SlideShare uma empresa Scribd logo
Escola Santa Maria
Professora: Mary Alvarenga
O gênero cordel é uma espécie de literatura popular típica do nordeste, fala do povo, do seu
cotidiano, dos seus problemas, das suas tristezas, das suas alegrias, das suas lendas e das suas histórias, do
conflito entre o bem e o mal...
O nome ‘cordel’ vem de como os livrinhos eram expostos para serem vendidos. Cordinhas eram
esticadas e nelas eram pendurados os livrinhos abertos na página central.
A literatura de cordel é escrita em forma rimada e alguns poemas são ilustrados com xilogravuras,
o mesmo estilo de gravura usado nas capas. As estrofes mais comuns são as de dez, oito ou seis versos.
Os autores da literatura de cordel são denominados "cordelistas" e recitam esses versos de forma
melodiosa e lenta, acompanhados de viola que eles mesmos tocam, além de fazerem as leituras ou
declamações muito empolgadas e animadas para conquistar os compradores.
A fabricação dos livretos é praticamente manual e feita pelo próprio autor. A capa é feita em
xilogravura, que é um trabalho artesanal que sua matriz é de madeira, um processo idêntico ao de um
carimbo.
 Características do cordel
 Linguagem – Vocábulos simples
 Livretos com poucas páginas
 Histórias contadas em rimas
 Ilustrações – (xilogravuras) nas capas
 Pode ser declamada ou contada em voz alta
 Folhetos podem ser – bibliográficos, didáticos e descritivos.
 Poética do cordel
 Quadra: estrofe de quatro versos.
 Sextilha: estrofe de seis versos.
 Septilha: é a mais rara, pois é composta por sete versos.
 Oitava: estrofe de oito versos.
 Quadrão: os três primeiros versos rimam entre si; o quarto com o oitavo, e o quinto, o sexto e o
sétimo também entre si.
 Décima: estrofe de dez versos.
 Martelo: estrofes formadas por decassílabos (comuns em desafios e versos heroicos).
 Por ser uma narrativa, apresenta a seguinte estrutura
Situação inicial, geralmente de equilíbrio, complicação, desenvolvimento, clímax e desfecho, e
como recursos linguísticos, as metáforas, as comparações e claros os exageros.
 LEMBRTE:
 Verso – é cada uma das linhas do poema.
 Estrofe – é cada grupo de versos separados do grupo seguinte por um espaço. Um poema pode ter
uma ou várias estrofes. E cada estrofe, um número variado de versos.
 Xilogravura – arte e técnica de fazer gravuras em relevo sobre madeira.
Corrupção
de Dorgival Poeta
Parece que o Brasil
Está sempre a atrasado,
Em matéria de saúde
O pobre está condenado,
Se for pra fila do SUS
Se considere finado.
Entra governo e sai governo
E só piora a situação,
Nota zero em segurança,
Zero em saúde pública
E dez em corrupção.
A novela da Petrobrás
Faz parte do dia a dia,
É tanta corrupção
Que causa até agonia
É muita hipocrisia
Os jornais só tem assunto
De lava jato e petróleo
Reforma da Previdência
Para ferrar o povão,
E o Brasil afundando
Num mar de corrupção.
Cada dia um esquema
Uma nova delação,
Políticos de vários partidos
Envolvidos em corrupção,
Alguns até vão preso
Mas não devolve um tostão.
Esse país está sem freio
E o povo tá ferrado,
Só politico ganha dinheiro
É um privilegio danado,
E a maioria ainda vota
Nesses políticos safados
Não escapa um só politico
Nosso Brasil está perdido,
Que tinha fama de honesto
Agora está envolvido
Com isso falta cadeia
Pra prender tanto bandido
Dois mil e dezoito vem aí
É mais um ano de eleição,
E os candidatos santos
Já estão na televisão,
Prometendo seus milagres
Para enganar o povão.
Vamos acordar minha gente
Tudo precisa mudar,
É hora de renovação
Não vamos deixar ninguém lá,
Nosso voto é uma arma
Basta aprender usar
Vão surgir candidatos,
Que não estão envolvidos,
E merece uma chance
Nesse Brasil tão querido,
Se ficar raposa velha
Nós estaremos perdidos.
As “Proezas de João
Grilo”, de João Martins
de Athayde
João Grilo foi um cristão
que nasceu antes do dia
criou-se sem formosura
mas tinha sabedoria
e morreu depois da hora
pelas artes que fazia.
E nasceu de sete meses
chorou no bucho da mãe
quando ela pegou um gato
ele gritou: não me arranhe
não jogue neste animal
que talvez você não ganhe.
Na noite que João nasceu
houve um eclipse na lua
e detonou um vulcão
que ainda continua
naquela noite correu
um lobisomem na rua.
Porém João Grilo criou-se
pequeno, magro e sambudo
as pernas tortas e finas
e boca grande e beiçudo
no sítio onde morava
dava notícia de tudo.
João perdeu o seu pai
com sete anos de idade
morava perto de um rio
Ia pescar toda tarde
um dia fez uma cena
que admirou a cidade.
O rio estava de nado
vinha um vaqueiro de fora
perguntou: dará passagem?
João Grilo disse: inda agora
o gadinho do meu pai
passou com o lombo de fora.
O vaqueiro bota o cavalo
com uma braça deu nado
foi sair já muito embaixo
quase que morre afogado
voltou e disse ao menino:
você é um desgraçado.
João Grilo foi ver o gado
pra provar aquele ato
veio trazendo na frente
um bom rebanho de pato
os pássaros passaram n’água
João provou que era exato.
Um dia a mãe de João Grilo
foi buscar água à tardinha
deixando João Grilo em casa
e quando deu fé, lá vinha
um padre pedindo água
nessa ocasião não tinha
João disse; só tem garapa;
disse o padre; donde é?
João Grilo lhe respondeu;
é do engenho catolé;
disse o padre: pois eu quero;
João levou uma coité.
O padre bebeu e disse:
oh! que garapa boa!
João Grilo disse: quer mais?
o padre disse: e a patroa
não brigará com você?
João disse: tem uma canoa.
João trouxe uma coité
naquele mesmo momento
disse ao padre: beba mais
não precisa acanhamento
na garapa tinha um rato
tava podre e fedorento.
O padre disse: menino
tenha mais educação
e por que não me disseste?
oh! natureza do cão!
pegou a dita coité
arrebentou-a no chão.
João Grilo disse: danou-se!
misericórdia, São Bento!
com isto mamãe se dana
me pague mil e quinhentos
essa coité, seu vigário,
é de mamãe mijar dentro!
O padre deu uma popa
disse para o sacristão:
esse menino é o diabo
em figura de cristão!
meteu o dedo na goela
quase vomita um pulmão.
João Grilo ficou sorrindo
pela cilada que fez
dizendo: vou confessar-me
no dia sete do mês
ele nunca confessou-se
foi essa a primeira vez.
João Grilo tinha um costume
pra toda parte que ia
era alegre e satisfeito
no convívio de alegria
João Grilo fazia graça
que todo mundo sorria.
Num dia de sexta-feira
às cinco horas da tarde
João Grilo disse: hoje à noite
eu assombro aquele padre
se ele não perdoar-me
na igreja há novidade.
pegou uma lagartixa
amarrou pelo gogó
botou-a numa caixinha
no bolso do paletó
foi confessar-se João Grilo
com paciência de Jó.
Às sete horas da noite
foi ao confessionário
fez logo o pelo sinal
posto nos pés do vigário
o padre disse: acuse-se;
João disse o necessário.
Eu sou aquele menino
da garapa e do coité;
o padre disse: levante-se
que já sei você quem é;
João tirou a lagartixa
Soltou-a junto do pé.
A lagartixa subiu
por debaixo da batina
entrou na perna da calça
tornou-se feia a buzina
o padre meteu os pés
arrebentou a cortina.
O MEU SERTÃO
AGRADECE A CHUVA
QUE DEUS MANDAR
O nordeste está sofrendo
Seco sem água e sem planta
O campina já nem canta
O gado não está comendo
As plantas estão morrendo
Dá vontade de chorar
Só Deus pra nos ajudar
E ouvir a nossa prece
O meu sertão agradece
As chuvas que Deus mandar.
A terra fica doente
Fica a vida ameaçada
Gado morto na estrada
Chega dá pena na gente
O sertanejo carente
Vê a seca arrochar
Quem come do que plantar
Baixa a cabeça e faz prece
O meu sertão agradece
As chuvas que Deus mandar.
Quem só vive do roçado
É triste a situação
Se não plantar não tem pão
Pra dar ao filho coitado
O cabra fica apertado
Vendo seu filho chorar
Sem nada ter pra lhe dar
O sertanejo padece
O meu sertão agradece
As chuvas que Deus mandar.
Porém a seca obriga
O camponês apelar
Resolve então viajar
Pra se salvar ele briga
Sua família ele abriga
Bem longe do seu lugar
Mas se a chuva voltar
Diz ele à família a prece
O meu sertão agradece
As chuvas que Deus mandar.
Mesmo estando na cidade
Quando escuta alguém dizer
Que já começou chover
Lhe bate logo a vontade
Já lhe aumenta a saudade
E resolve então voltar
Pensando logo em plantar
Diz Deus ouviu minha prece
O meu sertão agradece
As chuvas que Deus mandar.
Vem na primeira viagem
Era o que ele mais queria
A família com alegria
Ele cheio de coragem
Chega e ver outra paisagem
A asa branca a cantar
O verde, o gado a pastar
Com água tudo enriquece
O meu sertão agradece
As chuvas que Deus mandar.
Ver os rios transbordando
A mata verde e frondosa
Ho! Que paisagem mimosa
O gado gordo pastando
A passarada cantando
O milho a pendoar
Já tem feijão pra apanhar
O sertanejo envaidece
O meu sertão agradece
As chuvas que Deus mandar.
É esta a maior riqueza
Que se vê no meu sertão
Pois a maior ambição
Não é joia e nem nobreza
Apenas que a natureza
Viva pra nos ajudar
Que Deus possa abençoar
E da gente não se esqueça
Pra que o sertão agradeça
A chuva que Deus mandar.
Francisco Rariosvaldo
de Oliveira
Entendendo o texto
1. Qual é o título do poema?_____________________________________________________________
2. Quem é o autor? ____________________________________________________________________
3. Por que os poemas recebem o nome de cordel? ___________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
4. Quais são os assuntos abordados neste tipo gênero textual? _________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
5. Quantas estrofes e quantos versos há neste poema? ________________________________________
_____________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________
6. Do que fala o poema? _______________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
7. De onde vem a palavra cordel? ________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
8. O que é, exatamente, o cordel? ________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
9. Por que o autor diz “O meu sertão agradece a chuva que Deus mandar”?
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
10. Esse poema tem rima? ______________________________________________________________
11. Quais são as rimas da primeira estrofe? __________________________________________________
12. O que é verso e o que é estrofe? _______________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
13. Como se chama o poeta que faz literatura de cordel? _______________________________________
____________________________________________________________________________________
Crie seu próprio cordel
_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Atividade ortográfica - Caçada aos erros
Atividade ortográfica - Caçada aos errosAtividade ortográfica - Caçada aos erros
Atividade ortográfica - Caçada aos erros
Mary Alvarenga
 
Gênero textual: Fabulas e contos
Gênero textual: Fabulas e contos Gênero textual: Fabulas e contos
Gênero textual: Fabulas e contos
Mary Alvarenga
 
Produzindo texto
Produzindo textoProduzindo texto
Produzindo texto
Mary Alvarenga
 
A paz - Análise e entendimento da música
A paz   - Análise e entendimento da músicaA paz   - Análise e entendimento da música
A paz - Análise e entendimento da música
Mary Alvarenga
 
Sequencia didática sistema monetario 3 ano a 2016
Sequencia didática sistema monetario  3 ano a   2016Sequencia didática sistema monetario  3 ano a   2016
Sequencia didática sistema monetario 3 ano a 2016
Prefeitura de Cianorte
 
Modelo de atividades para o 3º ano
Modelo de atividades para o 3º anoModelo de atividades para o 3º ano
Modelo de atividades para o 3º ano
pedagogicosjdelrei
 
Conto de suspense e atividade.
Conto  de suspense e  atividade.Conto  de suspense e  atividade.
Conto de suspense e atividade.
Mary Alvarenga
 
AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5º ANO - 3º BIMESTRE
AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5º ANO - 3º BIMESTREAVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5º ANO - 3º BIMESTRE
AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5º ANO - 3º BIMESTRE
Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino
 
Frases e tipos de frases
Frases e tipos de frasesFrases e tipos de frases
Frases e tipos de frases
Silmara Robles
 
Poema o menino azul de Cecília Meireles - Análise e entendimento
Poema  o menino azul de  Cecília Meireles - Análise e entendimento Poema  o menino azul de  Cecília Meireles - Análise e entendimento
Poema o menino azul de Cecília Meireles - Análise e entendimento
Mary Alvarenga
 
Produção textual
Produção textual Produção textual
Produção textual
Mary Alvarenga
 
Avaliação de Ciências Escola Edite Porto 2013
Avaliação de Ciências Escola Edite Porto 2013Avaliação de Ciências Escola Edite Porto 2013
Avaliação de Ciências Escola Edite Porto 2013
Angela Maria
 
Texto e Interpretação - Dia Internacional da Mulher
Texto  e Interpretação - Dia Internacional da MulherTexto  e Interpretação - Dia Internacional da Mulher
Texto e Interpretação - Dia Internacional da Mulher
Mary Alvarenga
 
atividade-literatura-de-cordel-celpe
atividade-literatura-de-cordel-celpeatividade-literatura-de-cordel-celpe
atividade-literatura-de-cordel-celpe
Luisa Cristina Rothe Mayer
 
Historia Atividade Cidadania Diversidade Cultural e Respeito 5º ano (1).pdf
Historia Atividade Cidadania Diversidade Cultural e Respeito 5º ano (1).pdfHistoria Atividade Cidadania Diversidade Cultural e Respeito 5º ano (1).pdf
Historia Atividade Cidadania Diversidade Cultural e Respeito 5º ano (1).pdf
marilei4
 
Prova folclore
Prova folcloreProva folclore
Prova folclore
Stella Santana
 
Aquarela de Toquinho - Análise e entendimento da música
Aquarela  de Toquinho - Análise e entendimento da música Aquarela  de Toquinho - Análise e entendimento da música
Aquarela de Toquinho - Análise e entendimento da música
Mary Alvarenga
 
Português Simulado 4-ano-segundo-semestre
Português Simulado 4-ano-segundo-semestrePortuguês Simulado 4-ano-segundo-semestre
Português Simulado 4-ano-segundo-semestre
Vivian Harrizvivian
 
SIMULADO 4º ANO FUNDAMENTAL
SIMULADO 4º ANO FUNDAMENTALSIMULADO 4º ANO FUNDAMENTAL
SIMULADO 4º ANO FUNDAMENTAL
Cristina Brandão
 

Mais procurados (20)

Atividade ortográfica - Caçada aos erros
Atividade ortográfica - Caçada aos errosAtividade ortográfica - Caçada aos erros
Atividade ortográfica - Caçada aos erros
 
Gênero textual: Fabulas e contos
Gênero textual: Fabulas e contos Gênero textual: Fabulas e contos
Gênero textual: Fabulas e contos
 
Produzindo texto
Produzindo textoProduzindo texto
Produzindo texto
 
A paz - Análise e entendimento da música
A paz   - Análise e entendimento da músicaA paz   - Análise e entendimento da música
A paz - Análise e entendimento da música
 
Sequencia didática sistema monetario 3 ano a 2016
Sequencia didática sistema monetario  3 ano a   2016Sequencia didática sistema monetario  3 ano a   2016
Sequencia didática sistema monetario 3 ano a 2016
 
Modelo de atividades para o 3º ano
Modelo de atividades para o 3º anoModelo de atividades para o 3º ano
Modelo de atividades para o 3º ano
 
Conto de suspense e atividade.
Conto  de suspense e  atividade.Conto  de suspense e  atividade.
Conto de suspense e atividade.
 
AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5º ANO - 3º BIMESTRE
AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5º ANO - 3º BIMESTREAVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5º ANO - 3º BIMESTRE
AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5º ANO - 3º BIMESTRE
 
Frases e tipos de frases
Frases e tipos de frasesFrases e tipos de frases
Frases e tipos de frases
 
Poema o menino azul de Cecília Meireles - Análise e entendimento
Poema  o menino azul de  Cecília Meireles - Análise e entendimento Poema  o menino azul de  Cecília Meireles - Análise e entendimento
Poema o menino azul de Cecília Meireles - Análise e entendimento
 
Cidade e município
Cidade e municípioCidade e município
Cidade e município
 
Produção textual
Produção textual Produção textual
Produção textual
 
Avaliação de Ciências Escola Edite Porto 2013
Avaliação de Ciências Escola Edite Porto 2013Avaliação de Ciências Escola Edite Porto 2013
Avaliação de Ciências Escola Edite Porto 2013
 
Texto e Interpretação - Dia Internacional da Mulher
Texto  e Interpretação - Dia Internacional da MulherTexto  e Interpretação - Dia Internacional da Mulher
Texto e Interpretação - Dia Internacional da Mulher
 
atividade-literatura-de-cordel-celpe
atividade-literatura-de-cordel-celpeatividade-literatura-de-cordel-celpe
atividade-literatura-de-cordel-celpe
 
Historia Atividade Cidadania Diversidade Cultural e Respeito 5º ano (1).pdf
Historia Atividade Cidadania Diversidade Cultural e Respeito 5º ano (1).pdfHistoria Atividade Cidadania Diversidade Cultural e Respeito 5º ano (1).pdf
Historia Atividade Cidadania Diversidade Cultural e Respeito 5º ano (1).pdf
 
Prova folclore
Prova folcloreProva folclore
Prova folclore
 
Aquarela de Toquinho - Análise e entendimento da música
Aquarela  de Toquinho - Análise e entendimento da música Aquarela  de Toquinho - Análise e entendimento da música
Aquarela de Toquinho - Análise e entendimento da música
 
Português Simulado 4-ano-segundo-semestre
Português Simulado 4-ano-segundo-semestrePortuguês Simulado 4-ano-segundo-semestre
Português Simulado 4-ano-segundo-semestre
 
SIMULADO 4º ANO FUNDAMENTAL
SIMULADO 4º ANO FUNDAMENTALSIMULADO 4º ANO FUNDAMENTAL
SIMULADO 4º ANO FUNDAMENTAL
 

Destaque

Texto: Pensar e conhecer
Texto: Pensar e conhecerTexto: Pensar e conhecer
Texto: Pensar e conhecer
Mary Alvarenga
 
Cardápio de-atividades-grécia-antiga
Cardápio de-atividades-grécia-antigaCardápio de-atividades-grécia-antiga
Cardápio de-atividades-grécia-antiga
aridu18
 
RESOLUÇÃO 2680 DE 2014 PARA DESIGNAÇÃO NA REDE PÚBLICA EM 215
RESOLUÇÃO 2680 DE 2014 PARA DESIGNAÇÃO NA REDE PÚBLICA EM 215RESOLUÇÃO 2680 DE 2014 PARA DESIGNAÇÃO NA REDE PÚBLICA EM 215
RESOLUÇÃO 2680 DE 2014 PARA DESIGNAÇÃO NA REDE PÚBLICA EM 215
Antônio Fernandes
 
Programa Mais Educação _ Relatório das Atividades _ 3º bimestre
Programa Mais Educação _ Relatório das Atividades _  3º bimestrePrograma Mais Educação _ Relatório das Atividades _  3º bimestre
Programa Mais Educação _ Relatório das Atividades _ 3º bimestre
Patrícia Fernanda da Costa Santos
 
O que é Páscoa? Símbolos da páscoa
O que é Páscoa?    Símbolos da páscoaO que é Páscoa?    Símbolos da páscoa
O que é Páscoa? Símbolos da páscoa
Mary Alvarenga
 
Diabetes: conhecer para prevenir
Diabetes: conhecer para prevenir Diabetes: conhecer para prevenir
Diabetes: conhecer para prevenir
Mary Alvarenga
 
Islamismo
Islamismo  Islamismo
Islamismo
Mary Alvarenga
 
Texto excelente para refletir
Texto excelente para refletirTexto excelente para refletir
Texto excelente para refletir
Mary Alvarenga
 
Poesias afro-brasileiras
Poesias afro-brasileiras Poesias afro-brasileiras
Poesias afro-brasileiras
Mary Alvarenga
 
Cruzadinha de filosofia (Ética e moral – O problema da ação e dos valores)
Cruzadinha de filosofia  (Ética e moral – O problema da ação e dos valores)Cruzadinha de filosofia  (Ética e moral – O problema da ação e dos valores)
Cruzadinha de filosofia (Ética e moral – O problema da ação e dos valores)
Mary Alvarenga
 
Projeto - Diabetes: conhecer para prevenir
Projeto -    Diabetes: conhecer para prevenirProjeto -    Diabetes: conhecer para prevenir
Projeto - Diabetes: conhecer para prevenir
Mary Alvarenga
 
Independência dos Estados Unidos - Texto e atividade
Independência dos Estados Unidos  -  Texto e atividade Independência dos Estados Unidos  -  Texto e atividade
Independência dos Estados Unidos - Texto e atividade
Mary Alvarenga
 
Atividades filosofia mito, senso comum e pensamento filosófico e científico
Atividades filosofia mito, senso comum e pensamento filosófico e científicoAtividades filosofia mito, senso comum e pensamento filosófico e científico
Atividades filosofia mito, senso comum e pensamento filosófico e científico
Doug Caesar
 
Gênero textual: cartão, convite. biografia, narração, história em quedrinho (...
Gênero textual: cartão, convite. biografia, narração, história em quedrinho (...Gênero textual: cartão, convite. biografia, narração, história em quedrinho (...
Gênero textual: cartão, convite. biografia, narração, história em quedrinho (...
Mary Alvarenga
 
Culinária afro-brasileira
Culinária afro-brasileiraCulinária afro-brasileira
Culinária afro-brasileira
Mary Alvarenga
 

Destaque (15)

Texto: Pensar e conhecer
Texto: Pensar e conhecerTexto: Pensar e conhecer
Texto: Pensar e conhecer
 
Cardápio de-atividades-grécia-antiga
Cardápio de-atividades-grécia-antigaCardápio de-atividades-grécia-antiga
Cardápio de-atividades-grécia-antiga
 
RESOLUÇÃO 2680 DE 2014 PARA DESIGNAÇÃO NA REDE PÚBLICA EM 215
RESOLUÇÃO 2680 DE 2014 PARA DESIGNAÇÃO NA REDE PÚBLICA EM 215RESOLUÇÃO 2680 DE 2014 PARA DESIGNAÇÃO NA REDE PÚBLICA EM 215
RESOLUÇÃO 2680 DE 2014 PARA DESIGNAÇÃO NA REDE PÚBLICA EM 215
 
Programa Mais Educação _ Relatório das Atividades _ 3º bimestre
Programa Mais Educação _ Relatório das Atividades _  3º bimestrePrograma Mais Educação _ Relatório das Atividades _  3º bimestre
Programa Mais Educação _ Relatório das Atividades _ 3º bimestre
 
O que é Páscoa? Símbolos da páscoa
O que é Páscoa?    Símbolos da páscoaO que é Páscoa?    Símbolos da páscoa
O que é Páscoa? Símbolos da páscoa
 
Diabetes: conhecer para prevenir
Diabetes: conhecer para prevenir Diabetes: conhecer para prevenir
Diabetes: conhecer para prevenir
 
Islamismo
Islamismo  Islamismo
Islamismo
 
Texto excelente para refletir
Texto excelente para refletirTexto excelente para refletir
Texto excelente para refletir
 
Poesias afro-brasileiras
Poesias afro-brasileiras Poesias afro-brasileiras
Poesias afro-brasileiras
 
Cruzadinha de filosofia (Ética e moral – O problema da ação e dos valores)
Cruzadinha de filosofia  (Ética e moral – O problema da ação e dos valores)Cruzadinha de filosofia  (Ética e moral – O problema da ação e dos valores)
Cruzadinha de filosofia (Ética e moral – O problema da ação e dos valores)
 
Projeto - Diabetes: conhecer para prevenir
Projeto -    Diabetes: conhecer para prevenirProjeto -    Diabetes: conhecer para prevenir
Projeto - Diabetes: conhecer para prevenir
 
Independência dos Estados Unidos - Texto e atividade
Independência dos Estados Unidos  -  Texto e atividade Independência dos Estados Unidos  -  Texto e atividade
Independência dos Estados Unidos - Texto e atividade
 
Atividades filosofia mito, senso comum e pensamento filosófico e científico
Atividades filosofia mito, senso comum e pensamento filosófico e científicoAtividades filosofia mito, senso comum e pensamento filosófico e científico
Atividades filosofia mito, senso comum e pensamento filosófico e científico
 
Gênero textual: cartão, convite. biografia, narração, história em quedrinho (...
Gênero textual: cartão, convite. biografia, narração, história em quedrinho (...Gênero textual: cartão, convite. biografia, narração, história em quedrinho (...
Gênero textual: cartão, convite. biografia, narração, história em quedrinho (...
 
Culinária afro-brasileira
Culinária afro-brasileiraCulinária afro-brasileira
Culinária afro-brasileira
 

Semelhante a Gênero textual: Cordel

Moda de viola volume 3
Moda de viola volume 3Moda de viola volume 3
Moda de viola volume 3
Nome Sobrenome
 
Patativa - Lieratura de Cordel
Patativa - Lieratura de CordelPatativa - Lieratura de Cordel
Patativa - Lieratura de Cordel
Wilson Barbieri
 
Literatura aula 2- Gênero Lírico, épico e dramático.pptx
Literatura aula 2- Gênero Lírico, épico e dramático.pptxLiteratura aula 2- Gênero Lírico, épico e dramático.pptx
Literatura aula 2- Gênero Lírico, épico e dramático.pptx
cinthyadebora1
 
Marchinhas de carnaval letras
Marchinhas de carnaval letrasMarchinhas de carnaval letras
Marchinhas de carnaval letras
Elvis Live
 
O POEMA - TEORIA 1.pptx
O POEMA - TEORIA 1.pptxO POEMA - TEORIA 1.pptx
O POEMA - TEORIA 1.pptx
AlcyeneRodrigues
 
Lendas e causos
Lendas e causosLendas e causos
Lendas e causos
Josiane Carlos
 
à Sombra do flamboyant
à Sombra do flamboyantà Sombra do flamboyant
à Sombra do flamboyant
Marinaldo Leite Batista
 
Letras com rugas
Letras com rugasLetras com rugas
Letras com rugas
Biblioteca Escolar Portel
 
Cplp miolo contos
Cplp miolo contosCplp miolo contos
Cplp miolo contos
Célia Vasconcelos
 
Camargo emerson zíngaro - livro sertanejo não aprendi dizer adeus - Leonardo
Camargo emerson zíngaro -  livro sertanejo não aprendi dizer adeus - LeonardoCamargo emerson zíngaro -  livro sertanejo não aprendi dizer adeus - Leonardo
Camargo emerson zíngaro - livro sertanejo não aprendi dizer adeus - Leonardo
https://camargoemersonzingaro.wordpress.com
 
185254030 poesia-completa-manoel-de-barros (1)
185254030 poesia-completa-manoel-de-barros (1)185254030 poesia-completa-manoel-de-barros (1)
185254030 poesia-completa-manoel-de-barros (1)
Airton Ferreira
 
Lendas e causos
Lendas e causosLendas e causos
Lendas e causos
Josiane Carlos
 
Cantigas de roda
Cantigas de rodaCantigas de roda
Cantigas de roda
wendulino
 
CPLP_miolo-contos.pdf
CPLP_miolo-contos.pdfCPLP_miolo-contos.pdf
CPLP_miolo-contos.pdf
biblioteca123
 
Marchinhas de carnaval letras
Marchinhas de carnaval letrasMarchinhas de carnaval letras
Marchinhas de carnaval letras
Medusa Fabula
 
Desgarrada em 2006
Desgarrada em 2006Desgarrada em 2006
Desgarrada em 2006
António Marques
 
Mibe 3contos
Mibe 3contosMibe 3contos
Mibe 3contos
biblioteca123
 
Quadras ao gosto popular atividades 7 e 8 Fernando Pessoa, Apresentação Anton...
Quadras ao gosto popular atividades 7 e 8 Fernando Pessoa, Apresentação Anton...Quadras ao gosto popular atividades 7 e 8 Fernando Pessoa, Apresentação Anton...
Quadras ao gosto popular atividades 7 e 8 Fernando Pessoa, Apresentação Anton...
Antônia de Fátima Codonho
 
O pequeno polegar
O pequeno polegarO pequeno polegar
O pequeno polegar
Maria Aparecida de Almeida
 
Generros literarios-2
Generros literarios-2Generros literarios-2
Generros literarios-2
Jeovana Benicio
 

Semelhante a Gênero textual: Cordel (20)

Moda de viola volume 3
Moda de viola volume 3Moda de viola volume 3
Moda de viola volume 3
 
Patativa - Lieratura de Cordel
Patativa - Lieratura de CordelPatativa - Lieratura de Cordel
Patativa - Lieratura de Cordel
 
Literatura aula 2- Gênero Lírico, épico e dramático.pptx
Literatura aula 2- Gênero Lírico, épico e dramático.pptxLiteratura aula 2- Gênero Lírico, épico e dramático.pptx
Literatura aula 2- Gênero Lírico, épico e dramático.pptx
 
Marchinhas de carnaval letras
Marchinhas de carnaval letrasMarchinhas de carnaval letras
Marchinhas de carnaval letras
 
O POEMA - TEORIA 1.pptx
O POEMA - TEORIA 1.pptxO POEMA - TEORIA 1.pptx
O POEMA - TEORIA 1.pptx
 
Lendas e causos
Lendas e causosLendas e causos
Lendas e causos
 
à Sombra do flamboyant
à Sombra do flamboyantà Sombra do flamboyant
à Sombra do flamboyant
 
Letras com rugas
Letras com rugasLetras com rugas
Letras com rugas
 
Cplp miolo contos
Cplp miolo contosCplp miolo contos
Cplp miolo contos
 
Camargo emerson zíngaro - livro sertanejo não aprendi dizer adeus - Leonardo
Camargo emerson zíngaro -  livro sertanejo não aprendi dizer adeus - LeonardoCamargo emerson zíngaro -  livro sertanejo não aprendi dizer adeus - Leonardo
Camargo emerson zíngaro - livro sertanejo não aprendi dizer adeus - Leonardo
 
185254030 poesia-completa-manoel-de-barros (1)
185254030 poesia-completa-manoel-de-barros (1)185254030 poesia-completa-manoel-de-barros (1)
185254030 poesia-completa-manoel-de-barros (1)
 
Lendas e causos
Lendas e causosLendas e causos
Lendas e causos
 
Cantigas de roda
Cantigas de rodaCantigas de roda
Cantigas de roda
 
CPLP_miolo-contos.pdf
CPLP_miolo-contos.pdfCPLP_miolo-contos.pdf
CPLP_miolo-contos.pdf
 
Marchinhas de carnaval letras
Marchinhas de carnaval letrasMarchinhas de carnaval letras
Marchinhas de carnaval letras
 
Desgarrada em 2006
Desgarrada em 2006Desgarrada em 2006
Desgarrada em 2006
 
Mibe 3contos
Mibe 3contosMibe 3contos
Mibe 3contos
 
Quadras ao gosto popular atividades 7 e 8 Fernando Pessoa, Apresentação Anton...
Quadras ao gosto popular atividades 7 e 8 Fernando Pessoa, Apresentação Anton...Quadras ao gosto popular atividades 7 e 8 Fernando Pessoa, Apresentação Anton...
Quadras ao gosto popular atividades 7 e 8 Fernando Pessoa, Apresentação Anton...
 
O pequeno polegar
O pequeno polegarO pequeno polegar
O pequeno polegar
 
Generros literarios-2
Generros literarios-2Generros literarios-2
Generros literarios-2
 

Mais de Mary Alvarenga

Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
Texto e atividade -  Fontes alternativas de energiaTexto e atividade -  Fontes alternativas de energia
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
Mary Alvarenga
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Mary Alvarenga
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Mary Alvarenga
 
Acróstico - Reciclar é preciso
Acróstico   -  Reciclar é preciso Acróstico   -  Reciclar é preciso
Acróstico - Reciclar é preciso
Mary Alvarenga
 
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e MateusAtividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Mary Alvarenga
 
Atividade - Letra da música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade  - Letra da  música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade  - Letra da  música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade - Letra da música Xote da Alegria - Falamansa
Mary Alvarenga
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
Mary Alvarenga
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Mary Alvarenga
 

Mais de Mary Alvarenga (20)

Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
Texto e atividade -  Fontes alternativas de energiaTexto e atividade -  Fontes alternativas de energia
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
 
Acróstico - Reciclar é preciso
Acróstico   -  Reciclar é preciso Acróstico   -  Reciclar é preciso
Acróstico - Reciclar é preciso
 
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e MateusAtividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
 
Atividade - Letra da música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade  - Letra da  música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade  - Letra da  música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade - Letra da música Xote da Alegria - Falamansa
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 

Último

Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Miguel Delamontagne
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 

Último (20)

Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 

Gênero textual: Cordel

  • 1. Escola Santa Maria Professora: Mary Alvarenga O gênero cordel é uma espécie de literatura popular típica do nordeste, fala do povo, do seu cotidiano, dos seus problemas, das suas tristezas, das suas alegrias, das suas lendas e das suas histórias, do conflito entre o bem e o mal... O nome ‘cordel’ vem de como os livrinhos eram expostos para serem vendidos. Cordinhas eram esticadas e nelas eram pendurados os livrinhos abertos na página central. A literatura de cordel é escrita em forma rimada e alguns poemas são ilustrados com xilogravuras, o mesmo estilo de gravura usado nas capas. As estrofes mais comuns são as de dez, oito ou seis versos. Os autores da literatura de cordel são denominados "cordelistas" e recitam esses versos de forma melodiosa e lenta, acompanhados de viola que eles mesmos tocam, além de fazerem as leituras ou declamações muito empolgadas e animadas para conquistar os compradores. A fabricação dos livretos é praticamente manual e feita pelo próprio autor. A capa é feita em xilogravura, que é um trabalho artesanal que sua matriz é de madeira, um processo idêntico ao de um carimbo.  Características do cordel  Linguagem – Vocábulos simples  Livretos com poucas páginas  Histórias contadas em rimas  Ilustrações – (xilogravuras) nas capas  Pode ser declamada ou contada em voz alta  Folhetos podem ser – bibliográficos, didáticos e descritivos.
  • 2.  Poética do cordel  Quadra: estrofe de quatro versos.  Sextilha: estrofe de seis versos.  Septilha: é a mais rara, pois é composta por sete versos.  Oitava: estrofe de oito versos.  Quadrão: os três primeiros versos rimam entre si; o quarto com o oitavo, e o quinto, o sexto e o sétimo também entre si.  Décima: estrofe de dez versos.  Martelo: estrofes formadas por decassílabos (comuns em desafios e versos heroicos).  Por ser uma narrativa, apresenta a seguinte estrutura Situação inicial, geralmente de equilíbrio, complicação, desenvolvimento, clímax e desfecho, e como recursos linguísticos, as metáforas, as comparações e claros os exageros.  LEMBRTE:  Verso – é cada uma das linhas do poema.  Estrofe – é cada grupo de versos separados do grupo seguinte por um espaço. Um poema pode ter uma ou várias estrofes. E cada estrofe, um número variado de versos.  Xilogravura – arte e técnica de fazer gravuras em relevo sobre madeira. Corrupção de Dorgival Poeta Parece que o Brasil Está sempre a atrasado, Em matéria de saúde O pobre está condenado, Se for pra fila do SUS Se considere finado. Entra governo e sai governo E só piora a situação, Nota zero em segurança, Zero em saúde pública E dez em corrupção. A novela da Petrobrás Faz parte do dia a dia, É tanta corrupção Que causa até agonia É muita hipocrisia Os jornais só tem assunto De lava jato e petróleo Reforma da Previdência Para ferrar o povão, E o Brasil afundando Num mar de corrupção. Cada dia um esquema Uma nova delação, Políticos de vários partidos Envolvidos em corrupção, Alguns até vão preso Mas não devolve um tostão. Esse país está sem freio E o povo tá ferrado, Só politico ganha dinheiro É um privilegio danado, E a maioria ainda vota Nesses políticos safados Não escapa um só politico Nosso Brasil está perdido, Que tinha fama de honesto Agora está envolvido Com isso falta cadeia Pra prender tanto bandido Dois mil e dezoito vem aí É mais um ano de eleição, E os candidatos santos Já estão na televisão, Prometendo seus milagres Para enganar o povão. Vamos acordar minha gente Tudo precisa mudar, É hora de renovação Não vamos deixar ninguém lá, Nosso voto é uma arma Basta aprender usar Vão surgir candidatos, Que não estão envolvidos, E merece uma chance Nesse Brasil tão querido, Se ficar raposa velha Nós estaremos perdidos.
  • 3. As “Proezas de João Grilo”, de João Martins de Athayde João Grilo foi um cristão que nasceu antes do dia criou-se sem formosura mas tinha sabedoria e morreu depois da hora pelas artes que fazia. E nasceu de sete meses chorou no bucho da mãe quando ela pegou um gato ele gritou: não me arranhe não jogue neste animal que talvez você não ganhe. Na noite que João nasceu houve um eclipse na lua e detonou um vulcão que ainda continua naquela noite correu um lobisomem na rua. Porém João Grilo criou-se pequeno, magro e sambudo as pernas tortas e finas e boca grande e beiçudo no sítio onde morava dava notícia de tudo. João perdeu o seu pai com sete anos de idade morava perto de um rio Ia pescar toda tarde um dia fez uma cena que admirou a cidade. O rio estava de nado vinha um vaqueiro de fora perguntou: dará passagem? João Grilo disse: inda agora o gadinho do meu pai passou com o lombo de fora. O vaqueiro bota o cavalo com uma braça deu nado foi sair já muito embaixo quase que morre afogado voltou e disse ao menino: você é um desgraçado. João Grilo foi ver o gado pra provar aquele ato veio trazendo na frente um bom rebanho de pato os pássaros passaram n’água João provou que era exato. Um dia a mãe de João Grilo foi buscar água à tardinha deixando João Grilo em casa e quando deu fé, lá vinha um padre pedindo água nessa ocasião não tinha João disse; só tem garapa; disse o padre; donde é? João Grilo lhe respondeu; é do engenho catolé; disse o padre: pois eu quero; João levou uma coité. O padre bebeu e disse: oh! que garapa boa! João Grilo disse: quer mais? o padre disse: e a patroa não brigará com você? João disse: tem uma canoa. João trouxe uma coité naquele mesmo momento disse ao padre: beba mais não precisa acanhamento na garapa tinha um rato tava podre e fedorento. O padre disse: menino tenha mais educação e por que não me disseste? oh! natureza do cão! pegou a dita coité arrebentou-a no chão. João Grilo disse: danou-se! misericórdia, São Bento! com isto mamãe se dana me pague mil e quinhentos essa coité, seu vigário, é de mamãe mijar dentro! O padre deu uma popa disse para o sacristão: esse menino é o diabo em figura de cristão! meteu o dedo na goela quase vomita um pulmão. João Grilo ficou sorrindo pela cilada que fez dizendo: vou confessar-me no dia sete do mês ele nunca confessou-se foi essa a primeira vez. João Grilo tinha um costume pra toda parte que ia era alegre e satisfeito no convívio de alegria João Grilo fazia graça que todo mundo sorria. Num dia de sexta-feira às cinco horas da tarde João Grilo disse: hoje à noite eu assombro aquele padre se ele não perdoar-me na igreja há novidade. pegou uma lagartixa amarrou pelo gogó botou-a numa caixinha no bolso do paletó foi confessar-se João Grilo com paciência de Jó. Às sete horas da noite foi ao confessionário fez logo o pelo sinal posto nos pés do vigário o padre disse: acuse-se; João disse o necessário. Eu sou aquele menino da garapa e do coité; o padre disse: levante-se que já sei você quem é; João tirou a lagartixa Soltou-a junto do pé. A lagartixa subiu por debaixo da batina entrou na perna da calça tornou-se feia a buzina o padre meteu os pés arrebentou a cortina.
  • 4. O MEU SERTÃO AGRADECE A CHUVA QUE DEUS MANDAR O nordeste está sofrendo Seco sem água e sem planta O campina já nem canta O gado não está comendo As plantas estão morrendo Dá vontade de chorar Só Deus pra nos ajudar E ouvir a nossa prece O meu sertão agradece As chuvas que Deus mandar. A terra fica doente Fica a vida ameaçada Gado morto na estrada Chega dá pena na gente O sertanejo carente Vê a seca arrochar Quem come do que plantar Baixa a cabeça e faz prece O meu sertão agradece As chuvas que Deus mandar. Quem só vive do roçado É triste a situação Se não plantar não tem pão Pra dar ao filho coitado O cabra fica apertado Vendo seu filho chorar Sem nada ter pra lhe dar O sertanejo padece O meu sertão agradece As chuvas que Deus mandar. Porém a seca obriga O camponês apelar Resolve então viajar Pra se salvar ele briga Sua família ele abriga Bem longe do seu lugar Mas se a chuva voltar Diz ele à família a prece O meu sertão agradece As chuvas que Deus mandar. Mesmo estando na cidade Quando escuta alguém dizer Que já começou chover Lhe bate logo a vontade Já lhe aumenta a saudade E resolve então voltar Pensando logo em plantar Diz Deus ouviu minha prece O meu sertão agradece As chuvas que Deus mandar. Vem na primeira viagem Era o que ele mais queria A família com alegria Ele cheio de coragem Chega e ver outra paisagem A asa branca a cantar O verde, o gado a pastar Com água tudo enriquece O meu sertão agradece As chuvas que Deus mandar. Ver os rios transbordando A mata verde e frondosa Ho! Que paisagem mimosa O gado gordo pastando A passarada cantando O milho a pendoar Já tem feijão pra apanhar O sertanejo envaidece O meu sertão agradece As chuvas que Deus mandar. É esta a maior riqueza Que se vê no meu sertão Pois a maior ambição Não é joia e nem nobreza Apenas que a natureza Viva pra nos ajudar Que Deus possa abençoar E da gente não se esqueça Pra que o sertão agradeça A chuva que Deus mandar. Francisco Rariosvaldo de Oliveira Entendendo o texto 1. Qual é o título do poema?_____________________________________________________________ 2. Quem é o autor? ____________________________________________________________________ 3. Por que os poemas recebem o nome de cordel? ___________________________________________ _____________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________ 4. Quais são os assuntos abordados neste tipo gênero textual? _________________________________ _____________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________
  • 5. 5. Quantas estrofes e quantos versos há neste poema? ________________________________________ _____________________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________________ 6. Do que fala o poema? _______________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________ 7. De onde vem a palavra cordel? ________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________ 8. O que é, exatamente, o cordel? ________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________ 9. Por que o autor diz “O meu sertão agradece a chuva que Deus mandar”? _____________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________ 10. Esse poema tem rima? ______________________________________________________________ 11. Quais são as rimas da primeira estrofe? __________________________________________________ 12. O que é verso e o que é estrofe? _______________________________________________________ _____________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________ 13. Como se chama o poeta que faz literatura de cordel? _______________________________________ ____________________________________________________________________________________
  • 6. Crie seu próprio cordel _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________ _____________________________________________________________________