SlideShare uma empresa Scribd logo
Matemática das redes – parte II
Prof. Dalton Martins
dmartins@gmail.com
FATEC – São Paulo
Depto. de Tecnologia da Informação
Aula 04 – Projeto de Redes de Computadores
Gephi: Ferramenta de Análise
Utilizaremos ao longo deste
curso o software Gephi para
análise de redes:
https://gephi.org/
O Gephi oferece um conjunto
de métricas padrão que iremos
avaliar com
mais atenção nesta aula sobre
a matemática das redes.
O Gephi oferece em 3 níveis
inicialmente:
1. Nível rede: mostra
características da rede como
um todo
2. Nível nó: mostra
características específicas de
cada nó
3. Nível link: mostra
características do modo como
os links se conectam.
Nível rede
● Average degree (grau médio):
– O grau médio representa o número de
conexões que, em média, os nós de uma
rede possuem;
– É uma medida que exige atenção na hora de interpretar,
pois as redes normalmente não possuem uma distribuição
normal de grau, ou seja, os valores não se distribuem em
torno da média e sim exponencialmente, ou seja, com
poucos nós com grau alto e muitos nós com grau baixo.
– No entanto, esse valor pode ser útil quando da
comparação entre diferentes redes, atentando para o
exposto acima.
Nível rede
●
Average weighted degree (grau médio ponderado):
– O grau médio ponderado representa o número de
conexões ponderadas que, em média, os nós de uma
rede possuem;
– É uma medida que leva em consideração o peso/intensidade das
conexões entre os nós. Logo, não avalia apenas se há conexão entre
eles, mas sim a intensidade dessa conexão. Exemplo: quantas vezes uma
pessoa trocou mensagens com a outra!
– É também preciso atenção em sua interpretação, pois a distribuição do
grau médio ponderado por nó também não tende a ser uma distribuição
normal e sim exponencial.
Nível rede
●
Network Diameter (diâmetro da
rede):
– O diâmetro de uma rede
representa a maior distância
existente entre dois nós nessa
rede;
– Por distância, entendemos o
número de conexões
intermediárias existentes entre
esses nós.
– Essa medida é útil para
compararmos redes e avaliar, em
uma certa medida, a maior
distância que seus nós
precisariam percorrer para se
conectarem.
Nível rede
● Graph Density (densidade do grafo):
– A densidade do grafo mostra a taxa de quantas conexões
existem no grafo em relação a todas as conexões
possíveis, considerando que todos os nós estivem ligados a
todos diretamente;
– É uma medida que mostra o quão conectados entre si estão
os nós de uma rede;
– Pode ser útil, em alguns casos, para comparar diferentes
redes, sobretudo pequenas redes. No entanto, tende a ser
uma medida muito baixa para a maioria das redes e, quanto
maior forem, mais baixa será, não sendo muito útil para
análise.
Nível rede
● HITS - Hyperlink-Induced Topic Search (Busca de tópicos
induzida por links):
– É um algoritmo que determina dois valores para cada nó:
● Hubs (conector): estima o valor dos links que saem de
um nó em direção aos outros em que está conectado.
Quanto mais um nó conecta diferentes “pedaços” da
rede, maior será seu valor como conector nessa rede;
● Authority (autoridade): o valor de autoridade é calculado
somando-se todos os valores Hubs(conector) dos nós
com os quais o nó em questão está conectado. Isso pode
ser interpretado como um nó que se conecta diretamente
com mais hubs tem maior autoridade na rede, pois
articula com esses hubs.
– O HITS é considerado de nível rede pois ele usa toda a rede
para calcular suas duas métricas.
– Os valores da Autoridade e Hubs podem ser utilizados para
determinar o tamanho de um nó na imagem da rede.
Nível rede
● HITS - Hyperlink-Induced Topic Search (Busca de tópicos
induzida por links)
O valor dos hubs depende dos links apontados para um nó
O valor da autoridade depende dos nós
com quem um nó tem conexão.
Nível rede
● Modularity (modularidade):
– É uma medida que mostra o quão
bem uma rede poderia ser
decomposta em comunidades
modulares.
– Um alto valor de modularidade
indica uma rede com uma complexa
estrutura de comunidades internas.
– É uma medida interessante para
comparar estrutura de diferentes
redes se buscamos mapear seus
modos de organização em
comunidades de nós.
Nível rede
● Page rank (ranqueamento
de página):
– É um algoritmo que mede
a importância de cada nó
na rede baseado na
estrutura de conexões
dessa rede;
– Quanto mais links um nó
receber e quanto mais
links de nós que já
possuem muitos links
receber, maior será o seu
valor de Page Rank;
– É uma métrica que pode
também ser utilizada para
definir o tamanho de um
nó em uma visualização
de rede.
Nível rede
● Connected components
(componentes
conectados):
– Determina o número de
componentes conectados
em uma rede;
– Por componente
conectado, entendemos
um conjunto de nós no
qual há pelo menos um
caminho de conexção
entre todos eles.
– Não há nenhum nó ou
conjunto de nós isolados.
Os conjuntos isolados
formam diferentes
componentes.
Nível nó
● Average Clustering
Coefficient (Coeficiente
médio de grupalização):
– Determina o coeficiente
médio em que os nós de
uma rede formam
grupalidade entre si, ou
seja, estão mais ou
menos conectados
formando grupos de
conexões diretas;
– É uma métrica muito útil
para comparar redes e
percebermos o grau de
articulação existente
entre seus nós.
Nível nó
●
Eigenvector Centrality
(centralidade eigenvector):
– É uma medida de
centralidade que considera
as conexões de um nó para
calcular seu grau de
importância;
– Essa medida considera que
nós conectados com nós
de maior centralidade
receberão também maior
centralidade do que se
estiverem conectados com
nós de menor centralidade.
– O algoritmo Page Rank é
um tipo de centralidade por
Eigenvector.
Nível link
● Average Path Length (Comprimento do caminho médio):
– Representa o comprimento médio do caminho entre dois nós
em uma rede;
– Significa a distância que dois nós estão um do outro, em
média, para uma rede;
– Pode ser útil para comparar questões de difusão de
informações/recursos em diferentes redes a partir de seus
caminhos.
Nível link
● Link Communities
(Comunidades conectadas):
– O algoritmo propõe reveltar
comunidades em redes com
links não direcionados e não
ponderados.
– É um algoritmo que compara
dois links e, se sua
similaridade for acima de um
valor de referência, ele
coloca esses links na mesma
comunidade.
– Esse método permite
sobreposição de
comunidades, pois um nó
pode pertencer a múltiplos
links e a múltiplas
comunidades.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Globalização e Competitividade
Globalização e Competitividade Globalização e Competitividade
Globalização e Competitividade
Cláudio Carneiro
 
Introdução à Teoria dos Grafos e Análise de Redes Sociais
Introdução à Teoria dos Grafos e Análise de Redes SociaisIntrodução à Teoria dos Grafos e Análise de Redes Sociais
Introdução à Teoria dos Grafos e Análise de Redes Sociais
fabiomalini
 
Projeto: A AMIZADE E SEUS VALORES
Projeto: A AMIZADE E SEUS VALORESProjeto: A AMIZADE E SEUS VALORES
Projeto: A AMIZADE E SEUS VALORES
PNTCBR
 
Redes sociais
Redes sociaisRedes sociais
Redes sociais
Helia Coelho Mello
 
CÁLCULO DE SUB-REDES DE FORMA PRÁTICA
CÁLCULO DE SUB-REDES DE FORMA PRÁTICACÁLCULO DE SUB-REDES DE FORMA PRÁTICA
CÁLCULO DE SUB-REDES DE FORMA PRÁTICA
Augusto Cezar Pinheiro
 
Cultura digital
Cultura digitalCultura digital
Cultura digital
EducacaoIntegralPTC
 
Classificacao
ClassificacaoClassificacao
Ética da comunicação
Ética da comunicaçãoÉtica da comunicação
Ética da comunicação
Laércio Góes
 
Ensinar e aprender com TIC
Ensinar e aprender com TICEnsinar e aprender com TIC
Ensinar e aprender com TIC
Carlos Pinheiro
 
_CULTURA DIGITAL.pdf
_CULTURA DIGITAL.pdf_CULTURA DIGITAL.pdf
_CULTURA DIGITAL.pdf
Kele Santos
 
Robotica Educativa
Robotica EducativaRobotica Educativa
Robotica Educativa
guest0aa7b2
 
Redes de Computadores
Redes de ComputadoresRedes de Computadores
Redes de Computadores
deisiweg
 
Slide cibercultura
Slide ciberculturaSlide cibercultura
Slide cibercultura
carvalhovandi
 
Redes Sociais
Redes SociaisRedes Sociais
Redes Sociais
Pedro de Vasconcellos
 
A ecologia cognitiva na perspectiva de pierre levy
A ecologia cognitiva na perspectiva de pierre levyA ecologia cognitiva na perspectiva de pierre levy
A ecologia cognitiva na perspectiva de pierre levy
Caio Celso
 
Design emocional
Design emocionalDesign emocional
Design emocional
Elisa Olsson
 
Redes Sociais Slide Share
Redes Sociais Slide ShareRedes Sociais Slide Share
Redes Sociais Slide Share
Dante Mantovani
 
Cibercultura e Redes sociais - aula 01 - turma 03
Cibercultura e Redes sociais - aula 01 - turma 03Cibercultura e Redes sociais - aula 01 - turma 03
Cibercultura e Redes sociais - aula 01 - turma 03
MBA em Marketing Digital e Gestão de Projetos Web
 
Computação nas nuvens
Computação nas nuvensComputação nas nuvens
Computação nas nuvens
Anna Carolina Soares Medeiros
 
Aula 1 - Minicurso sobre Design Centrado no Usuário
Aula 1 - Minicurso sobre Design Centrado no UsuárioAula 1 - Minicurso sobre Design Centrado no Usuário
Aula 1 - Minicurso sobre Design Centrado no Usuário
Erico Fileno
 

Mais procurados (20)

Globalização e Competitividade
Globalização e Competitividade Globalização e Competitividade
Globalização e Competitividade
 
Introdução à Teoria dos Grafos e Análise de Redes Sociais
Introdução à Teoria dos Grafos e Análise de Redes SociaisIntrodução à Teoria dos Grafos e Análise de Redes Sociais
Introdução à Teoria dos Grafos e Análise de Redes Sociais
 
Projeto: A AMIZADE E SEUS VALORES
Projeto: A AMIZADE E SEUS VALORESProjeto: A AMIZADE E SEUS VALORES
Projeto: A AMIZADE E SEUS VALORES
 
Redes sociais
Redes sociaisRedes sociais
Redes sociais
 
CÁLCULO DE SUB-REDES DE FORMA PRÁTICA
CÁLCULO DE SUB-REDES DE FORMA PRÁTICACÁLCULO DE SUB-REDES DE FORMA PRÁTICA
CÁLCULO DE SUB-REDES DE FORMA PRÁTICA
 
Cultura digital
Cultura digitalCultura digital
Cultura digital
 
Classificacao
ClassificacaoClassificacao
Classificacao
 
Ética da comunicação
Ética da comunicaçãoÉtica da comunicação
Ética da comunicação
 
Ensinar e aprender com TIC
Ensinar e aprender com TICEnsinar e aprender com TIC
Ensinar e aprender com TIC
 
_CULTURA DIGITAL.pdf
_CULTURA DIGITAL.pdf_CULTURA DIGITAL.pdf
_CULTURA DIGITAL.pdf
 
Robotica Educativa
Robotica EducativaRobotica Educativa
Robotica Educativa
 
Redes de Computadores
Redes de ComputadoresRedes de Computadores
Redes de Computadores
 
Slide cibercultura
Slide ciberculturaSlide cibercultura
Slide cibercultura
 
Redes Sociais
Redes SociaisRedes Sociais
Redes Sociais
 
A ecologia cognitiva na perspectiva de pierre levy
A ecologia cognitiva na perspectiva de pierre levyA ecologia cognitiva na perspectiva de pierre levy
A ecologia cognitiva na perspectiva de pierre levy
 
Design emocional
Design emocionalDesign emocional
Design emocional
 
Redes Sociais Slide Share
Redes Sociais Slide ShareRedes Sociais Slide Share
Redes Sociais Slide Share
 
Cibercultura e Redes sociais - aula 01 - turma 03
Cibercultura e Redes sociais - aula 01 - turma 03Cibercultura e Redes sociais - aula 01 - turma 03
Cibercultura e Redes sociais - aula 01 - turma 03
 
Computação nas nuvens
Computação nas nuvensComputação nas nuvens
Computação nas nuvens
 
Aula 1 - Minicurso sobre Design Centrado no Usuário
Aula 1 - Minicurso sobre Design Centrado no UsuárioAula 1 - Minicurso sobre Design Centrado no Usuário
Aula 1 - Minicurso sobre Design Centrado no Usuário
 

Destaque

Redes de computadores douglas rocha mendes
Redes de computadores   douglas rocha mendesRedes de computadores   douglas rocha mendes
Redes de computadores douglas rocha mendes
William Nascimento
 
4 groebner danton4 dissertacao
4 groebner danton4 dissertacao4 groebner danton4 dissertacao
4 groebner danton4 dissertacao
prefeitura municipal de araraquara
 
Genetic Algorithm For Job Shop Problem
Genetic Algorithm For Job Shop ProblemGenetic Algorithm For Job Shop Problem
Genetic Algorithm For Job Shop Problem
marcelobeckmann
 
Mineração de dados com a presença da deriva conceitual
Mineração de dados com a presença da deriva conceitualMineração de dados com a presença da deriva conceitual
Mineração de dados com a presença da deriva conceitual
Luis Miguel Rojas Aguilera
 
Alessandra henriquesferreiravc
Alessandra henriquesferreiravcAlessandra henriquesferreiravc
Alessandra henriquesferreiravc
Claudecir Garcia Martins
 
Pi1415 tudo
Pi1415 tudoPi1415 tudo
Pi1415 tudo
Pedro Guerreiro
 
Inteligência Artificial: a ciência da antecipação em ambientes incertos
Inteligência Artificial: a ciência da antecipação em ambientes incertosInteligência Artificial: a ciência da antecipação em ambientes incertos
Inteligência Artificial: a ciência da antecipação em ambientes incertos
Carlos R. B. Azevedo
 
PLP – Paradigma de Programação Orientado a Modelos
PLP – Paradigma de Programação Orientado a ModelosPLP – Paradigma de Programação Orientado a Modelos
PLP – Paradigma de Programação Orientado a Modelos
elliando dias
 
Pos Usp Ngs Big Data Parte 2
Pos Usp Ngs Big Data Parte 2Pos Usp Ngs Big Data Parte 2
Pos Usp Ngs Big Data Parte 2
Beta Campos
 
Aula 13 - Algoritmos de Escalonamento
Aula 13 - Algoritmos de Escalonamento Aula 13 - Algoritmos de Escalonamento
Aula 13 - Algoritmos de Escalonamento
camila_seixas
 
Redes Sociais na Internet - Raquel Recuero [Resenha]
Redes Sociais na Internet - Raquel Recuero [Resenha]Redes Sociais na Internet - Raquel Recuero [Resenha]
Redes Sociais na Internet - Raquel Recuero [Resenha]
Tarcízio Silva
 
Redes Sociais: Estrategias e Mensuração, por Martha Gabriel
Redes Sociais: Estrategias e Mensuração, por Martha GabrielRedes Sociais: Estrategias e Mensuração, por Martha Gabriel
Redes Sociais: Estrategias e Mensuração, por Martha Gabriel
Martha Gabriel
 
Como Python pode ajudar na automação do seu laboratório
Como Python pode ajudar na automação do  seu laboratórioComo Python pode ajudar na automação do  seu laboratório
Como Python pode ajudar na automação do seu laboratório
Marcel Caraciolo
 
Sistemas operacionais escalonamento de processos
Sistemas operacionais  escalonamento de processosSistemas operacionais  escalonamento de processos
Sistemas operacionais escalonamento de processos
Talles Nascimento Rodrigues
 
Redes Sociais: Ameaças e Oportunidades, by Martha Gabriel
Redes Sociais: Ameaças e Oportunidades, by Martha GabrielRedes Sociais: Ameaças e Oportunidades, by Martha Gabriel
Redes Sociais: Ameaças e Oportunidades, by Martha Gabriel
Martha Gabriel
 
Gephi Quick Start
Gephi Quick StartGephi Quick Start
Gephi Quick Start
Gephi Consortium
 
Marketing na Era Digital, por Martha Gabriel
Marketing na Era Digital, por Martha GabrielMarketing na Era Digital, por Martha Gabriel
Marketing na Era Digital, por Martha Gabriel
Martha Gabriel
 
Marketing na Era Digital, by Martha Gabriel
Marketing na Era Digital, by Martha GabrielMarketing na Era Digital, by Martha Gabriel
Marketing na Era Digital, by Martha Gabriel
Martha Gabriel
 
Técnicas para o Desenvolvimento de Cronogramas
Técnicas para o Desenvolvimento de CronogramasTécnicas para o Desenvolvimento de Cronogramas
Técnicas para o Desenvolvimento de Cronogramas
Peter Mello
 

Destaque (19)

Redes de computadores douglas rocha mendes
Redes de computadores   douglas rocha mendesRedes de computadores   douglas rocha mendes
Redes de computadores douglas rocha mendes
 
4 groebner danton4 dissertacao
4 groebner danton4 dissertacao4 groebner danton4 dissertacao
4 groebner danton4 dissertacao
 
Genetic Algorithm For Job Shop Problem
Genetic Algorithm For Job Shop ProblemGenetic Algorithm For Job Shop Problem
Genetic Algorithm For Job Shop Problem
 
Mineração de dados com a presença da deriva conceitual
Mineração de dados com a presença da deriva conceitualMineração de dados com a presença da deriva conceitual
Mineração de dados com a presença da deriva conceitual
 
Alessandra henriquesferreiravc
Alessandra henriquesferreiravcAlessandra henriquesferreiravc
Alessandra henriquesferreiravc
 
Pi1415 tudo
Pi1415 tudoPi1415 tudo
Pi1415 tudo
 
Inteligência Artificial: a ciência da antecipação em ambientes incertos
Inteligência Artificial: a ciência da antecipação em ambientes incertosInteligência Artificial: a ciência da antecipação em ambientes incertos
Inteligência Artificial: a ciência da antecipação em ambientes incertos
 
PLP – Paradigma de Programação Orientado a Modelos
PLP – Paradigma de Programação Orientado a ModelosPLP – Paradigma de Programação Orientado a Modelos
PLP – Paradigma de Programação Orientado a Modelos
 
Pos Usp Ngs Big Data Parte 2
Pos Usp Ngs Big Data Parte 2Pos Usp Ngs Big Data Parte 2
Pos Usp Ngs Big Data Parte 2
 
Aula 13 - Algoritmos de Escalonamento
Aula 13 - Algoritmos de Escalonamento Aula 13 - Algoritmos de Escalonamento
Aula 13 - Algoritmos de Escalonamento
 
Redes Sociais na Internet - Raquel Recuero [Resenha]
Redes Sociais na Internet - Raquel Recuero [Resenha]Redes Sociais na Internet - Raquel Recuero [Resenha]
Redes Sociais na Internet - Raquel Recuero [Resenha]
 
Redes Sociais: Estrategias e Mensuração, por Martha Gabriel
Redes Sociais: Estrategias e Mensuração, por Martha GabrielRedes Sociais: Estrategias e Mensuração, por Martha Gabriel
Redes Sociais: Estrategias e Mensuração, por Martha Gabriel
 
Como Python pode ajudar na automação do seu laboratório
Como Python pode ajudar na automação do  seu laboratórioComo Python pode ajudar na automação do  seu laboratório
Como Python pode ajudar na automação do seu laboratório
 
Sistemas operacionais escalonamento de processos
Sistemas operacionais  escalonamento de processosSistemas operacionais  escalonamento de processos
Sistemas operacionais escalonamento de processos
 
Redes Sociais: Ameaças e Oportunidades, by Martha Gabriel
Redes Sociais: Ameaças e Oportunidades, by Martha GabrielRedes Sociais: Ameaças e Oportunidades, by Martha Gabriel
Redes Sociais: Ameaças e Oportunidades, by Martha Gabriel
 
Gephi Quick Start
Gephi Quick StartGephi Quick Start
Gephi Quick Start
 
Marketing na Era Digital, por Martha Gabriel
Marketing na Era Digital, por Martha GabrielMarketing na Era Digital, por Martha Gabriel
Marketing na Era Digital, por Martha Gabriel
 
Marketing na Era Digital, by Martha Gabriel
Marketing na Era Digital, by Martha GabrielMarketing na Era Digital, by Martha Gabriel
Marketing na Era Digital, by Martha Gabriel
 
Técnicas para o Desenvolvimento de Cronogramas
Técnicas para o Desenvolvimento de CronogramasTécnicas para o Desenvolvimento de Cronogramas
Técnicas para o Desenvolvimento de Cronogramas
 

Semelhante a Matemática das redes - parte II

Apresentação analise de redes e sistemas dinamicos - fisl 12
Apresentação analise de redes e sistemas dinamicos - fisl 12Apresentação analise de redes e sistemas dinamicos - fisl 12
Apresentação analise de redes e sistemas dinamicos - fisl 12
Dalton Martins
 
Estudos comparativos entre redes
Estudos comparativos entre redesEstudos comparativos entre redes
Estudos comparativos entre redes
Dalton Martins
 
121 redes
121 redes121 redes
121 redes
ARILSON OLIVEIRA
 
Tópicos - Redes para Cluster de Alta Performance
Tópicos - Redes para Cluster de Alta PerformanceTópicos - Redes para Cluster de Alta Performance
Tópicos - Redes para Cluster de Alta Performance
Luiz Arthur
 
Tecnologias De Redes De Computadores
Tecnologias De Redes De ComputadoresTecnologias De Redes De Computadores
Tecnologias De Redes De Computadores
Matheus
 
Redes neurais e lógica fuzzy
Redes neurais e lógica fuzzyRedes neurais e lógica fuzzy
Redes neurais e lógica fuzzy
Renato Ximenes
 
Tecnologias De Redes De Computadores
Tecnologias De Redes De ComputadoresTecnologias De Redes De Computadores
Tecnologias De Redes De Computadores
Matheus
 
Peer-to-peer
Peer-to-peerPeer-to-peer
Peer-to-peer
Leo-Sotto
 
Internet
InternetInternet
Internet
redesinforma
 
Aula07 - Sistemas Distribuídos - Aula de Revisão da NP1
Aula07 - Sistemas Distribuídos - Aula de Revisão da NP1Aula07 - Sistemas Distribuídos - Aula de Revisão da NP1
Aula07 - Sistemas Distribuídos - Aula de Revisão da NP1
Messias Batista
 
IV SECIN - Paradigma da pesquisa em análise de redes sociais: usos e possibil...
IV SECIN - Paradigma da pesquisa em análise de redes sociais: usos e possibil...IV SECIN - Paradigma da pesquisa em análise de redes sociais: usos e possibil...
IV SECIN - Paradigma da pesquisa em análise de redes sociais: usos e possibil...
Dalton Martins
 
Aula01 conceitos iniciais de infraestrura de redes
Aula01   conceitos iniciais de infraestrura de redesAula01   conceitos iniciais de infraestrura de redes
Aula01 conceitos iniciais de infraestrura de redes
Carlos Veiga
 
Tipologias de rede
Tipologias de redeTipologias de rede
Tipologias de rede
CatarinaSilva380
 
Poster08
Poster08Poster08
Poster08
Simba Samuel
 
Aula 06 - Caracterizando fluxo de tráfego e Projeto de Topologia - Parte I - ...
Aula 06 - Caracterizando fluxo de tráfego e Projeto de Topologia - Parte I - ...Aula 06 - Caracterizando fluxo de tráfego e Projeto de Topologia - Parte I - ...
Aula 06 - Caracterizando fluxo de tráfego e Projeto de Topologia - Parte I - ...
Dalton Martins
 
Aula01 - conceitos iniciais de infraestrura de redes
Aula01 -  conceitos iniciais de infraestrura de redesAula01 -  conceitos iniciais de infraestrura de redes
Aula01 - conceitos iniciais de infraestrura de redes
Carlos Veiga
 
Arquitetura peer to-peer (p2p)
Arquitetura peer to-peer (p2p)Arquitetura peer to-peer (p2p)
Arquitetura peer to-peer (p2p)
Nilton Rodrigues Pereira
 
Análise de redes sociais: novas oportunidades de geração de conhecimento na Web
Análise de redes sociais: novas oportunidades de geração de conhecimento na WebAnálise de redes sociais: novas oportunidades de geração de conhecimento na Web
Análise de redes sociais: novas oportunidades de geração de conhecimento na Web
Dalton Martins
 
Trabalho de rede.
Trabalho de rede.Trabalho de rede.
Trabalho de rede.
tiagothiss2013
 
Pôster SIC 2016 - Levindo GTN
Pôster SIC 2016 - Levindo GTNPôster SIC 2016 - Levindo GTN
Pôster SIC 2016 - Levindo GTN
Levindo Gabriel Taschetto Neto
 

Semelhante a Matemática das redes - parte II (20)

Apresentação analise de redes e sistemas dinamicos - fisl 12
Apresentação analise de redes e sistemas dinamicos - fisl 12Apresentação analise de redes e sistemas dinamicos - fisl 12
Apresentação analise de redes e sistemas dinamicos - fisl 12
 
Estudos comparativos entre redes
Estudos comparativos entre redesEstudos comparativos entre redes
Estudos comparativos entre redes
 
121 redes
121 redes121 redes
121 redes
 
Tópicos - Redes para Cluster de Alta Performance
Tópicos - Redes para Cluster de Alta PerformanceTópicos - Redes para Cluster de Alta Performance
Tópicos - Redes para Cluster de Alta Performance
 
Tecnologias De Redes De Computadores
Tecnologias De Redes De ComputadoresTecnologias De Redes De Computadores
Tecnologias De Redes De Computadores
 
Redes neurais e lógica fuzzy
Redes neurais e lógica fuzzyRedes neurais e lógica fuzzy
Redes neurais e lógica fuzzy
 
Tecnologias De Redes De Computadores
Tecnologias De Redes De ComputadoresTecnologias De Redes De Computadores
Tecnologias De Redes De Computadores
 
Peer-to-peer
Peer-to-peerPeer-to-peer
Peer-to-peer
 
Internet
InternetInternet
Internet
 
Aula07 - Sistemas Distribuídos - Aula de Revisão da NP1
Aula07 - Sistemas Distribuídos - Aula de Revisão da NP1Aula07 - Sistemas Distribuídos - Aula de Revisão da NP1
Aula07 - Sistemas Distribuídos - Aula de Revisão da NP1
 
IV SECIN - Paradigma da pesquisa em análise de redes sociais: usos e possibil...
IV SECIN - Paradigma da pesquisa em análise de redes sociais: usos e possibil...IV SECIN - Paradigma da pesquisa em análise de redes sociais: usos e possibil...
IV SECIN - Paradigma da pesquisa em análise de redes sociais: usos e possibil...
 
Aula01 conceitos iniciais de infraestrura de redes
Aula01   conceitos iniciais de infraestrura de redesAula01   conceitos iniciais de infraestrura de redes
Aula01 conceitos iniciais de infraestrura de redes
 
Tipologias de rede
Tipologias de redeTipologias de rede
Tipologias de rede
 
Poster08
Poster08Poster08
Poster08
 
Aula 06 - Caracterizando fluxo de tráfego e Projeto de Topologia - Parte I - ...
Aula 06 - Caracterizando fluxo de tráfego e Projeto de Topologia - Parte I - ...Aula 06 - Caracterizando fluxo de tráfego e Projeto de Topologia - Parte I - ...
Aula 06 - Caracterizando fluxo de tráfego e Projeto de Topologia - Parte I - ...
 
Aula01 - conceitos iniciais de infraestrura de redes
Aula01 -  conceitos iniciais de infraestrura de redesAula01 -  conceitos iniciais de infraestrura de redes
Aula01 - conceitos iniciais de infraestrura de redes
 
Arquitetura peer to-peer (p2p)
Arquitetura peer to-peer (p2p)Arquitetura peer to-peer (p2p)
Arquitetura peer to-peer (p2p)
 
Análise de redes sociais: novas oportunidades de geração de conhecimento na Web
Análise de redes sociais: novas oportunidades de geração de conhecimento na WebAnálise de redes sociais: novas oportunidades de geração de conhecimento na Web
Análise de redes sociais: novas oportunidades de geração de conhecimento na Web
 
Trabalho de rede.
Trabalho de rede.Trabalho de rede.
Trabalho de rede.
 
Pôster SIC 2016 - Levindo GTN
Pôster SIC 2016 - Levindo GTNPôster SIC 2016 - Levindo GTN
Pôster SIC 2016 - Levindo GTN
 

Mais de Dalton Martins

Computação cognitiva e políticas culturais
Computação cognitiva e políticas culturaisComputação cognitiva e políticas culturais
Computação cognitiva e políticas culturais
Dalton Martins
 
Humanidades digitais e ciência de dados: novos métodos, perspectivas e desaf...
Humanidades digitais e ciência de dados: novos métodos, perspectivas e desaf...Humanidades digitais e ciência de dados: novos métodos, perspectivas e desaf...
Humanidades digitais e ciência de dados: novos métodos, perspectivas e desaf...
Dalton Martins
 
Cultura digital, museus e acervos em rede
Cultura digital, museus e acervos em redeCultura digital, museus e acervos em rede
Cultura digital, museus e acervos em rede
Dalton Martins
 
Digitalização da cultura brasileira - as motivações do projeto Tainacan
Digitalização da cultura brasileira - as motivações do projeto TainacanDigitalização da cultura brasileira - as motivações do projeto Tainacan
Digitalização da cultura brasileira - as motivações do projeto Tainacan
Dalton Martins
 
Processos colaborativos de produção de ontologias - I Fórum Nacional de Sist...
Processos colaborativos de produção de ontologias  - I Fórum Nacional de Sist...Processos colaborativos de produção de ontologias  - I Fórum Nacional de Sist...
Processos colaborativos de produção de ontologias - I Fórum Nacional de Sist...
Dalton Martins
 
Do documento às ontologias: uma visão sobre sistemas de organização do conhec...
Do documento às ontologias: uma visão sobre sistemas de organização do conhec...Do documento às ontologias: uma visão sobre sistemas de organização do conhec...
Do documento às ontologias: uma visão sobre sistemas de organização do conhec...
Dalton Martins
 
Análise de Redes Sociais para educação à distância na plataforma ELGG para o ...
Análise de Redes Sociais para educação à distância na plataforma ELGG para o ...Análise de Redes Sociais para educação à distância na plataforma ELGG para o ...
Análise de Redes Sociais para educação à distância na plataforma ELGG para o ...
Dalton Martins
 
Criança, mídia e consumo na formação de professores
Criança, mídia e consumo na formação de professoresCriança, mídia e consumo na formação de professores
Criança, mídia e consumo na formação de professores
Dalton Martins
 
Jornalismo de Dados - Fontes de Informação para produção de Mapas Informacion...
Jornalismo de Dados - Fontes de Informação para produção de Mapas Informacion...Jornalismo de Dados - Fontes de Informação para produção de Mapas Informacion...
Jornalismo de Dados - Fontes de Informação para produção de Mapas Informacion...
Dalton Martins
 
In search of a model of human dynamics analysis applied to social sciences
In search of a model of human dynamics analysis applied to social sciencesIn search of a model of human dynamics analysis applied to social sciences
In search of a model of human dynamics analysis applied to social sciences
Dalton Martins
 
Novos caminhos da inclusão digital: experiências do projeto +Telecentros
Novos caminhos da inclusão digital: experiências do projeto +TelecentrosNovos caminhos da inclusão digital: experiências do projeto +Telecentros
Novos caminhos da inclusão digital: experiências do projeto +Telecentros
Dalton Martins
 
Aula 01 introdução e conceitos básicos sobre gestão
Aula 01   introdução e conceitos básicos sobre gestãoAula 01   introdução e conceitos básicos sobre gestão
Aula 01 introdução e conceitos básicos sobre gestão
Dalton Martins
 
Apresentação Semana de Humanização da Saúde: uma visão quantitativa
Apresentação Semana de Humanização da Saúde: uma visão quantitativaApresentação Semana de Humanização da Saúde: uma visão quantitativa
Apresentação Semana de Humanização da Saúde: uma visão quantitativa
Dalton Martins
 
Design da Informação - Aula 04 - Imagens que informam - design, legendas e di...
Design da Informação - Aula 04 - Imagens que informam - design, legendas e di...Design da Informação - Aula 04 - Imagens que informam - design, legendas e di...
Design da Informação - Aula 04 - Imagens que informam - design, legendas e di...
Dalton Martins
 
Design da Informação - Aula 03 - Princípios do design de informação
Design da Informação - Aula 03 - Princípios do design de informaçãoDesign da Informação - Aula 03 - Princípios do design de informação
Design da Informação - Aula 03 - Princípios do design de informação
Dalton Martins
 
Aula 04 - Tópicos em Gestão da Informação Medidas de posição relativa
Aula 04 - Tópicos em Gestão da Informação Medidas de posição relativaAula 04 - Tópicos em Gestão da Informação Medidas de posição relativa
Aula 04 - Tópicos em Gestão da Informação Medidas de posição relativa
Dalton Martins
 
Aula 02 - Design da Informação - História e princípios do design de informação
Aula 02 - Design da Informação - História e princípios do design de informaçãoAula 02 - Design da Informação - História e princípios do design de informação
Aula 02 - Design da Informação - História e princípios do design de informação
Dalton Martins
 
Aula 03 - Identificando e tratando padrões
Aula 03 - Identificando e tratando padrõesAula 03 - Identificando e tratando padrões
Aula 03 - Identificando e tratando padrões
Dalton Martins
 
Aula 02 - Estatística da vida cotidiana
Aula 02 - Estatística da vida cotidianaAula 02 - Estatística da vida cotidiana
Aula 02 - Estatística da vida cotidiana
Dalton Martins
 
Tópicos em Gestão da Informação II - Aula 01 - Desafios atuais da Gestão da I...
Tópicos em Gestão da Informação II - Aula 01 - Desafios atuais da Gestão da I...Tópicos em Gestão da Informação II - Aula 01 - Desafios atuais da Gestão da I...
Tópicos em Gestão da Informação II - Aula 01 - Desafios atuais da Gestão da I...
Dalton Martins
 

Mais de Dalton Martins (20)

Computação cognitiva e políticas culturais
Computação cognitiva e políticas culturaisComputação cognitiva e políticas culturais
Computação cognitiva e políticas culturais
 
Humanidades digitais e ciência de dados: novos métodos, perspectivas e desaf...
Humanidades digitais e ciência de dados: novos métodos, perspectivas e desaf...Humanidades digitais e ciência de dados: novos métodos, perspectivas e desaf...
Humanidades digitais e ciência de dados: novos métodos, perspectivas e desaf...
 
Cultura digital, museus e acervos em rede
Cultura digital, museus e acervos em redeCultura digital, museus e acervos em rede
Cultura digital, museus e acervos em rede
 
Digitalização da cultura brasileira - as motivações do projeto Tainacan
Digitalização da cultura brasileira - as motivações do projeto TainacanDigitalização da cultura brasileira - as motivações do projeto Tainacan
Digitalização da cultura brasileira - as motivações do projeto Tainacan
 
Processos colaborativos de produção de ontologias - I Fórum Nacional de Sist...
Processos colaborativos de produção de ontologias  - I Fórum Nacional de Sist...Processos colaborativos de produção de ontologias  - I Fórum Nacional de Sist...
Processos colaborativos de produção de ontologias - I Fórum Nacional de Sist...
 
Do documento às ontologias: uma visão sobre sistemas de organização do conhec...
Do documento às ontologias: uma visão sobre sistemas de organização do conhec...Do documento às ontologias: uma visão sobre sistemas de organização do conhec...
Do documento às ontologias: uma visão sobre sistemas de organização do conhec...
 
Análise de Redes Sociais para educação à distância na plataforma ELGG para o ...
Análise de Redes Sociais para educação à distância na plataforma ELGG para o ...Análise de Redes Sociais para educação à distância na plataforma ELGG para o ...
Análise de Redes Sociais para educação à distância na plataforma ELGG para o ...
 
Criança, mídia e consumo na formação de professores
Criança, mídia e consumo na formação de professoresCriança, mídia e consumo na formação de professores
Criança, mídia e consumo na formação de professores
 
Jornalismo de Dados - Fontes de Informação para produção de Mapas Informacion...
Jornalismo de Dados - Fontes de Informação para produção de Mapas Informacion...Jornalismo de Dados - Fontes de Informação para produção de Mapas Informacion...
Jornalismo de Dados - Fontes de Informação para produção de Mapas Informacion...
 
In search of a model of human dynamics analysis applied to social sciences
In search of a model of human dynamics analysis applied to social sciencesIn search of a model of human dynamics analysis applied to social sciences
In search of a model of human dynamics analysis applied to social sciences
 
Novos caminhos da inclusão digital: experiências do projeto +Telecentros
Novos caminhos da inclusão digital: experiências do projeto +TelecentrosNovos caminhos da inclusão digital: experiências do projeto +Telecentros
Novos caminhos da inclusão digital: experiências do projeto +Telecentros
 
Aula 01 introdução e conceitos básicos sobre gestão
Aula 01   introdução e conceitos básicos sobre gestãoAula 01   introdução e conceitos básicos sobre gestão
Aula 01 introdução e conceitos básicos sobre gestão
 
Apresentação Semana de Humanização da Saúde: uma visão quantitativa
Apresentação Semana de Humanização da Saúde: uma visão quantitativaApresentação Semana de Humanização da Saúde: uma visão quantitativa
Apresentação Semana de Humanização da Saúde: uma visão quantitativa
 
Design da Informação - Aula 04 - Imagens que informam - design, legendas e di...
Design da Informação - Aula 04 - Imagens que informam - design, legendas e di...Design da Informação - Aula 04 - Imagens que informam - design, legendas e di...
Design da Informação - Aula 04 - Imagens que informam - design, legendas e di...
 
Design da Informação - Aula 03 - Princípios do design de informação
Design da Informação - Aula 03 - Princípios do design de informaçãoDesign da Informação - Aula 03 - Princípios do design de informação
Design da Informação - Aula 03 - Princípios do design de informação
 
Aula 04 - Tópicos em Gestão da Informação Medidas de posição relativa
Aula 04 - Tópicos em Gestão da Informação Medidas de posição relativaAula 04 - Tópicos em Gestão da Informação Medidas de posição relativa
Aula 04 - Tópicos em Gestão da Informação Medidas de posição relativa
 
Aula 02 - Design da Informação - História e princípios do design de informação
Aula 02 - Design da Informação - História e princípios do design de informaçãoAula 02 - Design da Informação - História e princípios do design de informação
Aula 02 - Design da Informação - História e princípios do design de informação
 
Aula 03 - Identificando e tratando padrões
Aula 03 - Identificando e tratando padrõesAula 03 - Identificando e tratando padrões
Aula 03 - Identificando e tratando padrões
 
Aula 02 - Estatística da vida cotidiana
Aula 02 - Estatística da vida cotidianaAula 02 - Estatística da vida cotidiana
Aula 02 - Estatística da vida cotidiana
 
Tópicos em Gestão da Informação II - Aula 01 - Desafios atuais da Gestão da I...
Tópicos em Gestão da Informação II - Aula 01 - Desafios atuais da Gestão da I...Tópicos em Gestão da Informação II - Aula 01 - Desafios atuais da Gestão da I...
Tópicos em Gestão da Informação II - Aula 01 - Desafios atuais da Gestão da I...
 

Matemática das redes - parte II

  • 1. Matemática das redes – parte II Prof. Dalton Martins dmartins@gmail.com FATEC – São Paulo Depto. de Tecnologia da Informação Aula 04 – Projeto de Redes de Computadores
  • 2. Gephi: Ferramenta de Análise Utilizaremos ao longo deste curso o software Gephi para análise de redes: https://gephi.org/ O Gephi oferece um conjunto de métricas padrão que iremos avaliar com mais atenção nesta aula sobre a matemática das redes. O Gephi oferece em 3 níveis inicialmente: 1. Nível rede: mostra características da rede como um todo 2. Nível nó: mostra características específicas de cada nó 3. Nível link: mostra características do modo como os links se conectam.
  • 3. Nível rede ● Average degree (grau médio): – O grau médio representa o número de conexões que, em média, os nós de uma rede possuem; – É uma medida que exige atenção na hora de interpretar, pois as redes normalmente não possuem uma distribuição normal de grau, ou seja, os valores não se distribuem em torno da média e sim exponencialmente, ou seja, com poucos nós com grau alto e muitos nós com grau baixo. – No entanto, esse valor pode ser útil quando da comparação entre diferentes redes, atentando para o exposto acima.
  • 4. Nível rede ● Average weighted degree (grau médio ponderado): – O grau médio ponderado representa o número de conexões ponderadas que, em média, os nós de uma rede possuem; – É uma medida que leva em consideração o peso/intensidade das conexões entre os nós. Logo, não avalia apenas se há conexão entre eles, mas sim a intensidade dessa conexão. Exemplo: quantas vezes uma pessoa trocou mensagens com a outra! – É também preciso atenção em sua interpretação, pois a distribuição do grau médio ponderado por nó também não tende a ser uma distribuição normal e sim exponencial.
  • 5. Nível rede ● Network Diameter (diâmetro da rede): – O diâmetro de uma rede representa a maior distância existente entre dois nós nessa rede; – Por distância, entendemos o número de conexões intermediárias existentes entre esses nós. – Essa medida é útil para compararmos redes e avaliar, em uma certa medida, a maior distância que seus nós precisariam percorrer para se conectarem.
  • 6. Nível rede ● Graph Density (densidade do grafo): – A densidade do grafo mostra a taxa de quantas conexões existem no grafo em relação a todas as conexões possíveis, considerando que todos os nós estivem ligados a todos diretamente; – É uma medida que mostra o quão conectados entre si estão os nós de uma rede; – Pode ser útil, em alguns casos, para comparar diferentes redes, sobretudo pequenas redes. No entanto, tende a ser uma medida muito baixa para a maioria das redes e, quanto maior forem, mais baixa será, não sendo muito útil para análise.
  • 7. Nível rede ● HITS - Hyperlink-Induced Topic Search (Busca de tópicos induzida por links): – É um algoritmo que determina dois valores para cada nó: ● Hubs (conector): estima o valor dos links que saem de um nó em direção aos outros em que está conectado. Quanto mais um nó conecta diferentes “pedaços” da rede, maior será seu valor como conector nessa rede; ● Authority (autoridade): o valor de autoridade é calculado somando-se todos os valores Hubs(conector) dos nós com os quais o nó em questão está conectado. Isso pode ser interpretado como um nó que se conecta diretamente com mais hubs tem maior autoridade na rede, pois articula com esses hubs. – O HITS é considerado de nível rede pois ele usa toda a rede para calcular suas duas métricas. – Os valores da Autoridade e Hubs podem ser utilizados para determinar o tamanho de um nó na imagem da rede.
  • 8. Nível rede ● HITS - Hyperlink-Induced Topic Search (Busca de tópicos induzida por links) O valor dos hubs depende dos links apontados para um nó O valor da autoridade depende dos nós com quem um nó tem conexão.
  • 9. Nível rede ● Modularity (modularidade): – É uma medida que mostra o quão bem uma rede poderia ser decomposta em comunidades modulares. – Um alto valor de modularidade indica uma rede com uma complexa estrutura de comunidades internas. – É uma medida interessante para comparar estrutura de diferentes redes se buscamos mapear seus modos de organização em comunidades de nós.
  • 10. Nível rede ● Page rank (ranqueamento de página): – É um algoritmo que mede a importância de cada nó na rede baseado na estrutura de conexões dessa rede; – Quanto mais links um nó receber e quanto mais links de nós que já possuem muitos links receber, maior será o seu valor de Page Rank; – É uma métrica que pode também ser utilizada para definir o tamanho de um nó em uma visualização de rede.
  • 11. Nível rede ● Connected components (componentes conectados): – Determina o número de componentes conectados em uma rede; – Por componente conectado, entendemos um conjunto de nós no qual há pelo menos um caminho de conexção entre todos eles. – Não há nenhum nó ou conjunto de nós isolados. Os conjuntos isolados formam diferentes componentes.
  • 12. Nível nó ● Average Clustering Coefficient (Coeficiente médio de grupalização): – Determina o coeficiente médio em que os nós de uma rede formam grupalidade entre si, ou seja, estão mais ou menos conectados formando grupos de conexões diretas; – É uma métrica muito útil para comparar redes e percebermos o grau de articulação existente entre seus nós.
  • 13. Nível nó ● Eigenvector Centrality (centralidade eigenvector): – É uma medida de centralidade que considera as conexões de um nó para calcular seu grau de importância; – Essa medida considera que nós conectados com nós de maior centralidade receberão também maior centralidade do que se estiverem conectados com nós de menor centralidade. – O algoritmo Page Rank é um tipo de centralidade por Eigenvector.
  • 14. Nível link ● Average Path Length (Comprimento do caminho médio): – Representa o comprimento médio do caminho entre dois nós em uma rede; – Significa a distância que dois nós estão um do outro, em média, para uma rede; – Pode ser útil para comparar questões de difusão de informações/recursos em diferentes redes a partir de seus caminhos.
  • 15. Nível link ● Link Communities (Comunidades conectadas): – O algoritmo propõe reveltar comunidades em redes com links não direcionados e não ponderados. – É um algoritmo que compara dois links e, se sua similaridade for acima de um valor de referência, ele coloca esses links na mesma comunidade. – Esse método permite sobreposição de comunidades, pois um nó pode pertencer a múltiplos links e a múltiplas comunidades.