SlideShare uma empresa Scribd logo
Introdução à Arquitetura da Informação com Card Sorting




Arquitetura da
Informação

Jerry Medeiros
É difícil encontrar uma agulha
no palheiro ?
Depende !
Introdução




“    É o design estrutural de ambientes
     de informação compartilhados.



                                ROSENFELD e MORVILLE (2006)
Introdução




“    A combinação dos esquemas de
     organização, de rotulação de
     busca e de navegação dentro de
     websites e intranets.

                              ROSENFELD e MORVILLE (2006)
Introdução




“    Uma disciplina emergente e uma
     comunidade de prática focada em
     trazer princípios do design e
     arquitetura ao espaço digital.

                              ROSENFELD e MORVILLE (2006)
Introdução




“    Tornar claro o que é complexo




                                     Wurman (1997)
Introdução




“    A arte e a ciência de estruturar,
     organizar e rotular informações para
     ajudar as pessoas a encontrar e
     gerenciar informações.”

                                  Louis Rosenfeld e Peter Morville
Ambiente de Informação
não planejado
   Usuários              Conteúdo
Ambiente de Informação
planejado
                         Conteúdo
  Empregados



    Clientes


  Fornecedores
Arquitetura da Informação é:

Balancear as características e as
necessidades dos:

•Usuários;
•Conteúdo;
•Contexto;
Contexto

•Objetivos do projeto
•Exigências
•Expectativas
•Tecnologias
•Recursos
•Restrições
Conteúdo

•Documentos
•Tipos de dados
•Volume
•Estrutura
Usuários

•Público
•Tarefas
•Necessidades
•Busca de Informações
•Comportamento
•Experiência
•Contexto de uso
Contexto + Usuários + Conteúdo


              Como fazer um mapa
              para os usuários da linha
              Yamanote ?
Contexto + Usuários + Conteúdo
Contexto + Usuários + Conteúdo
Contexto + Usuários + Conteúdo
Linha Yamanote

Usuários:
•Moradores de Tóquio.
•Viajantes.
•Turistas.
Linha Yamanote

Conteúdo:
•Seqüência e a identidade
das paradas.
• A linha circunda a cidade
de Tóquio.
Linha Yamanote
Contexto:
•Para o usuário não importa as voltas e
curvas que o trem faz.
•O Palácio Imperial é um importante ponto
•de referência.
•O desenho lembra o símbolo Yin-Yang em
alusão as culturas orientais.
Contexto + Usuários + Conteúdo




 “     O trabalho do arquiteto é
       evidenciar as informações mais
       importantes e retirar as que não
       são necessárias.
Porque é Importante ?


Uma seção com um rótulo confuso num
website de referências médicas pode
impedir o médico de encontrar uma nova
pesquisa que salvará a vida de alguém.

                                     Wodtke(2003)
Porque é Importante ?


O website de uma universidade mal
organizado desencoraja um estudante
carente, que pode pensar que não
existem ajudas financeiras para estudar lá

                                       Morville(2004)
Porque é Importante ?


Ceca de 27% das causas de insucesso
das vendas de um website de comércio
eletrônico são porque o usuário
simplesmente não conseguiu encontrar o
item que procurava.
                                  Nilsen Norman Group (2001)
Porque é Importante ?

Afeta diretamente os custos de:
•Encontrar uma informação;
•Não encontrá-la;
•Construção e manutenção;
•Treinamentos de funcionários
•Valorização da marca.
                                  Morville (2004)
Principais Componentes


Sistema de Organização
Sistema de Navegação
                         Metadados
Sistema de Rotulação
Sistema de Busca
Sistema de Organização


Determina o agrupamento e a
categorização do conteúdo informacional.
Sistema de navegação


Especifica as maneiras de navegar, de se
mover pelo espaço informacional e
hipertextual.
Sistema de rotulação


Estabelece as formas de representação,
de apresentação, da informação,
definindo signos para cada elemento
informativo.
Sistema de busca


Determina as perguntas que o usuário
pode fazer e o conjunto de respostas que
irá obter.
Sistema de Organização
   Sistema de Organização
                            Sistema de Busca
                            Sistema de Busca




Sistema de navegação
Sistema de navegação
De onde vim
     De onde vim
                   Onde estou
                   Onde estou




Onde posso ir
Onde posso ir
Métodos e Técnicas

•Teste de Usabilidade   •Análise Competitiva
•Card Sorting           •Personas
•Análise Heurística     •Mapa do Site
•Protótipos de Papel    •Wireframes
                        •Estudo de
                        Acessibilidade
Introdução



“    O card-sorting é uma técnica
     utilizada para descobrir como o
     usuário classifica determinada
     informação em sua mente.
Card Sorting

     A técnica consiste em entregar ao
     usuário alguns cartões, cada um
     deles representando um conteúdo
     do sistema, e solicitar que ele os
     organize em rótulos, formando
     categorias.
Introdução

     O objetivo é gerar uma estrutura
     global da informação ou avaliar
     uma estrutura existente,
     aumentando a probabilidade do
     usuário encontrar informações
     enquanto estiver navegando.
Vantagens
•   Fácil de conduzir
•   Baixo custo
•   Envolve o usuário
•   Identifica itens difíceis de categorizar e encontrar
•   Aponta problemas com rótulos
•   É uma técnica bem estabelecida, usada a mais de
    10 anos por vários designers
Desvantagens
• Não considera as tarefas do usuário
• Análise dos resultados pode ser demorada
Quando deve ser usado
• No projeto de um novo site
• Na criação de uma nova área do site
• No redesign de um site

          Sempre nos primeiros estágios do
          processo de design para definir
          e/ou validar o sistema de
          organização e rotulação.
Como fazer
1.   Selecionar o conteúdo
2.   Selecionar os participantes
3.   Preparar os cartões
4.   Executar o teste
5.   Analisar os resultados
Como fazer
1. Selecionar o conteúdo
             Relacionar todos os itens que se
             quer avaliar, considerando que:
• É importante conhecer as necessidades do usuário,
  delimitando claramente o público alvo
• Um conjunto de informações pode ser organizado de várias
  formas, seguindo diferentes esquemas de organização
• É preciso ter em mãos o Inventário de Conteúdo, pois ele
  mostra aquilo que se pode disponibilizar ao usuário e o que o
  cliente deseja expor no site.
Como fazer
2. Selecionar os participantes

           O número de testes a serem aplicados
           será determinado pelo número de grupos
           de possíveis usuários do seu site.

           Explicar ao participante que o objetivo do
           teste é encontrar quais categorias de
           informação devem estar no site e como
           essas categorias devem ser chamadas.
Como fazer
2. Selecionar os participantes

             Para testes individuais, o ideal é recrutar
             de 12 a 30 usuários, sendo 15 o número
             ideal.
• Pontos positivos: fácil de agendar; modelo mental
  individual será percebido.
• Nem tão positivos assim: Não gera troca de idéias;
  usuários têm dificuldade de ordernar um número grande de
  cartões; o facilitador precisa estimular o usuário a "pensar
  em voz alta"
Como fazer
2. Selecionar os participantes
Como fazer
2. Selecionar os participantes

            Para testes em grupo, o ideal é recrutar 5
            grupos com 3 ou 5 usuários cada
            (números impares).
• Positivos: Conseguem organizar um número grande de
  cartões; estimula a troca de idéias e por isso é rica em
  informações
• Nem tão positivos assim: Difíceis de agendar; o
  facilitador precisa estimular todos os usuários a
  participarem.
Como fazer
3. Preparar os cartões
• Prepare cartões de cartolina ou qualquer outro
  material relativamente resistente ao manuseio
• Tamanho ideal: 10 X 15
• Faça de 30 a 100 cartões diferentes (poucos
  cartões dificulta a elaboração de grupos. Muitos,
  cansam o usuário)
• Enumere-os para facilitar a análise.
Como fazer
4. Executar o teste
              Envolvem um facilitador, observadores e o
              participante (ou grupo de participantes).

• Escreva os itens da lista do conteúdo e uma breve descrição do
  conteúdo
• Misture e distribua os cartões para cada usuário ou grupo de
  usuários
• Em seguida solicite que o participante agrupe os cartões da maneira
  que achar adequada
• Opcionalmente pode-se pedir que o usuário nomeie os grupos
  (Nielsen).
Como fazer
4. Executar o teste - regras

• Em equipe, os cartões devem ser agrupados por afinidade
•   As categorias devem receber um nome da equipe.
• - Podem criar sub-grupos
• - Podem acrescentar cartões
• - Podem remover cartões
• - Podem sugerir novos nomes para conteúdos
Como fazer
4. Executar o teste - Depois

 • Feche” os grupos deixando o cartão com o nome sobre os demais
 • Valide perguntando aonde estão alguns cartões importantes
 • Fotografe o resultado, Ou anote em uma planilha.
Como fazer
5. Analisar os resultados
• Quais grupos mais apareceram?
• Os rótulos são adequados?
• Houve conteúdos que os usuários não compreenderam?
• Quais conteúdos os usuários sentiram falta?
• Existem conteúdos que poderiam ser colocados em mais
  de um grupo?
• Foram usados diferentes esquemas de organização?
  Quais?
• Houve muitas divergências?
Resultado

       Se os resultados obtidos forem muito
       semelhantes, pode ser feito um
       resumo dos cartões que aparecem em
       cada grupo e dar um nome global a
       eles. No entanto, os resultados do
       Card Sorting raramente são assim tão
       semelhantes.
Resultado

  Pontos divergentes não são
  necessariamente ruins. Indicam ao designer
  conteúdos difíceis de entender, ou que
  podem estar em mais de um lugar.
  Conteúdos eletrônicos são ligados
  hipertextualmente e possuem redundâncias
  positivas. Perfis diferentes podem demandar
  layouts diferentes
Resultado

       Sendo assim, o mais comum é realizar
       uma análise quantitativa baseada em
       cálculos estatísticos para determinar os
       resultados (cluster analysis).
Resultado

       Finalmente, se você realizou um bom
       trabalho, o que tem em mãos é uma
       taxonomia, que nada mais é que um
       sistema de organização hierárquico.
       Um conjunto de categorias em que
       será classificado cada conteúdo do
       site.
Resultado

       Pode não entregar a estrutura final,
       mas oferece informações valiosas
       para a tomada de decisões.
Dúvidas?

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Card Sorting
Card SortingCard Sorting
Card Sorting
Sabine Araujo
 
Aplicando técnicas de UX na reformulação de produtos.
Aplicando técnicas de UX na reformulação de produtos.Aplicando técnicas de UX na reformulação de produtos.
Aplicando técnicas de UX na reformulação de produtos.
Ana Cristine Veneziani
 
Pós pesquisa de marketing
Pós pesquisa de marketingPós pesquisa de marketing
Pós pesquisa de marketing
Milton Henrique do Couto Neto
 
Palestra Encontro Gamer 2016 - FCS na Indústria de Jogos
Palestra Encontro Gamer 2016 - FCS na Indústria de JogosPalestra Encontro Gamer 2016 - FCS na Indústria de Jogos
Palestra Encontro Gamer 2016 - FCS na Indústria de Jogos
Fabio Lima
 
2б космос
2б космос2б космос
2б космос
ZoyaSGT
 
Ch15
Ch15Ch15
Workshop 1 susy wootton
Workshop 1 susy woottonWorkshop 1 susy wootton
Workshop 1 susy wootton
Policy Lab
 
5 jobs where bots will replace humans
5 jobs where bots will replace humans5 jobs where bots will replace humans
5 jobs where bots will replace humans
Softweb Solutions
 
คุฏบะฮฺ อีดิลฟิฏริ ฮ.ศ. 1436
คุฏบะฮฺ อีดิลฟิฏริ ฮ.ศ. 1436คุฏบะฮฺ อีดิลฟิฏริ ฮ.ศ. 1436
คุฏบะฮฺ อีดิลฟิฏริ ฮ.ศ. 1436
สำนักจุฬาราชมนตรี
 
Carta pelas aguas
Carta pelas aguasCarta pelas aguas
Carta pelas aguas
AloAmbiente2013
 
Saludos en español a
Saludos en español aSaludos en español a
Saludos en español a
salpadilla
 
Las 48 leyes del poder
Las 48 leyes del poderLas 48 leyes del poder
Las 48 leyes del poder
Orlando Escudero
 
Function oveloading
Function oveloadingFunction oveloading
Function oveloading
Ritika Sharma
 
Objective runtime
Objective runtimeObjective runtime
Objective runtime
Michael Shieh
 
Getting Tactical with LATAM Digital Marketing
Getting Tactical with LATAM Digital MarketingGetting Tactical with LATAM Digital Marketing
Getting Tactical with LATAM Digital Marketing
Zeph Snapp
 
Final report Traditional customs of four seasons_TeodorBalanSchool
Final report Traditional customs of four seasons_TeodorBalanSchoolFinal report Traditional customs of four seasons_TeodorBalanSchool
Final report Traditional customs of four seasons_TeodorBalanSchool
Liliana Gheorghian
 
P kn plpg 2012
P kn plpg 2012P kn plpg 2012
P kn plpg 2012
arghearheza
 
CAP and BASE
CAP and BASECAP and BASE
CAP and BASE
Dinesh Varadharajan
 
ทรัพยากรน้ำ
ทรัพยากรน้ำ ทรัพยากรน้ำ
ทรัพยากรน้ำ
Ball Prasertsang
 

Destaque (20)

Card Sorting
Card SortingCard Sorting
Card Sorting
 
Aplicando técnicas de UX na reformulação de produtos.
Aplicando técnicas de UX na reformulação de produtos.Aplicando técnicas de UX na reformulação de produtos.
Aplicando técnicas de UX na reformulação de produtos.
 
Pós pesquisa de marketing
Pós pesquisa de marketingPós pesquisa de marketing
Pós pesquisa de marketing
 
Palestra Encontro Gamer 2016 - FCS na Indústria de Jogos
Palestra Encontro Gamer 2016 - FCS na Indústria de JogosPalestra Encontro Gamer 2016 - FCS na Indústria de Jogos
Palestra Encontro Gamer 2016 - FCS na Indústria de Jogos
 
2б космос
2б космос2б космос
2б космос
 
Ch15
Ch15Ch15
Ch15
 
Workshop 1 susy wootton
Workshop 1 susy woottonWorkshop 1 susy wootton
Workshop 1 susy wootton
 
5 jobs where bots will replace humans
5 jobs where bots will replace humans5 jobs where bots will replace humans
5 jobs where bots will replace humans
 
คุฏบะฮฺ อีดิลฟิฏริ ฮ.ศ. 1436
คุฏบะฮฺ อีดิลฟิฏริ ฮ.ศ. 1436คุฏบะฮฺ อีดิลฟิฏริ ฮ.ศ. 1436
คุฏบะฮฺ อีดิลฟิฏริ ฮ.ศ. 1436
 
Carta pelas aguas
Carta pelas aguasCarta pelas aguas
Carta pelas aguas
 
Saludos en español a
Saludos en español aSaludos en español a
Saludos en español a
 
Las 48 leyes del poder
Las 48 leyes del poderLas 48 leyes del poder
Las 48 leyes del poder
 
Function oveloading
Function oveloadingFunction oveloading
Function oveloading
 
11.ลม
11.ลม11.ลม
11.ลม
 
Objective runtime
Objective runtimeObjective runtime
Objective runtime
 
Getting Tactical with LATAM Digital Marketing
Getting Tactical with LATAM Digital MarketingGetting Tactical with LATAM Digital Marketing
Getting Tactical with LATAM Digital Marketing
 
Final report Traditional customs of four seasons_TeodorBalanSchool
Final report Traditional customs of four seasons_TeodorBalanSchoolFinal report Traditional customs of four seasons_TeodorBalanSchool
Final report Traditional customs of four seasons_TeodorBalanSchool
 
P kn plpg 2012
P kn plpg 2012P kn plpg 2012
P kn plpg 2012
 
CAP and BASE
CAP and BASECAP and BASE
CAP and BASE
 
ทรัพยากรน้ำ
ทรัพยากรน้ำ ทรัพยากรน้ำ
ทรัพยากรน้ำ
 

Semelhante a Introdução à Arquitetura da Informação com Card Sorting

Cardsorting - Palestra (atualizada)
Cardsorting - Palestra (atualizada) Cardsorting - Palestra (atualizada)
Cardsorting - Palestra (atualizada)
Luiz Agner
 
Palestra - Card Sorting (atualizada)
Palestra - Card Sorting (atualizada)Palestra - Card Sorting (atualizada)
Palestra - Card Sorting (atualizada)
Luiz Agner
 
Ux Café s02e05 | 04.06.18 - ARQUITETURA DE INFORMAÇÃO: Como organizar e prior...
Ux Café s02e05 | 04.06.18 - ARQUITETURA DE INFORMAÇÃO: Como organizar e prior...Ux Café s02e05 | 04.06.18 - ARQUITETURA DE INFORMAÇÃO: Como organizar e prior...
Ux Café s02e05 | 04.06.18 - ARQUITETURA DE INFORMAÇÃO: Como organizar e prior...
Rafael Burity
 
Oficina protótipos dia 1
Oficina protótipos   dia 1Oficina protótipos   dia 1
Oficina protótipos dia 1
Franco Gomes dos Santos
 
Usabilidade aula-03. Processos: Arquitetura de informação
Usabilidade aula-03. Processos: Arquitetura de informaçãoUsabilidade aula-03. Processos: Arquitetura de informação
Usabilidade aula-03. Processos: Arquitetura de informação
Alan Vasconcelos
 
Arquitetura da Informação
Arquitetura da InformaçãoArquitetura da Informação
Arquitetura da Informação
Marcello Cardoso
 
CRP-5215-0420-2014-08
CRP-5215-0420-2014-08CRP-5215-0420-2014-08
Laboratório Web 2013-2014 - Etapas na Produção: Análise e Pesquisa
Laboratório Web 2013-2014 - Etapas na Produção: Análise e PesquisaLaboratório Web 2013-2014 - Etapas na Produção: Análise e Pesquisa
Laboratório Web 2013-2014 - Etapas na Produção: Análise e Pesquisa
Ricardo Pereira Rodrigues
 
Avaliação de Usabilidade e Arquitetura de Informação do do Website da Prefeit...
Avaliação de Usabilidade e Arquitetura de Informação do do Website da Prefeit...Avaliação de Usabilidade e Arquitetura de Informação do do Website da Prefeit...
Avaliação de Usabilidade e Arquitetura de Informação do do Website da Prefeit...
Marcelo Ramos
 
Mapas de site, Fluxos de Tarefa, Wireframe e Prototipagem
Mapas de site,  Fluxos de Tarefa,  Wireframe e PrototipagemMapas de site,  Fluxos de Tarefa,  Wireframe e Prototipagem
Mapas de site, Fluxos de Tarefa, Wireframe e Prototipagem
Ros Galabo, PhD
 
Perfil do usuário, Personas, Cenários, Storyboard em IHC
Perfil do usuário, Personas, Cenários, Storyboard em IHCPerfil do usuário, Personas, Cenários, Storyboard em IHC
Perfil do usuário, Personas, Cenários, Storyboard em IHC
Ros Galabo, PhD
 
Web Standards
Web StandardsWeb Standards
Web Standards
Pedro Tavares
 
LinkedIn - parte 2
LinkedIn - parte 2LinkedIn - parte 2
LinkedIn - parte 2
aiadufmg
 
Linked in parte 2
Linked in   parte 2Linked in   parte 2
Linked in parte 2
aiadufmg
 
Ferramentas de gc
Ferramentas de gcFerramentas de gc
Ferramentas de gc
Anabela Mesquita
 
Arquitetura de Informação - Personas e Cenários
Arquitetura de Informação - Personas e CenáriosArquitetura de Informação - Personas e Cenários
Arquitetura de Informação - Personas e Cenários
posgraduacaorj
 
Aula02 arquitetura informacao
Aula02 arquitetura informacaoAula02 arquitetura informacao
Aula02 arquitetura informacao
IBMR Laureate International Universities
 
Aula02 arquitetura informacao
Aula02 arquitetura informacaoAula02 arquitetura informacao
Aula02 arquitetura informacao
IBMR Laureate International Universities
 
Busca por informacao
Busca por informacaoBusca por informacao
Busca por informacao
Neue Labs
 
DESIGN DE INTERFACE
DESIGN DE INTERFACEDESIGN DE INTERFACE
DESIGN DE INTERFACE
Andrea Dalforno
 

Semelhante a Introdução à Arquitetura da Informação com Card Sorting (20)

Cardsorting - Palestra (atualizada)
Cardsorting - Palestra (atualizada) Cardsorting - Palestra (atualizada)
Cardsorting - Palestra (atualizada)
 
Palestra - Card Sorting (atualizada)
Palestra - Card Sorting (atualizada)Palestra - Card Sorting (atualizada)
Palestra - Card Sorting (atualizada)
 
Ux Café s02e05 | 04.06.18 - ARQUITETURA DE INFORMAÇÃO: Como organizar e prior...
Ux Café s02e05 | 04.06.18 - ARQUITETURA DE INFORMAÇÃO: Como organizar e prior...Ux Café s02e05 | 04.06.18 - ARQUITETURA DE INFORMAÇÃO: Como organizar e prior...
Ux Café s02e05 | 04.06.18 - ARQUITETURA DE INFORMAÇÃO: Como organizar e prior...
 
Oficina protótipos dia 1
Oficina protótipos   dia 1Oficina protótipos   dia 1
Oficina protótipos dia 1
 
Usabilidade aula-03. Processos: Arquitetura de informação
Usabilidade aula-03. Processos: Arquitetura de informaçãoUsabilidade aula-03. Processos: Arquitetura de informação
Usabilidade aula-03. Processos: Arquitetura de informação
 
Arquitetura da Informação
Arquitetura da InformaçãoArquitetura da Informação
Arquitetura da Informação
 
CRP-5215-0420-2014-08
CRP-5215-0420-2014-08CRP-5215-0420-2014-08
CRP-5215-0420-2014-08
 
Laboratório Web 2013-2014 - Etapas na Produção: Análise e Pesquisa
Laboratório Web 2013-2014 - Etapas na Produção: Análise e PesquisaLaboratório Web 2013-2014 - Etapas na Produção: Análise e Pesquisa
Laboratório Web 2013-2014 - Etapas na Produção: Análise e Pesquisa
 
Avaliação de Usabilidade e Arquitetura de Informação do do Website da Prefeit...
Avaliação de Usabilidade e Arquitetura de Informação do do Website da Prefeit...Avaliação de Usabilidade e Arquitetura de Informação do do Website da Prefeit...
Avaliação de Usabilidade e Arquitetura de Informação do do Website da Prefeit...
 
Mapas de site, Fluxos de Tarefa, Wireframe e Prototipagem
Mapas de site,  Fluxos de Tarefa,  Wireframe e PrototipagemMapas de site,  Fluxos de Tarefa,  Wireframe e Prototipagem
Mapas de site, Fluxos de Tarefa, Wireframe e Prototipagem
 
Perfil do usuário, Personas, Cenários, Storyboard em IHC
Perfil do usuário, Personas, Cenários, Storyboard em IHCPerfil do usuário, Personas, Cenários, Storyboard em IHC
Perfil do usuário, Personas, Cenários, Storyboard em IHC
 
Web Standards
Web StandardsWeb Standards
Web Standards
 
LinkedIn - parte 2
LinkedIn - parte 2LinkedIn - parte 2
LinkedIn - parte 2
 
Linked in parte 2
Linked in   parte 2Linked in   parte 2
Linked in parte 2
 
Ferramentas de gc
Ferramentas de gcFerramentas de gc
Ferramentas de gc
 
Arquitetura de Informação - Personas e Cenários
Arquitetura de Informação - Personas e CenáriosArquitetura de Informação - Personas e Cenários
Arquitetura de Informação - Personas e Cenários
 
Aula02 arquitetura informacao
Aula02 arquitetura informacaoAula02 arquitetura informacao
Aula02 arquitetura informacao
 
Aula02 arquitetura informacao
Aula02 arquitetura informacaoAula02 arquitetura informacao
Aula02 arquitetura informacao
 
Busca por informacao
Busca por informacaoBusca por informacao
Busca por informacao
 
DESIGN DE INTERFACE
DESIGN DE INTERFACEDESIGN DE INTERFACE
DESIGN DE INTERFACE
 

Mais de Jerry Medeiros

Avaliação de Usabilidade e Jogabilidade em Jogos: Métodos, Técnicas e Ferra...
Avaliação de Usabilidade  e Jogabilidade em Jogos:  Métodos, Técnicas e Ferra...Avaliação de Usabilidade  e Jogabilidade em Jogos:  Métodos, Técnicas e Ferra...
Avaliação de Usabilidade e Jogabilidade em Jogos: Métodos, Técnicas e Ferra...
Jerry Medeiros
 
Introdução às Metodologias Ágeis de Desenvolvimento
Introdução às Metodologias Ágeis de DesenvolvimentoIntrodução às Metodologias Ágeis de Desenvolvimento
Introdução às Metodologias Ágeis de Desenvolvimento
Jerry Medeiros
 
Introdução às Game Engines
Introdução às Game Engines Introdução às Game Engines
Introdução às Game Engines
Jerry Medeiros
 
Desenvolvimento de jogos para web
Desenvolvimento de jogos para webDesenvolvimento de jogos para web
Desenvolvimento de jogos para web
Jerry Medeiros
 
Desenvolvimento de jogos para dispositivos moveis
Desenvolvimento de jogos para dispositivos moveisDesenvolvimento de jogos para dispositivos moveis
Desenvolvimento de jogos para dispositivos moveis
Jerry Medeiros
 
Advergames: A publicidade em jogos digitais como forma de atrair o consumidor.
Advergames: A publicidade em jogos digitais como forma de atrair o consumidor.Advergames: A publicidade em jogos digitais como forma de atrair o consumidor.
Advergames: A publicidade em jogos digitais como forma de atrair o consumidor.
Jerry Medeiros
 
Como pensar, implementar e publicar jogos sociais independentes
Como pensar, implementar e publicar jogos sociais independentesComo pensar, implementar e publicar jogos sociais independentes
Como pensar, implementar e publicar jogos sociais independentes
Jerry Medeiros
 

Mais de Jerry Medeiros (7)

Avaliação de Usabilidade e Jogabilidade em Jogos: Métodos, Técnicas e Ferra...
Avaliação de Usabilidade  e Jogabilidade em Jogos:  Métodos, Técnicas e Ferra...Avaliação de Usabilidade  e Jogabilidade em Jogos:  Métodos, Técnicas e Ferra...
Avaliação de Usabilidade e Jogabilidade em Jogos: Métodos, Técnicas e Ferra...
 
Introdução às Metodologias Ágeis de Desenvolvimento
Introdução às Metodologias Ágeis de DesenvolvimentoIntrodução às Metodologias Ágeis de Desenvolvimento
Introdução às Metodologias Ágeis de Desenvolvimento
 
Introdução às Game Engines
Introdução às Game Engines Introdução às Game Engines
Introdução às Game Engines
 
Desenvolvimento de jogos para web
Desenvolvimento de jogos para webDesenvolvimento de jogos para web
Desenvolvimento de jogos para web
 
Desenvolvimento de jogos para dispositivos moveis
Desenvolvimento de jogos para dispositivos moveisDesenvolvimento de jogos para dispositivos moveis
Desenvolvimento de jogos para dispositivos moveis
 
Advergames: A publicidade em jogos digitais como forma de atrair o consumidor.
Advergames: A publicidade em jogos digitais como forma de atrair o consumidor.Advergames: A publicidade em jogos digitais como forma de atrair o consumidor.
Advergames: A publicidade em jogos digitais como forma de atrair o consumidor.
 
Como pensar, implementar e publicar jogos sociais independentes
Como pensar, implementar e publicar jogos sociais independentesComo pensar, implementar e publicar jogos sociais independentes
Como pensar, implementar e publicar jogos sociais independentes
 

Introdução à Arquitetura da Informação com Card Sorting

  • 1. Introdução à Arquitetura da Informação com Card Sorting Arquitetura da Informação Jerry Medeiros
  • 2. É difícil encontrar uma agulha no palheiro ?
  • 4. Introdução “ É o design estrutural de ambientes de informação compartilhados. ROSENFELD e MORVILLE (2006)
  • 5. Introdução “ A combinação dos esquemas de organização, de rotulação de busca e de navegação dentro de websites e intranets. ROSENFELD e MORVILLE (2006)
  • 6. Introdução “ Uma disciplina emergente e uma comunidade de prática focada em trazer princípios do design e arquitetura ao espaço digital. ROSENFELD e MORVILLE (2006)
  • 7. Introdução “ Tornar claro o que é complexo Wurman (1997)
  • 8. Introdução “ A arte e a ciência de estruturar, organizar e rotular informações para ajudar as pessoas a encontrar e gerenciar informações.” Louis Rosenfeld e Peter Morville
  • 9. Ambiente de Informação não planejado Usuários Conteúdo
  • 10. Ambiente de Informação planejado Conteúdo Empregados Clientes Fornecedores
  • 11. Arquitetura da Informação é: Balancear as características e as necessidades dos: •Usuários; •Conteúdo; •Contexto;
  • 15. Contexto + Usuários + Conteúdo Como fazer um mapa para os usuários da linha Yamanote ?
  • 16. Contexto + Usuários + Conteúdo
  • 17. Contexto + Usuários + Conteúdo
  • 18. Contexto + Usuários + Conteúdo
  • 19. Linha Yamanote Usuários: •Moradores de Tóquio. •Viajantes. •Turistas.
  • 20. Linha Yamanote Conteúdo: •Seqüência e a identidade das paradas. • A linha circunda a cidade de Tóquio.
  • 21. Linha Yamanote Contexto: •Para o usuário não importa as voltas e curvas que o trem faz. •O Palácio Imperial é um importante ponto •de referência. •O desenho lembra o símbolo Yin-Yang em alusão as culturas orientais.
  • 22. Contexto + Usuários + Conteúdo “ O trabalho do arquiteto é evidenciar as informações mais importantes e retirar as que não são necessárias.
  • 23. Porque é Importante ? Uma seção com um rótulo confuso num website de referências médicas pode impedir o médico de encontrar uma nova pesquisa que salvará a vida de alguém. Wodtke(2003)
  • 24. Porque é Importante ? O website de uma universidade mal organizado desencoraja um estudante carente, que pode pensar que não existem ajudas financeiras para estudar lá Morville(2004)
  • 25. Porque é Importante ? Ceca de 27% das causas de insucesso das vendas de um website de comércio eletrônico são porque o usuário simplesmente não conseguiu encontrar o item que procurava. Nilsen Norman Group (2001)
  • 26. Porque é Importante ? Afeta diretamente os custos de: •Encontrar uma informação; •Não encontrá-la; •Construção e manutenção; •Treinamentos de funcionários •Valorização da marca. Morville (2004)
  • 27. Principais Componentes Sistema de Organização Sistema de Navegação Metadados Sistema de Rotulação Sistema de Busca
  • 28. Sistema de Organização Determina o agrupamento e a categorização do conteúdo informacional.
  • 29. Sistema de navegação Especifica as maneiras de navegar, de se mover pelo espaço informacional e hipertextual.
  • 30. Sistema de rotulação Estabelece as formas de representação, de apresentação, da informação, definindo signos para cada elemento informativo.
  • 31. Sistema de busca Determina as perguntas que o usuário pode fazer e o conjunto de respostas que irá obter.
  • 32. Sistema de Organização Sistema de Organização Sistema de Busca Sistema de Busca Sistema de navegação Sistema de navegação
  • 33. De onde vim De onde vim Onde estou Onde estou Onde posso ir Onde posso ir
  • 34. Métodos e Técnicas •Teste de Usabilidade •Análise Competitiva •Card Sorting •Personas •Análise Heurística •Mapa do Site •Protótipos de Papel •Wireframes •Estudo de Acessibilidade
  • 35. Introdução “ O card-sorting é uma técnica utilizada para descobrir como o usuário classifica determinada informação em sua mente.
  • 36. Card Sorting A técnica consiste em entregar ao usuário alguns cartões, cada um deles representando um conteúdo do sistema, e solicitar que ele os organize em rótulos, formando categorias.
  • 37. Introdução O objetivo é gerar uma estrutura global da informação ou avaliar uma estrutura existente, aumentando a probabilidade do usuário encontrar informações enquanto estiver navegando.
  • 38. Vantagens • Fácil de conduzir • Baixo custo • Envolve o usuário • Identifica itens difíceis de categorizar e encontrar • Aponta problemas com rótulos • É uma técnica bem estabelecida, usada a mais de 10 anos por vários designers
  • 39. Desvantagens • Não considera as tarefas do usuário • Análise dos resultados pode ser demorada
  • 40. Quando deve ser usado • No projeto de um novo site • Na criação de uma nova área do site • No redesign de um site Sempre nos primeiros estágios do processo de design para definir e/ou validar o sistema de organização e rotulação.
  • 41.
  • 42. Como fazer 1. Selecionar o conteúdo 2. Selecionar os participantes 3. Preparar os cartões 4. Executar o teste 5. Analisar os resultados
  • 43. Como fazer 1. Selecionar o conteúdo Relacionar todos os itens que se quer avaliar, considerando que: • É importante conhecer as necessidades do usuário, delimitando claramente o público alvo • Um conjunto de informações pode ser organizado de várias formas, seguindo diferentes esquemas de organização • É preciso ter em mãos o Inventário de Conteúdo, pois ele mostra aquilo que se pode disponibilizar ao usuário e o que o cliente deseja expor no site.
  • 44. Como fazer 2. Selecionar os participantes O número de testes a serem aplicados será determinado pelo número de grupos de possíveis usuários do seu site. Explicar ao participante que o objetivo do teste é encontrar quais categorias de informação devem estar no site e como essas categorias devem ser chamadas.
  • 45. Como fazer 2. Selecionar os participantes Para testes individuais, o ideal é recrutar de 12 a 30 usuários, sendo 15 o número ideal. • Pontos positivos: fácil de agendar; modelo mental individual será percebido. • Nem tão positivos assim: Não gera troca de idéias; usuários têm dificuldade de ordernar um número grande de cartões; o facilitador precisa estimular o usuário a "pensar em voz alta"
  • 46. Como fazer 2. Selecionar os participantes
  • 47. Como fazer 2. Selecionar os participantes Para testes em grupo, o ideal é recrutar 5 grupos com 3 ou 5 usuários cada (números impares). • Positivos: Conseguem organizar um número grande de cartões; estimula a troca de idéias e por isso é rica em informações • Nem tão positivos assim: Difíceis de agendar; o facilitador precisa estimular todos os usuários a participarem.
  • 48. Como fazer 3. Preparar os cartões • Prepare cartões de cartolina ou qualquer outro material relativamente resistente ao manuseio • Tamanho ideal: 10 X 15 • Faça de 30 a 100 cartões diferentes (poucos cartões dificulta a elaboração de grupos. Muitos, cansam o usuário) • Enumere-os para facilitar a análise.
  • 49. Como fazer 4. Executar o teste Envolvem um facilitador, observadores e o participante (ou grupo de participantes). • Escreva os itens da lista do conteúdo e uma breve descrição do conteúdo • Misture e distribua os cartões para cada usuário ou grupo de usuários • Em seguida solicite que o participante agrupe os cartões da maneira que achar adequada • Opcionalmente pode-se pedir que o usuário nomeie os grupos (Nielsen).
  • 50. Como fazer 4. Executar o teste - regras • Em equipe, os cartões devem ser agrupados por afinidade • As categorias devem receber um nome da equipe. • - Podem criar sub-grupos • - Podem acrescentar cartões • - Podem remover cartões • - Podem sugerir novos nomes para conteúdos
  • 51.
  • 52. Como fazer 4. Executar o teste - Depois • Feche” os grupos deixando o cartão com o nome sobre os demais • Valide perguntando aonde estão alguns cartões importantes • Fotografe o resultado, Ou anote em uma planilha.
  • 53. Como fazer 5. Analisar os resultados • Quais grupos mais apareceram? • Os rótulos são adequados? • Houve conteúdos que os usuários não compreenderam? • Quais conteúdos os usuários sentiram falta? • Existem conteúdos que poderiam ser colocados em mais de um grupo? • Foram usados diferentes esquemas de organização? Quais? • Houve muitas divergências?
  • 54.
  • 55. Resultado Se os resultados obtidos forem muito semelhantes, pode ser feito um resumo dos cartões que aparecem em cada grupo e dar um nome global a eles. No entanto, os resultados do Card Sorting raramente são assim tão semelhantes.
  • 56. Resultado Pontos divergentes não são necessariamente ruins. Indicam ao designer conteúdos difíceis de entender, ou que podem estar em mais de um lugar. Conteúdos eletrônicos são ligados hipertextualmente e possuem redundâncias positivas. Perfis diferentes podem demandar layouts diferentes
  • 57. Resultado Sendo assim, o mais comum é realizar uma análise quantitativa baseada em cálculos estatísticos para determinar os resultados (cluster analysis).
  • 58. Resultado Finalmente, se você realizou um bom trabalho, o que tem em mãos é uma taxonomia, que nada mais é que um sistema de organização hierárquico. Um conjunto de categorias em que será classificado cada conteúdo do site.
  • 59. Resultado Pode não entregar a estrutura final, mas oferece informações valiosas para a tomada de decisões.