SlideShare uma empresa Scribd logo
FEBRE AMARELA
O que é?
É uma doença infecciosa aguda, de curta
duração (no máximo 10 dias),
gravidade variável, causada pelo vírus
da febre amarela, que ocorre na
América do Sul e na África
ATENÇÃO!
Não confundir FEBRE AMARELA com
MALÁRIA, que são nomes parecidos. Ambas
são doenças infecciosas transmitidas por
mosquitos e ocorrem mais ou menos na
mesma região geográfica, porém os
mosquitos transmissores são de espécies
diferentes, o agente causador, os sintomas,
evolução da doença, prevenção e tratamento
são também completamente diferentes.
FEBRE AMARELA
Porque esse nome?
Devido à coloração amarelada da pele e
mucosas quando surge a icterícia
(pigmentação devida à bilirrubina liberada
pelo fígado e vias biliares afetados), mas
isto nem sempre ocorre
Qual a origem dessa doença?
O primeiro relato de epidemia de uma doença
semelhante à febre amarela é de um manuscrito
maia de 1648 em Yucatan, México. Os macacos são
os principais hospedeiros do vírus e os mosquitos,
os reservatórios
No Brasil, a febre amarela apareceu pela primeira vez
em Pernambuco, no ano de 1685, onde permaneceu
durante 10 anos
A febre amarela apresenta dois ciclos
epidemiológicos de acordo com o local
de ocorrência e o a espécie de vetor
(mosquito transmissor): urbano e
silvestre. A última ocorrência de febre
amarela urbana no Brasil, foi em 1942,
no Acre. Hoje, ainda se teme a
presença da febre amarela em áreas
urbanas, especialmente depois do final
da década de 70, quando o mosquito
Aedes aegypti retornou ao Brasil
O ciclo silvestre só foi identificado em
1932
No período de 1980 a 2004, foram
confirmados 662 casos de febre
amarela silvestre, com ocorrência de
339 óbitos, representando uma taxa de
letalidade de 51% no período
Onde ocorre?
Como se transmite?
Vetores
– Urbanos – Aedes aegypti (o mesmo da dengue)
– Silvestres – vários – Haemagogus
Transmissão – sempre vetorial
Fêmea ingere o sangue infectado ficando com
o vírus no seu intestino, linfa, glândulas
salivares e sistema reprodutivo, e o
transmite pela saliva ou ovos depositados
Aedes aegypti Haemagogus
O mosquito pica
e adquire o vírus
O mosquito pica e
transmite o vírus
Período de
incubação
extrínsico
Período de
incubação
intrínsico
viremia viremia
Doença
Ser humano 1
0 5 8 12 16 20 24 28
Doença
Ser humano 2
DIAS
O vírus multiplica-se nos mosquitos, que permanecem
infecciosos por toda a vida, sendo necessário um
intervalo de 12-14 dias para se tornar infectante
(período de incubação extrínsico)
Todos os grupos etários são susceptíveis.
Ocorre grande número de infecções inaparentes
Nas Américas, a Febre Amarela apresenta
características da forma silvestre com incidência maior
em pessoas do sexo masculino de 15-45 anos e
envolvido em atividades agrícolas ou florestais
Quais os sintomas?
Walter Reed, descobridor da causa da doença,
no século XIX
Na forma grave, os pacientes apresentam febre alta, dor epigástrica,
diarréia e vômito, que pode ser hemorrágico
(vômito-negro)
Manifestações hemorrágicas como equimoses (manchas arroxeadas),
epistaxe (sangramento nasal) e gengivorragia (sangramento nas
gengivas).
Alterações da função hepática e renal
Nos casos graves, 50% dos pacientes evoluem para o óbito, e o
restante se recupera totalmente sem deixar seqüelas
O paciente morre ou sobrevive sem seqüelas
Órgãos mais acometidos: vasos sangüíneos,
fígado, coração, rins e encéfalo
Vasos – CIVD (coagulação intra-vascular),
plaquetopenia, manifestações hemorrágicas
Fígado – hepatite aguda (pode ser fulminante).
Rins – necrose tubular aguda (IRA)
Relação infecção x doença = 20:1
Infecção subclínica, doença inespecífica
(gripe) e formas sistêmicas graves
15% dos pacientes evoluem para formas
ictéricas. Destes 20 a 50% evoluem para
o óbito
Fases clínicas = classicamente três
(Períodos de infecção, de remissão e de
intoxicação)
3 a 4 dias 48 horas 7 a 10 dias
Tempo de duração da doença – 15 a 20 dias
Infecção Remissão Intoxicação
Períodosdadoença
1a. Fase
2a. Fase
3a. Fase
48 horas
Tempo de duração da doença – 15 a 20 dias
Remissão
Períodosdadoença
Período afebril
7 a 10 dias
Tempo de duração da doença – 15 a 20 dias
Intoxicação
Períodosdadoença
Surgem os anticorpos
Desaparece a viremia
Volta a febre
Icterícia se instala
Insuficiência renal aguda
Manifestações hemorrágicas
Coma, choque, óbito
ALTERAÇÕES LABORATORIAIS
Hemograma – leucopenia c/ neutropenia
TGO, TGP - elevam-se na fase ictérica
Lesão de miocárdio e músculos
esqueléticos (TGO>TGP)
Fosfatase alcalina e γGT – pouco elevadas
Albuminúria
Uréia e creatinina aumentadas
Diagnóstico pela sorologia específica
Como evitar e controlar a febre
amarela?
Vacina eficaz e segura – vacinar 10 dias
antes de viagem para área endêmica
Efeitos colaterais – dor local, mialgia, febre
cefaléia
Contra-indicações – gravidez, HIV,
imunodeprimidos
Combater o Aedes aegypti (urbano)
Vacinação a partir dos 9 meses de idade, sendo
indicada para todas as pessoas que vivem em
áreas de risco para a doença (zona rural da
Região Norte, Centro Oeste, estado do
Maranhão, parte dos estados do Piauí, Bahia,
Minas Gerais, São Paulo, Paraná, Santa
Catarina e Rio Grande do Sul), onde há casos
da doença em humanos ou circulação do vírus
entre animais (macacos)
Imunidade durante 10 anos
Eficácia acima de 95%
Existe tratamento?
Tratamento específico = não há
Formas ictéricas (15%) = internação, repouso
e observação
Formas graves = internação em regime de
terapia intensiva (UTI)
Qual a situação atual no Brasil?
Segundo o Ministério da Saúde, até o dia 18/01,
a situação epidemiológica é de 33 notificações
de casos suspeitos de febre amarela silvestre.
Destes, 12 casos foram confirmados, dos quais
8 evoluíram para óbito e 4 tiveram cura.
Outros 14 casos foram descartados para febre
amarela. Os prováveis locais de infecção dos
casos confirmados ocorreram em áreas
silvestres de Goiás e Mato Grosso do Sul
Febre amarela

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Febre Amarela
Febre AmarelaFebre Amarela
Febre Amarela
satielicunha
 
Febre amarela
Febre amarelaFebre amarela
Febre amarela
Nathy Oliveira
 
Febre Amarela epidemiologia
Febre Amarela epidemiologiaFebre Amarela epidemiologia
Febre Amarela epidemiologia
Nelmidia Alves
 
Doenças
DoençasDoenças
Doenças
familiaestagio
 
Parasitoses humanas rodrigo
Parasitoses humanas rodrigoParasitoses humanas rodrigo
Parasitoses humanas rodrigo
rnogueira
 
Doenças causadas por virus
Doenças  causadas por virusDoenças  causadas por virus
Doenças causadas por virus
Adrianne Mendonça
 
Doenças virais
Doenças viraisDoenças virais
Doenças virais
GabrielaMansur
 
O VÍRUS e doenças virais
O VÍRUS e doenças viraisO VÍRUS e doenças virais
O VÍRUS e doenças virais
Junio Henrique
 
Febre aftosa reg poa
Febre aftosa reg poaFebre aftosa reg poa
Febre aftosa reg poa
Fernanda Lourenço
 
Vírus
VírusVírus
Vírus
2bupvv
 
Diarreia Viral Bovina
Diarreia Viral BovinaDiarreia Viral Bovina
Diarreia Viral Bovina
UFPEL
 
[Palestra] Fernando Braga: Controle de doenças reprodutivas e respiratórias a...
[Palestra] Fernando Braga: Controle de doenças reprodutivas e respiratórias a...[Palestra] Fernando Braga: Controle de doenças reprodutivas e respiratórias a...
[Palestra] Fernando Braga: Controle de doenças reprodutivas e respiratórias a...AgroTalento
 
Doenças virais
Doenças viraisDoenças virais
Doenças virais
Matheus Oliveira Santana
 
Vírus 7º ano ab
Vírus 7º ano abVírus 7º ano ab
Vírus 7º ano ab
Rosana Cunha Bueno
 
Doenças Causadas por Vírus
Doenças Causadas por VírusDoenças Causadas por Vírus
Doenças Causadas por Vírus
Joana Siebra
 
Trab Bio Doenças-Cotuca
Trab Bio Doenças-CotucaTrab Bio Doenças-Cotuca
Trab Bio Doenças-Cotuca
eld09
 
Doenças Causadas por vírus...
Doenças Causadas por vírus...Doenças Causadas por vírus...
Doenças Causadas por vírus...
juninhowwave
 
Questionário Febre Amarela
Questionário Febre AmarelaQuestionário Febre Amarela
Questionário Febre Amarela
Nathy Oliveira
 
Seminário de /doencas Infec.
Seminário de /doencas Infec.Seminário de /doencas Infec.
Seminário de /doencas Infec.
Tamiris Ferreira
 
Doenças: Vírus, Bactérias e Vermes
Doenças: Vírus, Bactérias e VermesDoenças: Vírus, Bactérias e Vermes
Doenças: Vírus, Bactérias e Vermes
Carlos Priante
 

Mais procurados (20)

Febre Amarela
Febre AmarelaFebre Amarela
Febre Amarela
 
Febre amarela
Febre amarelaFebre amarela
Febre amarela
 
Febre Amarela epidemiologia
Febre Amarela epidemiologiaFebre Amarela epidemiologia
Febre Amarela epidemiologia
 
Doenças
DoençasDoenças
Doenças
 
Parasitoses humanas rodrigo
Parasitoses humanas rodrigoParasitoses humanas rodrigo
Parasitoses humanas rodrigo
 
Doenças causadas por virus
Doenças  causadas por virusDoenças  causadas por virus
Doenças causadas por virus
 
Doenças virais
Doenças viraisDoenças virais
Doenças virais
 
O VÍRUS e doenças virais
O VÍRUS e doenças viraisO VÍRUS e doenças virais
O VÍRUS e doenças virais
 
Febre aftosa reg poa
Febre aftosa reg poaFebre aftosa reg poa
Febre aftosa reg poa
 
Vírus
VírusVírus
Vírus
 
Diarreia Viral Bovina
Diarreia Viral BovinaDiarreia Viral Bovina
Diarreia Viral Bovina
 
[Palestra] Fernando Braga: Controle de doenças reprodutivas e respiratórias a...
[Palestra] Fernando Braga: Controle de doenças reprodutivas e respiratórias a...[Palestra] Fernando Braga: Controle de doenças reprodutivas e respiratórias a...
[Palestra] Fernando Braga: Controle de doenças reprodutivas e respiratórias a...
 
Doenças virais
Doenças viraisDoenças virais
Doenças virais
 
Vírus 7º ano ab
Vírus 7º ano abVírus 7º ano ab
Vírus 7º ano ab
 
Doenças Causadas por Vírus
Doenças Causadas por VírusDoenças Causadas por Vírus
Doenças Causadas por Vírus
 
Trab Bio Doenças-Cotuca
Trab Bio Doenças-CotucaTrab Bio Doenças-Cotuca
Trab Bio Doenças-Cotuca
 
Doenças Causadas por vírus...
Doenças Causadas por vírus...Doenças Causadas por vírus...
Doenças Causadas por vírus...
 
Questionário Febre Amarela
Questionário Febre AmarelaQuestionário Febre Amarela
Questionário Febre Amarela
 
Seminário de /doencas Infec.
Seminário de /doencas Infec.Seminário de /doencas Infec.
Seminário de /doencas Infec.
 
Doenças: Vírus, Bactérias e Vermes
Doenças: Vírus, Bactérias e VermesDoenças: Vírus, Bactérias e Vermes
Doenças: Vírus, Bactérias e Vermes
 

Semelhante a Febre amarela

Febre amarela (1)
Febre amarela (1)Febre amarela (1)
Febre amarela (1)
Wesley Lima de Oliveira
 
Arboviroses
ArbovirosesArboviroses
Doença de aujezki
Doença de aujezkiDoença de aujezki
Doença de aujezki
Rogerio Barancelli
 
Aula 2 virus
Aula 2   virusAula 2   virus
Aula 2 virus
Grupo UNIASSELVI
 
Aula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdf
Aula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdfAula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdf
Aula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdf
Giza Carla Nitz
 
AULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptx
AULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptxAULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptx
AULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptx
FranciscaalineBrito
 
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novo
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novoDoencas emergentes e reemergentes 2008-novo
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novo
bhbiohorrores
 
Vírus
VírusVírus
Sarampo
SarampoSarampo
Epidemiologia da Rubéola e do Sarampo
Epidemiologia da Rubéola e do SarampoEpidemiologia da Rubéola e do Sarampo
Epidemiologia da Rubéola e do Sarampo
Débora Belniak
 
Trabalho sobre o aedes em slide
Trabalho sobre o aedes em slideTrabalho sobre o aedes em slide
Trabalho sobre o aedes em slide
Wagner Oliveira
 
Seminário - Tema: Malária
Seminário - Tema: MaláriaSeminário - Tema: Malária
Seminário - Tema: Malária
AbnerZaquel
 
Curso Online 1 - Dengue.pptx
Curso Online 1 - Dengue.pptxCurso Online 1 - Dengue.pptx
Curso Online 1 - Dengue.pptx
milena235441
 
Apres. dengue zica, chikungunya
Apres. dengue zica, chikungunyaApres. dengue zica, chikungunya
Apres. dengue zica, chikungunya
Maria Tereza Neves
 
leptospirose
leptospiroseleptospirose
leptospirose
EvertonMonteiro19
 
Doenças transmitidas por vetores.pptx
Doenças transmitidas por vetores.pptxDoenças transmitidas por vetores.pptx
Doenças transmitidas por vetores.pptx
LauraMarques72
 
Feira da cultura
Feira da culturaFeira da cultura
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
Protozoários e o parasitismo
Protozoários e o parasitismoProtozoários e o parasitismo
Protozoários e o parasitismo
jfquirino
 
FEBRE AMARELA
FEBRE AMARELAFEBRE AMARELA

Semelhante a Febre amarela (20)

Febre amarela (1)
Febre amarela (1)Febre amarela (1)
Febre amarela (1)
 
Arboviroses
ArbovirosesArboviroses
Arboviroses
 
Doença de aujezki
Doença de aujezkiDoença de aujezki
Doença de aujezki
 
Aula 2 virus
Aula 2   virusAula 2   virus
Aula 2 virus
 
Aula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdf
Aula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdfAula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdf
Aula 9 - Doenças Transmitidas Por Vetores.pdf
 
AULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptx
AULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptxAULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptx
AULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptx
 
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novo
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novoDoencas emergentes e reemergentes 2008-novo
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novo
 
Vírus
VírusVírus
Vírus
 
Sarampo
SarampoSarampo
Sarampo
 
Epidemiologia da Rubéola e do Sarampo
Epidemiologia da Rubéola e do SarampoEpidemiologia da Rubéola e do Sarampo
Epidemiologia da Rubéola e do Sarampo
 
Trabalho sobre o aedes em slide
Trabalho sobre o aedes em slideTrabalho sobre o aedes em slide
Trabalho sobre o aedes em slide
 
Seminário - Tema: Malária
Seminário - Tema: MaláriaSeminário - Tema: Malária
Seminário - Tema: Malária
 
Curso Online 1 - Dengue.pptx
Curso Online 1 - Dengue.pptxCurso Online 1 - Dengue.pptx
Curso Online 1 - Dengue.pptx
 
Apres. dengue zica, chikungunya
Apres. dengue zica, chikungunyaApres. dengue zica, chikungunya
Apres. dengue zica, chikungunya
 
leptospirose
leptospiroseleptospirose
leptospirose
 
Doenças transmitidas por vetores.pptx
Doenças transmitidas por vetores.pptxDoenças transmitidas por vetores.pptx
Doenças transmitidas por vetores.pptx
 
Feira da cultura
Feira da culturaFeira da cultura
Feira da cultura
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
Protozoários e o parasitismo
Protozoários e o parasitismoProtozoários e o parasitismo
Protozoários e o parasitismo
 
FEBRE AMARELA
FEBRE AMARELAFEBRE AMARELA
FEBRE AMARELA
 

Mais de Tersio Gorrasi

Fluxograma de acidentes com material perfuro cortante
Fluxograma de acidentes com material  perfuro  cortanteFluxograma de acidentes com material  perfuro  cortante
Fluxograma de acidentes com material perfuro cortante
Tersio Gorrasi
 
Modelo de pcmso
Modelo de pcmsoModelo de pcmso
Modelo de pcmso
Tersio Gorrasi
 
Tabagismo
TabagismoTabagismo
Tabagismo
Tersio Gorrasi
 
O ranking dos alimentos
O ranking dos alimentosO ranking dos alimentos
O ranking dos alimentos
Tersio Gorrasi
 
Pragas
PragasPragas
Programa de exercícios p a coluna
Programa de exercícios p a colunaPrograma de exercícios p a coluna
Programa de exercícios p a coluna
Tersio Gorrasi
 
Dengue
DengueDengue
Terapia personalizada da depressão
Terapia personalizada da depressãoTerapia personalizada da depressão
Terapia personalizada da depressão
Tersio Gorrasi
 
Aids
AidsAids

Mais de Tersio Gorrasi (9)

Fluxograma de acidentes com material perfuro cortante
Fluxograma de acidentes com material  perfuro  cortanteFluxograma de acidentes com material  perfuro  cortante
Fluxograma de acidentes com material perfuro cortante
 
Modelo de pcmso
Modelo de pcmsoModelo de pcmso
Modelo de pcmso
 
Tabagismo
TabagismoTabagismo
Tabagismo
 
O ranking dos alimentos
O ranking dos alimentosO ranking dos alimentos
O ranking dos alimentos
 
Pragas
PragasPragas
Pragas
 
Programa de exercícios p a coluna
Programa de exercícios p a colunaPrograma de exercícios p a coluna
Programa de exercícios p a coluna
 
Dengue
DengueDengue
Dengue
 
Terapia personalizada da depressão
Terapia personalizada da depressãoTerapia personalizada da depressão
Terapia personalizada da depressão
 
Aids
AidsAids
Aids
 

Febre amarela

  • 2. É uma doença infecciosa aguda, de curta duração (no máximo 10 dias), gravidade variável, causada pelo vírus da febre amarela, que ocorre na América do Sul e na África
  • 3. ATENÇÃO! Não confundir FEBRE AMARELA com MALÁRIA, que são nomes parecidos. Ambas são doenças infecciosas transmitidas por mosquitos e ocorrem mais ou menos na mesma região geográfica, porém os mosquitos transmissores são de espécies diferentes, o agente causador, os sintomas, evolução da doença, prevenção e tratamento são também completamente diferentes.
  • 5. Devido à coloração amarelada da pele e mucosas quando surge a icterícia (pigmentação devida à bilirrubina liberada pelo fígado e vias biliares afetados), mas isto nem sempre ocorre
  • 6. Qual a origem dessa doença?
  • 7. O primeiro relato de epidemia de uma doença semelhante à febre amarela é de um manuscrito maia de 1648 em Yucatan, México. Os macacos são os principais hospedeiros do vírus e os mosquitos, os reservatórios No Brasil, a febre amarela apareceu pela primeira vez em Pernambuco, no ano de 1685, onde permaneceu durante 10 anos
  • 8. A febre amarela apresenta dois ciclos epidemiológicos de acordo com o local de ocorrência e o a espécie de vetor (mosquito transmissor): urbano e silvestre. A última ocorrência de febre amarela urbana no Brasil, foi em 1942, no Acre. Hoje, ainda se teme a presença da febre amarela em áreas urbanas, especialmente depois do final da década de 70, quando o mosquito Aedes aegypti retornou ao Brasil
  • 9. O ciclo silvestre só foi identificado em 1932 No período de 1980 a 2004, foram confirmados 662 casos de febre amarela silvestre, com ocorrência de 339 óbitos, representando uma taxa de letalidade de 51% no período
  • 11.
  • 12.
  • 14. Vetores – Urbanos – Aedes aegypti (o mesmo da dengue) – Silvestres – vários – Haemagogus Transmissão – sempre vetorial Fêmea ingere o sangue infectado ficando com o vírus no seu intestino, linfa, glândulas salivares e sistema reprodutivo, e o transmite pela saliva ou ovos depositados
  • 16. O mosquito pica e adquire o vírus O mosquito pica e transmite o vírus Período de incubação extrínsico Período de incubação intrínsico viremia viremia Doença Ser humano 1 0 5 8 12 16 20 24 28 Doença Ser humano 2 DIAS
  • 17. O vírus multiplica-se nos mosquitos, que permanecem infecciosos por toda a vida, sendo necessário um intervalo de 12-14 dias para se tornar infectante (período de incubação extrínsico) Todos os grupos etários são susceptíveis. Ocorre grande número de infecções inaparentes Nas Américas, a Febre Amarela apresenta características da forma silvestre com incidência maior em pessoas do sexo masculino de 15-45 anos e envolvido em atividades agrícolas ou florestais
  • 19. Walter Reed, descobridor da causa da doença, no século XIX
  • 20. Na forma grave, os pacientes apresentam febre alta, dor epigástrica, diarréia e vômito, que pode ser hemorrágico (vômito-negro) Manifestações hemorrágicas como equimoses (manchas arroxeadas), epistaxe (sangramento nasal) e gengivorragia (sangramento nas gengivas). Alterações da função hepática e renal Nos casos graves, 50% dos pacientes evoluem para o óbito, e o restante se recupera totalmente sem deixar seqüelas
  • 21. O paciente morre ou sobrevive sem seqüelas Órgãos mais acometidos: vasos sangüíneos, fígado, coração, rins e encéfalo Vasos – CIVD (coagulação intra-vascular), plaquetopenia, manifestações hemorrágicas Fígado – hepatite aguda (pode ser fulminante). Rins – necrose tubular aguda (IRA)
  • 22. Relação infecção x doença = 20:1 Infecção subclínica, doença inespecífica (gripe) e formas sistêmicas graves 15% dos pacientes evoluem para formas ictéricas. Destes 20 a 50% evoluem para o óbito Fases clínicas = classicamente três (Períodos de infecção, de remissão e de intoxicação)
  • 23. 3 a 4 dias 48 horas 7 a 10 dias Tempo de duração da doença – 15 a 20 dias Infecção Remissão Intoxicação Períodosdadoença 1a. Fase 2a. Fase 3a. Fase
  • 24. 48 horas Tempo de duração da doença – 15 a 20 dias Remissão Períodosdadoença Período afebril
  • 25. 7 a 10 dias Tempo de duração da doença – 15 a 20 dias Intoxicação Períodosdadoença Surgem os anticorpos Desaparece a viremia Volta a febre Icterícia se instala Insuficiência renal aguda Manifestações hemorrágicas Coma, choque, óbito
  • 26. ALTERAÇÕES LABORATORIAIS Hemograma – leucopenia c/ neutropenia TGO, TGP - elevam-se na fase ictérica Lesão de miocárdio e músculos esqueléticos (TGO>TGP) Fosfatase alcalina e γGT – pouco elevadas Albuminúria Uréia e creatinina aumentadas Diagnóstico pela sorologia específica
  • 27. Como evitar e controlar a febre amarela?
  • 28. Vacina eficaz e segura – vacinar 10 dias antes de viagem para área endêmica Efeitos colaterais – dor local, mialgia, febre cefaléia Contra-indicações – gravidez, HIV, imunodeprimidos
  • 29. Combater o Aedes aegypti (urbano) Vacinação a partir dos 9 meses de idade, sendo indicada para todas as pessoas que vivem em áreas de risco para a doença (zona rural da Região Norte, Centro Oeste, estado do Maranhão, parte dos estados do Piauí, Bahia, Minas Gerais, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul), onde há casos da doença em humanos ou circulação do vírus entre animais (macacos) Imunidade durante 10 anos Eficácia acima de 95%
  • 31. Tratamento específico = não há Formas ictéricas (15%) = internação, repouso e observação Formas graves = internação em regime de terapia intensiva (UTI)
  • 32. Qual a situação atual no Brasil?
  • 33. Segundo o Ministério da Saúde, até o dia 18/01, a situação epidemiológica é de 33 notificações de casos suspeitos de febre amarela silvestre. Destes, 12 casos foram confirmados, dos quais 8 evoluíram para óbito e 4 tiveram cura. Outros 14 casos foram descartados para febre amarela. Os prováveis locais de infecção dos casos confirmados ocorreram em áreas silvestres de Goiás e Mato Grosso do Sul