SlideShare uma empresa Scribd logo
ILUMINADOS	
  PASSEIOS	
  NOCTURNOS	
  
PEDRAS	
  QUE	
  FALAM,	
  ECOS	
  QUE	
  SE	
  REVELAM...	
  
	
  
Ricardo	
  Soares	
  |	
  Arqueólogo	
  |	
  Câmara	
  Municipal	
  de	
  Vila	
  do	
  Bispo	
  
Na	
  qualidade	
  de	
  arqueólogo	
  ao	
  serviço	
  do	
  Município	
  de	
  Vila	
  do	
  Bispo,	
  há	
  muito	
  apaixonado	
  por	
  esta	
  região	
  e,	
  
a	
   cada	
   dia	
   que	
   por	
   aqui	
   passo,	
   cada	
   vez	
   mais	
   consciente	
   da	
   sua	
   riqueza	
   e	
   diversidade	
   arqueológica,	
   mas	
  
também	
   natural,	
   paisagística	
   e	
   cultural,	
   cumpre-­‐me,	
   necessariamente,	
   promover	
   acções	
   de	
   divulgação,	
  
dinamização	
  e	
  valorização	
  de	
  todo	
  este	
  nosso	
  potencial	
  patrimonial.	
  Nesta	
  perspectiva,	
  a	
  comunidade	
  local	
  e	
  
os	
  operadores	
  turísticos	
  tornam-­‐se	
  peças	
  chave	
  num	
  discurso	
  integrado	
  e	
  de	
  alcance	
  social.	
  Não	
  só	
  sobre	
  as	
  
autarquias	
   recai	
   a	
   responsabilidade	
   de	
   zelar	
   por	
   um	
   património	
   que	
   é	
   de	
   todos.	
   Estado,	
   Autarquias,	
  
Freguesias,	
  Direcções	
  Regionais	
  de	
  Cultura,	
  Universidades,	
  Associações,	
  Empresas,	
  Técnicos	
  e	
  Cidadãos	
  devem,	
  
em	
  uníssono,	
  promover	
  plataformas	
  de	
  convergência	
  para	
  objectivos	
  fundamentais	
  e	
  comuns.	
  Por	
  cá,	
  as	
  coisas	
  
vão	
  acontecendo	
  naturalmente.	
  Por	
  exemplo,	
  esta	
  experimental	
  iniciativa,	
  que	
  hoje	
  aqui	
  partilhamos,	
  resulta	
  
de	
  uma	
  muito	
  natural	
  convergência	
  em	
  torno	
  de	
  um	
  interesse	
  comum	
  –	
  OS	
  MENIRES	
  DE	
  VILA	
  DO	
  BISPO.	
  Na	
  
aventura	
  da	
  noite,	
  ao	
  calor	
  do	
  fogo,	
  pela	
  luz	
  reveladora	
  dos	
  segredos,	
  nascem	
  amizades,	
  cultiva-­‐se	
  o	
  passado,	
  
semeia-­‐se	
  o	
  futuro	
  e	
  muitos	
  mais	
  virão.	
  Quanto	
  aos	
  nossos	
  menires...	
  por	
  cá	
  vão	
  persistir,	
  com	
  saudades	
  de	
  
uma	
  memória	
  futura...	
  
	
  
Carla	
  Cabrita	
  |	
  Walkin’	
  Sagres	
  
Walkin’	
   Sagres	
   é	
   uma	
   empresa	
   de	
   Sagres	
   que	
   realiza	
   passeios	
   pedestres	
   no	
   PNSACV.	
   É	
   um	
   projecto	
  
concretizado	
   há	
   5	
   anos	
   e	
   cuja	
   finalidade	
   é	
   partilhar	
   o	
   que	
   de	
   melhor	
   temos	
   no	
   nosso	
   concelho:	
   natureza,	
  
história,	
   cultura	
   e	
   suas	
   gentes.	
   Se	
   o	
   futuro	
   for	
   a	
   manutenção,	
   usufruto	
   e	
   preservação	
   das	
   riquezas	
   que	
  
herdámos,	
   este	
   será	
   um	
   projecto	
   ganho!	
   Os	
   Iluminados	
   Passeios	
   Nocturnos	
   serão	
   o	
   descobrir	
   de	
   parte	
   do	
  
nosso	
  património	
  arqueológico.	
  Venham	
  daí!	
  
	
  
Dionísio	
  Pedro	
  |	
  Vivenda	
  Pedro	
  
A	
  Vivenda	
  Pedro	
  tem	
  por	
  intento	
  promover	
  uma	
  familiar	
  alternativa	
  hoteleira,	
  dirigida	
  a	
  quem	
  busque	
  um	
  
contacto	
  próximo	
  com	
  a	
  natureza,	
  oferecendo	
  uma	
  estadia	
  mais	
  rica	
  e	
  diversificada,	
  associada	
  a	
  temas	
  como	
  a	
  
fauna,	
  a	
  flora,	
  a	
  história,	
  a	
  cultura	
  e	
  os	
  costumes	
  locais.	
  Acreditamos	
  que	
  o	
  desenvolvimento	
  sustentável	
  da	
  
região,	
   potenciado	
   por	
   diferenciados	
   produtos	
   de	
   turismo	
   de	
   qualidade,	
   nas	
   suas	
   vertentes	
   ecológica,	
  
paisagística	
  e	
  cultural,	
  permitirá,	
  no	
  futuro,	
  a	
  própria	
  manutenção	
  da	
  nossa	
  identidade	
  local.	
  Neste	
  sentido,	
  
muito	
   além	
   de	
   uma	
   perspectiva	
   meramente	
   comercial,	
   apoiamos	
   e	
   associamo-­‐nos	
   a	
   iniciativas	
   locais	
   que	
  
promovam	
  a	
  nossa	
  História	
  e	
  que	
  nos	
  devolvam	
  o	
  nosso	
  Passado.	
  
	
  
	
  
O	
  fenómeno	
  megalítico	
  e	
  os	
  menires	
  de	
  Vila	
  do	
  Bispo	
  
	
  
Reflexo	
   do	
   gradual	
   aumento	
   demográfico,	
   propiciado	
   pela	
   sedentarização	
   neolítica	
   e	
   pelos	
   excedentes	
  
alimentares	
   da	
   produção	
   agro-­‐pecuária,	
   as	
   sociedades,	
   originalmente	
   igualitárias,	
   complexificam-­‐se	
  
estruturalmente,	
   exigindo	
   uma	
   nova	
   organização	
   social	
   e	
   emergentes	
   discursos	
   de	
   poder.	
   O	
   fenómeno	
  
megalítico,	
   na	
   nossa	
   região	
   exuberantemente	
   representado	
   pelos	
   menires,	
   poderá	
   ser	
   precisamente	
  
entendido	
  como	
  a	
  materialização	
  de	
  um	
  discurso	
  ideológico	
  que	
  irá	
  agregar	
  as	
  comunidades	
  em	
  torno	
  de	
  um	
  
mega-­‐objectivo	
  comum,	
  de	
  um	
  monumental	
  empreendimento	
  colectivo.	
  	
  
O	
   Homem	
   é	
   um	
   ser	
   gregário,	
   dependente	
   de	
   propósitos	
   colectivos,	
   de	
   linhas	
   de	
   comando	
   grupal,	
   de	
  
necessárias	
  estruturas	
  de	
  orientação	
  e	
  contenção	
  de	
  esforços	
  e	
  de	
  tenções	
  sociais	
  –	
  a	
  génese	
  de	
  todos	
  os	
  
discursos	
  de	
  poder!	
  
Genericamente,	
  o	
  Megalitismo	
  caracteriza-­‐se	
  pela	
  monumentalização	
  da	
  paisagem	
  com	
  o	
  recurso	
  a	
  grandes	
  
blocos	
  de	
  pedra,	
  enquanto	
  expressão	
  cultural,	
  mágico-­‐religiosa	
  e	
  territorial.	
  Recorrentes	
  em	
  todo	
  o	
  mundo,	
  
em	
  diversas	
  culturas	
  e	
  em	
  todos	
  os	
  tempos,	
  os	
  menires	
  ocorrem	
  isolados,	
  agrupados	
  em	
  alinhamentos	
  ou	
  em	
  
recintos	
  (os	
  cromeleques).	
  No	
  ocidente	
  europeu,	
  as	
  inaugurais	
  composições	
  megalíticas	
  surgem	
  associadas	
  ao	
  
próprio	
  fenómeno	
  neolítico.	
  	
  
Estes	
  primeiros	
  menires	
  podem	
  ser	
  interpretados	
  como	
  a	
  primeira	
  manifestação	
  do	
  Homem	
  na	
  paisagem,	
  a	
  
sua	
   própria	
   personificação	
   cultural	
   num	
   virgem	
   palco	
   natural	
   –	
   um	
   Homem	
   sedentário	
   que	
   se	
   apropria	
   de	
  
territórios,	
  transformando-­‐os,	
  cultivando-­‐os,	
  marcando-­‐os	
  com	
  marcos	
  identitários	
  de	
  propriedade	
  cultural.	
  
A	
  propósito	
  da	
  referida	
  complexificação	
  social,	
  o	
  pesado	
  investimento	
  necessário	
  à	
  deslocação,	
  afeiçoamento	
  
e	
  erecção	
  de	
  tantos	
  menires	
  poderá	
  ser	
  explicado	
  por	
  uma	
  motivação	
  de	
  ordem	
  simbólica.	
  Ao	
  contrário	
  de	
  
uma	
   muralha,	
   em	
   si	
   mesma	
   também	
   revestida	
   de	
   simbolismo	
   visual,	
   enquanto	
   estrutura	
   de	
   pedra	
   que	
  
defende	
   um	
   povoado,	
   as	
   suas	
   gentes	
   e	
   os	
   seus	
   bens,	
   a	
   justificação	
   prática	
   para	
   um	
   empreendimento	
  
megalítico	
  será	
  menos	
  lógica	
  do	
  ponto	
  de	
  vista	
  funcional,	
  pelo	
  menos	
  à	
  luz	
  da	
  preconceituosa	
  visão	
  do	
  Homem	
  
actual.	
  Ou	
  seja,	
  a	
  monumentalização	
  das	
  paisagens,	
  a	
  sua	
  marcação	
  com	
  recurso	
  a	
  grande	
  pedras,	
  implicaria,	
  
necessariamente,	
  um	
  discurso	
  de	
  poder,	
  uma	
  liderança	
  tendencialmente	
  espiritual,	
  uma	
  estrutura	
  mental	
  de	
  
ordem	
   mágico-­‐religiosa	
   –	
   uma	
   remota	
   e	
   há	
   muito	
   perdida	
   “religião	
   megalítica”,	
   com	
   líderes	
   espirituais,	
  
anciãos,	
  xamãs	
  e	
  objectos	
  de	
  culto,	
  materializados	
  na	
  forma	
  de	
  menires.	
  
Quanto	
  à	
  mensagem	
  implícita	
  neste	
  presumível	
  discurso	
  simbólico,	
  a	
  distância	
  temporal	
  e	
  cultural	
  não	
  nos	
  
permite	
  seguros	
  considerandos.	
  Ainda	
  assim,	
  com	
  base	
  em	
  dados	
  arqueológicos,	
  torna-­‐se	
  possível	
  recuperar	
  
alguns	
   longínquos	
   significados.	
   Por	
   exemplo,	
   tanto	
   no	
   vizinho	
   Alentejo	
   Central,	
   como	
   na	
   nossa	
   região,	
   as	
  
escavações	
  dos	
  alvéolos	
  de	
  implantação	
  dos	
  menires	
  têm	
  permitido	
  exumar,	
  em	
  diversos	
  casos	
  e	
  entre	
  outros	
  
artefactos,	
  recorrentes	
  fragmentos	
  de	
  mós	
  manuais.	
  Sempre	
  fragmentárias,	
  ou	
  seja,	
  uma	
  parte	
  de	
  um	
  todo,	
  
estas	
  peças	
  remetem	
  para	
  os	
  povoados,	
  para	
  o	
  mundo	
  quotidiano	
  da	
  vida	
  rural,	
  para	
  a	
  importância	
  do	
  cereal	
  e	
  
da	
   sua	
   moagem.	
   Estes	
   indícios	
   artefactuais	
   levam-­‐nos	
   a	
   presumir	
   que	
   os	
   menires	
   foram	
   erguidos	
   por	
  
comunidades	
  de	
  pastores-­‐agricultores,	
  dedução	
  reforçada	
  por	
  outra	
  recorrente	
  evidência	
  arqueológica:	
  no	
  
Alentejo	
   Central,	
   região	
   vizinha	
   que	
   também	
   serviu	
   de	
   palco	
   para	
   a	
   implantação	
   de	
   uma	
   numerosa	
  
concentração	
   de	
   menires,	
   o	
   mais	
   repetido	
   elemento	
   iconográfico	
   gravado	
   nos	
   monumentos	
   representa,	
  
justamente,	
  o	
  “báculo”,	
  ou	
  cajado	
  de	
  pastor.	
  	
  
Nas	
   decorações	
   inscritas	
   nos	
   menires	
   de	
   Vila	
   do	
   Bispo	
   há	
   também	
   quem	
   vislumbre	
   significâncias	
  
esquematizadas,	
  invocadoras	
  da	
  fecundidade	
  e	
  da	
  abundância	
  proporcionada	
  pela	
  terra	
  agricultada	
  e	
  pelos	
  
animais	
   pastoreados:	
   as	
   elipses	
   segmentadas	
   têm	
   sido	
   interpretadas	
   como	
   grãos	
   de	
   trigo;	
   as	
   semi-­‐elipses	
  
como	
  mamilos	
  de	
  gado	
  (o	
  leite);	
  as	
  linhas	
  ondulantes	
  como	
  nascentes	
  de	
  água	
  e	
  cursos	
  de	
  rio;	
  os	
  cordões,	
  
junto	
  ao	
  topo	
  dos	
  menires,	
  como	
  glandes	
  fálicas...	
  enfim,	
  quem	
  sabe?	
  
Este	
  distante	
  e	
  subjectivo	
  universo	
  dos	
  significados,	
  o	
  reportório	
  simbólico	
  que	
  as	
  gentes	
  neolíticas	
  atribuíram	
  
aos	
  seus	
  monumentos	
  meníricos	
  e	
  às	
  decorações	
  neles	
  inscritas	
  constituirá,	
  para	
  sempre,	
  um	
  fértil	
  campo	
  para	
  
a	
   imaginação,	
   de	
   impossível	
   descodificação	
   pela	
   ciência	
   arqueológica.	
   Outras	
   questões	
   são	
   mais	
   tangíveis,	
  
merecendo,	
  assim,	
  uma	
  maior	
  atenção	
  e	
  investimento.	
  
No	
  que	
  diz	
  respeito	
  à	
  antiguidade	
  dos	
  nossos	
  menires,	
  trata-­‐se	
  de	
  um	
  assunto	
  ainda	
  não	
  resolvido.	
  Não	
  é	
  fácil	
  
a	
  datação	
  destes	
  monumentos	
  de	
  pedra	
  por	
  métodos	
  absolutos,	
  restando-­‐nos,	
  por	
  hora,	
  analisar	
  um	
  conjunto	
  
de	
  evidências	
  relativas,	
  como	
  associações	
  artefactuais	
  ou	
  a	
  avaliação	
  dos	
  dados	
  de	
  povoamento	
  regional.	
  	
  
Também	
   devemos	
   considerar	
   tratar-­‐se	
   de	
   um	
   fenómeno	
   de	
   longa	
   diacronia,	
   ou	
   seja,	
   uma	
   moda	
   que	
   se	
  
arrastou	
   no	
   tempo	
   e	
   em	
   diversas	
   épocas	
   e	
   culturas,	
   o	
   que	
   justifica	
   a	
   sua	
   invulgar	
   quantidade;	
   bem	
   como	
  
situações	
   de	
   reaproveitamento,	
   exemplarmente	
   documentadas	
   no	
   nosso	
   Concelho,	
   designadamente	
   num	
  
menir	
  erguido	
  no	
  topo	
  do	
  Cerro	
  do	
  Camacho	
  (Monte	
  dos	
  Amantes,	
  Vila	
  do	
  Bispo)	
  que,	
  além	
  da	
  decoração	
  pré-­‐
histórica,	
  apresenta	
  um	
  conjunto	
  de	
  inscrições	
  de	
  épocas	
  mais	
  recentes:	
  uma	
  cruz	
  incisa,	
  outra	
  cruz	
  formada	
  
por	
  5	
  círculos	
  em	
  relevo	
  (as	
  5	
  chagas	
  de	
  Cristo),	
  uma	
  data	
  gravada	
  (1644)	
  e	
  uma	
  gravação	
  mais	
  recente	
  onde	
  
se	
  pode	
  ler	
  “Lisboa”	
  –	
  a	
  apropriação	
  de	
  um	
  monumento	
  pré-­‐histórico	
  pelo	
  culto	
  cristão	
  e	
  pelos	
  visitantes	
  de	
  
Época	
  Moderna.	
  
Desde	
  1987,	
  graças	
  ao	
  incontornável	
  trabalho	
  desenvolvido	
  por	
  Mário	
  Varela	
  Gomes	
  e	
  Carlos	
  Tavares	
  da	
  Silva,	
  
que	
  resultou	
  na	
  publicação	
  do	
  Levantamento	
  Arqueológico	
  do	
  Concelho	
  Vila	
  do	
  Bispo,	
  convencionou-­‐se	
  que	
  os	
  
nossos	
  numerosos	
  menires	
  teriam	
  sido	
  erguidos	
  entre	
  o	
  IV	
  e	
  o	
  III	
  milénio	
  antes	
  de	
  Cristo,	
  ou	
  seja,	
  no	
  final	
  do	
  
Neolítico,	
  inícios	
  do	
  Calcolítico	
  (a	
  Idade	
  do	
  Cobre).	
  	
  
Porém,	
  esta	
  atribuição	
  cronológica	
  levanta	
  algumas	
  questões	
  a	
  considerar.	
  Por	
  um	
  lado,	
  avaliando	
  os	
  dados	
  
disponíveis	
   no	
   referido	
   levantamento	
   arqueológico	
   de	
   1987	
   (e	
   que	
   não	
   são	
   assim	
   tão	
   poucos	
   –	
   130	
  
arqueossítios),	
  ressalta	
  uma	
  evidência,	
  neste	
  caso,	
  uma	
  ausência:	
  onde	
  estão	
  os	
  povoados	
  do	
  Neolítico	
  Final	
  e	
  
do	
   Calcolítico?	
   ou	
   seja,	
   as	
   gentes	
   responsáveis	
   pelos	
   coevos	
   e	
   abundantes	
   empreendimentos	
   meníricos.	
  
Estranhamente,	
  os	
  referidos	
  autores	
  não	
  apontam	
  um	
  único	
  indício	
  de	
  povoamento	
  atribuível	
  ao	
  Calcolítico,	
  
listando	
  apenas	
  dois	
  povoados	
  enquadráveis	
  em	
  cronologias	
  do	
  Neolítico	
  Final:	
  na	
  Cabranosa	
  (Sagres)	
  e	
  no	
  
Marmeleiro	
  (Vila	
  do	
  Bispo),	
  sendo	
  que,	
  no	
  povoado	
  da	
  Cabranosa,	
  investigação	
  posterior	
  permitiu	
  datações	
  
absolutas	
   que	
   o	
   remetem,	
   sim,	
   para	
   o	
   Neolítico	
   Antigo.	
   Em	
   contrapartida,	
   os	
   indícios	
   para	
   habitats	
   do	
  
Paleolítico	
  Superior,	
  do	
  Mesolítico	
  e	
  do	
  Neolítico	
  Antigo	
  são	
  bem	
  mais	
  copiosas	
  e	
  efectivas.	
  	
  
Por	
  outro	
  lado,	
  uma	
  sondagem	
  realizada	
  em	
  1984	
  no	
  menir	
  do	
  Padrão	
  (Raposeira),	
  por	
  Mário	
  Varela	
  Gomes,	
  
permitiu	
  identificar,	
  na	
  sua	
  base	
  de	
  implantação,	
  um	
  povoado	
  do	
  Neolítico	
  Antigo,	
  testemunhado	
  por	
  diversos	
  
artefactos,	
  estruturas	
  habitacionais	
  e	
  restos	
  de	
  fauna.	
  A	
  subsequente	
  escavação	
  desta	
  realidade	
  arqueológica,	
  
dirigida	
  pelo	
  mesmo	
  autor	
  em	
  1994,	
  e	
  que	
  resultou	
  no	
  levantamento	
  do	
  menir	
  para	
  a	
  sua	
  posição	
  original	
  
(vertical),	
  também	
  facultou	
  a	
  datação	
  absoluta,	
  por	
  Carbono
14
,	
  do	
  seu	
  estrato	
  de	
  base,	
  sendo	
  estimada	
  uma	
  
antiguidade	
  de	
  cerca	
  de	
  6500	
  anos	
  (Antes	
  do	
  Presente),	
  ou	
  seja,	
  em	
  meados	
  do	
  VI	
  milénio	
  antes	
  de	
  Cristo,	
  
contrariando	
  a	
  tradicional	
  perspectiva,	
  proposta	
  pelo	
  próprio	
  autor	
  em	
  1987,	
  e	
  que	
  integrava	
  os	
  menires	
  de	
  
Vila	
  do	
  Bispo	
  entre	
  o	
  IV	
  e	
  o	
  III	
  milénio	
  a.C.	
  
Posto	
   isto,	
   considerando	
   dados	
   mais	
   actuais,	
   adquiridos	
   noutras	
   regiões	
   da	
   Europa,	
   Península	
   Ibérica	
   e,	
  
sobretudo,	
   no	
   vizinho	
   Alentejo	
   Central,	
   será	
   de	
   ponderar,	
   em	
   definitivo,	
   a	
   integração	
   deste	
   fenómeno	
   em	
  
cronologias	
  mais	
  recuadas,	
  no	
  dealbar	
  do	
  Neolítico	
  Antigo!	
  Porém,	
  só	
  por	
  via	
  de	
  mais	
  sondagens	
  e	
  datações	
  
absolutas	
  será	
  possível	
  clarificar	
  esta	
  problemática	
  fundamental.	
  	
  
Um	
   último	
   apontamento	
   diferenciador	
   dos	
   nossos	
   menires,	
   é	
   o	
   facto	
   destes	
   terem	
   sido	
   afeiçoados	
   com	
   o	
  
recurso	
  a	
  blocos	
  de	
  calcário	
  branco	
  regional,	
  ao	
  contrário	
  dos	
  menires	
  alentejanos,	
  petrificados	
  em	
  granito.	
  
Além	
   do	
   calcário,	
   os	
   nossos	
   antepassados	
   também	
   recorreram,	
   pelo	
   menos	
   em	
   dois	
   casos	
   conhecidos,	
   ao	
  
arenito	
   vermelho,	
   rocha	
   também	
   conhecida	
   por	
   “grés	
   de	
   Silves”	
   ou	
   por	
   “pedra	
   farinheira”	
   (designação	
  
regional).	
  	
  
Para	
   terminar,	
   e	
   mais	
   uma	
   vez,	
   junto	
   ao	
   menir	
   do	
   Padrão	
   foram	
   documentadas	
   posteriores	
   apropriações	
  
daquela	
  área	
  monumental,	
  designadamente	
  em	
  duas	
  necrópoles:	
  uma	
  de	
  época	
  romana	
  e	
  outra	
  da	
  Alta	
  Idade	
  
Média.	
  Tanto	
  para	
  os	
  romanos,	
  como	
  para	
  árabes	
  e	
  cristãos,	
  os	
  menires	
  ainda	
  possuíam	
  algum	
  significado	
  
sagrado,	
  pelo	
  que	
  foram	
  respeitados	
  e	
  reinvestidos	
  enquanto	
  guardiões	
  dos	
  mortos	
  daquelas	
  civilizações	
  e	
  
religiões.	
  	
  
Aliás,	
  ainda	
  hoje,	
  não	
  será	
  difícil	
  sentir	
  uma	
  certa	
  espiritualidade	
  que	
  radia	
  destes	
  monólitos	
  e	
  das	
  paisagens	
  
que	
  teimosamente	
  dominam.	
  Ora	
  experimentem...	
  
	
  
Ricardo	
  Soares	
  |	
  2014	
  

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Iluminados passeios nocturnos

RR-PI9-Vale_WEB
RR-PI9-Vale_WEBRR-PI9-Vale_WEB
Hospitalidade Em Comunidades Tradicionais
Hospitalidade Em  Comunidades  TradicionaisHospitalidade Em  Comunidades  Tradicionais
Hospitalidade Em Comunidades Tradicionais
Simone Scorsato
 
Tópico 7. turismo
Tópico 7. turismoTópico 7. turismo
Tópico 7. turismo
Atividades Diversas Cláudia
 
Cartilha educação patrimonial jocenaide rosetto
Cartilha educação patrimonial   jocenaide rosettoCartilha educação patrimonial   jocenaide rosetto
Cartilha educação patrimonial jocenaide rosetto
Gleibiane Silva
 
Património Humano Personalidades Gaienses - 1º volume
Património Humano Personalidades Gaienses - 1º volumePatrimónio Humano Personalidades Gaienses - 1º volume
Património Humano Personalidades Gaienses - 1º volume
queirosiana
 
“Desenvolvimento local: Turismo, Melgaço e Vinho Alvarinho, estudo de caso.”
“Desenvolvimento local: Turismo, Melgaço e Vinho Alvarinho, estudo de caso.”“Desenvolvimento local: Turismo, Melgaço e Vinho Alvarinho, estudo de caso.”
“Desenvolvimento local: Turismo, Melgaço e Vinho Alvarinho, estudo de caso.”
Carina Venâncio
 
Cartilha do patrimônio cultural de piracicaba referência de ação patrimoni...
Cartilha do patrimônio cultural de piracicaba    referência de ação patrimoni...Cartilha do patrimônio cultural de piracicaba    referência de ação patrimoni...
Cartilha do patrimônio cultural de piracicaba referência de ação patrimoni...
Prefeitura Municipal de Campinas
 
Uma educação artística brasileira
Uma educação artística brasileiraUma educação artística brasileira
Uma educação artística brasileira
institutobrincante
 
C 9ilha 08-romarias
C 9ilha 08-romariasC 9ilha 08-romarias
C 9ilha 08-romarias
milsumav
 
Portfólio Instituto Olho D'Água
Portfólio Instituto Olho D'ÁguaPortfólio Instituto Olho D'Água
Portfólio Instituto Olho D'Água
Erika Marion Robrahn-González
 
Patrimoniocultural
PatrimonioculturalPatrimoniocultural
Patrimoniocultural
Atividades Diversas Cláudia
 
Tópico 7. turismo
Tópico 7. turismoTópico 7. turismo
Tópico 7. turismo
Atividades Diversas Cláudia
 
Gastronomia
GastronomiaGastronomia
Gastronomia
laohu
 
Gastronomia
GastronomiaGastronomia
Centro interpretativo-salinas-porto-ingles
Centro interpretativo-salinas-porto-inglesCentro interpretativo-salinas-porto-ingles
Centro interpretativo-salinas-porto-ingles
EdsonTavares33
 
How to develop sustainable rural areas
How to develop sustainable rural areasHow to develop sustainable rural areas
How to develop sustainable rural areas
oficinadanatureza
 
CULTURARTEEN 178 - edição extra - 12 de setembro de 2017
CULTURARTEEN 178 - edição extra - 12 de setembro de 2017CULTURARTEEN 178 - edição extra - 12 de setembro de 2017
CULTURARTEEN 178 - edição extra - 12 de setembro de 2017
Pery Salgado
 
CULTURARTEEN 180 - edição extra - 10 de outubro de 2017
CULTURARTEEN 180 - edição extra - 10 de outubro de 2017CULTURARTEEN 180 - edição extra - 10 de outubro de 2017
CULTURARTEEN 180 - edição extra - 10 de outubro de 2017
Pery Salgado
 
PatrimóNio Comum Da Humanidade Aliado á ImportâNcia Da
PatrimóNio Comum Da Humanidade Aliado á ImportâNcia DaPatrimóNio Comum Da Humanidade Aliado á ImportâNcia Da
PatrimóNio Comum Da Humanidade Aliado á ImportâNcia Da
Sousa1973
 
patrimonio cultural da cidade de maputo
patrimonio cultural da cidade de maputopatrimonio cultural da cidade de maputo
patrimonio cultural da cidade de maputo
Elvis Enhard
 

Semelhante a Iluminados passeios nocturnos (20)

RR-PI9-Vale_WEB
RR-PI9-Vale_WEBRR-PI9-Vale_WEB
RR-PI9-Vale_WEB
 
Hospitalidade Em Comunidades Tradicionais
Hospitalidade Em  Comunidades  TradicionaisHospitalidade Em  Comunidades  Tradicionais
Hospitalidade Em Comunidades Tradicionais
 
Tópico 7. turismo
Tópico 7. turismoTópico 7. turismo
Tópico 7. turismo
 
Cartilha educação patrimonial jocenaide rosetto
Cartilha educação patrimonial   jocenaide rosettoCartilha educação patrimonial   jocenaide rosetto
Cartilha educação patrimonial jocenaide rosetto
 
Património Humano Personalidades Gaienses - 1º volume
Património Humano Personalidades Gaienses - 1º volumePatrimónio Humano Personalidades Gaienses - 1º volume
Património Humano Personalidades Gaienses - 1º volume
 
“Desenvolvimento local: Turismo, Melgaço e Vinho Alvarinho, estudo de caso.”
“Desenvolvimento local: Turismo, Melgaço e Vinho Alvarinho, estudo de caso.”“Desenvolvimento local: Turismo, Melgaço e Vinho Alvarinho, estudo de caso.”
“Desenvolvimento local: Turismo, Melgaço e Vinho Alvarinho, estudo de caso.”
 
Cartilha do patrimônio cultural de piracicaba referência de ação patrimoni...
Cartilha do patrimônio cultural de piracicaba    referência de ação patrimoni...Cartilha do patrimônio cultural de piracicaba    referência de ação patrimoni...
Cartilha do patrimônio cultural de piracicaba referência de ação patrimoni...
 
Uma educação artística brasileira
Uma educação artística brasileiraUma educação artística brasileira
Uma educação artística brasileira
 
C 9ilha 08-romarias
C 9ilha 08-romariasC 9ilha 08-romarias
C 9ilha 08-romarias
 
Portfólio Instituto Olho D'Água
Portfólio Instituto Olho D'ÁguaPortfólio Instituto Olho D'Água
Portfólio Instituto Olho D'Água
 
Patrimoniocultural
PatrimonioculturalPatrimoniocultural
Patrimoniocultural
 
Tópico 7. turismo
Tópico 7. turismoTópico 7. turismo
Tópico 7. turismo
 
Gastronomia
GastronomiaGastronomia
Gastronomia
 
Gastronomia
GastronomiaGastronomia
Gastronomia
 
Centro interpretativo-salinas-porto-ingles
Centro interpretativo-salinas-porto-inglesCentro interpretativo-salinas-porto-ingles
Centro interpretativo-salinas-porto-ingles
 
How to develop sustainable rural areas
How to develop sustainable rural areasHow to develop sustainable rural areas
How to develop sustainable rural areas
 
CULTURARTEEN 178 - edição extra - 12 de setembro de 2017
CULTURARTEEN 178 - edição extra - 12 de setembro de 2017CULTURARTEEN 178 - edição extra - 12 de setembro de 2017
CULTURARTEEN 178 - edição extra - 12 de setembro de 2017
 
CULTURARTEEN 180 - edição extra - 10 de outubro de 2017
CULTURARTEEN 180 - edição extra - 10 de outubro de 2017CULTURARTEEN 180 - edição extra - 10 de outubro de 2017
CULTURARTEEN 180 - edição extra - 10 de outubro de 2017
 
PatrimóNio Comum Da Humanidade Aliado á ImportâNcia Da
PatrimóNio Comum Da Humanidade Aliado á ImportâNcia DaPatrimóNio Comum Da Humanidade Aliado á ImportâNcia Da
PatrimóNio Comum Da Humanidade Aliado á ImportâNcia Da
 
patrimonio cultural da cidade de maputo
patrimonio cultural da cidade de maputopatrimonio cultural da cidade de maputo
patrimonio cultural da cidade de maputo
 

Mais de arqueomike

Algarve informativo #213
Algarve informativo #213Algarve informativo #213
Algarve informativo #213
arqueomike
 
Algarve informativo #211
Algarve informativo #211Algarve informativo #211
Algarve informativo #211
arqueomike
 
Trilho Ambiental do Castelejo
Trilho Ambiental do CastelejoTrilho Ambiental do Castelejo
Trilho Ambiental do Castelejo
arqueomike
 
Estação da Biodiversidade da Boca do Rio
Estação da Biodiversidade da Boca do RioEstação da Biodiversidade da Boca do Rio
Estação da Biodiversidade da Boca do Rio
arqueomike
 
Programa II Seminário Potencialidades de um Concelho - o Mar de Vila do Bispo
Programa II Seminário Potencialidades de um Concelho - o Mar de Vila do BispoPrograma II Seminário Potencialidades de um Concelho - o Mar de Vila do Bispo
Programa II Seminário Potencialidades de um Concelho - o Mar de Vila do Bispo
arqueomike
 
Programa
ProgramaPrograma
Programa
arqueomike
 
Fam trip omíada vila do bispo
Fam trip omíada vila do bispoFam trip omíada vila do bispo
Fam trip omíada vila do bispo
arqueomike
 
Folheto Rota Omíada
Folheto Rota OmíadaFolheto Rota Omíada
Folheto Rota Omíada
arqueomike
 
Rocha das Gaivotas, Sagres, Vila do Bispo
Rocha das Gaivotas, Sagres, Vila do BispoRocha das Gaivotas, Sagres, Vila do Bispo
Rocha das Gaivotas, Sagres, Vila do Bispo
arqueomike
 
Percurso Pedestre 'Pelas Encostas da Raposeira' (Vila do Bispo) - folheto (Vi...
Percurso Pedestre 'Pelas Encostas da Raposeira' (Vila do Bispo) - folheto (Vi...Percurso Pedestre 'Pelas Encostas da Raposeira' (Vila do Bispo) - folheto (Vi...
Percurso Pedestre 'Pelas Encostas da Raposeira' (Vila do Bispo) - folheto (Vi...
arqueomike
 
Lapa do Monte Francês, Sagres (NEUA, Espeleo Divulgação 5, 1986)
Lapa do Monte Francês, Sagres (NEUA, Espeleo Divulgação 5, 1986)Lapa do Monte Francês, Sagres (NEUA, Espeleo Divulgação 5, 1986)
Lapa do Monte Francês, Sagres (NEUA, Espeleo Divulgação 5, 1986)
arqueomike
 
Programa DiVam 2015 - Património Imaterial e Raízes Mediterrânicas
Programa DiVam 2015 - Património Imaterial e Raízes MediterrânicasPrograma DiVam 2015 - Património Imaterial e Raízes Mediterrânicas
Programa DiVam 2015 - Património Imaterial e Raízes Mediterrânicas
arqueomike
 
Ingrina - Sophia de Mello Breyner
Ingrina - Sophia de Mello BreynerIngrina - Sophia de Mello Breyner
Ingrina - Sophia de Mello Breyner
arqueomike
 
Rota al-Mutamid - Sagres
Rota al-Mutamid - SagresRota al-Mutamid - Sagres
Rota al-Mutamid - Sagres
arqueomike
 
Contribuição para o conhecimento das Indústrias Mirenses de Vila Nova de M...
Contribuição para o conhecimento das Indústrias Mirenses de Vila Nova de M...Contribuição para o conhecimento das Indústrias Mirenses de Vila Nova de M...
Contribuição para o conhecimento das Indústrias Mirenses de Vila Nova de M...
arqueomike
 
BERNARDES, J. P.; MORAIS, R.; VAZ PINTO, I; GUERSCHMAN, J. (2014) - Colmeias ...
BERNARDES, J. P.; MORAIS, R.; VAZ PINTO, I; GUERSCHMAN, J. (2014) - Colmeias ...BERNARDES, J. P.; MORAIS, R.; VAZ PINTO, I; GUERSCHMAN, J. (2014) - Colmeias ...
BERNARDES, J. P.; MORAIS, R.; VAZ PINTO, I; GUERSCHMAN, J. (2014) - Colmeias ...
arqueomike
 
Sagres - o Promontorium Sacrum: uma petrificada paisagem sagrada (SOARES, R.,...
Sagres - o Promontorium Sacrum: uma petrificada paisagem sagrada (SOARES, R.,...Sagres - o Promontorium Sacrum: uma petrificada paisagem sagrada (SOARES, R.,...
Sagres - o Promontorium Sacrum: uma petrificada paisagem sagrada (SOARES, R.,...
arqueomike
 
BWF'2014 - Arqueologia
BWF'2014 - ArqueologiaBWF'2014 - Arqueologia
BWF'2014 - Arqueologia
arqueomike
 
Vila do Bispo Arqueológica
Vila do Bispo ArqueológicaVila do Bispo Arqueológica
Vila do Bispo Arqueológica
arqueomike
 
Notícia explicativa da Carta Geológica de Vila do Bispo (1979)
Notícia explicativa da Carta Geológica de Vila do Bispo (1979)Notícia explicativa da Carta Geológica de Vila do Bispo (1979)
Notícia explicativa da Carta Geológica de Vila do Bispo (1979)
arqueomike
 

Mais de arqueomike (20)

Algarve informativo #213
Algarve informativo #213Algarve informativo #213
Algarve informativo #213
 
Algarve informativo #211
Algarve informativo #211Algarve informativo #211
Algarve informativo #211
 
Trilho Ambiental do Castelejo
Trilho Ambiental do CastelejoTrilho Ambiental do Castelejo
Trilho Ambiental do Castelejo
 
Estação da Biodiversidade da Boca do Rio
Estação da Biodiversidade da Boca do RioEstação da Biodiversidade da Boca do Rio
Estação da Biodiversidade da Boca do Rio
 
Programa II Seminário Potencialidades de um Concelho - o Mar de Vila do Bispo
Programa II Seminário Potencialidades de um Concelho - o Mar de Vila do BispoPrograma II Seminário Potencialidades de um Concelho - o Mar de Vila do Bispo
Programa II Seminário Potencialidades de um Concelho - o Mar de Vila do Bispo
 
Programa
ProgramaPrograma
Programa
 
Fam trip omíada vila do bispo
Fam trip omíada vila do bispoFam trip omíada vila do bispo
Fam trip omíada vila do bispo
 
Folheto Rota Omíada
Folheto Rota OmíadaFolheto Rota Omíada
Folheto Rota Omíada
 
Rocha das Gaivotas, Sagres, Vila do Bispo
Rocha das Gaivotas, Sagres, Vila do BispoRocha das Gaivotas, Sagres, Vila do Bispo
Rocha das Gaivotas, Sagres, Vila do Bispo
 
Percurso Pedestre 'Pelas Encostas da Raposeira' (Vila do Bispo) - folheto (Vi...
Percurso Pedestre 'Pelas Encostas da Raposeira' (Vila do Bispo) - folheto (Vi...Percurso Pedestre 'Pelas Encostas da Raposeira' (Vila do Bispo) - folheto (Vi...
Percurso Pedestre 'Pelas Encostas da Raposeira' (Vila do Bispo) - folheto (Vi...
 
Lapa do Monte Francês, Sagres (NEUA, Espeleo Divulgação 5, 1986)
Lapa do Monte Francês, Sagres (NEUA, Espeleo Divulgação 5, 1986)Lapa do Monte Francês, Sagres (NEUA, Espeleo Divulgação 5, 1986)
Lapa do Monte Francês, Sagres (NEUA, Espeleo Divulgação 5, 1986)
 
Programa DiVam 2015 - Património Imaterial e Raízes Mediterrânicas
Programa DiVam 2015 - Património Imaterial e Raízes MediterrânicasPrograma DiVam 2015 - Património Imaterial e Raízes Mediterrânicas
Programa DiVam 2015 - Património Imaterial e Raízes Mediterrânicas
 
Ingrina - Sophia de Mello Breyner
Ingrina - Sophia de Mello BreynerIngrina - Sophia de Mello Breyner
Ingrina - Sophia de Mello Breyner
 
Rota al-Mutamid - Sagres
Rota al-Mutamid - SagresRota al-Mutamid - Sagres
Rota al-Mutamid - Sagres
 
Contribuição para o conhecimento das Indústrias Mirenses de Vila Nova de M...
Contribuição para o conhecimento das Indústrias Mirenses de Vila Nova de M...Contribuição para o conhecimento das Indústrias Mirenses de Vila Nova de M...
Contribuição para o conhecimento das Indústrias Mirenses de Vila Nova de M...
 
BERNARDES, J. P.; MORAIS, R.; VAZ PINTO, I; GUERSCHMAN, J. (2014) - Colmeias ...
BERNARDES, J. P.; MORAIS, R.; VAZ PINTO, I; GUERSCHMAN, J. (2014) - Colmeias ...BERNARDES, J. P.; MORAIS, R.; VAZ PINTO, I; GUERSCHMAN, J. (2014) - Colmeias ...
BERNARDES, J. P.; MORAIS, R.; VAZ PINTO, I; GUERSCHMAN, J. (2014) - Colmeias ...
 
Sagres - o Promontorium Sacrum: uma petrificada paisagem sagrada (SOARES, R.,...
Sagres - o Promontorium Sacrum: uma petrificada paisagem sagrada (SOARES, R.,...Sagres - o Promontorium Sacrum: uma petrificada paisagem sagrada (SOARES, R.,...
Sagres - o Promontorium Sacrum: uma petrificada paisagem sagrada (SOARES, R.,...
 
BWF'2014 - Arqueologia
BWF'2014 - ArqueologiaBWF'2014 - Arqueologia
BWF'2014 - Arqueologia
 
Vila do Bispo Arqueológica
Vila do Bispo ArqueológicaVila do Bispo Arqueológica
Vila do Bispo Arqueológica
 
Notícia explicativa da Carta Geológica de Vila do Bispo (1979)
Notícia explicativa da Carta Geológica de Vila do Bispo (1979)Notícia explicativa da Carta Geológica de Vila do Bispo (1979)
Notícia explicativa da Carta Geológica de Vila do Bispo (1979)
 

Iluminados passeios nocturnos

  • 1. ILUMINADOS  PASSEIOS  NOCTURNOS   PEDRAS  QUE  FALAM,  ECOS  QUE  SE  REVELAM...     Ricardo  Soares  |  Arqueólogo  |  Câmara  Municipal  de  Vila  do  Bispo   Na  qualidade  de  arqueólogo  ao  serviço  do  Município  de  Vila  do  Bispo,  há  muito  apaixonado  por  esta  região  e,   a   cada   dia   que   por   aqui   passo,   cada   vez   mais   consciente   da   sua   riqueza   e   diversidade   arqueológica,   mas   também   natural,   paisagística   e   cultural,   cumpre-­‐me,   necessariamente,   promover   acções   de   divulgação,   dinamização  e  valorização  de  todo  este  nosso  potencial  patrimonial.  Nesta  perspectiva,  a  comunidade  local  e   os  operadores  turísticos  tornam-­‐se  peças  chave  num  discurso  integrado  e  de  alcance  social.  Não  só  sobre  as   autarquias   recai   a   responsabilidade   de   zelar   por   um   património   que   é   de   todos.   Estado,   Autarquias,   Freguesias,  Direcções  Regionais  de  Cultura,  Universidades,  Associações,  Empresas,  Técnicos  e  Cidadãos  devem,   em  uníssono,  promover  plataformas  de  convergência  para  objectivos  fundamentais  e  comuns.  Por  cá,  as  coisas   vão  acontecendo  naturalmente.  Por  exemplo,  esta  experimental  iniciativa,  que  hoje  aqui  partilhamos,  resulta   de  uma  muito  natural  convergência  em  torno  de  um  interesse  comum  –  OS  MENIRES  DE  VILA  DO  BISPO.  Na   aventura  da  noite,  ao  calor  do  fogo,  pela  luz  reveladora  dos  segredos,  nascem  amizades,  cultiva-­‐se  o  passado,   semeia-­‐se  o  futuro  e  muitos  mais  virão.  Quanto  aos  nossos  menires...  por  cá  vão  persistir,  com  saudades  de   uma  memória  futura...     Carla  Cabrita  |  Walkin’  Sagres   Walkin’   Sagres   é   uma   empresa   de   Sagres   que   realiza   passeios   pedestres   no   PNSACV.   É   um   projecto   concretizado   há   5   anos   e   cuja   finalidade   é   partilhar   o   que   de   melhor   temos   no   nosso   concelho:   natureza,   história,   cultura   e   suas   gentes.   Se   o   futuro   for   a   manutenção,   usufruto   e   preservação   das   riquezas   que   herdámos,   este   será   um   projecto   ganho!   Os   Iluminados   Passeios   Nocturnos   serão   o   descobrir   de   parte   do   nosso  património  arqueológico.  Venham  daí!     Dionísio  Pedro  |  Vivenda  Pedro   A  Vivenda  Pedro  tem  por  intento  promover  uma  familiar  alternativa  hoteleira,  dirigida  a  quem  busque  um   contacto  próximo  com  a  natureza,  oferecendo  uma  estadia  mais  rica  e  diversificada,  associada  a  temas  como  a   fauna,  a  flora,  a  história,  a  cultura  e  os  costumes  locais.  Acreditamos  que  o  desenvolvimento  sustentável  da   região,   potenciado   por   diferenciados   produtos   de   turismo   de   qualidade,   nas   suas   vertentes   ecológica,   paisagística  e  cultural,  permitirá,  no  futuro,  a  própria  manutenção  da  nossa  identidade  local.  Neste  sentido,   muito   além   de   uma   perspectiva   meramente   comercial,   apoiamos   e   associamo-­‐nos   a   iniciativas   locais   que   promovam  a  nossa  História  e  que  nos  devolvam  o  nosso  Passado.      
  • 2. O  fenómeno  megalítico  e  os  menires  de  Vila  do  Bispo     Reflexo   do   gradual   aumento   demográfico,   propiciado   pela   sedentarização   neolítica   e   pelos   excedentes   alimentares   da   produção   agro-­‐pecuária,   as   sociedades,   originalmente   igualitárias,   complexificam-­‐se   estruturalmente,   exigindo   uma   nova   organização   social   e   emergentes   discursos   de   poder.   O   fenómeno   megalítico,   na   nossa   região   exuberantemente   representado   pelos   menires,   poderá   ser   precisamente   entendido  como  a  materialização  de  um  discurso  ideológico  que  irá  agregar  as  comunidades  em  torno  de  um   mega-­‐objectivo  comum,  de  um  monumental  empreendimento  colectivo.     O   Homem   é   um   ser   gregário,   dependente   de   propósitos   colectivos,   de   linhas   de   comando   grupal,   de   necessárias  estruturas  de  orientação  e  contenção  de  esforços  e  de  tenções  sociais  –  a  génese  de  todos  os   discursos  de  poder!   Genericamente,  o  Megalitismo  caracteriza-­‐se  pela  monumentalização  da  paisagem  com  o  recurso  a  grandes   blocos  de  pedra,  enquanto  expressão  cultural,  mágico-­‐religiosa  e  territorial.  Recorrentes  em  todo  o  mundo,   em  diversas  culturas  e  em  todos  os  tempos,  os  menires  ocorrem  isolados,  agrupados  em  alinhamentos  ou  em   recintos  (os  cromeleques).  No  ocidente  europeu,  as  inaugurais  composições  megalíticas  surgem  associadas  ao   próprio  fenómeno  neolítico.     Estes  primeiros  menires  podem  ser  interpretados  como  a  primeira  manifestação  do  Homem  na  paisagem,  a   sua   própria   personificação   cultural   num   virgem   palco   natural   –   um   Homem   sedentário   que   se   apropria   de   territórios,  transformando-­‐os,  cultivando-­‐os,  marcando-­‐os  com  marcos  identitários  de  propriedade  cultural.   A  propósito  da  referida  complexificação  social,  o  pesado  investimento  necessário  à  deslocação,  afeiçoamento   e  erecção  de  tantos  menires  poderá  ser  explicado  por  uma  motivação  de  ordem  simbólica.  Ao  contrário  de   uma   muralha,   em   si   mesma   também   revestida   de   simbolismo   visual,   enquanto   estrutura   de   pedra   que   defende   um   povoado,   as   suas   gentes   e   os   seus   bens,   a   justificação   prática   para   um   empreendimento   megalítico  será  menos  lógica  do  ponto  de  vista  funcional,  pelo  menos  à  luz  da  preconceituosa  visão  do  Homem   actual.  Ou  seja,  a  monumentalização  das  paisagens,  a  sua  marcação  com  recurso  a  grande  pedras,  implicaria,   necessariamente,  um  discurso  de  poder,  uma  liderança  tendencialmente  espiritual,  uma  estrutura  mental  de   ordem   mágico-­‐religiosa   –   uma   remota   e   há   muito   perdida   “religião   megalítica”,   com   líderes   espirituais,   anciãos,  xamãs  e  objectos  de  culto,  materializados  na  forma  de  menires.   Quanto  à  mensagem  implícita  neste  presumível  discurso  simbólico,  a  distância  temporal  e  cultural  não  nos   permite  seguros  considerandos.  Ainda  assim,  com  base  em  dados  arqueológicos,  torna-­‐se  possível  recuperar   alguns   longínquos   significados.   Por   exemplo,   tanto   no   vizinho   Alentejo   Central,   como   na   nossa   região,   as   escavações  dos  alvéolos  de  implantação  dos  menires  têm  permitido  exumar,  em  diversos  casos  e  entre  outros   artefactos,  recorrentes  fragmentos  de  mós  manuais.  Sempre  fragmentárias,  ou  seja,  uma  parte  de  um  todo,   estas  peças  remetem  para  os  povoados,  para  o  mundo  quotidiano  da  vida  rural,  para  a  importância  do  cereal  e   da   sua   moagem.   Estes   indícios   artefactuais   levam-­‐nos   a   presumir   que   os   menires   foram   erguidos   por   comunidades  de  pastores-­‐agricultores,  dedução  reforçada  por  outra  recorrente  evidência  arqueológica:  no  
  • 3. Alentejo   Central,   região   vizinha   que   também   serviu   de   palco   para   a   implantação   de   uma   numerosa   concentração   de   menires,   o   mais   repetido   elemento   iconográfico   gravado   nos   monumentos   representa,   justamente,  o  “báculo”,  ou  cajado  de  pastor.     Nas   decorações   inscritas   nos   menires   de   Vila   do   Bispo   há   também   quem   vislumbre   significâncias   esquematizadas,  invocadoras  da  fecundidade  e  da  abundância  proporcionada  pela  terra  agricultada  e  pelos   animais   pastoreados:   as   elipses   segmentadas   têm   sido   interpretadas   como   grãos   de   trigo;   as   semi-­‐elipses   como  mamilos  de  gado  (o  leite);  as  linhas  ondulantes  como  nascentes  de  água  e  cursos  de  rio;  os  cordões,   junto  ao  topo  dos  menires,  como  glandes  fálicas...  enfim,  quem  sabe?   Este  distante  e  subjectivo  universo  dos  significados,  o  reportório  simbólico  que  as  gentes  neolíticas  atribuíram   aos  seus  monumentos  meníricos  e  às  decorações  neles  inscritas  constituirá,  para  sempre,  um  fértil  campo  para   a   imaginação,   de   impossível   descodificação   pela   ciência   arqueológica.   Outras   questões   são   mais   tangíveis,   merecendo,  assim,  uma  maior  atenção  e  investimento.   No  que  diz  respeito  à  antiguidade  dos  nossos  menires,  trata-­‐se  de  um  assunto  ainda  não  resolvido.  Não  é  fácil   a  datação  destes  monumentos  de  pedra  por  métodos  absolutos,  restando-­‐nos,  por  hora,  analisar  um  conjunto   de  evidências  relativas,  como  associações  artefactuais  ou  a  avaliação  dos  dados  de  povoamento  regional.     Também   devemos   considerar   tratar-­‐se   de   um   fenómeno   de   longa   diacronia,   ou   seja,   uma   moda   que   se   arrastou   no   tempo   e   em   diversas   épocas   e   culturas,   o   que   justifica   a   sua   invulgar   quantidade;   bem   como   situações   de   reaproveitamento,   exemplarmente   documentadas   no   nosso   Concelho,   designadamente   num   menir  erguido  no  topo  do  Cerro  do  Camacho  (Monte  dos  Amantes,  Vila  do  Bispo)  que,  além  da  decoração  pré-­‐ histórica,  apresenta  um  conjunto  de  inscrições  de  épocas  mais  recentes:  uma  cruz  incisa,  outra  cruz  formada   por  5  círculos  em  relevo  (as  5  chagas  de  Cristo),  uma  data  gravada  (1644)  e  uma  gravação  mais  recente  onde   se  pode  ler  “Lisboa”  –  a  apropriação  de  um  monumento  pré-­‐histórico  pelo  culto  cristão  e  pelos  visitantes  de   Época  Moderna.   Desde  1987,  graças  ao  incontornável  trabalho  desenvolvido  por  Mário  Varela  Gomes  e  Carlos  Tavares  da  Silva,   que  resultou  na  publicação  do  Levantamento  Arqueológico  do  Concelho  Vila  do  Bispo,  convencionou-­‐se  que  os   nossos  numerosos  menires  teriam  sido  erguidos  entre  o  IV  e  o  III  milénio  antes  de  Cristo,  ou  seja,  no  final  do   Neolítico,  inícios  do  Calcolítico  (a  Idade  do  Cobre).     Porém,  esta  atribuição  cronológica  levanta  algumas  questões  a  considerar.  Por  um  lado,  avaliando  os  dados   disponíveis   no   referido   levantamento   arqueológico   de   1987   (e   que   não   são   assim   tão   poucos   –   130   arqueossítios),  ressalta  uma  evidência,  neste  caso,  uma  ausência:  onde  estão  os  povoados  do  Neolítico  Final  e   do   Calcolítico?   ou   seja,   as   gentes   responsáveis   pelos   coevos   e   abundantes   empreendimentos   meníricos.   Estranhamente,  os  referidos  autores  não  apontam  um  único  indício  de  povoamento  atribuível  ao  Calcolítico,   listando  apenas  dois  povoados  enquadráveis  em  cronologias  do  Neolítico  Final:  na  Cabranosa  (Sagres)  e  no   Marmeleiro  (Vila  do  Bispo),  sendo  que,  no  povoado  da  Cabranosa,  investigação  posterior  permitiu  datações   absolutas   que   o   remetem,   sim,   para   o   Neolítico   Antigo.   Em   contrapartida,   os   indícios   para   habitats   do   Paleolítico  Superior,  do  Mesolítico  e  do  Neolítico  Antigo  são  bem  mais  copiosas  e  efectivas.    
  • 4. Por  outro  lado,  uma  sondagem  realizada  em  1984  no  menir  do  Padrão  (Raposeira),  por  Mário  Varela  Gomes,   permitiu  identificar,  na  sua  base  de  implantação,  um  povoado  do  Neolítico  Antigo,  testemunhado  por  diversos   artefactos,  estruturas  habitacionais  e  restos  de  fauna.  A  subsequente  escavação  desta  realidade  arqueológica,   dirigida  pelo  mesmo  autor  em  1994,  e  que  resultou  no  levantamento  do  menir  para  a  sua  posição  original   (vertical),  também  facultou  a  datação  absoluta,  por  Carbono 14 ,  do  seu  estrato  de  base,  sendo  estimada  uma   antiguidade  de  cerca  de  6500  anos  (Antes  do  Presente),  ou  seja,  em  meados  do  VI  milénio  antes  de  Cristo,   contrariando  a  tradicional  perspectiva,  proposta  pelo  próprio  autor  em  1987,  e  que  integrava  os  menires  de   Vila  do  Bispo  entre  o  IV  e  o  III  milénio  a.C.   Posto   isto,   considerando   dados   mais   actuais,   adquiridos   noutras   regiões   da   Europa,   Península   Ibérica   e,   sobretudo,   no   vizinho   Alentejo   Central,   será   de   ponderar,   em   definitivo,   a   integração   deste   fenómeno   em   cronologias  mais  recuadas,  no  dealbar  do  Neolítico  Antigo!  Porém,  só  por  via  de  mais  sondagens  e  datações   absolutas  será  possível  clarificar  esta  problemática  fundamental.     Um   último   apontamento   diferenciador   dos   nossos   menires,   é   o   facto   destes   terem   sido   afeiçoados   com   o   recurso  a  blocos  de  calcário  branco  regional,  ao  contrário  dos  menires  alentejanos,  petrificados  em  granito.   Além   do   calcário,   os   nossos   antepassados   também   recorreram,   pelo   menos   em   dois   casos   conhecidos,   ao   arenito   vermelho,   rocha   também   conhecida   por   “grés   de   Silves”   ou   por   “pedra   farinheira”   (designação   regional).     Para   terminar,   e   mais   uma   vez,   junto   ao   menir   do   Padrão   foram   documentadas   posteriores   apropriações   daquela  área  monumental,  designadamente  em  duas  necrópoles:  uma  de  época  romana  e  outra  da  Alta  Idade   Média.  Tanto  para  os  romanos,  como  para  árabes  e  cristãos,  os  menires  ainda  possuíam  algum  significado   sagrado,  pelo  que  foram  respeitados  e  reinvestidos  enquanto  guardiões  dos  mortos  daquelas  civilizações  e   religiões.     Aliás,  ainda  hoje,  não  será  difícil  sentir  uma  certa  espiritualidade  que  radia  destes  monólitos  e  das  paisagens   que  teimosamente  dominam.  Ora  experimentem...     Ricardo  Soares  |  2014