SlideShare uma empresa Scribd logo
Análise de redes sociais:       novas oportunidades
de geração de conhecimento na WEB




        Prof. Dalton Martins
       dmartins@gmail.com
        FATEC – São Paulo            14º Congresso de Tecnologia da Fatec São Paulo
Depto. de Tecnologia da Informação                     17/10/2012
Análise de redes sociais:       novas oportunidades
de geração de conhecimento na WEB




        Prof. Dalton Martins
       dmartins@gmail.com
        FATEC – São Paulo            14º Congresso de Tecnologia da Fatec São Paulo
Depto. de Tecnologia da Informação                     17/10/2012
Redes, redes, redes...
●   As redes estão hoje em dia praticamente por
    todos os lugares onde olhamos:
    –   Rede elétrica;
    –   Rede de esgoto;
    –   Rede de celular;
    –   Internet;
    –   Rede de metrô,
    –   Redes sociais;
    –   Cadeia alimentar;
    –   DNA, etc, etc, etc...
O que são redes?
●   As redes podem ser entendidas como um conjunto
    de objetos e suas relações.
    –   Os objetos são os componentes
        ou partes da rede, são as unidades simples que
        iremos considerar como membros da rede.
    –   Os atributos     são as propriedades
        dos objetos.
    –   As relações entre os objetos é o que dá
        coesão a rede como um todo.
O que são redes sociais?
●
    os objetos são vistos como atores dentro da rede, sendo
    suas ações vistas como interdependentes, ao invés de unidades
    autônomas;
●
    as relações entre atores são canais    para transferência ou
    fluxo de recursos, sejam eles materiais ou imateriais;
●
    modelos de rede evidenciam características individuais dos
    atores em relação ao ambiente da rede, explicitando oportunidades ou
    restrições para suas ações;
●   modelos matemáticos e computacionais de rede conceitualizam
    estrutura e dinâmica (social, econômica, política, etc.) como
    emergentes do padrão de relação entre os atores.
O que faz um analista de redes?
●
    Os analistas de redes tratam os
                                sistemas sociais como
    redes de relações de dependência de recursos
    escassos localizados nos nós e a estrutura de
    alocação desses recursos nas conexões.
●
    Alguns analisam múltiplos tipos de conexão entre
    indivíduos de forma a estudar as formas complexas nas quais essas
    conexões conectam membros específicos do
    sistema social.
●
    Outros analisam poucos tipos de conexão em busca de
    estudar o padrão geral de um sistema social
6 princípios analíticos
●   as conexões são assimetricamente recíprocas, diferindo
    em conteúdo e intensidade: uma conexão de amizade entre uma pessoa não
    significa que é correspondida pela outra;
●   as conexões ligam membros direta e indiretamente,
    dado que podem ser analisadas em contextos de redes maiores: a análise de
    uma rede pode sempre ser expandida, dado que podemos ampliar o olhar e
    observar como as conexões de uma determinada camada se organizam em
    relação a outras camadas;
●   a estrutura das conexões sociais cria redes não-
    aleatórias, formando grupos, fronteiras e conexões
    cruzadas com outras redes: as estruturas são determinadas e
    determinam uma rede, sendo que configuram atributos característicos,
    permitindo a comparação entre redes;
6 princípios analíticos
●   conexões cruzadas conectam indivíduos mas
    também subgrupos: as conexões não são analisadas apenas
    entre indivíduos numa rede, mas também entre os grupos dos quais os
    indivíduos fazem parte;
●   conexões assimétricas e redes complexas
    distribuem os escassos recursos de formas
    particulares: os recursos não fluem de forma aleatória, podendo ser
    identificados caminhos preferenciais, padrões de conexão e interação;
●   redes estruturam ações colaborativas e
    competitivas na articulação dos recursos
    escassos: grupos e indivíduos podem competir e/ou colaborar em
    relação a distribuição dos recursos finitos.
Dificuldades na análise de redes
●   incompletude: dificilmente teremos sistemas de
    informação que registrem todas as relações sociais de
    interesse sobre um determinado contexto;
●   limites imprecisos: a dificuldade de decidir quem deve
    ser incluído e quem não deve ser;
●   dinâmica: essas redes não são estáticas, estando em
    contante mudança. Conseguir dados que registrem as séries
    históricas dessas mudanças torna-se um desafio a mais.
Aplicações
●   dinâmica humana;
●   contágio social e de doenças;
●   modelos de dinâmicas de sistemas;
●   algoritmos de buscas de informações;
●   sistemas robustos.
Padrões dinâmicos: como as redes
           se formam
Padrões dinâmicos: o papel dos
            hubs




 Redes aleatórias: conexões   Redes de livre escala:
 mais distribuídas            Centralização das conexões
Padrões dinâmicos: mundo
        pequeno




   Poucas conexões servem para ampliar o potencial
   e alternativas de caminhos na rede.
Padrões dinâmicos: mundo
        pequeno
Padrões dinâmicos: eventos
        evolutivos
Padrões dinâmicos: eventos
        evolutivos
6 princípios de organização das
             redes complexas
●   redes de livre escala: muitos pequenos nós são
    agrupados e articulados por poucos grandes hubs;
●   redes mundo-pequeno: caminhos de conexão pequenos
    entre dois nós quaisquer;
●   evolução: os hubs emergem por crescimento da rede e
    conexões preferenciais;
●   competição: nós com alto desempenho na articulação da
    rede se tornam hubs;
●   robustez: a rede é resistente a ataques, pois há muitos
    caminhos que mantém a rede conectada se poucos nós
    desaparecem;
●   comunidades: grupos terminam por formar estruturas
    hierárquicas.
Exemplos: rede de um grupo
        facebook
                       Azuis: mulheres
                       Vermelho: homens
Exemplos: educandos e tutores
   num ambiente de EAD
Exemplos: blog coletivo
Oportunidades
●   Há muitos dados disponíveis na Internet para
    análise, permitindo mapearmos tendências,
    padrões e melhorarmos nosso entendimento da
    dinâmica de funcionamento dos sistemas
    humanos;
●   Podemos ter muitas motivações para isso:
    –   Melhoria e proposição de novos sistemas de ensino e
        aprendizagem;
    –   Novas técnicas de avaliação de resultados em
        estratégias relacionais;
    –   Melhor entendimento de como operam nossos grupos
        de trabalho e relacionamento, etc, etc, etc...
Como estudar análise de redes?
                        Aspectos técnicos
●   Banco de dados: SQL e a estruturação de dados de sua análise em
    bancos facilitam a tarefa e o esforço envolvido na mineração
●   Linguagem de scripts: nem sempre conseguimos os dados no
    formato que precisamos. Muitas vezes, é preciso mexer e transformar
    as relações com dados. Linguagens como Python, Perl e PHP podem
    ajudar muito.
●   Planilhas: kit básico do analista. Facilitam gerar gráficos facilmente e
    calcular dados de base para avaliação do trabalho;
●   Estatística: conhecimento fundamental para análise exploratória e
    testes de validação de hipóteses;
●   Softwares de análise: há muitos softwares hoje em dia que podem
    ajudar no trabalho, facilitando muitos processos de forma automática.
    Ex: Gephi, Pajek, Netdraw, UCINET, Visone, etc....
Como estudar análise de redes?
                        Aspectos sociais
●   Contexto: os dados nunca refletem uma verdade única sobre a
    rede. Eles sempre dependem do contexto em que analisamos. As
    posições estruturais e dinâmicas podem significar coisas em um
    contexto e coisas bem diferentes em outro contexto.
●   Dinâmica: o modo como a rede se modifica, considerando o
    movimento dos nós e das conexões permite visualizar uma dinâmica
    social de relacionamento. Entender a motivação dessa dinâmica é
    fundamental para a análise.
●   Análise: o analista não deve ser visto como o especialista em
    redes. Ele sabe analisar, mas o que aquilo significa é sempre
    interessante dialogar com as comunidades analisadas. Elas
    conhecem seu contexto e sua dinâmica melhor que ninguém.
Obrigado!




             Contato:
       dmartins@gmail.com
http://daltonmartins.blogspot.com

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Análise de redes sociais, parte 1
Análise de redes sociais, parte 1Análise de redes sociais, parte 1
Análise de redes sociais, parte 1
Francisco Restivo
 
Análise de Redes Sociais
Análise de Redes SociaisAnálise de Redes Sociais
Análise de Redes Sociais
Inês Amaral
 
Analise de redes sociais unir 2016
Analise de redes sociais unir 2016Analise de redes sociais unir 2016
Analise de redes sociais unir 2016
Simone Athayde
 
Análise de redes sociais, parte 3
Análise de redes sociais, parte 3Análise de redes sociais, parte 3
Análise de redes sociais, parte 3
Francisco Restivo
 
Análise de Redes Sociais de Conteúdos
Análise de Redes Sociais de ConteúdosAnálise de Redes Sociais de Conteúdos
Análise de Redes Sociais de Conteúdos
Inês Amaral
 
Gephi e Netvizz
Gephi e NetvizzGephi e Netvizz
Gephi e Netvizz
Gustavo Sarti
 
Tecnologia e Empreendedorismo
Tecnologia e EmpreendedorismoTecnologia e Empreendedorismo
Tecnologia e Empreendedorismo
Francisco Restivo
 
Extração de Dados do Facebook com o NetVizz
Extração de Dados do Facebook com o NetVizzExtração de Dados do Facebook com o NetVizz
Extração de Dados do Facebook com o NetVizz
Laboratório de Políticas Públicas Participativas
 
Services marketing- Albaraka bank pakistan
Services marketing- Albaraka bank pakistanServices marketing- Albaraka bank pakistan
Services marketing- Albaraka bank pakistan
Ashiq Hussain
 
Introdução à Análise de Dados - Aula 01
Introdução à Análise de Dados - Aula 01Introdução à Análise de Dados - Aula 01
Introdução à Análise de Dados - Aula 01
Alexandre Duarte
 
Al baraka pakistan
Al baraka pakistanAl baraka pakistan
Al baraka pakistan
Saad Amin
 
Al Baraka Bank, Karachi,Pakistan.
Al Baraka Bank, Karachi,Pakistan.Al Baraka Bank, Karachi,Pakistan.
Al Baraka Bank, Karachi,Pakistan.
Institute of Business Management
 
Al baraka bank pakistan
Al baraka bank pakistanAl baraka bank pakistan
Al baraka bank pakistan
Saad Amin
 
SBSC 2012
SBSC 2012SBSC 2012
SBSC 2012
Raquel Recuero
 
Trabalho vant
Trabalho vantTrabalho vant
Trabalho vant
Wesley Gabriel
 
Computacao em nuvem
Computacao em nuvemComputacao em nuvem
Computacao em nuvem
Paulo Cobbe
 
Apres. vant na cana de açucar
Apres. vant na cana de açucarApres. vant na cana de açucar
Apres. vant na cana de açucar
Wesley Gabriel
 
Internship report umair khan (abpl)
Internship report umair khan (abpl)Internship report umair khan (abpl)
Internship report umair khan (abpl)
Umair Khan
 
Redes Sociais: A nova mídia de massa
Redes Sociais: A nova mídia de massaRedes Sociais: A nova mídia de massa
Redes Sociais: A nova mídia de massa
Renato Melo
 
Vant
VantVant

Destaque (20)

Análise de redes sociais, parte 1
Análise de redes sociais, parte 1Análise de redes sociais, parte 1
Análise de redes sociais, parte 1
 
Análise de Redes Sociais
Análise de Redes SociaisAnálise de Redes Sociais
Análise de Redes Sociais
 
Analise de redes sociais unir 2016
Analise de redes sociais unir 2016Analise de redes sociais unir 2016
Analise de redes sociais unir 2016
 
Análise de redes sociais, parte 3
Análise de redes sociais, parte 3Análise de redes sociais, parte 3
Análise de redes sociais, parte 3
 
Análise de Redes Sociais de Conteúdos
Análise de Redes Sociais de ConteúdosAnálise de Redes Sociais de Conteúdos
Análise de Redes Sociais de Conteúdos
 
Gephi e Netvizz
Gephi e NetvizzGephi e Netvizz
Gephi e Netvizz
 
Tecnologia e Empreendedorismo
Tecnologia e EmpreendedorismoTecnologia e Empreendedorismo
Tecnologia e Empreendedorismo
 
Extração de Dados do Facebook com o NetVizz
Extração de Dados do Facebook com o NetVizzExtração de Dados do Facebook com o NetVizz
Extração de Dados do Facebook com o NetVizz
 
Services marketing- Albaraka bank pakistan
Services marketing- Albaraka bank pakistanServices marketing- Albaraka bank pakistan
Services marketing- Albaraka bank pakistan
 
Introdução à Análise de Dados - Aula 01
Introdução à Análise de Dados - Aula 01Introdução à Análise de Dados - Aula 01
Introdução à Análise de Dados - Aula 01
 
Al baraka pakistan
Al baraka pakistanAl baraka pakistan
Al baraka pakistan
 
Al Baraka Bank, Karachi,Pakistan.
Al Baraka Bank, Karachi,Pakistan.Al Baraka Bank, Karachi,Pakistan.
Al Baraka Bank, Karachi,Pakistan.
 
Al baraka bank pakistan
Al baraka bank pakistanAl baraka bank pakistan
Al baraka bank pakistan
 
SBSC 2012
SBSC 2012SBSC 2012
SBSC 2012
 
Trabalho vant
Trabalho vantTrabalho vant
Trabalho vant
 
Computacao em nuvem
Computacao em nuvemComputacao em nuvem
Computacao em nuvem
 
Apres. vant na cana de açucar
Apres. vant na cana de açucarApres. vant na cana de açucar
Apres. vant na cana de açucar
 
Internship report umair khan (abpl)
Internship report umair khan (abpl)Internship report umair khan (abpl)
Internship report umair khan (abpl)
 
Redes Sociais: A nova mídia de massa
Redes Sociais: A nova mídia de massaRedes Sociais: A nova mídia de massa
Redes Sociais: A nova mídia de massa
 
Vant
VantVant
Vant
 

Semelhante a Análise de redes sociais: novas oportunidades de geração de conhecimento na Web

Introdução à Análise de redes: aspectos conceituais fundamentais para o analista
Introdução à Análise de redes: aspectos conceituais fundamentais para o analistaIntrodução à Análise de redes: aspectos conceituais fundamentais para o analista
Introdução à Análise de redes: aspectos conceituais fundamentais para o analista
Dalton Martins
 
Gestao da Informacao e Midias Sociais
Gestao da Informacao e Midias SociaisGestao da Informacao e Midias Sociais
Gestao da Informacao e Midias Sociais
Dalton Martins
 
IV SECIN - Paradigma da pesquisa em análise de redes sociais: usos e possibil...
IV SECIN - Paradigma da pesquisa em análise de redes sociais: usos e possibil...IV SECIN - Paradigma da pesquisa em análise de redes sociais: usos e possibil...
IV SECIN - Paradigma da pesquisa em análise de redes sociais: usos e possibil...
Dalton Martins
 
Análise de Redes Sociais: novas possibilidades de serviços e pesquisa para bi...
Análise de Redes Sociais: novas possibilidades de serviços e pesquisa para bi...Análise de Redes Sociais: novas possibilidades de serviços e pesquisa para bi...
Análise de Redes Sociais: novas possibilidades de serviços e pesquisa para bi...
Dalton Martins
 
Seminário de Uso das Redes Sociais Para Publicação Cientifica na USP_Dalton M...
Seminário de Uso das Redes Sociais Para Publicação Cientifica na USP_Dalton M...Seminário de Uso das Redes Sociais Para Publicação Cientifica na USP_Dalton M...
Seminário de Uso das Redes Sociais Para Publicação Cientifica na USP_Dalton M...
SIBiUSP
 
Apresentação da Defesa do Doutorado - Análise de redes sociais de colaboração...
Apresentação da Defesa do Doutorado - Análise de redes sociais de colaboração...Apresentação da Defesa do Doutorado - Análise de redes sociais de colaboração...
Apresentação da Defesa do Doutorado - Análise de redes sociais de colaboração...
Dalton Martins
 
Iniciação A Redes: Conceitos Essenciais e Principais Ideias
Iniciação A Redes: Conceitos Essenciais e Principais IdeiasIniciação A Redes: Conceitos Essenciais e Principais Ideias
Iniciação A Redes: Conceitos Essenciais e Principais Ideias
Instituto Brasileiro de Pesquisa e Análise de Dados
 
Oficina Gepgi - UFPEL
Oficina Gepgi - UFPELOficina Gepgi - UFPEL
Oficina Gepgi - UFPEL
Luis Felipe
 
Análise de redes sociais e sistemas observantes: novos modos de olhar para os...
Análise de redes sociais e sistemas observantes: novos modos de olhar para os...Análise de redes sociais e sistemas observantes: novos modos de olhar para os...
Análise de redes sociais e sistemas observantes: novos modos de olhar para os...
Dalton Martins
 
2007 10 03_17_02_29_2007_09_06_17_59_25_redes_sociais_apresentacao
2007 10 03_17_02_29_2007_09_06_17_59_25_redes_sociais_apresentacao2007 10 03_17_02_29_2007_09_06_17_59_25_redes_sociais_apresentacao
2007 10 03_17_02_29_2007_09_06_17_59_25_redes_sociais_apresentacao
Edenilton Pinkoski Agostinho, CRC
 
Apresentação III Seminário do PPGCI 2011
Apresentação III Seminário do PPGCI 2011Apresentação III Seminário do PPGCI 2011
Apresentação III Seminário do PPGCI 2011
Dalton Martins
 
Resumo - Pesquisas Doutorado - Análise de Redes Sociais - 2009
Resumo - Pesquisas Doutorado - Análise de Redes Sociais - 2009Resumo - Pesquisas Doutorado - Análise de Redes Sociais - 2009
Resumo - Pesquisas Doutorado - Análise de Redes Sociais - 2009
Dalton Martins
 
Apresentação analise de redes e sistemas dinamicos - fisl 12
Apresentação analise de redes e sistemas dinamicos - fisl 12Apresentação analise de redes e sistemas dinamicos - fisl 12
Apresentação analise de redes e sistemas dinamicos - fisl 12
Dalton Martins
 
Estudos comparativos entre redes
Estudos comparativos entre redesEstudos comparativos entre redes
Estudos comparativos entre redes
Dalton Martins
 
Redes Sistemicas: ima visão geral (teste)
Redes Sistemicas: ima visão geral (teste)Redes Sistemicas: ima visão geral (teste)
Redes Sistemicas: ima visão geral (teste)
Ilan Chamovitz, D.Sc.
 
Oficina de Gephi (Básico) - Apresentação
Oficina de Gephi (Básico) -  ApresentaçãoOficina de Gephi (Básico) -  Apresentação
Oficina de Gephi (Básico) - Apresentação
Luis Felipe
 
Trabalho redes sociais
Trabalho redes sociaisTrabalho redes sociais
Trabalho redes sociais
carlasofiaagostinho
 
Redes Sociais
Redes SociaisRedes Sociais
Redes Sociais
formandoeisnt
 
Redes Sociais2
Redes Sociais2Redes Sociais2
Redes Sociais2
formandoeisnt
 
Estudos de redes sociais
Estudos de redes sociaisEstudos de redes sociais
Estudos de redes sociais
Sayonara Costa
 

Semelhante a Análise de redes sociais: novas oportunidades de geração de conhecimento na Web (20)

Introdução à Análise de redes: aspectos conceituais fundamentais para o analista
Introdução à Análise de redes: aspectos conceituais fundamentais para o analistaIntrodução à Análise de redes: aspectos conceituais fundamentais para o analista
Introdução à Análise de redes: aspectos conceituais fundamentais para o analista
 
Gestao da Informacao e Midias Sociais
Gestao da Informacao e Midias SociaisGestao da Informacao e Midias Sociais
Gestao da Informacao e Midias Sociais
 
IV SECIN - Paradigma da pesquisa em análise de redes sociais: usos e possibil...
IV SECIN - Paradigma da pesquisa em análise de redes sociais: usos e possibil...IV SECIN - Paradigma da pesquisa em análise de redes sociais: usos e possibil...
IV SECIN - Paradigma da pesquisa em análise de redes sociais: usos e possibil...
 
Análise de Redes Sociais: novas possibilidades de serviços e pesquisa para bi...
Análise de Redes Sociais: novas possibilidades de serviços e pesquisa para bi...Análise de Redes Sociais: novas possibilidades de serviços e pesquisa para bi...
Análise de Redes Sociais: novas possibilidades de serviços e pesquisa para bi...
 
Seminário de Uso das Redes Sociais Para Publicação Cientifica na USP_Dalton M...
Seminário de Uso das Redes Sociais Para Publicação Cientifica na USP_Dalton M...Seminário de Uso das Redes Sociais Para Publicação Cientifica na USP_Dalton M...
Seminário de Uso das Redes Sociais Para Publicação Cientifica na USP_Dalton M...
 
Apresentação da Defesa do Doutorado - Análise de redes sociais de colaboração...
Apresentação da Defesa do Doutorado - Análise de redes sociais de colaboração...Apresentação da Defesa do Doutorado - Análise de redes sociais de colaboração...
Apresentação da Defesa do Doutorado - Análise de redes sociais de colaboração...
 
Iniciação A Redes: Conceitos Essenciais e Principais Ideias
Iniciação A Redes: Conceitos Essenciais e Principais IdeiasIniciação A Redes: Conceitos Essenciais e Principais Ideias
Iniciação A Redes: Conceitos Essenciais e Principais Ideias
 
Oficina Gepgi - UFPEL
Oficina Gepgi - UFPELOficina Gepgi - UFPEL
Oficina Gepgi - UFPEL
 
Análise de redes sociais e sistemas observantes: novos modos de olhar para os...
Análise de redes sociais e sistemas observantes: novos modos de olhar para os...Análise de redes sociais e sistemas observantes: novos modos de olhar para os...
Análise de redes sociais e sistemas observantes: novos modos de olhar para os...
 
2007 10 03_17_02_29_2007_09_06_17_59_25_redes_sociais_apresentacao
2007 10 03_17_02_29_2007_09_06_17_59_25_redes_sociais_apresentacao2007 10 03_17_02_29_2007_09_06_17_59_25_redes_sociais_apresentacao
2007 10 03_17_02_29_2007_09_06_17_59_25_redes_sociais_apresentacao
 
Apresentação III Seminário do PPGCI 2011
Apresentação III Seminário do PPGCI 2011Apresentação III Seminário do PPGCI 2011
Apresentação III Seminário do PPGCI 2011
 
Resumo - Pesquisas Doutorado - Análise de Redes Sociais - 2009
Resumo - Pesquisas Doutorado - Análise de Redes Sociais - 2009Resumo - Pesquisas Doutorado - Análise de Redes Sociais - 2009
Resumo - Pesquisas Doutorado - Análise de Redes Sociais - 2009
 
Apresentação analise de redes e sistemas dinamicos - fisl 12
Apresentação analise de redes e sistemas dinamicos - fisl 12Apresentação analise de redes e sistemas dinamicos - fisl 12
Apresentação analise de redes e sistemas dinamicos - fisl 12
 
Estudos comparativos entre redes
Estudos comparativos entre redesEstudos comparativos entre redes
Estudos comparativos entre redes
 
Redes Sistemicas: ima visão geral (teste)
Redes Sistemicas: ima visão geral (teste)Redes Sistemicas: ima visão geral (teste)
Redes Sistemicas: ima visão geral (teste)
 
Oficina de Gephi (Básico) - Apresentação
Oficina de Gephi (Básico) -  ApresentaçãoOficina de Gephi (Básico) -  Apresentação
Oficina de Gephi (Básico) - Apresentação
 
Trabalho redes sociais
Trabalho redes sociaisTrabalho redes sociais
Trabalho redes sociais
 
Redes Sociais
Redes SociaisRedes Sociais
Redes Sociais
 
Redes Sociais2
Redes Sociais2Redes Sociais2
Redes Sociais2
 
Estudos de redes sociais
Estudos de redes sociaisEstudos de redes sociais
Estudos de redes sociais
 

Mais de Dalton Martins

Computação cognitiva e políticas culturais
Computação cognitiva e políticas culturaisComputação cognitiva e políticas culturais
Computação cognitiva e políticas culturais
Dalton Martins
 
Humanidades digitais e ciência de dados: novos métodos, perspectivas e desaf...
Humanidades digitais e ciência de dados: novos métodos, perspectivas e desaf...Humanidades digitais e ciência de dados: novos métodos, perspectivas e desaf...
Humanidades digitais e ciência de dados: novos métodos, perspectivas e desaf...
Dalton Martins
 
Cultura digital, museus e acervos em rede
Cultura digital, museus e acervos em redeCultura digital, museus e acervos em rede
Cultura digital, museus e acervos em rede
Dalton Martins
 
Digitalização da cultura brasileira - as motivações do projeto Tainacan
Digitalização da cultura brasileira - as motivações do projeto TainacanDigitalização da cultura brasileira - as motivações do projeto Tainacan
Digitalização da cultura brasileira - as motivações do projeto Tainacan
Dalton Martins
 
Processos colaborativos de produção de ontologias - I Fórum Nacional de Sist...
Processos colaborativos de produção de ontologias  - I Fórum Nacional de Sist...Processos colaborativos de produção de ontologias  - I Fórum Nacional de Sist...
Processos colaborativos de produção de ontologias - I Fórum Nacional de Sist...
Dalton Martins
 
Do documento às ontologias: uma visão sobre sistemas de organização do conhec...
Do documento às ontologias: uma visão sobre sistemas de organização do conhec...Do documento às ontologias: uma visão sobre sistemas de organização do conhec...
Do documento às ontologias: uma visão sobre sistemas de organização do conhec...
Dalton Martins
 
Análise de Redes Sociais para educação à distância na plataforma ELGG para o ...
Análise de Redes Sociais para educação à distância na plataforma ELGG para o ...Análise de Redes Sociais para educação à distância na plataforma ELGG para o ...
Análise de Redes Sociais para educação à distância na plataforma ELGG para o ...
Dalton Martins
 
Criança, mídia e consumo na formação de professores
Criança, mídia e consumo na formação de professoresCriança, mídia e consumo na formação de professores
Criança, mídia e consumo na formação de professores
Dalton Martins
 
Jornalismo de Dados - Fontes de Informação para produção de Mapas Informacion...
Jornalismo de Dados - Fontes de Informação para produção de Mapas Informacion...Jornalismo de Dados - Fontes de Informação para produção de Mapas Informacion...
Jornalismo de Dados - Fontes de Informação para produção de Mapas Informacion...
Dalton Martins
 
In search of a model of human dynamics analysis applied to social sciences
In search of a model of human dynamics analysis applied to social sciencesIn search of a model of human dynamics analysis applied to social sciences
In search of a model of human dynamics analysis applied to social sciences
Dalton Martins
 
Novos caminhos da inclusão digital: experiências do projeto +Telecentros
Novos caminhos da inclusão digital: experiências do projeto +TelecentrosNovos caminhos da inclusão digital: experiências do projeto +Telecentros
Novos caminhos da inclusão digital: experiências do projeto +Telecentros
Dalton Martins
 
Aula 01 introdução e conceitos básicos sobre gestão
Aula 01   introdução e conceitos básicos sobre gestãoAula 01   introdução e conceitos básicos sobre gestão
Aula 01 introdução e conceitos básicos sobre gestão
Dalton Martins
 
Apresentação Semana de Humanização da Saúde: uma visão quantitativa
Apresentação Semana de Humanização da Saúde: uma visão quantitativaApresentação Semana de Humanização da Saúde: uma visão quantitativa
Apresentação Semana de Humanização da Saúde: uma visão quantitativa
Dalton Martins
 
Design da Informação - Aula 04 - Imagens que informam - design, legendas e di...
Design da Informação - Aula 04 - Imagens que informam - design, legendas e di...Design da Informação - Aula 04 - Imagens que informam - design, legendas e di...
Design da Informação - Aula 04 - Imagens que informam - design, legendas e di...
Dalton Martins
 
Design da Informação - Aula 03 - Princípios do design de informação
Design da Informação - Aula 03 - Princípios do design de informaçãoDesign da Informação - Aula 03 - Princípios do design de informação
Design da Informação - Aula 03 - Princípios do design de informação
Dalton Martins
 
Aula 04 - Tópicos em Gestão da Informação Medidas de posição relativa
Aula 04 - Tópicos em Gestão da Informação Medidas de posição relativaAula 04 - Tópicos em Gestão da Informação Medidas de posição relativa
Aula 04 - Tópicos em Gestão da Informação Medidas de posição relativa
Dalton Martins
 
Aula 02 - Design da Informação - História e princípios do design de informação
Aula 02 - Design da Informação - História e princípios do design de informaçãoAula 02 - Design da Informação - História e princípios do design de informação
Aula 02 - Design da Informação - História e princípios do design de informação
Dalton Martins
 
Aula 03 - Identificando e tratando padrões
Aula 03 - Identificando e tratando padrõesAula 03 - Identificando e tratando padrões
Aula 03 - Identificando e tratando padrões
Dalton Martins
 
Aula 02 - Estatística da vida cotidiana
Aula 02 - Estatística da vida cotidianaAula 02 - Estatística da vida cotidiana
Aula 02 - Estatística da vida cotidiana
Dalton Martins
 
Tópicos em Gestão da Informação II - Aula 01 - Desafios atuais da Gestão da I...
Tópicos em Gestão da Informação II - Aula 01 - Desafios atuais da Gestão da I...Tópicos em Gestão da Informação II - Aula 01 - Desafios atuais da Gestão da I...
Tópicos em Gestão da Informação II - Aula 01 - Desafios atuais da Gestão da I...
Dalton Martins
 

Mais de Dalton Martins (20)

Computação cognitiva e políticas culturais
Computação cognitiva e políticas culturaisComputação cognitiva e políticas culturais
Computação cognitiva e políticas culturais
 
Humanidades digitais e ciência de dados: novos métodos, perspectivas e desaf...
Humanidades digitais e ciência de dados: novos métodos, perspectivas e desaf...Humanidades digitais e ciência de dados: novos métodos, perspectivas e desaf...
Humanidades digitais e ciência de dados: novos métodos, perspectivas e desaf...
 
Cultura digital, museus e acervos em rede
Cultura digital, museus e acervos em redeCultura digital, museus e acervos em rede
Cultura digital, museus e acervos em rede
 
Digitalização da cultura brasileira - as motivações do projeto Tainacan
Digitalização da cultura brasileira - as motivações do projeto TainacanDigitalização da cultura brasileira - as motivações do projeto Tainacan
Digitalização da cultura brasileira - as motivações do projeto Tainacan
 
Processos colaborativos de produção de ontologias - I Fórum Nacional de Sist...
Processos colaborativos de produção de ontologias  - I Fórum Nacional de Sist...Processos colaborativos de produção de ontologias  - I Fórum Nacional de Sist...
Processos colaborativos de produção de ontologias - I Fórum Nacional de Sist...
 
Do documento às ontologias: uma visão sobre sistemas de organização do conhec...
Do documento às ontologias: uma visão sobre sistemas de organização do conhec...Do documento às ontologias: uma visão sobre sistemas de organização do conhec...
Do documento às ontologias: uma visão sobre sistemas de organização do conhec...
 
Análise de Redes Sociais para educação à distância na plataforma ELGG para o ...
Análise de Redes Sociais para educação à distância na plataforma ELGG para o ...Análise de Redes Sociais para educação à distância na plataforma ELGG para o ...
Análise de Redes Sociais para educação à distância na plataforma ELGG para o ...
 
Criança, mídia e consumo na formação de professores
Criança, mídia e consumo na formação de professoresCriança, mídia e consumo na formação de professores
Criança, mídia e consumo na formação de professores
 
Jornalismo de Dados - Fontes de Informação para produção de Mapas Informacion...
Jornalismo de Dados - Fontes de Informação para produção de Mapas Informacion...Jornalismo de Dados - Fontes de Informação para produção de Mapas Informacion...
Jornalismo de Dados - Fontes de Informação para produção de Mapas Informacion...
 
In search of a model of human dynamics analysis applied to social sciences
In search of a model of human dynamics analysis applied to social sciencesIn search of a model of human dynamics analysis applied to social sciences
In search of a model of human dynamics analysis applied to social sciences
 
Novos caminhos da inclusão digital: experiências do projeto +Telecentros
Novos caminhos da inclusão digital: experiências do projeto +TelecentrosNovos caminhos da inclusão digital: experiências do projeto +Telecentros
Novos caminhos da inclusão digital: experiências do projeto +Telecentros
 
Aula 01 introdução e conceitos básicos sobre gestão
Aula 01   introdução e conceitos básicos sobre gestãoAula 01   introdução e conceitos básicos sobre gestão
Aula 01 introdução e conceitos básicos sobre gestão
 
Apresentação Semana de Humanização da Saúde: uma visão quantitativa
Apresentação Semana de Humanização da Saúde: uma visão quantitativaApresentação Semana de Humanização da Saúde: uma visão quantitativa
Apresentação Semana de Humanização da Saúde: uma visão quantitativa
 
Design da Informação - Aula 04 - Imagens que informam - design, legendas e di...
Design da Informação - Aula 04 - Imagens que informam - design, legendas e di...Design da Informação - Aula 04 - Imagens que informam - design, legendas e di...
Design da Informação - Aula 04 - Imagens que informam - design, legendas e di...
 
Design da Informação - Aula 03 - Princípios do design de informação
Design da Informação - Aula 03 - Princípios do design de informaçãoDesign da Informação - Aula 03 - Princípios do design de informação
Design da Informação - Aula 03 - Princípios do design de informação
 
Aula 04 - Tópicos em Gestão da Informação Medidas de posição relativa
Aula 04 - Tópicos em Gestão da Informação Medidas de posição relativaAula 04 - Tópicos em Gestão da Informação Medidas de posição relativa
Aula 04 - Tópicos em Gestão da Informação Medidas de posição relativa
 
Aula 02 - Design da Informação - História e princípios do design de informação
Aula 02 - Design da Informação - História e princípios do design de informaçãoAula 02 - Design da Informação - História e princípios do design de informação
Aula 02 - Design da Informação - História e princípios do design de informação
 
Aula 03 - Identificando e tratando padrões
Aula 03 - Identificando e tratando padrõesAula 03 - Identificando e tratando padrões
Aula 03 - Identificando e tratando padrões
 
Aula 02 - Estatística da vida cotidiana
Aula 02 - Estatística da vida cotidianaAula 02 - Estatística da vida cotidiana
Aula 02 - Estatística da vida cotidiana
 
Tópicos em Gestão da Informação II - Aula 01 - Desafios atuais da Gestão da I...
Tópicos em Gestão da Informação II - Aula 01 - Desafios atuais da Gestão da I...Tópicos em Gestão da Informação II - Aula 01 - Desafios atuais da Gestão da I...
Tópicos em Gestão da Informação II - Aula 01 - Desafios atuais da Gestão da I...
 

Último

Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
soaresdesouzaamanda8
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 

Último (20)

Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 

Análise de redes sociais: novas oportunidades de geração de conhecimento na Web

  • 1. Análise de redes sociais: novas oportunidades de geração de conhecimento na WEB Prof. Dalton Martins dmartins@gmail.com FATEC – São Paulo 14º Congresso de Tecnologia da Fatec São Paulo Depto. de Tecnologia da Informação 17/10/2012
  • 2. Análise de redes sociais: novas oportunidades de geração de conhecimento na WEB Prof. Dalton Martins dmartins@gmail.com FATEC – São Paulo 14º Congresso de Tecnologia da Fatec São Paulo Depto. de Tecnologia da Informação 17/10/2012
  • 3. Redes, redes, redes... ● As redes estão hoje em dia praticamente por todos os lugares onde olhamos: – Rede elétrica; – Rede de esgoto; – Rede de celular; – Internet; – Rede de metrô, – Redes sociais; – Cadeia alimentar; – DNA, etc, etc, etc...
  • 4. O que são redes? ● As redes podem ser entendidas como um conjunto de objetos e suas relações. – Os objetos são os componentes ou partes da rede, são as unidades simples que iremos considerar como membros da rede. – Os atributos são as propriedades dos objetos. – As relações entre os objetos é o que dá coesão a rede como um todo.
  • 5. O que são redes sociais? ● os objetos são vistos como atores dentro da rede, sendo suas ações vistas como interdependentes, ao invés de unidades autônomas; ● as relações entre atores são canais para transferência ou fluxo de recursos, sejam eles materiais ou imateriais; ● modelos de rede evidenciam características individuais dos atores em relação ao ambiente da rede, explicitando oportunidades ou restrições para suas ações; ● modelos matemáticos e computacionais de rede conceitualizam estrutura e dinâmica (social, econômica, política, etc.) como emergentes do padrão de relação entre os atores.
  • 6. O que faz um analista de redes? ● Os analistas de redes tratam os sistemas sociais como redes de relações de dependência de recursos escassos localizados nos nós e a estrutura de alocação desses recursos nas conexões. ● Alguns analisam múltiplos tipos de conexão entre indivíduos de forma a estudar as formas complexas nas quais essas conexões conectam membros específicos do sistema social. ● Outros analisam poucos tipos de conexão em busca de estudar o padrão geral de um sistema social
  • 7. 6 princípios analíticos ● as conexões são assimetricamente recíprocas, diferindo em conteúdo e intensidade: uma conexão de amizade entre uma pessoa não significa que é correspondida pela outra; ● as conexões ligam membros direta e indiretamente, dado que podem ser analisadas em contextos de redes maiores: a análise de uma rede pode sempre ser expandida, dado que podemos ampliar o olhar e observar como as conexões de uma determinada camada se organizam em relação a outras camadas; ● a estrutura das conexões sociais cria redes não- aleatórias, formando grupos, fronteiras e conexões cruzadas com outras redes: as estruturas são determinadas e determinam uma rede, sendo que configuram atributos característicos, permitindo a comparação entre redes;
  • 8. 6 princípios analíticos ● conexões cruzadas conectam indivíduos mas também subgrupos: as conexões não são analisadas apenas entre indivíduos numa rede, mas também entre os grupos dos quais os indivíduos fazem parte; ● conexões assimétricas e redes complexas distribuem os escassos recursos de formas particulares: os recursos não fluem de forma aleatória, podendo ser identificados caminhos preferenciais, padrões de conexão e interação; ● redes estruturam ações colaborativas e competitivas na articulação dos recursos escassos: grupos e indivíduos podem competir e/ou colaborar em relação a distribuição dos recursos finitos.
  • 9. Dificuldades na análise de redes ● incompletude: dificilmente teremos sistemas de informação que registrem todas as relações sociais de interesse sobre um determinado contexto; ● limites imprecisos: a dificuldade de decidir quem deve ser incluído e quem não deve ser; ● dinâmica: essas redes não são estáticas, estando em contante mudança. Conseguir dados que registrem as séries históricas dessas mudanças torna-se um desafio a mais.
  • 10. Aplicações ● dinâmica humana; ● contágio social e de doenças; ● modelos de dinâmicas de sistemas; ● algoritmos de buscas de informações; ● sistemas robustos.
  • 11. Padrões dinâmicos: como as redes se formam
  • 12. Padrões dinâmicos: o papel dos hubs Redes aleatórias: conexões Redes de livre escala: mais distribuídas Centralização das conexões
  • 13. Padrões dinâmicos: mundo pequeno Poucas conexões servem para ampliar o potencial e alternativas de caminhos na rede.
  • 17. 6 princípios de organização das redes complexas ● redes de livre escala: muitos pequenos nós são agrupados e articulados por poucos grandes hubs; ● redes mundo-pequeno: caminhos de conexão pequenos entre dois nós quaisquer; ● evolução: os hubs emergem por crescimento da rede e conexões preferenciais; ● competição: nós com alto desempenho na articulação da rede se tornam hubs; ● robustez: a rede é resistente a ataques, pois há muitos caminhos que mantém a rede conectada se poucos nós desaparecem; ● comunidades: grupos terminam por formar estruturas hierárquicas.
  • 18. Exemplos: rede de um grupo facebook Azuis: mulheres Vermelho: homens
  • 19. Exemplos: educandos e tutores num ambiente de EAD
  • 21. Oportunidades ● Há muitos dados disponíveis na Internet para análise, permitindo mapearmos tendências, padrões e melhorarmos nosso entendimento da dinâmica de funcionamento dos sistemas humanos; ● Podemos ter muitas motivações para isso: – Melhoria e proposição de novos sistemas de ensino e aprendizagem; – Novas técnicas de avaliação de resultados em estratégias relacionais; – Melhor entendimento de como operam nossos grupos de trabalho e relacionamento, etc, etc, etc...
  • 22. Como estudar análise de redes? Aspectos técnicos ● Banco de dados: SQL e a estruturação de dados de sua análise em bancos facilitam a tarefa e o esforço envolvido na mineração ● Linguagem de scripts: nem sempre conseguimos os dados no formato que precisamos. Muitas vezes, é preciso mexer e transformar as relações com dados. Linguagens como Python, Perl e PHP podem ajudar muito. ● Planilhas: kit básico do analista. Facilitam gerar gráficos facilmente e calcular dados de base para avaliação do trabalho; ● Estatística: conhecimento fundamental para análise exploratória e testes de validação de hipóteses; ● Softwares de análise: há muitos softwares hoje em dia que podem ajudar no trabalho, facilitando muitos processos de forma automática. Ex: Gephi, Pajek, Netdraw, UCINET, Visone, etc....
  • 23. Como estudar análise de redes? Aspectos sociais ● Contexto: os dados nunca refletem uma verdade única sobre a rede. Eles sempre dependem do contexto em que analisamos. As posições estruturais e dinâmicas podem significar coisas em um contexto e coisas bem diferentes em outro contexto. ● Dinâmica: o modo como a rede se modifica, considerando o movimento dos nós e das conexões permite visualizar uma dinâmica social de relacionamento. Entender a motivação dessa dinâmica é fundamental para a análise. ● Análise: o analista não deve ser visto como o especialista em redes. Ele sabe analisar, mas o que aquilo significa é sempre interessante dialogar com as comunidades analisadas. Elas conhecem seu contexto e sua dinâmica melhor que ninguém.
  • 24. Obrigado! Contato: dmartins@gmail.com http://daltonmartins.blogspot.com