SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 22
FEMINISMO NO BRASIL
Mulheres e feminismo
Ao falar sobre o feminismo no Brasil, devemos inicialmente
falar sobre a situação da mulher em nossa sociedade.
Durante vários séculos, as mulheres estiveram relegadas ao
ambiente doméstico e subalternas ao poder das figuras do
pai e do marido. Quando chegavam a se expor ao público, o
faziam acompanhadas e geralmente se dirigiam para o
interior das igrejas. A limitação do ir e do vir era a mais clara
manifestação do lugar ocupado pelo feminino.
 A transformação desse papel recluso passou a
experimentar suas primeiras transformações no século
XIX, quando o governo imperial reconheceu a necessidade
de educação da população feminina. No final desse
mesmo período, algumas publicações abordavam essa
relação entre a mulher e a educação, mas sem pensar em
um projeto amplo a todas as mulheres. O conhecimento
não passava de instrumento de reconhecimento das
mulheres provenientes das classes mais abastadas.
 Chegando até essa época, as aspirações pelo saber
existiam, mas não possuíam o interesse de subverter
ou questionar a ordem imposta pelo mundo dos
homens. No século XX, os papéis desempenhados
pela mulher se ampliaram quando algumas destas se
inseriram em uma sociedade industrial, onde
assumiram uma gama diversa de postos de trabalho.
Apesar disso, a esfera da mulher ligada ao lar
continuava a ter sua força hegemônica.
 A Dra. Nise foi a primeira mulher a se formar na
Faculdade de Medicina da Bahia em 1926. Ela era a
única em uma turma com 157 homens e concluiu o
curso aos 21 anos. Ela revolucionou a Medicina
Psiquiátrica ao prescrever tratamentos não violentos.
 Entre as décadas de 1930 e 1960, as manifestações
feministas oscilavam mediante as mudanças
desenvolvidas no cenário político nacional. Em 1934,
o voto feminino fora reconhecido pelo governo de
Getúlio Vargas. Já em 1937, os ideais corporativistas
do Estado Novo impediram a expressão de
movimentos de luta e contestação de homens e
mulheres. Nos anos de 1950, a redemocratização
permitira a flexibilização da exigência que
condicionava o trabalho feminino à autorização
marital.
 Aqui tínhamos uma diversificação dos feminismos
que iam da tendência bem comportada até o
feminismo mais incisivo. Nesse quadro, observamos
a mobilização de mulheres que exigiam o seu direito
à cidadania sem questionar os outros papéis
subalternos assumidos pelas mesmas. Na outra
extremidade, vemos mulheres que reivindicam sua
ampliação na vida pública, a defesa irrestrita do
movimento dos trabalhadores e a consolidação dos
princípios de lutas comunistas.
 A revolução dos costumes engendrada na década de
1960 abriu caminho para que o feminismo se
tornasse um movimento de maior força e
combatividade. Mesmo sob o contexto da ditadura,
as mulheres passaram a se organizar para
questionarem mais profundamente seu papel
assumido na sociedade. A problemática dos padrões
de comportamento passou a andar de mãos dadas
com os ideias de esquerda que inspiravam várias
participantes desse momento.
Grupo de mulheres durante a
Ditadura Militar
 As mulheres anuladas emergem como inteiras, múltiplas. Nova
versão da mulher brasileira.
 O projeto de distensão lenta e gradual do presidente Geisel
veio acompanhado da proliferação de movimentos populares,
da consolidação da oposição, da remobilização da esquerda,
da reatualização de uma política, da expansão da ação pastoral
da Igreja Católica.
 O movimento feminista que reapareceu no Brasil a partir de
meados dos anos 70 teve influência dos movimentos que
surgiram na Europa e nos Estados Unidos nos anos 60. No
entanto, as condições locais, não deram lugar à emergência de
um movimento de liberação radicalizado.
 Uma das parcelas dos movimentos de mulheres nos anos 70 e
80, no Brasil, nasceu dos grupos de vizinhança nas periferias
dos grandes centros urbanos. Em fins dos anos 70 pelo menos
dois grandes movimentos sociais liderados por mulheres: o
movimento contra a alta do custo de vida e a luta por creches.
 A forte presença da Igreja Católica na vida das mulheres é
inseparável desses movimentos.
 O crescimento da presença das mulheres no mercado de
trabalho foi simultâneo ao aumento de sua sindicalização e a
emergência do movimento de mulheres.
 A participação das trabalhadoras rurais é derivada da
penetração do capital na agricultura, em que a luta pela reforma
agrária e pela terra, por melhores condições de produção,
preços agrícolas, salários e direitos sociais, se alia à luta
particular das camponesas por cidadania e visibilidade como
trabalhadoras.
 Dessa forma, chegamos à atualidade vendo que a
ação feminista não mais se comporta apenas na
formação de movimentos organizados. Sendo assim,
a intenção de se pensar sobre as necessidades da
mulher não mais atravessa a dificuldade de se criar
um projeto amplo e universalista. Entre as grandes e
pequenas demandas, as mulheres observam que a
conquista de sua emancipação abre portas para a
compreensão e a resolução de outros novos
desafios.
 O movimento feminista brasileiro
contemporâneo caracteriza-se pela sua
instituição em ONGs, criadas entre
1980 e 1999.
 Críticas (menos ativismo e mais
profissionalismo): compromissos das
ONGs com órgãos financiadores,
estrutura funcional hierárquica.
Temas das ONGS
FEMINISTAS
ONG NO BRASIL
 Católicas pelo Direito de Decidir
 É uma organização de caráter ecumênico que busca
justiça social e mudança de padrões culturais e
religiosos vigentes em nossa sociedade, respeitando
a diversidade como necessária à realização da
liberdade e da justiça;
 Foi criada no Brasil em 1993;
 É um movimento internacional, que atua
principalmente no âmbito latino americano;
 A ação de CDD desenvolve-se em articulação, no
plano internacional, com os demais grupos que
compõem a Rede latino americana de CDDs e com
Catholics for a Free Choice (CFFC), e no plano
nacional, com universidades, setores progressistas
da Igreja Católica e outras Ongs ligadas aos
movimentos sociais, especialmente no campo
feminista e do movimento de mulheres;
 Luta pela igualdade nas relações de gênero e pela
cidadania das mulheres, tanto na sociedade como no
interior da Igreja Católica e de outras igrejas e
religiões, além de divulgar o pensamento religioso
progressista em favor da autonomia das mulheres,
reconhecendo sua autoridade moral e sua
capacidade ética de tomar decisões sobre todos os
campos de suas vidas;
União Brasileira de Mulheres
Organização fundada em 1988 em Salvador Bahia
Objetivos:
Por um mundo de igualdade contra toda opressão
Somos brasileiras de muitos cantos desse país continente,
firmando um compromisso de unidade e de luta. Buscamos
um novo Brasil para nós e para os que virão depois.
Queremos um Brasil diferente, parte de um mundo de
igualdade, onde sua metade feminina não seja discriminada
por sua condição de cidadã e trabalhadora.
Importância da Mulher na Sociedade
 Enfrentando diversas discriminações e adaptações em
relação aos “afazeres puramente femininos”, como cuidar
de casa e da família, a mulher conseguiu superar suas
dificuldades e ainda administrar seu tempo a favor de suas
atividades, para que as questões familiares não entrem em
conflito com questões profissionais e sociais. A mulher
ainda é alvo de grande discriminação por aqueles que
ainda acreditam que “lugar de mulher é no fogão” e por isso
enfrenta o grande desafio de mostrar que apesar de frágil é
ainda forte, ousada e firme na tomada de decisões, quando
necessário.
 O avanço feminino frente à política e economia ainda
mostra a força da mulher em perceber e apontar os
problemas tendo sempre boas formas de resolvê-los assim
como os indivíduos do sexo masculino, o que evidencia o
erro de descriminar e diminuir o sexo feminino privando-o a
apenas poucas tarefas (domésticas).
A realidade do crescimento do espaço feminino tem sido
percebida pela participação da mulher em diferentes áreas
da sociedade que lhe conferem direitos sociais, políticos e
econômicos, assim como os indivíduos do sexo oposto.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Feminismo sociologia
Feminismo sociologiaFeminismo sociologia
Feminismo sociologia
Ana Maciel
 
Relações de genero e divers sexual
Relações de genero e divers sexualRelações de genero e divers sexual
Relações de genero e divers sexual
Flávia Cunha Lima
 
A participação da mulher nos movimentos sociais
A participação da mulher nos movimentos sociaisA participação da mulher nos movimentos sociais
A participação da mulher nos movimentos sociais
Paulo Alexandre
 
Sexualidade e Gênero
Sexualidade e GêneroSexualidade e Gênero
Sexualidade e Gênero
Marina Godoy
 
Dia internacional da mulher
Dia internacional da mulher Dia internacional da mulher
Dia internacional da mulher
cresac
 
A mulher na sociedade.
A mulher na sociedade.A mulher na sociedade.
A mulher na sociedade.
interatividade
 
Diversidade cultural
Diversidade culturalDiversidade cultural
Diversidade cultural
Paula Tomaz
 
Cidadania feminina e empoderamento
Cidadania feminina e empoderamentoCidadania feminina e empoderamento
Cidadania feminina e empoderamento
Maira Conde
 

Mais procurados (20)

Feminismo sociologia
Feminismo sociologiaFeminismo sociologia
Feminismo sociologia
 
Feminismo slides I
Feminismo slides IFeminismo slides I
Feminismo slides I
 
Mulheres na História
Mulheres na HistóriaMulheres na História
Mulheres na História
 
Relações de genero e divers sexual
Relações de genero e divers sexualRelações de genero e divers sexual
Relações de genero e divers sexual
 
MOVIMENTO FEMINISTA
MOVIMENTO FEMINISTAMOVIMENTO FEMINISTA
MOVIMENTO FEMINISTA
 
A participação da mulher nos movimentos sociais
A participação da mulher nos movimentos sociaisA participação da mulher nos movimentos sociais
A participação da mulher nos movimentos sociais
 
A evolução da mulher no mercado de trabalho
A evolução da mulher no mercado de trabalhoA evolução da mulher no mercado de trabalho
A evolução da mulher no mercado de trabalho
 
Sexualidade e Gênero
Sexualidade e GêneroSexualidade e Gênero
Sexualidade e Gênero
 
Dia internacional da mulher
Dia internacional da mulher Dia internacional da mulher
Dia internacional da mulher
 
Feminismo e a sua história
Feminismo e a sua históriaFeminismo e a sua história
Feminismo e a sua história
 
A mulher na sociedade.
A mulher na sociedade.A mulher na sociedade.
A mulher na sociedade.
 
Movimentos sociais
Movimentos sociaisMovimentos sociais
Movimentos sociais
 
Feminismo
FeminismoFeminismo
Feminismo
 
A Mulher no Mercado de Trabalho
A Mulher no Mercado de TrabalhoA Mulher no Mercado de Trabalho
A Mulher no Mercado de Trabalho
 
Dia Internacional da Mulher
Dia Internacional da MulherDia Internacional da Mulher
Dia Internacional da Mulher
 
Identidade de gênero e orientação sexual.
Identidade de gênero e orientação sexual.Identidade de gênero e orientação sexual.
Identidade de gênero e orientação sexual.
 
Diversidade cultural
Diversidade culturalDiversidade cultural
Diversidade cultural
 
Cidadania feminina e empoderamento
Cidadania feminina e empoderamentoCidadania feminina e empoderamento
Cidadania feminina e empoderamento
 
Movimentos sociais
Movimentos sociaisMovimentos sociais
Movimentos sociais
 
Feminismo
FeminismoFeminismo
Feminismo
 

Semelhante a Feminismo brasil1

Mulheres e feminismo
Mulheres e feminismoMulheres e feminismo
Mulheres e feminismo
Silvia Sousa
 
Cidadania feminina e empoderamento
Cidadania feminina e empoderamentoCidadania feminina e empoderamento
Cidadania feminina e empoderamento
Maira Conde
 
Representação da mulher no livro didático da 3ª série de histíoria da década ...
Representação da mulher no livro didático da 3ª série de histíoria da década ...Representação da mulher no livro didático da 3ª série de histíoria da década ...
Representação da mulher no livro didático da 3ª série de histíoria da década ...
UNEB
 
Sociologia feminismo
Sociologia  feminismoSociologia  feminismo
Sociologia feminismo
Edwin Juan
 

Semelhante a Feminismo brasil1 (20)

Mulheres e feminismo
Mulheres e feminismoMulheres e feminismo
Mulheres e feminismo
 
Feminismo
FeminismoFeminismo
Feminismo
 
Cidadania feminina e empoderamento
Cidadania feminina e empoderamentoCidadania feminina e empoderamento
Cidadania feminina e empoderamento
 
Representação da mulher no livro didático da 3ª série de histíoria da década ...
Representação da mulher no livro didático da 3ª série de histíoria da década ...Representação da mulher no livro didático da 3ª série de histíoria da década ...
Representação da mulher no livro didático da 3ª série de histíoria da década ...
 
Cidadaniafemininaeempoderamento cpia-160227235114
Cidadaniafemininaeempoderamento cpia-160227235114Cidadaniafemininaeempoderamento cpia-160227235114
Cidadaniafemininaeempoderamento cpia-160227235114
 
Artigo: O papel da mulher na sociedade enc.moderna
Artigo: O papel da mulher na sociedade enc.modernaArtigo: O papel da mulher na sociedade enc.moderna
Artigo: O papel da mulher na sociedade enc.moderna
 
Trab soc feminismo
Trab soc  feminismoTrab soc  feminismo
Trab soc feminismo
 
Cidadania feminina e empoderamento
Cidadania feminina e empoderamento   Cidadania feminina e empoderamento
Cidadania feminina e empoderamento
 
Feminismo (2)
Feminismo (2)Feminismo (2)
Feminismo (2)
 
Feminismo (2)
Feminismo (2)Feminismo (2)
Feminismo (2)
 
Mujeres libres
Mujeres libresMujeres libres
Mujeres libres
 
A Trajetória do poder da mulher: do lar ao mercado de trabalho
A Trajetória do poder da mulher: do lar ao mercado de trabalho A Trajetória do poder da mulher: do lar ao mercado de trabalho
A Trajetória do poder da mulher: do lar ao mercado de trabalho
 
Apresentação sem título.pptx
Apresentação sem título.pptxApresentação sem título.pptx
Apresentação sem título.pptx
 
Feminismo criação
Feminismo   criaçãoFeminismo   criação
Feminismo criação
 
As relações entre os movimentos feministas e outros movimentos sociais.
As relações entre os movimentos feministas e outros movimentos sociais.As relações entre os movimentos feministas e outros movimentos sociais.
As relações entre os movimentos feministas e outros movimentos sociais.
 
A EVOLUÇÃO DA MULHER NO CENÁRIO POLÍTICO
A EVOLUÇÃO DA MULHER NO CENÁRIO POLÍTICOA EVOLUÇÃO DA MULHER NO CENÁRIO POLÍTICO
A EVOLUÇÃO DA MULHER NO CENÁRIO POLÍTICO
 
Feminismo
FeminismoFeminismo
Feminismo
 
Mulher cópia
Mulher   cópiaMulher   cópia
Mulher cópia
 
A importância da mulher na sociedade
A importância da mulher na sociedadeA importância da mulher na sociedade
A importância da mulher na sociedade
 
Sociologia feminismo
Sociologia  feminismoSociologia  feminismo
Sociologia feminismo
 

Mais de Rômulo Fernando (13)

Cadernos_Tecnologia_3ª-Serie.pdf
Cadernos_Tecnologia_3ª-Serie.pdfCadernos_Tecnologia_3ª-Serie.pdf
Cadernos_Tecnologia_3ª-Serie.pdf
 
Healing-with-Shungite-The-Complete-Guide-for-Protecting_-Detoxing_-and-Purify...
Healing-with-Shungite-The-Complete-Guide-for-Protecting_-Detoxing_-and-Purify...Healing-with-Shungite-The-Complete-Guide-for-Protecting_-Detoxing_-and-Purify...
Healing-with-Shungite-The-Complete-Guide-for-Protecting_-Detoxing_-and-Purify...
 
Democracia no brasil
Democracia no brasilDemocracia no brasil
Democracia no brasil
 
Fotografia 2anos modelo
Fotografia 2anos modeloFotografia 2anos modelo
Fotografia 2anos modelo
 
Modelo
ModeloModelo
Modelo
 
Estudo de caso
Estudo de casoEstudo de caso
Estudo de caso
 
Xenofobia e crise dos refugiados
Xenofobia e crise dos refugiadosXenofobia e crise dos refugiados
Xenofobia e crise dos refugiados
 
Movimento ambientalista
Movimento ambientalistaMovimento ambientalista
Movimento ambientalista
 
Movimento negro brasil
Movimento negro  brasilMovimento negro  brasil
Movimento negro brasil
 
Lgbt mundial
Lgbt mundialLgbt mundial
Lgbt mundial
 
Lgbt brasil
Lgbt brasilLgbt brasil
Lgbt brasil
 
Movimento negro mundial
Movimento negro mundialMovimento negro mundial
Movimento negro mundial
 
Feminismo mundial
Feminismo mundialFeminismo mundial
Feminismo mundial
 

Último

ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
azulassessoria9
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
azulassessoria9
 
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestreFilosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
LeandroLima265595
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
GisellySobral
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
WelitaDiaz1
 

Último (20)

Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptxProva nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdfVIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
 
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptxRENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestreFilosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
 
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
 
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
 
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaApresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
 
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºanoCATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da provaESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
 

Feminismo brasil1

  • 2. Mulheres e feminismo Ao falar sobre o feminismo no Brasil, devemos inicialmente falar sobre a situação da mulher em nossa sociedade. Durante vários séculos, as mulheres estiveram relegadas ao ambiente doméstico e subalternas ao poder das figuras do pai e do marido. Quando chegavam a se expor ao público, o faziam acompanhadas e geralmente se dirigiam para o interior das igrejas. A limitação do ir e do vir era a mais clara manifestação do lugar ocupado pelo feminino.
  • 3.  A transformação desse papel recluso passou a experimentar suas primeiras transformações no século XIX, quando o governo imperial reconheceu a necessidade de educação da população feminina. No final desse mesmo período, algumas publicações abordavam essa relação entre a mulher e a educação, mas sem pensar em um projeto amplo a todas as mulheres. O conhecimento não passava de instrumento de reconhecimento das mulheres provenientes das classes mais abastadas.
  • 4.  Chegando até essa época, as aspirações pelo saber existiam, mas não possuíam o interesse de subverter ou questionar a ordem imposta pelo mundo dos homens. No século XX, os papéis desempenhados pela mulher se ampliaram quando algumas destas se inseriram em uma sociedade industrial, onde assumiram uma gama diversa de postos de trabalho. Apesar disso, a esfera da mulher ligada ao lar continuava a ter sua força hegemônica.
  • 5.
  • 6.
  • 7.  A Dra. Nise foi a primeira mulher a se formar na Faculdade de Medicina da Bahia em 1926. Ela era a única em uma turma com 157 homens e concluiu o curso aos 21 anos. Ela revolucionou a Medicina Psiquiátrica ao prescrever tratamentos não violentos.
  • 8.  Entre as décadas de 1930 e 1960, as manifestações feministas oscilavam mediante as mudanças desenvolvidas no cenário político nacional. Em 1934, o voto feminino fora reconhecido pelo governo de Getúlio Vargas. Já em 1937, os ideais corporativistas do Estado Novo impediram a expressão de movimentos de luta e contestação de homens e mulheres. Nos anos de 1950, a redemocratização permitira a flexibilização da exigência que condicionava o trabalho feminino à autorização marital.
  • 9.  Aqui tínhamos uma diversificação dos feminismos que iam da tendência bem comportada até o feminismo mais incisivo. Nesse quadro, observamos a mobilização de mulheres que exigiam o seu direito à cidadania sem questionar os outros papéis subalternos assumidos pelas mesmas. Na outra extremidade, vemos mulheres que reivindicam sua ampliação na vida pública, a defesa irrestrita do movimento dos trabalhadores e a consolidação dos princípios de lutas comunistas.
  • 10.  A revolução dos costumes engendrada na década de 1960 abriu caminho para que o feminismo se tornasse um movimento de maior força e combatividade. Mesmo sob o contexto da ditadura, as mulheres passaram a se organizar para questionarem mais profundamente seu papel assumido na sociedade. A problemática dos padrões de comportamento passou a andar de mãos dadas com os ideias de esquerda que inspiravam várias participantes desse momento.
  • 11. Grupo de mulheres durante a Ditadura Militar
  • 12.  As mulheres anuladas emergem como inteiras, múltiplas. Nova versão da mulher brasileira.  O projeto de distensão lenta e gradual do presidente Geisel veio acompanhado da proliferação de movimentos populares, da consolidação da oposição, da remobilização da esquerda, da reatualização de uma política, da expansão da ação pastoral da Igreja Católica.  O movimento feminista que reapareceu no Brasil a partir de meados dos anos 70 teve influência dos movimentos que surgiram na Europa e nos Estados Unidos nos anos 60. No entanto, as condições locais, não deram lugar à emergência de um movimento de liberação radicalizado.
  • 13.  Uma das parcelas dos movimentos de mulheres nos anos 70 e 80, no Brasil, nasceu dos grupos de vizinhança nas periferias dos grandes centros urbanos. Em fins dos anos 70 pelo menos dois grandes movimentos sociais liderados por mulheres: o movimento contra a alta do custo de vida e a luta por creches.  A forte presença da Igreja Católica na vida das mulheres é inseparável desses movimentos.  O crescimento da presença das mulheres no mercado de trabalho foi simultâneo ao aumento de sua sindicalização e a emergência do movimento de mulheres.  A participação das trabalhadoras rurais é derivada da penetração do capital na agricultura, em que a luta pela reforma agrária e pela terra, por melhores condições de produção, preços agrícolas, salários e direitos sociais, se alia à luta particular das camponesas por cidadania e visibilidade como trabalhadoras.
  • 14.  Dessa forma, chegamos à atualidade vendo que a ação feminista não mais se comporta apenas na formação de movimentos organizados. Sendo assim, a intenção de se pensar sobre as necessidades da mulher não mais atravessa a dificuldade de se criar um projeto amplo e universalista. Entre as grandes e pequenas demandas, as mulheres observam que a conquista de sua emancipação abre portas para a compreensão e a resolução de outros novos desafios.
  • 15.  O movimento feminista brasileiro contemporâneo caracteriza-se pela sua instituição em ONGs, criadas entre 1980 e 1999.  Críticas (menos ativismo e mais profissionalismo): compromissos das ONGs com órgãos financiadores, estrutura funcional hierárquica.
  • 17. ONG NO BRASIL  Católicas pelo Direito de Decidir  É uma organização de caráter ecumênico que busca justiça social e mudança de padrões culturais e religiosos vigentes em nossa sociedade, respeitando a diversidade como necessária à realização da liberdade e da justiça;  Foi criada no Brasil em 1993;  É um movimento internacional, que atua principalmente no âmbito latino americano;
  • 18.  A ação de CDD desenvolve-se em articulação, no plano internacional, com os demais grupos que compõem a Rede latino americana de CDDs e com Catholics for a Free Choice (CFFC), e no plano nacional, com universidades, setores progressistas da Igreja Católica e outras Ongs ligadas aos movimentos sociais, especialmente no campo feminista e do movimento de mulheres;  Luta pela igualdade nas relações de gênero e pela cidadania das mulheres, tanto na sociedade como no interior da Igreja Católica e de outras igrejas e religiões, além de divulgar o pensamento religioso progressista em favor da autonomia das mulheres, reconhecendo sua autoridade moral e sua capacidade ética de tomar decisões sobre todos os campos de suas vidas;
  • 19.
  • 20. União Brasileira de Mulheres Organização fundada em 1988 em Salvador Bahia Objetivos: Por um mundo de igualdade contra toda opressão Somos brasileiras de muitos cantos desse país continente, firmando um compromisso de unidade e de luta. Buscamos um novo Brasil para nós e para os que virão depois. Queremos um Brasil diferente, parte de um mundo de igualdade, onde sua metade feminina não seja discriminada por sua condição de cidadã e trabalhadora.
  • 21. Importância da Mulher na Sociedade  Enfrentando diversas discriminações e adaptações em relação aos “afazeres puramente femininos”, como cuidar de casa e da família, a mulher conseguiu superar suas dificuldades e ainda administrar seu tempo a favor de suas atividades, para que as questões familiares não entrem em conflito com questões profissionais e sociais. A mulher ainda é alvo de grande discriminação por aqueles que ainda acreditam que “lugar de mulher é no fogão” e por isso enfrenta o grande desafio de mostrar que apesar de frágil é ainda forte, ousada e firme na tomada de decisões, quando necessário.
  • 22.  O avanço feminino frente à política e economia ainda mostra a força da mulher em perceber e apontar os problemas tendo sempre boas formas de resolvê-los assim como os indivíduos do sexo masculino, o que evidencia o erro de descriminar e diminuir o sexo feminino privando-o a apenas poucas tarefas (domésticas). A realidade do crescimento do espaço feminino tem sido percebida pela participação da mulher em diferentes áreas da sociedade que lhe conferem direitos sociais, políticos e econômicos, assim como os indivíduos do sexo oposto.