SlideShare uma empresa Scribd logo
Oficina – Análise de Redes com Gephi
1
L3P - Laboratório de Políticas Públicas
Participativas - UFG
09/01/2018
Roteiro da Oficina
• 1° Dia (Tarde)
• Sobre o Gephi
• Introdução ao Software
• Instalação
• Interface
• Formato de Entrada
• Planilha – Edges e Nodes
• Parâmetros dos Nós
• Laboratório de Dados
• Parâmetros
• Filtragem
• Ferramentas
• Visão Geral
• Aparência/Distribuição/Grafo
• Contexto/Estatísticas/Filtros
• Visualização
• Parâmetros
• Exportação
• 1° Dia (Manhã)
• Apresentação Pessoal
• Formação
• Trabalhos Realizados
• Projeto Mestrado
• Análise de Redes
Sociais
• O que é ARS?
• Grafos/Sociogramas
• Indicadores
• ARS na Ciência
• Observando as Relações
• Grupos
• Atores/Agentes
• Comportamento Social
• Problemas em Jogo
• Quem?
• Com quem?
• Como se relacionam?
2
Roteiro da Oficina
• 2° Dia (Tarde)
• Aplicação Prática
• Continuação dos Projetos
• Apresentação dos Grupos
• Discussão Aberta
• 2° Dia (Manhã)
• Aplicação Prática
• Instalação
• Elaboração de
Planilhas de Entrada
• Utilização do Software
• Fazendo Projetos
3
Apresentação Pessoal
4
Apresentação Pessoal
• Formação:
• Graduação em Gestão da Informação (FIC - UFG)
• Mestrando em Comunicação Social (FIC - UFG)
• Trabalhos Realizados:
• Laboratório de Políticas Públicas Participativas (3 anos)
• Media Lab UFG
• Projetos:
• Instituto Alana (Criança, Mídia e Consumo na Formação de Professores)
• GIFE (9° Congresso do Grupo de Instituições Fundações e Empresas)
• MINC (Ontologia da Cultura)
• Instituto Unibanco (Pesquisa e Métodos Digitais)
• Projeto de Mestrado:
• O poder do campo escolar brasileiro na sociedade em rede
5
Análise de Redes Sociais
6
O que é ARS?
A Análise de Redes Sociais ou ARS, busca encontrar padrões de
relacionamento ao observar o fenômeno social a partir da percepção
em rede.
O conceito de rede se desenvolve a partir da perspectiva da identificação de
padrões de organização na formação dos sistemas orgânicos (do corpo)
para sistemas de organização humana como tráfego e composição de
espaço. (Musso, 2004)
Ou seja, os objetos sociais são observados a partir das interações sociais
dos atores envolvidos, em busca de caracterizar a estrutura da rede em
questão (identificando a posição dos atores e o peso de suas relações).
7
Estrutura Visual da Rede – Sociograma
Um sociograma, é a “estrutura que
revela visualmente a estrutura de
conexão de um grupo de
atores.” (MARTINS, 2012, p.18)
Apenas a representação da rede em si
pode enganar por trazer destaque
visual à análise, porém, os valores
dos indicadores de rede são tão
ou mais importantes para contribuir
com a interpretação.
8
Indicadores de Rede
Os principais indicadores de rede podem ser observados na seguinte estrutura:
• Gerais:
• Densidade
• Diâmetro
• Caracterização de Nós:
• Grau de Centralidade
• Centralidade por Interposição (Betweness)
• Centralidade por Proximidade (Closeness)
• Comunidades/Subgrupos:
• Centro/Periferia
• Modularidade
9
Indicadores de Rede - Gerais
Os indicadores de rede gerais apresentam estatísticas que descrevem a
estrutura da rede como um todo.
Densidade – Indica o número de conexões presentes numa rede, dividida
pelo número máximo de conexões possíveis que poderiam ser
realizadas se todos os atores estivessem conectados entre si. (MARTINS, 2012,
p. 33)
Fonte: https://l3p.fic.ufg.br/up/771/o/Aula_08_-_homofilia_e_densidade.pdf?1498477689 10
Indicadores de Rede - Gerais
O indicador de Diâmetro da Rede , versa sobre o caminho entre os nós. Ele
representa o tamanho do maior caminho existente entre dois nós.
Auxilia a mensurar a quantidade máxima de passos necessários, para a
transmissão de uma informação por exemplo. (MARTINS, 2012, p. 33)
Fonte: https://friendsarena.wordpress.com/2014/12/11/18/
11
Indicadores de Rede – Caracterização de Nós
O Grau de Centralidade investiga quais são os atores mais importantes
presentes em uma rede a partir da quantidade de relações que ele mantém:
Fonte: https://friendsarena.wordpress.com/2014/12/11/18/
12
Indicadores de Rede – Caracterização de Nós
A centralidade por interposição (betweness) aponta a habilidade de um
indivíduo se conectar aos círculos importantes da rede:
Fonte: https://friendsarena.wordpress.com/2014/12/11/18/
13
Indicadores de Rede – Caracterização de Nós
A centralidade por proximidade, representa a habilidade de um indivíduo
monitorar o fluxo de informações e enxergar o que está acontecendo na
rede:
Fonte: https://friendsarena.wordpress.com/2014/12/11/18/
14
Indicadores de Rede – Comunidades/Subgrupos
Os indicadores de rede sobre
comunidades/subgrupos são mais
expressivos ao visualizar a rede.
No primeiro modo, ao observar a
estrutura da rede, ela pode ter uma
concentração maior no
meio e menor (espaçada) na
periferia, indicando um conjunto
de atores que se relacionam com
mais frequência, e os demais que
quase não denotam nenhuma
interação, respectivamente.
Fonte: MARTINS, 2012, p.18
15
Indicadores de Rede – Comunidades/Subgrupos
Já a modularidade é o cálculo que
destaca os componentes/módulos
da rede.
“Os componentes são de uma rede
são partes da rede que se
encontram isoladas de todas
as demais.”
Apontam a variabilidade dos
grupos, se uma rede possui vários
módulos, ela não apresenta uma
comunidade concisa de atores. Fonte: https://l3p.fic.ufg.br/up/771/o/Aula_08_-_homofilia_e_densidade.pdf
16
ARS na Ciência
17
Indicações da Análise de Redes Sociais
Utilizar a ARS como opção de trabalho científico, é optar observar o objeto
em estudo de maneira relacional, ou seja, além dos indicadores que
caracterizam o ser/ator, é preciso pensar o ambiente social em que este está
envolvido.
Por isso, esse método é constantemente aplicado à análises de plataformas
digitais. Elas constantemente migram para uma interface de processamento
social, sendo a relação entre as pessoas o principal foco.
Dessa forma, aplicar esse modo de investigação é mais indicado para trabalhos
que considerem o contexto socio-relacional do objeto em estudo, bem como
suas relações com outros atores em seu meio.
18
Indicações da Análise de Redes Sociais
Desse modo, é indicado pensar naquilo que caracteriza o grupos ou atores em
questão. Ter noção do que pode levá-los a apresentar certos padrões nos
indicadores da análise de rede é essencial para interpretar os resultados.
Mesmo que a base de dados analisada seja muito grande, é possível utilizar os
indicadores da rede para pesquisar as características de um número limitado de
atores em estudo, àqueles que apresentam maior grau, ou os módulos mais
expressivos da rede.
19
Problemas em Jogo
20
Problemas que denotam a ARS
Os problemas que indicam uma busca por resultados através da ARS comumente
são apontados pelos problemas gerais em busca de Quem? Com quem? Como
se Relaciona?
A resposta à essas perguntas vão resultar na caracterização do objeto em
estudo, sendo ele um ator social, bem como na caracterização do seu espaço
social de relacionamento. Ou seja, denotam a apropriação da ARS para
investigação científica.
21
Algumas Referências
22
Referências
MARTINS, D. L. A emergência da análise de redes sociais como campo de
pesquisa: perspectiva da análise da produção científica em português e espanhol
a partir do Google Acadêmico, Alexandria: revista de Ciencias de la
Información, año V, n.8, 2011
MARTINS, D. L. Análise de redes sociais de colaboração científica no
ambiente de uma federação de bibliotecas digitais. Tese (Doutorado em
Ciência da Informação) – ECA, USP. São Paulo, p.255 2012. (Capítulo 2)
MUSSO, P. A filosofia da rede. In. Parente, A. (org.), Tramas da Rede. Editora
Sulina. 2004. 303p.
CHERVEN, K. Mastering Gephi Network Visualization. Packt Publishing Ltda.:
Birmingham, 2015. 357.
23
Para o Gephi
24
Referências
MARTINS, D. L. A emergência da análise de redes sociais como campo de
pesquisa: perspectiva da análise da produção científica em português e espanhol
a partir do Google Acadêmico, Alexandria: revista de Ciencias de la
Información, año V, n.8, 2011
MARTINS, D. L. Análise de redes sociais de colaboração científica no
ambiente de uma federação de bibliotecas digitais. Tese (Doutorado em
Ciência da Informação) – ECA, USP. São Paulo, p.255 2012. (Capítulo 2)
MUSSO, P. A filosofia da rede. In. Parente, A. (org.), Tramas da Rede. Editora
Sulina. 2004. 303p.
CHERVEN, K. Mastering Gephi Network Visualization. Packt Publishing Ltda.:
Birmingham, 2015. 357.
25

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Estudos métricos da informação na web e o papel dos profissionais da informação
Estudos métricos da informação na web e o papel dos profissionais da informaçãoEstudos métricos da informação na web e o papel dos profissionais da informação
Estudos métricos da informação na web e o papel dos profissionais da informação
Ronaldo Araújo
 
Cientometria 2.0, visibilidade e citação: uma incursão altmétrica em artigos ...
Cientometria 2.0, visibilidade e citação: uma incursão altmétrica em artigos ...Cientometria 2.0, visibilidade e citação: uma incursão altmétrica em artigos ...
Cientometria 2.0, visibilidade e citação: uma incursão altmétrica em artigos ...
Ronaldo Araújo
 
Seminário de Uso das Redes Sociais Para Publicação Cientifica na USP_Dalton M...
Seminário de Uso das Redes Sociais Para Publicação Cientifica na USP_Dalton M...Seminário de Uso das Redes Sociais Para Publicação Cientifica na USP_Dalton M...
Seminário de Uso das Redes Sociais Para Publicação Cientifica na USP_Dalton M...
SIBiUSP
 
Ergonomia
Ergonomia Ergonomia
Ergonomia
Pedro Trufa
 
Discurso e poder nas organizações: as práticas discursivas do Centro Universi...
Discurso e poder nas organizações: as práticas discursivas do Centro Universi...Discurso e poder nas organizações: as práticas discursivas do Centro Universi...
Discurso e poder nas organizações: as práticas discursivas do Centro Universi...
EDILAINE AVILA
 
Arquitetura da informação para blogs
Arquitetura da informação para blogsArquitetura da informação para blogs
Arquitetura da informação para blogs
Laura Inafuko
 
Tendências e perspectivas de pesquisa sobre repositórios no Brasil: Uma análi...
Tendências e perspectivas de pesquisa sobre repositórios no Brasil: Uma análi...Tendências e perspectivas de pesquisa sobre repositórios no Brasil: Uma análi...
Tendências e perspectivas de pesquisa sobre repositórios no Brasil: Uma análi...
Conferência Luso-Brasileira de Ciência Aberta
 
Redes Sociais Corporativas: Uma Proposta de Análise de Competências Como Ferr...
Redes Sociais Corporativas: Uma Proposta de Análise de Competências Como Ferr...Redes Sociais Corporativas: Uma Proposta de Análise de Competências Como Ferr...
Redes Sociais Corporativas: Uma Proposta de Análise de Competências Como Ferr...
Mehran Misaghi
 
Plano de pesquisa 2016 2019 - Métodos Digitais na UFG
Plano de pesquisa 2016 2019 - Métodos Digitais na UFGPlano de pesquisa 2016 2019 - Métodos Digitais na UFG
Plano de pesquisa 2016 2019 - Métodos Digitais na UFG
Laboratório de Políticas Públicas Participativas
 

Mais procurados (9)

Estudos métricos da informação na web e o papel dos profissionais da informação
Estudos métricos da informação na web e o papel dos profissionais da informaçãoEstudos métricos da informação na web e o papel dos profissionais da informação
Estudos métricos da informação na web e o papel dos profissionais da informação
 
Cientometria 2.0, visibilidade e citação: uma incursão altmétrica em artigos ...
Cientometria 2.0, visibilidade e citação: uma incursão altmétrica em artigos ...Cientometria 2.0, visibilidade e citação: uma incursão altmétrica em artigos ...
Cientometria 2.0, visibilidade e citação: uma incursão altmétrica em artigos ...
 
Seminário de Uso das Redes Sociais Para Publicação Cientifica na USP_Dalton M...
Seminário de Uso das Redes Sociais Para Publicação Cientifica na USP_Dalton M...Seminário de Uso das Redes Sociais Para Publicação Cientifica na USP_Dalton M...
Seminário de Uso das Redes Sociais Para Publicação Cientifica na USP_Dalton M...
 
Ergonomia
Ergonomia Ergonomia
Ergonomia
 
Discurso e poder nas organizações: as práticas discursivas do Centro Universi...
Discurso e poder nas organizações: as práticas discursivas do Centro Universi...Discurso e poder nas organizações: as práticas discursivas do Centro Universi...
Discurso e poder nas organizações: as práticas discursivas do Centro Universi...
 
Arquitetura da informação para blogs
Arquitetura da informação para blogsArquitetura da informação para blogs
Arquitetura da informação para blogs
 
Tendências e perspectivas de pesquisa sobre repositórios no Brasil: Uma análi...
Tendências e perspectivas de pesquisa sobre repositórios no Brasil: Uma análi...Tendências e perspectivas de pesquisa sobre repositórios no Brasil: Uma análi...
Tendências e perspectivas de pesquisa sobre repositórios no Brasil: Uma análi...
 
Redes Sociais Corporativas: Uma Proposta de Análise de Competências Como Ferr...
Redes Sociais Corporativas: Uma Proposta de Análise de Competências Como Ferr...Redes Sociais Corporativas: Uma Proposta de Análise de Competências Como Ferr...
Redes Sociais Corporativas: Uma Proposta de Análise de Competências Como Ferr...
 
Plano de pesquisa 2016 2019 - Métodos Digitais na UFG
Plano de pesquisa 2016 2019 - Métodos Digitais na UFGPlano de pesquisa 2016 2019 - Métodos Digitais na UFG
Plano de pesquisa 2016 2019 - Métodos Digitais na UFG
 

Semelhante a Oficina Gepgi - UFPEL

Análise de redes sociais: novas oportunidades de geração de conhecimento na Web
Análise de redes sociais: novas oportunidades de geração de conhecimento na WebAnálise de redes sociais: novas oportunidades de geração de conhecimento na Web
Análise de redes sociais: novas oportunidades de geração de conhecimento na Web
Dalton Martins
 
IV SECIN - Paradigma da pesquisa em análise de redes sociais: usos e possibil...
IV SECIN - Paradigma da pesquisa em análise de redes sociais: usos e possibil...IV SECIN - Paradigma da pesquisa em análise de redes sociais: usos e possibil...
IV SECIN - Paradigma da pesquisa em análise de redes sociais: usos e possibil...
Dalton Martins
 
2007 10 03_17_02_29_2007_09_06_17_59_25_redes_sociais_apresentacao
2007 10 03_17_02_29_2007_09_06_17_59_25_redes_sociais_apresentacao2007 10 03_17_02_29_2007_09_06_17_59_25_redes_sociais_apresentacao
2007 10 03_17_02_29_2007_09_06_17_59_25_redes_sociais_apresentacao
Edenilton Pinkoski Agostinho, CRC
 
Apresentação III Seminário do PPGCI 2011
Apresentação III Seminário do PPGCI 2011Apresentação III Seminário do PPGCI 2011
Apresentação III Seminário do PPGCI 2011
Dalton Martins
 
Furini l. a. tb completo anpur
Furini l. a. tb completo anpur Furini l. a. tb completo anpur
Furini l. a. tb completo anpur
Lsilva Silva
 
Apresentação da Defesa do Doutorado - Análise de redes sociais de colaboração...
Apresentação da Defesa do Doutorado - Análise de redes sociais de colaboração...Apresentação da Defesa do Doutorado - Análise de redes sociais de colaboração...
Apresentação da Defesa do Doutorado - Análise de redes sociais de colaboração...
Dalton Martins
 
Estudos de redes sociais
Estudos de redes sociaisEstudos de redes sociais
Estudos de redes sociais
Carolina Lima
 
Monografia de conclusão
Monografia de conclusãoMonografia de conclusão
Monografia de conclusão
Rodolpho RT
 
Redes Sociais e Análises.pptx
Redes Sociais e Análises.pptxRedes Sociais e Análises.pptx
Redes Sociais e Análises.pptx
JeanNunesFolmann
 
Introdução à Análise de redes: aspectos conceituais fundamentais para o analista
Introdução à Análise de redes: aspectos conceituais fundamentais para o analistaIntrodução à Análise de redes: aspectos conceituais fundamentais para o analista
Introdução à Análise de redes: aspectos conceituais fundamentais para o analista
Dalton Martins
 
Observatório da Cultura Digital - Conexões Científicas 2010: Dinâmica da Comu...
Observatório da Cultura Digital - Conexões Científicas 2010: Dinâmica da Comu...Observatório da Cultura Digital - Conexões Científicas 2010: Dinâmica da Comu...
Observatório da Cultura Digital - Conexões Científicas 2010: Dinâmica da Comu...
AcessaSP
 
Worshop w3i ars p fidalgo
Worshop w3i ars p fidalgoWorshop w3i ars p fidalgo
Worshop w3i ars p fidalgo
Patricia Fidalgo
 
Análise de redes sociais e sistemas observantes: novos modos de olhar para os...
Análise de redes sociais e sistemas observantes: novos modos de olhar para os...Análise de redes sociais e sistemas observantes: novos modos de olhar para os...
Análise de redes sociais e sistemas observantes: novos modos de olhar para os...
Dalton Martins
 
REDES DE INTERAÇÃO CIENTÍFICA: identificação de comunidades de autores na UFRJ
REDES DE INTERAÇÃO CIENTÍFICA: identificação de comunidades de autores na UFRJ REDES DE INTERAÇÃO CIENTÍFICA: identificação de comunidades de autores na UFRJ
REDES DE INTERAÇÃO CIENTÍFICA: identificação de comunidades de autores na UFRJ
VI EBBC - Encontro Brasileiro de Bibliometria e Cientometria
 
Seminário_Análises_de_Redes_Sociais_na_CI_2.pptx
Seminário_Análises_de_Redes_Sociais_na_CI_2.pptxSeminário_Análises_de_Redes_Sociais_na_CI_2.pptx
Seminário_Análises_de_Redes_Sociais_na_CI_2.pptx
JeanNunesFolmann
 
SNA - Social Network Analysis
SNA - Social Network AnalysisSNA - Social Network Analysis
SNA - Social Network Analysis
eurosigdoc acm
 
Ecologia dos aplicativos
Ecologia dos aplicativosEcologia dos aplicativos
Ecologia dos aplicativos
Universidade Federal de Pelotas (UFPel)
 
Redes sociais e computação social
Redes sociais e computação socialRedes sociais e computação social
Redes sociais e computação social
Marco Aurelio Gerosa
 
Gestão de Stakeholders - SBSI 2014
Gestão de Stakeholders - SBSI 2014Gestão de Stakeholders - SBSI 2014
Gestão de Stakeholders - SBSI 2014
Edson Motta, MSc, MBA, PMP®, ITIL®
 
Iniciação A Redes: Conceitos Essenciais e Principais Ideias
Iniciação A Redes: Conceitos Essenciais e Principais IdeiasIniciação A Redes: Conceitos Essenciais e Principais Ideias
Iniciação A Redes: Conceitos Essenciais e Principais Ideias
Instituto Brasileiro de Pesquisa e Análise de Dados
 

Semelhante a Oficina Gepgi - UFPEL (20)

Análise de redes sociais: novas oportunidades de geração de conhecimento na Web
Análise de redes sociais: novas oportunidades de geração de conhecimento na WebAnálise de redes sociais: novas oportunidades de geração de conhecimento na Web
Análise de redes sociais: novas oportunidades de geração de conhecimento na Web
 
IV SECIN - Paradigma da pesquisa em análise de redes sociais: usos e possibil...
IV SECIN - Paradigma da pesquisa em análise de redes sociais: usos e possibil...IV SECIN - Paradigma da pesquisa em análise de redes sociais: usos e possibil...
IV SECIN - Paradigma da pesquisa em análise de redes sociais: usos e possibil...
 
2007 10 03_17_02_29_2007_09_06_17_59_25_redes_sociais_apresentacao
2007 10 03_17_02_29_2007_09_06_17_59_25_redes_sociais_apresentacao2007 10 03_17_02_29_2007_09_06_17_59_25_redes_sociais_apresentacao
2007 10 03_17_02_29_2007_09_06_17_59_25_redes_sociais_apresentacao
 
Apresentação III Seminário do PPGCI 2011
Apresentação III Seminário do PPGCI 2011Apresentação III Seminário do PPGCI 2011
Apresentação III Seminário do PPGCI 2011
 
Furini l. a. tb completo anpur
Furini l. a. tb completo anpur Furini l. a. tb completo anpur
Furini l. a. tb completo anpur
 
Apresentação da Defesa do Doutorado - Análise de redes sociais de colaboração...
Apresentação da Defesa do Doutorado - Análise de redes sociais de colaboração...Apresentação da Defesa do Doutorado - Análise de redes sociais de colaboração...
Apresentação da Defesa do Doutorado - Análise de redes sociais de colaboração...
 
Estudos de redes sociais
Estudos de redes sociaisEstudos de redes sociais
Estudos de redes sociais
 
Monografia de conclusão
Monografia de conclusãoMonografia de conclusão
Monografia de conclusão
 
Redes Sociais e Análises.pptx
Redes Sociais e Análises.pptxRedes Sociais e Análises.pptx
Redes Sociais e Análises.pptx
 
Introdução à Análise de redes: aspectos conceituais fundamentais para o analista
Introdução à Análise de redes: aspectos conceituais fundamentais para o analistaIntrodução à Análise de redes: aspectos conceituais fundamentais para o analista
Introdução à Análise de redes: aspectos conceituais fundamentais para o analista
 
Observatório da Cultura Digital - Conexões Científicas 2010: Dinâmica da Comu...
Observatório da Cultura Digital - Conexões Científicas 2010: Dinâmica da Comu...Observatório da Cultura Digital - Conexões Científicas 2010: Dinâmica da Comu...
Observatório da Cultura Digital - Conexões Científicas 2010: Dinâmica da Comu...
 
Worshop w3i ars p fidalgo
Worshop w3i ars p fidalgoWorshop w3i ars p fidalgo
Worshop w3i ars p fidalgo
 
Análise de redes sociais e sistemas observantes: novos modos de olhar para os...
Análise de redes sociais e sistemas observantes: novos modos de olhar para os...Análise de redes sociais e sistemas observantes: novos modos de olhar para os...
Análise de redes sociais e sistemas observantes: novos modos de olhar para os...
 
REDES DE INTERAÇÃO CIENTÍFICA: identificação de comunidades de autores na UFRJ
REDES DE INTERAÇÃO CIENTÍFICA: identificação de comunidades de autores na UFRJ REDES DE INTERAÇÃO CIENTÍFICA: identificação de comunidades de autores na UFRJ
REDES DE INTERAÇÃO CIENTÍFICA: identificação de comunidades de autores na UFRJ
 
Seminário_Análises_de_Redes_Sociais_na_CI_2.pptx
Seminário_Análises_de_Redes_Sociais_na_CI_2.pptxSeminário_Análises_de_Redes_Sociais_na_CI_2.pptx
Seminário_Análises_de_Redes_Sociais_na_CI_2.pptx
 
SNA - Social Network Analysis
SNA - Social Network AnalysisSNA - Social Network Analysis
SNA - Social Network Analysis
 
Ecologia dos aplicativos
Ecologia dos aplicativosEcologia dos aplicativos
Ecologia dos aplicativos
 
Redes sociais e computação social
Redes sociais e computação socialRedes sociais e computação social
Redes sociais e computação social
 
Gestão de Stakeholders - SBSI 2014
Gestão de Stakeholders - SBSI 2014Gestão de Stakeholders - SBSI 2014
Gestão de Stakeholders - SBSI 2014
 
Iniciação A Redes: Conceitos Essenciais e Principais Ideias
Iniciação A Redes: Conceitos Essenciais e Principais IdeiasIniciação A Redes: Conceitos Essenciais e Principais Ideias
Iniciação A Redes: Conceitos Essenciais e Principais Ideias
 

Último

AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
FernandaOliveira758273
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
erssstcontato
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
IACEMCASA
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 

Oficina Gepgi - UFPEL

  • 1. Oficina – Análise de Redes com Gephi 1 L3P - Laboratório de Políticas Públicas Participativas - UFG 09/01/2018
  • 2. Roteiro da Oficina • 1° Dia (Tarde) • Sobre o Gephi • Introdução ao Software • Instalação • Interface • Formato de Entrada • Planilha – Edges e Nodes • Parâmetros dos Nós • Laboratório de Dados • Parâmetros • Filtragem • Ferramentas • Visão Geral • Aparência/Distribuição/Grafo • Contexto/Estatísticas/Filtros • Visualização • Parâmetros • Exportação • 1° Dia (Manhã) • Apresentação Pessoal • Formação • Trabalhos Realizados • Projeto Mestrado • Análise de Redes Sociais • O que é ARS? • Grafos/Sociogramas • Indicadores • ARS na Ciência • Observando as Relações • Grupos • Atores/Agentes • Comportamento Social • Problemas em Jogo • Quem? • Com quem? • Como se relacionam? 2
  • 3. Roteiro da Oficina • 2° Dia (Tarde) • Aplicação Prática • Continuação dos Projetos • Apresentação dos Grupos • Discussão Aberta • 2° Dia (Manhã) • Aplicação Prática • Instalação • Elaboração de Planilhas de Entrada • Utilização do Software • Fazendo Projetos 3
  • 5. Apresentação Pessoal • Formação: • Graduação em Gestão da Informação (FIC - UFG) • Mestrando em Comunicação Social (FIC - UFG) • Trabalhos Realizados: • Laboratório de Políticas Públicas Participativas (3 anos) • Media Lab UFG • Projetos: • Instituto Alana (Criança, Mídia e Consumo na Formação de Professores) • GIFE (9° Congresso do Grupo de Instituições Fundações e Empresas) • MINC (Ontologia da Cultura) • Instituto Unibanco (Pesquisa e Métodos Digitais) • Projeto de Mestrado: • O poder do campo escolar brasileiro na sociedade em rede 5
  • 6. Análise de Redes Sociais 6
  • 7. O que é ARS? A Análise de Redes Sociais ou ARS, busca encontrar padrões de relacionamento ao observar o fenômeno social a partir da percepção em rede. O conceito de rede se desenvolve a partir da perspectiva da identificação de padrões de organização na formação dos sistemas orgânicos (do corpo) para sistemas de organização humana como tráfego e composição de espaço. (Musso, 2004) Ou seja, os objetos sociais são observados a partir das interações sociais dos atores envolvidos, em busca de caracterizar a estrutura da rede em questão (identificando a posição dos atores e o peso de suas relações). 7
  • 8. Estrutura Visual da Rede – Sociograma Um sociograma, é a “estrutura que revela visualmente a estrutura de conexão de um grupo de atores.” (MARTINS, 2012, p.18) Apenas a representação da rede em si pode enganar por trazer destaque visual à análise, porém, os valores dos indicadores de rede são tão ou mais importantes para contribuir com a interpretação. 8
  • 9. Indicadores de Rede Os principais indicadores de rede podem ser observados na seguinte estrutura: • Gerais: • Densidade • Diâmetro • Caracterização de Nós: • Grau de Centralidade • Centralidade por Interposição (Betweness) • Centralidade por Proximidade (Closeness) • Comunidades/Subgrupos: • Centro/Periferia • Modularidade 9
  • 10. Indicadores de Rede - Gerais Os indicadores de rede gerais apresentam estatísticas que descrevem a estrutura da rede como um todo. Densidade – Indica o número de conexões presentes numa rede, dividida pelo número máximo de conexões possíveis que poderiam ser realizadas se todos os atores estivessem conectados entre si. (MARTINS, 2012, p. 33) Fonte: https://l3p.fic.ufg.br/up/771/o/Aula_08_-_homofilia_e_densidade.pdf?1498477689 10
  • 11. Indicadores de Rede - Gerais O indicador de Diâmetro da Rede , versa sobre o caminho entre os nós. Ele representa o tamanho do maior caminho existente entre dois nós. Auxilia a mensurar a quantidade máxima de passos necessários, para a transmissão de uma informação por exemplo. (MARTINS, 2012, p. 33) Fonte: https://friendsarena.wordpress.com/2014/12/11/18/ 11
  • 12. Indicadores de Rede – Caracterização de Nós O Grau de Centralidade investiga quais são os atores mais importantes presentes em uma rede a partir da quantidade de relações que ele mantém: Fonte: https://friendsarena.wordpress.com/2014/12/11/18/ 12
  • 13. Indicadores de Rede – Caracterização de Nós A centralidade por interposição (betweness) aponta a habilidade de um indivíduo se conectar aos círculos importantes da rede: Fonte: https://friendsarena.wordpress.com/2014/12/11/18/ 13
  • 14. Indicadores de Rede – Caracterização de Nós A centralidade por proximidade, representa a habilidade de um indivíduo monitorar o fluxo de informações e enxergar o que está acontecendo na rede: Fonte: https://friendsarena.wordpress.com/2014/12/11/18/ 14
  • 15. Indicadores de Rede – Comunidades/Subgrupos Os indicadores de rede sobre comunidades/subgrupos são mais expressivos ao visualizar a rede. No primeiro modo, ao observar a estrutura da rede, ela pode ter uma concentração maior no meio e menor (espaçada) na periferia, indicando um conjunto de atores que se relacionam com mais frequência, e os demais que quase não denotam nenhuma interação, respectivamente. Fonte: MARTINS, 2012, p.18 15
  • 16. Indicadores de Rede – Comunidades/Subgrupos Já a modularidade é o cálculo que destaca os componentes/módulos da rede. “Os componentes são de uma rede são partes da rede que se encontram isoladas de todas as demais.” Apontam a variabilidade dos grupos, se uma rede possui vários módulos, ela não apresenta uma comunidade concisa de atores. Fonte: https://l3p.fic.ufg.br/up/771/o/Aula_08_-_homofilia_e_densidade.pdf 16
  • 18. Indicações da Análise de Redes Sociais Utilizar a ARS como opção de trabalho científico, é optar observar o objeto em estudo de maneira relacional, ou seja, além dos indicadores que caracterizam o ser/ator, é preciso pensar o ambiente social em que este está envolvido. Por isso, esse método é constantemente aplicado à análises de plataformas digitais. Elas constantemente migram para uma interface de processamento social, sendo a relação entre as pessoas o principal foco. Dessa forma, aplicar esse modo de investigação é mais indicado para trabalhos que considerem o contexto socio-relacional do objeto em estudo, bem como suas relações com outros atores em seu meio. 18
  • 19. Indicações da Análise de Redes Sociais Desse modo, é indicado pensar naquilo que caracteriza o grupos ou atores em questão. Ter noção do que pode levá-los a apresentar certos padrões nos indicadores da análise de rede é essencial para interpretar os resultados. Mesmo que a base de dados analisada seja muito grande, é possível utilizar os indicadores da rede para pesquisar as características de um número limitado de atores em estudo, àqueles que apresentam maior grau, ou os módulos mais expressivos da rede. 19
  • 21. Problemas que denotam a ARS Os problemas que indicam uma busca por resultados através da ARS comumente são apontados pelos problemas gerais em busca de Quem? Com quem? Como se Relaciona? A resposta à essas perguntas vão resultar na caracterização do objeto em estudo, sendo ele um ator social, bem como na caracterização do seu espaço social de relacionamento. Ou seja, denotam a apropriação da ARS para investigação científica. 21
  • 23. Referências MARTINS, D. L. A emergência da análise de redes sociais como campo de pesquisa: perspectiva da análise da produção científica em português e espanhol a partir do Google Acadêmico, Alexandria: revista de Ciencias de la Información, año V, n.8, 2011 MARTINS, D. L. Análise de redes sociais de colaboração científica no ambiente de uma federação de bibliotecas digitais. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) – ECA, USP. São Paulo, p.255 2012. (Capítulo 2) MUSSO, P. A filosofia da rede. In. Parente, A. (org.), Tramas da Rede. Editora Sulina. 2004. 303p. CHERVEN, K. Mastering Gephi Network Visualization. Packt Publishing Ltda.: Birmingham, 2015. 357. 23
  • 25. Referências MARTINS, D. L. A emergência da análise de redes sociais como campo de pesquisa: perspectiva da análise da produção científica em português e espanhol a partir do Google Acadêmico, Alexandria: revista de Ciencias de la Información, año V, n.8, 2011 MARTINS, D. L. Análise de redes sociais de colaboração científica no ambiente de uma federação de bibliotecas digitais. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) – ECA, USP. São Paulo, p.255 2012. (Capítulo 2) MUSSO, P. A filosofia da rede. In. Parente, A. (org.), Tramas da Rede. Editora Sulina. 2004. 303p. CHERVEN, K. Mastering Gephi Network Visualization. Packt Publishing Ltda.: Birmingham, 2015. 357. 25