SlideShare uma empresa Scribd logo
www.issuu.com/postaldoalgarve
8.072 EXEMPLARES
Mensalmente
com o POSTAL
em conjunto
com o PÚBLICO
ABRIL
2015
n.º 79
d.r.
Recursos patrimoniais
versus sustentabilidade:
o caso de Vila do Bispo p. 10
FNAC: cada vez mais
um pólo cultural p. 5
Panorâmica:
d.r.
Americanah,
uma obra de
Chimamanda
Ngozi Adichie
p. 4
d.r.
Grande ecrã:
59 anos de cinema
em Faro
p. 3
Espaço Alfa:
A paixão
pelos retratos
a preto e branco
d.r.
p. 7
d.r.
Letras e Leituras:
HerbertoHelder,
in memoriam
p. 11
d.r.
Da minha biblioteca:
10.04.2015 10 Cultura.Sul
Recursos patrimoniais versus sustentabilidade:
o caso de Vila do Bispo
Espaço ao Património
No âmbito da minha ati-
vidade enquanto arqueólo-
go da Câmara Municipal de
Vila do Bispo, partilho aqui
algumas genéricas reflexões
sobre o vastíssimo e particu-
larmente atual tema da “ges-
tão patrimonial”.
Em boa verdade, trata-se
de um depoimento estrita-
mente pessoal, num modo de
pensamentos “em voz alta”,
com o qual apenas pretendo
partilhar um certo “estado
de alma” e algumas positivas
experiências profissionais e
sociais a barlavento, no ter-
ritório da ‘sagrada finisterra
vicentina’.
Tempos de euforia turística
e de feiras do património!
Se por um lado atravessa-
mos tempos particularmente
difíceis – a crónica desculpa
para uma ‘cultural’ carência de
investimento na Cultura –, por
outro, definem-se no horizon-
te alguns sinais de positivas re-
ações, nem sempre genuínas,
mas ainda assim assinaláveis.
Apregoa-se a racionalização
dos recursos disponíveis e o
investimento low budget, a va-
lorização dos recursos endó-
genos, o envolvimento social
e a integração comunitária,
a implementação de mode-
los de gestão partilhada e de
cooperação intermunicipal, a
abertura à iniciativa privada...
enfim! Todavia, reincide-se na
perigosa tendência de se olhar
o Património numa perspeti-
va meramente económica, en-
quanto recurso financeiro.
Com isto, o Património lá
vai dando “um ar da sua gra-
ça”, surgindo amiúde ‘empa-
cotado’, como oferta turística,
sendo parcamente alimentado
a migalhas, na expectativa da
criação de uma salvadora, mas
raramente profícua, “galinha
dos ovos de ouro”... “só para
inglês ver”!
Material ou imaterial, o Pa-
trimónio, enquanto legado
de autenticidade natural e
de identidade cultural, apre-
senta-se, na prática, como
um conceito demasiadamen-
te abstrato, tendencialmente
confundido com o património
de ordem económica, quanti-
ficável em valor, traduzível em
retorno financeiro.
Os tradicionais paradigmas
civilizacionais e as clássicas po-
laridades dos fluxos de viagens
intercontinentais alteram-se
globalmente. O velho conti-
nente europeu apresenta-se
hoje como um atraente novo
mundo de (re)descobertas,
massivamente procurado pelo
seu longo passado, por um
certo ‘exotismo’ cultural e pela
aventura intercivilizacional.
Ao sabor da mesma corren-
te, Portugal vive uma verda-
deira euforia turística, fruto
do reconhecimento e procu-
ra internacional de atraentes
valores culturais de históricas
cidades como Lisboa, Porto,
Coimbra, Évora… A imateria-
lidade cultural do fado, do
cante e da dieta mediterrâni-
ca encontra-se reconhecida no
‘panteão’ do Património Uni-
versal. Surgem desconcertan-
tes expressões como “feiras do
património”. Santuários natu-
rais, como os Açores, expõem-
-se aos enxames dos low cost.
O turismo cultural e o turismo
de natureza estão na moda!
Aos agentes culturais exige-se
um certo “toque de Midas”, ou
seja, a alquímica capacidade
de transformar o Património
em receita financeira.
Se por um lado o turismo
implica, inevitavelmente, um
destrutivo impacto no Patri-
mónio (sobretudo natural),
por outro, o turismo poderá
ser trabalhado como garante
do próprio Património. Não se
tratando de uma natural rela-
ção simbiótica, o Património e
o turismo podem conviver em
harmónica valorização mútua.
A fórmula do equilíbrio deve-
rá residir na sustentabilidade!
Entretanto, a montante, há
que promover o conhecimen-
to profundo e a investigação
sistemática, a única via para a
estabilidade da partilha – dig-
nificar no presente um passa-
do com futuro.
Boas práticas
de gestão patrimonial
em Vila do Bispo
No Algarve, a região de Vila
do Bispo ainda preserva deter-
minadas áreas intocadas pela
ação humana, que, por tão
genuínas e raras, são por isso
bastante procuradas por visi-
tantes de todo mundo, nelas
reconhecendo a pureza da ori-
ginal autenticidade da Nature-
za. Porém, quando se trata de
turismodenatureza,enquanto
recurso dificilmente renovável,
impõe-se uma decisiva formu-
laçãoestratégica,maisumavez
assente na sustentabilidade!
Do ponto de vista cultural,
as paisagens de Vila do Bispo
também revelam interessan-
tes e diversificados discursos
antropogénicos, designada-
mente arqueológicos, histó-
ricos e etnográficos, muitos
dos quais revestidos de apre-
ciável monumentalidade.
As paisagens constituem-se
como palcos de realidades tão
distintas como complemen-
tares. A sua integrada leitura
permitir-nos-á partilhá-las, de
modo sustentável e sem pre-
juízo para os diversos apon-
tamentos nelas implantados:
a biodiversidade, a geologia,
as marcas paleontológicas,
os vestígios arqueológicos, os
monumentos históricos, os re-
cursos do mar, as terras culti-
vadas... a Cultura!
O potencial do património
vilabispense encontra-se am-
plamente reconhecido e a sua
procura já é uma indomada
realidade. No sentido de uma
prudente partilha de todo este
complexo paisagístico, urge a
sua aquilatada leitura e o seu
efetivoconhecimento.Importa
ordenar e educar a sua fruição,
sob o risco da sua irreversível
perda e vulgarização enquan-
to extensão de uma região há
muito descaracterizada.
Num território substan-
cialmente dependente do
turismo, o estratégico desen-
volvimento de diferenciados
produtos de natureza e de
cultura, pela sua diversidade,
qualidade e latente potencia-
lidade, permitirá uma alterna-
tiva oferta aos habituais fluxos
da sazonalidade.
A mais desafiante missão
do projeto autárquico que te-
nho vindo a integrar, consiste
na promoção de estratégias
com impacto socioeconómi-
co, orientadas pelo reconhe-
cimento de diferenciadores
fatores de identidade local,
potenciáveis como vantagens
competitivas.
Na região algarvia, o turis-
mo constitui o principal gera-
dor económico, o “fim último”
da esmagadora maioria das
atividades público-privadas
desenvolvidas entre São Vicen-
te e o Guadiana. Numa região
estigmatizada pela massifica-
ção turística, e no âmbito de
um mercado extremamente
competitivo, a fórmula do ‘su-
cesso’ reside, necessariamente,
na qualidade e na diferencia-
ção da oferta.
Posto isto, e em suma, tor-
na-se essencial o profundo
conhecimento dos territórios
e das diversas realidades ne-
les existentes. A montante, a
investigação permitirá deli-
near os trilhos mais equili-
brados, minimizando o ine-
vitável impacto da fruição
turística e da partilha de um
inestimável bem comum,
promovendo-o tal como é,
sem perda da sua natural es-
sência diferenciadora.
O Concelho de Vila do Bis-
po, território extremo, peri-
férico e de baixa densidade,
tem vindo a cultivar a apro-
ximação, o diálogo e a cola-
boração entre as tutelas do
ambiente, da cultura e do
turismo, as universidades,
a comunidade científica, as
empresas de turismo de na-
tureza, hoteleiras e de restau-
ração, os técnicos municipais,
a comunidade local, as ativi-
dades tradicionais, os novos e
os mais velhos, o público em
geral, a sociedade…
Só assim faz sentido, só
assim será possível a sus-
tentável ‘exploração’ socio-
económica dos recursos pa-
trimoniais presentes neste
precioso recanto do mundo,
tido como naturalmente ex-
cecional, e por isso mesmo
cada vez mais procurado!
Ricardo Soares
Arqueólogo na Câmara
de Vila do Bispo
http://vila-do-bispo-arqueologi-
ca.blogspot.pt/
O Passado no Presente – estratégias de comunicação arqueológica
fotos: ricardo soares
O trilho certo dos Homens do Futuro – educação e sensibilização patrimonial

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Recursos Patrimoniais versus Sustentabilidade: o caso de Vila do Bispo (Ricardo Soares, Cultura Sul,79, 2015)

Patrimoniocultural
PatrimonioculturalPatrimoniocultural
Patrimoniocultural
Atividades Diversas Cláudia
 
Tópico 7. turismo
Tópico 7. turismoTópico 7. turismo
Tópico 7. turismo
Atividades Diversas Cláudia
 
Tópico 7. turismo
Tópico 7. turismoTópico 7. turismo
Tópico 7. turismo
Atividades Diversas Cláudia
 
Gastronomia
GastronomiaGastronomia
Gastronomia
laohu
 
Gastronomia
GastronomiaGastronomia
UFCD - Cp4 - Cidadania e Profissionalidade
UFCD - Cp4 - Cidadania e ProfissionalidadeUFCD - Cp4 - Cidadania e Profissionalidade
UFCD - Cp4 - Cidadania e Profissionalidade
Nome Sobrenome
 
RR-PI9-Vale_WEB
RR-PI9-Vale_WEBRR-PI9-Vale_WEB
Caderno tcc1 renato
Caderno tcc1 renatoCaderno tcc1 renato
Caderno tcc1 renato
Vanessa Goulart Dorneles
 
“Desenvolvimento local: Turismo, Melgaço e Vinho Alvarinho, estudo de caso.”
“Desenvolvimento local: Turismo, Melgaço e Vinho Alvarinho, estudo de caso.”“Desenvolvimento local: Turismo, Melgaço e Vinho Alvarinho, estudo de caso.”
“Desenvolvimento local: Turismo, Melgaço e Vinho Alvarinho, estudo de caso.”
Carina Venâncio
 
Centro interpretativo-salinas-porto-ingles
Centro interpretativo-salinas-porto-inglesCentro interpretativo-salinas-porto-ingles
Centro interpretativo-salinas-porto-ingles
EdsonTavares33
 
Turismo em espaço rural
Turismo em espaço ruralTurismo em espaço rural
Turismo em espaço rural
Joana Filipa Rodrigues
 
1604
16041604
1604
Pelo Siro
 
Competitividade Portuária, Modernidade Urbana
Competitividade Portuária, Modernidade Urbana Competitividade Portuária, Modernidade Urbana
Competitividade Portuária, Modernidade Urbana
Cláudio Carneiro
 
ALGUNS PASSOS NA TRANSPOSIÇÃO DA ESTREITA PONTE ENTRE HERANÇA CULTURAL E DESE...
ALGUNS PASSOS NA TRANSPOSIÇÃO DA ESTREITA PONTE ENTRE HERANÇA CULTURAL E DESE...ALGUNS PASSOS NA TRANSPOSIÇÃO DA ESTREITA PONTE ENTRE HERANÇA CULTURAL E DESE...
ALGUNS PASSOS NA TRANSPOSIÇÃO DA ESTREITA PONTE ENTRE HERANÇA CULTURAL E DESE...
Carolina Spinola
 
Patrimônio arqueológico e turismo: Proposições a respeito dos municípios de G...
Patrimônio arqueológico e turismo:Proposições a respeito dos municípios deG...Patrimônio arqueológico e turismo:Proposições a respeito dos municípios deG...
Patrimônio arqueológico e turismo: Proposições a respeito dos municípios de G...
Viegas Fernandes da Costa
 
Centro de interpretação de vila do bispo
Centro de interpretação de vila do bispoCentro de interpretação de vila do bispo
Centro de interpretação de vila do bispo
paulanapalma
 
Turismo Culinário em Portugal by NelsonCarvalheiro - Revista Turismo de Lisbo...
Turismo Culinário em Portugal by NelsonCarvalheiro - Revista Turismo de Lisbo...Turismo Culinário em Portugal by NelsonCarvalheiro - Revista Turismo de Lisbo...
Turismo Culinário em Portugal by NelsonCarvalheiro - Revista Turismo de Lisbo...
Nelson Carvalheiro
 
Paula rosa vítor
Paula rosa vítorPaula rosa vítor
Paula rosa vítor
MSamagaio
 
Apresentação
ApresentaçãoApresentação
Apresentação
cca
 
Expedição Histórica aos Inhamuns
Expedição Histórica aos InhamunsExpedição Histórica aos Inhamuns
Expedição Histórica aos Inhamuns
Andréa Saraiva
 

Semelhante a Recursos Patrimoniais versus Sustentabilidade: o caso de Vila do Bispo (Ricardo Soares, Cultura Sul,79, 2015) (20)

Patrimoniocultural
PatrimonioculturalPatrimoniocultural
Patrimoniocultural
 
Tópico 7. turismo
Tópico 7. turismoTópico 7. turismo
Tópico 7. turismo
 
Tópico 7. turismo
Tópico 7. turismoTópico 7. turismo
Tópico 7. turismo
 
Gastronomia
GastronomiaGastronomia
Gastronomia
 
Gastronomia
GastronomiaGastronomia
Gastronomia
 
UFCD - Cp4 - Cidadania e Profissionalidade
UFCD - Cp4 - Cidadania e ProfissionalidadeUFCD - Cp4 - Cidadania e Profissionalidade
UFCD - Cp4 - Cidadania e Profissionalidade
 
RR-PI9-Vale_WEB
RR-PI9-Vale_WEBRR-PI9-Vale_WEB
RR-PI9-Vale_WEB
 
Caderno tcc1 renato
Caderno tcc1 renatoCaderno tcc1 renato
Caderno tcc1 renato
 
“Desenvolvimento local: Turismo, Melgaço e Vinho Alvarinho, estudo de caso.”
“Desenvolvimento local: Turismo, Melgaço e Vinho Alvarinho, estudo de caso.”“Desenvolvimento local: Turismo, Melgaço e Vinho Alvarinho, estudo de caso.”
“Desenvolvimento local: Turismo, Melgaço e Vinho Alvarinho, estudo de caso.”
 
Centro interpretativo-salinas-porto-ingles
Centro interpretativo-salinas-porto-inglesCentro interpretativo-salinas-porto-ingles
Centro interpretativo-salinas-porto-ingles
 
Turismo em espaço rural
Turismo em espaço ruralTurismo em espaço rural
Turismo em espaço rural
 
1604
16041604
1604
 
Competitividade Portuária, Modernidade Urbana
Competitividade Portuária, Modernidade Urbana Competitividade Portuária, Modernidade Urbana
Competitividade Portuária, Modernidade Urbana
 
ALGUNS PASSOS NA TRANSPOSIÇÃO DA ESTREITA PONTE ENTRE HERANÇA CULTURAL E DESE...
ALGUNS PASSOS NA TRANSPOSIÇÃO DA ESTREITA PONTE ENTRE HERANÇA CULTURAL E DESE...ALGUNS PASSOS NA TRANSPOSIÇÃO DA ESTREITA PONTE ENTRE HERANÇA CULTURAL E DESE...
ALGUNS PASSOS NA TRANSPOSIÇÃO DA ESTREITA PONTE ENTRE HERANÇA CULTURAL E DESE...
 
Patrimônio arqueológico e turismo: Proposições a respeito dos municípios de G...
Patrimônio arqueológico e turismo:Proposições a respeito dos municípios deG...Patrimônio arqueológico e turismo:Proposições a respeito dos municípios deG...
Patrimônio arqueológico e turismo: Proposições a respeito dos municípios de G...
 
Centro de interpretação de vila do bispo
Centro de interpretação de vila do bispoCentro de interpretação de vila do bispo
Centro de interpretação de vila do bispo
 
Turismo Culinário em Portugal by NelsonCarvalheiro - Revista Turismo de Lisbo...
Turismo Culinário em Portugal by NelsonCarvalheiro - Revista Turismo de Lisbo...Turismo Culinário em Portugal by NelsonCarvalheiro - Revista Turismo de Lisbo...
Turismo Culinário em Portugal by NelsonCarvalheiro - Revista Turismo de Lisbo...
 
Paula rosa vítor
Paula rosa vítorPaula rosa vítor
Paula rosa vítor
 
Apresentação
ApresentaçãoApresentação
Apresentação
 
Expedição Histórica aos Inhamuns
Expedição Histórica aos InhamunsExpedição Histórica aos Inhamuns
Expedição Histórica aos Inhamuns
 

Mais de arqueomike

Algarve informativo #213
Algarve informativo #213Algarve informativo #213
Algarve informativo #213
arqueomike
 
Algarve informativo #211
Algarve informativo #211Algarve informativo #211
Algarve informativo #211
arqueomike
 
Trilho Ambiental do Castelejo
Trilho Ambiental do CastelejoTrilho Ambiental do Castelejo
Trilho Ambiental do Castelejo
arqueomike
 
Estação da Biodiversidade da Boca do Rio
Estação da Biodiversidade da Boca do RioEstação da Biodiversidade da Boca do Rio
Estação da Biodiversidade da Boca do Rio
arqueomike
 
Programa II Seminário Potencialidades de um Concelho - o Mar de Vila do Bispo
Programa II Seminário Potencialidades de um Concelho - o Mar de Vila do BispoPrograma II Seminário Potencialidades de um Concelho - o Mar de Vila do Bispo
Programa II Seminário Potencialidades de um Concelho - o Mar de Vila do Bispo
arqueomike
 
Programa
ProgramaPrograma
Programa
arqueomike
 
Fam trip omíada vila do bispo
Fam trip omíada vila do bispoFam trip omíada vila do bispo
Fam trip omíada vila do bispo
arqueomike
 
Folheto Rota Omíada
Folheto Rota OmíadaFolheto Rota Omíada
Folheto Rota Omíada
arqueomike
 
Rocha das Gaivotas, Sagres, Vila do Bispo
Rocha das Gaivotas, Sagres, Vila do BispoRocha das Gaivotas, Sagres, Vila do Bispo
Rocha das Gaivotas, Sagres, Vila do Bispo
arqueomike
 
Percurso Pedestre 'Pelas Encostas da Raposeira' (Vila do Bispo) - folheto (Vi...
Percurso Pedestre 'Pelas Encostas da Raposeira' (Vila do Bispo) - folheto (Vi...Percurso Pedestre 'Pelas Encostas da Raposeira' (Vila do Bispo) - folheto (Vi...
Percurso Pedestre 'Pelas Encostas da Raposeira' (Vila do Bispo) - folheto (Vi...
arqueomike
 
Lapa do Monte Francês, Sagres (NEUA, Espeleo Divulgação 5, 1986)
Lapa do Monte Francês, Sagres (NEUA, Espeleo Divulgação 5, 1986)Lapa do Monte Francês, Sagres (NEUA, Espeleo Divulgação 5, 1986)
Lapa do Monte Francês, Sagres (NEUA, Espeleo Divulgação 5, 1986)
arqueomike
 
Programa DiVam 2015 - Património Imaterial e Raízes Mediterrânicas
Programa DiVam 2015 - Património Imaterial e Raízes MediterrânicasPrograma DiVam 2015 - Património Imaterial e Raízes Mediterrânicas
Programa DiVam 2015 - Património Imaterial e Raízes Mediterrânicas
arqueomike
 
Ingrina - Sophia de Mello Breyner
Ingrina - Sophia de Mello BreynerIngrina - Sophia de Mello Breyner
Ingrina - Sophia de Mello Breyner
arqueomike
 
Contribuição para o conhecimento das Indústrias Mirenses de Vila Nova de M...
Contribuição para o conhecimento das Indústrias Mirenses de Vila Nova de M...Contribuição para o conhecimento das Indústrias Mirenses de Vila Nova de M...
Contribuição para o conhecimento das Indústrias Mirenses de Vila Nova de M...
arqueomike
 
BERNARDES, J. P.; MORAIS, R.; VAZ PINTO, I; GUERSCHMAN, J. (2014) - Colmeias ...
BERNARDES, J. P.; MORAIS, R.; VAZ PINTO, I; GUERSCHMAN, J. (2014) - Colmeias ...BERNARDES, J. P.; MORAIS, R.; VAZ PINTO, I; GUERSCHMAN, J. (2014) - Colmeias ...
BERNARDES, J. P.; MORAIS, R.; VAZ PINTO, I; GUERSCHMAN, J. (2014) - Colmeias ...
arqueomike
 
Sagres - o Promontorium Sacrum: uma petrificada paisagem sagrada (SOARES, R.,...
Sagres - o Promontorium Sacrum: uma petrificada paisagem sagrada (SOARES, R.,...Sagres - o Promontorium Sacrum: uma petrificada paisagem sagrada (SOARES, R.,...
Sagres - o Promontorium Sacrum: uma petrificada paisagem sagrada (SOARES, R.,...
arqueomike
 
BWF'2014 - Arqueologia
BWF'2014 - ArqueologiaBWF'2014 - Arqueologia
BWF'2014 - Arqueologia
arqueomike
 
Vila do Bispo Arqueológica
Vila do Bispo ArqueológicaVila do Bispo Arqueológica
Vila do Bispo Arqueológica
arqueomike
 
Notícia explicativa da Carta Geológica de Vila do Bispo (1979)
Notícia explicativa da Carta Geológica de Vila do Bispo (1979)Notícia explicativa da Carta Geológica de Vila do Bispo (1979)
Notícia explicativa da Carta Geológica de Vila do Bispo (1979)
arqueomike
 
Colmeias e outras produções de cerâmica comum do martinhal (bernardes, mor...
Colmeias e outras produções de cerâmica comum do martinhal (bernardes, mor...Colmeias e outras produções de cerâmica comum do martinhal (bernardes, mor...
Colmeias e outras produções de cerâmica comum do martinhal (bernardes, mor...
arqueomike
 

Mais de arqueomike (20)

Algarve informativo #213
Algarve informativo #213Algarve informativo #213
Algarve informativo #213
 
Algarve informativo #211
Algarve informativo #211Algarve informativo #211
Algarve informativo #211
 
Trilho Ambiental do Castelejo
Trilho Ambiental do CastelejoTrilho Ambiental do Castelejo
Trilho Ambiental do Castelejo
 
Estação da Biodiversidade da Boca do Rio
Estação da Biodiversidade da Boca do RioEstação da Biodiversidade da Boca do Rio
Estação da Biodiversidade da Boca do Rio
 
Programa II Seminário Potencialidades de um Concelho - o Mar de Vila do Bispo
Programa II Seminário Potencialidades de um Concelho - o Mar de Vila do BispoPrograma II Seminário Potencialidades de um Concelho - o Mar de Vila do Bispo
Programa II Seminário Potencialidades de um Concelho - o Mar de Vila do Bispo
 
Programa
ProgramaPrograma
Programa
 
Fam trip omíada vila do bispo
Fam trip omíada vila do bispoFam trip omíada vila do bispo
Fam trip omíada vila do bispo
 
Folheto Rota Omíada
Folheto Rota OmíadaFolheto Rota Omíada
Folheto Rota Omíada
 
Rocha das Gaivotas, Sagres, Vila do Bispo
Rocha das Gaivotas, Sagres, Vila do BispoRocha das Gaivotas, Sagres, Vila do Bispo
Rocha das Gaivotas, Sagres, Vila do Bispo
 
Percurso Pedestre 'Pelas Encostas da Raposeira' (Vila do Bispo) - folheto (Vi...
Percurso Pedestre 'Pelas Encostas da Raposeira' (Vila do Bispo) - folheto (Vi...Percurso Pedestre 'Pelas Encostas da Raposeira' (Vila do Bispo) - folheto (Vi...
Percurso Pedestre 'Pelas Encostas da Raposeira' (Vila do Bispo) - folheto (Vi...
 
Lapa do Monte Francês, Sagres (NEUA, Espeleo Divulgação 5, 1986)
Lapa do Monte Francês, Sagres (NEUA, Espeleo Divulgação 5, 1986)Lapa do Monte Francês, Sagres (NEUA, Espeleo Divulgação 5, 1986)
Lapa do Monte Francês, Sagres (NEUA, Espeleo Divulgação 5, 1986)
 
Programa DiVam 2015 - Património Imaterial e Raízes Mediterrânicas
Programa DiVam 2015 - Património Imaterial e Raízes MediterrânicasPrograma DiVam 2015 - Património Imaterial e Raízes Mediterrânicas
Programa DiVam 2015 - Património Imaterial e Raízes Mediterrânicas
 
Ingrina - Sophia de Mello Breyner
Ingrina - Sophia de Mello BreynerIngrina - Sophia de Mello Breyner
Ingrina - Sophia de Mello Breyner
 
Contribuição para o conhecimento das Indústrias Mirenses de Vila Nova de M...
Contribuição para o conhecimento das Indústrias Mirenses de Vila Nova de M...Contribuição para o conhecimento das Indústrias Mirenses de Vila Nova de M...
Contribuição para o conhecimento das Indústrias Mirenses de Vila Nova de M...
 
BERNARDES, J. P.; MORAIS, R.; VAZ PINTO, I; GUERSCHMAN, J. (2014) - Colmeias ...
BERNARDES, J. P.; MORAIS, R.; VAZ PINTO, I; GUERSCHMAN, J. (2014) - Colmeias ...BERNARDES, J. P.; MORAIS, R.; VAZ PINTO, I; GUERSCHMAN, J. (2014) - Colmeias ...
BERNARDES, J. P.; MORAIS, R.; VAZ PINTO, I; GUERSCHMAN, J. (2014) - Colmeias ...
 
Sagres - o Promontorium Sacrum: uma petrificada paisagem sagrada (SOARES, R.,...
Sagres - o Promontorium Sacrum: uma petrificada paisagem sagrada (SOARES, R.,...Sagres - o Promontorium Sacrum: uma petrificada paisagem sagrada (SOARES, R.,...
Sagres - o Promontorium Sacrum: uma petrificada paisagem sagrada (SOARES, R.,...
 
BWF'2014 - Arqueologia
BWF'2014 - ArqueologiaBWF'2014 - Arqueologia
BWF'2014 - Arqueologia
 
Vila do Bispo Arqueológica
Vila do Bispo ArqueológicaVila do Bispo Arqueológica
Vila do Bispo Arqueológica
 
Notícia explicativa da Carta Geológica de Vila do Bispo (1979)
Notícia explicativa da Carta Geológica de Vila do Bispo (1979)Notícia explicativa da Carta Geológica de Vila do Bispo (1979)
Notícia explicativa da Carta Geológica de Vila do Bispo (1979)
 
Colmeias e outras produções de cerâmica comum do martinhal (bernardes, mor...
Colmeias e outras produções de cerâmica comum do martinhal (bernardes, mor...Colmeias e outras produções de cerâmica comum do martinhal (bernardes, mor...
Colmeias e outras produções de cerâmica comum do martinhal (bernardes, mor...
 

Recursos Patrimoniais versus Sustentabilidade: o caso de Vila do Bispo (Ricardo Soares, Cultura Sul,79, 2015)

  • 1. www.issuu.com/postaldoalgarve 8.072 EXEMPLARES Mensalmente com o POSTAL em conjunto com o PÚBLICO ABRIL 2015 n.º 79 d.r. Recursos patrimoniais versus sustentabilidade: o caso de Vila do Bispo p. 10 FNAC: cada vez mais um pólo cultural p. 5 Panorâmica: d.r. Americanah, uma obra de Chimamanda Ngozi Adichie p. 4 d.r. Grande ecrã: 59 anos de cinema em Faro p. 3 Espaço Alfa: A paixão pelos retratos a preto e branco d.r. p. 7 d.r. Letras e Leituras: HerbertoHelder, in memoriam p. 11 d.r. Da minha biblioteca:
  • 2. 10.04.2015 10 Cultura.Sul Recursos patrimoniais versus sustentabilidade: o caso de Vila do Bispo Espaço ao Património No âmbito da minha ati- vidade enquanto arqueólo- go da Câmara Municipal de Vila do Bispo, partilho aqui algumas genéricas reflexões sobre o vastíssimo e particu- larmente atual tema da “ges- tão patrimonial”. Em boa verdade, trata-se de um depoimento estrita- mente pessoal, num modo de pensamentos “em voz alta”, com o qual apenas pretendo partilhar um certo “estado de alma” e algumas positivas experiências profissionais e sociais a barlavento, no ter- ritório da ‘sagrada finisterra vicentina’. Tempos de euforia turística e de feiras do património! Se por um lado atravessa- mos tempos particularmente difíceis – a crónica desculpa para uma ‘cultural’ carência de investimento na Cultura –, por outro, definem-se no horizon- te alguns sinais de positivas re- ações, nem sempre genuínas, mas ainda assim assinaláveis. Apregoa-se a racionalização dos recursos disponíveis e o investimento low budget, a va- lorização dos recursos endó- genos, o envolvimento social e a integração comunitária, a implementação de mode- los de gestão partilhada e de cooperação intermunicipal, a abertura à iniciativa privada... enfim! Todavia, reincide-se na perigosa tendência de se olhar o Património numa perspeti- va meramente económica, en- quanto recurso financeiro. Com isto, o Património lá vai dando “um ar da sua gra- ça”, surgindo amiúde ‘empa- cotado’, como oferta turística, sendo parcamente alimentado a migalhas, na expectativa da criação de uma salvadora, mas raramente profícua, “galinha dos ovos de ouro”... “só para inglês ver”! Material ou imaterial, o Pa- trimónio, enquanto legado de autenticidade natural e de identidade cultural, apre- senta-se, na prática, como um conceito demasiadamen- te abstrato, tendencialmente confundido com o património de ordem económica, quanti- ficável em valor, traduzível em retorno financeiro. Os tradicionais paradigmas civilizacionais e as clássicas po- laridades dos fluxos de viagens intercontinentais alteram-se globalmente. O velho conti- nente europeu apresenta-se hoje como um atraente novo mundo de (re)descobertas, massivamente procurado pelo seu longo passado, por um certo ‘exotismo’ cultural e pela aventura intercivilizacional. Ao sabor da mesma corren- te, Portugal vive uma verda- deira euforia turística, fruto do reconhecimento e procu- ra internacional de atraentes valores culturais de históricas cidades como Lisboa, Porto, Coimbra, Évora… A imateria- lidade cultural do fado, do cante e da dieta mediterrâni- ca encontra-se reconhecida no ‘panteão’ do Património Uni- versal. Surgem desconcertan- tes expressões como “feiras do património”. Santuários natu- rais, como os Açores, expõem- -se aos enxames dos low cost. O turismo cultural e o turismo de natureza estão na moda! Aos agentes culturais exige-se um certo “toque de Midas”, ou seja, a alquímica capacidade de transformar o Património em receita financeira. Se por um lado o turismo implica, inevitavelmente, um destrutivo impacto no Patri- mónio (sobretudo natural), por outro, o turismo poderá ser trabalhado como garante do próprio Património. Não se tratando de uma natural rela- ção simbiótica, o Património e o turismo podem conviver em harmónica valorização mútua. A fórmula do equilíbrio deve- rá residir na sustentabilidade! Entretanto, a montante, há que promover o conhecimen- to profundo e a investigação sistemática, a única via para a estabilidade da partilha – dig- nificar no presente um passa- do com futuro. Boas práticas de gestão patrimonial em Vila do Bispo No Algarve, a região de Vila do Bispo ainda preserva deter- minadas áreas intocadas pela ação humana, que, por tão genuínas e raras, são por isso bastante procuradas por visi- tantes de todo mundo, nelas reconhecendo a pureza da ori- ginal autenticidade da Nature- za. Porém, quando se trata de turismodenatureza,enquanto recurso dificilmente renovável, impõe-se uma decisiva formu- laçãoestratégica,maisumavez assente na sustentabilidade! Do ponto de vista cultural, as paisagens de Vila do Bispo também revelam interessan- tes e diversificados discursos antropogénicos, designada- mente arqueológicos, histó- ricos e etnográficos, muitos dos quais revestidos de apre- ciável monumentalidade. As paisagens constituem-se como palcos de realidades tão distintas como complemen- tares. A sua integrada leitura permitir-nos-á partilhá-las, de modo sustentável e sem pre- juízo para os diversos apon- tamentos nelas implantados: a biodiversidade, a geologia, as marcas paleontológicas, os vestígios arqueológicos, os monumentos históricos, os re- cursos do mar, as terras culti- vadas... a Cultura! O potencial do património vilabispense encontra-se am- plamente reconhecido e a sua procura já é uma indomada realidade. No sentido de uma prudente partilha de todo este complexo paisagístico, urge a sua aquilatada leitura e o seu efetivoconhecimento.Importa ordenar e educar a sua fruição, sob o risco da sua irreversível perda e vulgarização enquan- to extensão de uma região há muito descaracterizada. Num território substan- cialmente dependente do turismo, o estratégico desen- volvimento de diferenciados produtos de natureza e de cultura, pela sua diversidade, qualidade e latente potencia- lidade, permitirá uma alterna- tiva oferta aos habituais fluxos da sazonalidade. A mais desafiante missão do projeto autárquico que te- nho vindo a integrar, consiste na promoção de estratégias com impacto socioeconómi- co, orientadas pelo reconhe- cimento de diferenciadores fatores de identidade local, potenciáveis como vantagens competitivas. Na região algarvia, o turis- mo constitui o principal gera- dor económico, o “fim último” da esmagadora maioria das atividades público-privadas desenvolvidas entre São Vicen- te e o Guadiana. Numa região estigmatizada pela massifica- ção turística, e no âmbito de um mercado extremamente competitivo, a fórmula do ‘su- cesso’ reside, necessariamente, na qualidade e na diferencia- ção da oferta. Posto isto, e em suma, tor- na-se essencial o profundo conhecimento dos territórios e das diversas realidades ne- les existentes. A montante, a investigação permitirá deli- near os trilhos mais equili- brados, minimizando o ine- vitável impacto da fruição turística e da partilha de um inestimável bem comum, promovendo-o tal como é, sem perda da sua natural es- sência diferenciadora. O Concelho de Vila do Bis- po, território extremo, peri- férico e de baixa densidade, tem vindo a cultivar a apro- ximação, o diálogo e a cola- boração entre as tutelas do ambiente, da cultura e do turismo, as universidades, a comunidade científica, as empresas de turismo de na- tureza, hoteleiras e de restau- ração, os técnicos municipais, a comunidade local, as ativi- dades tradicionais, os novos e os mais velhos, o público em geral, a sociedade… Só assim faz sentido, só assim será possível a sus- tentável ‘exploração’ socio- económica dos recursos pa- trimoniais presentes neste precioso recanto do mundo, tido como naturalmente ex- cecional, e por isso mesmo cada vez mais procurado! Ricardo Soares Arqueólogo na Câmara de Vila do Bispo http://vila-do-bispo-arqueologi- ca.blogspot.pt/ O Passado no Presente – estratégias de comunicação arqueológica fotos: ricardo soares O trilho certo dos Homens do Futuro – educação e sensibilização patrimonial