SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 20
Evidências da Evolução
Explicações para diversificação

Criacionismo                   Ato sobrenatural


                     fixismo



Geração espontânea              Vida matéria bruta




Transmutação                       Uma espécie da
                                   origem a outra
Evidências da evolução


    •Fósseis ( paleontologia)


    •Taxonomia ( classificação dos s.v. )


    •Anatomia Comparada ( similaridades e
       diferenças)



    •Embriologia
Fósseis




Fossiles = extraído da terra
conceito
É considerado fóssil qualquer indício da presença de
organismos que viveram em tempos remotos da Terra.

Um fóssil animal forma-se quando as partes moles do
corpo se decompõe, mas seu esqueleto é substituído
por minerais do solo.( mineralização).


Processo semelhante pode ocorrer com troncos de
árvores são recobertos de lava, e a sílica substitui a
madeira.
importância
• Representa a possibilidade de conhecermos
  organismos que viveram na Terra em tempos
  remotos, sob condições ambientais distintas
  das encontradas atualmente, e que podem
  fornecer indícios de parentesco com as espécies
  atuais. Por isso, os fósseis são testemunhos da
  evolução.

• Conhecermos     a morfologia de espécies
  extintas, e até seres com características
  intermediárias.


  ( Archaeopteryx) = réptil + ave


• Forte elo sobre a teoria da Transmutação das
   espécies.
Taxonomia




Classificação dos seres vivos
taxonomia
Conhecer as espécies, suas semelhanças e diferenças,
tornou-se muito útil para analise da evolução.
Nem todos os indivíduos de uma mesma espécie são
exatamente iguais e entre duas espécies nitidamente
diversas, existem   uma   série   gradual   de   formas
intermediárias.
Tais evidências que fundamentam a evolução de um ancestral
                         comum.
Variabilidade na espécie humana
Anatomia Comparada




Estudo das similaridades e das diferenças
conceito



A anatomia comparada enfatiza a diferença entre
estruturas homólogas e estruturas análogas.
           homóloga
ESTRUTURAS HOMÓLOGAS
SÃO AS QUE TÊM CARACTERISTICAS EM COMUM, MAS REALIZAM
FUNÇOES   DIFERENTES. APRESENTAM    A MESMA    ORIGEM
EMBRIONÁRIA.



                                  A irradiação adaptativa
                                      caracterizada pela
                               diferenciação de organismos a
                                    partir de um ancestral
                                  comum. Dando origem a
                                   vários grupos diferentes
                                   adaptados a explorar
                                  ambientes diferentes.



 ESTRUTURAS ÓSSEAS HOMÓLOGAS
ESTRUTURAS ANÁLOGAS
refere-se à semelhança morfológica entre estruturas, em função de
adaptação à execução da mesma função , mas tem origem
embrionária diferente.


                                            Aves e insetos tem
                                            asas, mas não são
                                            parentes, apenas
                                            ocorre o fenômeno de
                                            Convergência
                                            Adaptativa, ou seja,
                                            que dois seres não
                                            relacionados
                                            resolveram de forma
                                            semelhante a
                                            adaptação ao mesmo
                                            tipo de ambiente.
Órgãos Vestigiais

órgãos reduzidos em tamanho e geralmente sem função,
que correspondem a órgãos maiores e funcionais em
outros organismos. Indicam ancestralidade comum


                        Apêndice vermiforme , estrutura
                        pequena e sem função específica que
                        parte do ceco ( estrutura localizada no
                        ponto onde o intestino delgado liga-se
                        ao grosso).


                         Nos mamíferos roedores, o ceco é uma
                         estrutura bem desenvolvida, na qual o
                         alimento   parcialmente   digerido  á
                         armazenado e a celulose, abundante
                         nos vegetais ingeridos, é degradada
                         pela ação de bactérias especializadas.
Embriologia




semelhança de padrão de desenvolvimento inicial
embriologia

À medida que o embrião se desenvolve, surgem
características individualizantes e as semelhanças
diminuem.


Essa semelhança também foi verificada no
desenvolvimento embrionário de todos animais.
Entretanto, quando mais diferentes são os
organismos, menor é o período embrionário comum
entre eles.
humano   galinha   porco
Prof. Antonio Marcos N. dos Reis
www.pamnr.blogspot.com
www.profamnr.blogspot.com
Antonio_ead@hotmail.com
  05/28/12                    20

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Módulo A5 - Evolução das células
Módulo A5 - Evolução das célulasMódulo A5 - Evolução das células
Módulo A5 - Evolução das células
Ana Castro
 
Anatomia comparada
Anatomia comparadaAnatomia comparada
Anatomia comparada
João Félix
 
Ecossistemas e reinos
Ecossistemas e reinosEcossistemas e reinos
Ecossistemas e reinos
Ana Castro
 
Bg 11 criacionismo
Bg 11   criacionismoBg 11   criacionismo
Bg 11 criacionismo
Nuno Correia
 
Genética e evolução: mecanismos de especiação
Genética e evolução: mecanismos de especiaçãoGenética e evolução: mecanismos de especiação
Genética e evolução: mecanismos de especiação
Roulber Carvalho
 
Evolução e mecanismos de especiação
Evolução e mecanismos de especiaçãoEvolução e mecanismos de especiação
Evolução e mecanismos de especiação
Kim Matheus
 
Evoluçao biologica pibid biologia-1º ano-luiz carlos da costa
Evoluçao biologica pibid biologia-1º ano-luiz carlos da costaEvoluçao biologica pibid biologia-1º ano-luiz carlos da costa
Evoluçao biologica pibid biologia-1º ano-luiz carlos da costa
Luiz Carlos
 
Evide evolucao[1]
Evide evolucao[1]Evide evolucao[1]
Evide evolucao[1]
Gaspar Neto
 

Mais procurados (20)

Evidências da evolução 3 C
Evidências da evolução 3 CEvidências da evolução 3 C
Evidências da evolução 3 C
 
Orgãos análogos e homólogos
Orgãos análogos e homólogosOrgãos análogos e homólogos
Orgãos análogos e homólogos
 
Módulo A5 - Evolução das células
Módulo A5 - Evolução das célulasMódulo A5 - Evolução das células
Módulo A5 - Evolução das células
 
Argumentos do Evolucionismo
Argumentos do EvolucionismoArgumentos do Evolucionismo
Argumentos do Evolucionismo
 
Anatomia comparada
Anatomia comparadaAnatomia comparada
Anatomia comparada
 
Ppoint.evolução.especiação
Ppoint.evolução.especiaçãoPpoint.evolução.especiação
Ppoint.evolução.especiação
 
Ecossistemas e reinos
Ecossistemas e reinosEcossistemas e reinos
Ecossistemas e reinos
 
Introdução ao estudo dos seres vivos 2º ano
Introdução ao estudo dos seres vivos 2º anoIntrodução ao estudo dos seres vivos 2º ano
Introdução ao estudo dos seres vivos 2º ano
 
Aula 7º ano revisão do 6º ano-introdução ao 7º ano
Aula 7º ano   revisão do 6º ano-introdução ao 7º anoAula 7º ano   revisão do 6º ano-introdução ao 7º ano
Aula 7º ano revisão do 6º ano-introdução ao 7º ano
 
Origens2
Origens2Origens2
Origens2
 
Bg 11 criacionismo
Bg 11   criacionismoBg 11   criacionismo
Bg 11 criacionismo
 
Evolução
EvoluçãoEvolução
Evolução
 
Argumentos Citológicos
Argumentos CitológicosArgumentos Citológicos
Argumentos Citológicos
 
Especiação (PRÉ)
Especiação (PRÉ)Especiação (PRÉ)
Especiação (PRÉ)
 
Genética e evolução: mecanismos de especiação
Genética e evolução: mecanismos de especiaçãoGenética e evolução: mecanismos de especiação
Genética e evolução: mecanismos de especiação
 
Apostila bio2
Apostila bio2Apostila bio2
Apostila bio2
 
Evolução e mecanismos de especiação
Evolução e mecanismos de especiaçãoEvolução e mecanismos de especiação
Evolução e mecanismos de especiação
 
Evoluçao biologica pibid biologia-1º ano-luiz carlos da costa
Evoluçao biologica pibid biologia-1º ano-luiz carlos da costaEvoluçao biologica pibid biologia-1º ano-luiz carlos da costa
Evoluçao biologica pibid biologia-1º ano-luiz carlos da costa
 
Evide evolucao[1]
Evide evolucao[1]Evide evolucao[1]
Evide evolucao[1]
 
Evolução 2
Evolução 2Evolução 2
Evolução 2
 

Destaque

Nov 15 2016 DOC-342186A1
Nov 15 2016 DOC-342186A1Nov 15 2016 DOC-342186A1
Nov 15 2016 DOC-342186A1
Todd Heath
 
Manual de usuario menu de programas
Manual de usuario menu de programasManual de usuario menu de programas
Manual de usuario menu de programas
Luis Sánchez
 
Updated resume 2015
Updated resume 2015Updated resume 2015
Updated resume 2015
Tamyra P
 

Destaque (13)

QuickFMS Introduction
QuickFMS IntroductionQuickFMS Introduction
QuickFMS Introduction
 
Problema aplicativo sql
Problema aplicativo sqlProblema aplicativo sql
Problema aplicativo sql
 
Nov 15 2016 DOC-342186A1
Nov 15 2016 DOC-342186A1Nov 15 2016 DOC-342186A1
Nov 15 2016 DOC-342186A1
 
Report EIT 1
Report EIT 1Report EIT 1
Report EIT 1
 
Stuttering
StutteringStuttering
Stuttering
 
Fareed Resume
Fareed Resume Fareed Resume
Fareed Resume
 
Manual de usuario menu de programas
Manual de usuario menu de programasManual de usuario menu de programas
Manual de usuario menu de programas
 
Fertilidade
FertilidadeFertilidade
Fertilidade
 
O ILUMINISMO
O ILUMINISMOO ILUMINISMO
O ILUMINISMO
 
İnternetteki̇ ri̇skler
İnternetteki̇ ri̇sklerİnternetteki̇ ri̇skler
İnternetteki̇ ri̇skler
 
Prácticas Comunicativas 1º de ESO. Navidad 2016
Prácticas Comunicativas 1º de ESO. Navidad 2016Prácticas Comunicativas 1º de ESO. Navidad 2016
Prácticas Comunicativas 1º de ESO. Navidad 2016
 
Onde tudo começou
Onde tudo começouOnde tudo começou
Onde tudo começou
 
Updated resume 2015
Updated resume 2015Updated resume 2015
Updated resume 2015
 

Semelhante a EVOLUÇÃO - II

Cap 12 evidencias da evolucao
Cap 12 evidencias da evolucaoCap 12 evidencias da evolucao
Cap 12 evidencias da evolucao
Joao Balbi
 
Evidências da evolução
Evidências da evoluçãoEvidências da evolução
Evidências da evolução
Raquel Freiry
 
Evoluçao biologica pibid biologia-1º ano-luiz carlos da costa
Evoluçao biologica pibid biologia-1º ano-luiz carlos da costaEvoluçao biologica pibid biologia-1º ano-luiz carlos da costa
Evoluçao biologica pibid biologia-1º ano-luiz carlos da costa
Luiz Carlos
 
Biologia 11 argumentos de evolução
Biologia 11   argumentos de evoluçãoBiologia 11   argumentos de evolução
Biologia 11 argumentos de evolução
Nuno Correia
 

Semelhante a EVOLUÇÃO - II (20)

Cap 12 evidencias da evolucao
Cap 12 evidencias da evolucaoCap 12 evidencias da evolucao
Cap 12 evidencias da evolucao
 
Introdução à evolução
Introdução à evoluçãoIntrodução à evolução
Introdução à evolução
 
Evolução
EvoluçãoEvolução
Evolução
 
Evidenciasevo
EvidenciasevoEvidenciasevo
Evidenciasevo
 
Evolucao ceped
Evolucao cepedEvolucao ceped
Evolucao ceped
 
Introdução a evolução
Introdução a evoluçãoIntrodução a evolução
Introdução a evolução
 
BIOLOGIA O QUE É VIDA ORGANIZAÇÃO DOS SERES VIVOS REINOS .pdf
BIOLOGIA O QUE É VIDA ORGANIZAÇÃO DOS SERES VIVOS REINOS .pdfBIOLOGIA O QUE É VIDA ORGANIZAÇÃO DOS SERES VIVOS REINOS .pdf
BIOLOGIA O QUE É VIDA ORGANIZAÇÃO DOS SERES VIVOS REINOS .pdf
 
Evolução humana 3 C
Evolução humana 3 CEvolução humana 3 C
Evolução humana 3 C
 
Evolução
EvoluçãoEvolução
Evolução
 
EvoluçãO
EvoluçãOEvoluçãO
EvoluçãO
 
Aula colégio de aplicação
Aula colégio de aplicaçãoAula colégio de aplicação
Aula colégio de aplicação
 
6ª semana
6ª semana6ª semana
6ª semana
 
aula DE biologia ensino médio revisão.pdf
aula DE biologia ensino médio revisão.pdfaula DE biologia ensino médio revisão.pdf
aula DE biologia ensino médio revisão.pdf
 
Evidências da evolução
Evidências da evoluçãoEvidências da evolução
Evidências da evolução
 
Unidade 2 evolução
Unidade 2 evoluçãoUnidade 2 evolução
Unidade 2 evolução
 
EvoluçAo
EvoluçAoEvoluçAo
EvoluçAo
 
Evolucionismo
EvolucionismoEvolucionismo
Evolucionismo
 
Evoluçao biologica pibid biologia-1º ano-luiz carlos da costa
Evoluçao biologica pibid biologia-1º ano-luiz carlos da costaEvoluçao biologica pibid biologia-1º ano-luiz carlos da costa
Evoluçao biologica pibid biologia-1º ano-luiz carlos da costa
 
Biologia 11 argumentos de evolução
Biologia 11   argumentos de evoluçãoBiologia 11   argumentos de evolução
Biologia 11 argumentos de evolução
 
Invertebrados
InvertebradosInvertebrados
Invertebrados
 

Mais de Antonio Marcos Nunes dos Reis Marcos

Mais de Antonio Marcos Nunes dos Reis Marcos (20)

REGIME MILITAR
REGIME MILITARREGIME MILITAR
REGIME MILITAR
 
República liberal
República liberalRepública liberal
República liberal
 
REPÚBLICA VELHA
REPÚBLICA VELHAREPÚBLICA VELHA
REPÚBLICA VELHA
 
FACISMO - REGIME TOTALITÁRIO DE DIREITA
FACISMO - REGIME TOTALITÁRIO DE DIREITAFACISMO - REGIME TOTALITÁRIO DE DIREITA
FACISMO - REGIME TOTALITÁRIO DE DIREITA
 
GUERRA FRIA
GUERRA FRIAGUERRA FRIA
GUERRA FRIA
 
ERA VARGAS
ERA VARGASERA VARGAS
ERA VARGAS
 
O conflito entre israelenses e palestinos
O  conflito entre israelenses e palestinosO  conflito entre israelenses e palestinos
O conflito entre israelenses e palestinos
 
Israel e a questão palestina
Israel e a questão palestinaIsrael e a questão palestina
Israel e a questão palestina
 
ILUMINISMO
ILUMINISMOILUMINISMO
ILUMINISMO
 
CONFLITOS ENTRE JUDEUS E ÁRABES
CONFLITOS ENTRE JUDEUS E ÁRABESCONFLITOS ENTRE JUDEUS E ÁRABES
CONFLITOS ENTRE JUDEUS E ÁRABES
 
A ÁFRICA
A ÁFRICAA ÁFRICA
A ÁFRICA
 
GLOBALIZAÇÃO
GLOBALIZAÇÃOGLOBALIZAÇÃO
GLOBALIZAÇÃO
 
A ESCRAVIDÃO - ÍNDIOS x AFRICANOS
A ESCRAVIDÃO - ÍNDIOS x AFRICANOSA ESCRAVIDÃO - ÍNDIOS x AFRICANOS
A ESCRAVIDÃO - ÍNDIOS x AFRICANOS
 
ALTA IDADE MÉDIA
ALTA IDADE MÉDIAALTA IDADE MÉDIA
ALTA IDADE MÉDIA
 
A MESOPOTÂMIA
A MESOPOTÂMIAA MESOPOTÂMIA
A MESOPOTÂMIA
 
POVOS INDIGENAS BRASILEIROS
POVOS INDIGENAS BRASILEIROSPOVOS INDIGENAS BRASILEIROS
POVOS INDIGENAS BRASILEIROS
 
EVOLUÇÃO - I
EVOLUÇÃO - IEVOLUÇÃO - I
EVOLUÇÃO - I
 
ARTE BRASILEIRA
ARTE BRASILEIRAARTE BRASILEIRA
ARTE BRASILEIRA
 
A GRÉCIA ANTIGA
A GRÉCIA ANTIGAA GRÉCIA ANTIGA
A GRÉCIA ANTIGA
 
A IDADE MÉDIA
A IDADE MÉDIAA IDADE MÉDIA
A IDADE MÉDIA
 

EVOLUÇÃO - II

  • 2. Explicações para diversificação Criacionismo Ato sobrenatural fixismo Geração espontânea Vida matéria bruta Transmutação Uma espécie da origem a outra
  • 3. Evidências da evolução •Fósseis ( paleontologia) •Taxonomia ( classificação dos s.v. ) •Anatomia Comparada ( similaridades e diferenças) •Embriologia
  • 5. conceito É considerado fóssil qualquer indício da presença de organismos que viveram em tempos remotos da Terra. Um fóssil animal forma-se quando as partes moles do corpo se decompõe, mas seu esqueleto é substituído por minerais do solo.( mineralização). Processo semelhante pode ocorrer com troncos de árvores são recobertos de lava, e a sílica substitui a madeira.
  • 6. importância • Representa a possibilidade de conhecermos organismos que viveram na Terra em tempos remotos, sob condições ambientais distintas das encontradas atualmente, e que podem fornecer indícios de parentesco com as espécies atuais. Por isso, os fósseis são testemunhos da evolução. • Conhecermos a morfologia de espécies extintas, e até seres com características intermediárias. ( Archaeopteryx) = réptil + ave • Forte elo sobre a teoria da Transmutação das espécies.
  • 8. taxonomia Conhecer as espécies, suas semelhanças e diferenças, tornou-se muito útil para analise da evolução. Nem todos os indivíduos de uma mesma espécie são exatamente iguais e entre duas espécies nitidamente diversas, existem uma série gradual de formas intermediárias.
  • 9. Tais evidências que fundamentam a evolução de um ancestral comum.
  • 11. Anatomia Comparada Estudo das similaridades e das diferenças
  • 12. conceito A anatomia comparada enfatiza a diferença entre estruturas homólogas e estruturas análogas. homóloga
  • 13. ESTRUTURAS HOMÓLOGAS SÃO AS QUE TÊM CARACTERISTICAS EM COMUM, MAS REALIZAM FUNÇOES DIFERENTES. APRESENTAM A MESMA ORIGEM EMBRIONÁRIA. A irradiação adaptativa caracterizada pela diferenciação de organismos a partir de um ancestral comum. Dando origem a vários grupos diferentes adaptados a explorar ambientes diferentes. ESTRUTURAS ÓSSEAS HOMÓLOGAS
  • 14. ESTRUTURAS ANÁLOGAS refere-se à semelhança morfológica entre estruturas, em função de adaptação à execução da mesma função , mas tem origem embrionária diferente. Aves e insetos tem asas, mas não são parentes, apenas ocorre o fenômeno de Convergência Adaptativa, ou seja, que dois seres não relacionados resolveram de forma semelhante a adaptação ao mesmo tipo de ambiente.
  • 15. Órgãos Vestigiais órgãos reduzidos em tamanho e geralmente sem função, que correspondem a órgãos maiores e funcionais em outros organismos. Indicam ancestralidade comum Apêndice vermiforme , estrutura pequena e sem função específica que parte do ceco ( estrutura localizada no ponto onde o intestino delgado liga-se ao grosso). Nos mamíferos roedores, o ceco é uma estrutura bem desenvolvida, na qual o alimento parcialmente digerido á armazenado e a celulose, abundante nos vegetais ingeridos, é degradada pela ação de bactérias especializadas.
  • 16. Embriologia semelhança de padrão de desenvolvimento inicial
  • 17. embriologia À medida que o embrião se desenvolve, surgem características individualizantes e as semelhanças diminuem. Essa semelhança também foi verificada no desenvolvimento embrionário de todos animais. Entretanto, quando mais diferentes são os organismos, menor é o período embrionário comum entre eles.
  • 18. humano galinha porco
  • 19.
  • 20. Prof. Antonio Marcos N. dos Reis www.pamnr.blogspot.com www.profamnr.blogspot.com Antonio_ead@hotmail.com 05/28/12 20