SlideShare uma empresa Scribd logo
NTC-03
Revisão 3
NORMA TÉCNICA CELG D
Caixas Metálicas para Medição,
Proteção e Derivação
NTC-03 / DT-SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA
ÍNDICE
SEÇÃO TÍTULO PÁGINA
1. OBJETIVO 1
2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 2
3. CONDIÇÕES GERAIS 3
3.1 Aprovação de Protótipos 3
3.2 Acabamento 3
3.3 Garantia 4
3.4 Desvios e Exceções 4
3.5 Acondicionamento 4
4. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS 6
4.1 Identificação 6
4.2 Material 6
4.3 Estanqueidade 6
4.4 Montagem da Caixa 6
4.5 Proteção Contra Corrosão 6
4.6 Dispositivo de Selagem 8
4.7 Parafuso para Aterramento 8
4.8 Visor 8
4.9 Dispositivo para Fixação do Disjuntor 9
4.10 Abertura de Acesso à Alavanca do Disjuntor 9
4.11 Furos para Fixação em Poste 9
4.12 Furos para Instalação de Eletrodutos 10
5. INSPEÇÃO E ENSAIOS 11
5.1 Generalidades 11
5.2 Ensaios 13
5.3 Relatórios de Ensaios 14
ANEXO A TABELA
TABELA 1
CRITÉRIOS DE AMOSTRAGEM, ACEITAÇÃO E
REJEIÇÃO
15
ANEXO B DESENHOS 16
DESENHO 1 CAIXA PARA MEDIDOR MONOFÁSICO (CORPO) 16
DESENHO 1-A CAIXA PARA MEDIDOR MONOFÁSICO (TAMPA) 17
DESENHO 1-B CAIXA PARA MEDIDOR MONOFÁSICO (PEÇAS) 18
DESENHO 1-C
CAIXA PARA MEDIDOR MONOFÁSICO (RELAÇÃO DE
MATERIAL)
19
DESENHO 2 CAIXA PARA MEDIDOR POLIFÁSICO (CORPO) 20
DESENHO 2-A CAIXA PARA MEDIDOR POLIFÁSICO (TAMPA) 21
DESENHO 2-B CAIXA PARA MEDIDOR POLIFÁSICO (PEÇAS) 22
DESENHO 2-C CAIXA PARA MEDIDOR POLIFÁSICO (PEÇAS) 23
DESENHO 2-D
CAIXA PARA MEDIDOR POLIFÁSICO (RELAÇÃO DE
MATERIAL)
24
DESENHO 3 CAIXA PARA MEDIDOR HOROSSAZONAL (CORPO) 25
DESENHO 3-A CAIXA PARA MEDIDOR HOROSSAZONAL (TAMPA) 26
DESENHO 3-B
CAIXA PARA MEDIDOR HOROSSAZONAL (JANELA
PARA COLETA DE DADOS)
27
DESENHO 3-C
CAIXA PARA MEDIDOR HOROSSAZONAL (RELAÇÃO
DE MATERIAL)
28
NTC-03 / DT-SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA
ÍNDICE
SEÇÃO TÍTULO PÁGINA
DESENHO 4
CAIXA PARA TRANSFORMADORES DE CORRENTE ATÉ
200:5 A (CORPO)
29
DESENHO 4-A
CAIXA PARA TRANSFORMADORES DE CORRENTE ATÉ
200:5 A (TAMPA)
30
DESENHO 4-B
CAIXA PARA TRANSFORMADORES DE CORRENTE ATÉ
200:5 A (PEÇAS PARA FIXAÇÃO DOS TCs)
31
DESENHO 5
CAIXA PARA TRANSFORMADORES DE CORRENTE
400:5 A (CORPO)
32
DESENHO 5-A
CAIXA PARA TRANSFORMADORES DE CORRENTE
400:5 A (TAMPA)
33
DESENHO 5-B
CAIXA PARA TRANSFORMADORES DE CORRENTE
400:5 A (PEÇAS PARA FIXAÇÃO DOS TCs)
34
DESENHO 6
CAIXA PARA TRANSFORMADORES DE CORRENTE DE
600:5 ATÉ 800:5 A (CORPO)
35
DESENHO 6-A
CAIXA PARA TRANSFORMADORES DE CORRENTE DE
600:5 ATÉ 800:5 A (TAMPA)
36
DESENHO 6-B
CAIXA PARA TRANSFORMADORES DE CORRENTE DE
600:5 ATÉ 800:5 A (PEÇAS PARA FIXAÇÃO DOS TCs)
37
DESENHO 7
CAIXA PROTEÇÃO GERAL ATÉ 175 A PARA MEDIÇÃO
AGRUPADA "GRUPO B" (CORPO)
38
DESENHO 7-A
CAIXA PROTEÇÃO GERAL ATÉ 175 A PARA
MEDIÇÃO AGRUPADA "GRUPO B" (TAMPA)
39
DESENHO 7-B
CAIXA PROTEÇÃO GERAL ATÉ 175 A PARA MEDIÇÃO
AGRUPADA "GRUPO B" (PEÇAS)
40
DESENHO 8
CAIXA PARA PROTEÇÃO GERAL DISJUNTOR ATÉ 175 A
(CORPO)
41
DESENHO 8-A
CAIXA PARA PROTEÇÃO GERAL DISJUNTOR ATÉ 175 A
(TAMPA)
42
DESENHO 8-B
CAIXA PARA PROTEÇÃO GERAL DISJUNTOR ATÉ 175 A
(PEÇAS)
43
DESENHO 9
CAIXA PARA PROTEÇÃO GERAL DISJUNTOR DE 250
ATÉ 350 A (CORPO)
44
DESENHO 9-A
CAIXA PARA PROTEÇÃO GERAL DISJUNTOR DE 250
ATÉ 350 A (TAMPA)
45
DESENHO 9-B
CAIXA PARA PROTEÇÃO GERAL DISJUNTOR DE 250
ATÉ 350 (PEÇAS)
46
DESENHO 10
CAIXA PARA PROTEÇÃO GERAL DISJUNTOR DE 500
ATÉ 800 A (CORPO)
47
DESENHO 10-A
CAIXA PARA PROTEÇÃO GERAL DISJUNTOR DE 500
ATÉ 800 A (TAMPA)
48
DESENHO 10-B
CAIXA PARA PROTEÇÃO GERAL DISJUNTOR DE 500
ATÉ 800 A (PEÇAS)
49
DESENHO 10-C
CAIXA PARA PROTEÇÃO GERAL DISJUNTOR DE 500
ATÉ 800 A (PEÇAS)
50
DESENHO 11 QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO - QGD (CORPO) 51
DESENHO 11-A QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO - QGD (TAMPA) 52
NTC-03 / DT-SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA
ÍNDICE
SEÇÃO TÍTULO PÁGINA
DESENHO 11-B
QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO - QGD (SUBTAMPA
INTERNA LACRÁVEL)
53
DESENHO 11-C
QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO - QGD (BASE
REGULÁVEL PARA FIXAÇÃO DO DISJUNTOR)
54
DESENHO 12 CAIXA PARA DERIVAÇÃO - MT - 2/1 (CORPO) 55
DESENHO 12-A CAIXA PARA DERIVAÇÃO - MT - 2/1 (TAMPA) 56
DESENHO 13 CAIXA PARA DERIVAÇÃO - MT - 3/2 (CORPO E TAMPA) 57
DESENHO 14 CAIXA PARA DERIVAÇÃO - MT - 5/3 (CORPO E TAMPA) 58
DESENHO 15 CAIXA PARA DERIVAÇÃO - TM - 2/3 (CORPO) 59
DESENHO 15-A CAIXA PARA DERIVAÇÃO - TM - 2/3 (TAMPA) 60
DESENHO 16 CAIXA PARA DERIVAÇÃO - TM - 3/5 (CORPO E TAMPA) 61
DESENHO 17 CAIXA PARA DERIVAÇÃO - M-1 (CORPO) 62
DESENHO 17-A CAIXA PARA DERIVAÇÃO M-1 (TAMPA) 63
ANEXO C TERMO DE RESPONSABILIDADE 64
ANEXO D
QUADRO DE DADOS TÉCNICOS E CARACTERÍSTICAS
GARANTIDAS
65
ANEXO E QUADRO DE DESVIOS TÉCNICOS E EXCEÇÕES 67
NTC-03 / DT–SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 1
1. OBJETIVO
Esta norma estabelece os critérios e as exigências técnicas mínimas relativas à
fabricação, recebimento e aprovação de protótipos de caixas para medição, proteção e
derivação, confeccionadas em chapa de aço, para aplicação na área de concessão da
CELG D.
NTC-03 / DT–SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 2
2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES
Para fins de fabricação, inspeção e ensaios, os materiais componentes das caixas
deverão satisfazer as exigências desta norma e às seguintes normas técnicas da ABNT
e da CELG D:
NBR 5426 Planos de amostragem e procedimentos na inspeção por atributos -
Procedimento.
NBR 5996 Zinco primário - Especificação.
NBR 6323 Galvanização de produtos de aço ou ferro fundido - Especificação.
NBR 7397 Produto de aço ou ferro fundido revestido de zinco por imersão a
quente - Determinação da massa do revestimento por unidade de área
- Método de ensaio.
NBR 7398 Produto de aço ou ferro fundido revestido de zinco por imersão a
quente - Verificação da aderência do revestimento.
NBR 7399 Produto de aço ou ferro fundido revestido de zinco por imersão a
quente - Verificação da espessura do revestimento por processo não-
destrutivo.
NBR 7400 Produto de aço ou ferro fundido - Revestimento de zinco por imersão
a quente - Verificação da uniformidade do revestimento.
NBR 9209 Preparação de superfícies para pintura - Processo de fosfatização
- Procedimento.
NBR 10443 Tintas - Determinação da espessura da película seca - Método de
ensaio.
NBR 11003 Tintas - Determinação da aderência - Método de ensaio.
NBR 11388 Sistemas de pintura para equipamentos e instalações de subestações
elétricas.
NBR IEC 60529 Graus de proteção para invólucros de equipamentos elétricos.
NTC-04 Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição.
NTC-05 Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Primária de Distribuição.
Notas:
1) Poderão ser utilizadas normas de outras organizações normalizadoras,
desde que sejam oficialmente reconhecidas pelos governos dos países de
origem, assegurem qualidade igual ou superior às mencionadas neste item,
não contrariem esta especificação e sejam submetidas a uma avaliação
prévia por parte da CELG D.
2) Caso haja opção por outras normas, que não as anteriormente mencionadas
essas devem figurar, obrigatoriamente, na documentação de licitação.
Todavia, caso a CELG D considere conveniente, o proponente deve enviar
uma cópia de cada norma para fins de análise.
3) O fornecedor deve disponibilizar, para o inspetor da CELG D, no local da
inspeção, todas as normas acima mencionadas, em suas últimas revisões.
NTC-03 / DT–SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 3
3. CONDIÇÕES GERAIS
3.1 Aprovação de Protótipos
Deve ser enviado pelo fabricante um protótipo de cada tipo de caixa que pretenda
fabricar, juntamente com os respectivos desenhos, memorial descritivo e
correspondência solicitando a aprovação.
Fabricantes que fornecerem caixas com matéria-prima de má qualidade,
características ou modelos diferentes do protótipo aprovado, em desacordo com esta
norma ou que apresentarem defeitos de fabricação, poderão ter a sua homologação
suspensa, temporária ou definitivamente, sem aviso prévio.
A aprovação das caixas não tem caráter definitivo, podendo a CELG D realizar
inspeção em periodicidade que julgar conveniente, sem aviso prévio, tanto nas
instalações do fabricante quanto por ocasião da ligação das unidades consumidoras,
onde as amostras serão colhidas aleatoriamente pelo inspetor da concessionária.
Todas as despesas decorrentes da visita do inspetor e da execução dos ensaios
correrão por conta do fabricante.
Após a aprovação dos protótipos não serão aceitas quaisquer modificações em
relação a eles, tanto para venda à CELG D quanto a consumidores.
Qualquer modificação no modelo de caixa aprovado pela CELG D, deverá ser
solicitada por escrito e dependerá de aprovação prévia. A divulgação da aprovação
aos setores competentes da CELG D somente será feita após aceitação pelo fabricante
das condições impostas nesta norma.
A utilização de materiais diferentes dos especificados somente será possível com
aprovação prévia da CELG D.
O fabricante deverá indicar claramente em sua proposta ou na solicitação de
aprovação de protótipos os possíveis desvios e exceções à presente norma.
A constatação durante a fabricação, comercialização e/ou inspeção de desvios e
exceções, não indicados nos desenhos aprovados, implicará na rejeição automática do
material ou protótipo, sem quaisquer ônus ou obrigações para a CELG D.
Quaisquer exigências adicionais ou dispensa aos requisitos constantes desta norma,
só terão validade por escrito e deverão ser claramente mencionados nos documentos
de licitação ou de solicitação de aprovação de protótipos.
3.2 Acabamento
O corpo e a tampa devem ter acabamento liso e uniforme, sem cantos vivos,
reentrâncias, arestas cortantes ou rebarbas, principalmente nos pontos onde forem
efetuadas soldas e nos dispositivos para lacre e de fixação do disjuntor.
As caixas de um mesmo modelo, não devem ter discrepâncias em suas características
físicas de acabamento, devendo ser idênticas, e ter todas as suas peças
intercambiáveis, mesmo sendo de fabricantes distintos.
NTC-03 / DT–SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 4
Os materiais empregados na fabricação devem ser de boa qualidade, resistentes a
impactos mecânicos e à ação de agentes corrosivos.
Devem ser observadas as dimensões e detalhes construtivos constantes dos desenhos
de cada tipo de caixa.
Na fabricação deverá ser empregado ferramental apropriado de modo a permitir
perfeito acabamento.
3.3 Garantia
A garantia mínima deve ser de trinta e seis meses, a partir da data de entrega, ou vinte
e quatro meses, a partir da data de instalação, prevalecendo o que ocorrer primeiro,
contra qualquer defeito de projeto, material ou fabricação.
Caso o lote fornecido apresente defeito ou deixe de atender aos requisitos
apresentados nesta norma, um novo período de garantia de doze meses deverá entrar
em vigor.
Se necessário devem ser substituídas as caixas ou apenas partes com defeito, sem
ônus para o consumidor ou para a CELG D.
As despesas com mão-de-obra decorrentes de consertos, retiradas e instalações de
caixas comprovadamente com defeito de fabricação, bem como o transporte destas
peças entre almoxarifado CELG D, consumidor e fabricante, correrão por conta do
último.
Cada caixa deve vir acompanhada do respectivo Certificado de Garantia emitido pelo
fabricante.
3.4 Desvios e Exceções
O fabricante deverá indicar claramente em sua proposta os possíveis desvios e
exceções à presente norma.
Quaisquer exigências adicionais ou dispensa aos requisitos constantes desta norma só
terão validade por escrito e deverão ser claramente mencionados nos documentos de
licitação.
3.5 Acondicionamento
As caixas devem ser acondicionadas de modo a garantir proteção adequada durante o
transporte, manuseio nas operações de carga e descarga e armazenamento abrigado.
Devem ser embaladas em caixas de papelão, obedecendo aos limites de massa e
dimensões fixados pela CELG D, em volumes apoiados em paletes de madeira, de
maneira a garantir que não tenham contato direto com o solo.
NTC-03 / DT–SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 5
Cada volume deve ter legivelmente marcado:
- nome ou marca do fabricante;
- identificação completa do conteúdo;
- tipo e quantidade;
- massas bruta e líquida (kg);
- dimensões do volume;
- nome da CELG D;
- numero do Contrato de Fornecimento de Material (CFM) e da nota fiscal.
Nota:
O fornecedor deve enumerar os diversos volumes e anexar à nota fiscal uma
relação descritiva do conteúdo individual de cada um.
NTC-03 / DT–SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 6
4. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS
4.1 Identificação
O corpo e a tampa das caixas deverão ser clara e indelevelmente marcados nos locais
indicados nos respectivos desenhos, com as seguintes informações:
- nome e/ou marca comercial do fabricante;
- mês e ano de fabricação.
4.2 Material
As caixas deverão ser confeccionadas em chapa de aço, com espessura mínima
1,2 mm (18 USG), exceto para a caixa do quadro geral de distribuição, a qual deve ter
espessura mínima de 1,52 mm (16 USG) e o dispositivo para lacre com chapa de
1,9 mm (14 USG).
As chapas de aço utilizadas na confecção das caixas devem ser isentas de ferrugem e
defeitos superficiais que requeiram trabalho de recondicionamento para sua
utilização.
As chapas devem ser fornecidas oleadas, de modo a evitar a ação da ferrugem durante
o processo de fabricação.
4.3 Estanqueidade
Todas as caixas deverão ser estanques à penetração de água, com grau de proteção
mínimo IP54, conforme NBR IEC 60529.
4.4 Montagem da Caixa
As peças componentes e as junções do corpo da caixa deverão ser soldadas entre si,
por solda a ponto.
Devem ser observadas as dimensões e detalhes construtivos, indicados nos
respectivos desenhos.
As caixas devem ser confeccionadas com ferramental apropriado de modo a permitir
um perfeito acabamento.
A tampa deve se fixar firmemente ao corpo por encaixe, exceto na caixa para medidor
horossazonal onde a tampa deve ser presa ao corpo da caixa por dobradiças,
formando um conjunto rígido e resistente. Para tal podem ser usados reforços
internos.
4.5 Proteção Contra Corrosão
As caixas deverão ser protegidas contra a corrosão utilizando qualquer um dos
seguintes processos:
- pintura alquídica ou a pó (epoxi);
- zincagem por imersão a quente.
NTC-03 / DT–SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 7
4.5.1 Pintura
a) Preparação da Superfície
Deverá ser realizada, interna e externamente, da seguinte forma:
- as caixas devem sofrer desengraxamento e decapagem química ou jateamento
abrasivo ao metal quase branco, padrão visual Sa 2 1/2 da norma SIS 05-5900,
visando a remoção do óleo e graxa nelas existentes;
- após a decapagem, e verificada a ausência total de umidade, as caixas deverão
ser encaminhadas para receber a fosfatização e/ou pintura de base;
- a pintura de acabamento, interna e externa, deverá ser compatível com a tinta
de fundo utilizada, na cor cinza claro, notação Munsell N6.5.
d) pintura alquídica
base: uma demão de cromato de zinco com espessura mínima de 35 µm;
acabamento: uma demão de tinta com espessura mínima de 45 µm;
A espessura final da proteção, com a película seca, deve apresentar espessura
média com pelo menos 80 µm e mínima individual de 75 µm.
e) pintura a pó (epóxi)
base: fosfatização;
acabamento: tinta em pó, à base de epóxi, aplicada por sistema eletrostático, com
espessura média de 80 e mínima individual de 75 µm.
4.5.2 Zincagem por Imersão a Quente
Quando zincadas por imersão a quente, as caixas devem atender às seguintes
condições:
a) o zinco deverá ser do tipo comum, conforme especificado na NBR 5996, e o teor
de alumínio não deve exceder 0,01%;
b) a zincagem deve ser executada de acordo com a NBR 6323;
c) o peso e a espessura da camada de zinco deverão estar de acordo com os valores
mínimos estabelecidos no item 4.5.2.j;
d) a zincagem somente deverá ser aplicada às peças após sua fabricação, perfuração e
marcação;
e) a camada de zinco deve estar rigidamente aderida à superfície das caixas;
f) a remoção do excesso de zinco após a retirada das peças do banho, se fará
preferencialmente por centrifugação ou batimento indireto;
g) as saliências formadas por excesso de zinco deverão ser esmerilhadas ou limadas
sem atingir a peça; este procedimento não deverá ser aplicado nos furos das peças
zincadas;
NTC-03 / DT–SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 8
h) as peças zincadas não deverão apresentar irregularidades no revestimento tais
como inclusão de fluxo, borras, áreas não revestidas ou outras, incompatíveis com
o emprego previsto para elas;
i) eventuais diferenças de brilho, cor ou cristalização não serão consideradas como
defeito;
j) A espessura do revestimento de zinco deverá ter, no mínimo, individualmente,
50 µm e média de 57 µm, sendo a massa mínima individual 350 g/m2
e média de
400 g/m2
.
4.6 Dispositivo de Selagem
Todas as caixas devem possuir dispositivo para selagem da tampa ao corpo, com
dimensões, forma de instalação e localização conforme indicado nos respectivos
desenhos.
O suporte de sustentação do parafuso de lacre deve ser em chapa 16 USG fixado à
base da caixa por quatro pontos de solda, no mínimo.
O parafuso de lacre deve ser de aço inoxidável, cabeça abaulada (francês), M6 x
25 mm, com furo ∅2 mm, na extremidade, para fixação do arame do lacre, equipado
com uma porca e uma arruela, conforme detalhes nos desenhos.
A confecção desse dispositivo na tampa da caixa deve ser conforme previsto nos
respectivos desenhos, com orifício para entrada do parafuso de lacre, provida de
tampa tipo lingüeta corrediça, em chapa com espessura mínima de 1,2 mm (18 USG).
4.7 Parafuso para Aterramento
Todas as caixas devem possuir um parafuso passante cabeça sextavada, de latão ou
cobre, M8 x 45 mm, com três porcas e quatro arruelas lisas do mesmo material.
Em todos os casos os parafusos devem localizar-se na parte inferior das caixas,
conforme mostrado nos desenhos de cada uma delas.
O furo para passagem do parafuso não deverá ter repuxo.
4.8 Visor
As caixas, dependendo do modelo, devem dispor, em sua tampa, de visor
confeccionado em policarbonato transparente, aditivado para suportar intempéries e
raios ultravioleta, com espessura mínima de 3 mm.
Suas dimensões e localização estão indicadas nos desenhos de cada tipo de caixa.
Todo o contorno do visor deve ser protegido por uma gaxeta em "U" de borracha
sintética, com a finalidade de evitar infiltração de água no interior da caixa.
O dispositivo de fixação do visor à tampa deve estar de acordo com o indicado em
cada desenho de forma a permitir a substituição do mesmo.
NTC-03 / DT–SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 9
4.9 Dispositivo para Fixação do Disjuntor
As caixas para medidor e as para disjuntor devem possuir internamente, um
dispositivo ajustável de fácil operação, para fixação segura de um disjuntor
termomagnético.
Este dispositivo está padronizado para cada modelo de caixa, podendo ser aceitas
variações, desde que cumpram adequadamente a função e sejam previamente
aprovados pela CELG D.
Deve apresentar espessura adequada, que lhe dê rigidez, e possuir quinas
arredondadas.
Nas caixas para medidor monofásico o dispositivo deve permitir a instalação de
disjuntor unipolar com corrente nominal até 60 A e, nas para medidor polifásico,
disjuntor tripolar com corrente nominal até 100 A.
Este dispositivo deve ser provido de furos e garras (trilho DIN) e/ou parafusos e
porcas para fixação de qualquer modelo de disjuntor aprovado pela CELG D e
permitir o ajuste da base do disjuntor na faixa de 50 a 110 mm, medido a partir do
fundo da caixa.
Deve ser protegido contra corrosão por intermédio de galvanização a fogo,
eletrolítica ou bicromatização.
4.10 Abertura de Acesso à Alavanca do Disjuntor
As caixas onde deverão ser instalados disjuntores devem possuir nas tampas uma
abertura de acesso à alavanca do mesmo, provida de lingüeta corrediça, com
localização conforme indicado nos respectivos desenhos.
A alavanca do disjuntor não deve encostar na superfície da lingüeta.
A abertura de acesso à alavanca do disjuntor deve ser fabricada de modo a impedir a
entrada de insetos no interior da caixa, mesmo quando a lingüeta estiver aberta.
4.11 Furos para Fixação em Poste
As caixas para medidor monofásico e polifásico devem possuir na sua parte posterior,
furos de ∅7 mm, que possibilitem a fixação em postes de aço seção quadrada.
As caixas para medidor monofásico e polifásico destinadas à instalação em poste de
aço seção circular devem possuir, na parte posterior, quatro furos ∅5 mm, para
permitir, através de suporte apropriado, a fixação nos referidos postes.
O posicionamento desses furos está indicado nos desenhos correspondentes a cada
tipo de caixa.
NTC-03 / DT–SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 10
4.12 Furos para Instalação de Eletrodutos
Conforme previsto nos respectivos desenhos, as caixas devem ser providas de furos
semi-cortados ou com duas tampas removíveis.
Nos furos onde são previstas tampas removíveis estas deverão possibilitar
reinstalação e não serem violáveis pelo lado externo.
NTC-03 / DT–SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 11
5. INSPEÇÃO E ENSAIOS
5.1 Generalidades
a) As caixas deverão ser submetidas à inspeção e ensaios na fábrica, na presença de
inspetores credenciados pela CELG D.
b) A CELG D reserva-se o direito de inspecionar e testar as caixas e o material
utilizado durante o período de fabricação, antes do embarque ou a qualquer tempo
em que julgar necessário. O fabricante deverá proporcionar livre acesso do
inspetor aos laboratórios e às instalações onde o material em questão estiver
sendo fabricado, fornecendo-lhe as informações solicitadas e realizando os
ensaios necessários. O inspetor poderá exigir certificados de procedências de
matérias-primas e componentes, além de fichas e relatórios internos de controle.
c) Antes de serem fornecidas as caixas, um protótipo de cada modelo abordado por
esta norma deve ser aprovado, através da realização dos ensaios de tipo previstos
no item 5.2.
d) Os ensaios para aprovação do protótipo podem ser dispensados parcial ou
totalmente, a critério da concessionária, caso já exista um protótipo idêntico
aprovado. Se os ensaios de tipo forem dispensados, o fabricante deve emitir um
relatório completo destes ensaios, com todas as informações necessárias, tais
como, métodos, instrumentos e constantes usadas. A eventual dispensa destes
ensaios pela concessionária somente terá validade por escrito.
e) O fabricante deve dispor de pessoal e aparelhagem, próprios ou contratados,
necessários à execução dos ensaios. Em caso de contratação, deve haver
aprovação prévia por parte da CELG D.
f) O fabricante deve assegurar ao inspetor da CELG D o direito de familiarizar-se,
em detalhes, com as instalações e equipamentos a serem utilizados, estudar todas
as instruções e desenhos, verificar calibrações, presenciar ensaios, conferir
resultados e, em caso de dúvida, efetuar novas inspeções e exigir a repetição de
qualquer ensaio.
g) Todos os instrumentos e aparelhos de medição, máquinas de ensaios, etc, devem
ter certificado de aferição emitido por instituições acreditadas pelo INMETRO,
válidos por um período máximo de um ano. Por ocasião da inspeção, devem estar
ainda dentro deste período, podendo acarretar desqualificação do laboratório o
não cumprimento dessa exigência.
h) A aceitação do lote e/ou a dispensa de execução de qualquer ensaio:
- não exime o fabricante da responsabilidade em fornecer os materiais de
acordo com os requisitos desta norma;
- não invalida qualquer reclamação posterior da CELG D a respeito da
qualidade do material e/ou fabricação.
Em tais casos, mesmo após haver saído da fábrica, o lote pode ser inspecionado e
submetido a ensaios, com prévia notificação ao fabricante e, eventualmente, em
NTC-03 / DT–SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 12
sua presença. Havendo qualquer discrepância em relação às exigências desta
norma, o lote pode ser rejeitado e sua reposição será por conta do fabricante.
i) Após a inspeção das caixas, o fabricante deverá encaminhar à CELG D, por lote
ensaiado, um relatório completo dos testes efetuados, em uma via, devidamente
assinado por ele e pelo inspetor credenciado pela concessionária.
Esse relatório deverá conter todas as informações necessárias para o seu
completo entendimento, tais como, métodos, instrumentos, constantes e valores
utilizados nos ensaios, além dos resultados obtidos.
j) Todas as unidades de produto rejeitadas, pertencentes a um lote aceito, devem ser
substituídas por outras novas e perfeitas, por conta do fabricante, sem ônus para a
CELG D. Tais unidades correspondem aos valores apresentados na coluna Ac da
Tabela 1.
k) Nenhuma modificação nas caixas deve ser feita "a posteriori" pelo fabricante,
sem a aprovação da CELG D. No caso de alguma alteração, o fabricante deve
realizar todos os ensaios, na presença do inspetor da concessionária, sem
qualquer custo adicional.
l) A CELG D poderá, a seu critério, em qualquer ocasião, solicitar a execução dos
ensaios para verificar se as caixas estão mantendo as características de projeto
preestabelecidas por ocasião da aprovação dos protótipos.
m) Para efeito de inspeção, as caixas deverão ser divididos em lotes, por tipo.
n) A rejeição do lote, em virtude de falhas constatadas nos ensaios, não dispensa o
fabricante de cumprir as datas de entrega prometidas. Se, na conclusão da CELG
D, a rejeição tornar impraticável a entrega do material nas datas previstas, ou
tornar evidente que o fabricante não será capaz de satisfazer às exigências
estabelecidas nesta especificação, a mesma reserva-se ao direito de rescindir todas
as obrigações e obter o material de outro fornecedor. Em tais casos, o fabricante
será considerado infrator do contrato e estará sujeito às penalidades aplicáveis.
o) O custo dos ensaios deve ser por conta do fabricante.
p) A CELG D reserva-se o direito de exigir a repetição de ensaios em lotes já
aprovados. Nesse aspecto, as despesas serão de responsabilidade desta, caso as
unidades ensaiadas forem aprovadas na segunda inspeção; em hipótese contrária,
incidirão sobre o fabricante.
q) Os custos da visita do inspetor da CELG D, tais como, locomoção, hospedagem,
alimentação, homem-hora e administrativos, correrão por conta do fabricante se:
- na data indicada na solicitação de inspeção o material não estiver pronto;
- o laboratório de ensaio não atender às exigências citadas nas alíneas e até g;
- o material fornecido necessitar de acompanhamento de fabricação ou
inspeção final em subfornecedor, contratado pelo fornecedor, em localidade
diferente da sua sede;
- for necessário reinspecionar o material por motivo de recusa.
NTC-03 / DT–SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 13
A CELG D enviará periodicamente inspetores credenciados às indústrias e procederá
ao controle de qualidade das caixas, verificando se as mesmas estão dentro dos
padrões especificados nesta norma e aplicando todos os ensaios previstos no item 5.2.
5.2. Ensaios
O fabricante deverá regulamentar e executar o controle de qualidade de fabricação,
que consistirá basicamente de ensaios de qualidade, análise química e metalográfica.
Para efeito de aprovação de protótipos, quando do recebimento das caixas e
periodicamente após a aprovação, serão realizados os ensaios a seguir especificados.
5.2.1 Inspeção Geral
Antes de serem efetuados os demais ensaios o inspetor fará uma inspeção geral,
verificando os seguintes itens:
- existência de todos os componentes e acessórios requeridos, bem como, suas
características e qualidade do acabamento;
- fixação dos dispositivos de proteção, medição e encaixe da tampa;
- identificação, conforme item 4.1;
- acondicionamento, conforme item 3.5;
- dimensional, será verificado se as caixas estão de acordo com os respectivos
desenhos e compreenderá a análise dos seguintes aspectos:
- dimensões;
- tolerâncias;
- intercambiabilidade.
5.2.2 Estanqueidade
As caixas devem ser ensaiadas conforme NBR IEC 60529 para verificação da
vedação contra entrada de poeira e água.
O grau de proteção mínimo deve ser IP54.
5.2.3 Pintura
5.2.3.1 Aderência da Camada
As caixas, quando pintadas, devem ser ensaiadas conforme NBR 11003. O grau de
aderência deve ser GR0.
5.2.3.2 Espessura da Camada
A espessura da camada de tinta deverá estar de acordo com o item 4.5.1 (base e
acabamento) e será determinada conforme método prescrito na NBR 10443.
5.2.4 Revestimento de Zinco
Devem ser verificadas as seguintes características da camada de zinco, conforme as
normas indicadas.
NTC-03 / DT–SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 14
5.2.4.1 Massa
O ensaio deve ser realizado em conformidade com a NBR 7397. As amostras serão
consideradas aprovadas se a massa por unidade de área estiver de acordo com o
prescrito no item 4.5.2.j.
5.2.4.2 Espessura
As caixas devem ser ensaiadas conforme NBR 7399. Constitui falha se a espessura da
camada de zinco estiver em desacordo com os valores estabelecidos no item 4.5.2.j.
5.2.5 Operação
Instalados os disjuntores e colocadas as tampas nas caixas, a alavanca será acionada
100 vezes, após estas operações o disjuntor deverá continuar rigidamente fixado à sua
base.
5.3 Relatórios de Ensaios
Logo após a inspeção do lote devem ser encaminhados à CELG D os laudos dos
ensaios. Caso a presença do inspetor seja dispensada o fornecedor deve apresentar,
além dos relatórios, a garantia de autenticidade dos resultados. Esta garantia pode ser
dada no próprio relatório ou através de um certificado à parte.
Devem constar dos relatórios, no mínimo, as seguintes informações:
a) nome e/ou marca comercial do fabricante;
b) identificação do laboratório onde foram efetuados os ensaios;
c) tipo e quantidade de material do lote;
d) tipo e quantidade ensaiada;
e) identificação completa do material ensaiado;
f) relação, descrição e resultado dos ensaios executados e respectivas normas
utilizadas;
g) referência a esta norma;
h) número do Contrato de Fornecimento de Material (CFM);
i) data de início e de término;
j) nomes legíveis e assinaturas dos respectivos representantes do fabricante e
inspetor da CELG D;
k) data de emissão.
NTC-03 / DT–SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 15
ANEXO A
TABELA 1
CRITÉRIOS DE AMOSTRAGEM, ACEITAÇÃO E REJEIÇÃO
INSPEÇÃO GERAL
VISUAL
DIMENSIONAL
ESTANQUEIDADE
OPERAÇÃO
ESPESSURA E ADERÊNCIA
DA CAMADA
NÍVEL II, NQA 2,5% NÍVEL S3, NQA 6,5%
AMOSTRA AMOSTRA
TAMANHO
DO LOTE
SEQ QUANT.
Ac Re
SEQ. QUANT.
Ac Re
Até 50 - 5 0 1 - 2 0 1
51 a 150
1ª
2ª
13
13
0
1
2
2
151 a 280
1ª
2ª
20
20
0
3
3
4
281 a 500
1ª
2ª
32
32
1
4
4
5
1ª
2ª
5
5
0
1
2
2
501 a 1200
1ª
2ª
50
50
2
6
5
7
1201 a 3200
1ª
2ª
80
80
3
8
7
9
1ª
2ª
8
8
0
3
3
4
3201 a 10000
1ª
2ª
125
125
5
12
9
13
1ª
2ª
13
13
1
4
4
5
Notas:
1) Ac - número de unidades defeituosas que ainda permite aceitar o lote.
Re - número de unidades defeituosas que implica na rejeição do lote.
2) Para a amostragem dupla adotar o seguinte procedimento: ensaia-se um número
inicial de unidades igual ao da primeira amostra obtida na tabela. Se o número de
unidades defeituosas encontradas estiver compreendido entre Ac e Re (excluindo
estes valores), deve-se ensaiar a segunda amostra. O total de unidades defeituosas
encontradas, após ensaiadas as duas amostras, deve ser igual ou inferior ao maior
Ac especificado.
3) Planos de amostragem conforme NBR 5426.
4) Na amostragem para ensaio de aprovação de protótipo deverão ser retiradas
aleatoriamente quatro amostras de cada tipo de caixa, para os ensaios.
5) O material só será considerado aprovado se todos os resultados, de cada uma das
amostras, forem considerados satisfatórios.
6) A não conformidade das caixas com qualquer uma das características que possa
comprometer a qualidade determinará a rejeição do lote.
NTC-03 / DT–SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 64
ANEXO C
TERMO DE RESPONSABILIDADE
A empresa
___________________________________________________________________________________________
Endereço: (Rua, Av, estrada)____________________________________________________________________
Nº __________, Cidade: _____________________Estado: ____________ , CEP: _______________-_________
Fone: ( )_______________ ; Fax: ( ) ______________ ;
e-mail: _____________________________________
CNPJ ____________________________, declara por meio de seus representantes legais abaixo assinados, ter
cumprido na íntegra, todas as determinações técnicas de acordo com o previsto na norma NTC-03 da CELG D,
visando a apresentação de protótipos de caixas para homologação, as quais serão utilizadas em entradas de serviço
de unidades consumidoras.
Declara ainda assumir a responsabilidade pela colocação do produto no mercado em condições adequadas, pela
eventual responsabilidade civil e criminal, além do ressarcimento de eventuais prejuízos decorrentes de danos
materiais causados à CELG D, a seus consumidores e a terceiros, bem como todas e quaisquer despesas necessárias
para visita de inspeção e avaliação industrial.
Fica a empresa fornecedora ciente de que esta homologação não tem caráter definitivo, podendo ser revogada a
qualquer tempo, sem prévio aviso, caso o material em referência esteja em desacordo com a respectiva norma. Na
hipótese de se apurar a colocação do produto no mercado em desacordo com a norma supracitada, estará a CELG D
autorizada, mediante simples aviso, a promover a exclusão da empresa do Cadastro de Fornecedores de Materiais
para Entrada de Serviço de Unidades Consumidoras.
Produtos homologados:
Local/Data: ____________________________________________________________________________
Proprietário (Nome e Assinatura): ___________________________________________________________
RG: ________________________________ CPF: ____________________________________________
Engº Responsável (Nome e Assinatura): ______________________________________________________
RG: _________________________________ CPF: ___________________________________________
CREA: _______________________________ Modalidade: ______________________________________
Obs: as assinaturas deverão ter firma reconhecida em cartório.
NTC-03 / DT–SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 65
ANEXO D
QUADRO DE DADOS TÉCNICOS E CARACTERÍSTICAS GARANTIDAS
CAIXA PARA MEDIDOR EM CHAPA DE AÇO
Nome do fornecedor: _______________________________________________
Nº da licitação: ____________________________________________________
Nº da proposta: ____________________________________________________
ITEM DESCRIÇÃO
CARACTERÍSTICA
UNIDADE
1. Tipo de caixa
2.
2.1
Tipo de aço utilizado na fabricação
- espessura da chapa mm
3.
3.1
3.2
3.3
Dimensional
- altura
- largura
- profundidade
mm
mm
mm
4.
4.1
4.1.1
4.1.2
4.2
4.2.1
4.2.2
4.2.3
Pintura
Base:
- tipo de tratamento anticorrosivo
- espessura da camada
Acabamento
- tipo de tinta utilizado
- espessura da camada
Espessura total da película seca
µm
µm
µm
5.
5.1
5.2
Zincagem
- espessura da camada
- massa da camada
µm
g/cm2
6. Grau de proteção
7. Expectativa de vida útil anos
8. Anexar à proposta cópias dos certificados dos ensaios
constantes do item 5.2, realizados em caixas idênticas às
ofertadas e em laboratório de entidades, conforme Nota 6
(1).
(1) Se o fabricante tiver protótipo aprovado pela CELG D, não será necessário
anexar os relatórios constantes do item 8, caso contrário, é obrigatório a
apresentação de relatórios de ensaios efetuados em laboratório conforme Nota
6, em caixas idênticas às ofertadas, sob pena de desclassificação.
Notas:
1) O fabricante deve fornecer em sua proposta todas as informações
requeridas no Quadro de Dados Técnicos e Características
Garantidas.
2) Se o fabricante apresentar propostas alternativas, cada uma delas
deve ser submetida com o Quadro de Dados Técnicos e
NTC-03 / DT–SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 66
Características Garantidas, específico, claramente preenchido, sendo
que cada quadro deve ser devidamente marcado para indicar a qual
proposta pertence.
Deverá ser feita também uma descrição sucinta dos desvios principais
com relação à proposta básica, caso existam.
3) Erro no preenchimento do quadro poderá ser motivo para
desclassificação.
4) Todas as informações requeridas no quadro devem ser compatíveis
com as descritas em outras partes da proposta de fornecimento. Em
caso de dúvidas, as informações prestadas no referido quadro
prevalecerão sobre as descritas em outras partes da proposta.
5) O fabricante deve garantir que a performance e as características dos
materiais a serem fornecidos estejam em conformidade com as
informações aqui prestadas.
6) Todos os ensaios referidos no item 5.2 devem ser realizados por um
dos seguintes órgãos laboratoriais:
- governamentais;
- credenciados pelo governo do país de origem;
- de entidades reconhecidas internacionalmente;
- do fornecedor, na presença do inspetor da CELG D.
NTC-03 / DT–SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 67
ANEXO E
QUADRO DE DESVIOS TÉCNICOS E EXCEÇÕES
Nome do Fabricante: ______________________________________________________
N° da Licitação: _________________________________________________________
N° da Proposta: __________________________________________________________
REFERÊNCIA DESCRIÇÃO SUCINTA DOS DESVIOS E EXCEÇÕES
NTC-03 / DT–SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 68
ALTERAÇÕES NA NTC-03
Item Data
Item da
norma
Revisão Título
1 4.6 Dispositivo de selagem
2 4.8 Visor (Policarbonato)
3
Ago/08
Desenho 3
2
Caixa para medidor horossazonal (Janela para leitura)
4 Desenho 1 Caixa para medidor monofásico (Furação superior e inferior)
5 Desenho 2 Caixa para medidor polifásico (Furação superior e inferior)
6 Desenho 7
Caixa para proteção geral até 175 A para medição agrupada "Grupo
B" (Furação e janela de visualização dos DPSs)
7 Desenho 8 Caixa para proteção geral disjuntor até 175 A (Nova caixa)
8 Desenho 9
Caixa para proteção geral disjuntor de 250 até 350 A (Furação e
janela de visualização dos DPSs)
9 Desenho 10
Caixa para proteção geral disjuntor de 500 até 800 A (Furação e
janela de visualização dos DPs)
10 Desenho 12 Caixa para derivação - MT 2/1 (Furação superior e inferior)
11 Desenho 13 Caixa para derivação - MT 3/2 (Furação superior e inferior)
12 Desenho 14 Caixa para derivação - MT 5/3 (Furação superior e inferior)
13 Desenho 15 Caixa para derivação - TM 2/3 (Furação superior e inferior)
14 Desenho 16 Caixa para derivação - TM 3/5 (Furação superior e inferior)
15
Jul/09
Desenho 17
3
Caixa para derivação - M1 (Furação superior e inferior)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Nbr 05591 tubos de aco carbono para caldeiras
Nbr 05591   tubos de aco carbono para caldeirasNbr 05591   tubos de aco carbono para caldeiras
Nbr 05591 tubos de aco carbono para caldeiras
Evaldo Gulaberto Rossa
 
Nbr 7400
Nbr 7400Nbr 7400
Nbr bn 65 determinação do tempo de pega
Nbr bn 65 determinação do tempo de pegaNbr bn 65 determinação do tempo de pega
Nbr bn 65 determinação do tempo de pega
profNICODEMOS
 
Abnt nbr 12654 1992 - controle tecnológico de materiais componentes do conc...
Abnt nbr 12654   1992 - controle tecnológico de materiais componentes do conc...Abnt nbr 12654   1992 - controle tecnológico de materiais componentes do conc...
Abnt nbr 12654 1992 - controle tecnológico de materiais componentes do conc...
Dandara Santos
 
Nbr nm 76 1998 - determinacao da finura portland pelo metodo de blaine
Nbr nm 76   1998 - determinacao da finura portland pelo metodo de blaineNbr nm 76   1998 - determinacao da finura portland pelo metodo de blaine
Nbr nm 76 1998 - determinacao da finura portland pelo metodo de blaine
profNICODEMOS
 
Nbr 06321 1983 - tubos de aço carbono para fluidos em alta temperatura
Nbr 06321   1983 - tubos de aço carbono para fluidos em alta temperaturaNbr 06321   1983 - tubos de aço carbono para fluidos em alta temperatura
Nbr 06321 1983 - tubos de aço carbono para fluidos em alta temperatura
230551
 
Abnt nbr 7480 1996
Abnt nbr 7480 1996Abnt nbr 7480 1996
Abnt nbr 7480 1996
DandaEDF
 
nbr-nm-33-1980-concreto-em-de-concreto-fresco-antiga-nbr-5750-1992
nbr-nm-33-1980-concreto-em-de-concreto-fresco-antiga-nbr-5750-1992nbr-nm-33-1980-concreto-em-de-concreto-fresco-antiga-nbr-5750-1992
nbr-nm-33-1980-concreto-em-de-concreto-fresco-antiga-nbr-5750-1992
Janneth Llanque
 
Qualificação de Procedimento
Qualificação de ProcedimentoQualificação de Procedimento
Qualificação de Procedimento
Anderson Santana
 
Inspecao tanques aereos - normativa
Inspecao tanques aereos - normativaInspecao tanques aereos - normativa
Inspecao tanques aereos - normativa
Everton Retore Teixeira
 
Ntc70
Ntc70Ntc70
Nbr 05001 1981 - chapas grossas de aço carbono destinadas a vasos de pressão
Nbr 05001   1981 - chapas grossas de aço carbono destinadas a vasos de pressãoNbr 05001   1981 - chapas grossas de aço carbono destinadas a vasos de pressão
Nbr 05001 1981 - chapas grossas de aço carbono destinadas a vasos de pressão
Jean Silva
 
Nbr 11578 cimento portland composto
Nbr 11578   cimento portland compostoNbr 11578   cimento portland composto
Nbr 11578 cimento portland composto
profNICODEMOS
 
Doc 01 api1104
Doc 01 api1104Doc 01 api1104
Doc 01 api1104
Daniel Rodrigues
 
Nbr 13116 cimento portland de baixo calor de hidratação
Nbr 13116   cimento portland de baixo calor de hidrataçãoNbr 13116   cimento portland de baixo calor de hidratação
Nbr 13116 cimento portland de baixo calor de hidratação
profNICODEMOS
 
Nbr 5735 cimento portland de alto forno
Nbr 5735    cimento portland de alto fornoNbr 5735    cimento portland de alto forno
Nbr 5735 cimento portland de alto forno
profNICODEMOS
 
Apostila de soldagem 2007
Apostila de soldagem 2007Apostila de soldagem 2007
Apostila de soldagem 2007
wellington Nascimento
 
Aço para concreto armado
Aço para concreto armadoAço para concreto armado
Aço para concreto armado
David Vasconcelos
 
Nbr 07170 1983 - tijolo maciço para alvenaria
Nbr 07170   1983 - tijolo maciço para alvenariaNbr 07170   1983 - tijolo maciço para alvenaria
Nbr 07170 1983 - tijolo maciço para alvenaria
Jolivan Das Neves Gomes
 

Mais procurados (19)

Nbr 05591 tubos de aco carbono para caldeiras
Nbr 05591   tubos de aco carbono para caldeirasNbr 05591   tubos de aco carbono para caldeiras
Nbr 05591 tubos de aco carbono para caldeiras
 
Nbr 7400
Nbr 7400Nbr 7400
Nbr 7400
 
Nbr bn 65 determinação do tempo de pega
Nbr bn 65 determinação do tempo de pegaNbr bn 65 determinação do tempo de pega
Nbr bn 65 determinação do tempo de pega
 
Abnt nbr 12654 1992 - controle tecnológico de materiais componentes do conc...
Abnt nbr 12654   1992 - controle tecnológico de materiais componentes do conc...Abnt nbr 12654   1992 - controle tecnológico de materiais componentes do conc...
Abnt nbr 12654 1992 - controle tecnológico de materiais componentes do conc...
 
Nbr nm 76 1998 - determinacao da finura portland pelo metodo de blaine
Nbr nm 76   1998 - determinacao da finura portland pelo metodo de blaineNbr nm 76   1998 - determinacao da finura portland pelo metodo de blaine
Nbr nm 76 1998 - determinacao da finura portland pelo metodo de blaine
 
Nbr 06321 1983 - tubos de aço carbono para fluidos em alta temperatura
Nbr 06321   1983 - tubos de aço carbono para fluidos em alta temperaturaNbr 06321   1983 - tubos de aço carbono para fluidos em alta temperatura
Nbr 06321 1983 - tubos de aço carbono para fluidos em alta temperatura
 
Abnt nbr 7480 1996
Abnt nbr 7480 1996Abnt nbr 7480 1996
Abnt nbr 7480 1996
 
nbr-nm-33-1980-concreto-em-de-concreto-fresco-antiga-nbr-5750-1992
nbr-nm-33-1980-concreto-em-de-concreto-fresco-antiga-nbr-5750-1992nbr-nm-33-1980-concreto-em-de-concreto-fresco-antiga-nbr-5750-1992
nbr-nm-33-1980-concreto-em-de-concreto-fresco-antiga-nbr-5750-1992
 
Qualificação de Procedimento
Qualificação de ProcedimentoQualificação de Procedimento
Qualificação de Procedimento
 
Inspecao tanques aereos - normativa
Inspecao tanques aereos - normativaInspecao tanques aereos - normativa
Inspecao tanques aereos - normativa
 
Ntc70
Ntc70Ntc70
Ntc70
 
Nbr 05001 1981 - chapas grossas de aço carbono destinadas a vasos de pressão
Nbr 05001   1981 - chapas grossas de aço carbono destinadas a vasos de pressãoNbr 05001   1981 - chapas grossas de aço carbono destinadas a vasos de pressão
Nbr 05001 1981 - chapas grossas de aço carbono destinadas a vasos de pressão
 
Nbr 11578 cimento portland composto
Nbr 11578   cimento portland compostoNbr 11578   cimento portland composto
Nbr 11578 cimento portland composto
 
Doc 01 api1104
Doc 01 api1104Doc 01 api1104
Doc 01 api1104
 
Nbr 13116 cimento portland de baixo calor de hidratação
Nbr 13116   cimento portland de baixo calor de hidrataçãoNbr 13116   cimento portland de baixo calor de hidratação
Nbr 13116 cimento portland de baixo calor de hidratação
 
Nbr 5735 cimento portland de alto forno
Nbr 5735    cimento portland de alto fornoNbr 5735    cimento portland de alto forno
Nbr 5735 cimento portland de alto forno
 
Apostila de soldagem 2007
Apostila de soldagem 2007Apostila de soldagem 2007
Apostila de soldagem 2007
 
Aço para concreto armado
Aço para concreto armadoAço para concreto armado
Aço para concreto armado
 
Nbr 07170 1983 - tijolo maciço para alvenaria
Nbr 07170   1983 - tijolo maciço para alvenariaNbr 07170   1983 - tijolo maciço para alvenaria
Nbr 07170 1983 - tijolo maciço para alvenaria
 

Semelhante a Ntc03

04 ntd 3.06 2 ed (1)
04 ntd 3.06 2 ed (1)04 ntd 3.06 2 ed (1)
04 ntd 3.06 2 ed (1)
Pessoalteste
 
04 ntd 3.06 2 ed
04 ntd 3.06 2 ed04 ntd 3.06 2 ed
04 ntd 3.06 2 ed
Pessoalteste
 
Ntc47
Ntc47Ntc47
Coelce et 300 2009 r 04
Coelce et 300 2009 r 04Coelce et 300 2009 r 04
Coelce et 300 2009 r 04
m_a_c_a_p_a
 
Tubos de acero para diesel
Tubos de acero para dieselTubos de acero para diesel
Tubos de acero para diesel
Alex Gonzales Franco
 
N 1996-projeto de redes eletricas em envelopes com cabos dir
N 1996-projeto de redes eletricas em envelopes com cabos dirN 1996-projeto de redes eletricas em envelopes com cabos dir
N 1996-projeto de redes eletricas em envelopes com cabos dir
Higor Bastos
 
N 1645 de 2004 - critérios de segurança para instalações de
N 1645 de 2004 - critérios de segurança para instalações de N 1645 de 2004 - critérios de segurança para instalações de
N 1645 de 2004 - critérios de segurança para instalações de
Kamilla Tavares
 
Ntc 910100 2013 - caixas para equipamentos de medição
Ntc 910100 2013 - caixas para equipamentos de mediçãoNtc 910100 2013 - caixas para equipamentos de medição
Ntc 910100 2013 - caixas para equipamentos de medição
Marcelo Godoy
 
Estudo Técnico - Retrofit Painel BT
Estudo Técnico - Retrofit Painel BTEstudo Técnico - Retrofit Painel BT
Estudo Técnico - Retrofit Painel BT
Alexandre Grossi
 
Document.onl nbr 6808
Document.onl nbr 6808Document.onl nbr 6808
Document.onl nbr 6808
Osvaldo Luceno
 
Elaboração projetos pr-75-174-cpg-002
Elaboração projetos   pr-75-174-cpg-002Elaboração projetos   pr-75-174-cpg-002
Elaboração projetos pr-75-174-cpg-002
ROBINSON CARLOS CRISTOVAM SILVA
 
Nbr 13785 2003 - posto de serviço_construcao tanque atmosferico subt em aco...
Nbr 13785   2003 - posto de serviço_construcao tanque atmosferico subt em aco...Nbr 13785   2003 - posto de serviço_construcao tanque atmosferico subt em aco...
Nbr 13785 2003 - posto de serviço_construcao tanque atmosferico subt em aco...
Portal Brasil Postos
 
Catalogo_Produtos_RGR_2022.pdf
Catalogo_Produtos_RGR_2022.pdfCatalogo_Produtos_RGR_2022.pdf
Catalogo_Produtos_RGR_2022.pdf
JeffersonCao
 
CELG NTC-04 REV 4 (2016).pdf
CELG NTC-04 REV 4 (2016).pdfCELG NTC-04 REV 4 (2016).pdf
CELG NTC-04 REV 4 (2016).pdf
GustavoSdeA
 
Ntc04
Ntc04Ntc04
Ntc04
fabianabg
 
Norma EDP-Escelsa Instalações Individuais
Norma EDP-Escelsa Instalações IndividuaisNorma EDP-Escelsa Instalações Individuais
Norma EDP-Escelsa Instalações Individuais
jacksoow Sobrenome
 
PR-GPR-059 Execucao de Armaduras R2.doc
PR-GPR-059 Execucao de Armaduras R2.docPR-GPR-059 Execucao de Armaduras R2.doc
PR-GPR-059 Execucao de Armaduras R2.doc
CarlosJunior481127
 
Nbr 05029 1982 - tubo de cobre e suas ligas sem costura para condensadores ...
Nbr 05029   1982 - tubo de cobre e suas ligas sem costura para condensadores ...Nbr 05029   1982 - tubo de cobre e suas ligas sem costura para condensadores ...
Nbr 05029 1982 - tubo de cobre e suas ligas sem costura para condensadores ...
Jean Silva
 
Abnt nbr 7480 1996
Abnt nbr 7480 1996Abnt nbr 7480 1996
Abnt nbr 7480 1996
Eliezer Silva
 
Abnt nbr 7480 1996(1)
Abnt nbr 7480 1996(1)Abnt nbr 7480 1996(1)
Abnt nbr 7480 1996(1)
luciano schadler
 

Semelhante a Ntc03 (20)

04 ntd 3.06 2 ed (1)
04 ntd 3.06 2 ed (1)04 ntd 3.06 2 ed (1)
04 ntd 3.06 2 ed (1)
 
04 ntd 3.06 2 ed
04 ntd 3.06 2 ed04 ntd 3.06 2 ed
04 ntd 3.06 2 ed
 
Ntc47
Ntc47Ntc47
Ntc47
 
Coelce et 300 2009 r 04
Coelce et 300 2009 r 04Coelce et 300 2009 r 04
Coelce et 300 2009 r 04
 
Tubos de acero para diesel
Tubos de acero para dieselTubos de acero para diesel
Tubos de acero para diesel
 
N 1996-projeto de redes eletricas em envelopes com cabos dir
N 1996-projeto de redes eletricas em envelopes com cabos dirN 1996-projeto de redes eletricas em envelopes com cabos dir
N 1996-projeto de redes eletricas em envelopes com cabos dir
 
N 1645 de 2004 - critérios de segurança para instalações de
N 1645 de 2004 - critérios de segurança para instalações de N 1645 de 2004 - critérios de segurança para instalações de
N 1645 de 2004 - critérios de segurança para instalações de
 
Ntc 910100 2013 - caixas para equipamentos de medição
Ntc 910100 2013 - caixas para equipamentos de mediçãoNtc 910100 2013 - caixas para equipamentos de medição
Ntc 910100 2013 - caixas para equipamentos de medição
 
Estudo Técnico - Retrofit Painel BT
Estudo Técnico - Retrofit Painel BTEstudo Técnico - Retrofit Painel BT
Estudo Técnico - Retrofit Painel BT
 
Document.onl nbr 6808
Document.onl nbr 6808Document.onl nbr 6808
Document.onl nbr 6808
 
Elaboração projetos pr-75-174-cpg-002
Elaboração projetos   pr-75-174-cpg-002Elaboração projetos   pr-75-174-cpg-002
Elaboração projetos pr-75-174-cpg-002
 
Nbr 13785 2003 - posto de serviço_construcao tanque atmosferico subt em aco...
Nbr 13785   2003 - posto de serviço_construcao tanque atmosferico subt em aco...Nbr 13785   2003 - posto de serviço_construcao tanque atmosferico subt em aco...
Nbr 13785 2003 - posto de serviço_construcao tanque atmosferico subt em aco...
 
Catalogo_Produtos_RGR_2022.pdf
Catalogo_Produtos_RGR_2022.pdfCatalogo_Produtos_RGR_2022.pdf
Catalogo_Produtos_RGR_2022.pdf
 
CELG NTC-04 REV 4 (2016).pdf
CELG NTC-04 REV 4 (2016).pdfCELG NTC-04 REV 4 (2016).pdf
CELG NTC-04 REV 4 (2016).pdf
 
Ntc04
Ntc04Ntc04
Ntc04
 
Norma EDP-Escelsa Instalações Individuais
Norma EDP-Escelsa Instalações IndividuaisNorma EDP-Escelsa Instalações Individuais
Norma EDP-Escelsa Instalações Individuais
 
PR-GPR-059 Execucao de Armaduras R2.doc
PR-GPR-059 Execucao de Armaduras R2.docPR-GPR-059 Execucao de Armaduras R2.doc
PR-GPR-059 Execucao de Armaduras R2.doc
 
Nbr 05029 1982 - tubo de cobre e suas ligas sem costura para condensadores ...
Nbr 05029   1982 - tubo de cobre e suas ligas sem costura para condensadores ...Nbr 05029   1982 - tubo de cobre e suas ligas sem costura para condensadores ...
Nbr 05029 1982 - tubo de cobre e suas ligas sem costura para condensadores ...
 
Abnt nbr 7480 1996
Abnt nbr 7480 1996Abnt nbr 7480 1996
Abnt nbr 7480 1996
 
Abnt nbr 7480 1996(1)
Abnt nbr 7480 1996(1)Abnt nbr 7480 1996(1)
Abnt nbr 7480 1996(1)
 

Mais de Denilson Oliveira

Confeccão do croqui da propriedade
Confeccão do croqui da propriedadeConfeccão do croqui da propriedade
Confeccão do croqui da propriedade
Denilson Oliveira
 
Carta 9
Carta 9Carta 9
Carta 8
Carta 8Carta 8
Carta 7
Carta 7Carta 7
Carta 6
Carta 6Carta 6
Carta 5
Carta 5Carta 5
Carta 4
Carta 4Carta 4
Carta 3
Carta 3Carta 3
Carta 1
Carta 1Carta 1
Carta 2
Carta 2Carta 2
Ct01 15
Ct01 15Ct01 15

Mais de Denilson Oliveira (11)

Confeccão do croqui da propriedade
Confeccão do croqui da propriedadeConfeccão do croqui da propriedade
Confeccão do croqui da propriedade
 
Carta 9
Carta 9Carta 9
Carta 9
 
Carta 8
Carta 8Carta 8
Carta 8
 
Carta 7
Carta 7Carta 7
Carta 7
 
Carta 6
Carta 6Carta 6
Carta 6
 
Carta 5
Carta 5Carta 5
Carta 5
 
Carta 4
Carta 4Carta 4
Carta 4
 
Carta 3
Carta 3Carta 3
Carta 3
 
Carta 1
Carta 1Carta 1
Carta 1
 
Carta 2
Carta 2Carta 2
Carta 2
 
Ct01 15
Ct01 15Ct01 15
Ct01 15
 

Último

Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SSTSegurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
ClaudioArez
 
Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123
GabrielGarcia356832
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
Consultoria Acadêmica
 
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docxSFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
bentosst
 
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitosApostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
Sandro Marques Solidario
 
Incêndios em correia transportadora.pptx
Incêndios em correia transportadora.pptxIncêndios em correia transportadora.pptx
Incêndios em correia transportadora.pptx
RafaelDantas32562
 
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdfAULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
MaxwellBentodeOlivei1
 
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdfÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
RoemirPeres
 
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdfDimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
RodrigoQuintilianode1
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
Consultoria Acadêmica
 
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
pereiramarcossantos0
 

Último (11)

Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SSTSegurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
 
Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
 
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docxSFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
 
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitosApostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
 
Incêndios em correia transportadora.pptx
Incêndios em correia transportadora.pptxIncêndios em correia transportadora.pptx
Incêndios em correia transportadora.pptx
 
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdfAULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
 
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdfÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
 
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdfDimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
 
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
 

Ntc03

  • 1. NTC-03 Revisão 3 NORMA TÉCNICA CELG D Caixas Metálicas para Medição, Proteção e Derivação
  • 2.
  • 3. NTC-03 / DT-SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. OBJETIVO 1 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 2 3. CONDIÇÕES GERAIS 3 3.1 Aprovação de Protótipos 3 3.2 Acabamento 3 3.3 Garantia 4 3.4 Desvios e Exceções 4 3.5 Acondicionamento 4 4. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS 6 4.1 Identificação 6 4.2 Material 6 4.3 Estanqueidade 6 4.4 Montagem da Caixa 6 4.5 Proteção Contra Corrosão 6 4.6 Dispositivo de Selagem 8 4.7 Parafuso para Aterramento 8 4.8 Visor 8 4.9 Dispositivo para Fixação do Disjuntor 9 4.10 Abertura de Acesso à Alavanca do Disjuntor 9 4.11 Furos para Fixação em Poste 9 4.12 Furos para Instalação de Eletrodutos 10 5. INSPEÇÃO E ENSAIOS 11 5.1 Generalidades 11 5.2 Ensaios 13 5.3 Relatórios de Ensaios 14 ANEXO A TABELA TABELA 1 CRITÉRIOS DE AMOSTRAGEM, ACEITAÇÃO E REJEIÇÃO 15 ANEXO B DESENHOS 16 DESENHO 1 CAIXA PARA MEDIDOR MONOFÁSICO (CORPO) 16 DESENHO 1-A CAIXA PARA MEDIDOR MONOFÁSICO (TAMPA) 17 DESENHO 1-B CAIXA PARA MEDIDOR MONOFÁSICO (PEÇAS) 18 DESENHO 1-C CAIXA PARA MEDIDOR MONOFÁSICO (RELAÇÃO DE MATERIAL) 19 DESENHO 2 CAIXA PARA MEDIDOR POLIFÁSICO (CORPO) 20 DESENHO 2-A CAIXA PARA MEDIDOR POLIFÁSICO (TAMPA) 21 DESENHO 2-B CAIXA PARA MEDIDOR POLIFÁSICO (PEÇAS) 22 DESENHO 2-C CAIXA PARA MEDIDOR POLIFÁSICO (PEÇAS) 23 DESENHO 2-D CAIXA PARA MEDIDOR POLIFÁSICO (RELAÇÃO DE MATERIAL) 24 DESENHO 3 CAIXA PARA MEDIDOR HOROSSAZONAL (CORPO) 25 DESENHO 3-A CAIXA PARA MEDIDOR HOROSSAZONAL (TAMPA) 26 DESENHO 3-B CAIXA PARA MEDIDOR HOROSSAZONAL (JANELA PARA COLETA DE DADOS) 27 DESENHO 3-C CAIXA PARA MEDIDOR HOROSSAZONAL (RELAÇÃO DE MATERIAL) 28
  • 4. NTC-03 / DT-SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA DESENHO 4 CAIXA PARA TRANSFORMADORES DE CORRENTE ATÉ 200:5 A (CORPO) 29 DESENHO 4-A CAIXA PARA TRANSFORMADORES DE CORRENTE ATÉ 200:5 A (TAMPA) 30 DESENHO 4-B CAIXA PARA TRANSFORMADORES DE CORRENTE ATÉ 200:5 A (PEÇAS PARA FIXAÇÃO DOS TCs) 31 DESENHO 5 CAIXA PARA TRANSFORMADORES DE CORRENTE 400:5 A (CORPO) 32 DESENHO 5-A CAIXA PARA TRANSFORMADORES DE CORRENTE 400:5 A (TAMPA) 33 DESENHO 5-B CAIXA PARA TRANSFORMADORES DE CORRENTE 400:5 A (PEÇAS PARA FIXAÇÃO DOS TCs) 34 DESENHO 6 CAIXA PARA TRANSFORMADORES DE CORRENTE DE 600:5 ATÉ 800:5 A (CORPO) 35 DESENHO 6-A CAIXA PARA TRANSFORMADORES DE CORRENTE DE 600:5 ATÉ 800:5 A (TAMPA) 36 DESENHO 6-B CAIXA PARA TRANSFORMADORES DE CORRENTE DE 600:5 ATÉ 800:5 A (PEÇAS PARA FIXAÇÃO DOS TCs) 37 DESENHO 7 CAIXA PROTEÇÃO GERAL ATÉ 175 A PARA MEDIÇÃO AGRUPADA "GRUPO B" (CORPO) 38 DESENHO 7-A CAIXA PROTEÇÃO GERAL ATÉ 175 A PARA MEDIÇÃO AGRUPADA "GRUPO B" (TAMPA) 39 DESENHO 7-B CAIXA PROTEÇÃO GERAL ATÉ 175 A PARA MEDIÇÃO AGRUPADA "GRUPO B" (PEÇAS) 40 DESENHO 8 CAIXA PARA PROTEÇÃO GERAL DISJUNTOR ATÉ 175 A (CORPO) 41 DESENHO 8-A CAIXA PARA PROTEÇÃO GERAL DISJUNTOR ATÉ 175 A (TAMPA) 42 DESENHO 8-B CAIXA PARA PROTEÇÃO GERAL DISJUNTOR ATÉ 175 A (PEÇAS) 43 DESENHO 9 CAIXA PARA PROTEÇÃO GERAL DISJUNTOR DE 250 ATÉ 350 A (CORPO) 44 DESENHO 9-A CAIXA PARA PROTEÇÃO GERAL DISJUNTOR DE 250 ATÉ 350 A (TAMPA) 45 DESENHO 9-B CAIXA PARA PROTEÇÃO GERAL DISJUNTOR DE 250 ATÉ 350 (PEÇAS) 46 DESENHO 10 CAIXA PARA PROTEÇÃO GERAL DISJUNTOR DE 500 ATÉ 800 A (CORPO) 47 DESENHO 10-A CAIXA PARA PROTEÇÃO GERAL DISJUNTOR DE 500 ATÉ 800 A (TAMPA) 48 DESENHO 10-B CAIXA PARA PROTEÇÃO GERAL DISJUNTOR DE 500 ATÉ 800 A (PEÇAS) 49 DESENHO 10-C CAIXA PARA PROTEÇÃO GERAL DISJUNTOR DE 500 ATÉ 800 A (PEÇAS) 50 DESENHO 11 QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO - QGD (CORPO) 51 DESENHO 11-A QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO - QGD (TAMPA) 52
  • 5. NTC-03 / DT-SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA DESENHO 11-B QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO - QGD (SUBTAMPA INTERNA LACRÁVEL) 53 DESENHO 11-C QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO - QGD (BASE REGULÁVEL PARA FIXAÇÃO DO DISJUNTOR) 54 DESENHO 12 CAIXA PARA DERIVAÇÃO - MT - 2/1 (CORPO) 55 DESENHO 12-A CAIXA PARA DERIVAÇÃO - MT - 2/1 (TAMPA) 56 DESENHO 13 CAIXA PARA DERIVAÇÃO - MT - 3/2 (CORPO E TAMPA) 57 DESENHO 14 CAIXA PARA DERIVAÇÃO - MT - 5/3 (CORPO E TAMPA) 58 DESENHO 15 CAIXA PARA DERIVAÇÃO - TM - 2/3 (CORPO) 59 DESENHO 15-A CAIXA PARA DERIVAÇÃO - TM - 2/3 (TAMPA) 60 DESENHO 16 CAIXA PARA DERIVAÇÃO - TM - 3/5 (CORPO E TAMPA) 61 DESENHO 17 CAIXA PARA DERIVAÇÃO - M-1 (CORPO) 62 DESENHO 17-A CAIXA PARA DERIVAÇÃO M-1 (TAMPA) 63 ANEXO C TERMO DE RESPONSABILIDADE 64 ANEXO D QUADRO DE DADOS TÉCNICOS E CARACTERÍSTICAS GARANTIDAS 65 ANEXO E QUADRO DE DESVIOS TÉCNICOS E EXCEÇÕES 67
  • 6. NTC-03 / DT–SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 1 1. OBJETIVO Esta norma estabelece os critérios e as exigências técnicas mínimas relativas à fabricação, recebimento e aprovação de protótipos de caixas para medição, proteção e derivação, confeccionadas em chapa de aço, para aplicação na área de concessão da CELG D.
  • 7. NTC-03 / DT–SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 2 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES Para fins de fabricação, inspeção e ensaios, os materiais componentes das caixas deverão satisfazer as exigências desta norma e às seguintes normas técnicas da ABNT e da CELG D: NBR 5426 Planos de amostragem e procedimentos na inspeção por atributos - Procedimento. NBR 5996 Zinco primário - Especificação. NBR 6323 Galvanização de produtos de aço ou ferro fundido - Especificação. NBR 7397 Produto de aço ou ferro fundido revestido de zinco por imersão a quente - Determinação da massa do revestimento por unidade de área - Método de ensaio. NBR 7398 Produto de aço ou ferro fundido revestido de zinco por imersão a quente - Verificação da aderência do revestimento. NBR 7399 Produto de aço ou ferro fundido revestido de zinco por imersão a quente - Verificação da espessura do revestimento por processo não- destrutivo. NBR 7400 Produto de aço ou ferro fundido - Revestimento de zinco por imersão a quente - Verificação da uniformidade do revestimento. NBR 9209 Preparação de superfícies para pintura - Processo de fosfatização - Procedimento. NBR 10443 Tintas - Determinação da espessura da película seca - Método de ensaio. NBR 11003 Tintas - Determinação da aderência - Método de ensaio. NBR 11388 Sistemas de pintura para equipamentos e instalações de subestações elétricas. NBR IEC 60529 Graus de proteção para invólucros de equipamentos elétricos. NTC-04 Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição. NTC-05 Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Primária de Distribuição. Notas: 1) Poderão ser utilizadas normas de outras organizações normalizadoras, desde que sejam oficialmente reconhecidas pelos governos dos países de origem, assegurem qualidade igual ou superior às mencionadas neste item, não contrariem esta especificação e sejam submetidas a uma avaliação prévia por parte da CELG D. 2) Caso haja opção por outras normas, que não as anteriormente mencionadas essas devem figurar, obrigatoriamente, na documentação de licitação. Todavia, caso a CELG D considere conveniente, o proponente deve enviar uma cópia de cada norma para fins de análise. 3) O fornecedor deve disponibilizar, para o inspetor da CELG D, no local da inspeção, todas as normas acima mencionadas, em suas últimas revisões.
  • 8. NTC-03 / DT–SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 3 3. CONDIÇÕES GERAIS 3.1 Aprovação de Protótipos Deve ser enviado pelo fabricante um protótipo de cada tipo de caixa que pretenda fabricar, juntamente com os respectivos desenhos, memorial descritivo e correspondência solicitando a aprovação. Fabricantes que fornecerem caixas com matéria-prima de má qualidade, características ou modelos diferentes do protótipo aprovado, em desacordo com esta norma ou que apresentarem defeitos de fabricação, poderão ter a sua homologação suspensa, temporária ou definitivamente, sem aviso prévio. A aprovação das caixas não tem caráter definitivo, podendo a CELG D realizar inspeção em periodicidade que julgar conveniente, sem aviso prévio, tanto nas instalações do fabricante quanto por ocasião da ligação das unidades consumidoras, onde as amostras serão colhidas aleatoriamente pelo inspetor da concessionária. Todas as despesas decorrentes da visita do inspetor e da execução dos ensaios correrão por conta do fabricante. Após a aprovação dos protótipos não serão aceitas quaisquer modificações em relação a eles, tanto para venda à CELG D quanto a consumidores. Qualquer modificação no modelo de caixa aprovado pela CELG D, deverá ser solicitada por escrito e dependerá de aprovação prévia. A divulgação da aprovação aos setores competentes da CELG D somente será feita após aceitação pelo fabricante das condições impostas nesta norma. A utilização de materiais diferentes dos especificados somente será possível com aprovação prévia da CELG D. O fabricante deverá indicar claramente em sua proposta ou na solicitação de aprovação de protótipos os possíveis desvios e exceções à presente norma. A constatação durante a fabricação, comercialização e/ou inspeção de desvios e exceções, não indicados nos desenhos aprovados, implicará na rejeição automática do material ou protótipo, sem quaisquer ônus ou obrigações para a CELG D. Quaisquer exigências adicionais ou dispensa aos requisitos constantes desta norma, só terão validade por escrito e deverão ser claramente mencionados nos documentos de licitação ou de solicitação de aprovação de protótipos. 3.2 Acabamento O corpo e a tampa devem ter acabamento liso e uniforme, sem cantos vivos, reentrâncias, arestas cortantes ou rebarbas, principalmente nos pontos onde forem efetuadas soldas e nos dispositivos para lacre e de fixação do disjuntor. As caixas de um mesmo modelo, não devem ter discrepâncias em suas características físicas de acabamento, devendo ser idênticas, e ter todas as suas peças intercambiáveis, mesmo sendo de fabricantes distintos.
  • 9. NTC-03 / DT–SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 4 Os materiais empregados na fabricação devem ser de boa qualidade, resistentes a impactos mecânicos e à ação de agentes corrosivos. Devem ser observadas as dimensões e detalhes construtivos constantes dos desenhos de cada tipo de caixa. Na fabricação deverá ser empregado ferramental apropriado de modo a permitir perfeito acabamento. 3.3 Garantia A garantia mínima deve ser de trinta e seis meses, a partir da data de entrega, ou vinte e quatro meses, a partir da data de instalação, prevalecendo o que ocorrer primeiro, contra qualquer defeito de projeto, material ou fabricação. Caso o lote fornecido apresente defeito ou deixe de atender aos requisitos apresentados nesta norma, um novo período de garantia de doze meses deverá entrar em vigor. Se necessário devem ser substituídas as caixas ou apenas partes com defeito, sem ônus para o consumidor ou para a CELG D. As despesas com mão-de-obra decorrentes de consertos, retiradas e instalações de caixas comprovadamente com defeito de fabricação, bem como o transporte destas peças entre almoxarifado CELG D, consumidor e fabricante, correrão por conta do último. Cada caixa deve vir acompanhada do respectivo Certificado de Garantia emitido pelo fabricante. 3.4 Desvios e Exceções O fabricante deverá indicar claramente em sua proposta os possíveis desvios e exceções à presente norma. Quaisquer exigências adicionais ou dispensa aos requisitos constantes desta norma só terão validade por escrito e deverão ser claramente mencionados nos documentos de licitação. 3.5 Acondicionamento As caixas devem ser acondicionadas de modo a garantir proteção adequada durante o transporte, manuseio nas operações de carga e descarga e armazenamento abrigado. Devem ser embaladas em caixas de papelão, obedecendo aos limites de massa e dimensões fixados pela CELG D, em volumes apoiados em paletes de madeira, de maneira a garantir que não tenham contato direto com o solo.
  • 10. NTC-03 / DT–SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 5 Cada volume deve ter legivelmente marcado: - nome ou marca do fabricante; - identificação completa do conteúdo; - tipo e quantidade; - massas bruta e líquida (kg); - dimensões do volume; - nome da CELG D; - numero do Contrato de Fornecimento de Material (CFM) e da nota fiscal. Nota: O fornecedor deve enumerar os diversos volumes e anexar à nota fiscal uma relação descritiva do conteúdo individual de cada um.
  • 11. NTC-03 / DT–SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 6 4. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS 4.1 Identificação O corpo e a tampa das caixas deverão ser clara e indelevelmente marcados nos locais indicados nos respectivos desenhos, com as seguintes informações: - nome e/ou marca comercial do fabricante; - mês e ano de fabricação. 4.2 Material As caixas deverão ser confeccionadas em chapa de aço, com espessura mínima 1,2 mm (18 USG), exceto para a caixa do quadro geral de distribuição, a qual deve ter espessura mínima de 1,52 mm (16 USG) e o dispositivo para lacre com chapa de 1,9 mm (14 USG). As chapas de aço utilizadas na confecção das caixas devem ser isentas de ferrugem e defeitos superficiais que requeiram trabalho de recondicionamento para sua utilização. As chapas devem ser fornecidas oleadas, de modo a evitar a ação da ferrugem durante o processo de fabricação. 4.3 Estanqueidade Todas as caixas deverão ser estanques à penetração de água, com grau de proteção mínimo IP54, conforme NBR IEC 60529. 4.4 Montagem da Caixa As peças componentes e as junções do corpo da caixa deverão ser soldadas entre si, por solda a ponto. Devem ser observadas as dimensões e detalhes construtivos, indicados nos respectivos desenhos. As caixas devem ser confeccionadas com ferramental apropriado de modo a permitir um perfeito acabamento. A tampa deve se fixar firmemente ao corpo por encaixe, exceto na caixa para medidor horossazonal onde a tampa deve ser presa ao corpo da caixa por dobradiças, formando um conjunto rígido e resistente. Para tal podem ser usados reforços internos. 4.5 Proteção Contra Corrosão As caixas deverão ser protegidas contra a corrosão utilizando qualquer um dos seguintes processos: - pintura alquídica ou a pó (epoxi); - zincagem por imersão a quente.
  • 12. NTC-03 / DT–SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 7 4.5.1 Pintura a) Preparação da Superfície Deverá ser realizada, interna e externamente, da seguinte forma: - as caixas devem sofrer desengraxamento e decapagem química ou jateamento abrasivo ao metal quase branco, padrão visual Sa 2 1/2 da norma SIS 05-5900, visando a remoção do óleo e graxa nelas existentes; - após a decapagem, e verificada a ausência total de umidade, as caixas deverão ser encaminhadas para receber a fosfatização e/ou pintura de base; - a pintura de acabamento, interna e externa, deverá ser compatível com a tinta de fundo utilizada, na cor cinza claro, notação Munsell N6.5. d) pintura alquídica base: uma demão de cromato de zinco com espessura mínima de 35 µm; acabamento: uma demão de tinta com espessura mínima de 45 µm; A espessura final da proteção, com a película seca, deve apresentar espessura média com pelo menos 80 µm e mínima individual de 75 µm. e) pintura a pó (epóxi) base: fosfatização; acabamento: tinta em pó, à base de epóxi, aplicada por sistema eletrostático, com espessura média de 80 e mínima individual de 75 µm. 4.5.2 Zincagem por Imersão a Quente Quando zincadas por imersão a quente, as caixas devem atender às seguintes condições: a) o zinco deverá ser do tipo comum, conforme especificado na NBR 5996, e o teor de alumínio não deve exceder 0,01%; b) a zincagem deve ser executada de acordo com a NBR 6323; c) o peso e a espessura da camada de zinco deverão estar de acordo com os valores mínimos estabelecidos no item 4.5.2.j; d) a zincagem somente deverá ser aplicada às peças após sua fabricação, perfuração e marcação; e) a camada de zinco deve estar rigidamente aderida à superfície das caixas; f) a remoção do excesso de zinco após a retirada das peças do banho, se fará preferencialmente por centrifugação ou batimento indireto; g) as saliências formadas por excesso de zinco deverão ser esmerilhadas ou limadas sem atingir a peça; este procedimento não deverá ser aplicado nos furos das peças zincadas;
  • 13. NTC-03 / DT–SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 8 h) as peças zincadas não deverão apresentar irregularidades no revestimento tais como inclusão de fluxo, borras, áreas não revestidas ou outras, incompatíveis com o emprego previsto para elas; i) eventuais diferenças de brilho, cor ou cristalização não serão consideradas como defeito; j) A espessura do revestimento de zinco deverá ter, no mínimo, individualmente, 50 µm e média de 57 µm, sendo a massa mínima individual 350 g/m2 e média de 400 g/m2 . 4.6 Dispositivo de Selagem Todas as caixas devem possuir dispositivo para selagem da tampa ao corpo, com dimensões, forma de instalação e localização conforme indicado nos respectivos desenhos. O suporte de sustentação do parafuso de lacre deve ser em chapa 16 USG fixado à base da caixa por quatro pontos de solda, no mínimo. O parafuso de lacre deve ser de aço inoxidável, cabeça abaulada (francês), M6 x 25 mm, com furo ∅2 mm, na extremidade, para fixação do arame do lacre, equipado com uma porca e uma arruela, conforme detalhes nos desenhos. A confecção desse dispositivo na tampa da caixa deve ser conforme previsto nos respectivos desenhos, com orifício para entrada do parafuso de lacre, provida de tampa tipo lingüeta corrediça, em chapa com espessura mínima de 1,2 mm (18 USG). 4.7 Parafuso para Aterramento Todas as caixas devem possuir um parafuso passante cabeça sextavada, de latão ou cobre, M8 x 45 mm, com três porcas e quatro arruelas lisas do mesmo material. Em todos os casos os parafusos devem localizar-se na parte inferior das caixas, conforme mostrado nos desenhos de cada uma delas. O furo para passagem do parafuso não deverá ter repuxo. 4.8 Visor As caixas, dependendo do modelo, devem dispor, em sua tampa, de visor confeccionado em policarbonato transparente, aditivado para suportar intempéries e raios ultravioleta, com espessura mínima de 3 mm. Suas dimensões e localização estão indicadas nos desenhos de cada tipo de caixa. Todo o contorno do visor deve ser protegido por uma gaxeta em "U" de borracha sintética, com a finalidade de evitar infiltração de água no interior da caixa. O dispositivo de fixação do visor à tampa deve estar de acordo com o indicado em cada desenho de forma a permitir a substituição do mesmo.
  • 14. NTC-03 / DT–SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 9 4.9 Dispositivo para Fixação do Disjuntor As caixas para medidor e as para disjuntor devem possuir internamente, um dispositivo ajustável de fácil operação, para fixação segura de um disjuntor termomagnético. Este dispositivo está padronizado para cada modelo de caixa, podendo ser aceitas variações, desde que cumpram adequadamente a função e sejam previamente aprovados pela CELG D. Deve apresentar espessura adequada, que lhe dê rigidez, e possuir quinas arredondadas. Nas caixas para medidor monofásico o dispositivo deve permitir a instalação de disjuntor unipolar com corrente nominal até 60 A e, nas para medidor polifásico, disjuntor tripolar com corrente nominal até 100 A. Este dispositivo deve ser provido de furos e garras (trilho DIN) e/ou parafusos e porcas para fixação de qualquer modelo de disjuntor aprovado pela CELG D e permitir o ajuste da base do disjuntor na faixa de 50 a 110 mm, medido a partir do fundo da caixa. Deve ser protegido contra corrosão por intermédio de galvanização a fogo, eletrolítica ou bicromatização. 4.10 Abertura de Acesso à Alavanca do Disjuntor As caixas onde deverão ser instalados disjuntores devem possuir nas tampas uma abertura de acesso à alavanca do mesmo, provida de lingüeta corrediça, com localização conforme indicado nos respectivos desenhos. A alavanca do disjuntor não deve encostar na superfície da lingüeta. A abertura de acesso à alavanca do disjuntor deve ser fabricada de modo a impedir a entrada de insetos no interior da caixa, mesmo quando a lingüeta estiver aberta. 4.11 Furos para Fixação em Poste As caixas para medidor monofásico e polifásico devem possuir na sua parte posterior, furos de ∅7 mm, que possibilitem a fixação em postes de aço seção quadrada. As caixas para medidor monofásico e polifásico destinadas à instalação em poste de aço seção circular devem possuir, na parte posterior, quatro furos ∅5 mm, para permitir, através de suporte apropriado, a fixação nos referidos postes. O posicionamento desses furos está indicado nos desenhos correspondentes a cada tipo de caixa.
  • 15. NTC-03 / DT–SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 10 4.12 Furos para Instalação de Eletrodutos Conforme previsto nos respectivos desenhos, as caixas devem ser providas de furos semi-cortados ou com duas tampas removíveis. Nos furos onde são previstas tampas removíveis estas deverão possibilitar reinstalação e não serem violáveis pelo lado externo.
  • 16. NTC-03 / DT–SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 11 5. INSPEÇÃO E ENSAIOS 5.1 Generalidades a) As caixas deverão ser submetidas à inspeção e ensaios na fábrica, na presença de inspetores credenciados pela CELG D. b) A CELG D reserva-se o direito de inspecionar e testar as caixas e o material utilizado durante o período de fabricação, antes do embarque ou a qualquer tempo em que julgar necessário. O fabricante deverá proporcionar livre acesso do inspetor aos laboratórios e às instalações onde o material em questão estiver sendo fabricado, fornecendo-lhe as informações solicitadas e realizando os ensaios necessários. O inspetor poderá exigir certificados de procedências de matérias-primas e componentes, além de fichas e relatórios internos de controle. c) Antes de serem fornecidas as caixas, um protótipo de cada modelo abordado por esta norma deve ser aprovado, através da realização dos ensaios de tipo previstos no item 5.2. d) Os ensaios para aprovação do protótipo podem ser dispensados parcial ou totalmente, a critério da concessionária, caso já exista um protótipo idêntico aprovado. Se os ensaios de tipo forem dispensados, o fabricante deve emitir um relatório completo destes ensaios, com todas as informações necessárias, tais como, métodos, instrumentos e constantes usadas. A eventual dispensa destes ensaios pela concessionária somente terá validade por escrito. e) O fabricante deve dispor de pessoal e aparelhagem, próprios ou contratados, necessários à execução dos ensaios. Em caso de contratação, deve haver aprovação prévia por parte da CELG D. f) O fabricante deve assegurar ao inspetor da CELG D o direito de familiarizar-se, em detalhes, com as instalações e equipamentos a serem utilizados, estudar todas as instruções e desenhos, verificar calibrações, presenciar ensaios, conferir resultados e, em caso de dúvida, efetuar novas inspeções e exigir a repetição de qualquer ensaio. g) Todos os instrumentos e aparelhos de medição, máquinas de ensaios, etc, devem ter certificado de aferição emitido por instituições acreditadas pelo INMETRO, válidos por um período máximo de um ano. Por ocasião da inspeção, devem estar ainda dentro deste período, podendo acarretar desqualificação do laboratório o não cumprimento dessa exigência. h) A aceitação do lote e/ou a dispensa de execução de qualquer ensaio: - não exime o fabricante da responsabilidade em fornecer os materiais de acordo com os requisitos desta norma; - não invalida qualquer reclamação posterior da CELG D a respeito da qualidade do material e/ou fabricação. Em tais casos, mesmo após haver saído da fábrica, o lote pode ser inspecionado e submetido a ensaios, com prévia notificação ao fabricante e, eventualmente, em
  • 17. NTC-03 / DT–SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 12 sua presença. Havendo qualquer discrepância em relação às exigências desta norma, o lote pode ser rejeitado e sua reposição será por conta do fabricante. i) Após a inspeção das caixas, o fabricante deverá encaminhar à CELG D, por lote ensaiado, um relatório completo dos testes efetuados, em uma via, devidamente assinado por ele e pelo inspetor credenciado pela concessionária. Esse relatório deverá conter todas as informações necessárias para o seu completo entendimento, tais como, métodos, instrumentos, constantes e valores utilizados nos ensaios, além dos resultados obtidos. j) Todas as unidades de produto rejeitadas, pertencentes a um lote aceito, devem ser substituídas por outras novas e perfeitas, por conta do fabricante, sem ônus para a CELG D. Tais unidades correspondem aos valores apresentados na coluna Ac da Tabela 1. k) Nenhuma modificação nas caixas deve ser feita "a posteriori" pelo fabricante, sem a aprovação da CELG D. No caso de alguma alteração, o fabricante deve realizar todos os ensaios, na presença do inspetor da concessionária, sem qualquer custo adicional. l) A CELG D poderá, a seu critério, em qualquer ocasião, solicitar a execução dos ensaios para verificar se as caixas estão mantendo as características de projeto preestabelecidas por ocasião da aprovação dos protótipos. m) Para efeito de inspeção, as caixas deverão ser divididos em lotes, por tipo. n) A rejeição do lote, em virtude de falhas constatadas nos ensaios, não dispensa o fabricante de cumprir as datas de entrega prometidas. Se, na conclusão da CELG D, a rejeição tornar impraticável a entrega do material nas datas previstas, ou tornar evidente que o fabricante não será capaz de satisfazer às exigências estabelecidas nesta especificação, a mesma reserva-se ao direito de rescindir todas as obrigações e obter o material de outro fornecedor. Em tais casos, o fabricante será considerado infrator do contrato e estará sujeito às penalidades aplicáveis. o) O custo dos ensaios deve ser por conta do fabricante. p) A CELG D reserva-se o direito de exigir a repetição de ensaios em lotes já aprovados. Nesse aspecto, as despesas serão de responsabilidade desta, caso as unidades ensaiadas forem aprovadas na segunda inspeção; em hipótese contrária, incidirão sobre o fabricante. q) Os custos da visita do inspetor da CELG D, tais como, locomoção, hospedagem, alimentação, homem-hora e administrativos, correrão por conta do fabricante se: - na data indicada na solicitação de inspeção o material não estiver pronto; - o laboratório de ensaio não atender às exigências citadas nas alíneas e até g; - o material fornecido necessitar de acompanhamento de fabricação ou inspeção final em subfornecedor, contratado pelo fornecedor, em localidade diferente da sua sede; - for necessário reinspecionar o material por motivo de recusa.
  • 18. NTC-03 / DT–SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 13 A CELG D enviará periodicamente inspetores credenciados às indústrias e procederá ao controle de qualidade das caixas, verificando se as mesmas estão dentro dos padrões especificados nesta norma e aplicando todos os ensaios previstos no item 5.2. 5.2. Ensaios O fabricante deverá regulamentar e executar o controle de qualidade de fabricação, que consistirá basicamente de ensaios de qualidade, análise química e metalográfica. Para efeito de aprovação de protótipos, quando do recebimento das caixas e periodicamente após a aprovação, serão realizados os ensaios a seguir especificados. 5.2.1 Inspeção Geral Antes de serem efetuados os demais ensaios o inspetor fará uma inspeção geral, verificando os seguintes itens: - existência de todos os componentes e acessórios requeridos, bem como, suas características e qualidade do acabamento; - fixação dos dispositivos de proteção, medição e encaixe da tampa; - identificação, conforme item 4.1; - acondicionamento, conforme item 3.5; - dimensional, será verificado se as caixas estão de acordo com os respectivos desenhos e compreenderá a análise dos seguintes aspectos: - dimensões; - tolerâncias; - intercambiabilidade. 5.2.2 Estanqueidade As caixas devem ser ensaiadas conforme NBR IEC 60529 para verificação da vedação contra entrada de poeira e água. O grau de proteção mínimo deve ser IP54. 5.2.3 Pintura 5.2.3.1 Aderência da Camada As caixas, quando pintadas, devem ser ensaiadas conforme NBR 11003. O grau de aderência deve ser GR0. 5.2.3.2 Espessura da Camada A espessura da camada de tinta deverá estar de acordo com o item 4.5.1 (base e acabamento) e será determinada conforme método prescrito na NBR 10443. 5.2.4 Revestimento de Zinco Devem ser verificadas as seguintes características da camada de zinco, conforme as normas indicadas.
  • 19. NTC-03 / DT–SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 14 5.2.4.1 Massa O ensaio deve ser realizado em conformidade com a NBR 7397. As amostras serão consideradas aprovadas se a massa por unidade de área estiver de acordo com o prescrito no item 4.5.2.j. 5.2.4.2 Espessura As caixas devem ser ensaiadas conforme NBR 7399. Constitui falha se a espessura da camada de zinco estiver em desacordo com os valores estabelecidos no item 4.5.2.j. 5.2.5 Operação Instalados os disjuntores e colocadas as tampas nas caixas, a alavanca será acionada 100 vezes, após estas operações o disjuntor deverá continuar rigidamente fixado à sua base. 5.3 Relatórios de Ensaios Logo após a inspeção do lote devem ser encaminhados à CELG D os laudos dos ensaios. Caso a presença do inspetor seja dispensada o fornecedor deve apresentar, além dos relatórios, a garantia de autenticidade dos resultados. Esta garantia pode ser dada no próprio relatório ou através de um certificado à parte. Devem constar dos relatórios, no mínimo, as seguintes informações: a) nome e/ou marca comercial do fabricante; b) identificação do laboratório onde foram efetuados os ensaios; c) tipo e quantidade de material do lote; d) tipo e quantidade ensaiada; e) identificação completa do material ensaiado; f) relação, descrição e resultado dos ensaios executados e respectivas normas utilizadas; g) referência a esta norma; h) número do Contrato de Fornecimento de Material (CFM); i) data de início e de término; j) nomes legíveis e assinaturas dos respectivos representantes do fabricante e inspetor da CELG D; k) data de emissão.
  • 20. NTC-03 / DT–SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 15 ANEXO A TABELA 1 CRITÉRIOS DE AMOSTRAGEM, ACEITAÇÃO E REJEIÇÃO INSPEÇÃO GERAL VISUAL DIMENSIONAL ESTANQUEIDADE OPERAÇÃO ESPESSURA E ADERÊNCIA DA CAMADA NÍVEL II, NQA 2,5% NÍVEL S3, NQA 6,5% AMOSTRA AMOSTRA TAMANHO DO LOTE SEQ QUANT. Ac Re SEQ. QUANT. Ac Re Até 50 - 5 0 1 - 2 0 1 51 a 150 1ª 2ª 13 13 0 1 2 2 151 a 280 1ª 2ª 20 20 0 3 3 4 281 a 500 1ª 2ª 32 32 1 4 4 5 1ª 2ª 5 5 0 1 2 2 501 a 1200 1ª 2ª 50 50 2 6 5 7 1201 a 3200 1ª 2ª 80 80 3 8 7 9 1ª 2ª 8 8 0 3 3 4 3201 a 10000 1ª 2ª 125 125 5 12 9 13 1ª 2ª 13 13 1 4 4 5 Notas: 1) Ac - número de unidades defeituosas que ainda permite aceitar o lote. Re - número de unidades defeituosas que implica na rejeição do lote. 2) Para a amostragem dupla adotar o seguinte procedimento: ensaia-se um número inicial de unidades igual ao da primeira amostra obtida na tabela. Se o número de unidades defeituosas encontradas estiver compreendido entre Ac e Re (excluindo estes valores), deve-se ensaiar a segunda amostra. O total de unidades defeituosas encontradas, após ensaiadas as duas amostras, deve ser igual ou inferior ao maior Ac especificado. 3) Planos de amostragem conforme NBR 5426. 4) Na amostragem para ensaio de aprovação de protótipo deverão ser retiradas aleatoriamente quatro amostras de cada tipo de caixa, para os ensaios. 5) O material só será considerado aprovado se todos os resultados, de cada uma das amostras, forem considerados satisfatórios. 6) A não conformidade das caixas com qualquer uma das características que possa comprometer a qualidade determinará a rejeição do lote.
  • 21.
  • 22.
  • 23.
  • 24.
  • 25.
  • 26.
  • 27.
  • 28.
  • 29.
  • 30.
  • 31.
  • 32.
  • 33.
  • 34.
  • 35.
  • 36.
  • 37.
  • 38.
  • 39.
  • 40.
  • 41.
  • 42.
  • 43.
  • 44.
  • 45.
  • 46.
  • 47.
  • 48.
  • 49.
  • 50.
  • 51.
  • 52.
  • 53.
  • 54.
  • 55.
  • 56.
  • 57.
  • 58.
  • 59.
  • 60.
  • 61.
  • 62.
  • 63.
  • 64.
  • 65.
  • 66.
  • 67.
  • 68.
  • 69. NTC-03 / DT–SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 64 ANEXO C TERMO DE RESPONSABILIDADE A empresa ___________________________________________________________________________________________ Endereço: (Rua, Av, estrada)____________________________________________________________________ Nº __________, Cidade: _____________________Estado: ____________ , CEP: _______________-_________ Fone: ( )_______________ ; Fax: ( ) ______________ ; e-mail: _____________________________________ CNPJ ____________________________, declara por meio de seus representantes legais abaixo assinados, ter cumprido na íntegra, todas as determinações técnicas de acordo com o previsto na norma NTC-03 da CELG D, visando a apresentação de protótipos de caixas para homologação, as quais serão utilizadas em entradas de serviço de unidades consumidoras. Declara ainda assumir a responsabilidade pela colocação do produto no mercado em condições adequadas, pela eventual responsabilidade civil e criminal, além do ressarcimento de eventuais prejuízos decorrentes de danos materiais causados à CELG D, a seus consumidores e a terceiros, bem como todas e quaisquer despesas necessárias para visita de inspeção e avaliação industrial. Fica a empresa fornecedora ciente de que esta homologação não tem caráter definitivo, podendo ser revogada a qualquer tempo, sem prévio aviso, caso o material em referência esteja em desacordo com a respectiva norma. Na hipótese de se apurar a colocação do produto no mercado em desacordo com a norma supracitada, estará a CELG D autorizada, mediante simples aviso, a promover a exclusão da empresa do Cadastro de Fornecedores de Materiais para Entrada de Serviço de Unidades Consumidoras. Produtos homologados: Local/Data: ____________________________________________________________________________ Proprietário (Nome e Assinatura): ___________________________________________________________ RG: ________________________________ CPF: ____________________________________________ Engº Responsável (Nome e Assinatura): ______________________________________________________ RG: _________________________________ CPF: ___________________________________________ CREA: _______________________________ Modalidade: ______________________________________ Obs: as assinaturas deverão ter firma reconhecida em cartório.
  • 70. NTC-03 / DT–SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 65 ANEXO D QUADRO DE DADOS TÉCNICOS E CARACTERÍSTICAS GARANTIDAS CAIXA PARA MEDIDOR EM CHAPA DE AÇO Nome do fornecedor: _______________________________________________ Nº da licitação: ____________________________________________________ Nº da proposta: ____________________________________________________ ITEM DESCRIÇÃO CARACTERÍSTICA UNIDADE 1. Tipo de caixa 2. 2.1 Tipo de aço utilizado na fabricação - espessura da chapa mm 3. 3.1 3.2 3.3 Dimensional - altura - largura - profundidade mm mm mm 4. 4.1 4.1.1 4.1.2 4.2 4.2.1 4.2.2 4.2.3 Pintura Base: - tipo de tratamento anticorrosivo - espessura da camada Acabamento - tipo de tinta utilizado - espessura da camada Espessura total da película seca µm µm µm 5. 5.1 5.2 Zincagem - espessura da camada - massa da camada µm g/cm2 6. Grau de proteção 7. Expectativa de vida útil anos 8. Anexar à proposta cópias dos certificados dos ensaios constantes do item 5.2, realizados em caixas idênticas às ofertadas e em laboratório de entidades, conforme Nota 6 (1). (1) Se o fabricante tiver protótipo aprovado pela CELG D, não será necessário anexar os relatórios constantes do item 8, caso contrário, é obrigatório a apresentação de relatórios de ensaios efetuados em laboratório conforme Nota 6, em caixas idênticas às ofertadas, sob pena de desclassificação. Notas: 1) O fabricante deve fornecer em sua proposta todas as informações requeridas no Quadro de Dados Técnicos e Características Garantidas. 2) Se o fabricante apresentar propostas alternativas, cada uma delas deve ser submetida com o Quadro de Dados Técnicos e
  • 71. NTC-03 / DT–SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 66 Características Garantidas, específico, claramente preenchido, sendo que cada quadro deve ser devidamente marcado para indicar a qual proposta pertence. Deverá ser feita também uma descrição sucinta dos desvios principais com relação à proposta básica, caso existam. 3) Erro no preenchimento do quadro poderá ser motivo para desclassificação. 4) Todas as informações requeridas no quadro devem ser compatíveis com as descritas em outras partes da proposta de fornecimento. Em caso de dúvidas, as informações prestadas no referido quadro prevalecerão sobre as descritas em outras partes da proposta. 5) O fabricante deve garantir que a performance e as características dos materiais a serem fornecidos estejam em conformidade com as informações aqui prestadas. 6) Todos os ensaios referidos no item 5.2 devem ser realizados por um dos seguintes órgãos laboratoriais: - governamentais; - credenciados pelo governo do país de origem; - de entidades reconhecidas internacionalmente; - do fornecedor, na presença do inspetor da CELG D.
  • 72. NTC-03 / DT–SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 67 ANEXO E QUADRO DE DESVIOS TÉCNICOS E EXCEÇÕES Nome do Fabricante: ______________________________________________________ N° da Licitação: _________________________________________________________ N° da Proposta: __________________________________________________________ REFERÊNCIA DESCRIÇÃO SUCINTA DOS DESVIOS E EXCEÇÕES
  • 73. NTC-03 / DT–SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 68 ALTERAÇÕES NA NTC-03 Item Data Item da norma Revisão Título 1 4.6 Dispositivo de selagem 2 4.8 Visor (Policarbonato) 3 Ago/08 Desenho 3 2 Caixa para medidor horossazonal (Janela para leitura) 4 Desenho 1 Caixa para medidor monofásico (Furação superior e inferior) 5 Desenho 2 Caixa para medidor polifásico (Furação superior e inferior) 6 Desenho 7 Caixa para proteção geral até 175 A para medição agrupada "Grupo B" (Furação e janela de visualização dos DPSs) 7 Desenho 8 Caixa para proteção geral disjuntor até 175 A (Nova caixa) 8 Desenho 9 Caixa para proteção geral disjuntor de 250 até 350 A (Furação e janela de visualização dos DPSs) 9 Desenho 10 Caixa para proteção geral disjuntor de 500 até 800 A (Furação e janela de visualização dos DPs) 10 Desenho 12 Caixa para derivação - MT 2/1 (Furação superior e inferior) 11 Desenho 13 Caixa para derivação - MT 3/2 (Furação superior e inferior) 12 Desenho 14 Caixa para derivação - MT 5/3 (Furação superior e inferior) 13 Desenho 15 Caixa para derivação - TM 2/3 (Furação superior e inferior) 14 Desenho 16 Caixa para derivação - TM 3/5 (Furação superior e inferior) 15 Jul/09 Desenho 17 3 Caixa para derivação - M1 (Furação superior e inferior)