SlideShare uma empresa Scribd logo
O TEXTO NARRATIVO
ELEMENTOS DA NARRATIVA – QQQOQP?
ANALISE DA NARRATIVA
PRODUÇÃO DE TEXTO NARRATIVO
Eduardo E Mônica
Legião Urbana
Compositor: Renato Russo
Quem um dia irá dizer que existe razão
Nas coisas feitas pelo coração? E quem irá dizer
Que não existe razão?
Eduardo abriu os olhos mas não quis se levantar
Ficou deitado e viu que horas eram
Enquanto Mônica tomava um conhaque
No outro canto da cidade
Como eles disseram
Eduardo e Mônica um dia se encontraram sem
querer
E conversaram muito mesmo pra tentar se conhecer
Foi um carinha do cursinho do Eduardo que disse
- Tem uma festa legal e a gente quer se divertir
Festa estranha, com gente esquisita
- Eu não estou legal, não aguento mais birita
E a Mônica riu e quis saber um pouco mais
Sobre o boyzinho que tentava impressionar
E o Eduardo, meio tonto, só pensava em ir pra casa
- É quase duas, eu vou me ferrar
Eduardo e Mônica trocaram telefone
Depois telefonaram e decidiram se encontrar
O Eduardo sugeriu uma lanchonete
Mas a Mônica queria ver o filme do Godard
Se encontraram então no parque da cidade
A Mônica de moto e o Eduardo de camelo
O Eduardo achou estranho e melhor não comentar
Mas a menina tinha tinta no cabelo
Eduardo e Mônica eram nada parecidos
Ela era de Leão e ele tinha dezesseis
Ela fazia Medicina e falava alemão
E ele ainda nas aulinhas de inglês
Ela gostava do Bandeira e do Bauhaus
De Van Gogh e dos Mutantes
Do Caetano e de Rimbaud
E o Eduardo gostava de novela
E jogava futebol-de-botão com seu avô
Ela falava coisas sobre o Planalto Central
Também magia e meditação
E o Eduardo ainda estava
No esquema "escola, cinema, clube, televisão"
E, mesmo com tudo diferente
Veio mesmo, de repente
Uma vontade de se ver
E os dois se encontravam todo dia
E a vontade crescia
Como tinha de ser
Eduardo e Mônica fizeram natação, fotografia
Teatro e artesanato e foram viajar
A Mônica explicava pro Eduardo
Coisas sobre o céu, a terra, a água e o ar
Ele aprendeu a beber, deixou o cabelo crescer
E decidiu trabalhar
E ela se formou no mesmo mês
Em que ele passou no vestibular
E os dois comemoraram juntos
E também brigaram juntos, muitas vezes depois
E todo mundo diz que ele completa ela e vice-versa
Que nem feijão com arroz
Construíram uma casa uns dois anos atrás
Mais ou menos quando os gêmeos vieram
Batalharam grana e seguraram legal
A barra mais pesada que tiveram
Eduardo e Mônica voltaram pra Brasília
E a nossa amizade dá saudade no verão
Só que nessas férias não vão viajar
Porque o filhinho do Eduardo
Tá de recuperação
E quem um dia irá dizer que existe razão
Nas coisas feitas pelo coração? E quem irá dizer
Que não existe razão?
COLÉGIO ESTADUAL JOSÉ MALTA MAIA DATA____/___/2015
NOME_____________________________________________
PROFESSOR (A)_____________________________________
OFICINA DE LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS
Link: http://w w w.vagalume.com.br/legiao-urbana/eduardo-e-
monica.html#ixzz3aavhRSfl
ANALISE DA LETRA DA MÚSICA
01 O autor insinua que Eduardo seja preguiçoso e Indolente
02 Tenta dar uma imagem forte e charmosa à Mônica
03 Desenhar injustamente a personalidade de Eduardo de maneira frágil e imatura
04 O jovem Eduardo não está familiarizado com a rotina traiçoeira do álcool
05 O momento em que os dois protagonistas se encontraram
06 Fosse demonstra que ele não é realmente um playboy.
07 A verdade é que ela se sentiu bastante atraída pelo "boyzinho" e tentava impressionar
08 Em que demonstra a diferença real a força diferencial entre os dois
09 Vemos Mônica impor suas preferências, uma constante durante toda a letra, em oposição a uma
humilde proposta do afável Eduardo.
10 Utiliza o eufemismo para se referir suavemente à Mônica
11 O autor insiste em retratar Mônica como uma gênia sem par
12 Eduardo como alguém aquém, inferior.
14 As opções culturais dela
15 Eduardo é um exemplo de pessoa.
16 Demonstra que a “mulher” sim, era maturidade pura, antenada com a realidade.
17 Eduardo foi dominado pela cultura imposta por Mônica
18 1Eduardo creu que agir daquela forma o diferenciaria dos outros na sociedade e se igualar a menina.
19 Mostra que ela estava sempre à frente em tudo.
20 Demonstra sempre uma atitude preferencial em relação a menina, até mesmo em relação aos filhos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP06)
LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP06)LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP06)
LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP06)
GernciadeProduodeMat
 
LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LGG201)/ (GO-EMLGG201A)
LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LGG201)/ (GO-EMLGG201A)LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LGG201)/ (GO-EMLGG201A)
LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LGG201)/ (GO-EMLGG201A)
GernciadeProduodeMat
 
Atividade-9o-ano-LP-Charge-Regencia-verbal-.pdf
Atividade-9o-ano-LP-Charge-Regencia-verbal-.pdfAtividade-9o-ano-LP-Charge-Regencia-verbal-.pdf
Atividade-9o-ano-LP-Charge-Regencia-verbal-.pdf
DanielaMonteiro32311
 
LINGUAGENS E SUAS TECNOLOGIAS | 1ª SÉRIE | AULA 1
LINGUAGENS E SUAS TECNOLOGIAS | 1ª SÉRIE | AULA 1LINGUAGENS E SUAS TECNOLOGIAS | 1ª SÉRIE | AULA 1
LINGUAGENS E SUAS TECNOLOGIAS | 1ª SÉRIE | AULA 1
GernciadeProduodeMat
 
BALADÃO DOS DESCRITORES-1.pptx
BALADÃO DOS DESCRITORES-1.pptxBALADÃO DOS DESCRITORES-1.pptx
BALADÃO DOS DESCRITORES-1.pptx
ElaineOliveira199465
 
Atividade de português: Orações coordenadas sindéticas – 8º ou 9º ano ...
   Atividade de português: Orações coordenadas sindéticas – 8º ou 9º ano     ...   Atividade de português: Orações coordenadas sindéticas – 8º ou 9º ano     ...
Atividade de português: Orações coordenadas sindéticas – 8º ou 9º ano ...
Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino
 
Exercicios –-coesao-referencial
Exercicios –-coesao-referencialExercicios –-coesao-referencial
Exercicios –-coesao-referencial
Miriam599424
 
Atividade avaliativa 9º figuras de linguagem
Atividade avaliativa 9º figuras de linguagemAtividade avaliativa 9º figuras de linguagem
Atividade avaliativa 9º figuras de linguagem
Katiuscia Soares
 
Simulado 23 (l. p 3º ano) - blog do prof. warles (1)
Simulado 23 (l. p   3º ano) - blog do prof. warles (1)Simulado 23 (l. p   3º ano) - blog do prof. warles (1)
Simulado 23 (l. p 3º ano) - blog do prof. warles (1)
Roseli Aparecida Tavares
 
Atividades de Língua Portuguesa- Descritores
Atividades de Língua Portuguesa- DescritoresAtividades de Língua Portuguesa- Descritores
Atividades de Língua Portuguesa- Descritores
Marina Alessandra
 
Teatro para o dia das mães 3
Teatro para o dia das mães 3Teatro para o dia das mães 3
Teatro para o dia das mães 3
Vania Mendes
 
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aulaOralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
Denise Oliveira
 
Inferência
InferênciaInferência
Inferência
Marilia Teddy
 
Aprendi william shakespeare
Aprendi        william shakespeareAprendi        william shakespeare
Aprendi william shakespeare
Atividades Diversas Cláudia
 
BALADAO-DOS-DESCRITORES (1).pptx
BALADAO-DOS-DESCRITORES (1).pptxBALADAO-DOS-DESCRITORES (1).pptx
BALADAO-DOS-DESCRITORES (1).pptx
BIBIANAFERREIRA6
 
Modelo 2-plano-de-aula-9-ano
Modelo 2-plano-de-aula-9-anoModelo 2-plano-de-aula-9-ano
Modelo 2-plano-de-aula-9-ano
Thais Dias
 
Contos de terror proposta de redação
Contos de terror   proposta de redaçãoContos de terror   proposta de redação
Contos de terror proposta de redação
Kugera_tatsuki
 
Aula Divertida: Jogo dos Advérbios
Aula Divertida: Jogo dos AdvérbiosAula Divertida: Jogo dos Advérbios
Aula Divertida: Jogo dos Advérbios
Letras Mágicas
 
Completar texto narrativo
Completar texto narrativoCompletar texto narrativo
Completar texto narrativo
Cristina Marques
 
Avaliação 9º ano POP ART e DESIGN
Avaliação 9º ano POP ART e DESIGNAvaliação 9º ano POP ART e DESIGN
Avaliação 9º ano POP ART e DESIGN
Casiris Crescencio
 

Mais procurados (20)

LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP06)
LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP06)LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP06)
LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP06)
 
LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LGG201)/ (GO-EMLGG201A)
LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LGG201)/ (GO-EMLGG201A)LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LGG201)/ (GO-EMLGG201A)
LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LGG201)/ (GO-EMLGG201A)
 
Atividade-9o-ano-LP-Charge-Regencia-verbal-.pdf
Atividade-9o-ano-LP-Charge-Regencia-verbal-.pdfAtividade-9o-ano-LP-Charge-Regencia-verbal-.pdf
Atividade-9o-ano-LP-Charge-Regencia-verbal-.pdf
 
LINGUAGENS E SUAS TECNOLOGIAS | 1ª SÉRIE | AULA 1
LINGUAGENS E SUAS TECNOLOGIAS | 1ª SÉRIE | AULA 1LINGUAGENS E SUAS TECNOLOGIAS | 1ª SÉRIE | AULA 1
LINGUAGENS E SUAS TECNOLOGIAS | 1ª SÉRIE | AULA 1
 
BALADÃO DOS DESCRITORES-1.pptx
BALADÃO DOS DESCRITORES-1.pptxBALADÃO DOS DESCRITORES-1.pptx
BALADÃO DOS DESCRITORES-1.pptx
 
Atividade de português: Orações coordenadas sindéticas – 8º ou 9º ano ...
   Atividade de português: Orações coordenadas sindéticas – 8º ou 9º ano     ...   Atividade de português: Orações coordenadas sindéticas – 8º ou 9º ano     ...
Atividade de português: Orações coordenadas sindéticas – 8º ou 9º ano ...
 
Exercicios –-coesao-referencial
Exercicios –-coesao-referencialExercicios –-coesao-referencial
Exercicios –-coesao-referencial
 
Atividade avaliativa 9º figuras de linguagem
Atividade avaliativa 9º figuras de linguagemAtividade avaliativa 9º figuras de linguagem
Atividade avaliativa 9º figuras de linguagem
 
Simulado 23 (l. p 3º ano) - blog do prof. warles (1)
Simulado 23 (l. p   3º ano) - blog do prof. warles (1)Simulado 23 (l. p   3º ano) - blog do prof. warles (1)
Simulado 23 (l. p 3º ano) - blog do prof. warles (1)
 
Atividades de Língua Portuguesa- Descritores
Atividades de Língua Portuguesa- DescritoresAtividades de Língua Portuguesa- Descritores
Atividades de Língua Portuguesa- Descritores
 
Teatro para o dia das mães 3
Teatro para o dia das mães 3Teatro para o dia das mães 3
Teatro para o dia das mães 3
 
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aulaOralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
 
Inferência
InferênciaInferência
Inferência
 
Aprendi william shakespeare
Aprendi        william shakespeareAprendi        william shakespeare
Aprendi william shakespeare
 
BALADAO-DOS-DESCRITORES (1).pptx
BALADAO-DOS-DESCRITORES (1).pptxBALADAO-DOS-DESCRITORES (1).pptx
BALADAO-DOS-DESCRITORES (1).pptx
 
Modelo 2-plano-de-aula-9-ano
Modelo 2-plano-de-aula-9-anoModelo 2-plano-de-aula-9-ano
Modelo 2-plano-de-aula-9-ano
 
Contos de terror proposta de redação
Contos de terror   proposta de redaçãoContos de terror   proposta de redação
Contos de terror proposta de redação
 
Aula Divertida: Jogo dos Advérbios
Aula Divertida: Jogo dos AdvérbiosAula Divertida: Jogo dos Advérbios
Aula Divertida: Jogo dos Advérbios
 
Completar texto narrativo
Completar texto narrativoCompletar texto narrativo
Completar texto narrativo
 
Avaliação 9º ano POP ART e DESIGN
Avaliação 9º ano POP ART e DESIGNAvaliação 9º ano POP ART e DESIGN
Avaliação 9º ano POP ART e DESIGN
 

Destaque

A reportagem narrativa
A reportagem narrativaA reportagem narrativa
A reportagem narrativa
Artur Araujo
 
Texto narrativo o muro português
Texto narrativo o muro   portuguêsTexto narrativo o muro   português
Texto narrativo o muro português
antoniopedropinheiro
 
«Além as estrelas são a nossa casa» texto narrativo - português
«Além as estrelas são a nossa casa»   texto narrativo - português«Além as estrelas são a nossa casa»   texto narrativo - português
«Além as estrelas são a nossa casa» texto narrativo - português
antoniopedropinheiro
 
Tipologia Textual
Tipologia TextualTipologia Textual
Tipologia Textual
Sofia Mendes
 
Texto narrativo
Texto narrativoTexto narrativo
Texto narrativo
Exavier Blasini
 
Produção de texto-narração
Produção de texto-narraçãoProdução de texto-narração
Produção de texto-narração
thais miraglia
 
Roteiro para texto narrativo
Roteiro para texto narrativoRoteiro para texto narrativo
Roteiro para texto narrativo
JOSEETE
 
Sequencia didatica 7º ano + cronicas.docx 2
Sequencia didatica 7º ano + cronicas.docx 2Sequencia didatica 7º ano + cronicas.docx 2
Sequencia didatica 7º ano + cronicas.docx 2
Analita Dias
 
Síntese literatura tradicional
Síntese literatura tradicionalSíntese literatura tradicional
Síntese literatura tradicional
Fernanda Monteiro
 
Lp 9º ano
Lp 9º anoLp 9º ano
Lp 9º ano
Manuel Oliveira
 
Texto narrativo
Texto narrativoTexto narrativo
Texto narrativo
socorrolevy
 
Modos de Representação da Narrativa
Modos de Representação da NarrativaModos de Representação da Narrativa
Modos de Representação da Narrativa
nelsonalves70
 
Recursos expressivos com exercícios
Recursos expressivos com exercíciosRecursos expressivos com exercícios
Recursos expressivos com exercícios
Fernanda Monteiro
 
Estrutura do texto narrativo: ficha de trabalho
Estrutura do texto narrativo: ficha de trabalhoEstrutura do texto narrativo: ficha de trabalho
Estrutura do texto narrativo: ficha de trabalho
A. Simoes
 
O texto narrativo ppt
O texto narrativo pptO texto narrativo ppt
O texto narrativo ppt
Salomé Raposo
 
Categorias da narrativa
Categorias da narrativaCategorias da narrativa
Categorias da narrativa
Cristina Fontes
 
Ficha de avaliação texto narrativo 7
Ficha de avaliação   texto narrativo 7Ficha de avaliação   texto narrativo 7
Ficha de avaliação texto narrativo 7
Lúcia Martins
 
Estrutura Narrativa
Estrutura NarrativaEstrutura Narrativa
Estrutura Narrativa
Faell Vasconcelos
 
Texto narrativo
Texto narrativoTexto narrativo
Texto narrativo
Ana Arminda Moreira
 
Slides narração
Slides narraçãoSlides narração
Slides narração
blogdoalunocefa
 

Destaque (20)

A reportagem narrativa
A reportagem narrativaA reportagem narrativa
A reportagem narrativa
 
Texto narrativo o muro português
Texto narrativo o muro   portuguêsTexto narrativo o muro   português
Texto narrativo o muro português
 
«Além as estrelas são a nossa casa» texto narrativo - português
«Além as estrelas são a nossa casa»   texto narrativo - português«Além as estrelas são a nossa casa»   texto narrativo - português
«Além as estrelas são a nossa casa» texto narrativo - português
 
Tipologia Textual
Tipologia TextualTipologia Textual
Tipologia Textual
 
Texto narrativo
Texto narrativoTexto narrativo
Texto narrativo
 
Produção de texto-narração
Produção de texto-narraçãoProdução de texto-narração
Produção de texto-narração
 
Roteiro para texto narrativo
Roteiro para texto narrativoRoteiro para texto narrativo
Roteiro para texto narrativo
 
Sequencia didatica 7º ano + cronicas.docx 2
Sequencia didatica 7º ano + cronicas.docx 2Sequencia didatica 7º ano + cronicas.docx 2
Sequencia didatica 7º ano + cronicas.docx 2
 
Síntese literatura tradicional
Síntese literatura tradicionalSíntese literatura tradicional
Síntese literatura tradicional
 
Lp 9º ano
Lp 9º anoLp 9º ano
Lp 9º ano
 
Texto narrativo
Texto narrativoTexto narrativo
Texto narrativo
 
Modos de Representação da Narrativa
Modos de Representação da NarrativaModos de Representação da Narrativa
Modos de Representação da Narrativa
 
Recursos expressivos com exercícios
Recursos expressivos com exercíciosRecursos expressivos com exercícios
Recursos expressivos com exercícios
 
Estrutura do texto narrativo: ficha de trabalho
Estrutura do texto narrativo: ficha de trabalhoEstrutura do texto narrativo: ficha de trabalho
Estrutura do texto narrativo: ficha de trabalho
 
O texto narrativo ppt
O texto narrativo pptO texto narrativo ppt
O texto narrativo ppt
 
Categorias da narrativa
Categorias da narrativaCategorias da narrativa
Categorias da narrativa
 
Ficha de avaliação texto narrativo 7
Ficha de avaliação   texto narrativo 7Ficha de avaliação   texto narrativo 7
Ficha de avaliação texto narrativo 7
 
Estrutura Narrativa
Estrutura NarrativaEstrutura Narrativa
Estrutura Narrativa
 
Texto narrativo
Texto narrativoTexto narrativo
Texto narrativo
 
Slides narração
Slides narraçãoSlides narração
Slides narração
 

Semelhante a O texto narrativo

Eduardo e mônica
Eduardo e mônicaEduardo e mônica
Eduardo e mônica
Ana Paula
 
Eduardo e Mônica.docx
Eduardo e Mônica.docxEduardo e Mônica.docx
Eduardo e Mônica.docx
Ronie Peterson Denardi
 
Trabalho avaliativo de redação
Trabalho   avaliativo de redaçãoTrabalho   avaliativo de redação
Trabalho avaliativo de redação
Gisele dos Santos santos
 
Atividades complementares 6 série
Atividades complementares 6 sérieAtividades complementares 6 série
Atividades complementares 6 série
SHEILA MONTEIRO
 
Cheiro De Feijao, Estrelas E Sonhos
Cheiro De Feijao, Estrelas E SonhosCheiro De Feijao, Estrelas E Sonhos
Cheiro De Feijao, Estrelas E Sonhos
VVCX
 
Cheiro De Feijao
Cheiro De FeijaoCheiro De Feijao
Cheiro De Feijao
Top Cat
 
Eduardo e Mônica
Eduardo e MônicaEduardo e Mônica
Eduardo e Mônica
mariaclarete
 
Eduardo e monica
Eduardo e monicaEduardo e monica
Eduardo e monica
GabrielMarins5
 
Cheiro de feijao estrelas e sonhos
Cheiro de feijao estrelas e sonhosCheiro de feijao estrelas e sonhos
Cheiro de feijao estrelas e sonhos
Amadeu Wolff
 
Preposição
PreposiçãoPreposição
Preposição
Jaqueline Segalla
 

Semelhante a O texto narrativo (10)

Eduardo e mônica
Eduardo e mônicaEduardo e mônica
Eduardo e mônica
 
Eduardo e Mônica.docx
Eduardo e Mônica.docxEduardo e Mônica.docx
Eduardo e Mônica.docx
 
Trabalho avaliativo de redação
Trabalho   avaliativo de redaçãoTrabalho   avaliativo de redação
Trabalho avaliativo de redação
 
Atividades complementares 6 série
Atividades complementares 6 sérieAtividades complementares 6 série
Atividades complementares 6 série
 
Cheiro De Feijao, Estrelas E Sonhos
Cheiro De Feijao, Estrelas E SonhosCheiro De Feijao, Estrelas E Sonhos
Cheiro De Feijao, Estrelas E Sonhos
 
Cheiro De Feijao
Cheiro De FeijaoCheiro De Feijao
Cheiro De Feijao
 
Eduardo e Mônica
Eduardo e MônicaEduardo e Mônica
Eduardo e Mônica
 
Eduardo e monica
Eduardo e monicaEduardo e monica
Eduardo e monica
 
Cheiro de feijao estrelas e sonhos
Cheiro de feijao estrelas e sonhosCheiro de feijao estrelas e sonhos
Cheiro de feijao estrelas e sonhos
 
Preposição
PreposiçãoPreposição
Preposição
 

O texto narrativo

  • 1. O TEXTO NARRATIVO ELEMENTOS DA NARRATIVA – QQQOQP? ANALISE DA NARRATIVA PRODUÇÃO DE TEXTO NARRATIVO Eduardo E Mônica Legião Urbana Compositor: Renato Russo Quem um dia irá dizer que existe razão Nas coisas feitas pelo coração? E quem irá dizer Que não existe razão? Eduardo abriu os olhos mas não quis se levantar Ficou deitado e viu que horas eram Enquanto Mônica tomava um conhaque No outro canto da cidade Como eles disseram Eduardo e Mônica um dia se encontraram sem querer E conversaram muito mesmo pra tentar se conhecer Foi um carinha do cursinho do Eduardo que disse - Tem uma festa legal e a gente quer se divertir Festa estranha, com gente esquisita - Eu não estou legal, não aguento mais birita E a Mônica riu e quis saber um pouco mais Sobre o boyzinho que tentava impressionar E o Eduardo, meio tonto, só pensava em ir pra casa - É quase duas, eu vou me ferrar Eduardo e Mônica trocaram telefone Depois telefonaram e decidiram se encontrar O Eduardo sugeriu uma lanchonete Mas a Mônica queria ver o filme do Godard Se encontraram então no parque da cidade A Mônica de moto e o Eduardo de camelo O Eduardo achou estranho e melhor não comentar Mas a menina tinha tinta no cabelo Eduardo e Mônica eram nada parecidos Ela era de Leão e ele tinha dezesseis Ela fazia Medicina e falava alemão E ele ainda nas aulinhas de inglês Ela gostava do Bandeira e do Bauhaus De Van Gogh e dos Mutantes Do Caetano e de Rimbaud E o Eduardo gostava de novela E jogava futebol-de-botão com seu avô Ela falava coisas sobre o Planalto Central Também magia e meditação E o Eduardo ainda estava No esquema "escola, cinema, clube, televisão" E, mesmo com tudo diferente Veio mesmo, de repente Uma vontade de se ver E os dois se encontravam todo dia E a vontade crescia Como tinha de ser Eduardo e Mônica fizeram natação, fotografia Teatro e artesanato e foram viajar A Mônica explicava pro Eduardo Coisas sobre o céu, a terra, a água e o ar Ele aprendeu a beber, deixou o cabelo crescer E decidiu trabalhar E ela se formou no mesmo mês Em que ele passou no vestibular E os dois comemoraram juntos E também brigaram juntos, muitas vezes depois E todo mundo diz que ele completa ela e vice-versa Que nem feijão com arroz Construíram uma casa uns dois anos atrás Mais ou menos quando os gêmeos vieram Batalharam grana e seguraram legal A barra mais pesada que tiveram Eduardo e Mônica voltaram pra Brasília E a nossa amizade dá saudade no verão Só que nessas férias não vão viajar Porque o filhinho do Eduardo Tá de recuperação E quem um dia irá dizer que existe razão Nas coisas feitas pelo coração? E quem irá dizer Que não existe razão? COLÉGIO ESTADUAL JOSÉ MALTA MAIA DATA____/___/2015 NOME_____________________________________________ PROFESSOR (A)_____________________________________ OFICINA DE LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS
  • 2. Link: http://w w w.vagalume.com.br/legiao-urbana/eduardo-e- monica.html#ixzz3aavhRSfl ANALISE DA LETRA DA MÚSICA 01 O autor insinua que Eduardo seja preguiçoso e Indolente 02 Tenta dar uma imagem forte e charmosa à Mônica 03 Desenhar injustamente a personalidade de Eduardo de maneira frágil e imatura 04 O jovem Eduardo não está familiarizado com a rotina traiçoeira do álcool 05 O momento em que os dois protagonistas se encontraram 06 Fosse demonstra que ele não é realmente um playboy. 07 A verdade é que ela se sentiu bastante atraída pelo "boyzinho" e tentava impressionar 08 Em que demonstra a diferença real a força diferencial entre os dois 09 Vemos Mônica impor suas preferências, uma constante durante toda a letra, em oposição a uma humilde proposta do afável Eduardo. 10 Utiliza o eufemismo para se referir suavemente à Mônica 11 O autor insiste em retratar Mônica como uma gênia sem par 12 Eduardo como alguém aquém, inferior. 14 As opções culturais dela 15 Eduardo é um exemplo de pessoa. 16 Demonstra que a “mulher” sim, era maturidade pura, antenada com a realidade. 17 Eduardo foi dominado pela cultura imposta por Mônica 18 1Eduardo creu que agir daquela forma o diferenciaria dos outros na sociedade e se igualar a menina. 19 Mostra que ela estava sempre à frente em tudo. 20 Demonstra sempre uma atitude preferencial em relação a menina, até mesmo em relação aos filhos.