SlideShare uma empresa Scribd logo
“Quanto eu chorei por teus hinos e
cânticos, aos suaves acentos das vozes
de tua Igreja, que me penetravam de vivas
emoções”
(Santo Agostinho, Confissões)
A música, pela suavidade da melodia, pela
harmonia dos acordes e dos arranjos
instrumentais, pela beleza dos solos, pelo
empolgamento dos coros, encanta. (...)
Por força dos sons e do ritmo, ela provoca
a participação, ao mesmo tempo, em
termos de emoção, de animação e de
unanimidade, ajustando-nos e nos
projetando na imensidão do mistério de
Deus, no seio da Trindade-comunhão, em
Jesus Cristo, cuja presença evoca com
peculiar eficácia”
(Doc. 43, sobre a animação da Música Litúrgica
no Brasil)
De origem nômade o povo de Israel é resultado de
uma encruzilhada de culturas e civilizações. Os
primeiros patriarcas conviveram desde a Babilônia –
hoje região correspondente ao Iraque – ao Egito. Em
seguida experimentaram a terra prometida, pouco
maior que o atual Estado de Israel, perpassando pelo
exílio de babilônico de Nabucodonosor até
reingressar a terra atual.
Neste longo espaço de tempo muitas culturas
influenciaram o povo de Israel: babilônicos, assírios,
egípcios, persas, fenícios, gregos e romanos. E foi em
meio a esse entrelaçamento cultural que este povo teve
seu desenvolvimento litúrgico, formando uma
identidade musical que tem nos Salmos e Cânticos a
maior representatividade.
Na tradição litúrgica do povo de
Israel, os músicos são
descendentes da tribo de Levi.
Os levitas músicos eram
encarregados do canto e de
tocar os instrumentos. Para
serem admitidos a esse ofício
litúrgico, os candidatos
passavam por uma dupla prova
acerca de suas aptidões
musicais e sobre a pureza de
origem, embora, na prática,
fossem considerados como
classe inferior. Os grupos eram
tradicionalmente constituídos
por famílias. Tinham um
primeiro chefe de música que
organizava o serviço de sua
secção no culto e um mestre
do coro que dirigia a salmodia e
dava a entrada aos
Cântico de Moisés e Miriam
(Ex 15);
o livro do Cântico dos
Cânticos;
os Salmos de Davi e
Salomão;
Magnificat;
o Benedictus;
Nunc Dimittis;
os hinos apostólicos cuja
centralidade é o Cristo.
O canto torna-se um instrumento que
conduz uma intercomunicação do fiel
com o transcendente.
O surgimento do canto litúrgico
na época dos Santos Padres
Para os Santos Padres o canto
contribui pedagogicamente tanto para o
processo de conversão quanto à cura
física e espiritual.
Esta práxis pedagógica foi relevante para o
surgimento do primeiro ensaio de pastoral
da música litúrgica, efetuado já nos
séculos IV-V por Ambrósio de Milão e seu
discípulo Agostinho de Hipona. O primeiro,
após uma rica experiência espiritual no
Oriente, introduziu no Ocidente um novo
estilo de entoação dos salmos, mais vivo e
dinâmico, feito alternadamente por versos
entre os dois coros da assembleia.
Entretanto, foi o
próprio Agostinho o
propagador do canto
litúrgico popular. Ele
não apenas
incentivou o povo a
cantar, mas também
sabia escutar e
apreciar, fazendo
inúmeros
comentários a
respeito dos Salmos
nos quais enfatizava
o canto como uma
via para a edificação
Neste período em que viveu Agostinho
(séc. IV e V) a comunidade cristã alcançou
o ápice da organização ministerial em
relação às assembleias, brotando o
chamado pluralismo litúrgico-musical e,
provavelmente, as Scholae Cantorum .
Surgem ainda nesta diversidade os rituais
dos Sacramentos, o Ofício Divino, o Ano
Litúrgico e, consequentemente, a introdução
O que foi a Scholae
Cantorum?
Foi uma Escola
inicialmente formada por
clérigos, incluindo em suas
fileiras o “cantor” e um ou
mais solistas. Foi fundada
por Gregório Magno na
Basílica de São Pedro, em
Roma, no século VI. Além
do canto e da música, os
cantores estudavam a
gramática e outras artes
necessárias à
compreensão do texto
O canto na época Medieval
A romanização da Igreja e da Liturgia
trouxe grande organização e
aperfeiçoamento tanto no rito como no
espaço litúrgico.
Na época de Gregório Magno, as Scholae
Cantorum tornaram-se mais aprimoradas,
alcançando o seu ápice. Situadas entre o povo
e o presbitério eram formadas de mestres
altamente capacitados na área do canto que
executavam melodias ricas e complexas. Era o
surgimento do canto gregoriano ou “canto
chão”, também denominado de monódico. Este
era o canto da Urbe, próprio dos ambientes
romanos e seus especialistas comumente eram
monges e clérigos.
Curiosamente, entre os
séculos V-VIII onde o
canto gregoriano
adquiriu maior relevo,
gradativamente os
demais estilos foram
perdendo sua força, com
exceção do canto
ambrosiano, que
permaneceu vivo na
tradição. O canto chão
tornou-se oficial no
âmbito eclesial, sendo
considerado o modelo
supremo da música
sacra, ou o mais perfeito
grau na expressão da
Posteriormente, surge a
Polifonia ou canto polifônico.
Ao contrário do canto chão,
esta “privilegia uma arte
refinada na mistura dos
timbres e harmonias,
tornando as músicas mais
estéticas que litúrgicas”
(CNBB, 2002, p. 60). Foi
neste contexto que no
século XI apareceu à figura
do monge Guido d’Arezzo.
Homem de espetacular
inteligência, a partir de um
hino dedicado a São João
Batista, elaborou as escalas,
a tonalização e as pautas
musicais, tais como temos
hoje.
O Concílio de Trento em
detrimento do perigo da
Reforma Protestante
buscou salvaguardar a
tradição litúrgica, fazendo
as devidas reformas,
especialmente, no que diz
respeito à doutrina dos
Sacramentos.
No campo da música
ritual, constata-se
uma forte influência
da arte barroca como
uma atmosfera de
triunfo e de festa,
com exuberância
pontifical de chefes
de coro e organistas,
destacando-se mais
que o próprio
presidente da
celebração. O órgão
torna-se um
instrumento rei,
sendo concorrente
até mesmo do altar
(cf. CNBB, 2002, p. 61).
no século XVIII a Igreja começa a sentir
um anseio de maior participação
comunitária. Grande era a insatisfação.
Surge então o Sínodo de Pistóia (1786)
com o propósito de reformar alguns
pontos, dentre os quais a participação dos
fiéis e no referente a música, melodias
mais simples e adequadas à linguagem
popular.
O Movimento Litúrgico
A reforma de Guéranger na abadia
beneditina de Solesmes fez eclodir o
Movimento Litúrgico, fundamentalmente
importante para uma abertura litúrgica
mais eficaz e participativa, levando os fiéis
a alimentarem melhor a própria vida
espiritual.
No Brasil este
movimento
chegou através de
grupos
provenientes da
Ação Católica em
1933. Contudo,
não teve êxito
entre as camadas
populares,
restringindo-se
aos seminários,
mosteiros e à
própria Ação
católica.
Se o movimento litúrgico foi
a febre eclesial, o Vaticano II
foi a grande revolução.
A constituição dogmática
Sacrossanctum Concílium
não apenas renovou a
liturgia, mas também tornou
dinâmica e participativa,
especialmente em relação
ao rito que ao ser traduzido
para a língua vernácula, fez
da assembléia não uma
mera espectadora, mas
também parte integrante e
essencial da celebração do
Mistério Pascal.
Outro aspecto relevante foi a compreensão
do canto e da música como uma vivência
simbólica da experiência da fé do Povo de
Deus. Ambos são símbolos importantes do
mistério de Cristo e da Igreja e não meros
ornamentos exteriores.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Manual secretario-
Manual secretario-Manual secretario-
Manual secretario-
aquinomarisa
 
CNBB DOC 43 ANIMAÇÃO DA VIDA LITÚRGICA NO BRASIL
CNBB DOC 43 ANIMAÇÃO DA VIDA LITÚRGICA NO BRASILCNBB DOC 43 ANIMAÇÃO DA VIDA LITÚRGICA NO BRASIL
CNBB DOC 43 ANIMAÇÃO DA VIDA LITÚRGICA NO BRASIL
José Vieira Dos Santos
 
Os sacramentos em nossa vida
Os sacramentos em nossa vidaOs sacramentos em nossa vida
Os sacramentos em nossa vida
Juliana Cristina M. Muniz
 
Encontro sobre o Dízimo
Encontro sobre o DízimoEncontro sobre o Dízimo
Encontro sobre o Dízimo
Marcio Antonio Ferreira
 
Os 7 Sacramentos Católicos
Os 7 Sacramentos CatólicosOs 7 Sacramentos Católicos
Os 7 Sacramentos Católicos
Adalberto Queiroz
 
Texto 10 plano de ação pastoral - exemplo
Texto 10   plano de ação pastoral - exemploTexto 10   plano de ação pastoral - exemplo
Texto 10 plano de ação pastoral - exemplo
Paulo Dias Nogueira
 
Liturgia e Catequese 16x9.ppt
Liturgia e Catequese 16x9.pptLiturgia e Catequese 16x9.ppt
Liturgia e Catequese 16x9.ppt
Nuno Melo
 
Invocacao aos Dons do Espírito Santo
Invocacao aos Dons do Espírito SantoInvocacao aos Dons do Espírito Santo
Invocacao aos Dons do Espírito Santo
Presentepravoce SOS
 
Estudo teológico sobre o Credo Apostólico
Estudo teológico sobre o Credo ApostólicoEstudo teológico sobre o Credo Apostólico
Estudo teológico sobre o Credo Apostólico
Alberto Simonton
 
VIVÊNCIA LITÚRGICA PARTE I
VIVÊNCIA LITÚRGICA PARTE I VIVÊNCIA LITÚRGICA PARTE I
VIVÊNCIA LITÚRGICA PARTE I
José Luiz Silva Pinto
 
30 erros que o ministro de louvor não pode cometer
30 erros que o ministro de louvor não pode cometer30 erros que o ministro de louvor não pode cometer
30 erros que o ministro de louvor não pode cometer
Sheivison Pereira Silva
 
A música litúrgica formação
A música litúrgica formaçãoA música litúrgica formação
A música litúrgica formação
mbsilva1971
 
Ano liturgico
Ano liturgicoAno liturgico
Ano liturgico
Jean
 
Apostila do novo testamento
Apostila do novo testamentoApostila do novo testamento
Apostila do novo testamento
HALAINDELON PEREIRA
 
A igreja Presbiteriana e a Maçonaria
A igreja Presbiteriana e a MaçonariaA igreja Presbiteriana e a Maçonaria
A igreja Presbiteriana e a Maçonaria
Biblioteca Virtual
 
Bênção do presépio
Bênção do presépioBênção do presépio
Bênção do presépio
Francisco Rodrigues
 
Introdução Bíblica
Introdução BíblicaIntrodução Bíblica
Introdução Bíblica
Pastoral da Juventude
 
Celebração eucarística ( santa missa)1
Celebração eucarística ( santa missa)1Celebração eucarística ( santa missa)1
Celebração eucarística ( santa missa)1
Caroline Lopes
 
Formação para leitores e salmistas
Formação para leitores e salmistasFormação para leitores e salmistas
Formação para leitores e salmistas
pascomichu
 
Formação batismo pais e padrinhos Católicos
Formação batismo pais e padrinhos Católicos Formação batismo pais e padrinhos Católicos
Formação batismo pais e padrinhos Católicos
Rodrigo F Menegatti
 

Mais procurados (20)

Manual secretario-
Manual secretario-Manual secretario-
Manual secretario-
 
CNBB DOC 43 ANIMAÇÃO DA VIDA LITÚRGICA NO BRASIL
CNBB DOC 43 ANIMAÇÃO DA VIDA LITÚRGICA NO BRASILCNBB DOC 43 ANIMAÇÃO DA VIDA LITÚRGICA NO BRASIL
CNBB DOC 43 ANIMAÇÃO DA VIDA LITÚRGICA NO BRASIL
 
Os sacramentos em nossa vida
Os sacramentos em nossa vidaOs sacramentos em nossa vida
Os sacramentos em nossa vida
 
Encontro sobre o Dízimo
Encontro sobre o DízimoEncontro sobre o Dízimo
Encontro sobre o Dízimo
 
Os 7 Sacramentos Católicos
Os 7 Sacramentos CatólicosOs 7 Sacramentos Católicos
Os 7 Sacramentos Católicos
 
Texto 10 plano de ação pastoral - exemplo
Texto 10   plano de ação pastoral - exemploTexto 10   plano de ação pastoral - exemplo
Texto 10 plano de ação pastoral - exemplo
 
Liturgia e Catequese 16x9.ppt
Liturgia e Catequese 16x9.pptLiturgia e Catequese 16x9.ppt
Liturgia e Catequese 16x9.ppt
 
Invocacao aos Dons do Espírito Santo
Invocacao aos Dons do Espírito SantoInvocacao aos Dons do Espírito Santo
Invocacao aos Dons do Espírito Santo
 
Estudo teológico sobre o Credo Apostólico
Estudo teológico sobre o Credo ApostólicoEstudo teológico sobre o Credo Apostólico
Estudo teológico sobre o Credo Apostólico
 
VIVÊNCIA LITÚRGICA PARTE I
VIVÊNCIA LITÚRGICA PARTE I VIVÊNCIA LITÚRGICA PARTE I
VIVÊNCIA LITÚRGICA PARTE I
 
30 erros que o ministro de louvor não pode cometer
30 erros que o ministro de louvor não pode cometer30 erros que o ministro de louvor não pode cometer
30 erros que o ministro de louvor não pode cometer
 
A música litúrgica formação
A música litúrgica formaçãoA música litúrgica formação
A música litúrgica formação
 
Ano liturgico
Ano liturgicoAno liturgico
Ano liturgico
 
Apostila do novo testamento
Apostila do novo testamentoApostila do novo testamento
Apostila do novo testamento
 
A igreja Presbiteriana e a Maçonaria
A igreja Presbiteriana e a MaçonariaA igreja Presbiteriana e a Maçonaria
A igreja Presbiteriana e a Maçonaria
 
Bênção do presépio
Bênção do presépioBênção do presépio
Bênção do presépio
 
Introdução Bíblica
Introdução BíblicaIntrodução Bíblica
Introdução Bíblica
 
Celebração eucarística ( santa missa)1
Celebração eucarística ( santa missa)1Celebração eucarística ( santa missa)1
Celebração eucarística ( santa missa)1
 
Formação para leitores e salmistas
Formação para leitores e salmistasFormação para leitores e salmistas
Formação para leitores e salmistas
 
Formação batismo pais e padrinhos Católicos
Formação batismo pais e padrinhos Católicos Formação batismo pais e padrinhos Católicos
Formação batismo pais e padrinhos Católicos
 

Semelhante a O canto-e-a-evolução-litúrgica

Musica Liturgica
Musica LiturgicaMusica Liturgica
Musica Liturgica
Daniel Linhares
 
História da Música I: aula inaugural
História da Música I:   aula inauguralHistória da Música I:   aula inaugural
História da Música I: aula inaugural
Leonardo Brum
 
Liturgia
LiturgiaLiturgia
Liturgia
Alvaro Nortok
 
História da Música
História da MúsicaHistória da Música
História da Música
BE/CRE
 
História da Música
História da MúsicaHistória da Música
História da Música
be23ceb
 
Forma Musical Missa
Forma Musical MissaForma Musical Missa
Forma Musical Missa
Rique1590
 
W ir música_e_canto_litúrgica
W ir música_e_canto_litúrgicaW ir música_e_canto_litúrgica
W ir música_e_canto_litúrgica
lccoletta
 
canto-e-musica-pos-conciliar-0091737.pdf.pdf
canto-e-musica-pos-conciliar-0091737.pdf.pdfcanto-e-musica-pos-conciliar-0091737.pdf.pdf
canto-e-musica-pos-conciliar-0091737.pdf.pdf
João Lourenço
 
Canto e música na liturgia
Canto e música na liturgiaCanto e música na liturgia
Canto e música na liturgia
Michel de Assis e Silva
 
Liturgia iii
Liturgia iiiLiturgia iii
Liturgia iii
Alvaro Nortok
 
Musica e liturgia
Musica e liturgiaMusica e liturgia
Musica e liturgia
Blog VALDERI
 
A atividade musical evangelica no brasil
A atividade musical evangelica no brasilA atividade musical evangelica no brasil
A atividade musical evangelica no brasil
leniogravacoes
 
História da música
História da músicaHistória da música
História da música
Meire Falco
 
A música na Idade Média, por Marcos Filho
A música na Idade Média, por Marcos FilhoA música na Idade Média, por Marcos Filho
A música na Idade Média, por Marcos Filho
Marcos Filho
 
A História da Música
A História da MúsicaA História da Música
A História da Música
Meire Falco
 
Música mais um pouco de história
Música   mais um pouco de históriaMúsica   mais um pouco de história
Música mais um pouco de história
Dimithry Sousa
 
Artes1
Artes1Artes1
Artes1
_aline123456
 
Como escolher musicas para Missa corretamente
Como escolher musicas para Missa corretamenteComo escolher musicas para Missa corretamente
Como escolher musicas para Missa corretamente
Orlando Frohlicki
 
Música pastoral
Música pastoralMúsica pastoral
Música pastoral
João Pereira
 
Canto liturgico
Canto liturgicoCanto liturgico
Canto liturgico
Douglas Sandy Bonafé
 

Semelhante a O canto-e-a-evolução-litúrgica (20)

Musica Liturgica
Musica LiturgicaMusica Liturgica
Musica Liturgica
 
História da Música I: aula inaugural
História da Música I:   aula inauguralHistória da Música I:   aula inaugural
História da Música I: aula inaugural
 
Liturgia
LiturgiaLiturgia
Liturgia
 
História da Música
História da MúsicaHistória da Música
História da Música
 
História da Música
História da MúsicaHistória da Música
História da Música
 
Forma Musical Missa
Forma Musical MissaForma Musical Missa
Forma Musical Missa
 
W ir música_e_canto_litúrgica
W ir música_e_canto_litúrgicaW ir música_e_canto_litúrgica
W ir música_e_canto_litúrgica
 
canto-e-musica-pos-conciliar-0091737.pdf.pdf
canto-e-musica-pos-conciliar-0091737.pdf.pdfcanto-e-musica-pos-conciliar-0091737.pdf.pdf
canto-e-musica-pos-conciliar-0091737.pdf.pdf
 
Canto e música na liturgia
Canto e música na liturgiaCanto e música na liturgia
Canto e música na liturgia
 
Liturgia iii
Liturgia iiiLiturgia iii
Liturgia iii
 
Musica e liturgia
Musica e liturgiaMusica e liturgia
Musica e liturgia
 
A atividade musical evangelica no brasil
A atividade musical evangelica no brasilA atividade musical evangelica no brasil
A atividade musical evangelica no brasil
 
História da música
História da músicaHistória da música
História da música
 
A música na Idade Média, por Marcos Filho
A música na Idade Média, por Marcos FilhoA música na Idade Média, por Marcos Filho
A música na Idade Média, por Marcos Filho
 
A História da Música
A História da MúsicaA História da Música
A História da Música
 
Música mais um pouco de história
Música   mais um pouco de históriaMúsica   mais um pouco de história
Música mais um pouco de história
 
Artes1
Artes1Artes1
Artes1
 
Como escolher musicas para Missa corretamente
Como escolher musicas para Missa corretamenteComo escolher musicas para Missa corretamente
Como escolher musicas para Missa corretamente
 
Música pastoral
Música pastoralMúsica pastoral
Música pastoral
 
Canto liturgico
Canto liturgicoCanto liturgico
Canto liturgico
 

O canto-e-a-evolução-litúrgica

  • 1.
  • 2. “Quanto eu chorei por teus hinos e cânticos, aos suaves acentos das vozes de tua Igreja, que me penetravam de vivas emoções” (Santo Agostinho, Confissões)
  • 3. A música, pela suavidade da melodia, pela harmonia dos acordes e dos arranjos instrumentais, pela beleza dos solos, pelo empolgamento dos coros, encanta. (...) Por força dos sons e do ritmo, ela provoca a participação, ao mesmo tempo, em termos de emoção, de animação e de unanimidade, ajustando-nos e nos projetando na imensidão do mistério de Deus, no seio da Trindade-comunhão, em Jesus Cristo, cuja presença evoca com peculiar eficácia” (Doc. 43, sobre a animação da Música Litúrgica no Brasil)
  • 4. De origem nômade o povo de Israel é resultado de uma encruzilhada de culturas e civilizações. Os primeiros patriarcas conviveram desde a Babilônia – hoje região correspondente ao Iraque – ao Egito. Em seguida experimentaram a terra prometida, pouco maior que o atual Estado de Israel, perpassando pelo exílio de babilônico de Nabucodonosor até reingressar a terra atual.
  • 5. Neste longo espaço de tempo muitas culturas influenciaram o povo de Israel: babilônicos, assírios, egípcios, persas, fenícios, gregos e romanos. E foi em meio a esse entrelaçamento cultural que este povo teve seu desenvolvimento litúrgico, formando uma identidade musical que tem nos Salmos e Cânticos a maior representatividade.
  • 6. Na tradição litúrgica do povo de Israel, os músicos são descendentes da tribo de Levi. Os levitas músicos eram encarregados do canto e de tocar os instrumentos. Para serem admitidos a esse ofício litúrgico, os candidatos passavam por uma dupla prova acerca de suas aptidões musicais e sobre a pureza de origem, embora, na prática, fossem considerados como classe inferior. Os grupos eram tradicionalmente constituídos por famílias. Tinham um primeiro chefe de música que organizava o serviço de sua secção no culto e um mestre do coro que dirigia a salmodia e dava a entrada aos
  • 7. Cântico de Moisés e Miriam (Ex 15); o livro do Cântico dos Cânticos; os Salmos de Davi e Salomão; Magnificat; o Benedictus; Nunc Dimittis; os hinos apostólicos cuja centralidade é o Cristo.
  • 8. O canto torna-se um instrumento que conduz uma intercomunicação do fiel com o transcendente.
  • 9. O surgimento do canto litúrgico na época dos Santos Padres Para os Santos Padres o canto contribui pedagogicamente tanto para o processo de conversão quanto à cura física e espiritual.
  • 10. Esta práxis pedagógica foi relevante para o surgimento do primeiro ensaio de pastoral da música litúrgica, efetuado já nos séculos IV-V por Ambrósio de Milão e seu discípulo Agostinho de Hipona. O primeiro, após uma rica experiência espiritual no Oriente, introduziu no Ocidente um novo estilo de entoação dos salmos, mais vivo e dinâmico, feito alternadamente por versos entre os dois coros da assembleia.
  • 11. Entretanto, foi o próprio Agostinho o propagador do canto litúrgico popular. Ele não apenas incentivou o povo a cantar, mas também sabia escutar e apreciar, fazendo inúmeros comentários a respeito dos Salmos nos quais enfatizava o canto como uma via para a edificação
  • 12. Neste período em que viveu Agostinho (séc. IV e V) a comunidade cristã alcançou o ápice da organização ministerial em relação às assembleias, brotando o chamado pluralismo litúrgico-musical e, provavelmente, as Scholae Cantorum . Surgem ainda nesta diversidade os rituais dos Sacramentos, o Ofício Divino, o Ano Litúrgico e, consequentemente, a introdução
  • 13. O que foi a Scholae Cantorum? Foi uma Escola inicialmente formada por clérigos, incluindo em suas fileiras o “cantor” e um ou mais solistas. Foi fundada por Gregório Magno na Basílica de São Pedro, em Roma, no século VI. Além do canto e da música, os cantores estudavam a gramática e outras artes necessárias à compreensão do texto
  • 14. O canto na época Medieval A romanização da Igreja e da Liturgia trouxe grande organização e aperfeiçoamento tanto no rito como no espaço litúrgico.
  • 15. Na época de Gregório Magno, as Scholae Cantorum tornaram-se mais aprimoradas, alcançando o seu ápice. Situadas entre o povo e o presbitério eram formadas de mestres altamente capacitados na área do canto que executavam melodias ricas e complexas. Era o surgimento do canto gregoriano ou “canto chão”, também denominado de monódico. Este era o canto da Urbe, próprio dos ambientes romanos e seus especialistas comumente eram monges e clérigos.
  • 16. Curiosamente, entre os séculos V-VIII onde o canto gregoriano adquiriu maior relevo, gradativamente os demais estilos foram perdendo sua força, com exceção do canto ambrosiano, que permaneceu vivo na tradição. O canto chão tornou-se oficial no âmbito eclesial, sendo considerado o modelo supremo da música sacra, ou o mais perfeito grau na expressão da
  • 17. Posteriormente, surge a Polifonia ou canto polifônico. Ao contrário do canto chão, esta “privilegia uma arte refinada na mistura dos timbres e harmonias, tornando as músicas mais estéticas que litúrgicas” (CNBB, 2002, p. 60). Foi neste contexto que no século XI apareceu à figura do monge Guido d’Arezzo. Homem de espetacular inteligência, a partir de um hino dedicado a São João Batista, elaborou as escalas, a tonalização e as pautas musicais, tais como temos hoje.
  • 18. O Concílio de Trento em detrimento do perigo da Reforma Protestante buscou salvaguardar a tradição litúrgica, fazendo as devidas reformas, especialmente, no que diz respeito à doutrina dos Sacramentos.
  • 19. No campo da música ritual, constata-se uma forte influência da arte barroca como uma atmosfera de triunfo e de festa, com exuberância pontifical de chefes de coro e organistas, destacando-se mais que o próprio presidente da celebração. O órgão torna-se um instrumento rei, sendo concorrente até mesmo do altar (cf. CNBB, 2002, p. 61).
  • 20. no século XVIII a Igreja começa a sentir um anseio de maior participação comunitária. Grande era a insatisfação. Surge então o Sínodo de Pistóia (1786) com o propósito de reformar alguns pontos, dentre os quais a participação dos fiéis e no referente a música, melodias mais simples e adequadas à linguagem popular.
  • 21. O Movimento Litúrgico A reforma de Guéranger na abadia beneditina de Solesmes fez eclodir o Movimento Litúrgico, fundamentalmente importante para uma abertura litúrgica mais eficaz e participativa, levando os fiéis a alimentarem melhor a própria vida espiritual.
  • 22. No Brasil este movimento chegou através de grupos provenientes da Ação Católica em 1933. Contudo, não teve êxito entre as camadas populares, restringindo-se aos seminários, mosteiros e à própria Ação católica.
  • 23. Se o movimento litúrgico foi a febre eclesial, o Vaticano II foi a grande revolução. A constituição dogmática Sacrossanctum Concílium não apenas renovou a liturgia, mas também tornou dinâmica e participativa, especialmente em relação ao rito que ao ser traduzido para a língua vernácula, fez da assembléia não uma mera espectadora, mas também parte integrante e essencial da celebração do Mistério Pascal.
  • 24. Outro aspecto relevante foi a compreensão do canto e da música como uma vivência simbólica da experiência da fé do Povo de Deus. Ambos são símbolos importantes do mistério de Cristo e da Igreja e não meros ornamentos exteriores.