SlideShare uma empresa Scribd logo
as
mudanças
climáticas
têm
escalas?
Elisa Quartim - FAU
Eloísa Albuquerque - PROCAM
Guilherme Abuchahla - PROCAM
Heloísa Tozato - PROCAM
Larissa Giroldo - PROCAM
Lúcia Omar - PROCAM
Rafael Viñas - POLI
Ricardo d'Avila - IEE
Sim.
vejamos como:

a escala
causas
registros
biodiversidade
ACV - análise do ciclo de vida
microclima urbano
impactos econômicos
impactos sociais
a escala
A escala: dimensão do espaço e do tempo
Pode expressar diferentes modos de percepção
e concepção do real
Estratégia de aproximação do real
Medida que confere visibilidade ao fenômeno
Inseparabilidade entre tamanho e fenômeno

Como se comporta o fenômeno estudado? Como o fenômeno se
expressa espacialmente?
Flutuações climáticas são fenômenos de meso-escala
(entre 1000 e 1 mi de anos)


escala grande: fenômeno ampliado, detalhado
(ex: escala local)
escala pequena: fenômeno reduzido, generalizado


                           A escala deve dar sentido ao
                            recorte espacial objetivado.
causas   medições e modelos
Gt5   parte i
Emissões anuais globais do efeito estufa antropogênicos
entre 1970 e 2004
Participação dos diferentes gases do efeito estufa
antropogênicos nas emissões totais em 2004, em termos de
CO2-eq
Participação dos diferentes setores no total das emissões
de gases de efeito estufa antropogênicos em 2004, em
termos de CO2-eq
Gt5   parte i
O forçamento radiativo é uma medida da influência de
um fator na alteração do equilíbrio da energia que entra e sai
do sistema Terra-atmosfera e é um índice da importância do
fator como possível mecanismo de mudança do clima.
O forçamento positivo tende a aquecer a superfície,
enquanto o forçamento negativo tende a esfriá-la. (IPCC,
2007)
Observam-se as substâncias     que possuam:
capacidade de absorção de radiação infravermelha
tempo de residência na atmosfera
liberação de CO2 na decomposição


Características relevantes em uma substância causadora das
mudanças climáticas:
absorção de radiação infravermelha e tempo de vida
suficiente para expressiva contribuição às mudanças
climáticas.
a(t): Forçamento radioativo (coeficiente específico de absorção de IV)
c(t): Concentração residual do gás
registros
A história da humanidade é também a história dos
grandes desastres naturais.
Civilizações: desastres naturais + mitos
Religiões: atribuem à ira dos deuses - senso de
passividade e inevitabilidade
Histórico de grandes desastres
Cientistas: regulação pelo ser humano
Atual - técnico-científico informacional
O clima é a sucessão habitual dos tipos de
  4




tempos (meteorológicos) em determinada
época, com caracterização baseada em grande
número de dados de uma estação meteriológica.


      OMM- Organização Mundial de Meteoriologia: 30 anos de
                          dados para caracterizar um clima
Gt5   parte i
Desastres naturais

Dinâmica interna da Terra:
                              Terremotos
                              Maremotos
                                 Vulcões
                               Tsunamis
Dinâmica externa da Terra:
                             Tempestades
                                Tornados
                              Inundações
                               Ressacas
Desastre natural: situação ou evento que
ultrapassa a capacidade de resposta de um determinado
local, necessitando de assistência externa para o retorno da
“normalidade”, ou seja, é um evento imprevisto e/ou
frequentemente súbito, que causa grandes danos e
prejuízos às áreas afetadas.


                                   10 ou mais vítimas fatais
                              100 ou mais pessoas afetadas
                       declaração de estado de emergência
                         pedido de assistência internacional
Classificação


Intensidade - relação com PIB municipal:

I prejuízos inferior 5% PIB municipal – recursos menores

II prejuízos entre 5% e 10% PIB - especiais

III prejuízos entre 10% e 30% PIB - situação de emergência

IV prejuízos acima de 30% PIB - calamidade pública / ajuda
internacional
Evolução – tempo de ocorrência:
Súbitos – enchentes e ressacas
Graduais – enchente fluvial e secas


Origem:
Naturais – independem de ações antrópicas
Mistos – ações antrópicas agravam


Duração:
Episódicas – inundações
Crônicas – erosão
EM DATA – Emergency Events Database (ONU)
Associação Portuguesa de Riscos, Prevenção e Segurança
Global – INPE (2007)
Brasil – INPE (2007)
O aquecimento do clima tem ocorrido sem dúvidas
pela observação do aumento da média global de temperatura do
ar e dos oceanos, assim como pelo derretimento de neve e gelo e
o aumento do nível do mar.




Entre 1995 e 2006 ocorreram as maiores temperaturas
observadas desde 1850.
Gt5   parte i
aumento global
do nível do mar

na costa brasileira:
40 cm/séc

média: 24 cm/séc

indícios de
associação com o
aquecimento global
de origem
antrópica



(Mesquita et al., 2009)
Metodologias de mensuração de riscos - mudanças climáticas
         (Banco Mundial, Universidade Columbia
             & Pro Ventiar Consortiner, 2005).
No Brasil a Escola Nacional de Saúde Pública, criou
recentemente um estudo sobre indicadores de
suscetibilidade às mudanças climáticas na área
de saúde, baseado no IBGE, estabelecendo três índices:


                        Vulnerabilidade sócio-econômica
                          Vulnerabilidade epidemiológica
                            Vulnerabilidade climatológica
Geotecnologia
prevenção de desastres naturais

                                                    Geofísica
                             relevo, vegetação, rios, precipitação

Humanas
população, ocupação do solo, pobreza, atividade econômica,
educação

                  SIG – sistema de informações geográficas
  sensoriamento remoto, GPS (sistema de posicionamento global)
Definição de rotas de evacuação, abrigos e centros de
operação de emergências, gerenciamento de sistemas de
alerta.


                                                Previsão
                       modelos metereológicos e hidrológicos


Imagens de satélite e monitoração.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Riscos geológicos 10º ano
Riscos geológicos 10º anoRiscos geológicos 10º ano
Riscos geológicos 10º ano
Beatriz de Almeida
 
Riscos geológicos nos desastres naturais: cinco pontos-chave para melhoria da...
Riscos geológicos nos desastres naturais: cinco pontos-chave para melhoria da...Riscos geológicos nos desastres naturais: cinco pontos-chave para melhoria da...
Riscos geológicos nos desastres naturais: cinco pontos-chave para melhoria da...
Claudio Ferreira
 
Estudo de implantação de um programa de monitoramento de encostas na br 116
Estudo de implantação de um programa de monitoramento de encostas na br 116Estudo de implantação de um programa de monitoramento de encostas na br 116
Estudo de implantação de um programa de monitoramento de encostas na br 116
ERI - "Engineering and Research Institute" Pesquisas Ltda
 
Atuação do Instituto Geológico na Prevenção aos Desastres Naturais
Atuação do Instituto Geológico na Prevenção aos Desastres NaturaisAtuação do Instituto Geológico na Prevenção aos Desastres Naturais
Atuação do Instituto Geológico na Prevenção aos Desastres Naturais
Instituto de Pesquisas Ambientais
 
Atuação do Instituto Geológico na prevenção de desastres naturais. Maria José...
Atuação do Instituto Geológico na prevenção de desastres naturais. Maria José...Atuação do Instituto Geológico na prevenção de desastres naturais. Maria José...
Atuação do Instituto Geológico na prevenção de desastres naturais. Maria José...
Maria José Brollo
 
Atuação do Instituto Geológico na Prevenção aos Desastres Naturais
Atuação do Instituto Geológico na Prevenção aos Desastres NaturaisAtuação do Instituto Geológico na Prevenção aos Desastres Naturais
Atuação do Instituto Geológico na Prevenção aos Desastres Naturais
Instituto de Pesquisas Ambientais
 
Percepção de Risco - Defesa Civíl SC
Percepção de Risco - Defesa Civíl SCPercepção de Risco - Defesa Civíl SC
Percepção de Risco - Defesa Civíl SC
Portal Voluntários Online
 
RISCOS E CATÁSTROFES NATURAIS
RISCOS E CATÁSTROFES NATURAISRISCOS E CATÁSTROFES NATURAIS
RISCOS E CATÁSTROFES NATURAIS
abarros
 
Sustentabilidade e catastrofes luiz paulo
Sustentabilidade e catastrofes luiz pauloSustentabilidade e catastrofes luiz paulo
Sustentabilidade e catastrofes luiz paulo
Alerj
 
Desastres Naturais
Desastres NaturaisDesastres Naturais
Desastres Naturais
guest6de6faa
 
Geo Soc0506 Aula10
Geo Soc0506 Aula10Geo Soc0506 Aula10
Geo Soc0506 Aula10
Nuno Correia
 
Enchentes na cidade - Petrópolis
Enchentes na cidade - PetrópolisEnchentes na cidade - Petrópolis
Enchentes na cidade - Petrópolis
kaarolfreitaas
 
Desastres Naturais Vulcanismo
Desastres Naturais VulcanismoDesastres Naturais Vulcanismo
Desastres Naturais Vulcanismo
Cátia Beatris Santiago Silva
 
PerturbaçõEs No EquilíBrio Dos Ecossistemas – CatáStrofes Naturais
PerturbaçõEs No EquilíBrio Dos Ecossistemas – CatáStrofes NaturaisPerturbaçõEs No EquilíBrio Dos Ecossistemas – CatáStrofes Naturais
PerturbaçõEs No EquilíBrio Dos Ecossistemas – CatáStrofes Naturais
amaltado8a
 
A atuação do serviço geológico do brasil (1)
A atuação do serviço geológico do brasil (1)A atuação do serviço geológico do brasil (1)
A atuação do serviço geológico do brasil (1)
CARLA KARINA FREITAS
 
Geografia 2014 tipo_c
Geografia 2014 tipo_cGeografia 2014 tipo_c
Geografia 2014 tipo_c
Carol Monteiro
 
Riscos e Catástrofes
Riscos e CatástrofesRiscos e Catástrofes
Riscos e Catástrofes
Iolanda Machado
 
Riscos e Catástrofes
Riscos e CatástrofesRiscos e Catástrofes
Riscos e Catástrofes
asgeoprofessoras
 
Terra E O Universo
Terra E O UniversoTerra E O Universo
Terra E O Universo
guest304c2e
 

Mais procurados (19)

Riscos geológicos 10º ano
Riscos geológicos 10º anoRiscos geológicos 10º ano
Riscos geológicos 10º ano
 
Riscos geológicos nos desastres naturais: cinco pontos-chave para melhoria da...
Riscos geológicos nos desastres naturais: cinco pontos-chave para melhoria da...Riscos geológicos nos desastres naturais: cinco pontos-chave para melhoria da...
Riscos geológicos nos desastres naturais: cinco pontos-chave para melhoria da...
 
Estudo de implantação de um programa de monitoramento de encostas na br 116
Estudo de implantação de um programa de monitoramento de encostas na br 116Estudo de implantação de um programa de monitoramento de encostas na br 116
Estudo de implantação de um programa de monitoramento de encostas na br 116
 
Atuação do Instituto Geológico na Prevenção aos Desastres Naturais
Atuação do Instituto Geológico na Prevenção aos Desastres NaturaisAtuação do Instituto Geológico na Prevenção aos Desastres Naturais
Atuação do Instituto Geológico na Prevenção aos Desastres Naturais
 
Atuação do Instituto Geológico na prevenção de desastres naturais. Maria José...
Atuação do Instituto Geológico na prevenção de desastres naturais. Maria José...Atuação do Instituto Geológico na prevenção de desastres naturais. Maria José...
Atuação do Instituto Geológico na prevenção de desastres naturais. Maria José...
 
Atuação do Instituto Geológico na Prevenção aos Desastres Naturais
Atuação do Instituto Geológico na Prevenção aos Desastres NaturaisAtuação do Instituto Geológico na Prevenção aos Desastres Naturais
Atuação do Instituto Geológico na Prevenção aos Desastres Naturais
 
Percepção de Risco - Defesa Civíl SC
Percepção de Risco - Defesa Civíl SCPercepção de Risco - Defesa Civíl SC
Percepção de Risco - Defesa Civíl SC
 
RISCOS E CATÁSTROFES NATURAIS
RISCOS E CATÁSTROFES NATURAISRISCOS E CATÁSTROFES NATURAIS
RISCOS E CATÁSTROFES NATURAIS
 
Sustentabilidade e catastrofes luiz paulo
Sustentabilidade e catastrofes luiz pauloSustentabilidade e catastrofes luiz paulo
Sustentabilidade e catastrofes luiz paulo
 
Desastres Naturais
Desastres NaturaisDesastres Naturais
Desastres Naturais
 
Geo Soc0506 Aula10
Geo Soc0506 Aula10Geo Soc0506 Aula10
Geo Soc0506 Aula10
 
Enchentes na cidade - Petrópolis
Enchentes na cidade - PetrópolisEnchentes na cidade - Petrópolis
Enchentes na cidade - Petrópolis
 
Desastres Naturais Vulcanismo
Desastres Naturais VulcanismoDesastres Naturais Vulcanismo
Desastres Naturais Vulcanismo
 
PerturbaçõEs No EquilíBrio Dos Ecossistemas – CatáStrofes Naturais
PerturbaçõEs No EquilíBrio Dos Ecossistemas – CatáStrofes NaturaisPerturbaçõEs No EquilíBrio Dos Ecossistemas – CatáStrofes Naturais
PerturbaçõEs No EquilíBrio Dos Ecossistemas – CatáStrofes Naturais
 
A atuação do serviço geológico do brasil (1)
A atuação do serviço geológico do brasil (1)A atuação do serviço geológico do brasil (1)
A atuação do serviço geológico do brasil (1)
 
Geografia 2014 tipo_c
Geografia 2014 tipo_cGeografia 2014 tipo_c
Geografia 2014 tipo_c
 
Riscos e Catástrofes
Riscos e CatástrofesRiscos e Catástrofes
Riscos e Catástrofes
 
Riscos e Catástrofes
Riscos e CatástrofesRiscos e Catástrofes
Riscos e Catástrofes
 
Terra E O Universo
Terra E O UniversoTerra E O Universo
Terra E O Universo
 

Semelhante a Gt5 parte i

Ciências naturais perturbações naturais dos ecossistemas - catástrofes natu...
Ciências naturais   perturbações naturais dos ecossistemas - catástrofes natu...Ciências naturais   perturbações naturais dos ecossistemas - catástrofes natu...
Ciências naturais perturbações naturais dos ecossistemas - catástrofes natu...
Nuno Correia
 
Alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas, ... a mãe natureza volta ...
Alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas, ... a mãe natureza volta ...Alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas, ... a mãe natureza volta ...
Alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas, ... a mãe natureza volta ...
Universidade Federal Fluminense
 
Alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas, ... a mãe natureza volta ...
Alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas, ... a mãe natureza volta ...Alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas, ... a mãe natureza volta ...
Alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas, ... a mãe natureza volta ...
Universidade Federal Fluminense
 
Alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas, ... a mãe natureza volta ...
Alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas, ... a mãe natureza volta ...Alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas, ... a mãe natureza volta ...
Alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas, ... a mãe natureza volta ...
Universidade Federal Fluminense
 
Aula a crise socioambiental planetária (atual)
Aula   a crise socioambiental planetária (atual)Aula   a crise socioambiental planetária (atual)
Aula a crise socioambiental planetária (atual)
João Alfredo Telles Melo
 
Desastres Naturais-PAC EF 8 SERIE CNEC 2009
Desastres Naturais-PAC EF 8 SERIE CNEC 2009Desastres Naturais-PAC EF 8 SERIE CNEC 2009
Desastres Naturais-PAC EF 8 SERIE CNEC 2009
Wilian Cavassin
 
Vulnerabhum às ac seminfcsh abril2009
Vulnerabhum às ac seminfcsh abril2009Vulnerabhum às ac seminfcsh abril2009
Vulnerabhum às ac seminfcsh abril2009
Ana Cristina Carvalho
 
Alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas, ... a mãe natureza volta ...
Alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas, ... a mãe natureza volta ...Alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas, ... a mãe natureza volta ...
Alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas, ... a mãe natureza volta ...
Universidade Federal Fluminense
 
ae_mamb8_ppt_catastrofes_naturais (1).pptx
ae_mamb8_ppt_catastrofes_naturais (1).pptxae_mamb8_ppt_catastrofes_naturais (1).pptx
ae_mamb8_ppt_catastrofes_naturais (1).pptx
mariagrave
 
Aula a crise socioambiental planetária (atual)
Aula   a crise socioambiental planetária (atual)Aula   a crise socioambiental planetária (atual)
Aula a crise socioambiental planetária (atual)
João Alfredo Telles Melo
 
Desastres Naturais
Desastres NaturaisDesastres Naturais
Desastres Naturais
UFSM
 
Desastres Naturais
Desastres NaturaisDesastres Naturais
Desastres Naturais
Claudio Ferreira
 
3.Artigo VH1 RIOS Brasil
3.Artigo VH1 RIOS Brasil3.Artigo VH1 RIOS Brasil
3.Artigo VH1 RIOS Brasil
Ana Cristina Carvalho
 
A Ciência (que) Quer Salvar a Humanidade II - A Extinção em Massa, Jorge More...
A Ciência (que) Quer Salvar a Humanidade II - A Extinção em Massa, Jorge More...A Ciência (que) Quer Salvar a Humanidade II - A Extinção em Massa, Jorge More...
A Ciência (que) Quer Salvar a Humanidade II - A Extinção em Massa, Jorge More...
Jorge Moreira
 
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Christovam Barcellos
 
Administracao de desastres
Administracao de desastresAdministracao de desastres
Administracao de desastres
Jb Alves
 
Questõesde Geografia.docx
Questõesde Geografia.docxQuestõesde Geografia.docx
Questõesde Geografia.docx
ssuser9666b0
 
Livro administracao-de-desastres-2012-edicao-iii
Livro administracao-de-desastres-2012-edicao-iiiLivro administracao-de-desastres-2012-edicao-iii
Livro administracao-de-desastres-2012-edicao-iii
co100za
 
Mudanças Climáticas
Mudanças ClimáticasMudanças Climáticas
Mudanças Climáticas
vallmachado
 
Turma 11
Turma 11Turma 11
Turma 11
Bianca Vushmaci
 

Semelhante a Gt5 parte i (20)

Ciências naturais perturbações naturais dos ecossistemas - catástrofes natu...
Ciências naturais   perturbações naturais dos ecossistemas - catástrofes natu...Ciências naturais   perturbações naturais dos ecossistemas - catástrofes natu...
Ciências naturais perturbações naturais dos ecossistemas - catástrofes natu...
 
Alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas, ... a mãe natureza volta ...
Alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas, ... a mãe natureza volta ...Alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas, ... a mãe natureza volta ...
Alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas, ... a mãe natureza volta ...
 
Alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas, ... a mãe natureza volta ...
Alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas, ... a mãe natureza volta ...Alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas, ... a mãe natureza volta ...
Alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas, ... a mãe natureza volta ...
 
Alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas, ... a mãe natureza volta ...
Alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas, ... a mãe natureza volta ...Alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas, ... a mãe natureza volta ...
Alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas, ... a mãe natureza volta ...
 
Aula a crise socioambiental planetária (atual)
Aula   a crise socioambiental planetária (atual)Aula   a crise socioambiental planetária (atual)
Aula a crise socioambiental planetária (atual)
 
Desastres Naturais-PAC EF 8 SERIE CNEC 2009
Desastres Naturais-PAC EF 8 SERIE CNEC 2009Desastres Naturais-PAC EF 8 SERIE CNEC 2009
Desastres Naturais-PAC EF 8 SERIE CNEC 2009
 
Vulnerabhum às ac seminfcsh abril2009
Vulnerabhum às ac seminfcsh abril2009Vulnerabhum às ac seminfcsh abril2009
Vulnerabhum às ac seminfcsh abril2009
 
Alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas, ... a mãe natureza volta ...
Alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas, ... a mãe natureza volta ...Alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas, ... a mãe natureza volta ...
Alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas, ... a mãe natureza volta ...
 
ae_mamb8_ppt_catastrofes_naturais (1).pptx
ae_mamb8_ppt_catastrofes_naturais (1).pptxae_mamb8_ppt_catastrofes_naturais (1).pptx
ae_mamb8_ppt_catastrofes_naturais (1).pptx
 
Aula a crise socioambiental planetária (atual)
Aula   a crise socioambiental planetária (atual)Aula   a crise socioambiental planetária (atual)
Aula a crise socioambiental planetária (atual)
 
Desastres Naturais
Desastres NaturaisDesastres Naturais
Desastres Naturais
 
Desastres Naturais
Desastres NaturaisDesastres Naturais
Desastres Naturais
 
3.Artigo VH1 RIOS Brasil
3.Artigo VH1 RIOS Brasil3.Artigo VH1 RIOS Brasil
3.Artigo VH1 RIOS Brasil
 
A Ciência (que) Quer Salvar a Humanidade II - A Extinção em Massa, Jorge More...
A Ciência (que) Quer Salvar a Humanidade II - A Extinção em Massa, Jorge More...A Ciência (que) Quer Salvar a Humanidade II - A Extinção em Massa, Jorge More...
A Ciência (que) Quer Salvar a Humanidade II - A Extinção em Massa, Jorge More...
 
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
 
Administracao de desastres
Administracao de desastresAdministracao de desastres
Administracao de desastres
 
Questõesde Geografia.docx
Questõesde Geografia.docxQuestõesde Geografia.docx
Questõesde Geografia.docx
 
Livro administracao-de-desastres-2012-edicao-iii
Livro administracao-de-desastres-2012-edicao-iiiLivro administracao-de-desastres-2012-edicao-iii
Livro administracao-de-desastres-2012-edicao-iii
 
Mudanças Climáticas
Mudanças ClimáticasMudanças Climáticas
Mudanças Climáticas
 
Turma 11
Turma 11Turma 11
Turma 11
 

Mais de Procambiental

Aula inaugural
Aula inauguralAula inaugural
Aula inaugural
Procambiental
 
Apresentação Le Monde
Apresentação   Le MondeApresentação   Le Monde
Apresentação Le Monde
Procambiental
 
Gt4 apresentacao final
Gt4 apresentacao finalGt4 apresentacao final
Gt4 apresentacao final
Procambiental
 
Qualiquanti
QualiquantiQualiquanti
Qualiquanti
Procambiental
 
Qualiquanti
QualiquantiQualiquanti
Qualiquanti
Procambiental
 
Seminário métodos qualitativos 2 _ corrigido
Seminário   métodos qualitativos 2 _ corrigidoSeminário   métodos qualitativos 2 _ corrigido
Seminário métodos qualitativos 2 _ corrigido
Procambiental
 
Apresentacao quanti v4
Apresentacao quanti v4Apresentacao quanti v4
Apresentacao quanti v4
Procambiental
 
Seminário – método qualitativo
Seminário – método qualitativoSeminário – método qualitativo
Seminário – método qualitativo
Procambiental
 
Aula conceitos 2011
Aula conceitos   2011Aula conceitos   2011
Aula conceitos 2011
Procambiental
 
Interdisciplinaridade 21-03-2011
Interdisciplinaridade 21-03-2011Interdisciplinaridade 21-03-2011
Interdisciplinaridade 21-03-2011
Procambiental
 
Aula 02 area e escala 2011 em doc
Aula 02   area e  escala 2011  em docAula 02   area e  escala 2011  em doc
Aula 02 area e escala 2011 em doc
Procambiental
 
Aula 01 natureza 2011 aula dada
Aula 01 natureza 2011  aula dadaAula 01 natureza 2011  aula dada
Aula 01 natureza 2011 aula dada
Procambiental
 

Mais de Procambiental (14)

Aula inaugural
Aula inauguralAula inaugural
Aula inaugural
 
Le monde nº 4
Le monde nº 4Le monde nº 4
Le monde nº 4
 
Apresentação Le Monde
Apresentação   Le MondeApresentação   Le Monde
Apresentação Le Monde
 
Gt4 apresentacao final
Gt4 apresentacao finalGt4 apresentacao final
Gt4 apresentacao final
 
Le monde nº 4
Le monde nº 4Le monde nº 4
Le monde nº 4
 
Qualiquanti
QualiquantiQualiquanti
Qualiquanti
 
Qualiquanti
QualiquantiQualiquanti
Qualiquanti
 
Seminário métodos qualitativos 2 _ corrigido
Seminário   métodos qualitativos 2 _ corrigidoSeminário   métodos qualitativos 2 _ corrigido
Seminário métodos qualitativos 2 _ corrigido
 
Apresentacao quanti v4
Apresentacao quanti v4Apresentacao quanti v4
Apresentacao quanti v4
 
Seminário – método qualitativo
Seminário – método qualitativoSeminário – método qualitativo
Seminário – método qualitativo
 
Aula conceitos 2011
Aula conceitos   2011Aula conceitos   2011
Aula conceitos 2011
 
Interdisciplinaridade 21-03-2011
Interdisciplinaridade 21-03-2011Interdisciplinaridade 21-03-2011
Interdisciplinaridade 21-03-2011
 
Aula 02 area e escala 2011 em doc
Aula 02   area e  escala 2011  em docAula 02   area e  escala 2011  em doc
Aula 02 area e escala 2011 em doc
 
Aula 01 natureza 2011 aula dada
Aula 01 natureza 2011  aula dadaAula 01 natureza 2011  aula dada
Aula 01 natureza 2011 aula dada
 

Último

Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoudFerramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
Ismael Ash
 
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
Faga1939
 
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docxse38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
ronaldos10
 
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebuliçãoExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
ExpoGestão
 
ExpoGestão 2024 - Inteligência Artificial – A revolução no mundo dos negócios
ExpoGestão 2024 - Inteligência Artificial – A revolução no mundo dos negóciosExpoGestão 2024 - Inteligência Artificial – A revolução no mundo dos negócios
ExpoGestão 2024 - Inteligência Artificial – A revolução no mundo dos negócios
ExpoGestão
 
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWSSubindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Ismael Ash
 

Último (6)

Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoudFerramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
 
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
 
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docxse38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
 
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebuliçãoExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
ExpoGestão 2024 - Desvendando um mundo em ebulição
 
ExpoGestão 2024 - Inteligência Artificial – A revolução no mundo dos negócios
ExpoGestão 2024 - Inteligência Artificial – A revolução no mundo dos negóciosExpoGestão 2024 - Inteligência Artificial – A revolução no mundo dos negócios
ExpoGestão 2024 - Inteligência Artificial – A revolução no mundo dos negócios
 
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWSSubindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
 

Gt5 parte i

  • 2. Elisa Quartim - FAU Eloísa Albuquerque - PROCAM Guilherme Abuchahla - PROCAM Heloísa Tozato - PROCAM Larissa Giroldo - PROCAM Lúcia Omar - PROCAM Rafael Viñas - POLI Ricardo d'Avila - IEE
  • 3. Sim. vejamos como: a escala causas registros biodiversidade ACV - análise do ciclo de vida microclima urbano impactos econômicos impactos sociais
  • 4. a escala A escala: dimensão do espaço e do tempo Pode expressar diferentes modos de percepção e concepção do real Estratégia de aproximação do real Medida que confere visibilidade ao fenômeno Inseparabilidade entre tamanho e fenômeno Como se comporta o fenômeno estudado? Como o fenômeno se expressa espacialmente?
  • 5. Flutuações climáticas são fenômenos de meso-escala (entre 1000 e 1 mi de anos) escala grande: fenômeno ampliado, detalhado (ex: escala local) escala pequena: fenômeno reduzido, generalizado A escala deve dar sentido ao recorte espacial objetivado.
  • 6. causas medições e modelos
  • 8. Emissões anuais globais do efeito estufa antropogênicos entre 1970 e 2004 Participação dos diferentes gases do efeito estufa antropogênicos nas emissões totais em 2004, em termos de CO2-eq Participação dos diferentes setores no total das emissões de gases de efeito estufa antropogênicos em 2004, em termos de CO2-eq
  • 10. O forçamento radiativo é uma medida da influência de um fator na alteração do equilíbrio da energia que entra e sai do sistema Terra-atmosfera e é um índice da importância do fator como possível mecanismo de mudança do clima. O forçamento positivo tende a aquecer a superfície, enquanto o forçamento negativo tende a esfriá-la. (IPCC, 2007)
  • 11. Observam-se as substâncias que possuam: capacidade de absorção de radiação infravermelha tempo de residência na atmosfera liberação de CO2 na decomposição Características relevantes em uma substância causadora das mudanças climáticas: absorção de radiação infravermelha e tempo de vida suficiente para expressiva contribuição às mudanças climáticas.
  • 12. a(t): Forçamento radioativo (coeficiente específico de absorção de IV) c(t): Concentração residual do gás
  • 13. registros A história da humanidade é também a história dos grandes desastres naturais. Civilizações: desastres naturais + mitos Religiões: atribuem à ira dos deuses - senso de passividade e inevitabilidade Histórico de grandes desastres Cientistas: regulação pelo ser humano Atual - técnico-científico informacional
  • 14. O clima é a sucessão habitual dos tipos de 4 tempos (meteorológicos) em determinada época, com caracterização baseada em grande número de dados de uma estação meteriológica. OMM- Organização Mundial de Meteoriologia: 30 anos de dados para caracterizar um clima
  • 16. Desastres naturais Dinâmica interna da Terra: Terremotos Maremotos Vulcões Tsunamis Dinâmica externa da Terra: Tempestades Tornados Inundações Ressacas
  • 17. Desastre natural: situação ou evento que ultrapassa a capacidade de resposta de um determinado local, necessitando de assistência externa para o retorno da “normalidade”, ou seja, é um evento imprevisto e/ou frequentemente súbito, que causa grandes danos e prejuízos às áreas afetadas. 10 ou mais vítimas fatais 100 ou mais pessoas afetadas declaração de estado de emergência pedido de assistência internacional
  • 18. Classificação Intensidade - relação com PIB municipal: I prejuízos inferior 5% PIB municipal – recursos menores II prejuízos entre 5% e 10% PIB - especiais III prejuízos entre 10% e 30% PIB - situação de emergência IV prejuízos acima de 30% PIB - calamidade pública / ajuda internacional
  • 19. Evolução – tempo de ocorrência: Súbitos – enchentes e ressacas Graduais – enchente fluvial e secas Origem: Naturais – independem de ações antrópicas Mistos – ações antrópicas agravam Duração: Episódicas – inundações Crônicas – erosão
  • 20. EM DATA – Emergency Events Database (ONU)
  • 21. Associação Portuguesa de Riscos, Prevenção e Segurança
  • 22. Global – INPE (2007)
  • 23. Brasil – INPE (2007)
  • 24. O aquecimento do clima tem ocorrido sem dúvidas pela observação do aumento da média global de temperatura do ar e dos oceanos, assim como pelo derretimento de neve e gelo e o aumento do nível do mar. Entre 1995 e 2006 ocorreram as maiores temperaturas observadas desde 1850.
  • 26. aumento global do nível do mar na costa brasileira: 40 cm/séc média: 24 cm/séc indícios de associação com o aquecimento global de origem antrópica (Mesquita et al., 2009)
  • 27. Metodologias de mensuração de riscos - mudanças climáticas (Banco Mundial, Universidade Columbia & Pro Ventiar Consortiner, 2005).
  • 28. No Brasil a Escola Nacional de Saúde Pública, criou recentemente um estudo sobre indicadores de suscetibilidade às mudanças climáticas na área de saúde, baseado no IBGE, estabelecendo três índices: Vulnerabilidade sócio-econômica Vulnerabilidade epidemiológica Vulnerabilidade climatológica
  • 29. Geotecnologia prevenção de desastres naturais Geofísica relevo, vegetação, rios, precipitação Humanas população, ocupação do solo, pobreza, atividade econômica, educação SIG – sistema de informações geográficas sensoriamento remoto, GPS (sistema de posicionamento global)
  • 30. Definição de rotas de evacuação, abrigos e centros de operação de emergências, gerenciamento de sistemas de alerta. Previsão modelos metereológicos e hidrológicos Imagens de satélite e monitoração.