SlideShare uma empresa Scribd logo
1
Guiado
fellowsgbPrograma Agente Social Good Brasil
apresenta:
Guia do Fellow SGB
3
Índice
AGRADECIMENTO
O QUE VOCÊS VÃO ENCONTRAR POR AQUI
SOBRE O SGB
CAPÍTULO 1 - O AGENTE SOCIAL GOOD BRASIL
O QUE É O AGENTE SGB?
OBJETIVO
O QUE NOS MOTIVOU A CRIAR ESSE PROGRAMA?
DIFERENCIAL
FORMATO
PILARES
FORMAÇÃO: ONLINE / PRESENCIAL
PARA QUEM
O QUE É SUCESSO PARA O AGENTE SGB?
A EDIÇÃO DO AGENTE SOCIAL GOOD EM 2017
CALENDÁRIO: 1A EDIÇÃO / 2A EDIÇÃO
CAPÍTULO 2 - FELLOWS SGB
O QUE É O PROGRAMA DE FELLOWSHIP SGB?
PAPEL DOS FELLOWS SGB
PROPOSTA DE VALOR PARA OS FELLOWS SGB
COMO ME PREPARAR?
COMO ENGAJAR OS AGENTES SGB?
COMO ORGANIZAR OS EVENTOS DE ABERTURA E ENCERRAMENTO DAS EDIÇÕES DO AGENTE SGB?
COMO REALIZAR O ACOMPANHAMENTO DO GRUPO DE AGENTES EM SUAS AÇÕES DE MÃO NA MASSA?
CAPÍTULO 3 - ENGAJAMENTO, FACILITAÇÃO E LIDERANÇA
ENGAJAMENTO
FACILITAÇÃO
4
5
6
8
9
9
9
10
10
10
11
11
12
12
12
14
15
15
16
16
17
18
26
30
31
33
4
AGRADECIMENTO
Parcerias - é isso que buscamos fazer no dia-dia de trabalho e nos projetos do SGB. Buscamos sempre parceiros que possam
somar suas expertises e transformar em algo novo, único e muito mais poderoso do que somente a soma das partes.
Agradecemos de coração a todos os Fellows SGB, que embarcaram neste sonho conosco e não mediram esforços para fazer
parte da rede SGB como o 1o time no Programa de Fellowship. “Vocês são inspiradores e nos fazem acreditar no poder do
protagonismo e inovação social para enfrentar os desafios sociais e ambientais que vivemos hoje em dia.
Fica aqui também um agradecimento especial ao casal Henrique e Florentine Vedana, fundadores da Manifesto 55 (conheça
mais em www.manifesto55.com) que colaboraram conosco com inspirações sobre engajamento, facilitação e liderança para
construir esse capítulo no guia <3
FLORENTINE VERSTEEG-VEDANA é facilitadora e empreendedora social.
Nasceu na Holanda, mas vive no Brasil desde 2009. Co-fundou a Hub Escola enquanto
esteve liderando projetos no Impact Hub São Paulo. Atua há mais de 10 anos no CISV,
onde passou os últimos três anos no Time de Gestão Global da ONG. Co-fundadora do
Manifesto 55.
HENRIQUE VERSTEEG-VEDANA é facilitador de processos de aprendizagem. Foi
presidentenacionaldaONGinternacionalAIESECnoBrasil.Depoisde3anosdeformação
na Kaospilot, na Dinamarca, voltou ao Brasil e hoje atua em processos de cocriação,
inovação organizacional e aprendizagem coletiva por todo o país. É co-fundador da
Manifesto 55.
5
Neste Guia do Fellow SGB vocês vão encontrar um panorama geral do Programa Agente Social Good Brasil, nossa aceleradora
de protagonismo social e um guia prático para que possam conduzir as ações dentro do Programa.
Como se preparar, engajar os agentes, organizar os eventos de abertura e encerramento das edições do agente SGB, realizar o
acompanhamento do grupo de agentes em suas ações de mão na massa, como avaliar o que foi feito e analisar o impacto gerado,
são alguns dos temas descritos neste material. Ainda exploramos aqui o universo da facilitação de grupos e a reflexão sobre a
nova liderança que emerge nos dias atuais.
#partiu
O QUE VOCÊS VÃO
ENCONTRAR POR AQUI:
6
SGB =
TECNOLOGIA +
INOVAÇÃO
SOLUÇÕES P/
PROBLEMAS
SOCIAIS
AUTO-REFLEXÃO
E NOVOS MODELOS
MENTAIS
FOCONO
USUÁRIO
EEMPATIA
PRESENÇA
E
VALORIZAÇÃO
DO
AMBIENTE
TECNOLOGIA
COMO FERRAMENTA
DE MUDANÇA
TENTATIVA
E
ERRO
PLANEJADO
CONEXÃOE
COLABORAÇÃO
EMPREENDEDORISMO DE IMPACTO
(SGB LAB+BOOSTCAMP)
PLATAFORMA+
DOCUMENTÁRIO
EVENTOS
INSPIRADORES
AGENTE SGB
SERVIÇOS
INSPIRAR
APOIAR
CONECTAR
CRIAR
COMPARTILHAR
COLABORAR
DIVERSIDADE
CON
ECTADO
À
REALIDADE
SOBRE O SGB
Nós do Social Good Brasil queremos fazer a diferença de forma diferente. E para isso criamos projetos que estimulam o
comportamento inovador e o uso das tecnologias para contribuir com a solução de problemas da sociedade.
7
“O que somos
juntos será
sempre
diferente e
mais do que
o que somos
sozinhos.”
Margaret Wheatley
8
Oagentesocial
goodbrasil
Capítulo 1
9
O Social Good Brasil adquiriu durante sua trajetória uma grande expertise em transformar ideias em projetos de sucesso. O
Agente Social Good Brasil é mais uma dessas apostas.
Esse novo projeto estimula ambientes de inovação e de uso de tecnologia para impacto social, que o SGB opera há 4 anos nos
seus projetos atuais, com foco nas pessoas como protagonistas e em todo o seu potencial humano e criativo.
Veja as principais informações sobre esse novo programa 0/
// O QUE É O AGENTE SGB?
É uma Aceleradora de Protagonismo Social, inspirada em aceleradoras de negócios e modelos de inovação, mas com foco nas
pessoas como protagonistas para o compartilhamento, colaboração e criação de iniciativas sociais por todo o Brasil.
// OBJETIVO:
Sensibilizar e aumentar o engajamento dessa nova geração na transformação social para contribuir com os objetivos globais
(www.globalgoals.org/pt/) de erradicação da pobreza, de combate a desigualdade, injustiça e de contenção das mudanças
climáticas.
>> O QUE NOS MOTIVOU A CRIAR ESSE PROGRAMA?
Ainda segundo a pesquisa relacionada a
política (http://sonhobrasileirodapolitica.
com.br/o-projeto/) , apenas 16% desses
jovens já estão engajados e criando novas
formas de atuar para além do voto. Ao
total, encontramos ainda 84% de jovens
dizendo se sentir à parte ou à deriva da
participação nas mudanças da sociedade,
sem saber por onde começar ou sem ter
ações concretas, mas que estão abertos
para agir indo em busca de experiências
realmente engajadoras e que promovam a
colaboração.
“O Social Good Brasil está atento ao pedido dos mais de 26 mi-
lhões de jovens brasileiros* que buscam fazer algo pelo coletivo
no dia-dia que esteja alinhado a um propósito maior e impacto
social. Os jovens querem fazer alguma coisa mas existe falta de
conhecimento e oportunidades sobre como contribuir de forma
mais ativa. Esses mesmos jovens são fluentes em mídias sociais
e sabem aproveitar essas ferramentas para organizar, mobilizar,
levantar recursos financeiros e se engajar com outros jovens.”
*Dados: Box 1824 O Sonho Brasileiro e O Sonho Brasileiro na
Política.
80% dos jovens sentem-se
chamados a fazer algo pela
mudança mas para isso
precisavam vencer 3 barreiras.
Não me sinto
agente de
transformação
(poder)
Dificuldade em
identificar a causa
(propósito)
Difícil ver o
resultado (futuro)
Capítulo 1  O Agente social good Brasil
10
Queremosportantoacelerarumcomportamentoprotagonistaedeagenteslivresdemudançanosjovens,mostrar(eexperienciar)
caminhos para ações de impacto social e diversas formas de atuação que estão mais alinhadas com os propósitos e valores das
novas gerações.
Percebemos que esse público, 100% nativos digitais e novas mídias, buscam novas formas de ação para a transformação social,
voltada a agentes livres, ativistas, líderes e mobilizadores. O comportamento desse público foi mudando e hoje querem assumir
um protagonismo e uma co-responsabilidade por serem agentes da mudança que querem para o mundo.
// DIFERENCIAL:
SerápioneironoBrasilaousaroconceitodosAgentesLivrescunhadoporBethKanter(www.bethkanter.org)ressignificando
o conceito de voluntariado no mundo das novas tecnologias, da colaboração e da exponencialidade.
// FORMATO:
O Programa ASGB será realizado uma parte online e outra presencial, terá duas edições por ano, com duração de 8 semanas
cada, incluindo conteúdos sobre as principais tendências de inovação social existentes e experiências práticas de mão na
massa em causas sociais que vão inspirar e transferir de forma original e disruptiva algumas das tendências que estão mudando
a forma de criar impacto social no mundo.
Serão realizados 2 encontros presenciais (no início e no fim do programa) organizados pelos Fellows SGB em suas cidades, onde
cada núcleo poderá receber em média 20 Agentes SGB.
// PILARES:
Oferecemos uma formação prática presencial e online que abordará os quatro pilares:
* Todas as iniciativas apoiadas ou criadas serão categorizadas entre os 17 objetivos do desenvolvimento sustentável (ODS),
permitindo ser visível a contribuição dos agentes para tais objetivos globais.
autoconhecimento conexão entre pares conhecimento sobre
inovação social
experiência mão na
massa
Capítulo 1  O Agente social good Brasil
11
// FORMAÇÃO:
O Agente Social Good Brasil trará uma soma das duas possibilidades de relacionamento com o público:
ONLINE
O canal online permitirá o acesso, democratização, criação, escala e ampliação das diferentes
vozes criando um ambiente (Plataforma EAD) para a troca de conhecimento sobre o campo social,
as tecnologias e as diferentes possibilidades de atuação nesse campo. Como? com curadoria de
conteúdos em diferentes formatos, espaço para interação e troca, bate papo com referências na
área sobre os principais temas de negócios sociais, nova economia, liderança inovadora e formas
de engajamento com o propósito de proporcionar mais clareza, skills, ferramentas e conhecimento
sobre inovação social.
PRESENCIAL
Os encontros presenciais de abertura e encerramento do programa promovem uma conexão mais
profundaentreaspessoas,fortalecendoosrelacionamentos,atrocaeosentimentodepertencimento
edegrupo,possibilitandoosparticipantescriaremumarededeapoiomútuo,colaboraçãoecocriação
e aumentando a proposta de valor do projeto como um todo.
Já a experiência prática de mão na massa será focada em formas inovadoras e de alto impacto
de atuação social, oportunizando criar ou apoiar iniciativas de impacto social, como por exemplo, criar microrrevoluções na sua
cidade ou intervenções urbanas por meio de mutirões ou flashmobs, ser voluntário ou mentor de iniciativas sociais existentes,
como ONGs, movimentos ou coletivos. A atuação é feita em equipes, os resultados são compartilhados e o feedback entre os
participantes faz parte da metodologia.
// PARA QUEM:
O programa foi desenhado para pessoas que:
•queremteracessoaconhecimento/conteúdorelevanteseatualizadossobreocamposocialesuaspossibilidadesdeatuação;
• querem fazer a diferença no mundo através de um trabalho alinhado ao seu propósito no mundo e para isso precisam de •
espaço e ferramenta de autoconhecimento e auto-realização;
• querem ter conexões / relacionamento com outras pessoas protagonistas (expansão da rede de contatos);
• querem ter oportunidade de fazer algo NA PRÁTICA impulsionando o mundo a ser um lugar melhor, podendo usar seus talentos
e know-how para criar e/ou apoiar iniciativas sociais.
A inovação principal do projeto é instigar a todo o momento o comportamento inovador como ferramenta de mudança, a
partir do despertar da confiança criativa e da empatia dos participantes, onde poderão ousar, cocriar e praticar tentativa e
erro para propor novas soluções para aquilo que desejam transformar, com o objetivo de diminuir a distância entre as ideias
e sua concretização no mundo real e a consequente geração de impacto social.
Capítulo 1  O Agente social good Brasil
12
// O QUE É SUCESSO PARA O AGENTE SGB?
• Número de pessoas protagonistas em ações de
transformação social
• Número de pessoas atuando na área social (que não
atuavam antes)
• Número de iniciativas/projetos apoiados e criados
• Se tornar uma referência de pessoas talentosas
para organizações no campo social em busca de
colaboradores/voluntários
// A EDIÇÃO DO AGENTE SOCIAL GOOD EM 2017 0/
Em 2017 lançaremos oficialmente o programa em duas edições ao ano, uma no 1o e outra no 2o semestre com a duração de 8
semanas cada.
// CALENDÁRIO AGENTE SGB 2017
“Se você se vê parte da mudança,
Quer criar ou apoiar um movimento, uma ONG, um
coletivo
Acredita que seu trabalho pode gerar impacto positivo
no mundo
E não tem medo de se desafiar …
Vem viver e causar transformação 0/
Vem ser um agente SGB.”
1ª EDIÇÃO
2ª EDIÇÃO
Inscrição na 1ª turma do ASGB 1ª turma do ASGB
1/02 a 31/03/2017 8/04 a 03/06/2017
08 ABR/17 03 JUN/17
Abertura Encerramento
Encontros Presenciais ASGB 2017 - 1ª turma:
Inscrição na 2ª turma do ASGB 2ª turma do ASGB
12/06 a 06/08/2017 19/08 a 14/10/2017
16 SET/17 11 NOV/17
Abertura Encerramento
Encontros Presenciais ASGB 2017 - 2ª turma:
* As datas das edições de 2017 poderão sofrer alterações e os Fellows serão informados com antecedência.
Capítulo 1  O Agente social good Brasil
13
“Não compare
seu começo
com o meio
de ninguém.
Mas comece, o
mundo precisa e
agradece.”
Fernanda Cabral | Imagina.vc
14
Fellowssgb
Capítulo 2
15
Capítulo 2  Fellows sgb
Para que essa formação se multiplique por todo o país a partir do próximo ano, criamos em 2016 o Programa de Fellowship do
Social Good Brasil, selecionando um time composto por 15 lideranças brasileiras que participarão de um treinamento inspirador
para se tornarem nossos representantes pelo Brasil afora 0/
Os Fellows SGB vão atuar no Programa Agente SGB e acompanhar o grupo de agentes na sua cidade, facilitando atividades
práticas e inspiradoras e contribuindo na engajamento, interação, mobilização e acompanhamento do grupo em cada núcleo.
O Programa de Fellowship foi criado para pessoas que:
“Os Fellows SGB serão os nossos Guardiãos do propósito do Agente SGB.”
// O QUE É O PROGRAMA DE FELLOWSHIP SGB?
Um programa de desenvolvimento de liderança, protagonismo e impacto social para mobilização e transformação social,
desenvolvido para aquelas pessoas que não operam mais no piloto automático. São transformadoras, inquietas, engajadas, com
propósito, inspiradoras e idealistas <3
// OBJETIVO:
Identificar,capacitareconectarpessoasdetodooBrasilpararepresentaroSGBeengajaroutraspessoasaseremprotagonistas
de novas maneiras de pensar e fazer a transformação social e ambiental na prática.
// PAPEL DOS FELLOWS SGB:
Envolvimento com o Social Good Brasil de novembro de 2016 à novembro de 2017.
• Os Fellows SGB 2016 comprometem-se durante o períodos de formação dos agentes SGB nas duas edições anuais:
• Identificar e atrair agentes para o Programa Agente em 2017
• Ser referência para os agentes como uma pessoa de apoio
• Organizar a logística dos dois encontros presenciais por edição e facilitá-los
• Dar feedback contínuo para a SGB sobre o Programa Agente SGB
• Publicar regularmente posts na plataforma sobre o andamento do programa na sua região / comunidade (relatório / status
report)
Queiram conhecer ou
praticar processos de
mudanças sistêmicas
Com interesse em
desenvolver liderança
participativa
Queiram ser guiadas
por propósitos
individuais em
harmonia com
propósitos coletivos
Querem ser parte da
própria solução
16
• Realizar o monitoramento e controle dos projetos desenvolvidos pelos Agentes (gerenciamento dos grupos e dos projeto)
• Realizar a avaliação dos agentes da sua região / comunidade
• Responder os questionários de avaliação referentes ao desenvolvimento e impacto das iniciativas criadas e/ou apoiadas pelo
grupo de agentes de seu núcleo.
*ÉimportantedestacarqueoSocialGoodBrasilvaiatuarfortementenoprocessodecomunicaçãoeengajamentodopúblicopara
participarem das duas edições no próximo ano, definindo os canais, desenvolvendo a campanha e estratégia de comunicação
com foco no público-alvo e na proposta de valor, colocando a campanha na rua e fechando uma estratégia de mobilização
da rede SGB para ajudar na divulgação da campanha em suas redes e ao final realizar processos de avaliação dos resultados
(conversões). Contaremos, no entanto, com o apoio massivo dos Fellows SGB para colaborarem na comunicação e engajamento
de suas redes locais para que possamos dar mais voz e acesso a todo o público brasileiro no programa Agente SGB.
// O QUE EU GANHO EM SER UM FELLOW SGB?
Além de atuar diretamente no programa Agente Social Good Brasil, para que sejam nossos representantes pelas cidades
e comunidades em diferentes partes do Brasil, possibilitando que milhares de pessoas façam parte dessa aceleradora de
protagonismo social, o que os Fellows ganham?
// COMO ME PREPARAR?
ParaqueosFellowsadquiramautonomiapararepresentaroAgenteSGBemsuascidades,desenhamosumtreinamentoexclusivo
online e presencial (esse será junto ao Festival SGB) em liderança e inovação social, para fomentar o autodesenvolvimento,
protagonismo e mobilização para transformação social. Será uma experiência incrível, de muitas trocas, reflexões e construção
coletiva.
Fazer parte da rede SGB Ser referência / inspirarV isibilidade através da
plataforma SGB
Receber um treinamento
exclusivo sobre Liderança e
Impacto Social
Desenvolvimento de
habilidades de liderança
Relacionar-se com coisas
que realmente tenham
impacto positivo
Conectar-se com outras
pessoas com as mesmas
causas
Ampliação da rede de
contatos
Acessar conteúdos de ponta sobre inovação social,
novos modelos mentais e comportamento inovador o
que os apoiará para suas escolhas futuras
independente da carreira
Participar de todo o Festival SGB (palestras,
workshops, momentos networking, acesso a
painelistas e parceiros do SGB e bastidores)
Capítulo 2  Fellows sgb
17
O estímulo a atuação em rede também contribui para que os Fellows se apoiem mutuamente e compartilhem suas experiências
e pedidos de ajuda.
// COMO ENGAJAR OS AGENTES SGB?
Será muito importante para o sucesso do Agente SGB ter o engajamento dos Fellows:
• na pesquisa de interesse e engajamento das suas redes de contato para participarem do programa;
• no apoio na divulgação, especialmente a nível local;
• na mobilização de parcerias, para que possamos juntos construir o sonho desta aceleradora de protagonismo social em
realidade.
Para engajar os agentes destacamos algumas sugestões:
8 semanas de
conteúdos na
plataforma online
3 dias de treinamento + palestras + workshops +
participação ativa no Festival SGB
“Ninguém empodera ninguém. O empoderamento vem de dentro, não de fora.
O máximo que um agente externo pode fazer é facilitar conversas e criar ambientes que estimulem a reflexão - e a
consequente mudança de consciência.
Se você se coloca na posição de que empoderar o outro, você automaticamente cria uma (anacrônica) relação de poder.
Tiago Mattos | Perestroika
Use suas redes
sociais - diversifique
os canais e procure
“conversar” com os
diferentes públicos;
Estabeleça parcerias com
organizações ou pessoas para
ajudarem a disseminar o
programa - ações conjuntas
sempre fortalecem e
engajam mais;
Organize rodas de conversa,
hangouts online, encontros
presenciais, palestras em
universidades ou empresas
para apresentar o
programa;
Use a criatividade,
compartilhe boas
práticas e peça ajuda
se precisar.
Capítulo 2  Fellows sgb
18
// COMO ORGANIZAR OS EVENTOS DE ABERTURA E ENCERRAMENTO DAS EDIÇÕES DO AGENTE SGB?
Antes de pensar em cada um dos eventos separadamente, veja algumas questões que valem tanto para o evento de abertura
como para o de encerramento.
As habilidades que esperamos contribuir nos agentes que passarem pela formação são:
// PRÉ EVENTO:
Antes de chegar o dia do evento é necessário que algumas coisas estejam bem alinhadas e articuladas, realizar um check list e
fazer uma agenda com a programação são pontos essenciais.
Listamos alguns pontos que precisam estar ok para que o evento ocorra:
LOCAL:olocalescolhidoparaoencontroprecisatersidopreviamentefechadoeacordadocomo(a)proprietário(a).Nodiaélegal
chegar cedo para abrir o espaço e organizar o ambiente. Verificar a disponibilidade de rede de internet, senhas, equipamentos de
áudio e vídeo são algumas atitudes que são importantes checar antes da data do evento.
MATERIAIS: Liste tudo o que será necessário adquirir para realizar os eventos, realize uma pesquisa de locais e preços e
adquira os materiais com antecedência. Em geral os itens mais utilizados para processos criativos com grupos são:
• canetas
• post its
• papel A4
• cartolina ou folhas de flip-chart
Autodesenvolvimento:
comportamento inovador
Protagonismo e liderança Multiplicadores de ações
de impacto positivo em
todos os setores
Pessoas com mais clareza, skills,
ferramentas e conhecimento sobre
inovação social
Aumento de repertório sobre formas
de engajamento e iniciativas de
impacto social
Rede colaborativa de Agentes Fortalecimento de uma nova cultura e
comportamento de protagonismo em rede
para ações sociais transformadoras
Com o tempo e experiência, fui percebendo que o espaço físico também “facilita” o processo, ele induz comportamentos
e atitudes. Um local bem arejado, bem iluminado, com cadeiras confortáveis e boa acústica traz bem-estar e favorece o
aprendizado, as boas conversas e facilita os diálogos mais difíceis.
Henrique Vedana | Manifesto 55
Capítulo 2  Fellows sgb
19
• hidrocor
• barbante
• cola
• tesouras
• revistas
• computador
• sistema de som
• projetor
COFFE-BREAK: É importante se certificar que está tudo ok com os alimentos e bebidas para poder disponibilizar aos
participantes:
1- Garantir que esteja tudo comprado para a data do evento ou se for entregue por um fornecedor, que o mesmo vai entregar na
hora e local correto.
2- Mesmo que seja um lanchinho simples, com café, biscoitinhos e água, você pode definir se deixará o tempo todo servido ou
se vai eleger um momento para colocá-los à mesa.
3- A pessoa de apoio para os eventos, será alguém importante para contribuir com a logística de servir e retirar o coffe, para
não tirar o tempo do Fellow durante a facilitação do encontro.
// DURANTE O EVENTO:
RECEPÇÃO DOS PARTICIPANTES: Da mesma forma quando recebemos visita em nossas casas, os Fellows serão os anfitriões
dos encontros e por isso devem se ligar:
1- Ao recepcionar o grupo de agentes. Pode ser interessante e útil disponibilizar uma placa na porta da sala ou na entrada do
local indicando que é o espaço onde vai acontecer o encontro para evitar que as pessoas fiquem perdidas, bem como enviar
previamente informações sobre como chegar no local (incluindo informações sobre transportes públicos ou estacionamentos
disponíveis) vão otimizar o tempo de chegada e bem estar de todos.
2- Na chegada procure acolher cada um que chegue, e pode ser disponibilizado um cantinho com materiais para que cada agente
produza uma etiqueta ou crachá com o seu nome.
FORMATO DA SESSÃO: Os encontros de abertura e encerramento possuem objetivos diferentes, conforme mostraremos a
seguir, no entanto, para qualquer um dos eventos, é possível “desenhar” uma sessão que contemple diferentes formatos:
1- Usar parte do tempo no início para que os participantes se apresentem;
2- Momento com informações ou teorias;
3- Dinâmicas de grupos (mais ou menos corporais dependendo do intuito da dinâmica);
4- Transmitir informações através de vídeos, utilizar músicas entre outros recursos são sempre bem vindos.
É importante ter a agenda previamente criada com o tempo previsto para cada momento. Nem sempre é possível realizar tudo o
que se previu porque cada grupo tem uma característica própria e utilizam mais ou menos tempo para cada atividade, porém é
papel do facilitador, cuidar e fazer a gestão do tempo sem interferir na qualidade da sessão.
Alerta: Outra questão que vale ser pensada SEMPRE é como fazer a gestão de risco. Ex: E se acabar a luz, como posso dar
continuidade às atividades? Se foi prevista uma atividade na rua, se chover o que farei?
Enfim, ter esses planos B em mente e entender que alguns improvisos fazem parte de processos de grupo.
Capítulo 2  Fellows sgb
20
//PÓS EVENTO:
CUIDADO COM O AMBIENTE: É muito importante agir com senso de comunidade e cuidar do espaço comum. Vale a pena
envolver o grupo de agentes na co-responsabilização do cuidado com o espaço onde acontecerão os encontros. São atitude
simples, como retornar as cadeiras para a configuração inicial, ajudar a guardar os materiais e etc.
DESPESAS: Alguns lugares que disponibilizam seu espaço free para a realização de eventos, pede uma taxa como ajuda de
custo para a limpeza, verifique como é e quanto custa esse serviço e certifique-se que deixou tudo acertado!
AGRADECIMENTO: Um email de agradecimento, um abraço ao vivo, um arranjo de flores, seja o que for, pense como é bacana
ser grato e reconhecer quem nos apóia <3
Relax: Os Fellows vão receber vales - limpeza, material e coffe-break em um valor estipulado para esses custos. O
procedimento de reembolso será realizado via depósito bancário, mediante comprovante de pagamento / nota fiscal.
Capítulo 2  Fellows sgb
21
// O ENCONTRO DE ABERTURA DO AGENTE SGB - PASSO A PASSO
OBJETIVO DESTE ENCONTRO:
• A apresentação inicial entre os participantes;
• Orientação sobre o Programa Agente SGB;
• Criação de um espaço de conexão e construção de rede de apoio e colaboração entre os agentes SGB;
• Desenvolver a capacidade para que os agentes possam se organizar em equipes para criar ou apoiar iniciativas de impacto
social.
Hora de acolher, de dar as primeiras orientações (agenda do dia), fazer os combinados (cumprimento dos horários, regras),
estabelecimento de um campo de confiança no processo e alinhamento de expectativas.
Aqui é onde tudo começa, onde na maioria das vezes, as pessoas se vêem pela primeira vez. Uma vez que as pessoas estão
reunidas, é útil sentar em círculo ( no chão ou em cadeiras) pois o círculo contribui para intensificar a energia do grupo, a
cooperação e aproxima emocionalmente os participantes a se descobrirem a partir de uma conversa. Um gesto de boas vindas
(pode ser um momento de silêncio, a leitura de um poema, uma música ou um toque de um sino), ajuda a mudar a intenção
do grupo do espaço social para espaço de conselho. Uma ferramenta que contribui com o círculo é o bastão da fala, pode ser
qualquer objeto. Enquanto alguém está com o bastão, ele tem a palavra e não é interrompido.
Nós vivíamos em pequenos grupos como nômades. O círculo se tornou a mãe de todas as nossas formas de organização -
os humanos começaram a sentar-se em círculo assim que tiveram o fogo para estar ao redor. Nós contávamos histórias,
realizávamosconselhosdossábioseresolvíamosproblemasdessaforma.Estaformaémuitoútilparaestimularareflexão,
contar histórias e estar juntos. O propósito está no centro - e é compartilhado.
Trecho extraído do Art of Hosting: www.artofhosting.org/pt-br
1 Ponto de partida ou boas vindas
Capítulo 2  Fellows sgb
22
Check-in: É a porta de entrada do individual para o coletivo, esse momento garante que as pessoas estão verdadeiramente
presentes, que chegaram e aterrissaram suas energias. O compartilhamento verbal, através de uma ou mais perguntas, ou de
uma breve história, ajuda a tecer a rede interpessoal do círculo.
Algumas sugestões de perguntas para o check in:
Cada um diz seu nome, pode dizer onde mora ou onde nasceu e responde uma ou mais perguntas como apresentamos abaixo:
• O que você traz para esse encontro
• O que você veio buscar neste encontro?
• Qual é a coisa mais importante que podemos fazer juntos para um mundo melhor?
• O que te move?
• O que te faz sentir vivo?
Você pode pensar em outras perguntas ou formas de realizar o check-in. O ideal é ter um tempo bom para esse momento. Porém,
você deve achar um equilíbrio entre o quanto a pessoa fala e o tempo que ela utiliza. Dependendo do número de participantes
esse tempo pode ser maior ou menor. Fique atento para a apresentação não consumir parte do tempo necessário para as outras
atividades. Em caso de pouco tempo, é possível realizar a mesma proposta de check-in em pequenos grupos simultaneamente,
em trios ou duplas. Ou pedir, nome, o que estuda ou trabalha e uma palavra para como está chegando, de forma mais objetiva.
Aqui nessa fase de preparação, é possível também utilizar alguma dinâmica de “quebra-gelo” para deixar os participantes mais
soltos e com a energia alta. Danças, jogos e/ou brincadeiras são as atividades mais utilizadas.
AQUI VAI UMA SUGESTÃO DE ATIVIDADE DE AQUECIMENTO: Dança da cadeira colaborativa
Diferente da dança das cadeiras a qual estávamos acostumados a brincar na infância, a dança das cadeiras na versão
cooperativa auxilia a despertar na equipe a união em prol de um objetivo comum, que nas organizações é o alcance da melhoria
de resultados. Essa nova proposta foi desenvolvida pelo CDCC (Centro de Divulgação Científica e Cultural – USP): ao final da
2 Momento inicial de apresentações
3 Ponto de partida ou boas vindas
Capítulo 2  Fellows sgb
23
música, ao invés de se tirar um participante que não tenha conseguido se sentar, retira-se uma cadeira, e todos continuam
participando, sentando-se um no colo do outro.
Quando se propõe uma atividade colaborativa como essa, nota-se nos participantes uma mudança de comportamento: num
primeiro momento eles são levados a identificar as atitudes individuais, para, na sequência, incorporar o comportamento
colaborativo. A diferença na forma como esses comportamentos se manifestam durante o jogo é bastante evidente. Para
explicar melhor, separamos os padrões de comportamento competitivo dos colaborativos e seus significados. Veja:
Padrões Competitivos
Ficar “colado” às cadeiras significa... visão de escassez
Ir todos na mesma direção significa... não assumir riscos
Ficar ligado na parada da música significa... preocupação / tensão
Dançar travado significa... bloqueio da personalidade
Ter pressa para sentar significa... medo de perder
Padrões Cooperativos
Ver as cadeiras como ponto de encontro significa... visão de abundância
Movimentar-se em todas as direções significa... flexibilidade, auto-mútua-confiança
Curtir a música significa... viver plenamente cada momento
Dançar livremente significa... ser a gente mesmo é LINDO!
Diferentemente de quando há um único ganhador, o único feliz com a vitória, a dança das cooperativa nos ensina que uma vitória
compartilhada e desfrutada por todos é a verdadeira conquista. Ao incentivar o fortalecimento do sujeito como membro do
grupo, é possível trabalhar o senso de pertencimento.
Comumaliderançacolaborativaecomapromoçãodevivênciascomoadançadascadeiras,épossíveldesafiaralógicaincômoda
da competição antiética e estimular o alcance das metas a partir da cooperação. Parece difícil, né? Mas funciona e muito.
Alerta: Essa foi somente uma sugestão, sintam-se livres para buscar outras dinâmicas para utilizar para esse
objetivo de quebrar as barreiras e conectar o grupo.
Relax: Vamos compartilhar alguns sites referências no final desse Guia que são boas fontes de ferramentas
práticas para utilizar em facilitações de grupos.
Capítulo 2  Fellows sgb
24
Aquivocêvaiprecisardegogó,poiséomomentomaisexpositivododia,ondeseránecessárioapresentarosprincipaisconceitos
e conduzir os participantes por uma discussão sobre o que significa ser um agente de transformação.
Esta etapa de um processo de facilitação de grupos requer do facilitador a observação do processo do grupo e manutenção da
energia para adaptar o ritmo e vibração das atividades se for necessário. Ex: se o grupo parece cansado e com baixa energia, é
possível trazê-los para uma participação mais interativa ou vibrante.
Alerta: gestão do tempo // esse cuidado é importante para não ficar extenso demais e muito cansativo.
Ao final faça uma rodada para tirar as principais dúvidas.
Relax: Os Fellows receberão do SGB esse material: apresentação + vídeo que chegará por email e será publicado
na plataforma online de conteúdos, com tempo hábil para todos possam estudar o conteúdo e a apresentação e
encontrar sua forma de transmiti-la.
Antes de apresentar a missão aos agentes é possível fazer uma rodada de brainstorm (tempestade de ideias) com a seguinte
pergunta norteadora:
Que mudanças queremos para a cidade?
Alerta: Aqui serão trazidos o que querem e não o como fazer.
Dê uns minutos para que anotem as principais ideias em post-its. Peça para que falem alto o que escreveram e colem em um
flip-chart.
4
Apresentação do Programa
Agente Social Good Brasil
5 Entrega da missão:
Capítulo 2  Fellows sgb
25
Dica: Você pode utilizar também um estacionamento de ideias para algumas falas bacanas que forem trazidas e
que possam não estar contempladas nos post-its.
A partir das problemáticas levantadas, selecionem em temáticas, como por exemplo: mobilidade, pertencimento dos espaços
públicos, limpeza das praias, empoderamento feminino … e eleja 5 temas que forem mais contemplados e escreva-os em folhas
de flip-chart, posicionando cada um dos temas em locais diferentes da sala.
Agoraconvideosagentesparaandarempelasala,observandoastemáticaseseposicionememfrenteaquelaqueelesgostariam
de criar ou apoiar uma ação.
A atividade só se encerra quando para cada uma das 5 temáticas tenham 4 agentes interessados em trabalhar naquele tema.
Os agentes podem mudar de ideia, mudar de tema, negociar com outros agentes, até que democraticamente todos sintam-se
confortáveis com o grupo / tema que ficaram.
AGORA COM OS GRUPOS FORMADOS, CHEGOU A HORA DE LANÇAR A MISSÃO AOS AGENTES: OS
AGENTES TERÃO A MISSÃO DE CRIAR OU APOIAR UMA MOBILIZAÇÃO PARA IMPACTO SOCIAL!
(5 grupos - 4 participantes)
#EUCRIO:os agentes identificarão algo que gostariam de melhorar ou resolver na sua comunidade, bairro, escola … e vão criar
uma mobilização que possa impactar positivamente essa realidade.
#EUAPOIO: os agentes identificarão uma organização social, coletivo ou movimento que necessite de apoio e vão apoiar
através de uma mobilização.
Atividade em grupo: Convide cada um dos grupos para discutir sobre o seu tema escolhido buscando o aprofundamento do
PROBLEMA QUE QUEREM RESOLVER e iniciando os primeiros passos do planejamento para realizar a missão.
Formato: é sugerido que eles trabalhem em mesas com folhas e canetas para deixarem a criatividade rolar e possam anotar os
principais pontos da conversa.
Tempo: 1 hora
Material de apoio: Guia de Mobilização para Impacto Social // vídeos // Outros materiais trazidos pelos Fellows
Os grupos de agentes deverão entregar ao Fellow as informações referentes as iniciativas a serem criadas ou apoiadas: segue
o endereço do formulário de inscrição para pedir que os agentes preencham durante este encontro.
Link: bit.ly/agentesgb
Dica:Peçaquedefinamaformaemqueelestrabalharãojuntosparaorganizaramissão,afrequênciadosencontros
… Sugira que cada grupo de agentes já saia com um canal definido e criado para a comunicação entre o grupo. Pode
ser um grupo em alguma rede social ou aplicativo de comunicação, um grupo de emails - o que eles entenderem
como mais eficaz para trabalharem em conjunto.
Alerta:Aofinaldaatividadeéimportanteabrirespaçoparaoquestionamento-Certifique-sequetodosentenderam
a demanda e que está claro os passos a serem seguidos dali em diante. De qualquer forma, mantenha-se aberto a
contribuir com dúvidas e ser uma ponte com o SGB no andamento da organização das ações.
Capítulo 2  Fellows sgb
26
Antes de encerrar pra valer promova mais um momento coletivo com todos os agentes juntos em círculo para que possam
refletirem sobre o que aconteceu.
Check-out: É o momento de compartilhar os aprendizados e sentimentos de como estão saindo deste dia. Você pode realizar
individualmente uma atividade de descarga mental, onde cada um escreve em um papel como esse encontro me desafiou, o que
aprendi, o que ficou faltando. E após esse momento, você pode sugerir que cada um fale apenas uma palavra que represente
seu sentimento naquele momento.
COMOREALIZAROACOMPANHAMENTODOGRUPODEAGENTESEMSUASAÇÕESDEMÃONAMASSA?
Mediar é diferente de ajudar - Mediar é incentivar, acompanhar isso promove a autonomia!
Você pode organizar interações online durante essas 8 semanas de formação para manter a interação do grupo de
agentes e contribuir nas dúvidas de uma forma coletiva, aproveitando a inteligência coletiva e o que cada agente
pode contribuir entre si.
Dica: Crie um grupo em alguma rede social ou aplicativo de comunicação para poder acompanhar o movimento.
É muito importante não dar as soluções de ‘mão beijada’; pois faz parte do processo passar por ‘crises’. Mas é
importante ter um canal para as trocas e interação entre todos os participantes, assim todos aprendem e evoluem
juntos de forma colaborativa.
Alerta: Se a missão escolhida envolver uma comunidade local: é importante identificar lideranças locais que
possam apoiar a intervenção e que possam fazer a ponte entre as pessoas do local e a equipe de agentes.
Você pode incentivar que os agentes busquem criar suas missões em datas que possibilitem a participação dos demais agentes
dos outros grupos, no entanto, talvez muitos dos grupos vão realizar nos mesmos dias e horário. A sua participação nas
execuções das missões também pode ser muito rica, sempre que possível.
6
Finalizando as atividades
do dia / despedida:
Capítulo 2  Fellows sgb
27
// O ENCONTRO DE ENCERRAMENTO DO AGENTE SGB - PASSO A PASSO
OBJETIVO DESTE ENCONTRO:
• Apresentação das iniciativas criadas ou apoiadas pelos agentes SGB;
• Feedbacks das ações criadas, aprendizados e próximos passos;
• Permitir uma avaliação da experiência e do programa como um todo;
• Garantir um espaço para a celebração.
1. INÍCIO: Novamente é importante iniciar este encontro com um momento de boas vindas e uma atividade em círculo de
check-in.
Algumas sugestões perguntas que podem ser utilizadas para este momento:
Como estou chegando para este encontro?
Qual o sentimento mais presente em mim nesses 2 meses de formação?
2. APRESENTAÇÃO DAS INICIATIVAS CRIADAS: Os grupos dos agentes serão convidados neste momento a
apresentarem (eles receberão um ppt padrão como modelo para inserir as informações) suas iniciativas para os demais.
Alerta: É importante que antes deste encontro os agentes já tenham enviado aos Fellows uma apresentação com
o resultado das mobilizações.
Estrutura da Apresentação dos Projetos dos Agentes
•abertura: chamar atenção para o que vão apresentar
• quem somos: equipe
•o que queremos resolver: o problema identificado // quem sofre // qual ODS representa
• descreva a solução: como resolveremos
•evolução: estágio atual
•projeção de impacto social: metas (médio prazo)
• fechamento: próximos passos
Tempo para cada apresentação: 30 min de exposição + 15 min para perguntas e feedbacks.
Técnicas para feedbacks: Você pode eleger para cada grupo que se apresenta um outro grupo para dar feedback. Aqui deve-
se ter cuidado para trazer pontos que sejam construtivos e não apenas criticar. Uma sugestão de formato para este feedback
pode ser:
Pedir ao grupo que está avaliando que aponte para o grupo que se apresentou
• Foi bom que (principais pontos positivos, o que foi muito legal)
• Seria bom se (principais pontos que poderiam ter sido diferente)
Capítulo 2  Fellows sgb
28
Dica: Ao final de todas as apresentações, não deixe de agradecer o empenho dos agentes e reforçar que estamos criando uma
rede de protagonistas, pessoas de todo o Brasil que querem transformar o que não vai bem sem esperar que essa mudança
necessariamente venha através do governo, das instituições …
3. AVALIAÇÃO E APRENDIZADOS: Aqui, o papel do facilitador é promover um espaço intencional para, junto daqueles
que participaram da missão, dividir os principais aprendizados e para apreciar a experiência. A ideia é explorar não só as
avaliações mentais, mas estimular a partilha dos sentimentos e sensações que brotaram durante o processo. Isso, somado à
partilha das dificuldades e desafios que vivenciaram, fará com que essas informações sejam processadas em grupo e facilitará
a incorporação dos aprendizados.
É imprescindível que este espaço acolha as expressões individuais resultantes da vivência; debates e questionamentos podem
ser deixados para depois. Algumas perguntas que podem ajudar:
• O que mudou em vocês depois de cumprirem a missão?
• O que foi mais surpreendente?
• Como se sentiram durante o processo?
• O que aprenderam com isso?
• O que vão levar daqui pra vida?
Avaliação qualitativa: Ainda no intuito de avaliar o processo (aqui vale desde o coffe-break, a facilitação do Fellow, aos
conteúdos, a experiência de mão na massa e etc) você pode deixar 3 envelopes médios colados nas paredes e em cada um
escreva:
• Que bom • Que pena • Que tal
Convideosagentesaescreveremempapéisesses3pontosecolocaremnosenvelopes.osagentespodemounãoseidentificarem.
Avaliação quantitativa: E em um outro envelope será realizada a Avaliação NPS: NPS é a sigla para Net Promoter Score: uma
metodologia criada em 2003 pela Bain & Company, para mensurar o quão bem as empresas estão lidando com seus clientes ou
pessoas com as quais interage, sendo usado para medir a satisfação de um público específico.
De forma simplificada, a avaliação é baseada na pergunta:
Sempre medida em uma escala de 0 a 10: “O quanto você nos recomendaria este programa para um amigo?”
Convide os agentes a escreverem a nota e colocar no envelope, da mesma forma, não sendo necessário se identificarem.
Alerta:OsdadosdasduasatividadesdeavaliaçãoserãocompiladaspelosFellowseenviadasparaacoordenadoradoPrograma
Agente SGB.
4.CELEBRAÇÃO: Tão importante quanto todos os processos anteriores, a celebração garante o nível de engajamento dos
participantes e fecha as atividades com uma energia bem alta e positiva.
Pode ser uma música, uma roda (jogos cooperativos), um abraço coletivo, um grito de guerra.
Capítulo 2  Fellows sgb
29
“Tem que fazer
mais do que
colocar a
palavra social
na frente das
coisas para
gerar uma
mudança.”
Kriss Degleimer
30
ENGAJAMENTO,
FACILITAÇÃO
ELIDERANÇA
Capítulo 3
31
// ENGAJAMENTO
Baseado em manifesto55.com/engajamento-ou-falta-dele-nas-empresas-e-nas-escolas
Engajamento é compromisso, é uma chamada, é uma responsabilidade. No dicionário da língua portuguesa, o verbo se refere
ao “ato de participar de modo voluntário para algum trabalho ou atividade”. Além de um compromisso, é algo que você escolhe
assumir.
E por quê engajamento é tão essencial? Vamos dar uma olhada. Nos ambientes organizacionais (empresas, governos e
organizações da sociedade civil), a situação não é nada animadora. Uma pesquisa global realizada pelo Grupo Gallup em 2011-
2012 revelou que apenas 13% dos funcionários no mundo todo estão de fato engajados, comprometidos com o seu trabalho. No
Brasil o número é um pouco maior, mas mesmo assim assustador, 27%.
Ou seja, mais de 70% dos trabalhadores no Brasil estão desengajados no seu dia-a-dia nas suas organizações. Isso significa
que eles provavelmente só vão ao trabalho por causa do salário no final do mês, ou para não serem demitidos e perder a fonte
de renda.
Segundo outro estudo, relevado em uma matéria recente da revista Exame, o engajamento foi apontado como melhor caminho
para se conseguir bons resultados em uma empresa. Essa foi a conclusão de uma pesquisa com 400 entrevistados, entre eles
muitos CEOs.
Engajamento nas escolas
Nos ambientes escolares, a situação não é muito diferente. A mais recente edição da Pesquisa
Internacional sobre Ensino e Aprendizagem (TALIS) traz novamente a questão da indisciplina
nos ambientes escolares. O Brasil é o país onde isso mais acontece, e o estudo aponta o maior
engajamento dos alunos como caminho para resolver essa questão. É visível hoje em dia ver jovens
indo para a escola porque se sentem obrigados a ir, fazendo o mínimo possível para passar de ano.
Engajamento nas organizações Engajamento nas empresas
Capítulo 3  engajamento, facilitação e liderança
32
Voltando ao significado do dicionário, mencionado anteriormente, uma palavra se destaca: voluntário. Ou seja, fazer algo por
motivações intrínsecas ao invés de extrínsecas. Para estarmos engajados em algo (trabalho, sala de aula, brincadeira com
nossos filhos), precisamos nos comprometer com isso de forma voluntária. E aqui está a grande sacada, ou o detalhe que
poucos pensam a respeito.
Quantos funcionários numa empresa vão trabalhar com o sorriso no rosto, na expectativa de um dia intenso e cheio de
experiências desafiadoras, de forma ‘voluntária’? Quantos alunos curtem as aulas na escola ou na universidade sem pensar
nas provas no final do semestre? Quantos de nós acordamos plenos de manhã cedo, sem precisar do despertador (e a função
‘soneca’)? O quão engajados estamos com o processo criativo de viver nossa própria vida?
Antes de fundarmos a Manifesto 55, tivemos experiências muito impactantes com trabalho voluntário em organizações não-
governamentais (ONGs), tanto como voluntários em causas sociais e ambientais, mas também como gestores e líderes de
organizações de voluntários em escala nacional e internacional. Ao entender o que motiva essas pessoas a dedicar seu tempo,
energia, talento e recursos sem receber dinheiro em troca, fomos percebendo alguns padrões.
Acreditamos que o caminho para chegarmos ao engajamento passa pela conexão e autonomia.
A consequência desse engajamento são pessoas protagonistas, líderes de si, capazes de levar intenção e criatividade em tudo
o que fazem.
Uma coisa é clara: pessoas desengajadas podem até ser responsáveis no seu cotidiano, conseguem fazer o que é esperado
delas (explícita ou implicitamente) e algumas o fazem de forma bem feita. Mas apenas pessoas engajadas conseguem trazer
curiosidade, dedicação e paixão para o seu dia-a-dia. Não apenas no trabalho ou na escola, mas em tudo o que fazem.
manifesto55.com/por-uma-educacao-mais-protagonista
manifesto55.com/aprendizagem-experiencial-por-que-e-tao-importante-para-adultos
As pessoas buscam hoje, mais do que nunca, um significado e uma relevância no que fazem, ao mesmo tempo querem
contribuir e querem se desenvolver, querem liberdade e querem fazer parte de algo com propósito.
Capítulo 3  engajamento, facilitação e liderança
33
// FACILITAÇÃO
Baseado no artigo manifesto55.com/o-que-e-facilitacao-e-para-o-que-serve e publicado sob permissão da Manifesto 55.
A palavra ‘facilitação’ vem aparecendo cada vez mais, nos mais variados ambientes, desde empresas até projetos sociais, ou
na área de educação. Como promovedor do engajamento, a facilitação é vista como um dos novos jeitos de liderar pessoas
e ensinar. Significa que você, como professor ou gestor de equipes, organiza as conversas e aulas num jeito mais engajador
ao fazer perguntas, estimular o diálogo, escutar com empatia, e pensar sobre atividades que deixam as pessoas refletirem e
criarem as próprias respostas. Mas, facilitação é muito mais do que isso, é um jeito de lidar e pensar que trata com pessoas de
um jeito inspirador, ao olhar com atenção o público que está facilitando.
Em um mundo cada vez mais complexo, é cada vez mais raro encontrar situações onde uma pessoa só tem todas as respostas,
dando ‘ordens’ para o resto; seja um professor ou um chefe. Isso limita o crescimento da equipe e a qualidade das decisões
acabamsendoprejudicadas.Aparticipaçãodetodospassaasernecessáriaparacriarsoluçõesinovadorasesustentáveis.Senso
de propriedade e engajamento são necessários para estimular pessoas a fazer o trabalho e para aprender. O líder facilitador se
coloca a serviço da equipe o do grupo.
Facilitação tem a ver com entender e guiar pessoas nos processos de aprendizagem e nos processos de tomada de decisão e
resolução de problemas. Além disso, facilitação busca criar engajamento, inclusão, propriedade, troca de conhecimento e ajuda
pessoas e grupos a crescerem. A facilitação incentiva a colaboração e mantém um grupo focado e engajado. O facilitador se
posiciona como um igual, embora tenha um papel diferenciado, mas buscando entender e guiar as pessoas.
Afacilitaçãotambémfuncionadeformaeficazparaconectardiferentesatoresnabuscadesoluçõesparaproblemascomplexos.
Como por exemplo, como implementar em todos os municípios brasileiros a coleta de resíduos sólidos, ou como construir junto
com os professores a nova Base Curricular Comum da Educação Brasileira?
Mas como explicar facilitação em uma frase só? O significado de facilitação no dicionário é algo assim: ação ou efeito de
facilitar (descomplicar). Literalmente é isso mesmo, descomplicar conteúdo, conflitos, problemas e decisões para ajudar o
processo de aprender, resolver e decidir. Mas facilitação é também um jeito de pensar e atuar. Facilitação é fazer as perguntas
certas para as pessoas certas nos momentos certos.
As perguntas certas
Perguntas formam a base de facilitação e são a ferramenta principal do facilitador. Uma pergunta
certa guia reflexões e cria propriedade de conteúdo, aprendizagens e decisões. Como facilitador
você oferece menos o conteúdo, e foca mais no processo de criação do conteúdo pelo grupo e
estimula a participação, ao fazer as perguntas certas. O processo de criar boas perguntas é uma
parte essencial da preparação de qualquer sessão facilitada.
Capítulo 3  engajamento, facilitação e liderança
34
As pessoas certas
Ao dizer ‘pessoas certas’ não quer dizer que existem ‘pessoas erradas’, mas significa que tem-se
que garantir que todos os envolvidos estejam representados na sala; os públicos diferentes que
fazem parte de um conflito, as representes (os representantes) de grupos que estão envolvidos
numa decisão, etc. Além disso é importante olhar para todas as pessoas presentes e entender bem
o contexto e a realidade delas. Quais são suas histórias? Quais são os contextos? Como você pode
lidar com isso? Facilitação é isso: olhar sempre, em primeiro lugar, para as pessoas presentes.
Os momentos certos
Todos os grupos passam por um processo de desenvolvimento coletivo. Desde o primeiro contato
até o momento de celebração ou encerramento. Além disso, cada grupo tem indivíduos com
necessidades diferentes, que podem atrapalhar ou ajudar o processo. O papel da facilitação é
olhar o momento do grupo e os momentos individuais das pessoas, para decidir quais ações podem
ajudar melhor o processo, a cada momento.
QUATRO PASSOS PARA DESENHAR SESSÕES E INTERVENÇÕES:
Ao pensar em sessões facilitadas, treinamentos, ou mesmo encontros criativos, leve em consideração esses 4 passos:
Passo 1: o olhar-macro (comece sempre pelo porquê)
• Quais são as necessidades que tornam esse workshop/treinamento relevante? Por quê realizá-lo?
• Qual o propósito desse workshop? Treinamento (transmissão de informações), tomada de decisão, resolução de um conflito
ou gerar novas possibilidades (processo criativo)?
• Quais os objetivos específicos e os resultados desejados?
• Por fim, quem são os “atores” envolvidos e os participantes presentes?
Passo 2: os arcos de processo
Imaginequetodaaintervenção,deumaformageral,podeservistacomoumgrandearco,compostodetrêsestágios:preparação,
sustentação e aterrissagem.
Preparação Aterrisagem
Sustentação
Capítulo 3  engajamento, facilitação e liderança
35
Preparação: nessa fase inicial de qualquer processo, o objetivo é garantir clareza de propósito, definição de regras
e combinados, gerar confiança no processo e alinhar expectativas.
Sustentação: nessa fase o facilitador está observando atentamente o grupo, gerindo o tempo disponível, mantendo
a energia do grupo, fazendo ajustes e mudanças no seu estilo de facilitação, de acordo com o contexto e o grupo.
Aterrissagem: nessa fase final do processo, o importante é garantir que o grupo e os participantes “cheguem” ao
destino, que eles tenham a sensação e a compreensão do que ocorreu e como eles saem do processo. Reflexão,
avaliação, documentação dos resultados e aprendizagens, ancoragem e celebração são alguns elementos que
podem ajudar nesse objetivo.
Passo 3: escolha das ferramentas
Nesse momento (e não antes), abrimos nossa “caixa de ferramentas” e vemos o que temos no nosso portifólio, ou pesquisamos
diferentes atividades e metodologias que podem nos apoiar.
Preparação: quebra-gelos (jogos, danças, brincadeiras), dinâmicas de apresentação ou check-in, exercícios de
“clima” (respiração, meditação, reflexão) ou mesmo entrevistas prévias com os participantes.
Sustentação: ferramentas de diálogo (por exemplo World Cafe, painel, círculo, aquário, etc), jogos, simulações
ou exercícios de role-play, metodologias específicas (como design thinking or democracia profunda), aporte de
conteúdo e processos de votação.
Aterrissar: dinâmicas de feedbacks, avaliação (do resultado, do processo), colheita/facilitação gráfica, check-out.
Passo 4: os detalhes
Ao final, 4 pontos essenciais que pode fazer toda a diferença:
• Ter consciência do tempo disponível e planejar de acordo (com tempo de sobra);
• Materiais de papelaria necessários para as atividades e o número de participantes
• Espaço físico adequado e organização da mobília no espaço
• Gestão de riscos (pensar no que pode dar errado e como proceder) / Planos B.
Capítulo 3  engajamento, facilitação e liderança
36
sgb.org.br/sgb-fellow

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Relatório SGB 2017 - edição de 5 anos
 Relatório SGB 2017 - edição de 5 anos  Relatório SGB 2017 - edição de 5 anos
Relatório SGB 2017 - edição de 5 anos
Social Good Brasil
 
Empreendedorismo na Era Tecnológica: Empreendedorismo x Empreendedorismo Soci...
Empreendedorismo na Era Tecnológica: Empreendedorismo x Empreendedorismo Soci...Empreendedorismo na Era Tecnológica: Empreendedorismo x Empreendedorismo Soci...
Empreendedorismo na Era Tecnológica: Empreendedorismo x Empreendedorismo Soci...
Tecnologia e Mídias Digitais, PUC
 
Impacto do SGB Lab - Edições 2013, 2014 e 2015
Impacto do SGB Lab - Edições 2013, 2014 e 2015Impacto do SGB Lab - Edições 2013, 2014 e 2015
Impacto do SGB Lab - Edições 2013, 2014 e 2015
Social Good Brasil
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Realidade Social
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Realidade SocialAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Realidade Social
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Realidade Social
Prof. Leonardo Rocha
 
Relatório SGB Lab - 2013 e 2014
Relatório SGB Lab - 2013 e 2014Relatório SGB Lab - 2013 e 2014
Relatório SGB Lab - 2013 e 2014
Social Good Brasil
 
Empreendedorismo Social: é hora de começar
Empreendedorismo Social: é hora de começarEmpreendedorismo Social: é hora de começar
Empreendedorismo Social: é hora de começar
Felipe Carvalho
 
Relatório Social Good Brasil 2014
Relatório Social Good Brasil 2014Relatório Social Good Brasil 2014
Relatório Social Good Brasil 2014
Social Good Brasil
 
Empreendedores Sociais
Empreendedores SociaisEmpreendedores Sociais
Empreendedores Sociais
Ma Rina
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Terceiro Setor
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Terceiro SetorAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Terceiro Setor
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Terceiro Setor
Prof. Leonardo Rocha
 
Empreendedorismo social
Empreendedorismo socialEmpreendedorismo social
Empreendedorismo social
Tânia Lucas
 
Inovação para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentáveis
Inovação para os Objetivos de Desenvolvimento SustentáveisInovação para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentáveis
Inovação para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentáveis
Social Good Brasil
 
Apresentação Minha Sampa
Apresentação Minha Sampa Apresentação Minha Sampa
Apresentação Minha Sampa
Renato Guimaraes
 
Empreendedorismo Social
Empreendedorismo SocialEmpreendedorismo Social
Empreendedorismo Social
Sara Levy
 
Mude, Você, o Mundo: o poder do empreendedorismo social
Mude, Você, o Mundo: o poder do empreendedorismo socialMude, Você, o Mundo: o poder do empreendedorismo social
Mude, Você, o Mundo: o poder do empreendedorismo social
Gabriel Cardoso
 
Apost elaborprojpromsocial
Apost elaborprojpromsocialApost elaborprojpromsocial
Apost elaborprojpromsocial
Antonio Carlos Rocha
 
Geração Y e o Mundo Corporativo
Geração Y e o Mundo CorporativoGeração Y e o Mundo Corporativo
Geração Y e o Mundo Corporativo
TR Consulting
 
Empreendedorismo social no Brasil - Heiko Spitzeck
Empreendedorismo social no Brasil - Heiko SpitzeckEmpreendedorismo social no Brasil - Heiko Spitzeck
Empreendedorismo social no Brasil - Heiko Spitzeck
Fundação Dom Cabral - FDC
 
Empreendedorismo social é para você?
Empreendedorismo social é para você?Empreendedorismo social é para você?
Empreendedorismo social é para você?
Criativa EaD
 
CAIS - Centro de Apoio à Inovação Social 2013
CAIS - Centro de Apoio à Inovação Social 2013CAIS - Centro de Apoio à Inovação Social 2013
CAIS - Centro de Apoio à Inovação Social 2013
ICom - Instituto Comunitário Grande Florianópolis
 
Mude, Você, o Mundo: o poder dos negócios sociais!
Mude, Você, o Mundo: o poder dos negócios sociais!Mude, Você, o Mundo: o poder dos negócios sociais!
Mude, Você, o Mundo: o poder dos negócios sociais!
Gabriel Cardoso
 

Mais procurados (20)

Relatório SGB 2017 - edição de 5 anos
 Relatório SGB 2017 - edição de 5 anos  Relatório SGB 2017 - edição de 5 anos
Relatório SGB 2017 - edição de 5 anos
 
Empreendedorismo na Era Tecnológica: Empreendedorismo x Empreendedorismo Soci...
Empreendedorismo na Era Tecnológica: Empreendedorismo x Empreendedorismo Soci...Empreendedorismo na Era Tecnológica: Empreendedorismo x Empreendedorismo Soci...
Empreendedorismo na Era Tecnológica: Empreendedorismo x Empreendedorismo Soci...
 
Impacto do SGB Lab - Edições 2013, 2014 e 2015
Impacto do SGB Lab - Edições 2013, 2014 e 2015Impacto do SGB Lab - Edições 2013, 2014 e 2015
Impacto do SGB Lab - Edições 2013, 2014 e 2015
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Realidade Social
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Realidade SocialAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Realidade Social
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Realidade Social
 
Relatório SGB Lab - 2013 e 2014
Relatório SGB Lab - 2013 e 2014Relatório SGB Lab - 2013 e 2014
Relatório SGB Lab - 2013 e 2014
 
Empreendedorismo Social: é hora de começar
Empreendedorismo Social: é hora de começarEmpreendedorismo Social: é hora de começar
Empreendedorismo Social: é hora de começar
 
Relatório Social Good Brasil 2014
Relatório Social Good Brasil 2014Relatório Social Good Brasil 2014
Relatório Social Good Brasil 2014
 
Empreendedores Sociais
Empreendedores SociaisEmpreendedores Sociais
Empreendedores Sociais
 
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Terceiro Setor
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Terceiro SetorAula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Terceiro Setor
Aula de Empreendedorismo Social Unibrasil - Terceiro Setor
 
Empreendedorismo social
Empreendedorismo socialEmpreendedorismo social
Empreendedorismo social
 
Inovação para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentáveis
Inovação para os Objetivos de Desenvolvimento SustentáveisInovação para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentáveis
Inovação para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentáveis
 
Apresentação Minha Sampa
Apresentação Minha Sampa Apresentação Minha Sampa
Apresentação Minha Sampa
 
Empreendedorismo Social
Empreendedorismo SocialEmpreendedorismo Social
Empreendedorismo Social
 
Mude, Você, o Mundo: o poder do empreendedorismo social
Mude, Você, o Mundo: o poder do empreendedorismo socialMude, Você, o Mundo: o poder do empreendedorismo social
Mude, Você, o Mundo: o poder do empreendedorismo social
 
Apost elaborprojpromsocial
Apost elaborprojpromsocialApost elaborprojpromsocial
Apost elaborprojpromsocial
 
Geração Y e o Mundo Corporativo
Geração Y e o Mundo CorporativoGeração Y e o Mundo Corporativo
Geração Y e o Mundo Corporativo
 
Empreendedorismo social no Brasil - Heiko Spitzeck
Empreendedorismo social no Brasil - Heiko SpitzeckEmpreendedorismo social no Brasil - Heiko Spitzeck
Empreendedorismo social no Brasil - Heiko Spitzeck
 
Empreendedorismo social é para você?
Empreendedorismo social é para você?Empreendedorismo social é para você?
Empreendedorismo social é para você?
 
CAIS - Centro de Apoio à Inovação Social 2013
CAIS - Centro de Apoio à Inovação Social 2013CAIS - Centro de Apoio à Inovação Social 2013
CAIS - Centro de Apoio à Inovação Social 2013
 
Mude, Você, o Mundo: o poder dos negócios sociais!
Mude, Você, o Mundo: o poder dos negócios sociais!Mude, Você, o Mundo: o poder dos negócios sociais!
Mude, Você, o Mundo: o poder dos negócios sociais!
 

Destaque

Misión visiòn
Misión   visiònMisión   visiòn
Misión visiòn
Gisselle Leòn
 
Bandar masa depan
Bandar masa depanBandar masa depan
Bandar masa depan
zuhaira nasrin mohamed zin
 
Cola or water
Cola or waterCola or water
Cola or water
agoramadrid1eso
 
Responsabilidad Social Empresarial
Responsabilidad Social EmpresarialResponsabilidad Social Empresarial
Responsabilidad Social Empresarial
Johannie Graterol Mendoza
 
Tarea profe. rogelio
Tarea profe. rogelioTarea profe. rogelio
Tarea profe. rogelio
Brendizz Lopez
 
Changes of the egg
Changes of the eggChanges of the egg
Changes of the egg
agoramadrid1eso
 
Creative Provocations Ruth White 13-07-16
Creative Provocations Ruth White 13-07-16Creative Provocations Ruth White 13-07-16
Creative Provocations Ruth White 13-07-16
MIRIADonline
 
Kemapanan bandar anda
Kemapanan bandar andaKemapanan bandar anda
Kemapanan bandar anda
zuhaira nasrin mohamed zin
 
sistema de salud en chile
sistema de salud en chile sistema de salud en chile
sistema de salud en chile
Sofi Bórquez Fernández
 
Superficial tensión
Superficial tensiónSuperficial tensión
Superficial tensión
agoramadrid1eso
 
Bouncing eggs
Bouncing eggsBouncing eggs
Bouncing eggs
agoramadrid1eso
 
Diapositiva victor
Diapositiva victorDiapositiva victor
Diapositiva victor
vr09238
 
Ph reactions
Ph reactionsPh reactions
Ph reactions
agoramadrid1eso
 
Johannie graterol m 726
Johannie graterol m 726Johannie graterol m 726
Johannie graterol m 726
Johannie Graterol Mendoza
 
Cáncer cervicouterino
Cáncer cervicouterinoCáncer cervicouterino
Cáncer cervicouterino
Alfredo Flores
 
Floating eggs
Floating eggsFloating eggs
Floating eggs
agoramadrid1eso
 
Silabo evaluacion educativa pato tobar
Silabo evaluacion educativa pato tobarSilabo evaluacion educativa pato tobar
Silabo evaluacion educativa pato tobar
Gisselle Leòn
 
Oil and gas 4 slides
Oil and gas 4 slidesOil and gas 4 slides
Oil and gas 4 slides
Ilyas Mussin
 
Are lentils alive
Are lentils aliveAre lentils alive
Are lentils alive
agoramadrid1eso
 
Impactodelastecnologasennuestroentorno 160927183412
Impactodelastecnologasennuestroentorno 160927183412Impactodelastecnologasennuestroentorno 160927183412
Impactodelastecnologasennuestroentorno 160927183412
Gustavo Salgado
 

Destaque (20)

Misión visiòn
Misión   visiònMisión   visiòn
Misión visiòn
 
Bandar masa depan
Bandar masa depanBandar masa depan
Bandar masa depan
 
Cola or water
Cola or waterCola or water
Cola or water
 
Responsabilidad Social Empresarial
Responsabilidad Social EmpresarialResponsabilidad Social Empresarial
Responsabilidad Social Empresarial
 
Tarea profe. rogelio
Tarea profe. rogelioTarea profe. rogelio
Tarea profe. rogelio
 
Changes of the egg
Changes of the eggChanges of the egg
Changes of the egg
 
Creative Provocations Ruth White 13-07-16
Creative Provocations Ruth White 13-07-16Creative Provocations Ruth White 13-07-16
Creative Provocations Ruth White 13-07-16
 
Kemapanan bandar anda
Kemapanan bandar andaKemapanan bandar anda
Kemapanan bandar anda
 
sistema de salud en chile
sistema de salud en chile sistema de salud en chile
sistema de salud en chile
 
Superficial tensión
Superficial tensiónSuperficial tensión
Superficial tensión
 
Bouncing eggs
Bouncing eggsBouncing eggs
Bouncing eggs
 
Diapositiva victor
Diapositiva victorDiapositiva victor
Diapositiva victor
 
Ph reactions
Ph reactionsPh reactions
Ph reactions
 
Johannie graterol m 726
Johannie graterol m 726Johannie graterol m 726
Johannie graterol m 726
 
Cáncer cervicouterino
Cáncer cervicouterinoCáncer cervicouterino
Cáncer cervicouterino
 
Floating eggs
Floating eggsFloating eggs
Floating eggs
 
Silabo evaluacion educativa pato tobar
Silabo evaluacion educativa pato tobarSilabo evaluacion educativa pato tobar
Silabo evaluacion educativa pato tobar
 
Oil and gas 4 slides
Oil and gas 4 slidesOil and gas 4 slides
Oil and gas 4 slides
 
Are lentils alive
Are lentils aliveAre lentils alive
Are lentils alive
 
Impactodelastecnologasennuestroentorno 160927183412
Impactodelastecnologasennuestroentorno 160927183412Impactodelastecnologasennuestroentorno 160927183412
Impactodelastecnologasennuestroentorno 160927183412
 

Semelhante a Guia do Fellow SGB

AIESEC - Projeto Impacto - Santa Cruz do Sul
AIESEC - Projeto Impacto - Santa Cruz do SulAIESEC - Projeto Impacto - Santa Cruz do Sul
AIESEC - Projeto Impacto - Santa Cruz do Sul
jossandro
 
AIESEC Projeto Impacto - Santa Cruz do Sul
AIESEC Projeto Impacto - Santa Cruz do SulAIESEC Projeto Impacto - Santa Cruz do Sul
AIESEC Projeto Impacto - Santa Cruz do Sul
jossandro
 
Guia de Elaboração de Projetos
Guia de Elaboração de ProjetosGuia de Elaboração de Projetos
Guia de Elaboração de Projetos
Instituto Abaçaí
 
Mapa da Diversidade, Equidade e Inclusão no Brasil de 2022.pdf
Mapa da Diversidade, Equidade e Inclusão no Brasil de 2022.pdfMapa da Diversidade, Equidade e Inclusão no Brasil de 2022.pdf
Mapa da Diversidade, Equidade e Inclusão no Brasil de 2022.pdf
AG Consultoria
 
Perspectivas-para-a-Filantropia-no-Brasil-2023-IDIS.pdf
Perspectivas-para-a-Filantropia-no-Brasil-2023-IDIS.pdfPerspectivas-para-a-Filantropia-no-Brasil-2023-IDIS.pdf
Perspectivas-para-a-Filantropia-no-Brasil-2023-IDIS.pdf
IDIS
 
Case Dín4mo apresentado no Café com Investidores de Impacto Social
Case Dín4mo apresentado no Café com Investidores de Impacto SocialCase Dín4mo apresentado no Café com Investidores de Impacto Social
Case Dín4mo apresentado no Café com Investidores de Impacto Social
Instituto de Cidadania Empresarial do Maranhão
 
Diagnostico comunidade Costa Valley
Diagnostico comunidade Costa ValleyDiagnostico comunidade Costa Valley
Diagnostico comunidade Costa Valley
Jones Augusto Boeck
 
Plano de negócios Agência Add+
Plano de negócios Agência Add+Plano de negócios Agência Add+
Plano de negócios Agência Add+
Érica Alves
 
Mapeamento 2021 Sul e Costa Valley Abstartups
Mapeamento 2021 Sul e Costa Valley AbstartupsMapeamento 2021 Sul e Costa Valley Abstartups
Mapeamento 2021 Sul e Costa Valley Abstartups
Jones Augusto Boeck
 
Quero Transformar
Quero Transformar Quero Transformar
Quero Transformar
Salim Khouri
 
Mapeamento Ecossistema 2021
Mapeamento Ecossistema 2021Mapeamento Ecossistema 2021
Mapeamento Ecossistema 2021
Bruno483068
 
Supercase - Instituto Souza Cruz
Supercase - Instituto Souza CruzSupercase - Instituto Souza Cruz
Supercase - Instituto Souza Cruz
Rafa Vitoriano
 
Super Case DIG 4 :: Instituto Souza Cruz
Super Case DIG 4 :: Instituto Souza CruzSuper Case DIG 4 :: Instituto Souza Cruz
Super Case DIG 4 :: Instituto Souza Cruz
Rafael Louzada
 
Manual+juntos.com.vc+2016
Manual+juntos.com.vc+2016Manual+juntos.com.vc+2016
Manual+juntos.com.vc+2016
Michel Freller
 
Encontro 2 - Orientações Projetos Sociais
Encontro 2 -  Orientações Projetos SociaisEncontro 2 -  Orientações Projetos Sociais
Encontro 2 - Orientações Projetos Sociais
Selo Socail Abaçaí Brasil
 
Relatório Brazil Youth to Business 2013 1
Relatório Brazil Youth to Business 2013 1Relatório Brazil Youth to Business 2013 1
Relatório Brazil Youth to Business 2013 1
ivanchagasp
 
Posicionamento de marcas
Posicionamento de marcasPosicionamento de marcas
Posicionamento de marcas
Guga Alves
 
Posicionamento de marca
Posicionamento de marca Posicionamento de marca
Posicionamento de marca
Fábio Pessoa
 
Relatório de Atividades | Janeiro - Abril 2013
Relatório de Atividades | Janeiro - Abril 2013Relatório de Atividades | Janeiro - Abril 2013
Relatório de Atividades | Janeiro - Abril 2013
Social Good Brasil
 
Gesto de projetos_sociais
Gesto de projetos_sociaisGesto de projetos_sociais
Gesto de projetos_sociais
Luciana Maia
 

Semelhante a Guia do Fellow SGB (20)

AIESEC - Projeto Impacto - Santa Cruz do Sul
AIESEC - Projeto Impacto - Santa Cruz do SulAIESEC - Projeto Impacto - Santa Cruz do Sul
AIESEC - Projeto Impacto - Santa Cruz do Sul
 
AIESEC Projeto Impacto - Santa Cruz do Sul
AIESEC Projeto Impacto - Santa Cruz do SulAIESEC Projeto Impacto - Santa Cruz do Sul
AIESEC Projeto Impacto - Santa Cruz do Sul
 
Guia de Elaboração de Projetos
Guia de Elaboração de ProjetosGuia de Elaboração de Projetos
Guia de Elaboração de Projetos
 
Mapa da Diversidade, Equidade e Inclusão no Brasil de 2022.pdf
Mapa da Diversidade, Equidade e Inclusão no Brasil de 2022.pdfMapa da Diversidade, Equidade e Inclusão no Brasil de 2022.pdf
Mapa da Diversidade, Equidade e Inclusão no Brasil de 2022.pdf
 
Perspectivas-para-a-Filantropia-no-Brasil-2023-IDIS.pdf
Perspectivas-para-a-Filantropia-no-Brasil-2023-IDIS.pdfPerspectivas-para-a-Filantropia-no-Brasil-2023-IDIS.pdf
Perspectivas-para-a-Filantropia-no-Brasil-2023-IDIS.pdf
 
Case Dín4mo apresentado no Café com Investidores de Impacto Social
Case Dín4mo apresentado no Café com Investidores de Impacto SocialCase Dín4mo apresentado no Café com Investidores de Impacto Social
Case Dín4mo apresentado no Café com Investidores de Impacto Social
 
Diagnostico comunidade Costa Valley
Diagnostico comunidade Costa ValleyDiagnostico comunidade Costa Valley
Diagnostico comunidade Costa Valley
 
Plano de negócios Agência Add+
Plano de negócios Agência Add+Plano de negócios Agência Add+
Plano de negócios Agência Add+
 
Mapeamento 2021 Sul e Costa Valley Abstartups
Mapeamento 2021 Sul e Costa Valley AbstartupsMapeamento 2021 Sul e Costa Valley Abstartups
Mapeamento 2021 Sul e Costa Valley Abstartups
 
Quero Transformar
Quero Transformar Quero Transformar
Quero Transformar
 
Mapeamento Ecossistema 2021
Mapeamento Ecossistema 2021Mapeamento Ecossistema 2021
Mapeamento Ecossistema 2021
 
Supercase - Instituto Souza Cruz
Supercase - Instituto Souza CruzSupercase - Instituto Souza Cruz
Supercase - Instituto Souza Cruz
 
Super Case DIG 4 :: Instituto Souza Cruz
Super Case DIG 4 :: Instituto Souza CruzSuper Case DIG 4 :: Instituto Souza Cruz
Super Case DIG 4 :: Instituto Souza Cruz
 
Manual+juntos.com.vc+2016
Manual+juntos.com.vc+2016Manual+juntos.com.vc+2016
Manual+juntos.com.vc+2016
 
Encontro 2 - Orientações Projetos Sociais
Encontro 2 -  Orientações Projetos SociaisEncontro 2 -  Orientações Projetos Sociais
Encontro 2 - Orientações Projetos Sociais
 
Relatório Brazil Youth to Business 2013 1
Relatório Brazil Youth to Business 2013 1Relatório Brazil Youth to Business 2013 1
Relatório Brazil Youth to Business 2013 1
 
Posicionamento de marcas
Posicionamento de marcasPosicionamento de marcas
Posicionamento de marcas
 
Posicionamento de marca
Posicionamento de marca Posicionamento de marca
Posicionamento de marca
 
Relatório de Atividades | Janeiro - Abril 2013
Relatório de Atividades | Janeiro - Abril 2013Relatório de Atividades | Janeiro - Abril 2013
Relatório de Atividades | Janeiro - Abril 2013
 
Gesto de projetos_sociais
Gesto de projetos_sociaisGesto de projetos_sociais
Gesto de projetos_sociais
 

Mais de fellowsocialgoodbrasil

Hack the City
Hack the CityHack the City
Hack the City
fellowsocialgoodbrasil
 
As oportunidades da Economia Compartilhada
As oportunidades da Economia CompartilhadaAs oportunidades da Economia Compartilhada
As oportunidades da Economia Compartilhada
fellowsocialgoodbrasil
 
Negócios de impacto
Negócios de impactoNegócios de impacto
Negócios de impacto
fellowsocialgoodbrasil
 
Carta de-principios-negócios-de-impacto-no-brasil
Carta de-principios-negócios-de-impacto-no-brasilCarta de-principios-negócios-de-impacto-no-brasil
Carta de-principios-negócios-de-impacto-no-brasil
fellowsocialgoodbrasil
 
Treinamento Fellows SGB
Treinamento Fellows SGBTreinamento Fellows SGB
Treinamento Fellows SGB
fellowsocialgoodbrasil
 
Infographic
InfographicInfographic
Tool kit Amani
Tool kit Amani Tool kit Amani
Tool kit Amani
fellowsocialgoodbrasil
 
MANIFESTO SOCIAL GOOD BRASIL
MANIFESTO SOCIAL GOOD BRASILMANIFESTO SOCIAL GOOD BRASIL
MANIFESTO SOCIAL GOOD BRASIL
fellowsocialgoodbrasil
 
Kick off fellows sgb
Kick off fellows sgbKick off fellows sgb
Kick off fellows sgb
fellowsocialgoodbrasil
 

Mais de fellowsocialgoodbrasil (9)

Hack the City
Hack the CityHack the City
Hack the City
 
As oportunidades da Economia Compartilhada
As oportunidades da Economia CompartilhadaAs oportunidades da Economia Compartilhada
As oportunidades da Economia Compartilhada
 
Negócios de impacto
Negócios de impactoNegócios de impacto
Negócios de impacto
 
Carta de-principios-negócios-de-impacto-no-brasil
Carta de-principios-negócios-de-impacto-no-brasilCarta de-principios-negócios-de-impacto-no-brasil
Carta de-principios-negócios-de-impacto-no-brasil
 
Treinamento Fellows SGB
Treinamento Fellows SGBTreinamento Fellows SGB
Treinamento Fellows SGB
 
Infographic
InfographicInfographic
Infographic
 
Tool kit Amani
Tool kit Amani Tool kit Amani
Tool kit Amani
 
MANIFESTO SOCIAL GOOD BRASIL
MANIFESTO SOCIAL GOOD BRASILMANIFESTO SOCIAL GOOD BRASIL
MANIFESTO SOCIAL GOOD BRASIL
 
Kick off fellows sgb
Kick off fellows sgbKick off fellows sgb
Kick off fellows sgb
 

Guia do Fellow SGB

  • 3. 3 Índice AGRADECIMENTO O QUE VOCÊS VÃO ENCONTRAR POR AQUI SOBRE O SGB CAPÍTULO 1 - O AGENTE SOCIAL GOOD BRASIL O QUE É O AGENTE SGB? OBJETIVO O QUE NOS MOTIVOU A CRIAR ESSE PROGRAMA? DIFERENCIAL FORMATO PILARES FORMAÇÃO: ONLINE / PRESENCIAL PARA QUEM O QUE É SUCESSO PARA O AGENTE SGB? A EDIÇÃO DO AGENTE SOCIAL GOOD EM 2017 CALENDÁRIO: 1A EDIÇÃO / 2A EDIÇÃO CAPÍTULO 2 - FELLOWS SGB O QUE É O PROGRAMA DE FELLOWSHIP SGB? PAPEL DOS FELLOWS SGB PROPOSTA DE VALOR PARA OS FELLOWS SGB COMO ME PREPARAR? COMO ENGAJAR OS AGENTES SGB? COMO ORGANIZAR OS EVENTOS DE ABERTURA E ENCERRAMENTO DAS EDIÇÕES DO AGENTE SGB? COMO REALIZAR O ACOMPANHAMENTO DO GRUPO DE AGENTES EM SUAS AÇÕES DE MÃO NA MASSA? CAPÍTULO 3 - ENGAJAMENTO, FACILITAÇÃO E LIDERANÇA ENGAJAMENTO FACILITAÇÃO 4 5 6 8 9 9 9 10 10 10 11 11 12 12 12 14 15 15 16 16 17 18 26 30 31 33
  • 4. 4 AGRADECIMENTO Parcerias - é isso que buscamos fazer no dia-dia de trabalho e nos projetos do SGB. Buscamos sempre parceiros que possam somar suas expertises e transformar em algo novo, único e muito mais poderoso do que somente a soma das partes. Agradecemos de coração a todos os Fellows SGB, que embarcaram neste sonho conosco e não mediram esforços para fazer parte da rede SGB como o 1o time no Programa de Fellowship. “Vocês são inspiradores e nos fazem acreditar no poder do protagonismo e inovação social para enfrentar os desafios sociais e ambientais que vivemos hoje em dia. Fica aqui também um agradecimento especial ao casal Henrique e Florentine Vedana, fundadores da Manifesto 55 (conheça mais em www.manifesto55.com) que colaboraram conosco com inspirações sobre engajamento, facilitação e liderança para construir esse capítulo no guia <3 FLORENTINE VERSTEEG-VEDANA é facilitadora e empreendedora social. Nasceu na Holanda, mas vive no Brasil desde 2009. Co-fundou a Hub Escola enquanto esteve liderando projetos no Impact Hub São Paulo. Atua há mais de 10 anos no CISV, onde passou os últimos três anos no Time de Gestão Global da ONG. Co-fundadora do Manifesto 55. HENRIQUE VERSTEEG-VEDANA é facilitador de processos de aprendizagem. Foi presidentenacionaldaONGinternacionalAIESECnoBrasil.Depoisde3anosdeformação na Kaospilot, na Dinamarca, voltou ao Brasil e hoje atua em processos de cocriação, inovação organizacional e aprendizagem coletiva por todo o país. É co-fundador da Manifesto 55.
  • 5. 5 Neste Guia do Fellow SGB vocês vão encontrar um panorama geral do Programa Agente Social Good Brasil, nossa aceleradora de protagonismo social e um guia prático para que possam conduzir as ações dentro do Programa. Como se preparar, engajar os agentes, organizar os eventos de abertura e encerramento das edições do agente SGB, realizar o acompanhamento do grupo de agentes em suas ações de mão na massa, como avaliar o que foi feito e analisar o impacto gerado, são alguns dos temas descritos neste material. Ainda exploramos aqui o universo da facilitação de grupos e a reflexão sobre a nova liderança que emerge nos dias atuais. #partiu O QUE VOCÊS VÃO ENCONTRAR POR AQUI:
  • 6. 6 SGB = TECNOLOGIA + INOVAÇÃO SOLUÇÕES P/ PROBLEMAS SOCIAIS AUTO-REFLEXÃO E NOVOS MODELOS MENTAIS FOCONO USUÁRIO EEMPATIA PRESENÇA E VALORIZAÇÃO DO AMBIENTE TECNOLOGIA COMO FERRAMENTA DE MUDANÇA TENTATIVA E ERRO PLANEJADO CONEXÃOE COLABORAÇÃO EMPREENDEDORISMO DE IMPACTO (SGB LAB+BOOSTCAMP) PLATAFORMA+ DOCUMENTÁRIO EVENTOS INSPIRADORES AGENTE SGB SERVIÇOS INSPIRAR APOIAR CONECTAR CRIAR COMPARTILHAR COLABORAR DIVERSIDADE CON ECTADO À REALIDADE SOBRE O SGB Nós do Social Good Brasil queremos fazer a diferença de forma diferente. E para isso criamos projetos que estimulam o comportamento inovador e o uso das tecnologias para contribuir com a solução de problemas da sociedade.
  • 7. 7 “O que somos juntos será sempre diferente e mais do que o que somos sozinhos.” Margaret Wheatley
  • 9. 9 O Social Good Brasil adquiriu durante sua trajetória uma grande expertise em transformar ideias em projetos de sucesso. O Agente Social Good Brasil é mais uma dessas apostas. Esse novo projeto estimula ambientes de inovação e de uso de tecnologia para impacto social, que o SGB opera há 4 anos nos seus projetos atuais, com foco nas pessoas como protagonistas e em todo o seu potencial humano e criativo. Veja as principais informações sobre esse novo programa 0/ // O QUE É O AGENTE SGB? É uma Aceleradora de Protagonismo Social, inspirada em aceleradoras de negócios e modelos de inovação, mas com foco nas pessoas como protagonistas para o compartilhamento, colaboração e criação de iniciativas sociais por todo o Brasil. // OBJETIVO: Sensibilizar e aumentar o engajamento dessa nova geração na transformação social para contribuir com os objetivos globais (www.globalgoals.org/pt/) de erradicação da pobreza, de combate a desigualdade, injustiça e de contenção das mudanças climáticas. >> O QUE NOS MOTIVOU A CRIAR ESSE PROGRAMA? Ainda segundo a pesquisa relacionada a política (http://sonhobrasileirodapolitica. com.br/o-projeto/) , apenas 16% desses jovens já estão engajados e criando novas formas de atuar para além do voto. Ao total, encontramos ainda 84% de jovens dizendo se sentir à parte ou à deriva da participação nas mudanças da sociedade, sem saber por onde começar ou sem ter ações concretas, mas que estão abertos para agir indo em busca de experiências realmente engajadoras e que promovam a colaboração. “O Social Good Brasil está atento ao pedido dos mais de 26 mi- lhões de jovens brasileiros* que buscam fazer algo pelo coletivo no dia-dia que esteja alinhado a um propósito maior e impacto social. Os jovens querem fazer alguma coisa mas existe falta de conhecimento e oportunidades sobre como contribuir de forma mais ativa. Esses mesmos jovens são fluentes em mídias sociais e sabem aproveitar essas ferramentas para organizar, mobilizar, levantar recursos financeiros e se engajar com outros jovens.” *Dados: Box 1824 O Sonho Brasileiro e O Sonho Brasileiro na Política. 80% dos jovens sentem-se chamados a fazer algo pela mudança mas para isso precisavam vencer 3 barreiras. Não me sinto agente de transformação (poder) Dificuldade em identificar a causa (propósito) Difícil ver o resultado (futuro) Capítulo 1 O Agente social good Brasil
  • 10. 10 Queremosportantoacelerarumcomportamentoprotagonistaedeagenteslivresdemudançanosjovens,mostrar(eexperienciar) caminhos para ações de impacto social e diversas formas de atuação que estão mais alinhadas com os propósitos e valores das novas gerações. Percebemos que esse público, 100% nativos digitais e novas mídias, buscam novas formas de ação para a transformação social, voltada a agentes livres, ativistas, líderes e mobilizadores. O comportamento desse público foi mudando e hoje querem assumir um protagonismo e uma co-responsabilidade por serem agentes da mudança que querem para o mundo. // DIFERENCIAL: SerápioneironoBrasilaousaroconceitodosAgentesLivrescunhadoporBethKanter(www.bethkanter.org)ressignificando o conceito de voluntariado no mundo das novas tecnologias, da colaboração e da exponencialidade. // FORMATO: O Programa ASGB será realizado uma parte online e outra presencial, terá duas edições por ano, com duração de 8 semanas cada, incluindo conteúdos sobre as principais tendências de inovação social existentes e experiências práticas de mão na massa em causas sociais que vão inspirar e transferir de forma original e disruptiva algumas das tendências que estão mudando a forma de criar impacto social no mundo. Serão realizados 2 encontros presenciais (no início e no fim do programa) organizados pelos Fellows SGB em suas cidades, onde cada núcleo poderá receber em média 20 Agentes SGB. // PILARES: Oferecemos uma formação prática presencial e online que abordará os quatro pilares: * Todas as iniciativas apoiadas ou criadas serão categorizadas entre os 17 objetivos do desenvolvimento sustentável (ODS), permitindo ser visível a contribuição dos agentes para tais objetivos globais. autoconhecimento conexão entre pares conhecimento sobre inovação social experiência mão na massa Capítulo 1 O Agente social good Brasil
  • 11. 11 // FORMAÇÃO: O Agente Social Good Brasil trará uma soma das duas possibilidades de relacionamento com o público: ONLINE O canal online permitirá o acesso, democratização, criação, escala e ampliação das diferentes vozes criando um ambiente (Plataforma EAD) para a troca de conhecimento sobre o campo social, as tecnologias e as diferentes possibilidades de atuação nesse campo. Como? com curadoria de conteúdos em diferentes formatos, espaço para interação e troca, bate papo com referências na área sobre os principais temas de negócios sociais, nova economia, liderança inovadora e formas de engajamento com o propósito de proporcionar mais clareza, skills, ferramentas e conhecimento sobre inovação social. PRESENCIAL Os encontros presenciais de abertura e encerramento do programa promovem uma conexão mais profundaentreaspessoas,fortalecendoosrelacionamentos,atrocaeosentimentodepertencimento edegrupo,possibilitandoosparticipantescriaremumarededeapoiomútuo,colaboraçãoecocriação e aumentando a proposta de valor do projeto como um todo. Já a experiência prática de mão na massa será focada em formas inovadoras e de alto impacto de atuação social, oportunizando criar ou apoiar iniciativas de impacto social, como por exemplo, criar microrrevoluções na sua cidade ou intervenções urbanas por meio de mutirões ou flashmobs, ser voluntário ou mentor de iniciativas sociais existentes, como ONGs, movimentos ou coletivos. A atuação é feita em equipes, os resultados são compartilhados e o feedback entre os participantes faz parte da metodologia. // PARA QUEM: O programa foi desenhado para pessoas que: •queremteracessoaconhecimento/conteúdorelevanteseatualizadossobreocamposocialesuaspossibilidadesdeatuação; • querem fazer a diferença no mundo através de um trabalho alinhado ao seu propósito no mundo e para isso precisam de • espaço e ferramenta de autoconhecimento e auto-realização; • querem ter conexões / relacionamento com outras pessoas protagonistas (expansão da rede de contatos); • querem ter oportunidade de fazer algo NA PRÁTICA impulsionando o mundo a ser um lugar melhor, podendo usar seus talentos e know-how para criar e/ou apoiar iniciativas sociais. A inovação principal do projeto é instigar a todo o momento o comportamento inovador como ferramenta de mudança, a partir do despertar da confiança criativa e da empatia dos participantes, onde poderão ousar, cocriar e praticar tentativa e erro para propor novas soluções para aquilo que desejam transformar, com o objetivo de diminuir a distância entre as ideias e sua concretização no mundo real e a consequente geração de impacto social. Capítulo 1 O Agente social good Brasil
  • 12. 12 // O QUE É SUCESSO PARA O AGENTE SGB? • Número de pessoas protagonistas em ações de transformação social • Número de pessoas atuando na área social (que não atuavam antes) • Número de iniciativas/projetos apoiados e criados • Se tornar uma referência de pessoas talentosas para organizações no campo social em busca de colaboradores/voluntários // A EDIÇÃO DO AGENTE SOCIAL GOOD EM 2017 0/ Em 2017 lançaremos oficialmente o programa em duas edições ao ano, uma no 1o e outra no 2o semestre com a duração de 8 semanas cada. // CALENDÁRIO AGENTE SGB 2017 “Se você se vê parte da mudança, Quer criar ou apoiar um movimento, uma ONG, um coletivo Acredita que seu trabalho pode gerar impacto positivo no mundo E não tem medo de se desafiar … Vem viver e causar transformação 0/ Vem ser um agente SGB.” 1ª EDIÇÃO 2ª EDIÇÃO Inscrição na 1ª turma do ASGB 1ª turma do ASGB 1/02 a 31/03/2017 8/04 a 03/06/2017 08 ABR/17 03 JUN/17 Abertura Encerramento Encontros Presenciais ASGB 2017 - 1ª turma: Inscrição na 2ª turma do ASGB 2ª turma do ASGB 12/06 a 06/08/2017 19/08 a 14/10/2017 16 SET/17 11 NOV/17 Abertura Encerramento Encontros Presenciais ASGB 2017 - 2ª turma: * As datas das edições de 2017 poderão sofrer alterações e os Fellows serão informados com antecedência. Capítulo 1 O Agente social good Brasil
  • 13. 13 “Não compare seu começo com o meio de ninguém. Mas comece, o mundo precisa e agradece.” Fernanda Cabral | Imagina.vc
  • 15. 15 Capítulo 2 Fellows sgb Para que essa formação se multiplique por todo o país a partir do próximo ano, criamos em 2016 o Programa de Fellowship do Social Good Brasil, selecionando um time composto por 15 lideranças brasileiras que participarão de um treinamento inspirador para se tornarem nossos representantes pelo Brasil afora 0/ Os Fellows SGB vão atuar no Programa Agente SGB e acompanhar o grupo de agentes na sua cidade, facilitando atividades práticas e inspiradoras e contribuindo na engajamento, interação, mobilização e acompanhamento do grupo em cada núcleo. O Programa de Fellowship foi criado para pessoas que: “Os Fellows SGB serão os nossos Guardiãos do propósito do Agente SGB.” // O QUE É O PROGRAMA DE FELLOWSHIP SGB? Um programa de desenvolvimento de liderança, protagonismo e impacto social para mobilização e transformação social, desenvolvido para aquelas pessoas que não operam mais no piloto automático. São transformadoras, inquietas, engajadas, com propósito, inspiradoras e idealistas <3 // OBJETIVO: Identificar,capacitareconectarpessoasdetodooBrasilpararepresentaroSGBeengajaroutraspessoasaseremprotagonistas de novas maneiras de pensar e fazer a transformação social e ambiental na prática. // PAPEL DOS FELLOWS SGB: Envolvimento com o Social Good Brasil de novembro de 2016 à novembro de 2017. • Os Fellows SGB 2016 comprometem-se durante o períodos de formação dos agentes SGB nas duas edições anuais: • Identificar e atrair agentes para o Programa Agente em 2017 • Ser referência para os agentes como uma pessoa de apoio • Organizar a logística dos dois encontros presenciais por edição e facilitá-los • Dar feedback contínuo para a SGB sobre o Programa Agente SGB • Publicar regularmente posts na plataforma sobre o andamento do programa na sua região / comunidade (relatório / status report) Queiram conhecer ou praticar processos de mudanças sistêmicas Com interesse em desenvolver liderança participativa Queiram ser guiadas por propósitos individuais em harmonia com propósitos coletivos Querem ser parte da própria solução
  • 16. 16 • Realizar o monitoramento e controle dos projetos desenvolvidos pelos Agentes (gerenciamento dos grupos e dos projeto) • Realizar a avaliação dos agentes da sua região / comunidade • Responder os questionários de avaliação referentes ao desenvolvimento e impacto das iniciativas criadas e/ou apoiadas pelo grupo de agentes de seu núcleo. *ÉimportantedestacarqueoSocialGoodBrasilvaiatuarfortementenoprocessodecomunicaçãoeengajamentodopúblicopara participarem das duas edições no próximo ano, definindo os canais, desenvolvendo a campanha e estratégia de comunicação com foco no público-alvo e na proposta de valor, colocando a campanha na rua e fechando uma estratégia de mobilização da rede SGB para ajudar na divulgação da campanha em suas redes e ao final realizar processos de avaliação dos resultados (conversões). Contaremos, no entanto, com o apoio massivo dos Fellows SGB para colaborarem na comunicação e engajamento de suas redes locais para que possamos dar mais voz e acesso a todo o público brasileiro no programa Agente SGB. // O QUE EU GANHO EM SER UM FELLOW SGB? Além de atuar diretamente no programa Agente Social Good Brasil, para que sejam nossos representantes pelas cidades e comunidades em diferentes partes do Brasil, possibilitando que milhares de pessoas façam parte dessa aceleradora de protagonismo social, o que os Fellows ganham? // COMO ME PREPARAR? ParaqueosFellowsadquiramautonomiapararepresentaroAgenteSGBemsuascidades,desenhamosumtreinamentoexclusivo online e presencial (esse será junto ao Festival SGB) em liderança e inovação social, para fomentar o autodesenvolvimento, protagonismo e mobilização para transformação social. Será uma experiência incrível, de muitas trocas, reflexões e construção coletiva. Fazer parte da rede SGB Ser referência / inspirarV isibilidade através da plataforma SGB Receber um treinamento exclusivo sobre Liderança e Impacto Social Desenvolvimento de habilidades de liderança Relacionar-se com coisas que realmente tenham impacto positivo Conectar-se com outras pessoas com as mesmas causas Ampliação da rede de contatos Acessar conteúdos de ponta sobre inovação social, novos modelos mentais e comportamento inovador o que os apoiará para suas escolhas futuras independente da carreira Participar de todo o Festival SGB (palestras, workshops, momentos networking, acesso a painelistas e parceiros do SGB e bastidores) Capítulo 2 Fellows sgb
  • 17. 17 O estímulo a atuação em rede também contribui para que os Fellows se apoiem mutuamente e compartilhem suas experiências e pedidos de ajuda. // COMO ENGAJAR OS AGENTES SGB? Será muito importante para o sucesso do Agente SGB ter o engajamento dos Fellows: • na pesquisa de interesse e engajamento das suas redes de contato para participarem do programa; • no apoio na divulgação, especialmente a nível local; • na mobilização de parcerias, para que possamos juntos construir o sonho desta aceleradora de protagonismo social em realidade. Para engajar os agentes destacamos algumas sugestões: 8 semanas de conteúdos na plataforma online 3 dias de treinamento + palestras + workshops + participação ativa no Festival SGB “Ninguém empodera ninguém. O empoderamento vem de dentro, não de fora. O máximo que um agente externo pode fazer é facilitar conversas e criar ambientes que estimulem a reflexão - e a consequente mudança de consciência. Se você se coloca na posição de que empoderar o outro, você automaticamente cria uma (anacrônica) relação de poder. Tiago Mattos | Perestroika Use suas redes sociais - diversifique os canais e procure “conversar” com os diferentes públicos; Estabeleça parcerias com organizações ou pessoas para ajudarem a disseminar o programa - ações conjuntas sempre fortalecem e engajam mais; Organize rodas de conversa, hangouts online, encontros presenciais, palestras em universidades ou empresas para apresentar o programa; Use a criatividade, compartilhe boas práticas e peça ajuda se precisar. Capítulo 2 Fellows sgb
  • 18. 18 // COMO ORGANIZAR OS EVENTOS DE ABERTURA E ENCERRAMENTO DAS EDIÇÕES DO AGENTE SGB? Antes de pensar em cada um dos eventos separadamente, veja algumas questões que valem tanto para o evento de abertura como para o de encerramento. As habilidades que esperamos contribuir nos agentes que passarem pela formação são: // PRÉ EVENTO: Antes de chegar o dia do evento é necessário que algumas coisas estejam bem alinhadas e articuladas, realizar um check list e fazer uma agenda com a programação são pontos essenciais. Listamos alguns pontos que precisam estar ok para que o evento ocorra: LOCAL:olocalescolhidoparaoencontroprecisatersidopreviamentefechadoeacordadocomo(a)proprietário(a).Nodiaélegal chegar cedo para abrir o espaço e organizar o ambiente. Verificar a disponibilidade de rede de internet, senhas, equipamentos de áudio e vídeo são algumas atitudes que são importantes checar antes da data do evento. MATERIAIS: Liste tudo o que será necessário adquirir para realizar os eventos, realize uma pesquisa de locais e preços e adquira os materiais com antecedência. Em geral os itens mais utilizados para processos criativos com grupos são: • canetas • post its • papel A4 • cartolina ou folhas de flip-chart Autodesenvolvimento: comportamento inovador Protagonismo e liderança Multiplicadores de ações de impacto positivo em todos os setores Pessoas com mais clareza, skills, ferramentas e conhecimento sobre inovação social Aumento de repertório sobre formas de engajamento e iniciativas de impacto social Rede colaborativa de Agentes Fortalecimento de uma nova cultura e comportamento de protagonismo em rede para ações sociais transformadoras Com o tempo e experiência, fui percebendo que o espaço físico também “facilita” o processo, ele induz comportamentos e atitudes. Um local bem arejado, bem iluminado, com cadeiras confortáveis e boa acústica traz bem-estar e favorece o aprendizado, as boas conversas e facilita os diálogos mais difíceis. Henrique Vedana | Manifesto 55 Capítulo 2 Fellows sgb
  • 19. 19 • hidrocor • barbante • cola • tesouras • revistas • computador • sistema de som • projetor COFFE-BREAK: É importante se certificar que está tudo ok com os alimentos e bebidas para poder disponibilizar aos participantes: 1- Garantir que esteja tudo comprado para a data do evento ou se for entregue por um fornecedor, que o mesmo vai entregar na hora e local correto. 2- Mesmo que seja um lanchinho simples, com café, biscoitinhos e água, você pode definir se deixará o tempo todo servido ou se vai eleger um momento para colocá-los à mesa. 3- A pessoa de apoio para os eventos, será alguém importante para contribuir com a logística de servir e retirar o coffe, para não tirar o tempo do Fellow durante a facilitação do encontro. // DURANTE O EVENTO: RECEPÇÃO DOS PARTICIPANTES: Da mesma forma quando recebemos visita em nossas casas, os Fellows serão os anfitriões dos encontros e por isso devem se ligar: 1- Ao recepcionar o grupo de agentes. Pode ser interessante e útil disponibilizar uma placa na porta da sala ou na entrada do local indicando que é o espaço onde vai acontecer o encontro para evitar que as pessoas fiquem perdidas, bem como enviar previamente informações sobre como chegar no local (incluindo informações sobre transportes públicos ou estacionamentos disponíveis) vão otimizar o tempo de chegada e bem estar de todos. 2- Na chegada procure acolher cada um que chegue, e pode ser disponibilizado um cantinho com materiais para que cada agente produza uma etiqueta ou crachá com o seu nome. FORMATO DA SESSÃO: Os encontros de abertura e encerramento possuem objetivos diferentes, conforme mostraremos a seguir, no entanto, para qualquer um dos eventos, é possível “desenhar” uma sessão que contemple diferentes formatos: 1- Usar parte do tempo no início para que os participantes se apresentem; 2- Momento com informações ou teorias; 3- Dinâmicas de grupos (mais ou menos corporais dependendo do intuito da dinâmica); 4- Transmitir informações através de vídeos, utilizar músicas entre outros recursos são sempre bem vindos. É importante ter a agenda previamente criada com o tempo previsto para cada momento. Nem sempre é possível realizar tudo o que se previu porque cada grupo tem uma característica própria e utilizam mais ou menos tempo para cada atividade, porém é papel do facilitador, cuidar e fazer a gestão do tempo sem interferir na qualidade da sessão. Alerta: Outra questão que vale ser pensada SEMPRE é como fazer a gestão de risco. Ex: E se acabar a luz, como posso dar continuidade às atividades? Se foi prevista uma atividade na rua, se chover o que farei? Enfim, ter esses planos B em mente e entender que alguns improvisos fazem parte de processos de grupo. Capítulo 2 Fellows sgb
  • 20. 20 //PÓS EVENTO: CUIDADO COM O AMBIENTE: É muito importante agir com senso de comunidade e cuidar do espaço comum. Vale a pena envolver o grupo de agentes na co-responsabilização do cuidado com o espaço onde acontecerão os encontros. São atitude simples, como retornar as cadeiras para a configuração inicial, ajudar a guardar os materiais e etc. DESPESAS: Alguns lugares que disponibilizam seu espaço free para a realização de eventos, pede uma taxa como ajuda de custo para a limpeza, verifique como é e quanto custa esse serviço e certifique-se que deixou tudo acertado! AGRADECIMENTO: Um email de agradecimento, um abraço ao vivo, um arranjo de flores, seja o que for, pense como é bacana ser grato e reconhecer quem nos apóia <3 Relax: Os Fellows vão receber vales - limpeza, material e coffe-break em um valor estipulado para esses custos. O procedimento de reembolso será realizado via depósito bancário, mediante comprovante de pagamento / nota fiscal. Capítulo 2 Fellows sgb
  • 21. 21 // O ENCONTRO DE ABERTURA DO AGENTE SGB - PASSO A PASSO OBJETIVO DESTE ENCONTRO: • A apresentação inicial entre os participantes; • Orientação sobre o Programa Agente SGB; • Criação de um espaço de conexão e construção de rede de apoio e colaboração entre os agentes SGB; • Desenvolver a capacidade para que os agentes possam se organizar em equipes para criar ou apoiar iniciativas de impacto social. Hora de acolher, de dar as primeiras orientações (agenda do dia), fazer os combinados (cumprimento dos horários, regras), estabelecimento de um campo de confiança no processo e alinhamento de expectativas. Aqui é onde tudo começa, onde na maioria das vezes, as pessoas se vêem pela primeira vez. Uma vez que as pessoas estão reunidas, é útil sentar em círculo ( no chão ou em cadeiras) pois o círculo contribui para intensificar a energia do grupo, a cooperação e aproxima emocionalmente os participantes a se descobrirem a partir de uma conversa. Um gesto de boas vindas (pode ser um momento de silêncio, a leitura de um poema, uma música ou um toque de um sino), ajuda a mudar a intenção do grupo do espaço social para espaço de conselho. Uma ferramenta que contribui com o círculo é o bastão da fala, pode ser qualquer objeto. Enquanto alguém está com o bastão, ele tem a palavra e não é interrompido. Nós vivíamos em pequenos grupos como nômades. O círculo se tornou a mãe de todas as nossas formas de organização - os humanos começaram a sentar-se em círculo assim que tiveram o fogo para estar ao redor. Nós contávamos histórias, realizávamosconselhosdossábioseresolvíamosproblemasdessaforma.Estaformaémuitoútilparaestimularareflexão, contar histórias e estar juntos. O propósito está no centro - e é compartilhado. Trecho extraído do Art of Hosting: www.artofhosting.org/pt-br 1 Ponto de partida ou boas vindas Capítulo 2 Fellows sgb
  • 22. 22 Check-in: É a porta de entrada do individual para o coletivo, esse momento garante que as pessoas estão verdadeiramente presentes, que chegaram e aterrissaram suas energias. O compartilhamento verbal, através de uma ou mais perguntas, ou de uma breve história, ajuda a tecer a rede interpessoal do círculo. Algumas sugestões de perguntas para o check in: Cada um diz seu nome, pode dizer onde mora ou onde nasceu e responde uma ou mais perguntas como apresentamos abaixo: • O que você traz para esse encontro • O que você veio buscar neste encontro? • Qual é a coisa mais importante que podemos fazer juntos para um mundo melhor? • O que te move? • O que te faz sentir vivo? Você pode pensar em outras perguntas ou formas de realizar o check-in. O ideal é ter um tempo bom para esse momento. Porém, você deve achar um equilíbrio entre o quanto a pessoa fala e o tempo que ela utiliza. Dependendo do número de participantes esse tempo pode ser maior ou menor. Fique atento para a apresentação não consumir parte do tempo necessário para as outras atividades. Em caso de pouco tempo, é possível realizar a mesma proposta de check-in em pequenos grupos simultaneamente, em trios ou duplas. Ou pedir, nome, o que estuda ou trabalha e uma palavra para como está chegando, de forma mais objetiva. Aqui nessa fase de preparação, é possível também utilizar alguma dinâmica de “quebra-gelo” para deixar os participantes mais soltos e com a energia alta. Danças, jogos e/ou brincadeiras são as atividades mais utilizadas. AQUI VAI UMA SUGESTÃO DE ATIVIDADE DE AQUECIMENTO: Dança da cadeira colaborativa Diferente da dança das cadeiras a qual estávamos acostumados a brincar na infância, a dança das cadeiras na versão cooperativa auxilia a despertar na equipe a união em prol de um objetivo comum, que nas organizações é o alcance da melhoria de resultados. Essa nova proposta foi desenvolvida pelo CDCC (Centro de Divulgação Científica e Cultural – USP): ao final da 2 Momento inicial de apresentações 3 Ponto de partida ou boas vindas Capítulo 2 Fellows sgb
  • 23. 23 música, ao invés de se tirar um participante que não tenha conseguido se sentar, retira-se uma cadeira, e todos continuam participando, sentando-se um no colo do outro. Quando se propõe uma atividade colaborativa como essa, nota-se nos participantes uma mudança de comportamento: num primeiro momento eles são levados a identificar as atitudes individuais, para, na sequência, incorporar o comportamento colaborativo. A diferença na forma como esses comportamentos se manifestam durante o jogo é bastante evidente. Para explicar melhor, separamos os padrões de comportamento competitivo dos colaborativos e seus significados. Veja: Padrões Competitivos Ficar “colado” às cadeiras significa... visão de escassez Ir todos na mesma direção significa... não assumir riscos Ficar ligado na parada da música significa... preocupação / tensão Dançar travado significa... bloqueio da personalidade Ter pressa para sentar significa... medo de perder Padrões Cooperativos Ver as cadeiras como ponto de encontro significa... visão de abundância Movimentar-se em todas as direções significa... flexibilidade, auto-mútua-confiança Curtir a música significa... viver plenamente cada momento Dançar livremente significa... ser a gente mesmo é LINDO! Diferentemente de quando há um único ganhador, o único feliz com a vitória, a dança das cooperativa nos ensina que uma vitória compartilhada e desfrutada por todos é a verdadeira conquista. Ao incentivar o fortalecimento do sujeito como membro do grupo, é possível trabalhar o senso de pertencimento. Comumaliderançacolaborativaecomapromoçãodevivênciascomoadançadascadeiras,épossíveldesafiaralógicaincômoda da competição antiética e estimular o alcance das metas a partir da cooperação. Parece difícil, né? Mas funciona e muito. Alerta: Essa foi somente uma sugestão, sintam-se livres para buscar outras dinâmicas para utilizar para esse objetivo de quebrar as barreiras e conectar o grupo. Relax: Vamos compartilhar alguns sites referências no final desse Guia que são boas fontes de ferramentas práticas para utilizar em facilitações de grupos. Capítulo 2 Fellows sgb
  • 24. 24 Aquivocêvaiprecisardegogó,poiséomomentomaisexpositivododia,ondeseránecessárioapresentarosprincipaisconceitos e conduzir os participantes por uma discussão sobre o que significa ser um agente de transformação. Esta etapa de um processo de facilitação de grupos requer do facilitador a observação do processo do grupo e manutenção da energia para adaptar o ritmo e vibração das atividades se for necessário. Ex: se o grupo parece cansado e com baixa energia, é possível trazê-los para uma participação mais interativa ou vibrante. Alerta: gestão do tempo // esse cuidado é importante para não ficar extenso demais e muito cansativo. Ao final faça uma rodada para tirar as principais dúvidas. Relax: Os Fellows receberão do SGB esse material: apresentação + vídeo que chegará por email e será publicado na plataforma online de conteúdos, com tempo hábil para todos possam estudar o conteúdo e a apresentação e encontrar sua forma de transmiti-la. Antes de apresentar a missão aos agentes é possível fazer uma rodada de brainstorm (tempestade de ideias) com a seguinte pergunta norteadora: Que mudanças queremos para a cidade? Alerta: Aqui serão trazidos o que querem e não o como fazer. Dê uns minutos para que anotem as principais ideias em post-its. Peça para que falem alto o que escreveram e colem em um flip-chart. 4 Apresentação do Programa Agente Social Good Brasil 5 Entrega da missão: Capítulo 2 Fellows sgb
  • 25. 25 Dica: Você pode utilizar também um estacionamento de ideias para algumas falas bacanas que forem trazidas e que possam não estar contempladas nos post-its. A partir das problemáticas levantadas, selecionem em temáticas, como por exemplo: mobilidade, pertencimento dos espaços públicos, limpeza das praias, empoderamento feminino … e eleja 5 temas que forem mais contemplados e escreva-os em folhas de flip-chart, posicionando cada um dos temas em locais diferentes da sala. Agoraconvideosagentesparaandarempelasala,observandoastemáticaseseposicionememfrenteaquelaqueelesgostariam de criar ou apoiar uma ação. A atividade só se encerra quando para cada uma das 5 temáticas tenham 4 agentes interessados em trabalhar naquele tema. Os agentes podem mudar de ideia, mudar de tema, negociar com outros agentes, até que democraticamente todos sintam-se confortáveis com o grupo / tema que ficaram. AGORA COM OS GRUPOS FORMADOS, CHEGOU A HORA DE LANÇAR A MISSÃO AOS AGENTES: OS AGENTES TERÃO A MISSÃO DE CRIAR OU APOIAR UMA MOBILIZAÇÃO PARA IMPACTO SOCIAL! (5 grupos - 4 participantes) #EUCRIO:os agentes identificarão algo que gostariam de melhorar ou resolver na sua comunidade, bairro, escola … e vão criar uma mobilização que possa impactar positivamente essa realidade. #EUAPOIO: os agentes identificarão uma organização social, coletivo ou movimento que necessite de apoio e vão apoiar através de uma mobilização. Atividade em grupo: Convide cada um dos grupos para discutir sobre o seu tema escolhido buscando o aprofundamento do PROBLEMA QUE QUEREM RESOLVER e iniciando os primeiros passos do planejamento para realizar a missão. Formato: é sugerido que eles trabalhem em mesas com folhas e canetas para deixarem a criatividade rolar e possam anotar os principais pontos da conversa. Tempo: 1 hora Material de apoio: Guia de Mobilização para Impacto Social // vídeos // Outros materiais trazidos pelos Fellows Os grupos de agentes deverão entregar ao Fellow as informações referentes as iniciativas a serem criadas ou apoiadas: segue o endereço do formulário de inscrição para pedir que os agentes preencham durante este encontro. Link: bit.ly/agentesgb Dica:Peçaquedefinamaformaemqueelestrabalharãojuntosparaorganizaramissão,afrequênciadosencontros … Sugira que cada grupo de agentes já saia com um canal definido e criado para a comunicação entre o grupo. Pode ser um grupo em alguma rede social ou aplicativo de comunicação, um grupo de emails - o que eles entenderem como mais eficaz para trabalharem em conjunto. Alerta:Aofinaldaatividadeéimportanteabrirespaçoparaoquestionamento-Certifique-sequetodosentenderam a demanda e que está claro os passos a serem seguidos dali em diante. De qualquer forma, mantenha-se aberto a contribuir com dúvidas e ser uma ponte com o SGB no andamento da organização das ações. Capítulo 2 Fellows sgb
  • 26. 26 Antes de encerrar pra valer promova mais um momento coletivo com todos os agentes juntos em círculo para que possam refletirem sobre o que aconteceu. Check-out: É o momento de compartilhar os aprendizados e sentimentos de como estão saindo deste dia. Você pode realizar individualmente uma atividade de descarga mental, onde cada um escreve em um papel como esse encontro me desafiou, o que aprendi, o que ficou faltando. E após esse momento, você pode sugerir que cada um fale apenas uma palavra que represente seu sentimento naquele momento. COMOREALIZAROACOMPANHAMENTODOGRUPODEAGENTESEMSUASAÇÕESDEMÃONAMASSA? Mediar é diferente de ajudar - Mediar é incentivar, acompanhar isso promove a autonomia! Você pode organizar interações online durante essas 8 semanas de formação para manter a interação do grupo de agentes e contribuir nas dúvidas de uma forma coletiva, aproveitando a inteligência coletiva e o que cada agente pode contribuir entre si. Dica: Crie um grupo em alguma rede social ou aplicativo de comunicação para poder acompanhar o movimento. É muito importante não dar as soluções de ‘mão beijada’; pois faz parte do processo passar por ‘crises’. Mas é importante ter um canal para as trocas e interação entre todos os participantes, assim todos aprendem e evoluem juntos de forma colaborativa. Alerta: Se a missão escolhida envolver uma comunidade local: é importante identificar lideranças locais que possam apoiar a intervenção e que possam fazer a ponte entre as pessoas do local e a equipe de agentes. Você pode incentivar que os agentes busquem criar suas missões em datas que possibilitem a participação dos demais agentes dos outros grupos, no entanto, talvez muitos dos grupos vão realizar nos mesmos dias e horário. A sua participação nas execuções das missões também pode ser muito rica, sempre que possível. 6 Finalizando as atividades do dia / despedida: Capítulo 2 Fellows sgb
  • 27. 27 // O ENCONTRO DE ENCERRAMENTO DO AGENTE SGB - PASSO A PASSO OBJETIVO DESTE ENCONTRO: • Apresentação das iniciativas criadas ou apoiadas pelos agentes SGB; • Feedbacks das ações criadas, aprendizados e próximos passos; • Permitir uma avaliação da experiência e do programa como um todo; • Garantir um espaço para a celebração. 1. INÍCIO: Novamente é importante iniciar este encontro com um momento de boas vindas e uma atividade em círculo de check-in. Algumas sugestões perguntas que podem ser utilizadas para este momento: Como estou chegando para este encontro? Qual o sentimento mais presente em mim nesses 2 meses de formação? 2. APRESENTAÇÃO DAS INICIATIVAS CRIADAS: Os grupos dos agentes serão convidados neste momento a apresentarem (eles receberão um ppt padrão como modelo para inserir as informações) suas iniciativas para os demais. Alerta: É importante que antes deste encontro os agentes já tenham enviado aos Fellows uma apresentação com o resultado das mobilizações. Estrutura da Apresentação dos Projetos dos Agentes •abertura: chamar atenção para o que vão apresentar • quem somos: equipe •o que queremos resolver: o problema identificado // quem sofre // qual ODS representa • descreva a solução: como resolveremos •evolução: estágio atual •projeção de impacto social: metas (médio prazo) • fechamento: próximos passos Tempo para cada apresentação: 30 min de exposição + 15 min para perguntas e feedbacks. Técnicas para feedbacks: Você pode eleger para cada grupo que se apresenta um outro grupo para dar feedback. Aqui deve- se ter cuidado para trazer pontos que sejam construtivos e não apenas criticar. Uma sugestão de formato para este feedback pode ser: Pedir ao grupo que está avaliando que aponte para o grupo que se apresentou • Foi bom que (principais pontos positivos, o que foi muito legal) • Seria bom se (principais pontos que poderiam ter sido diferente) Capítulo 2 Fellows sgb
  • 28. 28 Dica: Ao final de todas as apresentações, não deixe de agradecer o empenho dos agentes e reforçar que estamos criando uma rede de protagonistas, pessoas de todo o Brasil que querem transformar o que não vai bem sem esperar que essa mudança necessariamente venha através do governo, das instituições … 3. AVALIAÇÃO E APRENDIZADOS: Aqui, o papel do facilitador é promover um espaço intencional para, junto daqueles que participaram da missão, dividir os principais aprendizados e para apreciar a experiência. A ideia é explorar não só as avaliações mentais, mas estimular a partilha dos sentimentos e sensações que brotaram durante o processo. Isso, somado à partilha das dificuldades e desafios que vivenciaram, fará com que essas informações sejam processadas em grupo e facilitará a incorporação dos aprendizados. É imprescindível que este espaço acolha as expressões individuais resultantes da vivência; debates e questionamentos podem ser deixados para depois. Algumas perguntas que podem ajudar: • O que mudou em vocês depois de cumprirem a missão? • O que foi mais surpreendente? • Como se sentiram durante o processo? • O que aprenderam com isso? • O que vão levar daqui pra vida? Avaliação qualitativa: Ainda no intuito de avaliar o processo (aqui vale desde o coffe-break, a facilitação do Fellow, aos conteúdos, a experiência de mão na massa e etc) você pode deixar 3 envelopes médios colados nas paredes e em cada um escreva: • Que bom • Que pena • Que tal Convideosagentesaescreveremempapéisesses3pontosecolocaremnosenvelopes.osagentespodemounãoseidentificarem. Avaliação quantitativa: E em um outro envelope será realizada a Avaliação NPS: NPS é a sigla para Net Promoter Score: uma metodologia criada em 2003 pela Bain & Company, para mensurar o quão bem as empresas estão lidando com seus clientes ou pessoas com as quais interage, sendo usado para medir a satisfação de um público específico. De forma simplificada, a avaliação é baseada na pergunta: Sempre medida em uma escala de 0 a 10: “O quanto você nos recomendaria este programa para um amigo?” Convide os agentes a escreverem a nota e colocar no envelope, da mesma forma, não sendo necessário se identificarem. Alerta:OsdadosdasduasatividadesdeavaliaçãoserãocompiladaspelosFellowseenviadasparaacoordenadoradoPrograma Agente SGB. 4.CELEBRAÇÃO: Tão importante quanto todos os processos anteriores, a celebração garante o nível de engajamento dos participantes e fecha as atividades com uma energia bem alta e positiva. Pode ser uma música, uma roda (jogos cooperativos), um abraço coletivo, um grito de guerra. Capítulo 2 Fellows sgb
  • 29. 29 “Tem que fazer mais do que colocar a palavra social na frente das coisas para gerar uma mudança.” Kriss Degleimer
  • 31. 31 // ENGAJAMENTO Baseado em manifesto55.com/engajamento-ou-falta-dele-nas-empresas-e-nas-escolas Engajamento é compromisso, é uma chamada, é uma responsabilidade. No dicionário da língua portuguesa, o verbo se refere ao “ato de participar de modo voluntário para algum trabalho ou atividade”. Além de um compromisso, é algo que você escolhe assumir. E por quê engajamento é tão essencial? Vamos dar uma olhada. Nos ambientes organizacionais (empresas, governos e organizações da sociedade civil), a situação não é nada animadora. Uma pesquisa global realizada pelo Grupo Gallup em 2011- 2012 revelou que apenas 13% dos funcionários no mundo todo estão de fato engajados, comprometidos com o seu trabalho. No Brasil o número é um pouco maior, mas mesmo assim assustador, 27%. Ou seja, mais de 70% dos trabalhadores no Brasil estão desengajados no seu dia-a-dia nas suas organizações. Isso significa que eles provavelmente só vão ao trabalho por causa do salário no final do mês, ou para não serem demitidos e perder a fonte de renda. Segundo outro estudo, relevado em uma matéria recente da revista Exame, o engajamento foi apontado como melhor caminho para se conseguir bons resultados em uma empresa. Essa foi a conclusão de uma pesquisa com 400 entrevistados, entre eles muitos CEOs. Engajamento nas escolas Nos ambientes escolares, a situação não é muito diferente. A mais recente edição da Pesquisa Internacional sobre Ensino e Aprendizagem (TALIS) traz novamente a questão da indisciplina nos ambientes escolares. O Brasil é o país onde isso mais acontece, e o estudo aponta o maior engajamento dos alunos como caminho para resolver essa questão. É visível hoje em dia ver jovens indo para a escola porque se sentem obrigados a ir, fazendo o mínimo possível para passar de ano. Engajamento nas organizações Engajamento nas empresas Capítulo 3 engajamento, facilitação e liderança
  • 32. 32 Voltando ao significado do dicionário, mencionado anteriormente, uma palavra se destaca: voluntário. Ou seja, fazer algo por motivações intrínsecas ao invés de extrínsecas. Para estarmos engajados em algo (trabalho, sala de aula, brincadeira com nossos filhos), precisamos nos comprometer com isso de forma voluntária. E aqui está a grande sacada, ou o detalhe que poucos pensam a respeito. Quantos funcionários numa empresa vão trabalhar com o sorriso no rosto, na expectativa de um dia intenso e cheio de experiências desafiadoras, de forma ‘voluntária’? Quantos alunos curtem as aulas na escola ou na universidade sem pensar nas provas no final do semestre? Quantos de nós acordamos plenos de manhã cedo, sem precisar do despertador (e a função ‘soneca’)? O quão engajados estamos com o processo criativo de viver nossa própria vida? Antes de fundarmos a Manifesto 55, tivemos experiências muito impactantes com trabalho voluntário em organizações não- governamentais (ONGs), tanto como voluntários em causas sociais e ambientais, mas também como gestores e líderes de organizações de voluntários em escala nacional e internacional. Ao entender o que motiva essas pessoas a dedicar seu tempo, energia, talento e recursos sem receber dinheiro em troca, fomos percebendo alguns padrões. Acreditamos que o caminho para chegarmos ao engajamento passa pela conexão e autonomia. A consequência desse engajamento são pessoas protagonistas, líderes de si, capazes de levar intenção e criatividade em tudo o que fazem. Uma coisa é clara: pessoas desengajadas podem até ser responsáveis no seu cotidiano, conseguem fazer o que é esperado delas (explícita ou implicitamente) e algumas o fazem de forma bem feita. Mas apenas pessoas engajadas conseguem trazer curiosidade, dedicação e paixão para o seu dia-a-dia. Não apenas no trabalho ou na escola, mas em tudo o que fazem. manifesto55.com/por-uma-educacao-mais-protagonista manifesto55.com/aprendizagem-experiencial-por-que-e-tao-importante-para-adultos As pessoas buscam hoje, mais do que nunca, um significado e uma relevância no que fazem, ao mesmo tempo querem contribuir e querem se desenvolver, querem liberdade e querem fazer parte de algo com propósito. Capítulo 3 engajamento, facilitação e liderança
  • 33. 33 // FACILITAÇÃO Baseado no artigo manifesto55.com/o-que-e-facilitacao-e-para-o-que-serve e publicado sob permissão da Manifesto 55. A palavra ‘facilitação’ vem aparecendo cada vez mais, nos mais variados ambientes, desde empresas até projetos sociais, ou na área de educação. Como promovedor do engajamento, a facilitação é vista como um dos novos jeitos de liderar pessoas e ensinar. Significa que você, como professor ou gestor de equipes, organiza as conversas e aulas num jeito mais engajador ao fazer perguntas, estimular o diálogo, escutar com empatia, e pensar sobre atividades que deixam as pessoas refletirem e criarem as próprias respostas. Mas, facilitação é muito mais do que isso, é um jeito de lidar e pensar que trata com pessoas de um jeito inspirador, ao olhar com atenção o público que está facilitando. Em um mundo cada vez mais complexo, é cada vez mais raro encontrar situações onde uma pessoa só tem todas as respostas, dando ‘ordens’ para o resto; seja um professor ou um chefe. Isso limita o crescimento da equipe e a qualidade das decisões acabamsendoprejudicadas.Aparticipaçãodetodospassaasernecessáriaparacriarsoluçõesinovadorasesustentáveis.Senso de propriedade e engajamento são necessários para estimular pessoas a fazer o trabalho e para aprender. O líder facilitador se coloca a serviço da equipe o do grupo. Facilitação tem a ver com entender e guiar pessoas nos processos de aprendizagem e nos processos de tomada de decisão e resolução de problemas. Além disso, facilitação busca criar engajamento, inclusão, propriedade, troca de conhecimento e ajuda pessoas e grupos a crescerem. A facilitação incentiva a colaboração e mantém um grupo focado e engajado. O facilitador se posiciona como um igual, embora tenha um papel diferenciado, mas buscando entender e guiar as pessoas. Afacilitaçãotambémfuncionadeformaeficazparaconectardiferentesatoresnabuscadesoluçõesparaproblemascomplexos. Como por exemplo, como implementar em todos os municípios brasileiros a coleta de resíduos sólidos, ou como construir junto com os professores a nova Base Curricular Comum da Educação Brasileira? Mas como explicar facilitação em uma frase só? O significado de facilitação no dicionário é algo assim: ação ou efeito de facilitar (descomplicar). Literalmente é isso mesmo, descomplicar conteúdo, conflitos, problemas e decisões para ajudar o processo de aprender, resolver e decidir. Mas facilitação é também um jeito de pensar e atuar. Facilitação é fazer as perguntas certas para as pessoas certas nos momentos certos. As perguntas certas Perguntas formam a base de facilitação e são a ferramenta principal do facilitador. Uma pergunta certa guia reflexões e cria propriedade de conteúdo, aprendizagens e decisões. Como facilitador você oferece menos o conteúdo, e foca mais no processo de criação do conteúdo pelo grupo e estimula a participação, ao fazer as perguntas certas. O processo de criar boas perguntas é uma parte essencial da preparação de qualquer sessão facilitada. Capítulo 3 engajamento, facilitação e liderança
  • 34. 34 As pessoas certas Ao dizer ‘pessoas certas’ não quer dizer que existem ‘pessoas erradas’, mas significa que tem-se que garantir que todos os envolvidos estejam representados na sala; os públicos diferentes que fazem parte de um conflito, as representes (os representantes) de grupos que estão envolvidos numa decisão, etc. Além disso é importante olhar para todas as pessoas presentes e entender bem o contexto e a realidade delas. Quais são suas histórias? Quais são os contextos? Como você pode lidar com isso? Facilitação é isso: olhar sempre, em primeiro lugar, para as pessoas presentes. Os momentos certos Todos os grupos passam por um processo de desenvolvimento coletivo. Desde o primeiro contato até o momento de celebração ou encerramento. Além disso, cada grupo tem indivíduos com necessidades diferentes, que podem atrapalhar ou ajudar o processo. O papel da facilitação é olhar o momento do grupo e os momentos individuais das pessoas, para decidir quais ações podem ajudar melhor o processo, a cada momento. QUATRO PASSOS PARA DESENHAR SESSÕES E INTERVENÇÕES: Ao pensar em sessões facilitadas, treinamentos, ou mesmo encontros criativos, leve em consideração esses 4 passos: Passo 1: o olhar-macro (comece sempre pelo porquê) • Quais são as necessidades que tornam esse workshop/treinamento relevante? Por quê realizá-lo? • Qual o propósito desse workshop? Treinamento (transmissão de informações), tomada de decisão, resolução de um conflito ou gerar novas possibilidades (processo criativo)? • Quais os objetivos específicos e os resultados desejados? • Por fim, quem são os “atores” envolvidos e os participantes presentes? Passo 2: os arcos de processo Imaginequetodaaintervenção,deumaformageral,podeservistacomoumgrandearco,compostodetrêsestágios:preparação, sustentação e aterrissagem. Preparação Aterrisagem Sustentação Capítulo 3 engajamento, facilitação e liderança
  • 35. 35 Preparação: nessa fase inicial de qualquer processo, o objetivo é garantir clareza de propósito, definição de regras e combinados, gerar confiança no processo e alinhar expectativas. Sustentação: nessa fase o facilitador está observando atentamente o grupo, gerindo o tempo disponível, mantendo a energia do grupo, fazendo ajustes e mudanças no seu estilo de facilitação, de acordo com o contexto e o grupo. Aterrissagem: nessa fase final do processo, o importante é garantir que o grupo e os participantes “cheguem” ao destino, que eles tenham a sensação e a compreensão do que ocorreu e como eles saem do processo. Reflexão, avaliação, documentação dos resultados e aprendizagens, ancoragem e celebração são alguns elementos que podem ajudar nesse objetivo. Passo 3: escolha das ferramentas Nesse momento (e não antes), abrimos nossa “caixa de ferramentas” e vemos o que temos no nosso portifólio, ou pesquisamos diferentes atividades e metodologias que podem nos apoiar. Preparação: quebra-gelos (jogos, danças, brincadeiras), dinâmicas de apresentação ou check-in, exercícios de “clima” (respiração, meditação, reflexão) ou mesmo entrevistas prévias com os participantes. Sustentação: ferramentas de diálogo (por exemplo World Cafe, painel, círculo, aquário, etc), jogos, simulações ou exercícios de role-play, metodologias específicas (como design thinking or democracia profunda), aporte de conteúdo e processos de votação. Aterrissar: dinâmicas de feedbacks, avaliação (do resultado, do processo), colheita/facilitação gráfica, check-out. Passo 4: os detalhes Ao final, 4 pontos essenciais que pode fazer toda a diferença: • Ter consciência do tempo disponível e planejar de acordo (com tempo de sobra); • Materiais de papelaria necessários para as atividades e o número de participantes • Espaço físico adequado e organização da mobília no espaço • Gestão de riscos (pensar no que pode dar errado e como proceder) / Planos B. Capítulo 3 engajamento, facilitação e liderança