SlideShare uma empresa Scribd logo
Primeira Igreja Batista do João Agripino – PIBJA

                                 Mensagem: PECADO

                                    Data: 14/08/2011


       Aquele que desejar ter pontos de vista corretos sobre a santidade cristã terá de
começar examinando o vasto e solene assunto do pecado. Terá de cavar bem fundo se
quiser construir um edifício bem alto. Conceitos errôneos sobre a santidade geralmente
advém de idéias distorcidas quanto à corrupção humana.

        A verdade absoluta é que o correto conhecimento do pecado jaz à raiz de todo o
cristianismo salvífico. Sem ele, termos como justificação, conversão e santificação serão
apenas “palavras e nomes” que não transmitem qualquer sentido à nossa mente.

        Portanto, a primeira coisa que Deus faz quando quer tornar alguém em uma nova
criatura em Cristo é iluminar-lhe o coração, mostrando-lhe que ele é um pecador culpado.
A criação material, segundo o livro de Gênesis, começou com a “luz”; isso também
acontece no caso da criação espiritual. Deus mesmo “resplandeceu em nosso coração”
mediante a obra do Espírito Santo, e então, a vida espiritual teve seu inicio (2 Co. 4.6).

       Pontos de vista mal definidos acerca do pecado são a origem da maioria dos erros,
das heresias e das doutrinas falsas de nossos dias. Se um homem não percebe a natureza
perigosa da doença de sua alma, ninguém poderá admirar-se de que ele se contente com
remédios falsos ou imperfeitos.

       Precisamos de um ensino mais claro e completo sobre o pecado.

       A seguir veremos 5 pontos concernentes ao pecado: sua definição, sua origem e
fonte, sua extensão, a culpa e a ofensa do pecado aos olhos de Deus e a sua
propensão para enganar.

   1. Definição

 Sabemos realmente o que é pecado?

Pecado é, de um modo geral “a falha e a corrupção da natureza de cada ser humano,
naturalmente produzidas pela natureza de Adão em nós, pelas quais o homem muito
se afasta da retidão original, pois faz parte de sua natureza, inclinar-se para o erro,
de tal modo que a carne sempre milita contra o espírito; e assim sendo, o pecado
merece a ira e a condenação de Deus em cada pessoa que nasce neste mundo”.

Em suma, o pecado é aquela vasta enfermidade moral que afeta a raça humana inteira, em
todas as classes e níveis, nas nações, povos e línguas – uma enfermidade da qual apenas
um único homem nascido de mulher esteve isento. Quem foi?
Um “pecado” de modo particular consiste em praticar, dizer, pensar, ou imaginar
qualquer coisa que não esteja em perfeita conformidade com a mente e a lei de
Deus. Em resumo, segundo as Escrituras, “o pecado é a transgressão da lei’ (1 Jo
3.4).

A Bíblia mostra que um homem pode quebrar a lei de Deus em seu coração e em seus
pensamentos, mesmo quando não há qualquer ato externo e visível de iniqüidade. Um
poeta inglês disse ”Um homem pode sorrir, sorrir e ainda ser um vilão”.

A Bíblia também nos mostra que há pecados de omissão tanto quanto de comissão, e que
pecamos ao “deixarmos de fazer as coisas que deveríamos fazer” tanto quanto ao
“fazermos aquilo que não deveríamos”. Jesus falou isso claramente em Mt 25.41-42.

Declaração do arcebispo inglês Usher, pouco antes da sua morte: “Senhor, perdoa-me
todos os meus pecados, sobretudo os meus pecados de omissão”.

É necessário relembrar que um homem pode cometer um pecado e, no entanto, fazê-lo
por ignorância, julgando-se inocente, quando na realidade é culpado. Nos capítulos 4 e 5
de Levítico bem como em Números 15, Israel é instruído de que havia pecados de
ignorância que tornavam as pessoas imundas e que precisavam ser expiados. (Lv 4.1-35;
5. 14-19; Nm 15. 25-29).


   2. Origem e fonte

       As idéias de muitos crentes professos quanto a esse particular, são tristemente
defeituosas e doentias. Devemos fixar em nossa mente que a pecaminosidade de um
homem não começa pelo lado de fora e sim pelo lado de dentro, trata-se de uma
enfermidade de família, que herdamos dos nossos primeiros pais, Adão e Eva, e com a
qual todos já nascemos. Criados à imagem de Deus e inocentes a principio, nossos pais
caíram da justiça original e tornaram-se pecaminosos e corruptos. E desde aquele dia,
homens e mulheres nascem segundo a imagem de Adão e Eva decaídos, herdando um
coração e uma natureza inclinados ao pecado – “por um só homem entrou o pecado no
mundo”; “o que é nascido da carne é carne”; “éramos, por natureza, filhos da ira”;
“o pendor da carne é inimizade contra Deus”; “do coração dos homens é que
procedem os maus desígnios, a prostituição, os furtos”. (Rm 5.12; Jo 3.6; Ef 2.3; Rm
8.7; Mc 7.21).


   3. Extensão.

       A única base segura é a dada pelas Escrituras. “Viu o Senhor que a maldade do
homem se havia multiplicado na terra e que era continuamente mau todo desígnio
do seu coração”; “Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e
desesperadamente corrupto” (Gn 6.5; Jr 17.9). O pecado é um mal que permeia e
percorre todas as partes de nossa constituição moral, bem como cada faculdade de nossa
mente. A compreensão, os afetos, o poder de raciocínio, a vontade; tudo está, em certa
medida, infeccionado pelo pecado. A própria consciência está tão cega que dela não se
pode depender como guia seguro. Ela tanto pode conduzir o homem para o erro quanto
para o que é certo, a menos que seja iluminada pelo Espírito Santo. Em suma, “Desde a
planta do pé até a cabeça não há nele cousa sã, senão feridas, contusões e chagas
inflamadas” (Is 1.6). O mal pode ser velado sob uma fina cortina de cortesia, polidez,
boas maneiras ou decoro exterior, mas jaz profundamente em nossa constituição.
        Cada parte do mundo dá testemunho do fato que o pecado é a enfermidade
universal de toda a humanidade. Pesquisemos o globo de leste a oeste e de um pólo ao
outro, rebusquemos todas as nações de todos os climas, nos quatro quadrantes da terra,
procuremos em cada classe e nível social de nosso próprio país, do mais elevado ao mais
humilde, sob cada circunstância e condição; o relatório será sempre o mesmo. As mais
remotas ilhas no oceano Pacifico, completamente separadas da Europa, da Ásia, da
África e da América, fora do alcance do luxo oriental e da arte e literatura ocidentais;
ilhas habitadas por povos que ignoram livros, dinheiro, vapor e eletricidade; não
contaminados pelos vícios da civilização moderna, tem sido encontradas as piores formas
de concupiscência, de crueldade, de engodo e superstição. Se seus habitantes não
conhecem outra coisa, pelo menos conhece o pecado! Por toda a parte o coração humano
é enganoso “mais do que todas as coisas, e desesperadamente corrupto” (Jr 17.9).

   4. Culpa e ofensa do pecado aos olhos de Deus.

Devemos fixar na mente, com firmeza, que o pecado é aquela “coisa abominável” a
qual Deus aborrece e que Deus é “tão puro de olhos que não pode ver o mal”; e que
qualquer que tropeçar “em um só ponto” da lei de Deus “se torna culpado de
todos”; e que “a alma que pecar essa morrerá”; e que “o salário do pecado é a
morte”; e que Deus julgará “os segredos dos homens”; e que há um lugar onde
nunca “morre o verme, nem o fogo se apaga”; e que “os perversos serão lançados no
inferno”, e que “irão estes para o castigo eterno”, porquanto nos céus “nunca jamais
penetrará coisa alguma contaminada, nem o que pratica abominação e mentira”.
(Jr 44.4; Ha 1.13; Tg 2.10; Ez 18.4; Rm 6.23; 2.16; Mc 9.44; Sl 9.17; Mt 25.46 e Ap
21.27). Essas são, realmente, palavras tremendas, quando consideramos que foram
escritas no Livro do Deus misericordiosíssimo!

   5. Propensão para enganar

       Este tema é algo de capital importância e frequentemente não tem recebido a
atenção que merece. Podemos ver esse engano na espantosa inclinação dos homens para
considerarem o pecado como menos pecaminoso e perigoso do que ele é à vista de Deus
e em sua prontidão para tentar suaviza-lo, apresentando justificativas minimizantes de sua
culpa – “É apenas um pecadinho! Deus é misericordioso! Deus não é tão severo que
venha a cobrar pelo que for feito de errado! Nossa intenção era boa! Ninguém pode ser
assim tão exigente! Onde está o prejuízo causado? Estamos agindo como todo mundo!”
Quem não está familiarizado com esta linguagem?

        Somos rápidos em esquecer que a tentação do pecado raramente se apresenta
diante de nós em suas verdadeiras cores, dizendo-nos: “Sou teu inimigo mortal e quero
arruinar-te pra sempre no inferno”. Oh, não! O pecado aproxima-se de nós à semelhança
de Judas, como um beijo ou como Joabe, com a mão espalmada e palavras de lisonja. O
fruto proibido pareceu tão bom e desejável para Eva e, no entanto, fê-la ser expulsa do
Éden. Ficar andando ociosamente no pátio do seu palácio parecia algo inocente para
Davi, mas terminou em adultério e homicídio. O pecado raramente parece ser pecado
quando está no início. Por esta razão, vigiemos e oremos para que não caiamos em
tentação. Podemos disfarçar a iniqüidade com nomes suaves, mas não podemos alterar
sua natureza e caráter aos olhos de Deus. Lembremo-nos das palavras do escritor
sagrado: “Pelo contrário, exortai-vos mutuamente cada dia, durante o tempo que se
chama Hoje, afim de que nenhum de vós seja endurecido pelo engano do pecado”
(Hb 3.13). É sabia aquela oração que diz: “Senhor, livra-nos dos enganos do mundo, da
carne e do diabo”.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

QUASE UM CRISTÃO
QUASE UM CRISTÃOQUASE UM CRISTÃO
QUASE UM CRISTÃO
Wallas Bastos
 
Você já nasceu de novo ? ( J.C Ryle )
Você já nasceu de novo ? ( J.C Ryle )Você já nasceu de novo ? ( J.C Ryle )
Você já nasceu de novo ? ( J.C Ryle )
Jhonatan Guilherme
 
Comentário jó
Comentário   jóComentário   jó
Comentário jó
Jonas Lima
 
Pregação - Ide e aprendei
Pregação - Ide e aprendeiPregação - Ide e aprendei
Pregação - Ide e aprendei
Escola Bíblica Sem Fronteiras
 
Licao 04 - Adolescentes Vencedores: Quem manda em você?
Licao 04 - Adolescentes Vencedores: Quem  manda em você?Licao 04 - Adolescentes Vencedores: Quem  manda em você?
Licao 04 - Adolescentes Vencedores: Quem manda em você?
Quenia Damata
 
Suportando a provação_342014_GGR
Suportando a provação_342014_GGRSuportando a provação_342014_GGR
Suportando a provação_342014_GGR
Gerson G. Ramos
 
Tudo tem o seu tempo - Lição 11 CPAD
Tudo tem o seu tempo - Lição 11 CPADTudo tem o seu tempo - Lição 11 CPAD
Tudo tem o seu tempo - Lição 11 CPAD
Quenia Damata
 
A batalha do homem
A batalha do homemA batalha do homem
A batalha do homem
Vande Dalvitt
 
Vencendo as tentações.ppsx
Vencendo as  tentações.ppsxVencendo as  tentações.ppsx
Vencendo as tentações.ppsx
Edilson Jose Barbosa Barbosa
 
Um sonhador Iasd¹
Um sonhador Iasd¹Um sonhador Iasd¹
Um sonhador Iasd¹
Joemille Leal
 
9 o pecado de acã e suas consequências
9 o pecado de acã e suas consequências9 o pecado de acã e suas consequências
9 o pecado de acã e suas consequências
Josenilton Pinheiro Pinheiro
 
As sete coisas que deus odeia
As sete coisas que deus odeiaAs sete coisas que deus odeia
As sete coisas que deus odeia
Josivaldo Oliveira
 
A doutrina do engano
A doutrina do enganoA doutrina do engano
A doutrina do engano
Carlos Hamilton
 
Eae 67 Continuação das Epístolas
Eae 67 Continuação das EpístolasEae 67 Continuação das Epístolas
Eae 67 Continuação das Epístolas
PatiSousa1
 
Adultério
AdultérioAdultério
Adolescentes Vencedores, Lição 08 : Antenados!
Adolescentes Vencedores, Lição 08 : Antenados!Adolescentes Vencedores, Lição 08 : Antenados!
Adolescentes Vencedores, Lição 08 : Antenados!
Quenia Damata
 
BEM AVENTURADOS OS QUE TEM FOME E SEDE DE JUSTIÇA
BEM AVENTURADOS OS QUE TEM FOME E SEDE DE JUSTIÇA BEM AVENTURADOS OS QUE TEM FOME E SEDE DE JUSTIÇA
BEM AVENTURADOS OS QUE TEM FOME E SEDE DE JUSTIÇA
Sergio Menezes
 
VOCÊ É O MELHOR DE DEUS - T.L. OSBOM
VOCÊ É O MELHOR DE DEUS - T.L. OSBOMVOCÊ É O MELHOR DE DEUS - T.L. OSBOM
VOCÊ É O MELHOR DE DEUS - T.L. OSBOM
Deonice E Orlando Sazonov
 
A batalha de todo homem 7 a 9
A batalha de todo homem 7 a 9A batalha de todo homem 7 a 9
A batalha de todo homem 7 a 9
coracin
 
A misericórdia segundo o espiritismo
A misericórdia segundo o espiritismoA misericórdia segundo o espiritismo
A misericórdia segundo o espiritismo
Jorel Camargo
 

Mais procurados (20)

QUASE UM CRISTÃO
QUASE UM CRISTÃOQUASE UM CRISTÃO
QUASE UM CRISTÃO
 
Você já nasceu de novo ? ( J.C Ryle )
Você já nasceu de novo ? ( J.C Ryle )Você já nasceu de novo ? ( J.C Ryle )
Você já nasceu de novo ? ( J.C Ryle )
 
Comentário jó
Comentário   jóComentário   jó
Comentário jó
 
Pregação - Ide e aprendei
Pregação - Ide e aprendeiPregação - Ide e aprendei
Pregação - Ide e aprendei
 
Licao 04 - Adolescentes Vencedores: Quem manda em você?
Licao 04 - Adolescentes Vencedores: Quem  manda em você?Licao 04 - Adolescentes Vencedores: Quem  manda em você?
Licao 04 - Adolescentes Vencedores: Quem manda em você?
 
Suportando a provação_342014_GGR
Suportando a provação_342014_GGRSuportando a provação_342014_GGR
Suportando a provação_342014_GGR
 
Tudo tem o seu tempo - Lição 11 CPAD
Tudo tem o seu tempo - Lição 11 CPADTudo tem o seu tempo - Lição 11 CPAD
Tudo tem o seu tempo - Lição 11 CPAD
 
A batalha do homem
A batalha do homemA batalha do homem
A batalha do homem
 
Vencendo as tentações.ppsx
Vencendo as  tentações.ppsxVencendo as  tentações.ppsx
Vencendo as tentações.ppsx
 
Um sonhador Iasd¹
Um sonhador Iasd¹Um sonhador Iasd¹
Um sonhador Iasd¹
 
9 o pecado de acã e suas consequências
9 o pecado de acã e suas consequências9 o pecado de acã e suas consequências
9 o pecado de acã e suas consequências
 
As sete coisas que deus odeia
As sete coisas que deus odeiaAs sete coisas que deus odeia
As sete coisas que deus odeia
 
A doutrina do engano
A doutrina do enganoA doutrina do engano
A doutrina do engano
 
Eae 67 Continuação das Epístolas
Eae 67 Continuação das EpístolasEae 67 Continuação das Epístolas
Eae 67 Continuação das Epístolas
 
Adultério
AdultérioAdultério
Adultério
 
Adolescentes Vencedores, Lição 08 : Antenados!
Adolescentes Vencedores, Lição 08 : Antenados!Adolescentes Vencedores, Lição 08 : Antenados!
Adolescentes Vencedores, Lição 08 : Antenados!
 
BEM AVENTURADOS OS QUE TEM FOME E SEDE DE JUSTIÇA
BEM AVENTURADOS OS QUE TEM FOME E SEDE DE JUSTIÇA BEM AVENTURADOS OS QUE TEM FOME E SEDE DE JUSTIÇA
BEM AVENTURADOS OS QUE TEM FOME E SEDE DE JUSTIÇA
 
VOCÊ É O MELHOR DE DEUS - T.L. OSBOM
VOCÊ É O MELHOR DE DEUS - T.L. OSBOMVOCÊ É O MELHOR DE DEUS - T.L. OSBOM
VOCÊ É O MELHOR DE DEUS - T.L. OSBOM
 
A batalha de todo homem 7 a 9
A batalha de todo homem 7 a 9A batalha de todo homem 7 a 9
A batalha de todo homem 7 a 9
 
A misericórdia segundo o espiritismo
A misericórdia segundo o espiritismoA misericórdia segundo o espiritismo
A misericórdia segundo o espiritismo
 

Semelhante a Pecado [texto]

Pecado [slides]
Pecado [slides]Pecado [slides]
Pecado [slides]
PIBJA
 
Um Homem Piedoso Não se Entrega a Nenhum Pecado - Thomas Watson
Um Homem Piedoso Não se Entrega a Nenhum Pecado - Thomas WatsonUm Homem Piedoso Não se Entrega a Nenhum Pecado - Thomas Watson
Um Homem Piedoso Não se Entrega a Nenhum Pecado - Thomas Watson
Silvio Dutra
 
A doutrina do pecado
A doutrina do pecadoA doutrina do pecado
A doutrina do pecado
antonio ferreira
 
A doutrina do pecado
A doutrina do pecadoA doutrina do pecado
A doutrina do pecado
Antonio Ferreira
 
A doutrina do pecado
A doutrina do pecadoA doutrina do pecado
A doutrina do pecado
Antonio Ferreira
 
Formação de intercessão
Formação de intercessãoFormação de intercessão
Formação de intercessão
Cassio Felipe
 
Formação de intercessão
Formação de intercessãoFormação de intercessão
Formação de intercessão
Cassio Felipe
 
Livre-arbítrio pense nisto
Livre-arbítrio pense nistoLivre-arbítrio pense nisto
Livre-arbítrio pense nisto
MINISTERIO IPCA.
 
Uma boa consciência
Uma boa consciênciaUma boa consciência
Uma boa consciência
Silvio Dutra
 
E.b.d adultos 3ºtrimestre 2017 lição 06
E.b.d   adultos 3ºtrimestre 2017 lição 06E.b.d   adultos 3ºtrimestre 2017 lição 06
E.b.d adultos 3ºtrimestre 2017 lição 06
Joel Silva
 
Pecado (Brazil).pptx
Pecado (Brazil).pptxPecado (Brazil).pptx
Pecado (Brazil).pptx
Martin M Flynn
 
Distração Espiritual
Distração EspiritualDistração Espiritual
Distração Espiritual
Pastor Robson Colaço
 
O pecado e suas consequências - Lição 6
O pecado e suas consequências - Lição 6O pecado e suas consequências - Lição 6
O pecado e suas consequências - Lição 6
Quenia Damata
 
A doutrina do pecado
A doutrina do pecadoA doutrina do pecado
A doutrina do pecado
Wallace Souza
 
Arthur w. pink a necessidade do novo nascimento
Arthur w. pink   a necessidade do novo nascimentoArthur w. pink   a necessidade do novo nascimento
Arthur w. pink a necessidade do novo nascimento
Roberto Lyra
 
Deus requer santificação aos cristãos 65
Deus requer santificação aos cristãos 65Deus requer santificação aos cristãos 65
Deus requer santificação aos cristãos 65
Silvio Dutra
 
Ebd lições séries 07 - 2ºtrimestre
Ebd   lições séries 07 - 2ºtrimestreEbd   lições séries 07 - 2ºtrimestre
Ebd lições séries 07 - 2ºtrimestre
Joel Silva
 
EU FUI SALVO DO QUE.pptx
EU FUI SALVO DO QUE.pptxEU FUI SALVO DO QUE.pptx
EU FUI SALVO DO QUE.pptx
Diego Andrade
 
Thomas Watson/Randy Lowe - A natureza do verdadeiro arrependimento
Thomas Watson/Randy Lowe - A natureza do verdadeiro arrependimentoThomas Watson/Randy Lowe - A natureza do verdadeiro arrependimento
Thomas Watson/Randy Lowe - A natureza do verdadeiro arrependimento
Portal Cristão
 
PERDÃO.pptx
PERDÃO.pptxPERDÃO.pptx
PERDÃO.pptx
OtonielLopes
 

Semelhante a Pecado [texto] (20)

Pecado [slides]
Pecado [slides]Pecado [slides]
Pecado [slides]
 
Um Homem Piedoso Não se Entrega a Nenhum Pecado - Thomas Watson
Um Homem Piedoso Não se Entrega a Nenhum Pecado - Thomas WatsonUm Homem Piedoso Não se Entrega a Nenhum Pecado - Thomas Watson
Um Homem Piedoso Não se Entrega a Nenhum Pecado - Thomas Watson
 
A doutrina do pecado
A doutrina do pecadoA doutrina do pecado
A doutrina do pecado
 
A doutrina do pecado
A doutrina do pecadoA doutrina do pecado
A doutrina do pecado
 
A doutrina do pecado
A doutrina do pecadoA doutrina do pecado
A doutrina do pecado
 
Formação de intercessão
Formação de intercessãoFormação de intercessão
Formação de intercessão
 
Formação de intercessão
Formação de intercessãoFormação de intercessão
Formação de intercessão
 
Livre-arbítrio pense nisto
Livre-arbítrio pense nistoLivre-arbítrio pense nisto
Livre-arbítrio pense nisto
 
Uma boa consciência
Uma boa consciênciaUma boa consciência
Uma boa consciência
 
E.b.d adultos 3ºtrimestre 2017 lição 06
E.b.d   adultos 3ºtrimestre 2017 lição 06E.b.d   adultos 3ºtrimestre 2017 lição 06
E.b.d adultos 3ºtrimestre 2017 lição 06
 
Pecado (Brazil).pptx
Pecado (Brazil).pptxPecado (Brazil).pptx
Pecado (Brazil).pptx
 
Distração Espiritual
Distração EspiritualDistração Espiritual
Distração Espiritual
 
O pecado e suas consequências - Lição 6
O pecado e suas consequências - Lição 6O pecado e suas consequências - Lição 6
O pecado e suas consequências - Lição 6
 
A doutrina do pecado
A doutrina do pecadoA doutrina do pecado
A doutrina do pecado
 
Arthur w. pink a necessidade do novo nascimento
Arthur w. pink   a necessidade do novo nascimentoArthur w. pink   a necessidade do novo nascimento
Arthur w. pink a necessidade do novo nascimento
 
Deus requer santificação aos cristãos 65
Deus requer santificação aos cristãos 65Deus requer santificação aos cristãos 65
Deus requer santificação aos cristãos 65
 
Ebd lições séries 07 - 2ºtrimestre
Ebd   lições séries 07 - 2ºtrimestreEbd   lições séries 07 - 2ºtrimestre
Ebd lições séries 07 - 2ºtrimestre
 
EU FUI SALVO DO QUE.pptx
EU FUI SALVO DO QUE.pptxEU FUI SALVO DO QUE.pptx
EU FUI SALVO DO QUE.pptx
 
Thomas Watson/Randy Lowe - A natureza do verdadeiro arrependimento
Thomas Watson/Randy Lowe - A natureza do verdadeiro arrependimentoThomas Watson/Randy Lowe - A natureza do verdadeiro arrependimento
Thomas Watson/Randy Lowe - A natureza do verdadeiro arrependimento
 
PERDÃO.pptx
PERDÃO.pptxPERDÃO.pptx
PERDÃO.pptx
 

Mais de PIBJA

Religiões, Seitas e Heresias - Aula 6
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 6Religiões, Seitas e Heresias - Aula 6
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 6
PIBJA
 
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 5
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 5Religiões, Seitas e Heresias - Aula 5
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 5
PIBJA
 
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 4
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 4Religiões, Seitas e Heresias - Aula 4
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 4
PIBJA
 
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 7
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 7Religiões, Seitas e Heresias - Aula 7
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 7
PIBJA
 
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 8
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 8Religiões, Seitas e Heresias - Aula 8
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 8
PIBJA
 
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 3
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 3Religiões, Seitas e Heresias - Aula 3
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 3
PIBJA
 
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 1
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 1Religiões, Seitas e Heresias - Aula 1
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 1
PIBJA
 
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 2
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 2Religiões, Seitas e Heresias - Aula 2
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 2
PIBJA
 

Mais de PIBJA (8)

Religiões, Seitas e Heresias - Aula 6
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 6Religiões, Seitas e Heresias - Aula 6
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 6
 
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 5
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 5Religiões, Seitas e Heresias - Aula 5
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 5
 
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 4
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 4Religiões, Seitas e Heresias - Aula 4
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 4
 
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 7
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 7Religiões, Seitas e Heresias - Aula 7
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 7
 
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 8
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 8Religiões, Seitas e Heresias - Aula 8
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 8
 
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 3
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 3Religiões, Seitas e Heresias - Aula 3
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 3
 
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 1
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 1Religiões, Seitas e Heresias - Aula 1
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 1
 
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 2
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 2Religiões, Seitas e Heresias - Aula 2
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 2
 

Último

JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
ESCRIBA DE CRISTO
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
ESCRIBA DE CRISTO
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
ESCRIBA DE CRISTO
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Celso Napoleon
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
ayronleonardo
 
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Nilson Almeida
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Celso Napoleon
 
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Janilson Noca
 
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTASEscola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
ceciliafonseca16
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
JonasRibeiro61
 
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADASCARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
ESCRIBA DE CRISTO
 
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
ESCRIBA DE CRISTO
 

Último (16)

JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
 
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
 
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
 
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTASEscola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
 
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADASCARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
 
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
 

Pecado [texto]

  • 1. Primeira Igreja Batista do João Agripino – PIBJA Mensagem: PECADO Data: 14/08/2011 Aquele que desejar ter pontos de vista corretos sobre a santidade cristã terá de começar examinando o vasto e solene assunto do pecado. Terá de cavar bem fundo se quiser construir um edifício bem alto. Conceitos errôneos sobre a santidade geralmente advém de idéias distorcidas quanto à corrupção humana. A verdade absoluta é que o correto conhecimento do pecado jaz à raiz de todo o cristianismo salvífico. Sem ele, termos como justificação, conversão e santificação serão apenas “palavras e nomes” que não transmitem qualquer sentido à nossa mente. Portanto, a primeira coisa que Deus faz quando quer tornar alguém em uma nova criatura em Cristo é iluminar-lhe o coração, mostrando-lhe que ele é um pecador culpado. A criação material, segundo o livro de Gênesis, começou com a “luz”; isso também acontece no caso da criação espiritual. Deus mesmo “resplandeceu em nosso coração” mediante a obra do Espírito Santo, e então, a vida espiritual teve seu inicio (2 Co. 4.6). Pontos de vista mal definidos acerca do pecado são a origem da maioria dos erros, das heresias e das doutrinas falsas de nossos dias. Se um homem não percebe a natureza perigosa da doença de sua alma, ninguém poderá admirar-se de que ele se contente com remédios falsos ou imperfeitos. Precisamos de um ensino mais claro e completo sobre o pecado. A seguir veremos 5 pontos concernentes ao pecado: sua definição, sua origem e fonte, sua extensão, a culpa e a ofensa do pecado aos olhos de Deus e a sua propensão para enganar. 1. Definição Sabemos realmente o que é pecado? Pecado é, de um modo geral “a falha e a corrupção da natureza de cada ser humano, naturalmente produzidas pela natureza de Adão em nós, pelas quais o homem muito se afasta da retidão original, pois faz parte de sua natureza, inclinar-se para o erro, de tal modo que a carne sempre milita contra o espírito; e assim sendo, o pecado merece a ira e a condenação de Deus em cada pessoa que nasce neste mundo”. Em suma, o pecado é aquela vasta enfermidade moral que afeta a raça humana inteira, em todas as classes e níveis, nas nações, povos e línguas – uma enfermidade da qual apenas um único homem nascido de mulher esteve isento. Quem foi?
  • 2. Um “pecado” de modo particular consiste em praticar, dizer, pensar, ou imaginar qualquer coisa que não esteja em perfeita conformidade com a mente e a lei de Deus. Em resumo, segundo as Escrituras, “o pecado é a transgressão da lei’ (1 Jo 3.4). A Bíblia mostra que um homem pode quebrar a lei de Deus em seu coração e em seus pensamentos, mesmo quando não há qualquer ato externo e visível de iniqüidade. Um poeta inglês disse ”Um homem pode sorrir, sorrir e ainda ser um vilão”. A Bíblia também nos mostra que há pecados de omissão tanto quanto de comissão, e que pecamos ao “deixarmos de fazer as coisas que deveríamos fazer” tanto quanto ao “fazermos aquilo que não deveríamos”. Jesus falou isso claramente em Mt 25.41-42. Declaração do arcebispo inglês Usher, pouco antes da sua morte: “Senhor, perdoa-me todos os meus pecados, sobretudo os meus pecados de omissão”. É necessário relembrar que um homem pode cometer um pecado e, no entanto, fazê-lo por ignorância, julgando-se inocente, quando na realidade é culpado. Nos capítulos 4 e 5 de Levítico bem como em Números 15, Israel é instruído de que havia pecados de ignorância que tornavam as pessoas imundas e que precisavam ser expiados. (Lv 4.1-35; 5. 14-19; Nm 15. 25-29). 2. Origem e fonte As idéias de muitos crentes professos quanto a esse particular, são tristemente defeituosas e doentias. Devemos fixar em nossa mente que a pecaminosidade de um homem não começa pelo lado de fora e sim pelo lado de dentro, trata-se de uma enfermidade de família, que herdamos dos nossos primeiros pais, Adão e Eva, e com a qual todos já nascemos. Criados à imagem de Deus e inocentes a principio, nossos pais caíram da justiça original e tornaram-se pecaminosos e corruptos. E desde aquele dia, homens e mulheres nascem segundo a imagem de Adão e Eva decaídos, herdando um coração e uma natureza inclinados ao pecado – “por um só homem entrou o pecado no mundo”; “o que é nascido da carne é carne”; “éramos, por natureza, filhos da ira”; “o pendor da carne é inimizade contra Deus”; “do coração dos homens é que procedem os maus desígnios, a prostituição, os furtos”. (Rm 5.12; Jo 3.6; Ef 2.3; Rm 8.7; Mc 7.21). 3. Extensão. A única base segura é a dada pelas Escrituras. “Viu o Senhor que a maldade do homem se havia multiplicado na terra e que era continuamente mau todo desígnio do seu coração”; “Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e desesperadamente corrupto” (Gn 6.5; Jr 17.9). O pecado é um mal que permeia e percorre todas as partes de nossa constituição moral, bem como cada faculdade de nossa mente. A compreensão, os afetos, o poder de raciocínio, a vontade; tudo está, em certa medida, infeccionado pelo pecado. A própria consciência está tão cega que dela não se
  • 3. pode depender como guia seguro. Ela tanto pode conduzir o homem para o erro quanto para o que é certo, a menos que seja iluminada pelo Espírito Santo. Em suma, “Desde a planta do pé até a cabeça não há nele cousa sã, senão feridas, contusões e chagas inflamadas” (Is 1.6). O mal pode ser velado sob uma fina cortina de cortesia, polidez, boas maneiras ou decoro exterior, mas jaz profundamente em nossa constituição. Cada parte do mundo dá testemunho do fato que o pecado é a enfermidade universal de toda a humanidade. Pesquisemos o globo de leste a oeste e de um pólo ao outro, rebusquemos todas as nações de todos os climas, nos quatro quadrantes da terra, procuremos em cada classe e nível social de nosso próprio país, do mais elevado ao mais humilde, sob cada circunstância e condição; o relatório será sempre o mesmo. As mais remotas ilhas no oceano Pacifico, completamente separadas da Europa, da Ásia, da África e da América, fora do alcance do luxo oriental e da arte e literatura ocidentais; ilhas habitadas por povos que ignoram livros, dinheiro, vapor e eletricidade; não contaminados pelos vícios da civilização moderna, tem sido encontradas as piores formas de concupiscência, de crueldade, de engodo e superstição. Se seus habitantes não conhecem outra coisa, pelo menos conhece o pecado! Por toda a parte o coração humano é enganoso “mais do que todas as coisas, e desesperadamente corrupto” (Jr 17.9). 4. Culpa e ofensa do pecado aos olhos de Deus. Devemos fixar na mente, com firmeza, que o pecado é aquela “coisa abominável” a qual Deus aborrece e que Deus é “tão puro de olhos que não pode ver o mal”; e que qualquer que tropeçar “em um só ponto” da lei de Deus “se torna culpado de todos”; e que “a alma que pecar essa morrerá”; e que “o salário do pecado é a morte”; e que Deus julgará “os segredos dos homens”; e que há um lugar onde nunca “morre o verme, nem o fogo se apaga”; e que “os perversos serão lançados no inferno”, e que “irão estes para o castigo eterno”, porquanto nos céus “nunca jamais penetrará coisa alguma contaminada, nem o que pratica abominação e mentira”. (Jr 44.4; Ha 1.13; Tg 2.10; Ez 18.4; Rm 6.23; 2.16; Mc 9.44; Sl 9.17; Mt 25.46 e Ap 21.27). Essas são, realmente, palavras tremendas, quando consideramos que foram escritas no Livro do Deus misericordiosíssimo! 5. Propensão para enganar Este tema é algo de capital importância e frequentemente não tem recebido a atenção que merece. Podemos ver esse engano na espantosa inclinação dos homens para considerarem o pecado como menos pecaminoso e perigoso do que ele é à vista de Deus e em sua prontidão para tentar suaviza-lo, apresentando justificativas minimizantes de sua culpa – “É apenas um pecadinho! Deus é misericordioso! Deus não é tão severo que venha a cobrar pelo que for feito de errado! Nossa intenção era boa! Ninguém pode ser assim tão exigente! Onde está o prejuízo causado? Estamos agindo como todo mundo!” Quem não está familiarizado com esta linguagem? Somos rápidos em esquecer que a tentação do pecado raramente se apresenta diante de nós em suas verdadeiras cores, dizendo-nos: “Sou teu inimigo mortal e quero arruinar-te pra sempre no inferno”. Oh, não! O pecado aproxima-se de nós à semelhança de Judas, como um beijo ou como Joabe, com a mão espalmada e palavras de lisonja. O fruto proibido pareceu tão bom e desejável para Eva e, no entanto, fê-la ser expulsa do
  • 4. Éden. Ficar andando ociosamente no pátio do seu palácio parecia algo inocente para Davi, mas terminou em adultério e homicídio. O pecado raramente parece ser pecado quando está no início. Por esta razão, vigiemos e oremos para que não caiamos em tentação. Podemos disfarçar a iniqüidade com nomes suaves, mas não podemos alterar sua natureza e caráter aos olhos de Deus. Lembremo-nos das palavras do escritor sagrado: “Pelo contrário, exortai-vos mutuamente cada dia, durante o tempo que se chama Hoje, afim de que nenhum de vós seja endurecido pelo engano do pecado” (Hb 3.13). É sabia aquela oração que diz: “Senhor, livra-nos dos enganos do mundo, da carne e do diabo”.