SlideShare uma empresa Scribd logo
•13/06/2012
•1
API 1104API 1104API 1104API 1104
American Petroleum Institute API 1104
•144
Esta norma abrange a soldagem de processos a arco
e a gás de soldagem de soldas de filete, topo e de
encaixe em tubulações de aço carbono e baixa liga
usados na compressão, bombeamento e transmissão
de óleo bruto, derivados de petróleo, gases
combustíveis, dióxido de carbono e nitrogênio e
quando aplicável em sistemas de distribuição. É
aplicável tanto para soldagem de novas construções
quanto para soldagem em serviço.
•145
A norma API 1104 se divide em 13 seções, 2
anexos.
A seção I é a respeito do escopo de
abrangência da norma;
A seção II apresenta algumas referências
bibliográficas;
A seção III apresenta termos e definições
usados ao longo das demais seções;
•146
A seção IV é a respeito de especificações de
equipamentos e consumíveis;
A seção V é a respeito de variáveis essenciais
na qualificação de procedimentos de
soldagem;
A seção VI é a respeito de requisitos para
qualificação de soldadores;
•147
A seção VII é a respeito de configurações e
preparação das juntas de solda de produção;
A seção VIII é a respeito dos requisitos de
inspeção e testes das soldas de produção;
A seção IX apresenta os critérios de aceitação
para os ensaios não destrutivos e testes;
•148
A seção X é para remoção e reparo de
defeitos;
A seção XI é para procedimentos de ensaios e
testes;
A seção XII é a respeito de requisitos para
soldas automáticas;
A seção XIII é para soldas sem adição de
metais de adição (autógena);
•149
•13/06/2012
•2
O apêndice A é referente a requisitos de
mecânica da fratura;
O apêndice B é a respeito de soldagem de
trepanação.
A seguir serão abordados somente as mais
usuais seções da norma API 1104: 4 a 13 e o
apêndice B.
•150
Na seção IV, As especificações de metais de base
reconhecidas pela API são ASTM e API 5L
enquanto as especificações AWS de consumíveis
reconhecidas são:
◦ AWS A5.1;
◦ AWS A5.17;
◦ AWS 5.18;
◦ AWS A5.20;
◦ AWSA5.28;
◦ AWS A5.29.
•151
Na seção V, o procedimento de soldagem
deve conter as seguintes informações:
◦ Processo de soldagem;
◦ Especificação de Metal Base;
◦ Diâmetro e Espessura de Parede;
◦ Design da junta de solda;
◦ Metal de adição e número de cordões.
•152
Características elétricas
Posição de soldagem
Direção de soldagem
Intervalo entre passes
Tipo e método de remoção de acopladeiras
Limpeza inicial e interpasse
Pré e pós aquecimento
Gás de proteção e vazão
Velocidade de Soldagem
•153
A seguir um modelo
de EPS:
•154
A seguir um modelo
de RQPS:
•155
A seguir será apresentado as variáveis
essências para qualificação de procedimentos
de soldagem:
◦ Metais de base: as especificações são agrupadas
em função do limite de escoamento:
Até 290MPa;
>>>> 290 até 448MPa (exclusivo);
≥≥≥≥ 448MPa;
•156
ConfiguraçãoConfiguraçãoConfiguraçãoConfiguração dededede juntajuntajuntajunta:::: uma mudança
significativa na geometria constitui uma variável
essencial (ex. chanfro U para V e vice versa);
PosiçãoPosiçãoPosiçãoPosição dededede soldagemsoldagemsoldagemsoldagem:::: A mudança entre posição
fixa e posição girada constitui variável essencial;
EspessuraEspessuraEspessuraEspessura dededede paredeparedeparedeparede:::: A mudança de um grupo
para outro grupo constitui variável essencial:
•157
GrupoGrupoGrupoGrupo IIII:::: espessuras menores que 4,8mm;
GrupoGrupoGrupoGrupo IIIIIIII:::: espessuras entre 4,8mm a 19,1mm e;
GrupoGrupoGrupoGrupo IIIIIIIIIIII:::: espessuras acima de 19,1mm.
MetalMetalMetalMetal dededede adiçãoadiçãoadiçãoadição:::: A mudança de um grupo para
outro grupo constitui variável essencial. Para
materiais com Limite de Escoamento acima de
448MPa, a mudança da classificação AWS
constitui variável essencial.
•158
•13/06/2012
•3
A seguir é apresentado a tabela 1 de grupos
de metal de adição:
•159
CaracterísticaCaracterísticaCaracterísticaCaracterística ElétricasElétricasElétricasElétricas:::: A mudança de polaridade
e tipo de corrente constitui variável essencial;
IntervaloIntervaloIntervaloIntervalo entreentreentreentre passespassespassespasses:::: O aumento do intervalo
entre o término do passe de raiz e o início do
passe subsequente constitui variável essencial;
DireçãoDireçãoDireçãoDireção dededede SoldagemSoldagemSoldagemSoldagem:::: A mudança da direção de
soldagem constitui variável essencial (ex.
Progressão ascendente para descendente e vice
versa);
•160
GásGásGásGás dededede proteçãoproteçãoproteçãoproteção:::: A mudança da composição
do gás e uma mudança significativa da vazão
constitui variável essencial;
VelocidadeVelocidadeVelocidadeVelocidade dededede SoldagemSoldagemSoldagemSoldagem:::: A mudança da faixa
de velocidade de soldagem constitui variável
essencial;
•161
PréPréPréPré----aquecimentoaquecimentoaquecimentoaquecimento:::: A diminuição da
temperatura de pré-aquecimento constitui
variável essencial;
TratamentoTratamentoTratamentoTratamento térmicotérmicotérmicotérmico dededede alívioalívioalívioalívio dededede tensõestensõestensõestensões:::: A
aplicação ou eliminação do tratamento
térmico de alívio de tensões constitui variável
essencial.
•162
A tabela 2 apresenta o tipo e a quantidade de corpos
de prova para qualificação de procedimento.
•163
A figura 3 apresenta a posição de
retirada de corpos de prova para
qualificação de procedimento.
•164
•165
Os requisitos de ensaios de tração estão definidos
no item 5.6.2 e a figura 4 ilustra as dimensões do
CP:
•166
O critério de aceitação para avaliação dos CPs de
tração está no item 5.6.2.3:
◦ A resistência do metal de solda incluindo a zona de
ligação deve ser maior ou igual a resistência ruptura
especificada do material do tubo mas não
necessariamente igual ou maior do que a resistência a
ruptura do material em questão. Se os corpos de prova
romperem no metal de base com uma resistência a
ruptura no mínimo igual a resistência ruptura do
material do tubo, o ensaio é considerado satisfatório.
•167
•13/06/2012
•4
Os requisitos de ensaios de dobramento
transversais estão definidos no item 5.6.4 e a
figura 6 ilustra as dimensões do CP:
•168
Os requisitos de ensaios de dobramento laterais estão
definidos no item 5.6.4 e a figura 7 ilustra as
dimensões do CP:
•169
A figura 9 apresenta as dimensões do dispositivo
de dobramento:
•170
O critério de aceitação para avaliação dos Cps
de dobramento está no item 5.6.4.3:
Quaisquer indicações maiores do que 3mm
ou metade da espessura de parede,o que for
menor em qualquer direção presente na solda
ou entre a solda e o metal de base após
dobramento são consideráveis inaceitáveis.
•171
Trincas originais a partir do raio
externo do dobramento ao longo das
extremidades do corpo de prova
menores que 6,4mm, a menos que
visivelmente haja indicações claras de
defeitos, são consideradas aceitáveis.
•172
Os requisitos de ensaios de nickbreak estão
definidos no item 5.6.3 e a figura 5 ilustra as
dimensões do CP:
•173
•174
O critério de aceitação para o ensaio de
nickbreak está no item 5.6.3.3 e ilustrado na
figura 8:
◦ A área exposta da fratura deve apresentar fusão e
penetração completa;
◦ A maior dimensão de um poro não deve exceder
1,6mm e e a área combinada de poros
(porosidade) não deve exceder 2% da área exposta
da superfície;
•175
A profundidade da inclusão de escória não
deve exceder 0,8mm e seu comprimento
não deve ser maior do que 1/8” ou a
metade da espessura nominal de parede, o
que for maior. Deve haver uma separação
de no mínimo 12,7mm entre inclusões
adjacentes.
•176
•13/06/2012
•5
•177
A quantidade, dimensões e posição de
retirada dos CPs de nickbreak para
qualificação de procedimentos de soldagem e
soldadores em juntas de filete (camisa) está
indicado na figura 10 enquanto para juntas
de filete do tipo boca de lobo (derivação)
figura 11.
•178 •179
•180
Os requisitos de qualificação de soldadores
(single qualification) está indicado na seção 6.0.
As variáveis essenciais para a qualificação de
soldadores são (item 6.2.2):
◦ ProcessoProcessoProcessoProcesso dededede soldagemsoldagemsoldagemsoldagem:::: A mudança de processo de
soldagem constitui variável essencial. A combinação de
processos de soldagem desde que o soldador tenha sido
qualificado em separado para cada processo de
soldagem.
•181
DireçãoDireçãoDireçãoDireção dededede SoldagemSoldagemSoldagemSoldagem:::: Mudança da direção de
soldagem constitui variável essencial (progressão
ascendente e descendente);
MetalMetalMetalMetal dededede AdiçãoAdiçãoAdiçãoAdição:::: Mudança do grupo de metal de
adição (tabela 1) do grupo 1 ou 2 para 3 e 3 para 2
ou 1.
DiâmetroDiâmetroDiâmetroDiâmetro:::: Mudança de um grupo de diâmetros para
outro grupo de diâmetros constitui variável essencial:
◦ Diâmetros menores que 60,3mm;
◦ Diâmetros entre 60,3mm e 323,9mm;
◦ Diâmetros maiores que 323,9mm.
•182
EspessuraEspessuraEspessuraEspessura dededede ParedeParedeParedeParede:::: Mudança de um grupo de
espessuras para outro grupo de espessuras constitui
variável essencial:
◦ Espessuras menores que 4,8 mm;
◦ Espessuras entre 4,8 mm e 19,1mm;
◦ Espessuras maiores que 19,1mm.
PosiçãoPosiçãoPosiçãoPosição dededede SoldagemSoldagemSoldagemSoldagem:::: A mudança de posição de
soldagem de girado para fixa e vice versa assim
como entre posições de soldagem, por exemplo:
horizontal para vertical e vice versa.
ObsObsObsObs:::: O soldador qualificado em posição fixa com o
eixo da peça de teste a 45 Graus do plano horizontal
qualifica para todas as posições.
•183
GeometriaGeometriaGeometriaGeometria dededede JuntaJuntaJuntaJunta:::: A mudança da geometria de
junta como por exemplo a eliminação do cobre-junta
ou mudança do chanfro de U para V e vice versa.
Qualificação Múltipla de acordo com a API 1104
consiste em dois testes:
1111º –––– O soldador deve soldar uma peça de
teste com eixo no plano horizontal ou inclinado não
mais do 45º em relação ao plano horizontal. O
diâmetro do tubo deve ser de 168,3mm e espessura
de no mínimo 6,4mm sem mata junta.
•184
2222º ---- O soldador deve posicionar, cortar,
ajustar e soldar uma derivação onde o
diâmetro deve ser de no mínimo 168mm e a
espessura de 6,4mm. A furação deve ser feita
no tronco principal e a peça deve ser soldada
com a derivação voltada para baixo.
Após a soldagem, a peça de teste deve
ser ensaiada visualmente e mecanicamente
(nickbreak).
•185
•13/06/2012
•6
EnsaioEnsaioEnsaioEnsaio VisualVisualVisualVisual dededede SoldaSoldaSoldaSolda:::: O critério de aceitação para
avaliação de descontinuidades nas peças de teste de
qualificação está no item 6.4 da norma: O cordão de
solda deve estar livre de trincas, penetração inadequada
e excessiva e visualmente aceitável.
A profundidade de mordedura adjacente ao cordão
de solda na parte externa da tubulação não deve
exceder 1/32 ou 12,5% da espessura de parede, o que
for menor. Não deve haver um comprimento maior do
que 50mm em qualquer comprimento 300mm contínuo
de solda.
•186
A figura 12 ilustra a posição de retirada dos
corpos de prova das diferentes peças de teste;
O item 6.5 apresenta os ensaios destrutivos
necessários para a qualificação dos soldadores /
operadores de soldagem (tabela 6.3).
De acordo com o item 6.6, os ensaios
destrutivos podem ser substituídos pelo ensaio
radiográfico.
•187 •188
•189
Para continuar é fundamental que você entenda
bem os conceitos apresentados no vídeo.
Você pode assistir novamente, basta clicar no
botão play .
Caso queira prosseguir, mesmo assim dê uma
parada, beba uma água, levante um pouco da
cadeira e somente depois continue o seu
estudo.
Boa Sorte!
•190
Preparação das juntas para as soldas de produção:
os requisitos estão estabelecidos na seção 7.0:
◦ Alinhamento (item 7.2): Para tubos de mesmo diâmetro, o
desalinhamento máximo deve ser de 3,2mm;
◦ Uso de acopladeiras (item 7.3): No caso de acopladeiras
internas, a remoção deve ser feita após o término do
passe de raiz. Nas acopladeiras externas, o comprimento
total mínimo de solda para a sua remoção deve ser de
50% do comprimento total;
•191
BiselBiselBiselBisel (item(item(item(item 7777....4444)))):::: O tipo de bisel e as dimensões
devem estar especificados na EPS;
CondiçõesCondiçõesCondiçõesCondições atmosféricasatmosféricasatmosféricasatmosféricas (item(item(item(item 7777....5555)))):::: As soldas não
deverão ser realizadas em condições atmosféricas
adversas;
EspaçamentoEspaçamentoEspaçamentoEspaçamento (item(item(item(item 7777....6666)))):::: Se a solda estiver acima do
nível do solo, o espaçamento em torno da junta a
ser soldada deverá ser de no mínimo 400mm. Se
estiver na vala, a dimensão da mesma deverá ser
suficientemente adequada para que a solda possa
ser realizada.
•192
LimpezaLimpezaLimpezaLimpeza inicialinicialinicialinicial eeee entreentreentreentre passespassespassespasses (item(item(item(item 7777....7777)))):::: a
remoção pode ser feita através de escovas
rotativas / esmerilhadeiras quando não estiver
indicado o uso de escovas manuais.
Ferrugem, escamas e inclusões devem ser
removidas nos chanfros e entre passes.
Para processos semi-automáticos e
automáticos, pontos elevados, porosidade e
início de cordões devem ser esmerilhados antes
do próximo passe.
•193
AcabamentosAcabamentosAcabamentosAcabamentos dededede soldasoldasoldasolda (item(item(item(item 7777....8888)))):::: O reforço de solda
máximo permitido é de 1,6 mm. Dois passes de
solda não devem iniciar no mesmo ponto e a largura
do cordão de solda deve ser pelo menos 3mm maior
do que a largura do chanfro.
Soldagem com rolos (item 7.9) é permitido desde
que seja garantido o alinhamento da junta através
do uso de suportes estruturais e um número mínimo
de roletes para evitar a flambagem do trecho
suportado.
•194
•13/06/2012
•7
A inspeção das juntas de solda é definida na
seção 8:
◦ O item 8.4. define que os inspetores devem ser
certificados de acordo com a prática recomendada da
ASNT – SNT TC-1A ou ACCP.
◦ Os critérios de aceitação para os diversos ENDs é
definido na seção 9:
◦ Os critérios de aceitação para o ensaio radiográfico
estão definidos do item 9.3.1 a 9.3.13 para diversas
descontinuidades:
•195
9.3.1-Falta de Penetração sem High-Lows
•196
9.3.2-Falta de Penetração com High-Lows
•197
9.3.3- Falta de Penetração em Soldas de
Chanfro Duplo
•198
9.3.4- Falta de Fusão na raiz ou no topo da
junta
•199
9.3.5- Falta de Fusão devido a Dobras Frias
•200
9.3.6- Concavidade Interna
•201
A figura 19 apresenta uma imagem
radiográfica com a distribuição de poros
aceitáveis para espessuras de parede
menores ou iguais a 12,7mm enquanto a
figura 20 é para espessuras de paredes
acima de 12,7mm.
•202 •203
•13/06/2012
•8
•204
O critério de aceitação para o ensaio de
partículas magnéticas está definido nos itens
9.4.1.2 / 9.4.1.3 / 9.4.2:
◦ Indicações lineares tais como trincas de cratera ou
estrela com comprimento superior a 4mm;
◦ Trincas outras além das trincas de cratera e de estrela
em quaisquer comprimentos;
◦ Indicações lineares caracterizadas como falta de fusão
e que excedam 25mm em comprimento total em
300mm de comprimento contínuo de solda ou 8% do
comprimento soldado;
•205
O tamanho de poros individuais que exceda 3,2mm;
O tamanho de poros individuais que exceda 25% da
espessura do componente soldado;
A distribuição não deve exceder as concentrações
estabelecidas nas figuras 19 e 20;
O diâmetro da porosidade não deve exceder 12mm;
O comprimento agregado de porosidade não deve ser
maior do que 12mm em 300mm contínuos de
comprimento soldado;
Um poro individual em uma porosidade não deve exceder
2mm;
•206
O critério de aceitação para o ensaio de líquido
penetrante está definido nos itens 9.5.1.2 /
9.5.1.3 / 9.5.2:
◦ Indicações lineares tais como trincas de cratera ou
estrela com comprimento superior a 4mm;
◦ Trincas outras além das trincas de cratera e de estrela
em quaisquer comprimentos;
◦ Indicações lineares caracterizadas como falta de fusão
e que excedam 25mm em comprimento total em
300mm de comprimento contínuo de solda ou 8% do
comprimento soldado;
•207
O tamanho de poros individuais que exceda 3,2mm;
O tamanho de poros individuais que exceda 25% da
espessura do componente soldado;
A distribuição não deve exceder as concentrações
estabelecidas nas figuras 19 e 20;
O diâmetro da porosidade não deve exceder 12mm;
O comprimento agregado de porosidade não deve ser
maior do que 12mm em 300mm contínuos de
comprimento soldado;
Um poro individual em uma porosidade não deve exceder
2mm;
•208
O critério de aceitação para o ensaio de ultra-
som está determinado nos itens 9.6.1.1a
9.6.1.5 e 9.6.2.1 a 9.6.2.8:
Trincas de quaisquer comprimento;
Indicações lineares superficiais:
As indicações lineares superficiais agregadas
não devem exceder 25mm em 300mm de
comprimento soldado contínuo e comprimento
agregado não maior do que 8% do comprimento
soldado.
•209
As indicações sub-superficiais agregadas não
devem exceder 50mm em 300mm de
comprimento soldado contínuo e comprimento
agregado não maior do que 8% do comprimento
soldado.
As indicações volumétricas agrupadas não
devem exceder 12mm;
As indicações volumétricas individuais não
devem exceder 6,4mm em quaisquer dimensões
(largura e comprimento);
•210
As indicações volumétricas na raiz: a máxima
dimensão não deve exceder 6mm;
O comprimento total em 300mm contínuos de
solda não deve exceder 12mm;
O agrupamento das indicações acima descritas
constitui um defeito quando: o comprimento
total das indicações (agregado) em 300mm
contínuos de soldagem exceder 50mm acima do
nível de avaliação e o comprimento agregado
acima de 8% do comprimento de solda.
•211
O critério de aceitação de visual de solda para
mordedura está estabelecido no item 9.7.2 e
tabela 4;
•212
•13/06/2012
•9
Os requisitos de reparo de solda são
definidos na seção X:
◦ O reparo de trincas pode ser realizado desde que
seu comprimento não exceda 8% do comprimento
soldado e um procedimento de soldagem de
reparo qualificado deve ser usado;
•213
Um procedimento de soldagem de reparo é
necessário quando o processo de soldagem
para reparo for diferente do processo original e
quando há necessidade da execução de mais de
um reparo de solda na mesma área;
Os ensaios mecânicos e não destrutivos a serem
realizados na qualificação do procedimento são
definidos pelo cliente e devem constar no
mínimo das seguintes informações:
•214
O método de escavação do defeito;
O método de remoção do defeito;
O perfil da área de reparo após remoção do
defeito;
Os requisitos de pré-aquecimento e de
interpasse para a soldagem de reparo;
Processos de soldagem e outros requisitos
definidos no item 5.3.2;
Requisitos de ensaios não destrutivos entre
passes;
•215
O critério de aceitação para avaliação de
descontinuidades nos diferentes ENDs é o
mesmo estabelecido para as soldas de
produção.
•216
Os requisitos quanto a execução dos ensaios
não destrutivos estão definidos na seção XI:
◦ LíquidoLíquidoLíquidoLíquido PenetrantePenetrantePenetrantePenetrante:::: De acordo com a especificação
ASTM E165;
◦ PartículasPartículasPartículasPartículas MagnéticasMagnéticasMagnéticasMagnéticas:::: De acordo com a
especificação ASTM E709;
◦ UltraUltraUltraUltra SomSomSomSom:::: De acordo com a API 1104 (item
11.4.2.2), as seguintes informações devem estar
contidas no procedimento:
•217
Processo de soldagem;
Tipos de junta (configuração);
Tipo de material;
Método de preparação da superfície;
Conjunto de inspeção (aparelho e cabeçotes); com
os tipos e modelos;
Tipo de processo: Manual ou Automático;
Acoplante;
Técnica de ensaio;
Ângulos dos cabeçotes.
•218
Frequências;
Temperaturas da superfície;
Padrões de varredura e velocidade;
Dados de referência e marcadores de posição;
Normas de referência;
Requisitos de Calibração;
Níveis de varredura e avaliação;
Registros de resultados;
Item 11.4.3 - O inspetor nível 3 deve elaborar o
procedimento enquanto o inspetor nível 2 deve calibrar o
equipamento e realizar a inspeção.
•219
Uma demonstração prática do
procedimento deve ser conduzida
antes da elaboração e validação do
mesmo conforme item11.4.4;
A verificação da sensibilidade do
ensaio deve ser feita através do bloco
da figura 22A (item 11.4.7);
•220
Calibração
•221
•13/06/2012
•10
A distância, ângulo refratado e a velocidade
são determinadas através da figura 22.B:
•222
A perda por transferência é determinada através
da figura 22.C:
O critério de aceitação está definido no item 9.6.
•223
RadiografiaRadiografiaRadiografiaRadiografia:::: De acordo com a API
1104 (item 11.1.2.2), as seguintes
informações devem estar contidas no
procedimento:
◦ Fonte de radiação;
◦ Telas intensificadoras: tipo, posição e
espessura;
•224
◦ Filmes: tipo, marca e a quantidade de filmes por
chassi;
◦ Técnica de exposição;
◦ Condições de exposição: tensão, corrente e
tempo de exposição;
◦ Condições de processamento manual ou
automático;
◦ Penetrômetros: tipo (arame ou furo),material,
espessura, material e espessura do calço;
•225
A API reconhece outras tecnologias de
radiografia industrial (radiografia digital)
conforme indicado no item 11.1.2.3;
As técnicas de exposição e visualização:
◦ parede simples-vista simples;
◦ parede dupla-vista simples;
◦ parede dupla-vista dupla (falsa elipse); e
◦ parede dupla-vista dupla (sobreposição) são
definidas no item 11.1.3;
•226
A Seleção dos tipos de penetrômetros está
definida no item 11.1.5:
A espessura máxima do IQI furo é em função
da espessura do metal base e o número de
identificação de acordo com a tabela 5 e 6
(figura 21);
•227
•228 •229
A tabela 7 é para IQIs do tipo arame – ASTM
E747.
•230
•13/06/2012
•11
Os requisitos de colocação dos penetrômetros está no item
11.1.6.1:
◦ panorâmica (04 IQIs espaçados igualmente ao longo do perímetro);
◦ parede dupla / vista dupla (01 IQI colocado próximo da margem da
solda);
◦ para parede dupla/vista simples e parede simples/vista simples com
necessidade de várias exposições e com comprimento do filme a ser
interpretado maior do que 130mm, 02 IQIs colocados paralelamente ao
cordão de solda e pelo lado do filme deve ser colocados, sendo um
colocado no final do comprimento do primeiro (a 25mm) e no centro do
comprimento;
◦ No caso de filmes com comprimento menor do que 130mm, 01 IQI deve
ser colocado no centro do filme paralelo a solda no lado do filme.
•231
Para os IQIs do tipo arame, os requisitos são
os mesmos dos tipo furo exceto que os IQIs
devem ser colocados transversalmente ao
cordão de solda e perpendicular ao filme;
A densidade dos filmes deve atender os
requisitos do item 11.1.10, onde a
densidade através da área de interesse deve
variar entre um valor mínimo de 1,8 e o
valor máximo de 4,0.
•232
Para continuar é fundamental que você entenda
bem os conceitos apresentados no vídeo.
Você pode assistir novamente, basta clicar no
botão play .
Caso queira prosseguir, mesmo assim dê uma
parada, beba uma água, levante um pouco da
cadeira e somente depois continue o seu
estudo.
Boa Sorte!
•233
A seção 12 corresponde aos
requisitos aplicáveis as soldas
automáticas:
◦ SAW, GMAW and FCAW (innershield and
outershield);
◦ GTAW; e
◦ PAW.
•234
Os ensaios mecânicos e não
destrutivos são os mesmos aplicáveis
as soldas manuais e semi-
automáticas e devem atender os
requisitos de ensaios mecânicos e
não destrutivos dos itens 5.6 e 9
respectivamente;
•235
A EPS deve apresentar as seguintes
informações:
◦ Processos de soldagem;
◦ Especificações de metais de base;
◦ Diâmetros;
◦ Geometria de Junta;
◦ Metal de Adição;
◦ Características Elétricas;
◦ Posição de Soldagem;
•236
Intervalo de tempo entre Passes;
Tipo de Acopladeira;
Limpeza;
Pre-aquecimento e Interpasse;
Pós-aquecimento;
Gás de Proteção e Vazão;
Fluxo de Proteção;
Velocidade de Soldagem;
•237
As variáveis essenciais são as seguintes:
◦ Mudança de Processo de Soldagem;
◦ Mudança do grupo de Metais de Base:
1 – Limite de Escoamento até 290Mpa;
2 – Limite de escoamento - >290Mpa e
< 448Mpa;
3 - Limite de escoamento ≥ 448Mpa;
◦ Mudança da geometria da junta de solda;
◦ Mudança da espessura além da faixa qualificada;
•238
Mudança do diâmetro além da faixa qualificada;
Mudança entre grupos de metais de adição
(tabela1).Para materiais com limite de escoamento
maior do que 448MPa, a classificação AWS é a variável
essencial;
A mudança do diâmetro do metal de adição;
A mudança do intervalo de tempo entre o término do
passe de raiz e o início do passe a quente;
A mudança da progressão de soldagem;
Mudança da composição do gás de proteção e vazão;
•239
•13/06/2012
•12
Mudança da faixa qualificada de velocidade de soldagem;
Mudança das faixas de pré-aquecimento, interpasse e pós-
aquecimento;
Mudanças das características elétricas (corrente e polaridade);
Mudança da composição do gás de proteção e do diâmetro do
orifício para PAW;
Os requisitos para qualificação de operadores de soldagem
estão definidos no item 12.6:
◦ Os ensaios mecânicos e não destrutivos a serem aplicados nas peças de
teste devem atender os requisitos dos itens 6.4. a 6.7 da norma;
•240
As soldas de produção devem ser
inspecionadas e testada de acordo com o
item 12.8 da norma;
Os critérios de aceitação para avaliação de
descontinuidades deve estar de acordo com
a seção 9;
Reparo e remoção de defeitos de acordo
com a seção 10;
•241
Ensaio radiográfico de acordo com o item 11.1;
O apêndice B é a respeito de soldas de
trepanação:
A figura B-1 mostra a técnica de passe de
revenimento adotada para esse tipo de solda;
O foco principal do apêndice B é evitar a
fissuração por hidrogênio em soldas em cargas
vivas;
•242
O tipo de eletrodo usado em soldas de trepanação
é básico e a regulagem deve ser cuidadosamente
selecionada para evitar a perfuração do duto;
•243
As soldas de filete executadas sobre o
tronco principal (corpo do duto)
devem atender os requisitos do corpo
da norma API para soldas de filete
sendo que no apêndice B há os
seguintes requisitos alternativos ou
adicionais a ser seguido:
•244
No item B.2.1.1.1 – Além do agrupamento dos
metais de base por limite de escoamento, os
metais de base são agrupados por carbono
equivalente (CE);
Condições de operação do duto na qualificação
devem ser as mesmas;
O aporte térmico deve ser determinado para
procedimentos desenvolvidos, para minimizar a
troca térmica entre a região de solda e o fluído
de operação;
•245
A sequência de soldagem com passes de
revenimento para minimizar a troca térmica entre a
região de solda e o fluído de operação deve ser
definida;
Pelo apêndice B, para soldas de filete, a mudança
do limite de escoamento não é variável essencial;
Pelo Apêndice B, quaisquer mudanças da condição
de operação em relação a condição da qualificação
do procedimento constitui variável essencial;
•246
Pelo apêndice B, para soldas de filete, a espessura de
parede do tubo não é variável essencial;
Pelo apêndice B, a mudança da sequência de deposição
de passe de revenimento para outra sequência constitui
em variável essencial;
Os ensaios das peças de teste estão definidos no item
B.2.4;
A figura B-2 mostra a soldagem de uma peça de teste
de acordo com apêndice B;
O tipo de ensaios e a quantidade de corpos de prova
estão indicados na tabela B-1;
•247 •248
•13/06/2012
•13
•249
A posição de retirada dos corpos de
prova está ilustrada na figura B-3
tanto para soldas de reparo dupla
calha quanto para soldas de derivação
boca de lobo:
•250 •251
A figura B-4 ilustra os corpos de
prova para ensaio macrográfico para
soldas em carga;
A figura B-5 ilustra os corpos de
prova de dobramento para soldas em
carga;
•252 •253 •254
Os requisitos para qualificação dos soldadores /
operadores de soldagem para soldagem de
trepanação está no item B-3:
Soldagem nas quais se faz necessário o controle do
aporte térmico e a deposição com a técnica do
temper bead, o soldador / operador deve
demonstrar habilidade para executá-la;
As soldas de qualificação serão consideradas
aprovadas se atenderem os requisitos do corpo
da norma API 1104, itens 6.4 e 6.5;
•255
O apêndice B apresenta uma série de
recomendações para a execução da soldagem de
trepanação (item B-4);
As soldas de qualificação serão consideradas
aprovadas se atenderem os requisitos do corpo da
norma API 1104, itens 6.4 e 6.5;
O apêndice B apresenta uma série de
recomendações para a execução da soldagem de
trepanação (item B-4.1);
•256
B.4.1.1 – Montagem: a abertura entre o duto principal e
as dupla calhas ou selas não deve ser excessiva e
dispositivos como acopladeiras podem ser utilizados.
Para diminuir aberturas excessivas, a técnica de
amanteigamento pode ser utilizada;
B.4.1.2 – As soldas longitudinais de união das calhas
deve ser de penetração total. As juntas longitudinais
podem ser montadas com auxílio de cobre juntas
metálicos para evitar a perfuração do duto durante a
soldagem de trepanação;
•257
•13/06/2012
•14
As figuras B-6 a B-11 mostra como
recomendação a sequência de
soldagem a ser aplicada na soldagem
de trepanação:
•258 •259 •260
•261 •262 •263
•264 •265
Para continuar é fundamental que você entenda bem
os conceitos apresentados no vídeo.
Você pode assistir novamente, basta clicar no botão
play .
Caso queira prosseguir, mesmo assim dê uma
parada, beba uma água, levante um pouco da cadeira
e somente depois continue o seu estudo.
Boa Sorte!Boa Sorte!Boa Sorte!Boa Sorte!
API 1104
•13/06/2012
•15
Uma determinada empreiteira pretende utilizar
ou uma acopladeira interna ou uma acopladeira
externa para auxiliar o alinhamento das juntas
durante a soldagem.
Quais são as considerações a serem
observadas pela empreiteira?
•267
API 1104
CapítuloCapítuloCapítuloCapítulo
5555
Item 5.3Item 5.3Item 5.3Item 5.3
SubSubSubSub----ItemItemItemItem
5.3.2.115.3.2.115.3.2.115.3.2.11
CapítuloCapítuloCapítuloCapítulo
7777
Item 7.3Item 7.3Item 7.3Item 7.3
•268
De acordo com a API 1104, o procedimento de
soldagem deve identificar o uso de acopladeiras ou não
e se a mesma é interna ou externa.
Acopladeiras para alinhamento devem ser usadas
para soldas de topo de acordo com o procedimento de
soldagem.
Quando for possível a remoção da acopladeira
antes do término do passe de raiz, a parte soldada da
raiz deve estar distribuída em incrementos
aproximadamente iguais ao longo da circunferência.
•269
De qualquer modo quando uma acopladeira
interna for usada e a movimentação do tubo é inevitável
ou se a solda estiver exposta um possível
tensionamento desnecessário, o passe de raiz deve ser
inteiramente soldado antes da remoção da tensão da
acopladeira.
No caso das acopladeiras externas, o comprimento
acumulado dos incrementos aproximadamente iguais ao
longo da circunferência deve corresponder no mínimo a
50% do comprimento total da circunferência antes da
remoção da acopladeira.
•270
Através do ensaio visual de solda, foi
encontrado uma mordedura de 0,3mm em todo o
perímetro de um tubo de 12” de diâmetro e
espessura de parede de 6,35mm.
De acordo com a norma API 1104, a mordedura
precisa ser reparada?
•272
API 1104
CapítuloCapítuloCapítuloCapítulo
9999
Item 9.7Item 9.7Item 9.7Item 9.7
SubSubSubSub----ItemItemItemItem
9.7.19.7.19.7.19.7.1
SubSubSubSub----ItemItemItemItem
9.7.29.7.29.7.29.7.2
Tabela 4Tabela 4Tabela 4Tabela 4
•273
De acordo com a norma API 1104, para
profundidades menores do que 0,4mm ou 6%
da espessura de parede que neste caso seria
0,381mm, o que for menor, a mordedura é
considerada aceitável independente do seu
comprimento.
Sendo a profundidade encontrada de
0,3mm, a mesma é considerada aceitável.
•274
Faça os nossos outros cursos
de normas e prepare-se para
o mercado.
•275
•13/06/2012
•16
•277 •278
•279 •280 •281
•282 •284
•13/06/2012
•17
•285 •286 •287
•288 •289

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apostila soldagem de tubulacoes
Apostila soldagem de tubulacoesApostila soldagem de tubulacoes
Apostila soldagem de tubulacoes
MLB INDÚSTRIA MECÂNICA
 
Defeitos de Soldagem
Defeitos de Soldagem Defeitos de Soldagem
Defeitos de Soldagem
Vinicius Borsatti
 
A2.1 simbologia da soldagem
A2.1   simbologia da soldagemA2.1   simbologia da soldagem
A2.1 simbologia da soldagem
MARCELO DOS OLIVEIRA
 
3. Calificacion De Procedimientos Y CertificacióN De Soldadores
3. Calificacion De Procedimientos Y CertificacióN De Soldadores3. Calificacion De Procedimientos Y CertificacióN De Soldadores
3. Calificacion De Procedimientos Y CertificacióN De Soldadores
Ing. Electromecanica
 
Solda aula 3- processos
Solda   aula 3- processosSolda   aula 3- processos
Solda aula 3- processos
Roberto Villardo
 
Inspeção - Ensaios Visuais e Macrografia
Inspeção - Ensaios Visuais e MacrografiaInspeção - Ensaios Visuais e Macrografia
Inspeção - Ensaios Visuais e Macrografia
Pedro Henrique de Souza Barbosa
 
Api 5 l
Api 5 lApi 5 l
Simbolos na solda1
Simbolos na solda1Simbolos na solda1
Simbolos na solda1
Cláudio José
 
Origem de defeitos superficiais em tarugos de aços ao carbono e de baixa liga
Origem de defeitos superficiais em tarugos de aços ao carbono e de baixa ligaOrigem de defeitos superficiais em tarugos de aços ao carbono e de baixa liga
Origem de defeitos superficiais em tarugos de aços ao carbono e de baixa liga
Jorge Madias
 
Tubulações industriais
Tubulações industriais Tubulações industriais
Tubulações industriais
Claudeci Evaristo
 
ASME SEC IX PPT.pdf
ASME SEC IX PPT.pdfASME SEC IX PPT.pdf
ASME SEC IX PPT.pdf
PKNanavati
 
Apostila metalurgia soldagem
Apostila metalurgia soldagemApostila metalurgia soldagem
Apostila metalurgia soldagem
Cleber Costa
 
Asme section 2C
Asme section 2CAsme section 2C
Asme section 2C
harsh soni
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
lilianelinnaferreira
 
Apostila de soldagem 2007
Apostila de soldagem 2007Apostila de soldagem 2007
Apostila de soldagem 2007
wellington Nascimento
 
Asme sec viii div 1 s
Asme sec viii div 1 sAsme sec viii div 1 s
Asme sec viii div 1 s
Jithu John
 
Welders qualification
Welders qualificationWelders qualification
Welders qualification
Lalu Rajendran
 
Brasagem Processo de solda
Brasagem Processo de soldaBrasagem Processo de solda
Brasagem Processo de solda
Jose Donizetti Moraes
 
1901103rev0 apostila soldagemtubulacoes
1901103rev0 apostila soldagemtubulacoes1901103rev0 apostila soldagemtubulacoes
1901103rev0 apostila soldagemtubulacoes
LukasSeize
 
American Welding Society (AWS) Certifications for WELDING INSPECTOR WELD...
American Welding Society (AWS) Certifications for WELDING INSPECTOR WELD...American Welding Society (AWS) Certifications for WELDING INSPECTOR WELD...
American Welding Society (AWS) Certifications for WELDING INSPECTOR WELD...
thiru1mech
 

Mais procurados (20)

Apostila soldagem de tubulacoes
Apostila soldagem de tubulacoesApostila soldagem de tubulacoes
Apostila soldagem de tubulacoes
 
Defeitos de Soldagem
Defeitos de Soldagem Defeitos de Soldagem
Defeitos de Soldagem
 
A2.1 simbologia da soldagem
A2.1   simbologia da soldagemA2.1   simbologia da soldagem
A2.1 simbologia da soldagem
 
3. Calificacion De Procedimientos Y CertificacióN De Soldadores
3. Calificacion De Procedimientos Y CertificacióN De Soldadores3. Calificacion De Procedimientos Y CertificacióN De Soldadores
3. Calificacion De Procedimientos Y CertificacióN De Soldadores
 
Solda aula 3- processos
Solda   aula 3- processosSolda   aula 3- processos
Solda aula 3- processos
 
Inspeção - Ensaios Visuais e Macrografia
Inspeção - Ensaios Visuais e MacrografiaInspeção - Ensaios Visuais e Macrografia
Inspeção - Ensaios Visuais e Macrografia
 
Api 5 l
Api 5 lApi 5 l
Api 5 l
 
Simbolos na solda1
Simbolos na solda1Simbolos na solda1
Simbolos na solda1
 
Origem de defeitos superficiais em tarugos de aços ao carbono e de baixa liga
Origem de defeitos superficiais em tarugos de aços ao carbono e de baixa ligaOrigem de defeitos superficiais em tarugos de aços ao carbono e de baixa liga
Origem de defeitos superficiais em tarugos de aços ao carbono e de baixa liga
 
Tubulações industriais
Tubulações industriais Tubulações industriais
Tubulações industriais
 
ASME SEC IX PPT.pdf
ASME SEC IX PPT.pdfASME SEC IX PPT.pdf
ASME SEC IX PPT.pdf
 
Apostila metalurgia soldagem
Apostila metalurgia soldagemApostila metalurgia soldagem
Apostila metalurgia soldagem
 
Asme section 2C
Asme section 2CAsme section 2C
Asme section 2C
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Apostila de soldagem 2007
Apostila de soldagem 2007Apostila de soldagem 2007
Apostila de soldagem 2007
 
Asme sec viii div 1 s
Asme sec viii div 1 sAsme sec viii div 1 s
Asme sec viii div 1 s
 
Welders qualification
Welders qualificationWelders qualification
Welders qualification
 
Brasagem Processo de solda
Brasagem Processo de soldaBrasagem Processo de solda
Brasagem Processo de solda
 
1901103rev0 apostila soldagemtubulacoes
1901103rev0 apostila soldagemtubulacoes1901103rev0 apostila soldagemtubulacoes
1901103rev0 apostila soldagemtubulacoes
 
American Welding Society (AWS) Certifications for WELDING INSPECTOR WELD...
American Welding Society (AWS) Certifications for WELDING INSPECTOR WELD...American Welding Society (AWS) Certifications for WELDING INSPECTOR WELD...
American Welding Society (AWS) Certifications for WELDING INSPECTOR WELD...
 

Destaque

Nbr14842
Nbr14842Nbr14842
Nbr14842
Renaldo Adriano
 
Res mat-cotuca-versao-4-4-21-fev-2013-revisao-numeracao-exer-como-ver-4-2
Res mat-cotuca-versao-4-4-21-fev-2013-revisao-numeracao-exer-como-ver-4-2Res mat-cotuca-versao-4-4-21-fev-2013-revisao-numeracao-exer-como-ver-4-2
Res mat-cotuca-versao-4-4-21-fev-2013-revisao-numeracao-exer-como-ver-4-2
Hamilton Gonçalves de Araújo
 
Qualificação de Procedimento
Qualificação de ProcedimentoQualificação de Procedimento
Qualificação de Procedimento
Anderson Santana
 
Manual de aplicacoes em soldagem
Manual de aplicacoes em soldagemManual de aplicacoes em soldagem
Manual de aplicacoes em soldagem
Marcelo F. Andrade
 
Livro resistencia dos materiais willian nash
Livro resistencia dos materiais   willian nashLivro resistencia dos materiais   willian nash
Livro resistencia dos materiais willian nash
Flávio Cardoso
 
Apostilas senai - processo soldagem
Apostilas   senai - processo soldagemApostilas   senai - processo soldagem
Apostilas senai - processo soldagem
Paulo Cezar santos
 
How to Make Awesome SlideShares: Tips & Tricks
How to Make Awesome SlideShares: Tips & TricksHow to Make Awesome SlideShares: Tips & Tricks
How to Make Awesome SlideShares: Tips & Tricks
SlideShare
 
Getting Started With SlideShare
Getting Started With SlideShareGetting Started With SlideShare
Getting Started With SlideShare
SlideShare
 

Destaque (9)

Nbr14842
Nbr14842Nbr14842
Nbr14842
 
CERTIFICADO TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA
CERTIFICADO TÉCNICO EM ELETROTÉCNICACERTIFICADO TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA
CERTIFICADO TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA
 
Res mat-cotuca-versao-4-4-21-fev-2013-revisao-numeracao-exer-como-ver-4-2
Res mat-cotuca-versao-4-4-21-fev-2013-revisao-numeracao-exer-como-ver-4-2Res mat-cotuca-versao-4-4-21-fev-2013-revisao-numeracao-exer-como-ver-4-2
Res mat-cotuca-versao-4-4-21-fev-2013-revisao-numeracao-exer-como-ver-4-2
 
Qualificação de Procedimento
Qualificação de ProcedimentoQualificação de Procedimento
Qualificação de Procedimento
 
Manual de aplicacoes em soldagem
Manual de aplicacoes em soldagemManual de aplicacoes em soldagem
Manual de aplicacoes em soldagem
 
Livro resistencia dos materiais willian nash
Livro resistencia dos materiais   willian nashLivro resistencia dos materiais   willian nash
Livro resistencia dos materiais willian nash
 
Apostilas senai - processo soldagem
Apostilas   senai - processo soldagemApostilas   senai - processo soldagem
Apostilas senai - processo soldagem
 
How to Make Awesome SlideShares: Tips & Tricks
How to Make Awesome SlideShares: Tips & TricksHow to Make Awesome SlideShares: Tips & Tricks
How to Make Awesome SlideShares: Tips & Tricks
 
Getting Started With SlideShare
Getting Started With SlideShareGetting Started With SlideShare
Getting Started With SlideShare
 

Semelhante a Doc 01 api1104

Rebites
RebitesRebites
Rebites
huanderlei
 
Qualificaã ã-o+de+procedimento
Qualificaã ã-o+de+procedimentoQualificaã ã-o+de+procedimento
Qualificaã ã-o+de+procedimento
Anderson Santana
 
Docslide.com.br nbr 5440-1999-transformadores-para-redes-aereas-de-distribuic...
Docslide.com.br nbr 5440-1999-transformadores-para-redes-aereas-de-distribuic...Docslide.com.br nbr 5440-1999-transformadores-para-redes-aereas-de-distribuic...
Docslide.com.br nbr 5440-1999-transformadores-para-redes-aereas-de-distribuic...
Edgar Fernandez Herrera
 
Catalogo Eluma.pdf
Catalogo Eluma.pdfCatalogo Eluma.pdf
Catalogo Eluma.pdf
Eduardo159906
 
Nbr 05029 1982 - tubo de cobre e suas ligas sem costura para condensadores ...
Nbr 05029   1982 - tubo de cobre e suas ligas sem costura para condensadores ...Nbr 05029   1982 - tubo de cobre e suas ligas sem costura para condensadores ...
Nbr 05029 1982 - tubo de cobre e suas ligas sem costura para condensadores ...
Jean Silva
 
Ntc70
Ntc70Ntc70
HTR India - Produtos - Resistores Sentido De Corrente - Sentido de Corrente d...
HTR India - Produtos - Resistores Sentido De Corrente - Sentido de Corrente d...HTR India - Produtos - Resistores Sentido De Corrente - Sentido de Corrente d...
HTR India - Produtos - Resistores Sentido De Corrente - Sentido de Corrente d...
Creativity Please
 
Nbr 8855 eb 168 propriedades mecanicas de elementos de fixacao parafusos e pr...
Nbr 8855 eb 168 propriedades mecanicas de elementos de fixacao parafusos e pr...Nbr 8855 eb 168 propriedades mecanicas de elementos de fixacao parafusos e pr...
Nbr 8855 eb 168 propriedades mecanicas de elementos de fixacao parafusos e pr...
ejfelix
 
Qualifica odeprocedimento-120109075432-phpapp01 (1)
Qualifica odeprocedimento-120109075432-phpapp01 (1)Qualifica odeprocedimento-120109075432-phpapp01 (1)
Qualifica odeprocedimento-120109075432-phpapp01 (1)
Daniel Deusdete
 
Eixos Cardans Industriais (ECI) - Tec Tor
Eixos Cardans Industriais (ECI) - Tec TorEixos Cardans Industriais (ECI) - Tec Tor
Eixos Cardans Industriais (ECI) - Tec Tor
Tec Tor Industria e Equipamentos
 
Escolha da borracha
Escolha da borrachaEscolha da borracha
Escolha da borracha
Borrachas
 
Ntc63
Ntc63Ntc63
Tecnologia da Soldadura - Uma Abordagem técnico-didática.pdf
Tecnologia da Soldadura - Uma Abordagem técnico-didática.pdfTecnologia da Soldadura - Uma Abordagem técnico-didática.pdf
Tecnologia da Soldadura - Uma Abordagem técnico-didática.pdf
NunoMAlexandre
 
PROCESSO DE SOLDAGEM (GTAW)..........ppt
PROCESSO DE SOLDAGEM (GTAW)..........pptPROCESSO DE SOLDAGEM (GTAW)..........ppt
PROCESSO DE SOLDAGEM (GTAW)..........ppt
ssuser78bdd7
 
Aula 07 Furação Alargamento Roscamento SEM-0534 2017.pdf
Aula 07 Furação Alargamento Roscamento SEM-0534 2017.pdfAula 07 Furação Alargamento Roscamento SEM-0534 2017.pdf
Aula 07 Furação Alargamento Roscamento SEM-0534 2017.pdf
MiguelFernandes510560
 
Introdução aos processos de Soldagem
Introdução aos processos de SoldagemIntrodução aos processos de Soldagem
Introdução aos processos de Soldagem
wendelrocha
 
08 escolha da borracha
08   escolha da borracha08   escolha da borracha
08 escolha da borracha
Borrachas
 
Apostila soldagem mig mag
Apostila soldagem mig magApostila soldagem mig mag
Apostila soldagem mig mag
Marcelo Kressin
 
Apostila de soldagem mig mag
Apostila de soldagem mig magApostila de soldagem mig mag
Apostila de soldagem mig mag
Luiz Avelar
 
soldagem mig mag
soldagem mig magsoldagem mig mag
soldagem mig mag
Okutagawa
 

Semelhante a Doc 01 api1104 (20)

Rebites
RebitesRebites
Rebites
 
Qualificaã ã-o+de+procedimento
Qualificaã ã-o+de+procedimentoQualificaã ã-o+de+procedimento
Qualificaã ã-o+de+procedimento
 
Docslide.com.br nbr 5440-1999-transformadores-para-redes-aereas-de-distribuic...
Docslide.com.br nbr 5440-1999-transformadores-para-redes-aereas-de-distribuic...Docslide.com.br nbr 5440-1999-transformadores-para-redes-aereas-de-distribuic...
Docslide.com.br nbr 5440-1999-transformadores-para-redes-aereas-de-distribuic...
 
Catalogo Eluma.pdf
Catalogo Eluma.pdfCatalogo Eluma.pdf
Catalogo Eluma.pdf
 
Nbr 05029 1982 - tubo de cobre e suas ligas sem costura para condensadores ...
Nbr 05029   1982 - tubo de cobre e suas ligas sem costura para condensadores ...Nbr 05029   1982 - tubo de cobre e suas ligas sem costura para condensadores ...
Nbr 05029 1982 - tubo de cobre e suas ligas sem costura para condensadores ...
 
Ntc70
Ntc70Ntc70
Ntc70
 
HTR India - Produtos - Resistores Sentido De Corrente - Sentido de Corrente d...
HTR India - Produtos - Resistores Sentido De Corrente - Sentido de Corrente d...HTR India - Produtos - Resistores Sentido De Corrente - Sentido de Corrente d...
HTR India - Produtos - Resistores Sentido De Corrente - Sentido de Corrente d...
 
Nbr 8855 eb 168 propriedades mecanicas de elementos de fixacao parafusos e pr...
Nbr 8855 eb 168 propriedades mecanicas de elementos de fixacao parafusos e pr...Nbr 8855 eb 168 propriedades mecanicas de elementos de fixacao parafusos e pr...
Nbr 8855 eb 168 propriedades mecanicas de elementos de fixacao parafusos e pr...
 
Qualifica odeprocedimento-120109075432-phpapp01 (1)
Qualifica odeprocedimento-120109075432-phpapp01 (1)Qualifica odeprocedimento-120109075432-phpapp01 (1)
Qualifica odeprocedimento-120109075432-phpapp01 (1)
 
Eixos Cardans Industriais (ECI) - Tec Tor
Eixos Cardans Industriais (ECI) - Tec TorEixos Cardans Industriais (ECI) - Tec Tor
Eixos Cardans Industriais (ECI) - Tec Tor
 
Escolha da borracha
Escolha da borrachaEscolha da borracha
Escolha da borracha
 
Ntc63
Ntc63Ntc63
Ntc63
 
Tecnologia da Soldadura - Uma Abordagem técnico-didática.pdf
Tecnologia da Soldadura - Uma Abordagem técnico-didática.pdfTecnologia da Soldadura - Uma Abordagem técnico-didática.pdf
Tecnologia da Soldadura - Uma Abordagem técnico-didática.pdf
 
PROCESSO DE SOLDAGEM (GTAW)..........ppt
PROCESSO DE SOLDAGEM (GTAW)..........pptPROCESSO DE SOLDAGEM (GTAW)..........ppt
PROCESSO DE SOLDAGEM (GTAW)..........ppt
 
Aula 07 Furação Alargamento Roscamento SEM-0534 2017.pdf
Aula 07 Furação Alargamento Roscamento SEM-0534 2017.pdfAula 07 Furação Alargamento Roscamento SEM-0534 2017.pdf
Aula 07 Furação Alargamento Roscamento SEM-0534 2017.pdf
 
Introdução aos processos de Soldagem
Introdução aos processos de SoldagemIntrodução aos processos de Soldagem
Introdução aos processos de Soldagem
 
08 escolha da borracha
08   escolha da borracha08   escolha da borracha
08 escolha da borracha
 
Apostila soldagem mig mag
Apostila soldagem mig magApostila soldagem mig mag
Apostila soldagem mig mag
 
Apostila de soldagem mig mag
Apostila de soldagem mig magApostila de soldagem mig mag
Apostila de soldagem mig mag
 
soldagem mig mag
soldagem mig magsoldagem mig mag
soldagem mig mag
 

Doc 01 api1104

  • 1. •13/06/2012 •1 API 1104API 1104API 1104API 1104 American Petroleum Institute API 1104 •144 Esta norma abrange a soldagem de processos a arco e a gás de soldagem de soldas de filete, topo e de encaixe em tubulações de aço carbono e baixa liga usados na compressão, bombeamento e transmissão de óleo bruto, derivados de petróleo, gases combustíveis, dióxido de carbono e nitrogênio e quando aplicável em sistemas de distribuição. É aplicável tanto para soldagem de novas construções quanto para soldagem em serviço. •145 A norma API 1104 se divide em 13 seções, 2 anexos. A seção I é a respeito do escopo de abrangência da norma; A seção II apresenta algumas referências bibliográficas; A seção III apresenta termos e definições usados ao longo das demais seções; •146 A seção IV é a respeito de especificações de equipamentos e consumíveis; A seção V é a respeito de variáveis essenciais na qualificação de procedimentos de soldagem; A seção VI é a respeito de requisitos para qualificação de soldadores; •147 A seção VII é a respeito de configurações e preparação das juntas de solda de produção; A seção VIII é a respeito dos requisitos de inspeção e testes das soldas de produção; A seção IX apresenta os critérios de aceitação para os ensaios não destrutivos e testes; •148 A seção X é para remoção e reparo de defeitos; A seção XI é para procedimentos de ensaios e testes; A seção XII é a respeito de requisitos para soldas automáticas; A seção XIII é para soldas sem adição de metais de adição (autógena); •149
  • 2. •13/06/2012 •2 O apêndice A é referente a requisitos de mecânica da fratura; O apêndice B é a respeito de soldagem de trepanação. A seguir serão abordados somente as mais usuais seções da norma API 1104: 4 a 13 e o apêndice B. •150 Na seção IV, As especificações de metais de base reconhecidas pela API são ASTM e API 5L enquanto as especificações AWS de consumíveis reconhecidas são: ◦ AWS A5.1; ◦ AWS A5.17; ◦ AWS 5.18; ◦ AWS A5.20; ◦ AWSA5.28; ◦ AWS A5.29. •151 Na seção V, o procedimento de soldagem deve conter as seguintes informações: ◦ Processo de soldagem; ◦ Especificação de Metal Base; ◦ Diâmetro e Espessura de Parede; ◦ Design da junta de solda; ◦ Metal de adição e número de cordões. •152 Características elétricas Posição de soldagem Direção de soldagem Intervalo entre passes Tipo e método de remoção de acopladeiras Limpeza inicial e interpasse Pré e pós aquecimento Gás de proteção e vazão Velocidade de Soldagem •153 A seguir um modelo de EPS: •154 A seguir um modelo de RQPS: •155 A seguir será apresentado as variáveis essências para qualificação de procedimentos de soldagem: ◦ Metais de base: as especificações são agrupadas em função do limite de escoamento: Até 290MPa; >>>> 290 até 448MPa (exclusivo); ≥≥≥≥ 448MPa; •156 ConfiguraçãoConfiguraçãoConfiguraçãoConfiguração dededede juntajuntajuntajunta:::: uma mudança significativa na geometria constitui uma variável essencial (ex. chanfro U para V e vice versa); PosiçãoPosiçãoPosiçãoPosição dededede soldagemsoldagemsoldagemsoldagem:::: A mudança entre posição fixa e posição girada constitui variável essencial; EspessuraEspessuraEspessuraEspessura dededede paredeparedeparedeparede:::: A mudança de um grupo para outro grupo constitui variável essencial: •157 GrupoGrupoGrupoGrupo IIII:::: espessuras menores que 4,8mm; GrupoGrupoGrupoGrupo IIIIIIII:::: espessuras entre 4,8mm a 19,1mm e; GrupoGrupoGrupoGrupo IIIIIIIIIIII:::: espessuras acima de 19,1mm. MetalMetalMetalMetal dededede adiçãoadiçãoadiçãoadição:::: A mudança de um grupo para outro grupo constitui variável essencial. Para materiais com Limite de Escoamento acima de 448MPa, a mudança da classificação AWS constitui variável essencial. •158
  • 3. •13/06/2012 •3 A seguir é apresentado a tabela 1 de grupos de metal de adição: •159 CaracterísticaCaracterísticaCaracterísticaCaracterística ElétricasElétricasElétricasElétricas:::: A mudança de polaridade e tipo de corrente constitui variável essencial; IntervaloIntervaloIntervaloIntervalo entreentreentreentre passespassespassespasses:::: O aumento do intervalo entre o término do passe de raiz e o início do passe subsequente constitui variável essencial; DireçãoDireçãoDireçãoDireção dededede SoldagemSoldagemSoldagemSoldagem:::: A mudança da direção de soldagem constitui variável essencial (ex. Progressão ascendente para descendente e vice versa); •160 GásGásGásGás dededede proteçãoproteçãoproteçãoproteção:::: A mudança da composição do gás e uma mudança significativa da vazão constitui variável essencial; VelocidadeVelocidadeVelocidadeVelocidade dededede SoldagemSoldagemSoldagemSoldagem:::: A mudança da faixa de velocidade de soldagem constitui variável essencial; •161 PréPréPréPré----aquecimentoaquecimentoaquecimentoaquecimento:::: A diminuição da temperatura de pré-aquecimento constitui variável essencial; TratamentoTratamentoTratamentoTratamento térmicotérmicotérmicotérmico dededede alívioalívioalívioalívio dededede tensõestensõestensõestensões:::: A aplicação ou eliminação do tratamento térmico de alívio de tensões constitui variável essencial. •162 A tabela 2 apresenta o tipo e a quantidade de corpos de prova para qualificação de procedimento. •163 A figura 3 apresenta a posição de retirada de corpos de prova para qualificação de procedimento. •164 •165 Os requisitos de ensaios de tração estão definidos no item 5.6.2 e a figura 4 ilustra as dimensões do CP: •166 O critério de aceitação para avaliação dos CPs de tração está no item 5.6.2.3: ◦ A resistência do metal de solda incluindo a zona de ligação deve ser maior ou igual a resistência ruptura especificada do material do tubo mas não necessariamente igual ou maior do que a resistência a ruptura do material em questão. Se os corpos de prova romperem no metal de base com uma resistência a ruptura no mínimo igual a resistência ruptura do material do tubo, o ensaio é considerado satisfatório. •167
  • 4. •13/06/2012 •4 Os requisitos de ensaios de dobramento transversais estão definidos no item 5.6.4 e a figura 6 ilustra as dimensões do CP: •168 Os requisitos de ensaios de dobramento laterais estão definidos no item 5.6.4 e a figura 7 ilustra as dimensões do CP: •169 A figura 9 apresenta as dimensões do dispositivo de dobramento: •170 O critério de aceitação para avaliação dos Cps de dobramento está no item 5.6.4.3: Quaisquer indicações maiores do que 3mm ou metade da espessura de parede,o que for menor em qualquer direção presente na solda ou entre a solda e o metal de base após dobramento são consideráveis inaceitáveis. •171 Trincas originais a partir do raio externo do dobramento ao longo das extremidades do corpo de prova menores que 6,4mm, a menos que visivelmente haja indicações claras de defeitos, são consideradas aceitáveis. •172 Os requisitos de ensaios de nickbreak estão definidos no item 5.6.3 e a figura 5 ilustra as dimensões do CP: •173 •174 O critério de aceitação para o ensaio de nickbreak está no item 5.6.3.3 e ilustrado na figura 8: ◦ A área exposta da fratura deve apresentar fusão e penetração completa; ◦ A maior dimensão de um poro não deve exceder 1,6mm e e a área combinada de poros (porosidade) não deve exceder 2% da área exposta da superfície; •175 A profundidade da inclusão de escória não deve exceder 0,8mm e seu comprimento não deve ser maior do que 1/8” ou a metade da espessura nominal de parede, o que for maior. Deve haver uma separação de no mínimo 12,7mm entre inclusões adjacentes. •176
  • 5. •13/06/2012 •5 •177 A quantidade, dimensões e posição de retirada dos CPs de nickbreak para qualificação de procedimentos de soldagem e soldadores em juntas de filete (camisa) está indicado na figura 10 enquanto para juntas de filete do tipo boca de lobo (derivação) figura 11. •178 •179 •180 Os requisitos de qualificação de soldadores (single qualification) está indicado na seção 6.0. As variáveis essenciais para a qualificação de soldadores são (item 6.2.2): ◦ ProcessoProcessoProcessoProcesso dededede soldagemsoldagemsoldagemsoldagem:::: A mudança de processo de soldagem constitui variável essencial. A combinação de processos de soldagem desde que o soldador tenha sido qualificado em separado para cada processo de soldagem. •181 DireçãoDireçãoDireçãoDireção dededede SoldagemSoldagemSoldagemSoldagem:::: Mudança da direção de soldagem constitui variável essencial (progressão ascendente e descendente); MetalMetalMetalMetal dededede AdiçãoAdiçãoAdiçãoAdição:::: Mudança do grupo de metal de adição (tabela 1) do grupo 1 ou 2 para 3 e 3 para 2 ou 1. DiâmetroDiâmetroDiâmetroDiâmetro:::: Mudança de um grupo de diâmetros para outro grupo de diâmetros constitui variável essencial: ◦ Diâmetros menores que 60,3mm; ◦ Diâmetros entre 60,3mm e 323,9mm; ◦ Diâmetros maiores que 323,9mm. •182 EspessuraEspessuraEspessuraEspessura dededede ParedeParedeParedeParede:::: Mudança de um grupo de espessuras para outro grupo de espessuras constitui variável essencial: ◦ Espessuras menores que 4,8 mm; ◦ Espessuras entre 4,8 mm e 19,1mm; ◦ Espessuras maiores que 19,1mm. PosiçãoPosiçãoPosiçãoPosição dededede SoldagemSoldagemSoldagemSoldagem:::: A mudança de posição de soldagem de girado para fixa e vice versa assim como entre posições de soldagem, por exemplo: horizontal para vertical e vice versa. ObsObsObsObs:::: O soldador qualificado em posição fixa com o eixo da peça de teste a 45 Graus do plano horizontal qualifica para todas as posições. •183 GeometriaGeometriaGeometriaGeometria dededede JuntaJuntaJuntaJunta:::: A mudança da geometria de junta como por exemplo a eliminação do cobre-junta ou mudança do chanfro de U para V e vice versa. Qualificação Múltipla de acordo com a API 1104 consiste em dois testes: 1111º –––– O soldador deve soldar uma peça de teste com eixo no plano horizontal ou inclinado não mais do 45º em relação ao plano horizontal. O diâmetro do tubo deve ser de 168,3mm e espessura de no mínimo 6,4mm sem mata junta. •184 2222º ---- O soldador deve posicionar, cortar, ajustar e soldar uma derivação onde o diâmetro deve ser de no mínimo 168mm e a espessura de 6,4mm. A furação deve ser feita no tronco principal e a peça deve ser soldada com a derivação voltada para baixo. Após a soldagem, a peça de teste deve ser ensaiada visualmente e mecanicamente (nickbreak). •185
  • 6. •13/06/2012 •6 EnsaioEnsaioEnsaioEnsaio VisualVisualVisualVisual dededede SoldaSoldaSoldaSolda:::: O critério de aceitação para avaliação de descontinuidades nas peças de teste de qualificação está no item 6.4 da norma: O cordão de solda deve estar livre de trincas, penetração inadequada e excessiva e visualmente aceitável. A profundidade de mordedura adjacente ao cordão de solda na parte externa da tubulação não deve exceder 1/32 ou 12,5% da espessura de parede, o que for menor. Não deve haver um comprimento maior do que 50mm em qualquer comprimento 300mm contínuo de solda. •186 A figura 12 ilustra a posição de retirada dos corpos de prova das diferentes peças de teste; O item 6.5 apresenta os ensaios destrutivos necessários para a qualificação dos soldadores / operadores de soldagem (tabela 6.3). De acordo com o item 6.6, os ensaios destrutivos podem ser substituídos pelo ensaio radiográfico. •187 •188 •189 Para continuar é fundamental que você entenda bem os conceitos apresentados no vídeo. Você pode assistir novamente, basta clicar no botão play . Caso queira prosseguir, mesmo assim dê uma parada, beba uma água, levante um pouco da cadeira e somente depois continue o seu estudo. Boa Sorte! •190 Preparação das juntas para as soldas de produção: os requisitos estão estabelecidos na seção 7.0: ◦ Alinhamento (item 7.2): Para tubos de mesmo diâmetro, o desalinhamento máximo deve ser de 3,2mm; ◦ Uso de acopladeiras (item 7.3): No caso de acopladeiras internas, a remoção deve ser feita após o término do passe de raiz. Nas acopladeiras externas, o comprimento total mínimo de solda para a sua remoção deve ser de 50% do comprimento total; •191 BiselBiselBiselBisel (item(item(item(item 7777....4444)))):::: O tipo de bisel e as dimensões devem estar especificados na EPS; CondiçõesCondiçõesCondiçõesCondições atmosféricasatmosféricasatmosféricasatmosféricas (item(item(item(item 7777....5555)))):::: As soldas não deverão ser realizadas em condições atmosféricas adversas; EspaçamentoEspaçamentoEspaçamentoEspaçamento (item(item(item(item 7777....6666)))):::: Se a solda estiver acima do nível do solo, o espaçamento em torno da junta a ser soldada deverá ser de no mínimo 400mm. Se estiver na vala, a dimensão da mesma deverá ser suficientemente adequada para que a solda possa ser realizada. •192 LimpezaLimpezaLimpezaLimpeza inicialinicialinicialinicial eeee entreentreentreentre passespassespassespasses (item(item(item(item 7777....7777)))):::: a remoção pode ser feita através de escovas rotativas / esmerilhadeiras quando não estiver indicado o uso de escovas manuais. Ferrugem, escamas e inclusões devem ser removidas nos chanfros e entre passes. Para processos semi-automáticos e automáticos, pontos elevados, porosidade e início de cordões devem ser esmerilhados antes do próximo passe. •193 AcabamentosAcabamentosAcabamentosAcabamentos dededede soldasoldasoldasolda (item(item(item(item 7777....8888)))):::: O reforço de solda máximo permitido é de 1,6 mm. Dois passes de solda não devem iniciar no mesmo ponto e a largura do cordão de solda deve ser pelo menos 3mm maior do que a largura do chanfro. Soldagem com rolos (item 7.9) é permitido desde que seja garantido o alinhamento da junta através do uso de suportes estruturais e um número mínimo de roletes para evitar a flambagem do trecho suportado. •194
  • 7. •13/06/2012 •7 A inspeção das juntas de solda é definida na seção 8: ◦ O item 8.4. define que os inspetores devem ser certificados de acordo com a prática recomendada da ASNT – SNT TC-1A ou ACCP. ◦ Os critérios de aceitação para os diversos ENDs é definido na seção 9: ◦ Os critérios de aceitação para o ensaio radiográfico estão definidos do item 9.3.1 a 9.3.13 para diversas descontinuidades: •195 9.3.1-Falta de Penetração sem High-Lows •196 9.3.2-Falta de Penetração com High-Lows •197 9.3.3- Falta de Penetração em Soldas de Chanfro Duplo •198 9.3.4- Falta de Fusão na raiz ou no topo da junta •199 9.3.5- Falta de Fusão devido a Dobras Frias •200 9.3.6- Concavidade Interna •201 A figura 19 apresenta uma imagem radiográfica com a distribuição de poros aceitáveis para espessuras de parede menores ou iguais a 12,7mm enquanto a figura 20 é para espessuras de paredes acima de 12,7mm. •202 •203
  • 8. •13/06/2012 •8 •204 O critério de aceitação para o ensaio de partículas magnéticas está definido nos itens 9.4.1.2 / 9.4.1.3 / 9.4.2: ◦ Indicações lineares tais como trincas de cratera ou estrela com comprimento superior a 4mm; ◦ Trincas outras além das trincas de cratera e de estrela em quaisquer comprimentos; ◦ Indicações lineares caracterizadas como falta de fusão e que excedam 25mm em comprimento total em 300mm de comprimento contínuo de solda ou 8% do comprimento soldado; •205 O tamanho de poros individuais que exceda 3,2mm; O tamanho de poros individuais que exceda 25% da espessura do componente soldado; A distribuição não deve exceder as concentrações estabelecidas nas figuras 19 e 20; O diâmetro da porosidade não deve exceder 12mm; O comprimento agregado de porosidade não deve ser maior do que 12mm em 300mm contínuos de comprimento soldado; Um poro individual em uma porosidade não deve exceder 2mm; •206 O critério de aceitação para o ensaio de líquido penetrante está definido nos itens 9.5.1.2 / 9.5.1.3 / 9.5.2: ◦ Indicações lineares tais como trincas de cratera ou estrela com comprimento superior a 4mm; ◦ Trincas outras além das trincas de cratera e de estrela em quaisquer comprimentos; ◦ Indicações lineares caracterizadas como falta de fusão e que excedam 25mm em comprimento total em 300mm de comprimento contínuo de solda ou 8% do comprimento soldado; •207 O tamanho de poros individuais que exceda 3,2mm; O tamanho de poros individuais que exceda 25% da espessura do componente soldado; A distribuição não deve exceder as concentrações estabelecidas nas figuras 19 e 20; O diâmetro da porosidade não deve exceder 12mm; O comprimento agregado de porosidade não deve ser maior do que 12mm em 300mm contínuos de comprimento soldado; Um poro individual em uma porosidade não deve exceder 2mm; •208 O critério de aceitação para o ensaio de ultra- som está determinado nos itens 9.6.1.1a 9.6.1.5 e 9.6.2.1 a 9.6.2.8: Trincas de quaisquer comprimento; Indicações lineares superficiais: As indicações lineares superficiais agregadas não devem exceder 25mm em 300mm de comprimento soldado contínuo e comprimento agregado não maior do que 8% do comprimento soldado. •209 As indicações sub-superficiais agregadas não devem exceder 50mm em 300mm de comprimento soldado contínuo e comprimento agregado não maior do que 8% do comprimento soldado. As indicações volumétricas agrupadas não devem exceder 12mm; As indicações volumétricas individuais não devem exceder 6,4mm em quaisquer dimensões (largura e comprimento); •210 As indicações volumétricas na raiz: a máxima dimensão não deve exceder 6mm; O comprimento total em 300mm contínuos de solda não deve exceder 12mm; O agrupamento das indicações acima descritas constitui um defeito quando: o comprimento total das indicações (agregado) em 300mm contínuos de soldagem exceder 50mm acima do nível de avaliação e o comprimento agregado acima de 8% do comprimento de solda. •211 O critério de aceitação de visual de solda para mordedura está estabelecido no item 9.7.2 e tabela 4; •212
  • 9. •13/06/2012 •9 Os requisitos de reparo de solda são definidos na seção X: ◦ O reparo de trincas pode ser realizado desde que seu comprimento não exceda 8% do comprimento soldado e um procedimento de soldagem de reparo qualificado deve ser usado; •213 Um procedimento de soldagem de reparo é necessário quando o processo de soldagem para reparo for diferente do processo original e quando há necessidade da execução de mais de um reparo de solda na mesma área; Os ensaios mecânicos e não destrutivos a serem realizados na qualificação do procedimento são definidos pelo cliente e devem constar no mínimo das seguintes informações: •214 O método de escavação do defeito; O método de remoção do defeito; O perfil da área de reparo após remoção do defeito; Os requisitos de pré-aquecimento e de interpasse para a soldagem de reparo; Processos de soldagem e outros requisitos definidos no item 5.3.2; Requisitos de ensaios não destrutivos entre passes; •215 O critério de aceitação para avaliação de descontinuidades nos diferentes ENDs é o mesmo estabelecido para as soldas de produção. •216 Os requisitos quanto a execução dos ensaios não destrutivos estão definidos na seção XI: ◦ LíquidoLíquidoLíquidoLíquido PenetrantePenetrantePenetrantePenetrante:::: De acordo com a especificação ASTM E165; ◦ PartículasPartículasPartículasPartículas MagnéticasMagnéticasMagnéticasMagnéticas:::: De acordo com a especificação ASTM E709; ◦ UltraUltraUltraUltra SomSomSomSom:::: De acordo com a API 1104 (item 11.4.2.2), as seguintes informações devem estar contidas no procedimento: •217 Processo de soldagem; Tipos de junta (configuração); Tipo de material; Método de preparação da superfície; Conjunto de inspeção (aparelho e cabeçotes); com os tipos e modelos; Tipo de processo: Manual ou Automático; Acoplante; Técnica de ensaio; Ângulos dos cabeçotes. •218 Frequências; Temperaturas da superfície; Padrões de varredura e velocidade; Dados de referência e marcadores de posição; Normas de referência; Requisitos de Calibração; Níveis de varredura e avaliação; Registros de resultados; Item 11.4.3 - O inspetor nível 3 deve elaborar o procedimento enquanto o inspetor nível 2 deve calibrar o equipamento e realizar a inspeção. •219 Uma demonstração prática do procedimento deve ser conduzida antes da elaboração e validação do mesmo conforme item11.4.4; A verificação da sensibilidade do ensaio deve ser feita através do bloco da figura 22A (item 11.4.7); •220 Calibração •221
  • 10. •13/06/2012 •10 A distância, ângulo refratado e a velocidade são determinadas através da figura 22.B: •222 A perda por transferência é determinada através da figura 22.C: O critério de aceitação está definido no item 9.6. •223 RadiografiaRadiografiaRadiografiaRadiografia:::: De acordo com a API 1104 (item 11.1.2.2), as seguintes informações devem estar contidas no procedimento: ◦ Fonte de radiação; ◦ Telas intensificadoras: tipo, posição e espessura; •224 ◦ Filmes: tipo, marca e a quantidade de filmes por chassi; ◦ Técnica de exposição; ◦ Condições de exposição: tensão, corrente e tempo de exposição; ◦ Condições de processamento manual ou automático; ◦ Penetrômetros: tipo (arame ou furo),material, espessura, material e espessura do calço; •225 A API reconhece outras tecnologias de radiografia industrial (radiografia digital) conforme indicado no item 11.1.2.3; As técnicas de exposição e visualização: ◦ parede simples-vista simples; ◦ parede dupla-vista simples; ◦ parede dupla-vista dupla (falsa elipse); e ◦ parede dupla-vista dupla (sobreposição) são definidas no item 11.1.3; •226 A Seleção dos tipos de penetrômetros está definida no item 11.1.5: A espessura máxima do IQI furo é em função da espessura do metal base e o número de identificação de acordo com a tabela 5 e 6 (figura 21); •227 •228 •229 A tabela 7 é para IQIs do tipo arame – ASTM E747. •230
  • 11. •13/06/2012 •11 Os requisitos de colocação dos penetrômetros está no item 11.1.6.1: ◦ panorâmica (04 IQIs espaçados igualmente ao longo do perímetro); ◦ parede dupla / vista dupla (01 IQI colocado próximo da margem da solda); ◦ para parede dupla/vista simples e parede simples/vista simples com necessidade de várias exposições e com comprimento do filme a ser interpretado maior do que 130mm, 02 IQIs colocados paralelamente ao cordão de solda e pelo lado do filme deve ser colocados, sendo um colocado no final do comprimento do primeiro (a 25mm) e no centro do comprimento; ◦ No caso de filmes com comprimento menor do que 130mm, 01 IQI deve ser colocado no centro do filme paralelo a solda no lado do filme. •231 Para os IQIs do tipo arame, os requisitos são os mesmos dos tipo furo exceto que os IQIs devem ser colocados transversalmente ao cordão de solda e perpendicular ao filme; A densidade dos filmes deve atender os requisitos do item 11.1.10, onde a densidade através da área de interesse deve variar entre um valor mínimo de 1,8 e o valor máximo de 4,0. •232 Para continuar é fundamental que você entenda bem os conceitos apresentados no vídeo. Você pode assistir novamente, basta clicar no botão play . Caso queira prosseguir, mesmo assim dê uma parada, beba uma água, levante um pouco da cadeira e somente depois continue o seu estudo. Boa Sorte! •233 A seção 12 corresponde aos requisitos aplicáveis as soldas automáticas: ◦ SAW, GMAW and FCAW (innershield and outershield); ◦ GTAW; e ◦ PAW. •234 Os ensaios mecânicos e não destrutivos são os mesmos aplicáveis as soldas manuais e semi- automáticas e devem atender os requisitos de ensaios mecânicos e não destrutivos dos itens 5.6 e 9 respectivamente; •235 A EPS deve apresentar as seguintes informações: ◦ Processos de soldagem; ◦ Especificações de metais de base; ◦ Diâmetros; ◦ Geometria de Junta; ◦ Metal de Adição; ◦ Características Elétricas; ◦ Posição de Soldagem; •236 Intervalo de tempo entre Passes; Tipo de Acopladeira; Limpeza; Pre-aquecimento e Interpasse; Pós-aquecimento; Gás de Proteção e Vazão; Fluxo de Proteção; Velocidade de Soldagem; •237 As variáveis essenciais são as seguintes: ◦ Mudança de Processo de Soldagem; ◦ Mudança do grupo de Metais de Base: 1 – Limite de Escoamento até 290Mpa; 2 – Limite de escoamento - >290Mpa e < 448Mpa; 3 - Limite de escoamento ≥ 448Mpa; ◦ Mudança da geometria da junta de solda; ◦ Mudança da espessura além da faixa qualificada; •238 Mudança do diâmetro além da faixa qualificada; Mudança entre grupos de metais de adição (tabela1).Para materiais com limite de escoamento maior do que 448MPa, a classificação AWS é a variável essencial; A mudança do diâmetro do metal de adição; A mudança do intervalo de tempo entre o término do passe de raiz e o início do passe a quente; A mudança da progressão de soldagem; Mudança da composição do gás de proteção e vazão; •239
  • 12. •13/06/2012 •12 Mudança da faixa qualificada de velocidade de soldagem; Mudança das faixas de pré-aquecimento, interpasse e pós- aquecimento; Mudanças das características elétricas (corrente e polaridade); Mudança da composição do gás de proteção e do diâmetro do orifício para PAW; Os requisitos para qualificação de operadores de soldagem estão definidos no item 12.6: ◦ Os ensaios mecânicos e não destrutivos a serem aplicados nas peças de teste devem atender os requisitos dos itens 6.4. a 6.7 da norma; •240 As soldas de produção devem ser inspecionadas e testada de acordo com o item 12.8 da norma; Os critérios de aceitação para avaliação de descontinuidades deve estar de acordo com a seção 9; Reparo e remoção de defeitos de acordo com a seção 10; •241 Ensaio radiográfico de acordo com o item 11.1; O apêndice B é a respeito de soldas de trepanação: A figura B-1 mostra a técnica de passe de revenimento adotada para esse tipo de solda; O foco principal do apêndice B é evitar a fissuração por hidrogênio em soldas em cargas vivas; •242 O tipo de eletrodo usado em soldas de trepanação é básico e a regulagem deve ser cuidadosamente selecionada para evitar a perfuração do duto; •243 As soldas de filete executadas sobre o tronco principal (corpo do duto) devem atender os requisitos do corpo da norma API para soldas de filete sendo que no apêndice B há os seguintes requisitos alternativos ou adicionais a ser seguido: •244 No item B.2.1.1.1 – Além do agrupamento dos metais de base por limite de escoamento, os metais de base são agrupados por carbono equivalente (CE); Condições de operação do duto na qualificação devem ser as mesmas; O aporte térmico deve ser determinado para procedimentos desenvolvidos, para minimizar a troca térmica entre a região de solda e o fluído de operação; •245 A sequência de soldagem com passes de revenimento para minimizar a troca térmica entre a região de solda e o fluído de operação deve ser definida; Pelo apêndice B, para soldas de filete, a mudança do limite de escoamento não é variável essencial; Pelo Apêndice B, quaisquer mudanças da condição de operação em relação a condição da qualificação do procedimento constitui variável essencial; •246 Pelo apêndice B, para soldas de filete, a espessura de parede do tubo não é variável essencial; Pelo apêndice B, a mudança da sequência de deposição de passe de revenimento para outra sequência constitui em variável essencial; Os ensaios das peças de teste estão definidos no item B.2.4; A figura B-2 mostra a soldagem de uma peça de teste de acordo com apêndice B; O tipo de ensaios e a quantidade de corpos de prova estão indicados na tabela B-1; •247 •248
  • 13. •13/06/2012 •13 •249 A posição de retirada dos corpos de prova está ilustrada na figura B-3 tanto para soldas de reparo dupla calha quanto para soldas de derivação boca de lobo: •250 •251 A figura B-4 ilustra os corpos de prova para ensaio macrográfico para soldas em carga; A figura B-5 ilustra os corpos de prova de dobramento para soldas em carga; •252 •253 •254 Os requisitos para qualificação dos soldadores / operadores de soldagem para soldagem de trepanação está no item B-3: Soldagem nas quais se faz necessário o controle do aporte térmico e a deposição com a técnica do temper bead, o soldador / operador deve demonstrar habilidade para executá-la; As soldas de qualificação serão consideradas aprovadas se atenderem os requisitos do corpo da norma API 1104, itens 6.4 e 6.5; •255 O apêndice B apresenta uma série de recomendações para a execução da soldagem de trepanação (item B-4); As soldas de qualificação serão consideradas aprovadas se atenderem os requisitos do corpo da norma API 1104, itens 6.4 e 6.5; O apêndice B apresenta uma série de recomendações para a execução da soldagem de trepanação (item B-4.1); •256 B.4.1.1 – Montagem: a abertura entre o duto principal e as dupla calhas ou selas não deve ser excessiva e dispositivos como acopladeiras podem ser utilizados. Para diminuir aberturas excessivas, a técnica de amanteigamento pode ser utilizada; B.4.1.2 – As soldas longitudinais de união das calhas deve ser de penetração total. As juntas longitudinais podem ser montadas com auxílio de cobre juntas metálicos para evitar a perfuração do duto durante a soldagem de trepanação; •257
  • 14. •13/06/2012 •14 As figuras B-6 a B-11 mostra como recomendação a sequência de soldagem a ser aplicada na soldagem de trepanação: •258 •259 •260 •261 •262 •263 •264 •265 Para continuar é fundamental que você entenda bem os conceitos apresentados no vídeo. Você pode assistir novamente, basta clicar no botão play . Caso queira prosseguir, mesmo assim dê uma parada, beba uma água, levante um pouco da cadeira e somente depois continue o seu estudo. Boa Sorte!Boa Sorte!Boa Sorte!Boa Sorte! API 1104
  • 15. •13/06/2012 •15 Uma determinada empreiteira pretende utilizar ou uma acopladeira interna ou uma acopladeira externa para auxiliar o alinhamento das juntas durante a soldagem. Quais são as considerações a serem observadas pela empreiteira? •267 API 1104 CapítuloCapítuloCapítuloCapítulo 5555 Item 5.3Item 5.3Item 5.3Item 5.3 SubSubSubSub----ItemItemItemItem 5.3.2.115.3.2.115.3.2.115.3.2.11 CapítuloCapítuloCapítuloCapítulo 7777 Item 7.3Item 7.3Item 7.3Item 7.3 •268 De acordo com a API 1104, o procedimento de soldagem deve identificar o uso de acopladeiras ou não e se a mesma é interna ou externa. Acopladeiras para alinhamento devem ser usadas para soldas de topo de acordo com o procedimento de soldagem. Quando for possível a remoção da acopladeira antes do término do passe de raiz, a parte soldada da raiz deve estar distribuída em incrementos aproximadamente iguais ao longo da circunferência. •269 De qualquer modo quando uma acopladeira interna for usada e a movimentação do tubo é inevitável ou se a solda estiver exposta um possível tensionamento desnecessário, o passe de raiz deve ser inteiramente soldado antes da remoção da tensão da acopladeira. No caso das acopladeiras externas, o comprimento acumulado dos incrementos aproximadamente iguais ao longo da circunferência deve corresponder no mínimo a 50% do comprimento total da circunferência antes da remoção da acopladeira. •270 Através do ensaio visual de solda, foi encontrado uma mordedura de 0,3mm em todo o perímetro de um tubo de 12” de diâmetro e espessura de parede de 6,35mm. De acordo com a norma API 1104, a mordedura precisa ser reparada? •272 API 1104 CapítuloCapítuloCapítuloCapítulo 9999 Item 9.7Item 9.7Item 9.7Item 9.7 SubSubSubSub----ItemItemItemItem 9.7.19.7.19.7.19.7.1 SubSubSubSub----ItemItemItemItem 9.7.29.7.29.7.29.7.2 Tabela 4Tabela 4Tabela 4Tabela 4 •273 De acordo com a norma API 1104, para profundidades menores do que 0,4mm ou 6% da espessura de parede que neste caso seria 0,381mm, o que for menor, a mordedura é considerada aceitável independente do seu comprimento. Sendo a profundidade encontrada de 0,3mm, a mesma é considerada aceitável. •274 Faça os nossos outros cursos de normas e prepare-se para o mercado. •275