SlideShare uma empresa Scribd logo
ESTADO DO PIAUÍ
PREFEITURA MUNICIPAL DE CURRALINHOS-PI
SECRETARIA MUNICIPAL DE SAUDE
SEJA FORTE!
NOVEMBRO AZUL
CÂNCER DE PRÓSTATA
Dr. José de Arimatéa Maciel
Enfermeiro Socorrista
Cuidar do Corpo e da mente é
Coisa de Homem que se Garante.
O QUE É CÂNCER?
Câncer:
Câncer é o nome dado a um conjunto de mais
de 100 doenças que têm em comum o
crescimento desordenado (maligno) de células
que invadem os tecidos e órgãos, podendo
espalhar-se (metástase) para outras regiões do
corpo.
Palesta alto pronta 01
Novembro Azul. A importância da prevenção para a saúde
dos homens.
O Novembro Azul é uma campanha que conscientiza os homens sobre a
adoção de hábitos saudáveis, prevenção de doenças crônicas, além do
combate ao Câncer de Próstata e ao Diabetes. Considerando que o dia 14 de
novembro é o Dia Mundial do Diabetes e 17 de novembro é o Dia Mundial de
Combate ao Câncer de Próstata, o mês foi escolhido para lembrar a
importância de prevenir essas doenças, incentivando a realização de exames
periódicos e cuidados diários com a saúde.
Tipos e cânceres? VEJAMOS!
QUAIS SERAM OS
TIPOS?
Benigno: tem células que crescem lentamente e
semelhante às do tecido normal. Na maioria dos casos
pode ser totalmente removido (e o paciente curado)
por meio de cirurgia.
Maligno: as células multiplicam-se rapidamente e têm
a capacidade de “invadir” estruturas próximas ao local
de origem. A cura neste tipo de tumor depende do
diagnóstico precoce e do tratamento adotado.
ANTOMIA DA GLÂNDULA DA PROSTÁTA
O que é a Próstata?
A próstata é uma glândula exócrina que faz parte do sistema genital masculino.
A próstata difere consideravelmente entre espécies quer anatômica, química e
fisiologicamente. A função da próstata humana é produzir e armazenar um
fluido incolor e ligeiramente alcalino (pH 7.29) que constitui 10-30% do volume
do fluido seminal, que juntamente com os espermatozoides constitui o sêmen.
As principais doenças que atingem a próstata são a hiperplasia prostática
benigna, a Prost atite e o câncer de próstata.
VENDO A IMAGEM ANATOMICA DA GLÂNDULA DA PRÓSTATA
Palesta alto pronta 01
É uma glândula localizada abaixo da bexiga e que envolve a uretra, canal que
liga a bexiga ao orifício externo do pênis.
É uma glândula localizada abaixo da bexiga e que envolve a uretra, canal que
liga a bexiga ao orifício externo do pênis.
Tem estreita relação anatômica com a bexiga, por isto os sintomas das
doenças prostáticas apresentam-se diretamente relacionados com a micção.
Continuação
Palesta alto pronta 01
Função da glândula?
A principal função da próstata é armazenar e secretar um fluido claro
levemente alcalino (pH 7,29) que constitui 10-30% do volume do fluido seminal,
que, junto com os espermatozoides, constitui o sêmen. O resto do fluido
seminal é produzido pelas duas vesículas seminais. A alcalinidade do fluido
seminal, provocada pela elevada presença do antígeno prostático específico
(PSA), ajuda a neutralizar a acidez do trato vaginal, prolongando o tempo de
vida e mobilidade dos espermatozoides. Para além da função de transporte,
este fluído mantém a nutrição necessária do esperma para sua sobrevivência.
A próstata também contém alguns músculos lisos que ajudam a expelir o sêmen
durante a ejaculação.
O que vem ser estas secreções
As secreções prostáticas variam entre as espécies. Secreções da próstata são
ricas em cálcio, zinco, ácido cítrico, fosfatasse ácida, albumina e de antígeno
específico da próstata (PSA). Em homens saudáveis o nível de citratos do
fluido prostático é duas vezes maior do que em homens com câncer de
próstata.
Nas secreções prostáticas humanas, o conteúdo proteico é menor
que 1%. As enzimas proteolíticas e o antígeno prostático
específico (PSA) são importantes para manter o esperma mais
líquido, fluindo adequadamente e para ajudar no movimento
adequado dos espermatozoides. Níveis sanguíneos elevados de
PSA podem indicar câncer de próstata.
Regulação da Glândula da próstata
Para funcionar adequadamente, a próstata necessita dos
hormônios masculinos (andrógenos), que são responsáveis pelas
características sexuais masculinas.
O principal hormônios masculino é a testosterona, que é produzida
principalmente nos testículos. Alguns hormônios são produzidos
em pequenas quantidades nas glândulas supra-renais. Entretanto,
o hormônio que regula a próstata é a di-hidrotestosterona
(responsável pela hiperplasia prostática benigna)
Estrutura dessa Glândula
Uma próstata humana saudável é um pouco maior que uma noz. Ela
envolve a uretra logo abaixo da bexiga urinária, podendo ser sentida através
do exame de toque retal.
Os ductos são revestidos com epitélio transicional.
No interior da próstata, a uretra que vem da bexiga é chamada de uretra
prostática e se funde com os dois ductos ejaculatórios. A uretra masculina
possui duas funções: carregar urina da bexiga urinária durante o ato de
urinar e carregar sêmen durante a ejaculação. A próstata é forrada pelos
músculos do assoalho pélvico, que se contraem durante o processo
ejaculatório.
A próstata pode ser dividida de dois modos distintos: por zona ou por lobo
Câncer de próstata
próstata mutações e começam a se multiplicar sem controle. Estas células
podem se espalhar (metástase) a partir da próstata em direção a outras
partes do corpo, especialmente ossos e linfonodos.
O câncer de próstata pode causar dor, dificuldade em urinar, disfunção erétil
e outros sintomas. Porém, a grande maioria dos casos evolui silenciosamente
sem causar sintomas até que haja disseminação da doença. Exames regulares
de toque retal e dosagem de antígeno prostático específico são
recomendados para homens a partir dos 40 a 50 anos de idade, para
detecção precoce da doença.
Pode ser tratado com cirurgia, radioterapia, terapia hormonal,
entre outros.
TRÊS TIPOS PRINCIPAIS DE PROBLEMAS
Hiperplasia próstatica benigna
Próstatite Inflamação da próstata
Câncer de Próstata
Hiperplasia prostática benigna
É caracterizada por uma hiperplasia das células do estroma e do epitélio, resultando na
formação de nódulos na região periuretral da próstata. Quando suficientemente largos,
os nódulos comprimem o canal uretral causando obstrução parcial, ou às vezes
completa, da uretra, desta maneira interferindo no fluxo normal da urina. Isso causa
sintomas de hocilação urinária, polaciúria, aumento do risco de infecção do trato urinário
e retenção urinária. Embora os níveis de antígeno prostático específico possam estar
elevados nestes pacientes devido ao volume maior do órgão e inflamação devido às
infecções do trato urinário, a hiperplasia prostática benigna não é considerada uma lesão
pré-maligna.
A hiperplasia benigna da próstata (HBP) ou hiperplasia prostática
benigna (HPB) é uma condição médica caracterizada pelo aumento
benigno da próstata que normalmente se inicia em homens com mais
de 40 anos. Pode provocar estreitamento da uretra com dificuldade
de micção.
Sintomas
Os sintomas da hiperplasia benigna da próstata são classificados como
obstrutivos ou irritativos. Os sintomas obstrutivos incluem hesitância,
intermitência, esvaziamento incompleto da bexiga, jato fraco de urina.
Os sintomas irritativos incluem aumento da frequência de urinar, mudança no
ritmo miccional, prevalecendo no período noturno noctúria quando ocorre à
noite, e urgência (necessidade de esvaziar a bexiga que não pode ser
protelada).
O conjunto dos sintomas obstrutivos e irritativos geralmente é classificado na
literatura médica como sintomas do trato urinário inferior (LUTS).
Pode ser uma doença progressiva, principalmente se não for tratada. O não-
esvaziamento completo da bexiga pode resultar em estase de bactérias na
bexiga e dessa forma aumentar o risco de infecções do trato urinário. Pode
ocorrer formação de pedras na bexiga devido à cristalização dos sais contidos
na urina residual.
A retenção urinária é outra forma de progressão.
A retenção urinária aguda é a incapacidade de esvaziar a bexiga, enquanto a
retenção urinária crônica o volume residual urinário gradualmente cresce, e a
bexiga distende. Alguns pacientes que sofrem de retenção urinária crônica
podem finalmente progredir para uma insuficiência renal, uma condição
conhecida como uropatia obstrutiva.
Para alguns homens, os sintomas podem ser graves o suficiente para necessitar
de tratamento.
Exames e Diagnóstico
Exame de toque retal pode revelar uma próstata nitidamente aumentada.
Demora menos de 1minuto a ser efetivado.
Frequentemente, exames de sangue são realizados para
descartar doenças malignas da próstata: níveis elevados do antígeno
prostático específico (PSA) necessitam de investigações subsequentes como
uma reinterpretação dos resultados do PSA, em termos de densidade do PSA
e porcentagem de PSA livre, toque retal e ultrassonografia endoretal. Essas
medidas combinadas podem realizar a detecção precoce de um câncer.
Palesta alto pronta 01
Palesta alto pronta 01
Palesta alto pronta 01
O resultado do exame de PSA tem 3 possíveis resultados:
Normal – abaixo dos 4 ng/ml
Intermédio – 4 a 10 ng/ml
Alto – acima de 10ng/ml
O exame de ultrassom dos testículos, próstata e rins é realizado, novamente
para descartar doenças malignas e hidronefrose.
Outros exames realizados são o exame de urina laboratorial, fluxometria
(medição do jato de urina) e claro, a biópsia para casos de suspeita mais
concreta de alteração maligna prostática.
Prostatite
Prostatite quer dizer processo inflamatório da próstata. Este pode ter
diversas causas, infecciosas e não infecciosas. Ao longo da vida, cerca
de 10% dos homens têm pelo menos um episódio de sintomas
sugestivos de prostatite. Em muitos casos, estes episódios são
recorrentes, em alguns frequentes e, raramente, as queixas poder
persistir quase continuamente ao longo de períodos muito
prolongados.
O QUE É?
Dos pacientes que referem queixas sugestivas de prostatite, menos de 5% têm
evidência de infecção. Apesar da maioria dos casos não serem causados por
infecção bacteriana, esta causa tem de ser considerada e excluída.
As prostatites podem ser classificadas nas seguintes “categorias” (classificação
dos National Institutes of Health, dos Estados Unidos da América):
continuação
Classificação
Tipo I – Prostatite bacteriana aguda
Tipo II – Prostatite bacteriana crónica
Tipo IIIA – Prostatite crónica inflamatória/síndrome de dor pélvica
(CP/CPPS)
Tipo IIIB – Prostatite crónica não inflamatória/síndrome de dor
pélvica
Tipo IV Postatite inflamatória assintomática/síndrome de dor pélvica
Para uma correta caracterização dos tipos de prostatite segundo esta
classificação, os doentes deveriam ser sujeitos à colheita de
secreções prostáticas, após massagem prostática, sendo analisadas
as secreções e ainda a urina colhida após esta massagem. Na prática
clínica, nem sempre se efetua este exame.
Tipo I – Prostatite bacteriana aguda
Manifestações Clínicas:
As manifestações clínicas de uma prostatite aguda são variáveis, mas esta
doença manifesta-se frequentemente por quadros graves com início súbito
de febre, arrepios, dor hipogástrica (abaixo do umbigo), perineal (na zona
entre os testículos e o anûs) e lombar, ardor miccional, aumento da
frequência das micções, de dia e de noite e diminuição da força e calibre do
jacto urinário. Por vezes, existe uma quebra marcada do estado geral.
A prostatite aguda é geralmente causada por bactérias em homens
sexualmente ativos, até aos 35 anos, deve pensar-se na possibilidade de uma
infecção.
Prostatites crónicas (restantes Tipos, II, IIIA, IIIB, IV)
O grupo das prostatites crónicas inclui diversos sub-grupos, com
causas infecciosas e não infecciosas.
Trata-se de doenças francamente perturbadoras da qualidade de
vida dos doentes e as queixas podem arrastar-se ao longo de meses
ou mesmo anos.
Os doentes com prostatites crónicas sofrem de um aumento
crónico da frequência da micções, ardor a urinar e sensação de não
esvaziamento completo da bexiga. Por vezes, surgem dores mais
intensas abaixo do umbigo e na região perineal.
Objectivo Exame
No toque retal a próstata é geralmente muito dolorosa, edemaciada e
quente. A massagem prostática está contra-indicada pelo risco de
disseminação da infecção.
Tratamento:
A base do tratamento desta doença são os antibióticos, geralmente
administrados por via oral. Em alguns casos mais graves, pode ser necessário
o internamento hospitalar. Os fármacos mais utilizados são do grupo das
fluoroquinolonas. O tratamento deve durar menos 4 a 6 semanas.
Em alguns casos, pode ser necessário um tratamento cirúrgico, por exemplo
para drenagem cirúrgica de um abcesso prostático. Pode ser necessário
colocar um catéter supra-púbico (cistocatéter) nos doentes com retenção
urinária aguda, uma vez que a algaliação pode ser impossível ou perigosa
(pelo risco de disseminação da infecção).
Banho de assento com água morna: para aliviar o desconforto na região do
períneo.
Ingestão de líquidos: bastante água e sucos são indicados para repor os
fluídos perdidos no processo de inflamação. Deve-se evitar o uso de bebidas
alcoólicas e cafeína neste processo, uma vez que são diuréticos.
Internação hospitalar: somente em casos mais graves onde é necessário o
paciente ser assistido e monitorado pelos especialistas.
Cirúrgico: quando é necessária a drenagem de um abscesso na próstata ou a
inserção de um cateter acima da região púbica em pacientes com retenção de
urina aguda, por exemplo.
Em relação aos pacientes que possuem prostatite crônica, ou seja, recorrente,
por vezes é necessário um tratamento mais prolongado. Em geral, o tratamento
é eficaz, mas pode recorrer algumas vezes.
Há como prevenir a prostatite?
Cuidar-se e realizar algumas medidas preventivas é sempre importante para
evitar a prostatite. Então siga estas dicas para se prevenir:
Sempre se previna nas relações sexuais mantenha bons hábitos de higiene.
Tenha uma alimentação balanceada, ingerindo bastante fibras, como frutas,
legumes, verduras, grãos integrais etc.
Pratique exercícios físicos para fortalecer o sistema imunológico.
Procure ajuda profissional sempre que algum sintoma aparecer.
Nunca utilize ou interrompa medicamentos por conta própria e sempre siga
corretamente as orientações do seu médico.
Vá frequentemente ao médico para realizar exames de rotina e cuidar
melhor da sua saúde.
Palesta alto pronta 01
CÂNCER DE PRÓSTATA
CÂNCER MAIS FREQUENTE DO HOMEM ( EXCETO PELE)
68.800 NOVOS CASOS
6 HOMENS 1 CAP
1 CASO/ 7,6 MINUTOS 1 OBITO/40 MINUTOS
2o. MORTALIDADE ( 1o. CÂNCER DE PULMÃO)
SILENCIOSO
APÓS SINTOMAS 95% FASE AVANCADA
21% DIMINUICÃO MORTALIDADE
40% ULTIMOS 15 ANOS – USA ( COM RASTREAMENTO)
Palesta alto pronta 01
INCIDÊNCIA NOVOS CASOS
CÂNCER DE PRÓSTATA 68.800 HOMENS
CÂNCER DE MAMA 57.000 MULHERES
CAP VEM CRESCENDO ULTIMOS 8 ANOS: 45% CAP 22%
OUTROS CA 16% MAMA FONTE: MS/SVS/DASIS – SISTEMA
DE INFORMAÇÕES SOBRE MORTALIDADE -SIM
Diagnóstico precoce no caso da mama ganhou dimensão
abrangente: meios de comunicação, governos municipais,
estaduais e federal, personalidades públicas, empresas
privadas, etc, enquanto o câncer da próstata é tratado com
desleixo e preconceito pela grande maioria dos homens.
Palesta alto pronta 01
QUADRO PREOCUPANTE CÂNCER PRÓSTATA
Estudo epidemiológico da oncologia nos diz que:
Idade média- 62,8 anos 58,3% fora da próstata
30% dos pacientes do SUS doença avançada no momento do
diagnóstico.
Pacientes/clientes convênio este número não ultrapassa os 17%.
Este fato implica em redução das chances de cura e mais custos para o
Estado no tratamento destes homens.
SAÚDE DO HOMEM
♂ Têm medo de descobrir doenças;
♂ Acham que nunca vão adoecer e por isso não se cuidam;
♂ Não procuram os serviços de saúde e não
seguem os tratamentos recomendados;
♂ Estão mais expostos aos acidentes de
trânsito e de trabalho;
♂ Utilizam álcool e outras drogas em maior
quantidade;
♂ Estão envolvidos na maioria das situações
de violência;
Não praticam atividade física com regularidade.
ASPECTOS SÓCIO-CULTURAIS
Palesta alto pronta 01
Câncer de próstata ou cancro da próstata, também denominado de
carcinoma da próstata, é uma neoplasia que tem seu desenvolvimento na
próstata, uma glândula do sistema reprodutor masculino. A maioria dos
cânceres de próstata é de crescimento lento, no entanto, alguns crescem
relativamente rápido. As células cancerosas podem espalhar-se a partir da
próstata para outras partes do corpo, particularmente os ossos e os
linfonodos.
Câncer de próstata maligna) é o crescimento anormal e confuso
Das células epiteliais glandulares que eles têm capacidade de se espalhar
Palesta alto pronta 01
Escala do avanço da doença
Palesta alto pronta 01
O câncer de próstata em estágio inicial geralmente não causa
sintomas, enquanto em estágio avançado pode provocar sintomas
como:
• Micção frequente.
• Fluxo urinário fraco ou interrompido.
• Impotência. • Vontade de urinar frequentemente à noite.
• Sangue no líquido seminal.
• Dor ou ardor durante a micção.
• Fraqueza ou dormência nas pernas ou pés.
• Perda do controle da bexiga ou intestino, devido a pressão do
tumor sobre a medula espinhal. Sinais e Sintomas
Pode provocar sintomas?
Os sintomas do câncer de próstata variam dependendo da localização do
tumor e do estágio da doença. Os sintomas podem incluir
Alterações no fluxo
urinário,
Dificuldade com as atividades sexuais ou dor na parte inferior das costas
devido à disseminação do tumor para os ossos do quadril e da parte inferior da
coluna.
Esta lição resume esses sintomas.
EXEMPLIFICANDO
Palesta alto pronta 01
Palesta alto pronta 01
A hiperplasia prostática benigna não é câncer e não se transforma
em câncer. Entretanto, pode ser um problema clínico importante
para alguns homens. Caso seja necessário tratamento, são prescritos
medicamentos para reduzir o tamanho da próstata ou relaxar a
musculatura, o que geralmente ajuda o fluxo normal de urina. Em
alguns casos, pode ser necessária a realização de uma cirurgia, como
a ressecção transuretral da próstata. Hiperplasia da Próstata ou
Câncer de Próstata?
Envelhecer é o fator de risco mais importante para o aparecimento
do câncer de próstata. Esse risco aumenta principalmente após os 50
anos. Estudos sugerem que após os 70 anos de idade uma grande
porcentagem dos homens desenvolverão câncer de próstata, mesmo
sem sintomas evidentes. Fique sabendo: O histórico familiar
aumenta o risco de desenvolver câncer de próstata. Ter pai ou irmão
com a doença em idade inferior aos 60 anos pode dobrar o risco de
um homem ter a doença. Fatores de Risco que NÃO PODEM ser
controlados .
A alimentação parece ter um papel importante para o desenvolvimento (ou
não) do câncer de próstata. A doença é muito mais comum em países onde
carne vermelha e alimentos ricos em gordura são consumidos com frequência.
A ligação entre a alimentação e o desenvolvimento do câncer não é clara.
Porém, acredita-se que o consumo de carne vermelha pode aumentar a
produção de hormônios masculinos, o que pode levar ao aparecimento do
câncer de próstata. Uma dieta pobre em frutas e vegetais, também, pode ser
prejudicial e favorecer o aparecimento desse tipo de câncer. Fatores de Risco
que PODEM ser controlados
O rastreamento deve ser iniciado aos 50 anos para os homens que têm
um risco médio para a doença. Aos 45 anos em homens com alto risco
de doença, isto inclui aqueles que têm um parente de primeiro grau com
diagnóstico de câncer de próstata antes dos 65 anos. O rastreamento
deve ser iniciado aos 40 anos em homens com mais de um parente de
primeiro grau que tiveram câncer de próstata em uma idade precoce. O
rastreamento inclui o PSA no sangue e toque retal. A periodicidade
desses exames depende dos resultados do PSA: • A cada 2 anos para
homens com PSA maior que 2,5 ng/ml. • Anualmente para homens com
PSA menor igual a 2,5 ng/ml. Detecção Precoce do Câncer de Próstata
Idade acima dos 50 anos: 80% dos casos ocorrem em homens a partir desta
idade. - Raça negra: A doença tem maior incidência na raça negra -
Alimentação inadequada: Dieta rica em gorduras e pobre em vegetais e frutas
baixam as defesas do corpo contra o câncer. - Vida sedentária: A falta de
exercícios físicos regulares e o peso acima do normal, aumentam os riscos. -
Hereditariedade: Se algum parente próximo tiver câncer duplica sua chance
de desenvolver um.
Fatores de Risco
Idade nos homens acima de 45-60 anos.
• Raça
• Histórico Familiar
• Alimentação
• Obesidade
• Exposição Ocupacional
• Doenças sexualmente transmissíveis (DST’s)
Aumento da testosterona e dieta alta de gorduras. Por
isso, deve-se preferir uma dieta vegetariana ou japonesa.
Fatores ambientais:
- O risco aumenta nas novas gerações de pessoas que imigraram para regiões
de alto risco. - Exposição a produtos químicos industriais e radiação ionizante.
A maioria dos cânceres se desenvolve na zona externa da próstata e não causa sintomas nos
estágios iniciais de desenvolvimento. Os cânceres da zona interna, ou os que crescem muito
e fazem pressão sobre a uretra, tornam difícil o ato de urinar. O fluxo urinário fica mais fraco,
do tipo “começa e para”, e ocorre perda de urina entre as idas ao banheiro para urinar. O
câncer é dito localizado quando não há células cancerosas fora da cápsula da próstata.
Na doença metastática, o principal sintoma além dos apresentados na doença localizada
é dor na parte inferior das costas, causada pela disseminação das células cancerosas para
os ossos do quadril e da parte inferior da coluna. Quando o câncer vai para os linfonodos,
estes ficam aumentados. Os linfonodos mais próximos da próstata, na área do quadril e
na parte inferior da coluna, normalmente são os primeiros a serem afetados. Nos estágios
mais avançados, os linfonodos de outras partes do organismo passam a ser afetados, e o
paciente passa a apresentar sonolência, perda de peso e ocasionalmente sangramento
(ou hemorragia) na pele e no intestino.
Diagnóstico
PSA (Antígeno Prostático Específico)
PSA significa Antígeno Prostático Específico, uma substância que é produzida pela glândula
prostática. Ele é encontrado no sêmen, e normalmente em níveis muito baixos no sangue de
homens que não têm doença prostática. Níveis sanguíneos muito altos de PSA, como por
exemplo 20 nanogramas por mililitro, sugerem fortemente a presença de câncer de próstata,
mas também podem ser devidos a outras doenças.
Para ter certeza de que não tem nenhuma doença prostática, você deve ter um nível de PSA
de 4 ou menos. Níveis de PSA de 10 a 20 frequentemente significam que o tumor já cresceu
além da cápsula prostática. Níveis de PSA acima de 40 podem significar que o câncer já se
disseminou para os ossos, ou tem maior potencial de fazê-lo, em comparação com níveis
menores de PSA. Entretanto, esses números são somente guias gerais, uma vez que a elevação
do PSA pode ser devida a outras causas, como um tumor benigno da próstata, e o câncer pode
estar presente em alguns homens com PSA 'normal'.
Detecção Precoce do Câncer de Próstata
Antígeno prostático específico (PSA) - aceita-se como valores limites
normais até 4 ng/ml, porém podem existir tumores com PSA abaixo
deste valor. Quando o PSA estiver acima de 10 ng/ml há indicação formal
para biópsia. Para valores entre 4-10 ng/ml deve-se também levar em
consideração a velocidade do PSA e a relação PSA livre/total.
Valores limites normais do PSA
Palesta alto pronta 01
Toque prostático via reto (TP)
- é sempre recomendável e também fundamental
no estadiamento da doença, bem como para
definição do tratamento
EXAME DO TOQUE RETAL
Ultra-som transretal – pode ser usado para orientar a biópsia
da próstata. Também pode ser útil na determinação do volume
prostático e para avaliar a extensão local da doença.
Ultra-som transretal
Escore de Gleason (também conhecido como escala ou pontuação de Gleason) é
uma pontuação dada a um câncer de próstata baseada em sua aparência
microscópica. O escore de Gleason é importante porque escores maiores estão
associados a piores prognósticos, já que são dados a cânceres mais agressivos.
Escore de Gleason
Gleason de 2 a 4 – existe cerca de 25% de chance de o câncer
disseminar-se para fora da próstata em 10 anos, com dano em outros
órgãos, afetando a sobrevida.
• Gleason de 5 a 7 - existe cerca de 50% de chance de o câncer
disseminar-se para fora da próstata em 10 anos, com dano em outros
órgãos, afetando a sobrevida.
• Gleason de 8 a 10 - existe cerca de 75% de chance de o câncer disseminar-se
para fora da próstata em 10 anos, com dano em outros órgãos, afetando
a sobrevida.
Palesta alto pronta 01
PESQUISA DE METÁSTASES
Cintilografia óssea:
É fundamental no estadiamento do câncer da próstata, sendo
altamente sensível, porém pouco específica. É indicada para todo
paciente portador de câncer da próstata com PSA > 20ng/ml e
PSA entre 10-20 com graduação histológica de Gleason ≥ 7.
Imagens CintilograficasNORMAL
METASTASE ÓSSEA
TRATAMENTO
• Cirurgia
• Radioterapia
• Hormonioterapia
• Quimioterapia
Tipos de Próstatectomia Radical
Próstatectomia Radical Retropúbica
Cirurgia: método mais utilizado e que consiste
na retirada completa da próstata através de um
corte feito no abdômen sob anestesia geral.
Normalmente o paciente fica internado 3 dias,
mas pode necessitar manter a sonda vesical
por cerca de 7 dias, sendo que a urina irá
passar de vermelha até amarela. O dreno da
cirurgia é retirado por volta do 2º dia de
internamento e o paciente pode regressar às
suas atividades normais em cerca de 3 meses;
Radioterapia: aplicação de radiação em determinada
áreas da próstata, eliminando as células de câncer. É
usada em casos em que a cirurgia está contraindicada
ou quando o paciente recusa esse tipo de tratamento;
Radioterapia
A radioterapia pode ser usada como primeira opção terapêutica com intuito
curativo ou após o tratamento cirúrgico da próstata. Também é usada para
aliviar as dores ósseas provocadas pela disseminação da doença. A radioterapia
é focada sobre a glândula da próstata a partir de uma fonte de radiação
externa. Os possíveis efeitos colaterais deste tratamento podem incluir:
problemas intestinais, problemas na bexiga, incontinência urinária, impotência,
sensação de cansaço, linfedema e estreitamento uretral.
A terapia hormonal ou terapia de privação de andrógeno ou terapia de
supressão androgênica tem o objetivo de reduzir o nível dos hormônios
masculinos (andrógenos), no corpo. Os principais tipos incluem: Tratamento:
Hormonioterapia
Usada para tratar o câncer de próstata avançado.
Bloqueia a produção dos andrógenos pelos testículos.
Antiandrógenos - Administração, via oral, de flutamida, bicalutamida e
nilutamida, diariamente.
Orquiectomia bilateral (Castração cirúrgica) - Remoção cirúrgica dos testículos.
Terapia com análogo do LHRH (Castração química) - Consiste na administração
de uma droga que reduz o nível de testosterona.
Enzalutamide - Bloqueia o sinal do receptor de andrógeno para a célula.
Terapia hormonal
Quimioterapia é um tratamento sistêmico com medicamentos para destruir o
câncer, administrados por via intravenosa ou oral. É recomendado para tratar
cânceres em estágio avançado ou que não respondem à hormonioterapia. Os
medicamentos usados no tratamento do câncer de próstata incluem:
docetaxel, cabazitaxel, mitoxantrona, estramustina, doxorrubicina, etoposido,
vinblastina, paclitaxel, carboplatina, vinorelbina. Tratamento: Quimioterapia
Os efeitos colaterais da quimioterapia podem incluir: alopecia perda parcial ou
total dos cabelos de determinada parte do corpo, inflamações na boca, perda
de apetite, náuseas, vômitos, diarreia, infecções, hemorragias ou hematomas,
fadiga e reações alérgicas.
Quimioterapia
Seu médico continuará monitorando os níveis de PSA no sangue e poderá
solicitar outros exames após o término do tratamento. Se a doença se
disseminar para outros órgãos, provavelmente será recomendado um
tratamento adicional. Fica a dica: Adotar hábitos de vida saudáveis,
também, são importantes para manter uma qualidade de vida após o
tratamento do câncer. Esperança para Casos Avançados
5 dicas para prevenção do câncer de próstata
1ª Fase inicial:
A doença não dá sintomas na fase inicial, pois a
doença inicia-se na zona periférica (lado de fora) da
próstata. Quando não tratado, o câncer progride e
passa a atingir a uretra (canal da urina) causando
dificuldade para urinar e esvaziar completamente a
bexiga, sangramento na urina ou no esperma e em
fases mais tardias dores ósseas, perda de peso e
anemia.
2ª Prevenção:
A prevenção inicia-se aos 40 anos, se existir irmão ou pai
com a doença; e aos 45 anos, se histórico familiar negativo
para câncer prostático. É quando o homem deve procurar
um médico especialista.
Toque retal:
O exame que deve ser feito na prevenção é o toque
retal, acrescido de PSA (exame de sangue). A
Ecografia (ultrassom) deve ser realizada apenas
quando existirem alterações no toque retal ou para
realização de biópsias.
3º
4ª Curabilidade
A detecção precoce da doença permite que
sejam alcançadas altas taxas de curabilidade
(acima de 80%) e baixas sequelas referentes ao
tratamento.
5ª
Tratamentos
Os tipos de tratamento indicados para o homem portador de
câncer de próstata vão variar de acordo com o estágio da
doença. Cada caso deve ser avaliado de forma individual. Em
pacientes que estão na fase inicial da doença, são indicadas a
cirurgia (prostatectomia radical) ou radioterapia (externa ou
braquiterapia). Já pacientes com doença avançada, o
tratamento poderá ser a Hormonioterapia/castração e
quimioterapia.
Uma dieta rica em frutas, verduras, legumes, grãos e cereais
integrais e com menos gordura, principalmente as de origem
animal, ajuda a diminuir o risco do câncer.
Referencias:
Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Câncer de
próstata: vamos falar sobre isso? / Instituto Nacional de Câncer José
Alencar Gomes da Silva. – Rio de Janeiro: Inca, 2017.
Ministério da Saúde. Nota técnica conjunta nº 001/2015, em 26 de junho
de 2015.
Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva/ Ministério da
Saúde. Esta obra pode ser acessada, na íntegra, na Biblioteca Virtual em
Saúde Prevenção e Controle de Câncer (http://controlecancer.bvs.br/) e
no Portal do INCA (http://www.inca.gov.br).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Diretrizes SBU - Câncer de Próstata
Diretrizes SBU - Câncer de PróstataDiretrizes SBU - Câncer de Próstata
Diretrizes SBU - Câncer de Próstata
Liga Acadêmica de Urologia e Saúde do Homem - UFT
 
Novembro Azul: Faça parte desse movimento!
Novembro Azul: Faça parte desse movimento!Novembro Azul: Faça parte desse movimento!
Novembro Azul: Faça parte desse movimento!
Oncoguia
 
Prostata
ProstataProstata
Prostata
ellencris
 
Cancer de Próstata
Cancer de PróstataCancer de Próstata
Cancer de Próstata
Ivanilson Gomes
 
Novembro azul
Novembro azulNovembro azul
Novembro azul
Meio & Mensagem
 
Cancer prostata
Cancer prostataCancer prostata
Cancer prostata
ISI Engenharia
 
Palestra Novembro Azul - Câncer de Próstata
Palestra Novembro Azul - Câncer de PróstataPalestra Novembro Azul - Câncer de Próstata
Palestra Novembro Azul - Câncer de Próstata
José Alexandre Pires de Almeida
 
Câncer de Intestino
Câncer de IntestinoCâncer de Intestino
Câncer de Intestino
alinesantana1422
 
Aula novembro-azul-2019
Aula novembro-azul-2019Aula novembro-azul-2019
Aula novembro-azul-2019
DeuzeliaAlvesDosSant
 
Slide novembro azul
Slide novembro azul Slide novembro azul
Slide novembro azul
amanda moura neris
 
PALESTRA SOBRE O CÂNCER DE MAMA - ESCOLAS DE ITAMBÉ-PE (25-10-2013)
PALESTRA SOBRE O CÂNCER DE MAMA - ESCOLAS DE ITAMBÉ-PE (25-10-2013)PALESTRA SOBRE O CÂNCER DE MAMA - ESCOLAS DE ITAMBÉ-PE (25-10-2013)
PALESTRA SOBRE O CÂNCER DE MAMA - ESCOLAS DE ITAMBÉ-PE (25-10-2013)
educacaodetodos
 
Saúde do homem e câncer de próstata
Saúde do homem e câncer de próstataSaúde do homem e câncer de próstata
Saúde do homem e câncer de próstata
Marcos Soares
 
Previna o cancer do colo de útero
Previna o cancer do colo de úteroPrevina o cancer do colo de útero
Previna o cancer do colo de útero
CLESIOANDRADE
 
Infecção do trato urinário
Infecção do trato urinárioInfecção do trato urinário
Infecção do trato urinário
rodsilva2013
 
Outubro Rosa - Câncer de Mama
Outubro Rosa - Câncer de MamaOutubro Rosa - Câncer de Mama
Outubro Rosa - Câncer de Mama
Carlos Lima
 
Câncer de próstata
Câncer de próstataCâncer de próstata
Câncer de próstata
Laboratório Sérgio Franco
 
Cancer colo do utero
Cancer colo do uteroCancer colo do utero
Cancer colo do utero
jessica sanielly
 
Cancer de prostata
Cancer de prostataCancer de prostata
Cancer de prostata
Lorena Serenita
 
Palestra Novembro Azul
Palestra Novembro AzulPalestra Novembro Azul
Palestra Novembro Azul
Iniciativa Mais Cidadão
 
Prostata
ProstataProstata
Prostata
ellencris
 

Mais procurados (20)

Diretrizes SBU - Câncer de Próstata
Diretrizes SBU - Câncer de PróstataDiretrizes SBU - Câncer de Próstata
Diretrizes SBU - Câncer de Próstata
 
Novembro Azul: Faça parte desse movimento!
Novembro Azul: Faça parte desse movimento!Novembro Azul: Faça parte desse movimento!
Novembro Azul: Faça parte desse movimento!
 
Prostata
ProstataProstata
Prostata
 
Cancer de Próstata
Cancer de PróstataCancer de Próstata
Cancer de Próstata
 
Novembro azul
Novembro azulNovembro azul
Novembro azul
 
Cancer prostata
Cancer prostataCancer prostata
Cancer prostata
 
Palestra Novembro Azul - Câncer de Próstata
Palestra Novembro Azul - Câncer de PróstataPalestra Novembro Azul - Câncer de Próstata
Palestra Novembro Azul - Câncer de Próstata
 
Câncer de Intestino
Câncer de IntestinoCâncer de Intestino
Câncer de Intestino
 
Aula novembro-azul-2019
Aula novembro-azul-2019Aula novembro-azul-2019
Aula novembro-azul-2019
 
Slide novembro azul
Slide novembro azul Slide novembro azul
Slide novembro azul
 
PALESTRA SOBRE O CÂNCER DE MAMA - ESCOLAS DE ITAMBÉ-PE (25-10-2013)
PALESTRA SOBRE O CÂNCER DE MAMA - ESCOLAS DE ITAMBÉ-PE (25-10-2013)PALESTRA SOBRE O CÂNCER DE MAMA - ESCOLAS DE ITAMBÉ-PE (25-10-2013)
PALESTRA SOBRE O CÂNCER DE MAMA - ESCOLAS DE ITAMBÉ-PE (25-10-2013)
 
Saúde do homem e câncer de próstata
Saúde do homem e câncer de próstataSaúde do homem e câncer de próstata
Saúde do homem e câncer de próstata
 
Previna o cancer do colo de útero
Previna o cancer do colo de úteroPrevina o cancer do colo de útero
Previna o cancer do colo de útero
 
Infecção do trato urinário
Infecção do trato urinárioInfecção do trato urinário
Infecção do trato urinário
 
Outubro Rosa - Câncer de Mama
Outubro Rosa - Câncer de MamaOutubro Rosa - Câncer de Mama
Outubro Rosa - Câncer de Mama
 
Câncer de próstata
Câncer de próstataCâncer de próstata
Câncer de próstata
 
Cancer colo do utero
Cancer colo do uteroCancer colo do utero
Cancer colo do utero
 
Cancer de prostata
Cancer de prostataCancer de prostata
Cancer de prostata
 
Palestra Novembro Azul
Palestra Novembro AzulPalestra Novembro Azul
Palestra Novembro Azul
 
Prostata
ProstataProstata
Prostata
 

Semelhante a Palesta alto pronta 01

A Patologia Da Prostata
A Patologia Da ProstataA Patologia Da Prostata
A Patologia Da Prostata
abesprev
 
Patologias da Prostata
Patologias da ProstataPatologias da Prostata
Patologias da Prostata
Robson Silva Espig
 
Patologias da Prostata
Patologias da ProstataPatologias da Prostata
Patologias da Prostata
Marcelo Barros
 
Patologiasda Prostata
Patologiasda ProstataPatologiasda Prostata
Patologiasda Prostata
Marcelo Barros
 
Neoplasia de próstata 25.04.pdf
Neoplasia de próstata 25.04.pdfNeoplasia de próstata 25.04.pdf
Neoplasia de próstata 25.04.pdf
Valeria146201
 
Centro de próstata e urológico
Centro de próstata e urológicoCentro de próstata e urológico
Centro de próstata e urológico
Clinionco Tratamento Integrado do Câncer
 
Aula Novembro Azul Câncer de Prostata.pptx
Aula Novembro Azul Câncer de Prostata.pptxAula Novembro Azul Câncer de Prostata.pptx
Aula Novembro Azul Câncer de Prostata.pptx
adriano silva
 
antonio inacio ferraz-câncer de prostata
antonio inacio ferraz-câncer de prostataantonio inacio ferraz-câncer de prostata
antonio inacio ferraz-câncer de prostata
ANTONIO INACIO FERRAZ
 
Patologia da Prostatta
Patologia da ProstattaPatologia da Prostatta
Patologia da Prostatta
alleyrand
 
Cancer prostata pronto
Cancer prostata prontoCancer prostata pronto
Cancer prostata pronto
Manuel10Araujo
 
novembroazul-151204115544-lva1-app6891 (2).pptx
novembroazul-151204115544-lva1-app6891 (2).pptxnovembroazul-151204115544-lva1-app6891 (2).pptx
novembroazul-151204115544-lva1-app6891 (2).pptx
andressabarbosadasil1
 
Curaprost remedio
Curaprost remedioCuraprost remedio
Curaprost remedio
l5ibstm962
 
Novembro azul
Novembro azulNovembro azul
Novembro azul
raquel400
 
Hiperplasia prostática benigna
Hiperplasia prostática benignaHiperplasia prostática benigna
Hiperplasia prostática benigna
Aline Maria Sá Nascimento
 
trabalho biologia.pptx doenças crônicass
trabalho biologia.pptx doenças crônicasstrabalho biologia.pptx doenças crônicass
trabalho biologia.pptx doenças crônicass
DeniseKollingOliveir
 
SAÚDE DO HOMEM.pptx
SAÚDE DO HOMEM.pptxSAÚDE DO HOMEM.pptx
SAÚDE DO HOMEM.pptx
CristianeSouza339313
 
Curso cancer de próstata para pacientes
Curso   cancer de próstata para pacientesCurso   cancer de próstata para pacientes
Curso cancer de próstata para pacientes
karol_ribeiro
 
Portugal pioneiro em medicina
Portugal pioneiro em medicinaPortugal pioneiro em medicina
Portugal pioneiro em medicina
Salvador da Silva Tomaz
 
Portugal pioneiro em medicina
Portugal pioneiro em medicinaPortugal pioneiro em medicina
Portugal pioneiro em medicina
Guy Valerio Barros dos Santos
 
Trabalho de biologia
Trabalho de biologiaTrabalho de biologia
Trabalho de biologia
Eduardo Santos
 

Semelhante a Palesta alto pronta 01 (20)

A Patologia Da Prostata
A Patologia Da ProstataA Patologia Da Prostata
A Patologia Da Prostata
 
Patologias da Prostata
Patologias da ProstataPatologias da Prostata
Patologias da Prostata
 
Patologias da Prostata
Patologias da ProstataPatologias da Prostata
Patologias da Prostata
 
Patologiasda Prostata
Patologiasda ProstataPatologiasda Prostata
Patologiasda Prostata
 
Neoplasia de próstata 25.04.pdf
Neoplasia de próstata 25.04.pdfNeoplasia de próstata 25.04.pdf
Neoplasia de próstata 25.04.pdf
 
Centro de próstata e urológico
Centro de próstata e urológicoCentro de próstata e urológico
Centro de próstata e urológico
 
Aula Novembro Azul Câncer de Prostata.pptx
Aula Novembro Azul Câncer de Prostata.pptxAula Novembro Azul Câncer de Prostata.pptx
Aula Novembro Azul Câncer de Prostata.pptx
 
antonio inacio ferraz-câncer de prostata
antonio inacio ferraz-câncer de prostataantonio inacio ferraz-câncer de prostata
antonio inacio ferraz-câncer de prostata
 
Patologia da Prostatta
Patologia da ProstattaPatologia da Prostatta
Patologia da Prostatta
 
Cancer prostata pronto
Cancer prostata prontoCancer prostata pronto
Cancer prostata pronto
 
novembroazul-151204115544-lva1-app6891 (2).pptx
novembroazul-151204115544-lva1-app6891 (2).pptxnovembroazul-151204115544-lva1-app6891 (2).pptx
novembroazul-151204115544-lva1-app6891 (2).pptx
 
Curaprost remedio
Curaprost remedioCuraprost remedio
Curaprost remedio
 
Novembro azul
Novembro azulNovembro azul
Novembro azul
 
Hiperplasia prostática benigna
Hiperplasia prostática benignaHiperplasia prostática benigna
Hiperplasia prostática benigna
 
trabalho biologia.pptx doenças crônicass
trabalho biologia.pptx doenças crônicasstrabalho biologia.pptx doenças crônicass
trabalho biologia.pptx doenças crônicass
 
SAÚDE DO HOMEM.pptx
SAÚDE DO HOMEM.pptxSAÚDE DO HOMEM.pptx
SAÚDE DO HOMEM.pptx
 
Curso cancer de próstata para pacientes
Curso   cancer de próstata para pacientesCurso   cancer de próstata para pacientes
Curso cancer de próstata para pacientes
 
Portugal pioneiro em medicina
Portugal pioneiro em medicinaPortugal pioneiro em medicina
Portugal pioneiro em medicina
 
Portugal pioneiro em medicina
Portugal pioneiro em medicinaPortugal pioneiro em medicina
Portugal pioneiro em medicina
 
Trabalho de biologia
Trabalho de biologiaTrabalho de biologia
Trabalho de biologia
 

Último

Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
Estuda.com
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
Maria das Graças Machado Rodrigues
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
luggio9854
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Festa dos Finalistas .
Festa dos Finalistas                    .Festa dos Finalistas                    .
Festa dos Finalistas .
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
 
VIAGEM AO PASSADO -
VIAGEM AO PASSADO                        -VIAGEM AO PASSADO                        -
VIAGEM AO PASSADO -
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 

Palesta alto pronta 01

  • 1. ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE CURRALINHOS-PI SECRETARIA MUNICIPAL DE SAUDE SEJA FORTE! NOVEMBRO AZUL CÂNCER DE PRÓSTATA Dr. José de Arimatéa Maciel Enfermeiro Socorrista Cuidar do Corpo e da mente é Coisa de Homem que se Garante.
  • 2. O QUE É CÂNCER? Câncer: Câncer é o nome dado a um conjunto de mais de 100 doenças que têm em comum o crescimento desordenado (maligno) de células que invadem os tecidos e órgãos, podendo espalhar-se (metástase) para outras regiões do corpo.
  • 4. Novembro Azul. A importância da prevenção para a saúde dos homens. O Novembro Azul é uma campanha que conscientiza os homens sobre a adoção de hábitos saudáveis, prevenção de doenças crônicas, além do combate ao Câncer de Próstata e ao Diabetes. Considerando que o dia 14 de novembro é o Dia Mundial do Diabetes e 17 de novembro é o Dia Mundial de Combate ao Câncer de Próstata, o mês foi escolhido para lembrar a importância de prevenir essas doenças, incentivando a realização de exames periódicos e cuidados diários com a saúde.
  • 5. Tipos e cânceres? VEJAMOS! QUAIS SERAM OS TIPOS? Benigno: tem células que crescem lentamente e semelhante às do tecido normal. Na maioria dos casos pode ser totalmente removido (e o paciente curado) por meio de cirurgia. Maligno: as células multiplicam-se rapidamente e têm a capacidade de “invadir” estruturas próximas ao local de origem. A cura neste tipo de tumor depende do diagnóstico precoce e do tratamento adotado.
  • 6. ANTOMIA DA GLÂNDULA DA PROSTÁTA O que é a Próstata? A próstata é uma glândula exócrina que faz parte do sistema genital masculino. A próstata difere consideravelmente entre espécies quer anatômica, química e fisiologicamente. A função da próstata humana é produzir e armazenar um fluido incolor e ligeiramente alcalino (pH 7.29) que constitui 10-30% do volume do fluido seminal, que juntamente com os espermatozoides constitui o sêmen. As principais doenças que atingem a próstata são a hiperplasia prostática benigna, a Prost atite e o câncer de próstata.
  • 7. VENDO A IMAGEM ANATOMICA DA GLÂNDULA DA PRÓSTATA
  • 9. É uma glândula localizada abaixo da bexiga e que envolve a uretra, canal que liga a bexiga ao orifício externo do pênis. É uma glândula localizada abaixo da bexiga e que envolve a uretra, canal que liga a bexiga ao orifício externo do pênis. Tem estreita relação anatômica com a bexiga, por isto os sintomas das doenças prostáticas apresentam-se diretamente relacionados com a micção. Continuação
  • 11. Função da glândula? A principal função da próstata é armazenar e secretar um fluido claro levemente alcalino (pH 7,29) que constitui 10-30% do volume do fluido seminal, que, junto com os espermatozoides, constitui o sêmen. O resto do fluido seminal é produzido pelas duas vesículas seminais. A alcalinidade do fluido seminal, provocada pela elevada presença do antígeno prostático específico (PSA), ajuda a neutralizar a acidez do trato vaginal, prolongando o tempo de vida e mobilidade dos espermatozoides. Para além da função de transporte, este fluído mantém a nutrição necessária do esperma para sua sobrevivência. A próstata também contém alguns músculos lisos que ajudam a expelir o sêmen durante a ejaculação.
  • 12. O que vem ser estas secreções As secreções prostáticas variam entre as espécies. Secreções da próstata são ricas em cálcio, zinco, ácido cítrico, fosfatasse ácida, albumina e de antígeno específico da próstata (PSA). Em homens saudáveis o nível de citratos do fluido prostático é duas vezes maior do que em homens com câncer de próstata.
  • 13. Nas secreções prostáticas humanas, o conteúdo proteico é menor que 1%. As enzimas proteolíticas e o antígeno prostático específico (PSA) são importantes para manter o esperma mais líquido, fluindo adequadamente e para ajudar no movimento adequado dos espermatozoides. Níveis sanguíneos elevados de PSA podem indicar câncer de próstata.
  • 14. Regulação da Glândula da próstata Para funcionar adequadamente, a próstata necessita dos hormônios masculinos (andrógenos), que são responsáveis pelas características sexuais masculinas. O principal hormônios masculino é a testosterona, que é produzida principalmente nos testículos. Alguns hormônios são produzidos em pequenas quantidades nas glândulas supra-renais. Entretanto, o hormônio que regula a próstata é a di-hidrotestosterona (responsável pela hiperplasia prostática benigna)
  • 15. Estrutura dessa Glândula Uma próstata humana saudável é um pouco maior que uma noz. Ela envolve a uretra logo abaixo da bexiga urinária, podendo ser sentida através do exame de toque retal. Os ductos são revestidos com epitélio transicional. No interior da próstata, a uretra que vem da bexiga é chamada de uretra prostática e se funde com os dois ductos ejaculatórios. A uretra masculina possui duas funções: carregar urina da bexiga urinária durante o ato de urinar e carregar sêmen durante a ejaculação. A próstata é forrada pelos músculos do assoalho pélvico, que se contraem durante o processo ejaculatório. A próstata pode ser dividida de dois modos distintos: por zona ou por lobo
  • 16. Câncer de próstata próstata mutações e começam a se multiplicar sem controle. Estas células podem se espalhar (metástase) a partir da próstata em direção a outras partes do corpo, especialmente ossos e linfonodos. O câncer de próstata pode causar dor, dificuldade em urinar, disfunção erétil e outros sintomas. Porém, a grande maioria dos casos evolui silenciosamente sem causar sintomas até que haja disseminação da doença. Exames regulares de toque retal e dosagem de antígeno prostático específico são recomendados para homens a partir dos 40 a 50 anos de idade, para detecção precoce da doença. Pode ser tratado com cirurgia, radioterapia, terapia hormonal, entre outros.
  • 17. TRÊS TIPOS PRINCIPAIS DE PROBLEMAS Hiperplasia próstatica benigna Próstatite Inflamação da próstata Câncer de Próstata
  • 18. Hiperplasia prostática benigna É caracterizada por uma hiperplasia das células do estroma e do epitélio, resultando na formação de nódulos na região periuretral da próstata. Quando suficientemente largos, os nódulos comprimem o canal uretral causando obstrução parcial, ou às vezes completa, da uretra, desta maneira interferindo no fluxo normal da urina. Isso causa sintomas de hocilação urinária, polaciúria, aumento do risco de infecção do trato urinário e retenção urinária. Embora os níveis de antígeno prostático específico possam estar elevados nestes pacientes devido ao volume maior do órgão e inflamação devido às infecções do trato urinário, a hiperplasia prostática benigna não é considerada uma lesão pré-maligna. A hiperplasia benigna da próstata (HBP) ou hiperplasia prostática benigna (HPB) é uma condição médica caracterizada pelo aumento benigno da próstata que normalmente se inicia em homens com mais de 40 anos. Pode provocar estreitamento da uretra com dificuldade de micção.
  • 19. Sintomas Os sintomas da hiperplasia benigna da próstata são classificados como obstrutivos ou irritativos. Os sintomas obstrutivos incluem hesitância, intermitência, esvaziamento incompleto da bexiga, jato fraco de urina. Os sintomas irritativos incluem aumento da frequência de urinar, mudança no ritmo miccional, prevalecendo no período noturno noctúria quando ocorre à noite, e urgência (necessidade de esvaziar a bexiga que não pode ser protelada). O conjunto dos sintomas obstrutivos e irritativos geralmente é classificado na literatura médica como sintomas do trato urinário inferior (LUTS).
  • 20. Pode ser uma doença progressiva, principalmente se não for tratada. O não- esvaziamento completo da bexiga pode resultar em estase de bactérias na bexiga e dessa forma aumentar o risco de infecções do trato urinário. Pode ocorrer formação de pedras na bexiga devido à cristalização dos sais contidos na urina residual. A retenção urinária é outra forma de progressão. A retenção urinária aguda é a incapacidade de esvaziar a bexiga, enquanto a retenção urinária crônica o volume residual urinário gradualmente cresce, e a bexiga distende. Alguns pacientes que sofrem de retenção urinária crônica podem finalmente progredir para uma insuficiência renal, uma condição conhecida como uropatia obstrutiva. Para alguns homens, os sintomas podem ser graves o suficiente para necessitar de tratamento.
  • 21. Exames e Diagnóstico Exame de toque retal pode revelar uma próstata nitidamente aumentada. Demora menos de 1minuto a ser efetivado. Frequentemente, exames de sangue são realizados para descartar doenças malignas da próstata: níveis elevados do antígeno prostático específico (PSA) necessitam de investigações subsequentes como uma reinterpretação dos resultados do PSA, em termos de densidade do PSA e porcentagem de PSA livre, toque retal e ultrassonografia endoretal. Essas medidas combinadas podem realizar a detecção precoce de um câncer.
  • 25. O resultado do exame de PSA tem 3 possíveis resultados: Normal – abaixo dos 4 ng/ml Intermédio – 4 a 10 ng/ml Alto – acima de 10ng/ml O exame de ultrassom dos testículos, próstata e rins é realizado, novamente para descartar doenças malignas e hidronefrose. Outros exames realizados são o exame de urina laboratorial, fluxometria (medição do jato de urina) e claro, a biópsia para casos de suspeita mais concreta de alteração maligna prostática.
  • 27. Prostatite quer dizer processo inflamatório da próstata. Este pode ter diversas causas, infecciosas e não infecciosas. Ao longo da vida, cerca de 10% dos homens têm pelo menos um episódio de sintomas sugestivos de prostatite. Em muitos casos, estes episódios são recorrentes, em alguns frequentes e, raramente, as queixas poder persistir quase continuamente ao longo de períodos muito prolongados. O QUE É?
  • 28. Dos pacientes que referem queixas sugestivas de prostatite, menos de 5% têm evidência de infecção. Apesar da maioria dos casos não serem causados por infecção bacteriana, esta causa tem de ser considerada e excluída. As prostatites podem ser classificadas nas seguintes “categorias” (classificação dos National Institutes of Health, dos Estados Unidos da América): continuação
  • 29. Classificação Tipo I – Prostatite bacteriana aguda Tipo II – Prostatite bacteriana crónica Tipo IIIA – Prostatite crónica inflamatória/síndrome de dor pélvica (CP/CPPS) Tipo IIIB – Prostatite crónica não inflamatória/síndrome de dor pélvica Tipo IV Postatite inflamatória assintomática/síndrome de dor pélvica
  • 30. Para uma correta caracterização dos tipos de prostatite segundo esta classificação, os doentes deveriam ser sujeitos à colheita de secreções prostáticas, após massagem prostática, sendo analisadas as secreções e ainda a urina colhida após esta massagem. Na prática clínica, nem sempre se efetua este exame.
  • 31. Tipo I – Prostatite bacteriana aguda Manifestações Clínicas: As manifestações clínicas de uma prostatite aguda são variáveis, mas esta doença manifesta-se frequentemente por quadros graves com início súbito de febre, arrepios, dor hipogástrica (abaixo do umbigo), perineal (na zona entre os testículos e o anûs) e lombar, ardor miccional, aumento da frequência das micções, de dia e de noite e diminuição da força e calibre do jacto urinário. Por vezes, existe uma quebra marcada do estado geral. A prostatite aguda é geralmente causada por bactérias em homens sexualmente ativos, até aos 35 anos, deve pensar-se na possibilidade de uma infecção.
  • 32. Prostatites crónicas (restantes Tipos, II, IIIA, IIIB, IV) O grupo das prostatites crónicas inclui diversos sub-grupos, com causas infecciosas e não infecciosas. Trata-se de doenças francamente perturbadoras da qualidade de vida dos doentes e as queixas podem arrastar-se ao longo de meses ou mesmo anos. Os doentes com prostatites crónicas sofrem de um aumento crónico da frequência da micções, ardor a urinar e sensação de não esvaziamento completo da bexiga. Por vezes, surgem dores mais intensas abaixo do umbigo e na região perineal.
  • 33. Objectivo Exame No toque retal a próstata é geralmente muito dolorosa, edemaciada e quente. A massagem prostática está contra-indicada pelo risco de disseminação da infecção. Tratamento: A base do tratamento desta doença são os antibióticos, geralmente administrados por via oral. Em alguns casos mais graves, pode ser necessário o internamento hospitalar. Os fármacos mais utilizados são do grupo das fluoroquinolonas. O tratamento deve durar menos 4 a 6 semanas. Em alguns casos, pode ser necessário um tratamento cirúrgico, por exemplo para drenagem cirúrgica de um abcesso prostático. Pode ser necessário colocar um catéter supra-púbico (cistocatéter) nos doentes com retenção urinária aguda, uma vez que a algaliação pode ser impossível ou perigosa (pelo risco de disseminação da infecção).
  • 34. Banho de assento com água morna: para aliviar o desconforto na região do períneo. Ingestão de líquidos: bastante água e sucos são indicados para repor os fluídos perdidos no processo de inflamação. Deve-se evitar o uso de bebidas alcoólicas e cafeína neste processo, uma vez que são diuréticos. Internação hospitalar: somente em casos mais graves onde é necessário o paciente ser assistido e monitorado pelos especialistas. Cirúrgico: quando é necessária a drenagem de um abscesso na próstata ou a inserção de um cateter acima da região púbica em pacientes com retenção de urina aguda, por exemplo. Em relação aos pacientes que possuem prostatite crônica, ou seja, recorrente, por vezes é necessário um tratamento mais prolongado. Em geral, o tratamento é eficaz, mas pode recorrer algumas vezes.
  • 35. Há como prevenir a prostatite? Cuidar-se e realizar algumas medidas preventivas é sempre importante para evitar a prostatite. Então siga estas dicas para se prevenir: Sempre se previna nas relações sexuais mantenha bons hábitos de higiene. Tenha uma alimentação balanceada, ingerindo bastante fibras, como frutas, legumes, verduras, grãos integrais etc. Pratique exercícios físicos para fortalecer o sistema imunológico. Procure ajuda profissional sempre que algum sintoma aparecer. Nunca utilize ou interrompa medicamentos por conta própria e sempre siga corretamente as orientações do seu médico. Vá frequentemente ao médico para realizar exames de rotina e cuidar melhor da sua saúde.
  • 37. CÂNCER DE PRÓSTATA CÂNCER MAIS FREQUENTE DO HOMEM ( EXCETO PELE) 68.800 NOVOS CASOS 6 HOMENS 1 CAP 1 CASO/ 7,6 MINUTOS 1 OBITO/40 MINUTOS 2o. MORTALIDADE ( 1o. CÂNCER DE PULMÃO) SILENCIOSO APÓS SINTOMAS 95% FASE AVANCADA 21% DIMINUICÃO MORTALIDADE 40% ULTIMOS 15 ANOS – USA ( COM RASTREAMENTO)
  • 39. INCIDÊNCIA NOVOS CASOS CÂNCER DE PRÓSTATA 68.800 HOMENS CÂNCER DE MAMA 57.000 MULHERES CAP VEM CRESCENDO ULTIMOS 8 ANOS: 45% CAP 22% OUTROS CA 16% MAMA FONTE: MS/SVS/DASIS – SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE MORTALIDADE -SIM Diagnóstico precoce no caso da mama ganhou dimensão abrangente: meios de comunicação, governos municipais, estaduais e federal, personalidades públicas, empresas privadas, etc, enquanto o câncer da próstata é tratado com desleixo e preconceito pela grande maioria dos homens.
  • 41. QUADRO PREOCUPANTE CÂNCER PRÓSTATA Estudo epidemiológico da oncologia nos diz que: Idade média- 62,8 anos 58,3% fora da próstata 30% dos pacientes do SUS doença avançada no momento do diagnóstico. Pacientes/clientes convênio este número não ultrapassa os 17%. Este fato implica em redução das chances de cura e mais custos para o Estado no tratamento destes homens.
  • 42. SAÚDE DO HOMEM ♂ Têm medo de descobrir doenças; ♂ Acham que nunca vão adoecer e por isso não se cuidam; ♂ Não procuram os serviços de saúde e não seguem os tratamentos recomendados; ♂ Estão mais expostos aos acidentes de trânsito e de trabalho; ♂ Utilizam álcool e outras drogas em maior quantidade; ♂ Estão envolvidos na maioria das situações de violência; Não praticam atividade física com regularidade. ASPECTOS SÓCIO-CULTURAIS
  • 44. Câncer de próstata ou cancro da próstata, também denominado de carcinoma da próstata, é uma neoplasia que tem seu desenvolvimento na próstata, uma glândula do sistema reprodutor masculino. A maioria dos cânceres de próstata é de crescimento lento, no entanto, alguns crescem relativamente rápido. As células cancerosas podem espalhar-se a partir da próstata para outras partes do corpo, particularmente os ossos e os linfonodos. Câncer de próstata maligna) é o crescimento anormal e confuso Das células epiteliais glandulares que eles têm capacidade de se espalhar
  • 46. Escala do avanço da doença
  • 48. O câncer de próstata em estágio inicial geralmente não causa sintomas, enquanto em estágio avançado pode provocar sintomas como: • Micção frequente. • Fluxo urinário fraco ou interrompido. • Impotência. • Vontade de urinar frequentemente à noite. • Sangue no líquido seminal. • Dor ou ardor durante a micção. • Fraqueza ou dormência nas pernas ou pés. • Perda do controle da bexiga ou intestino, devido a pressão do tumor sobre a medula espinhal. Sinais e Sintomas Pode provocar sintomas?
  • 49. Os sintomas do câncer de próstata variam dependendo da localização do tumor e do estágio da doença. Os sintomas podem incluir Alterações no fluxo urinário, Dificuldade com as atividades sexuais ou dor na parte inferior das costas devido à disseminação do tumor para os ossos do quadril e da parte inferior da coluna. Esta lição resume esses sintomas.
  • 53. A hiperplasia prostática benigna não é câncer e não se transforma em câncer. Entretanto, pode ser um problema clínico importante para alguns homens. Caso seja necessário tratamento, são prescritos medicamentos para reduzir o tamanho da próstata ou relaxar a musculatura, o que geralmente ajuda o fluxo normal de urina. Em alguns casos, pode ser necessária a realização de uma cirurgia, como a ressecção transuretral da próstata. Hiperplasia da Próstata ou Câncer de Próstata?
  • 54. Envelhecer é o fator de risco mais importante para o aparecimento do câncer de próstata. Esse risco aumenta principalmente após os 50 anos. Estudos sugerem que após os 70 anos de idade uma grande porcentagem dos homens desenvolverão câncer de próstata, mesmo sem sintomas evidentes. Fique sabendo: O histórico familiar aumenta o risco de desenvolver câncer de próstata. Ter pai ou irmão com a doença em idade inferior aos 60 anos pode dobrar o risco de um homem ter a doença. Fatores de Risco que NÃO PODEM ser controlados .
  • 55. A alimentação parece ter um papel importante para o desenvolvimento (ou não) do câncer de próstata. A doença é muito mais comum em países onde carne vermelha e alimentos ricos em gordura são consumidos com frequência. A ligação entre a alimentação e o desenvolvimento do câncer não é clara. Porém, acredita-se que o consumo de carne vermelha pode aumentar a produção de hormônios masculinos, o que pode levar ao aparecimento do câncer de próstata. Uma dieta pobre em frutas e vegetais, também, pode ser prejudicial e favorecer o aparecimento desse tipo de câncer. Fatores de Risco que PODEM ser controlados
  • 56. O rastreamento deve ser iniciado aos 50 anos para os homens que têm um risco médio para a doença. Aos 45 anos em homens com alto risco de doença, isto inclui aqueles que têm um parente de primeiro grau com diagnóstico de câncer de próstata antes dos 65 anos. O rastreamento deve ser iniciado aos 40 anos em homens com mais de um parente de primeiro grau que tiveram câncer de próstata em uma idade precoce. O rastreamento inclui o PSA no sangue e toque retal. A periodicidade desses exames depende dos resultados do PSA: • A cada 2 anos para homens com PSA maior que 2,5 ng/ml. • Anualmente para homens com PSA menor igual a 2,5 ng/ml. Detecção Precoce do Câncer de Próstata
  • 57. Idade acima dos 50 anos: 80% dos casos ocorrem em homens a partir desta idade. - Raça negra: A doença tem maior incidência na raça negra - Alimentação inadequada: Dieta rica em gorduras e pobre em vegetais e frutas baixam as defesas do corpo contra o câncer. - Vida sedentária: A falta de exercícios físicos regulares e o peso acima do normal, aumentam os riscos. - Hereditariedade: Se algum parente próximo tiver câncer duplica sua chance de desenvolver um.
  • 58. Fatores de Risco Idade nos homens acima de 45-60 anos. • Raça • Histórico Familiar • Alimentação • Obesidade • Exposição Ocupacional • Doenças sexualmente transmissíveis (DST’s) Aumento da testosterona e dieta alta de gorduras. Por isso, deve-se preferir uma dieta vegetariana ou japonesa. Fatores ambientais: - O risco aumenta nas novas gerações de pessoas que imigraram para regiões de alto risco. - Exposição a produtos químicos industriais e radiação ionizante.
  • 59. A maioria dos cânceres se desenvolve na zona externa da próstata e não causa sintomas nos estágios iniciais de desenvolvimento. Os cânceres da zona interna, ou os que crescem muito e fazem pressão sobre a uretra, tornam difícil o ato de urinar. O fluxo urinário fica mais fraco, do tipo “começa e para”, e ocorre perda de urina entre as idas ao banheiro para urinar. O câncer é dito localizado quando não há células cancerosas fora da cápsula da próstata. Na doença metastática, o principal sintoma além dos apresentados na doença localizada é dor na parte inferior das costas, causada pela disseminação das células cancerosas para os ossos do quadril e da parte inferior da coluna. Quando o câncer vai para os linfonodos, estes ficam aumentados. Os linfonodos mais próximos da próstata, na área do quadril e na parte inferior da coluna, normalmente são os primeiros a serem afetados. Nos estágios mais avançados, os linfonodos de outras partes do organismo passam a ser afetados, e o paciente passa a apresentar sonolência, perda de peso e ocasionalmente sangramento (ou hemorragia) na pele e no intestino.
  • 60. Diagnóstico PSA (Antígeno Prostático Específico) PSA significa Antígeno Prostático Específico, uma substância que é produzida pela glândula prostática. Ele é encontrado no sêmen, e normalmente em níveis muito baixos no sangue de homens que não têm doença prostática. Níveis sanguíneos muito altos de PSA, como por exemplo 20 nanogramas por mililitro, sugerem fortemente a presença de câncer de próstata, mas também podem ser devidos a outras doenças. Para ter certeza de que não tem nenhuma doença prostática, você deve ter um nível de PSA de 4 ou menos. Níveis de PSA de 10 a 20 frequentemente significam que o tumor já cresceu além da cápsula prostática. Níveis de PSA acima de 40 podem significar que o câncer já se disseminou para os ossos, ou tem maior potencial de fazê-lo, em comparação com níveis menores de PSA. Entretanto, esses números são somente guias gerais, uma vez que a elevação do PSA pode ser devida a outras causas, como um tumor benigno da próstata, e o câncer pode estar presente em alguns homens com PSA 'normal'.
  • 61. Detecção Precoce do Câncer de Próstata
  • 62. Antígeno prostático específico (PSA) - aceita-se como valores limites normais até 4 ng/ml, porém podem existir tumores com PSA abaixo deste valor. Quando o PSA estiver acima de 10 ng/ml há indicação formal para biópsia. Para valores entre 4-10 ng/ml deve-se também levar em consideração a velocidade do PSA e a relação PSA livre/total. Valores limites normais do PSA
  • 64. Toque prostático via reto (TP) - é sempre recomendável e também fundamental no estadiamento da doença, bem como para definição do tratamento EXAME DO TOQUE RETAL
  • 65. Ultra-som transretal – pode ser usado para orientar a biópsia da próstata. Também pode ser útil na determinação do volume prostático e para avaliar a extensão local da doença. Ultra-som transretal
  • 66. Escore de Gleason (também conhecido como escala ou pontuação de Gleason) é uma pontuação dada a um câncer de próstata baseada em sua aparência microscópica. O escore de Gleason é importante porque escores maiores estão associados a piores prognósticos, já que são dados a cânceres mais agressivos. Escore de Gleason Gleason de 2 a 4 – existe cerca de 25% de chance de o câncer disseminar-se para fora da próstata em 10 anos, com dano em outros órgãos, afetando a sobrevida. • Gleason de 5 a 7 - existe cerca de 50% de chance de o câncer disseminar-se para fora da próstata em 10 anos, com dano em outros órgãos, afetando a sobrevida. • Gleason de 8 a 10 - existe cerca de 75% de chance de o câncer disseminar-se para fora da próstata em 10 anos, com dano em outros órgãos, afetando a sobrevida.
  • 68. PESQUISA DE METÁSTASES Cintilografia óssea: É fundamental no estadiamento do câncer da próstata, sendo altamente sensível, porém pouco específica. É indicada para todo paciente portador de câncer da próstata com PSA > 20ng/ml e PSA entre 10-20 com graduação histológica de Gleason ≥ 7.
  • 70. TRATAMENTO • Cirurgia • Radioterapia • Hormonioterapia • Quimioterapia
  • 71. Tipos de Próstatectomia Radical Próstatectomia Radical Retropúbica Cirurgia: método mais utilizado e que consiste na retirada completa da próstata através de um corte feito no abdômen sob anestesia geral. Normalmente o paciente fica internado 3 dias, mas pode necessitar manter a sonda vesical por cerca de 7 dias, sendo que a urina irá passar de vermelha até amarela. O dreno da cirurgia é retirado por volta do 2º dia de internamento e o paciente pode regressar às suas atividades normais em cerca de 3 meses;
  • 72. Radioterapia: aplicação de radiação em determinada áreas da próstata, eliminando as células de câncer. É usada em casos em que a cirurgia está contraindicada ou quando o paciente recusa esse tipo de tratamento; Radioterapia A radioterapia pode ser usada como primeira opção terapêutica com intuito curativo ou após o tratamento cirúrgico da próstata. Também é usada para aliviar as dores ósseas provocadas pela disseminação da doença. A radioterapia é focada sobre a glândula da próstata a partir de uma fonte de radiação externa. Os possíveis efeitos colaterais deste tratamento podem incluir: problemas intestinais, problemas na bexiga, incontinência urinária, impotência, sensação de cansaço, linfedema e estreitamento uretral.
  • 73. A terapia hormonal ou terapia de privação de andrógeno ou terapia de supressão androgênica tem o objetivo de reduzir o nível dos hormônios masculinos (andrógenos), no corpo. Os principais tipos incluem: Tratamento: Hormonioterapia Usada para tratar o câncer de próstata avançado. Bloqueia a produção dos andrógenos pelos testículos. Antiandrógenos - Administração, via oral, de flutamida, bicalutamida e nilutamida, diariamente. Orquiectomia bilateral (Castração cirúrgica) - Remoção cirúrgica dos testículos. Terapia com análogo do LHRH (Castração química) - Consiste na administração de uma droga que reduz o nível de testosterona. Enzalutamide - Bloqueia o sinal do receptor de andrógeno para a célula. Terapia hormonal
  • 74. Quimioterapia é um tratamento sistêmico com medicamentos para destruir o câncer, administrados por via intravenosa ou oral. É recomendado para tratar cânceres em estágio avançado ou que não respondem à hormonioterapia. Os medicamentos usados no tratamento do câncer de próstata incluem: docetaxel, cabazitaxel, mitoxantrona, estramustina, doxorrubicina, etoposido, vinblastina, paclitaxel, carboplatina, vinorelbina. Tratamento: Quimioterapia Os efeitos colaterais da quimioterapia podem incluir: alopecia perda parcial ou total dos cabelos de determinada parte do corpo, inflamações na boca, perda de apetite, náuseas, vômitos, diarreia, infecções, hemorragias ou hematomas, fadiga e reações alérgicas. Quimioterapia
  • 75. Seu médico continuará monitorando os níveis de PSA no sangue e poderá solicitar outros exames após o término do tratamento. Se a doença se disseminar para outros órgãos, provavelmente será recomendado um tratamento adicional. Fica a dica: Adotar hábitos de vida saudáveis, também, são importantes para manter uma qualidade de vida após o tratamento do câncer. Esperança para Casos Avançados 5 dicas para prevenção do câncer de próstata
  • 76. 1ª Fase inicial: A doença não dá sintomas na fase inicial, pois a doença inicia-se na zona periférica (lado de fora) da próstata. Quando não tratado, o câncer progride e passa a atingir a uretra (canal da urina) causando dificuldade para urinar e esvaziar completamente a bexiga, sangramento na urina ou no esperma e em fases mais tardias dores ósseas, perda de peso e anemia.
  • 77. 2ª Prevenção: A prevenção inicia-se aos 40 anos, se existir irmão ou pai com a doença; e aos 45 anos, se histórico familiar negativo para câncer prostático. É quando o homem deve procurar um médico especialista.
  • 78. Toque retal: O exame que deve ser feito na prevenção é o toque retal, acrescido de PSA (exame de sangue). A Ecografia (ultrassom) deve ser realizada apenas quando existirem alterações no toque retal ou para realização de biópsias. 3º
  • 79. 4ª Curabilidade A detecção precoce da doença permite que sejam alcançadas altas taxas de curabilidade (acima de 80%) e baixas sequelas referentes ao tratamento.
  • 80. 5ª Tratamentos Os tipos de tratamento indicados para o homem portador de câncer de próstata vão variar de acordo com o estágio da doença. Cada caso deve ser avaliado de forma individual. Em pacientes que estão na fase inicial da doença, são indicadas a cirurgia (prostatectomia radical) ou radioterapia (externa ou braquiterapia). Já pacientes com doença avançada, o tratamento poderá ser a Hormonioterapia/castração e quimioterapia.
  • 81. Uma dieta rica em frutas, verduras, legumes, grãos e cereais integrais e com menos gordura, principalmente as de origem animal, ajuda a diminuir o risco do câncer.
  • 82. Referencias: Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Câncer de próstata: vamos falar sobre isso? / Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. – Rio de Janeiro: Inca, 2017. Ministério da Saúde. Nota técnica conjunta nº 001/2015, em 26 de junho de 2015. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva/ Ministério da Saúde. Esta obra pode ser acessada, na íntegra, na Biblioteca Virtual em Saúde Prevenção e Controle de Câncer (http://controlecancer.bvs.br/) e no Portal do INCA (http://www.inca.gov.br).