SlideShare uma empresa Scribd logo
RUTERUTE –– SIG Saúde do Servidor PúblicoSIG Saúde do Servidor Público
Web ConferênciaWeb Conferência –– 15/4/201515/4/2015
Alexandre Schreiner, M Sc.
Médico Psiquiatra
Coordenador de Políticas de Saúde do
Trabalhador – CPST/UFRJ
alexschreiner@globo.com
Alberto Araújo, D Sc.
Pneumologista, MD Trabalho
Coordenador do Núcleo de Estudos e
Tratamento do Tabagismo – IDT/UFRJ
alberto.nett@gmail.com
2NETT/IDT - UFRJ, 2015.
Revisão e ObjetivosRevisão e Objetivos
Histórico do ProgramaHistórico do Programa
Comitê de PrevençãoComitê de Prevenção
Propostas básicas/específicasPropostas básicas/específicas
Estudo TransversalEstudo Transversal
Parar: este
DESAFIO
agora é
nosso!
3NETT/IDT - UFRJ, 2015.
Estudo TransversalEstudo Transversal
Estratégias de PrevençãoEstratégias de Prevenção
Passos IniciaisPassos Iniciais
Grupos TerapêuticosGrupos Terapêuticos
ResultadosResultados
PerspectivasPerspectivas
Vida sim,
Tabaco não!
Como começamos?Como começamos?
Dando a partida: HU Livre do TabacoDando a partida: HU Livre do Tabaco
4NETT/IDT - UFRJ, 2015.
Há quase 16 anos, em junho de 1999, Portaria
criou o “Comitê de Prevenção do Tabagismo”.Comitê de Prevenção do Tabagismo”.
HU foi o 3º hospital do RJ a adotar a política deHU foi o 3º hospital do RJ a adotar a política de
ambiente livre de tabaco (INCA, HUPE/UERJ).ambiente livre de tabaco (INCA, HUPE/UERJ).
Composição do ComitêComposição do Comitê
Coordenação: PneumologiaCoordenação: Pneumologia
5NETT/IDT - UFRJ, 2015.
O Comitê tinha uma secretária e oito membros
representantes das diversas divisões e serviços,
com reuniões mensais e plano de trabalho.
O TRABALHO DO NETT NO HUCFF/IDT
(multidisciplinar)
PROPOSTA BÁSICAPROPOSTA BÁSICA
SENSIBILIZAÇÃOSENSIBILIZAÇÃO
PROPOSTAS ESPECÍFICAS
Sensibilização da
comunidade (ALT)
Estudo sobre prevalência,
hábitos e atitudes
Grupos TerapêuticosTRATAMENTOTRATAMENTO
6NETT/IDT - UFRJ, 2015.
Grupos Terapêuticos
Treinamento de Vigilantes,
Recepcionistas e Portaria.
Conferência Anual na CAE
para os novos residentes.
Divulgação de Dados sobre
Riscos do Tabagismo
Pesquisas
Projeto Extensão: Escola
TRATAMENTO
ENSINOENSINO
EXTENSÃOEXTENSÃO
PESQUISAPESQUISA
Apresentando dois desafios iniciaisApresentando dois desafios iniciais
Como abordar o tabagismo em umaComo abordar o tabagismo em uma
comunidade heterogênea, composta porcomunidade heterogênea, composta por
5 mil pessoas fixas e 3 mil flutuantes?5 mil pessoas fixas e 3 mil flutuantes?
7NETT/IDT - UFRJ, 2015.
Como despertar a atenção dosComo despertar a atenção dos
empregados terceirizados fumantesempregados terceirizados fumantes
quando existem efetivos que fumam?quando existem efetivos que fumam?
Certificação de Áreas (Setores): ganhando
apoio de pequenos grupos, com adesivos nas ID
e selos nas portas.
Encontros: de Sensibilização junto a
comunidade e participação nas sessões clínicas
Como foram os primeiros passos?Como foram os primeiros passos?
8NETT/IDT - UFRJ, 2015.
Encontros: de Sensibilização junto a
comunidade e participação nas sessões clínicas
dos serviços médicos.
Estudo transversal: Prevalência; crenças,
costumes, e atitudes dos profissionais de
saúde diante o uso do tabaco.
52,4 53,5
60,2
54,6
40
50
60
70
Gráfico 1 – Prevalência de Tabagismo segundo
setor de atividade no HU, 2000-2001.
Estudo Transversal sobre Tabagismo no HU
9NETT/IDT - UFRJ, 2015.
15,3
32,3
17,9
28,6
22,1
17,7 17,6
27,8
0
10
20
30
40
Saúde Administ. Apoio Amostra
Sim
Ex
Não
Não
38,6 57,9 48,3
45,5
26,5
Gráfico 2 – Tabagismo e tipo de vínculo de trabalho.
Estudo Transversal sobre Tabagismo no HU
10NETT/IDT - UFRJ, 2015.
Docentes Técnicos Terceiros
FT
Ex
45,5
26,5
21,7
15,9 15,6
30
56,6
50
59,1
49,3
60
Gráfico 3 – Tabagismo vs. escolaridade, em anos
completos de estudo.
Estudo Transversal sobre Tabagismo no HU
11NETT/IDT - UFRJ, 2015.
21,7 17,6
23,8
34,3
21,7
32,4
17,1
12,2
0
20
40
0-7 8-10 11-12 >12
Sim
Ex
Não
ns 0,95p< 0,01 4.15p< 0,01 6,65p< 0,05 0,53ns 1,31p< 0,05 1,6033,1
Quem fuma 5 ou 20 cig/dia tem mesma chance
de desenvolver câncer?
p< 0,05 1.82p< 0,05 0.48ns 1,70ns 0,99ns 1,04p< 0,05 2,6789,4
Durante a gravidez se pode fumar até 3
cigarros por dia?
P-value ORP-value ORP-value ORP-value ORP-value ORP-value OR%Amostra: 432
TABAGISMOOCUPAÇÃOSEGMENTOINSTRUÇÃOIDADEGÊNEROACERTOS
Nível de conhecimento sobre os riscos
do tabaco
ns 0,95p< 0,01 4.15p< 0,01 6,65p< 0,05 0,53ns 1,31p< 0,05 1,6033,1
Quem fuma 5 ou 20 cig/dia tem mesma chance
de desenvolver câncer?
p< 0,05 1.82p< 0,05 0.48ns 1,70ns 0,99ns 1,04p< 0,05 2,6789,4
Durante a gravidez se pode fumar até 3
cigarros por dia?
P-value ORP-value ORP-value ORP-value ORP-value ORP-value OR%Amostra: 432
TABAGISMOOCUPAÇÃOSEGMENTOINSTRUÇÃOIDADEGÊNEROACERTOS
Nível de conhecimento sobre os riscos
do tabaco
Tabela 1 –Nível de conhecimento dos riscos do tabaco segundo
variáveis selecionadas, com aplicação do Pearson X2 e cálculo da OR.
Estudo Transversal sobre Tabagismo no HU
12NETT/IDT - UFRJ, 2015.
ns 0.92ns 0,78ns 0,91ns 1,09ns 0,66ns 1,0987,7
É difícil deixar de fumar, devido a nicotina que
leva à dependência?
ns 0,60ns 0,83ns 1,06ns 0,89ns 0,71ns 0,7193,5
Charuto ou cachimbo podem desenvolver
câncer?
ns 0,82ns 0,68ns 0,87ns 1,23ns 0,49ns 1,3394,9
Fumantes passivos podem adoecer, inclusive
de doenças cardíacas?
ns 0,68ns 1,01ns 1,16p< 0,05 0.61p< 0,01 1,92p< 0,05 0,6174,8
Os cigarros com baixos teores causam menos
doenças?
ns 0,95p< 0,01 4.15p< 0,01 6,65p< 0,05 0,53ns 1,31p< 0,05 1,6033,1de desenvolver câncer?
ns 0.92ns 0,78ns 0,91ns 1,09ns 0,66ns 1,0987,7
É difícil deixar de fumar, devido a nicotina que
leva à dependência?
ns 0,60ns 0,83ns 1,06ns 0,89ns 0,71ns 0,7193,5
Charuto ou cachimbo podem desenvolver
câncer?
ns 0,82ns 0,68ns 0,87ns 1,23ns 0,49ns 1,3394,9
Fumantes passivos podem adoecer, inclusive
de doenças cardíacas?
ns 0,68ns 1,01ns 1,16p< 0,05 0.61p< 0,01 1,92p< 0,05 0,6174,8
Os cigarros com baixos teores causam menos
doenças?
ns 0,95p< 0,01 4.15p< 0,01 6,65p< 0,05 0,53ns 1,31p< 0,05 1,6033,1de desenvolver câncer?
Variáveis: Sexo (1 - Masculino, 2- Feminino), Idade (1 : 18-39, 2: >=40 anos),
Instrução (1: 0--7, 2: >= 8 anos), Segmento (1: Docentes, 2: Funcionários),
Ocupação (1: Saúde, 2: Administração), Tabagismo (1: Sim, 2: Não).
Conclusões da PesquisaConclusões da Pesquisa
Prevalência do tabagismo: pouco abaixo da população em geral.
Porém, as taxas mais elevadas nas pessoas com baixa escolaridade
ou com menor qualificação acompanhavam a preocupante
tendência mundial do tabagismo.
Riscos do tabaco: bom nível de conhecimento, pequenas
13NETT/IDT - UFRJ, 2015.
Riscos do tabaco: bom nível de conhecimento, pequenas
diferenças entre os segmentos (docentes, pessoal de saúde e de
apoio).
As maiores surpresas foram a discordâncias observadas nas
questões relacionadas com fumo e gravidez assim como o
risco de câncer ou de fumo passivo (os homens crêem que
haja mais risco do que as mulheres, OR respectivamente:
2,67, 1,60 e 1,33).
Conclusões da PesquisaConclusões da Pesquisa
Outro dado curioso foi que as pessoas com menor escolaridade
tinham mais informação acerca dos riscos dos cigarros com baixos
teores (OR: 1,92).
Os docentes mostraram discordância com os outros segmentos com
respeito ao risco de câncer e fumar 5 ou 20 cigarros (OR: 6.65).
14NETT/IDT - UFRJ, 2015.
Os profissionais da área de saúde demonstraram um maior
conhecimento sobre os riscos do que os administrativos.
A maioria dos entrevistados, inclusive fumantes, concordava com a
restrição do tabaco no ambiente hospitalar.
Apesar da preocupação com a saúde, o fato de trabalhar no HU e do
contato com portadores de DRT, ainda influi pouco na
conscientização e busca de ajuda para deixar de fumar.
Estratégias de Prevenção
Palestras de Sensibilização
Divulgação
Treinamento
15NETT/IDT - UFRJ, 2015.
Capacitação para Abordagem
Mínima e Intensiva ao Fumante
Reunião Comunitária Mensal
Formação de Grupos Terapêuticos
Tabagismo Passivo:Tabagismo Passivo:
Você conhece os riscos?Você conhece os riscos?
Palestra de SensibilizaçãoPalestra de Sensibilização
Aberta à Comunidade do HUCFFAberta à Comunidade do HUCFF--UFRJUFRJ
Dia: 29 de maio de 2001Dia: 29 de maio de 2001
16NETT/IDT - UFRJ, 2015.
Dia: 29 de maio de 2001Dia: 29 de maio de 2001
Local: Auditório da CAELocal: Auditório da CAE -- 1212oo
Horário: 12:00Horário: 12:00 -- 13:3013:30
Promoção: Comitê de Controle do TabagismoPromoção: Comitê de Controle do Tabagismo-- HUCFFHUCFF
Informações: 562.2633Informações: 562.2633 -- Maria LuizaMaria Luiza
“Rumo ao HUCFF Livre do Tabaco”.“Rumo ao HUCFF Livre do Tabaco”.
17NETT/IDT - UFRJ, 2015.
Quais são os PROGRAMAS?
1 – HU LIVRE DO TABACO
Preparação com cartazes para sensibilizar
Certificação de Áreas (Selos)
Palestras de Sensibilização
Pesquisa sobre Prevalência do Tabagismo
Campanhas Permanentes: Dias 29/5 e 29/8.
18NETT/IDT - UFRJ, 2015.
Campanhas Permanentes: Dias 29/5 e 29/8.
Implantação dos Fumódromos
2 – PROGRAMA DE APOIO TERAPÊUTICO AO
FUMANTE
Reunião Comunitária Mensal
Formação de Grupos Terapêuticos
Ambulatório-Programa: Atendimento Individual
Implantação de espaços específicos
para fumar como etapa de transição no
1° ano.
Campanhas nas datas alusivas: 31/5,
Como foram os passos seguintes?Como foram os passos seguintes?
19NETT/IDT - UFRJ, 2015.
Campanhas nas datas alusivas: 31/5,
29/8.
Abordagem sensível: direcionada a
vigilantes e pessoal de recepção.
PARE
DE
FUMAR
20NETT/IDT - UFRJ, 2015.
FUMAR
ANTES
DE SER
FUMADO!
Abordagem mínima: cuidadores (médicos,
enfermeiros e outros profissionais de
saúde)
Ambulatório de cessação:
Como foram os passos seguintes?Como foram os passos seguintes?
21NETT/IDT - UFRJ, 2015.
Ambulatório de cessação:
Funcionários/cuidadores (2000),
pacientes (2001),
público externo (2002).
O
AMBIENTE
LIVRE DO
TABACO É
UM
22NETT/IDT - UFRJ, 2015.
Jorge Lobo/99
UM
AMBIENTE
MAIS
SAUDÁVEL.
Aula nos cursos de graduação:
- Medicina (1999);
- Fonoaudiologia (2005)
Seminários para os Residentes:
Passos nas Atividades de EnsinoPassos nas Atividades de Ensino
23NETT/IDT - UFRJ, 2015.
- R1: Clínica Médica;
- R2: Pneumologia.
Liga Acadêmica:
- Clínica Médica;
- Pneumologia.
Curso CAMI – Aperfeiçoamento em M. Interna:
Simpósios anuais desde 2003.
Treinamento de Abordagem do Tabagismo:
Graduação da Psicologia, Medicina e Residência em
Pneumologia.
Passos nas Atividades de EnsinoPassos nas Atividades de Ensino
24NETT/IDT - UFRJ, 2015.
Especialização em Psicologia Hospitalar: 6 meses
em tabagismo, em conjunto com S. Psiquiatria e
Psicologia Médica.
1. Lei Federal No. 9294, 15/07/96, modificada pela Lei Federal
No. 12.546/11
Proíbe o Fumo em ambientes fechados.
2. Portaria HU No. 103, 15/06/00.
Restringe o Fumo nos recintos coletivos do HU.
A PREVENÇÃO NO HUCFF-UFRJ
Leis e Portarias
25NETT/IDT - UFRJ, 2015.
Restringe o Fumo nos recintos coletivos do HU.
3. Lei Estadual No. 3868, de 24/06/02.
Proíbe o Fumo em estabelecimentos de saúde e escolas.
4. Portaria HU No.140, de 19/09/02.
Restringe o Fumo, em caráter temporário, aos
Fumódromos (1°, 3°, 9°, 10°, 11° e 12° Andares)
5. Portaria HU No. 011, 17/02/03.
Declara o Fumo Proibido no Interior do HU.
Diretor Geral do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho da Universidade Federal do Rio de Janeiro, no uso das
atribuições que lhe confere o Regimento em seu artigo 10, e considerando:
a lei estadual nº 3.868, de 24/06/02 e a lei federal nº 9.294, de 15/07/96, que proíbe o fumo em instalações públicas;
a existência de um programa institucional de apoio aos fumantes que desejem abandonar o hábito;
a necessidade de proteger a saúde de todos que aqui circulam;
A PREVENÇÃO NO HUCFF-UFRJ
Leis e Portarias
26NETT/IDT - UFRJ, 2015.
a necessidade de proteger a saúde de todos que aqui circulam;
R E S O L V E:
Declarar as dependências do HUCFF, em seu conjunto e sem exceção, LIVRES DO TABACO aDeclarar as dependências do HUCFF, em seu conjunto e sem exceção, LIVRES DO TABACO a
partir de 05/05/03;partir de 05/05/03;
Fica revogada a portaria nº 45/99, 103/00 e 140/02 que institui regras para o fumo no Hospital
Universitário Clementino Fraga Filho;
Autorizar a Vigilância do HUCFF a convidar qualquer transgressor a corrigir sua atitude, ou a
retirar-se do prédio em caso de negativa.
Prof. Amâncio Paulino de Carvalho
Diretor Geral
6. Portaria UFRJ No. 5576, 31/7/2012.
Declara o Fumo Proibido no Interior da UFRJ.
O Reitor da Universidade Federal do Rio de Janeiro, no uso das atribuições
conferidas pelo Decreto de 29 de junho de 2011, publicado no Diário Oficial
da União de 30 de junho de 2011, ouvido o Conselho Superior de Coordenação
Executiva, em sessão de 15 de maio de 2012, e considerando...
A PREVENÇÃO NA UFRJ
Portaria
27NETT/IDT - UFRJ, 2015.
Executiva, em sessão de 15 de maio de 2012, e considerando...
R E S O L V E:
Proibir o uso de cigarros, cigarrilhas, charutos, cachimbos, narguilé,
cigarro eletrônico ou qualquer outro produto fumígeno, derivado ou não do tabaco,
nos recintos coletivos fechados ou cobertos pertencentes aos órgãos administrativos
e acadêmicos nos campi da Universidade Federal do Rio de Janeiro
Prof. Carlos Antônio Levi da Conceição
Reitor
HUCFF LIVRE DO TABACO:HUCFF LIVRE DO TABACO:
UM ATO EM DEFESA DE NOSSA SAÚDE!UM ATO EM DEFESA DE NOSSA SAÚDE!
AA PARTIR DE MAIO, DIGA NÃO AO FUMO NAS DEPENDÊNCIAS DO HU,PARTIR DE MAIO, DIGA NÃO AO FUMO NAS DEPENDÊNCIAS DO HU, RESPIRAR AR SAUDÁVEL ÉRESPIRAR AR SAUDÁVEL É
UM DIREITO DE TODOS QUE VÊM AO HU!UM DIREITO DE TODOS QUE VÊM AO HU!
Marque esta data! No dia
05/05/2003, não será mais
permitido fumar no HUCFF.
Portaria DG No.
APAGUEESTAIDÉIA!
28NETT/IDT - UFRJ, 2015.
Portaria DG No.
011,17/02/03.
SEVOCÊ QUERPARARDE FUMAR,,NÓSPODEMOSAJUDÁ-LO:
ReuniãoMensal: 1as.Quartas-feirasde cada mêsnoSME-3o.Andar,Sala3E54,11:00-12:30.(Fone:2562.2195)
APAGUEESTAIDÉIA!
Lei Federal No. 9294, 15/7/96.
Lei Estadual No. 3868, 4/6/02.
Quais foram os obstáculos?Quais foram os obstáculos?
Fumar é transgredir?Fumar é transgredir?
“Isto não acontecerá, é somente para
inglês ver.”
“Eu fumo, porém eu trabalho e você o que
faz, além de pegar no pé dos fumantes?
29NETT/IDT - UFRJ, 2015.
faz, além de pegar no pé dos fumantes?
“Deviam se preocupar com nossas
condições de trabalho. ”
Porém, para muitos é um direitoPorém, para muitos é um direito. O que. O que
fazer para que “parar” seja um dever?fazer para que “parar” seja um dever?
30NETT/IDT - UFRJ, 2015.
Aprender a aprender
Se eu te ensino, você não aprende.
Se eu te explico, talvez você aprenda.
Se eu te envolvo, você aprende.
31NETT/IDT - UFRJ, 2015.
Confúcio (551Confúcio (551--479 a.C).479 a.C).
Atividades de ExtensãoAtividades de Extensão
IPPMG livre do tabacoIPPMG livre do tabaco: 2004: 2004
ProjetoProjeto Transformando Potencialidade emTransformando Potencialidade em
FuturoFuturo (prevenção à iniciação do tabaco e(prevenção à iniciação do tabaco e
álcool em alunos 9álcool em alunos 9--14 anos da área da Maré14 anos da área da Maré
e Fundão).e Fundão).
32NETT/IDT - UFRJ, 2015.
e Fundão).e Fundão).
Rumo àRumo à Universidade Livre do TabacoUniversidade Livre do Tabaco::
20082008--2012.2012.
Apoio ao Programa de Qualidade de Vida doApoio ao Programa de Qualidade de Vida do
CEPEL e aoCEPEL e ao Comitê de Biossegurança doComitê de Biossegurança do
CCS.CCS.
SemSem ProblemasProblemas ProblemasProblemas ProblemasProblemas
Limiar para Ação
Espectro das Respostas para um
Programa de Intervenção
33NETT/IDT - UFRJ, 2015.
SemSem
ProblemasProblemas
Prevenção Seletiva e
Universal
Intervenção breve
Tratamento
ProblemasProblemas
LevesLeves
ProblemasProblemas
ModeradosModerados
ProblemasProblemas
SeverosSeveros
ACONSELHA AÇÃO APROPRIADA
AVALIA RISCOS / CONSEQŰÊNCIAS
Familiar Social Comportamental Individual
PERGUNTA
Quantidade/Freqüência Fagerström HAD Auto-eficácia
Fase 1
Fase 2
Fase 3
Diagrama de Fluxo do Cuidado em Tabagismo
34NETT/IDT - UFRJ, 2015.
ACONSELHA AÇÃO APROPRIADA
FOLLOW UP - Cuidados / Suporte em cada Fase
Intervenção
Breve/Intensiva
Entrevista
Motivacional
Referência
Fase 3
Fase 4
12 Passos do Fluxo de Acolhimento12 Passos do Fluxo de Acolhimento
1º. O programa é aberto a servidores técnico1º. O programa é aberto a servidores técnico--administrativos,administrativos,
docentes, alunos, trabalhadores terceirizados e moradores dadocentes, alunos, trabalhadores terceirizados e moradores da
Vila Residencial.Vila Residencial.
2º. O servidor tem acesso ao programa através de e2º. O servidor tem acesso ao programa através de e--mail email e
telefone, divulgados nas páginas do IDT/HU, CVST e do jornaltelefone, divulgados nas páginas do IDT/HU, CVST e do jornal
do SINTUFRJ.do SINTUFRJ.
35NETT/IDT - UFRJ, 2015.
do SINTUFRJ.do SINTUFRJ.
3º. As inscrições acontecem de 2ª a 6ª feira, no horário de 8 às3º. As inscrições acontecem de 2ª a 6ª feira, no horário de 8 às
16 horas, entre janeiro e outubro.16 horas, entre janeiro e outubro.
4º. As entrevistas são agendadas entre 154º. As entrevistas são agendadas entre 15--30 dias a partir do30 dias a partir do
contato inicial.contato inicial.
5º. O foco do atendimento é o Grupo Terapêutico com 85º. O foco do atendimento é o Grupo Terapêutico com 8--1010
pessoas, inclusive pacientes do IDT/HU.pessoas, inclusive pacientes do IDT/HU.
12 Passos do Fluxo de Acolhimento12 Passos do Fluxo de Acolhimento
6º. Há formação tanto de grupos homogêneos com servidores6º. Há formação tanto de grupos homogêneos com servidores
quanto de grupos heterogêneos, com pacientes do HU/IDT equanto de grupos heterogêneos, com pacientes do HU/IDT e
moradores da AP3.1.moradores da AP3.1.
7º. Atendimento e o fornecimento de cartilhas e medicamentos7º. Atendimento e o fornecimento de cartilhas e medicamentos
é inteiramente GRATUITO, o programa é credenciado no SUS.é inteiramente GRATUITO, o programa é credenciado no SUS.
36NETT/IDT - UFRJ, 2015.
8º. Equipe terapêutica é multidisciplinar8º. Equipe terapêutica é multidisciplinar –– pneumologista,pneumologista,
cardiologista, psiquiatra; psicólogos; a. social e téc.cardiologista, psiquiatra; psicólogos; a. social e téc.
enfermagem, treinada para a abordagem do tabagismo.enfermagem, treinada para a abordagem do tabagismo.
9º. Duração: 1 ano. Na fase de cessação, as sessões são9º. Duração: 1 ano. Na fase de cessação, as sessões são
semanais e quinzenais (12 semanas) e a seguir mensais na fasesemanais e quinzenais (12 semanas) e a seguir mensais na fase
de manutenção/prevenção da recaída.de manutenção/prevenção da recaída.
12 Passos do Fluxo de Acolhimento12 Passos do Fluxo de Acolhimento
10º. O enfoque da abordagem é o suporte cognitivo10º. O enfoque da abordagem é o suporte cognitivo--
comportamental associado a medicaçãocomportamental associado a medicação -- reposição de nicotinareposição de nicotina
e bupropionae bupropiona –– para aliviar os sintomas da abstinência.para aliviar os sintomas da abstinência.
11º. Os fumantes com co11º. Os fumantes com co--morbidades clínicas e/ou psiquiátricasmorbidades clínicas e/ou psiquiátricas
são referenciados institucionalmente ou externamente.são referenciados institucionalmente ou externamente.
12º. Ao cabo de 3, 6 e 12 meses de abstinência continuada, os12º. Ao cabo de 3, 6 e 12 meses de abstinência continuada, os
37NETT/IDT - UFRJ, 2015.
12º. Ao cabo de 3, 6 e 12 meses de abstinência continuada, os12º. Ao cabo de 3, 6 e 12 meses de abstinência continuada, os
pacientes recebem certificados comemorativos, e sãopacientes recebem certificados comemorativos, e são
convidados a participar:convidados a participar:
Campanhas dos dias 31/5 (Dia Mundial sem Tabaco) e 29/8 (DiaCampanhas dos dias 31/5 (Dia Mundial sem Tabaco) e 29/8 (Dia
Nacional de Combate ao Fumo), atividades promovidas na UFRJ.Nacional de Combate ao Fumo), atividades promovidas na UFRJ.
Entrevistas como personagens a órgãos de mídiaEntrevistas como personagens a órgãos de mídia
Depoimentos para grupos de fumantes que iniciam o tratamento.Depoimentos para grupos de fumantes que iniciam o tratamento.
Encontros Anuais de ExEncontros Anuais de Ex--Fumantes do NETTFumantes do NETT
Grau de Dependência (Fagerström)Grau de Dependência (Fagerström)
Estágio de MotivaçãoEstágio de Motivação
Motivos para deixar de fumarMotivos para deixar de fumar
Situações de risco vs. habilidadesSituações de risco vs. habilidades
Grau de autoGrau de auto--eficáciaeficácia
Decálogo da Terapia do TabagismoDecálogo da Terapia do Tabagismo
38NETT/IDT - UFRJ, 2015.
Grau de autoGrau de auto--eficáciaeficácia
Tentativas anteriores (relapsos, recaídas)Tentativas anteriores (relapsos, recaídas)
CoCo--morbidades vs. potenciais riscos e interaçõesmorbidades vs. potenciais riscos e interações
Rede de apoioRede de apoio
Disposição de investir no tratamentoDisposição de investir no tratamento ((compromisso,compromisso,
aquisição e uso adequado das orientações e fármacos)aquisição e uso adequado das orientações e fármacos)
Grau de Acolhimento/compromisso do médicoGrau de Acolhimento/compromisso do médico
Estágios de Mudança ComportamentalEstágios de Mudança Comportamental
39NETT/IDT - UFRJ, 2015.
Evidências Científicas na AbordagemEvidências Científicas na Abordagem
MedicaçãoMedicação
No. de braçosNo. de braços
do estudodo estudo
OR estimadaOR estimada
(IC 95%)(IC 95%)
Taxa de AbstinênciaTaxa de Abstinência
EstimadaEstimada
(IC 95%)(IC 95%)
PlaceboPlacebo 8080 1.01.0 13.813.8
MonoterapiasMonoterapias
Vareniclina (2 mg/dia)Vareniclina (2 mg/dia) 55 3.1 (2.5, 3.8)3.1 (2.5, 3.8) 33.2 (28.9, 37.8)33.2 (28.9, 37.8)
Metanálise (2008): Efetividade e taxas de abstinência estimadas, em 6 meses pós
cessação, para diversos medicamentos comparados com o placebo (n = 86 estudos)
Recomendações do Tratamento:Recomendações do Tratamento:
Terapia FarmacológicaTerapia Farmacológica
40NETT/IDT - UFRJ, 2015.
Vareniclina (2 mg/dia)Vareniclina (2 mg/dia) 55 3.1 (2.5, 3.8)3.1 (2.5, 3.8) 33.2 (28.9, 37.8)33.2 (28.9, 37.8)
Spray Nasal de NicotinaSpray Nasal de Nicotina 44 2.3 (1.7, 3.0)2.3 (1.7, 3.0) 26.7 (21.5, 32.7)26.7 (21.5, 32.7)
Doses > adesivo de nicotina (>25 mg)Doses > adesivo de nicotina (>25 mg)
(duração convencional e longo termo)(duração convencional e longo termo) 44 2.3 (1.7, 3.0)2.3 (1.7, 3.0) 26.5 (21.3, 32.5)26.5 (21.3, 32.5)
Goma de nicotinaGoma de nicotina –– longo termo (> 14longo termo (> 14
semanas)semanas) 66 2.2 (1.5, 3.2)2.2 (1.5, 3.2) 26.1 (19.7, 33.6)26.1 (19.7, 33.6)
Vareniclina (1 mg/dia)Vareniclina (1 mg/dia) 33 2.1 (1.5, 3.0)2.1 (1.5, 3.0) 25.4 (19.6, 32.2)25.4 (19.6, 32.2)
Inalador de NicotinaInalador de Nicotina 66 2.1 (1.5, 2.9)2.1 (1.5, 2.9) 24.8 (19.1, 31.6)24.8 (19.1, 31.6)
ClonidinaClonidina 33 2.1 (1.2, 3.7)2.1 (1.2, 3.7) 25.0 (15.7, 37.3)25.0 (15.7, 37.3)
Fiore et al., Surgeon General. Treating Tobacco Use and Dependence, 2008 Update 2009.
Evidências Científicas na AbordagemEvidências Científicas na Abordagem
Metanálise (2008): Efetividade e taxas de abstinência estimadas, em 6 meses pós
cessação, para diversos medicamentos comparados com o placebo (n = 86 estudos)
Recomendações do Tratamento:Recomendações do Tratamento:
Terapia FarmacológicaTerapia Farmacológica
Terapias CombinadasTerapias Combinadas
No. de braçosNo. de braços
do estudodo estudo
OR estimadaOR estimada
(IC 95%)(IC 95%)
Taxa de AbstinênciaTaxa de Abstinência
EstimadaEstimada
(IC 95%)(IC 95%)
Adesivo (> 14 semanas) + TRN ad lib. TRNAdesivo (> 14 semanas) + TRN ad lib. TRN
(Goma ou spray)(Goma ou spray) 33 3.6 (2.5, 5.2)3.6 (2.5, 5.2) 36.5 (28.6, 45.3)36.5 (28.6, 45.3)
41NETT/IDT - UFRJ, 2015.
Fiore et al., Surgeon General. Treating Tobacco Use and Dependence, 2008 Update 2009.
Adesivo + Bupropiona SRAdesivo + Bupropiona SR 33 2.5 (1.9, 3.4)2.5 (1.9, 3.4) 28.9 (23.5, 35.1)28.9 (23.5, 35.1)
Adesivo + BupropionaAdesivo + Bupropiona 22 2.3 (1.3, 4.2)2.3 (1.3, 4.2) 27.3 (17.2, 40.4)27.3 (17.2, 40.4)
Adesivo + InaladorAdesivo + Inalador 22 2.2 (1.3, 3.6)2.2 (1.3, 3.6) 25.8 (17.4, 36.5)25.8 (17.4, 36.5)
Adesivo + 2ª Geração antidepressivosAdesivo + 2ª Geração antidepressivos
(paroxetina, venlafaxina)(paroxetina, venlafaxina) 33 2.0 (1.2, 3.4)2.0 (1.2, 3.4) 24.3 (16.1, 35.0)24.3 (16.1, 35.0)
Medicações que não mostraram eficáciaMedicações que não mostraram eficácia
Antidepressivos ISRS (fluoxetina,Antidepressivos ISRS (fluoxetina,
sertralina)sertralina) 33 1.0 (0.7, 1.4)1.0 (0.7, 1.4) 13.7 (10.2, 18.0)13.7 (10.2, 18.0)
NaltrexonaNaltrexona 22 0.5 (0.2, 1.2)0.5 (0.2, 1.2) 7.3 (3.1, 16.2)7.3 (3.1, 16.2)
ResultadosResultados
O programa alcançou um público em torno de 5 milO programa alcançou um público em torno de 5 mil
pessoas entre 2002pessoas entre 2002--2014.2014.
Deste total estimamos que entre 10Deste total estimamos que entre 10--15% foram15% foram
servidores do quadro e/ou terceirizados da UFRJ.servidores do quadro e/ou terceirizados da UFRJ.
Os principais indicadores foram:Os principais indicadores foram:
42NETT/IDT - UFRJ, 2015.
Os principais indicadores foram:Os principais indicadores foram:
Percentual Mediano de Desistência: 20%Percentual Mediano de Desistência: 20%
Taxa de Adesão ao tratamento na fase de cessação: 75Taxa de Adesão ao tratamento na fase de cessação: 75--80%80%
Percentual de Cessação: 65% (12 semanas); 45% (6 meses) ePercentual de Cessação: 65% (12 semanas); 45% (6 meses) e
35% (1 ano).35% (1 ano).
Taxa de Recaída: 30Taxa de Recaída: 30--40%40%
mediana entre 3mediana entre 3--6 meses6 meses
Considerações FinaisConsiderações Finais
A Política de Ambiente Livre de Tabaco é o primeiroA Política de Ambiente Livre de Tabaco é o primeiro
passo de um programa de controle do tabagismo aopasso de um programa de controle do tabagismo ao
nível da instituição.nível da instituição.
O envolvimento da comunidade precisa serO envolvimento da comunidade precisa ser
constantemente trabalhado com iniciativas que vão alémconstantemente trabalhado com iniciativas que vão além
dos dias das campanhas anuais.dos dias das campanhas anuais.
43NETT/IDT - UFRJ, 2015.
dos dias das campanhas anuais.dos dias das campanhas anuais.
A oferta de tratamento para a cessação do tabagismo éA oferta de tratamento para a cessação do tabagismo é
um componente fundamental e deve incluir o pessoalum componente fundamental e deve incluir o pessoal
terceirizado.terceirizado.
Considerações FinaisConsiderações Finais
Rede de
apoio
“Parar de fumar é contagioso”
44NETT/IDT - UFRJ, 2015.
The Collective Dynamics of Smoking in a Large Social Network. / Nicholas A. Christakis, M.D., Ph.D., M.P.H., and James
H. Fowler, Ph.D. .NEJM, Vol. 358:2249-2258 - May 22, 2008 – number 21
Probability That a Subject Will
Quit Smoking According to the
Type of Relationship with a
Contact Who Quits Smoking,
in the Social Network of the
Framingham Heart Study.
Considerações FinaisConsiderações Finais
“Parar de fumar é contagioso”
Considerações FinaisConsiderações Finais
Rede de
apoio
45NETT/IDT - UFRJ, 2015.
NEJM, Vol. 358:2249-2258- May 22, 2008– number 21
Figure. Part of the Social Network
fromthe FraminghamHeart
Study, with Information about
Smoking in 1971and 2000.
fumante
não fumante
Enigma, SigmaEnigma, Sigma
Dores,Dores,
Sem mais clamoresSem mais clamores
Cefaléias irrompemCefaléias irrompem
A toda lei desafiam.A toda lei desafiam.
CéleresCéleres
Sem mais temoresSem mais temores
Incrédulos seguemIncrédulos seguem
Teres,Teres,
Sem tantos favoresSem tantos favores
Dias nascemDias nascem
No crepúsculo morrem.No crepúsculo morrem.
Veres,Veres,
Sem tantas coresSem tantas cores
Lágrimas vertemLágrimas vertem
46NETT/IDT - UFRJ, 2015.
Incrédulos seguemIncrédulos seguem
A tudo destinam.A tudo destinam.
QuereresQuereres
Sem mais louvoresSem mais louvores
Crentes tememCrentes temem
A vida entregam.A vida entregam.
Lágrimas vertemLágrimas vertem
Humanas escorrem.Humanas escorrem.
Sentires,Sentires,
Sem tantos prazeresSem tantos prazeres
Dependentes tentemDependentes tentem
Os cigarros apagarem.Os cigarros apagarem.
Alberto Araújo, 5/12/07
Eduardo GaleanoEduardo Galeano (1940(1940--2015)2015)
47NETT/IDT - UFRJ, 2015.
“Nunca duvide da capacidade de
alguns indivíduos dedicados para
48NETT/IDT - UFRJ, 2015.
alguns indivíduos dedicados para
mudar o mundo: em verdade, este é
único meio que eles dispõem...”
Margareth Mead

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Campanha contra Tabagismo
Campanha contra TabagismoCampanha contra Tabagismo
Campanha contra Tabagismo
ISI Engenharia
 
Tabagismo
TabagismoTabagismo
Tabagismo
António Morais
 
Tabagismo doenças relacionadas ao tabaco servidor
Tabagismo doenças relacionadas ao tabaco  servidorTabagismo doenças relacionadas ao tabaco  servidor
Tabagismo doenças relacionadas ao tabaco servidor
Gláucia Castro
 
Tabaco
TabacoTabaco
Tabaco
raquelpiress
 
Tabagismo
TabagismoTabagismo
Tabagismo
projectosaude
 
Tabagismo
Tabagismo Tabagismo
Tabagismo
Inês Santos
 
Tabagismo a química do cigarro prof Ivanise Meyer
Tabagismo a química do cigarro  prof Ivanise MeyerTabagismo a química do cigarro  prof Ivanise Meyer
Tabagismo a química do cigarro prof Ivanise Meyer
Ivanise Meyer
 
Falando sobre tabagismo
Falando sobre tabagismo Falando sobre tabagismo
Falando sobre tabagismo
Cínthia Lima
 
A Historia Do Tabaco E OrentaçõEs
A Historia Do Tabaco E OrentaçõEsA Historia Do Tabaco E OrentaçõEs
A Historia Do Tabaco E OrentaçõEs
Profmaria
 
Trabalho sobre o tabaco t64
Trabalho sobre o tabaco t64Trabalho sobre o tabaco t64
Trabalho sobre o tabaco t64
patriciaacardosoo123
 
Tabagismo
TabagismoTabagismo
Tabagismo
ntebrusque
 
Cigarro
CigarroCigarro

Mais procurados (12)

Campanha contra Tabagismo
Campanha contra TabagismoCampanha contra Tabagismo
Campanha contra Tabagismo
 
Tabagismo
TabagismoTabagismo
Tabagismo
 
Tabagismo doenças relacionadas ao tabaco servidor
Tabagismo doenças relacionadas ao tabaco  servidorTabagismo doenças relacionadas ao tabaco  servidor
Tabagismo doenças relacionadas ao tabaco servidor
 
Tabaco
TabacoTabaco
Tabaco
 
Tabagismo
TabagismoTabagismo
Tabagismo
 
Tabagismo
Tabagismo Tabagismo
Tabagismo
 
Tabagismo a química do cigarro prof Ivanise Meyer
Tabagismo a química do cigarro  prof Ivanise MeyerTabagismo a química do cigarro  prof Ivanise Meyer
Tabagismo a química do cigarro prof Ivanise Meyer
 
Falando sobre tabagismo
Falando sobre tabagismo Falando sobre tabagismo
Falando sobre tabagismo
 
A Historia Do Tabaco E OrentaçõEs
A Historia Do Tabaco E OrentaçõEsA Historia Do Tabaco E OrentaçõEs
A Historia Do Tabaco E OrentaçõEs
 
Trabalho sobre o tabaco t64
Trabalho sobre o tabaco t64Trabalho sobre o tabaco t64
Trabalho sobre o tabaco t64
 
Tabagismo
TabagismoTabagismo
Tabagismo
 
Cigarro
CigarroCigarro
Cigarro
 

Semelhante a Pacientes tabagistas ufrj_2015

O agente comunitário de saúde e o controle do tabagismo no brasil
O agente comunitário de saúde e o controle do tabagismo no brasilO agente comunitário de saúde e o controle do tabagismo no brasil
O agente comunitário de saúde e o controle do tabagismo no brasil
carmarraf
 
Cessação tabágica na gravcessez guia para profissionais de saúde
Cessação tabágica na gravcessez guia para profissionais de saúdeCessação tabágica na gravcessez guia para profissionais de saúde
Cessação tabágica na gravcessez guia para profissionais de saúde
Natália Maria Oliveira
 
Sintonia da Saúde 12-07-17
Sintonia da Saúde 12-07-17Sintonia da Saúde 12-07-17
Sintonia da Saúde 12-07-17
Jornal Correio do Sul
 
Tabagismo
TabagismoTabagismo
Tabagismo
Mônica Firmida
 
Happy: Prevenção de Cancro Mediada por Dispositivos Móveis
Happy: Prevenção de Cancro Mediada por Dispositivos MóveisHappy: Prevenção de Cancro Mediada por Dispositivos Móveis
Happy: Prevenção de Cancro Mediada por Dispositivos Móveis
Nuno Ribeiro
 
Revista sbmn
Revista sbmnRevista sbmn
Revista sbmn
ADENILTONDOSGOMES
 
Prevenção do Câncer em cabeça e Pescoço
Prevenção do Câncer em cabeça e PescoçoPrevenção do Câncer em cabeça e Pescoço
Prevenção do Câncer em cabeça e Pescoço
Gabriel Paixão
 
Livro completo senad5
Livro completo senad5Livro completo senad5
Livro completo senad5
Alinebrauna Brauna
 
Capacitacao a distancia para atencao basica hipertensao dentista
Capacitacao a distancia para atencao basica hipertensao dentistaCapacitacao a distancia para atencao basica hipertensao dentista
Capacitacao a distancia para atencao basica hipertensao dentista
manoelramosdeoliveir1
 
Newsletter 1 20.10.2015
Newsletter 1 20.10.2015Newsletter 1 20.10.2015
Newsletter 1 20.10.2015
miguelmspereira
 
Edição 10
Edição 10Edição 10
Edição 10
gimenezeassociados
 
Tabagismo, Nicotina e seus efeitos a longo prazo.pptx
Tabagismo, Nicotina e seus efeitos a longo prazo.pptxTabagismo, Nicotina e seus efeitos a longo prazo.pptx
Tabagismo, Nicotina e seus efeitos a longo prazo.pptx
lucasrudineipachecod
 
ENFERMAGEM 7.pdf
ENFERMAGEM 7.pdfENFERMAGEM 7.pdf
ENFERMAGEM 7.pdf
ArlenoFavacho2
 
Seminário Nacional Prevenção Quaternária
Seminário Nacional Prevenção QuaternáriaSeminário Nacional Prevenção Quaternária
Seminário Nacional Prevenção Quaternária
André L. Silva (Monge Yakusan)
 
Chamine
ChamineChamine
Chamine
Oncoguia
 
Projeto alcool e drogas leticya aparecida de lima 93_67341
Projeto alcool e drogas   leticya aparecida de lima 93_67341Projeto alcool e drogas   leticya aparecida de lima 93_67341
Projeto alcool e drogas leticya aparecida de lima 93_67341
Renata Oliveira
 
Apresentacao hipertensao hd
Apresentacao hipertensao hdApresentacao hipertensao hd
Apresentacao hipertensao hd
FIESC
 
Efeitos do ÁLCOOL na GESTAÇÃO, no FETO e no RECÉM-NASCIDO
Efeitos do ÁLCOOL na GESTAÇÃO, no FETO e no RECÉM-NASCIDOEfeitos do ÁLCOOL na GESTAÇÃO, no FETO e no RECÉM-NASCIDO
Efeitos do ÁLCOOL na GESTAÇÃO, no FETO e no RECÉM-NASCIDO
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Revista diabetes portugual
Revista diabetes portugualRevista diabetes portugual
Revista diabetes portugual
Santos de Castro
 
Capacitacao a distancia para atencao basica hipertensao enfermeiro
Capacitacao a distancia para atencao basica hipertensao enfermeiroCapacitacao a distancia para atencao basica hipertensao enfermeiro
Capacitacao a distancia para atencao basica hipertensao enfermeiro
manoelramosdeoliveir1
 

Semelhante a Pacientes tabagistas ufrj_2015 (20)

O agente comunitário de saúde e o controle do tabagismo no brasil
O agente comunitário de saúde e o controle do tabagismo no brasilO agente comunitário de saúde e o controle do tabagismo no brasil
O agente comunitário de saúde e o controle do tabagismo no brasil
 
Cessação tabágica na gravcessez guia para profissionais de saúde
Cessação tabágica na gravcessez guia para profissionais de saúdeCessação tabágica na gravcessez guia para profissionais de saúde
Cessação tabágica na gravcessez guia para profissionais de saúde
 
Sintonia da Saúde 12-07-17
Sintonia da Saúde 12-07-17Sintonia da Saúde 12-07-17
Sintonia da Saúde 12-07-17
 
Tabagismo
TabagismoTabagismo
Tabagismo
 
Happy: Prevenção de Cancro Mediada por Dispositivos Móveis
Happy: Prevenção de Cancro Mediada por Dispositivos MóveisHappy: Prevenção de Cancro Mediada por Dispositivos Móveis
Happy: Prevenção de Cancro Mediada por Dispositivos Móveis
 
Revista sbmn
Revista sbmnRevista sbmn
Revista sbmn
 
Prevenção do Câncer em cabeça e Pescoço
Prevenção do Câncer em cabeça e PescoçoPrevenção do Câncer em cabeça e Pescoço
Prevenção do Câncer em cabeça e Pescoço
 
Livro completo senad5
Livro completo senad5Livro completo senad5
Livro completo senad5
 
Capacitacao a distancia para atencao basica hipertensao dentista
Capacitacao a distancia para atencao basica hipertensao dentistaCapacitacao a distancia para atencao basica hipertensao dentista
Capacitacao a distancia para atencao basica hipertensao dentista
 
Newsletter 1 20.10.2015
Newsletter 1 20.10.2015Newsletter 1 20.10.2015
Newsletter 1 20.10.2015
 
Edição 10
Edição 10Edição 10
Edição 10
 
Tabagismo, Nicotina e seus efeitos a longo prazo.pptx
Tabagismo, Nicotina e seus efeitos a longo prazo.pptxTabagismo, Nicotina e seus efeitos a longo prazo.pptx
Tabagismo, Nicotina e seus efeitos a longo prazo.pptx
 
ENFERMAGEM 7.pdf
ENFERMAGEM 7.pdfENFERMAGEM 7.pdf
ENFERMAGEM 7.pdf
 
Seminário Nacional Prevenção Quaternária
Seminário Nacional Prevenção QuaternáriaSeminário Nacional Prevenção Quaternária
Seminário Nacional Prevenção Quaternária
 
Chamine
ChamineChamine
Chamine
 
Projeto alcool e drogas leticya aparecida de lima 93_67341
Projeto alcool e drogas   leticya aparecida de lima 93_67341Projeto alcool e drogas   leticya aparecida de lima 93_67341
Projeto alcool e drogas leticya aparecida de lima 93_67341
 
Apresentacao hipertensao hd
Apresentacao hipertensao hdApresentacao hipertensao hd
Apresentacao hipertensao hd
 
Efeitos do ÁLCOOL na GESTAÇÃO, no FETO e no RECÉM-NASCIDO
Efeitos do ÁLCOOL na GESTAÇÃO, no FETO e no RECÉM-NASCIDOEfeitos do ÁLCOOL na GESTAÇÃO, no FETO e no RECÉM-NASCIDO
Efeitos do ÁLCOOL na GESTAÇÃO, no FETO e no RECÉM-NASCIDO
 
Revista diabetes portugual
Revista diabetes portugualRevista diabetes portugual
Revista diabetes portugual
 
Capacitacao a distancia para atencao basica hipertensao enfermeiro
Capacitacao a distancia para atencao basica hipertensao enfermeiroCapacitacao a distancia para atencao basica hipertensao enfermeiro
Capacitacao a distancia para atencao basica hipertensao enfermeiro
 

Mais de Gláucia Castro

História da telessaúde da cidade para o estado do rj - 2015
História da telessaúde da cidade para o estado do rj - 2015História da telessaúde da cidade para o estado do rj - 2015
História da telessaúde da cidade para o estado do rj - 2015
Gláucia Castro
 
VIGILÂNCIA AMBIENTAL NA UFRJ : Raquel Galdino - 17/06/2015
VIGILÂNCIA AMBIENTAL NA UFRJ : Raquel Galdino - 17/06/2015 VIGILÂNCIA AMBIENTAL NA UFRJ : Raquel Galdino - 17/06/2015
VIGILÂNCIA AMBIENTAL NA UFRJ : Raquel Galdino - 17/06/2015
Gláucia Castro
 
PROBLEMAS RELACIONADOS AO USO E ABUSO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS NO SERVIÇO PÚ...
PROBLEMAS RELACIONADOS AO USO E ABUSO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS NO SERVIÇO PÚ...PROBLEMAS RELACIONADOS AO USO E ABUSO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS NO SERVIÇO PÚ...
PROBLEMAS RELACIONADOS AO USO E ABUSO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS NO SERVIÇO PÚ...
Gláucia Castro
 
Decreto 7003/ 2009
Decreto 7003/ 2009Decreto 7003/ 2009
Decreto 7003/ 2009
Gláucia Castro
 
Decreto 5992 1996
Decreto 5992 1996Decreto 5992 1996
Decreto 5992 1996
Gláucia Castro
 
Decreto 977 1993
Decreto 977 1993Decreto 977 1993
Decreto 977 1993
Gláucia Castro
 
Lei 8112 90_2ed
Lei 8112 90_2edLei 8112 90_2ed
Lei 8112 90_2ed
Gláucia Castro
 
Legislação aplicada à perícia em saúde 2014 setembro
Legislação aplicada à perícia em saúde 2014 setembroLegislação aplicada à perícia em saúde 2014 setembro
Legislação aplicada à perícia em saúde 2014 setembro
Gláucia Castro
 
O ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO MUNDIAL. UM DESAFIO NOVO.
O ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO MUNDIAL. UM DESAFIO NOVO. O ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO MUNDIAL. UM DESAFIO NOVO.
O ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO MUNDIAL. UM DESAFIO NOVO.
Gláucia Castro
 
Envelhecimento populacional em servidores públicos
Envelhecimento populacional em servidores públicosEnvelhecimento populacional em servidores públicos
Envelhecimento populacional em servidores públicos
Gláucia Castro
 
Referencias desenho universalumconceitoparatodos
Referencias desenho universalumconceitoparatodosReferencias desenho universalumconceitoparatodos
Referencias desenho universalumconceitoparatodos
Gláucia Castro
 
Health and Ageing A Discussion Paper. Who nmh hps_01.1
Health and Ageing A Discussion Paper. Who nmh hps_01.1Health and Ageing A Discussion Paper. Who nmh hps_01.1
Health and Ageing A Discussion Paper. Who nmh hps_01.1
Gláucia Castro
 
Envelhecimento do Servidor e Acessibilidade
Envelhecimento do Servidor e AcessibilidadeEnvelhecimento do Servidor e Acessibilidade
Envelhecimento do Servidor e Acessibilidade
Gláucia Castro
 
Implementação da política de atenção à saúde do servidor nas ifes elsa thomé ...
Implementação da política de atenção à saúde do servidor nas ifes elsa thomé ...Implementação da política de atenção à saúde do servidor nas ifes elsa thomé ...
Implementação da política de atenção à saúde do servidor nas ifes elsa thomé ...
Gláucia Castro
 
Orientação normativa nº 13, de 30 de outubro de 2013
Orientação normativa nº 13, de 30 de outubro de 2013Orientação normativa nº 13, de 30 de outubro de 2013
Orientação normativa nº 13, de 30 de outubro de 2013
Gláucia Castro
 
ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 17 , DE 23 DE DEZEMBRO DE 2013.
ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 17 , DE 23 DE DEZEMBRO DE 2013.ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 17 , DE 23 DE DEZEMBRO DE 2013.
ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 17 , DE 23 DE DEZEMBRO DE 2013.
Gláucia Castro
 
Orientação normativa 12 2013
Orientação normativa 12   2013Orientação normativa 12   2013
Orientação normativa 12 2013
Gláucia Castro
 
Rede rute funpresp apresentação ricardo pena, bsb, 06 AGOSTO 2014
Rede rute funpresp apresentação ricardo pena, bsb, 06 AGOSTO 2014Rede rute funpresp apresentação ricardo pena, bsb, 06 AGOSTO 2014
Rede rute funpresp apresentação ricardo pena, bsb, 06 AGOSTO 2014
Gláucia Castro
 
Estrategia obesidade para estados e municípios versao para revisão final - Co...
Estrategia obesidade para estados e municípios versao para revisão final - Co...Estrategia obesidade para estados e municípios versao para revisão final - Co...
Estrategia obesidade para estados e municípios versao para revisão final - Co...
Gláucia Castro
 
Marco ean CONF DE 04/06/2014
Marco ean  CONF DE 04/06/2014Marco ean  CONF DE 04/06/2014
Marco ean CONF DE 04/06/2014
Gláucia Castro
 

Mais de Gláucia Castro (20)

História da telessaúde da cidade para o estado do rj - 2015
História da telessaúde da cidade para o estado do rj - 2015História da telessaúde da cidade para o estado do rj - 2015
História da telessaúde da cidade para o estado do rj - 2015
 
VIGILÂNCIA AMBIENTAL NA UFRJ : Raquel Galdino - 17/06/2015
VIGILÂNCIA AMBIENTAL NA UFRJ : Raquel Galdino - 17/06/2015 VIGILÂNCIA AMBIENTAL NA UFRJ : Raquel Galdino - 17/06/2015
VIGILÂNCIA AMBIENTAL NA UFRJ : Raquel Galdino - 17/06/2015
 
PROBLEMAS RELACIONADOS AO USO E ABUSO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS NO SERVIÇO PÚ...
PROBLEMAS RELACIONADOS AO USO E ABUSO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS NO SERVIÇO PÚ...PROBLEMAS RELACIONADOS AO USO E ABUSO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS NO SERVIÇO PÚ...
PROBLEMAS RELACIONADOS AO USO E ABUSO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS NO SERVIÇO PÚ...
 
Decreto 7003/ 2009
Decreto 7003/ 2009Decreto 7003/ 2009
Decreto 7003/ 2009
 
Decreto 5992 1996
Decreto 5992 1996Decreto 5992 1996
Decreto 5992 1996
 
Decreto 977 1993
Decreto 977 1993Decreto 977 1993
Decreto 977 1993
 
Lei 8112 90_2ed
Lei 8112 90_2edLei 8112 90_2ed
Lei 8112 90_2ed
 
Legislação aplicada à perícia em saúde 2014 setembro
Legislação aplicada à perícia em saúde 2014 setembroLegislação aplicada à perícia em saúde 2014 setembro
Legislação aplicada à perícia em saúde 2014 setembro
 
O ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO MUNDIAL. UM DESAFIO NOVO.
O ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO MUNDIAL. UM DESAFIO NOVO. O ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO MUNDIAL. UM DESAFIO NOVO.
O ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO MUNDIAL. UM DESAFIO NOVO.
 
Envelhecimento populacional em servidores públicos
Envelhecimento populacional em servidores públicosEnvelhecimento populacional em servidores públicos
Envelhecimento populacional em servidores públicos
 
Referencias desenho universalumconceitoparatodos
Referencias desenho universalumconceitoparatodosReferencias desenho universalumconceitoparatodos
Referencias desenho universalumconceitoparatodos
 
Health and Ageing A Discussion Paper. Who nmh hps_01.1
Health and Ageing A Discussion Paper. Who nmh hps_01.1Health and Ageing A Discussion Paper. Who nmh hps_01.1
Health and Ageing A Discussion Paper. Who nmh hps_01.1
 
Envelhecimento do Servidor e Acessibilidade
Envelhecimento do Servidor e AcessibilidadeEnvelhecimento do Servidor e Acessibilidade
Envelhecimento do Servidor e Acessibilidade
 
Implementação da política de atenção à saúde do servidor nas ifes elsa thomé ...
Implementação da política de atenção à saúde do servidor nas ifes elsa thomé ...Implementação da política de atenção à saúde do servidor nas ifes elsa thomé ...
Implementação da política de atenção à saúde do servidor nas ifes elsa thomé ...
 
Orientação normativa nº 13, de 30 de outubro de 2013
Orientação normativa nº 13, de 30 de outubro de 2013Orientação normativa nº 13, de 30 de outubro de 2013
Orientação normativa nº 13, de 30 de outubro de 2013
 
ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 17 , DE 23 DE DEZEMBRO DE 2013.
ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 17 , DE 23 DE DEZEMBRO DE 2013.ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 17 , DE 23 DE DEZEMBRO DE 2013.
ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 17 , DE 23 DE DEZEMBRO DE 2013.
 
Orientação normativa 12 2013
Orientação normativa 12   2013Orientação normativa 12   2013
Orientação normativa 12 2013
 
Rede rute funpresp apresentação ricardo pena, bsb, 06 AGOSTO 2014
Rede rute funpresp apresentação ricardo pena, bsb, 06 AGOSTO 2014Rede rute funpresp apresentação ricardo pena, bsb, 06 AGOSTO 2014
Rede rute funpresp apresentação ricardo pena, bsb, 06 AGOSTO 2014
 
Estrategia obesidade para estados e municípios versao para revisão final - Co...
Estrategia obesidade para estados e municípios versao para revisão final - Co...Estrategia obesidade para estados e municípios versao para revisão final - Co...
Estrategia obesidade para estados e municípios versao para revisão final - Co...
 
Marco ean CONF DE 04/06/2014
Marco ean  CONF DE 04/06/2014Marco ean  CONF DE 04/06/2014
Marco ean CONF DE 04/06/2014
 

Último

CORP SSMA PROC 01 Análise preliminar de riscos - APR revisada.docx
CORP SSMA PROC 01 Análise preliminar de riscos - APR revisada.docxCORP SSMA PROC 01 Análise preliminar de riscos - APR revisada.docx
CORP SSMA PROC 01 Análise preliminar de riscos - APR revisada.docx
bentosst
 
Diagnóstico de línga pela Medicina Tradicional Chinesa
Diagnóstico de línga pela Medicina Tradicional ChinesaDiagnóstico de línga pela Medicina Tradicional Chinesa
Diagnóstico de línga pela Medicina Tradicional Chinesa
Misael Rabelo de Martins Custódio
 
ALOP-2020 revista de tratamiento odontopediatria.pdf
ALOP-2020 revista de tratamiento odontopediatria.pdfALOP-2020 revista de tratamiento odontopediatria.pdf
ALOP-2020 revista de tratamiento odontopediatria.pdf
DentiKi
 
anomalias dentárias imaginologia odontologia
anomalias dentárias imaginologia odontologiaanomalias dentárias imaginologia odontologia
anomalias dentárias imaginologia odontologia
SmeladeOliveira1
 
Rejuvenescimento da Pele- Dicas e Tratamentos
Rejuvenescimento da Pele- Dicas e TratamentosRejuvenescimento da Pele- Dicas e Tratamentos
Rejuvenescimento da Pele- Dicas e Tratamentos
Werberth Ladislau Rodrigues da Silveira
 
NUTRIÇÃO E DIETETICA APLICADA A ENFERMAGEM grau tecnico.pptx
NUTRIÇÃO E DIETETICA APLICADA A ENFERMAGEM grau tecnico.pptxNUTRIÇÃO E DIETETICA APLICADA A ENFERMAGEM grau tecnico.pptx
NUTRIÇÃO E DIETETICA APLICADA A ENFERMAGEM grau tecnico.pptx
RAILANELIMAGOMES
 

Último (6)

CORP SSMA PROC 01 Análise preliminar de riscos - APR revisada.docx
CORP SSMA PROC 01 Análise preliminar de riscos - APR revisada.docxCORP SSMA PROC 01 Análise preliminar de riscos - APR revisada.docx
CORP SSMA PROC 01 Análise preliminar de riscos - APR revisada.docx
 
Diagnóstico de línga pela Medicina Tradicional Chinesa
Diagnóstico de línga pela Medicina Tradicional ChinesaDiagnóstico de línga pela Medicina Tradicional Chinesa
Diagnóstico de línga pela Medicina Tradicional Chinesa
 
ALOP-2020 revista de tratamiento odontopediatria.pdf
ALOP-2020 revista de tratamiento odontopediatria.pdfALOP-2020 revista de tratamiento odontopediatria.pdf
ALOP-2020 revista de tratamiento odontopediatria.pdf
 
anomalias dentárias imaginologia odontologia
anomalias dentárias imaginologia odontologiaanomalias dentárias imaginologia odontologia
anomalias dentárias imaginologia odontologia
 
Rejuvenescimento da Pele- Dicas e Tratamentos
Rejuvenescimento da Pele- Dicas e TratamentosRejuvenescimento da Pele- Dicas e Tratamentos
Rejuvenescimento da Pele- Dicas e Tratamentos
 
NUTRIÇÃO E DIETETICA APLICADA A ENFERMAGEM grau tecnico.pptx
NUTRIÇÃO E DIETETICA APLICADA A ENFERMAGEM grau tecnico.pptxNUTRIÇÃO E DIETETICA APLICADA A ENFERMAGEM grau tecnico.pptx
NUTRIÇÃO E DIETETICA APLICADA A ENFERMAGEM grau tecnico.pptx
 

Pacientes tabagistas ufrj_2015

  • 1. RUTERUTE –– SIG Saúde do Servidor PúblicoSIG Saúde do Servidor Público Web ConferênciaWeb Conferência –– 15/4/201515/4/2015 Alexandre Schreiner, M Sc. Médico Psiquiatra Coordenador de Políticas de Saúde do Trabalhador – CPST/UFRJ alexschreiner@globo.com Alberto Araújo, D Sc. Pneumologista, MD Trabalho Coordenador do Núcleo de Estudos e Tratamento do Tabagismo – IDT/UFRJ alberto.nett@gmail.com
  • 3. Revisão e ObjetivosRevisão e Objetivos Histórico do ProgramaHistórico do Programa Comitê de PrevençãoComitê de Prevenção Propostas básicas/específicasPropostas básicas/específicas Estudo TransversalEstudo Transversal Parar: este DESAFIO agora é nosso! 3NETT/IDT - UFRJ, 2015. Estudo TransversalEstudo Transversal Estratégias de PrevençãoEstratégias de Prevenção Passos IniciaisPassos Iniciais Grupos TerapêuticosGrupos Terapêuticos ResultadosResultados PerspectivasPerspectivas Vida sim, Tabaco não!
  • 4. Como começamos?Como começamos? Dando a partida: HU Livre do TabacoDando a partida: HU Livre do Tabaco 4NETT/IDT - UFRJ, 2015. Há quase 16 anos, em junho de 1999, Portaria criou o “Comitê de Prevenção do Tabagismo”.Comitê de Prevenção do Tabagismo”. HU foi o 3º hospital do RJ a adotar a política deHU foi o 3º hospital do RJ a adotar a política de ambiente livre de tabaco (INCA, HUPE/UERJ).ambiente livre de tabaco (INCA, HUPE/UERJ).
  • 5. Composição do ComitêComposição do Comitê Coordenação: PneumologiaCoordenação: Pneumologia 5NETT/IDT - UFRJ, 2015. O Comitê tinha uma secretária e oito membros representantes das diversas divisões e serviços, com reuniões mensais e plano de trabalho.
  • 6. O TRABALHO DO NETT NO HUCFF/IDT (multidisciplinar) PROPOSTA BÁSICAPROPOSTA BÁSICA SENSIBILIZAÇÃOSENSIBILIZAÇÃO PROPOSTAS ESPECÍFICAS Sensibilização da comunidade (ALT) Estudo sobre prevalência, hábitos e atitudes Grupos TerapêuticosTRATAMENTOTRATAMENTO 6NETT/IDT - UFRJ, 2015. Grupos Terapêuticos Treinamento de Vigilantes, Recepcionistas e Portaria. Conferência Anual na CAE para os novos residentes. Divulgação de Dados sobre Riscos do Tabagismo Pesquisas Projeto Extensão: Escola TRATAMENTO ENSINOENSINO EXTENSÃOEXTENSÃO PESQUISAPESQUISA
  • 7. Apresentando dois desafios iniciaisApresentando dois desafios iniciais Como abordar o tabagismo em umaComo abordar o tabagismo em uma comunidade heterogênea, composta porcomunidade heterogênea, composta por 5 mil pessoas fixas e 3 mil flutuantes?5 mil pessoas fixas e 3 mil flutuantes? 7NETT/IDT - UFRJ, 2015. Como despertar a atenção dosComo despertar a atenção dos empregados terceirizados fumantesempregados terceirizados fumantes quando existem efetivos que fumam?quando existem efetivos que fumam?
  • 8. Certificação de Áreas (Setores): ganhando apoio de pequenos grupos, com adesivos nas ID e selos nas portas. Encontros: de Sensibilização junto a comunidade e participação nas sessões clínicas Como foram os primeiros passos?Como foram os primeiros passos? 8NETT/IDT - UFRJ, 2015. Encontros: de Sensibilização junto a comunidade e participação nas sessões clínicas dos serviços médicos. Estudo transversal: Prevalência; crenças, costumes, e atitudes dos profissionais de saúde diante o uso do tabaco.
  • 9. 52,4 53,5 60,2 54,6 40 50 60 70 Gráfico 1 – Prevalência de Tabagismo segundo setor de atividade no HU, 2000-2001. Estudo Transversal sobre Tabagismo no HU 9NETT/IDT - UFRJ, 2015. 15,3 32,3 17,9 28,6 22,1 17,7 17,6 27,8 0 10 20 30 40 Saúde Administ. Apoio Amostra Sim Ex Não
  • 10. Não 38,6 57,9 48,3 45,5 26,5 Gráfico 2 – Tabagismo e tipo de vínculo de trabalho. Estudo Transversal sobre Tabagismo no HU 10NETT/IDT - UFRJ, 2015. Docentes Técnicos Terceiros FT Ex 45,5 26,5 21,7 15,9 15,6 30
  • 11. 56,6 50 59,1 49,3 60 Gráfico 3 – Tabagismo vs. escolaridade, em anos completos de estudo. Estudo Transversal sobre Tabagismo no HU 11NETT/IDT - UFRJ, 2015. 21,7 17,6 23,8 34,3 21,7 32,4 17,1 12,2 0 20 40 0-7 8-10 11-12 >12 Sim Ex Não
  • 12. ns 0,95p< 0,01 4.15p< 0,01 6,65p< 0,05 0,53ns 1,31p< 0,05 1,6033,1 Quem fuma 5 ou 20 cig/dia tem mesma chance de desenvolver câncer? p< 0,05 1.82p< 0,05 0.48ns 1,70ns 0,99ns 1,04p< 0,05 2,6789,4 Durante a gravidez se pode fumar até 3 cigarros por dia? P-value ORP-value ORP-value ORP-value ORP-value ORP-value OR%Amostra: 432 TABAGISMOOCUPAÇÃOSEGMENTOINSTRUÇÃOIDADEGÊNEROACERTOS Nível de conhecimento sobre os riscos do tabaco ns 0,95p< 0,01 4.15p< 0,01 6,65p< 0,05 0,53ns 1,31p< 0,05 1,6033,1 Quem fuma 5 ou 20 cig/dia tem mesma chance de desenvolver câncer? p< 0,05 1.82p< 0,05 0.48ns 1,70ns 0,99ns 1,04p< 0,05 2,6789,4 Durante a gravidez se pode fumar até 3 cigarros por dia? P-value ORP-value ORP-value ORP-value ORP-value ORP-value OR%Amostra: 432 TABAGISMOOCUPAÇÃOSEGMENTOINSTRUÇÃOIDADEGÊNEROACERTOS Nível de conhecimento sobre os riscos do tabaco Tabela 1 –Nível de conhecimento dos riscos do tabaco segundo variáveis selecionadas, com aplicação do Pearson X2 e cálculo da OR. Estudo Transversal sobre Tabagismo no HU 12NETT/IDT - UFRJ, 2015. ns 0.92ns 0,78ns 0,91ns 1,09ns 0,66ns 1,0987,7 É difícil deixar de fumar, devido a nicotina que leva à dependência? ns 0,60ns 0,83ns 1,06ns 0,89ns 0,71ns 0,7193,5 Charuto ou cachimbo podem desenvolver câncer? ns 0,82ns 0,68ns 0,87ns 1,23ns 0,49ns 1,3394,9 Fumantes passivos podem adoecer, inclusive de doenças cardíacas? ns 0,68ns 1,01ns 1,16p< 0,05 0.61p< 0,01 1,92p< 0,05 0,6174,8 Os cigarros com baixos teores causam menos doenças? ns 0,95p< 0,01 4.15p< 0,01 6,65p< 0,05 0,53ns 1,31p< 0,05 1,6033,1de desenvolver câncer? ns 0.92ns 0,78ns 0,91ns 1,09ns 0,66ns 1,0987,7 É difícil deixar de fumar, devido a nicotina que leva à dependência? ns 0,60ns 0,83ns 1,06ns 0,89ns 0,71ns 0,7193,5 Charuto ou cachimbo podem desenvolver câncer? ns 0,82ns 0,68ns 0,87ns 1,23ns 0,49ns 1,3394,9 Fumantes passivos podem adoecer, inclusive de doenças cardíacas? ns 0,68ns 1,01ns 1,16p< 0,05 0.61p< 0,01 1,92p< 0,05 0,6174,8 Os cigarros com baixos teores causam menos doenças? ns 0,95p< 0,01 4.15p< 0,01 6,65p< 0,05 0,53ns 1,31p< 0,05 1,6033,1de desenvolver câncer? Variáveis: Sexo (1 - Masculino, 2- Feminino), Idade (1 : 18-39, 2: >=40 anos), Instrução (1: 0--7, 2: >= 8 anos), Segmento (1: Docentes, 2: Funcionários), Ocupação (1: Saúde, 2: Administração), Tabagismo (1: Sim, 2: Não).
  • 13. Conclusões da PesquisaConclusões da Pesquisa Prevalência do tabagismo: pouco abaixo da população em geral. Porém, as taxas mais elevadas nas pessoas com baixa escolaridade ou com menor qualificação acompanhavam a preocupante tendência mundial do tabagismo. Riscos do tabaco: bom nível de conhecimento, pequenas 13NETT/IDT - UFRJ, 2015. Riscos do tabaco: bom nível de conhecimento, pequenas diferenças entre os segmentos (docentes, pessoal de saúde e de apoio). As maiores surpresas foram a discordâncias observadas nas questões relacionadas com fumo e gravidez assim como o risco de câncer ou de fumo passivo (os homens crêem que haja mais risco do que as mulheres, OR respectivamente: 2,67, 1,60 e 1,33).
  • 14. Conclusões da PesquisaConclusões da Pesquisa Outro dado curioso foi que as pessoas com menor escolaridade tinham mais informação acerca dos riscos dos cigarros com baixos teores (OR: 1,92). Os docentes mostraram discordância com os outros segmentos com respeito ao risco de câncer e fumar 5 ou 20 cigarros (OR: 6.65). 14NETT/IDT - UFRJ, 2015. Os profissionais da área de saúde demonstraram um maior conhecimento sobre os riscos do que os administrativos. A maioria dos entrevistados, inclusive fumantes, concordava com a restrição do tabaco no ambiente hospitalar. Apesar da preocupação com a saúde, o fato de trabalhar no HU e do contato com portadores de DRT, ainda influi pouco na conscientização e busca de ajuda para deixar de fumar.
  • 15. Estratégias de Prevenção Palestras de Sensibilização Divulgação Treinamento 15NETT/IDT - UFRJ, 2015. Capacitação para Abordagem Mínima e Intensiva ao Fumante Reunião Comunitária Mensal Formação de Grupos Terapêuticos
  • 16. Tabagismo Passivo:Tabagismo Passivo: Você conhece os riscos?Você conhece os riscos? Palestra de SensibilizaçãoPalestra de Sensibilização Aberta à Comunidade do HUCFFAberta à Comunidade do HUCFF--UFRJUFRJ Dia: 29 de maio de 2001Dia: 29 de maio de 2001 16NETT/IDT - UFRJ, 2015. Dia: 29 de maio de 2001Dia: 29 de maio de 2001 Local: Auditório da CAELocal: Auditório da CAE -- 1212oo Horário: 12:00Horário: 12:00 -- 13:3013:30 Promoção: Comitê de Controle do TabagismoPromoção: Comitê de Controle do Tabagismo-- HUCFFHUCFF Informações: 562.2633Informações: 562.2633 -- Maria LuizaMaria Luiza “Rumo ao HUCFF Livre do Tabaco”.“Rumo ao HUCFF Livre do Tabaco”.
  • 18. Quais são os PROGRAMAS? 1 – HU LIVRE DO TABACO Preparação com cartazes para sensibilizar Certificação de Áreas (Selos) Palestras de Sensibilização Pesquisa sobre Prevalência do Tabagismo Campanhas Permanentes: Dias 29/5 e 29/8. 18NETT/IDT - UFRJ, 2015. Campanhas Permanentes: Dias 29/5 e 29/8. Implantação dos Fumódromos 2 – PROGRAMA DE APOIO TERAPÊUTICO AO FUMANTE Reunião Comunitária Mensal Formação de Grupos Terapêuticos Ambulatório-Programa: Atendimento Individual
  • 19. Implantação de espaços específicos para fumar como etapa de transição no 1° ano. Campanhas nas datas alusivas: 31/5, Como foram os passos seguintes?Como foram os passos seguintes? 19NETT/IDT - UFRJ, 2015. Campanhas nas datas alusivas: 31/5, 29/8. Abordagem sensível: direcionada a vigilantes e pessoal de recepção.
  • 20. PARE DE FUMAR 20NETT/IDT - UFRJ, 2015. FUMAR ANTES DE SER FUMADO!
  • 21. Abordagem mínima: cuidadores (médicos, enfermeiros e outros profissionais de saúde) Ambulatório de cessação: Como foram os passos seguintes?Como foram os passos seguintes? 21NETT/IDT - UFRJ, 2015. Ambulatório de cessação: Funcionários/cuidadores (2000), pacientes (2001), público externo (2002).
  • 22. O AMBIENTE LIVRE DO TABACO É UM 22NETT/IDT - UFRJ, 2015. Jorge Lobo/99 UM AMBIENTE MAIS SAUDÁVEL.
  • 23. Aula nos cursos de graduação: - Medicina (1999); - Fonoaudiologia (2005) Seminários para os Residentes: Passos nas Atividades de EnsinoPassos nas Atividades de Ensino 23NETT/IDT - UFRJ, 2015. - R1: Clínica Médica; - R2: Pneumologia. Liga Acadêmica: - Clínica Médica; - Pneumologia.
  • 24. Curso CAMI – Aperfeiçoamento em M. Interna: Simpósios anuais desde 2003. Treinamento de Abordagem do Tabagismo: Graduação da Psicologia, Medicina e Residência em Pneumologia. Passos nas Atividades de EnsinoPassos nas Atividades de Ensino 24NETT/IDT - UFRJ, 2015. Especialização em Psicologia Hospitalar: 6 meses em tabagismo, em conjunto com S. Psiquiatria e Psicologia Médica.
  • 25. 1. Lei Federal No. 9294, 15/07/96, modificada pela Lei Federal No. 12.546/11 Proíbe o Fumo em ambientes fechados. 2. Portaria HU No. 103, 15/06/00. Restringe o Fumo nos recintos coletivos do HU. A PREVENÇÃO NO HUCFF-UFRJ Leis e Portarias 25NETT/IDT - UFRJ, 2015. Restringe o Fumo nos recintos coletivos do HU. 3. Lei Estadual No. 3868, de 24/06/02. Proíbe o Fumo em estabelecimentos de saúde e escolas. 4. Portaria HU No.140, de 19/09/02. Restringe o Fumo, em caráter temporário, aos Fumódromos (1°, 3°, 9°, 10°, 11° e 12° Andares)
  • 26. 5. Portaria HU No. 011, 17/02/03. Declara o Fumo Proibido no Interior do HU. Diretor Geral do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho da Universidade Federal do Rio de Janeiro, no uso das atribuições que lhe confere o Regimento em seu artigo 10, e considerando: a lei estadual nº 3.868, de 24/06/02 e a lei federal nº 9.294, de 15/07/96, que proíbe o fumo em instalações públicas; a existência de um programa institucional de apoio aos fumantes que desejem abandonar o hábito; a necessidade de proteger a saúde de todos que aqui circulam; A PREVENÇÃO NO HUCFF-UFRJ Leis e Portarias 26NETT/IDT - UFRJ, 2015. a necessidade de proteger a saúde de todos que aqui circulam; R E S O L V E: Declarar as dependências do HUCFF, em seu conjunto e sem exceção, LIVRES DO TABACO aDeclarar as dependências do HUCFF, em seu conjunto e sem exceção, LIVRES DO TABACO a partir de 05/05/03;partir de 05/05/03; Fica revogada a portaria nº 45/99, 103/00 e 140/02 que institui regras para o fumo no Hospital Universitário Clementino Fraga Filho; Autorizar a Vigilância do HUCFF a convidar qualquer transgressor a corrigir sua atitude, ou a retirar-se do prédio em caso de negativa. Prof. Amâncio Paulino de Carvalho Diretor Geral
  • 27. 6. Portaria UFRJ No. 5576, 31/7/2012. Declara o Fumo Proibido no Interior da UFRJ. O Reitor da Universidade Federal do Rio de Janeiro, no uso das atribuições conferidas pelo Decreto de 29 de junho de 2011, publicado no Diário Oficial da União de 30 de junho de 2011, ouvido o Conselho Superior de Coordenação Executiva, em sessão de 15 de maio de 2012, e considerando... A PREVENÇÃO NA UFRJ Portaria 27NETT/IDT - UFRJ, 2015. Executiva, em sessão de 15 de maio de 2012, e considerando... R E S O L V E: Proibir o uso de cigarros, cigarrilhas, charutos, cachimbos, narguilé, cigarro eletrônico ou qualquer outro produto fumígeno, derivado ou não do tabaco, nos recintos coletivos fechados ou cobertos pertencentes aos órgãos administrativos e acadêmicos nos campi da Universidade Federal do Rio de Janeiro Prof. Carlos Antônio Levi da Conceição Reitor
  • 28. HUCFF LIVRE DO TABACO:HUCFF LIVRE DO TABACO: UM ATO EM DEFESA DE NOSSA SAÚDE!UM ATO EM DEFESA DE NOSSA SAÚDE! AA PARTIR DE MAIO, DIGA NÃO AO FUMO NAS DEPENDÊNCIAS DO HU,PARTIR DE MAIO, DIGA NÃO AO FUMO NAS DEPENDÊNCIAS DO HU, RESPIRAR AR SAUDÁVEL ÉRESPIRAR AR SAUDÁVEL É UM DIREITO DE TODOS QUE VÊM AO HU!UM DIREITO DE TODOS QUE VÊM AO HU! Marque esta data! No dia 05/05/2003, não será mais permitido fumar no HUCFF. Portaria DG No. APAGUEESTAIDÉIA! 28NETT/IDT - UFRJ, 2015. Portaria DG No. 011,17/02/03. SEVOCÊ QUERPARARDE FUMAR,,NÓSPODEMOSAJUDÁ-LO: ReuniãoMensal: 1as.Quartas-feirasde cada mêsnoSME-3o.Andar,Sala3E54,11:00-12:30.(Fone:2562.2195) APAGUEESTAIDÉIA! Lei Federal No. 9294, 15/7/96. Lei Estadual No. 3868, 4/6/02.
  • 29. Quais foram os obstáculos?Quais foram os obstáculos? Fumar é transgredir?Fumar é transgredir? “Isto não acontecerá, é somente para inglês ver.” “Eu fumo, porém eu trabalho e você o que faz, além de pegar no pé dos fumantes? 29NETT/IDT - UFRJ, 2015. faz, além de pegar no pé dos fumantes? “Deviam se preocupar com nossas condições de trabalho. ” Porém, para muitos é um direitoPorém, para muitos é um direito. O que. O que fazer para que “parar” seja um dever?fazer para que “parar” seja um dever?
  • 31. Aprender a aprender Se eu te ensino, você não aprende. Se eu te explico, talvez você aprenda. Se eu te envolvo, você aprende. 31NETT/IDT - UFRJ, 2015. Confúcio (551Confúcio (551--479 a.C).479 a.C).
  • 32. Atividades de ExtensãoAtividades de Extensão IPPMG livre do tabacoIPPMG livre do tabaco: 2004: 2004 ProjetoProjeto Transformando Potencialidade emTransformando Potencialidade em FuturoFuturo (prevenção à iniciação do tabaco e(prevenção à iniciação do tabaco e álcool em alunos 9álcool em alunos 9--14 anos da área da Maré14 anos da área da Maré e Fundão).e Fundão). 32NETT/IDT - UFRJ, 2015. e Fundão).e Fundão). Rumo àRumo à Universidade Livre do TabacoUniversidade Livre do Tabaco:: 20082008--2012.2012. Apoio ao Programa de Qualidade de Vida doApoio ao Programa de Qualidade de Vida do CEPEL e aoCEPEL e ao Comitê de Biossegurança doComitê de Biossegurança do CCS.CCS.
  • 33. SemSem ProblemasProblemas ProblemasProblemas ProblemasProblemas Limiar para Ação Espectro das Respostas para um Programa de Intervenção 33NETT/IDT - UFRJ, 2015. SemSem ProblemasProblemas Prevenção Seletiva e Universal Intervenção breve Tratamento ProblemasProblemas LevesLeves ProblemasProblemas ModeradosModerados ProblemasProblemas SeverosSeveros
  • 34. ACONSELHA AÇÃO APROPRIADA AVALIA RISCOS / CONSEQŰÊNCIAS Familiar Social Comportamental Individual PERGUNTA Quantidade/Freqüência Fagerström HAD Auto-eficácia Fase 1 Fase 2 Fase 3 Diagrama de Fluxo do Cuidado em Tabagismo 34NETT/IDT - UFRJ, 2015. ACONSELHA AÇÃO APROPRIADA FOLLOW UP - Cuidados / Suporte em cada Fase Intervenção Breve/Intensiva Entrevista Motivacional Referência Fase 3 Fase 4
  • 35. 12 Passos do Fluxo de Acolhimento12 Passos do Fluxo de Acolhimento 1º. O programa é aberto a servidores técnico1º. O programa é aberto a servidores técnico--administrativos,administrativos, docentes, alunos, trabalhadores terceirizados e moradores dadocentes, alunos, trabalhadores terceirizados e moradores da Vila Residencial.Vila Residencial. 2º. O servidor tem acesso ao programa através de e2º. O servidor tem acesso ao programa através de e--mail email e telefone, divulgados nas páginas do IDT/HU, CVST e do jornaltelefone, divulgados nas páginas do IDT/HU, CVST e do jornal do SINTUFRJ.do SINTUFRJ. 35NETT/IDT - UFRJ, 2015. do SINTUFRJ.do SINTUFRJ. 3º. As inscrições acontecem de 2ª a 6ª feira, no horário de 8 às3º. As inscrições acontecem de 2ª a 6ª feira, no horário de 8 às 16 horas, entre janeiro e outubro.16 horas, entre janeiro e outubro. 4º. As entrevistas são agendadas entre 154º. As entrevistas são agendadas entre 15--30 dias a partir do30 dias a partir do contato inicial.contato inicial. 5º. O foco do atendimento é o Grupo Terapêutico com 85º. O foco do atendimento é o Grupo Terapêutico com 8--1010 pessoas, inclusive pacientes do IDT/HU.pessoas, inclusive pacientes do IDT/HU.
  • 36. 12 Passos do Fluxo de Acolhimento12 Passos do Fluxo de Acolhimento 6º. Há formação tanto de grupos homogêneos com servidores6º. Há formação tanto de grupos homogêneos com servidores quanto de grupos heterogêneos, com pacientes do HU/IDT equanto de grupos heterogêneos, com pacientes do HU/IDT e moradores da AP3.1.moradores da AP3.1. 7º. Atendimento e o fornecimento de cartilhas e medicamentos7º. Atendimento e o fornecimento de cartilhas e medicamentos é inteiramente GRATUITO, o programa é credenciado no SUS.é inteiramente GRATUITO, o programa é credenciado no SUS. 36NETT/IDT - UFRJ, 2015. 8º. Equipe terapêutica é multidisciplinar8º. Equipe terapêutica é multidisciplinar –– pneumologista,pneumologista, cardiologista, psiquiatra; psicólogos; a. social e téc.cardiologista, psiquiatra; psicólogos; a. social e téc. enfermagem, treinada para a abordagem do tabagismo.enfermagem, treinada para a abordagem do tabagismo. 9º. Duração: 1 ano. Na fase de cessação, as sessões são9º. Duração: 1 ano. Na fase de cessação, as sessões são semanais e quinzenais (12 semanas) e a seguir mensais na fasesemanais e quinzenais (12 semanas) e a seguir mensais na fase de manutenção/prevenção da recaída.de manutenção/prevenção da recaída.
  • 37. 12 Passos do Fluxo de Acolhimento12 Passos do Fluxo de Acolhimento 10º. O enfoque da abordagem é o suporte cognitivo10º. O enfoque da abordagem é o suporte cognitivo-- comportamental associado a medicaçãocomportamental associado a medicação -- reposição de nicotinareposição de nicotina e bupropionae bupropiona –– para aliviar os sintomas da abstinência.para aliviar os sintomas da abstinência. 11º. Os fumantes com co11º. Os fumantes com co--morbidades clínicas e/ou psiquiátricasmorbidades clínicas e/ou psiquiátricas são referenciados institucionalmente ou externamente.são referenciados institucionalmente ou externamente. 12º. Ao cabo de 3, 6 e 12 meses de abstinência continuada, os12º. Ao cabo de 3, 6 e 12 meses de abstinência continuada, os 37NETT/IDT - UFRJ, 2015. 12º. Ao cabo de 3, 6 e 12 meses de abstinência continuada, os12º. Ao cabo de 3, 6 e 12 meses de abstinência continuada, os pacientes recebem certificados comemorativos, e sãopacientes recebem certificados comemorativos, e são convidados a participar:convidados a participar: Campanhas dos dias 31/5 (Dia Mundial sem Tabaco) e 29/8 (DiaCampanhas dos dias 31/5 (Dia Mundial sem Tabaco) e 29/8 (Dia Nacional de Combate ao Fumo), atividades promovidas na UFRJ.Nacional de Combate ao Fumo), atividades promovidas na UFRJ. Entrevistas como personagens a órgãos de mídiaEntrevistas como personagens a órgãos de mídia Depoimentos para grupos de fumantes que iniciam o tratamento.Depoimentos para grupos de fumantes que iniciam o tratamento. Encontros Anuais de ExEncontros Anuais de Ex--Fumantes do NETTFumantes do NETT
  • 38. Grau de Dependência (Fagerström)Grau de Dependência (Fagerström) Estágio de MotivaçãoEstágio de Motivação Motivos para deixar de fumarMotivos para deixar de fumar Situações de risco vs. habilidadesSituações de risco vs. habilidades Grau de autoGrau de auto--eficáciaeficácia Decálogo da Terapia do TabagismoDecálogo da Terapia do Tabagismo 38NETT/IDT - UFRJ, 2015. Grau de autoGrau de auto--eficáciaeficácia Tentativas anteriores (relapsos, recaídas)Tentativas anteriores (relapsos, recaídas) CoCo--morbidades vs. potenciais riscos e interaçõesmorbidades vs. potenciais riscos e interações Rede de apoioRede de apoio Disposição de investir no tratamentoDisposição de investir no tratamento ((compromisso,compromisso, aquisição e uso adequado das orientações e fármacos)aquisição e uso adequado das orientações e fármacos) Grau de Acolhimento/compromisso do médicoGrau de Acolhimento/compromisso do médico
  • 39. Estágios de Mudança ComportamentalEstágios de Mudança Comportamental 39NETT/IDT - UFRJ, 2015.
  • 40. Evidências Científicas na AbordagemEvidências Científicas na Abordagem MedicaçãoMedicação No. de braçosNo. de braços do estudodo estudo OR estimadaOR estimada (IC 95%)(IC 95%) Taxa de AbstinênciaTaxa de Abstinência EstimadaEstimada (IC 95%)(IC 95%) PlaceboPlacebo 8080 1.01.0 13.813.8 MonoterapiasMonoterapias Vareniclina (2 mg/dia)Vareniclina (2 mg/dia) 55 3.1 (2.5, 3.8)3.1 (2.5, 3.8) 33.2 (28.9, 37.8)33.2 (28.9, 37.8) Metanálise (2008): Efetividade e taxas de abstinência estimadas, em 6 meses pós cessação, para diversos medicamentos comparados com o placebo (n = 86 estudos) Recomendações do Tratamento:Recomendações do Tratamento: Terapia FarmacológicaTerapia Farmacológica 40NETT/IDT - UFRJ, 2015. Vareniclina (2 mg/dia)Vareniclina (2 mg/dia) 55 3.1 (2.5, 3.8)3.1 (2.5, 3.8) 33.2 (28.9, 37.8)33.2 (28.9, 37.8) Spray Nasal de NicotinaSpray Nasal de Nicotina 44 2.3 (1.7, 3.0)2.3 (1.7, 3.0) 26.7 (21.5, 32.7)26.7 (21.5, 32.7) Doses > adesivo de nicotina (>25 mg)Doses > adesivo de nicotina (>25 mg) (duração convencional e longo termo)(duração convencional e longo termo) 44 2.3 (1.7, 3.0)2.3 (1.7, 3.0) 26.5 (21.3, 32.5)26.5 (21.3, 32.5) Goma de nicotinaGoma de nicotina –– longo termo (> 14longo termo (> 14 semanas)semanas) 66 2.2 (1.5, 3.2)2.2 (1.5, 3.2) 26.1 (19.7, 33.6)26.1 (19.7, 33.6) Vareniclina (1 mg/dia)Vareniclina (1 mg/dia) 33 2.1 (1.5, 3.0)2.1 (1.5, 3.0) 25.4 (19.6, 32.2)25.4 (19.6, 32.2) Inalador de NicotinaInalador de Nicotina 66 2.1 (1.5, 2.9)2.1 (1.5, 2.9) 24.8 (19.1, 31.6)24.8 (19.1, 31.6) ClonidinaClonidina 33 2.1 (1.2, 3.7)2.1 (1.2, 3.7) 25.0 (15.7, 37.3)25.0 (15.7, 37.3) Fiore et al., Surgeon General. Treating Tobacco Use and Dependence, 2008 Update 2009.
  • 41. Evidências Científicas na AbordagemEvidências Científicas na Abordagem Metanálise (2008): Efetividade e taxas de abstinência estimadas, em 6 meses pós cessação, para diversos medicamentos comparados com o placebo (n = 86 estudos) Recomendações do Tratamento:Recomendações do Tratamento: Terapia FarmacológicaTerapia Farmacológica Terapias CombinadasTerapias Combinadas No. de braçosNo. de braços do estudodo estudo OR estimadaOR estimada (IC 95%)(IC 95%) Taxa de AbstinênciaTaxa de Abstinência EstimadaEstimada (IC 95%)(IC 95%) Adesivo (> 14 semanas) + TRN ad lib. TRNAdesivo (> 14 semanas) + TRN ad lib. TRN (Goma ou spray)(Goma ou spray) 33 3.6 (2.5, 5.2)3.6 (2.5, 5.2) 36.5 (28.6, 45.3)36.5 (28.6, 45.3) 41NETT/IDT - UFRJ, 2015. Fiore et al., Surgeon General. Treating Tobacco Use and Dependence, 2008 Update 2009. Adesivo + Bupropiona SRAdesivo + Bupropiona SR 33 2.5 (1.9, 3.4)2.5 (1.9, 3.4) 28.9 (23.5, 35.1)28.9 (23.5, 35.1) Adesivo + BupropionaAdesivo + Bupropiona 22 2.3 (1.3, 4.2)2.3 (1.3, 4.2) 27.3 (17.2, 40.4)27.3 (17.2, 40.4) Adesivo + InaladorAdesivo + Inalador 22 2.2 (1.3, 3.6)2.2 (1.3, 3.6) 25.8 (17.4, 36.5)25.8 (17.4, 36.5) Adesivo + 2ª Geração antidepressivosAdesivo + 2ª Geração antidepressivos (paroxetina, venlafaxina)(paroxetina, venlafaxina) 33 2.0 (1.2, 3.4)2.0 (1.2, 3.4) 24.3 (16.1, 35.0)24.3 (16.1, 35.0) Medicações que não mostraram eficáciaMedicações que não mostraram eficácia Antidepressivos ISRS (fluoxetina,Antidepressivos ISRS (fluoxetina, sertralina)sertralina) 33 1.0 (0.7, 1.4)1.0 (0.7, 1.4) 13.7 (10.2, 18.0)13.7 (10.2, 18.0) NaltrexonaNaltrexona 22 0.5 (0.2, 1.2)0.5 (0.2, 1.2) 7.3 (3.1, 16.2)7.3 (3.1, 16.2)
  • 42. ResultadosResultados O programa alcançou um público em torno de 5 milO programa alcançou um público em torno de 5 mil pessoas entre 2002pessoas entre 2002--2014.2014. Deste total estimamos que entre 10Deste total estimamos que entre 10--15% foram15% foram servidores do quadro e/ou terceirizados da UFRJ.servidores do quadro e/ou terceirizados da UFRJ. Os principais indicadores foram:Os principais indicadores foram: 42NETT/IDT - UFRJ, 2015. Os principais indicadores foram:Os principais indicadores foram: Percentual Mediano de Desistência: 20%Percentual Mediano de Desistência: 20% Taxa de Adesão ao tratamento na fase de cessação: 75Taxa de Adesão ao tratamento na fase de cessação: 75--80%80% Percentual de Cessação: 65% (12 semanas); 45% (6 meses) ePercentual de Cessação: 65% (12 semanas); 45% (6 meses) e 35% (1 ano).35% (1 ano). Taxa de Recaída: 30Taxa de Recaída: 30--40%40% mediana entre 3mediana entre 3--6 meses6 meses
  • 43. Considerações FinaisConsiderações Finais A Política de Ambiente Livre de Tabaco é o primeiroA Política de Ambiente Livre de Tabaco é o primeiro passo de um programa de controle do tabagismo aopasso de um programa de controle do tabagismo ao nível da instituição.nível da instituição. O envolvimento da comunidade precisa serO envolvimento da comunidade precisa ser constantemente trabalhado com iniciativas que vão alémconstantemente trabalhado com iniciativas que vão além dos dias das campanhas anuais.dos dias das campanhas anuais. 43NETT/IDT - UFRJ, 2015. dos dias das campanhas anuais.dos dias das campanhas anuais. A oferta de tratamento para a cessação do tabagismo éA oferta de tratamento para a cessação do tabagismo é um componente fundamental e deve incluir o pessoalum componente fundamental e deve incluir o pessoal terceirizado.terceirizado.
  • 44. Considerações FinaisConsiderações Finais Rede de apoio “Parar de fumar é contagioso” 44NETT/IDT - UFRJ, 2015. The Collective Dynamics of Smoking in a Large Social Network. / Nicholas A. Christakis, M.D., Ph.D., M.P.H., and James H. Fowler, Ph.D. .NEJM, Vol. 358:2249-2258 - May 22, 2008 – number 21 Probability That a Subject Will Quit Smoking According to the Type of Relationship with a Contact Who Quits Smoking, in the Social Network of the Framingham Heart Study.
  • 45. Considerações FinaisConsiderações Finais “Parar de fumar é contagioso” Considerações FinaisConsiderações Finais Rede de apoio 45NETT/IDT - UFRJ, 2015. NEJM, Vol. 358:2249-2258- May 22, 2008– number 21 Figure. Part of the Social Network fromthe FraminghamHeart Study, with Information about Smoking in 1971and 2000. fumante não fumante
  • 46. Enigma, SigmaEnigma, Sigma Dores,Dores, Sem mais clamoresSem mais clamores Cefaléias irrompemCefaléias irrompem A toda lei desafiam.A toda lei desafiam. CéleresCéleres Sem mais temoresSem mais temores Incrédulos seguemIncrédulos seguem Teres,Teres, Sem tantos favoresSem tantos favores Dias nascemDias nascem No crepúsculo morrem.No crepúsculo morrem. Veres,Veres, Sem tantas coresSem tantas cores Lágrimas vertemLágrimas vertem 46NETT/IDT - UFRJ, 2015. Incrédulos seguemIncrédulos seguem A tudo destinam.A tudo destinam. QuereresQuereres Sem mais louvoresSem mais louvores Crentes tememCrentes temem A vida entregam.A vida entregam. Lágrimas vertemLágrimas vertem Humanas escorrem.Humanas escorrem. Sentires,Sentires, Sem tantos prazeresSem tantos prazeres Dependentes tentemDependentes tentem Os cigarros apagarem.Os cigarros apagarem. Alberto Araújo, 5/12/07
  • 47. Eduardo GaleanoEduardo Galeano (1940(1940--2015)2015) 47NETT/IDT - UFRJ, 2015.
  • 48. “Nunca duvide da capacidade de alguns indivíduos dedicados para 48NETT/IDT - UFRJ, 2015. alguns indivíduos dedicados para mudar o mundo: em verdade, este é único meio que eles dispõem...” Margareth Mead