formal do Gerente.
Foto: Marcelo Coelho
Regras gerais para procedimentos
a)Todos os equipamentos móveis têm prioridade sobre os veículos
exceto: veículos de emergência / resgate (ambulância e bombeiro),
atendimento emergencial
a)Atividades de manutenção/ conservação de pista com auxílio de
móveis, devem ser sinalizadas.
a)A distância de seguimento nas áreas restritas é de no mínimo 50
controladas de no mínimo 10 metros. Em condições adversas como
chuva forte, declives, curvas etc, a distância deverá ser aumentada
relação as distâncias acima citadas.
Foto: Marcelo Coelho
Regras gerais para procedimentos
É obrigatório o uso de lanternas individuais
(deslocamento noturno), colete refletivo e ou
uniformes com faixas refletivas para deslocamento
em áreas de operação de equipamentos móveis,
exceto locais que existam sistemática e/ou controle de
engenharia para segregação (ex.:Oficinas, posto
abastecimento e etc.) de homem X máquina.
Foto: Marcelo Coelho
Regras gerais para procedimentos
a)O uso de colete refletivo ou uniforme com faixas refletivas é obrigatório
interação com veículos, máquinas e equipamentos móveis
a)É proibido o deslocamento a pé ao longo das vias de acessos dos
móveis, com exceção as atividades essenciais (Ex.: sinalização,
topografia de mina, etc.) precedido de Análise de Risco
a)Aproximação de pedestres dos equipamentos só poderá ocorrer
rádio de comunicação, após a paralisação da operação e apoio dos
solo
A circulação de pessoas pelas áreas onde haja veículos e outros
por calçadas, caminhos seguros e faixas de pedestres sinalizados.
Regras gerais para veículos leves
Foto: Marcelo Coelho
Regras gerais para veículos leves
Todos os veículos devem possuir um programa de
manutenção. As manutenções realizadas em rede de
oficinas autorizada pelo fabricante, desde que o
manual seja carimbado fica dispensado do
cumprimento das exigências a seguir:
Foto: Marcelo Coelho
Regras gerais para veículos leves
O plano de manutenção deve ser elaborado por profissional habilitado
mecânico, engenheiro de automóveis, engenheiro de armamento ou
com emissão de ART – Anotação de responsabilidade técnica
O plano de manutenção deve constar detalhamento e periodicidade
que devem ser trocados, ajustados, torqueados e inspecionados;
a)As recomendações do plano de manutenção devem estar no mínimo
recomenda o fabricante em seu manual;
A gestão da manutenção e execução das atividades do plano, podem ser
profissionais qualificados (mecânicos treinados ou técnicos).
Foto: Marcelo Coelho
Regras gerais para veículos leves
Deve ser fixada no vidro de forma visível na parte interna lado direito no
veículos e equipamentos a etiqueta conforme imagem abaixo para controle
das manutenções preventivas
Foto: Marcelo Coelho
Regras gerais para veículos leves
Para os deslocamentos com veículos leves, os para-brisas devem estar em
condições de segurança de modo a reduzir os riscos de lesões aos ocupantes
dos veículos e assegurar a visibilidade dos condutores
Foto: Marcelo Coelho
Critério para uso de reboque - carretinha
Deve ser avaliado os
seguintes critérios para uso
de reboque (carretinha)
pelas áreas, independente
do modelo:
Possuir CAT (certificado de adequação
legislação de trânsito)
Estar devidamente emplacada e
junto ao órgão de trânsito
Possuir a capacidade máxima de
adesivado em sua lateral
Para ativos Vale, estar cadastrada e
gerenciada em sistema
Possuir plano de manutenção
Foto: Marcelo Coelho
Acesso de caminhões/ cargas, uso de escolta
e batedores
Os veículos batedores, em áreas internas da Vale devem trafegar
com pisca-alerta ligados, sendo facultados os requisitos específicos
de sinalização. Em área externa, devem ser atendidos os requisitos
de legislação.
Uso de
batedor na
frente
Uso de
batedor na
traseira
AOZ- Área de Operação dos Autônomos x x
Veículo/equipamento não atinja a metade da velocidade estabelecida para a via. x
Veículo/equipamento possua carga/dimensão com excesso traseiro. x
Veículo/equipamento possua carga/dimensão com excesso lateral e/ou dianteiro. x
Veículos de visitantes, autoridade e/ou de motoristas que desconhecem as vias de trânsito interno. x
Equipamentos que possuam comprimento (30,01 a 35,00 metros). x
Equipamentos que possuam comprimento superior a 35,00metros. x x
Equipamentos que possuam largura (3,21 a 3,80 metros). x
Equipamentos que possuam largura superior a 3,80 metros. x x
Equipamentos que possuam altura (4,41 a 5,50 metros). x
Equipamentos que possuam altura superior a 5,50 metros. x x
Equipamento não possua sinalização frontal (farol e seta). x
Equipamentos de circulação restrita (empilhadeiras/linhas amarela/PTA/etc.) x
Equipamento não possua sinalização traseira (seta). x
Foto: Marcelo Coelho
Regras de estacionamento
A construção/ definição de estacionamentos nas dependências internas da
Vale deve seguir, no mínimo, o especificado abaixo:
Foto: Marcelo Coelho
Regras de estacionamento
Foto: Marcelo Coelho
Regras de estacionamento
As vagas também podem ser definidas em ângulo.
Locais onde não for possível definir vagas do tipo “estacione de ré”, podem
excepcionalmente ser definidas de forma paralela à guia (fila indiana), desde
que devidamente sinalizadas (vertical e horizontalmente) e atendam as
dimensões de demarcação a seguir
Foto: Marcelo Coelho
Regras de estacionamento
Nos estacionamentos das dependências Vale, todos
os veículos (leves, ônibus, micro-ônibus, Vans e
equipamentos móveis – outros caminhões) devem ser
posicionados/estacionados em locais permitidos no
sentido de saída (em marcha a ré), engrenar marcha
forte (ré ou primeira), acionar freio de estacionamento,
desligar o motor e retirar chave da ignição.
Foto: Marcelo Coelho
Regras de estacionamento
É obrigatório uso de calços para veículos leves e pesados (vans, ônibus,
micro-ônibus, caminhões rodoviários e similares), estacionados. A exceção do
calço é para locais já adaptados com este dispositivo (calços fixos) e para
ônibus em rodoviárias apropriadas (com terreno plano).
Foto: Marcelo Coelho
Regras de estacionamento
Os estacionamentos para os equipamentos móveis
(outros caminhões) devem ser separados dos demais
veículos leves, incluindo ônibus, micro-ônibus e vans,
podendo tomar como dimensões para a sua
construção as mesmas definidas para ônibus. Quando
em carga/descarga, os equipamentos móveis devem
dar preferência por estacionar no sentido de saída
(marcha à ré). No caso de impossibilidade, deve-se
prever medidas de controles em análise de risco
documentada.
Foto: Marcelo Coelho
Regras de estacionamento
Não é permitido parar ou
estacionar:
Sob redes elétricas (para Equipamentos Móveis
implemento de articulação e movimento
Perto de bordas de taludes e crista
bancos
Em área delimitada para manobra
carga e descarga
Em vias de acesso dos
Sob transportadores de correia ou
máquinas
Foto: Marcelo Coelho
Regras de estacionamento
Em áreas de risco de inundação e deslizamento
Em distância menor que 10 metros dos painéis elétricos e das
tensão
Em distância inferior a 30 metros à direita dos equipamentos
estando estes em manutenção
Em distância inferior a 30 metros dos equipamentos móveis, com exceção
descarga de ferramentas em manutenção corretiva, bem como nas
lubrificação e abastecimento, estando o equipamento bloqueado
Foto: Marcelo Coelho
Regras de estacionamento
A menos de 50 metros do início/término de uma curva
Em área sinalizada de manobra de equipamentos móveis para
descarga;
Em área demarcada para perfuração e carregamento de furos com
(desmonte)
Foto: Marcelo Coelho
Nota especial
Somente é permitido o estacionamento de veículos
sob redes elétricas, quando atendido as seguintes
condições:
 Impossibilidade técnica de relocação da rede ou
construção/relocação do estacionamento ou da
parada de ônibus;
 Elaboração de análise de risco por equipe
multidisciplinar – inclui-se aí o PH (Profissional
Habilitado) em elétrica e que o risco atual seja
baixo;
 Realização da gestão de mudanças – cadastrada
no SAP.
Bloqueio de via
Foto: Marcelo Coelho
Bloqueio de via
O bloqueio das vias deverá ser precedido de planejamento e definição dos
recursos necessários para a boa sinalização do mesmo sob a
responsabilidade da área que realizará a intervenção na via.
Foto: Marcelo Coelho
Bloqueio de via
“Nesse caso, os sinais “PARE” e “SIGA”, operados manualmente,
devem ser posicionados antes da área de transição, indicando ao
condutor o ponto de parada do veículo em que se deseja interromper
o fluxo para a alternância de circulação. “
“Em situações de alternância de fluxo durante o período noturno, deve
ser providenciado luminárias portais ou veículos com giro flex/ alerta
ligado em cada operador para garantir a segurança deles.”
Foto: Marcelo Coelho
O trabalhador que executa a
operação com os sinais
“PARE” e “SIGA” deve,
além de atender ao
disposto neste
procedimento:
Posicionar-se em local
fora da área destinada à
circulação de veículos
Colocar-se de frente
o fluxo de tráfego;
Portar equipamento de
radiocomunicação.
Bloqueio de via
Foto: Marcelo Coelho
Bloqueio de via
Para a Operação “PARE e SIGA” devem ser obedecidas as seguintes
orientações:
Foto: Marcelo Coelho
Bloqueio de via
Um operador, portando o suporte com os sinais “PARE” e
posicionado antes da área de transição, no ponto em que
em local protegido e visível, e mantendo o sinal “PARE”
de veículos que lhe cabe reter.
Após a passagem do último veículo do fluxo contrário, o
colocar-se lateralmente ao fluxo que controla, mudar o sinal
“SIGA”, e fazer gestos para informar o início de circulação,
configura abaixo
Foto: Marcelo Coelho
Bloqueio de via
Na Operação “PARE e SIGA”, deve-se atentar para o tempo
do fluxo, de modo a minimizar as filas de retenção,
e a segurança dos usuários, evitando-se períodos de espera
minutos para a alternância de fluxos.
Os operadores de “PARE” e “SIGA" devem estar
entrada de túneis e de curvas horizontais e verticais
casos, a sinalização deve ser disposta em área com boa
Recursos necessários para sinalização em caso de bloqueio
PARE e SIGA.
Foto: Marcelo Coelho
Sinalização de via – Pare e Siga
Foto: Marcelo Coelho
Nota especial
Caso seja implementado um semáforo portátil, não há necessidade de
pare e siga
Passagem de nível
Foto: Marcelo Coelho
Passagem de nível
Antes da transposição da
passagem em nível deve-se:
a)Obedecer a sinalização existente
OLHE, ESCUTE);
a)Parar o veículo em local seguro, fora do gabarito
posicionando o veículo de forma a ter ampla visão
os lados da via ferroviária e com os vidros baixos,
dois lados das vias de circulação
a)Desligar o som do veículo para
buzina do trem;
Verificar, antes da travessia, se a via
do lado oposto à PN está liberada;
Foto: Marcelo Coelho
Passagem de nível
Antes da transposição da
passagem em nível deve-se:
Verificar se há visibilidade suficiente,
caso contrário não prossiga;
Em PN’s com duas ou mais linhas, aguarde a
completa passagem do trem e liberação do campo
de visão de todas as linhas: trens podem circular
em qualquer linha ou sentido
Ao ouvir a buzina do trem ou identificar a
aproximação no sentido da PN, não tentar
atravessar. Aguarde em local seguro a passagem
do trem;
Não trocar marchas sobre a plataforma
da via.
Foto: Marcelo Coelho

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Segurança na operação da empilhadeira
Segurança na operação da empilhadeiraSegurança na operação da empilhadeira
Segurança na operação da empilhadeira
Sergio Roberto Silva
 
Apr cobertura bloco c v1
Apr cobertura bloco c v1Apr cobertura bloco c v1
Apr cobertura bloco c v1
Uanderson Alves
 
Treinamento Trabalho em Altura - Atualizado 2023
Treinamento Trabalho em Altura - Atualizado 2023Treinamento Trabalho em Altura - Atualizado 2023
Treinamento Trabalho em Altura - Atualizado 2023
José Valfrido
 
Apr hr
Apr hrApr hr
Apr hr
Andre Cruz
 
Treinamento nr 11 07052021
Treinamento nr 11  07052021Treinamento nr 11  07052021
Treinamento nr 11 07052021
Burh Empresas
 
Permissão Para Trabalho em Altura - NR 35
Permissão Para Trabalho em Altura  - NR 35Permissão Para Trabalho em Altura  - NR 35
Permissão Para Trabalho em Altura - NR 35
IZAIAS DE SOUZA AGUIAR
 
nr12-trein-procedimento-martelete-eletrico.pptx
nr12-trein-procedimento-martelete-eletrico.pptxnr12-trein-procedimento-martelete-eletrico.pptx
nr12-trein-procedimento-martelete-eletrico.pptx
IvoneSobrinho1
 
Modelo apr perfuratriz
Modelo apr perfuratrizModelo apr perfuratriz
Modelo apr perfuratriz
RosaneLopes14
 
61547246 apr-solda-isotermica
61547246 apr-solda-isotermica61547246 apr-solda-isotermica
61547246 apr-solda-isotermica
Sara Temoteo temoteo
 
Apr espaço confinado
Apr   espaço confinadoApr   espaço confinado
Apr espaço confinado
Jose Adilson
 
Analise preliminar-de-risco-soldas
Analise preliminar-de-risco-soldasAnalise preliminar-de-risco-soldas
Analise preliminar-de-risco-soldas
Jose Fernandes
 
Modelo-de-Ordem-de-Servico-NR-01.doc
Modelo-de-Ordem-de-Servico-NR-01.docModelo-de-Ordem-de-Servico-NR-01.doc
Modelo-de-Ordem-de-Servico-NR-01.doc
InaraSantos12
 
Plano emergencia modelo
Plano emergencia modeloPlano emergencia modelo
Plano emergencia modelo
Marlon Gatti
 
Maziero uso de calços de roda
Maziero   uso de calços de rodaMaziero   uso de calços de roda
Maziero uso de calços de roda
Nilson Luiz Maziero
 
Apr 10 corte
Apr 10   corteApr 10   corte
Apr 10 corte
Renan Oliveira
 
Treinamento pta
Treinamento ptaTreinamento pta
Treinamento pta
RogrioTorresTorres
 
Pta
PtaPta
Treinamento empilhadeira
Treinamento empilhadeiraTreinamento empilhadeira
Treinamento empilhadeira
FelippeAugustoSilva
 
Ponte rolante-power-point
Ponte rolante-power-pointPonte rolante-power-point
Ponte rolante-power-point
Alex Gonzalez
 
Ast análise-de-segurança-do-trabalho-site-segurança-do-trabalho-nwn
Ast análise-de-segurança-do-trabalho-site-segurança-do-trabalho-nwnAst análise-de-segurança-do-trabalho-site-segurança-do-trabalho-nwn
Ast análise-de-segurança-do-trabalho-site-segurança-do-trabalho-nwn
TIAGO SAMPOGNA DE MORAES
 

Mais procurados (20)

Segurança na operação da empilhadeira
Segurança na operação da empilhadeiraSegurança na operação da empilhadeira
Segurança na operação da empilhadeira
 
Apr cobertura bloco c v1
Apr cobertura bloco c v1Apr cobertura bloco c v1
Apr cobertura bloco c v1
 
Treinamento Trabalho em Altura - Atualizado 2023
Treinamento Trabalho em Altura - Atualizado 2023Treinamento Trabalho em Altura - Atualizado 2023
Treinamento Trabalho em Altura - Atualizado 2023
 
Apr hr
Apr hrApr hr
Apr hr
 
Treinamento nr 11 07052021
Treinamento nr 11  07052021Treinamento nr 11  07052021
Treinamento nr 11 07052021
 
Permissão Para Trabalho em Altura - NR 35
Permissão Para Trabalho em Altura  - NR 35Permissão Para Trabalho em Altura  - NR 35
Permissão Para Trabalho em Altura - NR 35
 
nr12-trein-procedimento-martelete-eletrico.pptx
nr12-trein-procedimento-martelete-eletrico.pptxnr12-trein-procedimento-martelete-eletrico.pptx
nr12-trein-procedimento-martelete-eletrico.pptx
 
Modelo apr perfuratriz
Modelo apr perfuratrizModelo apr perfuratriz
Modelo apr perfuratriz
 
61547246 apr-solda-isotermica
61547246 apr-solda-isotermica61547246 apr-solda-isotermica
61547246 apr-solda-isotermica
 
Apr espaço confinado
Apr   espaço confinadoApr   espaço confinado
Apr espaço confinado
 
Analise preliminar-de-risco-soldas
Analise preliminar-de-risco-soldasAnalise preliminar-de-risco-soldas
Analise preliminar-de-risco-soldas
 
Modelo-de-Ordem-de-Servico-NR-01.doc
Modelo-de-Ordem-de-Servico-NR-01.docModelo-de-Ordem-de-Servico-NR-01.doc
Modelo-de-Ordem-de-Servico-NR-01.doc
 
Plano emergencia modelo
Plano emergencia modeloPlano emergencia modelo
Plano emergencia modelo
 
Maziero uso de calços de roda
Maziero   uso de calços de rodaMaziero   uso de calços de roda
Maziero uso de calços de roda
 
Apr 10 corte
Apr 10   corteApr 10   corte
Apr 10 corte
 
Treinamento pta
Treinamento ptaTreinamento pta
Treinamento pta
 
Pta
PtaPta
Pta
 
Treinamento empilhadeira
Treinamento empilhadeiraTreinamento empilhadeira
Treinamento empilhadeira
 
Ponte rolante-power-point
Ponte rolante-power-pointPonte rolante-power-point
Ponte rolante-power-point
 
Ast análise-de-segurança-do-trabalho-site-segurança-do-trabalho-nwn
Ast análise-de-segurança-do-trabalho-site-segurança-do-trabalho-nwnAst análise-de-segurança-do-trabalho-site-segurança-do-trabalho-nwn
Ast análise-de-segurança-do-trabalho-site-segurança-do-trabalho-nwn
 

Semelhante a Plano Trânsito RAC 2 Ferrosos MOD 1.pptx

plano de transito para saber como dirigir e operar com seurança
plano de transito para saber como dirigir e operar com seurançaplano de transito para saber como dirigir e operar com seurança
plano de transito para saber como dirigir e operar com seurança
LucliaMarques5
 
Política de utilização de veículos
Política de utilização de veículosPolítica de utilização de veículos
Política de utilização de veículos
Tatiana Bueno
 
Politica utilizacao veiculos
Politica utilizacao veiculosPolitica utilizacao veiculos
Politica utilizacao veiculos
Janaina Eckermann
 
Plano de monitoramento integrado - CET - 2003
Plano de monitoramento integrado - CET  - 2003Plano de monitoramento integrado - CET  - 2003
Plano de monitoramento integrado - CET - 2003
Chico Macena
 
Edital concurso Esac RJ
Edital concurso Esac RJEdital concurso Esac RJ
Edital concurso Esac RJ
ConcursosPrevistos
 
Falhas no Simop
Falhas no SimopFalhas no Simop
Falhas no Simop
Roberta Soares
 
Simop
SimopSimop
Falhas do contrato do Simop
Falhas do contrato do SimopFalhas do contrato do Simop
Falhas do contrato do Simop
Roberta Soares
 
Trein. Veículos Industriais Local e Global.pptx
Trein. Veículos Industriais Local e Global.pptxTrein. Veículos Industriais Local e Global.pptx
Trein. Veículos Industriais Local e Global.pptx
HudsonOliveira50
 
Anexo 3
Anexo 3Anexo 3
Manual de Boas Práticas Para operadores .pptx
Manual de Boas Práticas Para operadores .pptxManual de Boas Práticas Para operadores .pptx
Manual de Boas Práticas Para operadores .pptx
HudsonOliveira50
 
Sinalizacaotecnica dgrafico
Sinalizacaotecnica dgraficoSinalizacaotecnica dgrafico
Sinalizacaotecnica dgrafico
Izabel Meister
 
Caderno de Encargos Central de Rastreamento
Caderno de Encargos  Central de RastreamentoCaderno de Encargos  Central de Rastreamento
Caderno de Encargos Central de Rastreamento
Ivonei Hilgemberg
 
rac02treinamentoveiculosautomotoresrac02rev0-220519175402-9c18911c.pptx
rac02treinamentoveiculosautomotoresrac02rev0-220519175402-9c18911c.pptxrac02treinamentoveiculosautomotoresrac02rev0-220519175402-9c18911c.pptx
rac02treinamentoveiculosautomotoresrac02rev0-220519175402-9c18911c.pptx
FrancyaneSarges1
 
CTB Esquematizado - Pedestres, Cidadãos e Eng. Tráfego
CTB Esquematizado - Pedestres, Cidadãos e Eng. TráfegoCTB Esquematizado - Pedestres, Cidadãos e Eng. Tráfego
CTB Esquematizado - Pedestres, Cidadãos e Eng. Tráfego
Marcos Girão
 
Leisestacionamento
LeisestacionamentoLeisestacionamento
Leisestacionamento
Lorenzi Santos Advogados
 
REC. EMPILHADEIRA.pptx
REC. EMPILHADEIRA.pptxREC. EMPILHADEIRA.pptx
REC. EMPILHADEIRA.pptx
Kleberrocha22
 
Reclass+-+Aula+1+-+Conhecimento+sobre+a+área.pdf
Reclass+-+Aula+1+-+Conhecimento+sobre+a+área.pdfReclass+-+Aula+1+-+Conhecimento+sobre+a+área.pdf
Reclass+-+Aula+1+-+Conhecimento+sobre+a+área.pdf
RafaelMarques467937
 
2.1.35 n-1965
2.1.35   n-19652.1.35   n-1965
2.1.35 n-1965
CRISTIANO GOUVEA
 
Competicoes obras-e-eventos-na-via-publica-e-suas-infracoes-de-transito
Competicoes obras-e-eventos-na-via-publica-e-suas-infracoes-de-transitoCompeticoes obras-e-eventos-na-via-publica-e-suas-infracoes-de-transito
Competicoes obras-e-eventos-na-via-publica-e-suas-infracoes-de-transito
Roberto Oliveira
 

Semelhante a Plano Trânsito RAC 2 Ferrosos MOD 1.pptx (20)

plano de transito para saber como dirigir e operar com seurança
plano de transito para saber como dirigir e operar com seurançaplano de transito para saber como dirigir e operar com seurança
plano de transito para saber como dirigir e operar com seurança
 
Política de utilização de veículos
Política de utilização de veículosPolítica de utilização de veículos
Política de utilização de veículos
 
Politica utilizacao veiculos
Politica utilizacao veiculosPolitica utilizacao veiculos
Politica utilizacao veiculos
 
Plano de monitoramento integrado - CET - 2003
Plano de monitoramento integrado - CET  - 2003Plano de monitoramento integrado - CET  - 2003
Plano de monitoramento integrado - CET - 2003
 
Edital concurso Esac RJ
Edital concurso Esac RJEdital concurso Esac RJ
Edital concurso Esac RJ
 
Falhas no Simop
Falhas no SimopFalhas no Simop
Falhas no Simop
 
Simop
SimopSimop
Simop
 
Falhas do contrato do Simop
Falhas do contrato do SimopFalhas do contrato do Simop
Falhas do contrato do Simop
 
Trein. Veículos Industriais Local e Global.pptx
Trein. Veículos Industriais Local e Global.pptxTrein. Veículos Industriais Local e Global.pptx
Trein. Veículos Industriais Local e Global.pptx
 
Anexo 3
Anexo 3Anexo 3
Anexo 3
 
Manual de Boas Práticas Para operadores .pptx
Manual de Boas Práticas Para operadores .pptxManual de Boas Práticas Para operadores .pptx
Manual de Boas Práticas Para operadores .pptx
 
Sinalizacaotecnica dgrafico
Sinalizacaotecnica dgraficoSinalizacaotecnica dgrafico
Sinalizacaotecnica dgrafico
 
Caderno de Encargos Central de Rastreamento
Caderno de Encargos  Central de RastreamentoCaderno de Encargos  Central de Rastreamento
Caderno de Encargos Central de Rastreamento
 
rac02treinamentoveiculosautomotoresrac02rev0-220519175402-9c18911c.pptx
rac02treinamentoveiculosautomotoresrac02rev0-220519175402-9c18911c.pptxrac02treinamentoveiculosautomotoresrac02rev0-220519175402-9c18911c.pptx
rac02treinamentoveiculosautomotoresrac02rev0-220519175402-9c18911c.pptx
 
CTB Esquematizado - Pedestres, Cidadãos e Eng. Tráfego
CTB Esquematizado - Pedestres, Cidadãos e Eng. TráfegoCTB Esquematizado - Pedestres, Cidadãos e Eng. Tráfego
CTB Esquematizado - Pedestres, Cidadãos e Eng. Tráfego
 
Leisestacionamento
LeisestacionamentoLeisestacionamento
Leisestacionamento
 
REC. EMPILHADEIRA.pptx
REC. EMPILHADEIRA.pptxREC. EMPILHADEIRA.pptx
REC. EMPILHADEIRA.pptx
 
Reclass+-+Aula+1+-+Conhecimento+sobre+a+área.pdf
Reclass+-+Aula+1+-+Conhecimento+sobre+a+área.pdfReclass+-+Aula+1+-+Conhecimento+sobre+a+área.pdf
Reclass+-+Aula+1+-+Conhecimento+sobre+a+área.pdf
 
2.1.35 n-1965
2.1.35   n-19652.1.35   n-1965
2.1.35 n-1965
 
Competicoes obras-e-eventos-na-via-publica-e-suas-infracoes-de-transito
Competicoes obras-e-eventos-na-via-publica-e-suas-infracoes-de-transitoCompeticoes obras-e-eventos-na-via-publica-e-suas-infracoes-de-transito
Competicoes obras-e-eventos-na-via-publica-e-suas-infracoes-de-transito
 

Plano Trânsito RAC 2 Ferrosos MOD 1.pptx

  • 1. Foto: Marcelo Coelho Plano de Trânsito e Procedimento de RAC 02 de Ferrosos Módulo I
  • 4. Foto: Marcelo Coelho Aplicação Este documento se aplica a todos os empregados Vale e Terceiros que trabalham nas unidades da Vice Presidência de Ferrosos no Brasil.
  • 5. VPS
  • 8. Foto: Marcelo Coelho Fadiga: Estado de exaustão física ou mental reversível que reduz a habilidade da pessoa de desempenhar o trabalho de forma segura e eficiente. Sonolência: Estado intermédio entre o sono e a atividade plena dos sentidos, caracterizada por um sono imperfeito, causado pelo cansaço físico ou por ingestão de drogas (lícitas ou ilícitas)
  • 9. Foto: Marcelo Coelho Veículos automotores leves: Todo veículo a motor de propulsão que circule por seus próprios meios, e que serve normalmente para o transporte viário de pessoas e coisas, ou para a tração viária de veículos utilizados para o transporte de pessoas e coisas. Incluem: automóveis, veículos utilitários esportivos, pick-ups, minivans, vans, micro-ônibus, ônibus.
  • 10. Foto: Marcelo Coelho Equipamentos Móveis: Equipamentos propulsionados por motor e utilizados para movimentar, transportar, escavar, mover ou empurrar materiais. Equipamentos móveis de grande porte: Equipamentos com tara igual ou superior a 45 toneladas
  • 11. Foto: Marcelo Coelho Batedor / Carro Guia: veículo automotor (exceto ônibus e micro-ônibus) e/ou caminhão rodoviário, conduzido / operado por condutor credenciado e/ou responsável pelo acompanhamento e sinalização da movimentação de equipamentos / veículos, durante a locomoção em condições especiais, veículos e equipamentos lentos e/ou conduzido por profissionais não conhecedores da área onde irão acessar. Equipamentos móveis de superfície: Motonivelador, escrêiper, retroescavadeira, escavadeira, pá carregadeira, trator, empilhadeira de garfo, manipulador de pneus, caminhão fora de estrada, outros caminhões, perfuratriz, mini carregadeira - lista não exaustiva.
  • 13. Foto: Marcelo Coelho Líder de cada localidade/ site (supervisor, gerente ou diretor)  Garantir a implementação deste PRO em suas áreas de atuação e o treinamento dos empregados próprios e terceiros;  Garantir a divulgação do mapa de via da unidade;
  • 14. Foto: Marcelo Coelho Líder de cada operação / projeto (supervisor, gerente ou diretor)  Realizar acompanhamento dos indicadores de detecção de sonolência e telemetria (rastreador) implementando as ações indicadas para cada tipo de desvio conforme Anexo 3.  Autorizar formalmente via forms empregados autorizados a conduzir veículos em sua área, inclusive deliberando sobre quais empregados estão autorizados a levar veículos para suas residências;  Realizar fiscalização quanto ao atendimento deste PRO em campo e realizar a tratativa necessária quando da ocorrência de desvios.
  • 15. Foto: Marcelo Coelho Condutor/ motorista  Cumprir todos os itens deste Procedimento/RAC 02 e CTB;  Relatar falhas no veículo, vias e em quaisquer um dos sistemas (rastreador/detector de sonolência) embarcados ao líder imediato;  Procurar o líder ou equipe de Segurança do Trabalho em caso de dúvidas quanto ao atendimento em algum dos itens;
  • 16. Foto: Marcelo Coelho Equipe de segurança do trabalho  Ministrar treinamento relativos a este procedimento em sua área de atuação;  Esclarecer dúvidas dos usuários e lideres quanto a este procedimento;  Realizar fiscalização quanto ao atendimento deste PGS em campo;  Garantir a realização da mobilização dos veículos aplicando o check de primeiro uso procedimento nos sites da unidade
  • 17. Requisitos para vias operacionais e regras de circulação.
  • 18. Foto: Marcelo Coelho Regras gerais A condução veicular e as vias operacionais devem seguir todas as premissas estabelecidas conforme CTB - Código de Trânsito Brasileiro, Requisitos para Atividades Críticas de nº 2 e outras legislações aplicáveis (plano de trânsito da localidade, em especial os de minas).
  • 19. Foto: Marcelo Coelho Regras gerais Todas as unidades operacionais de Ferrosos devem elaborar um mapa de vias, por equipe multidisciplinar, contendo no mínimo: a. Identificações dos principais riscos e medidas de controle das vias; e b. Contato de emergência em caso de acidentes. Empresa: Complexo / Site: Estado: Minas Gerais Trajeto: PONTOS CRÍTICOS MAPEADOS MEDIDAS DE CONTROLE Trecho entre o Km 123 até o Km 152 mapeado como crítico pela PRF. Redução de velocidade da via para 80 Km/h com inserção de cerca eletrônica. Passagem de nível localizada no Km 221 Respeitar a sinalização e Inserir cerca de eletrônica Declive acentuado no Km 325 Reduzir a velocidade, respeitar a sinalização e descer com o veículo engrenado. Trecho com alto índice de acidente já mapeado pelo SESMT no Km 434 Redução de velocidade da via para 60 Km/h com inserção de cerca eletrônica. N/A N/A N/A N/A N/A N/A N/A N/A N/A N/A N/A N/A Gerência 19 de Julho de 2022 - Revisão 1.0 ORIENTAÇÕES Data de elaboração e revisão Elaboradores: Matrícula ITENS A SEREM VERIFICADOS Aclives/declives acentuados a partir de 7% de inclinação e >=5 Km de extensão – Interno Vale; Regiões ao entorno das rodoviárias e baldeios – Interno Vale; Estreitamento de via (passagem única) - Interno Vale; Trechos com interferência com máquinas e equipamentos de mina – Interno Vale; Pontos críticos “hot zone”, mapeados pela polícia rodoviária federal - Externo a Vale; Passagens de nível – Interno e externo Vale; Trechos críticos mapeados pela segurança do trabalho VALE da localidade devido elevado índice de acidentes – Interno ou externo Vale; Limites de velocidade - Interno Vale; Inicio e fim da rota Complexo Paraopeba Sul / Mina Fábrica Vale Distâncias de segurança e áreas restritas (zonas de exclusão)- exclusivo da mina - Interno Vale Estação Ferrovia de Engenheiro Bandeira até a Portaria da Mina de Fábrica Em caso de ACIDENTES, ligar no telefone (XX) XXXX-XXXX ou XXX. GUIA PARA CONFECÇÃO DO MAPA DE VIAS 1.Inserir o Mapa do Trecho ou Localidade que estará sendo analisado de preferência utilizando o Google Earth, para geração de imagens; 2. Levante os pontos críticos (conforme guia ao lado e plano de trânsito) e insira os ícones em cada ponto no mapa/trecho; 3. Inserir na coluna ao lado quais as medidas de controle para cada ponto crítico mapeado (se necessário incluir mais linhas); 4. Se necessário trace uma rota alternativa, em outra aba da planilha, para em caso de emergência, realizando o mesmo mapeamento acima. Faça o check list de pré uso do veículo a cada troca de motorista. Em caso de sinais de sonolência não conduzir.
  • 20. Foto: Marcelo Coelho Regras gerais Os pontos críticos das vias operacionais também devem estar mapeados com cercas eletrônicas, em sistema de telemetria/ rastreador, com emissão de alerta (bip contínuo) ao condutor conforme critérios: a)Aclives/declives acentuados a partir de 7% de inclinação – Interno Vale; a)Regiões ao entorno das rodoviárias/ baldeios – Interno Vale; a)Estreitamento de via (passagem única) – Interno Vale; a)Trechos com interferência com máquinas e equipamentos de mina – Interno Vale; Pontos críticos “hot zone”, mapeados Passagens de nível – Interno e externo Vale Trechos críticos mapeados pela segurança do trabalho VALE
  • 21. Foto: Marcelo Coelho Regras gerais O condutor/ motorista deve portar e apresentar quando solicitado o passaporte para dirigir veículos automotores, com as datas dos treinamentos e ASO. A emissão desse passaporte é de responsabilidade da gerência, contratadas ou áreas específicas definidas. NA EMITIDOPOR: Passaporte S&S A uto rização para A tividades C rí ticas D A D OS D O EM PR EGA D O M at rí cula: xxxxxxxx D iret oria: XXXXXXXXXXX Ger.Exec: XXXXXXXXXX N ome: xxxxxxxxxxxxxxxx R A C V A LID A D E R A C V A LID A D E RAC 01: N.A RAC 06.2: NA RAC 02: xx/xx/xx RAC 07: NA RAC 03: N.A RAC 08: NA V A LID A D E RAC 04: N.A RAC 09: NA RAC 05: N.A RAC 10: NA XXXXXXXXX Função: XXXXXXXXXXXXX Em caso de EM ER GÊN C IA ligue para R amal Interno : 193 C elular: 0800 2850 193 SA Ú D E V A LID A D E Exames médicos (ASO) XX.XX.XXXX RAC 06.1: N.A RAC 11: NA OU TR OS TR EIN A M EN TOS
  • 22. Foto: Marcelo Coelho Regras gerais – observação O condutor/ motorista, além de registrar no check list, deve seu superior imediato quaisquer anomalias/não conformidade, avarias, colisões e acidentes ocorridos com o veículo. Os deslocamentos para aeroporto/residência/posto de trabalho em viagens/hotéis serão permitidos através de: * Táxi e veículos por aplicativos; * Veículos de balcão (conforme requisito RAC 2.6.3) Nos deslocamentos entre sites/unidades operacionais não é permitida veículos de balcão ou taxi, sendo mandatório o uso de veículos distâncias menores que 50 km. É PROÍBIDO uso de veículo de BALCÃO temporário como carro reserva a veículos dedicados,
  • 23. Foto: Marcelo Coelho Regras gerais – fornecedores O acesso de veículos/ equipamentos de fornecedores de materiais, reboques e clientes (arrematantes, compradores de sucata e etc.) que realizarão operações dentro da Vale devem atender plenamente os requisitos legais. Devendo ser submetido ao processo de vistoria e liberação de acesso conforme regra local
  • 24. Foto: Marcelo Coelho Regras gerais – pneu remold É proibida a utilização de pneus recauchutados ou remold Exceto para ônibus, micro-ônibus e outros caminhões que deverão deverão seguir a Resolução do CONTRAN 445 que proíbe a utilização de pneus reformado
  • 25. Foto: Marcelo Coelho Regras gerais Todos os veículos/ equipamentos mobilizados que acessam as unidades Vale devem possuir o logotipo da empresa afixado nas portas dianteiras, o logotipo deve ter dimensões mínimas de 30cm de comprimento por 10cm de altura.
  • 26. Foto: Marcelo Coelho Regras gerais DIPS – Dispositivo Indicador de Porca Solta utilizado nos pneus de veículos e equipamentos, obrigatório para ônibus, micro-ônibus, vans, caminhonetes com capacidade de carga acima de 650Kg e outros caminhões.
  • 28. Foto: Marcelo Coelho Regras gerais para vias a)Nos locais com risco de quedas de veículos e equipamento móveis, meios de proteção adequados, seja por leiras ou outros dispositivos a)Deve ser implementado plano de gestão da manutenção das trânsito, sistema de iluminação e sinalização. A unidade deverá responsável para atendimento a esse item. a)Qualquer modificação nas vias ou fluxo de trânsito na unidade submetidas ao Comitê de Trânsito a)Toda mudança no trânsito deve maximizar a segregação de de outros objetos, incluindo pedestres, edificações, calçadas,
  • 29. Foto: Marcelo Coelho Regras gerais para vias As vias devem possuir: a) Duas vezes (2X) maior que a largura do maior veículo utilizado em pistas simples; b) Três vezes (3X) maior que a largura do maior veículo utilizado em pistas duplas. Em cruzamentos e entradas de bancos, as leiras devem ser rebaixadas em sua altura, limitando-se ao comprimento máximo de 5 metros, ou seja, reduzir sua altura padrão pela metade com relação ao nível da pista para facilitar a visualização de veículos e equipamentos móveis.
  • 30. Foto: Marcelo Coelho Regras gerais para vias a)Os acessos às áreas livres, controladas e restritas devem ser com as placas de sinalização de cada área e portal nas cores definidas do PRO. a)Os recursos e sinalização a serem utilizados devem obedecer aos estabelecido pela legislação de trânsito e aos procedimentos a)Todas as redes elétricas e hidráulicas devem ser devidamente limite de altura a)O bloqueio das vias deverá ser precedido de planejamento e definição necessários para a boa sinalização do mesmo
  • 31. Foto: Marcelo Coelho Regras gerais para vias Inserir aqui seu Mapa de Vias da sua unidade/Mina
  • 33. Foto: Marcelo Coelho Regras gerais para pessoas Os empregados (Vale e terceiros) devem ir ou vir ao trabalho priorizando o transporte fornecido pela empresa. Para conduzir veículos, o condutor não pode estar sob a influência de substâncias que causem dependência química ou medicação que possa prejudicar a habilidade para dirigir. Deve comunicar à área de saúde de sua área/ empresa, quando fizer uso de medicamentos que causem distúrbios do sistema nervoso central.
  • 34. Foto: Marcelo Coelho Regras gerais para pessoas a)Nunca se deve sair do veículo ou equipamento móvel em a)Condução em longos períodos, fazer pausa de 15 minutos a local adequado (não podendo apenas estacionar o veículo e fazer do veículo). a)O condutor deve assegurar-se de que todos os ocupantes do de segurança, antes de iniciar a partida.
  • 35. Regras gerais para procedimentos
  • 36. Foto: Marcelo Coelho Regras gerais para procedimentos A documentação do condutor/ motorista deve estar disponível, legível e válida para fins de consulta e fiscalização em meio físico ou digital válido legalmente. Atividades de troca de pneus, carga auxiliar de bateria (chupeta) e desatolamento nos veículos leves, micro ônibus e vans dentro dos sites é permitido mediante o atendimento dos critérios da
  • 37. Foto: Marcelo Coelho Regras gerais para procedimentos Para troca de pneus, carga auxiliar de bateria (chupeta) e desatolamento de Ônibus devem ser realizadas por equipe especializada local.
  • 38. Foto: Marcelo Coelho Regras gerais para procedimentos Os assentos de veículos leves só devem ser utilizados quando possuírem encosto de cabeça e cinto de 3 pontos. Os ônibus, micro ônibus e vans devem possuir encosto de cabeça e cinto de 3 pontos para o motorista e passageiro da primeira fileira de bancos (linha de bancos do condutor), demais ocupantes encosto de cabeça e cinto de 2 pontos devidamente afivelados.
  • 39. Foto: Marcelo Coelho Regras gerais para procedimentos É proibido durante a condução veicular e equipamentos móveis: a)Fumar, comer, beber a)utilizar TV/DVD a)som com fone de ouvido manusear telefone celular recurso viva voz rádio de comunicação portáteis
  • 40. Foto: Marcelo Coelho Regras gerais para procedimentos O condutor deve comunicar ao seu superior imediato quaisquer anomalias, danos, avarias, colisões e acidentes ocorrido com o veículo e condutor. Qualquer ocorrência com veículos que afete as condições de tráfego na área interna das Unidades deverá ser comunicada à Gerência de Segurança Empresarial que cuidará das providências para controle do trânsito local Nos deslocamentos deve-se priorizar viagens utilizando recursos ferroviário e/ou aéreo. Na impossibilidade, viagens com veículos automotores deverão ser realizadas prioritariamente entre o período de 06h e 18hs. Para viagens intermunicipais com deslocamento superior a 50km das 19:00 às 05:00h, é obrigatório a autorização formal do Gerente.
  • 41. Foto: Marcelo Coelho Regras gerais para procedimentos a)Todos os equipamentos móveis têm prioridade sobre os veículos exceto: veículos de emergência / resgate (ambulância e bombeiro), atendimento emergencial a)Atividades de manutenção/ conservação de pista com auxílio de móveis, devem ser sinalizadas. a)A distância de seguimento nas áreas restritas é de no mínimo 50 controladas de no mínimo 10 metros. Em condições adversas como chuva forte, declives, curvas etc, a distância deverá ser aumentada relação as distâncias acima citadas.
  • 42. Foto: Marcelo Coelho Regras gerais para procedimentos É obrigatório o uso de lanternas individuais (deslocamento noturno), colete refletivo e ou uniformes com faixas refletivas para deslocamento em áreas de operação de equipamentos móveis, exceto locais que existam sistemática e/ou controle de engenharia para segregação (ex.:Oficinas, posto abastecimento e etc.) de homem X máquina.
  • 43. Foto: Marcelo Coelho Regras gerais para procedimentos a)O uso de colete refletivo ou uniforme com faixas refletivas é obrigatório interação com veículos, máquinas e equipamentos móveis a)É proibido o deslocamento a pé ao longo das vias de acessos dos móveis, com exceção as atividades essenciais (Ex.: sinalização, topografia de mina, etc.) precedido de Análise de Risco a)Aproximação de pedestres dos equipamentos só poderá ocorrer rádio de comunicação, após a paralisação da operação e apoio dos solo A circulação de pessoas pelas áreas onde haja veículos e outros por calçadas, caminhos seguros e faixas de pedestres sinalizados.
  • 44. Regras gerais para veículos leves
  • 45. Foto: Marcelo Coelho Regras gerais para veículos leves Todos os veículos devem possuir um programa de manutenção. As manutenções realizadas em rede de oficinas autorizada pelo fabricante, desde que o manual seja carimbado fica dispensado do cumprimento das exigências a seguir:
  • 46. Foto: Marcelo Coelho Regras gerais para veículos leves O plano de manutenção deve ser elaborado por profissional habilitado mecânico, engenheiro de automóveis, engenheiro de armamento ou com emissão de ART – Anotação de responsabilidade técnica O plano de manutenção deve constar detalhamento e periodicidade que devem ser trocados, ajustados, torqueados e inspecionados; a)As recomendações do plano de manutenção devem estar no mínimo recomenda o fabricante em seu manual; A gestão da manutenção e execução das atividades do plano, podem ser profissionais qualificados (mecânicos treinados ou técnicos).
  • 47. Foto: Marcelo Coelho Regras gerais para veículos leves Deve ser fixada no vidro de forma visível na parte interna lado direito no veículos e equipamentos a etiqueta conforme imagem abaixo para controle das manutenções preventivas
  • 48. Foto: Marcelo Coelho Regras gerais para veículos leves Para os deslocamentos com veículos leves, os para-brisas devem estar em condições de segurança de modo a reduzir os riscos de lesões aos ocupantes dos veículos e assegurar a visibilidade dos condutores
  • 49. Foto: Marcelo Coelho Critério para uso de reboque - carretinha Deve ser avaliado os seguintes critérios para uso de reboque (carretinha) pelas áreas, independente do modelo: Possuir CAT (certificado de adequação legislação de trânsito) Estar devidamente emplacada e junto ao órgão de trânsito Possuir a capacidade máxima de adesivado em sua lateral Para ativos Vale, estar cadastrada e gerenciada em sistema Possuir plano de manutenção
  • 50. Foto: Marcelo Coelho Acesso de caminhões/ cargas, uso de escolta e batedores Os veículos batedores, em áreas internas da Vale devem trafegar com pisca-alerta ligados, sendo facultados os requisitos específicos de sinalização. Em área externa, devem ser atendidos os requisitos de legislação.
  • 51. Uso de batedor na frente Uso de batedor na traseira AOZ- Área de Operação dos Autônomos x x Veículo/equipamento não atinja a metade da velocidade estabelecida para a via. x Veículo/equipamento possua carga/dimensão com excesso traseiro. x Veículo/equipamento possua carga/dimensão com excesso lateral e/ou dianteiro. x Veículos de visitantes, autoridade e/ou de motoristas que desconhecem as vias de trânsito interno. x Equipamentos que possuam comprimento (30,01 a 35,00 metros). x Equipamentos que possuam comprimento superior a 35,00metros. x x Equipamentos que possuam largura (3,21 a 3,80 metros). x Equipamentos que possuam largura superior a 3,80 metros. x x Equipamentos que possuam altura (4,41 a 5,50 metros). x Equipamentos que possuam altura superior a 5,50 metros. x x Equipamento não possua sinalização frontal (farol e seta). x Equipamentos de circulação restrita (empilhadeiras/linhas amarela/PTA/etc.) x Equipamento não possua sinalização traseira (seta). x
  • 52. Foto: Marcelo Coelho Regras de estacionamento A construção/ definição de estacionamentos nas dependências internas da Vale deve seguir, no mínimo, o especificado abaixo:
  • 53. Foto: Marcelo Coelho Regras de estacionamento
  • 54. Foto: Marcelo Coelho Regras de estacionamento As vagas também podem ser definidas em ângulo. Locais onde não for possível definir vagas do tipo “estacione de ré”, podem excepcionalmente ser definidas de forma paralela à guia (fila indiana), desde que devidamente sinalizadas (vertical e horizontalmente) e atendam as dimensões de demarcação a seguir
  • 55. Foto: Marcelo Coelho Regras de estacionamento Nos estacionamentos das dependências Vale, todos os veículos (leves, ônibus, micro-ônibus, Vans e equipamentos móveis – outros caminhões) devem ser posicionados/estacionados em locais permitidos no sentido de saída (em marcha a ré), engrenar marcha forte (ré ou primeira), acionar freio de estacionamento, desligar o motor e retirar chave da ignição.
  • 56. Foto: Marcelo Coelho Regras de estacionamento É obrigatório uso de calços para veículos leves e pesados (vans, ônibus, micro-ônibus, caminhões rodoviários e similares), estacionados. A exceção do calço é para locais já adaptados com este dispositivo (calços fixos) e para ônibus em rodoviárias apropriadas (com terreno plano).
  • 57. Foto: Marcelo Coelho Regras de estacionamento Os estacionamentos para os equipamentos móveis (outros caminhões) devem ser separados dos demais veículos leves, incluindo ônibus, micro-ônibus e vans, podendo tomar como dimensões para a sua construção as mesmas definidas para ônibus. Quando em carga/descarga, os equipamentos móveis devem dar preferência por estacionar no sentido de saída (marcha à ré). No caso de impossibilidade, deve-se prever medidas de controles em análise de risco documentada.
  • 58. Foto: Marcelo Coelho Regras de estacionamento Não é permitido parar ou estacionar: Sob redes elétricas (para Equipamentos Móveis implemento de articulação e movimento Perto de bordas de taludes e crista bancos Em área delimitada para manobra carga e descarga Em vias de acesso dos Sob transportadores de correia ou máquinas
  • 59. Foto: Marcelo Coelho Regras de estacionamento Em áreas de risco de inundação e deslizamento Em distância menor que 10 metros dos painéis elétricos e das tensão Em distância inferior a 30 metros à direita dos equipamentos estando estes em manutenção Em distância inferior a 30 metros dos equipamentos móveis, com exceção descarga de ferramentas em manutenção corretiva, bem como nas lubrificação e abastecimento, estando o equipamento bloqueado
  • 60. Foto: Marcelo Coelho Regras de estacionamento A menos de 50 metros do início/término de uma curva Em área sinalizada de manobra de equipamentos móveis para descarga; Em área demarcada para perfuração e carregamento de furos com (desmonte)
  • 61. Foto: Marcelo Coelho Nota especial Somente é permitido o estacionamento de veículos sob redes elétricas, quando atendido as seguintes condições:  Impossibilidade técnica de relocação da rede ou construção/relocação do estacionamento ou da parada de ônibus;  Elaboração de análise de risco por equipe multidisciplinar – inclui-se aí o PH (Profissional Habilitado) em elétrica e que o risco atual seja baixo;  Realização da gestão de mudanças – cadastrada no SAP.
  • 63. Foto: Marcelo Coelho Bloqueio de via O bloqueio das vias deverá ser precedido de planejamento e definição dos recursos necessários para a boa sinalização do mesmo sob a responsabilidade da área que realizará a intervenção na via.
  • 64. Foto: Marcelo Coelho Bloqueio de via “Nesse caso, os sinais “PARE” e “SIGA”, operados manualmente, devem ser posicionados antes da área de transição, indicando ao condutor o ponto de parada do veículo em que se deseja interromper o fluxo para a alternância de circulação. “ “Em situações de alternância de fluxo durante o período noturno, deve ser providenciado luminárias portais ou veículos com giro flex/ alerta ligado em cada operador para garantir a segurança deles.”
  • 65. Foto: Marcelo Coelho O trabalhador que executa a operação com os sinais “PARE” e “SIGA” deve, além de atender ao disposto neste procedimento: Posicionar-se em local fora da área destinada à circulação de veículos Colocar-se de frente o fluxo de tráfego; Portar equipamento de radiocomunicação. Bloqueio de via
  • 66. Foto: Marcelo Coelho Bloqueio de via Para a Operação “PARE e SIGA” devem ser obedecidas as seguintes orientações:
  • 67. Foto: Marcelo Coelho Bloqueio de via Um operador, portando o suporte com os sinais “PARE” e posicionado antes da área de transição, no ponto em que em local protegido e visível, e mantendo o sinal “PARE” de veículos que lhe cabe reter. Após a passagem do último veículo do fluxo contrário, o colocar-se lateralmente ao fluxo que controla, mudar o sinal “SIGA”, e fazer gestos para informar o início de circulação, configura abaixo
  • 68. Foto: Marcelo Coelho Bloqueio de via Na Operação “PARE e SIGA”, deve-se atentar para o tempo do fluxo, de modo a minimizar as filas de retenção, e a segurança dos usuários, evitando-se períodos de espera minutos para a alternância de fluxos. Os operadores de “PARE” e “SIGA" devem estar entrada de túneis e de curvas horizontais e verticais casos, a sinalização deve ser disposta em área com boa Recursos necessários para sinalização em caso de bloqueio PARE e SIGA.
  • 69. Foto: Marcelo Coelho Sinalização de via – Pare e Siga
  • 70. Foto: Marcelo Coelho Nota especial Caso seja implementado um semáforo portátil, não há necessidade de pare e siga
  • 72. Foto: Marcelo Coelho Passagem de nível Antes da transposição da passagem em nível deve-se: a)Obedecer a sinalização existente OLHE, ESCUTE); a)Parar o veículo em local seguro, fora do gabarito posicionando o veículo de forma a ter ampla visão os lados da via ferroviária e com os vidros baixos, dois lados das vias de circulação a)Desligar o som do veículo para buzina do trem; Verificar, antes da travessia, se a via do lado oposto à PN está liberada;
  • 73. Foto: Marcelo Coelho Passagem de nível Antes da transposição da passagem em nível deve-se: Verificar se há visibilidade suficiente, caso contrário não prossiga; Em PN’s com duas ou mais linhas, aguarde a completa passagem do trem e liberação do campo de visão de todas as linhas: trens podem circular em qualquer linha ou sentido Ao ouvir a buzina do trem ou identificar a aproximação no sentido da PN, não tentar atravessar. Aguarde em local seguro a passagem do trem; Não trocar marchas sobre a plataforma da via.