SlideShare uma empresa Scribd logo
Msc.: Gabrielly Andrade
Especialista em Unidade de Terapia Intensiva - CEFAPP
Mestre em Educação com Ênfase em Metodologias ativas no
ensino em saúde - UFPE
Membro do grupo de Pesquisa – Educat UFPE
Docente Universitária
Enfermeira Emergencista – SCC
FEBRE AMARELA, ESTRATÉGIAS
E DESAFIOS
DEFINIÇÃO
A Febre Amarela (FA) é uma
doença infecciosa febril aguda,
transmitida por mosquitos,
causada por um arbovírus do
gênero Flavivírus – o vírus da
Febre Amarela.
A febre amarela (FA) é a infecção mais grave
transmitida por mosquitos nos trópicos
Apesar da existência de uma vacina eficaz
contra FA, desde 1937, estima-se que > 400
milhões de pessoas não vacinadas vivem em
áreas de risco de infecção
FEBRE AMARELA
Perfil Epidemiológico Casos Confirmados em São
Paulo em 2018
O perfil demográfico dos casos confirmados
coincide com aquele geralmente observado
nos surtos de Febre Amarela Silvestre;
Mais de 80% dos casos acometeram
pacientes do sexo masculino em idade
economicamente ativa não
vacinados; trabalhadores madeireiras,
agricultores, etc
Fonte: Boletim Epidemiológico SP SINAN; Divisão de Doenças Transmitidas por
Vetores e Zoonoses/CVE/CCD/SES-SP; atualizado em 04/02/2019
REEMERGÊNCIA
A Febre amarela Silvestre é transmitida pelo Haemagogus e
Sabethes em áreas de matas.
A Febre Amarela Urbana é quando o vetor é o Aedes aegypti
(último caso em 1942)  COMBATER FOCOS DE DENGUE!!!
A Febre amarela Silvestre é transmitida pelo Haemagogus e
Sabethes em áreas de matas.
A Febre Amarela Urbana é quando o vetor é o Aedes aegypti
(último caso em 1942)  COMBATER FOCOS DE DENGUE!!!
VETORES E TRANSMISSÃO
Mosquitos Vetores da Febre Amarela
O macaco não transmite a doença. Ele é um importante
sinalizador de onde está acontecendo a circulação viral.
VETORES E TRANSMISSÃO
CICLO SILVESTRE
Hospedeiros: primatas:
- Vetores: mosquitos do gênero Haemagogus
- Ocasionalmente transmitido a pessoas
CICLO URBANO
Quando pessoas virêmicas voltam à cidade
- Hospedeiros: humanos
- Transmissão: mosquitos do gênero Aedes sp
- Transmissão direta entre pessoas não ocorre
Uma vez que os sintomas
iniciais são gerais e
inespecíficos, faz-se
necessário diferenciação com
outras doenças pela
EPIDEMIOLOGIA, dados
clínicos e histórico vacinal.
Uma vez que os sintomas
iniciais são gerais e
inespecíficos, faz-se
necessário diferenciação com
outras doenças
EPIDEMIOLOGIA,
pela
dados
clínicos e histórico vacinal.
QUADRO CLÍNICO
 Sinais inespecíficos ou subclínica :
• Febre, cefaléia, mal-estar, náuseas, vômitos
•Calafrios, dores musculares
A maioria recupera-se após esses sinais
MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS
Aprox. 15% desenvolvem sinais graves
- Febre, dor abdominal, vômitos, diarréia
- Vômito e diarréia hemorrágicos
- Icterícia, equimoses, sangramentos
- Disfunção renal, hepática, coma e morte
(50% dos casos graves)
MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS - GRAVES
 Cerca de 15% dos infectados desenvolvem sinais
graves
- Febre, dor abdominal, vômitos, diarréia
- Vômito e diarréia hemorrágicos
- Icterícia, equimoses, sangramentos
- Disfunção renal, hepática, coma e morte
(50% dos casos graves)
DIAGNÓSTICO
Clínico-epidemiológico
- Laboratorial: ELISA, isolamento viral
TRATAMENTO
Não há tratamento específico
- Antitérmicos, analgésicos, hidratação
- Em casos graves: diálise e transfusão
RT PCR arboviroses incluindo FA
DIAGNÓSTICOS DIFERENCIAIS
• Dengue (teste rápido
disponível), Zika e
Chikungunya
• Malária (agravo que
também ocorre no litoral do
Paraná; teste rápido
disponível)
• Leptospirose
• Hepatitesvirais
• Influenza
• FebreMaculosa
• Sepse de diversas
etiologias
• MononucleoseInfecciosa
• Dengue (teste rápido
disponível), Zika e
Chikungunya
• Leptospirose
• Hepatites virais
• Influenza
• Febre Maculosa
• Sepse de
etiologias
Fonte: Alerta epidemiológico 01/2019
SESA/DVDTV
IMUNIZAÇÃO - 2020
A vacina contra febre amarela foi desenvolvida na
década de 1930
A vacina fornece proteção para > 95% dos que são
vacinados e a imunidade dura a vida inteira
Vacina FA tem sido associado a raras ocorrências de
eventos adversos viscerotrópicos e neurológicos
graves
Estima-se que ocorra nas taxas de 0,3 e 0,8 por
100.000 doses distribuídas, respectivamente
VACINAÇÃO
Fontes: Carta aberta aos médicos e profissionais da saúde SBIM 2018 disponível em
https://sbim.org.br/images/files/Carta-aberta-aos-medicos-e-profissionais-de-saude-180406a.pdf
Chen, L. H., Kozarsky, P. E., & Visser, L. G. (2018). What’s old is new again: the re-emergence of yellow fever
in Brazil and vaccine shortages. Clinical Infectious Diseases.
QUEM DEVE SE VACINAR?
Obs.: Dose única para maiores de 5 anos
Pessoas acima de 60 anos podem ser vacinadas se não estiver nas situações de contra-indicação e morar em
ZONA DE RISCO, OU FOR VIAJAR PARA ÁREA DE RISCO.
ESTRATÉGIAS DE
ENFRENTAMENTO
ESTRATÉGIAS E DESAFIOS IMUNIZAÇÃO
Obrigada!

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a FEBRE AMARELA - AULA 2 OK.ppt

Apres. dengue zica, chikungunya
Apres. dengue zica, chikungunyaApres. dengue zica, chikungunya
Apres. dengue zica, chikungunya
Maria Tereza Neves
 
Febre Amarela
Febre AmarelaFebre Amarela
Febre Amarela
satielicunha
 
FEBRE AMARELA
FEBRE AMARELAFEBRE AMARELA
Resumo da Dengue
Resumo da Dengue Resumo da Dengue
Resumo da Dengue
Mylla Marques
 
Febre amarela
Febre amarelaFebre amarela
Febre amarela
Jayranne Mara Santana
 
Aula 7 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte II.pdf
Aula 7 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte II.pdfAula 7 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte II.pdf
Aula 7 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte II.pdf
Giza Carla Nitz
 
Resumo Febre Amarela
Resumo Febre AmarelaResumo Febre Amarela
Resumo Febre Amarela
Nathy Oliveira
 
Influenza h1 n1
Influenza h1 n1Influenza h1 n1
Influenza h1 n1
Rafaela Dantas
 
Seminário - Tema: Malária
Seminário - Tema: MaláriaSeminário - Tema: Malária
Seminário - Tema: Malária
AbnerZaquel
 
Curso Online 1 - Dengue.pptx
Curso Online 1 - Dengue.pptxCurso Online 1 - Dengue.pptx
Curso Online 1 - Dengue.pptx
milena235441
 
Aula 14
Aula 14Aula 14
Chikungunya apresentacao padrao
Chikungunya apresentacao padraoChikungunya apresentacao padrao
Chikungunya apresentacao padrao
jose carlos silva cruz
 
Controle Sanitário de Viajantes: doenças e agravos de transmissão respiratória
Controle Sanitário de Viajantes: doenças e agravos de transmissão respiratóriaControle Sanitário de Viajantes: doenças e agravos de transmissão respiratória
Controle Sanitário de Viajantes: doenças e agravos de transmissão respiratória
Professor Robson
 
Quando o coronavrus_invade_o_planeta_-_jean-pierre_willem_exclusivo_editora_l...
Quando o coronavrus_invade_o_planeta_-_jean-pierre_willem_exclusivo_editora_l...Quando o coronavrus_invade_o_planeta_-_jean-pierre_willem_exclusivo_editora_l...
Quando o coronavrus_invade_o_planeta_-_jean-pierre_willem_exclusivo_editora_l...
BarbaraKato1
 
Noções básicas sobre Dengue e Febre Amarela.pptx
Noções básicas sobre Dengue e Febre Amarela.pptxNoções básicas sobre Dengue e Febre Amarela.pptx
Noções básicas sobre Dengue e Febre Amarela.pptx
bellaavilacroche
 
Gripe comum, suina e aviaria
Gripe comum, suina e aviariaGripe comum, suina e aviaria
Gripe comum, suina e aviaria
Guilherme Gehlen
 
Semninário Febre Amarela
Semninário Febre AmarelaSemninário Febre Amarela
Semninário Febre Amarela
Nathy Oliveira
 
Febre Amarela epidemiologia
Febre Amarela epidemiologiaFebre Amarela epidemiologia
Febre Amarela epidemiologia
Nelmidia Alves
 
Febre Amarela - Saúde Coletiva II
Febre Amarela - Saúde Coletiva IIFebre Amarela - Saúde Coletiva II
Febre Amarela - Saúde Coletiva II
Enfº Ícaro Araújo
 
FEBRE AMARELA.pptx
FEBRE AMARELA.pptxFEBRE AMARELA.pptx
FEBRE AMARELA.pptx
emanuelleribeiro15
 

Semelhante a FEBRE AMARELA - AULA 2 OK.ppt (20)

Apres. dengue zica, chikungunya
Apres. dengue zica, chikungunyaApres. dengue zica, chikungunya
Apres. dengue zica, chikungunya
 
Febre Amarela
Febre AmarelaFebre Amarela
Febre Amarela
 
FEBRE AMARELA
FEBRE AMARELAFEBRE AMARELA
FEBRE AMARELA
 
Resumo da Dengue
Resumo da Dengue Resumo da Dengue
Resumo da Dengue
 
Febre amarela
Febre amarelaFebre amarela
Febre amarela
 
Aula 7 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte II.pdf
Aula 7 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte II.pdfAula 7 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte II.pdf
Aula 7 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte II.pdf
 
Resumo Febre Amarela
Resumo Febre AmarelaResumo Febre Amarela
Resumo Febre Amarela
 
Influenza h1 n1
Influenza h1 n1Influenza h1 n1
Influenza h1 n1
 
Seminário - Tema: Malária
Seminário - Tema: MaláriaSeminário - Tema: Malária
Seminário - Tema: Malária
 
Curso Online 1 - Dengue.pptx
Curso Online 1 - Dengue.pptxCurso Online 1 - Dengue.pptx
Curso Online 1 - Dengue.pptx
 
Aula 14
Aula 14Aula 14
Aula 14
 
Chikungunya apresentacao padrao
Chikungunya apresentacao padraoChikungunya apresentacao padrao
Chikungunya apresentacao padrao
 
Controle Sanitário de Viajantes: doenças e agravos de transmissão respiratória
Controle Sanitário de Viajantes: doenças e agravos de transmissão respiratóriaControle Sanitário de Viajantes: doenças e agravos de transmissão respiratória
Controle Sanitário de Viajantes: doenças e agravos de transmissão respiratória
 
Quando o coronavrus_invade_o_planeta_-_jean-pierre_willem_exclusivo_editora_l...
Quando o coronavrus_invade_o_planeta_-_jean-pierre_willem_exclusivo_editora_l...Quando o coronavrus_invade_o_planeta_-_jean-pierre_willem_exclusivo_editora_l...
Quando o coronavrus_invade_o_planeta_-_jean-pierre_willem_exclusivo_editora_l...
 
Noções básicas sobre Dengue e Febre Amarela.pptx
Noções básicas sobre Dengue e Febre Amarela.pptxNoções básicas sobre Dengue e Febre Amarela.pptx
Noções básicas sobre Dengue e Febre Amarela.pptx
 
Gripe comum, suina e aviaria
Gripe comum, suina e aviariaGripe comum, suina e aviaria
Gripe comum, suina e aviaria
 
Semninário Febre Amarela
Semninário Febre AmarelaSemninário Febre Amarela
Semninário Febre Amarela
 
Febre Amarela epidemiologia
Febre Amarela epidemiologiaFebre Amarela epidemiologia
Febre Amarela epidemiologia
 
Febre Amarela - Saúde Coletiva II
Febre Amarela - Saúde Coletiva IIFebre Amarela - Saúde Coletiva II
Febre Amarela - Saúde Coletiva II
 
FEBRE AMARELA.pptx
FEBRE AMARELA.pptxFEBRE AMARELA.pptx
FEBRE AMARELA.pptx
 

FEBRE AMARELA - AULA 2 OK.ppt

  • 1. Msc.: Gabrielly Andrade Especialista em Unidade de Terapia Intensiva - CEFAPP Mestre em Educação com Ênfase em Metodologias ativas no ensino em saúde - UFPE Membro do grupo de Pesquisa – Educat UFPE Docente Universitária Enfermeira Emergencista – SCC
  • 3. DEFINIÇÃO A Febre Amarela (FA) é uma doença infecciosa febril aguda, transmitida por mosquitos, causada por um arbovírus do gênero Flavivírus – o vírus da Febre Amarela.
  • 4. A febre amarela (FA) é a infecção mais grave transmitida por mosquitos nos trópicos Apesar da existência de uma vacina eficaz contra FA, desde 1937, estima-se que > 400 milhões de pessoas não vacinadas vivem em áreas de risco de infecção FEBRE AMARELA
  • 5. Perfil Epidemiológico Casos Confirmados em São Paulo em 2018 O perfil demográfico dos casos confirmados coincide com aquele geralmente observado nos surtos de Febre Amarela Silvestre; Mais de 80% dos casos acometeram pacientes do sexo masculino em idade economicamente ativa não vacinados; trabalhadores madeireiras, agricultores, etc Fonte: Boletim Epidemiológico SP SINAN; Divisão de Doenças Transmitidas por Vetores e Zoonoses/CVE/CCD/SES-SP; atualizado em 04/02/2019 REEMERGÊNCIA
  • 6. A Febre amarela Silvestre é transmitida pelo Haemagogus e Sabethes em áreas de matas. A Febre Amarela Urbana é quando o vetor é o Aedes aegypti (último caso em 1942)  COMBATER FOCOS DE DENGUE!!! A Febre amarela Silvestre é transmitida pelo Haemagogus e Sabethes em áreas de matas. A Febre Amarela Urbana é quando o vetor é o Aedes aegypti (último caso em 1942)  COMBATER FOCOS DE DENGUE!!! VETORES E TRANSMISSÃO Mosquitos Vetores da Febre Amarela
  • 7. O macaco não transmite a doença. Ele é um importante sinalizador de onde está acontecendo a circulação viral. VETORES E TRANSMISSÃO
  • 8. CICLO SILVESTRE Hospedeiros: primatas: - Vetores: mosquitos do gênero Haemagogus - Ocasionalmente transmitido a pessoas CICLO URBANO Quando pessoas virêmicas voltam à cidade - Hospedeiros: humanos - Transmissão: mosquitos do gênero Aedes sp - Transmissão direta entre pessoas não ocorre
  • 9. Uma vez que os sintomas iniciais são gerais e inespecíficos, faz-se necessário diferenciação com outras doenças pela EPIDEMIOLOGIA, dados clínicos e histórico vacinal. Uma vez que os sintomas iniciais são gerais e inespecíficos, faz-se necessário diferenciação com outras doenças EPIDEMIOLOGIA, pela dados clínicos e histórico vacinal. QUADRO CLÍNICO
  • 10.  Sinais inespecíficos ou subclínica : • Febre, cefaléia, mal-estar, náuseas, vômitos •Calafrios, dores musculares A maioria recupera-se após esses sinais MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS Aprox. 15% desenvolvem sinais graves - Febre, dor abdominal, vômitos, diarréia - Vômito e diarréia hemorrágicos - Icterícia, equimoses, sangramentos - Disfunção renal, hepática, coma e morte (50% dos casos graves)
  • 11. MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS - GRAVES  Cerca de 15% dos infectados desenvolvem sinais graves - Febre, dor abdominal, vômitos, diarréia - Vômito e diarréia hemorrágicos - Icterícia, equimoses, sangramentos - Disfunção renal, hepática, coma e morte (50% dos casos graves)
  • 12. DIAGNÓSTICO Clínico-epidemiológico - Laboratorial: ELISA, isolamento viral TRATAMENTO Não há tratamento específico - Antitérmicos, analgésicos, hidratação - Em casos graves: diálise e transfusão
  • 13. RT PCR arboviroses incluindo FA
  • 14. DIAGNÓSTICOS DIFERENCIAIS • Dengue (teste rápido disponível), Zika e Chikungunya • Malária (agravo que também ocorre no litoral do Paraná; teste rápido disponível) • Leptospirose • Hepatitesvirais • Influenza • FebreMaculosa • Sepse de diversas etiologias • MononucleoseInfecciosa • Dengue (teste rápido disponível), Zika e Chikungunya • Leptospirose • Hepatites virais • Influenza • Febre Maculosa • Sepse de etiologias Fonte: Alerta epidemiológico 01/2019 SESA/DVDTV
  • 16. A vacina contra febre amarela foi desenvolvida na década de 1930 A vacina fornece proteção para > 95% dos que são vacinados e a imunidade dura a vida inteira Vacina FA tem sido associado a raras ocorrências de eventos adversos viscerotrópicos e neurológicos graves Estima-se que ocorra nas taxas de 0,3 e 0,8 por 100.000 doses distribuídas, respectivamente VACINAÇÃO Fontes: Carta aberta aos médicos e profissionais da saúde SBIM 2018 disponível em https://sbim.org.br/images/files/Carta-aberta-aos-medicos-e-profissionais-de-saude-180406a.pdf Chen, L. H., Kozarsky, P. E., & Visser, L. G. (2018). What’s old is new again: the re-emergence of yellow fever in Brazil and vaccine shortages. Clinical Infectious Diseases.
  • 17. QUEM DEVE SE VACINAR? Obs.: Dose única para maiores de 5 anos Pessoas acima de 60 anos podem ser vacinadas se não estiver nas situações de contra-indicação e morar em ZONA DE RISCO, OU FOR VIAJAR PARA ÁREA DE RISCO.
  • 19. ESTRATÉGIAS E DESAFIOS IMUNIZAÇÃO