SlideShare uma empresa Scribd logo
porquequaseninguémfaz
LIDERANÇA
ADAPTATIVA:
O especialista em liderança adaptativa de Harvard,
Ronald Heifetz, diz que liderar escolhendo o tempo
todo o que descartar e o que manter é consenso
no discurso, mas não na prática | por TICIANA WERNECK
Vale a leitura porque...
...a teoria da evolução de
Charles Darwin tem sido cada
vez mais utilizada para explicar
o que acontece nos negócios.
...assim como na evolução das
espécies a adaptação permitiu
que organismos triunfassem em
ambientes desafiadores,isso tende
a ocorrer com as empresas.
...toda liderança deveria ser
adaptativa,mas,na prática,
pessoas e empresas ainda
confundem liderança com posição,
poder,autoridade e status.
PASOK/
FLICKR
CC
liderançaepessoas|entrevista
52 | edição 115
O
O professor da Harvard University Ro-
nald Heifetz se prepara para a primeira
visita ao Brasil. Vem em boa hora. Estu-
dioso da teoria da evolução, ele acredita
que ambientes mutantes, como este a que
estamos expostos atualmente, nos obri-
gam a ter uma abordagem adaptativa no
modo de operar. E os líderes, corporati-
vos e governamentais, têm papel predo-
minante na adaptação.
Para Heifetz, liderar de forma adaptati-
va requer, essencialmente, pensar de ma-
neira experimental em vez de dizer “eu
tenho as respostas”. “O líder adaptativo
não hesitará em desviar-se do planejado
quando perceber que a realidade não é
como ele antecipou”, enfatiza.
LIDERANÇAADAPTATIVAÉ...
...acapacidadedemobilizarpessoas–em
uma comunidade ou organização – para
que consigam progredir mesmo diante de
desafios que mudam a toda hora. A ideia-
-chave é que a atividade da liderança não
estávinculadaastatus,poder,autoridadeou
posição,comomuitosaindapensam.
O SR. COMEÇOU A DESENVOLVER O
CONCEITO 30 ANOS ATRÁS. ATÉ QUE
PONTO AS EMPRESAS JÁ O RECONHE-
CEM E IMPLEMENTAM?
Em relação ao reconhecimento, hoje o
conceitoévistocomonormal.Todossabe-
mos que vivemos em um mundo que de-
manda adaptação incessante das organi-
zações – seja uma empresa, seja um país.
As crises ocorridas nesse período até re-
forçaramessavisão–nosEstadosUnidos,
a tragédia de 11 de setembro de 2001 e a
crise hipotecária de 2008. Aqui a lideran-
ça adaptativa tornou-se uma ideia central
paraopensamentocorporativoepolítico.
Já quanto à implementação, esta con-
tinua a ser um desafio. Ainda não é uma
forma corriqueira de atuação da lide-
rança, como deveria ser. Nós estamos na
fronteira da prática.
POR QUÊ? OS EXECUTIVOS NÃO ADMI-
TEM NÃO TER TODAS AS RESPOSTAS?
Ainda se espera que as pessoas em po-
sição de autoridade tratem todos os pro-
blemas de forma técnica, como se fossem
administráveis apenas com sua experiên-
cia e sabedoria.
Seriaótimosevivêssemosemummundo
no qual isso fosse verdade. No entanto, o
mundo constantemente nos joga proble-
mas,desafioseatéoportunidadesqueestão
além de nossa experiência e sabedoria.
É crucial que um líder faça sua equi-
pe perceber que alguns problemas serão
solucionados de forma técnica, com sua
largaexperiênciagerencial,eoutrosnão,e
ele deve fazer isso mantendo sua credibili-
dade, merecendo a confiança das pessoas.
Os problemas que combinam compo-
nentes adaptativos e técnicos demandam
a inteligência do grupo. Se quiser encon-
trar uma solução para eles, a equipe tem
deembarcaremumesforçoconjuntopara
desenvolver novas competências.
ENTÃO, DESENVOLVER NOVAS COMPE-
TÊNCIAS É A CHAVE?
Sim, eu diria que uma das chaves da li-
derança adaptativa é desenvolver novas
competências com o objetivo não apenas
de sobreviver, mas também de prosperar
no novo ambiente.
São três as tarefas principais da liderança
adaptativa.Pensenanaturezaeemcomoos
organismosseadaptamaumdesafionoam-
biente: eles descartam alguns componentes
deseuDNA,mantêmoutrosedesenvolvem
novascompetências.
Acredito que essas mesmas três tarefas
constituem a essência dos processos de
adaptaçãodosnegócios:oquevamosdes-
cartar, o que vamos manter e quais inova-
ções vão nos permitir tirar o melhor pro-
veito de nossa identidade para o futuro.
UMA QUARTA TAREFA SERIA MOBILIZAR
AS PESSOAS PARA MUDAR? MAS ESSA É
Quem é:
Psiquiatra de formação
e exímio violoncelista,
é uma das maiores
autoridades em
liderança da atualidade.
Cofundador do Center
for Public Leadership,
da Kennedy School of
Government, a escola
de administração pública
de Harvard, atua como
professor e consultor.
Livros:
The Practice of Adaptive
Leadership, Leadership
without Easy Answers e
Leadership on the Line
(com Marty Linsky).
No Brasil:
Estará em São Paulo para
uma palestra na HSM
ExpoManagement, em
novembro deste ano.
SAIBA MAIS SOBRE
RONALD
HEIFETZ
edição 115 | 53
UMA TAREFA DIFICÍLIMA, NÃO?
MUDANÇA NÃO GERA RESIS-
TÊNCIA SEMPRE?
Liderança nunca teve a ver
com distribuir boas notícias.
Muito frequentemente, liderar
é um exercício de fazer as pes-
soasadmitiremanecessidadede
aceitar uma perda transitória e
partiremembuscadonovo.
A mudança adaptativa é difí-
cilporquenãoseconseguelevar
todo o histórico de DNA para
o futuro; é possível conservar a
maiorparte,masnãotudo–algo
necessariamenteseráperdido.
Uma mudança de processo
em uma empresa, por exem-
plo, pode significar descartar
50% do que alguns colabora-
dores conhecem sobre seu tra-
balho. E não é fácil para nin-
guém aceitar abrir mão de
algo; há um luto.
Agora, permita-me discordar
um pouco do senso comum se-
gundo o qual as pessoas sempre
resistem à mudança. Isso não é
totalmenteverdade.
As pessoas adoram mudan-
ças, desde que saibam que elas
são boas. Nunca se ouviu falar
que alguém tenha devolvi-
do um prêmio de loteria, por
exemplo. Assim, concluo que
as pessoas resistem a uma mu-
dança apenas quando veem
nela um risco de perda.
Cabe à liderança identificar
os tipos de perdas que precisa-
rá impor à equipe e como lida-
rá com elas, ao mesmo tempo
quedeveengajaremobilizaras
pessoas no processo – a essên-
cia da mudança do tipo adap-
tativo é a mobilização.
O SR. DISSE CERTA VEZ QUE
“SER UM LÍDER VALE A DOR”.
POR QUE VALE?
A função vale a pena apesar
de todas as dificuldades porque
é algo inspirador e significativo
para um grupo de pessoas, seja
uma comunidade, seja uma
equipe corporativa. Um grupo
ser forçado a dar o melhor de
si e encontrar novas maneiras
de prosperar é inspirador; as
pessoas serem capazes de dizer
“ainda somos nós mesmas, mas
agoramelhoresquenunca,por-
quetivemoscoragemdeabraçar
amudança”ésignificativo.
O líder mantém o que é mais
preciosoparaumacomunidade
– sua identidade –, porém a faz
aceitar e adotar novas práticas
que lhe permitam prosperar.
Nada é mais inspirador que ser
a fonte de renovação para um
grupo de pessoas.
NA PRÁTICA, COMO O LÍ­­
DER
ADAPTATIVO MOBILIZA SUA
EQUIPE?
Lembre que liderança adap-
tativa não diz respeito só a mu-
dança; abarca sobretudo quais
comportamentos descartar e
quais manter. O esforço adap-
Adaptação,na perspectiva da biologia,é uma característica que melhora
alguma função de um ser vivo e,por isso,aumenta sua capacidade de prosperar.
Pode ser um comportamento que permita ao animal fugir mais facilmente de
predadores,uma proteína que funcione melhor na temperatura corporal,um traço
anatômico que possibilite ao organismo acessar novos e valiosos recursos.
Segundo Ronald Heifetz,é a pequena mudança que faz diferença.Ele gosta
de lembrar que o DNA do ser humano só tem 1% de mudança em relação
ao do chimpanzé,o restante é tudo igual. “Para adaptar,é preciso saber
manter tanto quanto saber mudar,na natureza e nas organizações”,diz.
Adaptar combina mudança e preservação
SHUTTERSTOCK
liderançaepessoas|entrevista
Você aplica quando...
...entende que deve liderar de forma experimental,em
vez de vez de achar que tem todas as respostas.
...distingue os problemas técnicos e os adaptativos e
os aborda adequadamente.
...executa três tarefas principais:decidir o que descartar,
o que manter e quais novas competências desenvolver.
...aprende a mobilizar as pessoas em torno da mudança
necessária,sem minimizar conflitos.
tativo gera tanto conflito por-
que implica decidir o que fica e
o que sai. O conflito é o motor
da inovação; deve ser incenti-
vado, não evitado.
Mobilizartemavercomiden-
tificar as perdas e promovê-las,
com entender a dor que as per-
dasestãocausandoetentarame-
nizá-la sem suspender o proces-
so. O líder precisa ter estômago
para um desequilíbrio susten-
tado. Seu desafio não é deixar
tudoemequilíbrio,esimmanter
a temperatura e a pressão altas,
cozinharnapaneladepressão.
Isso é exatamente o contrá-
riodoqueboapartedoslíderes
faz ao confrontar uma grande
mudança:elestentampoupara
equipe, minimizando os danos
e agindo como se soubessem o
que estão fazendo.
Crises ajudam um líder a
mobilizar as pessoas; ter alia-
dos também é crucial.
O SR. COSTUMA ASSESSO-
RARLÍDERESPOLÍTICOS.ELES
SÃO MAIS ADAPTATIVOS QUE
OS LÍDERES EMPRESARIAIS?
Ao longo dos anos, trabalhei
com presidentes e primeiros-
-ministros de muitos países, de
fato. A grande vantagem deles
sobre os líderes empresariais é
a capacidade de mobilização e
engajamento do público.
Isso só acontece, no entanto,
quando o líder não fica refém
do aparato governamental
nem encapsulado em seu gabi-
nete. Ele precisa passar tempo
com o povo, tanto para con-
trolar a mensagem que dese-
ja transmitir como para ouvir
seus medos e ansiedades.
Já faz alguns anos que traba-
lho para o governo da Colôm-
bia, por exemplo – antes com
ÁlvaroUribeeagoracomJuan
Manuel Santos.
Uribefoiumexemplodeino-
vação. Ele costumava ir com
frequência para o interior do
país e ficava o dia todo ouvin-
do as pessoas. Usando essa ro-
tina, passava tempo com suas
equipes locais, mobilizando-
-as em relação aos desafios que
enfrentariam,emumexercício
de responsabilidade coletiva.
Éessetipodemudançaqueeu
tenhoajudadooslíderesageren-
ciar, beneficiando-se de uma li-
derança compartilhada – assim,
o conhecimento se espalha por
vários microambientes. Adapta-
bilidade pressupõe diversas mi-
croadaptações, e isso requer dis-
tribuirbemainformação.
Atualmente, com Santos, tra-
balho acompanhando a equipe
de negociação no processo de
acordodepazentreogovernoea
guerrilhadasFarc[ForçasArma-
das Revolucionárias da Colôm-
bia]paraencerrarumconflitode
maisdecincodécadas.Assinaro
acordo é a parte mais fácil desse
processo; a mais difícil será sua
consolidação. Meu foco está em
como preparar as equipes para
as mudanças sociais e econômi-
casrequeridaspelasolução.
O QUE O SR. TEM ESTUDADO?
Ando interessado nos proces-
sos biológicos que promovem
a adaptação na natureza; eles
podem nos ensinar bastante
sobreaadaptaçãonosnegócios.
A natureza é muito eficiente
esómudaoqueprecisasermu-
dado; o resto ela mantém. Essa
seletividade me fascina.
A questão da adaptação me
perseguedesdeoiníciodacarrei-
ra, e hoje estou convicto de que
pressupõe três escolhas: quais
componentes descartar, quais
manter e quais desenvolver para
levar nossa existência adiante. É
issoqueestouestudandoagora.
É PRECISO FAZER
UMA SÉRIE DE
MICROADAPTAÇÕES,
O QUE REQUER
LIDERANÇA
COMPARTILHADA
PARA DISTRIBUIR
A INFORMAÇÃO
edição 115 | 55

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Liderança adaptativa - Por que quase ninguém faz - Ronald Heifetz.pdf

Comportamento Organizacional
Comportamento OrganizacionalComportamento Organizacional
Comportamento Organizacional
Adeildo Caboclo
 
Mindfulness (Atenção Plena).pdf
Mindfulness (Atenção Plena).pdfMindfulness (Atenção Plena).pdf
Mindfulness (Atenção Plena).pdf
mercenariobylll
 
aula de gestão estrategica de pessoas na era digital
aula de gestão estrategica de pessoas na era digitalaula de gestão estrategica de pessoas na era digital
aula de gestão estrategica de pessoas na era digital
AirtonLeo2
 
Resiliência empresarial
Resiliência empresarialResiliência empresarial
Resiliência empresarial
IntegraleVision
 
Apresentação em PowerPoint sobre Adaptação a Mudanças
Apresentação em PowerPoint sobre Adaptação a MudançasApresentação em PowerPoint sobre Adaptação a Mudanças
Apresentação em PowerPoint sobre Adaptação a Mudanças
ronimarcio1
 
Muito mais que um gestor, um líder transformador
Muito mais que um gestor, um líder transformadorMuito mais que um gestor, um líder transformador
Muito mais que um gestor, um líder transformador
Luiz C. Parzianello
 
Treinamentos Comportamentais - Psicóloga Patrícia Sena
Treinamentos Comportamentais - Psicóloga Patrícia SenaTreinamentos Comportamentais - Psicóloga Patrícia Sena
Treinamentos Comportamentais - Psicóloga Patrícia Sena
Patrícia Sena
 
Liderança Estratégica - Palestra UNEF
Liderança Estratégica - Palestra UNEFLiderança Estratégica - Palestra UNEF
Liderança Estratégica - Palestra UNEF
Givanildo Silva
 
Perfil ideal do profissional da atualidade
Perfil ideal do profissional da atualidadePerfil ideal do profissional da atualidade
Perfil ideal do profissional da atualidade
Salatiel Cícero - Jornalista - Radialista
 
Gestão de Mudanças
Gestão de Mudanças Gestão de Mudanças
Gestão de Mudanças
Daniel de Carvalho Luz
 
Gestão Organizacional
Gestão Organizacional Gestão Organizacional
Gestão Organizacional
Roosevelt F. Abrantes
 
FORGE - Apostila
FORGE - ApostilaFORGE - Apostila
FORGE - Apostila
Sérgio Tessmann da Rocha
 
a liderança e a gestão de conflitos
a liderança e a gestão de conflitosa liderança e a gestão de conflitos
a liderança e a gestão de conflitos
JooMiguelFilho
 
6 experimentos gerenciais para fazer hoje
6 experimentos gerenciais para fazer hoje6 experimentos gerenciais para fazer hoje
6 experimentos gerenciais para fazer hoje
Debora Santtos
 
1_lideranca organizacional_educação-slide.pptx
1_lideranca organizacional_educação-slide.pptx1_lideranca organizacional_educação-slide.pptx
1_lideranca organizacional_educação-slide.pptx
CludiaLovato
 
Boletim coaching julho 2015
Boletim coaching   julho 2015Boletim coaching   julho 2015
Boletim coaching julho 2015
Myrthes Lutke
 
Além da quinta disciplina peter senge
Além da quinta disciplina peter sengeAlém da quinta disciplina peter senge
Além da quinta disciplina peter senge
Priscila Alves
 
PALESTRA Desenvolvimento de Equipes (Secretaria de Educação - Ouricuri)
PALESTRA Desenvolvimento de Equipes (Secretaria de Educação - Ouricuri)PALESTRA Desenvolvimento de Equipes (Secretaria de Educação - Ouricuri)
PALESTRA Desenvolvimento de Equipes (Secretaria de Educação - Ouricuri)
humberto145
 
Estratégias para tempos de turbulências e liderança para tempos de crise
Estratégias para tempos de turbulências e liderança para tempos de criseEstratégias para tempos de turbulências e liderança para tempos de crise
Estratégias para tempos de turbulências e liderança para tempos de crise
Daniel de Carvalho Luz
 
LIDERANDO NA VELOCIDADE DAS MUDANÇAS
LIDERANDO NA VELOCIDADE DAS MUDANÇASLIDERANDO NA VELOCIDADE DAS MUDANÇAS
LIDERANDO NA VELOCIDADE DAS MUDANÇAS
Daniel de Carvalho Luz
 

Semelhante a Liderança adaptativa - Por que quase ninguém faz - Ronald Heifetz.pdf (20)

Comportamento Organizacional
Comportamento OrganizacionalComportamento Organizacional
Comportamento Organizacional
 
Mindfulness (Atenção Plena).pdf
Mindfulness (Atenção Plena).pdfMindfulness (Atenção Plena).pdf
Mindfulness (Atenção Plena).pdf
 
aula de gestão estrategica de pessoas na era digital
aula de gestão estrategica de pessoas na era digitalaula de gestão estrategica de pessoas na era digital
aula de gestão estrategica de pessoas na era digital
 
Resiliência empresarial
Resiliência empresarialResiliência empresarial
Resiliência empresarial
 
Apresentação em PowerPoint sobre Adaptação a Mudanças
Apresentação em PowerPoint sobre Adaptação a MudançasApresentação em PowerPoint sobre Adaptação a Mudanças
Apresentação em PowerPoint sobre Adaptação a Mudanças
 
Muito mais que um gestor, um líder transformador
Muito mais que um gestor, um líder transformadorMuito mais que um gestor, um líder transformador
Muito mais que um gestor, um líder transformador
 
Treinamentos Comportamentais - Psicóloga Patrícia Sena
Treinamentos Comportamentais - Psicóloga Patrícia SenaTreinamentos Comportamentais - Psicóloga Patrícia Sena
Treinamentos Comportamentais - Psicóloga Patrícia Sena
 
Liderança Estratégica - Palestra UNEF
Liderança Estratégica - Palestra UNEFLiderança Estratégica - Palestra UNEF
Liderança Estratégica - Palestra UNEF
 
Perfil ideal do profissional da atualidade
Perfil ideal do profissional da atualidadePerfil ideal do profissional da atualidade
Perfil ideal do profissional da atualidade
 
Gestão de Mudanças
Gestão de Mudanças Gestão de Mudanças
Gestão de Mudanças
 
Gestão Organizacional
Gestão Organizacional Gestão Organizacional
Gestão Organizacional
 
FORGE - Apostila
FORGE - ApostilaFORGE - Apostila
FORGE - Apostila
 
a liderança e a gestão de conflitos
a liderança e a gestão de conflitosa liderança e a gestão de conflitos
a liderança e a gestão de conflitos
 
6 experimentos gerenciais para fazer hoje
6 experimentos gerenciais para fazer hoje6 experimentos gerenciais para fazer hoje
6 experimentos gerenciais para fazer hoje
 
1_lideranca organizacional_educação-slide.pptx
1_lideranca organizacional_educação-slide.pptx1_lideranca organizacional_educação-slide.pptx
1_lideranca organizacional_educação-slide.pptx
 
Boletim coaching julho 2015
Boletim coaching   julho 2015Boletim coaching   julho 2015
Boletim coaching julho 2015
 
Além da quinta disciplina peter senge
Além da quinta disciplina peter sengeAlém da quinta disciplina peter senge
Além da quinta disciplina peter senge
 
PALESTRA Desenvolvimento de Equipes (Secretaria de Educação - Ouricuri)
PALESTRA Desenvolvimento de Equipes (Secretaria de Educação - Ouricuri)PALESTRA Desenvolvimento de Equipes (Secretaria de Educação - Ouricuri)
PALESTRA Desenvolvimento de Equipes (Secretaria de Educação - Ouricuri)
 
Estratégias para tempos de turbulências e liderança para tempos de crise
Estratégias para tempos de turbulências e liderança para tempos de criseEstratégias para tempos de turbulências e liderança para tempos de crise
Estratégias para tempos de turbulências e liderança para tempos de crise
 
LIDERANDO NA VELOCIDADE DAS MUDANÇAS
LIDERANDO NA VELOCIDADE DAS MUDANÇASLIDERANDO NA VELOCIDADE DAS MUDANÇAS
LIDERANDO NA VELOCIDADE DAS MUDANÇAS
 

Liderança adaptativa - Por que quase ninguém faz - Ronald Heifetz.pdf

  • 1. porquequaseninguémfaz LIDERANÇA ADAPTATIVA: O especialista em liderança adaptativa de Harvard, Ronald Heifetz, diz que liderar escolhendo o tempo todo o que descartar e o que manter é consenso no discurso, mas não na prática | por TICIANA WERNECK Vale a leitura porque... ...a teoria da evolução de Charles Darwin tem sido cada vez mais utilizada para explicar o que acontece nos negócios. ...assim como na evolução das espécies a adaptação permitiu que organismos triunfassem em ambientes desafiadores,isso tende a ocorrer com as empresas. ...toda liderança deveria ser adaptativa,mas,na prática, pessoas e empresas ainda confundem liderança com posição, poder,autoridade e status. PASOK/ FLICKR CC liderançaepessoas|entrevista 52 | edição 115
  • 2. O O professor da Harvard University Ro- nald Heifetz se prepara para a primeira visita ao Brasil. Vem em boa hora. Estu- dioso da teoria da evolução, ele acredita que ambientes mutantes, como este a que estamos expostos atualmente, nos obri- gam a ter uma abordagem adaptativa no modo de operar. E os líderes, corporati- vos e governamentais, têm papel predo- minante na adaptação. Para Heifetz, liderar de forma adaptati- va requer, essencialmente, pensar de ma- neira experimental em vez de dizer “eu tenho as respostas”. “O líder adaptativo não hesitará em desviar-se do planejado quando perceber que a realidade não é como ele antecipou”, enfatiza. LIDERANÇAADAPTATIVAÉ... ...acapacidadedemobilizarpessoas–em uma comunidade ou organização – para que consigam progredir mesmo diante de desafios que mudam a toda hora. A ideia- -chave é que a atividade da liderança não estávinculadaastatus,poder,autoridadeou posição,comomuitosaindapensam. O SR. COMEÇOU A DESENVOLVER O CONCEITO 30 ANOS ATRÁS. ATÉ QUE PONTO AS EMPRESAS JÁ O RECONHE- CEM E IMPLEMENTAM? Em relação ao reconhecimento, hoje o conceitoévistocomonormal.Todossabe- mos que vivemos em um mundo que de- manda adaptação incessante das organi- zações – seja uma empresa, seja um país. As crises ocorridas nesse período até re- forçaramessavisão–nosEstadosUnidos, a tragédia de 11 de setembro de 2001 e a crise hipotecária de 2008. Aqui a lideran- ça adaptativa tornou-se uma ideia central paraopensamentocorporativoepolítico. Já quanto à implementação, esta con- tinua a ser um desafio. Ainda não é uma forma corriqueira de atuação da lide- rança, como deveria ser. Nós estamos na fronteira da prática. POR QUÊ? OS EXECUTIVOS NÃO ADMI- TEM NÃO TER TODAS AS RESPOSTAS? Ainda se espera que as pessoas em po- sição de autoridade tratem todos os pro- blemas de forma técnica, como se fossem administráveis apenas com sua experiên- cia e sabedoria. Seriaótimosevivêssemosemummundo no qual isso fosse verdade. No entanto, o mundo constantemente nos joga proble- mas,desafioseatéoportunidadesqueestão além de nossa experiência e sabedoria. É crucial que um líder faça sua equi- pe perceber que alguns problemas serão solucionados de forma técnica, com sua largaexperiênciagerencial,eoutrosnão,e ele deve fazer isso mantendo sua credibili- dade, merecendo a confiança das pessoas. Os problemas que combinam compo- nentes adaptativos e técnicos demandam a inteligência do grupo. Se quiser encon- trar uma solução para eles, a equipe tem deembarcaremumesforçoconjuntopara desenvolver novas competências. ENTÃO, DESENVOLVER NOVAS COMPE- TÊNCIAS É A CHAVE? Sim, eu diria que uma das chaves da li- derança adaptativa é desenvolver novas competências com o objetivo não apenas de sobreviver, mas também de prosperar no novo ambiente. São três as tarefas principais da liderança adaptativa.Pensenanaturezaeemcomoos organismosseadaptamaumdesafionoam- biente: eles descartam alguns componentes deseuDNA,mantêmoutrosedesenvolvem novascompetências. Acredito que essas mesmas três tarefas constituem a essência dos processos de adaptaçãodosnegócios:oquevamosdes- cartar, o que vamos manter e quais inova- ções vão nos permitir tirar o melhor pro- veito de nossa identidade para o futuro. UMA QUARTA TAREFA SERIA MOBILIZAR AS PESSOAS PARA MUDAR? MAS ESSA É Quem é: Psiquiatra de formação e exímio violoncelista, é uma das maiores autoridades em liderança da atualidade. Cofundador do Center for Public Leadership, da Kennedy School of Government, a escola de administração pública de Harvard, atua como professor e consultor. Livros: The Practice of Adaptive Leadership, Leadership without Easy Answers e Leadership on the Line (com Marty Linsky). No Brasil: Estará em São Paulo para uma palestra na HSM ExpoManagement, em novembro deste ano. SAIBA MAIS SOBRE RONALD HEIFETZ edição 115 | 53
  • 3. UMA TAREFA DIFICÍLIMA, NÃO? MUDANÇA NÃO GERA RESIS- TÊNCIA SEMPRE? Liderança nunca teve a ver com distribuir boas notícias. Muito frequentemente, liderar é um exercício de fazer as pes- soasadmitiremanecessidadede aceitar uma perda transitória e partiremembuscadonovo. A mudança adaptativa é difí- cilporquenãoseconseguelevar todo o histórico de DNA para o futuro; é possível conservar a maiorparte,masnãotudo–algo necessariamenteseráperdido. Uma mudança de processo em uma empresa, por exem- plo, pode significar descartar 50% do que alguns colabora- dores conhecem sobre seu tra- balho. E não é fácil para nin- guém aceitar abrir mão de algo; há um luto. Agora, permita-me discordar um pouco do senso comum se- gundo o qual as pessoas sempre resistem à mudança. Isso não é totalmenteverdade. As pessoas adoram mudan- ças, desde que saibam que elas são boas. Nunca se ouviu falar que alguém tenha devolvi- do um prêmio de loteria, por exemplo. Assim, concluo que as pessoas resistem a uma mu- dança apenas quando veem nela um risco de perda. Cabe à liderança identificar os tipos de perdas que precisa- rá impor à equipe e como lida- rá com elas, ao mesmo tempo quedeveengajaremobilizaras pessoas no processo – a essên- cia da mudança do tipo adap- tativo é a mobilização. O SR. DISSE CERTA VEZ QUE “SER UM LÍDER VALE A DOR”. POR QUE VALE? A função vale a pena apesar de todas as dificuldades porque é algo inspirador e significativo para um grupo de pessoas, seja uma comunidade, seja uma equipe corporativa. Um grupo ser forçado a dar o melhor de si e encontrar novas maneiras de prosperar é inspirador; as pessoas serem capazes de dizer “ainda somos nós mesmas, mas agoramelhoresquenunca,por- quetivemoscoragemdeabraçar amudança”ésignificativo. O líder mantém o que é mais preciosoparaumacomunidade – sua identidade –, porém a faz aceitar e adotar novas práticas que lhe permitam prosperar. Nada é mais inspirador que ser a fonte de renovação para um grupo de pessoas. NA PRÁTICA, COMO O LÍ­­ DER ADAPTATIVO MOBILIZA SUA EQUIPE? Lembre que liderança adap- tativa não diz respeito só a mu- dança; abarca sobretudo quais comportamentos descartar e quais manter. O esforço adap- Adaptação,na perspectiva da biologia,é uma característica que melhora alguma função de um ser vivo e,por isso,aumenta sua capacidade de prosperar. Pode ser um comportamento que permita ao animal fugir mais facilmente de predadores,uma proteína que funcione melhor na temperatura corporal,um traço anatômico que possibilite ao organismo acessar novos e valiosos recursos. Segundo Ronald Heifetz,é a pequena mudança que faz diferença.Ele gosta de lembrar que o DNA do ser humano só tem 1% de mudança em relação ao do chimpanzé,o restante é tudo igual. “Para adaptar,é preciso saber manter tanto quanto saber mudar,na natureza e nas organizações”,diz. Adaptar combina mudança e preservação SHUTTERSTOCK liderançaepessoas|entrevista
  • 4. Você aplica quando... ...entende que deve liderar de forma experimental,em vez de vez de achar que tem todas as respostas. ...distingue os problemas técnicos e os adaptativos e os aborda adequadamente. ...executa três tarefas principais:decidir o que descartar, o que manter e quais novas competências desenvolver. ...aprende a mobilizar as pessoas em torno da mudança necessária,sem minimizar conflitos. tativo gera tanto conflito por- que implica decidir o que fica e o que sai. O conflito é o motor da inovação; deve ser incenti- vado, não evitado. Mobilizartemavercomiden- tificar as perdas e promovê-las, com entender a dor que as per- dasestãocausandoetentarame- nizá-la sem suspender o proces- so. O líder precisa ter estômago para um desequilíbrio susten- tado. Seu desafio não é deixar tudoemequilíbrio,esimmanter a temperatura e a pressão altas, cozinharnapaneladepressão. Isso é exatamente o contrá- riodoqueboapartedoslíderes faz ao confrontar uma grande mudança:elestentampoupara equipe, minimizando os danos e agindo como se soubessem o que estão fazendo. Crises ajudam um líder a mobilizar as pessoas; ter alia- dos também é crucial. O SR. COSTUMA ASSESSO- RARLÍDERESPOLÍTICOS.ELES SÃO MAIS ADAPTATIVOS QUE OS LÍDERES EMPRESARIAIS? Ao longo dos anos, trabalhei com presidentes e primeiros- -ministros de muitos países, de fato. A grande vantagem deles sobre os líderes empresariais é a capacidade de mobilização e engajamento do público. Isso só acontece, no entanto, quando o líder não fica refém do aparato governamental nem encapsulado em seu gabi- nete. Ele precisa passar tempo com o povo, tanto para con- trolar a mensagem que dese- ja transmitir como para ouvir seus medos e ansiedades. Já faz alguns anos que traba- lho para o governo da Colôm- bia, por exemplo – antes com ÁlvaroUribeeagoracomJuan Manuel Santos. Uribefoiumexemplodeino- vação. Ele costumava ir com frequência para o interior do país e ficava o dia todo ouvin- do as pessoas. Usando essa ro- tina, passava tempo com suas equipes locais, mobilizando- -as em relação aos desafios que enfrentariam,emumexercício de responsabilidade coletiva. Éessetipodemudançaqueeu tenhoajudadooslíderesageren- ciar, beneficiando-se de uma li- derança compartilhada – assim, o conhecimento se espalha por vários microambientes. Adapta- bilidade pressupõe diversas mi- croadaptações, e isso requer dis- tribuirbemainformação. Atualmente, com Santos, tra- balho acompanhando a equipe de negociação no processo de acordodepazentreogovernoea guerrilhadasFarc[ForçasArma- das Revolucionárias da Colôm- bia]paraencerrarumconflitode maisdecincodécadas.Assinaro acordo é a parte mais fácil desse processo; a mais difícil será sua consolidação. Meu foco está em como preparar as equipes para as mudanças sociais e econômi- casrequeridaspelasolução. O QUE O SR. TEM ESTUDADO? Ando interessado nos proces- sos biológicos que promovem a adaptação na natureza; eles podem nos ensinar bastante sobreaadaptaçãonosnegócios. A natureza é muito eficiente esómudaoqueprecisasermu- dado; o resto ela mantém. Essa seletividade me fascina. A questão da adaptação me perseguedesdeoiníciodacarrei- ra, e hoje estou convicto de que pressupõe três escolhas: quais componentes descartar, quais manter e quais desenvolver para levar nossa existência adiante. É issoqueestouestudandoagora. É PRECISO FAZER UMA SÉRIE DE MICROADAPTAÇÕES, O QUE REQUER LIDERANÇA COMPARTILHADA PARA DISTRIBUIR A INFORMAÇÃO edição 115 | 55