SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 2
OS TEXTOS MEMORIALISTAS 
Consistem no relato ulterior de vivências/experiências pessoais passadas que se articulam com o contexto histórico-cultural 
das mesmas. 
Estes textos têm um valor documental, porque neles o autor não se limita a relatar o seu percurso autobiográfico e 
apresenta um testemunho do tempo e do espaço em que ocorreram as suas vivências. 
TEXTO I 
Enquanto andei na primeira classe, entrava às oito da manhã e saía à uma da ta rde. Ficava com a ta rde l ivre para brincar, 
e i s so era bom, mas nunca me habituei a acordar cedo. A minha mãe acordava-me todos os dias com uma tigela de papa. Comia 
ainda na cama. Sentado, mas ainda a dormir. Depois, fazia o caminho para a escola, que demorava cerca de meia hora. Chegava 
atrasado todos os dias. A professora tinha afixado um cartaz feito em papel quadriculado com o nome de todos os alunos da sala e 
um mapa com todos os dias de aulas. À chegada, tínhamos de pinta r o quadradinho correspondente com uma caneta verde, 
amarela ou vermelha, consoante chegássemos a horas, atrasados ou muito atrasados. Ter uma linha de quadrados vermelhos ou 
a ma relos à fre nte do nome era considerado mau. Eu chegava atrasado todos os dias. Quando che ga va , di zi a “dá l i ce nça , mi nha 
s e nhora?”. Essa e ra uma pergunta a que não esperava que a professora respondesse. Dirigia-me à minha carteira e, depois, dirigia - 
me ao cartaz. A professora perguntava sempre qual era a cor que nós achávamos que devíamos uti l i zar. Eu di zia sempre: 
“a ma re l o”, na e s pe ra nça de que a profe s s ora de i xas se pas sar. 
Tive sempre a mesma professora da primeira à quarta classe. Cada vez que nos dirigíamos a ela, tratávamo-la por “minha 
s e nhora”. Todas as frases a cabava m em “mi nha senhora”: “posso ir a fiar o lápis , mi nha s e nhora ?”, “pos s o i r à casa de banho, 
mi nha senhora?”, “posso ir a o quadro, minha s enhora?”. De fa cto, a professora e ra di fe re nte de toda s a s mul he re s que ti nha 
conhecido até aí e que eram as mulheres da minha rua. Tinha anéis com pedras em quase todos os dedos. Tinha o ca belo sempre 
arranjado. Tinha os olhos pintados. Falava de maneira diferente. Falava como as pessoas da televi são. Falava corretamente. A 
profe s s ora , “mi nha s e nhora ”, e ra uma s e nhora . […] 
José Luís Peixoto, in JL – Jornal de Letras, Artes e Ideias, 29 setembro – 12 outubro, 2004 
TEXTO II 
"Contei noutro lugar como e porquê me chamo Saramago. Que esse Saramago não era um apel ido do lado paterno, mas s im a 
alcunha por que a família era conhecida na aldeia. Que indo o meu pai a declarar no Registo Civi l da Golegã o nas cimento do seu 
segundo filho, sucedeu que o funcionário (chamava-se ele Silvino) estava bêbado (por despeito, disso o acusaria sempre meu pai ), 
e que, sob os efeitos do álcool e sem que ninguém se tivesse apercebido da onomás tica fraude, decidiu, por sua conta e ri s co, 
acres centar Saramago ao lacónico José de Sousa que meu pai pretendia que eu fosse. E que, desta maneira, finalmente, graças a 
uma intervenção por todas as mostras divina, refiro-me, claro está, a Baco, deus do vinho e daqueles que se excedem a bebê-lo, 
nã o pre cisei de inventar um pseudónimo para, futuro havendo, a s s i na r os me us l i vros . […]. Entre i na vi da ma rca do com e s te 
apelido de Saramago sem que a família o suspeitasse, e foi só aos sete anos, quando, para me matricular na instrução primária, foi 
necessário apresentar certidão de nascimento, que a verdade saiu nua do poço burocrático, com grande indignação de meu pai , a 
quem, desde que s e tinha mudado para Lisboa, a alcunha desgostava. Mas o pior de tudo foi quando, chamando-se ele unicamente 
José de Sousa, como ver s e podia nos seus papéis, a Lei, severa, desconfiada, quis saber por que bulas tinha ele então um fil ho cujo 
nome completo era José de Sousa Saramago. Assim intimado, e para que tudo ficasse no próprio, no são e no honesto, meu pai não 
teve outro remédio que proceder a uma nova inscrição do seu nome, passando a chamar-se, ele também, José de Sousa Saramago. 
Suponho que deverá ter sido este o único caso, na história da humanidade, em que foi o filho a dar o nome ao pai. Não nos serviu 
de muito, nem a nós nem a ela, porque meu pai, firme nas suas antipatias, sempre quis e conseguiu que o tratas sem unicamente 
de Sousa." 
José Saramago, As pequenas memórias 
TEXTO III 
Daquela mesma varanda, tempos mais tarde, namorei uma rapariga de nome Deolinda, mais velha do que eu três ou quatro anos , 
que morava num prédio de uma rua paralela, a Travessa do Calado, cujas tra seiras davam para as da minha casa. Há que esclarecer 
que namoro, o que então s e chamava namoro, dos de requerimento formal e promessas mais ou menos para durar («A menina 
quer namorar comigo?», «Pois sim, s e são boas as suas intenções»), nunca o chegou a ser. Olhávamo -nos muito, fazíamos s inai s , 
conversávamos de varanda para varanda por cima dos pátios intermédios e das cordas da roupa, mas nada de mai s avançado em 
matéria de compromissos. Tímido, acanhado, como me estava no carácter, fui algumas vezes a casa dela (vivia, creio recordar, com 
uns avós), mas, ao mesmo tempo, decidido a tudo ou ao que calhasse. Um tudo que daria em nada. Ela era muito boni ta , de 
ros tinho redondo, mas, para meu desprazer, tinha os dentes estragados, e, além do mais, deveria pensar que eu era demas iado 
jovem para empenhar comigo os seus sentimentos. Divertia-se um pouco à falta de pretendente idóneo, mas, ou muito enganado 
ando desde então, tinha pena de que a diferença de idades se notasse tanto. Em certa altura desisti da empresa. Ela tinha o apelido 
de Bacalhau, e eu, pêlos vistos já sensível aos sons e aos sentidos das palavras , não queria que mulher minha fos se pela vida 
ca rre ga ndo com o nome de De ol i nda Ba ca l ha u Sa ra ma go.” 
José Saramago, As pequenas memórias
Os textos memorialistas e as memórias de José Saramago

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Migrações: Causas e Consequências
Migrações: Causas e ConsequênciasMigrações: Causas e Consequências
Migrações: Causas e Consequênciaslidia76
 
Elaborar biografia
Elaborar biografiaElaborar biografia
Elaborar biografiaamelasa
 
Esquema rimatico e versos
Esquema rimatico e versosEsquema rimatico e versos
Esquema rimatico e versosdomplex123
 
Sílabas Métricas
Sílabas MétricasSílabas Métricas
Sílabas Métricas713773
 
Valor modal das frases
Valor modal das frasesValor modal das frases
Valor modal das frasesnando_reis
 
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaEstrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaVanda Sousa
 
Caderno de poesia 9º ano - Metas Português
Caderno de poesia 9º ano - Metas PortuguêsCaderno de poesia 9º ano - Metas Português
Caderno de poesia 9º ano - Metas Portuguêsbibliotecacampo
 
Pedro alecrim resumos.
Pedro alecrim   resumos.Pedro alecrim   resumos.
Pedro alecrim resumos.manuela016
 
Relatório final pap leandro
Relatório final pap   leandroRelatório final pap   leandro
Relatório final pap leandroLeandro Pacheco
 
A Sociedade Oitocentista
A Sociedade OitocentistaA Sociedade Oitocentista
A Sociedade Oitocentistaluisant
 
Acnd sinteses descritivas
Acnd sinteses descritivasAcnd sinteses descritivas
Acnd sinteses descritivasSandra Evt
 
Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)
Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)
Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)Raquel Antunes
 

Mais procurados (20)

Migrações: Causas e Consequências
Migrações: Causas e ConsequênciasMigrações: Causas e Consequências
Migrações: Causas e Consequências
 
Valor aspetual
Valor aspetualValor aspetual
Valor aspetual
 
Elaborar biografia
Elaborar biografiaElaborar biografia
Elaborar biografia
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
 
Esquema rimatico e versos
Esquema rimatico e versosEsquema rimatico e versos
Esquema rimatico e versos
 
Sílabas Métricas
Sílabas MétricasSílabas Métricas
Sílabas Métricas
 
Valor modal das frases
Valor modal das frasesValor modal das frases
Valor modal das frases
 
Deíticos
DeíticosDeíticos
Deíticos
 
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaEstrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
 
Categorias da narrativa
Categorias da narrativaCategorias da narrativa
Categorias da narrativa
 
Memorial do convento
Memorial do conventoMemorial do convento
Memorial do convento
 
Da minha janela... (5ºB e 5ºF)
Da minha janela...  (5ºB e 5ºF) Da minha janela...  (5ºB e 5ºF)
Da minha janela... (5ºB e 5ºF)
 
Caderno de poesia 9º ano - Metas Português
Caderno de poesia 9º ano - Metas PortuguêsCaderno de poesia 9º ano - Metas Português
Caderno de poesia 9º ano - Metas Português
 
Os Maias
Os MaiasOs Maias
Os Maias
 
Fernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-OrtónimoFernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-Ortónimo
 
Pedro alecrim resumos.
Pedro alecrim   resumos.Pedro alecrim   resumos.
Pedro alecrim resumos.
 
Relatório final pap leandro
Relatório final pap   leandroRelatório final pap   leandro
Relatório final pap leandro
 
A Sociedade Oitocentista
A Sociedade OitocentistaA Sociedade Oitocentista
A Sociedade Oitocentista
 
Acnd sinteses descritivas
Acnd sinteses descritivasAcnd sinteses descritivas
Acnd sinteses descritivas
 
Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)
Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)
Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)
 

Semelhante a Os textos memorialistas e as memórias de José Saramago

Slide sequencia didática crônica memória poesia
Slide sequencia didática crônica memória poesiaSlide sequencia didática crônica memória poesia
Slide sequencia didática crônica memória poesiaJomari
 
O enigma de Santo Antônio do Paraibuna
O enigma de Santo Antônio do ParaibunaO enigma de Santo Antônio do Paraibuna
O enigma de Santo Antônio do ParaibunaPablo Itaboray
 
[Infantil] ruth rocha_-_marcelo_marmelo_martelo
[Infantil] ruth rocha_-_marcelo_marmelo_martelo[Infantil] ruth rocha_-_marcelo_marmelo_martelo
[Infantil] ruth rocha_-_marcelo_marmelo_marteloGisele dos Santos santos
 
[Infantil] ruth rocha_-_marcelo_marmelo_martelo
[Infantil] ruth rocha_-_marcelo_marmelo_martelo[Infantil] ruth rocha_-_marcelo_marmelo_martelo
[Infantil] ruth rocha_-_marcelo_marmelo_marteloFrancine Soares
 
[Infantil] ruth rocha marcelo marmelo martelo
[Infantil] ruth rocha   marcelo marmelo martelo[Infantil] ruth rocha   marcelo marmelo martelo
[Infantil] ruth rocha marcelo marmelo marteloVanessa Reis
 
[Infantil] ruth rocha_-_marcelo_marmelo_martelo
[Infantil] ruth rocha_-_marcelo_marmelo_martelo[Infantil] ruth rocha_-_marcelo_marmelo_martelo
[Infantil] ruth rocha_-_marcelo_marmelo_marteloCynthia Preta
 
Documento de josy lima(5)
Documento de josy lima(5)Documento de josy lima(5)
Documento de josy lima(5)Josykanind
 
MARCELO, MARMELO, MARTELO E OUTRAS HISTÓRIAS DE RUTH ROCHA
MARCELO, MARMELO, MARTELO E OUTRAS HISTÓRIAS DE RUTH ROCHAMARCELO, MARMELO, MARTELO E OUTRAS HISTÓRIAS DE RUTH ROCHA
MARCELO, MARMELO, MARTELO E OUTRAS HISTÓRIAS DE RUTH ROCHAMarisa Seara
 
Marcelo marmelo martelo livro
Marcelo marmelo martelo livroMarcelo marmelo martelo livro
Marcelo marmelo martelo livroAndréa Silveira
 
A caminho do verão - Sarah Dessen
A caminho do verão - Sarah DessenA caminho do verão - Sarah Dessen
A caminho do verão - Sarah DessenJuFlores98
 
Livro, marcelo o marmelo.pdfxcxcxccccccc
Livro, marcelo o marmelo.pdfxcxcxcccccccLivro, marcelo o marmelo.pdfxcxcxccccccc
Livro, marcelo o marmelo.pdfxcxcxcccccccLetciaSousa100
 
O meu mundo é igual ao teu
O meu mundo é igual ao teuO meu mundo é igual ao teu
O meu mundo é igual ao teuRogério Rosa
 

Semelhante a Os textos memorialistas e as memórias de José Saramago (20)

A minha história
A minha históriaA minha história
A minha história
 
Rosa lobato faria[1]
Rosa lobato faria[1]Rosa lobato faria[1]
Rosa lobato faria[1]
 
Slide sequencia didática crônica memória poesia
Slide sequencia didática crônica memória poesiaSlide sequencia didática crônica memória poesia
Slide sequencia didática crônica memória poesia
 
Bandeja a trecho
Bandeja a trechoBandeja a trecho
Bandeja a trecho
 
O enigma de Santo Antônio do Paraibuna
O enigma de Santo Antônio do ParaibunaO enigma de Santo Antônio do Paraibuna
O enigma de Santo Antônio do Paraibuna
 
Infantilruthrocha marcelomarmelomartelo
Infantilruthrocha marcelomarmelomarteloInfantilruthrocha marcelomarmelomartelo
Infantilruthrocha marcelomarmelomartelo
 
[Infantil] ruth rocha_-_marcelo_marmelo_martelo
[Infantil] ruth rocha_-_marcelo_marmelo_martelo[Infantil] ruth rocha_-_marcelo_marmelo_martelo
[Infantil] ruth rocha_-_marcelo_marmelo_martelo
 
[Infantil] ruth rocha_-_marcelo_marmelo_martelo
[Infantil] ruth rocha_-_marcelo_marmelo_martelo[Infantil] ruth rocha_-_marcelo_marmelo_martelo
[Infantil] ruth rocha_-_marcelo_marmelo_martelo
 
Marcelo marmelo martelo
Marcelo marmelo marteloMarcelo marmelo martelo
Marcelo marmelo martelo
 
[Infantil] ruth rocha marcelo marmelo martelo
[Infantil] ruth rocha   marcelo marmelo martelo[Infantil] ruth rocha   marcelo marmelo martelo
[Infantil] ruth rocha marcelo marmelo martelo
 
[Infantil] ruth rocha_-_marcelo_marmelo_martelo
[Infantil] ruth rocha_-_marcelo_marmelo_martelo[Infantil] ruth rocha_-_marcelo_marmelo_martelo
[Infantil] ruth rocha_-_marcelo_marmelo_martelo
 
Documento de josy lima(5)
Documento de josy lima(5)Documento de josy lima(5)
Documento de josy lima(5)
 
MARCELO, MARMELO, MARTELO E OUTRAS HISTÓRIAS DE RUTH ROCHA
MARCELO, MARMELO, MARTELO E OUTRAS HISTÓRIAS DE RUTH ROCHAMARCELO, MARMELO, MARTELO E OUTRAS HISTÓRIAS DE RUTH ROCHA
MARCELO, MARMELO, MARTELO E OUTRAS HISTÓRIAS DE RUTH ROCHA
 
Marcelo marmelo martelo livro
Marcelo marmelo martelo livroMarcelo marmelo martelo livro
Marcelo marmelo martelo livro
 
Marcelo marmelo martelo
Marcelo marmelo marteloMarcelo marmelo martelo
Marcelo marmelo martelo
 
A caminho do verão - Sarah Dessen
A caminho do verão - Sarah DessenA caminho do verão - Sarah Dessen
A caminho do verão - Sarah Dessen
 
Livro, marcelo o marmelo.pdfxcxcxccccccc
Livro, marcelo o marmelo.pdfxcxcxcccccccLivro, marcelo o marmelo.pdfxcxcxccccccc
Livro, marcelo o marmelo.pdfxcxcxccccccc
 
OLP e TAL
OLP e TALOLP e TAL
OLP e TAL
 
OLP e TAL
OLP e TALOLP e TAL
OLP e TAL
 
O meu mundo é igual ao teu
O meu mundo é igual ao teuO meu mundo é igual ao teu
O meu mundo é igual ao teu
 

Último

637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdfJorge Andrade
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxfabiolalopesmartins1
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 anoandrealeitetorres
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxOsnilReis1
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfAdrianaCunha84
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfAnaGonalves804156
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalJacqueline Cerqueira
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfManuais Formação
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesMary Alvarenga
 

Último (20)

637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
 

Os textos memorialistas e as memórias de José Saramago

  • 1. OS TEXTOS MEMORIALISTAS Consistem no relato ulterior de vivências/experiências pessoais passadas que se articulam com o contexto histórico-cultural das mesmas. Estes textos têm um valor documental, porque neles o autor não se limita a relatar o seu percurso autobiográfico e apresenta um testemunho do tempo e do espaço em que ocorreram as suas vivências. TEXTO I Enquanto andei na primeira classe, entrava às oito da manhã e saía à uma da ta rde. Ficava com a ta rde l ivre para brincar, e i s so era bom, mas nunca me habituei a acordar cedo. A minha mãe acordava-me todos os dias com uma tigela de papa. Comia ainda na cama. Sentado, mas ainda a dormir. Depois, fazia o caminho para a escola, que demorava cerca de meia hora. Chegava atrasado todos os dias. A professora tinha afixado um cartaz feito em papel quadriculado com o nome de todos os alunos da sala e um mapa com todos os dias de aulas. À chegada, tínhamos de pinta r o quadradinho correspondente com uma caneta verde, amarela ou vermelha, consoante chegássemos a horas, atrasados ou muito atrasados. Ter uma linha de quadrados vermelhos ou a ma relos à fre nte do nome era considerado mau. Eu chegava atrasado todos os dias. Quando che ga va , di zi a “dá l i ce nça , mi nha s e nhora?”. Essa e ra uma pergunta a que não esperava que a professora respondesse. Dirigia-me à minha carteira e, depois, dirigia - me ao cartaz. A professora perguntava sempre qual era a cor que nós achávamos que devíamos uti l i zar. Eu di zia sempre: “a ma re l o”, na e s pe ra nça de que a profe s s ora de i xas se pas sar. Tive sempre a mesma professora da primeira à quarta classe. Cada vez que nos dirigíamos a ela, tratávamo-la por “minha s e nhora”. Todas as frases a cabava m em “mi nha senhora”: “posso ir a fiar o lápis , mi nha s e nhora ?”, “pos s o i r à casa de banho, mi nha senhora?”, “posso ir a o quadro, minha s enhora?”. De fa cto, a professora e ra di fe re nte de toda s a s mul he re s que ti nha conhecido até aí e que eram as mulheres da minha rua. Tinha anéis com pedras em quase todos os dedos. Tinha o ca belo sempre arranjado. Tinha os olhos pintados. Falava de maneira diferente. Falava como as pessoas da televi são. Falava corretamente. A profe s s ora , “mi nha s e nhora ”, e ra uma s e nhora . […] José Luís Peixoto, in JL – Jornal de Letras, Artes e Ideias, 29 setembro – 12 outubro, 2004 TEXTO II "Contei noutro lugar como e porquê me chamo Saramago. Que esse Saramago não era um apel ido do lado paterno, mas s im a alcunha por que a família era conhecida na aldeia. Que indo o meu pai a declarar no Registo Civi l da Golegã o nas cimento do seu segundo filho, sucedeu que o funcionário (chamava-se ele Silvino) estava bêbado (por despeito, disso o acusaria sempre meu pai ), e que, sob os efeitos do álcool e sem que ninguém se tivesse apercebido da onomás tica fraude, decidiu, por sua conta e ri s co, acres centar Saramago ao lacónico José de Sousa que meu pai pretendia que eu fosse. E que, desta maneira, finalmente, graças a uma intervenção por todas as mostras divina, refiro-me, claro está, a Baco, deus do vinho e daqueles que se excedem a bebê-lo, nã o pre cisei de inventar um pseudónimo para, futuro havendo, a s s i na r os me us l i vros . […]. Entre i na vi da ma rca do com e s te apelido de Saramago sem que a família o suspeitasse, e foi só aos sete anos, quando, para me matricular na instrução primária, foi necessário apresentar certidão de nascimento, que a verdade saiu nua do poço burocrático, com grande indignação de meu pai , a quem, desde que s e tinha mudado para Lisboa, a alcunha desgostava. Mas o pior de tudo foi quando, chamando-se ele unicamente José de Sousa, como ver s e podia nos seus papéis, a Lei, severa, desconfiada, quis saber por que bulas tinha ele então um fil ho cujo nome completo era José de Sousa Saramago. Assim intimado, e para que tudo ficasse no próprio, no são e no honesto, meu pai não teve outro remédio que proceder a uma nova inscrição do seu nome, passando a chamar-se, ele também, José de Sousa Saramago. Suponho que deverá ter sido este o único caso, na história da humanidade, em que foi o filho a dar o nome ao pai. Não nos serviu de muito, nem a nós nem a ela, porque meu pai, firme nas suas antipatias, sempre quis e conseguiu que o tratas sem unicamente de Sousa." José Saramago, As pequenas memórias TEXTO III Daquela mesma varanda, tempos mais tarde, namorei uma rapariga de nome Deolinda, mais velha do que eu três ou quatro anos , que morava num prédio de uma rua paralela, a Travessa do Calado, cujas tra seiras davam para as da minha casa. Há que esclarecer que namoro, o que então s e chamava namoro, dos de requerimento formal e promessas mais ou menos para durar («A menina quer namorar comigo?», «Pois sim, s e são boas as suas intenções»), nunca o chegou a ser. Olhávamo -nos muito, fazíamos s inai s , conversávamos de varanda para varanda por cima dos pátios intermédios e das cordas da roupa, mas nada de mai s avançado em matéria de compromissos. Tímido, acanhado, como me estava no carácter, fui algumas vezes a casa dela (vivia, creio recordar, com uns avós), mas, ao mesmo tempo, decidido a tudo ou ao que calhasse. Um tudo que daria em nada. Ela era muito boni ta , de ros tinho redondo, mas, para meu desprazer, tinha os dentes estragados, e, além do mais, deveria pensar que eu era demas iado jovem para empenhar comigo os seus sentimentos. Divertia-se um pouco à falta de pretendente idóneo, mas, ou muito enganado ando desde então, tinha pena de que a diferença de idades se notasse tanto. Em certa altura desisti da empresa. Ela tinha o apelido de Bacalhau, e eu, pêlos vistos já sensível aos sons e aos sentidos das palavras , não queria que mulher minha fos se pela vida ca rre ga ndo com o nome de De ol i nda Ba ca l ha u Sa ra ma go.” José Saramago, As pequenas memórias