SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 43
Maria
Madalena
Modelo de
Evolução
Espiritual
A primeira a ver Jesus em espírito
Dos fatos mais significativos do Evangelho, a
primeira visita de Jesus, na ressurreição, é
daqueles que convidam à meditação
substanciosa e acurada.
Por que razões profundas deixaria o Divino
Mestre tantas figuras mais próximas de sua vida
para surgir aos olhos de
Madalena, em primeiro lugar?
Livro Caminho, Verdade e Vida,
Espírito Emmanuel, Chico Xavier2
Jesus surge aos olhos de Madalena
“Disse-lhe Jesus: Maria! —
Ela, voltando-se, disse-lhe: Mestre!”
João 20:163
História de Maria de Magdala
Magdala era um centro de comércio e indústria de
muita prosperidade. Para lá acorriam mercadores e
aventureiros de todo o Oriente.
Estação de repouso, recebia
viajantes ilustres … ,
conseguindo negócios
rendosos e prazeres fáceis.
Maria aos 28 anos era
uma mulher de peregrina
beleza que causava
paixões e ciúmes.
Livro Primícias do Reino, espírito Amélia Rodrigues, Divaldo P. Franco4
… Até ali, caminhara ela sobre as
rosas rubras do desejo,
embriagando-se com o vinho de condenáveis
alegrias. No entanto,
seu coração estava sequioso e
em desalento.
Jovem e formosa, emancipara-se dos preconceitos
férreos de sua raça; sua beleza lhe escravizara
aos caprichos de mulher os mais ardentes
admiradores; mas seu espírito tinha fome de
amor ...
5
História de Maria de Magdala
Livro Boa Nova, pelo espírito Humberto de Campos, Chico Xavier
Espíritos infelizes a tomavam, em noites
variadas, deixando-a alheada, olhos perdidos no
mistério de insondáveis distâncias.
Nessas horas, as servas despediam, do
átrio,todos os que a
buscassem.
Dizia-se que
periodicamente que
7 demônios
possuíam-lhe o corpo.
6
História de Maria de Magdala
Livro Boa Nova, pelo espírito Humberto de Campos,
Chico Xavier
7
Divaldo Pereira Franco, palestra Perdão e Autoperdão parte 2,
https://www.youtube.com/watch?v=C2AK9c7HmkU
A transformação de Maria Madalena
A transformação de Madalena 1/13
Um dia, uma mulher profundamente perturbada
que era uma rainha do sexo na sua época foi à Jesus e
quando se acercou Ele falou suavemente.
Jesus - Maria, tu me conheces! Oh Maria! Ergo bonos
pastor sum. Eu sou o bom pastor e conheço as
minhas ovelhas uma a uma.
Maria - Se tu me conheces, tu sabes que eu sou uma
pervertida!
Jesus - Não Maria, eu sei apenas que tu estais doente.
Maria - Mas senhor eu vivo no lupanar.
8 Divaldo Pereira Franco, palestra Perdão e Autoperdão parte 2
A transformação de Madalena 2/13
Jesus - Mas é também um lar, Maria.
Maria - Mas ali eu sou mercadoria.
Jesus - Oh Maria! Seria muito melhor que ao invés de
estares exposta, estivesses composta e ao invés de
seres buscada para o comércio da ilusão, se te
transformasses em uma realidade de paz.
Maria - E que devo fazer?
Jesus - Ama Maria! Ama aos teus filhos!
Maria - Desgraçada de mim! Tenho o ventre varado mil
vezes e nunca tive a honra de ser mãe.
9 Divaldo Pereira Franco, palestra Perdão e Autoperdão parte 2
A transformação de Madalena 3/13
Jesus - Maria, quando digo que ame aos teus filhos, que
tu os ames. Eu quero dizer que ame aos filhos que
não tem mães, as mães que não tem filhos!
Jesus - Porque amar o filho da própria carne é um dever
imposto pela vida orgânica, mas amar aqueles que são de
outra carne é uma proposta do amor de Deus.
Jesus - Tu nunca viste depois dos escombros, do frio
e da destruição, a primavera suave beijar as pedras e
arrancar delas flores miúdas?
10 Divaldo Pereira Franco, palestra Perdão e Autoperdão parte 2
A transformação de Madalena 4/13
Jesus - Tu nunca viste o solo árido, depois de
regenerado pela chuva, reverdecer e cobrir-se de
flores? E o pântano Maria, depois de drenado por valas,
tornar-se um jardim ou um pomar??
Jesus - Assim é aquele que ama. Quando eu te digo
que ames, eu quero dizer dá-te oportunidade de
alguém agasalhar-se-te no coração e tu embalares
com as dúlcidas vibrações da ternura.
Jesus - Vai Maria e ama! Um dia, perdoe-se!
Maria - Ai senhor, eu te daria minha vida! Da-la-ei
agora!
11 Divaldo Pereira Franco, palestra Perdão e Autoperdão parte 2
A transformação de Madalena 5/13
Jesus - É cedo Maria!
Jesus - Mais um dia, que não está muito perto, nem tão
longe... Eu te pedirei a vida.
12 Divaldo Pereira Franco, palestra Perdão e Autoperdão parte 2
A transformação de Madalena 6/13
E a meretriz de Magdala, Míriam de Migdol, saiu dali e
nunca mais esqueceu aquele doce diálogo.
A partir daquele encontro em Cafarnaum, toda tarde,
quando o leque dourado de sol queimava as últimas
nuvens e apagava-se no poente, de uma barca um
homem belo e incomparável distendia as mãos e
falava aos ouvidos do coração dos aflitos.
E entre estes, uma mulher de peregrina beleza
atendia crianças, socorria desvairados, punha óleo
em feridas.
13 Divaldo Pereira Franco, palestra Perdão e Autoperdão parte 2
A transformação de Madalena 7/13
E depois que Ele se foi e ela o viu em uma manhã
esplendorosa de Cafarnaum, quando todos os amigos se
foram.
Maria - Levem-me! Pedro, leve-me com você.
Pedro - Não posso. Tu és mulher! As mulheres são
frágeis... Não posso levar-te comigo.
Maria compreendeu... Nunca a perdoariam! Do
lugar de onde ela veio...
Perdoavam aos homens que a derrubaram, mas
não perdoavam quem havia caído.
14 Divaldo Pereira Franco, palestra Perdão e Autoperdão parte 2
A transformação de Madalena 8/13
Ela entendeu e continuo na praia. Pediu emprego de
porta em porta em Cafarnaum, mas quem tinha lugar
para uma mulher arrependida?
Ela ficou naquela praia, a sós.
Na terceira madrugada, ela viu uma magote de pessoas
que batiam a matraca.
E uma voz surda que de quando em quando chegava:
Fugi! Morfeia! A doença bíblica. O mal de Hansen.
Saia da direção do vento.
Ela quis correr, mas lembrou-se dEle. Que faria
Jesus?
15 Divaldo Pereira Franco, palestra Perdão e Autoperdão parte 2
A transformação de Madalena 9/13
E ela ficou. Quando chegou aquele grupo. Alguns à
cavalo, outros sem membros em muletas, crianças
marcadas com as rosas púrpuras da degenerescência
orgânica.
Ela perguntou: para onde ides?
Procuramos a Jesus de Nazaré. Estamos chegando
das longas terras da Assíria.
E ouvimos falar de um profeta peregrino que lavava a
lepra.. donde... onde... Estamos tão cansados!
Maria abaixou a cabeça... Porque chegastes tarde.
Mataram-no!
16 Divaldo Pereira Franco, palestra Perdão e Autoperdão parte 2
A transformação de Madalena 10/13
Ele se foi e voltou para nos dizer que estaria
conosco. E agora retornou ao seio do seu Pai. E a nossa
dor, ficou entre nós.
Maria viu a decepção nos seus rostos. As lágrimas do
desencanto...
Então ela começou a dizer, mas ele nos disse...
E repetiu as palavras do Sermão do Monte.
E falou, falou mais e mais... até a alvorada do outro
dia, quando as autoridades de Cafarnaum vieram
expulsá-los para o Vale dos Imundos.
E quando eles se foram, sorriam. A esperança
estava estampada no seu rosto!
17 Divaldo Pereira Franco, palestra Perdão e Autoperdão parte 2
A transformação de Madalena 11/13
E quando ela os viu dobrar numa curva da praia e uma criança
acenou-lhe à Deus. Ela pensou: eram seus últimos amigos.
Não tinha à ninguém!
Ela deu um gritou: esperai por mim! E saiu a correr.
18 Divaldo Pereira Franco, palestra Perdão e Autoperdão parte 2
A transformação de Madalena 12/13
E duas semanas após, no Vale dos Imundos em
Jerusalém, chegava mais um grupo de atormentados de
longe.
E uma mulher de rara beleza, toda tarde, de cima de
uma pequena plataforma natural da rocha, aquela mulher de
cabelos dourados que lhe caiam sobre os ombros e
os seios,
fala transfigurada
de Jesus!
E começava o seu
discurso:
Vós, os leprosos...
19 Divaldo Pereira Franco, palestra Perdão e Autoperdão parte 2
A transformação de Madalena 13/13
Um dia ela se banhava em uma cascata, e olhando o peito
notou uma despigmentação. Tentou limpá-la. Tomou
de um seixo e cravou. Não sentiu dor.
Naquela tarde ela
abriu os braços e
disse-lhes:
Nós,
os leprosos!
20 Divaldo Pereira Franco, palestra Perdão e Autoperdão parte 2
Passagens de Maria Madalena
O Encontro com Jesus
A Crucificação
A Ressurreição21
O encontro com Jesus
Ei-la, agora, ali (banquete da casa de Simão). Todos a
fitavam com desagrado.
As lágrimas saltavam-lhe dos olhos e caíam sobre os pés
dEle. Enxugava-os com a basta cabeleira.
“ – Se este fosse
profeta bem
saberia quem e
qual é a mulher
que lhe tocou, pois
é uma pecadora”.
(Simão)
22 Livro Primícias do Reino, espírito Amélia Rodrigues, Divaldo P. Franco
23
Ante as lágrimas de Sua Mãe, fizera o legado da
fraternidade universal, entregando-a a João e
este àquela. ...
Quando a cabeça
dEle pendeu,
desejou cingir-lhe
outra vez os pés, e
osculá-los com
ternura, mas se
sentiu imobilizada…
- Bom animo, filha!
– falou ternamente
a Mãe sublime. – As nossas dores estão com Ele.
Livro Primícias do Reino, espírito Amélia Rodrigues, Divaldo P. Franco
A Crucificação
-... Mas a ti Ele apareceu? Não, não o creio. Não
creiamos. Não é possível que Ele tenha aparecido
exatamente a ela. Não estiveram outras no sepulcro? João
e Pedro lá não foram? Por que a ela?...
- Eu o creio, filha – acentuou a sua saudosa mãe. –
Secreto pressentimento diz-me que meu Filho vive. Eu
o creio, porque sei que a nossa dor e saudade estão com
Ele, como a
Sua saudade se demora em nós.
24
Livro Primícias do Reino, espírito Amélia Rodrigues,
Divaldo P. Franco
A Ressurreição
O simbolismo do gesto de Jesus
… ninguém fez tanta violência a si mesma, para
seguir o Salvador, como a inesquecível obsidiada
de Magdala.
Nem mesmo “morta” nas sensações que operam a
paralisia da alma; entretanto, bastou o encontro
com o Cristo para abandonar tudo e seguir-lhe
os passos, fiel até ao fim, nos atos de negação de si
própria e na firme resolução de tomar a cruz
que lhe competia no calvário redentor
de sua existência angustiosa.
Livro Caminho, Verdade e Vida,
Espírito Emmanuel, Chico Xavier25
Lições de Maria de Magdala
26
A força das
mulheres
Olhar de
prosperidade
Todos somos
doentes e irmãos
Perdão e
autoperdão
Todos são
chamados
A Força das Mulheres
27
Livro Vereda Familiar, espírito Thereza de Brito,
Raul Teixeira
Sem dúvida, à mulher cabe uma importante quota de
contribuição com a obra de Deus, oferecendo a sua
sensibilidade e a sua inteligência em favor da vida.
Muito a propósito é a afirmação do Espírito da
Verdade, quando situa a tarefa delegada por Deus à
mulher como mais
importante que à do homem,
uma vez que cabe a ela o
conduzimento dos homens,
dando-lhes as primeiras noções
de vida.
(Questão 821, de O Livro dos Espíritos)
Olhar de Prosperidade
28
Maria - Mas senhor eu vivo no lupanar
Jesus - Mas é também um lar, Maria.
Jesus - Tu nunca viste depois dos escombros, do frio e da
destruição, a primavera suave beijar as pedras e arrancar
delas flores miúdas?
Jesus - Tu nunca viste o solo árido, depois de regenerado
pela chuva, reverdecer e cobrir-se de flores? E o
pântano Maria, depois de drenado por valas, tornar-se
um jardim ou um pomar??
Divaldo Pereira Franco, palestra Perdão e Autoperdão parte 2
Todos somos doentes e irmãos
29
Jesus - Não Maria, eu sei apenas
que tu estais doente.
- O Rabi – esclareceu a jovem,
entusiasta -, ama os sofredores
e confabula com todos,
informando que as impurezas muitas vezes estão ocultas e
ninguém as vê, dignos todos, no entanto, de
compreensão e ajuda.
Eu não tenho o direito de censurar, nem de absolver, mas
eu tenho o dever de ajudar! Ministrar-lhe o remédio.
Divaldo Pereira Franco, palestra Perdão e Autoperdão parte 2
Perdão e autoperdão
30
Jesus - Vai Maria e ama!
Um dia, perdoe-se!
Ele não a condenou. Ele
não a absolveu. Ele deixou
o problema com ela, porque
o problema era dela.
Perdoavam aos homens
que a derrubaram, mas não
perdoavam quem havia
caído.
Divaldo Pereira Franco, palestra Perdão e Autoperdão parte 2
Todos são chamados pelo Evangelho
… Jesus ratificou a lição de que a sua doutrina será,
para todos os
aprendizes e seguidores,
o código de ouro das
vidas transformadas
para a glória do bem.
E ninguém, como
Maria de Magdala,
houvera transformado
a sua, à luz do
Evangelho
redentor.
Livro Caminho, Verdade e Vida,
Espírito Emmanuel, Chico Xavier31
Conta uma lenda Oriental...
32 Divaldo Pereira Franco, palestra Perdão e Autoperdão parte 2
Conta uma lenda Oriental 1/6
… que ela tomada pela enfermidade, foi visitar a mãe
de Jesus, de quem sentia uma grande falta.
Ela ouviu dizer que a senhora estava em Patmos, com
João, o discípulo amado.
Ela resolveu ir. Despediu-se dos amigos que ficaram
chorando.
Viaja durante a noite por causa do sol inclemente e
repousava durante o dia à sombra de velhas figueiras da
estrada. Crianças atiravam-lhe migalhas.
E ela jornadeou, até que exausta tomou as portas de
Éfeso.
33 Divaldo Pereira Franco, palestra Perdão e Autoperdão parte 2
Conta uma lenda Oriental 2/6
Em delírio de febre alguém a ouviu chamando o nome
João, Maria de Nazaré.
E então foram as pessoas a casa do jovem e maduro
João e ele veio buscá-la, carregou a nos seus braços.
E levou-a a sua casa e a colocou sob uma cama.
A mãe do crucificado velou por ela dois dias e três
noites.
E na terceira madrugada ela exala o último suspiro e
sentiu-se leve.
34 Divaldo Pereira Franco, palestra Perdão e Autoperdão parte 2
Conta uma lenda Oriental 3/6
Tinha impressão de que o ar perfumado de Cafarnaum
invadia-lhe as narinas da alma.
Ela escutava um coral longínquo e mãos invisíveis que
a dirigiam.
Então sentiu-se naquela praia, próxima a casa de
Simão Barjonas onde conversara com Ele em uma noite
inesquecível,
fazia três anos.
Ali estava ela novamente.
Olhou-se e estava jovem
e exuberante,
menos de 30 anos.
35 Divaldo Pereira Franco, palestra Perdão e Autoperdão parte 2
Conta uma lenda Oriental 4/6
Quando viu que entre as ondas, uma claridade
tornava-se agigantada e a medida que a onda trazia a
luz... era Jesus.
36 Divaldo Pereira Franco, palestra Perdão e Autoperdão parte 2
Conta uma lenda Oriental 5/6
Os braços, as chagas
nos pulsos, a testa
marcada.
Ela correu na direção,
atirou-se lhe nos braços...
Maria- Raboni, mestre!
Jesus - Maria, venho buscar-te, conforme te disse.
Jesus - Eu te pedi o sacrifício, agora quero coroar-
te de estrelas.
A ex-meretriz de Magdala desmaiou nos braços de
Jesus!
37 Divaldo Pereira Franco, palestra Perdão e Autoperdão parte 2
Conta uma lenda Oriental 6/6
… naquela noite
quando olhava o
zimbório estrelado da
noite, o astrólogo
persa percebeu a
claridade de uma
novíssima... não era
uma estrela,
era o rastro de luz
de Maria de
Magdala
adentrando pelo
reino dos céus.
38
Divaldo Pereira Franco, palestra
Perdão e Autoperdão parte 2
Para concluir, vamos ouvir
novamente Jesus...
Sermão da
Montanha

Bem-aventurados os humildes de espírito, porque
deles é o reino dos céus.

Bem-aventurados os que choram, porque eles serão
consolados.

Bem-aventurados os mansos, porque eles herdarão a
terra.

Bem-aventurados os que têm fome e sede de
justiça porque eles serão fartos.

Bem-aventurados os misericordiosos, porque eles
alcançarão misericórdia.
40/48
Mateus, 5, 1 a 12
As Bem-aventuranças
Jesus, pois, vendo as multidões, subiu ao monte; e,
tendo se assentado, aproximaram-se os seus discípulos, e
ele se pôs a ensiná-los, dizendo:

Bem-aventurados os limpos de coração, porque
eles verão a Deus.

Bem-aventurados os pacificadores, porque eles
serão chamados filhos de Deus.

Bem-aventurados os que são perseguidos por
causa da justiça, porque deles é o reino dos céus.

Bem-aventurados sois vós, quando vos injuriarem
e perseguiram e, mentindo, disserem todo mal contra
vós por minha causa.
Alegrai-vos e exultai, porque é grande o vosso
galardão nos céus; porque assim perseguiram aos
profetas que foram antes de vós.
41/48
Mateus, 5, 1 a 12
As Bem-aventuranças
42
Quais lições de Maria
Madalena podemos
aplicar na nossa
Reforma Íntima?
A Pergunta que fica...
43
●
Livro Caminho, Verdade e Vida, espírito Emmanuel,
Francisco C. Xavier
●
Livro Boa Nova, pelo espírito Humberto de Campos, Chico
Xavier
●
O Livro dos Espíritos, Allan Kardec
●
Livro Primícias do Reino, espírito Amélia Rodrigues, Divaldo
P. Franco
●
Divaldo Pereira Franco, palestra Perdão e Autoperdão, parte
2, https://www.youtube.com/watch?v=C2AK9c7HmkU
●
Divaldo P. Franco, palestra Maria de Magdala,
https://www.youtube.com/watch?v=6_8sus7fE-0
●
Livro Vereda Familiar, espírito Thereza de Brito, Raul
Teixeira
Referências

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O maior mandamento
O maior mandamentoO maior mandamento
O maior mandamentoLorena Dias
 
Ese cap 8 bem aventurados os que tem puro o coracao final (1)
Ese cap 8  bem aventurados os que tem puro o coracao final (1)Ese cap 8  bem aventurados os que tem puro o coracao final (1)
Ese cap 8 bem aventurados os que tem puro o coracao final (1)Fernando Pinto
 
As mulheres no evangelho
As mulheres no evangelho As mulheres no evangelho
As mulheres no evangelho Fatima Carvalho
 
Conduta Espírita na Prática da Caridade
Conduta Espírita na Prática da CaridadeConduta Espírita na Prática da Caridade
Conduta Espírita na Prática da Caridadeigmateus
 
O homem de bem, grande desafio
O homem de bem, grande desafioO homem de bem, grande desafio
O homem de bem, grande desafioGraça Maciel
 
Perdas de entes queridos 02112011
Perdas de entes queridos 02112011Perdas de entes queridos 02112011
Perdas de entes queridos 02112011Daniela Azevedo
 
Cap. 11 itens 8 a 10 - a lei de amor
Cap. 11   itens 8 a 10 - a lei de amor Cap. 11   itens 8 a 10 - a lei de amor
Cap. 11 itens 8 a 10 - a lei de amor JulianoCarvalho29
 
A fé transporta montanhas cap 19 ese
A fé transporta montanhas cap 19 eseA fé transporta montanhas cap 19 ese
A fé transporta montanhas cap 19 esectollin
 
Cap 12 Amar os vossos Inimigos
Cap 12 Amar os vossos InimigosCap 12 Amar os vossos Inimigos
Cap 12 Amar os vossos Inimigosgmo1973
 
Estranha moral ESE Cap XXIII
Estranha moral ESE Cap XXIIIEstranha moral ESE Cap XXIII
Estranha moral ESE Cap XXIIIgrupodepaisceb
 
Parábola dos Talentos - Propósito
Parábola dos Talentos - PropósitoParábola dos Talentos - Propósito
Parábola dos Talentos - PropósitoRicardo Azevedo
 
Cap 13 Não saiba a vossa mão esquerda o que dê a vossa mão direita
Cap 13 Não saiba a vossa mão esquerdao que dê a vossa mão direitaCap 13 Não saiba a vossa mão esquerdao que dê a vossa mão direita
Cap 13 Não saiba a vossa mão esquerda o que dê a vossa mão direitagmo1973
 
Palestra beneficência
Palestra beneficênciaPalestra beneficência
Palestra beneficênciaDenise Tamaê
 
Palestra Espírita - Amar ao próximo como a si mesmo
Palestra Espírita -  Amar ao próximo como a si mesmoPalestra Espírita -  Amar ao próximo como a si mesmo
Palestra Espírita - Amar ao próximo como a si mesmoDivulgador do Espiritismo
 

Mais procurados (20)

O maior mandamento
O maior mandamentoO maior mandamento
O maior mandamento
 
Ese cap 8 bem aventurados os que tem puro o coracao final (1)
Ese cap 8  bem aventurados os que tem puro o coracao final (1)Ese cap 8  bem aventurados os que tem puro o coracao final (1)
Ese cap 8 bem aventurados os que tem puro o coracao final (1)
 
As mulheres no evangelho
As mulheres no evangelho As mulheres no evangelho
As mulheres no evangelho
 
Justiça ou vingança?
Justiça ou vingança?Justiça ou vingança?
Justiça ou vingança?
 
Conduta Espírita na Prática da Caridade
Conduta Espírita na Prática da CaridadeConduta Espírita na Prática da Caridade
Conduta Espírita na Prática da Caridade
 
Palestra 29 o homem de bem
Palestra 29 o homem de bemPalestra 29 o homem de bem
Palestra 29 o homem de bem
 
Cristo Consolador
Cristo ConsoladorCristo Consolador
Cristo Consolador
 
Casamento na ótica espirita
Casamento na ótica espiritaCasamento na ótica espirita
Casamento na ótica espirita
 
O homem de bem, grande desafio
O homem de bem, grande desafioO homem de bem, grande desafio
O homem de bem, grande desafio
 
Perdas de entes queridos 02112011
Perdas de entes queridos 02112011Perdas de entes queridos 02112011
Perdas de entes queridos 02112011
 
MISSÃO DOS ESPÍRITAS
MISSÃO DOS ESPÍRITASMISSÃO DOS ESPÍRITAS
MISSÃO DOS ESPÍRITAS
 
Cap. 11 itens 8 a 10 - a lei de amor
Cap. 11   itens 8 a 10 - a lei de amor Cap. 11   itens 8 a 10 - a lei de amor
Cap. 11 itens 8 a 10 - a lei de amor
 
A fé transporta montanhas cap 19 ese
A fé transporta montanhas cap 19 eseA fé transporta montanhas cap 19 ese
A fé transporta montanhas cap 19 ese
 
Cap 12 Amar os vossos Inimigos
Cap 12 Amar os vossos InimigosCap 12 Amar os vossos Inimigos
Cap 12 Amar os vossos Inimigos
 
Estranha moral ESE Cap XXIII
Estranha moral ESE Cap XXIIIEstranha moral ESE Cap XXIII
Estranha moral ESE Cap XXIII
 
Parábola dos Talentos - Propósito
Parábola dos Talentos - PropósitoParábola dos Talentos - Propósito
Parábola dos Talentos - Propósito
 
Honrar pai e mãe
Honrar pai e mãeHonrar pai e mãe
Honrar pai e mãe
 
Cap 13 Não saiba a vossa mão esquerda o que dê a vossa mão direita
Cap 13 Não saiba a vossa mão esquerdao que dê a vossa mão direitaCap 13 Não saiba a vossa mão esquerdao que dê a vossa mão direita
Cap 13 Não saiba a vossa mão esquerda o que dê a vossa mão direita
 
Palestra beneficência
Palestra beneficênciaPalestra beneficência
Palestra beneficência
 
Palestra Espírita - Amar ao próximo como a si mesmo
Palestra Espírita -  Amar ao próximo como a si mesmoPalestra Espírita -  Amar ao próximo como a si mesmo
Palestra Espírita - Amar ao próximo como a si mesmo
 

Semelhante a Maria Madalena - Modelo de Evolução Espiritual

Série Evangelho no Lar - Cap. 56 - Perdoar e Compreender
Série Evangelho no Lar - Cap. 56 - Perdoar e CompreenderSérie Evangelho no Lar - Cap. 56 - Perdoar e Compreender
Série Evangelho no Lar - Cap. 56 - Perdoar e CompreenderRicardo Azevedo
 
Boa nova - Maria de Magdala
Boa nova - Maria de MagdalaBoa nova - Maria de Magdala
Boa nova - Maria de MagdalaAssEspFeCaridade
 
Maria, a Mãe de Jesus
Maria, a Mãe de JesusMaria, a Mãe de Jesus
Maria, a Mãe de JesusAntonino Silva
 
14 maria de magdala
14 maria de magdala14 maria de magdala
14 maria de magdalasidneyjorge
 
Caminhonete do senhor filomeno
Caminhonete do senhor filomenoCaminhonete do senhor filomeno
Caminhonete do senhor filomenoPitágoras
 
Jesus - Amanhecer da Ressurreição
Jesus - Amanhecer da RessurreiçãoJesus - Amanhecer da Ressurreição
Jesus - Amanhecer da RessurreiçãoAntonino Silva
 
Mulheres que seguiram Jesus.pptx
Mulheres que seguiram Jesus.pptxMulheres que seguiram Jesus.pptx
Mulheres que seguiram Jesus.pptxM.R.L
 
Novena à santa clara
Novena à santa claraNovena à santa clara
Novena à santa claraSMS Maceió
 
Chama do Carmo_207
Chama do Carmo_207Chama do Carmo_207
Chama do Carmo_207Frei João
 

Semelhante a Maria Madalena - Modelo de Evolução Espiritual (11)

Série Evangelho no Lar - Cap. 56 - Perdoar e Compreender
Série Evangelho no Lar - Cap. 56 - Perdoar e CompreenderSérie Evangelho no Lar - Cap. 56 - Perdoar e Compreender
Série Evangelho no Lar - Cap. 56 - Perdoar e Compreender
 
Boa nova - Maria de Magdala
Boa nova - Maria de MagdalaBoa nova - Maria de Magdala
Boa nova - Maria de Magdala
 
Maria, a Mãe de Jesus
Maria, a Mãe de JesusMaria, a Mãe de Jesus
Maria, a Mãe de Jesus
 
14 maria de magdala
14 maria de magdala14 maria de magdala
14 maria de magdala
 
Jesus e a Samaritana
Jesus e a SamaritanaJesus e a Samaritana
Jesus e a Samaritana
 
Caminhonete do senhor filomeno
Caminhonete do senhor filomenoCaminhonete do senhor filomeno
Caminhonete do senhor filomeno
 
Jesus - Amanhecer da Ressurreição
Jesus - Amanhecer da RessurreiçãoJesus - Amanhecer da Ressurreição
Jesus - Amanhecer da Ressurreição
 
Mulheres que seguiram Jesus.pptx
Mulheres que seguiram Jesus.pptxMulheres que seguiram Jesus.pptx
Mulheres que seguiram Jesus.pptx
 
Novena à santa clara
Novena à santa claraNovena à santa clara
Novena à santa clara
 
As 3 Marias
As 3 MariasAs 3 Marias
As 3 Marias
 
Chama do Carmo_207
Chama do Carmo_207Chama do Carmo_207
Chama do Carmo_207
 

Mais de Ricardo Azevedo

Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 131 - O Mundo e a Crença
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 131 - O Mundo e a CrençaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 131 - O Mundo e a Crença
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 131 - O Mundo e a CrençaRicardo Azevedo
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 130 - Onde estão?
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 130 - Onde estão?Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 130 - Onde estão?
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 130 - Onde estão?Ricardo Azevedo
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pão
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pãoSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pão
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pãoRicardo Azevedo
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 128 - É porque ignoram
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 128 - É porque ignoramSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 128 - É porque ignoram
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 128 - É porque ignoramRicardo Azevedo
 
Jesus - O Amor na forma humana (1a. edição)
Jesus - O Amor na forma humana (1a. edição)Jesus - O Amor na forma humana (1a. edição)
Jesus - O Amor na forma humana (1a. edição)Ricardo Azevedo
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 127 - Lei de Retorno
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 127 - Lei de RetornoSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 127 - Lei de Retorno
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 127 - Lei de RetornoRicardo Azevedo
 
Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 126 - Espinhos
Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 126 - EspinhosEvangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 126 - Espinhos
Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 126 - EspinhosRicardo Azevedo
 
Sintonia - Escolha, Pensamento e Elevação
Sintonia - Escolha, Pensamento e ElevaçãoSintonia - Escolha, Pensamento e Elevação
Sintonia - Escolha, Pensamento e ElevaçãoRicardo Azevedo
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 125 - Separação
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 125 - SeparaçãoSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 125 - Separação
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 125 - SeparaçãoRicardo Azevedo
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 124 - Não Falta
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 124 - Não FaltaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 124 - Não Falta
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 124 - Não FaltaRicardo Azevedo
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 123 - Condição Comum
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 123 - Condição ComumSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 123 - Condição Comum
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 123 - Condição ComumRicardo Azevedo
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 122 - Pecado e Pecador
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 122 - Pecado e PecadorSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 122 - Pecado e Pecador
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 122 - Pecado e PecadorRicardo Azevedo
 
Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 121 - Monturo
Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 121 - MonturoEvangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 121 - Monturo
Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 121 - MonturoRicardo Azevedo
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 120 - Conciliação
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 120 - ConciliaçãoSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 120 - Conciliação
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 120 - ConciliaçãoRicardo Azevedo
 
Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 119 - Ajuda sempre
Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 119 - Ajuda sempreEvangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 119 - Ajuda sempre
Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 119 - Ajuda sempreRicardo Azevedo
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 118 - É para isto
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 118 - É para istoSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 118 - É para isto
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 118 - É para istoRicardo Azevedo
 
O Papel da Casa Espírita
O Papel da Casa EspíritaO Papel da Casa Espírita
O Papel da Casa EspíritaRicardo Azevedo
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 117 - Em Família
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 117 - Em FamíliaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 117 - Em Família
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 117 - Em FamíliaRicardo Azevedo
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 116 - Ouçam-nos
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 116 - Ouçam-nosSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 116 - Ouçam-nos
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 116 - Ouçam-nosRicardo Azevedo
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 115 - A Porta
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 115 - A PortaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 115 - A Porta
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 115 - A PortaRicardo Azevedo
 

Mais de Ricardo Azevedo (20)

Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 131 - O Mundo e a Crença
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 131 - O Mundo e a CrençaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 131 - O Mundo e a Crença
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 131 - O Mundo e a Crença
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 130 - Onde estão?
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 130 - Onde estão?Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 130 - Onde estão?
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 130 - Onde estão?
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pão
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pãoSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pão
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pão
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 128 - É porque ignoram
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 128 - É porque ignoramSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 128 - É porque ignoram
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 128 - É porque ignoram
 
Jesus - O Amor na forma humana (1a. edição)
Jesus - O Amor na forma humana (1a. edição)Jesus - O Amor na forma humana (1a. edição)
Jesus - O Amor na forma humana (1a. edição)
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 127 - Lei de Retorno
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 127 - Lei de RetornoSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 127 - Lei de Retorno
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 127 - Lei de Retorno
 
Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 126 - Espinhos
Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 126 - EspinhosEvangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 126 - Espinhos
Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 126 - Espinhos
 
Sintonia - Escolha, Pensamento e Elevação
Sintonia - Escolha, Pensamento e ElevaçãoSintonia - Escolha, Pensamento e Elevação
Sintonia - Escolha, Pensamento e Elevação
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 125 - Separação
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 125 - SeparaçãoSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 125 - Separação
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 125 - Separação
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 124 - Não Falta
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 124 - Não FaltaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 124 - Não Falta
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 124 - Não Falta
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 123 - Condição Comum
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 123 - Condição ComumSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 123 - Condição Comum
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 123 - Condição Comum
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 122 - Pecado e Pecador
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 122 - Pecado e PecadorSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 122 - Pecado e Pecador
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 122 - Pecado e Pecador
 
Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 121 - Monturo
Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 121 - MonturoEvangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 121 - Monturo
Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 121 - Monturo
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 120 - Conciliação
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 120 - ConciliaçãoSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 120 - Conciliação
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 120 - Conciliação
 
Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 119 - Ajuda sempre
Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 119 - Ajuda sempreEvangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 119 - Ajuda sempre
Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 119 - Ajuda sempre
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 118 - É para isto
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 118 - É para istoSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 118 - É para isto
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 118 - É para isto
 
O Papel da Casa Espírita
O Papel da Casa EspíritaO Papel da Casa Espírita
O Papel da Casa Espírita
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 117 - Em Família
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 117 - Em FamíliaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 117 - Em Família
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 117 - Em Família
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 116 - Ouçam-nos
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 116 - Ouçam-nosSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 116 - Ouçam-nos
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 116 - Ouçam-nos
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 115 - A Porta
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 115 - A PortaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 115 - A Porta
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 115 - A Porta
 

Último

GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 EGÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 EMicheleRosa39
 
Gestos e Posturas na Santa Missa_20240414_055304_0000.pptx
Gestos e Posturas na Santa Missa_20240414_055304_0000.pptxGestos e Posturas na Santa Missa_20240414_055304_0000.pptx
Gestos e Posturas na Santa Missa_20240414_055304_0000.pptxSebastioFerreira34
 
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semanaLIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semanaWillemarSousa1
 
O SELO DO ALTÍSSIMO E A MARCA DA BESTA .
O SELO DO ALTÍSSIMO E A MARCA DA BESTA .O SELO DO ALTÍSSIMO E A MARCA DA BESTA .
O SELO DO ALTÍSSIMO E A MARCA DA BESTA .natzarimdonorte
 
A Besta que emergiu do Abismo (O OITAVO REI).
A Besta que emergiu do Abismo (O OITAVO REI).A Besta que emergiu do Abismo (O OITAVO REI).
A Besta que emergiu do Abismo (O OITAVO REI).natzarimdonorte
 
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptxLição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptxCelso Napoleon
 
Material sobre o jubileu e o seu significado
Material sobre o jubileu e o seu significadoMaterial sobre o jubileu e o seu significado
Material sobre o jubileu e o seu significadofreivalentimpesente
 
10 Orações Para Honrar São José Operário
10 Orações Para Honrar São José Operário10 Orações Para Honrar São José Operário
10 Orações Para Honrar São José OperárioNilson Almeida
 
Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus: Verdadeira Pureza , ...
Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus:  Verdadeira Pureza , ...Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus:  Verdadeira Pureza , ...
Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus: Verdadeira Pureza , ...silvana30986
 
O Livro de Yashar e Jaser - Impressao.pdf
O Livro de Yashar e Jaser - Impressao.pdfO Livro de Yashar e Jaser - Impressao.pdf
O Livro de Yashar e Jaser - Impressao.pdfSUELLENBALTARDELEU
 
Oração dos Fiéis Festa da Palavra Catequese
Oração dos  Fiéis Festa da Palavra CatequeseOração dos  Fiéis Festa da Palavra Catequese
Oração dos Fiéis Festa da Palavra Catequeseanamdp2004
 
AS FESTAS DO CRIADOR FORAM ABOLIDAS NA CRUZ?.pdf
AS FESTAS DO CRIADOR FORAM ABOLIDAS NA CRUZ?.pdfAS FESTAS DO CRIADOR FORAM ABOLIDAS NA CRUZ?.pdf
AS FESTAS DO CRIADOR FORAM ABOLIDAS NA CRUZ?.pdfnatzarimdonorte
 

Último (13)

GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 EGÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
 
Gestos e Posturas na Santa Missa_20240414_055304_0000.pptx
Gestos e Posturas na Santa Missa_20240414_055304_0000.pptxGestos e Posturas na Santa Missa_20240414_055304_0000.pptx
Gestos e Posturas na Santa Missa_20240414_055304_0000.pptx
 
Fluido Cósmico Universal e Perispírito.ppt
Fluido Cósmico Universal e Perispírito.pptFluido Cósmico Universal e Perispírito.ppt
Fluido Cósmico Universal e Perispírito.ppt
 
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semanaLIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
 
O SELO DO ALTÍSSIMO E A MARCA DA BESTA .
O SELO DO ALTÍSSIMO E A MARCA DA BESTA .O SELO DO ALTÍSSIMO E A MARCA DA BESTA .
O SELO DO ALTÍSSIMO E A MARCA DA BESTA .
 
A Besta que emergiu do Abismo (O OITAVO REI).
A Besta que emergiu do Abismo (O OITAVO REI).A Besta que emergiu do Abismo (O OITAVO REI).
A Besta que emergiu do Abismo (O OITAVO REI).
 
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptxLição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
 
Material sobre o jubileu e o seu significado
Material sobre o jubileu e o seu significadoMaterial sobre o jubileu e o seu significado
Material sobre o jubileu e o seu significado
 
10 Orações Para Honrar São José Operário
10 Orações Para Honrar São José Operário10 Orações Para Honrar São José Operário
10 Orações Para Honrar São José Operário
 
Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus: Verdadeira Pureza , ...
Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus:  Verdadeira Pureza , ...Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus:  Verdadeira Pureza , ...
Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus: Verdadeira Pureza , ...
 
O Livro de Yashar e Jaser - Impressao.pdf
O Livro de Yashar e Jaser - Impressao.pdfO Livro de Yashar e Jaser - Impressao.pdf
O Livro de Yashar e Jaser - Impressao.pdf
 
Oração dos Fiéis Festa da Palavra Catequese
Oração dos  Fiéis Festa da Palavra CatequeseOração dos  Fiéis Festa da Palavra Catequese
Oração dos Fiéis Festa da Palavra Catequese
 
AS FESTAS DO CRIADOR FORAM ABOLIDAS NA CRUZ?.pdf
AS FESTAS DO CRIADOR FORAM ABOLIDAS NA CRUZ?.pdfAS FESTAS DO CRIADOR FORAM ABOLIDAS NA CRUZ?.pdf
AS FESTAS DO CRIADOR FORAM ABOLIDAS NA CRUZ?.pdf
 

Maria Madalena - Modelo de Evolução Espiritual

  • 2. A primeira a ver Jesus em espírito Dos fatos mais significativos do Evangelho, a primeira visita de Jesus, na ressurreição, é daqueles que convidam à meditação substanciosa e acurada. Por que razões profundas deixaria o Divino Mestre tantas figuras mais próximas de sua vida para surgir aos olhos de Madalena, em primeiro lugar? Livro Caminho, Verdade e Vida, Espírito Emmanuel, Chico Xavier2
  • 3. Jesus surge aos olhos de Madalena “Disse-lhe Jesus: Maria! — Ela, voltando-se, disse-lhe: Mestre!” João 20:163
  • 4. História de Maria de Magdala Magdala era um centro de comércio e indústria de muita prosperidade. Para lá acorriam mercadores e aventureiros de todo o Oriente. Estação de repouso, recebia viajantes ilustres … , conseguindo negócios rendosos e prazeres fáceis. Maria aos 28 anos era uma mulher de peregrina beleza que causava paixões e ciúmes. Livro Primícias do Reino, espírito Amélia Rodrigues, Divaldo P. Franco4
  • 5. … Até ali, caminhara ela sobre as rosas rubras do desejo, embriagando-se com o vinho de condenáveis alegrias. No entanto, seu coração estava sequioso e em desalento. Jovem e formosa, emancipara-se dos preconceitos férreos de sua raça; sua beleza lhe escravizara aos caprichos de mulher os mais ardentes admiradores; mas seu espírito tinha fome de amor ... 5 História de Maria de Magdala Livro Boa Nova, pelo espírito Humberto de Campos, Chico Xavier
  • 6. Espíritos infelizes a tomavam, em noites variadas, deixando-a alheada, olhos perdidos no mistério de insondáveis distâncias. Nessas horas, as servas despediam, do átrio,todos os que a buscassem. Dizia-se que periodicamente que 7 demônios possuíam-lhe o corpo. 6 História de Maria de Magdala Livro Boa Nova, pelo espírito Humberto de Campos, Chico Xavier
  • 7. 7 Divaldo Pereira Franco, palestra Perdão e Autoperdão parte 2, https://www.youtube.com/watch?v=C2AK9c7HmkU A transformação de Maria Madalena
  • 8. A transformação de Madalena 1/13 Um dia, uma mulher profundamente perturbada que era uma rainha do sexo na sua época foi à Jesus e quando se acercou Ele falou suavemente. Jesus - Maria, tu me conheces! Oh Maria! Ergo bonos pastor sum. Eu sou o bom pastor e conheço as minhas ovelhas uma a uma. Maria - Se tu me conheces, tu sabes que eu sou uma pervertida! Jesus - Não Maria, eu sei apenas que tu estais doente. Maria - Mas senhor eu vivo no lupanar. 8 Divaldo Pereira Franco, palestra Perdão e Autoperdão parte 2
  • 9. A transformação de Madalena 2/13 Jesus - Mas é também um lar, Maria. Maria - Mas ali eu sou mercadoria. Jesus - Oh Maria! Seria muito melhor que ao invés de estares exposta, estivesses composta e ao invés de seres buscada para o comércio da ilusão, se te transformasses em uma realidade de paz. Maria - E que devo fazer? Jesus - Ama Maria! Ama aos teus filhos! Maria - Desgraçada de mim! Tenho o ventre varado mil vezes e nunca tive a honra de ser mãe. 9 Divaldo Pereira Franco, palestra Perdão e Autoperdão parte 2
  • 10. A transformação de Madalena 3/13 Jesus - Maria, quando digo que ame aos teus filhos, que tu os ames. Eu quero dizer que ame aos filhos que não tem mães, as mães que não tem filhos! Jesus - Porque amar o filho da própria carne é um dever imposto pela vida orgânica, mas amar aqueles que são de outra carne é uma proposta do amor de Deus. Jesus - Tu nunca viste depois dos escombros, do frio e da destruição, a primavera suave beijar as pedras e arrancar delas flores miúdas? 10 Divaldo Pereira Franco, palestra Perdão e Autoperdão parte 2
  • 11. A transformação de Madalena 4/13 Jesus - Tu nunca viste o solo árido, depois de regenerado pela chuva, reverdecer e cobrir-se de flores? E o pântano Maria, depois de drenado por valas, tornar-se um jardim ou um pomar?? Jesus - Assim é aquele que ama. Quando eu te digo que ames, eu quero dizer dá-te oportunidade de alguém agasalhar-se-te no coração e tu embalares com as dúlcidas vibrações da ternura. Jesus - Vai Maria e ama! Um dia, perdoe-se! Maria - Ai senhor, eu te daria minha vida! Da-la-ei agora! 11 Divaldo Pereira Franco, palestra Perdão e Autoperdão parte 2
  • 12. A transformação de Madalena 5/13 Jesus - É cedo Maria! Jesus - Mais um dia, que não está muito perto, nem tão longe... Eu te pedirei a vida. 12 Divaldo Pereira Franco, palestra Perdão e Autoperdão parte 2
  • 13. A transformação de Madalena 6/13 E a meretriz de Magdala, Míriam de Migdol, saiu dali e nunca mais esqueceu aquele doce diálogo. A partir daquele encontro em Cafarnaum, toda tarde, quando o leque dourado de sol queimava as últimas nuvens e apagava-se no poente, de uma barca um homem belo e incomparável distendia as mãos e falava aos ouvidos do coração dos aflitos. E entre estes, uma mulher de peregrina beleza atendia crianças, socorria desvairados, punha óleo em feridas. 13 Divaldo Pereira Franco, palestra Perdão e Autoperdão parte 2
  • 14. A transformação de Madalena 7/13 E depois que Ele se foi e ela o viu em uma manhã esplendorosa de Cafarnaum, quando todos os amigos se foram. Maria - Levem-me! Pedro, leve-me com você. Pedro - Não posso. Tu és mulher! As mulheres são frágeis... Não posso levar-te comigo. Maria compreendeu... Nunca a perdoariam! Do lugar de onde ela veio... Perdoavam aos homens que a derrubaram, mas não perdoavam quem havia caído. 14 Divaldo Pereira Franco, palestra Perdão e Autoperdão parte 2
  • 15. A transformação de Madalena 8/13 Ela entendeu e continuo na praia. Pediu emprego de porta em porta em Cafarnaum, mas quem tinha lugar para uma mulher arrependida? Ela ficou naquela praia, a sós. Na terceira madrugada, ela viu uma magote de pessoas que batiam a matraca. E uma voz surda que de quando em quando chegava: Fugi! Morfeia! A doença bíblica. O mal de Hansen. Saia da direção do vento. Ela quis correr, mas lembrou-se dEle. Que faria Jesus? 15 Divaldo Pereira Franco, palestra Perdão e Autoperdão parte 2
  • 16. A transformação de Madalena 9/13 E ela ficou. Quando chegou aquele grupo. Alguns à cavalo, outros sem membros em muletas, crianças marcadas com as rosas púrpuras da degenerescência orgânica. Ela perguntou: para onde ides? Procuramos a Jesus de Nazaré. Estamos chegando das longas terras da Assíria. E ouvimos falar de um profeta peregrino que lavava a lepra.. donde... onde... Estamos tão cansados! Maria abaixou a cabeça... Porque chegastes tarde. Mataram-no! 16 Divaldo Pereira Franco, palestra Perdão e Autoperdão parte 2
  • 17. A transformação de Madalena 10/13 Ele se foi e voltou para nos dizer que estaria conosco. E agora retornou ao seio do seu Pai. E a nossa dor, ficou entre nós. Maria viu a decepção nos seus rostos. As lágrimas do desencanto... Então ela começou a dizer, mas ele nos disse... E repetiu as palavras do Sermão do Monte. E falou, falou mais e mais... até a alvorada do outro dia, quando as autoridades de Cafarnaum vieram expulsá-los para o Vale dos Imundos. E quando eles se foram, sorriam. A esperança estava estampada no seu rosto! 17 Divaldo Pereira Franco, palestra Perdão e Autoperdão parte 2
  • 18. A transformação de Madalena 11/13 E quando ela os viu dobrar numa curva da praia e uma criança acenou-lhe à Deus. Ela pensou: eram seus últimos amigos. Não tinha à ninguém! Ela deu um gritou: esperai por mim! E saiu a correr. 18 Divaldo Pereira Franco, palestra Perdão e Autoperdão parte 2
  • 19. A transformação de Madalena 12/13 E duas semanas após, no Vale dos Imundos em Jerusalém, chegava mais um grupo de atormentados de longe. E uma mulher de rara beleza, toda tarde, de cima de uma pequena plataforma natural da rocha, aquela mulher de cabelos dourados que lhe caiam sobre os ombros e os seios, fala transfigurada de Jesus! E começava o seu discurso: Vós, os leprosos... 19 Divaldo Pereira Franco, palestra Perdão e Autoperdão parte 2
  • 20. A transformação de Madalena 13/13 Um dia ela se banhava em uma cascata, e olhando o peito notou uma despigmentação. Tentou limpá-la. Tomou de um seixo e cravou. Não sentiu dor. Naquela tarde ela abriu os braços e disse-lhes: Nós, os leprosos! 20 Divaldo Pereira Franco, palestra Perdão e Autoperdão parte 2
  • 21. Passagens de Maria Madalena O Encontro com Jesus A Crucificação A Ressurreição21
  • 22. O encontro com Jesus Ei-la, agora, ali (banquete da casa de Simão). Todos a fitavam com desagrado. As lágrimas saltavam-lhe dos olhos e caíam sobre os pés dEle. Enxugava-os com a basta cabeleira. “ – Se este fosse profeta bem saberia quem e qual é a mulher que lhe tocou, pois é uma pecadora”. (Simão) 22 Livro Primícias do Reino, espírito Amélia Rodrigues, Divaldo P. Franco
  • 23. 23 Ante as lágrimas de Sua Mãe, fizera o legado da fraternidade universal, entregando-a a João e este àquela. ... Quando a cabeça dEle pendeu, desejou cingir-lhe outra vez os pés, e osculá-los com ternura, mas se sentiu imobilizada… - Bom animo, filha! – falou ternamente a Mãe sublime. – As nossas dores estão com Ele. Livro Primícias do Reino, espírito Amélia Rodrigues, Divaldo P. Franco A Crucificação
  • 24. -... Mas a ti Ele apareceu? Não, não o creio. Não creiamos. Não é possível que Ele tenha aparecido exatamente a ela. Não estiveram outras no sepulcro? João e Pedro lá não foram? Por que a ela?... - Eu o creio, filha – acentuou a sua saudosa mãe. – Secreto pressentimento diz-me que meu Filho vive. Eu o creio, porque sei que a nossa dor e saudade estão com Ele, como a Sua saudade se demora em nós. 24 Livro Primícias do Reino, espírito Amélia Rodrigues, Divaldo P. Franco A Ressurreição
  • 25. O simbolismo do gesto de Jesus … ninguém fez tanta violência a si mesma, para seguir o Salvador, como a inesquecível obsidiada de Magdala. Nem mesmo “morta” nas sensações que operam a paralisia da alma; entretanto, bastou o encontro com o Cristo para abandonar tudo e seguir-lhe os passos, fiel até ao fim, nos atos de negação de si própria e na firme resolução de tomar a cruz que lhe competia no calvário redentor de sua existência angustiosa. Livro Caminho, Verdade e Vida, Espírito Emmanuel, Chico Xavier25
  • 26. Lições de Maria de Magdala 26 A força das mulheres Olhar de prosperidade Todos somos doentes e irmãos Perdão e autoperdão Todos são chamados
  • 27. A Força das Mulheres 27 Livro Vereda Familiar, espírito Thereza de Brito, Raul Teixeira Sem dúvida, à mulher cabe uma importante quota de contribuição com a obra de Deus, oferecendo a sua sensibilidade e a sua inteligência em favor da vida. Muito a propósito é a afirmação do Espírito da Verdade, quando situa a tarefa delegada por Deus à mulher como mais importante que à do homem, uma vez que cabe a ela o conduzimento dos homens, dando-lhes as primeiras noções de vida. (Questão 821, de O Livro dos Espíritos)
  • 28. Olhar de Prosperidade 28 Maria - Mas senhor eu vivo no lupanar Jesus - Mas é também um lar, Maria. Jesus - Tu nunca viste depois dos escombros, do frio e da destruição, a primavera suave beijar as pedras e arrancar delas flores miúdas? Jesus - Tu nunca viste o solo árido, depois de regenerado pela chuva, reverdecer e cobrir-se de flores? E o pântano Maria, depois de drenado por valas, tornar-se um jardim ou um pomar?? Divaldo Pereira Franco, palestra Perdão e Autoperdão parte 2
  • 29. Todos somos doentes e irmãos 29 Jesus - Não Maria, eu sei apenas que tu estais doente. - O Rabi – esclareceu a jovem, entusiasta -, ama os sofredores e confabula com todos, informando que as impurezas muitas vezes estão ocultas e ninguém as vê, dignos todos, no entanto, de compreensão e ajuda. Eu não tenho o direito de censurar, nem de absolver, mas eu tenho o dever de ajudar! Ministrar-lhe o remédio. Divaldo Pereira Franco, palestra Perdão e Autoperdão parte 2
  • 30. Perdão e autoperdão 30 Jesus - Vai Maria e ama! Um dia, perdoe-se! Ele não a condenou. Ele não a absolveu. Ele deixou o problema com ela, porque o problema era dela. Perdoavam aos homens que a derrubaram, mas não perdoavam quem havia caído. Divaldo Pereira Franco, palestra Perdão e Autoperdão parte 2
  • 31. Todos são chamados pelo Evangelho … Jesus ratificou a lição de que a sua doutrina será, para todos os aprendizes e seguidores, o código de ouro das vidas transformadas para a glória do bem. E ninguém, como Maria de Magdala, houvera transformado a sua, à luz do Evangelho redentor. Livro Caminho, Verdade e Vida, Espírito Emmanuel, Chico Xavier31
  • 32. Conta uma lenda Oriental... 32 Divaldo Pereira Franco, palestra Perdão e Autoperdão parte 2
  • 33. Conta uma lenda Oriental 1/6 … que ela tomada pela enfermidade, foi visitar a mãe de Jesus, de quem sentia uma grande falta. Ela ouviu dizer que a senhora estava em Patmos, com João, o discípulo amado. Ela resolveu ir. Despediu-se dos amigos que ficaram chorando. Viaja durante a noite por causa do sol inclemente e repousava durante o dia à sombra de velhas figueiras da estrada. Crianças atiravam-lhe migalhas. E ela jornadeou, até que exausta tomou as portas de Éfeso. 33 Divaldo Pereira Franco, palestra Perdão e Autoperdão parte 2
  • 34. Conta uma lenda Oriental 2/6 Em delírio de febre alguém a ouviu chamando o nome João, Maria de Nazaré. E então foram as pessoas a casa do jovem e maduro João e ele veio buscá-la, carregou a nos seus braços. E levou-a a sua casa e a colocou sob uma cama. A mãe do crucificado velou por ela dois dias e três noites. E na terceira madrugada ela exala o último suspiro e sentiu-se leve. 34 Divaldo Pereira Franco, palestra Perdão e Autoperdão parte 2
  • 35. Conta uma lenda Oriental 3/6 Tinha impressão de que o ar perfumado de Cafarnaum invadia-lhe as narinas da alma. Ela escutava um coral longínquo e mãos invisíveis que a dirigiam. Então sentiu-se naquela praia, próxima a casa de Simão Barjonas onde conversara com Ele em uma noite inesquecível, fazia três anos. Ali estava ela novamente. Olhou-se e estava jovem e exuberante, menos de 30 anos. 35 Divaldo Pereira Franco, palestra Perdão e Autoperdão parte 2
  • 36. Conta uma lenda Oriental 4/6 Quando viu que entre as ondas, uma claridade tornava-se agigantada e a medida que a onda trazia a luz... era Jesus. 36 Divaldo Pereira Franco, palestra Perdão e Autoperdão parte 2
  • 37. Conta uma lenda Oriental 5/6 Os braços, as chagas nos pulsos, a testa marcada. Ela correu na direção, atirou-se lhe nos braços... Maria- Raboni, mestre! Jesus - Maria, venho buscar-te, conforme te disse. Jesus - Eu te pedi o sacrifício, agora quero coroar- te de estrelas. A ex-meretriz de Magdala desmaiou nos braços de Jesus! 37 Divaldo Pereira Franco, palestra Perdão e Autoperdão parte 2
  • 38. Conta uma lenda Oriental 6/6 … naquela noite quando olhava o zimbório estrelado da noite, o astrólogo persa percebeu a claridade de uma novíssima... não era uma estrela, era o rastro de luz de Maria de Magdala adentrando pelo reino dos céus. 38 Divaldo Pereira Franco, palestra Perdão e Autoperdão parte 2
  • 39. Para concluir, vamos ouvir novamente Jesus... Sermão da Montanha
  • 40.  Bem-aventurados os humildes de espírito, porque deles é o reino dos céus.  Bem-aventurados os que choram, porque eles serão consolados.  Bem-aventurados os mansos, porque eles herdarão a terra.  Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça porque eles serão fartos.  Bem-aventurados os misericordiosos, porque eles alcançarão misericórdia. 40/48 Mateus, 5, 1 a 12 As Bem-aventuranças Jesus, pois, vendo as multidões, subiu ao monte; e, tendo se assentado, aproximaram-se os seus discípulos, e ele se pôs a ensiná-los, dizendo:
  • 41.  Bem-aventurados os limpos de coração, porque eles verão a Deus.  Bem-aventurados os pacificadores, porque eles serão chamados filhos de Deus.  Bem-aventurados os que são perseguidos por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus.  Bem-aventurados sois vós, quando vos injuriarem e perseguiram e, mentindo, disserem todo mal contra vós por minha causa. Alegrai-vos e exultai, porque é grande o vosso galardão nos céus; porque assim perseguiram aos profetas que foram antes de vós. 41/48 Mateus, 5, 1 a 12 As Bem-aventuranças
  • 42. 42 Quais lições de Maria Madalena podemos aplicar na nossa Reforma Íntima? A Pergunta que fica...
  • 43. 43 ● Livro Caminho, Verdade e Vida, espírito Emmanuel, Francisco C. Xavier ● Livro Boa Nova, pelo espírito Humberto de Campos, Chico Xavier ● O Livro dos Espíritos, Allan Kardec ● Livro Primícias do Reino, espírito Amélia Rodrigues, Divaldo P. Franco ● Divaldo Pereira Franco, palestra Perdão e Autoperdão, parte 2, https://www.youtube.com/watch?v=C2AK9c7HmkU ● Divaldo P. Franco, palestra Maria de Magdala, https://www.youtube.com/watch?v=6_8sus7fE-0 ● Livro Vereda Familiar, espírito Thereza de Brito, Raul Teixeira Referências

Notas do Editor

  1. Somos naturalmente compelidos a indagar por que não teria aparecido, antes, ao coração abnegado e amoroso que lhe servira de Mãe ou aos discípulos amados… É compreensível que muitos estudantes investiguem a razão pela qual não apareceu o Mestre, primeiramente, a Pedro ou a João, à sua Mãe ou aos amigos.
  2. E disseram-lhe eles: Mulher, por que choras? Ela lhes disse: Porque levaram o meu Senhor, e não sei onde o puseram. E, tendo dito isso, voltou-se para trás e viu Jesus em pé, mas não sabia que era Jesus. Disse-lhe Jesus: Mulher, por que choras? Quem buscas? Ela, cuidando que era o hortelão, disse-lhe: Senhor, se tu o levaste, dize-me onde o puseste, e eu o levarei. Disse-lhe Jesus: Maria! Ela, (Jo, 20:1-2; 11; 13-16).
  3. Reclinada sobre as bordas do mar, gozava de clima ameno e desfrutava de águas piscosas privilegiadas.
  4. Seu palácio era procurado pelos príncipes das sinagogas, ricos negociantes, opulentos senhores de terras e de escravos, funcionários de alta categoria da administração herodiana, que lhe depositavam no regaço moedas de ouro, joias, dracmas de prata, perfumes raros, presentes exóticos. Ela se dava ao luxo de escolher quem lhe aprouvesse e se tornou detentora dos segredos dos fariseus...
  5. Alguns homens, sentindo-se preteridos, dobravam as ofertas pelas horas de prazer que anteviam. Tudo em vão.
  6. Alguns homens, sentindo-se preteridos, dobravam as ofertas pelas horas de prazer que anteviam. Tudo em vão.
  7. - Senhora, hoje Ele pernoita perto daqui, em Cafarnaum. Ide vê-lo, senhora!
  8. 821. As funções a que a mulher é destinada pela Natureza terão importância tão grande quanto as deferidas ao homem? “Sim, maior até. É ela quem lhe dá as primeiras noções da vida.”
  9. 821. As funções a que a mulher é destinada pela Natureza terão importância tão grande quanto as deferidas ao homem? “Sim, maior até. É ela quem lhe dá as primeiras noções da vida.”
  10. 821. As funções a que a mulher é destinada pela Natureza terão importância tão grande quanto as deferidas ao homem? “Sim, maior até. É ela quem lhe dá as primeiras noções da vida.”
  11. Jesus - Porque amar o filho da própria carne é um dever imposto pela vida orgânica, mas amar aqueles que são de outra carne é uma proposta do amor de Deus.
  12. Ela havia delinquido pela ignorância, mas ela não guardou ressentimento daqueles que o empurraram no lodaçal. Nem o lembrava. Por que o problema do equívoco não é de quem vê, mas de quem o carrega. O problema do conflito não é meu, diante de alguém que faz o escândalo. É da pessoa escandalosa.
  13. Jesus, pois, vendo as multidões, subiu ao monte; e, tendo se assentado, aproximaram-se os seus discípulos, e ele se pôs a ensiná-los, dizendo: